Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

Fala, galera! Tudo bom?

Me chamo Rafael e estava em busca do máximo de informações possíveis sobre mochilão na Europa. Li diversos tópicos aqui e vi que o custo varia muito de pessoa para pessoa, do tempo que vai ficar por lá, onde vai ficar, onde vai comer, etc...

Estou planejando esse mochilão para março de 2020 com um amigo, já fiz alguns roteirinhos e gostaria de saber a opinião de vocês.

Temos um orçamento entre 6.000~7.000 reais cada, para utilizarmos em toda a viagem com propósitos turísticos mesmo (e quem sabe umas comprinhas/lembrancinhas), incluindo passagens ida e volta. Seria suficiente?

Pretendemos ficar no mínimo  15 dias e no máximo 25 dias.

Obs.: Não seria necessariamente nessa ordem, estamos pesquisando onde encontramos a passagem mais barata para montarmos o roteiro certinho!

Opção 1 - 15 dias

Itália - Roma (Vaticano)/Florença/Milão - 6 dias
Alemanha - Munique/Berlim/Colônia - 5 dias
Holanda - Amsterdã - 4 dias

Opção 2 - 20 dias

Itália - Roma (Vaticano)/Florença/Milão - 8 dias
Alemanha - Munique/Berlim/Colônia - 7 dias
Holanda - Amsterdã - 5 dias

Opção 3 - 25 dias

Itália - Roma (Vaticano)/Florença/Milão - 9 dias
Alemanha - Munique/Berlim/Colônia - 9 dias
Holanda - Amsterdã - 7 dias

A estadia em todos os lugares seriam em hostels, um lugarzinho só pra dormir mesmo. Sobre comida estávamos pensando ir em alguns lugares para provar comidas típicas, mas bem de vez em quando, sempre priorizando algo mais em conta, fazendo nossa própria comida, etc...

Sobre transporte estávamos pensando em utilizar mais ônibus e trem, e logicamente a boa e velha caminhada hahahaha

Gostaríamos de conhecer outros países, mas com nosso orçamento no momento fica meio difícil. Gostaria de saber o que acham, o que eu poderia mudar, retirar, acrescentar, se além desses R$7.000 eu ainda precisaria levar mais dinheiro, essas coisas. Desculpe por não dar mais informações, é a primeira vez que planejo uma viagem deste porte e estou um pouco perdido, pensei até em ir ver alguns pacotes em agências de turismo, mas acredito que quando planejamos podemos enxugar alguns custos que as agências não conseguem.

Desde já, agradeço de coração toda e qualquer ajuda!

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@RViana10 brother, apensar de ser seu primeiro mochilão, voce já começou no caminho certo que é nao tentar incluir inumeros destinos numa viagem curta, o que faria  com que seus gastos com deslocamentos aumentassem mais e vc nao conseguiria curtir tanto cada lugar.

Um ponto que sugiro vc levar em consideraçao é em relaçao à quantidade de dias viagem total/tempo em cada lugar. Digo isso pois pegando como exemplo seu roteiro numero 1. Uma coisa é vc ter 15 dias úteis (dias inteiros) em cada lugar, outra coisa seria vc ter 15 dias para toda a viagem. Se for 15 dias pra toda a viagem, pegando como exemplo do dia 01 ao dia 15, vc vera que na verdade terá apenas 12 dias pra fazer a viagem e dias inteiros em cada cidade seria menos ainda.

Neste exemplo acima vc sairia do Brasil dia 01 e chegaria dia 02 na Europa, no dia da chegada vc nao vai conseguir fazer muita coisa pois leva tempo ate fazer os tramites no aeroporto, encontrar e chegar no seu lugar de hospedagem e descansar da viagem. La no final da viagem no ultimo dia vc tambem nao vai conseguir fazer algo pq estara envolvido com o processo inverso.

