Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

  • 0
lulis_sbc

Intercambio em Dublin 2019/2020

Pergunta

Posts Recomendados

  • 0
17 horas atrás, lulis_sbc disse:

 

 

Alguem aqui programando Intercambio em Dublin nesse ano ou no ano que vem??? 

VAmos conversar?

olá...
Estou pretendendo ir no final de 2020 a inicio de 2021 para ficar inicialmente 8 meses mas não descarto renovar pelos dois períodos que o visto de estudante dá direito! Vou te dizer que mais do que o intercâmbio, oque mais pega pra mim são os 3.000 Euros de comprovação de renda.... por isso tive que esticar tanto a minha previsão de ida.🤦‍♂️

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

  • 0
Em 19/02/2019 em 20:52, lulis_sbc disse:

 

 

Alguem aqui programando Intercambio em Dublin nesse ano ou no ano que vem??? 

VAmos conversar?

Pretendo ir pra Londres em Setembro ou Outubro. Pretendo ficar 30 dias estudando e mais 10 dias passeando. 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 0
Em 20/02/2019 em 15:36, James D. por aí disse:

olá...
Estou pretendendo ir no final de 2020 a inicio de 2021 para ficar inicialmente 8 meses mas não descarto renovar pelos dois períodos que o visto de estudante dá direito! Vou te dizer que mais do que o intercâmbio, oque mais pega pra mim são os 3.000 Euros de comprovação de renda.... por isso tive que esticar tanto a minha previsão de ida.🤦‍♂️

Sim, esses 3mil euros está pesando. 

  • kkkkkkk 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

  • 0
Em 20/02/2019 em 15:36, James D. por aí disse:

olá...
Estou pretendendo ir no final de 2020 a inicio de 2021 para ficar inicialmente 8 meses mas não descarto renovar pelos dois períodos que o visto de estudante dá direito! Vou te dizer que mais do que o intercâmbio, oque mais pega pra mim são os 3.000 Euros de comprovação de renda.... por isso tive que esticar tanto a minha previsão de ida.🤦‍♂️

Esses 3 mil euros você vai precisar para comprovar renda na hora da imigração, depois você pode usar essa grana. Até tirar o visto essa quantia deve ficar guardada. O ideal seria levar 4500 no mínimo para passar o primeiro mês sem passar sufoco. Se quiser viajar, beber todas nos pubs sem conseguir trampo, adianto que não é suficiente.

Mas dito isso, só vão, é uma ótima experiência. Minha dica é procure uma agência para te assessorar, eles te ajudam a achar acomodação, avião, escola, seguro e tudo mais. Fui pela T2T e recomendo muito.

Boa sorte para todos.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 0
3 horas atrás, Felipe Rozante disse:

Esses 3 mil euros você vai precisar para comprovar renda na hora da imigração, depois você pode usar essa grana. Até tirar o visto essa quantia deve ficar guardada. O ideal seria levar 4500 no mínimo para passar o primeiro mês sem passar sufoco. Se quiser viajar, beber todas nos pubs sem conseguir trampo, adianto que não é suficiente.

Mas dito isso, só vão, é uma ótima experiência. Minha dica é procure uma agência para te assessorar, eles te ajudam a achar acomodação, avião, escola, seguro e tudo mais. Fui pela T2T e recomendo muito.

Boa sorte para todos.

Estou olhando entre outras agências, a T2T mesmo! creio que irei fechar com eles...
Quanto a questão da grana, to ligado que não dá pra levar a conta, mas é difícil da mesma forma! 
A titulo de curiosidade, saiu daqui com que nível de inglês?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 0

Eu fiz aula de inglês no Brasil, cheguei até o nível Upper Intermediate na escola, mas depois tive que sair e passei bastante tempo sem estudar. Mesmo assim, achava que com meu inglês ia conseguir me comunicar bem, chegando lá é tudo diferente, lógico que conseguia sobreviver, mas falava muito errado. Na escola eu entre no Pre-Intermediate ou A2, passei pelo B1 e sai no Upper Intermediate ou B2.

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

  • 0
7 minutos atrás, danillomaciel disse:

Será que realmente vale a pena para aprender inglês(subir níveis de inglês, melhorar..) ou intercâmbio é superestimado?

Na minha opinião vale, mas acredito que você aprenderá mais no dia a dia do que na escola, por isso é bom intercâmbio que permita trabalhar por meio período, no trabalho é onde você estará em contato realmente com o inglês.

Além disso respirar uma nova cultura, viver em um novo país, é uma experiência incrível.

Em 17/04/2019 em 16:23, James D. por aí disse:

Estou olhando entre outras agências, a T2T mesmo! creio que irei fechar com eles...
Quanto a questão da grana, to ligado que não dá pra levar a conta, mas é difícil da mesma forma! 
A titulo de curiosidade, saiu daqui com que nível de inglês?

Você chegou a fechar o intercâmbio? Logo em maio veio a bomba que a T2T havia falido. Espero que não tenha sido prejudicado.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 0
1 minuto atrás, Felipe Rozante disse:

Na minha opinião vale, mas acredito que você aprenderá mais no dia a dia do que na escola, por isso é bom intercâmbio que permita trabalhar por meio período, no trabalho é onde você estará em contato realmente com o inglês.

Além disso respirar uma nova cultura, viver em um novo país, é uma experiência incrível.

Você chegou a fechar o intercâmbio? Logo em maio veio a bomba que a T2T havia falido. Espero que não tenha sido prejudicado.

