Use o menu Tags para buscar informações sobre destinos! - Clique aqui e confira outras mudanças!

Ir para conteúdo

Posts Recomendados

Prezados,

 

Estou voltando de minha viagem Peru-Bolívia. Estou inclusive escrevendo da Starbucks do Aeroporto de Lima. Vi em vários guias (inclusive do Viajante Independente, na minha opinião, o melhor) que valia a pena comprar o boleto turístico de Cusco.

Na minha modesta opinião, o boleto não vale de nada. A não ser que haja interesse em museus e obras de arte sobre a história do Peru, o boleto só inclui atrações toscas. As melhores atrações - as ruínas, principalmente Ollantaytambo podem ser vistas pelo lado de fora.

Uma dica: as 4 ruínas ao redor de Cusco (a mais distante 11 km), que são percorridas pelo City Tour (USD 10) podem ser percorridas com um táxi, te deixando na mais longe, ou de bike (alugar em Cusco). Caso haja interesse em entrar nas ruínas, pode-se ficar de butuca e entrar pela saída ou mesmo pelos lados, já que são abertas. Aí é só filar um guia.

Para ir a Ollantaytambo, o melhor jeito é de taxi (50 soles e 1 hora). Só ir pela manhã e entrar pela saída das ruínas - também fazem parte do BOLETO. Caso não haja interesse em dar o balão, do lado de fora também pode-se tirar boas fotos e a própria cidade é interessante e há umas ruínas na entrada. Dá pra perder umas 2 a 3 horinhas lá fácil. De Ollantaytambo, saiem dois trens à noite para Aguas Calientes (um quase 19h e outro às 20:30) e aí não tem jeito porque não tem estrada.

Estou escrevendo isso porque achei este boleto um enganação, já que ainda é necessário pagar para as principais atrações de Cusco, como a Catedral (25 soles) e Qoricancha (10 soles). Pelo preço do boleto (130 soles), vale mais a pena entrar dois dias em Machu Picchu (122 soles), que tem o que fazer.

Entrei em MP às 6:30 da manhã e saí as 16h e ainda tinha muito o que andar e acabei não voltando no dia seguinte porque o ingresso era caro. Lembrando que com carteirinha da ISIC, os preços caem pela metade.

A referência dos preços é outubro/08.

Quem quiser saber mais algo, estou a disposição. Meu roteiro foi Rio-Lima(Aéreo), Lima-2 dias, Lima-Cusco (Aéreo), Cusco-Ollantaytambo(Tour), Ollantaytambo-Aguas Calientes (Trem),Machu Picchu (ônibus),Machu Picchu-Ollantaytambo (trem), Ollantaytambo-Cusco(táxi), Cusco-La Paz-Cusco (Aéreo), Cusco-Lima(Aéreo), Lima-Rio(Aéreo). Preferi fugir do caminho tradicioinal por falta de tempo e também porque comprar os vôos de ida e volta sai o mesmo preço de comprar somente uma perna.

 

Abraços

 

Bruno

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bruno

Aproveitando que você esteve recentemente em Cusco gostaria de enviar-lhe o meu roteiro e pedir sugestão já que faz pouco tempo que você foi lá

1º dia - chegada em Cuzco às 7:40 h da manhã aclimatação e visita a Praça das Armas, Catedral, Igreja e Convento e Companhia de Jesus

2º dia - pensei em ir em Pisac e Vale Sagrado

3º dia - Visita as ruinas : Qenqo, Puca Pucara, Tambomachay e a Fortaleza de Sacsayhuaman

4º dia - ida a taxi a Ollamta visita as ruinas e pegar um trem para Aguas Calientes ás 16:30h (chegando cedo em Ollamta dá tempo para conhecer as ruinas e pegar o trem às 16:30h? teremos tempo suficiente para conhecer?

5º dia - Machu Picchu e volta a Cusco no trem das 17:00h

6º dia - Cuzco (aceito sugestões)

7º dia - viagem para Lima às 7:30h

8º dia - Lima

9º dia - Lima-Recife

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bruno

 

O boleto turístico valia muito a pena sim, mas quando custava 70 soles (até 2007).

 

Em 2008, houve uma mudança e ele passou a custar 130 soles o completo.

 

Mas ainda acho muito legal conhecer no mínimo Pisac e Ollantaytambo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fiquei na dúvida...

 

Pra que vai fazer o valle sagrado e no máximo um city tour vale a pena comprar esse boleto? vc consegue comprar as entradas do vale sagrado individual? sai por volta de qnt? Muito museo e tal não é muito a minha praia.

 

130 soles realmente é puxado...ainda mais pra dois...pra quem vai ficar só uns 3 a 4 dias em cuzco...apesar q eu tenho a carterinha isic.

 

VLW!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Vale muito a pena sim.

 

Vai fazer todas as ruínas do City Tour e todo Valle Sagrado.

 

Também não gosto muito de visitar museus viajando e mesmo assim o boleto me serviu muito bem.

 

Site Oficial do Boleto Turístico de Cusco:

 

http://www.boletoturisticocusco.com/

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Acho que cuzco tem muita coisa alem do passeio pela cidade. Se alguem estiver interessado em outras opcoes poderam ver videos de um programa peruano, que mostra lugares interessantes do Peru inteiro (tem um programa feito em machu picchu onde o guia disse ao reporter q' machu picchu nao estava isolada, ja que tem otras cidades ligadas a ela e que esta proibido ao turista)

O programa se chama:

 

TIEMPO DE VIAJE - El otro Cuzco.