Alem disso, nos deslocamentos entre cidades/países vc tambem perderá na melhor das hipóteses a metade do dia. Entao leve em conta esse tempo perdido para que nao seja preciso andar literalmente correndo pra dar conta de cumprir o roteiro.

Em relaçao às hospedagens, procure os locais que possuem cozinha compartilhada, isso ajudará bastante na economia. Nao que vc vá fazer comida todos dos dias, mas fica bem mais em conto do que comer na rua.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Vou opinar em cada roteiro:

Opção 01: Achei corrido na Itália e Alemanha, bastante cidade para pouco tempo. Se fosse fazer isso mesmo, eliminaria uma cidade em cada país e ficaria com 2.

Opção 02: Continuo achando corrido na Alemanha, mas uma sugestão seria tirar um dia de Amsterdam e colocar lá.

Opção 03: Estaria bem mais razoável, mas acho 7 dias em Amsterdam demais, dá para ficar 4 ou 5 completos e você verá bastante coisa. Pegaria uma parte desses dias e aumentaria o tempo na Alemanha ou Itália, pois Berlim e Roma, por exemplo, são cidades que dá para ficar bastante tempo.

Se você tem disponibilidade de viajar por 20 ou 25 dias, pegaria essas opções sem dúvida nenhuma, pois aproveitará bem mais.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Esqueci de responder sobre o orçamento: eu acho 6 a 7 mil muito pouco para uma viagem à Europa de 20 dias. Ainda mais que Itália, Alemanha e Holanda são bem caras, a não ser que você busque Couchsurfing nos locais e esteja sempre preparando sua comida, evitando comer fora. 

Eu acho que 6 a 7 mil seria suficiente apenas se fosse excluindo a passagem, pois a não ser que ache uma super promoção, pode se preparar para gastar uns 3 mil em passagem.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@lobo_solitário Então cara, estava pensando justamente nisso dos deslocamentos e dos dias que perdemos ao chegar e ir embora. É que não temos muita ideia do quanto nos custaria uma viagem de 15 e uma viagem de 25 dias saca? Temos um orçamento bem apertado, aí resolvi deixar como opção só para ter uma ideia de como montar um roteirinho ideal.

Essa ideia de hospedagens com cozinha compartilhada é muito boa, já anotei aqui!

Muito obrigado!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@João Rosenthal Então João, pensamos justamente nisso de tirar uma cidade de cada país na opção 1 ou fazer como disse de tirar uns dias de Amsterdã e acrescentar na Itália e Alemanha.

Em relação ao orçamento, passar de 7.000 fica realmente pesado pra nós, escolhemos março pra viajar por ser um período (acredito eu) de baixa temporada, onde as passagens estariam mais baratas.

Se diminuirmos para 2 países, conseguiríamos encaixar esses 7.000 de alguma forma?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@RViana10 voce vai encontrar gnt supondo todos os tipos de orçamento, uns dizendo que vc deveria ter pelo menos uns 60 euros por dia, outros dirao ao menos uns 80, ou ate mesmo dizendo que uns 100 euros seriam suficientes. Cada pessoa tem um estilo de viagem, tem gente que toma um cafe da manha reforçado que aguenta passar o dia comendo besteira na rua. Outros ja preferem um almoço mais reforçado e por ai... 

Acho que seria legal vc olhar os preços das hospedagens  para o periodo da viagem pra ja ter um norte. Veja quais atraçoes pagas estao no seu roteiro. Na net vc encontra todos os valores de entrada, com isso ja conseguira tambem melhorar sua estimativa de gasto. Alem disso deve-se considerar algum tranporte publico, taxi, uber, etc, um cerva ou uma festinha.. Na minha opiniao creio que na media uns 60-70 euros por dia para uma viagem economica seja suficiente. Se vc for pegar balada, e beber todos os dias esse valor ira subir. Tem cidades que é mais caras um pouco e outras mais em conta.. entao um lugar pode ir compensando o outro.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sobre a compra das passagens, tente comprar o bilhete multi-destinos, com isso vc iniciará a viagem por uma cidade e voltará par ao Brasil por outra. Fazendo isso vc economiza tempo e dinheiro nao tendo que voltar para a cidade do inicio da trip.

