Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

amandaplima

PRIMEIRO MOCHILÃO! UK-2017 (INGLATERRA E ESCÓCIA - 21 DIAS - JUNHO)

Posts Recomendados

DIA 8 – 11/06/2017 – DOMINGO

Nesse dia meu plano era visitar a cidade de Cambridge. Meu trem sairia as 09:00, então pra não correr o risco de perder, acordei as 07h, só me arrumei e já segui para a estação de trem. Esse trem sairia da estação de Liverpool Street, que é um pouquinho mais longe, então o metrô até lá levaria mais tempo.

Uma coisa que ninguém quase nunca fala nesses relatos é: como viajar cansa! Gente, sério, pelo menos em Londres que é uma cidade plana e que passa a impressão de que tudo fica perto, você acaba andando muito mais do que sequer imagina ser capaz! E como anda olhando pros lados e tirando fotos e observando a arquitetura e a paisagem, você nem percebe o quanto tá andando... até a hora que para e senta e suas pernas quase desmontam!

Eu estava sem preparamento físico nenhum pra essa viagem, saí de uma vida totalmente sedentária para caminhar quilômetros e quilômetros por dia. Meu corpo aguentou, mas gente, a canseira era grande de vez em quando viu... por mais lindo que tudo é, tem horas que dá vontade de chamar um táxi e ficar bem aconchegado no banquinho enquanto ele te leva pra algum lugar haha

Mas enfim, cheguei na estação, a passagem dessa viagem já tinha vindo no meu e-mail, então não precisava trocar nas máquinas. Cheguei um pouco mais cedo, então aguardei aparecer no telão de qual plataforma meu trem sairia e segui pra lá assim que foi anunciado. Nesse trem para Cambridge não haviam reservas de assentos, então só procurei por um que fosse virado para a direção da viagem e me ajeitei (os trens tem bancos virados pra ambos os lados porque eles viajam pra ambos os lados – coisa que eu não sabia porque hey, nunca andei de trem na vida, mas sim, eles não precisam “dar a volta”, e como me dá náusea andar de costas pra direção da viagem, tive a preocupação de sempre quando possível reservar assentos virados pra direção que o trem estivesse indo - que não necessariamente era pra “frente”).

Não sei o que estava acontecendo naquele dia, mas era um domingo no final do semestre e o trem estava basicamente ocupado por pessoas orientais com roupas sociais (tipo aqueles uniformes de escolas particulares onde os adolescentes usam terno e gravata pra aula?). Não sei se era alguma visita de alguma escola chinesa, japonesa ou coreana para a universidade, mas eles estavam conversando em uma dessas línguas entre si. Achei tão primeiro mundo isso haha

Fiquei ouvindo música no meu lugar até chegar lá, de Londres a Cambridge o trem levou cerca de uma hora.

Havia dado uma olhada no mapa da cidade antes da viagem e sabia que a estação de trem ficava um pouco afastado do centro de Cambridge, onde ficam as universidades e as capelas. Como eu não havia tomado café da manhã e estava com um pouco de fome (eram umas 10h), parei em um Café Nero logo em frente da estação e pedi uma limonada suíça, um croissant de manteiga e um de chocolate, deu £ 6.50+-. Tava maravilhoso! Esses croissant do Nero são divinos e eu comi várias outras vezes. Sentei em um dos banquinhos do lado de fora pra comer e depois segui em direção ao centro.

Esse foi um dos momentos em que eu queria pedir um táxi e só ficar sentadinha enquanto ele me levava até lá. O caminho até lá não tem nada de especial, é só uma rua/avenida normal, e, junta o cansaço das pernas, a vontade de ter ficado dormindo mais um pouco, a falta de coisas lindas nesse trecho em particular... nossa, deu um desânimo haha Por isso que falo, viajar sozinho é maravilhoso, mas nesse momento em particular, se tivesse tido alguém junto pra ir conversando, parece que teria chegado mais rápido. Mas enfim, pequeno momento depressivo superado haha fui chegando mais perto do centro e começaram as construções mais antigas e bonitonas.

_DSC0360.thumb.JPG.4f3ea8603a3ee8aa0745c0b8c2c41d4e.JPG

Chegando na Market Square, percebi que havia uma feira acontecendo, como era domingo de manhã imagino que seja a feira recorrente da cidade e não algo que estava acontecendo por uma ocasião especial, ou algo do tipo. Haviam barracas de comidas, souvenirs, roupas, bordados, bijuteria, prata celta (ou é o que eles dizem haha), livros, discos, enfim, de tudo!

Passei também por algumas das lojas que estavam abertas na rua da praça, e entrei pela primeira vez numa papelaria inglesa. Gente, só quem me conhece pra entender minha obsessão com artigos de papelaria hahahaha Quando entrei naquela WHSmith meu coração bateu mais rápido ❤️ Que lindo lá dentro! Só quem tem esse amor por papel me entende nessas horas hahaha Comprei um caderno de tamanho médio com três divisórias por £ 3.90 e um estojo com 20 canetas da Stabilo por £ 7.99 numa promoção *--*

Sai de lá e fui em direção a King’s College.

Por orientação da Adriana, daqui do Mochileiros mesmo, pesquisei antes quais College’s estariam abertas a visitação, porque em época de provas elas fecham para os turistas.

Acabou que todas que me interessavam estavam fechadas haha

Assim que você entra na King’s Parade já existem dezenas de estudantes oferecendo o passeio de Punting, então caso não tenha pesquisado ou reservado anteriormente, pode comprar lá na hora. Eu já havia reservado o meu pelo site do Visit Cambridge porque saia a £ 15, enquanto os passeios lá na hora geralmente saem a £ 20 ou £ 25, dependendo da temporada e da disponibilidade naquele dia.

Eu tinha anotado alguns lugares para visitar, lugares que pelas minhas pesquisas estariam abertos, a Great St. Mary’s Church, King’s College Chapel, The Round Church e o Museu Fitzwillian.

Li que o que vale muito a pena na Great St. Mary’s é a vista, mas que a igreja em si não é imperdível, então como não estava a fim de subir muitos degraus, acabei não visitando, só passei na frente.

_DSC0387.thumb.JPG.64540b3832834a35f0e51bd72df6fddd.JPG

Para visitar a capela da King’s College é necessário comprar o ingresso, £ 9, ele é vendido tanto na loja da universidade, na King’s Parade, quanto na entrada da capela em si, que é por trás, meio escondida.

_DSC0396.thumb.JPG.f0b43765add2dddc6eeaf7ff75666524.JPG

_DSC0409.thumb.JPG.d20be2f40af27a448f55d6cf915ac561.JPG

_DSC0413.thumb.JPG.0ff222362b40fe44f5fde4b33dbc3a5f.JPG

Por eu ser a louca da pesquisa, me surpreendeu como eu havia ignorado a Capela de King’s College durante todo o planejamento dessa viagem... eu realmente não sabia nada dela! Aliás, mentira, eu sabia que a King’s College havia sido fundada pelo Rei Henry VI. Mas só. E, gente, como ela é linda!

_DSC0427.thumb.JPG.81b217017df8dd164a6027e1fb582db1.JPG

Eu não fazia ideia.

_DSC0446.thumb.JPG.0bc6dc13e9417c374ba72613ed839467.JPG

Nessa hora a bateria da minha câmera estava acabando, o que me deixou muito puta porque ela parecia estar escolhendo os dias mais legais pra me deixar na mão.

_DSC0458.thumb.JPG.61f3e06f7f40f5a0df81a040da51da61.JPG

A capela é tão enorme e comprida que você fica até meio perdido de pra onde olhar. Tirar fotos lá dentro então é um pesadelo, porque você quer pegar o chão, as paredes, os vitrais e o teto tudo na mesma foto hahahaha

_DSC0430.thumb.JPG.4d878dd9e945b1a7d480b7554277580a.JPG

Ela é linda, e dentro dela também existem aquelas pequenas capelas individuais, todas muito bonitas!

Existe um pequeno passeio dentro da capela também, você entra por uma porta lateral e tem uns painéis e alguns objetos em exposição, tudo relacionado a fundação e construção da Capela.

