Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

priscilla mamus

CURAÇAO – Caribe - 10 dias com fotos e valores dia a dia, de 25/09 a 04/10/18

Posts Recomendados


Excelente relato! Parabéns pela viagem e obrigado por compartilhar!

No ano passado, eu e minha namorada fizemos uma viagem muito parecida para Aruba, bem nesse mesmo esquema de casa e carro alugado, explorar praias diferentes e nos sentir donos delas... é realmente muito gostosa essa sensação, longe da muvuca dos resorts e praias mais "farofadas".

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
1 hora atrás, Elder Walker disse:

Excelente relato! Parabéns pela viagem e obrigado por compartilhar!

No ano passado, eu e minha namorada fizemos uma viagem muito parecida para Aruba, bem nesse mesmo esquema de casa e carro alugado, explorar praias diferentes e nos sentir donos delas... é realmente muito gostosa essa sensação, longe da muvuca dos resorts e praias mais "farofadas".

Obrigada!!!

Sim!!!! Como eu disse, viagem é algo muito pessoal.... e esse é o nosso estilo!!! Liberdade, autonomia e sair da muvuca!!! além da economia!!!!

Fizemos uma assim também em San Andres e Providência!! Show de bola!!!!
 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Só falou em praias,não viu os museus da história holandesa de lá? 

Esta viagem ia fazer quando houve a promoção do melhores destinos, mas por causa da eleição  que,ao contrário de vc,adoro política, não fui.

É verdade que não há onibus no pais?Ou é carro ou táxi?Não existe nem agências de Turismo? 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Em 12/10/2018 em 01:48, D FABIANO disse:

Só falou em praias,não viu os museus da história holandesa de lá? 

Esta viagem ia fazer quando houve a promoção do melhores destinos, mas por causa da eleição  que,ao contrário de vc,adoro política, não fui.

É verdade que não há onibus no pais?Ou é carro ou táxi?Não existe nem agências de Turismo? 

Sim.... fomos só pelas praias.

Não... não fomos ao museu porque os proprietários do ap que alugamos nos contaram mais histórias do que as que estão no museu, inclusive uma senhora de 75 anos nos deu um panorama político atual muito esclarecedor.

Há ônibus municipais que ligam o centro ao oeste e ao leste. Os horários são super reduzidos e não serviam para nosso objetivo.

Há vans alternativas que ligam o centro aos pontos turísticos do tipo Mambo Beach, Aquario, praia de Jan Thiel, mas não sei valores porque não usei.
Há taxi e há um aplicativo de um serviço tipo Uber, mas não era nosso objetivo. Viagem é algo muito pessoal e postei como foi a minha, porque pode ser útil a quem deseja fazer uma viagem parecida.

Sobre eu gostar ou não de política, você já fez seu julgamento... e não é o objetivo do relato, do site, inclusive.

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@priscilla mamus Apenas fiz perguntas,pois não há outros relatos recentes por aqui.Agradeço lhe as respostas e digo lhe que só falei em eleições pelo fato de sua viagem ter sido quando o país não falava de outra coisa,como todas as vezes que ocorre.

Quanto a museus e gosto pessoal, eu iria por todos que há,pois amo.Outros não ligam,preferem nadar.Gosto não se discute.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Daltro Peixoto
      Bike Trip Amsterdam Antuérpia
              Quis publicar essa experiência porque quando pensei em fazer essa viagem encontrei pouca informação a respeito. Então pensei que poderia ser útil para outros viajantes. Fiz a viagem em set/2017. Todos os valores estão em euros.
              Criei um blog onde coloquei esse mesmo relato com as fotos da viagem. Pra quem quiser conferir o endereço é:  https://biodaltro.wixsite.com/merggulho

       
      O começo
               Essa é minha terceira visita a Amsterdam. Estar num lugar da Europa sempre sugere conhecer os arredores, tudo tão perto e tão acessível. Mas, até aqui, isso não tinha sido possível. Nessa temporada vim mais determinado.
              Imaginei uma viagem de bicicleta depois de pedalar a primeira vez pelas ruas de Amsterdam. A estrutura pro uso de bicicletas aqui é fantástica, revolucionária, instigante, e entrei de verdade no clima, e no espirito da cidade, somente depois desse dia. Uma onda, a melhor onda de Amsterdam. Tive a certeza de querer viajar pedalando depois que fui mais longe um pouco, e senti uma sensação de liberdade que só havia sentido antes nas caminhadas que faço. Ciclovias intermináveis.
              Primeiro busquei um site de viagens, que oferecia roteiro, bike, hospedagem, transporte da bagagem. 7 dias de Amsterdam a Bruges, por 800 euros. Considerei, mas pacotes não são bem meu estilo. Então aproveitei  apenas o roteiro. 
              Passei a imaginar a viagem seguindo o mesmo roteiro, mas alugando uma bike em Amsterdam, e reservando os locais para pernoitar por minha conta. Encontrei muitas opções, e o custo caiu.
              Alugar uma bicicleta para circular por Amsterdam e conhecer a cidade é muito fácil, você esbarra nas opções por todo lado. Mas alugar para uma viagem não é tão comum, nem tão mais barato como eu imaginava.
              Então comecei a pensar em comprar uma bike de segunda mão. Muitas pessoas daqui me sugeriram isso. 
              Aqui eles tem um tipo de eBay holandês - www.markplaats.nl. Foi a indicação que me deram. Encontrei muitas bicicletas boas e baratas. Tive que garimpar, em holandês, usando um tradutor.

      2 dias antes - segunda - 04/set - Amsterdam
              Depois de muito olhar comecei a separar as bicicletas que eu mais gostava, e foi assim que cheguei na loja Fietshokje, em Haarlem, que fica a mais de 20 km de Amsterdam. Fui de ônibus, em meia hora, viagem super tranquila e bonita.
              Na loja encontrei muitas bikes, de todos os tipos, preços e estados de conservação. Olhei, olhei e escolhi. Não foi tão barata como eu esperava, mas tinha cara de nova.
              Saí de Haarlem rumo a Amsterdam já pedalando. Emocionante essa possibilidade. Abri o mapa no celular e segui. O tempo todo andei por ciclovias. Atravessei lugares lindos, com muita vontade de sentar na varanda de um bar, tomar uma cerveja e curtir esse momento mágico. Mas decidi comemorar pedalando. 
              A ciclovia acompanha as auto estradas, mas à distância. Geralmente você pedala bem próximo aos canais, em meio à vegetação. 

      1 dia antes - terça - 05/set Amsterdam
      Como ja tinha planejado viajar por aqui, e acabava não rolando, dessa vez defini uma data, pra tentar fazer as coisas acontecerem. Bom, essa data era ontem, e já estou 2 dias atrasado. Mas contou aí a inexperiência, e a falta de intimidade com a cidade. Depois que comprei a bike, e comecei a pedalar, vi que coisas essenciais estavam faltando. De cara uma corrente contra roubo e uma campainha. Apesar de ser o lugar que é, Amsterdam tem um índice altíssimo de roubo de bicicletas. Numa das lojas que entrei, deixei a bicicleta sem tranca na porta e entrei pra me informar. O atendente se virou e disse: “Senhor, nunca, nunca, nunca, deixe sua bicicleta sem segurança na rua.” 
              Uma campainha também é essencial quando o trânsito de bicicletas e pessoas é mais intenso. Evita freadas, e mesmo acidentes.
              O uso do GPS é fundamental. Não consigo me imaginar chegando a algum lugar por aqui sem o GPS, principalmente pedalando. Na volta de Haarlem parei mais de 30 vezes, tirava o celular da mochila, e conferia a rota. Logo percebi que um suporte pro celular no guidom ajudaria muito, e esse foi o terceiro acessório.
              Nesse mesmo percurso usei uma mochila leve e pequena, bem mais leve e menor do que a que preciso levar na viagem. Então, um bagageiro, e uma pequena caixa plástica presa nele foram a alternativa para encaixar a mochila, e livrar o peso e o calor nas costas, quarto e quinto acessórios. 
              Uma bomba para encher os pneus foi o última e clássica aquisição. A bike estava pronta, ficou um espetáculo.
              Partida certa no dia 6/set, destino Gouda, a terra dos queijos. Mas ja sei que lá tem muito mais que isso.

      loja: Fietshokje
      bicicleta - 150,00
      loja: Het Zwarte
      corrente - 55,00
      loja: Tromm 
      mao de obra - 15,00
      protetor e suporte pro celular  -  29,95
      bagageiro - 35,95
      caixa plastica 25L - 19,95
      bomba - 11,49
      extensor  - 7,95
      total -  325,29

      Dia 1 - quarta - 06/set - Amsterdam - Gouda (57,5 km)
              
              Dei uma ultima reorganizada na mochila, tirei algumas coisas, coloquei outras, tentando conciliar peso com funcionalidade. Achei que ficou mais adequada, mas essa impressão vem realmente durante a viagem.
              De manhã o tempo estava nublado, bem nublado. Não muito frio. Vesti uma camiseta sintética de manga curta, e coloquei a mochila dentro de um saco (não trouxe a capa), e dentro da caixa. A caixa plástica acoplada ao bagageiro foi uma ótima solução pra transportar a bagagem, e no final do dia vi como viajar com a mochila nas costas teria me destruído.
              Iniciei a viagem às 10:00. Com uns 5 minutos de pedalada a chuva começou. Me abriguei, troquei a camisa pela de manga comprida, e protegi melhor a mochila. Esse foi tempo suficiente pra chuva parar, e retomei o caminho. Não me impressiono mais com a chuva por aqui, porque ela é bem passageira.
              O GPS tem sido fundamental pra conseguir me deslocar a longas distancias por aqui. Além de tudo plano, sem meus tradicionais pontos de referencia - montanhas, e canais parecidos por todos os lados, as ciclovias em muitos trechos tem mão única. Então, se você erra um caminho, não pode simplesmente dar meia volta e retornar ao ponto certo. Tem que fazer um retorno, como se estivesse dirigindo um carro. Mas não foi difícil sair de Amsterdam. Os visuais ainda dentro da cidade já são incríveis.
              A principio pareceu que uma bicicleta com 6 marchas seria um exagero, num lugar plano como a Holanda, mas o grande adversário por aqui é o vento. Nas retas descampadas senti a pressão, mesmo não sendo a época de ventos fortes. Tive que me adaptar também a pedalar com o volume e o peso da mochila, principalmente nas paradas e nos trechos com vento mais forte.