Faça um acompanhamento dos preços durante o dia e durante a madrugada. Por experiencia propria os valores na madrugada costumam diminuir consideravelmente em relaçao aos preços exibidos de dia.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
9 minutos atrás, RViana10 disse:

@João Rosenthal Então João, pensamos justamente nisso de tirar uma cidade de cada país na opção 1 ou fazer como disse de tirar uns dias de Amsterdã e acrescentar na Itália e Alemanha.

Em relação ao orçamento, passar de 7.000 fica realmente pesado pra nós, escolhemos março pra viajar por ser um período (acredito eu) de baixa temporada, onde as passagens estariam mais baratas.

Se diminuirmos para 2 países, conseguiríamos encaixar esses 7.000 de alguma forma?

Eu sinceramente acho muito difícil, se não impossível. Concordo com o lobo_solitário, uns 65, 70 euros por dia seriam suficiente para pagar hostel, alimentação, deslocamento de transporte público e entradas em atrações baratas. Aí fazemos a conta:

65 x 4,2 (euro) = 273 reais por dia em média

273 x 20 = 5.460 reais

Aí coloca na conta deslocamentos entre cidades e voo de ida e volta do Brasil à Europa já extrapolou em muito o orçamento. Iria fácil para uns 8 mil, provavelmente mais.

Mesmo que sejam 15 dias apenas, você gastaria 4.093 reais. Sobrariam 2500, 2800 para os deslocamentos internos e voo ida e volta. Ainda assim acho bem difícil.

Se conseguir uma parte das hospedagens em Couchsurfing, ou algum conhecido que tenha por lá, já muda um pouco o panorama. Se não, uma sugestão seria mudar o roteiro e ir para locais mais baratos, na Europa há boas opções em conta como Praga, Budapeste, Polônia, etc.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

  • Conteúdo Similar

    • Por MarceloBarce
      (relato em vídeo no fim do post)
      Na primavera desse ano, fui visitar a região de Trentino-Alto Àdige, para conhecer os Dolomiti, no norte da Itália.
      Me hospedei no Youth Hostel Bolzano, que era um dos únicos na região.

      Fiz 3 dias de trilhas, mas vou falar primeiro dessa travessia que eu registrei em foto e vídeo.
      No hostel, eu conheci 3 americanos que também tinham bastante experiência em trilhas, e fui com eles.

      Era primavera (4 de junho), um dia ensolarado com previsão de chuva para o fim da tarde, fazia uns 27 graus de temperatura.
      A chuva parecia inofensiva, mas se revelou uma tempestade assustadora no alto da montanha e deixou a temperatura NEGATIVA.
      Este foi um dos dias mais incríveis, bonitos e assustadores da minha vida.
      A ROTA DA TRAVESSIA

      Tomamos um ônibus circular de Bolzano para a bela cidade de Selva di Val Gardena, 1 hora de viagem ao preço de 5 EUROS, esse seria o único custo do passeio.

      PLANO A: pegaríamos o bondinho de ski Dantercepies (bandeirinha verde do mapa, abaixo do plano B) e a partir dali, daríamos uma volta no Monte Puez, um lugar com vistas incríveis, e desceríamos pelo vale de Valunga (trecho azul do mapa).
      PLANO B: começaríamos a trilha pelo final do Plano A, o vale Valunga, e ao chegar no ponto mais alto (o coraçãozinho do mapa), voltaríamos pelo mesmo caminho.
      EMERGÊNCIA: esta foi uma rota de fuga que precisamos tomar para fugir da tempestade

       
      RELATO
      O dia estava lindo, a previsão era de sol com nuvens para a tarde toda com uma garoa no fim da tarde.


