Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Pericles Rosa

O que fazer em Havana

Posts Recomendados

Havana foi a primeira cidade que visitei durante minha viagem de 20 dias para Cuba. Assim que cheguei, me senti como se tivesse voltado no tempo: carros antigos rodando pelas ruas da cidade; prédios velhos – alguns preservados, outros caindo aos pedaços; sem Internet no aeroporto e em casa… Mas visitar Havana é muito mais do que viajar de volta ao passado. É uma oportunidade de aprender sobre a história de Cuba, particularmente sobre a revolução cubana e o Período especial; entender como o povo cubano vive; e testemunhar sua extrema paixão pela música e dança.

o que fazer em Havana travel to Cuba things to do in Havana
El Malecón de Havana, Cuba

O que fazer em Havana

Há muito o que fazer em Havana, e se você quiser visitar os pontos de interesse mais importantes, seu roteiro de 2 ou 3 dias será preenchido com locais fascinantes para visitar e coisas extraordinárias para ver.

Por isso decidi fazer uma lista das 7 melhores coisas para fazer em Havana, com as experiências mais formidáveis que você pode ter na cidade, para você aproveitar sua viagem ao máximo 😉

As 7 Melhores Coisas para Fazer em Havana

1- Fazer um Free walking tour

Não há melhor maneira de passear e aprender sobre a história de uma cidade do que fazer um “Walking Tour”.  E se é for de graça, melhor ainda.
Eu tento fazer um “Free Walking Tour” em todos os lugares que visito, e em Havana não foi diferente.
O tour de 4 etapas começa no Parque Central, no coração de Havana, e leva os participantes para 2h30min de caminhada ao redor da cidade, passando por alguns dos pontos de interesse mais famosos de Havana: El Capitólio de Havana, Gran Teatro de la Habana, Plaza de la Catedral, Plaza Vieja, Plaza de Armas; e também Partagás Real Fabrica de Tabaco, o Hotel Ambos Mundos ( “primeira casa” do Ernest Hemingway em Cuba), etc.
Esse passei foi uma das melhores coisas que fiz em Havan, e aprendi muito sobre a fascinante história de Cuba.
Super recomendo !!

things to do in havana o que fazer em Havana
O tour termina na Plaza Vieja, a primeira a ser restaurada.

* FreeTour Havana oferece passeios grátis diariamente em Inglês e Espanhol, às 9:00 e 10:00 e 04:00 e 05:00. Os passeios são gratuitos, mas as gorjetas são bem-vindas.

2 – Passear por Habana Vieja

Habana Vieja (Havana Velha) é a parte mais famosa e turística de Havana.
Fundada em 1519 pelos espanhóis e localizada dentro da extensão das antigas muralhas da cidade, ela foi construída nos estilos barroco e neoclássico, e foi declarada Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO em 1987. Embora muitos dos edifícios originais foram queimados e/ou desabaram, Havana Velha ainda exibe o modelo urbano desenhado na sua fundação, com ruas estreitas, misturando monumentos em barroco e neoclássico, casas arcadas com varandas, portões de ferro forjado, e pátios internos.

O que fazer em Havana things to do in Havana Cuba
A arquitetura típica de Havana.

Passeando pelas ruas de Havana Vieja, você terá certeza que está em Cuba e em nenhum outro lugar do mundo. Restaurantes tocando música cubana, as pessoas dançando salsa nas ruas, senhoras vestidas com trajes típicos coloridos, prédios caindo aos pedaços, gente conversando alto em espanhol… Tem sempre alguma coisa acontecendo nas ruas de Havana Velha. 

o que fazer em havana travel to Cuba things to do in Havana
Uma senhora vestida com roupas típicas cubanas nas ruas de Habana Vieja, Cuba

Essa é a minha parte favorita da cidade, e há muito o que fazer em Havana Vieja com vários lugares encantadores para visitar. Alguns deles são: calle Obispo (no fim dessa rua tem sempre restaurantes com música ao vivo, e pessoas dançando na rua), Plaza de la Catedral e Catedral de San Cristóbal, Plaza Vieja, Cámara Oscura, Museo de la Revolución, Plaza de Armas, Hotel Ambos Mundos (para tomar uma piña colada servida no abacaxi na cobertura), Basílica de San Francisco de la Habana, e El Malecón.

o que fazer em Havana things to do in Havana
Catedral de San Cristóbal, Havana, Cuba

3 – Fazer um passeio num “almendrón”

Almendrones são os carros antigos de meados do século XX que estão em toda parte em Cuba, e são uma lembrança do período pré-revolução. A maioria deles foi fabricado por grandes marcas americanas, como: Dodge, Chevrolet, Plymouth, Ford e Packard.
E, embora os cubanos usem esses carros como táxis “comuns”, os turistas pagam uma taxa muito mais elevada para fazer um passeio de 1h30min pelas ruas de Havana. Os carros usados para estes passeios são muito mais bonitos, melhores preservados e equipados do que os táxis “comuns”. Por isso, vale totalmente à pena pagar US$ 30 pelo passeio.
Estava morrendo de vontade de andar num desses carros vintages desde o momento que desembarquei em Havana. Há tantos “almendrones” lindos que é impossível não tirar várias fotos.

o que fazer em Havana travel to Cuba things to do in Havana
Almedron estacionado próximo ao Malecon.

O city tour em um carro vintage passa pelo Parque Central, El Capitolio, o Grand Teatro de la Habana, Chinatown, uma fábrica de charutos em Centro Habana, Plaza de la Revolución, Universidad de Habana, Parque John Lennon, Hotel Nacional, El Malecón e Nova Havana.
Recomendo fazer esse passeio no início ou no final do dia por causa do calor. E mesmo que algumas pessoas considerem esse passeio muito turístico, pra mim, é uma das melhores coisas para fazer em Havana.
Afinal, onde mais no mundo você vai tem oportunidade de fazer um city tour num deslumbrante carro vintage??

o que fazer em Havana travel to Cuba things to do in Havana
Plaza de la Revolucion, Havana, Cuba

4 – Admirar a melhor vista de Havana no Grand Hotel Manzana

Se você está se perguntando onde pode obter a melhor vista de Havana, minha resposta é: do Grand Hotel Manzana Kempinski.
O hotel cinco estrelas inaugurado em 2017, está localizado em um edifício neoclássico magnífico construído entre 1894 e 1917 como o primeiro shopping em estilo europeu de Cuba.
Situado no coração da parte antiga de Havana, ele proporciona uma vista panorâmica de dois dos edifícios mais lindos da cidade: El Capitolio e El Grand Teatro de la Habana. Também é possível admirar o Parque Central visto de cima, os belos edifícios coloniais e neoclássicos que cercam o hotel, e a vista espetacular de Habana Vieja.

o que fazer em Havana things to do in Havana
A vista do Gran Hotel Manzana é sensacional!