              Em Gouwsluis tive bastante dificuldade de seguir em frente. O GPS me conduziu pra uma rota em que a ciclovia estava interditada. Eu tinha atravessado um rio, e percorrido uma boa distancia pela margem direita, quando encontrei a interdição. De um lado, o rio, do outro, campos cultivados a perder de vista. Pedi orientação a uma pessoa que estava por ali, que me disse pra retornar, atravessar o rio e seguir pela ciclovia do outro lado. Mas já imaginava que isso não seria tão simples, porque observei do outro lado uma espécie de porto fluvial, com muitos containrs depositados. Retornei, atravessei o rio, e fiquei bastante tempo tentando encontrar o caminho. Refiz a rota algumas vezes no aplicativo. Mas apesar de estar na outra margem ele não alterava o itinerário, me direcionava pro mesmo trecho interditado, e girava como uma bússola doida quando eu não seguia na direção indicada. Na loja de acessórios para bicicleta vi uma pequena bússola que se adapta ao guidom, e me arrependo de não ter comprado.
              Finalmente encontrei alguém para pedir informação - era um lugar bem deserto de pessoas andando, e consegui encontrar a saida. Imagino que gastei cerca de uma hora nessa confusão.
              Passei a pedalar ao lado de um largo canal, ou rio, por onde circulavam grandes balsas transportando carga. Vi quea  interdição do outro lado se tratava de uma manutenção na contenção das bordas. Ali eu já estava transitando pelos “paises baixos”, com a noção do rio fluindo acima da terra. Mais adiante, quando margeava alguns canais menores, o desnível entre o espelho d’água e os campos onde o gado pastava era maior ainda, talvez mais de uns 2 metros.
              Ainda me perdi mais algumas vezes. Num determinado ponto o GPS me indicava pra virar numa direção onde não havia como atravessar uma rodovia bem movimentada, sem acostamento, faixa para pedestres, nada. Noutro, ele me jogou mesmo pra rodovia. De repente me vi pedalando ao lado de carros e caminhões em alta velocidade. Não havia acostamento, e as buzinadas sucessivas me convenceram a entrar pro mato ao lado da estrada, descer da bicicleta, e voltar empurrando, pelo mato. Depois que sai da estrada ainda fiquei em idas e vindas sucessivas, com o GPS rodando doidão, até achar a direção correta. Nesse ponto devo ter gastado também mais uma hora.
              As rotas equivocadas e o esforço pra encontrar o caminho certo me cansaram mais que a pedalada em si. Olhava pra previsão de chegada do navegador, e contava os minutos pra chegar. Mais pelo êxito do que pelo descanso.
              Faltavam cerca de 15 minutos, ou até menos um pouco, quando a bateria do celular acabou. Por sorte trouxe uma bateria auxiliar. Ela carrega o celular, mas não o faz funcionar imediatamente. Precisei aguardar algum tempo ate que houvesse carga suficiente pra religar o navegador. Esse foi o último contratempo, e então finalmente cheguei, com 5 horas e meia de percurso, 3 horas a mais do que o inicialmente previsto.
              O hotel é muito bom, Campanile Hotel, melhor do que eu realmente precisava, mas foi basicamente a única opção, pelo preço e localização. Ainda assim eu estava ha 3,5 km do centro.
              Tomei um banho, ocupei o espaço, e aproveitei a estrutura pra lavar algumas roupas usadas no dia. 
              E saí rumo ao centro, a pé. Não queria continuar pedalando, na essência sou um andarilho. Mas, os 3,5 km de ida, mais a volta, mais o reconhecimento do centro de Gouda, me consumiram bastante energia, a que tinha me sobrado, porque não cheguei tão cansado da pedalada, como cheguei da caminhada.
              O centro de Gouda me surpreendeu. O caminho até lá era bem convencional, menos atraente do que a região residencial de Amsterdam. Mas o centro, bem restrito a uma pequena área, possui muitas construções antigas, canais, pontes, pequenas vielas, tudo num clima muito pitoresco. Cheguei no final da tarde, por volta das 17:00. As ruas estavam bem vazias e tranquilas, o que dava a paisagem um ar ainda mais intimista. Muitos estabelecimentos ja estavam fechados. Infelizmente ja estava bem cansado, ansioso por voltar ao hotel e recuperar minhas energias, e não desfrutei da visita ao centro de Gouda como gostaria. 
              O caminho de volta foi bem mais interessante. Percorri espaços muito bonitos, bucólicos. Pequenos canais, muita vegetação, e construções integradas a natureza. Tive a sensação de estar o tempo todo andando por um bosque habitado, com trilhas que exigem ser um local para não se perder. Ou um GPS.
              Cheguei de volta ao hotel depois das 20:00, e logo fui dormir.

      Hotel     (Campanile) - 72,00
      imposto - 1,51
      Cafe da manha - 11,50
      mercado (suco de laranja, vinho, queijo, pão) - 8,50

      Dia 2 - quinta - 07/set - Gouda - Dordrecht - 40km
              O dia começou bem. Briguei um pouco à noite com o edredom - estranhamente não havia lençol de cobrir na cama, e o barulho da estrada em frente pareceu durar a noite inteira. Mas levantei refeito, cedo, e fui pro café da manhã, que valeu super a pena. Cappuccino, café expresso, suco de laranja, vitamina de frutas, frutas picadas com iogurte, salame, peito de peru fatiado, sucrilhos com leite, croissant, pão preto, pão de ciabata, queijo. Aproveitei pra, sem pressa de comer, ir escrevendo sobre o dia de ontem, e a comida me inspirou.  Subi pro quarto por volta das 09:30, e consultei a previsão do tempo. Chuva prevista para as 14:00. Tempo de viagem até Dordrecht, 2 horas. Mas esse não é o tempo que estou gastando, como comprovei ontem, e novamente hoje.
              Ainda custei a sair, e as rodas da bike só começaram a girar mesmo às 10:55. Até agora me pergunto como demorei tanto pra sair.
              A saída de Gouda foi tranquila, e logo estava atravessando um vasto campo de pastos, cortado por muitos canais pequenos, com vacas, ovelhas, cavalos, patos, marrecos, gansos, cisnes, frangos d’água, e muitos pássaros. Um percurso silencioso e bucólico. No mapa, uma reta de mais de 6 km. Tentei não parar muito pra fotografar, e priorizar completar o caminho num tempo menor, preocupado com a previsão de chuva.
              Essa é uma região agrícola. Fazendas, talvez sítios na nossa concepção, com holandeses trabalhando no trato da terra e dos animais. Pareciam proprietários, colocando “a mão na massa”. Passei por casas à beira do caminho. A região é repleta de água, e os moradores exploram as condições naturais do local. Todas as casa utilizam os canais na decoração, com plantas, enfeites, estátuas de animais - patos, gansos, porcos. Transmitem felicidade, cuidado, bom gosto. Parecem viver em cartões postais, mas com simplicidade.
              Passei por uma casa em construção, e tive que parar. Me pareceu um lego gigante. Algumas partes já estavam montadas. Empilhadas ao lado, outras peças aguardavam para ser encaixadas. Dois homens trabalhando, e um contêiner que parecia funcionar como alojamento. Nenhum dos trabalhadores falava inglês, e não pude saber mais sobre o trabalho.
              Tudo ia bem, e eu seguia pedalando, até me deparar com outro trecho de ciclovia interditado. Naquele labirinto de campos, canais e caminhos, o aplicativo traçou uma nova rota, que eu comecei a seguir. Num determinado ponto, bem mais a frente, a pane começou. A rota sumiu, meu posicionamento foi lá pro outro lado da Holanda, e eu comecei a encerrar e reiniciar o aplicativo. E ia pra um lado, e voltava, e pegava outra direção, e nada. Por fim escolhi uma direção e segui. Bem mais a frente cheguei a uma rodovia, e um senhor que não sabia me informar o caminho, me indicou a direção onde ficava Dordrecht. No caminho eu deveria atravessar um rio, de balsa, e poderia me informar melhor. E foi o caminho que segui.
              Um pouco depois o aplicativo resolveu cooperar, e facilmente cheguei a  Lekkerkerk, onde atravessei de barco o rio Lek. 
              Me sentia feliz, achando que o destino estava certo e garantido, mas levei nova rasteira. Logo depois de começar a pedalar na outra margem, aplicativo doidão, me abandonou. Mesma situação, indicações desconexas, e uma vastidão deserta de pessoas. Encontrei um rapaz, numa fazenda, que mal falava inglês, mas conseguiu me apontar pra que lado seguir. E mais uma vez segui uma certa intuição, sei lá, talvez um pouco de bom senso também, e consegui sair daquele “branco no mapa”.
              Um pouco mais a frente o aplicativo voltou a cooperar, mas agora também a bateria do celular começou a jogar no time adversário. Faltava pouco, uns 10 km. Busquei todos os recursos que conseguia imaginar, placas, intuição, bom senso, e quando encontrava alguém, pedia informação. Boa prática de colocar a timidez de lado, e o pouco inglês que tenho pra fora.
              Finalmente cheguei em frente ao Bastion Hotel, novamente o melhor preço/localização, e novamente bem acima do que pretendia.
              Mas, avistar o hotel não encerrava essa jornada do dia. Ele estava do outro lado de uma rodovia muito movimentada, e como mencionei anteriormente, se eu estava de bicicleta precisava chegar até ele por uma ciclovia. Isso nem sempre é simples. E não foi. Primeiro tentei atravessar a avenida, e para isso precisei fazer uma grande volta, que me levou a um parque, que estava entre mim e o hotel, muito perto, quase podia tocá-lo, mas não foi possível chegar nele. Entre nós apareceu uma ferrovia, e depois um canal, e nenhuma passagem pro outro lado, que cada vez ia ficando mais distante. Volto a lembrar que aqui, se você está de bicicleta, não pode traçar uma reta de onde você está até onde quer chegar, e ir. As pessoas atravessam as ruas nas faixas. Não se atravessa uma linha de trem fora da passagem de nível, muito menos se estiver de bike. Então, tive que voltar um grande trecho que já havia percorrido, uma volta de 360 graus, pra chegar ao hotel que estava ao meu lado. Mas estou aprendendo.
              O hotel é, mais uma vez, muito mais do que eu esperava ou precisava. Mas foi o que se apresentou. Minha prática de ir decidindo e reservando conforme a viagem vai fluindo, está saindo cara aqui, e já estou tentando fazer diferente.
              Novamente, cheguei no hotel, ocupei o espaço, tomei um banho, e saí. Dordrecht é uma das cidades mais antigas da Holanda, e a parte mais antiga da cidade, um pequeno centro, possui mais de 1000  edificações históricas. Foi o que eu li, e estava doido pra ver de perto.
              Dessa vez não estava tão cansado, e mais perto do centro, 2,5 km. O caminho repetiu o que vi em Gouda, uma cidade mais moderna e convencional nos arredores, mas não sem suas peculiaridades, que vai ficando mais encantadora conforme vai-se aproximando do centro. Pelo pouco que conheci até agora da Holanda, me arriscaria dizer que há características comuns em todos os lugares por onde passei. Tranquilidade e proximidade com a natureza, bicicletas e aparência saudável das pessoas, seriam as primeiras. Parques, muitos parques por todos os lados, e pessoas desfrutando deles de uma forma que parece ser bem cotidiana. Também chama minha atenção o cuidado e o prazer no trato dos jardins, que não me parece algo estético, voltado pra quem vai ver de fora, mas um envolvimento do morador com o espaço em que ele vive.
              Bom, tudo isso vai me ocorrendo ao longo do caminho. A paisagem é instigante. Viagens, culturas, habitats, variações que vão agitando os pensamentos.
              O centro de Dordrecht tem muitos canais, e tive a sensação de uma viagem no tempo. As fotos falam melhor. Tive vontade de circular por todos os lugares, e entrar em cada beco, cada passagem estreita, através de prédios. 
              Parei pra tomar uma cerveja, em frente a um canal, do lado de fora - a temperatura está bem agradável, e acho que estou aclimatado. 
              Presenciei uma cena bastante comum por aqui. Alarme soando, cancelas baixando, trânsito parando, e a ponte sendo elevada para um barco seguir pelo canal. 
              Voltando pro hotel, quando já estava escurecendo, passei em frente a um clube de escalada magnifico, envidraçado, paredes equivalentes a uns 4 andares de altura, instigante.
              Mais um dia de aventuras e emoções.

      travessia de barco - 0,90
      hospedagem no Bastion - 84,00
      cerveja (2) - 8,00
      mercado (suco de laranja e pacote de cookies) - 3,50
      café da manha - 14,00

      Dia 3 - sexta - 08/set - Dordrecht - Willemstad - 33km
              07:00 - O dia amanheceu horrível, tempo bem fechado, bastante vento, e chuva. A previsão não desmente isso, e também não acena com melhora antes do meio dia.
              O café da manha se repetiu uma boa escolha como a de ontem. Muitas opções, que me fizeram ficar bastante satisfeito pra encarar a jornada de hoje.
              08:30 - o tempo melhorou um pouco. Da janela do salão do café vejo muitas bicicletas seguindo seus destinos, apesar do tempo ruim.
              09:30, e o tempo piorou novamente. Chove e venta. Já vou considerando a possibilidade de pedalar desse jeito mesmo. Adversidades.
              10:50 - A previsão indica tempo com chuva pra todo o dia. O período mais favorável é de agora até as 14:00. Então estou indo. Esperei bastante por um erro na previsão do tempo, mas ela está certa. A chuva melhora e piora, e de dentro do hotel parece estar ventando bastante. Enquanto saía, um grupo de umas 4 pessoas, com idades em torno dos 65 anos, parecia estar chegando. Um carro trazia bicicletas no bagageiro. Ficaram me olhando, enquanto me preparava para sair na chuva. Me pareceu que aquelas bicicletas não desceriam do bagageiro.
              Parti às 10:55. Mochila bem ensacada, vesti o anorak com capuz, e fui. 
              Hoje pedalei direto, do início ao fim, sem nenhuma parada. Os adversários do dia foram a chuva e o vento, que atacaram o tempo todo, variando apenas a intensidade e a combinação dos dois.
              Exceto por um pequeno trecho no início, passei quase o tempo todo por áreas industriais, muitas empresas e galpões imensos. Vi muitos trens, de passageiros e de carga. Trens de carga circulando pra todo lado são um indício de desenvolvimento.
              O navegador não falhou hoje. Talvez uma trégua por conta da chuva e vento. Realmente não sei como seria se ocorresse uma pane daquelas dos outros dias. Mesmo assim, hoje foi um dia de desafio. Não que eu me sentisse desafiando a natureza, destemido contra a chuva e o vento. Pelo contrário, me senti entrando em contato com ela, e tentando me adequar.
              Levei 3 horas pra completar o percurso, e cheguei bem molhado. O terceiro hotel, Het Wapen van Willemstad, não fugiu à regra. É igualmente bem acima das minhas expectativas, de preço e padrão, e mesmo assim a melhor opção que se apresentava.
              Cheguei, lavei as roupas que estavam molhadas, e aproveite o aquecedor do quarto pra secar.
              16:00 - O tempo piorou, chove mais do que quando cheguei, impossível de sair para conhecer a cidade. Tentei, mas me molhei, e só consegui duas ou três fotos sem que a lente da câmera ficasse respingada.
              O hotel é também restaurante, que está bastante cheio, em sua maioria pessoas da terceira idade, europeus aparentemente. Agora, um novo grupo, de umas 30 pessoas, muitos falantes, começou a ocupar os lugares de dentro do restaurante. A varanda já está cheia. Estão animados. São muitas risadas.
              A chuva me desanimou bastante. Pedalei todo o percurso na chuva, cheguei bem molhado, e continua chovendo. A cidade é pequena, muitas casas, poucas opções. Depois de comer, tomar uma cerveja, e escrever um pouco, voltei pro quarto. A animação das outras mesas não estava me contagiando. Pelo contrario, muitas vezes nessas situações me sinto ainda mais solitário. Momentos.
              Um dia de chuva como esse não estava nos meus planos.
              Fui dormir cedo.
              Poucos registros fotográficos nesse dia.
              
