Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

Olá Viageiros!!!

 

Vou contar um pouco da minha passagem por Riga, capital da Letônia, que foi o início da minha viagem pela Europa, que ainda teria Ucrânia, Polônia, Alemanha e Holanda.

 

Para mais detalhes e fotos, visitem o meu blog:

www.profissaoviageiro.com

 

Agora uma novidade: Um novo canal no Youtube com todos os vídeos das viagens e muitas outras coisas que pretendo mostrar por lá!

Youtube: Profissão Viageiro

Agradeço muito quem puder se inscrever por lá! ::otemo:: ::otemo:: ::otemo::

 

 

Então, eu não sou um cara muito Europa para falar a verdade... Acho que lá o turismo é mais fácil e quase tudo que eu faria lá agora, posso fazer quando estiver mais velho.

Já outros lugares do mundo, ou é agora, ou provavelmente não vai rolar, pois exigem mais do meu físico e capacidade de me adaptar aos lugares.

 

De qualquer forma, não preciso dizer o quanto a Europa é linda e em cada esquina tem algo bonito para ver ou fazer.

 

Riga é assim, uma cidade muito bonita, cheia de prédios antigos e cheios de história.

 

Vamos lá...

 

Cheguei em Riga no início da noite em um voo vindo de Amsterdã. O voo durou pouco mais de duas horas e foi bem tranquilo.

 

Transporte

Riga é bem tranquilo de se locomover. Eles têm muitos ônibus, metrô e bondes. Certamente você irá encontrar uma linha que te atenda

Eu fui do aeroporto ao centro da cidade, perto de minha pousada, em um ônibus que sai do Aeroporto e chega em poucas paradas no centro da cidade. O ponto fica logo atrás do estacionamento do Aeroporto, bem tranquilo de encontrar.

 

Hospedagem

Bom, como em quase todos os lugares tem opções para todos os bolsos.

Como meu orçamento é bem apertado, fiquei em uma pousada em um prédio no centro da cidade, na avenida Satekles Iela. Nesse prédio tem um McDonald’s e uma “padaria” no térreo! Bem cômodo, principalmente porque era um dos poucos lugares abertos no final da noite.

 

O Rolê

Quando eu fui era Outono, final de Novembro, e já estava muito frio! E para piorar o sol nascia altas horas.

Foi bem estranho isso... 8 da manhã ainda era noite e não tinha ninguém na rua. Nenhum comércio aberto e sequer um lugar para tomar café da manhã. Se não me engano a maioria dos lugares abria depois das 8:30.

Bom, saí para andar no centro antigo, no escuro, com frio e fome!

Era muito curioso... Não tinha quase ninguém na rua! Era dia de semana, mais de 8 da manhã e ninguém fora de casa ainda! Tudo vazio!!!!

0001.JPG.f01c69ade424c3742982daf22a0ff07c.JPG

0002.JPG.617c51308ca2ced56b665608559e4f1a.JPG

0003.JPG.4945959b15e9444056640aa410e7d043.JPG

0005.JPG.8c094afb983486ebb1991c3d78be5ca7.JPG

0007.JPG.faf13f43f73bffeaddac4c684019729b.JPG

0009.JPG.c0c6d2543923c6601613c290098cb7ad.JPG

0011.JPG.90bf68cff18287f8d0faa80be6a7b38d.JPG

0013.JPG.0b60885cce3e4928fd4a231fa8509276.JPG

0017.JPG.5274df26364ffbd30b4d328acb128dd9.JPG

1099662618_0018(2).JPG.8ecf6f720922a1bb715b08c7600a767c.JPG

1448198146_0019(2).jpg.c9ab68fcfe8f83e758fc7a3450792132.jpg

 

Depois de andar um pouco achei um lugar bem bacana que já estava aberto para tomar meu café.

0022.jpg.1451b495455ccd8d878fb55612029138.jpg

0021.jpg.923be97f17b2c68ae69704b37e0300a2.jpg

0023.jpg.6ca2c2a884272668244eda34847abbbb.jpg

 

Alimentado, segui o rolê pelo centro...

