Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

Argentina, Chile, França, África do Sul e Portugal são considerados países com bom vinho. Em Portugal, há duas grandes regiões de vinho: o Alentejo e o Douro. Existem outras, como a região da Bairrada, zona da Raquel, onde um bom espumante acompanha o leitão assado à moda da região. O que torna especial a região do Douro para a produção de vinho é também o que a torna única e imperdível de ser visitada.

DSC_4882

A região pode ser visitada de carro, barco ou comboio. Pode-se fazer uma viagem apenas com o intuito de conhecer os vinhos da região, com a maioria das quintas de produção de vinho bem preparadas para receber visitantes, algumas até com alojamentos e restaurantes. Pode-se também fazer uma viagem com a ideia de visitar as praias fluviais, e são muitas, ou pode-se ir em busca de comida tradicional “da boa”. Nós somos fãs de tudo isto, portanto, nada como conciliar programas, ou visitar a região várias vezes.

Já fomos de comboio (The Presidential), um projecto fascinante, onde se faz a viagem num antigo e ainda atual comboio presidencial, acompanhada de uma refeição com um chef de topo. No nosso caso, em 2016, com o chef Dieter Koschina do Villa Joya, de duas estrelas Michellin. Esta refeição, claro está, é servida com uma cuidada seleção de vinhos do douro, seguindo viagem com os participantes o enólogo responsável, explicando cada escolha. Há uma paragem na Quinta Vesúvio onde se faz uma prova de vinhos do porto. Este evento foi considerado em 2017 pela BeaWorld como o melhor evento público do mundo.

Já fomos de carro, atravessando a Volta a Portugal, percorrendo praias fluviais, vendo quedas de meteoritos em aldeias remotas e comprando vinho em adegas. Também já fomos atrás das pinturas rupestres, em Foz Coa, e a provas de vinho em quintas de famílias tradicionais inglesas. Falta-nos subir o rio Douro de barco. Um dia…

O que recomendamos fazer:

  • Ir de comboio: sabemos que um evento como The Presidential não é uma escolha consensual. Nem todos gostamos de comida gourmet e nem todos valorizamos um evento deste tipo ao ponto de pagar o que custa. Para quem não quer perder a viagem de comboio junto ao rio douro há uma solução mais em conta, da CP, a MiraDouro, de São Bento à Régua, e da Régua ao Tua, com paragem no Pinhão, o Comboio Histórico do Douro.
  • Ir de barco: não temos nenhuma experiência. Sabemos que se fala muito na Douro Azul, que há outras empresas, como a Douro. Também há várias opções, como fazer as 6 pontes ou subir e descer até à Régua, e durações variadas, normalmente em cruzeiros de 2 e 3 dias.
  • Ir a uma quinta de produção de vinho: fazer uma prova de vinhos é obrigatório, mas podem também fazer visitas guiadas, picnics, passeios, etc.. Algumas sugestões:
    • Quinta da Pacheca (Lamego);
    • Quinta da Rôeda (Pinhão);
    • Quinta de La Rosa (Pinhão);
    • Quinta do Bonfim (Pinhão) da família Symington, os mesmos donos da Quinta do Vesúvio;
    • Quinta da Pôpa (Tabuaço);
    • Quinta do Panascal (Valença do Douro);
    • Quinta do Seixo (Valença do Douro).

DSC_6619DSC_6604

DSC_6602
DSC_6590

As provas de vinho têm diversos preços dependendo do pretendido. Mas rondam os 10-20€.