      hotel (Het Wapen) - 81,50
      imposto - 1,20
      almoço (ravioli) - 12,50
      cerveja - 2,50
      supermercado (pão, peito de peru, vinho) - 4,50

      Dia 4 - sábado - 09/set - Willemstad -  Hoogerheide - 37km
              Mudança de rumo. Meu roteiro, e paradas, foram ficando incompatíveis com meu bolso, ou com o que estou disposto a gastar nessa pedalada. Então, minha próxima parada foi definida pelo preço da hospedagem que consegui, e por isso retracei a rota, e estou indo para Hoogerheide. 
              Isso não me surpreende. É mais ou menos como funcionam minhas viagens. Escolho um objetivo, uma direção, e eles vão se alterando conforme vou seguindo. Vou tentando perceber, e me orientar pelos sinais. É o que mais gosto nessas aventuras, e o que mais me surpreende. Mexe com minha cabeça, e muitas vezes só faz sentido mais na frente.
              Em Willemstad continua a chover, e a previsão é de continuar chovendo. Estou ansioso por deixar esse lugar, que era o que mais queria conhecer.
              Um pouco depois do café da manhã, que hoje foi bem reduzido, comecei a arrumar minha mochila. Quando olhei pela janela, o céu começava a ficar azul, e o sol aparecia. Com tudo arrumado, saí pra tentar as fotos que não consegui tirar ontem. A cidade é bem pequena, e logo registrei o que eu queria. Já estava realmente querendo partir.
              Encontrei nos fundos do hotel algumas ruínas, e descobri que se tratava de uma fortaleza ao redor do que hoje é a cidade, construída para defesa contra as invasões napoleônicas. História. A cidade é ilhada por um canal. Isso fica bem visível no mapa.
              Saí às 10:30 - o sino da igreja tocou, com céu bem aberto, não completamente, e sol. Estava gostoso pedalar. 
              Mas isso não durou muito. Ainda resisti aos primeiro pingos, que foram aumentando, mas o céu bem carregado não deixava eu me iludir. Parei, ensaquei a mochila, coloquei e ajustei o anorak, e continuei.
              E continuei bem tranquilo, mais do que ontem, acho que mais preparado. Pedalei mais devagar, e então não suei tanto dentro do agasalho. Também percebi que estava olhando mais pra paisagem, e menos pro navegador. Estava mais relaxado, mesmo com a chuva.
              Depois de uma hora de pedalada a chuva parou. Ainda continuei  com a mochila protegida, e com o anorak vestido. Por fim estava tudo seco, até mesmo o tênis, e faltavam poucos quilômetros. Tudo perfeito. Cheguei a parar para umas fotos em Steenbergen.
              Quase no final do percurso nuvens cinzentas surgiram de repente. Talvez já estivessem por ali, e eu me distraí. Mas, mesmo depois de vê-las, tentei não considerar. Então, como segundo aviso vieram as trovoadas. Olhei pro navegador, faltavam pouco mais de 10 km, uns 10 minutos. Pensei em procurar um abrigo, algo raro por aqui. Surgiu um galpão aberto, um pouco afastado da ciclovia, com pessoas por perto. Mas preferi apostar nas pernas e na velocidade. E perdi. Um temporal despencou, a menos de 2 km do hotel. E eu, que já estava completamente seco, fiquei completamente molhado novamente.
              Cheguei no hotel às 13:20. 
              Simpatizei de cara com o hotel, Tasty World, e com a localização.  O preço do quarto, e do café da manhã influenciaram. Mas não foi só isso. 
              Depois de tomar um banho, e colocar minhas coisas pra secar, saí pra comprar um lanche. Em frente ao hotel tem um Albert Heijn, o mesmo supermercado de Amsterdam, muito bom. Comprei  pão, presunto e suco de laranja. Voltei pro quarto pra comer. 
              Depois, saí pra conhecer a cidade, hoje de bicicleta, e foi um prazer guiar sem peso.
              A cidade tem cerca de 3 km de uma ponta a outra, é bem pequena. Circulei um pouco, e escolhi um bar pra tomar uma cerveja, sentado sob o sol. Aproveitei pra escrever um pouco. O contexto é inspirador.
              Quando cheguei de volta ao hotel, que é restaurante também, estava lotado. O restaurante é bem grande, e deviam ter mais de 100 pessoas, num clima bem animado.
              Pedi um café, sentei num canto, e mais estórias.
              O sol devolveu meu ânimo, e a viagem segue. Já não é mais a viagem planejada, adquiriu contornos próprios, e os próximos quilômetros ainda são uma surpresa. Os canais estão abertos, e “la nave va".
              Decidi ficar mais um dia aqui, explorar os arredores, descansar, e decidir pra onde seguir. Bruges deve sair do roteiro. E a volta deve ser de trem. Mas nada é certo enquanto não é passado.
              Já estou gostando de pedalar na chuva. Isso é muito engraçado.         
      Tasty World - 45,00
      cafe da manha - 8,5
      imposto - 1,50
      mercado (pão, suco de laranja, peito de peru) - 5,00
      2 cervejas - 5,80
      2 cafés - cortesia

      Dia 5 - domingo - 10/set - Hoogerheide - 40 km
               Dormi a melhor noite desde que comecei a pedalar. Acordei cedo e tomei um super ontbijt (café da manhã).
              O dia estava lindo, sol, céu completamente azul. Fui conhecer uma vila que fica às margens do rio Escalda, o rio por onde os barcos chegam a Antuérpia. O nome da vila é Bath. 
              Demorei um pouco a sair, 11:00, comendo muito.
              A ida à Bath foi fácil. Um caminho por entre fazendas. Campos extensos, com plantações e criações, geralmente de ovelhas. E aquelas casas que se tem vontade de morar.
              Pedalar sem peso foi muito bom. Levei uma hora pra chegar. No caminho muitas bicicletas, indo e vindo, algumas bem velozes. Fui encontrando pelo caminho cataventos gigantescos, geradores de energia. Temos muitos deles no nordeste. Aqui parecem mais integrados a paisagem.
              A vila de Bath é muito simples e pequena, não muito diferente do que tenho visto nas cidades por onde tenho passado, e não me demorei muito. 
              Um quadro tipo de avisos, na cidade, exibia, dentre os anúncios, um jornal antigo com a foto de um cargueiro chinês que encalhou em frente a vila em 14/jul/2017, e atraiu muitos curiosos. Por pouco não vi.
              Dali continuei pedalando ao longo do rio na direção da fronteira com a Bélgica, que estava a menos de 5 km. A paisagem no horizonte era bem industrial.
              Encontrei um ponto de bombeamento da água de um canal pro mar. Pude perceber nitidamente a diferença de nível, o canal abaixo do nível do mar. No mar, a água despejada formava uma grande correnteza. E assim eles mantêm a Holanda abaixo do nível do mar. Coisas legais da engenhosidade humana.
              Não voltei pelo mesmo caminho. Segui por um canal, e conseguia ver mais à frente a ponte por onde tinha atravessado esse mesmo canal na ida. Quando cheguei em baixo da ponte não havia caminho para subir, apenas uma rampa não muito extensa, com um capim baixo. Teria que retornar um grande trecho pra fazer o caminho convencional. Não foi pela pressa, nem pelo cansaço, mas tracei uma reta rampa acima, e subi pelo meio do capim, me sentindo um pouco selvagem, e um pouco coerente.
              O dia estava legal. As vezes mais frio, as vezes o vento mais forte, nenhum peso no bagageiro. Tudo isso era um presente, depois das últimas pedaladas com chuva. A vida aqui parece ser tranquila e simples, e eu podia sentir isso.
              No caminho passei por um casal. Deviam ter uns 70 anos, ele pedalando, ela na cadeira motorizada. Iam na mesma direção que eu, e logo os ultrapassei. Bem mais na frente, e bem depois, eu os encontrei no supermercado. Tinham ido fazer compras, no modo holandês de ser.
              Comprei algumas coisas pra comer, e lanchei no quarto. Acabei dormindo um pouco. 
              No hotel me falaram de uma floresta na saída sul da cidade, e fui lá pra conferir, no final da tarde. É uma grande área de mata que se estende além da fronteira com a Bélgica. Uma floresta bem menos densa do que as que eu conheço no Brasil, com muitas espécies de pinheiros. Fui pedalando e cheguei na fronteira com a Bélgica. Ao menos foi o que o navegador me disse. Não havia qualquer demarcação.
              Quando estava dentro dessa imensidão, o vento começou a ficar forte, e o céu carregado. Já passava das 18:00, e o horário, mais as nuvens, deixaram o ambiente bem escuro. Lembrei de “A Bruxa de Blair”. Pra siar, só com GPS, e muitos trechos das trilhas eram muito arenosos, impossíveis de pedalar. Tinha que descer da bike e empurrar.
              Voltei pro hotel, tomei um banho, desci pra uma cerveja, e fui dormir cedo.
              Pedalei 40km no dia.
      Tasty World - 45,00
      cafe da manha - 8,5
      imposto - 1,50
      mercado (maçã, suco detox, vinho) - 8,00
      cerveja - cortesia
       
