Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

8 dias de um casal no RJ de carro (Costa verde e Região dos Lagos)


Posts Recomendados

  • Membros

Buenas,

em tempos de pandemia, tacamo as máscaras no rosto e metemos o pé na estrada.

Partimos de Sâo Paulo/SP no sábado de manhã 17/10/20, rumo a Paraty.

a idéia era ir pela Rodovia Tamoios e parar em Trindade, antes do Centro de Paraty, porém o dia amanheceu bastante nublado e chuviscando, meti o pé na Dutra mesmo para pegar a estrada Paraty-Cunha e já sair no centrão, Trindade ficaria pra outro dia (segunda-feira 19/10).

antes disso, paramos no Santuário de Aparecida do Norte, fazia anos que não íamos lá, tá bem diferente, obviamente, agora tem até um bondinho que dá acesso a um mirante com uma vista bem bonita da Igreja/Cidade, valeu a pena a visita, que Deus abençoe o rolê (e abençoou). 

partimos enfim para estrada Paraty-Cunha, nunca tinha andado por lá, gostei bastante, apesar de alguns trechos que requerem bastante atenção, porque fica estreito e só passa uma mão, de resto a estrada é bem estruturada, não achei perigosa como dizem, mas claro, é bom descer engatado, sem querer inventar.

já na descida, antes de entrar na cidade de Paraty, bem na beira da estrada fica a Cachoeira do Tobogã e o Poço do Tarzan, junto com os famosos alambiques da cidade (esse tour custa em média R$60,00 por pessoa para quem vai com as agências saindo de Paraty), na entrada da Cachoeira do Tobogã tem uma igrejinha e junto dela um estacionamento, custa R$10,00 a diária, a Cachoeira é bem legal, quem não se importou com a falta do sol estava escorregando nas pedras, que de fato forma um tobogã natural, a natureza é incrível...onde rola a queda do tobogã é um pouco fundo, importante saber nadar...o poço do Tarzan é mais tranquilo de ficar. 

Em frente a igreja, fica o Alambique Engenho D'ouro, não achei esse tão interessante e preferi descer um pouco mais a estrada até chegar em uma estradinha a esquerda, antes de uma ponte, vai nessa estradinha até o fim, cerca de 3 minutos, lá fica o Alambique Paratiana, dei uma borrifada no álcool em gel pra entrar, era feito de cachaça, achei sensacional. Na hora que estávamos degustando as cachaças e os licores, tem muitos, chegou uma galera do tour, a atendente disse que poderíamos participar do tour pela fábrica junto com o grupo sem pagar, ela conta a história do alambique e explica todo o processo de fabricação, é bem interessante. Voltamos para a loja, lá fabrica e vende a famosa cachaça Gabriela  Cravo e Canela, que na real parece mais um licor, é boa demais, só que um pouco caro, R$47,00 a garrafa de 700ml, trouxe uma pra casa. (a vendedora disse que ainda esse mês os preços iriam aumentar, mas não sei se foi papo de vendedor).

voltamos para a estrada, nessa mesma estradinha do Alambique fica aqueles tradicionais letreiros das cidades turísticas (eu amo Paraty).

agora fomos de fato para o centro de Paraty, ficamos hospedados a 3 quadras do centro histórico, uns 5 minutos de caminhada, a cidade está sem bloqueio de acesso, a maioria das pessoas usam mais a máscara quando vão entrar em algum estabelecimento (por ser obrigatório), andando nas ruas vimos bastante moradores sem, os turistas normalmente estavam o tempo todo de máscaras.

ficamos na Pousada Brisa do Leste (inclui café da manhã e tem garagem, únicas exigências que eu tinha) de resto a pousada é super simples, mas atendeu muito bem, a dona super atenciosa, ela nos contou sobre a crise financeira causada pela pandemia, pagamos R$ 462,00 por 3 diárias, guardamos as malas e fomos caminhar no Centro histórico e almoçar.

