Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

RViana10

Primeira viagem internacional

Posts Recomendados

Fala galera, belezinha? Bom, me chamo Rafael e estou tentando planejar uma viagem para Europa com um amigo, como nosso orçamento é um pouco curto, desistimos de tentar fazer um mochilão e focamos apenas em conhecer um país, que no caso seria a Itália (ou Holanda, porém vou fazer o mesmo post na sessão da Holanda para ficar algo mais organizado). Temos em caixa algo em torno de R$7.000,00 e queríamos ficar pelo menos uns 15~20 dias. Bom, como disse antes, estamos limitados em relação ao dinheiro, então esses R$7.000,00 seriam para a viagem como um todo (passagens, hostel, deslocamentos, alimentação, etc). Planejamos ir em Março de 2020, é uma boa época para ir? Vi que é um mês de "baixa" temporada, então acredito que encontraremos preços mais em conta.

Montei um roteirinho bem fuleira, só para organizar um pouco as ideias, mas estou aceitando sugestões caso seja necessário tirar, incrementar ou alterar alguma coisa.

Roma - 4 dias
Pompeia - 1 dia
Nápoles - 1 dia
Roma (Vaticano) - 1 dia
Siena - 1 dia / Florença - 3 dias / Pisa - 1 dia / Bolonha - 1 dia
Veneza - 3 dias
Verona - 1 dia
Milão - 2 dias
 

Qualquer opinião é muito bem vinda, até porque não conheço muito a Europa, não sei se a divisão de dias ficou muito boa, se há outras cidades que eu deveria incluir para colocar no lugar de alguma outra aí ou então se eu deveria tirar alguma por ter cidades demais, enfim, sou todo ouvidos.

Desde já, agradeço imensamente!

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Por 7mil tudo, acho pouco para 15-20 dias. Digamos que compra a passagem por 2500, então lhe sobra 3500, que dá cerca de 800 euros. Isso dá 40 euros por dia, possível, é, mas é basicamente para comer e dormir, sem entrar em nenhum canto.

Bom, porém, opinião a parte do roteiro.

Roma em 4 dias já dá pra incluir Vaticano, os pontos turísticos da cidade são um tanto concentrado, então dá pra fazer bastante coisa em 3 dias, e no quarto ir para Vaticano.

Veneza 3 dias é bastante, além de ser uma cidade cara, em 2 dias dá para conhecer de ponta a ponta.

Milão, acredito que seja a cidade da volta, pois em um dia se vê o necessário (é a cidade mais sem graça da Itália), então o segundo dia seria mesmo para voltar.

 

  • Gostei! 1
  • Obrigad@! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Davi Leichsenring Entendi, o ruim é que nos prendemos muito no orçamento... mas você acha que se retirássemos algumas cidades e alguns dias, ficaria um pouco mais viável com esse orçamento?

Roma (Vaticano) - 4 dias
Pompeia - 1 dia
Nápoles - 1 dia
Florença - 3 dias / Pisa - 1 dia
Veneza - 2 dias
Verona - 1 dia
Milão - 1 dia

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Para 11 dias acredito que fica mais factível, dá cerca de 70 euros o dia.

Uma coisa que precisa ver são os preços de passagem de Roma Até Milão, porque não costumam ser muito baratos.

Preço de hostel na Itália vai girar em torno de 25 euros a média, com 20 euros dá para almoçar e jantar (se quiser economizar, dá pra fazer com 10, Kebap), mais uns 15 para gastos extras, como ônibus e entrada em alguns lugares. Que dá cerca de 60 euros por dia, e os outros 10 para ir a outra cidade.

 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Davi Leichsenring Eu pretendia fazer tudo de trem/ônibus/caminhada dentro da Italia, a passagem multidestino GRU > FCO MXP > GRU eu encontrei por menos de R$2000,00 pela Swiss e British Airways

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Por 2000 acho que já consegue uma folga boa.

Para ter uma ideia mais exata do valor que gastará, entre nos sites de compra de bilhete e simule os valores dos trajetos.

Do custo diário sem contar transporte, na Itália se encontra hostel entre 20/30 euros (depende da cidade), o custo de comida, se não for em zona turística, consegue almoçar por menos de 10 euros. Custo de entrada de museu/galeria/etc é entre 10 e 15 euros em geral.

 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Hmm, entendi. Vou fazer isso de simular tudo para ter uma ideia como você disse. Mas já me ajudou bastante, muito obrigado Davi!