      Dia 6 - segunda - 11/set - Hoogerheide - Antuérpia - 31 km
              Acordei cedo, mas ainda queria dormir mais. Essa noite não foi tão boa quanto a anterior. Mas levantei logo porque o café da manhã durante a semana é de 06:30 às 08:00. Tudo bem, queria mesmo seguir em frente.        
              Café da manhã bem completo, me abasteceu plenamente. Café expresso, cappuccino, suco de laranja, pão preto, queijo, peito de peru defumado, nozes, amêndoas, iogurte, banana, morangos (sem agrotóxico).
              A manhã estava legal pra viajar, céu aberto, pouco vento. Parti as 09:30. Foi o dia que sai mais cedo.
              Os primeiros quilômetros eram bem familiares. Pedalei por eles algumas vezes nesse pouco tempo. Estava sentindo um pouco de frio, mas esperei o corpo esquentar com o movimento. Os trechos com sol eram bem gostosos.
              Depois de sair de Hoogerheide pedalei bastante tempo por dentro da floresta. A estrada e a ciclovia cortavam essa mata de pinheiros variados por mais de 7 quilômetros. Ar puro, silêncio, e verde. Vontade de mergulhar novamente nesse mar.
              Achei interessante que nas paradas de ônibus ao longo do caminho sempre havia um banco, e lugar para estacionar bicicletas. Uma realidade muito legal.
              Em Putte o Lebara me avisou que eu tinha entrado na Bélgica, sem que eu tivesse percebido. Não havia barreiras, placas, avisos. Talvez um dia vivamos assim, num mundo sem fronteiras.
              Passei por poucas cidades, e quando me toquei já estava na região metropolitana de Antuérpia.
              Fiz o percurso em 2 horas, 31 km, as pernas estão fortes. Algumas dores que sentia pelo corpo antes da viagem, sumiram. Endorfina. Também devo ter perdido algum peso.
              Não foi difícil chegar ao hotel,  Hotel Antwerp Billard Palace, usando o navegador. Agora estamos nos entendendo. 
              Pedalar na Bélgica foi diferente de pedalar na Holanda. Nem sempre há ciclovias, e a consciência não parece ser a mesma, dos pedestres, dos carros, e dos ciclistas. Há bem poucos locais adequados pra estacionar as bikes, que ficam presas na maioria dos postes existentes pelas ruas. Mas minha experiência foi bem restrita. Percorri apenas cerca de 20 km dentro do país, e só conheci uma cidade. Fiquei mesmo apaixonado por pedalar na Holanda, e esse andarilho está gostando de estar sobre duas rodas.
              Parei a bicicleta em frente ao hotel, com as trancas, mas não ficou presa a nada. Em frente, todos os postes estavam apinhados de bicicletas, presas umas por cima das outras. No final da tarde consegui um cantinho apertado dentro hotel pra guardá-la.
              O hotel fica numa praça. É bem mais caído que os outros, e mais barato também. Se acostumar com coisa boa é fácil. No térreo, ao lado da recepção, funciona um fast food, mais ou menos, e no primeiro andar uma espécie de bar, com muitas mesas de bilhar, e uma frequência bem estranha. Não entrei pra conferir.
              Na mesma praça está a estação central de trem, uma construção magnifica, não sem motivo conhecida como “Catedral do Trem”. Tem 4 andares de linhas chegando e saindo.
              Troquei minhas roupas, coloquei alguns destinos no navegador e fui. Primeiro fui a um parque bem próximo. Parques são um espaço especial por esses lados, e incorporei eles aos meus atrativos prediletos.
              Depois fui até a Catedral de Nossa Senhora, e circulei pelo centro. Muitos prédios e lugares interessantes.
              Por último, fui até as margens do rio Escalda, e passei em frente ao castelo lendário que envolve a origem do nome da cidade - um gigante, um romano que corta sua mão, e a arremessa no rio. De lá voltei, com medo da chuva, e com fome.
              Havia muitas opções de lugares pra comer. Escolhi uma pizzaria bem legal, moderna, e isso, junto com uma cerveja, me deixou ok.
              Na saída, chuva, e vento forte, daquele que dá medo de alguma coisa voar em cima.
              Quando a chuva parou procurei um lugar pra tomar um café, e fui parar na estação de trem, a “Catedral”, no Café Le Royal. Tomei um cappuccino, e uma De Koninck, cerveja local muito boa. Ano de fundação do café, 1830. Fiquei ali bastante tempo, degustando a bebida,  o ambiente, e escrevendo umas linhas.
              Embarco amanha de volta pra Amsterdam, de trem. Passagem 53,40 euros, incluindo 13 euros pra transportar a bicicleta. Em 6 dias pedalei 239 quilômetros.
       

      48,00 - Hotel Antwerp Billard Palace (com imposto)
      10,10 - pizza e cerveja
      1,60 - cafe expresso
       10,10 - cappuccino e 2 cervejas na estação 
      7,00 - mercado (pão, peito de peru, suco de laranja)

      Dia 7 - terça - 12/set - Antuérpia - Amsterdam
              Legal Antuérpia, mas pra viajar pedalando acho que vou preferir não sair da Holanda da próxima vez. Depois de conhecer o melhor, o senso critico fica mais aguçado.
              Já estava acordado há bastante tempo, mas não quis levantar antes das 8:00. A noite foi longa. Com as paredes finas, um casal apaixonado no quarto ao lado agitou a noite. E foi muito amor. Tudo bem.
              Não rolou café da manha, comi o que tinha no quarto: pão, maçã, e suco de laranja. Minha cabeça já estava em Amsterdam, faltava levar o corpo.
              Minha bike ficou guardada no meio de uma escada espiral que descia pro porão do hotel. Tirar ela de lá foi a primeira coisa que fiz. Meio uma questão de cumplicidade.
              Depois fui comprar a passagem de trem. Primeira viagem de bike, primeira viagem de trem por minha conta, sozinho no velho continente, e carregando uma bicicleta. Fico tenso, mas gosto.
              Se sua bike for dobrável talvez você não pague um valor a mais por leva-la. Não foi meu caso. A passagem vem sem horário, você pode pegar o primeiro trem que chegar.
              Transitei normalmente pela estação com a bicicleta, elevadores, escadas rolantes. Primeiro me senti com uma melancia no pescoço, mas logo fui encontrado outras bicicletas, e fui vendo que aqui isso é comum. Cheguei a dar informação pra uma estrangeira que não sabia o fazer com a bike quando o trem chegasse. Eu sabia que não tinha como saber antes do trem chegar. Legal, me senti.
              Quando o trem chegou, descobri. O compartimento pra colocar a bike ficava no último vagão. Eu estava no extremo oposto, e o cara que me informou isso me disse: “corre”. Ainda voltei pra confirmar se aquele trem ia mesmo pra Amsterdam, e ele falou: “vai, mas acho melhor você correr, de verdade”. E eu corri. Consegui. Foram poucos segundos entre eu entrar no trem,  e ele sair. No compartimento, você prende a bike, e pode ir escolher uma poltrona pra sentar. Se quiser também pode ficar fazendo companhia pra bike. Quase fiz isso. Coisas de brasileiro, que dorme sempre com um olho aberto. Mas aqui é bem diferente, e vale a pena tentar viver esse clima de tranquilidade. 
              O trem “voa” e retornei em 01:50 o que levei 6 dias pra avançar. Em muitos pontos da viagem reconheci a paisagem. Conferia no mapa e via que estava certo. Muito legal isso.
              Muito bom chegar de volta a Amsterdam. Nessa viagem, como sempre, aprendi muitas coisas, compartilhei algumas aqui, outras ficaram na mente. Essa aventura acaba aqui, mas as estórias continuam em Amsterdam.
       
    • Por Daciio
      Alguém indo para Curaçao em novembro? Do dia 1 ao 7?
    • Por Humberto Antonio Siqueira
      - Como sempre, em toda viagem que faço, planejo muiiito, com bastante antecedência. Essa é a quinta viagem ao exterior, todas nas Américas do Sul e Central. Estive, pela ordem, desde 2015: Peru (Lima, Cusco, Machu Picchu, Chiclayo, Iquitos e Chachapoyas), Equador (Guayaquil e Quito), Colômbia (Bogotá e Letícia), Panamá (Cidade do Panamá) e por último, uma semana atrás, em Curaçao, pertencente à Holanda, em pleno mar do Caribe.
      - Não sei desde quando existe a Empresa AVIOR-Líneas Aéreas Venozelanas, saindo do aeroporto de Manaus até Curaçao (alguns quilômetros acima da Venezuela), fazendo escalas em Barcelona e Valência (ambas cidades pertencentes à República Bolivariana da Venezuela).
      - Um dia, indo buscar um parente no aeroporto de Manaus, olhei para o quadro de avisos de decolagem e aterrisagem de aeronaves e me deparei com o voo da AVIOR, partindo para Barcelona e Valência. Qual não foi minha surpresa ao indagar no balcão da Companhia que a “Barcelona e a Valência” do Aviso eram na Venezuela e não na Espanha, pois as duas são homônimas nos dois países.
      - Indaguei sobre o itinerário e me disseram que essa linha fazia: Barcelona, Valência, Caracas (suspensa por enquanto), Curaçao, Lima e Bogotá. Perguntei quais dias, horários e preços para Curaçao, já que era um lugar bastante próximo, saindo de Manaus, onde moro e também porque já queria conhecer há bastante tempo.
      - O que fiquei sabendo foi o seguinte: os voos saem e voltam de/e para Manaus em dias alternados, isto é: saem aos domingos, terças e quintas-feiras. Retornam às segundas, quartas e sextas feiras. Nada aos sábados. A passagem só pode ser comprada no balcão da Companhia em “cash” (dinheiro vivo) e custa ida e volta Manaus/Curaçao/Manaus R$ 1.000,00 por pessoa. Não sei se ainda continua o mesmo preço. Comprei em fevereiro deste ano, 2017, para mim e minha esposa (R$ 2.000,00), já com os assentos marcados para a ida e para a volta. Não tem voo direto para Curaçao e nem retorno direto para Manaus. É preciso pernoitar em Valência na ida e na volta, porque não dá tempo de fazer as conexões e os dias não coincidem.
      - Por isso, a necessidade de fazer um bom planejamento antes de qualquer viagem: pesquisar hotéis nos vários sites, como Booking.com (pra mim, o melhor), Trivago, TripAdvisor, Hotéis.com, etc, etc. Pesquisar os destinos, passeios turísticos, hotéis, praias, hotéis no YouTube (lá tem tudo, ou quase), em site com este (Mochileiros), Google, etc.
      - Baixar Mapas no celular de todos os destinos, mesmo os de conexão, caso queira fazer um passeio rápido, ir a um shopping, etc. Baixar Apps dos destinos, baixei o de Curaçao e Valência, bem como o GPS desses lugares.
      - As tomadas, tanto na Venezuela e em Curaçao são do tipo três pinos (um redondo e dois chatos). Levar adaptadores para carregar celulares, notebooks, etc. Não tem para vender por lá.
      - Alugar de antemão um carro para conhecer algumas das 38 praias de Curaçao (não compensa ir de táxi, não tem coletivos na ilha). Pode entrar nos vários sites como Rent a Car, Expedia (o que achei mais em conta, todos pedem um depósito antes (com cartão de crédito internacional, como Visa e Mastercard) e estornam para sua conta, se nada acontecer com o carro até o ato da devolução, por sua culpa, arranhões, batidas, etc. Por isso é importante fazer um check-in em todo o carro quando te entregam: pneus, lataria, sobressalentes, documentos. Recebe e devolve com o tanque cheio. Não se preocupem, que a gasolina é barata: média de 1 florim (moeda local) holandesa, equivalente a mais ou menos R$ 1,50. Aluguei um carro para o 4º dia de estadia na ilha, até o último dia. Entregaram-me um Kia Picanto automático (que eu já tinha escolhido pela foto), com ar-condicionado, era o mais barato. Caso vocês forem em família grande, existem outros modelos maiores, porém mais caros e dependendo da Agência, o preço dobra. Os três primeiros dias eu e minha esposa aproveitamos para descansar da viagem, pois chegamos já de tardinha, conhecer a cidade a pé, procurar restaurantes (muiiiitos), pesquisar preços, tirar muitas fotos, pois tudo é bonito, andar e andar, tirando fotos e mais fotos.
      - O comércio local abre às 9h e fecha às 18h, todos os dias, impreterivelmente, ficando fechado aos domingos (TUDO).
      - Não esqueçam de levar protetor solar, para usar todos os dias, mesmo se não for às praia. O sol de Curaçao é implacável, não tem árvores nas ruas e poucas marquises de lojas.
      - O sol nasce às 6h e se põe (em julho) às 19.10h. Tem wi-fi grátis no entorno de Willemstad, capital da ilha e sede do governo.
      - Não tem mosquitos, não precisam se preocupar com repelentes. Na Venezuela exigem o Cartão de Vacina contra a Febre amarela nos aeroportos. Em Curaçao, não.
      - Tanto em Curaçao, quanto na Venezuela (Valência), o asfalto é muito bom, de primeira, não se vê emendas de tapa-buracos, como em várias avenidas e ruas do Brasil.
       