O bar do terraço e o restaurante estão abertos ao público, e as bebidas tem preços razoáveis.

5 – Visitar o Museo Napoleónico

Durante meus quatro dias em Havana, visitei dois museus: Revolução e Napoleão. O Museu da Revolução é bom, especialmente se você fizer uma visita guiada. Mas Museu Napoleónico é o que está na minha lista de “o que fazer em Havana”.
O Museu Napoleão abriga a coleção napoleônica mais importante da América Central, e está situado num soberbo palacete de estilo renascentista construído na década de 1920.
A coleção contém mais de 700 objetos, incluindo itens pessoais pertencentes a Napoleão e sua comitiva, móveis, livros, pinturas, esculturas, bronzes, porcelanas, armas, moedas, etc.

o que fazer em Havana things to do in Havana

Salão principal do Museo Napoleónico, Havana, Cuba

O que mais gostei no Museo Napoleónico, além do fato de que ele tem uma das mais importantes coleções de objectos ligados à vida de Napoleão fora da França, foi o mobiliário, particularmente algumas mesas e lustres, e a cobertura que proporciona uma excelente vista da cidade.

o que fazer em Havana things to do in Havana o que fazer em Havana things to do in Havana o que fazer em Havana things to do in Havana

6 – Tomar o Daiquiri do Ernest Hemingway em El Floridita

Mesmo se você não estiver familiarizado com o escritor e jornalista norte-americano e ganhador do Prêmio Nobel, Ernest Hemingway, quando estiver em Cuba, sobretudo em Havana, você vai ouvir falar dele várias vezes. Hemingway teve uma residência permanente em Cuba na década de 1940 e 1950, e escreveu sete livros durante sua estada, incluindo O Velho e o Mar, que tornou Hemingway uma celebridade internacional, e ganhou o Prêmio Pulitzer em maio de 1952.

Um dos lugares que Hemingway costumava frequentar é El Floridita, um bar aberto em 1817, que é considerado um dos melhores do mundo.
Diz-se que Hemingway, um habitué de El Floridita (há até mesmo uma estátua de bronze do escritor lá), mudou a receita do daiquiri, e o bar mantém o segredo desde então. Como resultado, esse é o melhor daiquiri do mundo. O gelo não derrete, a dose de álcool é perfeita, resultando em um coquetel um pouco seco, não adocicado, e muito suave.
Confesso que não sou muito fã de álcool, mas provei daiquiris em vários bares de Cuba, e não encontrei um outro tão bom quanto o de El Floridita. O preço é mais elevado do que os encontrados em outros lugares (cerca de US$ 6), mas vale à pena, pois é o daiquiri mais saboroso de Cuba.

o que fazer em Havana things to do in Havana
Você tem que provar esse drink!

El Floridita está localizado na esquina da Calle Obispo e Monserrat, em Havana Vieja, e está aberto todos os dias 11:00 – 00:00.

7 – Curta a Melhor Noite de Havana na FAC

Havana, a maior cidade de Cuba, tem uma população de mais de 2 milhões de pessoas, e é conhecida por ter a melhor vida noturna do país. Então, se você estiver procurando o que fazer em Havana à noite você não vai se decepcionar. La Zorra y El Cuervo Jazz Bar, King Bar (adorei), El Divino (apenas aos sábados), Sia Kara Cafe, El Gato Tuerto, e La Bodeguita del Medio são alguns dos bares e baladas pra curtir “la noche habanera”.
Mas a melhor balada, e o lugar mais legal lugar para ir em Havana é, sem dúvida, FAC (Fábrica de Arte Cubano). Localizada em uma antiga fábrica de óleo de cozinha construída em 1910, está incrível galeria de arte e balada inaugurada em fevereiro de 2014 atrai centenas de moradores e turistas.
Além de ter uma galeria de arte e fotografia, pista de dança, cinema, bares, restaurantes, e um espaço para shows ao vivo, FAC é um projeto que tem como objetivo integrar e promover artistas cubanos de diversas vertentes.

o que fazer em Havana things to do in Havana
Exposição de fotos to artista cubano Enrique Rottenberg na FAC

Tenho que dizer que adorei tudo na FAC! O edifício, o preço da entrada (apenas US$ 2), as galerias de arte, as exposições, o cinema que se converte em uma pista de dança, o show ao vivo, a vibe, o público super interessante, as áreas ao ar livre, e as bebidas baratas.
Se você tiver apenas uma noite em Havana, não deixe de ir à FAC.

o que fazer em Havana things to do in havana
Música o vivo na FAC, Fabrica de Arte Cubano, Havana, Cuba

Esta é a minha lista das 7 melhores coisas para fazer em Havana, e os outros pontos de interesse que você também pode visitar são: Museu da Revolução, Castillo de la Real Fuerza (um dos primeiros fortes das Ámericas), Paseo del Prado, Castillo del Morro, Forte La Cabaña, Museu do Rum, Calejon de Hammel, Museu de Belas Artes, e Forte de San Salvador de la Punta.
Havana é uma metrópole super agitada e eletrizante, e se você seguir essas dicas vai entender porque essa é minha cidade preferida em Cuba.
Boa viagem e aproveite Havana 😉
 

Se você quiser mais informações sobre Havana, inclusive dicas de hospedagem, gastos e restaurante, só clicar no link: https://www.7continents1passport.com/o-que-fazer-em-havana-cuba/?lang=pt-br