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Em 03/04/2019 em 14:55, RViana10 disse:

Fala galera, belezinha? Bom, me chamo Rafael e estou tentando planejar uma viagem para Europa com um amigo, como nosso orçamento é um pouco curto, desistimos de tentar fazer um mochilão e focamos apenas em conhecer um país, que no caso seria a Itália (ou Holanda, porém vou fazer o mesmo post na sessão da Holanda para ficar algo mais organizado). Temos em caixa algo em torno de R$7.000,00 e queríamos ficar pelo menos uns 15~20 dias. Bom, como disse antes, estamos limitados em relação ao dinheiro, então esses R$7.000,00 seriam para a viagem como um todo (passagens, hostel, deslocamentos, alimentação, etc). Planejamos ir em Março de 2020, é uma boa época para ir? Vi que é um mês de "baixa" temporada, então acredito que encontraremos preços mais em conta.

Montei um roteirinho bem fuleira, só para organizar um pouco as ideias, mas estou aceitando sugestões caso seja necessário tirar, incrementar ou alterar alguma coisa.

Roma - 4 dias
Pompeia - 1 dia
Nápoles - 1 dia
Roma (Vaticano) - 1 dia
Siena - 1 dia / Florença - 3 dias / Pisa - 1 dia / Bolonha - 1 dia
Veneza - 3 dias
Verona - 1 dia
Milão - 2 dias
 

Qualquer opinião é muito bem vinda, até porque não conheço muito a Europa, não sei se a divisão de dias ficou muito boa, se há outras cidades que eu deveria incluir para colocar no lugar de alguma outra aí ou então se eu deveria tirar alguma por ter cidades demais, enfim, sou todo ouvidos.

Desde já, agradeço imensamente!

Boa tarde.

Sobre o roteiro tenho as seguintes opiniões:

Roma: 4 dias já com Vaticano incluso. 

Florença: se hospede em Florença e faça bate e volta na região. Eu fiquei 5 dias e fiz Florença, Pisa, Luca, San Giminiano, Siena, região da Val Dorcia. Se interessar me avise que passo detalhes de meu roteiro nesta região. 

-Veneza.  2 dias e o suficiente. 

Os demais lugares não visitei. 

  • Obrigad@! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@MMarttins Boa tarde! Por favor, se puder me passar o roteiro, seria muito bom. E se não for pedir muito, poderia me passar o gasto total que teve na viagem, por gentileza?

  • Vou acompanhar! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu vou meio que repetir o que o colega acima disse, mas vc tentou colocar todas as cidades que vc quer ir no google maps?
Nápoles e Pompéia ficam bem mais longe e fora do eixo do que vc quer fazer. Daí ainda tem que articular horário de transporte e quanto mais transporte, mais gasto.
Reduzindo seu roteiro pra 11 dias, ficaria assim
1-chegada em Roma + Roma
2-Roma
3-Roma
4-Roma (Vaticano) + transporte para Florença
5-Florença
6-Florença
7-Florença
8-Florença (bate volta em San Geminiano)
9-Florença (bate e volta em Pisa + Luca) + transporte Florença -Veneza
10-Veneza
11-Veneza + volta (daria pra voltar de Veneza?)

*Vc pode tirar 1 dia de Florença e colocar em Roma, se preferir

Roma quando eu fui, eu fui mtoooo na pobreza! rs
Comi uma refeição típica decente e os outros 3 dias só kebab/fast food. Hostel e entradas em algumas atrações (Vaticano, Coliseu e tal). Tenho amigas que trouxeram perfumes, mas não entraram no Coliseu. Eu não trouxe nada e entrei. São sempre escolhas.
Em Florença tem gastos com Galeria Uffizi, Academia, mas tem walking tour tb naquele esquema de gorjeta que sempre economiza rs, lá eu fiquei num hostel perto da estação do trem, que me recomendou uma bisteca fiorentina por 15 euros (enquanto nos outros restaurantes era sempre mais caro), tinha pizza barato também, quer dizer, dá pra viver e até tomar um gelatto! =D
Veneza a dica é sempre ficar fora da ilha (em Mestre tem um hostel top), vc paga o metrô/trem pra ir e voltar e fica o dia inteiro lá.


 