      1º DIA – 16/07/2017 – DOMINGO – DE MANAUS À VALÊNCIA (VENEZUELA)
      - Saímos de Manaus às 9h no voo 9V 1271. Depois de uma rigorosa revista de malas e bagagens de mão (RX, passaportes, Cartão de Vacina contra a Febre Amarela, PF), embarcamos num Boeing 737-200, com destino à cidade de Barcelona (Venezuela).
      Chegamos às 11.25h. Aqui começou o “perrengue”: como a Venezuela está em crise, havia poucos funcionários civis e militares para fazerem os trâmites de entrada no país, receber as malas, entrar em outra fila de outras conexões, rumo à cidade de Valência, nosso destino final desse dia. Fila única, ficamos 1h para fazer os trâmites de entrada, carimbar passaportes, receber as malas e entrar em outra fila, fazendo tudo de novo, revista de malas e bagagens de mão, sapatos, cintos, relógios, etc. Nessa fila ficamos 2h. A fome era bruta, pois só estávamos com o café da manhã. Aeroporto pequeno, feio, uns dois “restaurantes”, com comida duvidosa e vários e imensos cartazes com frases de efeito do grande líder Hugo Chávez, ao lado de Simon Bolívar e Nicolás Maduro.
      Quando fomos para a sala de embarque, já estava quase na hora de pegar o avião de conexão para Valência (Venezuela). Nessa época do ano é verão nos trópicos, saímos com muito calor de Manaus e o mesmo acontecia em Barcelona. Mais ou menos 35º. Na sala de embarque, que é na parte de cima (são dois andares) estava um pouquinho mais ventilada e era mais ampla do que na de inspeção e despacho de bagagens (embaixo). Não existe ar-condicionado em nenhuma das duas. Compramos dois salgados e duas Cocas (não vendem cervejas), pagando com dólar e recebendo o troco em Bolívares Fuertes ou Bfs (moeda da Venezuela). Tive o cuidado de ao sair de Manaus trocar 100 dólares em nota de 1 dólar. Tomem cuidado nisso, pois não existem casas de câmbio nem caixas eletrônicos nos aeroportos de Barcelona e de Valência (Venezuela). Aceitam dólares, se for em valor pequeno. Não adianta dar uma nota de 10 ou 20, muito menos de 100. Não vão lhe dar troco.
      Embarcamos às 15h em outro Boeing 737-200 e chegamos em Valência às 16h. No site “Mochileiros”, vi o relato de uma pessoa que fez uma viagem em fevereiro para a Venezuela e indicou a Agência de Viagens “Volcanos Tours”, cuja gerente, Sra Franci Paolucci (+58 416-8400482-WhatsApp) reservou para nós o Lidotel (hotel 4 estrelas) em Valência e eu lhe mandei através do PayPal a quantia de US75, pela hospedagem de um dia nesse hotel, com direito a café da manhã e mais quatro traslados do aeroporto Valência/hotel/aeroporto Valência, na ida e na volta. Ela me mandou, através e-mail o voucher do hotel, então não tivemos nenhum contratempo para realizar o check-in, pois já estava com o documento na mão. O valor desse hotel, pesquisando pelo TripAdivisor sai numa média de R$ 450,00, sem traslados; façam a conta. O hotel é muito bonito, com piscina (não deu tempo de desfrutar), seis andares, bem em frente ao shopping mais famoso de Valência: SAMBIL (pertence à uma rede de shoppings). Só atravessar a rua.
      Quem nos buscou foi o Sr Cesar (trabalha com a Volcanos Tour e por conta própria também). Tem uma SUV KIA grande e confortável. Rapaz simpático, cordial e amigo. Deve ter uns trinta anos de idade. Compreende bem o português, basta falar “despacito” (devagar). Mas, tanto eu como minha mulher entendemos e falamos bem o espanhol. Não foi problema. (O telefone dele é +58 414-4993308- WhatsApp). Como era domingo, quase não tinha trânsito e o traslado do aeroporto até o hotel levou cerca de 40 min. Estrada com ótimo asfalto, rodeada de árvores, Valência é toda verde, incrível, tudo muito limpo e bonito. Não é uma cidade turística, é considerada a cidade mais industrial da Venezuela, embora tenha praias no extremo norte e visitadas por muitos turistas, como Morrocoy.
      Na saída do aeroporto ocorreu um pequeno problema: eu já tinha a foto do César no meu WhatsApp, que a Sra Francis tinha mandado, e ele tinha a minha, mas não o encontrei na saída do aeroporto. Como nosso voo atrasou mais de meia hora, pensei que ele tinha ido embora. O calor também era insuportável. Deixei minha mulher com as malas, depois de sofrermos de novo na fila de revista e fui procurar o Cesar nos pontos de táxis, quem sabe ele estaria esperando lá ao invés de na sala de desembarque? Procurei, procurei, nada. O que fazer? Meu telefone é da TIM. Nem sei qual operadora se usa na Venezuela. Não havia wi-fi no aeroporto. Foi quando avistei um Sr que vestia (por acaso) a camisa do Brasil. Só que ele era venezuelano. Pedi ajuda a ele e prontamente usou o seu celular para chamar o Cesar, que estava nos esperando no aeroporto ao lado (internacional). Em Valência tem dois aeroportos, como em Manaus: um para voos estaduais e outro para internacionais. Como viemos de Barcelona para Valência, nosso avião pousou no estadual. Ainda bem que eram bem próximos. O Sr Cesar veio nos encontrar a pé e nos ajudou a transportar a bagagem até seu carro, que estava no estacionamento ao lado.
      Depois que o Sr Cesar nos deixou no hotel, fomos até o balcão da gerência, fizemos o check-in e fomos para o 5º andar, com vista para a piscina, parte de trás do hotel. Como já passava das 18h, resolvemos deixar as malas no hotel e ir até o shopping comer alguma coisa, pois na Venezuela tudo fecha mais cedo (20h), por causa das manifestações e sensação de insegurança. Só atravessamos a rua e já estávamos no shopping. A praça de alimentação é enorme e o Sr Cesar (eu já havia lhe pedido por WhatsApp) tinha levado para nós 140.000 Bfs em troca de 20 dólares. Nem sei o valor disso, só sei que jantamos (e almoçamos ao mesmo tempo), uma comida muito boa, dois pratos com salada bem fresca, com vários pedaços de frango empanado, arepas, pães e refrigerantes.
      Aqui também não vi nenhum tipo de bebida alcoólica e eu estava doido pra tomar uma cerveja, com aquele calor todo que fazia. Pagamos por tudo o equivalente a mais ou menos R$ 20,00. Depois de comermos, passeamos um pouco pelo Shopping (roupas e sapatos muito caros), só a comida é barata, apesar de dizerem que estão passando fome por lá. Tem Bob's, McDonald's, Subway, etc. Não vi nenhum clima de intranquilidade, ninguém fardado, polícias de nenhuma espécie, ninguém bêbado, arruaceiro, mendigos e pedintes. Tudo calmo. Voltamos ao hotel, tomamos banho e descemos até a piscina do hotel para tirarmos algumas fotos. Subimos para o nosso quarto (5007, chave eletrônica) e fomos assistir um pouco de TV, a maioria dos canais com propagandas do governo. Fomos dormir às 23h.
       
      2º DIA – 17/07/2017 - SEGUNDA-FEIRA – DE VALÊNCIA A CURAÇAO
      - Tomamos café às 7h. Demos uma volta em torno do shopping SAMBIL e retornamos ao hotel. Arrumamos as malas, fizemos o checkout e o Sr Cesar já nos aguardava. Saímos às 9.30h e levamos 1h para chegar até o aeroporto internacional. Como era segunda-feira o tráfego estava mais complicado. Parece que a maioria dos venezuelanos tem carro, seja rico, de classe média ou até pobre, porque o litro da gasolina custa o equivalente a R$ 0,38 (trinta e oito centavos de Real). Mais barato do que uma garrafa de água mineral (R$3,00). Ficamos na fila para o check-in das 10.30h até 11.30h. Não tem lugar para sentar. Aeroporto pequeno e abafado, sem ar-condicionado. De novo a mesma rigorosa inspeção de bagagens, RX, carimbo de passaportes, tira cinto, sapatos, relógios, celulares, bota tudo de novo, sem nenhum lugar para sentar. Quando chegamos na sala de embarque, já estava quase na hora de embarcar para Curaçao. O avião, um Boeing 737-400 estava previsto para sair às 13.35h. Só saiu às 16h, porque estava esperando um voo atrasado da Copa Airlines, que vinha de Medellín e tinha mais passageiros para pegar esse voo. Somente 40 min de voo e já estávamos chegando em Curaçao. Aqui, mais “perrengue”. Tem de carimbar a entrada nos passaportes, passar de novo pelas mesmas rigorosas revistas, pegar sua bagagem e se dirigir para a saída. Venta muito em Curaçao, tanto que na aterrisagem o avião entra na pista meio de lado.
      Eu tinha feito contato anteriormente pelo WhatsApp, com um taxista do Uber para me pegar na saída do aeroporto em Curaçao, mas o mesmo não se encontrava. Já tinha me dado as características de seu veículo e o local onde encontrá-lo. Mandou uma mensagem para o meu “Zap”, já no hotel, se desculpando e disse que cansou de esperar pelo meu voo e o aeroporto não informava nada. Não tiro a razão dele, já que o avião atrasou mais de 2h. Por sorte, quando nos dirigimos para o ponto dos táxis na saída do aeroporto, o táxi da vez era dirigido por uma brasileira, Sra Raquel, que também faz serviços particulares, além do ponto no aeroporto.
      O aeroporto fica numa extremidade e a cidade de Willemstad, a capital, fica na outra, atravessando no sentido da largura numa reta só, passando pela frente do Shopping SAMBIL de Curaçao (é uma rede de shoppings esse SAMBIL), tem em quase todas as cidades da Venezuela e estenderam seus serviços também a Curaçao, por causa da proximidade do país. Não há serviço de barcos, navios ou “ferry-boats” ligando Curaçao à Venezuela, apesar de distarem só 50 Km. Tem de pegar o avião mesmo. O aeroporto de Curaçao é pequeno, porém muito bonito e moderno. Os trâmites de imigração são mais rápidos do que nas cidades da Venezuela. No avião mesmo eles já lhe dão um formulário para preencher com seus dados, local de hospedagem e nº de dias a ficar no país. Como é um aeroporto internacional, dali chegam e saem aviões para quase toda a parte do mundo (principalmente Holanda, EUA, países da América do Sul e Central e outros. Também há voos regionais ligando as três ilhas ABC (Aruba, Curaçao e Bonaire), todas pertencentes à Holanda. A moeda local é o florim (vale a metade de 1 dólar), também chamado de Guilten.
      Melhor levar dólares, porque se recebem em todos os estabelecimentos, levem dinheiro trocados, porque senão receberão o troco em florins e terão de gastar tudo na ilha a não ser que pretendam ir à Holanda. Ao lado do aeroporto ficam as diversas agências de aluguel de carros. Se você não fez a reserva on-line, pode alugar ali mesmo, na hora, se ainda tiver algum carro disponível, mas são tantas agências que dificilmente você não encontrará um do seu agrado e com a vantagem de nem precisar pegar um táxi até seu hotel se optar por alugar imediatamente.
      Chegamos ao nosso hotel (não tem estacionamento, como a maioria localizados no centro de Willemstad) uma hora depois, pois a ilha parece pequena, mas não é. Tem bastante tráfego e os motoristas andam bem devagar. Quase não há sinais de trânsito. O aeroporto fica na parte da cidade chamada Otrabanda, que é onde fica a maioria das praias. Quando vai chegando ao centro da cidade, Willemstad, tem de atravessar uma ponte suspensa (só carros) por sobre um canal que divide a cidade em duas partes: Punda, o bairro onde ficam a maioria dos hotéis, lojas, restaurantes e o lado mais bonito, onde ficam aquelas casas todas coloridas, uma ao lado da outra, bares e restaurantes à beira do canal (são os mais caros). Uma cerveja Corona, long net, que tomei lá custou US8,00. Quase R$30,00 por uma cerveja... mas a vista compensa.... Se quiser tomar outros tipos de cervejas em outros lugares, existem outras bem mais baratas, sendo a mais popular a “Polar”. Tem a Heineken também, aliás são as preferidas dos visitantes holandeses, porque a maioria do povo é de origem latina, principalmente venezuelanos. Tem uma outra ponte só para pedestres: esta ponte é montada sobre barcos e tem uma extensão de mais ou menos 1km. À noite ela é toda iluminada por arcos coloridos ao longo dela e torna a paisagem bem pitoresca, com os reflexos sobre o canal. Todos vagueiam pra lá e pra cá tirando fotos de todas as maneiras. De qualquer lugar é bonito...à noite nós também atravessamos a ponte, que se abre para a passagem de algum barco ou navio a qualquer hora (soa uma sirene quando isso acontece, para alertar os transeuntes), se for demorado tem a opção de pegar um pequeno barco que fica ancorado bem perto para fazer essa travessia de graça, tanto de um lado, como para o outro. Depois de nos instalarmos no hotel, que tem duas portas (uma para quem vai jogar no Casino, que funciona no térreo, sem fumantes, graças a Deus, apesar de eu não gostar de jogar fui umas duas vezes para tentar a sorte. Consegui ganhar US50,00 e outra ao lado para os hóspedes. Tem serviço de elevador, os quartos são muito bons, com ar-condicionado, wi-fi, água quente, apesar de não precisar, pois em Curaçao faz calor todos os dias do ano. Raramente chove. Não pegamos nenhum dia de chuva. No primeiro andar, acima do térreo fica o restaurante, onde tomamos o café da manhã já incluído na despesa do hotel (café, leite, sucos, ovos, frutas, etc). A limpeza dos quartos é feita diariamente e trocam a roupa de cama, levam o lixo, trocas as toalhas e reabastecem os sabonetes, shampoos e condicionadores. Dos quartos não se ouvem o barulho do Casino. Este hotel fica no centro de tudo. Em 5 min já está na parte mais bonita da cidade: a ponte flutuante e os casarões coloridos ao lado.
      Saímos do hotel nesse primeiro dia, depois de arrumarmos as roupas nos armários, colocar os valores no cofre do quarto, tomar banho, colocar bermudas e chinelos, munidos com alguns dólares, cópias dos passaportes (ficaram também no cofre, junto com a doleira, etc). Descemos do elevador no térreo e munidos com os celulares fomos tirando fotos desde o Casino até a outra parte da ponte, no bairro Otrabanda, onde há vários restaurantes baratos e de frente para o canal e os casarões iluminados do outro lado do canal.
      Que vista deslumbrante! Deste lado também tem um Casino muito grande e muito iluminado, chamado “La Bahia”. Não entramos. Também deste lado tem vários outros restaurantes voltados para o público classe média alta num centro comercial chamado Rif Fort, local privilegiado para se tomar fotos do por do sol e fica ao lado de um hotel sofisticado, com praia particular, chamado Renaissence (não sei se é assim que se escreve, mas é mais ou menos isso). Na parte de baixo, ficam as lojas de souvenirs (caríssimos, do outro lado é mais barato) e na parte de cima os restaurantes (que também são caros, para o meu padrão).
      Tomamos duas caipirinhas, não lembro o preço, tiramos algumas fotos e voltamos de novo pela ponte para o nosso hotel. Nenhum policial nas ruas, muitas crianças brincando, muitos turistas, nenhum pedinte ou mendigos pelas ruas, nenhum bêbado, ninguém pra lhe encher o saco. Não nos sentimos ameaçados em nenhum lugar, mesmo porque a cidade parece um carnaval, de tanta gente, de tanta raça, de tantas roupas e pessoas diferentes, principalmente as pessoas loiras e de olhos azuis, predominantemente holandeses, que chegam todos os dias nos aviões da KLM, aquele de dois andares e de cor azul. Esses preferem quase que exclusivamente beberem o dia, a tarde e a noite toda na beira do canal, onde a vista é a mais bonita, inclusive contando em certas horas da noite de shows ao vivo, inclusive com aulas de dança, onde todo mundo adere, pois é muito contagiante, já que o ritmo é mais de salsa, cúmbia e merengue.
      Ah! Uma coisa excelente: tem wi-fi grátis em toda a cidade, banda larga, 4G, de modo que você não precisa estar no seu hotel para falar com seus familiares e amigos. Isso é uma cortesia do governo para os turistas. Tanto faz estar em Punda, como em Otrabanda, desde que não seja tão longe do centro. Por exemplo, não tem wi-fi em nenhuma praia, a não ser que você se hospede em um resort afastado da cidade e só fique nessa praia, o que não aconselho, pois Willemstad é uma das cidades mais bonitas que já visitei.
       