Fiquei um tempo sentada lá, só olhando tudo e tirando fotos. A bateria da câmera acabou aí.

Quando sai de lá eram perto das 14h, decidi já ir a caminho do passeio de Punting – não sabia quanto tempo levava o passeio, imaginei que cerca de 30 minutos (foram 40~45 minutos) – então abri o aplicativo de mapas do meu celular e joguei o nome da empresa pra ver onde ficava exatamente. Assim como a maioria das empresas que fazem Punting, as barracas ficam na beira do Rio Cam. A que eu havia reservado, naturalmente, era a mais afastada no mapa haha

Segui pra lá olhando sempre no mapa, não podia me dar ao luxo de me perder em Cambridge, afinal, não tinha tanto tempo assim na cidade. No meio do caminho, ao virar uma esquina, dei de cara com a igreja redonda! Nem acreditei na minha sorte, porque achei que não ia dar tempo de visitar ela.

WP_20170611_061.thumb.jpg.a9bf307376fe596fa296d20095f3c541.jpg

Achei ela pequena e charmosa de fora, e, assim que entrei, um senhor sentado numa mesinha já me recepcionou muito bem. Não lembro com exatidão quanto custou o ingresso, mas foi algo na faixa de £ 3.50~£ 4.50, e ele ainda me perguntou se eu era estudante no Brasil, porque se fosse o caso, eu teria direito a desconto no valor da entrada. Pensei comigo mesma pela milésima vez “que diferença!”, por aqui ninguém não só não oferece, como nem sequer se importa em te lembrar que você pode ter direito a um desconto ou meia-entrada.

WP_20170611_068.thumb.jpg.e7c5961ebb0f6caba8ce92a6c45cf01e.jpg

A igreja por dentro também é bem pequena e pra muita gente talvez não chegue a interessar, mas eu achei muito fofa, e adorei como eles se esforçaram pra tornar aquele ambiente um pouco mais do que ele é, dar um apelo a mais. Ela é uma das únicas igrejas redondas que remanescem na Inglaterra, sobreviventes do tempo, e anteriores as construções das igrejas em formato de cruz.

Existem vários painéis que fazem o círculo da construção original contando sobre a fundação e construção da cidade de Cambridge desde os celtas. Também há exibição de um documentário, que agora não lembro o tema exato, mas era relacionado a cidade, em um lado da igreja.

Em um dos painéis informava que existia tour guiado em certos horários, pelo que vi tinha um terminando no momento que cheguei, mas não é extremamente necessário para a construção - deve ser interessante para saber mais sobre a cidade.

Como eu tentei realmente ler todos os painéis, devo ter levado uns 30~40 minutos por lá, mas a visita em si dá pra fazer em 10 minutos.

Quando sai de lá já eram mais de 15h. Finalmente fui em direção ao Rio Cam e a Margareth’s Punting Company.

Quando encontrei o point deles perto do rio, só entreguei meu e-mail com a confirmação da compra e ela já me encaixou no próximo passeio, que sairia as 16h.

Aqui foi uma das maiores raivas da minha câmera na viagem! Ela me largou em momentos de necessidade duas vezes importantes, aqui foi uma delas. Só consegui tirar fotos e filmar o passeio com meu celular, que então começou a anunciar que estava de saco cheio, digo, armazenamento cheio!

O passeio é lindo. Incrível. Foi uma das melhores experiências de toda a viagem. Meus companheiros de viagem foram um grupo de amigos da Colômbia e uma família chinesa que mora na Inglaterra. A filha do casal chinês era uma graça, ela que manteve o nosso guia/motorista sempre falando e ocupado.

WP_20170611_087.thumb.jpg.5994811ed55b1c637c19af634b0937c4.jpg

Que passeio mais gostoso! Ele vai realmente contando histórias sobre a arquitetura dos prédios, a vida universitária, a própria história das universidades... é demais :D Passeio que eu mais recomendo da viagem toda! Na ida a Cambridge poderia não ter acontecido mais nada, que só de fazer esse passeio já teria valido a pena!

WP_20170611_091.thumb.jpg.f432aafd35d6e981715ceb48b17fecac.jpg

WP_20170611_096.thumb.jpg.168ef39b8cd98769f3570c6d25cf8be5.jpg

Por ser domingo, achei que a cidade não estaria tão cheia... como estava enganada! Ela estava lotada de turistas! E mais de uma vez ouvi o “brasileiro” sendo falado nas ruas.

WP_20170611_107.thumb.jpg.c466934a6c62570f5f8d35bebcba7e4b.jpg

Quando terminou o passeio de Punting eram quase 17h, meu trem sairia as 17h29, então comecei a caminhar de volta pra Market’s Square e de lá para a estação de trem.

No meu ritmo – e nessa hora eu já estava bem cansada – eu levaria uns 20 minutos da praça central até a estação, e da estação de Punting até a praça central mais uns 10 minutos, então decidi que não ia tentar correr pra pegar o trem não... se perdesse, perdeu, em seguida teria outro de qualquer forma.

Realmente não corri, fui andando tranquila, parei pra comprar um sorvete (que por sinal era vendido em barraquinhas em cada esquina da cidade), duas bolas saíram £ 4.00+-. Quando cheguei na estação era 17:36.

Comprei uma nova passagem de volta pra Londres, +-£ 17, e segui meu caminho feliz da vida.

Além do café da manhã e do sorvete, não havia comido mais nada durante o dia, e estava com uma ânsia por comida de verdade... que vou te contar! Estava com vontade de experimentar comida indiana já fazia algum tempo, então decidi que hoje seria o dia. Meu gasto com alimentação estava bem abaixo do esperado então ia me dar ao luxo de comer num restaurante de verdade.

Assim que cheguei no hostel troquei meu tênis por uma sapatilha, troquei minha parka gigante por um casaco preto menos esportivo e joguei no google “best indian restaurants in London”. Várias opções apareceram, dentre essas eu vi quais eram mais acessíveis no TripAdvisor e acabei me decidindo pelo Massala Zone. Vi que o restaurante fechava aos domingos as 22h, como ainda eram 20h imaginei que daria tempo, e lá me fui.

Depois descobri que havia mais de um Massala Zone em Londres – eu fui no que fica próximo a Carnaby Street.

Decidi que iria de ônibus, porque uma das linhas que passava na Finchley Road (rua debaixo do hostel) ia direto para Oxford Circus, e de lá seria fácil terminar de chegar a pé até o restaurante. Foi o que fiz. Fora do horário de pico os ônibus são rapidinhos pra chegar onde precisam. Aaah, detalhe! A bateria do meu celular havia acabado em Cambridge, por causa das fotos e vídeos do passeio de Punting, então eu sai do hostel só com a minha câmera (cuja bateria eu carreguei durante a viagem de trem – vários trens tem entradas de usb e energia então dá pra aproveitar pra carregar os eletrônicos enquanto viaja!).

Cheguei no ponto onde ia descer e peguei o mapa, onde já tinha marcado a localização do restaurante e só segui reto, certa do que eu estava fazendo.

Pensei que tinha alguma coisa estranha porque tudo parecia muito residencial, mas ok, era uma região da cidade que eu não havia explorado ainda então vamos lá.

Ok. Depois de andar por uns 15 minutos e chegar exatamente onde meu mapa estava riscado, percebi que alguma coisa estava definitivamente errada. Parei numa esquina, olhei pra todos os lados, e fui na direção da rua que parecia ter mais movimento de carros.

Quando cheguei lá tentei reconhecer os prédios, as placas com os nomes das ruas, qualquer coisa! Nada.

Finalmente, quando passei na frente de um prédio bem bonito, cheio de carros na frente (acho que era uma casa do governo ou algum baile muito chique, pela pompa do lugar), vi uma fileira de carros pretos parados. Táxis! Terminei de caminhar só até a próxima esquina, continuei sem reconhecer nada. Desisti. Voltei até a fileira de táxis e andei pela primeira vez num black cab.

Ele me levou até a porta do restaurante, não lembro quando custou a corrida, mas foi cerca de £ 7. Descobri então o meu erro. Eu havia feito o caminho certinho, na direção errada hahaha

_DSC0488.thumb.JPG.06c2117637ce7642d65152fe2ddf6b44.JPG

Quando cheguei no restaurante nem sei que horas eram, mas já devia passar das 21h. O restaurante não estava lotado, então assim que dei meu nome, já me sentaram numa mesa para duas pessoas, ao lado das janelas.