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Ismael Guimarães
      Olá mochileiros!
      Venho novamente trazer outra contribuição ao fórum, pois foi justamente aqui que consegui todas as dicas da minha viagem para Florença.
      Começo o relato da minha passagem por Florença com um desabafo: o arrependimento que eu amargo de ter reservado apenas 1 dia para essa cidade incrivelmente fofa, daquelas que dá vontade de colocar em um potinho e levar pra casa!
      Mas isso só me deixou uma certeza: a de que eu ainda voltarei com mais calma para apreciar a bela Firenze!
      Florença é o berço do Renascimento e a capital da região da Toscana. Considerada como o centro de início do humanismo europeu, a cidade é parada obrigatória para quem é amante da arte. Então tenha em mente que a cidade respira arte!
      Apenas para ilustrar o seu potencial, a cidade é a terra natal de grandes personalidades italianas, tais como Michelangelo, Leonardo da Vinci, Dante Alighieri, Nicolau Maquiavel e ninguém menos que Galileu Galilei.
      Embora a cidade mantenha essa atmosfera nostálgica, atualmente é bastante agitada, com boa comida, vinho fantástico, mercado de moda mundialmente conhecido e uma energia descontraída. E apesar de ser uma cidade pequena, há muito o que ver e fazer!
      O transporte público de Florença é bastante eficiente, mas vai por mim: você não precisará de meios de transporte para se locomover, pois o centro histórico é compacto e completamente acessível. Então só precisará de sapatos confortáveis, garrafinha de água e bastante apetite.
      Chegamos a Florença pela estação central de trens (Firenze Santa Maria Novella), em uma viagem que partiu de Roma e durou cerca de 1 hora e 20 minutos. Em outro post detalharei como é viajar de trens rápidos pela Itália. A estação não fica necessariamente no centro histórico ou ao lado do Duomo, mas fica distante cerca de 1 km que dá para ir caminhando tranquilamente.
      E Florença segue o mesmo padrão de hospedagem cara que observamos pela Itália. Ficamos hospedados praticamente ao lado do Duomo, em uma espécie de pensão chamada Prestigia Rooms (instalada em alguns andares de um prédio histórico), que reservamos pelo Booking. A hospedagem parece ter sido reformada recentemente, então a estrutura estava impecável e a anfitriã era bastante solícita (e falante!). Realizo o check-in, era hora de sair para explorar a cidade, pois tínhamos pouco tempo.
      Começamos, logicamente, pela praça central onde está localizada a igreja símbolo da cidade, que é a Catedral de Santa Maria del Fiore, conhecida como Duomo de Florença. Como no centro histórico não podem ser construídos prédios muito altos, a cúpula vermelha da catedral se destaca e pode ser avistada de diversos lugares da cidade. 
      O Duomo é uma das obras-primas da arquitetura gótica e tem capacidade para acomodar até 30 mil pessoas! Esse tamanho lhe garante a 5ª posição no ranking de maiores igrejas do mundo. A fachada da catedral é revestida em mármore de cor rosa, verde e branco, o que é a sua marca distintiva.
      Contudo, a inspiração gótica da igreja resulta em um interior bastante sóbrio, bem diferente de todo aquele ouro e esculturas que encontramos nas igrejas de Roma. Mas a famosa cúpula não deixa a desejar: nela estão lindos afrescos com uma incrível representação do Juízo Final.
      Um dos passeios mais tradicionais é subir até a cúpula da igreja para ter uma visão panorâmica da cidade, mas como o nosso tempo era escasso, e tínhamos outras prioridades, acabamos não subindo.
      Saindo da catedral, fomos caminhando até a Piazza della Repubblica, uma enorme praça fechada apenas para pedestres, que ostenta o imponente Arco da Abundância, além de contar com vários restaurantes e um tradicional carrossel. Durante a noite voltamos nessa praça e fica lotada de turistas e artistas de rua se apresentando.
      Um pouco mais a frente fica o famoso mercado ao ar livre, localizado no Mercato Porcellino, um prédio com bela arquitetura e que vende produtos de couro e souvenires. Os preços não são muito convidativos, mas é perceptível a qualidade dos produtos comercializados no local.
      Então chegou ao momento que seria o ponto alto e principal motivo da visita a Florença: conhecer a Galleria dell'Accademia (Galeria da Academia de Belas Artes de Florença), museu que abriga a estátua original do Davi, de Michelangelo!
      Chegamos na entrada pouco depois das 15h e ficamos pouco tempo na fila de ingressos. Embora a recomendação seja reservar com antecedência, acabamos arriscando, pois tinha ouvido dizer que logo na abertura ou próximo do fechamento é fácil de conseguir chegar e entrar. O ingresso custou € 12 (em 2017), que pode variar a depender de exposições temporárias, e o horário de funcionamento da Galeria é de terça a domingo, das 8h15 às 18h50.
      Começamos a visita pelo Museo degli Strumenti Musicali (Museu de Instrumentos Musicais) que também faz parte da Galeria e abriga uma preciosa coleção antiga de instrumentos datados a partir de 1568. Os instrumentos são apresentados ao lado de pinturas que descrevem cenas da vida musical dos Médici (a famosa família florentina), além de vários computadores que permitem ao visitante ouvir os sons de todos os instrumentos exibidos.
      Mas os instrumentos mais importantes do museu são violinos, violas e violoncelos do inigualável Antonio Stradivari. Seus instrumentos foram objeto de estudos por vários séculos e não houve conclusão sobre o motivo de seus violinos soarem tão bem, tanto que atualmente, por simbologia, a palavra Estradivario tornou-se associada ao nível de excelência de qualidade (apenas para ilustrar a sua importância, um autêntico Stradivari foi leiloado em 2010 pelo valor de 3,6 milhões de dólares!).
      E de acordo coma tradição, você não pode visitar Florença sem ver o Davi, de Michelangelo! A Galeria não é tão grande, mas é engraçado andar sem auxílio de mapa, virar em um corredor e do nada dar de cara com nada menos do que esse símbolo da arte ocidental. É muito emocionante você ver aquela mesma estátua que via nos livros escolares bem ali, na sua frente, em puro mármore e genialidade!