Machu Picchu.

Proyectos en el Valle sagrado.

 

Em vez de querer conhecer todas as cidades correndo (nazca, cuzco, puno, arequilla etc a maior parte viajando, nao seria melhor ficar em um lugar so e descubrir com calma e tempo pra disfrutar tudo que o lugar tem pra oferecer? A internet e muito util e pode se ter muta informacao.

 

Tem um srevico de tour em bicicleta pelos lugares turisticos do PERU, esta e a melhor agencia:

http://www.perubike.com/portuguese

(no video TIEMPO DE VIAJE proyectos en el valle sagrado aparece a rota de bike)

Espero que les sirva.

 

Os vídeos estão no Youtube

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Liliana

 

Dei uma olhada nos vídeos. Muito legal !!

 

Mas ainda acho que seriam complementos de locais que se deve conhecer em Cusco. As ruínas do City Tour são ótimas e o Valle Sagrado é indispensável.

 

Principalmente Pisac, que ao meu ver, é muito mais legal que Machu Picchu. A não ser pela localização. E nesse quesito, Machu Picchu é lindo.

 

A maioria dos locais que são mostrados no vídeo eu conheço, pois de moto da pra conhecer mesmo Cusco de maneira bem diferente do que é mostrado a turistas.

 

Ótima dica !!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi Leo

Que bom que gostou dos videos, nao to excluindo o city tour mais o passeio em bike achei o maximo, por que e mais pra apreciar a paisagem (tamben tem a cavalo).

 

As pessoas nem imaginan tudo que cuzco tem a oferecer.

A primeira vez que fui pra Cuzo, lembro que nos levaram a um lugar muito lindo. Nunca mais ouvi falar alguem ter ido ate la.

Pegamos o omnibus, saimos da cidade e era so subida. Era uma montanha na frente da cordilheira branca e tinha bastante burros salvagens pastando, a gente desceu do omnibus (nunca senti tanto em frio em Cuzco) e andamos em direcao aos burros com on nevados na nossa frente e ao rededor. Teve um momento que nao deu pra avancar ja que entre a nossa montanha e a cordilheira, embaixo tinha um valle enorme coberto por nubens (parecia o mar!!!), nao tinha ninguem so nois, e o sol tava se pondo. Juro que nunca vi nada igual.

pena que nao me lembro do lugar, foi ha muiiiiiiiiiiito tempo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

É... Cusco tem muito mais do que parece mesmo.

 

Esse local que vc foi podem ser vários...

Se passou pelo Valle Sagrado: Abra Málaga, Valle de Lares ou Patacancha.

Se não: Paucartambo, San Pedro ou Pilcopata.

 

Todos tem descrições parecidas.

 

Mas não entendi uma coisa... Foi na Cordillera Blanca mesmo ?? Cusco são três cordilleras: Cordillera Vilcanota, Vilcabamba e Urubamba.

 

Cordillera Blanca é na região de Ancash, onde Huaraz fica bem no centro.

 

Cusco é o maior barato. Vou todo ano pra lá e agora em junho devo ficar morando um tempo lá.

 

Cada vez mais, eu vejo mochileiros procurando coisas alternativas por lá. Esses passeios tradicionais já estão sendo trocados por aventuras autônomas, que ao me ver, são muito melhores.

 

Abraço,

Leo

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi Leo

Brigada pela imformacao e esta certo mesmo, nao e a cordilheira sao os nevados.

Vc ja foi? sabe se ainda tem tour levando ate la?

Vc conhece yauyos? se nao conhecer nao deixe de ir por que dizem que e uns dos lugares mais bonitos na regiao de Lima (mas nao fica muito perto).

 

abrazos.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Vou nas montanhas sempre, pois pratico iceclimber.

 

Existe tour, mas vou sempre por conta própria. De moto ou fretando algum veículo. Por tour é mais barato !! Vale mais pra quem quer conhecer e voltar.

 

Lima ainda não conheço. Quem sabe esse ano ainda...

 

Dei uma olhada em Yauyos no google e é mesmo lindo !!

 

Vou tentar conhecer !!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

youtube tiempo de viaje "reserva nor yauyos cochas"

acho este programa otimo aqui tamben tem um video do lugar

espero q de tudo certo na tua viagem

 

abrazos.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

EStou indo a cuzco fevereiro de 2009 , chego numa segunda as 15:00 horas no aeroporto de cuzco , tenho terça livre e a quarta hotel reservado em aguas calientes , na quinta tenho hotel em cuzco de novo ...

Estava pensando em alugar um carro e fazer o vale sagrado na terça e quarta pegar um trem a machu picchu logo cedo e na quinta retornar a tarde ...

O que me diz de tudo isso , o trem é façil de pegar , vale a pena alugar um carro ...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Nossa... Pra que todas essas reservas ? Que stresse :mrgreen::mrgreen:

 

Pode ser legal, mas vamos lá.

 

Aluguel de carro é uns 80 dólares. De moto uns 30. De moto é bem legal e não precisa ter habilitação :wink: .

 

Não entendi. Pretende alugar o carro pra fazer o Valle Sagrado e voltar pra Cusco no mesmo dia. E no dia seguinte pegar o trem de Cusco pra Águas Calientes.