de fato o centro histórico de Paraty é apaixonante, andar e trupicar nas pedras é algo único, toda aquela arquitetura das casas, todas iguais com cores diferentes, onde não entra carro, amamos andar por ali...a variedade de restaurantes é grande, nesse primeiro dia almoçamos no Candeeiro, pedimos um salmão grelhado, não era exatamente filé, tinha uns espinhos, já comi melhores, ali tomei meu primeiro Jorge Amado (primeiro de muitos) drink da cidade feito com a cachaça Gabriela, mais a adição de maracujá e limão, é sensacional de tão boa, imperdível. 

caminhamos bastante pelo centro e fomos conhecer a cervejaria Caborê, aos sábados rola um tour pela fábrica as 17h, fomos sem agendamento prévio e conseguimos um encaixe na segunda turma, foi bem interessante...lá mesmo na fábrica tem um bar, onde é possivel pedir a régua que vem 6 shots, sendo possível degustar todas as cervejas, pelo preço R$16,00, achei que compensou...depois óbvio que pedi um chopp da que mais gostei, a IPA.

após voltar pro hotel, saímos a noite para centro histórico novamente, paramos em um barzinho chamado  Prosa, tinha música ao vivo, tinha o drink Jorge Amado, noite completa, super recomendo esse lugar, preços juntos e bem aconchegante...na volta passando por uma das lindas ruazinhas sentimos um cheiro de doce sensacional, vinha da sorveteria Miracolo, tivemos que perguntar de onde vinha todo aquele perfume, era das casquinhas dos sorvetes, eles fabricam lá mesmo, pedi um sorvete de Mirtilo, sensacional!

fim do dia, no domingo iríamos pro passeio de escuna.

continua...

 

  • Vou acompanhar! 1
Link para o post
  • Membros

18/10/2020 (domingo)

fechamos o passeio com a Paraty Experience pelo whatsapp da empresa, escolhemos o trajeto da Escuna Ilha Rasa por R$140,00 o casal.

e escuna está atendendo com a capacidade reduzida, a bordo é obrigatório o uso de máscaras, porém a maioria fica bebendo algo e tals, aí sabe como é...

o embarque é feito pelo cais, em frente a famosa igreja de Santa Rita de Cássia,  cartão postal da cidade.

a escuna saiu pontualmente as 11hrs, retorno previsto para as 16hrs. Tendo pausa de 1h em cada lugar.

os funcionários são bem alto astral, ponto positivo.

a primeira parada foi na Ilha Rasa, ilha que dá o nome pra escuna, tem uma pequena prainha em alto mar, a vista é linda, valeu a pena conhecer.

a segunda parada foi na Ilha Comprida, chamada de Aquário natural de Paraty, excelente pra mergulhar junto os peixinhos que aparecem ao redor da escuna, os funcionários fornecem flutuantes e até coletes pra quem pedir primeiro.

saindo daqui até o ultimo destino é servido almoço na escuna, pagamos R$35,00 o strogonoff de frango, valeu a pena...e também servem Jorge Amado, clarooo.

a terceira e última parada é na Praia da Lula, praia paradisíaca que só é possível chegar através de barco, tudo mundo desembarca e vai até a praia em botes, foi ótima pra descansar após o almoço.

voltamos para a pousada, a noite sairíamos pra jantar, dessa vez escolhemos pizza, na real fomos abordados por uma funcionária na porta enquanto andávamos pelo centro histórico, era uma argentina bastante simpática, recomendo muito a Pizzaria da Cidade, massa e recheios incríveis, experimente pedir azeite para o garçom, ele trás uma variedade de azeites temperados, bão demais! Nesse restaurante também tem um chopp IPA que gostei muito, da cervejaria Maré, que fica em Angra dos Reis.

na manhã seguinte vamos conhecer Trindade.

continua...