      O atual espaço em que a estátua está instalada foi construído no final do século XIX, mas o mais interessante é saber que o Davi foi mantido em segurança em uma caixa dentro do museu por 9 anos até que a construção fosse concluída. Atualmente, a alcova primou pela absoluta centralidade da estátua, além do banho de luz natural que lhe proporciona.
      Na sua inauguração, a escultura foi instalada em uma praça pública, em frente ao Palazzo Vecchio. Mas só em 1873 a obra foi retirada da praça, por conta do desgaste que estava sofrendo pela ação do tempo, e passou a ser exibida no interior da Galeria.
      Interessante observar que no atual local de exibição há considerável espaço no entorno, de tal forma que mesmo havendo bastante visitantes é possível apreciá-la com tranquilidade, e mesmo dar voltas ao seu redor para observar todos os seus detalhes.
      Depois de apreciar a escultura do Davi, há várias outras salas de visitação. A Galeria também abriga obras dos aprendizes dos grandes mestres, sendo muito interessante notar como algumas peças são estranhas, inacabadas e até mesmo de gosto duvidoso.
      A sala de esculturas em gesso é realmente interessante, pois os aprendizes primeiro trabalhavam em gesso para depois evoluir aos poucos para os materiais mais nobres, tal como o mármore.
      Saímos da Galeria já no fim da tarde e precisávamos acelerar o passo para ver o famoso pôr do sol da cidade, a partir de uma vista privilegiada.
      Passamos pela Ponte Vecchio, um dos pontos turísticos da cidade que atravessa o Rio Arno. Atualmente, a ponte é ocupada por joalherias, que substituíram os açougues do local na sua origem. Contudo, o seu melhor ponto de vista não é partir dela mesma, mas sim da outra ponte localizada a oeste, chamada Ponte alle Grazie.
      Depois de atravessar esta ponte, fizemos uma caminhada até o alto da cidade, para a Piazzale Michelangelo. Chegando na praça é possível entender por que é um dos melhores lugares para se visitar em Florença! A vista é de tirar o fôlego, então por isso é visitada por milhões de pessoas todos os anos, principalmente na hora do pôr do sol.
      Depois descemos da Piazzale Michelangelo para retornar ao centro histórico. Atravessamos o rio e chegamos ao prédio do museu mais famoso de Florença, que é a Galleria degli Uffizi, que infelizmente não consegui visitar durante essa rápida estadia, o que só reforça o meu desejo de voltar para a cidade com mais tempo.
      Fizemos uma parada para comer um panini no festejado All'Antico Vinaio, que é bastante rústico e tem lanche suficiente para duas pessoas custando a partir de € 5. Também há várias opções de taça de vinho, pelos mesmos preços. Na prática, é uma espécie de origem da franquia Subway que observamos em cada esquina: se escolhe um panini e o atendente vai colocando os ingredientes conforme a vontade do cliente.
      Dica: passear durante a noite por Florença é absolutamente incrível! Eu já tenho a paixão de conhecer as cidades durante a noite, então Florença foi um verdadeiro presente nesse aspecto.
      Além de artistas apresentando seus trabalhos em cada espaço disponível, mas sem necessariamente encher a paciência dos turistas, em cada esquina da cidade você se depara com uma obra de arte, seja uma escultura, um prédio ou uma pintura.
      Como estávamos cansados, voltamos ao hotel para tomar um banho e descansar. Mais tarde, saímos para conhecer alguns bares que existem no entorno da catedral e tomamos cerveja em um Pub muito bacana.
      Retornamos ao hotel para dormir, pois o dia seguinte começaria cedo, visto que seriam só mais algumas horas na cidade.
      No dia seguinte, acordamos à 7h30, tomamos café próximo ao hotel e seguimos para a monumental Piazza della Signoria, uma praça localizada em frente ao Palazzo Vecchio, que pode ser considerada um verdadeiro museu a céu aberto!
      Nessa praça há esculturas de diversos períodos, sendo que a parte mais importante fica abrigada em um espaço com arcos abertos para a rua chamado de Loggia dei Lanzi, construída com o objetivo de sediar assembleias e cerimônias públicas. O melhor dessas atrações é que elas estão em praça pública e não exigem ingresso ou atenção a eventuais horários de funcionamento, pois estão lá disponíveis até de madrugada!
      Em seguida, seguimos até a Basílica di Santa Croce, também conhecida como o Templo das Glórias Italianas. A igreja ganhou esse apelido porque é o local de sepultamento de alguns moradores ilustres da cidade, como Michelangelo, Galileu e Maquiavel. Em frente da igreja, há uma estátua do grande poeta Dante Alighieri.
      Dentro da igreja, as paredes e janelas são decoradas com afrescos que representam a história de São Francisco, aja vista que se trata de uma igreja franciscana. O famoso artista Donatello contribuiu com a elaboração do Crucifixo e a Anunciação.
      Mas os itens que mais chamam atenção dos turistas são os túmulos de grandes personalidades italianas. O túmulo de Michelangelo é ladeado por três figuras alegóricas que representam a escultura, pintura e arquitetura, além de um busto que retrata fielmente o artista, pois foi retirado da máscara fúnebre.
      No mesmo ano em que Michelangelo morreu, nascia outro gênio italiano, mas de outra área: Galileu Galilei, que por defender a ideia de que a Terra girava em torno do Sol, e não o contrário, foi condenado pela Inquisição. Mas curiosamente, ao fim e ao cabo, o gênio acabou sendo sepultado dentro de uma igreja católica, e isso porque o último grão-duque dos Médici resolveu dar a ele um túmulo digno, em frente ao túmulo de Michelangelo. Em 1992, o Papa João Paulo II lamentou o tratamento que foi dispensado a Galileu na época.
      E assim encerro o meu roteiro de apenas 1 dias na bela Florença, pois depois que saímos da Basílica de Santa Croce voltamos ao hotel para check-out e embarque de trem para Veneza.
      Então se você gosta de História da Arte, não cometa o mesmo erro que eu de reservar apenas 24 horas nessa cidade, que merece no mínimo 2 dias para ser explorada devidamente.
      Mais fotografias e outros detalhes podem ser conferidos no post que eu fiz no seguinte endereço: http://viajandosozinho.com/2020/07/02/roteiro-1-dia-florenca-toscana/
       
