Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Marina Soares

Africa do Sul, Suazilândia e Botswana, uma aventura no sul da África - maio/junho 2018

Posts Recomendados

Olá galera mochileira, quando resolvemos (eu e meu companheiro de vida Junior), ir para Africa do Sul, logo pensei na Suazilândia e Botswana, por estarem próximos, porém diferente dos demais, pensei nesse roteiro de carro, e tive dificuldade em encontrar informações. Depois de muita cabeçada e alguns perrengues, ter conseguido conhecer esses 3 países foi algo sensacional... e vou contar um pouco dessa história para vcs. Os preços vou colocar em reais para ajudar, mas tudo foi pago em Rands (Africa do Sul e Suazilândia) ou Pula (moeda de Botswana).

Passagem de BH x Joanesburgo R$ 2300,00 (ida com a Latam e volta com a South Africa)

Embarcamos no dia 16 de maio e chegamos em Joanesburgo no dia 17, duas horas depois do esperado devido a um atraso de mais de duas horas em São Paulo. Chegamos por volta das 11:00 da manhã. Trocamos alguns dólares no aeroporto depois do desembarque, há algumas casas de câmbio... o dólar havia dado uma disparada nessa época, então as cotações não eram tão legais como havia lido em alguns relatos aqui. Na Africa do Sul, eles cobram taxas para realizarem o câmbio, então o valor nunca é aquele anunciado... 1 dólar nos rendeu quase 11 rands.

Fizemos a reserva do carro aqui do Brasil para ser retirado no próprio aeroporto de Joanesburgo pela Europcar. Alugamos um carro manual, visto que os automáticos são bem mais caros, mesmo sabendo da mão inglesa resolvemos arriscar e deu tudo certo. Em questões de horas já estávamos dirigindo normalmente. O valor em reais foi cerca de R$ 800,00 por 9 dias de aluguel, porém ai vai a primeira dica: PARA CRUZAR FRONTEIRAS COM O CARRO ALUGADO ELES COBRAM UMA TAXA E NÃO NOS COMUNICARAM, ESSA TAXA CHEGA A SER MAIOR QUE O VALOR DO ALUGUEL. Como em toda locadora de veículos, é feito uma cobrança (calção) no cartão de crédito, só vimos esse ROMBO, após alguns dias da devolução do mesmo. Então esse detalhe merece cuidado. Não deixe de mencionar que irá sair do país se realmente o for, pois sem uma autorização por escrito da locadora vc não cruza nenhuma fronteira. 

Papeis na mão e chave do carro, saímos de Joanesburgo por volta de 13:00 e já rodamos cerca de 500 km até Phalaborwa, onde havia feito uma reserva pelo booking em uma Guesthouse (seria como nossas pousadas). Porque escolhemos Phalaborwa? Porque nessa cidade tem uma portaria do Kruger Park e queríamos fazer nosso proprio safari até o camping que havíamos reservado dentro do Kruger. Chegamos em Phalaborwa já de noite e bem esgotados. O carro arriou a bateria no meio da estrada e por sorte contamos com a ajuda de algumas pessoas que estavam trabalhando em uma reforma na estrada. Ficamos no Lalamo Guesthouse e super indico. O preço foi cerca de 150,00 reais quarto privado com banheiro para duas pessoas com café da manhã ou 540 rands, quarto simples mas completinho, inclusive com uma garrafa de vinho como cortesia de boas vindas e alguns snacks tbm de cortesia. Tomamos um banho e fomos comer em um restaurante próximo. No dia seguinte cedo, o café da manhã me surpreendeu, o mais gostoso de toda a viagem, além da simpatia dos funcionários com seu belos sorrisos. Por volta das 08:30 estavamos entrando no Kruger... agora falo um pouco desse parque.

Depois de uma boa pesquisada sobre o Kruger National Park (aqui no mochileiros vcs encontram muita info), optamos por ficar duas noites em dois diferentes acampamentos, o Pretoriuskop e Lower Sabien. As reservas foram feitas com cerca de 3 meses de antecedência, por ser alta temporada (inverno) e para não arriscar de chegar e ter apenas acomodações caras (reservas diretamente no site www.sanparks.org). Optamos em ficar em um Hut, uma casinha com duas camas de solteiro, ar condicionado e geladeira, com banho compartilhado, onde pagamos cerca de 50 dólares a diária. Tbm se paga uma taxa por dia por pessoa, para estar no kruger, que chega a ser quase 100,00 reais. O parque é bem organizado e logo na entrada mostramos as reservas. Recebemos tipo um folder com um recibo da nossa entrada. A tal taxa por dia é paga diretamente nos acampamentos. Existem outros tipos de acomodações nos acampamentos, mais baratos e mais caros, aí vai do gosto e bolso de cada um.

Da portaria de Phalaborwa até nosso primeiro acampamento, rodamos cerca de 280 km dentro do parque, daí dá para imaginar como ele é grande. Vc começa fazendo seu próprio Safari e confesso que tivemos muita sorte, porque de cara nesse primeiro dia já vimos 3 dos Big Fives, elefante, búfalo e leão. Big Five se refere aos cinco mamíferos selvagens de grande porte mais difíceis de serem caçados pelo homem. Chegamos no Pretoriuskop já no final da tarde, pois além da velocidade permitida dentro do Kruger ser 50 km, toda hora se para para admirar uma imensidão de animais e aves. Os acampamentos são bem estruturados, com mini supermercado, restaurante e até posto de gasolina. Optamos por fazer um game drive pago que saía as 05:00 da manhã e foi graças a ele que vimos nosso quarto big five, o leopardo, um dos mais difíceis de serem vistos. Alguns preços: gasolina cerca de 5,00 reais, café da amanhã cerca de 35,00 reais para 2 pessoas, uma coca cola de um litro cerca de 7 reais. Existe tbm suvenirs para comprar, mas o preço é bem salgado e a maioria das coisas que tem dentro do Kruger, vc encontra em lojas em Cape Town e Joanesburgo. Mas é claro que se vc quiser algo com o nome do Kruger, vc deve comprar lá.

DSC_0135.thumb.JPG.c51345a0bd120ceda893040dfc2d1c97.JPGDSC_0250.thumb.JPG.83eed6e88496f2aaacf32c403dd0b814.JPGDSC_0153.thumb.JPG.0da3f1385fffb1fb05d5436f5f44fc64.JPGDSC_0229.thumb.JPG.c557386b66010960990a92c1f06528d3.JPG

Depois de dois dias incríveis e inesquecíveis dentro do Kruger, partimos para Suazilândia, aqui vai mais uma dica importante: baixe no celular o aplicativo Here, foi ele que nos ajudou com GPS off line e foi nosso salvador.

Saímos do Kruger pela portaria do Crocodile Bridge e fomos em direção a Jeppe's Reef - Matsamo fronteira na Suazilândia. A imigração foi tranquila, documentação ok e fomos para a região Ezulwini Valley. Agora algumas considerações sobre a Suazilândia: o rand é bem aceito em todo o país e não foi necessário câmbio para a moeda deles. O país é pequeno e bem acolhedor, com as pessoas sempre alegres. Ficamos em um hostel de nome Sondzela Backpackers que fica dentro de uma reserva natural a Mlilwane Wildlife Sanctuary. Foi bem difícil conseguir chegar devido a obras na estrada de acesso. O lugar é incrível, mas só indico para quem estiver de carro, pois é longe de tudo e não dá para fazer nada a pé. O jantar do hostel (pago a parte) é imperdível, cerca de 23,00 reais por pessoa. A diária do hostel foi cerca de 130,00 reais sem café da manhã, quarto privativo com banheiro compartilhado. Vc já acorda nesse lugar vendo animais envolta da cerca e dentro da área do hostel, até javalís rsrsrs. Acordamos e fomos conhecer um pouco da região e tomamos um café da manhã no Malandelas Tourist Information e Internet Café, uma parada meio obrigatória para pegar mapas e tirar dúvidas em relação a passeios. Internet na Suazilândia não é algo fácil, nesse lugar por exemplo, mesmo tendo internet no nome, não estava funcionando esse dia. No hostel era vendido 200mb por 50 rands, cerca de 15,00 reais e não dava pra nada rsrs. Como ficaríamos apenas duas noites nesse país incrível, optamos por visitar uma aldeia Suázi no Mantenga Nature Reserve .

20180521_132731.thumb.jpg.32f09c3afc4a86688ceeaefebfd74e66.jpgDSC_0523.thumb.JPG.af8cfbcecec214900cd3c3ee4ee395a9.JPGDSC_0456.thumb.JPG.9249fef76f54d1abc81bda9f13cc0786.JPG

Foi emocionante ver de perto um pouco da cultura e costumes desse povo tão hospitaleiro.

No outro dia cedo, partimos rumo ao Soweto. Foram cerca de 5 horas de viagem e chegamos por volta das 13:00. Soweto é a sigla para South Western Townships, um dos bairros no subúrbio de Joanesburgo, cenário de importantes lutas políticas durante o regime do apartheid. O bairro nasceu sob a base do regime de segregação racial, onde os negros deveriam, por lei, viver em regiões afastadas dos brancos. O local é sinônimo de resistência e luta contra o regime opressor que os negros sofreram na Africa do Sul nesse período. Existe várias coisas para se ver e ouvir nessa região... a rua Vilakazi, a única do mundo onde dois ganhadores do Prêmio Nobel moraram. Nelson Mandela e o arcebispo Desmond Tutu dividiram muito mais do que a mesma vizinhança, eles compartilharam o sonho de viver em um país mais tolerante e com mais oportunidades para todos.

DSC_0550.thumb.JPG.cd4c146d5b53d4738f853769c4996244.JPG

Esse dia dormimos em Melville, bairro em Joanesburgo onde existe um bom comércio e restaurantes próximos. Ficamos no Grand View B&B , cerca de 160,00 reais a diária em quarto privado com banheiro com uma linda vista da cidade, com um delicioso café da manhã.