Perfeito. Muito obrigado pelo feedback. Realmente é o q eu estou lendo. Escola mais focada na gramática e vc não fala tanto na escola. Vc aprende mais no dia a dia e ou se tiver oportunidade de trabalhar e ficar mais tempo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder esta pergunta...

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Mari D'Angelo
      📷 Texto original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/viagem-pela-croacia/
      Com paisagens paradisíacas, baladas famosas e cidades históricas a um custo relativamente baixo, a multifacetada Croácia, de onde vieram os dálmatas e as gravatas, vem cada vez mais chamando a atenção do Brasil e do mundo!
      O país, que faz parte da região dos balcãs, dividia até pouco tempo atrás espaço com Eslovênia, Sérvia, Bósnia e Herzegovina, Macedônia e Montenegro sob o nome de Iugoslávia. A Croácia se tornou independente em 1991, mas as guerras por territórios ainda se estenderam por mais alguns anos, deixando marcas até hoje visíveis nas fachadas das casas de seus habitantes.
      A Croácia foi incorporada a União Européia em 2013, se tornando o 28º membro do bloco. O país ainda não aderiu ao euro, a moeda oficial continua sendo o Kuna croata e os valores praticados são em geral mais baratos do que outros países da Europa.
      O idioma oficial é o croata, mas a língua não chega a ser um problema para os turistas. Embora a maioria das palavras seja impronunciável, muitos locais falam inglês, ou se esforçam para serem entendidos de alguma outra maneira, já que são um povo simpático e acolhedor.
      Gastronomicamente falando, a Croácia é um deleite! Uma cozinha mediterrânea com particularidades em cada região e forte influência italiana, como nas deliciosas pizzas! Pratos com carne de porco são comuns em muitos restaurantes, além é claro de peixes e frutos do mar na região costeira. Para os vegetarianos também não faltam opções, queijo, cogumelos e trufas, por exemplo, são estrelas em algumas receitas!
      A cerveja e vinho nacional não deixam nada a desejar. Nos dias de calor é prática comum beber vinho branco misturado com água gaseificada naturalmente. Parece estranho, mas é bom!
      Ao incluir a Croácia no roteiro, muita gente se limita a conhecer Dubrovnik, a chamada Pérola do Adriático, e Split, de onde saem barcos para as paradisíacas ilhas. Mas se o interesse não for apenas as famosas baladas, a Croácia tem muito mais a oferecer! Uma boa maneira de desbravar um pouco mais a fundo esse pedaço tão fantástico do globo é alugando um carro. Pode não ser a opção mais barata, mas além da liberdade, as paisagens nas estradas são motivos bem convincentes para optar por esse meio de transporte entre as cidades.
      Arquitetura e história na capital Zagreb
      A capital Zagreb é um pouco contrastante, enquanto na região mais turística segue um padrão bem típico de cidade histórica européia, em suas regiões mais periféricas a arquitetura comunista é bastante presente. Embora não seja muito agradável aos olhos, esses prédios remetem a um período que alguns croatas viam com bons olhos, sendo que o líder da época, Marechal Tito é ainda uma figura bastante popular.
      A cidade é dividida entre a parte alta e baixa e é perfeitamente possível conhecer a maior parte das atrações a pé. Entre os destaques da chamada Cidade Alta, está a Igreja de São Marcos, famosa por seu telhado de mosaicos, o curioso Museu das relações partidas, com objetos que contam inusitadas histórias o sobre fim de relacionamentos amorosos, e a Torre Lotrščak, construção medieval de onde todos os dias ao meio dia estoura-se um tiro de canhão.
      Ainda nesse lado da cidade, fica a Catedral da Assunção da Virgem Maria, a Porta de Pedra, passagem medieval que foi transformada em local de orações e agradecimentos e a Tkalčićeva, uma agradável rua de pedestres com bares e restaurantes. Na parte baixa da cidade ficam o Mercado Dolac, colorido conjunto de bancas com alimentos, flores e artesanato e a principal praça de Zagreb. O cemitério de Mirogoj é um pouco mais afastado, mas vale a visita pela arquitetura da entrada. 
      Há poucos quilômetros de carro ainda é possível conhecer fantásticos castelos medievais e pequenas vilas que nos transportam ao passado.
      Uma das maiores preciosidade da Croácia é o Parque Nacional de Lagos de Plitvice, um surreal conjunto de lagos em tons de azul e verde ligados por cascatas. Há algumas opções de trilhas porém é preciso ter cuidado, as placas não são muito informativas e há uma grande possibilidade de se ver perdido em meio às florestas e passarelas sobre as águas.
      É Possível se hospedar dentro do parque ou apenas fazer uma day-trip partindo de Zagreb, o impossível é deixar de passar por esse lugar tão fantástico que se tornou inclusive patrimônio da UNESCO!
      Paisagens paradisíacas pela costa da Croácia
      Já na costa da Dalmácia, mais ao sul do território croata, fica a pequena Split. A parte turística da cidade concentra-se dentro do Palácio do imperador romano Diocleciano, que é a atração principal junto com a procura pelos passeios às ilhas.
      Por ter estado sob domínio veneziano durante 377 anos, a arquitetura nessa região é fortemente influenciada pelo estilo italiano.
      Subir na torre da Catedral de São Domnius para apreciar a vista, passear pelo calçadão e se perder pelas muitas ruelas de pedras brancas são alguns dos meios de conhecer essa charmosa cidade. Assim como Split, Dubrovnik é parada certa de quem vai à Croácia. A cidade, que já foi cenário da série Game of Thrones, sofreu num passado recente com conflitos violentos, mas hoje o que se vê é só beleza e história.
      A old town é cercada pela muralha conservada do período medieval, de onde se vê o impressionante azul do mar adriático! As ruas dessa pequena cidade são um convite para passar algumas horas agradáveis, parando para uma refeição, um drink ou um sorvete em alguma das muitas vielas com ares italianos.
      Os passeios de barco até as ilhas são muito procurados. A Ilha de Lokrum é uma das mais próximas e uma ótima opção para passar o dia rodeado por pavões, os simpáticos habitantes locais.
      O país ainda guarda alguns segredos como as paradisíacas praias de pedra de Brela e Baska Voda, um órgão marítimo que emite sons com o movimento das ondas do mar, pontes para ursos e outras curiosidades interessantes!
      E com essa diversidade cultural e histórica e exuberantes belezas naturais, a Croácia começa a ser descoberta como um dos países mais incríveis do Leste Europeu!
      Sugestão de roteiro pela Croácia
      Nosso roteiro de 7 dias de carro pela Croácia começou por Zagreb e acabou em Dubrovnik. As distâncias são curtas e as estradas são boas, com vistas espetaculares da costa. Para fazer o último trecho é preciso passar pela fronteira com a Bósnia. A carta de motorista brasileira é aceita no país.
      Se a ideia é contratar uma agência para ajudar na viagem, recomendo muito a Kamauf Tours, da simpática Marilia do blog Uma brasileira na Croácia.
      Dia 1 – Zagreb
      Dia 2 – Zagreb
      Dia 3 – Zagreb (Bate volta ao Parque Nacional dos Lagos de Plitvice)
      Dia 4 – Split (Parada em Zadar para conhecer o órgão marítimo)
      Dia 5 – Brela e Baska Voda
      Sugestão de hospedagem em Baska Voda: House Bilic
      Dia 6 – Dubrovnik
      Dia 7 – Dubrovnik (Bate volta a ilha de Lockrum)
      Sugestão de hospedagem em Dubrovnik: Hotel Vis
      📷 Texto original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/viagem-pela-croacia/
    • Por Mari D'Angelo
      📷 Texto original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/guia-viagem-estocolmo/
      Estocolmo é daquelas cidades que parecem ilustração de lata de biscoito, sabe? Um skyline de prédios baixinhos preenchendo as ilhotas formadas entre os canais que cortam a capital. Pelas janelas avistam-se apartamentos aconchegantes e escritórios bem decorados.
      As ruas, seguras e limpas, são ocupadas por pessoas praticando atividade física (mesmo no frio congelante do inverno) e muitas famílias com crianças. Trânsito? Quase que só o de bicicletas na hora de saída do trabalho. Também não há superlotação de habitantes ou turistas, o que torna a cidade muito agradável de conhecer.
      A Suécia, terra de gigantes como IKEA, H&M e Spotfy, já figura há um tempo no topo da tabela do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) mundial, e não é difícil perceber o porquê. O país tem políticas muito avançadas em relação a temas como licença parental, igualdade de gênero e diversidade sexual. E embora cobre impostos altíssimos de seus habitantes, isso tudo é refletido de forma muito positiva no bem estar e na qualidade de vida dos suecos. Claro que, como em qualquer lugar do mundo, tem também seus pontos negativos. Embora o salário dos suecos seja em média muito bom, para turistas Estocolmo é uma cidade bastante cara. Além disso, o clima frio e o fato de ter poucas horas de luz nos meses de inverno (em Janeiro por exemplo o sol se põe em por voltas das 15h30) pode não agradar a muita gente