      Espero que seja bastante útil para quem planeja conhecer Florença (e desculpem eu não saber incluir imagens no meio do texto, parece que vai ficar tudo no final).
       
       
       
       
      Eurotrip 2017 122.jpg">
      Eurotrip 2017 128.jpg">
      Eurotrip 2017 149.jpg">
      Eurotrip 2017 138.jpg">
      Eurotrip 2017 215.jpg">
      Eurotrip 2017 309.jpg">
      Eurotrip 2017 332.jpg">
      Eurotrip 2017 019.jpg">
      Eurotrip 2017 046.jpg">
    • Por Ismael Guimarães
      Olá mochileiros!
      Venho compartilhar meu relato de viagem de 1 dia em Florença, na Itália. E já afirmo o meu arrependimento de ter reservado apenas 1 dia para essa cidade incrivelmente fofa, daquelas que dá vontade de colocar em um potinho e levar pra casa!
      Espero contribuir com quem estiver montando roteiros e por isso postei bastante fotos da cidade e suas atrações, o que pode ser conferido no meu blog: http://viajandosozinho.com/2020/07/02/roteiro-1-dia-florenca-toscana/


    • Por lavidaesmara
      Viaja connosco até uma das mais deslumbrantes cidades de Itália. Descobre o que visitar e o que fazer em Veneza em 1 dia:
      https://lavidaesmara.com/2020/06/28/dia-veneza-que-fazer/
    • Por jairosouza02
      Galera, gostaria de compartilhar com vcs algumas informações sobre minha trip roots. Pode ajudar vcs minha ideia era sair em grupo fiz uma grupo no whats com umas 10 pessoas. muito confirmaram no final só 3 foram.

      Meu nome é Francisco, eu larguei trabalho, casa a porra toda e saí pelo mundo em 01 de Janeiro de 2019. Destino até onde a natureza quiser. Objetivo: aprender a prosperar do zero. Aprender novas habilidades e Conhecer novos lugares, culturas e pessoas. Meu estilo de viagem no começo era rápido, mas sem distino fixo vi que gastava muito dinheiro, então desacelerei ao ponto de passar mais de um ano em uma cidade, resultado ao invés de gastar dinheiro comecei a ganhar dinheiro, uma grande mudança.
       
      Conheci: Brasil: lugares de Recife té o matogrosso do sul, não tanto porque no início tinha que me reunir com os parceiro de trip. Bolívia, Parte da Argentina, Parte da Bolívia e Paraguay.  Minha atual localização: Foz do Iguaçu
       
      Próximos passos: outro mochilão roots pela América do Sul ou Europa agora em grande estilo porque ganhei muita experiência. 
      Quem se interessar manter contato comigo: me segue nos instagram: @chicoalhandra ou manda um email pra [email protected] - Quem sabe não rola uma nova parceria aí.
       