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Natygirl
      Olá pessoal,
      É necessário que o visto de cuba seja feito antecipadamente? Vi em alguns sites que para solicitar o visto é preciso ter o certificado da febre amarela, só que em outros pede que se tome a vacina 10 dias antes da viagem. Confesso que to bastante confusa nessas infos. 
      (Irei de Cancun para Havana)
    • Por Natygirl
      Galera vou passar o mês de Março mochilando por esses países, quem estiver por algum desses nas datas vamo se encontrar!! Abs!!
      03/03 (Domingo) Cidade do México
      -Chegada na Cidade do México às 05:05
      -El Zócalo
      -Templo Mayor
      -Palácio Nacional e painéis de Diego (Palácio de Belas Artes)
      -Torre Latinoamericana 
      04/03 (segunda-feira) Cidade do México
      -Pirâmides de Teotihuacán
      05/03 (terça-feira) Cidade do México
      -Museu de Antropologia
       06/03 (quarta-feira) Cidade do México
      -Castelo de Chapultepec
      -Museu Nacional
      -Basílica de Guadalupe
      07/03 (quinta-feira) Cidade do México
      -Casa de Frida Kahlo
      -Casa Museu de León Trotsk
      -Mercado de Coyoacán
      08/03 (sexta-feira) Cidade do México-Puebla-Oaxaca
      *Pegar Daytrip para Cholula/Puebla  
      -Ficar na rodoviária de Puebla
      *Ônibus noturno para Oaxaca (5hs de ônibus)
      09/03 (sábado) Oaxaca- San Cristobal de Las Casas
      -Tour de Mitla + Hierve el Agua
      *Ônibus noturno para San Cristobal
      10/03(domingo) San Cristobal de Las Casas
      -Chegada em San Cristobal por volta das 8hs
      -City tour em San Cristobal
      *Agendar Tour para Palenque no outro dia
      11/03(segunda) San Cristobal de Las Casas - Palenque-Mérida
      -Sítio Maia de Palenque
      *Ônibus noturno para Mérida
      12/03(terça) Mérida
      -Chegada em Mérida por volta das 10:00
      -Sítio Uxmal
      *Agendar Tour de Chichen Itzá com volta para Riviera
      13/03(quarta) Mérida-Chichen Itzá-Playa del Carmen/Tulum
      -Chichen Itzá
      -Volta pela PLaya de Carmen
      14/03(quinta) Playa del Carmen/Tulum
      15/03(sexta) Playa del Carmen/Tulum
      -Cobá
      16/03(sábado) Playa del Carmen/Tulum
      17/03(domingo) Cancun
      18/03(Segunda-feira) Cancun-Havana(fim do dia)
      19/03(Terça-feira) Havana
      20/03(Quarta-feira) Havana
      -Ver como fazer bate e volta para Varadero
      21/03(Quinta-feira) Havana
      22/03 (Sexta-feira) Havana-Lima 
      23/03 (Sábado) Lima
      24/03(Domingo) Lima
      25/03(Segunda-feira) Lima
      26/03(Terça-feira) Lima
      27/03(Quarta-feira) Lima-Cusco
      28/03(Quinta-feira) Cusco
      29/03(Sexta-feira) Cusco
      30/03(Sábado) Cusco
      31/03 (Domingo) Cusco
      -Saída de Cusco às 05:30
    • Por Natygirl
      Olá pessoal,
      gostaria de saber a opinião de vocês sobre o roteiro abaixo. Na verdade a dúvida maior é sobre os trechos que vou fazer de ônibus noturno. É viável? É seguro? Da para comprar os trechos antes pela internet? Tulum ou Playa, qual melhor para se hospedar?
      03/03 (Domingo) Cidade do México
      -Chegada na Cidade do México às 05:05
      -El Zócalo
      -Templo Mayor
      -Palácio Nacional e painéis de Diego (Palácio de Belas Artes)
      -Torre Latinoamericana 
      04/03 (segunda-feira) Cidade do México
      -Pirâmides de Teotihuacán
      05/03 (terça-feira) Cidade do México
      -Museu de Antropologia
       06/03 (quarta-feira) Cidade do México
      -Castelo de Chapultepec
      -Museu Nacional
      -Basílica de Guadalupe
      07/03 (quinta-feira) Cidade do México
      -Casa de Frida Kahlo
      -Casa Museu de León Trotsk
      -Mercado de Coyoacán
      08/03 (sexta-feira) Cidade do México-Puebla-Oaxaca
      *Pegar Daytrip para Cholula/Puebla  
      -Ficar na rodoviária de Puebla
      *Ônibus noturno para Oaxaca (5hs de ônibus)
      09/03 (sábado) Oaxaca- San Cristobal de Las Casas
      -Tour de Mitla + Hierve el Agua
      *Ônibus noturno para San Cristobal
      10/03(domingo) San Cristobal de Las Casas
      -Chegada em San Cristobal por volta das 8hs
      -City tour em San Cristobal
      *Agendar Tour para Palenque no outro dia
      11/03(segunda) San Cristobal de Las Casas - Palenque-Mérida
      -Sítio Maia de Palenque
      *Ônibus noturno para Mérida
      12/03(terça) Mérida
      -Chegada em Mérida por volta das 10:00
      -Sítio Uxmal
      *Agendar Tour de Chichen Itzá com volta para Riviera
      13/03(quarta) Mérida-Chichen Itzá-Playa del Carmen/Tulum
      -Chichen Itzá
      -Volta pela PLaya de Carmen
      14/03(quinta) Playa del Carmen/Tulum
      15/03(sexta) Playa del Carmen/Tulum
      -Cobá
      16/03(sábado) Playa del Carmen/Tulum
      17/03(domingo) Cancun
      18/03(Segunda-feira) Cancun-Havana(fim do dia)
      19/03(Terça-feira) Havana
      20/03(Quarta-feira) Havana
      -Ver como fazer bate e volta para Varadero
      21/03(Quinta-feira) Havana
      22/03 (Sexta-feira) Havana-Lima (vou fazer a volta por lima pq fico no Peru até dia 31/03)
       
      Desde já sou muito grata a quem puder contribuir!! Abs!
    • Por Jana.AOl
      Olá!
      Embarcaremos rumo ao desconhecido no dia 11/fev/19, um amigo e eu!
      Retornaremos, cheios de histórias e encantos cubanos, no dia 28/fev.
      Ainda não montamos roteiro nem vimos as hospedagens.
      Se for nesse período, me deixa uma mensagem!
      Abraços.
    • Por manuelahm
      Olá!
      Esse é o relato da viagem que eu e mais duas amigas fizemos em Agosto e Setembro de 2013 para Cuba. Como nossa viagem começou aqui no mochileiros, nada mais justo que termine aqui mesmo. Qualquer ajuda, podem falar comigo! Botei o relato aqui em .doc com algumas imagens, etc, mas vou colocar aqui o texto corrido também. Alguns posts à frente aqui no tópico, tem fotos de Baracoa.
       