 

Se quiser economizar... Pode fechar um passeio ao Valle Sagrado por alguma agencia (30 soles) e ao invés de voltar a Cusco, pode pegar o trem da noite e dormir em Águas Calientes. O legal é que vc acorda lá e vai bem cedinho pra Machu Picchu. Além do trem sair bem mais barato do que saindo de Cusco.

 

Pode também dormir em Ollantaytambo (final do Valle Sagrado e onde tem uma estação do trem) e pegar o trem lá.

 

Não vou te enganar. A viagem de trem é bem sacal. O melhor seria ir logo de carro via Abra Málaga até Santa Teresa. Muito mais bonito e barato !!

 

Quanto as reservas, o pessoal é bem flexível no Peru. Só contactar e alterar.

 

Aqui tem as dicas de como chegar lá: http://www.mochileiros.com/rumo-a-machu-picchu-com-moto-alugada-em-cuzco-t30718.html

 

Espero não ter te confundido mais !! :mrgreen::mrgreen::mrgreen:

 

Abraço,

Leo

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 9 de Maio chegaremos eu e minha esposa em cuzco. Alguém já fez os passeios do City tour e Valle sagrado de taxi. Sairia mais barato, ou seria o mesmo preço que na agência de turismo, levando-se em conta que são dois pagantes?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Já ouvi relatos de gente que fez esse passeio de táxi, mas você terá que negociar bem com o taxista. Não sei dizer se vale a pena.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá Leo

 

Estou indo para cusco no dia 20 de julho desse ano, e estarei de volta no dia 28/07. dentro desses 9 dias penso em ir ate machu pichu de trem e se sobrar um tempo ir ao lago titicaca...

Entrei em um dos fóruns vi algumas dicas legais: city tour, boleto turístico (mas rola muito museu, segundo o fórum...)

mas estou meio perdido pq é minha primeira vez em cusco, gostaria de uma ajuda o que vc me sugere?

Obs: que carteirinha é essa ISIC

 

Abraço ::sos::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá, Mineirense e esposa.

Sim, nós não só fzemos este passeio de táxi, como te passo o telefone do Jaime, o taxista que nos atendeu em todos os trajetos em Cusco e arredores.

Ele dirige bem, é educado e foi corretíssimo conosco.

otf_pic.php?pic_cat=users_pics&pic_id=user_66615_Resize_of_taxi_COonibus_010.jpg

JAIME (pronuncia Ráime) em Cusco 98494-2083. Isso mesmo, é grande assim.

Nós viajamos em 4 pessoas e fizemos um dia todo pelo vale sagrado por USD 50, dando USD 12,50 por pessoa.

Quase o mesmo que na empresa de turismo, mas com a vantagem de te dar o tempo que você quiser em cada sítio arqueológico, parar nos mirantes para fotos, tudo sempre de bom humor.

 

Como você não falou se vai desacer o vale sagrado e de Ollanta vai direto a Aguas Calientes, permita-me sugerir: compre as passagens de trem Ollanta/Aguas Calientes para as 8 da noite assim que chegar em Cusco economizando muito na passagem de trem (paga o táxi com folga), e passagem de volta também Aguas Calientes/Ollantaytambo porque há um mundo de vans que te cobrarão S10 pela volta até Cusco (depois de negociar porque lá tudo se negocia, ok?).

Comece o passeio bem cedo. A fortaleza de Sacsayuamán é linda.

otf_pic.php?pic_cat=users_pics&pic_id=user_66615_Resize_of_12_valesagr_037.jpg

 

Quenqo é pequena,o detalhe é que nela se faziam sacrifícios.

otf_pic.php?pic_cat=users_pics&pic_id=user_66615_Resize_of_13_vale_04_QENQO.jpg

 

Puca Pucará era uma espécie de escola, nela há uma maquete de Machu Picchu.

otf_pic.php?pic_cat=users_pics&pic_id=user_66615_Resize_of_14_vale_07_PUCARA.jpg

E Tambo Machay, que tem mais um cisquinho além do que te mostro na foto.

otf_pic.php?pic_cat=users_pics&pic_id=user_66615_Resize_of_15_vale_03_TAMBO.jpg

Tudo bem pertinho. Anda-se um tanto até o próximo sítio, que é Pisac.

 

Pisac é um susto, muito grande, com ruinas até o alto da montanha e vale umas boas horas de caminhada.

otf_pic.php?pic_cat=users_pics&pic_id=user_66615_Resize_of_16_vale_05_PISAQ_1241290206_738564.jpg

 

Sempre tendo atenção ao horário, pois leva-se perto de uma hora até Ollanta e a entrada do parque fecha ás seis.

E é uma pena perder este parque, pois ao contrário dos outros, fica dentro da cidade e sobe morro acima.

otf_pic.php?pic_cat=users_pics&pic_id=user_66615_Resize_of_17_vale_06_OLLANTA_1241290297_268529.jpg

 

Olha, nós fizemos nossa lição de casa e sabíamos o que iríamos ver na ruinas e igrejas dispensando guias.

Nas poucas vezes que tivemos guia foi só para ficarmos irritados, pois eles fazem tudo rapidinho para pegarem logo um outro grupo pagando USD 10 por cabeça...

Neste aspecto o Jaime mais do que valeu a pena!