0025.JPG.c4ccfc212d89bcd769d634cd2c04a4b2.JPG

0028.JPG.16373790f8ea8a63164fcbaddaae3e8f.JPG

0031.JPG.58e1c7987796fe295234ce7367c80102.JPG

0032.jpg.bb624528c0af18e680964e969a00eb6e.jpg

0034.jpg.90dad5469fba18d70f697d254b603322.jpg

0037.jpg.dcef5b6548d0eb25625352c6b9e4974f.jpg

0040.jpg.a896fb353de1fc295f159662af954db2.jpg

 

Aí fui em direção ao Rio Duína Ocidental, que corta a cidade. Ali que eu vi uma movimentação maior de gente. A avenida estava bem carregada.

0044.JPG.f0fada9b97a35693398f4293b1424f77.JPG

0046.JPG.31c705fe0793af4f78cbf1f04fb7ce1a.JPG

0047.JPG.3cfaaf0b657297b9f5ed47f9a771e318.JPG

0048.JPG.208d159527d3e1e91da9f00e34e53a49.JPG

0051.JPG.a2dc7fc83ac72d69c81091b14e61332b.JPG

0052.JPG.b6ba65fa0cddbbb926c8b7d098773fda.JPG

 

Voltei então para o centro para curtir aquele lugar lindo!

0055.JPG.06ad50c14de6ab6933dd9cd68ac0d7cc.JPG

 

Aqui meu conceito das pombas mudou! Estava -1 grau e as pombas estavam tomando banho na poça praticamente congelada...

0056.JPG.84577d3e9988d7b3962c8a6d864ad6ac.JPG

Vou falar, chamar de sujo um bicho que toma banho nesse frio me parece algo bem errado!!!!

 

0058.jpg.b902869771ae5aadea296b323bc6d782.jpg

0060.JPG.da79634490cf137574340a5b500e6979.JPG

 

Aqui é uma das artes mais charmosa que achei...

0061.thumb.jpg.6b2da1882796aecd7b58a5b4553e5e29.jpg

0063.JPG.9a0098d6fdfea4a3d8a6cfeee210940a.JPG

0065.JPG.50d38d1188bc178a4ac706059b7e88d9.JPG

0067.JPG.b116b025a97faf19918d4d4abc00f5b8.JPG

0068.JPG.4f6c596cb9a1c9e614cdd581bae3b185.JPG

0072.JPG.81e1dbbf4d946d38ffa7b230363b6ba5.JPG

0074.JPG.862df14afd4efd3f8efcefcf0aab73b0.JPG

0078.JPG.97c9ab7cd3b2f0f2a3f337df306d9b1d.JPG

0079.JPG.cc0ba439c5fb8cda219f853aeffcd826.JPG

0080.JPG.d59935b6967f8f38360389d5bd356805.JPG

 

E foi isso! Bora pegar o ônibus de volta para o aeroporto! A próxima parada é Kiev!

0083.JPG.f6bdd46055270e0b5109a3c3f215c36b.JPG

 

 

Qualquer dúvida que eu puder ajudar, é só falar!!!

 

Valeu!

 

Abraço,

 

Felipe

Instagram: @profissaoviageiro

 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá Felipe. Ótimo relato!
Como foi com o idioma lá? Dá pra se virar com inglês ou é necessário um bom conhecimento de russo?
Desde já, agradeço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Fred Moura 

Olá Fred!

Cara, graças a Deus não era necessário falar Russo!!!! 😂

Com inglês consegui fazer tudo que queria, que no fundo, não era muita coisa. Mas no hostel, no café, no aeroporto e coisas assim foi bem tranquilo falar inglês!

Até o motorista do ônibus me entendeu e me mostrou onde tinha que descer.

 

Então vai tranquilo só com inglês!!!