      3º DIA – 18/07/17 – TERÇA-FEIRA
      - Tomamos café tarde, às 9h, passeamos pelo centro, olhamos algumas lojas, começamos já a comprar lembranças para os parentes e amigos, tem de tudo: chaveiros, bonés, toalhas, roupas, porcelanas, etc. Almoçamos em frente ao hotel, subimos e trocamos de quarto para um double, bem maior e com mais uma cama, porque nossa chave magnética não estava funcionando direito. Ligamos o ar-condicionado e ficamos no quarto descansando, porque ao meio-dia o sol é tão forte, que não tem como sair, a cidade não tem árvores e as lojas quase não tem marquises.
      - à noite, fizemos um lanche e minha mulher foi tentar a sorte no Casino do hotel. Eu subi para o quarto, estava muito quente.
       
      4º DIA – 19/04/17 – QUARTA-FEIRA
      - Passeamos pelo centro de Willemstad, compramos frutas no Mercado Flutuante (veja no Google) e levamos para o frigobar de nosso quarto no hotel.
      À tarde, saímos para comprar lembranças para os amigos e parentes, assistimos o pôr-do-sol no píer, quase em frente ao nosso hotel. Antes tiramos fotos na Praça Principal, onde têm um grande letreiro com as letras C U R A Ç A O. À noite fomos curtir um pouco nos restaurantes à beira do Canal, com direito a show ao vivo de uma dupla de cantores locais, muito bons, que como sempre, cantavam músicas caribenhas, bem animadas. Escolhemos o Restaurante “Iguana Café”, bem no centro de outros restaurantes, lado-a-lado. O interessante é que os restaurantes ficam de um lado da rua e as cadeiras ficam sob toldos, à beira do canal. Os serventes vêm até sua mesa e você faz sua escolha: só bebidas, tira-gostos ou refeições. Foi aí que tomei a cerveja “Corona” mais cara de minha vida: USD8,00. Quase R$30,00 por uma long et, aquela garrafinha fina e miúda. Tá doido...só pra quem tem $$$$..... e muitos tem.....
       
      5º DIA – 20/07/2017 – QUINTA-FEIRA
      - Depois do café esperamos na recepção do hotel os representantes da Expedia.com, em cujo site alugamos um carro marca Kia, modelo Picanto, automático, com ar-condicionado, pois tinham ligado para o hotel no dia anterior dizendo que nos entregaria neste dia às 10h.
      Ficamos com ele até o dia de pegar o voo de volta de Curaçao, no dia 24 de julho, devolvendo-o em perfeito estado e com o tanque cheio, assim como nos entregaram. Importantíssimo fazer um check-in em todo o carro, verificar arranhões, amassados, estepe e “macaco”. Eles deixaram o carro num estacionamento bem perto (5 min), onde estacionamos todos os dias, pois quase nenhum hotel possui. Tem uma máquina semelhante em alguns outros países, chamadas parquímetros. É necessário ter bastantes moedas de 1 florim, que é o preço que se paga por 1h de estacionamento em qualquer lugar. Pouquíssimos hotéis possuem estacionamento, pois a cidade é pequena, então existem vários estacionamentos espalhados pela cidade. Nós demos sorte de sempre encontrar vaga naquele perto de nosso hotel, mas fique atento: só se paga o estacionamento entre os horários de 8h até às 18h. Muitos deixam para estacionar após essa hora para não pagar e correm o risco de estacionar em lugar proibido e serem multados. Não vale a pena, pois 1 florim é a metade de 1 dólar. Nós sempre pegávamos o carro logo após o café, saindo com ele por volta de 9h, pagava 1 florim, depositando a moeda no lugar e registrando o nr da vaga do veículo. Vi muitos carros com uma espécie de trava nas rodas traseiras por não depositarem o valor correto das horas estacionadas, tendo então que se dirigir até à Prefeitura, pagar uma multa, para então o funcionário ir até o carro retirar as travas. Então se você acha que vai passar das 8h para retirar o carro do estacionamento, corra até o parquímetro onde ele está estacionado e deposite tantos florins, quanto acha que seja necessário. Eu tive dificuldade em aprender, mas sempre tinha alguém estacionando e pedia ajuda, depois ficou fácil. Aos domingos não paga por nenhuma hora, é grátis. Nesse dia a cidade “morre”. Não abre nada, nem para o café da manhã... fique atento, se o seu hotel não fornece, compre alguma coisa para o domingo. Nós só conseguimos almoço num KFC, que estava aberto do outro lado da ponte flutuante, isto é, em Otrabanda. Por sinal estava muito bom. Compramos mais dois para levar para comer no hotel mais tarde.
      Continuando a parte em que peguei o carro, as funcionárias foram comigo até o local, fiz uma revisão, minha mulher notou que tinha um amassado embaixo do farol direito e a funcionária fez a anotação no Registro que ela levou e eu assinei. Fiz um depósito calção de US150,00, que eles estornam para sua conta após a devolução do veículo em perfeito estado, limpo e com o tanque cheio.
      Como vieram duas funcionárias em carros diferentes, voltaram em um e nos deixaram o outro, que eu e minha mulher já demos partida e saímos em direção à Otrabanda, em busca do Shopping SAMBIL, único em Curaçao. É preciso fazer uma grande volta na cidade para pegar a mão certa para cruzar a ponte sobre o canal (não é permitida a travessia de pedestres). As placas de indicação são poucas e as que existem são escritas em holandês, então você segue a intuição... eu costumava seguir para onde ia a maioria dos carros, mas muitas vezes errei o caminho e tinha de fazer o retorno (todos são bem longos e complicados). Encostava ao lado de um carro num sinal e perguntava ou então parava no acostamento e perguntava a algum pedestre. Todos explicavam na maior boa vontade, inclusive algum ou outro motorista mandando segui-lo. Chegar até o shopping não é difícil, cerca de meia-hora após cruzar a ponte, em velocidade reduzida (60Km/h). Em Curaçao ninguém tem pressa. O shopping SAMBIL é pequeno, bonito, com ar-condicionado, wi-fi grátis, só tem um andar e a praça de alimentação fica no centro e nos quatro lados ao redor existem lojas de “marca”, com grande variedade de produtos, perfumarias, eletroeletrônicos, roupas, drogarias, relojoarias (comprei um relógio marca Fóssil, semelhante aos da SAMSUNG, que se conecta com o seu celular, você atende e faz chamadas por ele, acessa seu WhatsApp, Google, etc, além de ter GPS, porém tem de estar ligado ao celular pelo Bluetooth. Comprei por que achei mais barato do que os que vendem no Brasil (metade do preço) no cartão de crédito.
      Almoçamos num self-service, porque não conseguia entender o cardápio da maioria dos restaurantes, porque estava em espanhol, só que com nomes que nunca tinha visto na vida. Assim como em Curaçao e em Valência, se você for como eu, que gosta de comer feijão, vai ficar só na vontade... simplesmente não tem! Nesse shopping tomei duas cervejas “Polar”, sempre long net. Não existem cervejas como no Brasil em garrafas grandes, ou Chopp ou em latas. Só as fininhas mesmas e são caras. No shopping paguei o equivalente a US$ 2,00 por cada cervejinha, multiplique isso por R$3,50 que foi por quanto comprei o dólar no momento de viajar.... (sete reais por uma cervejinha), ainda bem que a comida foi até barata. Cerca de R$ 20,00 (pagando em florins). Ah! Tinha me esquecido: nesse dia choveu muito enquanto estávamos lá dentro. Parece até que tínhamos adivinhado em ir pra lá. Não tem sala de cinema, pelo menos não cheguei a ver. Fizemos hora por lá e quando a chuva cessou pegamos o carro no estacionamento do shopping (de graça) e fomos em direção do hotel, passando antes no hotel Hilton, onde fomos conhecer o lugar (pier) de onde sairia uma embarcação (metade barco, que fica sobre a água e metade submarino, submersa), com várias escotilhas para você apreciar o fundo do mar, corais e peixes, porque reservamos esse passeio para o dia 22, através da Internet (Atlantis Submarinos Tours), US 39,00 por pessoa em um passeio de 1h. Tem de reservar antes, pois se deixar para ir comprar lá pode não ter vagas (são limitadas pelo número de escotilhas, 15 de cada lado, além de só sair em dias alternados).
      - Depois deste passeio, voltamos novamente para Punda (estávamos em Otrabanda) e seguimos em direção à outra praia famosa, mas deste lado de cá, chamada Mambo Beach.
      É uma das mais frequentadas pelo povão, vamos dizer assim, por ser mais perto do centro e por contar com uma infraestrutura muito boa. Tem um estacionamento enorme do lado de fora (de graça). Depois você caminha em direção à praia, que é particular, passando por um shopping (tudo mais caro); paga-se US5,00 para entrar na praia e mais US$ 5,00 se quiser uma cadeira, com direito também a um chapéu de proteção. Muiiita gente, mas a praia é muito bonita, tem lugar pra todos e tem um quebra-mar, para que a água fique igual uma piscina, sem ondas e pouco profunda, água morna e transparente. Não se pode entrar com bebidas nem comida, tem de consumir nos bares locais. Ficamos até de tardinha, queria fotografar o pôr-do-sol, mas estávamos com fome e cansados, então voltamos para o hotel às 17h.
      O sol em Curaçao só se põe às 19.15h. Voltamos para o hotel e à noite fomos degustar alguma coisa e tirar mais fotos. Voltamos às 22h e minha mulher foi direto para o Casino e eu subi para o apartamento.
       