      Revisado em 25/11/2016.
       
      25 DIAS EM CUBA: DE PONTA À PONTA
       
      Havana – Matanzas – Cienfuegos – Trinidad – Santa Clara – Baracoa – Santiago - Viñales
       
      PRÉ VIAGEM
       
      Passagens
      Comprei pela Copa Airlines com 3 meses de antecedência em promoção! Rio – Havana, com escala em Panamá, ida e volta, saiu a R$1486,00 por pessoa. Pelo que vi, o preço normal varia de R$2000 a R$2200(melhor ter esse preço em mente ao fazer o orçamento). O serviço foi bem satisfatório! Na ida, houve atraso no embarque, mas o piloto compensou no trajeto e conseguimos pegar a conexão no Panamá.
       
      Seguro de saúde
      Obrigatório para entrada em Cuba desde 2010. Fiz pelo Sul-América(serviço da Mondial Assistance) e custou R$180,00 um plano simples(América Latina Compacto) com validade de 25 dias. Pesquisei bastante antes de comprar e, dos mais conhecidos, foi o mais barato que consegui. Na imigração, não pediram esse documento! Mas vou dar a primeira dica: comida em Cuba é um pouco complicado e a chance de você passar mal em algum momento da viagem é grande. Eu fui atendida em uma clínica internacional em Trinidad(tem em outras cidades também), e o atendimento foi excelente.
       
      Visto
      Apesar de já ter lido na internet sobre visto para Cuba, pode acreditar que não precisa! No próprio balcão da companhia aérea, já na hora do check-in, você compra a tarjeta de turista(válida por 45 dias, prorrogáveis por mais 45) por 20 dólares. Você mesmo preenche e apresenta na imigração. Eles carimbam(a tarjeta, não o passaporte) e, pronto, bem-vindo à Cuba!
       
      Câmbio
      LEVAR EUROS! A cada transação de câmbio com dólar, é cobrada uma taxa adicional de 10%. A taxa de conversão para CUCs foi de aproximadamente 1,30 enquanto estive lá, com pequenas variações de um dia para o outro. Aliás, essa é uma vantagem da economia socialista. Os preços são estáveis e, via de regra, tabelados! Eu levei 800 euros para tudo e voltei com 100.
       
      Hospedagem
      Cara, um conselho: não fique em hotéis. Em Cuba tem uma grande oferta de casas particulares, que são baratas, confortáveis e a melhor forma de entrar em contato com a cultura local. Minha dica é: reserve apenas a primeira estadia. A partir daí, os donos das casas particulares indicam e até fazem a reserva por telefone para você para as próximas casas. Nas rodoviárias é muito comum, e irritante, terem muitas pessoas esperando a saída dos ônibus cheios de turistas com ofertas de casas. Mas eu acho melhor ter sempre alguma indicação.
       
       
      Transporte
       
      Entre as cidades, fomos de ônibus (Viazul o nome da empresa). Eles não tem um sistema de venda de passagens e, como os ônibus normalmente fazem grandes trajetos e você compra apenas um pedaço dele, fica tudo meio caótico. Eles costumam ter um pequeno número de passagens que eles podem vender antecipado e o restante apenas quando o ônibus chega, para ver quantos lugares vazios ainda tem. Teve um dia que eu consegui comprar o meu, mas as meninas já não conseguiram. Falei com a mulher que de nada adiantava comprar só o meu, porque estávamos juntas. Depois de pentelhá-la um pouco, ela acabou cedendo. Então, a dica é: seja um pouco chato! Outra coisa importante é que não faz muita diferença chegar 3h antes ou 1h antes, porque não tem uma fila direito e eles só começam a vender 1h antes. Se não conseguir e não quiser comprometer seu roteiro, tente negociar um táxi dividindo com outros viajantes. Eles sempre estão de prontidão nas rodoviárias.
       
      Já para fazer os programas, combinávamos táxis não por frescura, mas porque na maioria das vezes é a “única”* forma de chegar nesses locais, já que o transporte público em Cuba é um grande problema. E o bom dos táxis é que eles ficam o dia inteiro à sua disposição, então dá pra combinar mais de um programa no mesmo dia e economizar tempo e dinheiro. Além disso, eles são como guias também, porque conhecem tudo e acabaram virando nossos amigos!
       
      OBS: por táxi, entenda qualquer carro particular que vira táxi pra eles ganharem um dinheirinho extra. Os cubanos são muito visionários, já faziam Airbnb e Uber MUITO antes do resto do mundo, hahaha.
       
      *Entre aspas porque já li alguns relatos de mochileiros que pegaram carona e outros meios mais alternativos pra chegar nos lugares, mas curiosamente eram todos de homens. Cuba é um país muito seguro, mas mal ou bem somos 3 meninas e não quisemos “arriscar”.
       
       
      VIAGEM
       
      Chegamos à parte boa! Farei o relato por cidade e não por dias, para ficar menos maçante. Caso falte alguma informação ou queira perguntar qualquer coisa, sinta-se à vontade. Até Santa Clara, fizemos a viagem em 3, então os preços citados normalmente são pra 3, e a partir dali fomos só 2.
       
      Vale lembrar também que gosto é uma coisa muito particular e várias circunstâncias fazem a diferença numa viagem, mas apenas para situar... Somos 3 meninas de 19 anos que fomos pra lá sozinhas e não queríamos conhecer apenas a parte óbvia de Cuba e passamos longe de resorts. Nos hospedamos apenas em casas particulares, usávamos o critério preço para muitas coisas e esse é o nosso estilo de viagem, espero que combine com o seu!
       
      HAVANA
       
      Chegamos em Havana de dia, perto da hora do almoço, e tinha um táxi nos aguardando. Reservamos com a dona da casa particular por e-mail, para nos dar uma segurança extra no momento da chegada. O táxi nos custou 25 CUC para nós 3 e o preço não varia muito, especialmente para a chegada. Trocamos algum dinheiro na casa de câmbio no aeroporto, mas apenas o suficiente para o táxi e os gastos do primeiro dia, pois a cotação não estava boa!
       