_DSC0495.thumb.JPG.acae12d02725822fb8ff95b636b8e9e0.JPG

Nunca tinha comido comida indiana na vida, então estava ansiosa para provar. Quando recebi o menu tive minha primeira decepção: eles não tinham Chicken Tikka Massala. Enquanto pesquisava sobre restaurantes e assistia vídeos de viagem no youtube, encontrei várias referências a esse prato indiano, que era dito ser um pouco mais suave, e uma boa escolha pra quem está experimentando pela primeira vez e quer pegar leve na pimenta. O segundo prato que tinha ouvido falar era o Butter Chicken. Como não quis ser muito aventureira – até porque sou alérgica a bastante coisa – decidi ir por ele mesmo.

Existia a opção de pegar o prato com um acompanhamento “puro”, ou ele num combo com vários outros acompanhamentos. Escolhi a segunda opção. Para beber pedi um suco de laranja (não bebo álcool).

Assim que experimentei já senti a pimenta... gente, o negócio é forte mesmo! Haha

Enquanto comia, pedi um copo de água da torneira pro garçom, pra ajudar a amainar a pimenta. Ele me trouxe logo uma jarra haha Também acabei pedindo outro suco. Ao fim, a conta, com gorjeta, deu £ 25.03 . Não dei conta de comer tudo, e o pior é que nem foi pela pimenta, porque era só tomar água que ajudava. Meu problema foi o curry. Tudo que veio no prato parecia ter curry e o sabor começou a me deixar de estômago embrulhado. O frango era saboroso, e tudo era bem temperado. Mas em tudo tinha curry.

Valeu a pena por ser uma experiência gastronômica nova, e o restaurante é super bem avaliado e todo mundo que estava lá parecia estar adorando tudo! Então, pra quem gosta, eu recomendo o restaurante sim, porque a comida estava boa (dentro do que eu consegui comer haha), o serviço foi ótimo e o ambiente também era bem gostoso, mais familiar, não tão baladeiro ou exclusivo. Gostei muito e me senti super a vontade, mesmo estando sozinha! :D

_DSC0501.thumb.JPG.219b4878eb24bb18227da05c582a4735.JPG

Finalmente quando sai do restaurante já era quase 23h. Fiquei com dó dos funcionários, porque nas mesas ao meu redor as pessoas ainda estavam comendo e conversando animadas, sem a menor cara de que iriam embora tão cedo.

_DSC0515.thumb.JPG.5f9ff188354bb13cbfb56459a734e356.JPG

Quando cheguei no hostel estava realmente acabada. Tomei um belo de um banho, me enfiei debaixo das cobertas na cama e fiquei assistindo Gilmore Girls na Netflix até quase uma da manhã hahaha Não tinha nada planejado pro dia seguinte, exceto a visita ao Sky Garden no fim da tarde e planejava acordar na hora que Deus quisesse, sem despertador nem nada disturbando meu soninho.

GASTOS:

Alimentação £ 35.53 (Café Nero + Sorvete + Massala Zone)

Atrações £ 28.50 (Kings College Chapel + passeio de Punting + Round Church)

Transporte £ 37.00 (passagem de trem + passagem do trem que eu perdi + taxi)

Souvenirs!

WP_20170611_047.jpg

  • Gostei! 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

DIA 9 - 12/06/2017 – SEGUNDA FEIRA

Não lembro a hora que acordei, nem a hora que sai do hostel, só sei que foi meio tarde e que eu tomei um copo de leite com café e parti rumo a National Gallery.

Como já disse, visitei ela meio por cima no meu segundo dia em Londres, mas como minha câmera ficou sem bateria, eu decidi que voltaria novamente. Fui direto pra lá, e dessa vez fiz a visita certinho. Passei no balcão de informações, peguei o mapa (£ 1) e iniciei minha visita. A entrada é gratuita.

_DSC0541.thumb.JPG.ea0217c798b28a821e02422b1270b1bd.JPG

Que lugar incrível! Esse foi meu museu preferido... não entendo quase nada de arte, mas não deixo de apreciar por esse motivo. Fico perdida no meio daquelas pinturas lindas, tanto dos “quase-anônimos” quanto dos grandes mestres.

_DSC0568.thumb.JPG.64afc1a718649e43e37e505f3b764ca0.JPG

As pinturas são maravilhosas.

_DSC0576.thumb.JPG.eb804b9098dd3a56f457186b5847469b.JPG

_DSC0617.thumb.JPG.4bdd882cb47c2b65d44f4e52664b3fe6.JPG

_DSC0669.thumb.JPG.3a0495d192270ea280b27723a49d88ba.JPG

O prédio em si é lindo de viver.

_DSC0545.thumb.JPG.e14df087547a1f053e200816656082db.JPG

_DSC0686.thumb.JPG.3afd6ed34442b8b019f47447c1abadb6.JPG

Vale muito muito muito a pena visitar.

_DSC0683.thumb.JPG.2ff3a79ccb2eae781190dbe71bf9584e.JPG

Eu quase me dou ao luxo de dizer que passei por todas as salas (exceto as de exibições temporárias), e não devo ter ficado mais de 2h30 lá dentro, então mesmo se estiver com pouco tempo, ou não seja tãaao interessado em arte, dá pra perder uma meia hora por lá pra ver, pelo menos, os clássicos :) 

_DSC0592.thumb.JPG.701d0bafe384ffa69fecec87ee231971.JPG

Quando sai de lá estava com fome, então procurei qual Shake Shack ficava mais próximo, porque né, quando você acha algo que gosta no meio de um mar de coisas que não gosta... O mais fácil de chegar era o que ficava no Soho, então peguei o metrô ali em Charing Cross (na frente do museu) e desci na estação de Piccadilly Circus, terminei de chegar a pé. Lá eles têm um segundo andar, onde só tem mesas, então fiz meu pedido, peguei meu lanche e sentei numa mesinha na janela. Quando olhei pro lado nem acreditei no que vi... M&M’s World! :D Já sabia meu destino depois que terminasse de comer haha

WP_20170612_004.thumb.jpg.f26ec5f61e08d919031434a4f15e3e9d.jpg

Geeeente, que loja mais incrível! Você nem precisa gostar de M&M pra ir naquela loja... Se não me engano tinha um andar pra cima, num mezanino, o térreo, na altura da rua, e dois andares pra baixo. A loja é imensa, tem de tudo o que você imaginar relacionado a M&M e todas as cores do doce que você quiser, seja de chocolate ou de amendoim.

_DSC0713.thumb.JPG.a3ffea97dfd8191345c991e71e424541.JPG

_DSC0717.thumb.JPG.9083fa30c158436d4c36941af47c112b.JPG

Não ia comprar nada, porque tudo é bem caro e eu tinha comprado um pacote grande de M&M no mercado no outro dia por tipo £ 1.50. Maaaas, é claro que eu vi a caneca mais linda da face da Terra e ela necessitava ser minha, dai ferrou. Custou um pedaço do fígado, mas valeu cada centavo ❤️ £ 12.95 essa belezura (e, depois que fiz as contas, não achei tão cara, primeiro porque ela é enorme, segundo, vai tentar comprar uma dessas aqui pra ver se paga menos de 50, 60 reais... então achei que foi um gasto ok!).

_DSC0715.thumb.JPG.a8f1bc64271b57dba8090c7ce722fe82.JPG

Também tinha que levar um pouco de M&M da própria loja né, então peguei um copo, que tinha preço fixo de £ 6.95 e você enchia com o quanto quisesse – se a tampa dele fechasse, tava valendo! Tinham também saquinhos, que daí eram cobrados por peso, não lembro quanto era, mas não era pouca coisa, e a maioria das pessoas tavam pegando com ele. Eu acho que elas pensaram que era £ 6.95 só o copo, e mais o peso dos doces depois – mas era £ 6.95 o copo cheio!