 

Abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Mari D'Angelo
      Leia o relato completo com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/split-uma-cidade-dentro-de-um-castelo/
       
      No caminho entre a capital Zagreb e Dubrovnik, a pérola do Adriático, se encontra a pequena Split, a capital da região da Dalmácia e segunda maior cidade do país, destino comum para quem visita a Croácia. Muita gente a inclui no roteiro exclusivamente como acesso para uma das inúmeras ilhas, mas não foi nosso caso. Alugamos um carro em Zagreb e descemos até Split fazendo uma rápida parada em Zadar, para conhecer o intrigante órgão marítmo. As estradas croatas são bastante boas, e usando o GPS não tivemos nenhum problema.
       
      Chegando na cidade, comecei a ficar meio preocupada, quase desisti de parar por lá, isso porque a parte turística e histórica se concentra exclusivamente dentro do antigo palácio do imperador romano Diocleciano, declarado patrimônio da humanidade pela UNESCO. Fora deste domínio ela não é nada atrativa!
       
      Com alguma dificuldade encontramos o estacionamento (que fica na parte de fora do palácio, não circulam carros por lá) e partimos para uma missão dificílima, encontrar o hotel! Na verdade, não era um hotel, era um apartamento, esse esquema de hospedagem é muito comum por lá, usamos duas vezes reservando pelo Booking.com e foram boas (e baratas) experiências. O lugar em si não era mais que um quarto com banheiro e frigobar, mas para uma noite, está ótimo (e dentro do palácio). É difícil encontrar pois são várias vielas com apartamentos não muito bem identificáveis, e claro, com nomes impronunciáveis. Uma dica é reparar nas portas, geralmente há uma placa azul com um ícone de hospedagem e o termo “sobe”.
       
      Na entrada da cidade velha, próximo ao Portão de Ouro (cada lado do palácio tem um portão: ouro, prata, ferro e latão) está a gigante estátua do bispo Gregório de Nin, que lutou para que os serviços religiosos fossem divulgados também na língua eslava, para que todos pudessem entender, já que na época era usado para estes fins apenas o latim. A tradição manda esfregar a mão no dedão de seu pé esquerdo para trazer sorte.
       
      O palácio de pedras brancas da ilha de Brac foi construído a mando do imperador Diocleciano, que nasceu nesta região e comandou Roma de 284 a 305, quando abdicou voluntariamente de seu cargo. Era conhecido pela fama de perseguidor de cristãos. Ele encomendou aos arquitetos Filotas e Zotikos a então luxuosa construção onde passou seus últimos anos de vida. Após sua morte, o palácio virou residência do governador e foi usado ainda para escritórios administrativos. Em 615, refugiados de Salona, vizinha de Split, se abrigaram no palácio já abandonado, após ter sua cidade destruída pelos avaros e eslavos. Neste momento, começa a surgir a cidade de Split, que com o passar dos anos foi se expandindo para além dos domínios do palácio.
       
      Caminhar por lá é como mergulhar no passado, áreas muito bem conservadas convivem em harmonia com ruínas, colunas coríntias greco-romanas, esfinges egípcias, esculturas e roupas penduradas para fora das janelas. Estilos artísticos e arquitetônicos se misturam, do gótico ao renascentista. Todas as ruas, praças e casas desta região tem ares italianos, o que não é exatamente uma surpresa, já que a cidade foi ocupada por Veneza durante um período.
       
      Saindo pelo portão de latão, a Riva, grande calçadão branco com palmeiras imperiais, margeia as águas do porto (Split é uma cidade basicamente portuária, sem praias na região central). Há uma maquete do palácio em alto relevo e diversos cafés e restaurantes beira-mar.
       
      Vale a pena subir no alto da torre do campanário da Catedral de São Domnius. O trajeto é longo, cansativo e claustrofóbico, mas a vista da cidade e do espetacular azul do mar adriático compensam o esforço. O local era o antigo mausoléu do imperador, quando a religião católica ganhou liberdade, foi transformado em catedral onde foram colocados os restos mortais de São Domnius, padroeiro de Split, e Santo Anastácio, ambos mortos a mando de Diocleciano. No vestíbulo, que fica próximo ao campanário, costumam acontecer apresentações musicais.
       