No dia seguinte, fomos rumo a Botswana. O trajeto até a fronteira foi um pouco tenso, pois faltando cerca de 100 km para chegar, passamos em uma região que havia algum tipo de conflito. Não ficamos sabendo ao certo do que se tratava, apenas encontramos estradas bloqueadas com pneus pegando fogo e muita brasa no chão, e o pior é que estávamos sozinhos, não tinha mais ninguém transitando nessa estrada. Foi o único momento nessa viagem que ficamos com medo, maaaaaaas tudo deu certo e chegamos na fronteira Pionner. De Joanesburgo até a fronteira, foram uns 370 km. Para atravessar para Botswana tivemos que pagar 120 pulas, mas no local tem como fazer câmbio. Um dólar equivale a mais ou menos 10 pulas. Eles ficaram surpresos em ver nossos passaportes brasucas, não se vê brasileiros nessa região de Botswana, por isso tive dificuldade em achar mais infos. Os brasileiros quando vão para "Bots" acabam ficando no norte do país, principalmente quando vão a Zimbábue ou Zambia. Ficamos em um hostel a cerca de 10 km da capital Gaborone, no Mokolodi Backpackers. Gostamos muito do lugar, super indico. Pagamos cerca de 200,00 reais a diária... simmmm, Botswana é mais caro, como dizem, é um destino exclusivo rsrsrs mas valeu cada centavo. Esse hostel fica perto do Mokolodi Nature Reserve, onde fizemos um safári incrível por 150 pulas por pessoa, que seria mais ou menos 60,00 reais por pessoa. É claro que nem dá para comparar com o Kruger Park, pois são bem diferentes em tamanho e estrutura, mas ver aqueles animais em seu habitat natural, é sempre uma aventura. Como estávamos de carro, era fácil ir até Gaborone comprar comida e artesanatos (meu fraco rs). O hostel tinha cozinha completa e fizemos nossa própria comida... Ficamos duas noites naquele lugar e amamos, queremos voltar para conhecer as outras regiões.

DSC_0574.thumb.JPG.4f8009c14d914d6059ca79eccfc61e19.JPGlDSC_0417.thumb.JPG.fd16fb1ef443fb9134f464fba8ce7232.JPGDSC_0376.thumb.JPG.c8b4d22012378b511e221ba06921f08d.JPG

Saímos de Botswana em direção a Pretória. A estrada tem muitos pedágios, mas na hora de alugar o carro fomos informados que o veículo possui um equipamento que passa pelos pedágios e depois na hora da devolução eles calculam quantos pedágios foram e vc paga juntamente com o valor do aluguel. Pretória realmente não tem nada demais, e se vc estiver com o tempo contado pode abrir mão desse destino facilmente. Mas já dentro da cidade fomos parados pela polícia que alegou que havíamos passado em cima de uma faixa amarela que era proibido... oi ??? isso mesmo, ai rolou aquela treta que li em vários relatos aqui no site, propina era o que queriam... masssss resistimos bravamente e acabamos saindo sem pagar os 500 rands que pediram. A dica é a seguinte: sempre diga que não tem dinheiro, só cartão de crédito, assim fica mais difícil deles levarem seus Rands. Durante nossa viagem fomos parados várias vezes por policiais, principalmente em Botswana, mas a única vez que pediram propina foi essa. 

Novamente dormimos em Joanesburgo no 84 on 4th Guest House tbm em Melville, quarto privado com banheiro e café da manhã, por 200,00 reais a diária. Excelente localização e atendimento. Gostamos muito do lugar. No dia seguinte deixamos o carro no aeroporto e pegamos um voo da Kulula para Cape Town (compramos no Brasil pela Decolar) e ficou 1.000,00 reais ida e volta para duas pessoas. Em Cape Town ficamos no The Verge Aparthotel em Sea Point, onde pagamos cerca de 830,00 reais por 5 diárias pelo booking. Atenção, esse lugar é perfeito... Um apart hotel mega bem localizado, pertinho da praia, com muitos bares e restaurantes próximos, supermercados... além do apartamento ser completo e bem decorado (é só entrar no booking e dá uma olhada), amamos o lugar e tbm super indicamos. Fizemos um passeio pelas vinículas que vale muito a pena... foi caro, cerca de 300,00 reais por pessoa, mas o passeio dura o dia todo e foram 4 degustações em diferentes vinícolas com vinhos e queijos, com direito a passeio de trem tbm degustando vinho. Dica: os vinhos na África do Sul são muito bons e baratos, custa praticamente o preço de um imã de geladeira rsrsr paguei em um bom vinho premiado cerca de 20,00 reais.

20180527_112118.thumb.jpg.6446e4e9edbb90fe04c6def71db4b05d.jpg

Do Brasil tínhamos comprado o passeio para Robben Island, mas no dia programado o tempo não tava legal e foi cancelado, algo bem comum de acontecer por lá, vc pode trocar por outro dia ou pedir a devolução do dinheiro. Aproveitamos esse dia e fomos até a Green Market Square onde rola uma feirinha livre de artesanatos onde compramos algumas lembrancinhas. Depois passamos no supermercado e compramos comida. Não se vende bebidas alcoolicas nos supermercados, apenas em lojas próprias e por sorte havia uma bem perto do apart.

No dia seguinte pegamos o Bus vermelho (City Sightseeing Cape Town), tbm perto do apart, na avenida da praia para o Cabo da Boa Esperança (cerca de 70 km de Cape Town), com o custo de mais ou menos 170,00 reais por pessoa, o passeio dura o dia todo. Primeiro eles param em Boulders Beach, praia cheia de pinguins, mas a entrada é paga separadamente, custou cerca de 15,00 reais mais ou menos, não lembro direito mas não era caro, a praia é linda e vale o preço.

DSC_0703.thumb.JPG.0d18e85009f94b278b9483889e01e7ee.JPGDSC_0728.thumb.JPG.add3c154d75311b2ae10a1c4d58153e3.JPG

De lá fomos para Cape Point, onde fica o Cabo da Boa Esperança. A entrada do parque está incluida no preço do passeio. Vc pode subir a pé ou de bondinho e é claaaaro que fomos a pé, uma subida bem interessante com uma vista incrível do mar.

DSC_0753.thumb.JPG.407c3cf18ba014013c9c03e8d5b11efc.JPGDSC_0782.thumb.JPG.926fbe2ed1bc1440993477ccf791dc30.JPGDSC_0786.thumb.JPG.7907f4137f947fcbb3ae0d1b09d30bce.JPG

Nesse passeio vc tbm faz uma trilha com uma vista de deixar qualquer um de queixo caído... voltamos no final do dia e aproveitamos para dar um rolezinho no Water Front , onde tem inúmeros restaurantes e lojas, se vc garimpar, consegue comprar lembrancinhas por um bom preço no local.

No dia seguinte fomos rumo a Table Montain fazer a trilha tradicional a Plattew Klip Gorge, cerca de 3 horas de subida para pessoas como nós rsrsrs longe de sermos atletas... pegamos um Uber até o Cable Way onde na mesma rua se inicia a trilha... não se paga nada para subir, só se vc for de teleférico. O frio tava de lascar e o tempo ameaçava chuva a todo o momento, mas é algo que não dá para perder.

DSC_0822.thumb.JPG.701413f2864a69bf3a66ff7795b49d7e.JPG20180530_112431.thumb.jpg.0f6a6ced4df6d333e530ba7a8d2cf599.jpg20180530_120838.thumb.jpg.d8e6c88328d9b67f70e8537d6b7d5e98.jpg

Cape Town é uma cidade muito bonita e com vários atrativos. Andar de Uber por lá é uma boa pedida. É bem econômico e foi nosso principal modo de transporte.

Depois de Cape Town, voltamos para Joanesburgo onde ficamos no Saffron Guest House, quarto privado com banheiro e café da manhã por cerca de 200,00 reais o casal. Tbm foi um excelente lugar e super indico, perto de tudo e bem seguro. Fomos conhecer o museu do Apartheid e despedir desse lugar tão fabuloso pois no dia seguinte íamos voltar para o Brasil. Foram 16 dias no total, bem aproveitados...

E foi isso galera, até a próxima!!!!

 

  • Gostei! 4

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por zervelis
      Uma Imagem vale mais que mil palavras né?!
      Deixa eu começar então com a Imagem
       

      E agora com as milhares de palavras
       
      Nosso roteiro: África do Sul (Cape Town Cabo, Cabo da Boa Esperança, Ganasbaai (mergulho com tubarão branco) e Johanesburg), Namíbia (Windhoek, Walvis Bay, Sossusvlei, Deadvlei), Zimbabwe (Victoria Falls), Botswana (Kasane - Chobe - Safari) e Zambia (Livingstone)
       
      Primeiro deixa eu me apresentar... Me chamo Felipe Zervelis, prazer... Já sou usuário cativo aqui no mochileiros com relatos do Sudeste Asiático, Escandinávia e Costa Oeste dos EUA. Agora venho aqui mostrar pra vocês nossa viagem pra África, feita em Novembro de 2013, com mais 2 colegas que se encontram nessa foto. O primeiro da foto é o David, mais conhecido como Caju (por se de Aracaju, dããã), o segundo, o mais mala de todos, Felipe Watson (também bem conhecido aqui no mochileiros por suas farras na Europa) e o terceiro (o mais galã, claro), eu . Ah,.. os Felipes são cariocas,craroooo...
       
      [creditos]Aproveito também para dedicar esse relato a duas pessoas: Paulera aqui do mochileiros e também a Dri (http://www.drieverywhere.net). Obrigado amigos por toda a ajuda (direta e indireta) para que acontecesse essa viagem. [/creditos]
       
      Foi uma viagem de 17 dias. Saimos dia 31 de outubro a noite do Rio de Janeiro e voltamos, por Johanesburgo, saindo de lá dia 17 de novembro de tardinha.
      Dessa vez vou fazer diferente no relato. Todos os preços, locais, passagem e programas principais, irei colocar no final do relato.
       
      Apenas irei antecipar o custo TOTAL da viagem por pessoa, em reais, a uma taxa de dólar média variando entre R$ 2,25 a R$ 2,30 - R$ 7 mil !!!!!!!
       
      Vale a pena citar que os 2 trechos principais (ida e volta) utilizamos milhas (50 mil pontos no total) pelo Fidelidade (da Tam) e voamos South African Airlines (excelente cia). Mas assumo que tem que tentar pelo telefone, diversas vezes e pedindo pro atendente ter paciência e ver todas as possibilidades possíveis. Pra se ter ideia, voltamos por Guarulhos, chegando lá 1 da manha e tendo que fazer o translado por nossa conta para Congonhas onde iríamos pegar um outro voo (já incluso no principal) as 6 da manha para o Rio. Mas valeu !!!
       