  • Museus
    • Ir ao Côa ao museu e ver as pinturas rupestres. As visitas devem ser marcadas previamente no site. Podem ser feitas em três zonas e até há visitas noturnas, em que dizem que é mais fácil ver o traçado das pinturas. É preciso alguma criatividade para ver alguns desenhos, em algumas rochas, mas noutras vê-se bem. Para nós faz sentido fazer a visita guiada para compreender melhor como tudo se processou. Afinal ia ser construída uma barragem que inundaria as zonas de arte rupestre. Quanto ao museu é bastante interessante seja pelo conteúdo ou pelo edifício em si, mas como portugueses sente-se que a obra é demasiada grandiosa para o público alvo, disseram-nos o custo mensal em eletricidade e achámos um exagero. Custo entre os 6 e os 20€.
    • Museu do Douro no Peso da Régua. Fica na reabilitada casa da Companhia e foi inaugurado em 2008. Pretende divulgar a região do Douro, tanto a sua história e tradição como os seus artistas. Tem vários tipos de programas e por isso o preço varia entre os 7,5 e os 30€ (com almoço).
DSC_6473
DSC_6464
DSC_6528
DSC_6447
  • Visitar as praias fluviais:
    • Praia Fluvial de Porto de Rei (Resende);
    • Praia Fluvial da Lomba
    • Praia Fluvial de Zebreiros (Gondomar);
    • Praia da Congida (Freixo de Espada à Cinta);
    • Praia Fluvial de Bitetos (Marco de Canaveses);
    • Praia Fluvial do Peredo da Bemposta;
    • Praia Fluvial de Pedorido e
    • Praia Fluvial do Castelo (Castelo de Paiva).

DSC_4765

  • Ir aos Miradouros:
    • Miradouro de São Leonardo da Galafura, onde encontram um poema de Miguel Torga;
    • Miradouro Casal dos Loivos, uma vista já reconhecida como uma das mais bonitas do mundo;
    • Miradouro de Alto de Vargelas;
    • Miradouro São Salvador do Mundo;

DSC_4898

Achamos que todos são muito especiais e viajando de forma independente de carro faz sentido passar em todos.

DSC_4872

  • Comer:
    • Restaurante Vindouro (Lamego): na nossa última visita ao Douro decidimos ir a este restaurante que nos aparecia no The Fork, uma App que usamos muito. O restaurante é sofisticado, até na forma como apresenta os pratos. A comida era de qualidade.
    • Restaurante São Leonardo (miradouro com o mesmo nome): tentámos ir o verão passado, mas estava cheio (recomenda-se reserva).
    • Restaurante DOC (Sabrosa): é um restaurante para quem aprecia uma culinária de autor. Do Chef Paula;
    • Restaurante Ponte de Pedra: com uma vista fantástica para o rio Tâmega e a ponte de pedra onde passa a N108; Havia um casamento e chegámos tarde o que nos deixou limitados na ementa, mas fomos super bem servidos.
    • Restaurante A Repentina (Peso da Régua): este é O restaurante onde devem ir se querem comer cabrito;
    • Restaurante Dallas (Foz Côa): foi-nos recomendado, mas estava fechado;
    • Restaurante Foz Caffé (Foz Côa): foi o que encontrámos aberto em alternativa ao Dallas, comemos uma ótima costeleta de novilho.

DSC_4755

  • Assistir às vindimas: a época principal começa agora. Nem todas as quintas abrem a atividade ao público, mas há umas que aproveitam para atrair os curiosos com programas que incluem a estadia, as refeições, participação ativa na apanha da uva e prova de vinhos. Algumas até permitem pisar as uvas.

 

O Douro é sempre um bom destino e passar por lá é sempre uma boa ideia!!!

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Saudades do Vale do Douro...

Você só foi ao museu de Foz Côa?Não fez o sítio arqueológico que é impressionante, enquanto no Museu São réplicas? 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
18 horas atrás, D FABIANO disse:

Saudades do Vale do Douro...

Você só foi ao museu de Foz Côa?Não fez o sítio arqueológico que é impressionante, enquanto no Museu São réplicas? 

Fizemos as duas coisas, fomos ver o museu no fim da visita à arte rupestre. Gostávamos de ter feito a visita noturna também, mas não deu. 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por gabriel.santiago
      Bom dia!!
      No início de fevereiro farei uma viagem a Portugal com duração de 15 dias. Passarei por seis cidades diferentes do centro e norte da terrinha, e gostaria de sugestões de mochilas pra essa viagem. Valeu!!
    • Por sildemartini
      A ideia é conhecer o máximo de lugares possíveis neste período. A saída será em Março 2019 de SP,  pensando em ir para Lisboa. Mas como é a primeira viagem gostaria de sugestões de roteiros e dicas 😊
    • Por thainact
      Oi, gente. Acompanho o mochileiros fazem anos e, pela primeira vez, estou tendo a oportunidade de planejar uma viagem que vai se concretizar! viajo próxima semana e gostaria de opiniões sobre o meu roteiro. Será somente por Portugal, irei com a minha mãe, pretendemos aproveitar o máximo. Por favor, sugiram a alteração do roteiro ou deem dicas
      Uma dúvida, nunca me instalei em hostels, andei agendando alguns no booking.com e percebi que quase todos precisam deixar o número do cartão de crédito para concluir a reserva. Minha dúvida é se você paga na hora, em espécie, e o cartão é só pra garantir que você vai ficar lá, como um "calção", ou se o valor é cobrado na fatura do cartão de crédito. Por favor, compartilhem suas experiências.
       