      Diz-se que as galerias subterrâneas foram usadas como depósitos de lixo na ocupação da cidade pelos refugiados de Salona e que foi isso que conservou a estrutura. Hoje no local ficam diversos stands vendendo de tudo um pouco, é um bom lugar para encontrar souvenirs.
       
      A noite paramos para comer no Restaurant Central, na Praça do povo (Narodni Trg) que fica fora das muralhas, com alguns restaurantes, lojas e um intenso fluxo de turistas. É também onde ficam a prefeitura e a torre da guarda, com um relógio em sua fachada. Para os carnívoros, a pedida é o porco, muito consumido pelos croatas. Já eu preferi uma massa com funghi (os cogumelos também são muito frequentes na culinária local) e foi uma das melhores coisas que já comi na vida, que delícia! O vinho croata, assim como a cerveja, também não deixa nada a desejar.
       
      Na manhã seguinte tomamos café em uma pekara (padaria) próxima à marina e quando percebemos estava tocando Gustavo Lima!… Até na Croácia! Ainda passeamos mais um pouco por lá e partimos para Baska Voda, uma praia paradisíaca e desconhecida.
       
      Leia o relato completo com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/split-uma-cidade-dentro-de-um-castelo/
    • Por Mari D'Angelo
      Relato original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/brela-e-baska-voda-paraisos-escondidos-na-croacia/
       
      Brela e Baska Voda, uma do lado da outra, são minúsculas cidadezinhas na Croácia que escondem praias verdadeiramente paradisíacas banhadas pela imensidão azul do mar adriático! Na verdade mesmo, não havia nada pra fazer lá, o único atrativo era uma ilhota de pedra com árvores no meio do mar que parecia incrível no Google Images (e que praticamente foi o motivo de escolhermos esse lugar tão fora do roteiro) e que ao vivo era bem menos pitoresca. Mas havia calmaria, simpatia sincera e cenários que fazem meu coração palpitar até hoje, e o melhor, tudo isso só pra nós dois, ou quase.
       
      Depois de passar pelas paisagens mais lindas das estradas croatas (fizemos praticamente a costa toda nessa viagem), chegamos em Baska Voda. Nosso “hotel” era na verdade era um flatzinho que os próprios moradores alugam (já falei um pouco sobre isso aqui no post de Split), o nome era Haus Bilic e reservamos pelo Booking.com. O lugar era grande e super aconchegante. Aliás, entrando na cidade já era possível sentir o clima de aconchego que pairava por lá. A mulher que veio nos receber era de uma simpatia extrema, deixou uma cestinha com bananas e ainda se ofereceu para lavar nossas roupas. Muito amor, muita simpatia!
       
      Como eu disse, não havia muito o que fazer, foi um dia totalmente relax (o único, em uma intensa programação de 30 dias e aproximadamente 10 cidades) e foi maravilhoso! As vezes, tão bom quanto um dia cheio de novidades e cultura é parar e simplesmente andar a toa, sentar nas pedras (lá não tem areia, são praias de pedras), ouvir o mar e se sentir totalmente realizada, naquele momento não queria estar em nenhum outro lugar além daquele!
       
      Passamos pelo modesto porto, algumas lojinhas e uma estátua virada para o mar que ainda estou tentando buscar o significado. Andando pelas poucas ruas da cidade vimos muitos carros modelo Renault 4, muito comuns na época comunista, antes da antiga Iugoslávia se desmembrar em países separados, sendo um deles a Croácia.
       
      Antes do pôr-do-sol pegamos o carro para ir até Brela e ver a tal pedra! Parece até mentira de tão poética a paisagem que íamos tendo no caminho, as casas em frente a gigantes montanhas com seus topos encobertos por nuvens. O visual do sol se pondo então, foi espetacular! Aliás, a Croácia está lá em cima na minha lista de pores-do-sol maravilhosos!
       
      Voltando para Baska Voda, já de noite, observamos um caixa eletrônico no meio do “calçadão”, é engraçado pra nós que estamos sempre preocupados com segurança a ideia de tirar dinheiro assim, tão “abertamente”… é outro modo de viver!
       