      Informações básicas
      Moeda: Coroa sueca (1€ = 10SEK aproximadamente). Prefira levar cartão de crédito ou cartões multimoedas como o Revolut pois é o meio de pagamento mais comum. Muitos estabelecimentos inclusive nem aceitam notas e moedas, estando identificados como “Cash Free Zone“.
      Língua: Sueco, mas a maioria da população fala inglês fluentemente.
      Fuso horário: A Suécia está 4 horas adiantada em relação ao horário de Brasília (+1h no horário de verão sueco) e 1 hora adiantada em relação à Portugal continental.
      Política: O regime sueco é o de monarquia constitucional. O rei Carl XVI Gustaf é o atual chefe de estado para funções cerimoniais.
       
      Como chegar do aeroporto ao centro de Estocolmo
      Para ir do Aeroporto de Arlanda ao centro da cidade há algumas opções disponíves, sendo essas as principais:
      Arlanda Express: A opção mais rápida, pois é um trem expresso que liga o aeroporto ao centro da cidade. O valor é aproximadamente 30€ e a viagem dura 20 minutos. Confira aqui o site oficial com mais informações.
      Trem Convencional: Parte dos terminais 4/5 (é possível chegar a pé, por dentro do aeroporto mesmo) e custa por volta 18€. O trajeto até a Estação Central é de aproximadamente 40 minutos. Como é um transporte convencional, os trens têm diferentes destinos, por isso é preciso ter atenção à plataforma e o horário de partida.
      Ônibus: O ônibus é a opção mais barata e também a mais demorada. O custo é de aproximadamente 9€ e o tempo em média 50 minutos.
      Taxi: A opção mais confortável mas também a mais cara. O valor é em média 60€ e o tempo aproximadamente 40 minutos.
      Para informações mais detalhadas consulte o site do Aeroporto.
       