      No táxi, já deu para sentir o clima da capital cubana! Abrimos a janela (muito muito calor) e nos divertimos ao som da salsa que vinha das caixas de som do simpático taxista. Chegamos à Casa de Ania(Calle 27 de noviembre, 160, aptos 8 e 9), um dos únicos hostels de Cuba(10 CUC por cama), ótimo lugar pra conhecer outros viajantes! Fomos muito bem recebidas. A Ania nos informou que houve um problema com a reserva e que para a primeira noite só havia 2 camas disponíveis e não 3. Uma das camas era bem grande e decidimos dividir, e acabamos fazendo isso nas outras noites também, nos garantindo uma economia de 10 CUC por noite.
       
      Já na chegada fizemos dois amigos que já estavam viajando por Cuba há um tempo e nos deram dicas valiosas, inclusive de hospedagem em outras cidades! De noite, saímos todos para beber em um lugar frequentado por cubanos chamado Casa Balear e que se pagava tudo em moedas nacionais(!), ou seja, quase de graça. Ótimo para uma pré-night! O mojito era 10 pesos, que equivalia mais ou menos a 0,50 CUC, enquanto em qualquer lugar turístico um mojito custa 3. Endereço: Calle 23 esquina com Calle G(uma casa branca grande). Ali perto tem também um restaurante mexicano que vendia em MN(!), o El Burrito(Calle 23, 504). É bom para variar o cardápio e além disso é muito barato, tipo 40 ou no máximo 50 MN, que equivale a 2 CUC. O atendimento é bem simpático também.
       
      O hostel
       
      - Feira de artesanato na Calle 23: várias peças interessantes! Porém, não é tão barato assim. Como a moeda do turista é muito valorizada e há muitos vendedores vendendo quase a mesma coisa, a melhor dica é: BARGANHE! Nunca aceite o primeiro preço e se não conseguir um valor satisfatório, diga que não quer.
       
      - Sorveteria Coppelia: clássica rede de sorveterias de Cuba, a de Havana é a filial mais badalada! Era bem perto do nosso hostel. O sorvete em si é gostoso, mas nada demais, o interessante é observar por exemplo que há filas gigantescas para os cubanos, que pagam em moeda nacional, ou seja, 25 vezes menos, e NENHUMA fila para os turistas. Tem um policial que fica ali à paisana pronto para retirar turistas que tentem comprar em MN.
       
      - Museu da Revolução: em nossa opinião, bem frustrante! Os murais parecem trabalho de escola tipo Paint, hahaha, há várias salas interditadas quebrando a cronologia dos eventos e só alguns escritos foram traduzidos para inglês. MAAS... é o museu da Revolução e é uma boa maneira de iniciar a viagem adquirindo mais conhecimento sobre um tema que será tão recorrente na viagem. O prédio é bem bonito também! A entrada é 6 CUC e tem uma taxa para entrar com câmera(acho que 1 CUC).
       
      - Almoço no Paladar La Familia: terraço agradável e música ao vivo! Fomos parar lá depois de nos deixarmos cair no papo de um casal de cubanos, sempre muito simpáticos, que dizem que vão nos levar para o melhor restaurante da área, blá blá. Vão nos acompanhando e acabam sentando na mesa com você e esperando que você pague coisas para eles. Pagamos um mojito para cada, mas não gostamos da sensação de termos sido enganados, pois era um restaurante bem caro(entre 15 e 20 CUC). Ou seja, se não quer ter esse tipo de aborrecimento, corte o papo e nem responda à pergunta ''where are you from”. Por outro lado, sabendo disso e e mesmo assim querendo ter um papo com um cubano, não se reprima! Eles não irão te assaltar, pode ter certeza.
       
      - Show do Amaranto do Buena Vista Social Club de graça num bar em Havana! Esse tipo de acaso acontece muito em Havana e é uma sensação deliciosa. Tomamos uns bons drink e nos refrescamos do calor brutal.
       
      - Daiquiri no Floridita: Eu já li alguns livros do Hemingway e fiz questão de ir em um de seus bares preferidos (acabei não conseguindo ir no Bodeguita del Médio). Tem uma estátua dele e o ambiente remonta os cabarés dos anos 50, com decoração e música de bom gosto. Daiquiri custava 6 CUC, caro para os padrões cubanos, mas delicioso!
       
      - Capitólio e Gran Teatro La Habana: dois prédios lindos.
       
      - Noite no La Cuerva y lo Zorro Jazz: bem perto do hostel também. A entrada era 10 CUC com 2 drinks de brinde, mas conseguimos negociar(hahaha) e pagamos 5 CUC com 1 drink. Eu recomendo MUITO, o ambiente é muito agradável e a música de altíssimo nível.
       
      - Havana Bus Tour: 5 CUC pelo dia inteiro, quantas vezes quiser. Normalmente, eu odeio essas coisas mas em Havana vale a pena. O ônibus tem uma rota com pontos determinados e a ideia é que você salte e fique o tempo que quiser em cada atração, esperando o próximo, e não um tour que você vê cada coisa em 2 minutos só para tirar foto. Vale a pena, pois acabamos não precisando de táxi para ir pra Havana Velha e acabamos economizando dinheiro.
       
      - Plaza Vieja: parte de Havana que foi completamente reformada. É toda lindinha, de cima parece até uma maquete! Vários restaurantes e barzinhos agradáveis, ruas estreitas e prédios históricos. Bem gostoso de passear, mas é muito turístico e por isso era tudo caro! Pedimos informação na rua de onde comer barato e acabamos parando dentro da casa de uma pessoa, que nos serviu comida caseira a um preço bem honesto!
       
      - Câmara Oscura: um artefato ótico que permite ver em zoom Havana Velha em tempo real. O guia da atividade era uma simpatia, falava inglês e português fluentemente. Lá de cima, antes da atividade, pode-se apreciar a vista do alto da Plaza Vieja.
       
      - Calle Mercaderes e Calle Obispo: ruas para passear sem rumo, cheias de lojinhas de artesanato legais!
       
      - Plaza de Armas: um grande sebo a céu aberto! Imperdível.
       
      - Plaza de La Revolución: vários prédios oficiais que não se podia nem chegar na porta. Tava um calor absurdo e não tinha uma sombra pra se refrescar! Todas as sombras eram nas áreas oficiais e os guardinhas ficavam brigando com a gente, hahaha. Tiramos foto com os prédios com o rosto do Che e do Camilo, mas acabamos não entrando no Memorial a José Martí por causa do sol escaldante e de um vento esquisito. Estávamos exaustas e pegamos o ônibus no sentido errado, mas foi bom que deu pra dormir!
       