      Pra terminar nosso day-off da viagem do melhor jeito possível paramos num restaurantezinho pra tomar uma cerveja e comer os melhores cogumelos-recheadinhos-de-queijo-sobre-arroz do mundo! (não faço ideia do nome desse prato e também nunca mais achei igual em outro lugar, mas era divino). O Dan foi de carne de porco com fritas, bem tradicional por lá.
       
      E assim foi um dia pacato, numa cidade pequena e totalmente desconhecida do qual não vamos nos esquecer jamais.
    • Por Mari D'Angelo
      Post original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/budapeste-onde-ficar/
       
      O leste europeu está em alta! Tanto pelo custo, que costuma ser mais baixo do que em outros países da Europa, quanto pela beleza, que está sendo pouco a pouco descoberta e desejada. Assim como Praga e Zagreb, Budapeste, a capital da Hungria, é uma dessas cidades encantadoras que surpreendem os visitantes.
       
      Mas, como decidir onde ficar?
       
      O básico a saber é que a cidade é dividida pelo Rio Danúbio em duas partes, Buda e Pest, a ligação principal entre elas é a Ponte das Correntes. A primeira é a parte alta, onde fica o esplendoroso Castelo de Buda, o Bastião dos Pescadores e de onde se tem várias vistas panorâmicas da cidade. É o lado mais tranquilo, não tem tanta vida noturna, até tem alguns restaurantes e é possível (e lindo) subir ao castelo a noite, mas é sem dúvida um lado mais diurno.
       
      Já o lado Pest, como bem sugere o nome, é mais agitado. É onde ficam a maioria dos pontos turísticos, como a Basílica de Santo Estevão e o Parlamento Húngaro, quase tudo é acessível a pé e o metrô cobre as áreas mais distantes. A noite é bastante viva, com vários bares, restaurantes e lojas. Ah, e a cerveja é super barata, então, aproveite!
       
      Ou seja, se quer tranquilidade, fique em Buda, se quer mais proximidade com os pontos turísticos e vida noturna, escolha Pest.
       
      Nós ficamos no Hostel Casa de La Musica, em Pest, achei fantástico! O lugar é simples mas é lindo, todo coloridinho e alegre, pegamos um quarto duplo com banheiro compartilhado, tudo super limpo e tranquilo. No primeiro dia rola um welcome drink no Bikini Beach, o bar do hostel que costuma ficar bem cheio. Inclusive conhecemos na escola em Paris uma húngara que frequentava o bar, então acho que tem uma mistura bem legal de turistas e locais.
       
      O custo benefício foi bem bom (como a maioria das coisas em Budapeste), a localização era ótima e me senti bastante segura andando por lá a noite, mesmo passando por ruas um pouco desertas.
    • Por Mari D'Angelo
      📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos.
      Sabe aquelas listas de “Lugares para conhecer antes de morrer”? Bom, esse é um deles!
      Estávamos em Zagreb (capital da Croácia) e o planejado era passar o dia no Parque Nacional dos Lagos de Plitvice. Pesquisei bastante antes de ir, uns diziam que o melhor era ficar hospedado lá por uma noite pra conseguir ver tudo, outros defendiam que um bate-volta era suficiente, ficamos com a segunda opção. Suficiente não foi, pois não chegamos a ver tudo (o lugar é enorme!), mas acho que foi realmente a melhor opção. De carro o trajeto dura aproximadamente 1:30.
      Acordamos bem cedo, passamos em um café perto do hotel (onde descobri que “jabuka” é maçã em croata rsrsrs) e partimos pra estrada. No caminho é possível ver marcas de balas em muitas das casas que ainda não foram reformadas, os croatas preferem investir primeiro na parte de dentro das casas (especialmente com sistemas de aquecimento), por isso é normal que muitas delas por fora estejam inacabadas mas por dentro sejam maravilhosas.
      Em uma determinada parte da estrada fica o museu a céu aberto da guerra (independência da Croácia, de 1991 a 1995), uma grande área com casas completamente destruídas, aviões e tanques de guerra. Um lugar tenso, que realmente impressiona, vale a pena parar alguns minutos por lá.
       