      Infelizmente, o bondinho Dantercepies estava em manutenção, e por isso fomos seguir o plano B, começando pelo vale de Valunga, que começa nesta foto acima.
      Valunga é fantástico, se parece muito com o vale de Yosemite dos EUA. Inclusive, eu diria que esta rocha em primeiro plano da foto acima é parecida com o famoso "El Capitan".
      Já estive nos 2 parques nacionais para fazer esta comparação. Os americanos que estavam comigo concordaram, hahaha.
      O legal do Valunga é que não passa carros no meio.


      As vistas eram lindas em todos os sentidos.

      Enfim, começou a grande subida do fim do plano B, uma parte muito íngreme com bastante escalaminhada e alguns trechos de neve bem perigosos em que um escorregão poderia ser fatal.
      Mas fomos com calma e cuidado, e deu tudo certo.

      A vista dali era fantástica, mas já começava a dar sinais de chuva.

      Para nossa surpresa, quando chegamos no final da subida, que era uma passagem de montanha, avistamos uma tempestade assustadora que não era visível antes.
      Do lado de onde viemos, o clima estava razoável... mas do outro lado da montanha, as nuvens estavam bem escuras e já estava chovendo:

      PRESTE ATENÇÃO naquela cidadezinha no canto inferior direito da foto, este lugar se chama Colfosco e foi nossa salvação.
      Estávamos num lugar com pouca visibilidade dos arredores, subi num ponto mais alto antes que fosse tarde, para ver qual seria a direção mais segura para fugir da tempestade:

      Repare nas duas fotos acima que a chuva já havia mudado de lugar, use a montanha pontuda (monte Sassongher) como ponto de referência.
      Foi questão de 10 minutos para eu descer e a chuva pegar a gente.
      Daí pra frente, as coisas só pioraram.
      Nosso plano de voltar pelo mesmo caminho foi por água abaixo (literalmente), porque seria impossível descer aquele trecho íngreme de neve com chuva.
      Optamos por seguir a trilha do plano A até encontrar um dos abrigos de montanha da região, que estaria a mais ou menos 2 horas de distância.



      Porém, este plano também não deu certo.
      Começou uma tempestade de granizo muito forte com MUITOS RAIOS e nós tivemos que nos separar e abaixar, para diminuir a chance de tomar um raio.
      Estimamos que a temperatura baixou para -5 graus.
      A paisagem que antes estava verde e ensolarada, ficou cinzenta, coberta de neve e granizo.
      Estávamos todos com casacos corta-vento impermeáveis, bem protegidos, mas vestindo shorts, o que obviamente tornou a experiência bem fria, apesar de suportável (graças às jaquetas).
      O local era SUPER EXPOSTO, pois se tratava de um platô gigante. O melhor que podíamos fazer era tentar ficar numa parte menos alta.

      Na foto: eu em primeiro plano, Micky de jaqueta vermelha no fundo, Nathan de preto mais ao fundo, Elsa de preto no canto esquerdo da foto.
      Foi aí que traçamos a rota de emergência!
      Nós não voltaríamos mais para Val Gardena, porque as duas rotas (plano A e B) estavam extremamente perigosas, e eram os únicos caminhos de volta.
      A prioridade agora era encontrar um abrigo para salvar a nossa pele.

      Após a chuva diminuir, nós desceríamos para a cidade de Colfosco, que fica do outro lado da montanha e tem uma trilha quase plana cercada por montanhas, que era menos exposta aos raios, mas não menos desoladora.