      - Internet no prédio Fucsa(o maior de Havana). Custou 4,50 CUC a hora (promocional, porque é 6 CUC) e, apesar das filas desorganizadas, não é lento como eu imaginava, quase uma velocidade normal! Edit: como fui em 2013, internet só assim... Mas hoje em dia a oferta de wi-fi é bem mais comum, só fica uma dica: aproveite para desconectar e viver uma viagem no tempo pros anos 50!
       
      - Almoço no restaurante estatal, chamado La Roca. Comemos um “combo”, que era prato principal + refrigerante + sorvete por só 3 CUCs: muito barato e muito bom. Não anotei o endereço!
       
      - US Interests Section: um prédio enorme dos EUA em pleno Malecón. No Lonely Planet, dizia que em torno do prédio havia um muro de grafites de provocação aos EUA, mas não vimos nada, apenas um grande “PÁTRIA O MUERTE” que parecia ter sido escrito pelo próprio governo. Nessa área não se pode andar na calçada deles e por isso não conseguimos pedir informações aos guardas.
       
      MATANZAS/VARADERO
      - Fomos de táxi(6 CUC) para a rodoviária, pois é longe para ir a pé! Foi nossa primeira experiência com a Viazul e vou dedicar algumas linhas para explicar pra vocês, já que não tem como fugir dela... Eles não tem um sistema de venda de passagens e, como os ônibus normalmente fazem grandes trajetos e você compra apenas um pedaço dele, fica tudo meio caótico. Eles costumam ter um pequeno número de passagens que eles podem vender antecipado e o restante apenas quando o ônibus chega, para ver quantos lugares vazios ainda tem. Nesse dia, eu consegui comprar o meu, mas as meninas já não conseguiram. Falei com a mulher que de nada adiantava comprar só o meu, porque estávamos juntas. Depois de pentelhá-la um pouco, ela acabou cedendo. Então, a dica é: seja um pouco chato! Outra coisa é que não faz muita diferença chegar 3h antes ou 1h antes, porque não tem uma fila direito e eles só começam a vender 1h antes. Se não conseguir e não quiser comprometer seu roteiro, tente negociar um táxi. Eles sempre estão de prontidão nas rodoviárias e dá pra compartilhar com outros viajantes.
       
      - Hospedagem em Matanzas: Hostal Alma – junto com o hostal Azul, é um dos mais recomendados pelo LP, ficam na mesma rua. Fomos no Azul mas tava muito caro e aí fomos pro Alma (25 CUC para três, o mais caro da viagem). A dona, Mayra, é uma grossa! Ela separa o espaço da casa dela e do quarto dos hóspedes, aí de noite ela fecha a porta que une os dois e você fica sem acesso à cozinha e à sala. Ela também não te dá uma chave da casa, tem que ficar tocando interfone e ela ainda pergunta a que horas você vai sair ou vai chegar. Muito desconfortável! Teve um dia que saímos 7h pra ir fazer um passeio de barco e a porta tava fechada. Ficamos batendo desesperadamente para ela abrir por uns 10 minutos até que ela acorda, super mal-humorada, falando que deveríamos ter dito para ela no dia anterior que sairíamos cedo. Quase perdemos o passeio e ainda ouvimos bronca!
       
      - Playa Coral de táxi(15 CUC o dia inteiro). A praia é lindaaa, tem aluguel de snorkel(não usamos) e dá para curtir bastante o mar caribenho. Porém, dou duas dicas: levar fone de ouvido, pois o restaurante usa uma caixa de som alta que irrita bastante e levar um lanche de casa, pois esse restaurante (só tem um) serve uma comida ruim e cara.
       
      - Passeio para as Cuevas de Bellamar: fomos de ônibus local(1 MN = nada), por indicação da Mayra. Menos 1 ponto para ela, porque foi mó programa de índio. Só tinha famílias com crianças, a entrada para as cavernas era dentro de um museu(?) e tinha até escadas e lâmpadas no caminho. Zero aventura e também nem era bonito! O preço de entrada era 5 CUC por pessoa.
       
      - Passeio para Cayo Blanco, com parada para nado com golfinhos. Compramos na Cubatur por 100 CUC por pessoa(aceita cartão de crédito), com translado de Varadero (tivemos que pegar um táxi pra lá), barco open-bar(!!!), 40 minutos de interação com os golfinhos, dia na praia e almoço incluído com bebidas. Como era o sonho meu e da Giulia, aceitamos a facada e fomos! Foi incrível, mas admito que é triste ver os golfinhos treinados. Eu me recusei a ir num delfinário perto de Cienfuegos por causa disso e fui pra Matanzas só para poder fazer esse passeio, acreditando que era uma parada para nadar com golfinhos livres. Talvez eu tenha sido bem ingênua, mas fica o registro... Fora esse passeio, Matanzas não tem nada de especial! Achamos a cidade meio feia e com uma vibe meio pesada, sei lá.
       
       
      CIENFUEGOS
       
      - A cidade: bem limpa, organizada e tranquila! Depois da efervescência de Havana e o clima meio down de Matanzas, Cienfuegos foi um poço de tranquilidade.
       
      - Hospedagem na casa de Arelys e Jesús: Calle 41, #5418, entre Calles 54 y 56. (20 CUC para 3)
      Opinião: os dois são muito simpáticos, o quarto e o banheiro são bons, tem frigobar para guardar as suas coisas e o café da manhã foi o melhor da viagem(3 CUC)! Eles são muito prestativos para dar dicas de turismo na região e agendar táxis.
       
      - Parque El Nicho (entrada 9 CUC e táxi 40 CUC). Apesar de termos gastado bastante, foi um dos melhores dias da viagem para mim! O parque é lindíssimo e tem 3 cachoeiras, sendo que uma delas é simplesmente incrível! Para chegar nas 3, tem que pegar uma trilha tranquila e bem rápida.
       
       
      TRINIDAD
       
      - Chegamos e já levamos um susto com a abordagem das pessoas na rodoviária. É difícil até ouvir os próprios pensamentos, com tanta gente oferecendo suas casas quase que aos berros! Mesmo com ofertas mais baratas, preferimos ir na indicação da Ania, o “La Juliana”. Fomos indo a pé, mas descobrimos que era muito longe e acabamos conseguindo uma carona de charrete, hahaha.
       
      - Opinião sobre a casa: a Marylin e a sua mãe, já bem velhinha, são duas pessoas muito gentis! Foi lá que eu passei muito mal e precisei ser atendida na clínica. Fiquei um dia de repouso enquanto as meninas foram à praia e a Marylin ficou sempre verificando se eu precisava de alguma coisa!
       