      O que fazer em Estocolmo?
      A capital sueca é na verdade um arquipélago composto por 14 ilhas banhadas pelas águas do mar Báltico e ligadas entre si através de pontes.
      Vou deixar aqui sugestões de coisas para fazer em algumas delas e um mapa para entender melhor as divisões. Muitas empresas também oferecem passeios de barco prometendo mostrar a cidade por outro ângulo.
      Considero 3 dias um bom tempo para conhecer o principal, mas se tiver oportunidade de ficar mais um pouco, é definitivamente um daqueles lugares onde vale se perder sem pressa! Eu fiz tudo a pé, mas se o tempo for curto pode apelar pelo transporte público, que é bastante eficiente, ou alugar uma bike, já que a maior parte da cidade é plana.
      Se a ideia for entrar em muitas das atrações turísticas pode valer a pena comprar o Stockholm Pass.

       
      ▸ Norrmalm e Östermalm
      Norrmalm é o centro comercial de Estocolmo, aquela parte da cidade mais cosmopolita, com lojas de redes internacionais e a movimentação dos turistas.
      Kungsträdgården, a praça central da cidade, é rodeada por cafés, lojas, restaurantes e hotéis e é palco para eventos ao ar livre no verão e pista de patinação no gelo no inverno, além de dar um show na primavera, com a floração das cerejeiras.
      As vias próximas à Estação Central também são bastante movimentadas, como a Drottninggatan, famosa rua de pedestres cheia de lojas e restaurantes, e a praça Hötorget, onde rola uma feira bem eclética, que vende desde apetitosas frutas e legumes até flores e antiguidades. O bairro vizinho, Östermalm, já é bem mais sofisticado, destino de quem pretende fazer compras em lojas de luxo. Mas mesmo para os pobres mortais é uma área bem agradável de conhecer, e dois bons motivos são o parque Humlegården e o mercado Östermalms Saluhall, parada perfeita para quem quer experimentar os sabores locais.
       
      ▸ Gamla Stan
      É o centro velho de Estocolmo, uma das partes mais interessantes da cidade. Entre as atrações estão o Palácio Real, o Museu do Prêmio Nobel e a Catedral de São Nicolau. A encantadora Praça Stortorget, um dos cartões postais de Estocolmo, é o coração da região.
      A maior delícia de Gamla Stan é se perder por suas ruelas medievais, que durante o dia são cheias de vida e à noite calmas e silenciosas. É só entrar em qualquer loja de souvenir para notar algumas figuras que fazem parte da cultura sueca e da mitologia nórdica, como o delicado Dala Horse e as réplicas de pedras rúnicas escandinavas. Tudo isso tem histórias interessantíssimas que só dão mais vontade ainda de explorar a Suécia!
      Gamla Stan também é um bom lugar para comer. Entre as muitas opções de restaurantes, minha sugestão para quem quer conhecer a culinária tradicional sueca é o Aifur, que tem todo um ar medieval ornando perfeitamente com a região!
      Para mais dicas de restaurantes em Estocolmo e comidas típicas da Suécia veja este post!
       
      ▸ Djurgården
      Essa é a ilha dos museus e parques temáticos. Para os fãs de Abba, há um museu interativo todo dedicado à banda. Já o Skansen Museum é um espaço à céu aberto que recria a vida na Suécia através de casas típicas e encenações. Um zoológico também faz parte dessa atração, por isso não visitei.
      Ainda em Djurgården fica o incrível Vasa Museum, dedicado à embarcação do século XVII que naufragou em sua primeira viagem e ficou 300 anos no fundo do mar. O navio foi resgatado, restaurado e colocado em exposição para que o público conheça em detalhes sua fascinante história.
      Quem tem crianças ou tempo de sobra, ainda pode explorar o Gröna Lund, parque de diversões mais antigo da Suécia.
       
      ▸ Södermalm
      Esse é o pedaço mais hipster de Estocolmo! Andando pela rua Götgatan e arredores dá pra sentir essa vibe nos suecos e gringos estilosos que frequentam os muitos cafés, galerias e brechós espalhados por lá (aliás, se é do time das roupas de segunda mão, Estocolmo é o paraíso!).
      Há também alguns museus interessantes como o Fotografiska, para os apaixonados por fotografia e o Stockholm City Museum, que é grátis, e conta de forma bem didática um pouco da história da cidade.
      Mas talvez o mais impactante dessa ilha seja a vista absurdamente incrível que se tem a partir do Monteliusvägen, uma trilha quase escondida com alguns mirantes espalhados pelo caminho. Pode não ser tão central ou próximo das atrações turísticas, mas garanto que vale muito a pena!
      Outros dois lugares para ver Estocolmo do alto são o terraço do Södra Teatern e o topo do Katarinahissen, um elevador que liga a parte baixa a alta da cidade e onde funciona o restaurante panorâmico Eriks Gondolen.
       
      ▸ Kungsholmen
      A maior atração dessa ilha é o Stadshus, o prédio da prefeitura, que além da sua função governamental é importante por ser o local do jantar de cerimônia dos Prêmios Nobel.
      Mesmo que não faça a visita interna, é possível conhecer sem custos a parte externa, que tem um jardim lindo e vistas interessantes para as outras ilhas.
       