      Observações Gerais:
       
      - O CERTIFICADO DE VACINAÇÃO internacional de Febre Amarela é VERIFICADO PELA EMPRESA AEREA, não podemos embarcar sem apresentá-lo. De cara, o atendente da TAM já disse que aproximadamente 50% das pessoas não viajam porque não tem o certificado (e caso parecido acontece com o visto para os EUA), alguém acredita ?
       
      - Não encontrei UM africano que não falasse inglês. ãã2::'>
       
       
      Vamos começar com o que interessa, não é mesmo ?!
    • Por marcuscoura
      Falar da África do Sul sem dúvidas é uma coisa muito fácil depois de conhecê-la.
      Em 2012, estive pensando em países curiosos e no mínimo “exóticos” de se conhecer, fugindo de países procurados como os EUA, Canadá, toda a Europa, etc...
      Dentre eles, pensei em Hong Kong, Japão, Nova Zelândia, Marrocos, Tailândia e a África do Sul.
      Aproveitando as pesquisas e a vontade que meus primos estavam de conhecer o país, não pensei duas vezes. Não me arrependo nem um pouco.
      Nosso trajeto começou em Cape Town, mas com parada em Johannesburgo. Começo falando do aeroporto que, a partir dali, já é notável a presença de lojas vendendo objetos de decoração africana, animais de madeira e uma lista diversa de presentes pequenos. Loja na qual pode ser encontrada em ambas as cidades, quase que em todas as esquinas.
      De São Paulo à Johannesburg, fizemos um vôo tranquilo, de aproximadamente 6, 7 horas. Vale lembrar que a Companhia Aérea “South African Airways” me deixou realmente surpreso pela qualidade e infra-estrutura. O avião é equipado com pequenos monitores em todas as poltronas, podendo-se assistir filmes, escutar músicas ou jogar games. Tudo isso, querendo ou não, ajuda a passar o tempo em vôo.
      Chegando em Johannesburg, pegamos um avião um pouco menor para Cape Town. Que fique o aviso... Chegando em Cape Town, a turbulência que pegamos não foi brincadeira. Natural, devido a área montanhosa e cheia de nuvens.
      Cape Town sem dúvidas é um destino quase que impossível de não se apaixonar. Muitos a comparam com Rio de Janeiro e Califórnia, por ser uma cidade praiana, moderna e bem estruturada. A única diferença é que, infelizmente, é preciso muita coragem para encarar a água das praias. Praias na qual são maravilhosas, areias brancas e águas estupidamente azuis. Águas, porém, extremamente geladas, diga-se de passagem. Fora a água, há bastante relatos de ataques de tubarões, ou seja...
      Diferente de Johannesburg, Cape Town é definitivamente mais interessante e com mais opções de passeios. Logo no primeiro dia, já fomos conhecer o Point Noturno “V&A Waterfront”, onde encontra-se os melhores restaurantes, um shopping, bares, pubs... tudo isso de frente a uma grande marina e um visual incrível.
      A nossa moeda é bem mais valorizada que o Rend, em si. Vale lembrar que, nas compras, a diferença não é tão grande pra quem acha que virou milionário na troca de moedas. Nas compras eletrônicas e até mesmo roupas, a diferença é muito pequena, porém, para se comer bem, o real é realmente valorizado, levando em conta que, em um restaurante de luxo, aqui em São Paulo, gastamos mais de R$ 100,00 muito fácil. Lá, em um ótimo restaurante, é difícil o valor passar disso.
      Outra coisa barata são os taxis. Passeamos por Cape Town muitas vezes a pé e de taxi. A diferença é bem grande do Brasil.
      Fizemos amizade com um taxista muito gente fina. O nome dela é Kenny e fica aqui a indicação: [email protected] | +27 (0) 21 913 6866.
      Outras pessoas optam por alugar ou até mesmo comprar um carro por lá. Carros que aqui no Brasil, seria uma fortuna a diária e que lá, são quase que “populares”.
      A única dificuldade é encarar a mão inversa. O volante, no caso, fica do lado direito e é um tanto assustador ficar no banco do passageiro. A sensação é bastante estranha rs.
      Um dos melhores passeios da cidade, sem dúvidas é a Table Mountain. Considerada uma das 7 maravilhas naturais do mundo. Temos duas opções. A que envolve muita disposição e adrenalina que é escalar a montanha (tarefa bem difícil), e a opção mais cômoda, que seria o “bondinho”. O interessante do bonde é que ele gira 360 graus, então é possível aproveitar a paisagem a partir dali. O ticket do bonde custa 205 Rends (adulto). Vale a pena pra quem não tem tanta disposição/coragem.
      A vista de cima é realmente de tirar o fôlego. Tem também uma cabana na qual é possível almoçar, comprar lembranças, vinhos, etc. Uma dica de lá é o lanche feito com carne de avestruz. Carne de sabor forte, porém muito boa. Vale a pena.
       
      O interessante do passeio é caminhar por toda a área da montanha e explorar a fauna e flora, além de esperar o pôr do Sol, claro. Ah! Mais uma dica... levem blusas de frio pois nesse horário, o frio é de lascar.
       
      Outros passeios interessantes são:
      - As vinícolas, onde é possível fazer a degustação de queijos e vinhos
      - O passeio ao Jardim Kirstenbosh National Botanical Garden, considerado o maior do mundo
      - A ida ao cabo das tormentas (cabo da boa esperança) onde também tem um visual incrível, sem contar a história que todo o lugar representa. Fiquei impressionado com a força do vento daquele lugar. É MUITO vento! Chega a ser engraçado.
       
      Seria um desperdício ir a África e não fazer um Safari. Escolhemos o Aquila’s Safari. Uma reserva muito bem estruturada e com diversas espécies de animais, incluindo os 5 maiores predadores do continente (The Big Five) que são: O Búfalo, o leão, o leopardo, o elefante e o rinoceronte. Logo na chegada, fomos recepcionados com taças de champagne e um “café da manhã” que mais parecia um almoço. O lugar possui piscinas, lojas, além de oferecer outras opções de passeio como o tradicional automóvel onde é possível levar um grupo de pessoas, triciclos e até mesmo helicópteros.
       
      Outra que não pode ficar de fora, é a visita a Robben Island onde encontra-se a prisão em que Nelson Mandela ficou preso. Meio angustiante, mas interessante.
       
      Diferente de Cape Town, Johannesburg é considerada a Nova York do continente. Cidade onde fica a maior concentração de todo o luxo. Hotéis, edifícios, carros importados, shoppings, acaba sendo uma cidade onde os interesses e passeios, são outros.
       
      Mesmo no meio de tudo isso, ainda fizemos um passeio ao Lion Park, onde é possível interagir com filhotes de leão e acompanhar e fotografar diversas espécies como antílopes, zebras, hienas, suricatos, leopardos, os famosos leões “tradicionais” e até mesmo leões brancos, e por fim, girafas e avestruzes que ficam soltos pelo parque.
       
      O local oferece um programa de apoio aos leões, onde é possível passar alguns meses cuidando deles, sem nenhum tipo de remuneração, mas em compensação, o local oferece abrigo (como se fossem acampamentos), comida e folgas, é claro. Tudo isso incluso em um pacote, como se fosse (se não for) um intercâmbio.
       
      Visitamos uma favela local, em que, comparada as do Brasil, é realmente triste. As pessoas ali vivem em pequenas casas de lata (muito pequenas), debaixo de um Sol muito forte. Mas não se enganem. O Sol realmente é presente, porém, o frio é muito intenso. Tivemos que fazer o Safari debaixo de Sol, e ainda com cobertores que o passeio oferece (além de champagne e bebidas não alcólicas já inclusas no passeio).
       
      Dica de restaurante em Capetown: Belthazar. Fica na marina de V&A Waterfront.
      Dica de restaurante em Johannesburg: Lekgotla. Fica na Nelson Mandela Square. (Uma boa opção seria a carne de crocodilo. Vale a pena)
       
      Bom, então essa foi a tentativa de um “pequeno” relato sobre a África do Sul haha! Super recomendo!
       
      Boa viagem!
       
       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       

       


    • Por Sara_dantas
      Gente, uso o mochileiros para planejar as minhas viagens desde 2007 (como membro, desde 2008). Algumas dúvidas minhas já foram respondidas aqui e postei umas dicas também, mas é a primeira vez que vou deixar um relato de viagem. Nunca fiz antes porque não consigo ser muito detalhista com valores e informações de viagens, sou mais com experiências, impressões... Mas dessa vez consegui anotar algumas coisas e, como num geral, os relatos e dicas sobre a África são mais escassos (que Europa, EUA/Canadá e América do Sul, pelo menos), talvez o meu relato possa ser útil pra alguém. Como meu namorado não pôde ir comigo, viajei sozinha, mas em Pretoria fiquei na casa de um amigo, que fez os passeios da região comigo. Vamos lá:
       
      ROTEIRO (Cape Town – Victoria Falls – Johannesburg/Pretoria)
      20/04/2016 – saída de São Paulo
      21/04 a 26/04 – Cape Town
      26/04 a 29/04 – Victoria Falls
      29/04 a 04/05 – Johannesburg/Pretoria
      04/05 – volta pra São Paulo
       
      PASSAGENS:
      Comprei todas as passagens juntas, pela South African Airways, por R$ 3.695,46 (com as taxas). Os trechos foram:
      São Paulo – Cape Town (conexão em Johannesburg)
      Cape Town – Victoria Falls (conexão em Johannesburg)
      Victoria Falls – Johannesburg
      Johannesburg – São Paulo
       
