Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Caminho dos Vuriloches, um trekking pela história (Argentina/Chile) - fev/20


Posts Recomendados

  • Membros de Honra

20200225_132916.thumb.jpg.08670daf1b774217bcdfeab8fd3de287.jpg

Cerro Tronador visto do início da travessia em Pampa Linda

Início: Pampa Linda (Argentina)
Final: Ralun (Chile)
Distância: 66,2km (mais 11,2km ida e volta ao Refugio Viejo del Tronador)
Duração: 6 dias
Maior altitude: 1414m no Paso Vuriloche (2278m no Refugio Viejo del Tronador, opcional)
Menor altitude: 223m no Rio Conchas
Dificuldade: média para quem está acostumado a longas travessias com mochila cargueira e acampamento selvagem. A maior subida tem desnível de 562m, com a subida ao Refugio Viejo del Tronador mais 966m. Se realizada ao contrário o desnível positivo é de 1191m (do Rio Conchas ao Paso Vuriloche). A grande dificuldade é de orientação já que não existe sinalização no lado chileno (embora seja área do Parque Nacional Vicente Perez Rosales) e em muitos pontos há mais de um caminho, causando dúvida. Também há vários rios a cruzar sem ponte.

O Caminho dos Vuriloches (ou Ruta de los Jesuítas) é um caminho histórico das missões jesuíticas dos séculos 17 e 18. Vuriloche é o nome dos primeiros povoadores da região do Nahuel Huapi no século 16. Conheciam muito bem os diversos passos da Cordilheira dos Andes, principalmente um que os comunicava diretamente com o mar, o Paso Vuriloche. Ao longo dos séculos esse caminho foi abandonado, procurado incessantemente, redescoberto pelos jesuítas no século 18, abandonado novamente e só redescoberto em sua totalidade no final do século 19.

Os relatos que li no planejamento dessa travessia pouco conhecida me deixaram um pouco apreensivo com relação à travessia dos rios sem ponte. Várias pessoas dizendo que eram muitos rios, a toda hora tinha um rio para cruzar, que era preciso muita atenção ao ponto certo da travessia, blá blá blá. Ok, sempre é preciso ter muita cautela, principalmente em lugares remotos, mas a verdade é que não são dezenas de rios e sim 7 (sete) rios que se cruzam a vau. Na maioria a água estava na altura da canela e em apenas dois a água chegou aos joelhos, com correnteza fraca. Claro que é preciso olhar a previsão do tempo para não fazer essa caminhada em dias de chuva. Dias muito quentes também provocam a subida dos rios pelo degelo nas montanhas. Se encontrar um rio muito cheio o melhor a fazer é esperar, talvez até o dia seguinte, por isso é preciso ter comida extra. Os Carabineros do Paso Vuriloche costumam ter informação atualizada sobre o nível dos rios dessa travessia.

20200225_133119.thumb.jpg.3004dabe4522f28c145197b5dd784789.jpg

Rio Manso

1º DIA - 25/02/20 - de Pampa Linda a Carabineros de Chile (Paso Vuriloche)

Distância: 11,7km
Maior altitude: 1414m no Paso Vuriloche
Menor altitude: 852m em Pampa Linda
Resumo: nesse primeiro dia de caminhada parti de Pampa Linda em uma subida constante até o Paso Vuriloche (desnível de 562m), fronteira entre Argentina e Chile, acompanhando o curso do Rio Cauquenes. Em seguida desci até o acampamento no posto dos Carabineros de Chile (desnível negativo de 110m).

Às 8h30, em frente ao CAB (Club Andino Bariloche), tomei a van da agência Travel Light para Pampa Linda. No mesmo horário saiu a van da agência Transitando Lo Natural. Essas são as duas únicas agências que fazem esse trajeto. Não há transporte público. Percorremos toda a margem leste do lindo Lago Gutierrez e em seguida do Lago Mascardi, entrando numa estrada de rípio à direita cerca de 800m depois da Vila Mascardi. Mais 450m e paramos na portaria do Parque Nacional Nahuel Huapi para pagar a taxa de ARS400 (R$25) para estrangeiro (ARS180 para argentinos). Tive a ilusão de que já estávamos chegando a Pampa Linda, mas que nada... rodamos mais 2h por estradas poeirentas contornando as margens sul e oeste do Mascardi. Só chegamos a Pampa Linda às 11h40. Altitude de 852m.

O dia estava maravilhoso, um sol agradável e um céu sem nenhuma nuvem, e se manteria assim pelos dias seguintes da travessia. Acabou aquele tormento de chuva repentina, vento gelado, acampamento com granizo e neve das trilhas que estava fazendo em Ushuaia.

Em Pampa Linda fiz algumas coisas antes de botar o pé na trilha: peguei informações mais atualizadas no Centro de Informes, localizei os dois campings que há e perguntei os preços, confirmei que não há mercadinho nem kiosco no vilarejo e produtos básicos de comida podem ser comprados no Camping Los Vuriloches (eles chamam isso de proveeduría) e, o mais importante, fui à Gendarmeria carimbar no passaporte a minha saída da Argentina. Sem esse registro não passo nos Carabineros para entrar no Chile. 

Outra coisa importante: para fazer qualquer trilha no Parque Nacional Nahuel Huapi (bem como em outros parques argentinos) é obrigatório fazer o registro de trekking. É gratuito e pode ser feito pela internet (www.nahuelhuapi.gov.ar), na Intendência do parque nacional em Bariloche (Av San Martin, 24) ou nos postos de guardaparque.

