Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

Alguém pode passar uma base dos valores atualizados do Roraima e Salto Angel? De 2014 pra cá, com as mudanças no câmbio, deve ter alterado e muito os valores. Da última vez, encontrei relatos de R$1500 pra cima!!! ::dãã2::ãã2::'> São empresas venezuelanas cobrando esses valores??? Fica surreal convertendo em bolívares.

 

Penso em fazer usando bolívares. Como o guia é obrigatório, vou planejar o guia e alimentação apenas. Vou de moto até a Venezuela, com barraca etc. Então não necessitando de carregadores, barraca e transporte de hotel até o local combinado, imagino que o preço deva cair. Se alguém puder dar uma luz, agradeço.

Eu vi por 1200 partindo de Roraima, com alimentação inclusa...

Achei um ótimo valor

 

Oi marcelo, estou planejando ir a partir de julho, esse valor que colocou ai e agencia ou particular? tem o grupo de whatsapp ainda, se tiver me add ai, 62 99133-7744 , estou a procura de companhia para ir esse ano... desde ja agradeço...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Fernanda Panno
      Oi, pessoas. Alguém tem notícias atualizadas acerca desse destino lindo? Considerando a grave crise por que passa a Venezuela, mesmo havendo informações de que ela não chegou a Los Roques, me preocupo acerca do abastecimento da ilha e outros detalhes. Será que alguém viajou recentemente p lá, p nos contar como foi?
    • Por RoxaneOliveira
      Colômbia Parte 1 – Bogotá
      Cheguei em Bogotá as 5 horas da manhã, morta com a longa conexão em São Paulo, muito bem aproveitada com minhas amigas de lá. O problema é que tive um choque climático e a gripe voltou com tudo. Cheguei na imigração, onde a agente perguntou quantos dias ficaria no país e eu disse que ficaria os 90 dias mesmo. E ela: “O quê? Como? Onde?” E eu disse prontamente: “Bogotá, Bucaramanga, Santa Marta, Cartagena, Medellín, Cali e onde mais der”, em seguida perguntou onde me hospedaria e dei o endereço de um hostel, que realmente pretendia me hospedar, porém, ao conseguir uma hospedagem com o couchsurfing cancelei a reserva, pois em uma viagem de 3 meses é preciso economizar cada centavo. O primeiro dia apenas dormi e fui a Candelária tomar água panela (água quente com rapadura e limão), dizem que cura a gripe e logo depois fomos comer um prato do tipo Executivo. Fiquei chocada por ter custado 6.500 cop (+/- R$ 7,00), prato de sopa de legumes, depois outro prato principal com arroz, abacate, patacones, lentilha e carne de porco. Ainda veio uma limonada. Adorei.
      No segundo dia, já um pouco melhor da gripe tirei o dia para conhecer os Museus Botero, Museu do ouro (vale visitar mais de uma vez) e o cerro Monserrate. Por sorte, o final do dia estava lindo. Comprei o chip para o telefone e fiquei procurando as atrações com o Google maps mesmo. Nada guiado.
      Tendo conhecido as principais atrações, descansei no final de semana e na segunda fui à cidade de Zipaquirá, de Transmilenio mesmo. Peguei o Transmilenio sentido Portal Norte, é um pouco longe do centro, depois, dentro do terminal peguei um ônibus para Zipaquirá. A passagem do Transmilenio é de 2.000 cop e a do ônibus para Zipaquirá é 6.000 cop.
      A entrada para Zipaquirá foi de 50.000 pesos para turistas estrangeiros. Mas o valor salgado vale a pena, pois o tour é todo guiado e em pequenos grupos. A estrutura da atração é impecável.
      Na volta peguei muito trânsito, porém consegui chegar 17 horas e ainda deu tempo de visitar o Museu Nacional. É importante, pois lá conta toda a história da Colômbia, desde o império do Reino de Granada e de ter se tornado Grã Colômbia, após ter sido libertada por Simon Bolívar.
      Terminada a parte turística, tirei dias com amigos que conheci em Bogotá, eles me levaram para a zona G e zona T, a parte mais nobre da cidade, fomos no Bogotá Brew Company, que tem em toda a cidade, depois ficamos caminhando sempre pela região. Eu gosto muito do cuidado que se tem com os parques, vejo muita semelhança com os parques da Europa.
      No meu último dia na cidade, me sugeriram conhecer o El Teatron, uma casa noturna GLS, porém muitos héteros vão também porque acham o lugar muito legal e tinham razão. Infelizmente não fui no sábado, mas sim na quinta. No sábado há muitos ambientes em funcionamento, na quinta apenas 2 ambientes estavam funcionando, mas mesmo assim, garanti muita risada ouvindo música ranchera na cantina. Achei o lugar barato também. Não paguei para entrar e a cerveja era 5.000 cop.
       