      6º DIA – 21/07/17 - SEXTA-FEIRA
      - Saímos cedo, logo depois do café, para conhecer uma das praias mais afastada, mais bonita e mais famosa de Curaçao: Kenepa Grande. Tem de atravessar a ponte e andar, andar, andar.... 90 Km/h, 2.30h de viagem. Valeu a pena, nunca vi uma água tão azul, tão transparente, tão calma e com um visual tão bonito... ainda mais com um céu sem nuvens, sol a pino e ao lado de sua esposa e companheira, que tudo topa, tudo está bom, tudo tá certo... Não tem sinalizações, você tem de se guiar por um mapa, não pega internet, não sei usar o Google Maps, então fui perguntando pelo caminho... quando chegamos.... o carro fica estacionado numa parte alta é é preciso descer uma escadaria até à praia. De cima você já vê aquela maravilha da natureza, areia branca, água da cor do céu, parece uma piscina, ladeada por um barranco, aliás é uma pequena baía.
      Embaixo tem banheiros (1 florim) e um barzinho que vende tira-gosto e cervejas “naquele preço”. Como sou prevenido, já tinha levado na minha bagagem uma bolsa térmica. Coloquei umas quatro “Polar”, refrigerantes e água, que tinha comprado de véspera e tinha posto no freezer do apartamento. Só tem de pagar pela cadeira (quase uma cama) de madeira por US 5,00 que alguém vem lhe cobrar assim que você ocupa. São numeradas. Ali, pela primeira vez experimentei tirar fotos e filmar dentro da água com o Galaxy S8+, que eu tinha comprado há um mês em Manaus. Será que a propaganda era certa mesmo ou eu iria perder minhas fotos e o dinheiro que já tinha pago? Pois não é que saíram perfeitas? Podem comprar: não entra água, não estraga na água salgada e as fotos e filmagens saem muito boas. Só se chega nesse paraíso quem tem carro, não tem coletivo e um táxi pra lá sairia o preço do aluguel de um carro por quatro dias. Além do mais o taxista teria de lhe esperar. Não vale a pena, melhor alugar a droga do carro e pronto. Afinal você vai pra lá pra curtir e não pra sofrer suas férias.
      Saímos de Kenepa Grande às 16h. Uns 10 min mais abaixo, já voltando, está a praia de Kenepa Pequena, uma miniatura da que estivemos, bonitinha, mas só para tirar fotos, o que fizemos, logo retornando ao carro para pegar o rumo de “casa”. Engraçado que na volta levamos só 1.30h, pois não cometemos mais os erros que fizemos na ida e ainda encontramos alguns “atalhos”.
      Tivemos de abastecer o carro já quase na chegada, pois estava abaixo de meio-tanque. Ainda bem que a gasolina é barata. Custa 1 florim o litro (metade de 1 dólar) e você mesmo abastece e paga o correspondente no guichê onde ficam os funcionários.
      Como já eram quase 18h quando chegamos, ficamos dando umas voltas até poder estacionar de graça.
      Quase não achava vaga, aliás encontrei a última, pois todos querem estacionar onde ficam a maioria dos hotéis. Do meu quarto dava para avistar o meu. Muitos preferem pagar 1 florim e achar logo a vaga antes das 18h, do que ter a surpresa de não encontrar vaga e ter de procurar outro estacionamento mais afastado se chegar depois.
       
      7º DIA – 22/07/17 – SÁBADO
      - Depois do café, pegamos o carro e nos dirigimos ao píer do Hotel Hilton, um dos mais famosos e caros da ilha, fica do outro lado, Otrabanda, é preciso cruzar a ponte e 20 min depois já se chega. O carro fica num estacionamento para visitantes, nos identificamos numa portaria e entramos pela sacada do imenso hotel, que tem sua própria praia particular, somente para hóspedes.Com os papéis da reserva da Atlantis Tour, já feita pela Internet no Brasil, nos dirigimos ao píer, onde às 10h encostou o “barco-submarino” (metade barco, sobre a água e metade submarino, embaixo dágua, com 15 escotilhas de cada lado). Entramos, mostramos nossos papéis, fizemos o pagamento, que é na hora, pode ser com cartão ou cash e quando todos os turistas já estavam a bordo, o “capitão e guia” explicou os procedimentos em espanhol e depois em inglês. Zarpamos às 10.30h, nos afastando um pouco da costa e depois de 10min descemos por uma escada à parte inferior do barco, com um pequeno corredor central e bancos dos dois lados em frente às escotilhas para se olhar o fundo do mar, que é bem raso. As pessoas vão entrando e ocupando os primeiros bancos.
      Eu e minha esposa ficamos em lados opostos, para cada um fotografar por ângulos diferentes. Como a água do mar do Caribe é muito transparente, logo, logo, avistamos os primeiros cardumes de várias espécies de peixes e bancos de corais. O barco-submarino se deslocava lentamente para que não perdêssemos nada e por um alto-falante o comandante ia explicando cada cardume de peixes por onde passávamos e que chegavam bem em frente às escotilhas. Se eu ainda utilizasse aquelas câmeras de filmes, teria gasto mais de 10 rolos, de tantas fotos e filmagens que fizemos. Valeu a pena, tudo muito bonito, ainda mais que o tempo em Curaçao está sempre limpo. Meia-hora depois o “capitão”, foi para a parte de cima e mergulhou com roupas de mergulhador e tubos de oxigênio nas costas e foi espalhando ração para os peixes, que parecem já estar acostumados com esse passeio do barco e se aglomeravam ao redor de nossa embarcação. Eram tantos, que mal distinguíamos o mergulhador. A embarcação ficou totalmente rodeada de vários cardumes, principalmente os “peixes-sargentos”, amarelos com listas negras. Um espetáculo! Atenção para as pessoas claustrofóbicas: teve uma senhora que não aguentou ficar tanto tempo encerrada e retornou com seu esposo à parte de cima da embarcação, uma pena...
      Ao voltarmos para Willemstad (Punda), cruzando novamente a ponte suspensa, seguimos direto até uma fábrica, onde se fabricam os licores mais famosos de Curaçao: o “Curaçao-Blue”; infelizmente fecha ao meio-dia nos sábados, queríamos ver a fabricação (é aberta ao público) e comprar algumas garrafas, dizem que lá é mais barato, para presentear os amigos. Acabei comprando três no comércio local (Super market) perto do mercado flutuante, ao preço de 15 florins. Não é a mais tradicional, que é em forma de coração, e sim como uma lognet, mas o sabor é o mesmo. Se for comprar em lojas de artesanatos saem muito caras. Resolvemos então conhecer mais uma praia que estava no nosso roteiro, que também é particular, da mesma forma que “Mambo-Beach”, uma meia-hora mais adiante: “Jan Thiel” (pronuncia-se Jantil). Como não tem placas indicativas fui perguntando ao longo do caminho sobre a “Playa Janthiel”, ninguém sabia, até que uma senhora falou: Jantil? - Isso mesmo! Ah, você segue essa rua, dobra na segunda à direita, depois à esquerda, vira na segunda “rotunda” (para nós conhecida como “bola”), onde convergem várias ruas..., pega a mão do meio, segue em frente, passa por uma segunda rotunda, vira pra direita, depois à direita novamente e já vai ver a praia... (???????). Cheguei à praia mais de 1h depois, após fazer vários retornos, mas assim como em todas praias que fomos em Curaçao, essa também era muito bonita. Estacionamos fora, adentramos por vários restaurantes e também pagamos somente as cadeiras, também o mesmo preço: US5,00. Ainda bem que tínhamos muitas notas de dólares trocadas de pequeno valor. Entre a praia e a areia, tem uma piscina enorme represada pela água do mar. Que gostosura! Imperdível! Tomei duas “Polar”, ao preço de US3,00 cada e antes de escurecer voltamos para "casa".
       
      8º DIA – 23/07/2017 – DOMINGO – ÚLTIMO DIA EM CURAÇAO
      - Depois do café da manhã, pegamos o carro, atravessamos para Otrabanda e fomos à uma praia chamada Pirata Bay, bem ao lado da praia do hotel Hilton, separadas por um barranco, sendo que essa não é particular, mas você também não pode levar bebidas e comidas e paga-se pelas cadeiras (US 5,00). Eu levei minha sacola térmica com algumas Polar e tomava escondido enrolada na toalha, quando ninguém estava olhando. Também é uma praia bonita, azul transparente, morna e sem ondas e bem perto, meia-hora do hotel. Também estaciona-se do lado de fora; aproveitei para pedir a um Sr para lavar (limpar o carro por 10 florins), já que teria de devolvê-lo amanhã no aeroporto, limpo e abastecido. Para entrar na praia você entra por uma porta, onde tem um imenso galpão coberto, com estátuas e fotos de piratas, por isso o nome da praia “Pirata Bay” e onde ficam os funcionários para venderem bebidas e comidas. Em frente fica aquela linda praia azul, sem ondas e de água transparente. Diz a lenda que o famoso pirata Cap Morgan escondeu um tesouro por ali e nunca foi encontrado.
      Retornamos ao meio-dia, estacionamos o carro e atravessamos a ponte flutuante para almoçar no KFC, único lugar aberto, compramos mais dois para levar para a janta no hotel. Arrumamos as malas para viajar amanhã e fomos dormir.
       
      9º DIA – 24/07/2017 – SEGUNDA-FEIRA – DE CURAÇAO À VALÊNCIA (VENEZUELA)
      - Acordei cedo, desci até o estacionamento com uma toalha molhada, fiz mais uma última limpeza no carro, limpei os tapetes, depositei 1 florim no parquímetro, subi, tomei banho, tomei café e fui fazer o checkout no hotel. Tudo certo, pegamos o carro às 9h e fomos para o aeroporto de Curaçao devolvê-lo e fazer o check-in no aeroporto. Depois de tudo acertado, fomos despachar as malas, fazer todo o procedimento, carimbar passaporte, inspeção de bagagens, RX, etc, etc. Nosso voo estava previsto sair às 15.55h, mas só saiu às 16.30h, pois estava esperando um voo de conexão. Para quem for fazer essa viagem, espero que tirem proveito de minha experiência e cheguem aos aeroportos com uma antecedência de no mínimo 3h. As filas são imensas, a imigração é demorada, a inspeção idem, idem.
      - Comemos alguma coisa no aeroporto, gastamos todos os florins que tínhamos, com exceção de duas cédulas e moedas pra coleção e depois de muita espera conseguimos embarcar no Boeing 737-400, Voo 9V 1207, da AVIOR, com destino à Valência, Venezuela, onde chegou 40 min depois. O Sr Cesar, taxista contratado pela Agência “Volcanos Tours”, já nos esperava no aeroporto internacional. Embarcamos e 1h depois estávamos no Hotel Venetur, considerado 5 estrelas, que tínhamos reservado pelo site “Amoma Hotéis”, pois o Booking não trabalha nessa cidade. O ruim é que não tem como desistir, se fosse o caso, pois já lhe cobram antecipadamente. Como tudo é em inglês, não tive o cuidado de ler nas entrelinhas. Ainda bem que tudo deu certo. Depois do check-in, (tinha o Voucher comigo), subimos para o 6º andar. Dei 1 dólar para o ajudante que levou as malas, tomamos banho e descemos para jantar, pois o restaurante do hotel só fica aberto até às 20h. O restaurante fica no andar térreo, à beira da piscina, só tinha eu e minha esposa para jantar. O hotel estava quase vazio, por causa da crise na Venezuela, que afastou todos os turistas. Por isso o preço estava barato e a comida também. Tomei logo três cervejinhas e depois de uma comida excelente feita na hora, retornamos ao apartamento e fomos assistir TV um pouco. Por sorte estava passando o Jornal da Globo, na TV a cabo. Como estávamos muito cansados, dormimos logo depois de mandarmos notícias aos parentes e amigos pelo WhatsApp do wifi do quarto (bem lento), com um sinal melhor no térreo. Chuveiro quente (que não consegui fazer funcionar), cama king size, TV, ar-condicionado, wi-fi, frigobar, janelas para a piscina do hotel. Muito bom, tudo limpo e silencioso, lembrava um pouco o hotel do filme “O Iluminado”, com Jack Nicholson, por causa dos extensos corredores. Tem serviço de elevador e chave magnética.
       