      ▸ Skeppsholmen e Kastellholmen 
      A pequena Skeppsholmen é acessada pela Skeppsholmsbron, a ponte-cartão-postal de Estocolmo famosa por suas coroas douradas. Embora não tenha muitas atrações além do Museu de Arte Moderna, a ilha e sua adjacente, Kastellholmen, são lugares perfeitos para uma caminhada tranquila a beira-mar! 
       
      ▸ Bônus: Arte no metrô de Estocolmo
      Não é só na superfície que a capital sueca encanta e surpreende. Seu subterrâneo também atrai curiosos para conhecer a exposição de arte mais longa do mundo, o metrô de Estocolmo!
      As cem estações vem sendo decoradas por artistas desde 1957, seja com pinturas, esculturas ou instalações. Como não usamos o metrô para o transporte, compramos um bilhete unitário, válido por 75 minutos, só para explorar as intervenções. Apesar de ter feito um roteiro maior, houve uma interrupção por tempo indeterminado na terceira estação e acabamos não conhecendo o resto, mas destaco a T-Centralen (linha azul) e a Stadion (linha vermelha).
      O site Visit Stockholm tem informações mais completas sobre as obras. Para informações oficiais sobre os bilhetes, clique aqui.
       
      O que comer em Estocolmo?
      Provavelmente as almôndegas sejam a iguaria mais famosa do país, assim como as salsichas e carnes exóticas (para nós), como a de alce. Mas a gastronomia sueca também é muito baseada no mar, com pratos de peixe como salmão e bacalhau fresco. Os acompanhamentos costumam ser purê de batata, a típica geléia de lingonberries, legumes e vegetais.
      Talvez ainda mais importante que as refeições seja a hora do cafézinho, que tem até nome – Fika! Os pães geralmente tem versões saudáveis como integrais ou com sementes ou o knäckebröd, preferência nacional, que é bem fininho e pode ser consumido no café da manhã ou como entrada. Já os doces não são lá muito fitness, as vitrines apresentam uma enorme variedade de opções como o bolo da princesa ou o rolinho de canela com cardamomo.
      Veja aqui um post especial sobre a comida típica da Suécia e sugestões de restaurantes em Estocolmo.
      📷 Texto original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/guia-viagem-estocolmo/
    • Por Kassiano Severino
      Oi galera!!
       Sempre peguei dicas aqui do fórum, agora é minha vez de retribuir rsrsrs. Em Setembro de 2019 estava realizando meu intercâmbio em Londres (Minha primeira experiência no exterior), aí decidi passar um final de semana em Edimburgo, na Escócia.
      1° Comprei uma passagem de ida pela Ryanair por 15 euros, gostei do preço, saindo do Stansted Airport. 
      2° Como estava em Bethnal Green precisava ir para o aeroporto, então comprei um transfer para o aeroporto por 4 libras. Meu vôo era por volta das 08:00 da manhã. Então sairia de Londres por volta das 05:00 e estaria em Stansted às 06:00. Só que teve um acidente no começo da via, eu e outras pessoas ficamos esperando o ônibus e nada até uma senhora passar e nos avisar 😲😲😲😲. Isso já era por volta das 05:45, sai correndo para a Central Line rumo a Liverpool Street, chegando lá compro uma passagem de trem (Stansted Express) por 19 libras. Nessa altura estava com medo de perder o vôo, até pq eu sabia que precisava passar no balcão da Ryanair para conferência de visto. Chegando no aeroporto já por volta de 07:20 vejo a fila GIGANTESCA para o balcão da Ryanair. Penso comigo, ferrou, perdi meu vôo. Aí nessa hora vejo um funcionário da companhia aérea, ele estava atendendo pessoas sem bagagens e conferindo os passaportes, fui até lá e bingo visto conferido!!! 😃😃😃😃😃😃
      3° Hora da segurança e outra fila quilométrica, após uma espera grande chego na área de embarque faltando 20 minutos para o horário limite. 
      Isso foi uma grande aula de como se adaptar, contornar uma adversidade e que compensou bastante. Pois, foi o melhor fim de semana da minha estadia no Reino Unido.
      __________14 de Setembro________
      Edimburgo - Cheguei no aeroporto e já sinto uma diferença enorme na temperatura, sou de Recife, então 8 graus é frio!!! 🥶🥶🥶🥶, Mas gosto dessa temperatura rsrsrs. 
      Vou até o terminal e pego um ônibus até o centro da cidade, no caminho sinto como estivesse entrando no mundo medieval, prédios, ruas, praças e claro o castelo de Edimburgo!!