      Obs: vamos começar por Sintra, pois temos como ficar na casa de amigos durante a estadia lá.
      Dia 1 e 2 - SINTRA
      Dia 3 - CASCAIS
      Dia 4,5,6,7,8 - LISBOA
      Dia 9 - COIMBRA
      Dia 10,11,12 - PORTO
      Dia 13 - BRAGA
      Dia 14, 15 - AVEIRO
      Dia 16,17,18 - LAGOS (ALGARVE)
      Dia 19,20 - SINTRA NOVAMENTE
    • Por Camila Rubira
      Colecionando bandeirinhas: gaúchos na Europa 🇵🇹 🇪🇸 🇫🇷 🇧🇪 🇱🇺 🇨🇭 🇩🇪   
      Foram 24 dias de roadtrip pela Europa, passando por sete países: Portugal, Espanha, França, Bélgica, Holanda, Alemanha e Suíça. De quebra tivemos mais dois dias de conexão no Marrocos. Foi uma “baita curtida”, neste relato trazemos detalhes da trip e alguns passeios que fizemos.
      RESUMO DA VIAGEM
      Data
      Local
      Data
      Local
      25/11
      Rio Grande, Porto Alegre - Brasil 
      10/12
      Colônia – Alemanha
      26/11
      São Paulo – Brasil
      11/12
      Colônia – Alemanha
      27/11
      Casablanca – Marrocos
      12/12
      Frankfurt – Alemanha
      28/11
      Lisboa – Portugal
      13/12
      Frankfurt – Alemanha
      29/11
      Sintra, Coimbra, Aveiro – Portugal
      14/12
      Genebra – Suíça
      30/11
      Porto – Portugal
      15/12
      Genebra – Suíça
      01/12
      Burgos – Espanha
      16/12
      Barcelona – Espanha
      02/12
      Bordéus – França
      17/12
      Barcelona – Espanha
      03/12
      Paris – França
      18/12
      Madri – Espanha
      04/12
      Paris – França
      19/12
      Madri – Espanha
      05/12
      Paris – França
      20/12
      Serra da Estrela, Covilhã – Portugal
      06/12
      Bruxelas – Bélgica
      21/12
      Lisboa – Portugal
      07/12
      Bruges – Bélgica
      22/12
      Casablanca – Marrocos
      08/12
      Roterdã, Amsterdã – Holanda
      23/12
      São Paulo – Brasil
      09/12
      Amsterdã – Holanda
      24/12
      Porto Alegre, Rio Grande – Brasil
       
      SAINDO DO RIO GRANDE DO SUL 🇧🇷
      Iniciamos nossa trip no dia 25 de novembro saindo da cidade do Rio Grande, no extremo Sul do Rio Grande do Sul, em direção a Porto Alegre. Percorremos 369 Km de ônibus, para embarcarmos em Porto Alegre rumo a São Paulo, sobrevoando a distância de 866 Km.
      Em São Paulo, de fato demos início a nossa trip internacional, embarcando no voo da companhia área Royal Air Maroc com destino a Lisboa, Portugal. Nesse voo sobrevoamos 7544 Km, com duração de 12 horas e 35 minutos, até chegarmos em Casablanca no Marrocos, local onde tivemos uma conexão de 24 horas. O que nos possibilitou conhecermos um pouco dessa cidade que foi cenário de um clássico dos cinemas nos anos de 1942, Casablanca. No dia seguinte, voamos cerca de 642 Km ruma a Lisboa.
      CONHECENDO CASABLANCA 🇲🇦
      Ficamos hospedados no Relax Hotel (hotel de trânsito da companhia área Royal Air Maroc), próximo ao aeroporto Mohammed V, cerca de 34 Km do centro de Casablanca. Contratamos um táxi e visitamos os principais pontos turísticos da cidade: Mesquita Hassan II, Medina de Casablanca, Rick’s Café. Uma das características mais marcantes do povo árabe do Marrocos é a barganha, tanto ao fazer uma compra nas lojas da Medina de Casablanca, quanto ao pedir uma simples informação no aeroporto. Tudo se transforma numa árdua “peleia”, a qual se vence pelo cansaço. Os idiomas falados no Marrocos são árabe e o francês, o inglês não é o forte deles. E a moeda é o dirrã marroquino.