      No dia seguinte já era o dia da minha partida para a cidade Villa de Leyva. Comprei a passagem rodoviária para a cidade por 26.000 cop e levei 4 horas para chegar. Em Bogotá o trânsito é caótico. Perdão por te xingar, Rio de Janeiro! A estimativa era de no máximo 2 horas de viagem, mas levei o dobro. Mas, pelo pouco tempo que fiquei na cidade, valeu a pena sentir a tranquilidade e o ar puro. O valor da hospedagem foi de 50.000 cop e achei muito caro, mas é o lugar onde os bogotanos fogem do caos, por isso o preço justifica.
      No dia seguinte já era hora de viajar para Bucaramanga, em Santander, uma viagem rodoviária de 8 horas.
       

    • Por Rubens Filho SJC
      Não Se Engane - Monte Roraima não é para qualquer um.
       
      Bom dia segue as minhas observações e dicas.
       
      Eu comprei um Pacote – 11d 10n - 05 noites no topo CIRCUITO de uma agência de Boa Vista de 11 dias em dezembro de 2013.
       
      Escolhi este roteiro pois é o único que engloba todos os pontos de interesse no topo sem ser muito cansativo.
       
      Pois, é um negócio de arruma,desarruma e arruma a mochila no dia seguinte que fica um saco. rsrsrsr
       
      É uma região com clima instável. Calor, chuva e frio.Os trechos são feitos sempre de dia, em áreas bem abertas e descampadas, só no dia da subida que é pelo mato e depois por pedras soltas, exigindo muita atenção e no topo é aberta e plano com alguns poucos trechos desafiadores.
       
      Se o tempo no topo estiver ruim, será bem decepcionante, após andar muito e não ver nada da Pedra Maverick, Mirante La Ventana e o Lago Gladys, como aconteceu comigo. Pode acontecer.
       
      A altitude não ultapassa os 2700 mts.
       
      No caminho há fontes de água e pergunte ao guia se a água é para beber.
       
      Lembro que não há conforto, e não ficarão 100% secos, 100% limpos, 100% aquecidos,com higiene 100 % e com alimentação 100%.
       
      Será inevitável não ficar com as roupas sujas de poeira, suadas, fedidas e por vezes molhadas até se trocarem dentro da barraca.
       
      O condicionamento físico mínimo é importante,mas o mental é mais importante pelas dificuldades facilmente superáveis.
       
      Terão que desapegar da caminha quente, cobertor, banho quente, comida bem elaborada,...
       
      Eles tem um carregador só para trazer o lixo de volta. E como sempre, haverá a propina para a equipe no final.
       
      O mais chato foram o pessoal.Parte do grupo não estava preparado para esta aventura.
       
      E cair e se ralar será inevitável.
       
       
      O que levar -squeezes ou cantis para somar 2 Litros no mínimo. 1 mochila pequena para cada um com capa de chuva para ela ( para lanchinho, água, capa de chuva, máquina fotográfica,... ) e uma mala não rígida para o carregador contratado levar as demais roupas e acessórios, bota de caminhada em boa condição e amaciada,de preferência impermeável devido a trechos molhados, tênis para caso a bota arrebentar ou outra bota, chinelo ou papeete que é bem melhor, roupa para calor( camisas dry fit são melhores que algodão), roupa para frio e casaco impermeável c/ capuz ( capa de chuva ou anorak que é melhor, fleece, gorro, luva,cachecol, de lã é o melhor, meias para frio) e roupas para banho e para dormir,calcule de acordo com os dias.
       