Ainda parei numa sombra em frente à Hosteria Pampa Linda para almoçar o lanche que tinha na mochila. Deixei Pampa Linda às 12h58 no sentido oeste, mas 100m após a hosteria parei de novo para tirar fotos do majestoso Cerro Tronador, vulcão extinto e maior montanha do Parque Nacional Nahuel Huapi. Continuei pela estradinha de rípio que leva às trilhas Ventisquero Negro, Garganta del Diabo e Piedra Pérez, todas na base do Cerro Tronador, mas a abandonei para tomar outra estradinha mais estreita à esquerda 670m após a hosteria. Há um painel ali com informações sobre as trilhas nessa direção: Saltillo de las Nalcas, Cerro Volcánico e Refugio Viejo. 

Cerca de 150m depois outra bifurcação com placa onde fui para a esquerda. A estradinha termina num rio com uma ponte de dois troncos. Havia quatro carros estacionados ali. Cruzada a ponte vou na direção do Cerro Los Emparedados, uma muralha rochosa onde despenca a cachoeira Saltillo de las Nalcas. Nalca é o nome de uma planta de folhas muito grandes encontrada também no sul do Brasil.

20200225_141243.thumb.jpg.200cd83dd91275faef281364c74e76d2.jpg

Saltillo de las Nalcas

Cruzo um bosque e às 13h30 atravesso uma ponte de ferro sobre o azulado Rio Manso. Reentro no bosque (para sair só no final do dia) e às 13h39 encontro uma placa apontando o Saltillo de las Nalcas em frente e o Paso Vuriloche à direita. Fui conhecer o saltillo que está a apenas 200m dali. Uma bonita clareira aos pés do Cerro Los Emparedados com a cachoeira despencando bem alto. Dá para tirar fotos atrás dela. Havia só mais um casal com uma criança e três rapazes. Fiquei bastante tempo ali, fui o último a sair às 14h24. Voltei à bifurcação da placa e entrei na trilha à esquerda (direita na vinda), cruzando uma ponte de tábua sobre o riacho que vem da cachoeira. 

A trilha está bem marcada mas com a vegetação se fechando um pouco. Há muita caña colihue (uma espécie de bambu) caída nas laterais e pedaços dela espalhados pela trilha. Às 14h56 fui à esquerda numa bifurcação com placa apontando Paso Vuriloche (da direita vem o caminho dos cavalos). Mais 400m e me aproximei do Rio Cauquenes, mas não o cruzei nesse ponto. Atravessei-o pelas pedras às 15h08 num local que gera alguma dúvida pois há trilha dos dois lados. Passei para sua margem esquerda (verdadeira). Aí inicia a subida. Parei por 23min numa pequena clareira com vista para o Arroio Cauquenes abaixo. Toda a subida até o Paso Vuriloche se dará dentro do bosque e junto ao curso do Arroio Cauquenes, cruzando-o algumas vezes (três vezes, segundo a placa no início da trilha).

Às 16h06 subi à direita na bifurcação que aponta a trilha para o Cerro Volcánico à esquerda. Cruzei com um casal, as primeiras pessoas desde a saída da cachoeira. Me alertaram para tomar cuidado com as taturanas na trilha. Passei por três pontos de água e parei no seguinte às 17h02. Passaram por mim descendo três homens com mochilas cargueiras grandes e pareciam estar com pressa. Continuando, passei por mais quatro riachos. São tantos riachos que é difícil dizer qual é o Cauquenes e qual é um pequeno afluente seu. 

À medida que subia apareciam árvores cada vez maiores, de troncos enormes. A inclinação também foi aumentando até que às 18h15 cheguei a uma bifurcação bem no Paso Vuriloche, fronteira entre Argentina e Chile. Altitude de 1414m. Os passos de montanha costumam ser lugares de visual grandioso, mas este decepciona um pouco pois está dentro do bosque, não há visual nenhum. Nessa bifurcação uma placa aponta para o Hito Vuriloche à direita e Carabineros de Chile à esquerda. Deixei a mochila e caminhei um pouco para a direita para tentar encontrar o hito (marco) de fronteira, mas depois soube que ele está a 800m de distância. 

Tomando a esquerda nessa bifurcação iniciei a descida para o posto dos Carabineros. O chamado Mallín Chileno (pântano chileno) (um belo prado alpino, segundo o guia Lonely Planet) foi aparecendo entre as árvores à direita e quando saí do bosque às 19h05 tive de atravessá-lo, mas por sorte não estava encharcado. Cruzei uma ponte de troncos e cheguei ao Recinto Carabineros de Chile às 19h14. É uma casinha de madeira pintada de verde e branco no meio de um bosque, mas ainda conserva o refúgio antigo ao lado. Quem me recebeu foram os três rapazes que estavam no Saltillo de las Nalcas! Conversando com eles já notei a grande diferença de sotaque em relação aos argentinos. 

Quem já viajou para o Chile sabe como eles são severos nos aeroportos e fronteiras com relação à entrada de alimentos frescos (frutas, legumes, carnes, sementes, laticínios, mel, etc), mas aqui não houve nada disso. Não pediram para inspecionar a minha mochila e não quiseram ver que comida eu levava.