 

 

 

 

  • Vou acompanhar! 1
Link para o post
  • Membros

19/10/2020 (segunda-feira)

Partimos umas 9hrs para Trindade, só voltar uns 40 minutos pela BR-101 sentido São Paulo, fomos direto para um estacionamento localizado na Praia do Meio, pagamos R$15,00 a diária, no estaciomento tem banheiro e ducha.

fomos caminhando rumo as piscinas naturais do Cachadaço,

a primeira trilha bem curtinha, cerca de 10 minutos no máximo,  nos deixa na Praia do Cachadaço, passamos reto por ela, no final, subindo umas pedras chega a trilha que dá acesso as piscinas naturais, aqui a caminhada é um pouco mais intensa, por ser bastante íngreme, cerca de 20 minutos (tem a opção de barco-táxi até a Praia do Meio) fomos de boa, chegamos inteiros nas piscinas...lindas como nas fotos, adoramos lá, a maré estava bem baixa no dia, estávamos de boa, até eu querer ir mais pro fundo e cortar o pé em uma pedra, mas ok, nada grave, só evitem ficar andando muito dentro das piscinas...nesse dia inclusive estavam todos lá em alerta, por conta de águas vivas passando bem perto das pessoas, nos resta apenas respeitar, os intrusos somos nózes.

pensamos em voltar de barco-táxi, mas resolvemos encarar a trilha mesmo...paramos pra descansar na praia do Cachadaço, praia de areia bem firme, não é de tombo, dá segurança em entrar e mergulhar, adoramos lá...comemos queijo coalho por lá, 3 por R$20,00.

voltamos para a Praia do Meio, ficamos um pouco e nos despedimos de Trindade, por ser um destino perto de SP, ficamos com a sensação que voltaremos, valeu muito.

voltando pra Pousada, saímos a noite pra jantar e respectivamente nos despedirmos de Paraty e seu centro histórico apaixonante.

queríamos lanche, e pesquisando, fomos até a hamburgueria Van Gogh, tudo muito caprichado, batata deliciosa, valeu muito!

na manhã seguinte partimos para Búzios.

continua...

 

  • Vou acompanhar! 1
Link para o post
  • 2 semanas depois...
  • Membros

20/10/2020 (terça-feira)

tomamos café no primeiro o horário e metemos o pé pela BR-101 rumo a Região dos Lagos.
até a Av. Brasil foi tranquilo, porém na hora de acessar a ponte Rio-Niterói a alça de 
acesso estava bloqueada por obras na pista, 
o GPS deu aquela leve recalculada no trajeto, 
momentos de tensão, aquele medo de entrar em ruas erradas em um RJ um tanto quanto perigoso, 
mas grazadeus foi de boa, logo estávamos na ponte Rio-Niterói sentido Búzios, 
dirigimos por cerca de 6hrs com uma parada na Casa do Alemão para tomarmos um lanche,
foi o melhor chucrute que já comi, digassi de passagi.
e entrada em Búzios tá sendo controlada, tivemos que apresentar a reserva do hotel na barreira da Polícia Federal.

ficamos hospedados no Colonna Park Hotel, 
investimos um pouco mais nessa estadia pois estávamos de lua de mel, que foi adiada por conta da pandemia.
esse é um hotel 4 estrelas sensacional, o hotel tem uma escadaria própria que dá acesso as praias de João Fernandes e João Fernandinho,
chegamos por volta das 16hrs, ainda fomos caminhar e conhecer as praias do hotel,
a praia de João Fernandinho é incrível, com sombra natural, excelente pra praticar mergulho, ficamos a maior parte do nosso tempo em Búzios nessa praia,
no fim do dia fomos privilegiados com um pôr-do-sol da janela do hotel.
o jantar foi no próprio hotel, caro para um prato normal, foi mais ou menos,
não quisemos ir pro Centro, pois já tinha dirigido demais e a Rua das Pedras ficava á 10min de carro do Hotel.

continua...