      Hospedagem:
      - Na parte Johannesburg/Pretoria fiquei na casa de um amigo que mora em Pretoria.
      - Cape Town: fiquei no Atlantic Point Backpackers, em Green Point, em quarto feminino de 8 camas. Gostei bastante, o quarto era espaçoso, o albergue era limpo, a localização era boa (dava pra ir a pé pro Waterfront e fiz alguns passeios que saíram de lá, então foi bem prático), tinha free wifi, café da manhã (bem simples) incluso, o staff foi atencioso e prestativo quando precisei. A diária foi de 265 rands, totalizando 1325 rands os 5 dias. Fiz a reserva pelo hostelworld e paguei 15% antecipadamente (U$ 13,92), ficando o restante para pagar no hostel (1126,25 rands).
      - Victoria Falls: fiquei no Shoestrings Backpackers. Dos relatos que li aqui, acho que a maioria (ou talvez todo mundo) que foi a Vic Falls ficou lá. No hostelworld só aparecia ele e um outro albergue, mas a localização dele parecia melhor, mais perto das cataratas (e todos falavam que dava mesmo pra ir a pé pra lá) e tal. Vi algumas pessoas até comentando do barulho, porque o Shoestrings é um albergue de festa, e lembro de uma menina que o achou meio sujinho, e ela não se considerava fresca. Como Victoria Falls não tem tantas opções de hospedagem, e a maioria é cara (tem tipo uns resorts na beira do rio, dá pra ver os animais da varanda) e tinha a praticidade de ir andando pras cataratas, decidi arriscar e ficar lá. Foi uma relação de amor e ódio, e se me perguntarem se eu o indico pra alguém, eu realmente não sei. Vou explicar: o quarto era horrível, meio apertado, abafado, o ventilador de teto parecia que ia cair e era de potência fraca, o banheiro era horrível, mal cuidado, em alguns o chuveiro era só o cano, não tinha a ducha, muita coisa meio que no cimento mesmo, não tinha cortinas nas janelas e eu tinha que me contorcer pra trocar de roupa sem alguém lá fora ver, e tudo com a aparência de sujo. Se eu levar em consideração só o quarto e os banheiros, FOI O PIOR ALBERGUE QUE JÁ FIQUEI NA VIDA! E eu já estive em uns 30, pelo menos, e não me considero uma pessoa fresca também. No primeiro dia que cheguei odiei tudo, chorei (houve outros problemas que vou explicar depois) e pensei seriamente eu ir pra algum outro hotel ou mesmo um dos resort, ainda que tivesse que gastar mais do que deveria (e tinha!) pra ficar em algum lugar minimamente decente. Depois da péssima primeira noite eu me acalmei e fui descobrindo as coisas legais do Shoestrings... Tinha um restaurante que, apesar de bem simples, era bem legal (inclusive vinha gente dos resorts comer lá e dizia que era a melhor comida da cidade!), o bar deles era legal, tinha uma agência de turismo em que dava pra reservar os passeios, um espaço grande e bem natureza, dois cachorros super fofos (o Mojo e o Morgan), gente tocando violão o tempo todo e um ambiente bastante favorável a fazer amigos. O Shoestrings é um centro de lazer em Victoria Falls, que é uma cidade bem pequena, e todas as noites pessoas de cidades vizinhas (até da Zâmbia) vão curtir lá. Me deu a impressão de que eles passaram a faturar mais com o bar e restaurante e acabaram descuidando da parte da hospedagem. Fui acostumando um pouco e relevando os problemas, e no fim acabei curtindo o tempo que fiquei lá. Mas eu realmente não sei se recomendo, o quarto e o banheiro eram HORRÍVEIS! A diária no dormitório (quando fiz a reserva no hostelworld o quarto era de 8 camas, mas quando cheguei lá eram 4 na verdade – e em duas das três noites fiquei sozinha) era U$ 15, paguei U$ 5,40 na reserva e U$ 39,60 lá.



       
      SEGURO VIAGEM:
      Comprei online, da assist card (graças a deus não precisei usar!). Não lembro a categoria, mas acho que foi o segundo ou terceiro mais simples. Foi uns R$ 360,00.
       
      DINHEIRO:
      Comprei 10.900 rands na cambio store, aqui em São Paulo (como ficava ruim pra buscar lá no horário comercial, paguei pra entregarem), em 2 partes: primeiro comprei 6.000 rands com a cotação de R$ 0,3420, e com o IOF e a taxa de entrega (se eu não me engano, R$ 30 ou R$ 40) ficou tudo R$ 2.082,00. Depois comprei 4900 rands com a cotação de R$ 0,3060, tudo por R$ 1.535,10.
      Eu tinha também uns U$ 200 que tinham sobrado de uma outra viagem e pra essa comprei mais até completar completar U$ 1.000, que foi o que levei. Acho que gastei mais ou menos R$ 3.000,00, um pouco menos até, pra comprar esses dólares (eu gosto de comprar na prime cash, que fica na Liberdade, em São Paulo. Geralmente é a melhor cotação e já incluem o IOF. Pena que lá não vendem rands...).
      Resumindo: levei U$ 1.000, 10.900 rands e um cartão de crédito por segurança (que só usei 2 vezes). Somando o que gastei com as passagens, a compra de moeda e o que paguei no cartão e antecipadamente nas reservas dos hostels, gastei mais ou menos uns R$ 10.400 nessa viagem. Mas sobraram uns U$ 400 (que já estão reservados pra outras viagens!) e uns 1.000 rands (que usei pra comprar várias lembranças no aeroporto), então os gastos da viagem mesmo foram menores que R$ 10.000,00. Não gastei com hospedagem em Joburg/Pretoria e, apesar de ser uma pessoa econômica e sem muitos luxos, comi bem e não me privei de muitas coisas financeiramente.
       
      1º dia – 20/04: o voo estava previsto para sair às 18h, decolamos um pouco depois. Foi bem tranquilo, pouquíssimos balanços, teve um anúncio de atar cintos por conta de turbulência quando já estávamos perto de pousar, e mesmo assim foi superleve. Não estava totalmente cheio, eu que estava sentada lá no fundão (na antepenúltima fileira) fui sem ninguém ao lado (o que tornou a viagem mais confortável). Serviram jantar e café da manhã. O jantar eu gostei, o café da manhã era sul-africano (uma mistura de linguiça, ovos, tomate, batata... Não curti, não). Achei o voo bom, num geral. Engraçado que sou alta e achei o espaço entre as poltronas razoável – dentro da realidade, e uma brasileira baixinha que conheci depois achou apertado e desconfortável.
       
      2º dia – 21/04: pousamos um pouco depois das 7h30. O meu voo pra Cape Town era às 9h10, com o embarque começando às 8h40. A fila da imigração era GIGANTE, parecia a dos EUA, só que não tinha ninguém da companhia aérea pra passar na frente as pessoas que tinham conexão. O pessoal do aeroporto foi bem grosso com um monte de gente. Fiquei mais de 1h na fila, depois tinha que pegar a bagagem e despachar de novo, antes de embarcar. Só que ninguém sabia dizer onde eu deveria despachar a mala. Um senhor falou pra eu pedir ajuda de um pessoal que estava de laranja. Achei que eles trabalhassem no aeroporto... Fui lá e um cara me ajudou. Ele pegou a minha mala e começou a correr pelo aeroporto, eu atrás quase caindo e morrendo (tenho asma, corro 10 metros e fico sem ar). Depois de correr o que pra mim pareceram 100 km, chegamos ao check in e despachei a mala às 8h45, ufa! Aí o cara me cobrou pelo serviço. Eu só tinha notas altas (tanto de rand quanto de dólar), por sorte tinha também 3 notas de um dólar, que dei a ele (que não gostou muito e reclamou. Só pedi desculpas e expliquei a situação. Tinha acabado de chegar, não tinha dinheiro trocado e achei que trabalhasse o aeroporto). Corri pra embarcar, outra fila pra passar no raio-x, mas por sorte o voo atrasou uns 20 minutos, então deu tempo (e eu pude descansar um pouco).
      Durante praticamente todo esse segundo voo o céu esteve encoberto e rolaram umas turbulências (nada muito forte). Apesar de amar viajar, eu morro de medo de avião e fico tensa nessas situações, mas estava tão cansada (eu não consigo dormir em voos, então estava virada) que acabei relaxando. Fechei os olhos e tentei descansar o máximo. Antes de pousar deu pra ver um pedaço de False Bay. Pena que o tempo estava um pouco ruim, deve ser linda a vista com o tempo aberto (PS: Por indicações de amigos, eu estava sentada na poltrona A, pois desse lado se tem a melhor vista ao pousar em Cape Town).