    • Por Depois do Medo Vem o Mundo
      Localizada ao Norte de Portugal, Porto é uma das principais cidades do país e você pode explorar em apenas um dia.
      Essa é uma daquelas cidades da Europa que valem muito a pena conhecer. O acervo arquitetônico mantém o charme da cidade que apesar do sobe e desce das ladeiras, pode ser explorada facilmente durante uma passagem rápida.
      Se você tem o desejo de visitar Portugal, não contente-se só em ver as atrações da capital Lisboa, mas faça uma visita ao Norte do país, na cidade de Porto, por causa da importância de séculos atrás para o comércio o lugar acabou dando origem ao nome Portugal. 
      É possível explorar Porto em uma visita rápida de 24 horas, por exemplo,  mas se tiver a oportunidade de passar mais tempo será mais interessante, pois poderá sentir a cidade, tal como é no dia a dia de quem vive ali. 
      A beleza do local está por todos os lados, a começar pelas estreitas ruas de pedra que formam subidas e descidas, nos casarões de três andares ou mais que se espremem entre si por toda a cidade, nos monumentos históricos e igrejas que mesclam arquitetura gótica e barroca e ter a bela visão do Rio Douro por onde ainda passam embarcações com barris de vinho do Porto. 
      Escolhemos esse destino por vários motivos, mais principalmente após escutar comentários entusiasmados de pessoas que já haviam passado pela cidade. Saímos de Madrid capital da Espanha em direção a Porto de ônibus, através da empresa Flixbus, a passagem saiu 9 € e o tempo de viagem foi de oito horas. Os ônibus dessa empresa são novos e bem cuidados, alguns têm até internet, local para carregar o aparelho celular e costumam ser pontuais na saída e chegada ao destino.
      Porto é uma cidade muito histórica e nós conhecemos os principais pontos turísticos em um dia, isso mesmo, começamos a explorar a cidade bem cedo e caminhamos horas seguidas até ver os pontos que consideramos mais interessantes. Quando se viaja como a gente, mochilando e com prazo, é importante em algumas ocasiões não perder tempo, mas garantimos que é totalmente possível.
      Aqui vai uma lista do itinerário que fizemos durante 24h em Porto para que possa explorar durante a sua visita. Conhecemos os pontos caminhando, o que é super fácil e sem tanta canseira já que tudo era novidade. Não se preocupe tanto em pegar transporte público ou táxi e se deixe levar pela atmosfera local que faz com que Porto seja uma das cidades queridinhas de muitos viajantes. 
      AVENIDA DOS ALIADOS
      Você pode começar a explorar a cidade por uma das avenidas mais importantes, situada em pleno centro do Porto, com diversos prédios modernistas, entre eles a prefeitura, que se destaca nesse ponto pela arquitetura imponente. 
      Se iniciar a caminhada por esta região, será possível chegar na Praça Liberdade e até a Estação Ferroviária de São Bento.
      CATEDRAL DA SÉ DE PORTO
      A igreja já chama a atenção pela localização privilegiada, fica em um dos pontos mais altos da cidade de onde é possível ter uma visão ampla do Centro de Porto e de bairros próximos. Os estilos gótico e barroco fazem parte da composição arquitetônica, os diferentes estilos deixam o prédio ainda mais interessante e torna essa uma das igrejas mais bonita da cidade. 
      A entrada na Catedral da Sé  é gratuita, mas para visitar o Claustro que é um espaço privado decorado com azulejos com cenas religiosas é necessário pagar uma taxa de 3 €.
      ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DE SÃO BENTO 
      Nós adoramos a estação por ser muito charmosa, pois mantém um ar melancólico e características de séculos. A Estação Ferroviária de São Bento também está na lista de uma das mais interessantes de Portugal. O hall de entrada por onde se tem acesso ao prédio tem mais de 20 mil azulejos azul e branco, eles retratam momentos importantes da história do país. 
      Localizada no Centro da cidade, pode ser visitada a qualquer momento,  de lá sai trens que em Portugal leva o nome de comboio, para diversas cidades como Guimarães, Braga e até Lisboa.
       
      IGREJA TORRE DOS CLÉRIGOS
      Vista de longe a Torre dos Clérigos chama a atenção e é um dos monumentos mais simbólicos de Porto. Datada do século XVIII a torre tem 200 degraus e 49 sinos que podem ser vistos na subida até o topo, que dá uma visão privilegiada de toda a cidade. 
      O ponto turístico está aberto todos os dias, a entrada na igreja é gratuita, mas é preciso pagar 5 € para ter acesso a torre e ao museu.
       
      RIBEIRA
      Um dos pontos mais visitados do Porto e seguramente um local que você deve visitar. Localizada às margens do Rio Douro, a Ribeira tem diversos sobrados coloridos, restaurantes, bares, apresentações artísticas durante todo o dia, vale muito passar alguns minutos visitando o local.
      Desse ponto é possível chegar até a Ponte Luís I, que liga Porto a Vila Nova de Gaia, do outro lado do rio.
       
      PONTE LUÍS I
      A ponte chama a atenção por sua estrutura metálica que pode ser vista ao longe. Pela  Luís I ou Dom Luís I é possível caminhar e atravessar de Porto para Vila Nova de Gaia, tanto na parte inferior por onde passam veículos, quanto na parte superior por onde podem passar pedestres e também os comboios.  
      Vale a pena na sua visita ao Porto caminhar pela ponte e ver a cidade por outro ângulo, não menos interessante que os demais, porém ainda sim será uma vista privilegiada.
       
      VILA NOVA DE GAIA
      A cidade portuguesa que mais parece um bairro de Porto, mas Gaia é mais uma das cidades pequenas e charmosas de Portugal. A dica por lá é caminhar às margens do rio, passear pelas diversas caves de vinho, ver os barcos de madeira que transportam vinho e visitar a igreja que fica no alto do morro de onde se tem uma linda vista e sentar um pouco no jardim que dá uma visão ampla do Rio Douro e de Porto.
      Mas ainda existem muitos outros lugares para explorar nessa que é uma das cidades mais bonitas e interessantes de Portugal, como museus, igrejas e prédios históricos. 
      Deixe a câmera e o celular carregados e faça muitos vídeos e fotos por onde passar, porque ao nosso ponto de vista toda a cidade é fotogênica, até mesmo os casarões mais antigos e às vezes com pinturas desgastadas e azulejos deteriorados são bons planos de fundo, por ainda manter a melancolia de anos atrás, é por isso que Porto é uma das cidades mais interessantes para visitar em Portugal.