21/10/2020 (quarta-feira)

Amanheceu com bastante sol, passamos o dia na praia de João Fernandinho,
águas cristalinas, é possível avistar os peixes ao redor, lugar sensacional
voltaria com certeza...possui aluguel de snorkel, colete, stand up, quiosque bem estruturado,
único porém é a temperatura da água, um pouco fria, mas é normal do sudeste.
na parte da tarde/noite fomos conhecer o centro de Búzios, Rua das Pedras e Orla Bardot,
baixei um app de créditos zona azul (Summer Búzios), achei uma vaga próximo ao centro e ativei 4 hrs,
pegamos um por do sol bem bonito por lá, é um charme total andar por aquele calçadão.
Mais a noite paramos para jantar no Madame Bardot, restaurante beira-mar,  super recomendo,
pedimos uma moqueca carioca, sensacional, em dias de semana tem "promoção" de pratos para duas pessoas por R$99,00.

continua...

  • Vou acompanhar! 1
Link para o post
  • Membros


22/10/2020 (quinta-feira)

No nosso último dia em Búzios fomos explorar mais praias, ficamos no hotel curtindo a piscina até a hora do check-out,
partimos para a Praia Brava, ficava a 8min do hotel, também funciona por estacionamento rotativo, usamos o app.
Praia de altas ondas, linda vista, no final dela, no canto direito, começa a trilha de 20m até a praia Olho de Boi,
não é uma praia oficial de nudismo, mas praticam isso por lá, até pensamos em ir, mas desistimos no caminho, deu pra avistar ela lá do alto no meio da trilha, a praia é bem pequena, tinha um pouco de movimento, enfim, não sentimos segurança,
voltamos e ficamos um tempo curtindo a praia Brava...
próxima e última praia do roteiro foi a Praia da Tartaruga, falam que é a água mais quente de Búzios, achei bem agradável de fato, tem um estacionamento oficial da praia, R$10,00 a diária.
ficamos o resto do dia lá, a noite iríamos nos despedir do Centro de Búzios, pois pela manhã partimos para Arraial do Cabo.
passamos essa noite em uma pousada mais em conta, super recomendo pela sua localidade, 8min a pé da rua das Pedras, tem café da manhã e estacionamento, a pousada se chama Salomé Beach House.

continua...
 

  • Vou acompanhar! 1
Link para o post
  • 1 mês depois...

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Matheus Verdan
      O vídeo acima explica quais são exatamente, todos os documentos necessários para entrar na Argentina com seu automóvel.
      Algumas informações e duvidas de muitas pessoas como:
      - Posso viajar com o automóvel financiado?
      - Qual seguro preciso ter para entrar na Argentina?
      - É exigido alguma vacina para entrar na Argentina?
      As perguntas acima são algumas de muitas outras que você não terá mais duvida depois de ver esse vídeo.
      ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
      Comprando seu produto na Desacelerados Store, você me ajuda a continuar fazendo esses videos explicativos a fim de te ajudar a fazer sua viagem de forma tranquila ao exterior.
      E-commerce Desacelerados Store - De motociclista para motociclista.
      www.desaceleradosstore.com.br
      Equipamentos para viagens de moto e muito mais.
      ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
      Direção Nacional de Imigração:
      Dirección: Av. Antártida Argentina, 1355, Ciudad de Buenos Aires
      Código postal: C1104ACA
      Teléfono: 54 (011) 4317-0234
      Correo electrónico: [email protected]
      ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
      Contatos importantes
      Em caso de emergência, recomenda-se que o brasileiro disque o número 107, serviço de pronto-socorro municipal que pode enviar uma ambulância ao seu domicílio ou hotel. Brasileiros que passem mal em Ezeiza, entretanto, ou fora da cidade de Buenos Aires, devem chamar o Serviço de Emergência da Província de Buenos Aires, pelo telefone 911.
      Os dados dos serviços de utilidade pública da Argentina são:        
      Ambulâncias: 107       
      Bombeiros: 100          
      Defesa Civil (emergências): 103        
      Policia Federal: 101/911        
      Aeroportos: 5480-6111          
      Buetur (assistência ao turista): 0800 999 283887     
      Auxílio à lista: 110     
      Hora certa: 113
      ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
      Links uteis:
      OS LINKS ESTÃO NO PRIMEIRO COMENTÁRIO DO VÍDEO.
      ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
      Se quiser qualquer informação sobre a viagem, será um prazer ajudar.
      Para acompanhar todas as fotos dessa trip espetacular entre no meu instagram: 
      @mathverdan 
      ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
      Gostou do Vídeo? Deixe aquele LIKE, não esqueça de COMPARTILHAR com seus amigos.
      ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
    • Por Fernando L
      Rodamos mais de 70.000 Km e apresentamos 226 cidades de SC e PR e suas atrações, com fotos, vídeos, informações e distâncias. O número de cidades aumenta periodicamente e novos detalhes são incluídos em cidades que foram visitadas novamente.  Cânions, formações rochosas,  cascatas, matas de araucária, monumentos e Igrejas, parques e zoológicos, rios e pontes, praias lindíssimas. Tudo isso e muito mais você encontra percorrendo os caminhos do Sul do Brasil de carro e nós mostramos um pouco de tudo isso. 
      www.belaurubici.blogspot.com
       