       
      ENFIM CHEGAMOS AO VELHO CONTINENTE EUROPEU
      Na chegada do aeroporto Humberto Delgado em Lisboa alugamos um carro, o qual já havíamos efetuado a reserva pela internet com a empresa Sixt Rent a Car. Alugamos um Renault Clio ano 2017 (1.6 SW europeu a diesel), no valor de R$ 1422.  A partir da chegada em Portugal, realizamos todas as viagens entre as diferentes cidades e países de carro. Foram cerca de 7237 Km percorridos entre Portugal, Espanha, França, Bélgica, Holanda, Alemanha e Suíça. Dentro das cidades optamos por realizar os passeios caminhando, com o nosso companheiro de todas as horas, o chimarrão. Além de economizarmos no transporte e praticarmos uma atividade física, ainda podemos conhecer lugares que certamente passariam despercebidos se estivéssemos dentro de algum automóvel.
      Portugal 🇵🇹 
      Em Portugal visitamos as cidades de Lisboa, Sintra, Coimbra, Aveiro, Porto e Covilhã (região de Serra da Estrela). Particularmente de todos os 7 países visitados, o que mais gostamos foi Portugal. Além da facilidade com idioma e da comida, o povo português é muito hospitaleiro e as cidades oferecem tanto o agito, quanto o descanso. O pôr do sol regado a música de artistas de rua na Ribeira das Naus foi de tirar o fôlego, assim como comer os famosos pastéis de Belém na fábrica que existe desde 1837, em Lisboa. A subida caminhando até a Quinta da Regaleira em Sintra, foi compensada com o visual do Palácio da Regaleira, da cachoeira e do Poço Iniciático. Em Coimbra, depois de visitar a Sé Velha e o centro histórico, não podíamos deixar de degustar os pastéis de Santa Clara. Além disso, tomamos o nosso chimarrão na beira da Ria de Aveiro (Foz do Rio Vouga) e comemos os deliciosos ovos moles. Em Porto, com o nosso chimarrão, passeamos pela Ribeira do Rio Douro e degustamos o famoso bacalhau à Brás. A adrenalina de subir 1993 metros de altitude em Serra da Estrela e comer o famoso queijo feito com leite de ovelha, foi para fechar com tudo nossa roadtrip em Portugal.
       


      Espanha 🇪🇸
      Na Espanha conhecemos Burgos, Barcelona e Madri. Em Burgos deu para “encarangar de frio”, chegamos na cidade a baixo de neve com temperatura de -5 °C, mas isso não foi impedimento para conhecermos o Arco de Santa Maria, a Catedral de Santa Maria de Burgos, a Plazza del Rey San Fernando, e também comermos os deliciosos tapas (petiscos) acompanhados de cervejas Estrela Galicia. Em Barcelona e Madri adoramos chimarrear no Parc de la Ciutadella, no Jardins do Retiro e no Templo de Debod, situado no Parque del Oeste, e comermos os famosos torrones espanhóis. Uma curiosidade sobre o povo espanhol, é que eles não gostam muito dos portugueses e dos brasileiros. Apesar do idioma espanhol ter aproximações com o português, os espanhóis com quem tivemos contato, se negavam a tentar nos compreender, sendo que nós conseguimos compreendê-los.