E se não tiver passagem barata (porque a cara sempre tem....) para o dia seguinte Ollanta/Aguas Calientes, basta inverter, comprar as passagens de trem para dali uns 2 dias e fazer o roteiro histórico em Cusco primeiro.

 

Nós fizemos também Lima, Puno, Titicaca, Tiwanaku...

Postarei relato de viagem neste final de semana.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dê, Valeu as dicas.....Caso encontremos alguém para dividir o taxi, com certeza será o melhor.....para 2, ficaria um pouco puxado.....Marcos

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


  • Conteúdo Similar

    • Por carlos.alberto1
      Olá a todos, vou relatndando aqui alguns detalhes dessa trip durante a viagem mas quando chegar vou colocar um relato mais detalhado.
       
      Se alguém tiver alguma dúvida sobre esses trechos que passei, dúvidas sobre essas estradas para montar algum roteiro ou quiser trocar uma ideia pode entrar em contato no e-mail [email protected]
       
      1° dia: saímos de Goiânia as 8 horas da manhã e chegamos em Rondonopolis no MT as 17 horas. Em geral as estradas muito boas, depois de Minérios apenas pista simples além de muitos caminhões pesados. Na cidade tivemos dificuldade para achar um hotel na rodovia mas no centro havia muitas opções. Apesar de um dia cansativo, no final da tarde tivemos uma boa surpresa com o mirante da chapada.

    • Por henriquefarage
      Entre julho e novembro de 2017 parti pra uma viagem sem muitos planos, com pouquíssimo dinheiro, sem experiência e com passagem apenas de ida pra Bolívia. Foram quatro meses de viagem com muito aprendizado e muitos perrengues pra contar. Não sou muito adepto ao estilo "mochileiros" de relatar viagens. Nunca pensei em fazer este relato, mas acho que de alguma forma posso contribuir com alguma informação útil para os futuros mochileiros que passarem por onde passei. Sendo assim, não esperem fotos, preços (até porque nunca anotei essas coisas), tantos detalhes minuciosos do que comi, que horas fui no banheiro, qual papel usei. Enfim. Vou tentar ser bem objetivo na medida do possível.
      Destino: eu só queria viajar por algum lugar legal aqui na América do Sul pela proximidade e custos também (era minha primeira viagem assim, e sozinho). Então "joguei a roleta" e vi qual seria a passagem mais barata. Resultado: Santa Cruz de la Sierra, Bolíva. Com o destino definido, pensei no que fazer quando chegasse lá. Me cadastrei no Workaway e procurei um hostel pra trabalhar em qualquer cidade por lá. A primeira que me respondesse eu iria. Deu Cochabamba.

      Preparativos: saí de Vitória/ES com uma Mochila de 50L e uma pequena que usava na faculdade com notebook (jamais levem um notebook em um mochilão) e algumas roupas. Como aqui não faz frio, e nunca usei botas na vida, acabei comprando uma jaqueta impermeável com fleece dentro, um par de botas, uma capa de chuva pra mochila e um cobertor de viagem (tudo na Decathlon). Levei alguns remédios (um monte, porque não sabia quanto tempo ficaria viajando), RG, carteira de vacinação e foi isso.
       
      Bolívia: ainda não tinha muita noção de se locomover de um lugar pro outro, de distâncias e tal, pouco antes da viagem consegui um Couchsurfing em Santa Cruz. Então cheguei, passei uma noite lá, e no dia seguinte peguei o ônibus pra Cochabamba. Em Cocha trabalhei duas semanas no Jaguar House Hostel. Adorei a cidade, o clima, a organização. Aproveitei esse tempo pra pensar no próximo destino. Conheci bastante gente e todos iam pra La Paz. Mantive contato com um pessoal e me falaram que lá tinham party hostels que sempre precisava de voluntários. Escrevi pro LOKI e Wild Rover. O Wild Rover pareceu mais organizado, então acabando meu voluntário em Cochabamba fui direto pra La Paz atrás desse hostel. Cheguei de madrugada, paguei uma diária, e no dia seguinte já fazia parte da equipe. Passei quase 3 semanas trabalhando no Wild Rover La Paz. Experiência incrível, e que ainda me deu direito a fazer a Death Road de graça pela agência que fica na entrada do hostel (Altitude Biking). Pensei em fazer a tour do Uyuni mas eu não estava preparado pra tanto frio então deixei pra quando (se) voltasse. Nesse tempo meu próximo destino já tava definido: Cusco. Fui no terminal comprar passagem e já não tinha mais. Tentei Arequipa, também não tinha. Comprei pra Copacabana onde passaria uma noite e pegaria o ônibus no dia seguinte pra Cusco. Só que em Copacabana conheci um chileno muito gente boa e aí acabei indo com ele pra Isla del Sol acampar lá em cima, onde tem o bosque de eucaliptos e tal. Depois dessa aventura voltei pra Copa e mais tarde peguei o ônibus pra Cusco.
       