      As outras roupas poderão deixar no hotel de Boa Vista.
       
      Poderão alugar com a agência saco de dormir e isolante térmico que usa-se embaixo do saco de dormir. Eu levei uma manta, aquelas que "dão" em voos, valeu muito a pena.
       
      Os acampamentos são no geral bem abrigados do vento e chuva, mas depende do "hotel",é assim que eles o chamam, e da quantidade de gente ali e acordo entre os guias de outros grupos.Pode acontecer de as barracas ficarem num lugar ruim e em terreno pouco inclinado.
       
      Não esqueça de boné ou chapéu, protetor labial para frio e calor, repelente contra borrachudos próximos dos rios e acampamentos,estão sempre famintos,já no topo, não há. Recomendo o Exposis Extrême 100 ml.
       
      E toalhas, nestes casos é melhor aquelas de secagem rápida.
       
      o que incluir de acessórios no pacote - 2 lanternas boas (se tiver aquelas para cabeça é melhor), pilhas extras para as lanternas,sacos plásticos resistentes tipo os usado para gelo,são para envolver as roupas,adaptador universal de tomada (na Venezuela é diferente), dinheiro vivo para cambiar na Venezuela,uns R$ 200,00 fora o dinheiro para contratar um carregador,super recomendado para vocês, recomendo levar pílulas ou solução de Hipoclorito de Sódio (NaClO) e siga as recomendações para purificar a água. Não essencial, mas facilita muito para organizar as coisas ou até para sentar, uma lona ou plástico resistente de 2 mts x 2mts, uma corda de varal de uns 4mts também, quais a logística de banho - eles fornecerão um kit banho,mas é insuficiente.É proibido usar sabonetes e shampoo comuns, só neutros e biodegradáveis; A água é de fria para muito fria,mas não congelante, são em lugares rasos e de água corrente, e em áreas abertas e exposto ao vento,pouco distante dos acampamentos, recomendo levar uma caneca grande de plástico, para ajudar no banho, de necessidades fisiológicas - 1 rolo de papel higiênico ou aqueles lenços umedecidos para uso em bebês (2 a 3 pacotes).Eles tem um esquema de banheiro organizado e interessante, mas algumas vezes o mato poderá será preciso, um frasco de álcool GEL pode ser útil, no pós- higiene, o que levar de adicional para comer- fruta como banana ou maça,na trilha eles fornecem fruta como abacaxi doce,doce, recomendo que levem uvas passas, castanhas, biscoitos integrais,comprem um Centrum para tomar 1 comp. p/ dia e VINHO ou Cachaça, como é a refeição que eles oferecem - Preparado pelos índios e sem muita higiene, mas sempre quente, sem verduras e fruta enlatada, muito carboidrato e bem constipante, fonte de proteínas: ovo mexido e carne moída, frango desfiado,geralmente de produtos enlatados acompanhado de suco artificial, e muito achocolatado quente. Tem utensílios para comer e beber, qual a roupa adequada (a data escolhida foi setembro) - já citei , como é a comunicação em caso de alguma eventualidade - bem, eles tem rádio por satélite que restrigem muito o seu uso devido as baterias, há 2 situações possíveis, 1º - desistência por estar passando mal ou não aguenta mais o perrengue e quer voltar, como são 3 guias, um volta. 2º - uma urgência ou emergência, eles chamam um helicóptero sem paramédicos, que é pago pela pessoa uns US 2.000,00 e se for por PITI, é uns US 4.000,00,Seria um péssimo lugar para entorses, luxações, fraturas, cólica renal, cólica biliar e apendicite,dor de dente, não ?medicamentos de emergência - eles tem um kit de 1ºsocorros, mas leve um kit pessoal com anti-espasmódico, relaxante muscular com antiinflamatório, antiemético, antipirético,antialérgico,Antiácido, pacotinho de soro de rehidratação, spray de mel c/própolis e gengibre e pastilhas para garganta, spray ou creme de antiinflamatório tópico, creme de antibiótico e corticóide tópico, band aid e merthiolate. Pinça para tirar espinhos, cotonete, frasquinho de SF 0,9% NaCl, gazes , luva de procedimento.
       