       
      AGORAS AS DICAS:
      PARCEIROS - Arrume pessoas comprometidas com a causa ou vc termina ficando sozinho. Combinei sair em grupo com umas 10 pessoas, muitos confirmaram, no final só 3 foram comigo. Uma coisa que aprendi é que a estrada interage com você, novos parceiros surgem e alguns seguem outro caminho ou vc segue outro caminho. Mesmo se vocÊ sair sozinho encontra um parceiro pelo caminho. Saímos em 3, um segui conosco até meitade do caminho, depois ficamos só eu e uma menina brasileira que mora na espanha, depois encontramos um alemão em um trem e ele seguiu conosco, depois eu não pude continuar e a menina seguiu com ele, depois ela encontrou outros e seguiu com eles. conexões se formam e se desfazem o tempo todo. Isso é interessante e bom.
       
      CARONA - Melhor lugar pra carona é posto de gasolina e restaurante de beira de estrada, Só caminhoneiros dão carona, em último caso tento carros pequenos. Dedo é furada, melhor forma é falar direto com o motorista e explicar a situação, minha primeira carona na vida consegui assim e foi na primeira tentativa. Em último caso se não for rota de caminhão uso dedo. Brasil é ótimo pra carona, dizem que argentina também, bolívia não rola eles cobram pela carona (mas bus é super barato lá).
       
      LOCOMOÇÃO - Carona é o melhor, mas vá preparado que algumas vezes é preciso seguir a pé. Bike fiz 1000 km, mas é cansativo, melhor se preparar antes, e vc gasta muito dinheiro porquê para manter a energia é preciso comer bastante principalmente doces nutritivos tipo paçoca. Blablacar pode ser útil em emergência é mais barato que bus.
       
      DORMIR - Melhor forma barraca que venha com capa de chuva é importante, usei uma básica, mas uma ou outra vez molhou tudo. Isolante é importante, não usei, mas dormi no chão duro cheio de pedras, é foda. Melhor lugar pra camping posto de casolina, praia, parques ou natureza no geral. No posto é só chegar de boa já no final da tarde, antes de tudo parar e analisar o ambiente, localizar o melhor lugar escondido e que não incomode o pessoal do posto. feito isso analisar os funcionários e localizar o frentista que parece ser mais de gente boa ou doideira é perguntar se naquele local ele acha que vc pode armar a barraca para descansar e sair logo cedo. Geralmente, conversando depois rola um banho free (eles custam entre 2 e 4 reais). Às vezes quando muit ocansado ou em lugar turístico me permiti uma ou duas diárias em hostel ou camping. Pra que quem trabalhar na cidade dá pra ficar de mensalista nesses lugares ou voluntariado.
       
      COMIDA - É só pedir nos restaurantes perto do final do horário de almoço. Se vc não quiser esperar vai na cara de pau e pede às 12h que eles dão. É só dizer que não tem dinheiro. Ou pedir por uma sobra que não será vendida se for o caso de estar pedindo perto do final do almoço. Ambos funcionam, falar que viaja sem dinheiro não é bom. Se vc não conseguir no primeiro, no segundo vai. No começo eu esperava o final do almoço, mas aí minha amiga cansou um dia de esperar e começamos a pedir há qualquer hora daquele dia pra frente. Na época que eu viajei de carona eu comi melhor do qeu em casa, era churrasco todo dia.
       
      BANHO - Aproveite cada oportunidade pq às vezes pode rolar um ou outro dia sem banho. Vale tudo: postos, rio, ducha nas praias, pedir pra nas pra os trabalhadores nas obras, carrafa pet de 2 ou 3L salva sua vida se achar uma toneira enche 2 delas e já rola um banho. Sempre carregue uma por carantia.
       
      ÁGUA PRA BEBER - Só pedir nas casas ou pegar nas toneiras. Não levar cantil, o melhor é garrafa pet.
       
      TRABALHO EM TROCA DE ACOMODAÇÃO - Muito bom, é só falar com o pessoal dos hosteis com antecedência, diz quando vc vai chegar na cidade. É uma ótima opção vc tem uma casa, comida e roupa lavada em troca de algumas horas de trabalho limpando piso, banheiro, atendendo hóspedes, arrumando cama. No Brasil também rola muito isso. também te dá uma oportunidade para aprender coisas novas, aprender novas linguas falando com a galera do hostel. Conhecer a cidade mais a fundo. Procurar trabalho, ganhar dinheiro fazendo sabe-se lá o q vcs inventarem.
       