      10º DIA – 25/07/2017 – TERÇA-FEIRA – VALÊNCIA – VENEZUELA
      - Como nosso voo para o Brasil só sairia no dia seguinte, 26/07/17, ficamos mais um dia em Valência. Depois de um excelente café, parece até que só tinha eu e minha esposa no hotel.... não tinha mais ninguém nessa hora, que diferença do hotel em Curaçao!.... pena... tudo por causa de um governante... bom, fica a opinião de cada um...Valência, assim como Caracas, também existem manifestações, foi o que me explicou o Sr Cesar e estava marcada uma greve geral para o dia seguinte, todas as avenidas que dão acesso ao aeroporto e ao centro da cidade seriam fechadas, de modo que marcamos para ele nos buscar às 8h do dia seguinte. Meu voo estava marcado para sair às 13.15h, mas ser prudente nunca é demais.
      - Nessa terça-feira que ficamos em Valência pedimos ao Sr Cesar que fizesse um pequeno tour conosco na cidade e depois nos deixasse em outro shopping sem ser o SAMBIL. Ele nos levou até um lugar chamado Campo Carabobo, uma espécie de parque, semelhante à Quinta da Boa Vista (quem conhece o Rio de Janeiro-RJ), com uma larga avenida no centro, rodeada por grandes jardins, tudo muito calmo e no final desta avenida tem um monumento guardado pro dois soldados (vestidos de vermelho), bem elegantes, guardando, bem, não sei o quê... ali foi travada a luta de independência dos venezuelanos, liderados por Simon Bolívar, contra os espanhóis. Tem um grande arco do triunfo com a face de Bolívar ao centro e ladeados de bustos dos generais comandantes na época da guerra. Pagamos pelo passeio US 20,00. Ficamos por lá durante 1h mais ou menos, tiramos várias fotos e retornamos com o Cesar para o Shopping Metrópole, gigantesco se comparado com o SAMBIL.
      Almoçamos e ficamos lá dentro até anoitecer, quando caiu um temporal, que durou mais ou menos meia-hora. Compramos sanduíches no McDonald's para levar para o hotel, porque não iríamos descer para jantar. Nos dirigimos ao ponto de táxis e embarcamos num que faz ponto dentro do shopping (são os chamados “de confiança”). Nos cobrou 600 Bfs até o hotel, menos de US 5. Fiquei até com pena, pois era longe, quase 1h de viagem. Assistimos o Jornal Nacional na TV a Cabo do quarto, arrumamos as malas pela última vez, para deixar tudo pronto para o retorno amanhã de volta ao Brasil (Manaus).
      - Algumas considerações sobre o Hotel Venetur (considerado 5 estrelas):
      a) fica localizado longe de tudo, só se chega de táxis, não tem linhas de ônibus próximas, aliás pouco vimos coletivos na cidade, parece que todos andam de táxis ou possuem carro, por causa do preço da gasolina.
      b) sair à noite a pé, nem pensar, fica numa ladeira, e tem de dar muitas voltas caminhando por lugares isolados e a Venezuela está atravessando um clima péssimo no momento.
      c) vimos no YouTube antes de viajarmos algumas propagandas do hotel, chega a dar pena: vazio, vazio, sem nenhum glamour dos tempos áureos. Continua bonito, salões imensos, imponentes, mas sem vida. Cadê os hóspedes?... parecia e muito com aquele hotel onde se passou o filme “O Iluminado”, com Jackson Nicholson (para quem viu). Os corredores são imensos, acarpetados, lembra a cena do filme do menino andando com seu velocípede.
      d) o wi-fi é péssimo, muito lento, muitas vezes tive de descer até o hall e pedir a senha da parte de baixo, que é menos lenta, para mandar uma mensagem para casa.
      e) tomei banho frio durante os dois dias, pois mesmo trocando de quarto, porque tinha uma torneira com vazamento e a chave magnética do quarto anterior não funcionasse e mesmo telefonando para a recepção, não apareceu ninguém para consertar e Valência faz um pouco de frio à noite, ainda mais que estava chovendo.
      f) poucas tomadas nos quartos, só tinha uma disponível e mais outra no banheiro. Para carregar os celulares usávamos as duas ao mesmo tempo. Não esqueçam de levar adaptadores, não tem lugar para vender e o hotel não dispõe. É tipo americana, com dois pinos chatos e um redondo.
      g) o café da manhã é ótimo, incluindo frutas e sucos, não usam pães, só arepas (igual uma tapioca, só que é feita de milho). Bonito, com uma piscina enorme e localizado numa colina rodeada de árvores.
       
      11º DIA – 26/07/2017 – QUARTA-FEIRA – DE VALÊNCIA (Venezuela) A MANAUS
      - GREVE GERAL NA VENEZUELA! Tudo fechado, tudo parado.... parecia um dia de domingo. Tomamos o café da manhã bem cedo, descemos com as malas e às 8h entramos no táxi rumo ao aeroporto. Como alguns cruzamentos já estavam bloqueados, levamos quase duas horas para chegar ao aeroporto, mesmo sem trânsito, porque tivemos de fazer muitas voltas até chegarmos. Ele nos deixou no aeroporto estadual, já que teríamos de descer em Barcelona e fazer a conexão para Manaus. Nos despedimos dele, entramos nas enormes filas de despachos de bagagens, carimbos de passaportes, sala de RX, etc. O voo saiu no horário e descemos em Barcelona às 14h. Filas e mais filas para check-in, carimbos de passaportes e inspeção de bagagens de mão, as maiores já tinham sido despachadas diretas de Valência para o voo de conexão para Manaus. Não precisamos retirá-las em Barcelona. Só conseguimos entrar na sala de embarque às 16h. O avião saiu às 17.10h. Acabei de escrever o diário de bordo nele, um Boeing 737-200. Chegou em Manaus às 19.25h, onde retiramos as malas sem nenhum problema. Graças a Deus tudo foi perfeito, apesar da instabilidade por que passa o povo da Venezuela neste momento.
      Curaçao ultrapassou todas as nossas expectativas: povo amável, cidade belíssima, praias de um azul inacreditável, limpas e transparentes, areias brancas e finas, com alguns cascalhos no fundo, que às vezes atrapalham caminhar até chegar a um lugar mais profundo, tem pessoas que compram uma espécie de sapatilhas, não achei necessário, apesar de algumas vezes chutar alguma pedra maior, basta ter cuidado e olhar para o fundo, que é tão transparente, que você consegue enxergar tudo. Como não somos de badalação, não fomos a nenhum evento noturno, embora a ilha ofereça bastante opção. Enfim, espero que tenham gostado do relato e tirem algum proveito para sua próxima viagem a esse inesquecível paraíso.
      Abraços a todos.
       
      “ No meio do caminho sempre tem alguma pedra, contorne-a e siga em frente...”
    • Por leonardo.dantas
      Dia 1:
       
      Esse será meu primeiro diário de bordo de uma viagem internacional. Fiz essa viagem com uma amiga (Fabiana) e passamos 14 dias conhecendo as famosas ilhas ABC no Caribe. Na época já pensava em fazer um blog e sempre que viajava tentava fazer um relato da viagem. Essa foi uma das viagens que, por minha sorte, consegui fazer o relato diário durante a viagem. Vamos lá, dois anos se passaram e agora sim vou publicar as minhas experiências nesta viagem. Antecipo que o lugar é lindo, mas isso não é novidade, basta pesquisar por ilhas ABC na internet que todos vão entender do que estou falando.
       
      Comecei a viagem na noite do dia 25, esse trecho fiz sozinho pois passei o natal com minha família em Resende e a Fabiana com a família dela em São Paulo. Encontrei com a Fabiana no aeroporto de Guarulhos e de lá voamos com destino à Curaçao, mas antes uma pequena parada em Bogotá (Colômbia) de apenas 8h. Optamos por ficar esse tempo todo no aeroporto pois a passagem saiu por quase a metade do preço.
       
      Aí vai uma dica, para nós cariocas, antes de comprar as passagens saindo do aeroporto do Galeão, vale a pena pesquisar saindo por Guarulhos, em alguns casos sai bem mais em conta.
       
      O aeroporto de Bogotá tem uma ótima infra estrutura e bons "free shops". Com 8 horas de espera rodamos todas as lojas, tomamos café, dormimos no banco do aeroporto (tipo o filme "O Terminal"), almoçamos e quando não aguentávamos mais uma simpática funcionária da United chamada Carolina nos deu algumas dicas de compras e passeios por Bogotá, mas optamos por ficar no aeroporto mesmo.
       
      A hora chegou e embarcamos para Curaçao, não tivemos atraso no voo. Depois de algumas horas de sono durante o voo, pra variar..rs.. pousamos no aeroporto internacional de Hato, na capital de Curaçao, Willemstad. Chegamos a tarde e, ainda no aeroporto, ficou nítido que a infra estrutura da ilha era bem simples, apesar de tudo funcionar perfeitamente, inclusive a internet wifi livre no aeroporto. Esse é o tipo de coisa que me faz pensar: Porque o Brasil, um país tão prospero, não consegue implantar ferramentas para facilitar o cidadão local e o turista? Mas esse é um blog de viagem e não de política, vamos voltar ao tema.
       
       

      Aeroporto Internacional de Hato
       
      Curaçao é a maior ilha do antigo arquipélago das Antilhas Holandesas e hoje é um país autônomo dentro do Reino dos Países Baixos. O nome "Curaçao" vem de "arte de curar" e a ilha produzia um licor a partir de cascas de laranja da terra, cravo e canela que muitos portugueses encontravam a cura dos doentes atacados pelo escorbuto, provavelmente pela ingestão de vitaminas existentes na ilha. Curaçao também já se chamou "ilha do gigantes" devido à estatura dos indígenas que a habitavam na época que foi descoberta (1499). A população local fala pelo menos 3 línguas, aprendem na escola o papiamento (língua local), o holandês (por fazerem parte da colônia holandesa) e o inglês. Isso é o básico deles. O país tem a presença muito forte dos holandeses que moram e fazem turismo por lá.
       
      Sofremos um pouco para utilizar o terminal eletrônico e sacar dinheiro na moeda local, mas conseguimos. Recomendo que façam isso pois os taxistas só aceitam pagamento em dinheiro e se pagar em dólar o câmbio não é favorável. Pegamos um táxi e fomos em direção ao Ritz Studios, o visual da cidade de dentro do táxi já nos deixava com vontade de descer e rodar por tudo. O Ritz Studios fica no bairro histórico de Scharloo na área de Punda. Fomos recebido por uma holandesa muita atenciosa que fez nossa ficha e nos apresentou o hotel. Nosso quarto era limpo, novo e bem organizado, mas só com um detalhe, o banho é frio..rs..
       

      Ritz Studios
       
      A cidade é dividida em duas áreas: Punda e Otrobanda, do nosso hotel até a ponte "Queen Emma" são 10 minutos de caminhada pelas ruas históricas. As principais atividades na cidade são o turismo, as atividades portuárias e o comércio com uma vasta opção de lojas de grife e bons preços. Para quem gosta de compras, vale a pena passear pelo centro histórico, pois das 3 ilhas ABC, Curaçao foi a que encontramos o melhor preço.
       
      A zona histórica de Willemstad, cidade antiga e porto, é Patrimônio Mundial da Humanidade, incluído pela UNESCO em 1997.
       
      A noite saímos para conhecer um pouco o centro da cidade e jantar por lá. As construções no estilo colonial holandês e o povo bem amistoso são algumas atrações a parte. Jantamos em um bar na beira do canal que separa as áreas da cidade, o bar se chama Iguana Bar e com boa comida e música ao vivo o bar retrata a animação do povo de Curaçao.
       

      Iguana Bar
       
      O centro histórico estava vazio, acho que ainda devido as comemorações natalinas. Depois do jantar passeamos pelas ruas principais e voltamos para o hotel.
       

      Iguana Bar - Otrobanda ao fundo
       
      Gastos do dia:
      café da manhã Orleans (aeroporto Bogotá) - 12.325 pesos colombianos
      adaptador tomada - 1600 pesos colombianos
      almoço - 26100 pesos colombianos
      compras free shop Bogotá - U$209
      The Ritz Studios - U$160 (6 diárias)
      Táxi aeroporto p/ hotel - 50 florins
      Iguana Bar - U$15,83
       
      Câmbio:
      1 Real = 833,33 Pesos colombianos
      1 Real = 0,80 Florim das Antilhas holandesas


×
×
  • Criar Novo...