      Peru: Em Cusco eu sabia que precisava ganhar dinheiro se quisesse seguir viajando porque já tava ficando sem nada. Como não tinha nada planejado (óbvio), fui direto pro WIld Rover Cusco, falei que tinha trabalhado no de La Paz e pedi uma diária grátis. Usei essa diária apenas pra conversar com os managers e pedir pra trabalhar lá também. Eles pegaram minha referência de La Paz e no dia seguinte já comecei a trabalhar lá também. Enquanto trabalhava no Wild Rover saí pra buscar emprego na cidade, com classificados na mão e tudo. Em uma semana consegui emprego na agência de turismo Wilka Travel, onde fiquei por 40 dias. Neste tempo consegui vivenciar mais a rotina do cidadão cusqueño e me integrar a cultura daquela cidade. Com o salário consegui sair de hostel e alugar um quartinho modesto em San Blas e ainda aproveitar pra fazer alguns tours (pela agência conseguia descontos e gratuidades).
      Ainda em Cusco comecei a pensar nos próximos destinos e decidi que iria subindo ao norte até chegar na Colômbia. Infelizmente isso nunca aconteceu porque descobri que teria de voltar pro Brasil em algum momento antes do ano acabar, então tive que comprar uma passagem de volta com certa urgência. Comprei com saída de Buenos Aires. Eu teria uns 2 meses pra me virar pra chegar em Buenos Aires. Foi uma decisão difícil porque Chile e Argentina a essa altura da viagem já estavam bem distantes dos meus planos por serem países bem caros pra mochileiros. Mas fazer o que?
      Antes de sair do Peru dei uma passada rápida em Arequipa porque havia combinado com uma amiga de assistir um jogo do Peru x Colômbia lá no Wild Rover Arequipa. Passei três dias na cidade e não fiz tour nenhum simplesmente porque machuquei meu dedão na primeira noite (bêbado). De lá decidi que voltaria a La Paz pra trabalhar mais uns dias no Wild Rover, economizar uma grana, e e depois seguir pra Uyuni. Peguei um ônibus de Arequipa até Desaguadero, cruzei a fronteira caminhando, e peguei um trufi até La Paz.
       
      Chile: Mais uns 10 dias em La Paz (já era final de outubro) e eu ainda tinha que cruzar mais algumas fronteiras até chegar em Buenos Aires. Segui pra Uyuni, fiz o tour até a fronteira com o Chile e fui pra San Pedro de Atacama. Foi uma mudança brutal de preços pra quem estava por Peru e Bolívia, e eu certamente não tava preparado pra isso. Passei (acho que) três noites em um hostel lá apenas tentando Couchsurfing. Consegui em Viña del Mar. Assim que confirmei pensei "como chegar em Viña del Mar?". Carona, claro! Já tinha escutado que caronas são relativamente tranquilas no Chile. Então fui de San Pedro de Atacama até La Serena pegando carona atrás de carona. Como não tinha barraca pra dormir na estrada, acabei tendo que pegar um ônibus por 4 horas de um ponto ao outro pra ter onde passar a noite (pagos no cartão de crédito porque já não tinha mais dinheiro em espécie). Passei uns dias em Viña, aproveitei pra conhecer Valparaíso, até que conseguium Couch em Santiago. Consegui fácil. Acabei pegando um ônibus pra lá porque a distância é curta e a passagem barata. Passei mais uns dias em Santiago pensando como faria pra cruzar a fronteira e consegui carona com um Couchsurfer que viajava de carro. Consegui ainda um Couch em Córdoba e precisava dar um jeito de chegar lá.
       
      Argentina: chegando em Mendoza, achamos um hostel barato (já que não consegui Couch) e na manhã seguinte minha carona seguia pro norte enquanto eu ia pra beira da estrada pegar carona. Acho que foi a carona mais difícil de conseguir de toda minha viagem. Era madrugada quando o caminhoneiro me alertou que, apesar de ir pra Córdoba, iria me deixar 100km antes porque era um horário perigoso demais pra chegar no ponto que ele iria parar. Como disse, não tinha barraca e praticamente sem dinheiro em espécie, passei a noite numa loja de conveniência do posto de gasolina que tinha nesse lugar que ele me deixou. Na manhã seguinte, consegui rápido uma carona pra Córdoba. Passei uns dias lá, consegui um Couch em Rosário, então saindo de Córdoba foi pé na estrada mais uma vez até conseguir carona pra Rosário. Em Rosário minha Couch me tratou como um rei, me deu várias dicas e tal. Ali já faltava perto de uma semana pro meu vôo e só precisava de uma última carona pra chegar até Buenos Aires. Conseguindo um Couch, me mandei pra estrada e, outra vez, foi uma carona bem chata de se conseguir. Desci muito longe da cidade, tive que pegar um trem gratuito, achar meu Couch à noite etc. Mas no final deu tudo certo. De lá foi só aproveitar os dias na cidade e voltar pro Brasil.
       