Entreguei o passaporte para carimbo de entrada no Chile e só me devolveriam quando saísse para continuar a travessia, dois dias depois. O camping ali é gratuito e há banheiros, porém infestados de moscas. Pensei que ia ser o único a acampar ali nessa noite, mas já bem tarde chegou um casal.

Um trilheiro dormiu na casa dos Carabineros. Ele estava num grupo de quatro amigos vindo do Chile e torceu o joelho numa passada mal dada. Chegou com muita dificuldade até ali, com o joelho bem inchado, e os outros três desceram a Pampa Linda para buscar um cavalo para transportá-lo. Justamente aqueles três que passaram apressados por mim no riacho. 

Altitude de 1312m.

Temperatura mínima durante a noite fora da barraca: 1,6ºC

20200226_143858.thumb.jpg.718715775e8acf49d9f6d611a52f0efb.jpg

Refugio Viejo del Tronador

2º DIA - 26/02/20 - subida ao Refugio Viejo del Tronador

Distância: 11,2km (ida e volta)
Maior altitude: 2278m no Refugio Viejo del Tronador
Menor altitude: 1312m no posto dos Carabineros de Chile
Resumo: nesse dia encarei uma subida constante do posto dos Carabineros até o Refugio Viejo, num desnível de 966m

9h30 da manhã: 8,6ºC

Tronador, aquele que trona, que produz estrondo como trovão. Nesse caso estrondo produzido pelas constantes avalanches de seus blocos de gelo. O Cerro Tronador tem 3478m e é a montanha mais alta do Parque Nacional Nahuel Huapi. Seu cume mais alto se chama Internacional e marca a fronteira entre Argentina e Chile (há também o Cume Argentino e o Cume Chileno).

Deixei a barraca montada e saí só com a mochila de ataque às 9h50 para conhecer o refúgio antigo do Monte Tronador. Saí na direção oeste e tomei a direita na bifurcação. A trilha já inicia subindo e ainda dentro do bosque. A subida se dá toda no lado chileno em área pertencente ao Parque Nacional Vicente Perez Rosales. Às 10h10 saí do bosque de árvores altas e passei a caminhar entre arbustos. Logo o caminho começa a ficar mais pedregoso. Uns 200m depois que acabam os arbustos já é possível ver o Tronador e o refúgio, ainda minúsculo. A trilha está bem marcada e sinalizada com pircas (totens de pedra). 

Ao fazer uma curva fechada para a direita (de noroeste para nordeste) passo a caminhar por um dos contrafortes da montanha, mas cerca de 500m depois baixo para a vertente oeste desse contraforte. Ali a trilha se estreita ao cortar a encosta íngreme com queda bem alta - é bom passar com cuidado pois as pedrinhas soltas do chão não dão muita segurança. Uns 50m depois, às 11h04, começa um trecho de mais ou menos 700m de capim baixo com vários charcos. Há três pontos de água corrente nesse brejo das alturas. Depois desse capim é só pedra até o refúgio. Há mais um riacho junto a uma primeira mancha de neve ao lado da trilha. A paisagem se amplia cada vez mais, com montanhas a perder de vista. Identifiquei entre elas o Vulcão Osorno, com seu cone perfeito.

20200226_120815(0).thumb.jpg.2bbead31c421e6a3dddf96fb82d19a6d.jpg

La Ventana

Às 12h03 cheguei a um grande rochedo com um buraco e é por dentro dele que a trilha passa! A Pedra Furada do Tronador! Mas o nome que consta nos mapas é La Ventana (a janela). Uns 6min depois alcancei um grande campo de neve, o melhor ali é contorná-lo pela direita. Mas às 12h50 topei com outro campo de neve de cerca de 30m que tive de atravessar, não estava escorregadio. Uns 40m depois um campo bem maior, de uns 150m. Subi por uma trilha mais apagada entre pedras e cheguei ao Refugio Viejo às 13h03. 

O refúgio é uma construção de pedras recoberta por chapas de metal com placa do Club Andino Bariloche e data de 1938. Seu formato de arco é bem curioso. Em 2013 ele foi batizado de “Refúgio Manuel Ojeda Cancino”. Dentro há dois tablados de madeira sobrepostos onde devem dormir umas oito pessoas. Havia um livro de registro de visitantes sobre a mesa. Ao lado do refúgio está fincado o hito de fronteira. 

Nada de vento e um céu incrivelmente limpo permitiram uma visão total de toda a região. Dali é possível avistar: Cerro Catedral a leste; Pampa Linda, vale do Rio Manso e Lago Mascardi a sudeste; Laguna Rosada, Cerro Volcánico e Lagunas Cauquenes a sul-sudeste; Vulcão Calbuco a oeste. Mas o Vulcão Osorno ficou escondido pelo "ombro" do Tronador, um contraforte que aponta para o sul. A altitude ali é de 2278m, 1208m abaixo do cume do Tronador, o Pico Internacional.

Antes de ir embora desci alguns metros na direção do imenso glaciar Castaño Overo e tive a satisfação de pisar um pouquinho no gelo do Tronador. Tem água corrente ali. Há cercadinhos de pedras aqui e ali para quem quiser arriscar dormir ao ar livre. Por causa do sol e ausência de vento os tábanos estavam a todo vapor. Às 16h10 comecei a descer. Depois de cruzar os dois campos de neve mais altos encontrei um casal subindo, devia ser o que acampou essa noite nos Carabineros. Fomos os únicos que subiram ao refúgio nesse dia.