      Ao chegar na região do parque, há uma enorme placa onde você pode escolher entre algumas opções de trilhas de acordo com o tempo que pretende ficar e a dificuldade da trilha, escolhemos a nossa e depois de alguns minutos de caminhada já estávamos perdidos! A ideia das trilhas é ótima, mas faltam placas e as que tem são um pouco confusas (essa da foto por exemplo), então acabamos indo aleatoriamente, o que não foi nenhum problema, pois conseguimos ver grande parte das coisas. Ah, apesar do croata ser uma língua incompreensível pra nós, lá quase todos falam inglês, eles estão em uma crescente no turismo então donos de lojas, funcionários de museus, parques, restaurantes etc realmente se esforçam para atender bem os turistas.
       
      Nosso primeiro contato visual foi nada menos que este ai! Ou seja, já nesse momento deu pra entender o motivo do parque ser patrimônio nacional da UNESCO. E vale avisar que as fotos não conseguem captar nem metade das cores e tons perfeitos deste lugar.
       
      Confesso que fiquei meio medrosa andando nas estreitas passarelas, mas ai passavam grupos e mais grupos de velhinhos andando tranquilamente, muito mais rápido que eu… tive que fingir que estava tudo tranquilo né?! Rsrsrs
      É o tipo de lugar que pede calma e contemplação, cada passo dado é uma nova paisagem, entre águas de um azul indescritível, bosques de árvores multicoloridas, calmas piscinas naturais, cavernas, paredões e pequenas cachoeiras, um dos pontos altos do parque é a grande queda, uma enorme cascata onde se concentram muitas das pessoas espalhadas pelas diferentes trilhas.
       
       
      Tudo estava realmente maravilhoso, mas o tempo começou a virar (fomos em abril, estava um sol delicioso mas, bem frio!), decidimos pegar um dos barquinhos de travessia para conhecer o outro lado, ali as coisas já eram mais “selvagens”, estava muito mais vazio, começava a chover e ficar escuro, estávamos perdidos de novo e começava a bater um leve desespero. Nesse momento eu só pensava no que um croata havia nos dito no dia anterior; se vocês virem um urso, corram para baixo pois eles tem as patas da frente mais curtas e vão rolar caso tentem ir nesta direção. =0 Sim, porque havia a real possibilidade de existirem ursos soltos no local! (Rara, mas havia) Tem um ponto no parque onde se pode observar-los (de longe), mas acabamos não tendo tempo de ir lá. Ah, ainda uma última coisa sobre eles, em croata, a tradução para “Urso” é “Medo”… propício não?
       
      Bom, depois de pouco mais de 3 horas chegamos ao fim do passeio, pegamos o barquinho de volta para o local do estacionamento e saímos de lá com a certeza de termos conhecido um dos lugares mais incríveis do planeta Terra!
      Ainda na Cróacia, estivemos também em Zagreb, Split, Baska Voda e Dubrovnik, é tanta coisa maravilhosa que não dá pra falar tudo de uma vez só, mas quero já neste primeiro relato agradecer a Marília, do blog Uma brasileira na Croácia, nos encontramos com ela e seu marido em Zagreb e posso dizer que sem eles a viagem não teria sido a mesma coisa!
       
       
      Algumas informações úteis:
       
      Site do parque: http://www.np-plitvicka-jezera.hr
      Moeda: Kuna | 1,00 BRL = 2,43 HRK
      Preços: Variam muito de acordo com a idade e época do ano, mas no site tem tudo detalhado.
      Horários: O parque abre diariamente das 07:00 às 20:00 (mas os estacionamentos e os transfers de barcos tem outros horários)
       
      Leve um lanche e água pois não há muitos pontos de venda por lá, e sinceramente, acho que nem vale a pena perder tempo com isso, levamos um sanduíche que comemos contemplando as águas azuis. 😃
       
      📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos.
    • Por Mari D'Angelo
      Post original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/o-que-fazer-em-praga/
       
      Visitamos Praga em um fim de semana ensolarado de setembro, ficamos hospedados na casa da amiga de uma prima, que nos levou para conhecer a cidade junto com seu lindo cãozinho yorkshire. A capital da Republica Tcheca é encantadora, fácil de se locomover, de se comunicar (em inglês) e o melhor, barata! A moeda é a coroa tcheca e a cotação aproximada é: 1EUR = 27,11CZK / 1BRL = 6,19CZK. O metrô funciona bem, o bilhete é adquirido por tempo, as maquinas para comprá-los são um pouco complicadas, mas nada impossível, e pelo que me lembro só aceitam moedas.
       
      Aqui estão alguns pontos interessantes pra conhecer por lá:
       
      Castelo de Praga
       
      O lugar é na verdade um enorme complexo de prédios, jardins, ruas e igrejas que dão ao conjunto o título de maior castelo do mundo! É um dos pontos mais importantes de Praga, sendo que o destaque é com certeza a imponente Catedral de São Vito, em estilo gótico! Nós não compramos o ticket, por isso não visitamos os atrativos lá dentro, mas é possível subir e circular por alguns lugares sem nenhum custo, e como o conjunto fica em uma colina, a vista da cidade é privilegiada! Uma das vantagens é que o lugar fica aberto até bem tarde, sendo possível programar a visita de forma bem flexível. Super indico uma passadinha noturna pra ver tudo aquilo iluminado!
       
      Para saber mais sobre valores e horários acesse o site oficial: https://www.hrad.cz/en/prague-castle/prague-castle-tourist-information/visit-of-prague-castle.shtml
       
       
      Relógio Astronômico (Orloj)
       
      Na movimentada Praça da Cidade Velha, entre outras maravilhosas construções, fica a torre da antiga prefeitura, onde está o relógio mais incrível do mundo! A coisa toda é bem complexa, mas o importante é saber que ele não marca apenas as horas mas também a posição do sol, da lua e das estrelas, o calendário zodíaco, a hora babilônica, entre outras coisas (!!!). Como se não bastasse, diariamente a cada hora cheia entre 09h e 21h há um showzinho super disputado pelos turistas, mostrando bonecos de madeira dos 12 apóstolos. Muitas noivas aproveitam o cenário para uma sessão de fotos (muitas mesmos, acho que em pouco tempo que ficamos por lá vimos umas 3).
       
      Aqui no site oficial é mostrado de uma forma bem didática como ele funciona, vale a pena conferir: http://www.staromestskaradnicepraha.cz/en/astronomical-clock/
       
       
      Torre de observação Petrin
       
      Ela é uma irmã mais nova da Torre Eiffel em Paris, bem menor e menos conhecida, é claro! Mas é um ótimo ponto para ter uma vista panorâmica da cidade. Ela fica no topo de uma colina, portanto é necessário força nas pernas se quiser passar pelo meio de um agradável parque ou simplesmente pegar o funicular pra subir. Na Torre não tem jeito, a subida é pelas escadas mesmo, é um pouco cansativo, mas vale a pena.
       
       
      Ponte Carlos
       
      A principal e mais antiga ligação entre a Cidade Velha e a região de Malá Strana sobre o Rio Moldava é a Ponte Carlos, uma fantástica construção do século XIV que reúne uma galeria de esculturas em toda sua extensão. Torres de diferentes estilos arquitetônicos guardam as entradas de ambos os lados.
       
      Por ser um dos pontos mais famosos de Praga, a ponte fica lotada de turistas, músicos de rua e vendedores de souvenirs. Atravessá-la no momento do pôr-do-sol torna a experiência ainda mais interessante!
       
       
      Malá Strana (Lesser Town)
       
      Esse bairro localizado abaixo do Castelo guarda alguns segredinhos! Entre eles o John Lennon Wall, um muro todo grafitado com homenagens ao integrante dos Beatles. Quando fomos um músico de rua fazia a trilha sonora adequada para a visita dos fãs.
       