      Observei que os casos mais comuns foram bolhas no pé ( EVITE ANDAR COM O PÉ MOLHADO), diarréia, vômitos e dor na garganta.Mas,dor muscular pode ocorrer.Recomendo que tome um relaxante muscular associado a antiinflamatório antes e após as longas caminhadas. E após a viagem tomem um remédio para vermes.
       
      Máquina fotográfica, como recarregar a bateria durante a trilha?Não tem como recarregar na trilha. Então não esqueça de carregar no hotel e um pouco na portaria do parque em Paraitepuy. Uma dica : pilhas e baterias DESCARREGAM muito rápido no frio. Envolva-os com roupas e mantenham sempre desligados. Então, leve se possível, 2 câmeras e mais os celulares para fotos.
       
      Não sei nadar, isso é um problema? O maior problema é atravessar o rio Kukenan, onde se acampa bem próximo e tem borrachudos, e se o rio estiver cheio é uma aventura atravessá-lo, mas os guias são muito experientes. Não haverá problemas. Em outros locais, dá para se banhar nas margens.
      Mais umas dúvidas: a travessia no rio é caminhando dentro da água em que nível? Sim, é dentro do rio sobre pedras escorregadias submersas e na cheia, com correnteza leve. Há sempre guias ajudando e são muuuuito pacientes e recomendam usar somente meias para atravessar o trecho de de 30 mts para melhor aderência.Na ida o nível estava baixo( batia na minha canela inferior) e na volta estava alto( no meio da minha coxa ), acredito que baterá no seu caso, na cintura, no caso de cheia.Não é difícil, só tem que ter cuidado e ajuda. Tem risco de molhar a mochila caso vc mesma a carregue?Sim.Principalmente, se escorregar.Poderá pedir para alguém atravessá-la.
      Os carregadores que são contratados levam a bagagem na mão ou usam animal de carga? São índios Penon ( homens, mulheres e jovens )que fazem isto há anos e desde pequeno, carregando mandiocas. Não usam animais, pois é proibido no parque. Usam uma mochila rústica feita de fibras e galhos muito resistente, mas desconfortável. É impressionante a capacidade deles de carregar peso e ritmo de caminhada. Pois, são muito baixinhos e mirradinhos,porém muito resistentes.Vale a pena contratá-los, pois é a principal fonte de renda deles e a trilha será muito mais fácil para vocês.
      Sobre banheiro, vc falou que tem um esquema legal que entendo ser no acampamento, mas durante a caminhada, como funciona ? O banheiro é próximo do acampamento, isolado e "camuflado". Usam um banquinho de plástico cortado no meio de forma circular ,como uma privada. Distribuem alguns sacos de lixo pequeno para que encaixe no buraco para defecar dentro em seguida você coloca cal com uma pá dentro e fecha.E deixa no local determinado por eles. A recomendação é que isto é somente para defecar. O xixi deve ser feito no mato. Na caminhada, não tem este esquema.Tem que ser feito no mato ou dentro de um saquinho para depois entregá-lo ao guia. As necessidades são no mato ou em algum saquinho? E esse tipo de resíduo também temos que recolher ou somente o papel usado? Não necessariamente, pois não há uma orientação sobre isto. O papel, sim, tem que recolher. E recomendo fazer as necessidades fora da trilha e caminhos.Mas, cuidado com bichos e urtigas. No manual do montanhista também recomenda-se enterrar os dejetos e nunca, nunca, fazer próximo de fontes de água. Abraços
    • Por daitios
      Itinerário:
      Belém/PA - Boa Vista/RR - Santa Elena de Uairén/VEN
       