Desci pelo mesmo caminho, atravessei a pedra furada às 17h07, terminei de cruzar o trecho gramado às 18h35, passei com cuidado na parte inclinada de pedrinhas soltas e queda alta, reentrei nos arbustos, depois no bosque e às 19h55 estava de volta ao acampamento. 

Peguei de volta o passaporte com os carabineros pois sei que na Patagônia ninguém levanta da cama antes das 10h e eu pretendia sair antes disso.

Por azar um grupo de crianças e adolescentes muito barulhentos chegou para acampar nessa noite e fui obrigado a colocar protetores no ouvido para dormir porque eles foram se deitar muito tarde. 

Temperatura mínima durante a noite fora da barraca: 2,4ºC

20200227_133311.thumb.jpg.2cbc387cc9ba8c2865cc50ae6d429c0e.jpg

Pontes destruídas no Rio Traidor

3º DIA - 27/02/20 - de Carabineros de Chile (Paso Vuriloche) ao Rio Esperanza/Casa de Letícia

Distância: 17,9km
Maior altitude: 1387m    
Menor altitude: 364m no acampamento junto ao Rio Esperanza
Resumo: apesar de esse dia ser uma longa descida em direção ao Rio Esperanza houve subidas também, algumas bastante inclinadas. Cruzei a vau o Rio Traidor (pontes destruídas) e depois caminhei pelo vale do Rio Blanco. Desnível negativo de 1023m.

9h da manhã: 6,2ºC

Desmontei acampamento e saí às 9h49 na direção oeste novamente, porém tomando a esquerda na bifurcação com as placas refúgio/Ralun e Sendero Valle Esperanza. Daqui até o final da travessia no Lago Cayutue vou caminhar dentro da área do Parque Nacional Vicente Perez Rosales.

Às 9h54 fui para a direita numa bifurcação com placa apontando dois hitos (marcos de fronteira) à esquerda. Houve alguns trechos de subida dentro do bosque. Às 11h20, numa abertura da mata para a direita avisto novamente o Tronador, nesse dia encoberto por uma nuvem enorme parecendo um chumaço de algodão - tive sorte de vê-lo no dia anterior completamente limpo. Em mais 10min saio do bosque e às 11h38 chego ao Refúgio Lomas de Huenchupan. É uma casa de tábuas com mesa de piquenique ao lado. Dentro há um tambor-aquecedor (chamam de salamandra) e um tablado superior com espaço para 5 ou 6 pessoas dormirem. Caberiam 4 ou 5 barracas ao lado. A visão para o Tronador é espetacular, com uma imensa cascata de gelo, o Glaciar Rio Blanco, que origina o rio de mesmo nome.

Continuei a caminhada às 12h22 e cruzei um riacho por troncos finos dentro de uma matinha. Logo a trilha sobe bastante a céu aberto com a vegetação baixa meio fechada e roçando a perna. Olhando para o Tronador consigo localizar o caminho que fiz no dia anterior para subir ao Refugio Viejo. 

Na descida cheguei às 13h19 ao Rio Traidor. Suas duas pontes em sequência estão destruídas. No primeiro braço do rio consegui caminhar sobre as pedras e não tirei as botas, mas no segundo não teve jeito, tive de tirá-las e entrar na água, que estava na altura da canela. Levei um par de calçados só para a travessia desses rios pois sabia que seriam vários. Levei um par de tênis bem leves para maior proteção dos pés, mas tem gente que leva crocs e outros usam meias de neoprene. 

Depois dessa manobra toda consegui sair dali às 14h05. Na subida muito empinada que se seguiu fui à direita, mas tanto faz pois os dois lados logo se encontram. Às 14h35 reentrei no bosque e às 15h é preciso atentar para a bifurcação: a direita está bem marcada e sai do bosque, mas o caminho certo é pela esquerda continuando na sombra das árvores. 

Às 15h27 entrei numa trilha à direita pois o gps apontava ali as termas Juvenal. A partir daqui aparecem fontes de águas termais (pela proximidade dos vulcões) onde foram construídas piscinas bem rústicas. Mas a trilha para essas termas Juvenal estava meio apagada... até que desapareceu no meio de árvores caídas. Insisti um pouco mais até que cheguei aos restos de uma cerca de madeira com uma árvore enorme tombada. O inverno rigoroso, com muita neve, acaba fazendo esses estragos no bosque. E as termas ficaram soterradas. 

20200227_164542(0).thumb.jpg.4e22b2faf8784a2ed8613dee5ff9e5a4.jpg

Casa da família Oyarzo feita com tejuelas de alerce

Voltei à trilha principal e cruzei uma ponte larga de tábuas (em estado razoável) sobre o Rio Blanco às 16h19. Com mais 5min fui à esquerda numa bifurcação por ser a trilha mais larga e saí do bosque. Caminhei ao longo de uma cerca e me dirigi a uma casa no meio de um grande campo. Cheguei a ela às 16h37. Estava vazia e trancada a cadeado. Era na verdade uma casa e mais duas casinhas feitas com tejuela de alerce, uma árvore ameaçada da região. Mais afastado havia um galpão. Esse lugar pertence à família Oyarzo, mas o antigo morador, Don Juvenal, faleceu em 2018.