       
      França 🇫🇷
      Se Portugal foi o país que mais gostamos, a França foi o que menos gostamos. Além de ser um país caro, também é atribuído muito status a cidades como Paris. Fora a parte central desta cidade, os bairros mais periféricos são sujos, com um trânsito caótico. Há uma discrepância entre o luxo da Champs Élysées e o restante da cidade. Mas como turistas, achamos linda a vista da Torre Eiffel, principalmente a noite quando começa a brilhar, o Museu do Louvre e a Catedral de Notre Dame. Em Paris também nos deliciamos com os famosos croissants, com os macarons e com a legítima champagne francesa (bem gaseificada), diga-se de passagem, uma fortuna mas valeu o investimento.

       
      Bélgica 🇧🇪 
      A Bélgica foi outro país que gostamos muito. As cervejas e os chocolates são os melhores do mundo, ganham até mesmo dos chocolates suíços. Em Bruxelas o tamanho do Manneken pis decepciona um a pouco, mas as luzes Grand Place superam qualquer expectativa. Uma parada obrigatória para quem vai a Bruxelas, e assim como nós ama cerveja, é ir no Delirium Café. Lá tomamos muitas cervejas (Delirium, Waterloo, Trappistes, La chouffe e Westvleteren), com tantos estilos diferentes de cervejas deu até para ficarmos levemente alterados. Outra parada, deve ser para comer fritas com molho samurai em algum mercadinho de natal. Em Bruges, depois de um passeio pelas construções medievais e os canais, comer waffles de creme de avelã transformam a cidade em um verdadeiro doce cenário romântico. Os idiomas falados na Bélgica variam bastante, sendo o francês, o alemão e o holandês (neerlandês).

       
      Holanda 🇱🇺 
      A Holanda é uma loucura. Roterdã tem edifícios fantásticos como as Casas Cubo e o Market Hall. Famosa pelas bicicletas e pelos canais, com seus coffeeshops e as vitrines com as profissionais do sexo, Amsterdã de forma organizada vem quebrando tabus. O Brasil ainda tem muito que aprender. Na Red Light District vale a pena fazer uma parada para tomar as cervejas típicas de Amsterdã, Heineken e Amstel. O idioma falado lá é o holandês (neerlandês).

       
      Alemanha 🇩🇪 
      Na Alemanha visitamos os melhores mercados natal, tomamos muito chopp e cervejas (Munchener, Dunkel, Vienna, Pils, Marzen, Kolsch), também comemos muito nürnberger würstchen (pão com linguiça alemã). Em Colônia nos encantamos com a Kölner Dom e com a sua história na Segunda Guerra Mundial. Já em Frankfurt vimos o entardecer tomando um chimarrão a margem do Rio Reno e quase comemos mett (carne crua de porco com temperos e pão), mas fomos salvos por uns senhores alemães que sensibilizaram com a nossa dificuldade com o idioma alemão. Em nossa roadtrip pela Alemanha foi bem difícil compreender este idioma, parecia que estávamos sempre sendo xingados.

       
      Suíça 🇨🇭 
      Na Suíça visitamos a cidade de Genebra. Assim como Paris esta cidade tem o custo de vida alto e o idioma falado é o francês. Os chocolates suíços são deliciosos, mas o destaque fica por conta do famoso queijo suíço, gruyère. A vista do Jet d”Eau, contemplada com um arco íris e o L’horloge fleurie formado com flores da época tornam a paisagem ainda mais bonita.

       
      Sobre a companhia aérea Royal Air Maroc
      Antes de comprarmos as passagens aéreas para Europa, realizamos pesquisas na internet para saber o país de entrada e a companhia aérea que ofereciam os melhores valores. Compramos as passagens pela companhia Royal Air Maroc, pela metade do preço que pagaríamos em outras companhias, pagamos R$ 2736,45 (ida e volta por pessoa). Nas nossas pesquisas encontramos diversas críticas sobre esta companhia, mas para nossa felicidade todas foram desmistificadas. Os serviços de voo foram de primeira classe. As refeições foram compostas por iogurte, pão, cookies, bolinhos, chocolates, carne, arroz, sopa, água, refrigerante, café, chá, vinho, cerveja, e muito mais. “Tchê tá louco”, o que mais fizemos neste voo foi comer, a todo momento os comissários de bordo se apresentavam nos corredores, carregando trolleys repletos de comidas gostosas.