Tinham umas mantas muuuuuuuuuuuuuuuuito fofas. As mantas mais macias que já senti na minha vida. Mas eram mais de £ 30 cada uma :/  Quando passei no caixa me ofereceram uma mantinha mais sem vergonha por £ 3.00 hahaha Peguei né, por £ 3! Hoje ela fica no canto do sofá em casa... é nossa manta do cochilo haha

Sai de lá que nem uma doida, porque meu horário no Sky Garden era 16h15 e nisso já eram 15h50. A estação de metrô mais próxima de onde eu estava era Covent Garden, e segui pra lá na correria. Queria ter parado na Lego Store – fica em frente ao M&M’s World – mas não deu tempo :/ Mas acredito que Deus sabe o que faz hahaha não teria dado certo minha pessoa numa loja de lego, ia querer trazer um jogo para cada um dos meus priminhos, e eu tenho MUITOS priminhos! Haha (MENTIRA, ia querer trazer pra mim mesmo!!!)

Me confundi no metrô, e, ao invés de pegar o metrô que ia para a estação Monument – que é do lado do Sky Garden – desci em Bank, que também é próxima, mas não tanto. Eu cheguei na estação de Bank já eram 16h15. Tive que parar até meu celular voltar a ter sinal pra olhar no mapa e não seguir na direção errada novamente. Quando ele voltou, consegui chegar com facilidade no prédio.

O esquema de segurança pra visitar o Sky Garden foi o mais cheio dos paranauê que eu vi na viagem toda. Quase tão rígida quanto as dos aeroportos. Detector de metais, máquinas de scanner e raio-x – pra você e seus pertences.

_DSC0728.thumb.JPG.ccfe4b0f7c9ca66ba7b84a25a6c8b562.JPG

Cheguei um pouco atrasada mas ninguém nem falou nada, porque como, em tese, você tem uma hora lá dentro com o seu ingresso, chegando dentro desse espaço não vejo porque não te deixariam entrar. Lá em cima ninguém fica conferindo ingresso também não. Talvez no pico do verão se lotar demais aconteça, mas nesse dia fiquei até a hora que quis e ninguém falou nada.

_DSC0768.thumb.JPG.5e83c57864b6954ed22ee4c6e2d7c995.JPG

O Sky Garden é reservado pela internet, no site próprio deles, e as datas abrem geralmente com um mês de antecedência. É gratuito, e, posso falar? Achei que valeu muito mais a pena do que se eu tivesse pagado as absurdas quase £40 que custa pra subir no Shard, porque esse prédio do Sky Garden fica EM FRENTE ao Shard, então além de tudo, você tem ele na vista! :D

_DSC0788.thumb.JPG.6944f659110bc4f4e2cbc6e1f8680076.JPG

Tem um bar, ou talvez sejam dois, lá em cima. Fiquei com a dúvida: se você fizer uma reserva pro bar, você consegue subir mesmo sem ingresso? Ou o bar só está lá pra quem está fazendo o passeio? Enfim. Também tem um restaurante, mas esse fica meio que pairando em cima do jardim, achei estranho haha

Estava me sentindo cosmopolita, então pedi um drinque.

WP_20170612_022.thumb.jpg.c36a85ffa58a23149466d4d1e14ffc60.jpg

Mentira, era limonada - £ 3.50 haha Me sentei em uma das mesinhas que ficam bem de frente com o mirante.

Que vista, que lugar, que beleza!

Fiquei lá um tempãaao mesmo... por um momento pensei até em esperar o pôr do sol, mas estávamos numa época do ano em que isso acontecia muito tarde, então acabei indo embora umas 19h.

Sai de lá e fui andando até a estação de metrô Monument, que foi nomeada em referência ao Monumento ao Grande Incêndio de Londres, de 1666. O construíram no marco zero, onde na época ficava a padaria que iniciou o fogo. Pra quem gosta, a BBC fez uma série contando a história, se chama The Great Fire. Durante o dia o monumento funciona como um mirante, não sei quanto custa, mas parece que tem um elevador que vai até o topo.

WP_20170612_029.thumb.jpg.a82e7c592b17db571845bd8ff041fafe.jpg

WP_20170612_031.thumb.jpg.e0857f9b0377f75cdb0b5bb91d2b1668.jpg

Quando sai de lá fiz a pior burrada de toda a viagem. Mas assim, A PIOR BURRADA. Metade da família tinha pedido coisas, e eu ia deixar pra comprar no último dia em Londres por motivo de: não ter que carregar mala e não acabar usando meu dinheiro de emergência antes do fim da viagem. Acabou que eu tive uma margem maior pra gastos supérfluos, então decidi passar na Primark comprar algumas coisas antes de ir pra Escócia (até porque eu realmente precisava de um casaco a prova de vento, minha parka era quentinha, mas como lá ventava muito e ela era de lã, não tava resolvendo muita coisa pra ventania).

Então lá fui eu. Não vou dar detalhes das minhas compras (pra quem quiser saber mais sobre preços e variedades manda uma mensagem privada que eu respondo, mas aqui não acho que seja necessário), o que importa é que: comprei bastante coisa e também comprei uma mala G daquelas duras, de quatro rodinhas, pra carregar as compras. Meu gasto total na Primark nesse dia foi £ 211.00.

Sim, comprei coisa pra caraleo.

IMG-20170612-WA0013.thumb.jpg.7222b9a432b1d492dc5fac2233a184fb.jpg

Só no caminho da loja até o hostel, passando por duas estações de metrô e algumas escadarias... ó, o arrependimento chegou tão rápido! Mas a caca já estava feita, não ia voltar na loja e devolver tudo agora (até porque sai da loja quase na hora de fechar, as 22h).

Enfim. Cheguei no hostel as 22h20 mais ou menos, e as luzes do meu quarto já estavam apagadas, sendo que eu ainda precisava rearrumar minhas malas pra ir embora no dia seguinte pra Edimburgo.

Ah é, não comentei ainda das minhas colegas de quarto: 90% eram orientais. Não sei se é uma coisa cultural, mas elas iam dormir super cedo e já iam apagando as luzes do quarto ¬¬  Em todos os outros dias eu fazia minhas coisas no escuro mesmo, mas nesse dia me recusei. Pelamor né, nem era tão tarde assim, e todas as outras garotas não japonesas/coreanas/chinesas estavam andando pelo quarto fazendo coisas ainda.

Acendi a luz mesmo. Falei “sorry, but I have to pack, I’m leaving in the morning” e acendi mesmo. Tentei não fazer muito barulho e fazer o mais rápido que deu. Em meia hora arrumei tudo dentro das duas malas – só deixei minha roupa que ia usar na manhã seguinte pra fora.

Meu trem para York sairia no outro dia as 09:30. Eu iria passar o dia por lá e seguir para Edimburgo no fim da tarde.

Ó... se apenas eu soubesse o que me aguardava! hahaha

 

GASTOS

Alimentação £ 12.95 (Shake Shack)

Souvenirs!

 

_DSC0796.JPG

  • Gostei! 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Maravilha de relato, Amanda.
Agora que eu fiquei bastante curiosa pra saber o que te aguardava no dia seguinte, faz favor de não sumir de novo, viu?! 🤨

E, olha, viagem sem perrengue não tem graça. Na hora dá desespero, raiva mas depois a gente acaba rindo com as "cabeçadas" e tendo boas histórias para contar. 

Menina, já sofri convertendo o euro em Portugal, pelo jeito vou entrar em coma se ficar convertendo a libra. Sei que vale, mas que país caro! Estou com a viagem quase toda planejada, mas o clima está me desestimulando, especialmente porque pretendo visitar as Highlands escocesas. Só vejo foto cinza... 😰

[]'s,
Camila

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Amanda, que relato divertido e super detalhado!