      Dicas aleatórias básicas: Sou totalmente contra o "dá pra se virar bem com português". Dá pra sobreviver, vivenciar experiências não. Então aprenda o máximo de espanhol que puder antes de fazer uma viagem assim. Meu inglês é bom (pra trabalhar em hostel é fundamental) e meu vocabulário de espanhol era muito bom também, entendia tudo mas faltava segurança pra tentar falar. Ao longo da viagem fui me soltando e aí tudo ficou ainda melhor. Conheci muitos brasileiros que não sabiam falar outro idioma e todos se diziam muito arrependidos porque acabaram perdendo muita coisa na viagem (proximidade com locais, negociações, interação com outros viajantes); Respeite a altitude (La Paz, Cusco, etc): você nunca saberá como vai reagir a isso até chegar lá e sentir. Tem gente que não dá nada, outros ficam morrendo dois dias no quarto do hostel com médico atendendo. Na dúvida, melhor não programar nada que requer esforço físico nos primeiros dias; Respeite a cultura local, tente aprender o mínimo de costumes e tradições de onde você estiver visitando; quando for pegar carona saia o mais cedo possível, por volta das 5h, pra estrada; tenha dinheiro trocado se tiver pegando carona pela Argentina porque pra pegar ônibus municipal é necessário ter um cartão (que obviamente você não vai ter), e sem ele o que dá pra fazer é pedir pra alguém passar o cartão pra você e você pagar em dinheiro; pedir desconto é normal no Peru e Bolívia, mas antes de começar a chorar, avalie se o valor do pedido não é justo, e principalmente, se aqueles trocados de desconto vão te fazer falta (quase sempre o vendedor precisa muito mais dessas moedas do que você, viajante); viajar tem seus riscos, mas não se esqueça de onde você vem - o Brasil é um país extremamente perigoso, então acho que há um exagero quando se fala em riscos, assaltos, etc entre viajantes brasileiros. Nunca usei doleira pra nada, minhas coisas ficavam guardadas no locker do hostel, sempre caminhei em todos os horários do dia e noite no Peru e Bolívia e nunca passei por nenhuma situação de perigo; Se puder faça seguro viagem, eu não fiz e não precisei, mas não é raro ver gente com braço quebrado em La Paz por conta da Death Road, ou que passou muito mal com altitude. Em Buenos Aires uma amiga caiu da cama do hostel, precisou ser hospitalizada e essa brincadeira custou em perto de 2 mil reais. Nunca se sabe o que pode acontecer, né? Enfim, se lembrar mais coisas importantes vou complementando.
       
      Bom, minha viagem foi basicamente isso aí. Quem tiver perguntas/dúvidas sobre os lugares/pontos de carona/qualquer coisa assim fique à vontade pra mandar mensagem inbox ou aqui no tópico mesmo que tentarei responder da melhor forma possível.
      Em 15 dias volto pra Cusco pra trabalhar na mesma agência de turismo, então quem tiver planejando ir pra lá nas próximas semanas pode entrar em contato também
    • Por RobsonGeofísico
      Há 15 minutos de CUSCO existe uma empresa que realiza o pulos de bungee jumping.
      O valor é meio salgado, mas a experiência compensa pelo menos pra mim que sempre tive vontade de me aventurar.
      Saltei em agosto e o valor foi U$ 70,00. Descobri a empresa no mural de avisos do hostel.
      Pra quem curte aventura, vale muito a pena.
      Tem video do pulo no link abaixo:
      https://instagram.com/p/BXvc4X-lr--/

    • Por Amands
      Mochileiros, 
      sem medo de soar clichê, começo meu relato agradecendo a todos as pessoas que aqui relataram sua viagem ao Peru antes da minha ida. Daqui tirei dicas valiosas e muita inspiração!
      E esse é um dos motivos pelos quais eu venho aqui hoje relatar a minha experiência: retribuir um pouco da ajuda que tive. O outro motivo? Fazer essa experiência tão legal de ir viajar durar mais tempo na minha memória (:
      Como tudo começou:
      Depois de 2 anos sem férias, eu tinha marcado 10 dias de férias para dezembro de 2017. Cerca de um mês antes, surgiu uma promoção de passagens para o Peru, 10 dias, exatamente o primeiro e último dia das minhas férias. O Peru já estava no topo da minha lista de destinos há tempos. Achei que era um sinal, lembrei que não acredito muito em sinais (talvez agora acredite mais haha). Queria ir, mas não tinha companhia. Resumindo: fui sozinha, minha primeira viagem sola e foi uma experiência linda (:
      Em um mês eu "organizei" o roteiro, reservei o hostel e fui. Minha maior dica: não organize tanto. Eu agendei apenas o passeio de Machu Picchu, o que eu recomendo por causa do limite de pessoas. O resto fui vendo lá. E, por mais contraditório que pareça, se vc está lendo meu roteiro em busca de um roteiro, minha maior dica é mesmo essa: vai com menos roteiro possível. Ou vai, se isso te faz dormir mais tranquila/o, mas se permite flexibilizar também. Vai ter imprevisto, vai ter gente legal cruzando seu caminho, vai ter uns rolês que vc nem imaginava e que vai querer fazer na hora. Então é isso, lê bastante, pesquisa, mas vai aberta/o.
      Vamos lá: 
      10 DIAS: CUSCO - ÁGUAS CALIENTES - MACHU PICCHU - PUNO - AMANTANI - TAQUILE - LAGUNA HUMANTAY 
      Antes do relato mesmo, algumas DICAS QUE EU GOSTARIA DE TER LIDO ANTES DE IR (ou que eu li e não segui rsrs):
      1) Compre os passeios lá: essa eu li muitas vezes, mas não teve jeito, o passeio pra Machu Picchu eu comprei aqui no Brasil antes e paguei mais caro. Se eu me arrependo? Não. Era a minha primeira viagem sozinha, eu sabia que lá seria mais barato, mas não quis arriscar. Então é isso, se vc vai dormir mais tranquilo, acho que vale a pena. Pra mim valeu rsrs. Comprei antes com uma agência peruana (Peru Travel Explorer- www.perutravelexplorer.com - Guia Adrian - Whatsapp: +51992862206 - atende em português), que eu recomendo. Super atenciosos, respondem rápido, me deixaram pagar lá na hora e sem taxa e personalizam os roteiros conforme a necessidade). Mas recomendo ainda mais: comprem os passeios em cusco, ainda que seja com eles.
      Ah, o que dá para fazer também é comprar antes apenas a entrada para Machu Picchu e aí já fica garantido. Esse site explica como comprar e tem MUITAS dicas boas sobre o peru: https://sundaycooks.com/ingressos-para-machu-picchu-vale-a-pena-comprar-antecipado/. Inclusive, se você vai subir uma das montanhas é mais importante ainda comprar antecipado! 
      Todos os outros passeios eu comprei lá na hora e foi tranquilo e bem mais em conta. Cusco tem uma agência de viagem ao lado da outra, os caras adoram uma negociada, os guias são super atenciosos, vale a pena comprar lá.
      2) REAL X DOLAR X SOLES: velha dúvida de sempre. Primeiro, soles nem pensar. Quase não tem para trocar no Brasil e o valor é bem alto. Minha dica é: ver com o pessoal que está por lá (aqui no mochileiros sempre tem gente, fiz isso e deu certo) como está o valor do real e do dólar para troca. Quando eu fui, em dez 2017, o real estava 0,93 soles (0,94 eu encontrei dentro da Agência Peru Travel Explorer, na Avenida El Sol, onde, aliás, estão as casas de câmbio mais confiáveis e vantajosas) e o dólar estava 3,22 soles (e eu paguei em média 3,40 reais). Como eu fiz: levei dólar para pagar os passeios e o hostel (por uma questão de menos volume - eita, que de humanas ela - e pelo booking). De resto, levei reais e troquei lá, facilmente. E também levei um cartão de crédito do Banco do Brasil e um Nubank desbloqueados para transações internacionais, caso precisasse.
      Teve um dia que precisei sacar porque viajei e a companhia de ônibus não aceitava cartão (fica a dica) e aí saquei usando o Nubank num caixa eletrônico normal que tinha na rodoviária. Paguei uma taxa, mas consegui sacar (to contando porque não sabia que o nubank dava para sacar, se isso já é algo comum para vc, perdoa eu e não desiste do meu relato).
       