      Durante o voo ainda podemos desfrutar de uma playlist com músicas marroquinas e assistir alguns filmes. Para os que preferem passar o tempo dormindo, foram distribuídos kits contendo: meias, vendas para os olhos, mantas e travesseiros. Um luxo só!  Esta companhia também oferece para voos com conexão de 4 horas ou mais no Marrocos, alimentação e hospedagem gratuita nos hotéis da própria companhia. Após efetuar o desembarque no Marrocos, é preciso procurar o guichê da companhia Royal Air Maroc, que fica situado do lado de fora da área de embarque e realizar a reserva do hotel. Na área externa do aeroporto ficam as vans que fazem o translado do aeroporto Mohammed V ao hotel e vice-versa.

       
      Sobre a viagem de carro
      O carro que alugamos deu conta dos 7237 Km rodados, consumindo em média 19 Km/L de diesel. As estradas eram com pista no mínimo dupla, com trajetos com pedágios entre 3 e 13 euros, com exceção da França que pagamos os pedágios mais caros, com valores de 32 e 35 euros. Para compensar na Alemanha andamos em autobahn (vias sem limite de velocidade), sem precisar pagar nenhum pedágio. É isso mesmo, a Alemanha tem estradas maravilhosas e sem possuir nenhum pedágio.

       
      Documentação
      Além dos passaportes, da carteira internacional de vacinação, da carteira Nacional de Habilitação e da Permissão Internacional para Dirigir, ainda montamos um dossiê com a cópia de todos documentos: seguro viagem contratado com a empresa Real Seguro Viagem (R$ 476,88), hospedagens reservadas no airbnb e no booking, comprovantes financeiros, cópia da reserva da passagem de volta para Brasil e comprovantes de residência no Brasil. Acreditem vocês, que com exceção da apresentação dos passaportes nos embarques e desembarques nos aeroportos do Brasil, Marrocos e Portugal, não precisamos apresentar mais nenhum documento. Nem a Permissão Internacional para Dirigir foi exigida para alugar o carro. Nas fronteiras entre os países, só fomos parados na Suíça, mas era para adquirirmos o vignettes (espécie de adesivo fixado no vidro do carro, que permite trafegar nas estradas da Suíça), uma vez que a Suíça não faz parte do acordo entre países da União Européia. O vignettes tem o valor de 37 euros e são válidos por 1 ano. Foi melhor prevenir levando toda esta documentação do que passar por algum “entrevero”.
       



    • Por jesieltrevisan
      Olá galera,
      Seguinte, peço desculpas se já existir algum tópico relacionado, estou procurando aqui e não estou achando.
      Então, estou indo para Lisboa daqui algumas semanas e estou com dúvida envolvendo o aluguel do carro.
      Vou ficar 4 dias e pretendo conhecer além de Lisboa, lugares como Fátima, Sintra, Óbidos, Cascais, etc... o que der para fazer... 
      Como vou chegar em uma sexta feira às 05:00 AM e o checkin no hotel é apenas após as 02:00 PM eu pretendo alugar um carro logo no aeroporto (assim coloco as malas e já toco para algum lugar turístico) e permanecer com ele por todos os 4 dias... sei que a parte central de Lisboa dispensa carro... mas existem outros pontos que acho que talvez seja uma boa ir com o carro... enfim, acho mais comodo ficar todo o período com o carro mesmo arriscando deixa-lo 1 ou 2 dias de "molho"
      Cotando os carros em vários sites é visível que os melhores valores não incluem o seguro do veículo.
      Vi alguns relatos que compensa mais fazer um seguro por uma Seguradora por fora do que contratar o seguro das locadoras.... outros citam o seguro do cartão de crédito....
      Vi muita gente também citando que além de pagar as taxas nos sites, na hora de retirar o veículo aparecem novas taxas... então o melhor seria deixar para pagar o seguro da locadora lá mesmo quando for retirar o carro.
      Fiz umas cotações na GoldCar... no site está escrito que eles não retem nenhum valor no cartão de crédito desde que compre com o seguro total.
      O que vocês podem me passar de dicas a respeito do aluguel de carro x seguro?
       
      Obrigado


×