Vi que temos muitas coisas em comum, além de demorar pra escrever o relato, hahahahauah, mas vc tá ganhando neste quesito! Se vc não voltar aqui eu vou te achar aqui em Londrina e vc vai me contar ao vivo! kkkkk

Te mandei uma MP.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Ana Caroline Cunha
      Olá! Como vocês estão?!
      No final de 2018 eu estava morando no Reino Unido, mais especificamente em Londres. Em Outubro eu e meu ex namorado começamos a procurar algo para fazer nas férias dele. Foram várias análises, possibilidades, roteiros, até que concordamos em ir para a Escócia com um casal de amigos dele. Organizamos a viagem mais ou menos uma semana antes de ir e foi um estilo novo e diferente de tudo que eu já tinha feito: iríamos passar uma semana dormindo em uma campervan.
      Vou compartilhar com vocês todos os detalhes dessa viagem que foi a maravilhosa troca que acontece entre culturas, já que meus parceiros desses dias eram todos Australianos e para eles tudo era muito normal. Já eu, fui inserida em um ambiente completamente novo.
      Algumas informações gerais:
      Viagem realizada em outubro de 2018 A nossa saída foi de Londres Passamos 7 dias Não gastamos com hospedagem, nós 4 dormimos em uma campervan, que eu já contei aqui nesse post como foi a experiência Vou colocar os valores em Libra gastados em 2018, com a variação cambial é muito difícil converter para real (principalmente agora, com esse vírus solto por aí e dificultando a vida de quem ganha em real kkkkk). Na época, eu lembro que fiz o cálculo e o resultado foi cerca de R$ 1.500,00!!!! Eu estava muito resistente a essa viagem por vários motivos, mas ao final foi uma das experiências mais legais que eu tive e abri muito minha mente
      Vamos ao meu relato dos dias na Escócia?
      Eu saí de Londres em um ônibus noturno até Edimburgo, custou 37,70 libras ida e volta. Fomos com a empresa National Express, é cansativo passar a noite no ônibus, quase não dormi mas é a forma mais barata de transporte. Nossos amigos foram de trem, a viagem é de 4h e muito mais cara.
      Chegamos em Edimburgo cedo e os outros só chegavam meio dia, então tínhamos a manhã livre para turistar até encontrá-los e ir buscar a campervan.
      Essa foi a primeira vez que cheguei em um lugar sem absolutamente nada definido, foi bem engraçado. Já peguei um desses mini guias que estava distribuído na rodoviária.
      DIA 01 - EDIMBURGO E ST. ANDREWS
      Como chegamos de manhã cedo, fomos logo procurar um lugar para tomar café da manhã. Se tem algo que eu amo no Reino Unido, são os cafés da manhã estilo inglês/europeu. Achamos um lugar bem recomendado pelo aplicativo Yelp e depois de encher a barriga, saímos andando por Edimburgo.
      Eu simplesmente AMEI essa cidade. É uma capital com todas as características esperadas de um país antigo, mas muito mais aconchegante sabe? Não é aquela loucura de cidade grande como Londres. Conseguimos fazer tudo a pé, carregando as mochilas nas costas haha




      Fomos andando por vários monumentos até chegar ao castelo. Não entramos porque custava mais de 17 libras e não podia entrar com mochilas grandes, fica para a próxima. Era bem grande e parecia ser interessante.
      Uma segunda coisa que descobri para visitar em Edimburgo, eram referências de Harry Potter. Dei um Google e descobri que estávamos perto de várias! Tem o cemitério que deu nome a alguns personagens da série como Tom Riddle, duas cafeterias que dizem que J.K. Rowling escreveu os livros, entre outros. Com tempo na cidade, tem os "free walking tour" direcionados a esses pontos. Essas são promovidas a pé, por guias locais, de forma gratuita, mas que ao final espera-se uma gorjeta ao guia de acordo com o trabalho realizado.



      Com o fim da manhã, encontramos nossos amigos e pegamos a Campervan. Paramos no mercado para fazer as compras e seguimos para St. Andrews. Essa é uma cidade costeira que é referência em golfe e tem a famosa universidade em que o príncipe William e Kate se conheceram. Andamos um pouco por lá pela universidade, pelo castelo que tinha acabado de fechar e seguimos até o pier.


      Como o dia já estava praticamente no fim, seguimos dirigindo até Perth. Chegamos a noite, encontramos um estacionamento público apropriado para passar a noite e jantamos pizza.
      Acabamos não vendo nada em Perth, infelizmente porque parece ser uma cidade bem fofa! Apenas dormimos porque estávamos todos exaustos.
      DIA 02 - ROADTRIP ESCÓCIA
      Esse foi o dia que começamos a fazer trilhas pelas Escócia.
      Acordamos, tomamos café e seguimos para Dunkeld, mais especificamente uma trilha chamada The Hermitage. No outono, as folhas caídas e o cenário alaranjado me impressionou. Essa é uma trilha curta, cerca de 30 minutos e muito fácil, mas por paisagens lindas. Uma caminhada tranquila, que fizemos até com chuva durante o trajeto mas recomendo a parada.


      Não muito longe, seguimos para a segunda parada do trajeto, chamada Faskally Forest. Essa é uma que não recomendo tanto. É para ser uma floresta encantada, então a noite e com crianças deve ser bem divertido pois tem um show com luzes e música.
      Fizemos mais uma caminhada circular e seguimos para Inverness. Gostaria muito de ter passado uma noite nessa cidade, ela é um pouco maior e é uma delícia! Entramos apenas na igreja St. Andrews, porque nosso objetivo era visitar o Lago Ness nesse dia também. Vale citar que caso não esteja planejando um roteiro como esse de campervan, Inverness é a cidade mais perto do monstro do Lago Ness hahaha


      Seguindo nosso caminho, cometemos um grande erro. O Loch Ness é um lago enorme, com mais de 30 km de distância. Quando já estávamos no meio dele, percebemos que pegamos a estrada errada! É possível ir pelos dois lados e em um deles é possível pegar um passeio de barco, visitar o Castelo Urquhart, entre outras atrações turísticas. Mas no lado que estávamos, não tinha nem espaço para parar!
      Quando percebemos o erro, iríamos perder muito tempo para voltar todo o caminho, então continuamos até encontrar algum lugar para parar e pelo menos chegar um pouco mais perto do Lago:

      Decepcionados e com o fim do dia, seguimos mais um pouco até encontrar o Eilean Donan Castle. É muito bonito e demos a sorte do sol estar se pondo, criando um clima bem gostoso e compensando um pouco o que perdemos na parada anterior. Não entramos no castelo, até porque tinha acabado de fechar, mas essa é uma opção também.
       
      
      Chegou a hora de seguir até encontrar um lugar para dormir e foi a noite que paramos ao lado da rodovia, em frente a um cemitério hahaha. Cozinhamos nossa janta embaixo de chuva e vento, dormimos cedo.

      
      DIA 03 - ISLE OF SKYE
      No terceiro dia, entramos oficialmente na Isle of Skye. Começamos parando na Sligachan Old Bridge, que foi uma sugestão minha. Estava chovendo, então paramos rapidinho só para umas fotos. É bem bonito ao redor, se não tivesse chovendo daria uma caminhada mais longa.
       
      Continuamos até Old Man Storr, a primeira trilha maior do roteiro. Foram 2h, cerca de 4.5 km e a grande dificuldade do percurso foi a chuva, vento e frio, mas a vista compensou do mesmo jeito. A trilha é muito bem demarcada e aberta, não tem como se perder e não tem segredo. Só seguir o caminho!
       
      Quando terminamos a trilha, fomos até Kilt Rock and Mealt Falls Viewpoint, que é uma cachoeira caindo no mar e o vento quase me deixou sem celular! Hahaha. O estacionamento é super perto desse mirante, então não tem segredo! Fácil acesso, com uma paisagem incrível. Além disso, tem umas pegadas de dinossauro que foram encontradas por lá e estão sinalizadas
       
      A segunda trilha do dia foi a chamada Quiraing. Como já estava mais tarde, o vento estava ainda mais intenso. Novamente parecia que eu ia ser carregada e em vários lugares tivemos que ser bem cautelosos. O total é 6.8km, mas a gente não fez tudo porque as condições climáticas não estavam boas, andamos por cerca de 2h novamente. Se tivéssemos chegado um pouco mais tarde, provavelmente nem seguiríamos o percurso, o vento estava MUITO forte.
       
      Novamente, a paisagem compensou todo o esforço. Foi um dos dias mais pesados para mim que não era acostumada com trilhas e grandes caminhadas, que foram dificultadas pela força do vento. Mas fiquei muito feliz e orgulhosa de ter completado o roteiro e sentido a imensidão da natureza por lá.
       