      3) Sobre valores: vou colocar aqui mais ou menos os valores principais para você poder se organizar sobre quanto de dinheiro levar e pra não ficar poluindo muito o relato de viagem. Sei que esse é um ponto super importante, viajar é um privilégio que envolve condições financeiras e planejamento, mas acredito que há vários blogs que podem fazer isso por vc melhor do que o meu relato (como, por exemplo, o site quantocustaviajar). Fiz muitos passeios de graça, comi em locais muito saborosos e baratos e fiquei em acomodações confortáveis e modestas. Mas o principal de tudo isso: era a viagem que cabia no meu orçamento e nos moldes que eu estava a fim de fazer e acho que isso é o que mais conta. Se é relevante (eu sempre acho relevante saber o perfil de quem tá relatando, especialmente da onde vem o dinheiro) o meu perfil é: sou servidora pública comissionada, 26 anos, pago aluguel e todos os boletinhos que quem mora sozinho tá acostumado.
      De modo geral, minha viagem foi o que se pode chamar de "low cost", algo entre o mochilão raiz e a viagem de quem nunca ouviu "transação não autorizada" hehe. Ou seja, não foi uma viagem luxuosa, mas foi confortável, me permiti pequenos luxos e também alguns gastos a mais para me sentir mais segura (como o hostel com quarto feminino (não misto) e o ônibus leito cama individual, sem ngm sentado ao lado). Ah, e de jeito nenhum comi fast food e comida congelada pra economizar (já fiz mochilão assim e foi legal também, mas desta vez não viajei com essa vibe, até porque as comidas no Peru são baratas, muito gostosas, e eu sou absolutamente apaixonada por gastronomia e culinária). 
      Então é isso, você pode usar como uma base, seguir meus acertos e evitar repetir meus rolês errados e aí, de acordo com o seu perfil e o seu orçamento, gastar muito mais ou muito menos do que eu. Ou exatamente o mesmo e aí me chama prum café rsrs
      Quem precisar de mais detalhes pode me mandar mensagem que vou respondendo tb  
      Preço médio das refeições: em Cusco, por 20 soles, equivalente a 20 reais você come muito bem!! Na verdade, quase todos os dias eu comi muito bem pagando menos de 20 reais. Os restaurantes têm a opção menu do dia, que consiste em sopa + prato principal e normalmente salada e bebida livre. E tb às vezes rola umas sobremesas de graça. Sou vegetariana e comi muito bem todos os dias (veganos também passam muito bem em cusco). Quem quiser mais dicas, é só falar. Fiz um puta roteiro gastronômico de vegetariano, tenho vários restaurantes bons e baratos pra indicar (só para não ficar muito grande aqui).
      Águas Calientes já fica um pouco mais caro: em média 50 reais, mas foram apenas 2 refeições e aqui eu comi muito bem, dá pra encontrar restaurantes mais simples.
      Puno: só fiz uma refeição em puno, gastei 20 reais. 
      Hostel Cusco: 40 reais por noite (como eu disse, tem por menos, mas eu preferi um quarto não misto).
      Ônibus Cusco - Puno: 50 soles (praticamente 50 reais) - empresa Tour Peru, recomendo muito. Comprei ônibus leito cama individual, super confortável, dormi a noite inteira, o que faz muita diferença no outro dia de viagem. Na volta, comprei de outra empresa, que eu não me recordo o nome, e paguei 35 soles. Ou seja, se você olhar na rodoviária tem várias opções e aí pode escolher uma que seja adequada para o seu tipo de viagem. Como eu fui sozinha na ida, preferi essa empresa que haviam me recomendado e realmente gostei muito. Ah, uma dica é comprar as passagens na rodoviária mesmo, quanto mais perto do embarque, mais barato e eles negociam tb!!
      4) Lavar roupa em Cusco é muito barato: se vc tá viajando com pouca bagagem ou tá há muito tempo na estrada, lavar roupa em Cusco é uma ótima opção. Custa entre 2 a 5 soles o kilo, fica pronto rapidinho e você economiza na bagagem e ainda dá uma força pro comércio local. Fiz isso uma vez durante a viagem e foi muito bom.