Retomei a caminhada às 16h53 cruzando o campo na mesma direção (oeste) e acompanhando a cerca. Na primeira quina dela quebrei à esquerda (com seta) mas na segunda quina continuei em frente (não à esquerda de novo) na direção do bosque e entrando nele. Cruzei o Rio Blanco por uma ponte de tábuas e uma tronqueira em seguida. Começam a aparecer as valas por onde a trilha corre, valas escavadas pelos séculos de uso desses caminhos, inclusive por tropas.

Subi um pouco (70m) e às 17h35 passei por uma laje de pedra um pouco exposta com caída para a direita, mas nada assustador. Chamam esse lugar de Piedra del Buitre (pedra do abutre, decerto pelos muitos cavalos que já despencaram ali). Uns 4min depois cruzei uma porteira aberta. Na primeira água corrente que apareceu parei para me refrescar. Passei por mais duas porteiras abertas, uma ponte de tábuas em bom estado e as valas começaram a ficar mais profundas, com o solo e as plantas acima da cabeça. Surgiram os arrayanes, árvores com o tronco cor de canela mais comuns em beiras de rios e lagos. 

Numa bifurcação às 18h43 tomei a esquerda, subindo. Cruzei outra porteira, saí do bosque para um pasto e cheguei a outro sítio com vacas e cavalos às 19h12. Na casa encontrei enfim um morador dessas paragens, Jorge Sanchez, que me disse que mora ali também o sr Aroldo Alvarado. Pedi permissão para tirar foto da bonita casa de tejuelas de alerce, infelizmente um pouco mal conservada. Segui caminho reentrando na mata, cruzei mais duas porteiras e saí do bosque para um gramado às 19h49. 

Na descida avistei casas no vale e depois fumaça na direção do rio (esquerda). A primeira casa na verdade era um galpão, mais adiante no meio das árvores estava a casa de Letícia Alvarado e Enrique (não visível dali e fechada também). A fumaça que pensei vir da chaminé de outra casa na verdade era da fogueira de um grupo de amigos de Buenos Aires que estavam acampados no gramado perto do Rio Esperanza. Conversei com eles e trocamos informações sobre a travessia já que estávamos fazendo em sentidos contrários. 

Do outro lado do Rio Esperanza há uma casa também, essa dos srs Lalo e Coche Muñoz. Um grupo de 14 "chicos" (adolescentes nesse caso), dos quais o carabinero tinha me falado, dormiu essa noite ali também, por isso acampei bem longe... rs.

Esse dia tem muitos trechos a céu aberto. Recomendável usar um protetor solar. Não há problema de água, encontrei vários outros riachos além dos citados acima.

Altitude de 364m.

Temperatura mínima durante a noite fora da barraca: 6ºC

20200228_134235.thumb.jpg.946be936dcdcefbc60895f14ff9b381d.jpg

Casa da família Muñoz feita com tejuelas de alerce

4º DIA - 28/02/20 - de Rio Esperanza/Casa de Letícia a Casa de Tito Velázquez

Distância: 11,3km
Maior altitude: 367m na casa dos Muñoz
Menor altitude: 246m
Resumo: nesse dia cruzo a vau o Rio Esperanza e acompanho o Rio Blanco pela margem esquerda. Dia de pouco desnível (121m).

8h20 da manhã: 7,1ºC

A barraca amanheceu ensopada pela condensação, tive de esperar o sol chegar ao fundo do vale para secá-la antes de guardar. 

Depois fui conhecer as termas. Como não há sinalização nenhuma para chegar a elas perguntei aos portenhos. Basta seguir o rio a montante por uma trilha dentro da mata por 300m. Ela desce diretamente para uma ponte suspensa destruída com os dois tanques à direita, bem junto ao Rio Esperanza. A temperatura da água estava deliciosa, benditos vulcões! Mas o lugar é rústico de verdade, não espere piscina de azulejos. Voltei ao acampamento e ainda fui conhecer um outro tanque, este mais próximo porém menor e mais raso. Quando voltei o pessoal de Buenos Aires já tinha partido. 

Comecei a caminhar às 12h09 na direção indicada pelo gps: norte e noroeste, ou seja, descendo o Rio Esperanza por esse mesmo lado. Fui na direção do galpão por onde cheguei no dia anterior, cruzei a porteira e, ao sair no campo com vacas, encontrei a casa de Letícia Alvarado e Enrique. Estava fechada e dizem que não vivem mais aí. Continuei pela trilha ao longo de uma cerca, cruzei outra porteira e cheguei ao Rio Blanco, que tem esse nome por causa da água cinzenta de degelo. Ele se origina no Glaciar Rio Blanco, um dos oito glaciares do Cerro Tronador.

Porém esse rio é bem largo, com correnteza e a ponte estava no chão. A água cinzenta é perigosa pois não permite ver a profundidade. Esse local se chama La Junta porque a 300m dali o Rio Blanco se junta ao Rio Esperanza. Lembrei que os amigos de Buenos Aires disseram que haviam cruzado o Rio Esperanza e que não passaram pela casa de Letícia. Voltei então ao acampamento para ver como era a travessia desse rio, e é muito mais fácil. O rio é raso (bate nos joelhos) e a água é transparente, dando mais noção de profundidade. Só é preciso tomar cuidado para não escorregar nas pedras do fundo. 