    • Por bvfurtado
      Galera, tudo bem? Amanhã, dia 30/01/2021 estou organizando entre amigos um passeio de barco para no máximo 10 pessoas, ilhas de Paraty, 6 horas de passeio, R$ 100,00 por pessoa. Casa um pode levar o que quiser para comer e beber. Não existe finalidade lucrativa da minha parte, só quero fechar um grupo maneiro, que curta viajar e curtir, para dividirmos o aluguel do barco...
      Quem animar chama aí (24) 988596110
    • Por rafacarvalho33
      Armação dos Búzios é um município brasileiro situado na região dos Lagos do estado do Rio de Janeiro. Próximo a Cabo Frio e a famosa Arraial do Cabo, localizada a menos de 200 km do centro do Rio.
      É uma península com oito quilômetros de extensão e 23 praias, Entre as principais praias, destacam-se Geribá, Tucuns, João Fernandes, Ferradura, Ferradurinha, Marina, Armação, Manguinhos, Tartaruga, Ossos, Brava e Olho-de-Boi, esta última reservada para a prática do naturismo. Buzios tem uma fama de ser cara, pelo menos sempre foi essa visão que eu tive da região, ate posso acreditar que antigamente devia ser um lugar mais exclusivo para aqueles que tinham muita grana, mas hoje em dia com o turismo nacional crescendo, Buzios se tornou mais democrática, não é necesário ter muito dinheiro, ja existem opção baratas para se hospedar e para se alimentar sem ter que vender um rim. Assim, foram 3 dias passeando por Búzios e conhecendo suas belas praias e nesse post buscarei dar algumas dicas para você que esta pensando em conhecer essa bela região.
        Orla Brigitte Bardot
      - Hospedagem e Transporte Bom, Búzios tem hospedagem para todos os gostos, desde pousadas carissímas a hostel e campings, tudo vai na questão do seu bolso, o importante é você entender como funciona a região para saber o melhor lugar para se hospedar, por exemplo, se você esta de carro, é mais viável você ficar um pouco afastado do centro, ate para não ter que deixar o carro na rua e ficar pagando Zona Azul ou em algum estacionamento privado, então como eu estava de carro, tive a opção de escolher um bairro mais afastado do centro, com mais silêncio e contato com a natureza, assim fiquei hospedado na Praia da Ferradura, por ter ficado ali eu tinha a opção de ir de carro ate o centro a noite para jantar e deixar o carro em algum estacionamento ($10) ou ate ir e voltar de Uber (15$).
      Caso, você não vá de carro, seria mais interessante ficar próximo do centro de Buzios ou próximo a Praia dos Ossos, é de lá que existem taxis maritimos que te leva a outras praias, ou você também pode ficar mais afastado e acabar utilizando o serviço de Uber para chegar nas demais praias, dificelmente você conseguirá percorrer as melhores praias a pé, algumas ficam ate próximas, mas outras ficam mais afastadas, então é melhor usar algum transporte para se locomover, seja na água, seja na estrada.
        Rua das Pedras
      - Alimentação