      Período da viagem:
      15 a 23/11/2014
       
      Dia 15/11:
      Peguei o voo de Belém/PA, minha cidade, às 22h40 do dia 14. Fiz conexão em Manaus e, às 3h40 (com quase 1h de atraso) no horário local, cheguei em Boa Vista. Peguei um táxi até o Hotel Ideal, que estava lotado. Acabei caminhando duas quadras e, após passar algumas pessoas estranhas de bicicleta por mim, decidi entrar no primeiro hotel que encontrei, o Barrudada.
      Acordei, tomei café e peguei um táxi até o Terminal Caimbé, de onde saem os táxis coletivos até Pacaraima. Esperei em torno de 20 minutos pro táxi encher, e daí saímos rumo à fronteira. A viagem demorou em torno de 2h30. A aduana brasileira estava fechada na hora do almoço, e quando foi reaberta (às 13h30), havia uma fila enorme - consegui sair de lá só às 15h. Segui a pé para a aduana venezuelana, fiz os procedimentos e fiquei aguardando passar um outro coletivo. De lá, segui ao Hotel Michelle, onde encontrei com o já famoso Marco, com quem já tinha acertado alguma coisa antes de sair do Brasil. Com ele, também acertei um tour para a Gran Sabana, de 1 dia somente.
       
      Gastos:
      Táxi Boa Vista - Pacaraima: R$ 30,00
      Táxi Aduana - Santa Elena: Bs.F. 50
      Diária Hotel Michelle: Bs.F. 700
      Tour da Gran Sabana: R$ 170
      Câmbio: R$ 1,00 = Bs.F. 37
       
      Dia 16/11:
      Às 9h partiu o tour para a Gran Sabana, o qual recomendo bastante. A primeira parada foi logo na Quebrada de Jaspe, já comentada aqui no fórum, e que é um local belíssimo. Vale tomar um bom banho nas águas geladas de lá. O mais bacana é que, quando chegamos lá, não havia ninguém. O tour passou por outros pontos legais de apreciar (como um mirante para a cadeia de tepuis), parou para almoço na comunidade de San Francisco, e seguiu até Sapo Wapo, outro lugar muito legal par tomar banho, com águas igualmente geladas - este estava mais cheio, era um domingo e havia muitas famílias lá. Ponto negativo para alguns turistas, que jogaram lixo por todo o local - a guia (aliás, recomendo a Nurys, dona de uma Blazer verde - ela vive lá no Michelle) teve de chamar a atenção de um dos turistas por 3 vezes.
      No retorno ao hotel (às 16h30) o Marco me informa que não conseguiu fechar um grupo pro tour de 8 dias, e não havia grupos para aquela data que não fossem de 6 dias, somente. Então, ele me encaixou em outro grupo, de 6 dias mesmo. Uma pena.
       

      Gastos:
      Entrada na Quebrada de Jaspe: Bs.F. 10
      Monte Roraima (6 dias): ao todo, custou R$ 750,00, negociado direto com o guia Marco, porém não guiado por ele
       
      Dia 17/11:
      Saí pra conhecer a padaria Gran Sabana Deli - e não achei nada de mais, apesar de ser uma boa opção na escassez de variedades em Santa Elena.
      Às 10h30 passou o 4x4 no hotel. O motorista ainda parou para abastecer (numa casa normal, naquele esquema da Venezuela) antes de seguir a Paraitepuy, ponto de início da trilha. Acabamos iniciando a trilha somente às 14h.
      O primeiro dia de trilha é bem tranquilo, exceto por uma subida bem no início dela, que o guia Roberth disse que se chamava "Subida da promessa". Eu entendi muto bem o porquê: passei mal logo nela! A minha moral foi lá pra baixo, mas o meu sobrepeso cobrou a parte dele, né! kkkk
      Enfim, depois de algum tempo na trilha, começou a chover muito forte. Como lá anoitece cedo (pouco depois das 17h já está bem escuro) e as nuvens estavam bem pesadas, ficou bem complicado caminhar. Chegamos umas 18h no Campamento Tek debaixo de um "toró", como dizem aqui na minha cidade. As barracas foram montadas durante a chuva mesmo. Depois da janta, todos nos recolhemos.
       