      No aeroporto fui a uma loja da Vodafone e comprei um chip com um pacote de 250 mega pra usar a internet. Custou 164 rands. Havia pacotes desde 100 mega até 5 giga, eu acho. Como no Zimbábue não iria funcionar, e em Joburg/Pretoria eu estaria com o meu amigo (teria internet na casa dele e era fácil pegar táxi com ele), achei que o de 250 seria suficiente (e foi mesmo, até “sobrou”). Antes de viajar, esse meu amigo e uma conhecida que viaja a trabalho pra Cape Town com frequência me disseram que um táxi do aeroporto pra Green Point custaria por volta de 250 rands e que eu não deveria pagar mais que isso. O transfer do hostel era 300 rands, então preferi pegar um táxi por conta própria. O vendedor da Vodafone me disse que conhecia uns motoristas que faziam essa corrida por uns 260 rands e chamou um pra mim. Era um rapaz de origem indiana, simpático, falou muito do Brasil. No meio da corrida fui só confirmar o preço e ele falou que era 350 rands. Apesar de tímida e discreto eu não disfarcei o meu espanto, expliquei que já tinha pesquisado e que essas corridas saíam por uns 250 rands e que o conhecido dele que me indicou o táxi falou que eu pagaria no máximo 260 rands. Eles disse que o menino devia ter se enganado e que essas pesquisas deviam ser antigas e tal. Protestei um pouco e fechamos por 300 rands, mas eu fiquei meio bolada com isso.
      Cheguei ao hostel por volta das 13h e o check in era às 15h, mas como o quarto em que eu ia ficar já estava limpo, me deixaram entrar. Tomei banho, dei uma leve descansada enquanto mandava mensagens pra família e amigos aí resolvi sair pra almoçar. Passei na recepção pra pegar algumas informações e foi como um balde de água fria. Eu tinha pesquisado e sabia que a África do Sul era como o Brasil, um pouco perigosa. Mas todo mundo falou bem da região de Green Point e em Joburg, que parecia mais perigosa, inclusive tendo “ilhas de circulação”, eu estaria com um amigo, então não estava insegura em viajar sozinha. Sabia também que o transporte público lá não era muito bom e que haveria uma certa dificuldade na locomoção, mas nada muito grave. Só que aí a menina da recepção começou a fazer mil restrições, falou pra eu não andar sozinha à noite em hipótese alguma, que eu deveria pegar táxi pra tudo, blábláblá e eu comecei a me sentir insegura. Pra piorar, o tempo não estava muito bom e a previsão era a mesma pro dia seguinte (uma sexta), só começando a melhorar a partir de sábado. E Cape Town é linda, mas é uma cidade que é melhor curtida com o tempo bom.
      Enfim, decidi arriscar e fui andando pro Waterfront (era tão perto!), basicamente uma reta de uns 700 metros. A rua não era muito movimentada e isso me deixou um pouco receosa, mas cheguei lá de boa. O local é bem legal mesmo, vários restaurantes, lojinhas, tem um shopping, apresentações na rua. Já eram umas 15h e pouca e na maior parte dos lugares as pessoas pareciam estar já bebendo. Fiquei meio sem graça e acabei comendo no McDonalds (e me senti frustrada e derrotada por isso). Não estava chovendo, mas o tempo estava encoberto e em só um momento, acho que durou 1 minuto mais ou menos, deu pra ver a Table Mountain. Dei mais umas voltas por lá e depois fui andando pra Sea Point. Minha conhecida que sempre viaja a trabalho pra Cape Town tinha me dito que lá eles abordam bastante as pessoas pedindo dinheiro, mas que era só eu ficar tranquila e dizer não que iam embora. No caminho até Sea Point fui interpelada em diversos momentos. Me mantive calma, falei que não tinha nada e continuei andando em todas as vezes. Talvez pelo que a menina da recepção tenha falado, comecei a ficar com medo e me senti muito triste por estar sozinha. Comecei a me questionar se realmente valia a pena ter feito essa viagem... Eu sabia que estava em um lugar maravilhoso, mas comecei a pensar que eu não conseguiria aproveitá-lo como queria e sonhava, tive a sensação de que havia muitas “restrições” pra uma mulher sozinha viajando por lá, e o tempo fechado não estava colaborando e sim, me deixando mais deprê. Dei uma volta no Sea Point promenade, vi o “óculos do Mandela”, em um momento deu pra ver um pedaço da Lion’s head (tudo encoberto). Já eram umas 17h e pouca, ia começar a escurecer e achei melhor voltar pro hostel. Fui andando o tempo todo com uma vontade de chorar, um aperto no peito e um nó na garganta. Eu já tinha mochilado 3 vezes sozinha pela Europa e América do Sul. Viajar sozinha me fez muito bem até, porque eu era extremamente tímida e insegura, e só comecei a me tornar mais confiante depois de ter me aventurado por conta própria. Mas minha última viagem sem companhia tinha sido em 2010. Desde então estou sempre acompanhada, só que dessa vez meu namorado não pôde vir comigo. Como meu lema é “não é ruim viajar sozinho, o ruim é deixar de viajar”, eu escolhi o destino e fui. Mas nessa volta pro hostel eu tava muito mal mesmo, questionando demais se tinha feito a escolha certa de ir sozinha pra África. Felizmente percebi depois que estava errada nos meus questionamentos, a viagem valeu MUITO a pena.
      Quando cheguei ao quarto conheci a Tatiana, uma brasileira de Fortaleza que tinha vindo no mesmo voo que eu (São Paulo – JNB, o voo dela pra Cape Town foi outro). Pior é que nós estávamos sentadas até próximas e nos vimos (ela é a baixinha que achou desconfortável). Acabamos nos tornando bastante amigas e mudamos a viagem uma da outra. Ela teve alguns problemas no aeroporto de Johannesburg e tava se sentindo meio pra baixo também. Conversamos um tempão e começamos a planejar alugar um carro pra irmos até Cape Point. Não sou uma pessoa muito religiosa, mas tenho certeza de que Deus colocou a Tati (e também a Karin, que vai entrar no meu relato daqui a pouco) no meu caminho pra fazer a viagem maravilhosa.
      Eu tava bem cansada, não tinha dormido nada, mas tentei me manter acordada até umas 21h, pra me adaptar ao fuso. Depois disso dormi.










    • Por amanda.teles
      Olá pessoal,
       
      Contaremos um pouco sobre nossa viagem à África do Sul, fomos eu (Renan), minha namorada Amanda e nossa amiga Jessica.
       
      Aproveitamos o feriado do carnaval, com mais alguns dias de folga, para conhecer um pouco da África do Sul. Encontramos uma ótima promoção para Joanesburgo pela TAAG e, por termos poucos dias, decidimos conhecer apenas o Kruger Park e a cidade de Joanesburgo.
       
      Dia 28 - Chegada a Joanesburgo e ida para Nelspruit;
      Dia 01 - Kruger Park - Entrada pelo Malelane Gate;
      Dia 02 - Kruger Park;
      Dia 03 - Kruger Park - Saída pelo Orpen Gate - Ida ao Blyde River Canyon e depois Joanesburgo;
      Dia 04 - Joanesburgo;
      Dia 05 - Joanesburgo;
       
      Optamos por levar dólares e trocarmos o dinheiro todo lá. Conseguimos taxa de 12,60 Rands por dolar no aeroporto.
       
      Dia 28:
       
      A viagem começou com uma ótima impressão da companhia aérea TAAG, com refeições muito gostosas e lugares espaçosos, pecando apenas na simpatia da tripulação.
       
      Chegando a Joanesburgo, alugamos um carro pela Tempest Car Hire, que teve o melhor custo benefício para nós. Um Picanto, locado para todos os dias que estivemos no país, e um GPS para não nos perdemos, tudo por US$ 190,77.
      Para poder locar o carro, foi necessário a emissão de Permissão Internacional para Dirigir, emitido pelo Detran.
       
      *Outro documento imprescíndivel para embarbar é o Certificado Internacional de Vacinação, emitido nos postos da Anvisa.
       
      Assim que pegamos o carro, partimos para Nelspruit (aproximadamente 340 Km de distância). O começo foi bem dificil e engraçado, pois eles adotaram o sistema de mão inglesa, sendo bem confuso no começo, mas nada que nao se acostume com facilidade. As rodovias são excelentes e chegamos com tranquilidade ao nosso destino. Nossa intenção foi passar uma noite na cidade, por ser uma das mais próximas ao portão Malalena Gate, por onde optamos entrar no parque. A cidade é muito bonita, e aparentemente bastante segura, reservamos o Hostel Mamma Mia, que foi uma ótima surpresa para nós. Reservamos um quarto para três (US$ 70), mas quando chegamos lá era uma casa enorme, com muito conforto e limpeza. Tivemos o imprevisto de trancarmos a casa com a chave dentro , mas com um pouco de trabalho conseguimos resolver o problema.
       
      Dia 01:
       
      No segundo dia, aproveitamos um café da manhã sensacional do hostel, e partimos para o Kruger por volta das 7 da manhã. Mais uma hora de viagem. Chegamos no parque e começamos o safari (por cada dia no parque tem que ser pago cerca de R$ 70/pessoa). Optamos por não fazer nenhum passeio guiado, fazendo tudo por conta, onde em nossa opinião valeu muito a pena, pois tinhamos uma grande emoção sempre que encontravamos um animal inesperado. Logo na entrada do parque já nos deparamos com duas girafas lindas.
      Continuamos o dia andando pela parte Sul do parque, por onde há uma maior ocorrência de animais, sempre na busca de encontrarmos o rei da selva. Nosso trajeto rumava para o Skukuza, onde iriamos passar a primeira noite dentro parque. Chegamos na hora do almoço, almoçamos por lá. Saimos na nossa caçada novamente, encontrando milhares de animais, experiencias e emoções incríveis a cada novo animal encontrado, mesmo que já tivessemos visto algum da mesma espécie. As 18 horas voltamos para o Skukuza para dormirmos, tendo encontrado apenas 1 dos Big 5, o elefante. Alugamos uma tenda (US$ 57). Foi muito legal, pois sentimos muito a interação com a natureza, ouvindo os barulhos da selva durante a noite inteira.
       





       
      Dia 02:
       
      Saímos por volta das 6 da manhã (recomendamos o mais cedo possível, pois é o melhor horário para encontrar os animais) sentido ao Satara, onde passaríamos nossa segunda noite dentro do parque. Continuamos rodando em busca dos outros Big 5, mas principalmente dos leões. E então, por volta das 10 da manhã, na estrada principal para o Satara, em área de savana aberta, demos de cara com o bichão, dois leões e uma leoa maravilhosos. A essa altura esse já era o nosso 4° Big Five, restando apenas o Leopardo (que não encontramos ). Chegamos ao Satara para almoçar e continuar o safari. Novamente voltamos por volta das 18 horas para descansarmos. O valor para 3 pessoas la foi de US$ 140.
       




      Dia 03
       
      Com sensação de dever cumprido, partimos novamente bem cedo, para aproveitarmos a manhã no parque e sairmos pelo Orpen Gate. Após a saída do parque, decidimos ir para o Blyde River Canyon (cerca de duas horas de distância). A estrada até o local é bem esburacada e muito mal sinalizada, onde, apesar de estarmos com o GPS, tivemos muita dificuldade para achar o local. Por fim, depois de rodarmos um pouco, pedirmos informações, conseguimos chegar. O local é lindo, com uma bela vista para o Canyon, compensando o esforço. Não ficamos muito tempo, pois nao queriamos chegar tão tarde em Joanesburgo, e estávamos um pouco distante. Paramos para almoçar em um restaurante de alguma cidade no meio do caminho, onde pedi por engano panqueca de pulmão de frango. Não foi muito agradável mas foi uma experiencia no mínimo engraçada. Chegamos por volta das 20 horas, fomos direto ao Hostel (Once in Joburg - US$ 70). A redondeza é meio perigosa, preferimos jantarmos no hostel e não sair mais.
       

       
      Dia 04:
       
      Pela manhã fechamos um passeio guiado para o Soweto. Uma experiência incrível, um lugar com uma energia diferente e com uma história muito impactante. Demos sorte, pois no dia da nossa visita teve o maior classico do futebol local, entre o Orlando Pirates e Kaizer Chiefs, onde toda a cidade estava num clima muito festivo, com ambas torcidas reunidas, com muita alegria e sem qualquer tipo de desentendimento. Sons de vuvuzelas por toda parte . Fizemos o passeio a pé (tem a opção do passeio de bike). Achamos muito mais proveitoso, pois sentimos um contato mais pessoal com os moradores e principalmente as crianças, que nos receberam super bem. Conhecemos a casa do Mandela e outros locais icônicos da região. Almoçamos la mesmo, comemos pratos típicos locais, muito bom tbm, recomendo.
       
      Após fomos ao museu do Aparthaid, novamente uma experiência bastante impactante e muito interessante.
       
      Logo já voltamos ao Hostel para evitarmos andar a noite.
       