      Buzios atende a todos os gostos, desde os mais refinados ao mais simples, desde quem quer comer pratos com camarão a hamburguer, empanada e crepe, ou então o famoso Prato Feito, a maioria dos restaurantes fica localizada na famosa Rua das Pedras, onde você encontra algumas lojas de artesanato e é tomada por bares e restaurantes.
      Um lugar que eu fui e gostei muito com um preço super acessível é o Chez Michou, foi o melhor crepe da minha vida, nunca comi algo igual em um lugar super bonito, bem decorado, o espaço antigamente era conhecido como Patio Havana mas que agora esta se tornando o Chez Michou, além dessa opção, fui na Empanaderia Argentina, onde vende empanadas a um preço de 7$ cada uma.
      - Atrativos Bom, vamos ao que interessa né, que são os passeios, você tem 23 praias a sua disposição, cada uma com sua caracteristica e servindo para todos os gostos, ate quem quer ficar peladão, sim, tem uma praia de nudismo em Buzios.
                  *Passeio de Escuna
      Se você tem poucos dias em Buzios, você precisa fazer o passeio de escuna, antigamente pelo que os donos de agência falavam, era uma loucura, cada empresa fazia um preço e um roteiro diferente, ate que acabaram se organizando e assim todas as empresas fazem o mesmo roteiro e com o mesmo valor (60$), acabei decidindo pela empresa Água Viva, pois além de ter a melhor escuna, eles me pegariam na pousada pela manhã, assim não precisaria ir de carro ate o lugar do embarque.
      A dica que eu dou é depois do passeio de escuna, você aproveitar e ir ate a Praia Azeda e Azedinha e aproveitar o final do dia nessas duas praias, é de fácil acesso, feito por uma trilha de 20 minutos.   Praia Azeda
      * Praias
      Existem outros passeios em Búzios, mas como só tinha 3 dias resolvi focar nas praias.
      Em um dos dias conheci a praia Geribá e a da Ferradurinha (gostei muito dessa praia, fiquei nela boa parte do dia, após conhecer as duas anteriores, existe bar na praia e no acesso da praia existem restaurantes que vendem Pratos Feitos por 20$, otima opção para passar o dia).Ao ir embora, estava indo em direção a pousada, mas acabei mudando a rota e fui conhecer a praia do Forno, da Foca e o Mirante do Forno, e digo que se você estiver de carro, vale dar uma passada por lá. O mirante é muito bonito.
          Mirante do Forno   No terceiro e último dia fui conhecer a praia da Tartaruga, já tinha visto ela no passeio de escuna, mas resolvi passar o dia nela e fiz uma otima escolha, como era meio de semana ela estava totalmente vazia, sentei em uns dos bares na praia, pedi um bom drink e passei o dia relaxando e descansando, por estar vazia acabei alugando um caiaque (30$ por uma hora) e assim foi a minha ultima praia em Buzios. Nas praias de Buzios é normal se deparar com tartarugas, encontrei elas na Praia da Ferradurinha e na Praia da Tartatuga, foi sensacional.         Praia da Tartaruga
      Espero que tenham gostado do relato, para qualquer dúvida só mandar mensagem pelas minhas rede sociais, estou presente no Instagram no rafacarvalho33 e no Facebook no Follow The Portuga.
       