      Tivemos que atravessar algumas cachoeiras de lama causadas pela chuva, mas não foi difícil e deu tudo certo:

      Esta descida pela rota de emergência durou aproximadamente 1 hora e meia, e apesar dos trovões assustadores e da garoa que não parava, essa rota passou segurança.
      Claramente, foi uma decisão sensata abrir mão de retornar a Val Gardena.
      Chegando em Colfosco, batemos na porta de uma casa que tinha luzes acesas e fomos recebidos por uma senhora MUITO hospitaleira que nos deu toalhas e preparou um chá para cada um.
      Rachamos um taxi para Bolzano, que saiu 30 euros por pessoa. Se não fosse isso, o passeio inteiro teria custado apenas 10 euros de ida e volta do ônibus. Ao fim, saiu 35 euros.
      Valeu a pena? Sim, hahahahahaha.

      Abaixo, o relato em vídeo, no meu canal, para vocês terem uma noção do que foi:
       

      Obrigado, espero que gostem.
      Qualquer dúvida, é só perguntar
    • Por Johnhonorato0
      Fala pessoal, tudo certo? Estou fazendo i mochilao pelo Brasil, sem grana. Comecei a 01 mês, sem grana nenhuma. Com uma mochila convencional ainda e sem barraca, agreguem dicas 💙🌎
    • Por Tadeu Pereira
      Salve Salve Mochileiros! 
      Segue o relato do mochilão realizado no Sudeste da Ásia em 2018 batizado de The Spice Boys and the Girl.
       
      1º Dia: Partida - 04/11/18 - 19h05min - São Paulo x Madrid - Empresa AirChina - R$3.680,00
           Partimos do Aeroporto de Guarulhos - GRU em São Paulo por volta das 19:30 do dia 04 de Novembro de 2018, fizemos um check-in tranquilo com a empresa AirChina e embarcamos para nossas primeiras 9 horas de vôo até Madrid na Espanha onde fizemos conexão. O vôo foi bem tranquilo, até conseguimos dormir, porém a comida do avião não é das melhores mas acabei comendo assim mesmo e já começava ali a sentir o cheiro e o gosto da Ásia hahahahah. Chegamos em Madrid na Espanha por volta das 5:00am e fizemos uma conexão de 3 horas, deu tempo de dar uma volta no Free Shop, banheiro, comer alguma coisa (caríssima), fazer os procedimentos burocráticos e embarcar novamente pois teríamos a China ainda pela frente.
       
       
      2º Dia: Partida - 04/11/18 - 8h15min - Madrid x Pequim - Empresa AirChina
           Chegamos em Pequim ainda de madrugada com uma temperatura de 7º, quem se deu bem foi quem ficou com as cobertinhas que a empresa AirChina empresta para as pessoas no avião, pois não esperávamos passar tanto frio no aeroporto da China como passamos naquela conexão rss. Assim que descemos do avião caminhamos um longo caminho até os terminais eletrônicos onde se inicia os procedimentos burocráticos de conexão da China. Finalizamos depois de alguns minutos os procedimentos e dormimos um pouco em bancos do aeroporto sendo acordados e presenteados por um lindo nascer do sol no Aeroporto de Beijing. Procedimentos concluídos no Aeroporto de Beijing partimos para o nosso tão desejado e esperado destino final daquela cansativa viagem de aproximadamente 23 horas, a capital da Tailândia, a grandiosa Banguecoque.  
       