20200228_135927.thumb.jpg.db18c6d6e8c6fab4d617cdbe47ef25d8.jpg

Rio Blanco

Subi até a casa dos Muñoz mas não havia ninguém, somente o cachorro tomando conta. Havia um pé de ameixas cheio de frutos mas estava bem azeda. A casa e o galpão também de tejuelas de alerce, aliás o galpão uma bela construção. Apesar da distância da civilização havia uma antena da DirecTV. Saindo dali às 13h43 tomei a trilha na direção noroeste seguindo o rio, agora pela margem esquerda. Eu não tinha essa trilha no gps mas tudo indicava que estava no caminho certo. 

Em 4min entrei no bosque e caminharia o dia todo dentro dele (portanto sem tanta necessidade de protetor solar nesse dia). Algumas janelas na mata para a direita deixam ver o cinzento Rio Blanco. Cruzei três riachos, duas porteiras, outro riacho e começaram a aparecer as valas profundas por onde a trilha corre, valas de 3m a 4m de profundidade! Nesse trecho encontrei com o sr Lalo Muñoz voltando para casa a cavalo e conversamos bastante. 

Caminhava cercado por árvores enormes, bem altas e de tronco que necessita várias pessoas para abraçar. Cheguei às 15h28 a um bonito riacho cristalino cercado de pedras brancas e parei para lanchar. Saí às 15h43. Mais dois riachos, uma porteira e percebo a vegetação mudando. Aparecem inclusive samambaias. Sinais da Selva Valdiviana. 

Às 17h09 surge uma trilha à direita com a placa: "seguir por la derecha los peatones (pedestres)". Aqui entronca a trilha que vem da margem direita do Rio Blanco, aquela que tentei fazer mas a ponte estava no chão.

Mais um riacho e topei às 18h17 com uma bifurcação com placa: Rio Blanco à direita e Ralun à esquerda. Esse caminho "Rio Blanco" desce esse rio para o norte para chegar ao Lago Todos os Santos, de onde se pode contratar um barco para Petrohué e seguir para Puerto Varas e Puerto Montt (Chile). Ou um barco na direção contrária (leste) para Peulla e voltar à Argentina. Mas o meu caminho era por terra mesmo e para Ralun, então segui para a esquerda. 

Mais um riacho, uma porteira, outro riacho e às 18h40 saio do bosque para um pasto, sinal de que se aproximava outro sítio. Passei por vacas pastando, subi levemente e avistei a casa abaixo. Cheguei a ela às 18h51. Toda de tejuelas de alerce também, mas em mau estado de conservação. Havia luz acesa, bati, esperei, mas não apareceu ninguém, deviam estar na roça. Provavelmente era a casa de Tito Velázquez (mas li em outros relatos que seria a casa de Pedro Muñoz, o que me deixou em dúvida). O sr Lalo disse que teriam queijo, por isso me interessava ainda mais encontrar alguém. Para não acampar no quintal e causar algum incômodo me afastei um pouco (pura bobagem...). Continuei o caminho, cruzei um riacho pelas pedras, passei uma porteira e encontrei um bom local para acampar antes do próximo riacho e junto a uma matinha. 

Altitude de 262m.

Temperatura mínima durante a noite fora da barraca: 7,3ºC

20200229_150852(0).thumb.jpg.33aac3816da40ce90065b2d84ab42299.jpg

Laguna de los Palos

5º DIA - 29/02/20 - da Casa de Tito Velázquez ao Rio Conchas

Distância: 17,7km
Maior altitude: 359m próximo à Laguna de los Palos
Menor altitude: 223m no Rio Conchas
Resumo: nesse dia cruzei a vau o Rio Quitacalzones (Laguna de los Palos) e depois quatro vezes o Rio Conchas. Mais um dia de pouco desnível, com apenas uma subida mais acentuada de 66m de altura.

8h da manhã: 8,4ºC

A barraca amanheceu com o sobreteto ensopado de novo pela condensação. É uma barraca 4 estações, para montanha, por isso ocorre tanta condensação. Ainda bem que tive outro dia ensolarado para secá-la antes de arrumar a mochila. 

Quando desmontava acampamento passou um homem a cavalo na trilha na direção de Ralun. Me cumprimentou de longe. Voltei à casa para ver se havia alguém, mas aquele homem era justamente o morador. 

Quando saía para iniciar a caminhada apareceram os primeiros corredores que estavam fazendo uma prova do Lago Cayutue ao Lago Todos os Santos. Depois foi uma chateação cruzar com tanta gente correndo naquela trilha tão estreita. A sinalização de fitas vermelhas que vi no final do dia anterior era por conta dessa prova.

Saí do meu local de acampamento no sentido sudoeste às 11h25, o que se mostrou muito tarde para chegar ao Lago Cayutue ainda nesse dia. Entrei na sombra do bosque, cruzei uma porteira e saí num gramadão com vista para as montanhas às 12h29. Mais 5min e cheguei a um sítio abandonado com as casas semidestruídas. Curioso ver mesa e cama ainda dentro da casa. Ao redor pés de maçã, ameixa, cereja e castanha-portuguesa. Parei para descansar na sombra e passaram algumas pessoas a cavalo na direção contrária. 