       
       
      Follow me
         
    • Por Ana Lazara Paiva
      Aproveitando o feriado do Natal resolvi aproveitar viajando, esta foi minha primeira viagem estilo mochilão e o destino escolhido foi Paraty, cidade que sempre me encantou devido a junção da parte histórica, que remonta a história colonial do brasil, e a deslumbrante Costa Verde do Brasil: uma conservada porção de mata atlântica formando um verdadeiro paraíso tropical com praias, cachoeiras, entre outros. 
      Vale ressaltar que não possuo carro e que todas as minhas viagens são low cost, ou seja, aqui vou compartilhar informações de como fiz para viajar sem gastar muito.
      Minha aventura começa em Passos, cidade do interior de Minas Gerais, sendo assim foi necessário primeiramente me deslocar de busão até o Terminal Rodoviário do Tietê. Tentei economizar nas passagens, sendo que nos trajetos Passos - São Paulo, e São Paulo - Passos, utilizei meu IDJOVEM, um benefício do governo onde é possível fazer trajetos interestaduais com 50% de desconto, ou então gratuitamente (depois posso fazer um post explicando mais sobre).
      Para chegar em Paraty não foi possível utilizar o IDJOVEM isso porque todas as passagens já haviam sido reservadas, sendo assim comecei a buscar alternativas, como caronas no aplicativo BlaBlaCar, ou então nos grupos de Facebook, entretanto o que mais compensou nessa trip foi utilizar o Buser, uma alternativa inovadora que estou completamente apaixonada, pois além de muito seguro oferece passagens de ônibus muito baratas! Para vocês terem ideia o trajeto São Paulo - Paraty pela empresa que possui guichê dentro da rodoviária custa em dezembro de 2020 R$111,15 já pela Buser paguei R$49,90. Vou deixar aqui o link para que vocês possam se cadastrar e procurar disponibilidade de passagens para Paraty ou qualquer outro destino: https://www.buser.com.br/convite/cqvkdy2. (Para primeira viagem você só paga a passagem de volta.)
      Foram aproximadamente 15 horas de espera somando ida e volta na rodoviária do Tietê devido a diferença de horários das conexões. Depois de um verdadeiro chá de rodoviária cheguei em Paraty durante à noite e fui direto para meu camping, e essa foi minha primeira experiência acampando. Fiquei no Camping Portal de Paraty e em dezembro de 2020 e paguei 35,00 a diária. Super recomendo esse camping, existem partes com tendas para proteger da chuva (que diga-se de passagem salvaram minha viagem pois choveu muito durante minha passagem por Paraty e eu não tinha uma super barraca), banheiro com ducha água quente, cozinha equipada e uma localização estratégica.
      Como eu disse anteriormente choveu muito durante essa viagem, por isso no primeiro dia foi impossível sair para curtir o mar, apenas já de tarde que eu aproveitei para conhecer o centro histórico de Paraty. Eu tenho que confessar que achava que o centro era menor, mas ainda existe uma porção bem conservada de casinhas coloridas, fiquei zanzando por entre as ruas, conheci o cais onde ficam os barcos que fazem os passeios (existem agências que fazem passeios de escuna, entre outros, como eu estava evitando gastar deixei para outra oportunidade), e as praias acessíveis de Paraty, que são impróprias para banho, mas valem para admirar a paisagem.

      No segundo dia a chuva já estava mais fraca, decidimos partir então para Trindade, uma vila onde ficam algumas das praias de Paraty, mas não espere nada luxuoso, o lugar tem uma vibe hippie e caiçara. Peguei o ônibus Trindade no ponto que ficava bem próximo ao camping, o valor da passagem em dezembro de 2020 foi de R$ 5 reais. Descemos em uma das primeiras praias do percurso do ônibus: a praia dos Ranchos. Nessa praia escolhi não ficar na parte onde estão os restaurantes e as cadeiras, isso porque prefiro locais mais vazios, e foi assim que descobri no canto oposto da parte badalada da praia um verdadeiro canto de paz, nessa parte existem imensas pedras, porém não recomendo tentar entrar na água pois as ondas quebram com muita força, mas dá sim para molhar os pés. Acho que por conta da chuva e da força da água não havia mais ninguém nessa parte, o que deixou o lugar ainda mais espetacular, foi um momento de introspecção, vendo a força do mar e claro tomando chuva hahaha mas esse foi de longe meu lugar favorito de Trindade. (No último dia descobrimos que andando mais pelas pedras você encontra uma praia para poder entrar).