      3º Dia: Chegada - 06/11/18 - 15h15min - Pequim x Banguecoque - Tailândia (Taxi 1.000baht, Chip 600baht, Hostel 340baht)
           Chegamos por volta das 15:00 pelo horário local, fizemos os procedimentos de imigração, primeiro o health control depois na fila de imigração, carimbamos nossos passaportes, pegamos nossas mochilas e pronto, lá estávamos livres para explorar Banguecoque. Trocamos $100,00 dólares  no aeroporto com um câmbio de $1,00 dólar = 31,60 baht, depois compramos um chip para o telefone por 600 baht com 6 Gigas por um período de 30 dias e chamamos um Graab, como se fosse o Uber no Brasil, onde pegamos na parte superior do Aeroporto Internacional Suvarnabhumi por 400 baht em torno de R$40,00 reais que nos levou em 30 minutos até o nosso hostel, o The Mixx Hostel. Ficamos hospedados na rua Ram Buttri que fica do lado da rua mais famosa de Banguecoque, a Kaoh San Road onde rola a grande noite da cidade, uma ótima opção para mochileiros. Muita comida típica e exótica boa e barata, cervejas baratas, diversos bares, baladas, artistas de rua, drogas, sexo e tudo que uma bela noite de Banguecoque pode te oferecer pra se divertir. Vale a pena conferir! Na hospedagem pagamos por dois dias 340 baht, ficamos em um quarto com quatro camas/beliche, ar condicionado, banheiro compartilhado e café da manhã incluso, o hostel é simples mas atende as necessidades com uma ótima localização.
       

           Conhecemos alguns templos na capital, alguns fomos a pé mesmo pois são muito próximos um do outro. Wat Pho (Buda reclinado), Wat Saket (Monte dourado) e Wat Arun (Templo do amanhecer). A cidade é bem frenética mas andar a pé pelas suas ruas foi uma bela escolha. caminhamos muito por essas ruas, muito das vezes sem um rumo certo, mas logo nos achávamos pelo google maps. A cada esquina que se vira na Tailândia você vê uma foto do rei. Embora o já tenha falecido, o povo Thai tem muito respeito pelo rei Bhumibol Adulyadej que morreu em Outubro de 2016 com 88 anos de idade após 70 anos no poder que hoje tem como rei o seu filho Maha Vajiralongkorn.       
            
           
           
        


        

       

           A culinária asiática é muito exótica, a cada comida que você experimenta é uma surpresa de sabores. Experimentei o famoso prato típico de rua tailandesa Pad Thai, uma espécie de macarrão de arroz frito com frutos do mar ou carne de porco ou de frango, acompanhado de castanhas com pimenta que custa em média 100 Baths e se encontra em todo lugar da Tailândia, experimentei também o Thai Mango Sticky Rice, uma sobremesa tradicional tailandesa feita de arroz glutinoso, manga fresca e leite de coco, ambos baratos e deliciosos, mas existem uma infinidades de comidas para serem saboreadas na Tailândia.   
       
        
           Ficamos 3 dias na capital Banguecoque e além de conhecer templos tentamos entrar na rotina das pessoas locais. No terceiro dia para chegar em um templo tivemos que pegar um transporte público BTS Skytrain no rio Chao Phraya. Passamos por alguns pontos e depois retornamos até chegar no templo Wat Arun. As passagens são muito baratas, pagamos por volta de 80 Baths tanto ida quanto volta, então vale muito mais a pena o tour por conta e ainda tivemos uma vista maravilhosa totalmente diferente da cidade vista pelo rio.  

       
                Ficamos no templo Wat Arun até fechar por volta das 19:00pm, depois fomos de barco pelo rio Chao Phraya até o porto que da acesso ao grande mercado Asiatique, um maravilhoso complexo de lojas e restaurantes, um verdadeiro shopping ao céu aberto localizado às margens do rio Chao Phraya situado nas antigas docas de uma empresa que realizava comércio na região portuária no século passado. Em função da sua localização e história, seu layout é temático e apresenta uma decoração especial com tema inspirado no reinado do Rei Chulalongkorn (1868-1910) e na atividade marítima. Ficamos umas boas horas comendo, bebendo e curtindo o local, depois pegamos um táxi por 200 Baht para o hostel pois no outro dia logo de manhã tínhamos o nosso vôo para as belas praias da Tailândia. 
       

            Assim que chegamos no hostel deixamos reservado nosso táxi para o aeroporto Don Mueang - DMK por 400 baht pois sairíamos bem cedo para o aeroporto. Acordamos por volta das 5:00am da manhã e o táxi já estava nos esperando na porta do hostel no horário combinado, após 30 minutos chegamos no aeroporto. Partiu praias... 