      DINHEIRO e GASTO - Querendo ou não vc precisa de dinheiro é bom levar o máximo que conseguir e não gastar com besteira, só com coisas essenciais. Não existe isso de viagem sem grana, se vc não levar vai ter arrumar um jeito de ganhar pelo caminho vale vender brigadeiro, bolo, sanduiche, água no sinal ou nas praças. Água mineral é bem rentável. Já subi em abacateiro catei um monte e levei pra vender na feira eu e um amigo fizemos 80 reais chegando tarde na feira. QUANTO MAIS LENTO VC VIAJAR MENOS DINHEIRO VC GASTA. Eu passei um ano em uma cidade e recuperei o dinheiro que gastei na viagem inteira.  Se algum de vc é designer gráfico dá pra ganhar uma grana viajando, também dá pra vender suas fotos da viagem, eu sei que dá porque recentemente estou desenvolvendo um projeto pra tentar ganhar algum dinheiro com isso e sei que funciona porque já começou a render alguma coisa. É pouco mas já garante uns almoços, ou uma diária de hospedagem.
       
      EQUIPAMENTO: Não comprar nada além do essencial, vai só fazer peso e vc acaba largando pelo caminho porque não te serve de nada. Necessário barraca, mochila eu uso uma baratinha não é cargueira, ela é 40L acredito e expande pra 55 se eu não me engano, posso informar depois se alguém se interessar em saber, cabe minhas coisas quando expandida e normal posso usar como bagagem de mão pra avião (minha ideia era europa, por isso peguei ela, mas optei por america do sul). Bota é inútil e pesada, fui de chinelo de Recife em pernambuco até o Salar do Uyuni na bolívia, bike, carona, a pé. depois voltei pro brasil. O chinelo me serviu muito bem. É confortável. E como disse um mochileiro no youtube: É melhor entrar num restaurante com o pé levemente sujo de poeira do que fedendo a um chulé. Roupas nada de roupas especiais, só o básico e nessa vida andarilha MENOS É MAIS, se vc precisar de algo compra em bechó paga 5 reais por peça a medida que forem gastando. Um chapelão daquele de tecido tipo do exercito é útil o sol é foda. Talvez umas luvas pra braço daquelas de motoboy, são leves e não ocupam espaço. Nada de roupa de frio, isso se compra em brechó quando vc chega em um lugar frio. Panela leivei mas nunca usei, não precisa. Eu levaria um canivete daqueles com talheres e pronto lanterna USB me foi útil vc recarrega em qualquer lugar e ajuda nas caminhadas noturnas, tambem adptei ela pra usar na bike. Levei uma pequena caneca daquela de aluminio do exercito, usei muitas vezes mas não é tão necessario. Pretendo largar a panela e continuar só com a caneca. NADA DE LIVRO, COISA PEQUENA QUE ACUMULA PESO. Pra ler PDF no celular tá de bom tamanho.
       
      NAVEGAÇÃO: baixem o app MAPS.ME e baixem os mapas offline, é melhor que google map e tem GPS se precisar. Ele nunca me deixou na mão.
       
      O QUE APRENDI VIAJANDO: Comunicação, fazer dinheiro do zero, gerenciamento financeiro, profissão de recepcionista de hotel, inglês e espanhol (aprendi o básico em casa, e o resto no hotel falando com o povo).  E um par de habilidades de sobrevivência urbana.
       