      Também por ali fica a pequena (pra não dizer minúscula… e um pouco sem graça) ponte do Canal Certovka onde casais colocam cadeados e jogam a chave fora para eternizar o amor. Ali atrás há uma roda de moinho com a escultura de um duende, meio enigmático.
       
      Próximo ao rio há uma série bastante inusitada de esculturas do artista David Černý que são mostras do que pode ser visto no Kampa Museum, focado em arte moderna. Ali também fica o Before i die Wall, assim como em outros países, é um muro coberto com tinta de lousa para que as pessoas completem com giz a frase Before i die i want to… (provavelmente minha frase foi …travel all the world
       
       
       
      Jardins de cerveja
       
      Passamos uma noite agradável em um desses lugares maravilhosos onde a cerveja é incrível e barata! Eles são meio parecidos e agora não tenho muita certeza em qual deles fomos, mas se não me engano foi no Riegrovy Sady, ele fica dentro de um parque homônimo, de onde se tem uma vista perfeita da cidade, incluindo o Castelo de Praga. Se você gosta de cerveja, pre-ci-sa ir num desses!
       
       
       
      Bairro Judeu (Josefov)
       
      Por conta das perseguições religiosas, os judeus de Praga se viram obrigados a viver intramuros na cidade por séculos, tendo apenas este bairro destinado a eles. Por esse motivo o lugar concentra diversas sinagogas e um cemitério, que é considerado o cemitério judeu mais antigo do mundo. Segundo contam, as pessoas eram enterradas ali em camadas, pois o espaço ia acabando com o passar dos anos, por isso as lápides são todas sobrepostas umas sobre as outras. Para ter acesso a ele é necessário comprar um ingresso (bem salgado!) que dá acesso também a algumas sinagogas. É proibido fotografar a não ser que você pague uma taxa adicional, mas essa é baratinha. A sensação é de estar dentro do cenário de um filme de terror!
       
       
       
      Marionetes
       
      Praga é muito conhecida pela tradição dos teatros de marionetes, hoje um dos mais famosos é a ópera Don Giovanni de Mozart, no Teatro Nacional de Marionetes. Não tivemos a oportunidade de assistir mas quando voltar certamente o farei! Por conta dessa fama, a cidade tem muitas lojas de marionetes e é simplesmente irresistível entrar em uma delas e se encantar com os bonecos perfeitos, cheios de detalhes.
       
       
      Dica imperdível!
       
      No último dia em Praga a amiga tcheca da minha prima nos levou a um restaurante incrível, dentro de um barco ancorado no Rio Moldava e com vista para o Castelo de Praga. Quando chegamos ao Marina Grosseto Ristorante logo pensei “não devia entrar aqui, não condiz com meu orçamento”, mas já estávamos lá, entramos… e foi uma surpresa quando vimos os preços, é MUITO BARATO! Na verdade Praga, como em todo o leste europeu, é uma cidade barata, é claro que você vai encontrar outros restaurantes mais em conta, mas 9 euros por uma pizza e 4 por uma taça de vinho por exemplo são valores super acessíveis! Não tenho fotos do lugar então vou usar as do próprio site: http://www.grosseto.cz/en/marina/gallery
       
      Ps. apesar de ter um aspecto super refinado não é um daqueles lugares onde pessoas “normais” se sentem ETs por estarem de tênis Ah, e não, não balança!
       
       
      Vou parar por aqui, mas claro que ainda há muito mais o que fazer em Praga! Nunca deixe de observar a arquitetura dos prédios, independente do estilo são sempre surpreendentes! Repare também em algumas estátuas inusitadas como uma de Freud pendurado pelo braço no topo de um prédio (Rua Husova x Praça Betlémské). Experimente as cervejas locais, extremamente baratas e a culinária, claro (e os doces, hummm!)… Viva Praga o máximo que puder, não vai se arrepender de conhecer uma cidade tão encantadora!
       
      Post original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/o-que-fazer-em-praga/



×
×
  • Criar Novo...