      Depois de um certo tempo, parti para conhecer as Praias do Meio e do Cachadaço, as distâncias entre as praias são bem curtas e você consegue fazer o caminho a pé, aproveitando também para conhecer um pouco do centrinho de Trindade. 
      Na Praia do Meio apenas aproveitamos a passagem pois mesmo sendo cedo, já estava muito cheia, o que intensifica devido a faixa de areia pequena, entretanto é onde observei que as águas são mais calmas e sem fortes ondas, ou seja ideal para quem tem medo, ou então para quem pretende levar crianças.
      No final dessa praia é que fica uma pequena trilha de cerca de 10min que leva a Praia do Cachadaço, depois de atravessar o rio de água doce que deságua no mar é que fica o início da trilha. Pessoalmente achei muito tranquila de fazer, mas isso pode variar de pessoa a pessoa e quantidade de peso que você está carregando. 
      Como gosto mais de mar com ondas, a praia do Cachadaço foi excelente para passar um tempo, existem alguns bancos de areia, mas mesmo sendo um dia nublado com o mar mais agitado estava muito bom para tomar um banho. Na praia do Cachadaço existe outra trilha que leva às piscinas naturais, não visitamos esse local pois novamente estávamos evitando aglomerações, e o fluxo de pessoas que estava pegando a trilha era grande, logo resolvemos ficar apenas na praia onde havia mais espaço para relaxar.

      No terceiro dia fiz o passeio que mais estava com vontade, a trilha para a Praia do Sono. Deixamos para esse dia na esperança de que a chuva cessasse, acontece que não foi bem isso que aconteceu, apesar de existirem barcos que fazem esse trajeto, escolhi a opção que era mais barata, debaixo de chuva mesmo. Tomei o ônibus para a Vila Oratório, cujo valor também era de R$ 5,00. Você precisa descer no ponto final dessa linha que já é praticamente  no início da trilha. Posso resumir o trajeto em 3  palavras: chuva, lama e tombos! Mas a sensação de recompensa quando avistamos aquela praia praticamente deserta não teve preço. Essa trilha deve ser uma dificuldade média, com duração de 1h, mas por conta da lama e da chuva ficou mais complicada e demoramos mais. A praia estava absurdamente vazia, e foi de longe o melhor passeio da viagem. Existem alguns campings e restaurantes por lá, além das casas da população tradicional caiçara que mora na Praia do Sono, mas novamente nada luxuoso, a única coisa que se pode ostentar nesse local é conexão com a natureza bastante preservada.

      No último dia voltamos à Trindade, o tempo ainda estava fechado, dessa vez descobri a praia do Cepilho, o lugar que eu citei mais acima, que você tem acesso pela Praia dos Ranchos, ela tem uma faixa de areia pequena, e é denominada como dos surfistas por conta das ondas, mas mesmo não surfando aproveitei muito pegando uns jacarezinhos. Também gostei muito dessa praia. Depois de curtir, retornamos para Paraty, dessa vez para desmontar nossa barraca e retornar para casa.
      Durante todos os dias cozinhei na própria cozinha do camping, além de levar lanchinhos e bebidas para praia, apenas em uma noite fui em um barzinho chamado Prosa (que pesquisei antes e foi classificado como um local barato) , recomendo o local pois tinha uma vibe legal, mas infelizmente comer em Paraty é bem caro, tanto nos preços do supermercado, tanto nos estabelecimentos. No bar pedi um Jorge Amado (caipirinha feita com uma cachaça de cravo e canela) que é um drink inventado e bem típico em Paraty, duas cervejas e duas porções e gastei R$240,00.
      Minhas considerações finais são que vale muito a pena conhecer Paraty e que 4 dias foram muito pouco!
       
×
×
  • Criar Novo...