      Dia 05:
       
      Nosso último dia na África. Demos apenas uma volta de carro pra conhecermos alguns pontos da cidade e já fomos para o aeroporto.
       
      Considerações:
       
      Hostel Mamma Mia - Recomendamos muito, comida excelente e acomodações melhores ainda;
      Skukuza - Tenda - Muito legal, não falta conforto e com um contato direto com a natureza;
      Satara - Bangalô super confortável, a acomodação mais cara mas valeu muito a pena. Muito bom!
      Hostel Once in Joburg - Local bem legal, mas muito barulhento, rolando som alto na rua até altas horas da madrugada;
      Segurança: Joanesburgo é muito perigoso, MUITA atenção em qualquer lugar e a qualquer horário.
       
      Para quem ama ver a natureza e os animais, como nós, tenho certeza que será um passeio inesquecível!
       
      Dúvidas, ficamos à disposição!
       
      Renan Cavalheiro
    • Por jenifervogel
      Segue abaixo o relato da minha viagem à África do Sul entre 23/12/2016 e 05/01/2017:
       
      VISÃO GERAL: é um destino que reúne praias lindas, vinhos e gastronomia, safaris, cultura e história. O povo é muito simpático e hospitaleiro.
       
      VOO: compramos as passagens em uma promoção da South African (R$1.800). Os aviões da SA são bons, a tela para filmes a melhor que já vi, comida ok e serviço de bordo bom. O voo dura quase 9 horas até Joanesburgo. Mesmo quem vai a Cape Town/Cidade do Cabo precisa retirar a mala em Joanesburgo e despachá-la de novo. Quase perdemos a conexão porque nosso voo saiu atrasado de SP e a fila na imigração estava enorme! Saímos correndo aeroporto afora e conseguimos pegar o nosso voo a Cape Town, que também saiu atrasado.
      Ah, dica importante: nossa mala não chegou em Cape Town e ficamos sem bagagem até no outro dia (eles entregaram no nosso hostel). Me pareceu que era uma coisa "comum", portanto, na mochila de mão tenha itens e roupas essenciais para uns 2 dias rsrs.
       
      DINHEIRO: levamos dólares e reais. Fazendo as contas valia mais trocar dólares mesmo na época que fomos. No aeroporto não conseguimos uma cotação tão boa. No Waterfront tem diversos bancos que trocam dinheiro, pergunte a cotação e a comissão deles. O banco Bidvest troca reais (tem um no shopping) e tem várias agências no país.
      Quando trocamos a cotação ficou 1 Real = 3,88 Rands. Os preços no relato sempre estarão em Rands.
       
      VACINAS: é necessário ter a Carteira de Vacinação Internacional para Febre Amarela. Eles realmente olham se você tem.
       
      COMPRAS: pechinche e negocie. Nas lojas de shopping não conseguíamos muito desconto, mas nas tendas e feirinhas de rua conseguíamos as coisas até pela metade do preço.
       
      SEGURANÇA: em Cape Town não me senti insegura em nenhum momento, mas por conselho do staff do hostel, usamos Uber para nos locomover à noite. De dia você deve cuidar com batedor de carteira como em qualquer cidade grande do mundo. Já em Joanesburgo é mais perigoso e feio. Ficamos num local que tinha seguranças da rua de dia e de noite, então era tranquilo, mas nos falaram que podíamos ser assaltados mesmo de dia se saíssemos daquela área. Passávamos de carro e víamos muita gente na rua, lixo, gente pedindo dinheiro em cada semáforo. À noite dava um pouco de receio, ficávamos bem ligados, mas acho que não deve ter assaltos a carros como no Brasil.
       
      CLIMA: Cape Town tem um verão seco, não choveu nenhum dia enquanto estávamos lá. As temperaturas são bem quentes no sol durante o dia, mas a noite fica fresquinho. Mas é bom sempre ter um casaco, pois no barco e em lugares mais altos como a Table Mountain, sempre tem um ventinho frio. No Kruger Park e em Johannesburg chove mais no verão, mas pegamos chuva somente no primeiro dia. Também é mais quente e abafado que Cape Town.
       
      DICAS:
      - Se for nessa época de férias, reserve tudo com bastante antecedência. Tentei reservar os melhores restaurantes 3 meses antes de ir e já estavam fully-booked/lotados toda aquela semana entre Natal e Ano Novo. Os passeios para a Robben Island consegui apenas o último horário reservando 3 meses antes. Quando estávamos lá tinha uma papel avisando que só tinha vaga após 8 de Janeiro. Isso vale para acomodação, etc.
      - Todos os lugares que fiquei possuíam adaptadores para a tomada do Brasil, mas se precisar de mais algum, compre no Pick n`Pay. Este mercado está em todo canto e custou bem barato (R35 rands).
      - Baixamos o mapa da África do Sul no aplicativo Here e foi muito útil, usamos como GPS no celular sem precisar estar conectado na internet.
       
      GASTOS: RS 1.800 reais passagem saindo de SP. Antes de ir gastamos uns RS 670 reais com pré-reservas e levamos mais US$ 650 dólares. Com uns pequenos gastos de Uber no cartão dá pra jogar o total pra RS 5.000 reais cada. Com isso comemos bem, alugamos carros, compramos vinhos etc.
       
      23/12 (sexta) - Chegamos já à noite por causa do atraso. Eu havia reservado um transfer antes de ir e não consegui avisar ele em Joanesburgo, mas quando cheguei em Cape Town consegui ligar pelo skype e o cara ainda estava lá esperando, coitado. O transfer foi pela http://www.airporttaxiservice.co.za/ e custou 270 Rands para os dois.
      Acomodação: ficamos no Atlantic Point Hostel (R340 quarto com 6 camas). Ótima localização, perto do Waterfront, centro e ponto de ônibus. Café da manhã excelente, seguro (possui senha na entrada principal e nos quartos), os quartos com 6 são camas e não beliches e bem espaçosos, armários com chave (leve seu cadeado), camas confortáveis, limpo. Enfim, foi um bom custo-benefício, já que acomodação em CT nessa época do ano fica bem cara.
      Quando chegamos encontramos minha mãe que já estava lá e fomos passear no Waterfront. Estava lotado de turistas e iluminado para o Natal, lindo! Aquela noite estava friiiia. Comemos fish and chips no shopping (69 rands) e depois fomos no Ferrymans Tavern que teria banda. A música estava legal, mas o atendimento péssimo! Um chope grande custava uns 40 rands.
       
      24/12 (sábado) - Neste dia fomos ao Waterfront resolver umas coisas de início de viagem:
      - Trocar dinheiro: vale a pena nos bancos, tem vários do Waterfront.
      - Comprar um chip de telefone: compramos na Vodafone do shopping apenas para internet, custou R120 o chip + 500MB de internet. Rendeu a viagem toda usando apenas quando não tinha wi-fi.
      - Cartão para ônibus Myciti: esta é a melhor opção de transporte junto com o Uber se você está sozinho. Pagamos R30 pelo cartão e carregamos R80 rands. Ele conecta vários pontos da cidade. Depois vimos que vale a pena apenas se você está viajando sozinho. Em 3 teria sido mais barato a gente usar o Uber. O Uber lá é super barato. A parada de ônibus fica bem pertinho do hostel, na rua principal (Main St). Pegamos o ônibus 108 até Hout Bay, com o trânsito levou uns 40 minutos.
      Hout Bay é tipo uma vila de pescadores, praia bonita, vários barcos de pesca e restaurantes de frutos do mar. Mas meu objetivo era ir na feirinha que rola aos sábados e domingos entre 10AM e 4PM. Você tem que caminhar atééééé o final da praia, tipo 1km, para chegar na feirinha. Adorei esta feirinha, música ao vivo, gente bonita, uma vibe muito boa. Tem as tendas com artesanatos, as de comida e um bar no meio que vende vinhos e cervejas. Foi difícil achar um espaço nas mesas de tão cheio que estava. Pegamos ostras (R20 cada) e uma salada de atum selado (R69 e o melhor que comemos a viagem toda), um vinho rosé e curtimos o som. Não deixe de ir!
      Depois que acabou a feira fomos tentar pegar o barco para a ilha das focas, mas fomos avisamos que o barco não estava se aproximando da ilha por causa das condições do mar, então fomos outro dia. Caminhamos mais um pouco pela orla e então pegamos o ônibus de volta. À noite eu e o Renan pegamos um Uber até a Long Street e fomos no Beerhouse, bar com vááááárias cervejas. Esta rua tem vários bares e baladas e estava bombando, muito gente louca na rua rsrs Mas você tem que ficar ligado, embora tenha seguranças na frente de cada estabelecimento, ouvi falar de pequenos crimes. Pegamos uma régua de degustação. Como a maioria dos lugares na África do Sul, não veio gelado Ai a gente até perde o gosto de beber rsrsrs Tomamos mais uns 2 chopes e voltamos.




       
      25/12 (domingo) - Neste dia acordamos cedo para subir a trilha da Table Mountain. Foram com a gente a brasileira Natália e um outro americano que minha mãe tinha feito amizade antes. Fomos de Uber até a entrada do teleférico (já cedo a fila para pegar o teleférico estava enorme, ouvi falar de 2-3 horas de fila para subir). Caminhamos mais um tempo pela rua até a placa indicando o início da trilha. A trilha foi bem mais puxada que eu imaginava. É subida direto, pedras altas e não tem sombra nenhuma pra aliviar o sol quente (leve bastante água e protetor solar). Mas minha mãe conseguiu subir, com muuuuito esforço kkkkkk Ao todo, com muitas paradas para esperar minha mãe se recuperar, levamos 2 horas e meia. A vista lá de cima é espetacular, as fotos falam por si só. Curtimos a vista lá de cima um tempo, compramos água, comemos umas frutas e compramos a descida (R135 rands). Também tinha fila para descer rsrs mas foi rápida até. Muito legal descer com o teleférico
      De lá pegamos um Uber para Camps Bay para almoçar. Lugar muito popular, com vários restaurantes de frente pro mar. Após o almoço a Natália tinha que ir e o Renan também queria voltar para o hostel porque estava cansado e torrado do sol. Eu e minha mãe fomos andar um pouco na praia. Realmente é gelada demais, ninguém entra na água rsrsrs Mas é linda, com as montanhas ao fundo. Ficamos lá até o pôr-do-sol.