Saí às 13h20 e cruzei um riacho por uma ponte improvisada com três troncos. Depois dele a trilha atravessou um gramado na direção sudeste. Entrei num bosque e ao sair dele às 13h35 a trilha bifurcou no pasto: à esquerda uma porteira e depois uma casa com gente (fumaça saindo da chaminé), mas achei melhor seguir pela direita, cruzei um riacho num tronquinho e ao me deparar com outra porteira não a cruzei e sim quebrei para a direita pelo campo sem trilha até que ao final dele encontrei uma trilha. Não me aproximei da casa e não soube quem mora nela.

20200229_180056.thumb.jpg.f83e6fd48ab4dcb645ba16c2a3bebd57.jpg

A trilha já se transformou em valas profundas

Cruzei uma porteira e entrei no bosque. Outra porteira e me aproximo de um rio que está à esquerda, um dos vários formadores do Rio Quitacalzones. Numa bifurcação fui à esquerda pois à direita havia um lamaçal, mas os dois lados se encontram 200m depois. O rio à minha esquerda deságua na Laguna de los Palos, mas eu começo a subir. Reaparecem as valas profundas por onde a trilha corre. E árvores enormes também. Vejo à esquerda pelas frestas da vegetação a Laguna de los Palos bem abaixo (também chamada de laguna del bosque inundado). Depois de subir 66m (de altura) a trilha desce e volta ao Rio Quitacalzones já extravasando da laguna. Às 14h39 foi a primeira vadeação (palavra feia; vado, em espanhol, é bem melhor) desse dia. Rio raso, água acima do tornozelo, correnteza fraca, portanto nenhuma preocupação (em dias sem chuvas). 

Parei na campina da margem esquerda para um lanche e depois fotos da Laguna de los Palos. Continuei às 15h35 e encontrei outro rio para vadear apenas 170m depois. Nesse caso se você estiver usando um calçado reservado para essas travessias de rio nem vale a pena tirá-los. Eu já havia calçado as botas e consegui cruzar esse rio por pedras e troncos sem precisar calçar os tênis de novo. Ufa!

Cruzei mais uma porteira (com vacas) no bosque, dois riachos e saí num gramado às 16h40. Atravessei o Rio Hueñu Hueñu pelas pedras e reentrei no bosque. Esse riacho deságua no Quitacalzones formando o Rio Conchas, o qual acompanharei e cruzarei a vau quatro vezes até o final do dia. Saí dessa mata para a direita seguindo as fitas vermelhas da prova mas reentrei nela apenas 200m depois cruzando um riacho raso às 17h11. Cruzei pastos e bosques com valas profundas cheias de barro (deve ser um terror na época de chuvas) até que às 18h15 cheguei a outro sítio, mas só vi vacas. 

Entrei em outra mata (com arrayanes) e saí dela para a direita diretamente nas pedras da margem do Rio Conchas. Caminhei quase 100m pelas pedrinhas e não estava encontrando a continuação da trilha para reentrar no bosque à esquerda. Olhei para a outra margem do rio e vi um totem. Foi a primeira de quatro travessias a vau desse rio (18h55). Água na canela e correnteza fraca. 

Reentrei na mata, agora na margem direita do rio e caminhei 1,1km até encontrar o rio de novo. Caminhei pelas pedras da margem por 80m e tirei as botas outra vez para entrar no rio, que bateu no joelho dessa vez (19h40). Aqui é melhor permanecer com o calçado reservado para água pois as travessias vão ser em sequência. Até tentei encontrar um caminho pela mata que evitaria essas duas travessias seguidas mas ele sumiu. Na margem esquerda agora cruzei outra matinha e voltei às pedras do rio. Atravessei o rio pela terceira vez (19h57) e a água chegou ao joelho. Mais 1,1km pelo bosque da margem direita e o cruzei de novo com água na canela às 20h28. Encontrei um gramadão na margem esquerda e pelo horário resolvi acampar ali.

Altitude de 223m.

Temperatura mínima durante a noite fora da barraca: 10,8ºC

20200301_111310.thumb.jpg.e59d2c5d201351a66bdb0296d85b8536.jpg

Rio Conchas

6º DIA - 01/03/20 - do Rio Conchas a Ralun (Chile)

Distância: 7,6km
Maior altitude: 435m no estacionamento
Menor altitude: 223m no Rio Conchas
Resumo: nesse último dia de caminhada apareceram duas subidas: ao chegar ao leito "gramado" do Lago Cayutue subi 139m e desci tudo de novo para voltar à margem; ao deixar o Lago Cayutue subi 203m até o estacionamento no início da estrada para Ralun.

8h20 da manhã: 11,7ºC

Comecei a caminhar às 11h15. Saí do bosque para um gramado e cruzei um riacho pelas pedras. Surgiu uma casa semidestruída à esquerda com pés de cereja e castanha-portuguesa. Saí dela na direção norte mas há vários caminhos pisados. Numa sequência de bosques e pastos cheguei à extremidade leste do Lago Cayutue, mas aqui ele parece mais um gramado. Ainda faltava muito para alcançar sua área de acampamento. A trilha entrou no bosque às 12h10, fez uma curva para a esquerda e apareceu uma subida longa e inesperada. Há quem caminhe pelo "gramado", mas há o risco de encontrar um pântano ou ter de caminhar dentro da água. Frestas na mata deixavam ver o lago lá embaixo. Subi 139m.