      O quarto ficava no terraço, em um andar superior, o que nos garantiu bastante privacidade. O preço foi o mesmo que vínhamos pagando, 20 CUC para as três, e o café da manhã 3 CUC. O café era bom também! O único lado negativo é que é relativamente longe do burburinho da cidade, que é o centro histórico. Endereço: Frank País, #41, entre Manuel Fajardo y Eliope Paz.
       
      - Playa Ancón: essa eu não fui, mas as meninas disseram que é linda! Dá pra ir de ônibus (1 CUC) ou alugar uma bicicleta (3 CUC pelo dia, na Cubatur) e ir pelo caminho de aproximadamente 15 km, com outras praias no caminho. Elas foram de bicicleta e acabaram levando bastante tempo por causa das paradas e do cansaço com um sol escaldante na cabeça, mas elas disseram que vale a pena.
       
      - Parque El Cubano: fechamos um táxi(sempre peça ajuda para a dona da casa), não anotei quanto foi, mas diria que foi uns 20 CUC. A entrada no parque custa 9 CUC e após uma trilha de 45 min a 1 hora, você chega a uma cachoeira! Ela é bem grande e forte, difícil de chegar na queda, mas com um bom poço para mergulhar.
       
      - Centro Histórico: as ruas são todas de pedra, com um ar colonial. As cores das casas são lindas e a temperatura mais agradável que no resto de Cuba. Tem a Plaza Mayor como ponto de referência. Não tem muito o que ver, mas simplesmente caminhar pelas ruas de Trinidad é um bom passeio! O problema é que é uma cidade muito turística e com poucas alternativas aos restaurantes para “gringo” e por isso são caros! Gastamos por refeição lá uma média de 8 a 10 CUC(caro para o que vínhamos pagando).
       
      - Casa de La Musica: restaurante no meio de uma escadaria com música ao vivo! O ambiente é uma delícia, mas é caro e as por Bem turistão mesmo. O atendimento foi ruim também... Mas, depois de um almo-janta, tomamos drinks e ficamos lá até o início da noite, quando eles começam a cobrar 1 CUC para entrada no show. A minha dica é ir lá para o show ou então para um drink depois de almoçar em outro lugar, pois o ambiente vale a pena, mas não a comida.
       
      SANTA CLARA
       
      - O horário do ônibus de Trinidad para Santa Clara era diferente do que anotamos para o planejamento dos dias. Era pra ter um pela manhã, mas quando fomos só tinha uma saída diária, sempre às 15h. Chegamos por volta de 18h30 embaixo de chuva e perdemos o último dia da Giulia com a gente na viagem por culpa da Viazul.
       
      - Hospedagem na casa da Soledad (Calle Alemán, 83). Opinião sobre a casa: ela e o filho são duas pessoas muito simpáticas e que estão sempre dispostos a ajudar com indicação de restaurantes e o que fazer na cidade. Ele, cavalheiro que era, inclusive nos acompanhou à noite até o restaurante, o La Casona Guevara(http://www.tripadvisor.com.br/Restaurant_Review-g671534-d2232473-Reviews-La_Casona_Guevara-Santa_Clara_Villa_Clara_Province_Cuba.html). A comida é ótima, conseguimos desconto e dividimos 2 pratos por 3, então saiu super em conta. O destaque, porém, é a música ao vivo e a banda que era super interativa. No final do jantar, ganhamos aula de salsa de graça com os músicos da banda. Teoricamente iríamos ensiná-los a dançar samba também, mas não deu muito certo, hahaha!
       
      - A casa fica pertinho do centro e a noite em Santa Clara é animada, pois é conhecida por ser uma cidade universitária e tem realmente muitos jovens na cidade. De noite, eles se reúnem na praça central da cidade para beber e conversar. Ao redor da praça tem bares e “boates”, mas tudo fecha mais ou menos cedo, mesmo aos sábados. De qualquer maneira, o clima é bem tranquilo, nós gostamos! Foi a última noite de nós 3 juntas :'(
       
      - O Mausoléu do Che é a grande atração da cidade. Se o tempo estiver curto e você fizer questão de conhecer, deixe apenas um dia para Santa Clara sem peso na consciência. Fomos a pé da casa e aproveitamos para conhecer a cidade, mas era um pouco longe(obs: é perto da rodoviária, então tem gente que deixa as coisas no guarda-malas do terminal, vai no memorial, volta e já parte para outra cidade!). Lá tem a estátua do Che, com vários escritos bonitos e o memorial para os outros combatentes resgatados na Bolívia em 1967. Mas o que eu mais gostei foi um pequeno museu que conta a história do Che. Além do ar-condicionado(<3), tinha um acervo bem interessante de fotos e artigos pessoais.
       
      - Como nosso ônibus para Baracoa só saía de noite e não compramos assim que chegamos(dica: compre), além desse dia ainda tivemos outro inteiro e realmente não tem muito o que fazer lá. Fomos na estátua Che y Niño e no Monumento do trem descarrilado, mas estava fechado..
       
      BARACOA (fotos de Baracoa alguns posts abaixo)
       
      - Antes de tudo, quero dizer que esse lugar está em pouquíssimos roteiros de viagem para Cuba. Sim, é longe. Sim, é meio fora de mão. Mas é um lugar MÁGICO! Para chegar, pegamos um ônibus de Santa Clara até Santiago(33 CUC) e depois de Santiago para Baracoa(10 CUCs, 5 horas). Já adianto que todas as horas de viagem mal-dormidas e os CUCs gastos valeram MUITO a pena, pois esse foi o nosso lugar preferido da viagem(sorry, Giulia!).
       
      - Hospedagem: Edda & Alexis. Endereço: Flor Crombet, 115, entre Frank País e Maravi.
      Opinião sobre a casa: o quarto é em cima e tem bastante privacidade, um terraço agradável, frigobar, cama de casal e de solteiro, banheiro, ar, etc... O café da manhã era bom e as refeições também(negociamos preço e ainda dividimos prato). O dono da casa nos ajudou bastante a organizar nossos dias em Baracoa e a casa era perto de tudo. Tudo bem que a cidade é muito pequenininha, então realmente é difícil ficar numa casa mal-localizada.
       