    • Por Weise Aguiar
      Fala mochileiros, meu nome é Weise (tipo o GPS Waze sim kkk) tenho 23 anos, e vou contar como foi minha primeira viagem a Europa, que aconteceu em Maio de 2019.
      Em Dezembro de 2018 estava decidido a realizar esta viagem, e a espera de passagens na promoção, porém não tinha nenhum dinheiro guardado, apenas o salário de Dezembro e dos próximos messes até a viagem (que não era muito). O instagram do Passagens Imperdíveis anunciou uma promoção para Roma nos mês Maio, era por volta de R$ 1.600,00, porém eu não tinha esse dinheiro, corri na CVC e fiz o agente colocar a mesma data que eu já sabia que estava promocional, o valor encontrado foi de R$ 1.800,00, não liguei para a diferença de preço, pois lá dividiram em 8x sem juros no famoso carnê. Perfeito! Minha mãe e tia também aproveitaram o achado e compraram também.
      Era Janeiro e eu tinha a responsabilidade de montar o roteiro, achar hotéis e fazer tudo que era necessário inclusive assessorar a confecção do passaporte das senhoras. Planejar viagens era um hobbie meu, não faze-las também kkkk, estava empolgado com os preparativos da primeira grande viagem e por estar responsável por pessoas que sempre foram responsáveis pro mim. Seriam 14 dias na Europa, inicialmente queria colocar a Europa toda no roteiro, porém percebi que 3 países seria o máximo que conseguiria conhecer neste tempo, foi difícil, tive que deixar a cara Suiça, mas em um comum acordo escolhemos conhecer as cidades de Paris, Londres, Milão, Veneza, Pisa e Roma. Utilizei todo meu conhecimento e sites mágicos para achar a melhor rota entre estes países (melhor no caso era a mais barata), a unica certeza e que chegávamos por Roma e por ali também sairíamos. O itinerário foi:
      - Escolhi conhecer Roma por ultimo, pois o risco de perder o voo de volta para o Brasil era menor, já que eu estaria na cidade. Sendo assim compramos passagens de Roma para Paris;
      Paris: Minhas pesquisas por custo x benefício me levaram ao Hotel Ibis Porte de Montreuil, eles tem uma categoria chamada budget que seria mais econômica, pagamos cerca de R$ 320,00 no quarto para 3 com café da manhã incluso. Sim! Ficou quase R$ 100,00 pra cada pessoa por diária em um hotel em Paris. O hotel ficava um pouco distante do centro da cidade mas a estação de trem era a 4 minutos de caminhada, e 40 minutos de viagem até a Torre Eiffel, nem sentíamos o trajeto. Também havia um Carrefour como vizinho no hotel, que tinha preços muito bons! Na cidade utilizamos o metrô (1,70€) para ir a qualquer lugar com exceção de Montmartre que utilizamos o uber (mesmo app do BR). Em Paris visitamos além da famosa Montmartre, a Champs Elysees, Arco do Triunfo, quase todas as pontes famosas, Village Royal (lugar onde tem o corredor cheio de guarda-chuvas), Galerie Lafayette, o Museu do Louvre, La Vallée Village (a outlet mais chique que já vi, comprei ate uma blusa da Levi´s por 13€), a Primark (mãe da C&A, Renner e afins) e claro a Torre Eiffel todos os dias a noite.  
      Londres: Escolhi fazer o trajeto com o trem da EuroStar, ele passa por baixo do mar e se pode ter uma vista muito bonita do trajeto na superfície, não me lembro o preço exato mas foi algo em torno de R$ 200,00. Chegamos em Londres na famosa estação King's Cross (Harry Potter), tentamos pegar um ônibus porém não aceitavam dinheiro e eu ainda não sabia comprar o cartão (destaque para o primeiro contato com inglês britânico, foi muito estranho não entender nada que o senhor no ponto de ônibus falou), pegamos uber e chegamos ao hotel bem rápido. Em Londres eu também escolhi um hotel budget da Ibis (Whitechapel), este porém era mais moderno, a moça que nos recebeu foi muito prestativa e me ajudou muito com informações importantes, custou algo entorno de R$ 120,00 a diária para cada pessoa no quarto triplo. Fui conhecer Londres logo que cheguei e ao sair do hotel percebi que o bairro era meio .... diferente, varias mulheres de burca e alguns homens com cara de indianos, mesquitas e muitas placas em árabe (ou seja lá o que era aquilo) mais tarde descobri que o bairro era multicultural e acabei adorando ver toda aquela cultura! E 20 minutos de caminhada e estávamos na Tower Bridge um dos maiores símbolos de Londres, foi impactante (foi o lugar que mais gostei na cidade), durante 4 dias conhecemos lugares como o Saint James Park, o Palácio de Buckingham, o Borough Market, a loja gigantesca da M&M (não deixe de conhecer, é a maior do mundo), China Town, Leicester, Tottenham, compras na Primark de Londres (que era melhor que a de Paris), Camden Town (é meio longe, mas iria 10x mais longe vale muito), um destaque para o Camden Market, tem vários outros lugares, mas assim como em Paris não vou citar para não ficar exaustivo. Em falar em exaustivo, primeiro perrengue da viagem, eu havia comprado passagens pela Ryan Air, o aeroporto em que eles atendiam era super longe, e de uber gastamos cerca de R$ 500,00 pela viagem para nos 3, essa foi a primeira facada, a segunda veio quando a atendente me disse que o embarque já havia sido encerrado 1h30 antes do voo, brigas depois minha tia passou o cartão e compramos outra passagem (55 libras cada).  