      Dia 18/11:
      Aqui também amanhece cedo: às 5h já estava de pé. A trilha começou logo com a travessia pelo Rio Tek, onde o guia sugeriu atravessar de meias pela água, como muitos já falaram aqui no fórum. O Tek estava bem tranquilo, então a travessia foi sussa. Ainda passamos por uma simpática igrejinha - que nos fez sair da trilha principal para bater umas fotos dela - até chegarmos no Rio Kukenán, este sim mais forte. Mesmo procedimento, com um detalhe: vi errado uma pedra e pisei em falso na água. O resultado? fiquei todo molhado! A bota também mergulhou por completo na água! De qualquer forma, paramos no Kukenán para tomar um banho (já que chegamos muito tarde no dia anterior), e deixei a roupa e a bota secando durante o banho.
      A trilha seguiu por muitas subidinhas não íngremes, mas um tanto cansativas para um pançudinho como eu. Às 12h chegamos no Campamento Militar, onde rolou um almoço - salada fria de atum. Caminhando devagar, chegamos às 15h no Campamento Base. Mais um bom banho (e outra queda kkkkk), janta e... barraca!

       
      Dia 19/11:
      O amanhecer foi animador: depois de 2 dias, enfim o Roraima e o Kukenán ficaram visíveis. Muitas fotos legais antes do café. Às 8h30 saímos para a temida subida ao Roraima.

      Amigos, a subida é forte. Aqui cada um seguiu seu ritmo, sendo que o meu é bem lento em subidas. Em algumas partes de pequenas descidas, o guia orientava a descer de costas para a queda. O tempo piorou e, durante a trilha, começou a chover bem forte, assim como as nuvens ficaram bem densas, prejudicando um pouco a trilha. O Paso de las Lagrimas estava sem a queda d'água, mas a chuva não permitiu ver o progresso da caminhada.
      Às 12h45 consegui chegar no cume. Junto comigo, chegou um grande grupo de brasileiros, alguns deles de bastante idade. Conversei com vários lá, nos abraçamos e nos felicitamos pela vitória (afinal, que sensação fantástica a da conquista de um objetivo, hein?). Exploramos um pouco a região próxima à da subida antes de seguirmos para a "área hoteleira", as cavernas onde os grupos montam acampamento lá no Roraima, e que são chamados de Hotéis. Acabamos ficando no Hotel San Francisco, porém não na parte principal dele: o grupo resolveu chamá-lo de "Quintal do San Francisco" mesmo.
      Choveu forte todo o resto do dia, deixando-nos presos no hotel, com muito frio. O chocolate quente e a sopa quentinha que o guia Roberth e o carregador Florencio fizeram ajudou bastante!
       
       
      Dia 20/11:
      O único dia que ficaríamos inteiro no Roraima era esse. E ele começou bem: o tempo abriu! Tomamos café e fomos correndo para "La Ventana", a janela que fica de frente para o Kukenán e que permite vistas fantásticas da Gran Sabana. No caminho, o tempo de repente começou a fechar, fechar e... Bem na hora que chegamos na Ventana, o tempo fechou de vez De lá seguimos para a "Jacuzzi", uma belíssima piscina natural com cristais ao fundo, e de águas gélidas kkkk O banho nele foi fantástico, mesmo com o frio (apesar de que, como a água estava mais gelada que o tempo, o corpo logo acostumou com a temperatura). Da Jacuzzi fomos ao vale dos cristais, e de lá Roberth nos levou para mostrar as curiosas formações rochosas - incluindo "El Pene", uma pedra de formato meio fálico que rendeu fotos engraçadíssimas. Voltamos ao Quintal do San Francisco para almoçar e dar uma leve descansada.

      De tarde, debaixo de muita chuva, seguimos para "La Cueva", uma caverna muito interessante - o ponto mais alucinante do dia, pra ser mais exato. O guia sentiu a vibe do grupo e seguiu para o interior da caverna - coisa que outros grupos não fizeram. Lá, depois de passar por caminhos bem estreitos, chegamos a uma pequena queda d'água e um lago belíssimos, onde não resistimos: o grupo se deu as mãos e mergulhou naquela água congelante! Foi um daqueles momentos memoráveis - o mais marcante da trilha toda para mim.