      No fim do dia, após todas essas andanças, chuva, vento, tudo que precisávamos era um banho quentinho! Fomos até o Arainn Fhinn, The Fingal Centre e pagamos para tomar um banho. É tipo uma academia com piscinas, então é tranquilo utilizar o banheiro, com o pagamento de uma taxa pequena.
       
      Estacionamos e dormimos por lá.
       
      DIA 04 - ISLE OF SKYE
      Cansados, tomamos um café da manhã mais caprichado em um lugar chamado The Red Brick Cafe @ Jans, muito delicioso e aconchegante. É dentro de uma loja, mas valeu super a pena a parada. Acabamos indo mais de uma vez.
       
      Pegamos a estrada até The Fairy Pools, é uma caminhada muito tranquila ao longo de um rio de água transparente e linda. Mais um dia chuvoso na Escócia, sem grandes dificuldades, a trilha pode continuar por quanto tempo você desejar, nós ficamos algumas horas, mas como a chuva dá uma desanimada não fomos tão longe.
       
      A parte mais difícil dessa trilha foi do estacionamento até a entrada, que é um morro íngreme, então na volta deu uma cansada haha.
       
      Essa foi a única parte interessante do dia, já que o objetivo era chegar em Fort William, que é a cidade base do Ben Nevis, a maior montanha do Reino Unido.
       
      Jantamos em um Pub (é nessa hora que geralmente carregávamos celular, usávamos banheiro, wifi e comíamos melhor). Achamos mais um estacionamento para passar a noite, eles organizaram as coisas e dormimos cedo pois no próximo dia o grupo (menos eu) iria subir o Ben Nevis.
       
      DIA 04 - FORT WILLIAM
      O dia começou intenso: os meus parceiros de viagem iriam subir o Ben Nevis, uma trilha de um dia inteiro que eu não me sentia preparada para realizar naquele momento. Por isso, decidi não ir com eles. Tomar essa decisão não foi fácil para mim, de alguma forma me senti ainda mais diferentes daquele pessoal, fiquei bem triste.
       
      Maaas consegui dar uma reviravolta no dia quando fui no centro de visitantes e pedi uma dica do que fazer. Foi assim que fiz a minha primeira trilha sozinha da vida! Escolhi a Cow Hill Circuit, porque dava na cidade. Eram 6.5km, estimados em 3h.
       
      Sabe quando era EXATAMENTE o que você tava precisando? Foi uma sensação de liberdade muito boa e que há tempos eu estava precisando sentir. Fui seguindo a trilha, que tinha uma vista sensacional e dei uma cortada até chegar na cidadezinha de Fort William.
       
      Almocei no MC Donalds HAHAHAHA, bati milhares de fotos, gravei meus vídeos para o Instagram, tirei infinitas selfies, me senti muito eu mesma sabe?! Nossa, que delícia que foi fazer isso por mim nesse dia!
       
      Depois de algum tempo, voltei para continuar a trilha. Bateu um leve desespero porque a trilha era bem isolada, meu celular estava com 1% e eu comecei a duvidar das minhas capacidades físicas de conseguir acabar o roteiro hahaha.
       
      Mas deu tudo certo! Consegui chegar no carro, eles terminaram a trilha exaustos, tomamos mais um banho em outra academia, jantamos no JD Wetherspoon's - The Great Glen e dormimos no mesmo estacionamento da noite anterior (Braveheart Car Park).
       
      DIA 05 - GLENFINNAN VIADUCT
      Uma dos lugares indispensáveis do nosso roteiro era ver o viaduto que passa o trem nos filmes de Harry Potter. Eu estava bem animada para esse dia!
       
      Dica: o trem passa ali de verdade! Precisa apenas ver os horários de saída e mais ou menos quando que ele passa pelo famoso viaduto. Só jogar no Google "The Jacobite". Acreditam que nós chegamos lá com 5 minutos de atraso? Foi triste! Hahaha Tem que chegar cedo porque o estacionamento lota, tentamos parar correndo em qualquer lugar para tentar ver um pouco, mas já veio um guarda querendo multar hehehehe
       
      No local tem um mirante e até uma trilha que chega bem pertinho do local. É demais e muito mais significativo pra quem é fã de Harry Potter, como nós hahaha
       
      Seguimos o caminho pelas "Terras Altas" ou "Scotland Highlands". É uma roadtrip sensacional, mesmo com o tempo ainda nublado e chuvoso, as paisagens que vamos passando são surreais de lindas.
       
      Paramos em alguns mirantes no caminho:
       
      The Meeting of the Three Waters
      Glencoe Waterfall
      Falls Of Falloch (uma caminhada curta até a cachoeira)
      Essa é aquela parte de realmente apreciar as vistas do caminho sabe? Principalmente para gente brasileiro, fazendo durante o outono com as cores alaranjadas, me impressionou muito. Acho que cada época do ano por lá deve ser uma sensação diferente. Imagina tudo cheio de neve? Ou num dia ensolarado (que na Escócia não deve ser tão comum, masss não custa usar a imaginação hahahaha).
       
      Eles decidiram desviar o caminho para ver um negócio chamado "The Devil's Pulpit". Sinceramente, não faria isso de novo, achei totalmente perda de tempo. Nas fotos da internet até parecia um lugar legal, mas não compensou, o caminho não era demarcado, eu acabei voltando pro carro... hehehe
       
      Depois de muita discussão do que fazer depois, finalmente chegamos a conclusão de tentar fazer uma trilha na manhã seguinte chamada "Ben A'an" e por isso fomos procurar o estacionamento mais próximo para passar a noite.
       
      Como já tínhamos perdido um pouco de tempo, passamos pelo Loch Lomond sem parar. Ele é o maior lago em extensão da Grã Bretanha e acho que vale a pena parar em um dos mirantes. Além disso, qualquer mapa de trilha que você abrir (eu uso o maps.me e um pouco do Wikiloc), vai perceber que nessa área tem MUITAS opções de trilhas. É uma região que rola dedicar um bom tempo hahaha
       
      DIA 06 - BEN A'AN, DOUNE CASTLE E STIRLING CASTLE
      Dormir no estacionamento do Ben A'An foi a melhor decisão dessa viagem inteira! Foi o primeiro dia com tempo aberto e as 7h da manhã já começamos a subir a montanha.
       
      Foi uma trilha mais desafiadora, pois vamos ganhando bastante altitude, mas valeu cada passo. Acho que nem preciso falar muito, as fotos deixam bem claro que essa foi a maior surpresa da viagem. Esse dia me deixou com um gostinho de quero mais, queria explorar as outras montanhas que tinham ao redor e desejei que não tivéssemos pegado tanta chuva nos outros dias! Hahaha
       
      Como começamos cedo, logo conseguimos continuar o roteiro que aos poucos ia nos levando de volta a Edimburgo.
       
      Dirigimos até o Doune Castle, na qual dizem que foi filmado Game of Thrones. O castelo estava em reforma, optamos por não entrar, só andamos ao redor rapidinho mesmo.
       
      Não muito longe dali, estava o Stirling Castle, eu achei essa região MUITO fofa. Deu vontade de ficar andando sem rumo por ali. Nós ficamos nos arredores do castelo que era gratuito, andamos um pouco até um cemitério e paramos para comer no The Crossed Peels - JD Wetherspoon.
       
      Não lembro se já dei essa dica aqui, mas quando estiver no Reino Unido, jogar um "Wetherspoon near me" no Google e visitar um dos pubs dessa rede é uma ótima escolha. Os cardápios são acessíveis e as cervejas também. Quer dizer, acessíveis comparando os outros pubs dessa parte do mundo né... não vá esperando ser muito barato quando for converter a moeda para o real hahaha
       
      O mais legal de estar com um carro que você além de te deslocar, também é o lugar de dormir, é que te dá a liberdade de simplesmente ir dirigindo até onde dá, sem aquela prisão do check in e check out, sabe?! Pra mim foi um dos grandes pontos positivos.
       