      5) Seguro viagem: é importante fazer. Eu fiz, mas como não precisei não sei dizer se era bom ou não. Tem muitos sites que falam sobre isso e que dá para comparar. Acho importante porque conheci pessoas que ficaram mal lá e tiveram atendimento rápido. 
      6) Melhor época para ir: 99% dos blogs dizem para evitar os meses de novembro a março por causa das chuvas. Minha opinião? Se você pode ir nos outros meses, beleza, vai e ainda assim eu evitaria os meses de alta temporada porque fica tudo muito cheio (ex: maio). Mas se você não pode, a época do ano não é um motivo para você deixar de ir. Eu fui em dezembro, tenho amigos que tb foram em época de chuvas e todo mundo aproveitou muito bem. A chuva é aquela de verão, dura cerca de uma hora e depois passa. Tendo um pouquinho de paciência, é só achar um lugar abrigado, tomar um café ou mesmo colocar uma capa de chuva e seguir a vida. Achei uma época boa porque os locais não estão tão cheios, dá para aproveitar tudo com mais calma e também não é tão frio como nos meses de seca. 
      Lembrando que essas épocas bem definidas de seca e chuva afetam mais a região de Cusco e de Machu Picchu. Lima, Arequipa, Lago Titicaca não são tão afetados, então não faz tanta diferença assim a época do ano.
      Outra coisa: se você planeja fazer a trilha inca, aí acho que seria melhor ir na época de seca mesmo, porque a chuva pode atrapalhar o acampamento. Mas assim, enquanto eu estava lá, havia gente fazendo a trilha normalmente e eu fiz o treeking da Laguna Humantay, que é uma parte da trilha Salkantay e não tive problema algum com a chuva (inclusive deu o maior solzão e voltei queimada rsrs).
      7) Tempo em dezembro, o que levar na mala: O tempo é bem instável por lá, então a minha dica é levar um pouco de cada coisa e ir naquele esquema de camadas. Em Cusco, como fica a quase 4000 metros de altitute, é um pouco mais frio. De dia, uma camiseta e jaqueta já resolvem. Às vezes, uma camiseta e um blusão (peruano, pra ser bem turista haha). À noite esfria mesmo, um blusão e uma jaquetinha corta vento dão conta. 
      Em Águas Calientes e Machhu Picchu normalmente é mais calor durante o dia. Não esqueçam o protetor!
      Lago Titicaca: é louco. Tem sol vc tá torrando, vem uma nuvem vc morre de frio haha Em Amantani passei o maior calor e o maior frio da viagem, com diferença de menos de 24 horas. Aqui a jaqueta corta vento e o blusão precisam de mais um gorro e se possível, uma luva ou mais uma jaqueta. Final do dia é frio mesmo. 
      Minha mala para 10 dias (com uma lavação): umas 6 camisetas + 2 legs + 1 calça jeans preta + 1 jaqueta jeans + 1 jaqueta corta vento + 1 capa de chuva (Decathlon - recomendo, fica pequena na mochila, dá para usar várias vezes, ajuda a esquentar e é bem melhor que a de plástico!) + pijama de manga comprida (pra cusco é bem bom até porque assim,  os cobertores peruanos são um pouco pequenos haha) e lá comprei 2 blusões peruanos que foram bem úteis e um gorro que usei na trilha de Amantani. De calçado levei uma bota de trilha, um all star e havaianas. Foi suficiente, na medida certa.
      8. Chip da Claro: em Cusco, com mais ou menos 30 reais você compra um chip claro com 3 giga de internet (tem opções mais baratas, com menos gigas). Comprei e foi muito bom, a internet lá pega bem, inclusive nas montanhas e aí dava para usar o google maps e o tripadvisor de boa, além das redes sociais. Mesmo com o chip o seu número no whatsapp fica o mesmo e as pessoas conseguem falar com vc normalmente, não precisa nem avisar que mudou de número. Em cusco, a loja da claro fica na rua Ayacucho 227, pertinho da Avenida El Sol.
      9. Não ignore o poder e o sabor do chá de Coca e de Muña. Eles ajudam na altitude e na digestão, além de serem mito gostosos.
      10. Vão logo pro Peru.
      O restante das dicas vou colocando conforme for escrevendo o relato de cada dia. Por hoje é isso, espero que ajude alguém da mesma forma que me ajudou. Até mais  

×