      Na saída da caverna, o tempo deu uma melhorada, e o guia novamente alterou a rota original pela vibe do grupo: em vez de voltar ao acampamento, seguimos para o "Maverick", um dos pontos mais altos (em altitude mesmo) do Roraima. Quando chegamos lá no topo, o tempo abriu de vez: conseguimos ver tooooooda a região do Roraima, o Kukenán limpinho limpinho, o trajeto do Rio Kukenán... Enfim, uma vista fantástica. Só descemos quando o tempo começou a fechar de novo, já escurecendo.

      Ao retornar para o "hotel", um momento de meditação para agradecer um dos dias mais fantásticos de minha vida.
       
      Dia 21/11:
      Acordamos às 5h15 com o tempo suuuuper aberto, quase sem ventos pra trazer as nuvens. O Roberth nos autorizou a sair com o Florencio novamente até La Ventana. Seguimos correndo pra lá, e chegamos com o lugar somente para nós. Tempo ótimo, sem nuvens. Resolvemos adiantar muitas fotos para apreciar depois o lugar. Logo outros grupos começaram a chegar, aproveitando o tempo bom.


      Voltamos ao acampamento, tomamos café, desmontamos as coisas e iniciamos a descida às 9h. A descida castigou bastante meus joelhos, me fazendo tomar mais uma queda por conta das pernas fraquejadas (ô homem pra cair, eu! ). Chegamos às 12h15 no Campamento Base pra almoçar, e logo seguimos novamente. Esse dia, pra quem ainda não leu outros relatos, é o dia mais cansativo, pois fazemos 2 dias em 1: o 2º e 3º dias de caminhada são feitos juntos, no retorno, neste dia.
      Bem cansado, cheguei perto de 17h no Campamento Tek, depois de atravessar novamente os rios (sem cair, desta vez).
       
      Dia 22/11:
      Último dia de trilha. Seguimos a passos lentos de volta, sempre olhando para trás, curtindo o Roraima e o Kukenán (que estavam mais uma vez abertos, se mostrando para nós). Cheguei em Paraitepuy um pouco depois de 10h.
      Em Paraitepuy, conforme prometido, paguei "una bien helada!" para Roberth e Florencio, embora a cerveja nem estivesse tão gelada assim...
      Dali, a 4x4 nos levou a San Francisco de Yuruani para almoçar, e depois nos levou de volta a Santa Elena de Uairén.

       
      Gastos:
      Cerveza: Bs.F. 50/unidade (sei lá quantas bebemos... kkkk)
      Coca-Cola: Bs.F. 50
       
       
      Considerações:
      - Recomendo DEMAIS o guia Roberth. Ele conseguiu sentir a motivação do grupo e alterou diversas vezes a programação, incluindo coisas que não estavam inicialmente previstas. Além disso, é engraçado (tirou muito sarro de mim kkkk) e muito atencioso, além de contar muitas histórias do local. O carregador Florencio também é muito atencioso e prestativo.
       
      Roberth Castro
      E-mail: [email protected]
      Telefone: 041 64902337
       
      - Falando nos guias e carregadores, os caras trabalham pra caramba. No final demos uma pequena contribuição porque eles merecem, carregam um peso desgraçado nas costas e só terminam de trabalhar quando todo mundo se recolhe.
      - Aqui não espere muita higiene: até o Clorín é meio dispensável. Você pode botar no seu cantil, mas e na hora do suco servido nas refeições? A meu ver, tem que relaxar a cabeça com esse detalhe e depois mandar ver num anti-helmíntico na volta Outro detalhe, que li num mapa no hotel: a água no Roraima tem um pH ácido, o que pode irritar o estômago de alguns (como o meu). De qualquer forma, vale sempre perguntar pro guia onde dá pra colher água pra beber.
      - A última: sinceramente, acho que o Roraima foi com a nossa cara, assim como eu fui muito com a dele. Obrigado, Monte Roraima!
×