       
      6º Dia: Praia - 09/11/18 - 7h25min - Banguecoque x Krabi x Ao Nang - Empresa Air Asia - R$148,00 (((((Continua no próximo post)))))
       
       
      Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp
      Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/
       
       
       

       
    • Por carlos.lima1
      Pessoal,
       
      Alguem interessado em ir no St. Patricks em Dublin em 2020? Os preços das passagens pela TAP estão bem interessantes media menor que 2k ida e volta. Estou indo sozinho partindo de BH, caso alguem tenha interesse entre em contato.
       
       
      Atc,
       
      Carlos Lima
    • Por Thiago Guido
      _______________________________ D E T A L H A M E N T O _________________________________________
       
      Foram 10 dias de viagem cruzando o Chaco Argentino, a Cordilheira dos Andes, Salinas Grandes de Jujuy e o Deserto do Atacama, o mais árido do mundo.
      CUSTO TOTAL: R$1.800,00 (mil e oitocentos reais)
       
      ________________________________________________________________________________________________
       
      ROTEIRO

       
      ________________________________________________________________________________________________
       
      HOSPEDAGENS
      1º dia: NADA - Barraca no Posto em Foz do Iguaçu
      2º dia: 400 pesos ARG - Hostel Catedral em Corrientes
      3º dia: NADA - Barraca no Posto YPF em Taco Pozo
      4º dia: 350 pesos ARG- Hostel Don Tomáz em Purmamarca
      5º dia: 15.000 pesos CHI - Hostel Mirador em San Pedro de Atacama
      6º dia: 6.500 pesos CHI - Hostel Pampaloja em Antofagasta
      7º dia: 150 pesos ARG - Barraca no Camping La Reliquia em Purmamarca
      8º dia: 400 pesos ARG - Hostel Catedral em Corrientes
      9º dia: 28 reais - Hostel Beija Flor em Foz do Iguaçu
       
      ________________________________________________________________________________________________

      ALIMENTAÇÃO
      Nessa viagem levamos diversas coisas e praticamente não comemos "na rua". Na nossa lista de comida tinha Arroz, Feijão, Atum, Salada Seleta, Salame, Macarrões, etc, etc, etc. Levei o fogareiro e nem terminamos a primeira lata de butano. Em todo Hostel tem uma cozinha.
      Segue uma lista detalhada:
      - Arroz
      - Feijão
      - Atum
      - Salame
      - Salsicha
      - Salada
      - Macarrões variados
      - Barras de Cereais
      - Bolinhos de Chocolate
      - Nescau
      - ClubSocial
       

       
      ____________________________________________________________________________________________
      COMBUSTÍVEL E PEDÁGIO
      Infelizmente não registrei os abastecimentos portanto não sei quanto gastei com isso. Uma única vez consegui fazer a média e estava em 30km/L, porém um valor nada confiável... Lá os frentistas não abastecem até onde você quer. Eles decidem qual é o máximo e ai de você de falar alguma coisa. KKKKK. Alguns colocam até a "redinha", outros até quase vazar. O que posso dizer é que o preço médio na Argentina é de 48,9 pesos argentinos o litro e no Chile paguei 774 pesos Chilenos na 93 octanas e 817 pesos chilenos na 95 octanas. No Chile ainda tem pedágio, 900 pesos pra ir e 900 pra voltar à Antofagasta. No Brasil quase 130 reais apenas de pedágio.
       
      Acho que é isso. Qualquer coisa é só perguntar que eu respondo se souber.
       
      ______________________________________________________________________________________________
       
      Mais vídeos de Viagens, Passeios, Cursos, Dicas, Acessórios e outras coisas mais:
      https://www.youtube.com/thiagoguido
       
      Outros detalhamentos:
      https://www.facebook.com/guidaodemoto/


×
×
  • Criar Novo...