      Então depois de comer, conseguimos continuar até Glasgow, terminando oficialmente a parte natureza e pequenas cidades e entrando na civilização novamente. Haha
       
      Estacionamos no Kelvingrove Park, andamos por lá e a pé mesmo fomos atééé o centro (por volta da Buchanan Street). Foi bem longe, exausta já com o fim da viagem hahaha Acho que todos nós já estávamos um pouco de saco cheio de todo o tempo de convivência...
       
      Entramos num shopping, começamos a sair em busca de comida, terminei comendo um Subway e andamos tudo de volta até o carro (estava super frio, eu estava tremendo kkkkk).
       
      Tiramos o carro daquele estacionamento e saímos em busca de um lugar menos visível e mais residencial e quieto que pudéssemos passar a noite. Encontramos numa rua e com o máximo de silêncio e discrição, finalmente dormimos.
       
      DIA 07 - EDIMBURGO
      A viagem foi chegando no fim, como estávamos dormindo num lugar que não tínhamos certeza se era permitido, acordamos e arrumamos tudo rapidinho e saímos em busca de um café.
       
      Depois de comer, fomos de carro ao centro de Glasgow e o objetivo era dar uma turistada, mas os nossos parceiros começaram a dar uma reclamada que o estacionamento era caro, não achamos lugar que coubesse a van e como as 13h tínhamos que devolver o carro, optou-se por seguir para Edimburgo.
       
      Fiquei chateada porque a cidade era uma fofura e eu estava bem afim de dar uma explorada, não sei quando terei a oportunidade de retornar pra lá né?! Mas tudo bem, faz parte!
       
      Chegamos rapidinho em Edimburgo, devolvemos a van e como só voltaríamos pra Londres tarde no dia, despedimos dos amigos e ficamos novamente só eu e meu ex namorado.
       
      Com bastante tempo livre, apesar de cansados, deixamos as mochilas num locker da estação de ônibus e saímos andando para tentar ver mais um pouco da parte turística de Edimburgo até a hora de voltar pra casa.
       
      Fomos até o Calton Hill, que tem uma vista incrível e alguns monumentos das fotos abaixo e seguimos durante o dia fazendo o que eu mais AMO fazer em todas as minhas viagens: andar e explorar a pé e sem rumo. Af, como eu amo gente! Sério hahaha
       
      Meu celular infelizmente acabou a bateria nesse dia e acabei dando uma desapegada, mas passamos por umas ruazinhas muito fofas, restaurantes aconchegantes, quando o frio bateu entramos no Scottish National Gallery of Modern Art e assim foi passando o dia, até que as 22h pegamos o ônibus de volta para Londres e foi o fim da nossa aventura escocesa.
       
      Bônus: eu descobri que a menina que estava com a gente tinha uma mapa completinho de tudo que a gente fez, onde estacionou e tal, copiei ele e está aqui para vocês acessarem as informações e terem uma visão geral do que eu fiz, mas esse mérito e empenho não é meu, é dela ok?! Espero que ela não se importe, mas acho que nunca nem vai ver hahaha CLIQUE AQUI para acessar!
      Que experiência! O ponta-pé nas minhas viagens de natureza, assim como totalmente fora da minha zona de conforto, mas saí muito realizada e feliz por ter me aberto a essa oportunidade, mesmo estando em um momento bem delicado emocionalmente da minha vida. Foi uma excelente forma de finalizar minha temporada no UK.
      Espero que tenham gostado desse post e que eu tenha plantado uma sementinha para ir visitar esse país incrível que nem sempre está na prioridade dos brasileiros. A Escócia ganhou meu coração
      Podem me acompanhar pelo Instagram: anavoando
       
      (estou adicionando as fotos e revisando aos poucos)
    • Por Kassiano Severino
      Oi galera!!
       Sempre peguei dicas aqui do fórum, agora é minha vez de retribuir rsrsrs. Em Setembro de 2019 estava realizando meu intercâmbio em Londres (Minha primeira experiência no exterior), aí decidi passar um final de semana em Edimburgo, na Escócia.
      1° Comprei uma passagem de ida pela Ryanair por 15 euros, gostei do preço, saindo do Stansted Airport. 
      2° Como estava em Bethnal Green precisava ir para o aeroporto, então comprei um transfer para o aeroporto por 4 libras. Meu vôo era por volta das 08:00 da manhã. Então sairia de Londres por volta das 05:00 e estaria em Stansted às 06:00. Só que teve um acidente no começo da via, eu e outras pessoas ficamos esperando o ônibus e nada até uma senhora passar e nos avisar 😲😲😲😲. Isso já era por volta das 05:45, sai correndo para a Central Line rumo a Liverpool Street, chegando lá compro uma passagem de trem (Stansted Express) por 19 libras. Nessa altura estava com medo de perder o vôo, até pq eu sabia que precisava passar no balcão da Ryanair para conferência de visto. Chegando no aeroporto já por volta de 07:20 vejo a fila GIGANTESCA para o balcão da Ryanair. Penso comigo, ferrou, perdi meu vôo. Aí nessa hora vejo um funcionário da companhia aérea, ele estava atendendo pessoas sem bagagens e conferindo os passaportes, fui até lá e bingo visto conferido!!! 😃😃😃😃😃😃
      3° Hora da segurança e outra fila quilométrica, após uma espera grande chego na área de embarque faltando 20 minutos para o horário limite. 
      Isso foi uma grande aula de como se adaptar, contornar uma adversidade e que compensou bastante. Pois, foi o melhor fim de semana da minha estadia no Reino Unido.
      __________14 de Setembro________
      Edimburgo - Cheguei no aeroporto e já sinto uma diferença enorme na temperatura, sou de Recife, então 8 graus é frio!!! 🥶🥶🥶🥶, Mas gosto dessa temperatura rsrsrs. 
      Vou até o terminal e pego um ônibus até o centro da cidade, no caminho sinto como estivesse entrando no mundo medieval, prédios, ruas, praças e claro o castelo de Edimburgo!!