Descendo, passei por valas muito fundas, uma porteira, um riacho e às 13h08 cheguei à margem sul do lago. Visão espetacular. Contornando o lago não deixei escapar nenhuma amora, eram as primeiras da temporada e estavam deliciosas. Passei por mais valas bem fundas e alcancei um gramadão com muito vento às 13h34. Caminhei para a direita para me reaproximar do lago e cheguei às suas margens em 7min. Lindo lago! No acampamento contei nove barracas. Fiz muito bem em parar lá no rio. Do lago se avista o Vulcão Puntiagudo ao norte. Há vários caminhos no bosque, mas a saída para a estrada é na direção sudoeste a partir do acampamento. 

Cruzei aquele gramadão e reentrei no bosque às 14h. Logo apareceu um riacho e pensei que teria de tirar as botas de novo, mas consegui me equilibrar no tronco à esquerda. Parei ali para um lanche rápido, queria chegar logo à estrada para aumentar a minha chance de carona com as pessoas voltando do lago. Seriam 10km de estrada até Ralun, bastante para ir caminhando. Além disso conseguir carona no sul do Chile é algo bem fácil. 

Saí às 14h28. Depois do riacho veio uma subida suave mas muito molhada e enlameada de quase 500m! Cruzei quatro riachos e saí da sombra do bosque. A trilha se transformou numa estradinha de pedras. Passei pelas primeiras casas e cheguei às 15h22 a um estacionamento, mas só carros 4x4 conseguem chegar ali. Subida de 203m desde a margem do lago.

Menos de 200m depois passei por uma camionete parada na estradinha e o sujeito que estava conversando com o motorista me chamou e me ofereceu carona. Caramba, carona caindo do céu assim! Ficou surpreso quando lhe disse que estava caminhando havia seis dias. 

20200301_134514.thumb.jpg.fea3ae5cdc68c18e4270dfc1cd32ee01.jpg

Lago Cayutue

A estrada nesse trecho é terrível, muitos buracos e pedras. Quase 4km descendo passamos pelo estacionamento onde carros baixos têm que parar. Mais 6,6km e chegamos à rodovia V-69, que liga Ensenada (oeste) a Caleta Puelche (leste). Eu sabia de dois campings à esquerda na rodovia mas ele quis me levar para a direita, mais próximo da ponte do Rio Petrohué. Me deixou às 16h05 no mercadinho El Fundo, 800m depois da ponte, onde eu poderia comprar comida e perguntar de camping. O mercado não tinha pão nem queijo, de lanche de trilha só tinha bolachas. 

O único lugar para acampar ali perto seria no gramado na margem do Rio Petrohué tratando com o dono do terreno na casa próxima. Não tem placa de camping nem tem nome, na frente da casa tem um letreiro escrito "Excursiones de pesca Luis". Cobram CLP4000 (R$29,63) com banheiro e wifi só na casa e sem ducha (banho no rio). Por sorte as meninas da casa fizeram pão amassado (pão caseiro chileno) para eu jantar e levar na próxima caminhada de dois dias, que seria o retorno à Argentina pelo Passo Internacional Rio Puelo (relato aqui).

Altitude de 3m.

Informações adicionais:

. para chegar ao início da trilha em Pampa Linda deve-se tomar o transporte em van das agências Transitando Lo Natural (Rua 20 de Febrero, 25) e Travel Light (Rua 20 de Febrero, 426, www.travelighturismo.com). Ambas estão muito próximas do CAB (Club Andino Bariloche) e da Intendência do Parque Nacional Nahuel Huapi, bem no centro de Bariloche. O transporte da Transitando Lo Natural sai da frente da agência e o da Travel Light sai da frente do CAB. Ambos saem às 8h30 da manhã e é recomendável comprar a passagem um dia antes. Preço em fev/20: ARS900 (R$56,25). Não há transporte público de Bariloche a Pampa Linda.

. a entrada no Parque Nacional Nahuel Huapi custa ARS400 para estrangeiro (R$25; fev/20)

. para fazer qualquer trilha no Parque Nacional Nahuel Huapi é obrigatório fazer o registro de trekking. É gratuito e pode ser feito pela internet (www.nahuelhuapi.gov.ar), na Intendência do parque nacional em Bariloche (Av San Martin, 24) ou nos postos de guardaparque.

. em Pampa Linda há dois campings: Camping Los Vuriloches: ARS550 por pessoa + ARS250 a ducha (www.campinglosvuriloches.com)
Camping Agreste Rio Manso (da Hosteria Pampa Linda): ARS300 por pessoa + ARS250 a ducha

. em Ralun acampei num gramado na margem direita do Rio Petrohué onde o dono cobra CLP4000 (R$29,63) com banheiro e wifi só na casa e sem ducha (banho no rio). O local não tem nome, deve-se tratar na casa com placa "Excursiones de pesca Luis".

. em Ralun há ônibus para Cochamó, Rio Puelo e Lago Tagua Tagua na direção leste e Puerto Varas e Puerto Montt na direção oeste

Rafael Santiago
fevereiro/2020
https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br

 

545618773_VurilochesGEcolorido.thumb.JPG.3fc8bf3e82577f2dbb9b06c29b015970.JPG

 

1755072771_VurilochesGEcoloridoparcial1.thumb.JPG.40a29511a6d724a9407d9b4f0a1cfd72.JPG

 

316013826_VurilochesGEcoloridoparcial2.thumb.JPG.5b3faee5ce45fa2187d9a6e96b1acd61.JPG

 

  • Gostei! 2
Link para o post

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
×
×
  • Criar Novo...