       
      26/12 - Acordamos mais tarde para descansar e fomos caminhando até o centro. Passamos pela igreja St. George e pela Company`s Garden. Este jardim é muito mais bonito que eu esperava...um oásis naquele dia quente. Lindos jardins e muuuitos esquilos fofos que vêm até você e ficam olhando esperando comida rsrsr parecem cachorros. Depois fomos ao South African Museum and Planetarium (R30 rands), mas o planetário estava fechado para reforma. Não é o museu mais legal que já fui, mas é interessante. Bem grande, dá para ficar umas 3 horas. Depois fomos caminhar na Long Street, de dia ela é mais parada, tem várias lojas de souvenirs e restaurantes. Também passamos na GreenMarket Square, uma praça com várias barracas de artesanato. À noite fomos passear novamente no Waterfront e jantamos no Den Anker, restaurante belga com localização privilegiada no Waterfront. Estava lotado mas logo conseguimos uma mesa. Serviço amigável, várias opções de cervejas belgas, menu bem variado e a comida estava bem boa. Com 2 entradas, prato principal e bebidas saiu cerca de R400 rands cada.



       
      27/12 - Nesse dia o plano era subir a Lion`s Head de manhã, mas como estava muito quente acabamos não indo (me arrependo hoje rsrs). Fomos no Waterfront para andar por umas partes que não tínhamos ido ainda (é enorme o lugar), almoçamos um sanduíche no shopping (R45 rands) e fomos esperar o barco para a Robben Island (R320 rands, lembre de comprar antecipado online, tem às 9h, 11h, 13h e 15h). O passeio dura cerca de 4 horas (2h ida e volta de barco mais 2h na ilha). O passeio de barco em si já é legal. Na chegada entramos em um ônibus com uma guia. A parte 1 do passeio consiste numa volta na ilha dentro do ônibus onde a guia vai falando dados da ilha, história, fauna, explica algumas construções etc. Na parte 2 paramos na entrada da prisão e outro guia, que é um ex-prisioneiro político e ficou preso com Mandela, nos leva para dentro e fala um pouco sobre o apartheid, a luta deles, como funcionava o esquema prisional e as alas da prisão, visitamos as celas e ele fala como foram aqueles muitos anos presos lá (Mandela ficou 18 anos preso nessa ilha). Ninguém falava nada, todos só ouviam, é uma mistura de sentimentos.
      Após o passeio fomos jantar no restaurante La Mouette, bem concorrido e quando fiz a reserva 3 meses antes já tinha apenas 1 horário disponível e eles pegam um pré-pagamento no cartão. Esta foi a janta mais cara da viagem, mas também é outro nível, desde as mantas disponíveis nas cadeiras no exterior, atendimento impecável, cerveja gelada rsrsrs. Pegamos o Menu Degustação que custa R445 e vem 6 pratos. A comida e apresentação dos pratos estavam perfeitos, até minha mãe que não curte coisas diferentes gostou do carpaccio de avestruz e dos outros pratos. Com 2 garrafas de vinho saiu uns R650 rands cada.



       
      28/12 - Acordamos cedo, fizemos check-out e fomos buscar o carro alugado na Hertz pela internet (R1044 rands 3 dias, carro B). Teoricamente precisaria carteira de motorista internacional, mas pegamos com a do Brasil sem problemas. No primeiro dia foi tenso dirigir do lado esquerdo, mas logo o Renan acostumou, após quase bater numa rotatória porque olhamos pro lado contrário
      Nosso destino era Cape of Good Hope/ Cabo da Boa Esperança, com paradas pelo caminho. Primeiro paramos em Hout Bay para fazer o passeio até a ilha das focas. Já no pier tem várias focas que os pescadores ficam jogando peixe. O passeio dura 40 minutos, custa R85 rands e vale muito a pena. A ilha é repleta de focas, muito legal ver elas brincando, brigando e nadando ali ao redor.
      Depois seguimos para Chapman`s Peak (R42 pedágio), uma das estradas costeiras mais espetaculares do mundo. Realmente espetacular! Vontade de ir parando a cada 10 metros para tirar fotos. Passando Chapman`s Peak drive seguimos em direção a Simon`s Town, depois seguimos as placas para Cape Point. Quando passamos por Boulders Beach resolvemos parar para almoçar e já ver os pinguins. Estava lotado, fila para estacionar, então estacionamos mais longe e caminhamos até lá. Por onde entramos tem uma tarifa para nadar na praia, e no outro lado do deck de madeira é a tarifa para ir observar os penguins. Pra variar tinha fila e estava lotado, então não entramos, porque caminhando pelo deck já é possível observar a praia, os pinguins na praia mais de longe e alguns penguins bem próximos da cerca.
      Seguimos viagem para Cape Point, várias placas de BABOONS pelo caminho, mas não vimos nenhum. Quando estávamos próximos de chegar já tinha uma fila de carros. Esperamos não sei quando tempo na fila e quando estávamos chegando próximos da entrada um guarda disse que poderia levar até 2 horas para liberar estacionamentos (tem que chegar cedo pra tudo ou pegar filas intermináveis, essa é a desvantagem de viajar nesta época do ano). Desistimos e resolvemos voltar no outro dia bem cedo. Seguimos para Stellenbosch para visitar algumas vinícolas. Como as degustações encerram às 16h-17h na maioria delas, conseguimos visitar apenas a Vredenheim. Serviço ok talvez porque já estavam quase encerrando, vinhos não estavam na temperatura certa.
      Em Stellenbosch alugamos uma casa pelo AirBnb https://www.airbnb.com/rooms/8746700. O melhor lugar que ficamos, linda casa num bairro residencial, super limpa e espaçosa, muito bom!






       
      29/12 - Saímos de casa umas 6AM e levamos mais ou menos 1h30min até Cape Point. Fomos uns dos primeiros a chegar rsrs, não tinha fila nenhuma. Seguimos a Cape Point e subimos as escadas até o Farol. Vistas espetaculares de lá e pensa num vento. Bom ler um pouco da história deste local antes de ir, pois o mais legal além da beleza natural é sua importância histórica. Lá tiramos umas mil fotos. Depois seguimos pela trilha que vai até Cape of Good Hope, é possível ir até lá de carro, mas a trilha é bem tranquilo e leva no máximo 2h ida e volta. Depois dirigimos mais um pouco no parque e voltamos para Stellenbosch.
      Eu tinha reservado uma degustação na Neethlingshof às 13h, chegamos só um pouco atrasados porque nos perdemos um pouco. Vale muito a pena a Flash Food, Slow wine pairing! Custa R90 e cada vinho vem com um mini prato armonizando. De lá seguimos para a Die Bergkelder (Fleur du Cap) onde havia reservado outra degustação com comida, mas chegando lá falaram que só seria possível a de vinhos. Os vinhos são muitos bons mas não gostei do atendimento. Depois fomos para a Spier, vinícola muito popular, mas estava lotado e não conseguimos fazer a degustação, então apenas compramos uns vinhos na loja e fomos pra casa.






       
      30/12 - Dia de degustações. Importante destacar que meu noivo estava de motorista, então a maioria das degustações só eu e minha mãe fizemos, tadinho rsrs
      Primeira vinícola foi a Warwick. Minha preferida, lindo lago e jardim, atendimento ótimo, vinhos excelentes! Eles fazem picnic gourmet então tem almofadas, mantas etc no jardim em frente ao lago. Sentamos na varanda sob uma árvore para fazer a degustação. Que lugar tranquilo e agradável, se tivesse mais tempo ficaria ali uma manhã inteira. A degustação básica custa R50 mas este valor é abatido se você comprar vinho depois, então vale muito a pena! Levamos 2 garrafas.
      Próxima vinícola foi a Fairview Cheese and Wine. Estava lotado. Na entrada tem uma casinha de cabras, muito fofas rsrs. Após um pouco de espera fizemos a degustação de queijos e vinhos (R40 ótimo preço). Os vinhos são bons, mas os queijos...deliciosos! Levei um queijo de cabra e um queijo azul. Recomendo muito este lugar também!
      Depois paramos na La Motte. Vinícola grande e mais chique, um jardim lindo, algumas esculturas e peças de arte, uma ponte sobre um lago. Os vinhos realmente são muito bons, mas também são os mais caros. Compramos apenas uma garrafa rsrsrs
      Quase em frente a La Motte fica a Eikehof. Faça um favor a si mesmo e visite este lugar! Amei! É uma vinícola familiar pequena e mais rústica. A degustação é feita sob as árvores em frente ao vinhedo. A própria família te recebe, e são muuuuito atenciosos e queridos, contando a história deles e daquele lugar. Minha mãe até foi andar no meio do vinhedo pra ver rsrsrs Pegamos uma tábua de frios, tudo delicioso. É um lugar imperdível na região!
      Fomos para casa pois já tinha dado de vinho, apaguei e acordei com aquela sede rsrs Quando olhei o relógio já estávamos atrasados para o jantar que tinha reservado na Tokara! Fomos correndo e chegamos a tempo para o pôr-do-sol. Sim, porque ver o pôr-do-sol neste lugar é obrigatório. Chegamos e o host já perguntou se queríamos primeiro tomar algo no deque. Lógico! Este é o restaurante e vinícola com o visual mais lindo! A fachada do restaurante é toda de vidro, então enquanto você janta pode ficar observando aquele restinho de sol no horizonte. Este restaurante é um dos melhores na região e possui poucas mesas, então reservei uns 3 meses antes. Comida maravilhosa, tudo perfeito! Com 2 entradas, 3 pratos principais, água e uma garrafa de vinho deu uns R400 cada.











       
      Como eu adoro gastronomia e vinho, amei Stellenbosh e ficaria mais tempo se meu noivo também gostasse tanto quanto eu.
       