    • Por Weise Aguiar
      Fala mochileiros, meu nome é Weise (tipo o GPS Waze sim kkk) tenho 23 anos, e vou contar como foi minha primeira viagem a Europa, que aconteceu em Maio de 2019.
      Em Dezembro de 2018 estava decidido a realizar esta viagem, e a espera de passagens na promoção, porém não tinha nenhum dinheiro guardado, apenas o salário de Dezembro e dos próximos messes até a viagem (que não era muito). O instagram do Passagens Imperdíveis anunciou uma promoção para Roma nos mês Maio, era por volta de R$ 1.600,00, porém eu não tinha esse dinheiro, corri na CVC e fiz o agente colocar a mesma data que eu já sabia que estava promocional, o valor encontrado foi de R$ 1.800,00, não liguei para a diferença de preço, pois lá dividiram em 8x sem juros no famoso carnê. Perfeito! Minha mãe e tia também aproveitaram o achado e compraram também.
      Era Janeiro e eu tinha a responsabilidade de montar o roteiro, achar hotéis e fazer tudo que era necessário inclusive assessorar a confecção do passaporte das senhoras. Planejar viagens era um hobbie meu, não faze-las também kkkk, estava empolgado com os preparativos da primeira grande viagem e por estar responsável por pessoas que sempre foram responsáveis pro mim. Seriam 14 dias na Europa, inicialmente queria colocar a Europa toda no roteiro, porém percebi que 3 países seria o máximo que conseguiria conhecer neste tempo, foi difícil, tive que deixar a cara Suiça, mas em um comum acordo escolhemos conhecer as cidades de Paris, Londres, Milão, Veneza, Pisa e Roma. Utilizei todo meu conhecimento e sites mágicos para achar a melhor rota entre estes países (melhor no caso era a mais barata), a unica certeza e que chegávamos por Roma e por ali também sairíamos. O itinerário foi:
      - Escolhi conhecer Roma por ultimo, pois o risco de perder o voo de volta para o Brasil era menor, já que eu estaria na cidade. Sendo assim compramos passagens de Roma para Paris;
      Paris: Minhas pesquisas por custo x benefício me levaram ao Hotel Ibis Porte de Montreuil, eles tem uma categoria chamada budget que seria mais econômica, pagamos cerca de R$ 320,00 no quarto para 3 com café da manhã incluso. Sim! Ficou quase R$ 100,00 pra cada pessoa por diária em um hotel em Paris. O hotel ficava um pouco distante do centro da cidade mas a estação de trem era a 4 minutos de caminhada, e 40 minutos de viagem até a Torre Eiffel, nem sentíamos o trajeto. Também havia um Carrefour como vizinho no hotel, que tinha preços muito bons! Na cidade utilizamos o metrô (1,70€) para ir a qualquer lugar com exceção de Montmartre que utilizamos o uber (mesmo app do BR). Em Paris visitamos além da famosa Montmartre, a Champs Elysees, Arco do Triunfo, quase todas as pontes famosas, Village Royal (lugar onde tem o corredor cheio de guarda-chuvas), Galerie Lafayette, o Museu do Louvre, La Vallée Village (a outlet mais chique que já vi, comprei ate uma blusa da Levi´s por 13€), a Primark (mãe da C&A, Renner e afins) e claro a Torre Eiffel todos os dias a noite.  
      Londres: Escolhi fazer o trajeto com o trem da EuroStar, ele passa por baixo do mar e se pode ter uma vista muito bonita do trajeto na superfície, não me lembro o preço exato mas foi algo em torno de R$ 200,00. Chegamos em Londres na famosa estação King's Cross (Harry Potter), tentamos pegar um ônibus porém não aceitavam dinheiro e eu ainda não sabia comprar o cartão (destaque para o primeiro contato com inglês britânico, foi muito estranho não entender nada que o senhor no ponto de ônibus falou), pegamos uber e chegamos ao hotel bem rápido. Em Londres eu também escolhi um hotel budget da Ibis (Whitechapel), este porém era mais moderno, a moça que nos recebeu foi muito prestativa e me ajudou muito com informações importantes, custou algo entorno de R$ 120,00 a diária para cada pessoa no quarto triplo. Fui conhecer Londres logo que cheguei e ao sair do hotel percebi que o bairro era meio .... diferente, varias mulheres de burca e alguns homens com cara de indianos, mesquitas e muitas placas em árabe (ou seja lá o que era aquilo) mais tarde descobri que o bairro era multicultural e acabei adorando ver toda aquela cultura! E 20 minutos de caminhada e estávamos na Tower Bridge um dos maiores símbolos de Londres, foi impactante (foi o lugar que mais gostei na cidade), durante 4 dias conhecemos lugares como o Saint James Park, o Palácio de Buckingham, o Borough Market, a loja gigantesca da M&M (não deixe de conhecer, é a maior do mundo), China Town, Leicester, Tottenham, compras na Primark de Londres (que era melhor que a de Paris), Camden Town (é meio longe, mas iria 10x mais longe vale muito), um destaque para o Camden Market, tem vários outros lugares, mas assim como em Paris não vou citar para não ficar exaustivo. Em falar em exaustivo, primeiro perrengue da viagem, eu havia comprado passagens pela Ryan Air, o aeroporto em que eles atendiam era super longe, e de uber gastamos cerca de R$ 500,00 pela viagem para nos 3, essa foi a primeira facada, a segunda veio quando a atendente me disse que o embarque já havia sido encerrado 1h30 antes do voo, brigas depois minha tia passou o cartão e compramos outra passagem (55 libras cada).  
      Milão: Ok, passamos o perrengue e foi hora de engordar, do aero até a cidade pegamos um ônibus (7€). Os hotéis da Itália foram escolhidos na CVC, novamente pela facilidade do parcelamento sem comprometer limites dos cartões, as fotos do site não condiziam muito com a realidade, e isso foi uma coisa boa em Milão o iH Hotels Milano Gioia foi um achado, era muito confortável, digno de um 3 estrelas,  perto de supermercados, restaurantes (bons e baratos, onde comi a melhor pasta da viagem), além de ser relativamente parto do centro da cidade, aqui não utilizamos o transporte publico para nada, fizemos tudo caminhando e foi ótimo. A cidade sem duvidas e uma das mais bonitas da Europa, o antigo se misturava com o moderno, e realmente era a cidade da moda, marcas de luxo como LV, Gucci, Versace e outras enfeitavam as ruas. Aqui conhecemos a Pinacoteca de Brera, cujo qual eu nem sabia da existência e literalmente esbarrei na rua, o Duomo Di Milano, a Galeria Vittorio Emanuele II e o Castello Sforzesco. Foi tudo perfeito por aqui, boa comida e lugares impressionantes.  
      Veneza: Embarcados no trem seguimos para Veneza, estávamos com a expectativa alta para o Hotel Ca' Gottardi, pois foi o mais caro da viagem (R$ 1.300,00 por diária, só ficamos uma kkkk), era luxuoso, mas nada extravagante. A cidade realmente é tudo o que dizem, chegamos de manhã e partimos no outro dia de noite. Foi mais que suficiente para conhecer cada canal, as coisas eram um pouco caras, mas valeu cada euro.  
      Pisa: Pisa me surpreendeu muito, já era noite quando chegamos, mas não nos impediu de ir ver a famosa torre inclinada, estava deserta. A primeira surpresa foi com a cidade em si, ela parecia cidade universitária de interior (e era). O hotel foi o Royal Victoria, de frente para o rio que corta a cidade muito charmoso, inicialmente achamos o hotel velho demais, pesquisas depois me fizeram mudar de ideia, é um hotel histórico, a diária no quarto triplo custou R$ 400,00. A outra surpresa foi com o conjunto histórico, eu sempre achei que a torre era sozinha, porém descobri que ela faz parte de um conjunto que inclui um batistério e uma catedral. Não tem muito para conhecer na cidade, os 2 dias por lá foram suficientes.  
      Roma: Já um pouco cansados partimos de trem, é claro, para a nossa primeira e ultima cidade Europeia Roma. E mais um perrengue era previsto, o "hotel" Cesar Palace, era HORRÍVEL, até hoje não entendi o que era aquilo, mas parece que era um prédio residencial antigo, onde funcionava o "hotel" em dois dos diversos andares, não havia recepção, apenas uma sala de bagunça onde tinha um cara. Meio assustado fiz nosso check in e um segundo cara meio estranho apareceu do nada e nos levou ate o quarto, quando questionei sobre o café da manhã que tinha pago (5€) ele saiu e voltou com uma fixa "vale 1,50€ no bar da esquina" literalmente era isso, parecia uma grande piada, minha mãe se revoltou e queria fazer barraco kkkkk mas achamos melhor tentar curtir a cidade e ir para o hotel apenas para dormir, já que todas as nossas coisas ficavam lá sozinhas não fizemos nenhuma reclamação. A cidade era bem diferente das outras, encontramos com alguns brasileiras e elas haviam sido furtadas na Fontana de Trevi, a cidade era um pouco suja demais, mas nada que não estivéssemos acostumados. Aproveitamos muito e apesar das atrações serem longes, fizemos todos os trajetos a pé, andamos MUITO, mas já sabia chegar a qualquer lugar, já estava me sentindo um romano, entre as atrações visitamos o Coliseu, o bairro de Trastevere, o Vaticano, o Monumento a Vittorio Emanuele II, a Fontana de Trevi, o Panteão, Piazza di Spagna entre vários outros lugares. No check out não havia ninguém na sala de bagunça e uma placa dizia que o atendimento iria se iniciar em 2h, então tiramos tudo do quarto e saímos deixando a chave pendurada na maçaneta da porta. Este foi um resumo de cada cidade, creio que no futuro escrevo sobre detalhes sobre cidade. Foi um enorme aprendizado viajar desta forma, e apesar de ter pesquisado muito antes, algumas coisas ainda passaram despercebidas, cada cidade tinha seu próprio estilo e foi impossível escolher uma favorita (Londres), temos vontade de fazer tudo de novo, tenho certeza que teremos uma experiencia diferente. Me deixo a disposição para ajudar tirando duvidas ou de outras formas se tiver no meu alcance! 
      Depois que voltei ao Brasil contabilizei cerca de R$ 8.900,00 com tudo que tinha gasto na viagem, incluindo hospedagem, comida, compras, passagens, tudo mesmo. 
      Segue algumas fotos do ocorrido, no meu instagram @weiseaguiar também tem vários histories legais de cada lugar. Um grande abraço mochileiros!
       








×
×
  • Criar Novo...