      - Playa Caribe: é a praia principal, que pega quase a cidade inteira. Tem uma parte que a areia é bem suja, mas fomos andando até mais ou menos a altura do estádio. Sim, tem um estádio de futebol meio abandonado no meio da praia, hahaha, coisas de Cuba.
       
      - Parque Natural Majayara: mais ou menos na altura do estádio, começa o caminho para chegar no Parque. Eu não sei explicar muito bem como chegar, porque contamos com a ajuda do Josué, um vendedor de artesanato que trabalha no parque e também tava indo pra lá, mas tem as explicações no guia do Lonely Planet. Lá dentro, tem a Playa Blanca, pequenininha e deserta, ótima pra nadar e boiar tranquilamente. Na entrada, pergunte sobre o tour pelo Balcão Arqueológico e Cuevas de Agua. Você vai passar por plantações de cacau, um balcão arqueológico que tem uma vista absurda e parar pra se refrescar com um banho num lago subterrâneo de águas cristalinas!
       
      -Playa Maguana: mais uma praia caribenha de areias brancas. Fomos de táxi (25 CUC o dia todo) e passamos um dia de mordomia. A praia é bem tranquila, almoçamos lá mesmo. Não tem nada de especial nessa praia, mas na região de Baracoa é uma das que mais nos recomendaram.
       
      - Parque El Yunque: fechamos um táxi de novo(20 CUC pelo dia) e mais 8 CUC pela entrada com guia. Enfim, lá no Yunque tem duas trilhas, a mais pesada, que dura mais de 5h até o topo da montanha e uma mais leve, que deve ter 1h, até os rios e cachoeiras. Escolhemos a segunda porque já estávamos mortas de cansaço e queríamos relaxar. Lá é muito lindo, ficamos um bom tempo nadando e relaxando nas pedras.
       
      - Passeio de bote no Rio Tôa: aproveitamos o táxi e paramos no Tôa, que é tipo um rancho. Tem plantações e eu vi também uns quartos que eles alugam para turistas(para quem gosta de hospedagem em lugares inusitados, acho válida uma pesquisa). O passeio de bote custa 3 CUC por pessoa ao longo de todo o rio. Não estávamos levando muita fé no passeio, mas acabou sendo um dos melhores da viagem. Marina que o diga, que dispensou o bote e fez quase todo o caminho nadando, hahaha.
       
      - Centro de Cultura Yorubá: fica bem no centrinho e é um centro todo mantido pelo Estado, ou seja, é de graça. Como Baracoa está no extremo oriente de Cuba, acaba recebendo maiores influências do Haiti e da Jamaica, então a cultura negra lá é bem forte. Assistimos uma apresentação a convite do nosso amigo que fez um dread na Marina, hahaha. Não tem relação com religião, é música e dança. Eu achei a apresentação muito bonita e emocionante, vale a pena.
       
      - Mirante do Hotel El Castillo: dá pra ver a cidade inteira. Lindo!
       
      SANTIAGO
       
      - Voltamos de Baracoa e passamos 1 dia e meio em Santiago, até para descansar da viagem. Nada do que lemos nos deixou muito animada, mas era a rota. Não achei o endereço da casa que a gente ficou, mas era bem ruim de qualquer jeito, haha. Santiago é outra grande cidade, como Havana, mas não tem o mesmo clima pitoresco. Nós nos sentimos um pouco inseguras lá, até porque a iluminação é ruim e tem um clima de gangue hahaha. Mas logo vimos que não tinha motivo pra preocupação, aliás, em lugar nenhum de Cuba.
       
      - Restaurante La Juliana, endereço: calle Padre Pico, 359, entre São Basílio e Santa Lucia. A comida tava uma delícia e, novidade, negociamos o preço! Dois meninos nos levaram lá e eles ganham comissão por isso. Isso é comum e normalmente são honestos e falam como é o esquema, então se você quiser comer no restaurante indicado, ótimo, se não eles podem te levar em outro que te agrade e também vão ganhar algo por isso. Não vemos nada de ruim nisso, pelo contrário.
       
      - Livraria La Escalera: Calle Heredia, 265. A pérola de Santiago! Entramos despretensiosamente nesse pequeno sebo e só saímos de lá quase 3 horas depois, com muitas histórias do senhor Conrado, que viveu antes da revolução e é extremamente culto e politizado, além de muito simpático. No alto da escada, músicos se reúnem à noite e as pessoas se amontoam na escada para ouvi-los. Infelizmente não tivemos a oportunidade de assistir uma apresentação, mas o sebo é imperdível pelo acervo mas principalmente pelo sr Conrado.
       
      - Museu Quartel Moncada(2 CUC) O alvo do primeiro ataque da Revolução Cubana é hoje um museu que conta a história da primeira fase da Revolução e ainda conserva os buracos das balas na entrada(Batista cobriu e o Fidel mandou tirar a cobertura depois que assumiu o poder). Nós gostamos! É mais organizado que o museu da Revolução de Havana, haha.
       
      VIÑALES
       
      Voltamos de Santiago para Havana no ônibus noturno(51 CUC, facada!) e da rodoviária mesmo fomos pra Viñales, a outra ponta, por mais 12 CUC. Ficamos hospedadas na casa da Tita, endereço: Calle Salvador Cisnero Interior, 9. Desde que ficamos em 2, estávamos pagando 15 CUC pelo quarto, mas em Viñales conseguimos por 10 CUC. A casa é boa e todos são simpáticos. O quarto é enorme!
       
      Só tínhamos um dia e escolhemos ir numa cachoeira, mas demos azar e como tinha chovido nos últimos dias tava tudo marrom. Já estávamos bem cansadas da viagem e a Marina tava passando mal, então Viñales acabou sendo um pouco dispensável pra gente. A paisagem da cidade é linda e todo mundo fala bem, mas realmente não tivemos sorte.
       
      A VOLTA
       
      Voltamos para Havana e passamos mais uma noite na Casa da Ania. Conhecemos pessoas que estavam começando a viagem e passamos todas essas dicas para eles, assim como nos foram passadas muitas. Esse é o espírito, e por isso fiz questão de escrever esse relato, já que foram os relatos daqui que nos inspiraram e ajudaram a tornar tudo isso realidade. <3
       
      Qualquer dúvida adicional, pode falar comigo por e-mail [email protected] (mais rápido) ou comentando aqui no post. Também vou adorar saber como foi a sua viagem e se o meu relato foi útil pra você de alguma forma!
      Meu relato Cuba.doc


×