      31/12 - Saímos cedão para devolver o carro e pegar um voo para Lanseria/Joanesburgo. Esse voo foi comprado separadamente na Kulula (budget airline). No aeroporto pegamos outro carro alugado na Budget (R1923 rands carro automático por 6 dias). Ambas as empresas foram boas.
      Seguimos direto para Hoedspruit, cidade próxima ao Kruger Park. Todas as estradas da África do Sul são ótimas e foi super fácil dirigir por lá. No caminho vários pedágios, mas pelo menos as condições das rodovias eram excelentes. O caminho foi bem longo e levamos umas 6h para chegar. Ficamos na Lourie Guesthouse (reservado pelo Booking.com) e foi R270 uma diária em quarto família. É uma pequena cidade, apenas ponto de entrada para o Kruger Park, apenas para dormir e seguir viagem. Passamos o ano-novo dormindo rsrs
       
      01/01 - Saímos umas 6AM rumo ao portão Orpen do Kruger Park. No caminho existem várias reservas privadas e vimos já uma girafa peto de uma cerca no caminho. Na entrada perguntam se temos armas, revistam o carro mais ou menos. Infelizmente ainda tem muita caça ilegal mesmo dentro do Kruger, vi num folheto que em 2013 foram mortos mais de 300 rinos
      Na próxima parada tem uma recepção onde mostramos nossa reserva e eles anotam a placa do carro etc. Também compramos um mapa muito bom por R40, que tem o tempo de viagem entre os acampamentos, fotos e nomes dos animais, etc.
      Observações:
      - Reservamos acomodação no Skukuza Camp e o Sunset Safári pelo site do governo https://www.sanparks.org/parks/kruger/. É importante reservar com bastante antecedência pois este camp é o maior e o mais popular. Tive problemas para pagar com meu cartão, bug no site, então liguei lá e o pagamento foi feito por telefone.
      - Esses safáris oferecidos pelo parque só estão disponíveis para quem dorme lá, pois começam ou terminam fora do horário que os portões estão abertos para "day visitors" (o nosso safari terminava as 20h e os portões fecham às 18:30 por exemplo).
      - Tem toda uma lista de regras que você recebe ao reservar, como limite de velocidade, recomendações como nunca abrir as janelas do carro etc. E tem que respeitar o limite mesmo que eles multam.
      - Se você faz questão de ver os Big 5, o ideal é ficar pelo menos 4 dias no parque.
       
      Logo na entrada vimos uns carros parados e fiquei olhando e não via nada, eles olhavam para uma árvore, então olhamos pra cima e vimos um leopardo num galho. Começamos bem, já que é super difícil ver leopardo.
      Seguimos pela via asfaltada em direção ao Satara camp. Em determinado momento pegamos uma estrada de barro para fazer um loop, mas tivemos que seguir por esta estrada de barro por muito tempo, pois todas as que ligavam a estrada principal estavam fechadas (parece que devido a uma forte chuva). Mas foi bom, pois quase não tinha carros nesse caminho e vimos elefantes, zebras, muitos tipos de antílopes, búfalos, rinocerontes... Claro, passamos muito tempo dirigindo sem ver nada, é muita questão de sorte..pois a savanna é imensa e tem que ter sorte de o bicho estar ali perto da estrada. Acho que as estradas de barro são melhores para achar os animais por ter menos movimento. Também quando o sol está mais forte, e estava muuuito quente aqueles dias, os animais tendem a ficar mais deitados e sob as árvores, então os melhores horários para vê-los é bem cedo ou final da tarde.
      Chegamos na recepção do Skukuza para pegar a chave pro nosso hut, pagamos a taxa de conservação (R304 cada) e fomos esperar a hora do check-in. Este acampamento possui um restaurante, uma loja de souvenirs e mini mercado, uma piscina. É bem completo, nem parece que você está no meio da savanna. E tudo com preço razoável, mesmo preço das cidades. Estava muuuito quente. Fomos no restaurante tomar um cerveja. O deck fica em frente ao rio e vimos um monte de macacos correndo sobre a ponte. Às vezes até é possível ver elefantes bebendo água no rio ali na frente (vi em fotos, mas não vimos).
      Fizemos check-in, tomamos banho e descansamos para o safári, que começava às 16:30h. Seguimos com o jipe, dirigimos bastante tempo sem ver nada. O próprio guia falou que como estava muito quente, só quando o sol saísse veríamos mais coisas. O safari decepcionou na verdade, pensei que com o guia veríamos mais animais por eles saberem os melhores lugares para olhar, mas não. Valeu a pena pela família de girafas que passou na frente do jipe, aquele pôr-do-sol lindo ao fundo, parecia cena do Discovery rsrs e outros pequenos animais que sem o guia nem notaríamos, como cobra, pássaros, pequenos roedores, etc. Voltamos 20H para o acampamento e fomos jantar. À noite você percebe que está no meio na savanna, pois só ouve o barulho dos animais, o céu mais estrelado que já vi...





       
      02/01 - Saímos umas 7h, jogamos a chave na caixa "Key Drop" (check-out mais eficiente rsrs) e seguimos mais ao sul do parque. Seguimos um bom tempo sem ver nada numa estrada de barro e de repente, uma grande manada de elefantes bem próxima da estrada, os filhotinhos brincando tãaaaao fofo. Sempre batia um medinho quando tinha filhotes, pois as mães ficam mais agressivas rsrs então sempre mantemos uma distância segura. Às vezes era impossível porque você vai dirigindo devagarzinho e de repente tem um elefante enooorme bem no lado do carro. Dava uns frios na barriga e eu começava a gritar "fica com a ré engatada" daí o elefante começava a vim na nossa direção e eu gritava "saaai sai rápido" kkkkkkk É que eu vi um vídeo onde um elefante derrubou um carro, dai já viu. Nesse dia vimos muuuitos elefantes naquela rota e também girafas, mas nada de leão Próximo da saída do parque vimos mais 2 rinocerontes bem perto, então já fiquei feliz pois eles também são difíceis de encontrar.


      Foi umas das experiências mais legais da minha vida, ver estes animais no seu habitat natural e a savanna africana e suas "Acacias tortilis". Nossa passagem foi rápida, não vimos o leão, mas valeu a pena. Como falei antes, se você quiser ver todos os animais, fique pelo menos 4 dias no parque.
      Seguimos viagem rumo a Joanesburgo, mais 5h. Ficamos num flat alugado no AirBnB no bairro Moboneng.
       
      03/01 - Após dias acordando super cedo, dormimos até mais tarde neste dia. O bairro que ficamos tem guardas nas ruas, então é seguro sair ali a pé para tomar um café, mas fora daquela região é perigoso. Este bairro foi totalmente reformulado e se tornou "cool", cheio de galerias de arte, um cinema independente, lugar da moda.
      Fomos ao Museu do Apartheid (entrada R80 e estacionamento seguro e gratuito). Na entrada te dão um ingresso que te discrimina aleatoriamente pela cor, então você se separa do grupo na entrada, uma amostra de como muitas famílias foram separadas quando o regime começou. Muito louco pensar que isso é tão recente. O museu é enorme, dá pra ficar 4 horas ou mais, pois também conta a história da África do Sul desde a colonização. Nossa, o que dizer deste museu...impossível não se emocionar. Alguns vídeos são bem gráficos, tinha até gente chorando. O ser humano pode ser muito cruel. Mas emociona também a determinação, resiliência e força dos que lutaram contra a segregação, não somente negros, mas também indianos, brancos e asiáticos.
      Depois fomos para o shopping Sandton. É enoooorme, fizemos umas compras e jantamos no The Butcher Shop and Grill. Finalmente comi a carne de avestruz e o malva pudim que estava querendo provar.

       
      04/01 - Fomos ao Cradle of Humankind/Berço da Humanidade, que fica cerca de 1h de carro de Joanesburgo. O ingresso custa R190 (combo cavernas Sterkfontein + Maropeng). Paramos primeiro na Sterkfontein Caves, caverna onde foram encontrados diversos fósseis dos primeiros seres humanos e os famosos Little Foot e Mrs. Pleas. A caverna é legal e tem estalagmites, um lago etc, mas o mais legal é a parte histórica e saber que naquela região viveram, milhões de anos atrás, os primeiros seres humanos. Algumas partes tem que andar agachado, passar por lugares bem estreitos, mas não muito.
      Depois fomos ao Maropeng Visitor Centre, que fica a 6km das cavernas. É um museu interativo focado da evolução do planeta, dos humanos e nossos ancestrais. Primeiro tem uma parte com fósseis de dinossauros. Depois vem a parte mais legal. Entramos num bote redondo que vai passando por um túnel gelado e azul, depois passa uma parte escura com fumaça e lava, placas tectônicas se movendo, muito massa, só isso já valeu a pena a visita! Depois passamos por um túnel que é pra ser o momento do Big Bang (dá uma tontura) e saímos em uma sala com exposições interativas sobre a evolução da humanidade, extinções, etc. Curtimos!
      Depois fomos à Lesedi Cultural Village, mas chegamos tarde demais para visitar as "aldeias" (o tour ocorre 11:30 e 16:30). O lugar recria a vila/casas de 5 tribos africanas diferentes. É feito para turista, mas para quem não tempo para visitar uma tribo mesmo (acho que é possível somente em outros países da África), tá valendo. Vimos então apenas a apresentação das danças e músicas (R150). Minha mãe adorou e todos foram realmente muito queridos, mas eu achei apenas legalzinho.
      Na volta fomos novamente no Sandton Mall porque o Renan queria comprar uma camiseta de Rugby e jantamos no Ocean Basket, uma rede de fast-food de frutos no mar. Nossa como nos arrependemos de não ter comido nessa rede antes (tentamos mas sempre tinha fila e não temos paciência ). Muito bom custo-benefício!!! O fish and chips custou R59 e a casquinha tava bem sequinha e crocante, molho delicioso, bem servido. Também pegamos uma porção de frutos do mar (R119) com camarão, mariscos, peixe e arroz, o molho de manteiga é delicioso! Já o sushi não achei aquilo tudo. Essa rede tem em todas as cidades, se soubesse que era assim bom antes...
      À noite foi arrumar as malas e embalar bem os vinhos com papel bolha para a volta.



       
      05/01- Dia de ir embora, já bate aquela depressão
      Minha mãe queria porque queria ir no Soweto. Não é o tipo de turismo que curto, é como ir nas favelas no Rio. Mas como ela não parava de insistir, chamei um Uber e fomos até a casa do Nelson Mandela. Ela entrou, tirou umas fotos, caminhamos um pouco ali na rua que é cheia de artesanato (e por ser turística não tinha pobreza), o nosso motorista do Uber falou um pouco sobre o Soweto e tal, e logo voltamos. Neste dia matamos tempo num shopping perto do Aeroporto, depois devolvemos o carro e pegamos o voo de volta.
      The end.
  • Seja [email protected] ao Mochileiros.com

    Faça parte da maior comunidade de mochileiros e viajantes independentes do Brasil! O cadastro é fácil e rápido! 😉 

×