      Milão: Ok, passamos o perrengue e foi hora de engordar, do aero até a cidade pegamos um ônibus (7€). Os hotéis da Itália foram escolhidos na CVC, novamente pela facilidade do parcelamento sem comprometer limites dos cartões, as fotos do site não condiziam muito com a realidade, e isso foi uma coisa boa em Milão o iH Hotels Milano Gioia foi um achado, era muito confortável, digno de um 3 estrelas,  perto de supermercados, restaurantes (bons e baratos, onde comi a melhor pasta da viagem), além de ser relativamente parto do centro da cidade, aqui não utilizamos o transporte publico para nada, fizemos tudo caminhando e foi ótimo. A cidade sem duvidas e uma das mais bonitas da Europa, o antigo se misturava com o moderno, e realmente era a cidade da moda, marcas de luxo como LV, Gucci, Versace e outras enfeitavam as ruas. Aqui conhecemos a Pinacoteca de Brera, cujo qual eu nem sabia da existência e literalmente esbarrei na rua, o Duomo Di Milano, a Galeria Vittorio Emanuele II e o Castello Sforzesco. Foi tudo perfeito por aqui, boa comida e lugares impressionantes.  
      Veneza: Embarcados no trem seguimos para Veneza, estávamos com a expectativa alta para o Hotel Ca' Gottardi, pois foi o mais caro da viagem (R$ 1.300,00 por diária, só ficamos uma kkkk), era luxuoso, mas nada extravagante. A cidade realmente é tudo o que dizem, chegamos de manhã e partimos no outro dia de noite. Foi mais que suficiente para conhecer cada canal, as coisas eram um pouco caras, mas valeu cada euro.  
      Pisa: Pisa me surpreendeu muito, já era noite quando chegamos, mas não nos impediu de ir ver a famosa torre inclinada, estava deserta. A primeira surpresa foi com a cidade em si, ela parecia cidade universitária de interior (e era). O hotel foi o Royal Victoria, de frente para o rio que corta a cidade muito charmoso, inicialmente achamos o hotel velho demais, pesquisas depois me fizeram mudar de ideia, é um hotel histórico, a diária no quarto triplo custou R$ 400,00. A outra surpresa foi com o conjunto histórico, eu sempre achei que a torre era sozinha, porém descobri que ela faz parte de um conjunto que inclui um batistério e uma catedral. Não tem muito para conhecer na cidade, os 2 dias por lá foram suficientes.  
      Roma: Já um pouco cansados partimos de trem, é claro, para a nossa primeira e ultima cidade Europeia Roma. E mais um perrengue era previsto, o "hotel" Cesar Palace, era HORRÍVEL, até hoje não entendi o que era aquilo, mas parece que era um prédio residencial antigo, onde funcionava o "hotel" em dois dos diversos andares, não havia recepção, apenas uma sala de bagunça onde tinha um cara. Meio assustado fiz nosso check in e um segundo cara meio estranho apareceu do nada e nos levou ate o quarto, quando questionei sobre o café da manhã que tinha pago (5€) ele saiu e voltou com uma fixa "vale 1,50€ no bar da esquina" literalmente era isso, parecia uma grande piada, minha mãe se revoltou e queria fazer barraco kkkkk mas achamos melhor tentar curtir a cidade e ir para o hotel apenas para dormir, já que todas as nossas coisas ficavam lá sozinhas não fizemos nenhuma reclamação. A cidade era bem diferente das outras, encontramos com alguns brasileiras e elas haviam sido furtadas na Fontana de Trevi, a cidade era um pouco suja demais, mas nada que não estivéssemos acostumados. Aproveitamos muito e apesar das atrações serem longes, fizemos todos os trajetos a pé, andamos MUITO, mas já sabia chegar a qualquer lugar, já estava me sentindo um romano, entre as atrações visitamos o Coliseu, o bairro de Trastevere, o Vaticano, o Monumento a Vittorio Emanuele II, a Fontana de Trevi, o Panteão, Piazza di Spagna entre vários outros lugares. No check out não havia ninguém na sala de bagunça e uma placa dizia que o atendimento iria se iniciar em 2h, então tiramos tudo do quarto e saímos deixando a chave pendurada na maçaneta da porta. Este foi um resumo de cada cidade, creio que no futuro escrevo sobre detalhes sobre cidade. Foi um enorme aprendizado viajar desta forma, e apesar de ter pesquisado muito antes, algumas coisas ainda passaram despercebidas, cada cidade tinha seu próprio estilo e foi impossível escolher uma favorita (Londres), temos vontade de fazer tudo de novo, tenho certeza que teremos uma experiencia diferente. Me deixo a disposição para ajudar tirando duvidas ou de outras formas se tiver no meu alcance! 
      Depois que voltei ao Brasil contabilizei cerca de R$ 8.900,00 com tudo que tinha gasto na viagem, incluindo hospedagem, comida, compras, passagens, tudo mesmo. 
      Segue algumas fotos do ocorrido, no meu instagram @weiseaguiar também tem vários histories legais de cada lugar. Um grande abraço mochileiros!
       








×
×
  • Criar Novo...