      Insta: @chicoalhandra
      email: [email protected]
    • Por michele.caetano
      Utilizo há anos esse site para pesquisar roteiros de viagens, dicas, custos e, finalmente, venho aqui dar minha contribuição. Trata-se de um relato de uma viagem de um jovem casal apaixonado, em lua de mel, que teve de enfrentar uma cotação de R$ 4,50 a R$ 5,00. Que fase! Com muito planejamento e foco conseguimos fazer uma bela viagem de 23 dias na primavera européia ❤️. 
      Fizemos uma lista virtual de presentes, então boa parte dos passeios que fizemos ganhamos de presente dos nossos queridos amigos e familiares 🥰.
      Roteiro:
      Paris - 5 dias (26/04 - 01/05)
      Praga - 3 dias (01 - 04/05)
      Viena - 2 dias (04 - 06/05)
      Budapeste - 3 dias (06 - 09/05)
      Nápoles - 1 dia (09 - 10/05)
      Sorrento - 2 dias (10 - 12/05)
      Ilha de Capri - 1 dia (12 - 13/05)
      Maiori - 1 dia (13 - 14/05)
      Roma - 5 dias (14 - 19/05)
      Primeira dica: Sempre que pensar no número de dias que quer ficar num lugar acrescente mais 1, porque o dia que você chega e sai da cidade fica bastante comprometido com os deslocamentos. E às vezes algum imprevisto também pode "atrasar" seu roteiro, como um dia inteiro de chuva no dia que tinha planejado várias coisas ao ar livre. Nesse roteiro recomendaria acrescentar pelo menos mais 1 dia em Paris, Praga e Budapeste. E mais 1 em Capri se você estiver com dinheiro sobrando ou pegar um câmbio melhor, rs. 
      Segunda dica: A primavera européia nada tem a ver com a nossa! Pegamos bastante frio, especialmente em Paris e no Leste Europeu. Importante colocar na mala uma blusa e calça térmicas e um casaco mais quentinho. Nesse lugares eu saía normalmente com uma camisa de manga curta, blusa térmica (manga comprida), uma blusa mais grossa de manga comprida, casaco e cachecol. Ah, e calça térmica por baixo da calça jeans.
      Paris
      Hospedagem: Ficamos num apartamento ótimo em Montmartre pelo Airbnb, bem equipado, com uma vista incrível da Torre Eiffel e metrô em frente (estação Pigalle). Única ressalva é pro banheiro que era beeem petite. Mas pra gente isso não incomodou. Foi um bom custo-benefício.
      Apesar de ouvir muita gente dizer que este é um bairro mais perigoso em Paris, tenho que discordar. Havia bastante movimento na rua até tarde, bem iluminado, farto comércio e restaurantes na região. Nos sentimos super seguros lá, inclusive à noite. Adorei! Valor da diária c/ taxas: € 114 (casal).
      Link: https://www.airbnb.com.br/rooms/882192?guests=1&adults=1&sl_alternate_dates_exclusion=true&source_impression_id=p3_1559085549_zGi%2BIA2ncnTDvdEE&check_in=&check_out=&children=0&infants=0
       
      Saindo do aeroporto Charles de Gaulle: Pegamos um trem (€ 10,30 p/ pessoa) até a estação Gare du Nord e de lá pegamos o metrô até a estação Pigalle.
      Transporte: Compramos o combo de 10 tickets de metrô por R$ 14,90. Vale a pena porque paga mais barato no valor unitário da passagem. No total compramos 30 tickets para os 5 dias.
       
      Gastos casal - 5 dias:
      Hospedagem: €572
      Alimentação: €425 - média de €85/dia (contando mercado, restaurante, lanches etc)
      Atrações turísticas: €233 - média de €47/dia
      Transporte: €147 - média de €30/dia
      Paris é uma cidade bem cara. A gente comia no máximo 1 vez por dia em restaurante, almoço ou janta, e ainda assim gastamos bastante com alimentação. Pra economizar, vale a pena ir ao mercado caso tenha cozinha no seu ap. Queijos e vinhos são uma boa pedida. Compramos um ótimo vinho por menos de €5!
       
      Dia 1
      Chegamos antes do horário de check-in. Então, deixamos as malas no apartamento e fomos explorar as principais atrações do bairro:
      Muro Je t'aime, Sacré-Coeur e Place du Tertre
      Muro J t'aime

      Sacre Croeur

      Vista da Sacre Croeur
      Almoço: Na verdade foi um lanche. Comemos baguetes num quiosque que tinha no caminho pra Sacre Croeur: 2 baguetes e 1 coca - €12,30
      Seguimos para o Trocadero pra aproveitar que o dia ainda estava claro e bonito e ver a torre mais de pertinho. Lá comemos nosso primeiro crepe de rua parisiense (eu amo!) - €3,50 cada. Depois de curtirmos um pouco, caminhamos beirando o rio Sena e fomos até a Champs-Élysées e o Arco do Triunfo. Depois dessa bela caminhada voltamos pro ap pra tomar um  banho quentinho e sairmos para o nosso primeiro jantar romântico da viagem.

      Tracadero

      Trocadero

      Champs-Élysées


      Arco do Triunfo
       
      Jantar romântico (um dos presentes de casamento): Restaurante Bouillon pigalle - foi um achado porque jantar em Paris sem gastar uma fortuna é uma missão difícil e o restaurante ficava praticamente do lado do nosso apartamento. 2 entradas, 2 pratos principais, 1 sobremesa e uma jarra de vinho da casa saíram por 50 euros, incluindo uma pequena gorjeta. E não é um menu não, você escolhe seus pratos individualmente. Foi um ótimo custo-benefício! Recomendo a sopa de cebola de entrada e o profiterole de sobremesa. Os pratos principais estavam bons, mas nada que chamasse a atenção. Os parisienses também curtem o local, então é bom chegar cedo porque já começa a ter fila antes das 20h e eles não fazem reserva. 
      E pra finalizar uma foto da sacada do nosso apartamento com uma bela vista da Torre Eiffel. Era incrível acordar e dormir com essa vista!

       
       
       


×
×
  • Criar Novo...