Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

A contagem regressiva a começa, os gritos ecoam, 3... coração começa a bater mais forte 2... respiração ofegante 1... hora de saltar!!

ABMIENTAL1KM-@angelomaragno-1358.thumb.jpg.8a7504c1e54199af4baf73ed1ceb07ad.jpg

Eu fiz umas das aventunturas mais incríveis da minha vida, pulei de um penhasco! Quem não tem o sonho não é? haha O Cânion Espraiado novamente foi palco para mais uma das minhas aventuras, se jogar de um pêndulo no cânion. 

Após você chegar no topo do cânion onde tem um retiro da montanha, começamos a caminhada de 25 minutos até o local do salto. Nesse caminho passamos por um riacho, banhado e terrenos bem úmidos até chegar a borda do cânion onde caminhamos por mais 10 minutos (então nada de tenis ou botas impermeável uma galocha até o joelho é a melhor solução para esse trajeto haha) 

Chegando lá o pessoal te recepciona e te prepara para saltar. A contagem regressiva começa, os gritos ecoam...

3...

coração começa a bater mais forte

2...

respiração ofegante

1...

hora de saltar!!

1690780103_ScreenShot2018-10-17at12_41_34.thumb.png.3ab0b7a17b7e4be627696568ea982a83.png436608397_ScreenShot2018-10-17at12_39_19.thumb.png.b78f65a12de641bb0edf7cf2c4c3484e.png

A partir daí são 2 segundos de queda livre até você pendular lá no meio do canion. O grito de felicidade é inevitável! Sem dúvida uma experiência incrível, umas das mais sensacionais da vida! Estar ali, pendurado olhando a 300 metros para baixo de você, olhando as montanhas, os pássaros passando a sua volta, tudo isso é tão incrível quanto o desafio de saltar.

Logo após você inicia o processo de retorno para a borda do cânion, 5 minutos depois você já está de volta e pronto para saltar novamente. Em questão de 15 minutos você já saltou e está super super feliz!

2042648129_ScreenShot2018-10-17at12_41_47.thumb.png.5a534631170febbd63cfc6e57e2a4496.png258218090_ScreenShot2018-10-17at12_41_54.thumb.png.bd0e1faba9340c364205c8e7b6b50614.png928304690_ScreenShot2018-10-17at12_42_02.thumb.png.6861e23e792b9b8e70c060ef9230c15d.png

 

Screen Shot 2018-10-17 at 12.42.10.png

Screen Shot 2018-10-17 at 12.42.19.png

  • Gostei! 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Alex Todeschini
      Seguindo minha filosofia de viagem, essa não poderia ser diferente, ou seja, busque um bom preço das passagens, encontre uma data que combine com sua disponibilidade e orçamento (lembrando que o cartão de crédito sempre pode dar uma ajudinha aqui) e partiu viagem.
       
      Esta foi uma viagem curta, porém cheia de expectativas alimentadas por mais de dois anos. Ao total, foram 8 dias em que eu e minha filha tivemos de fazer escolhas para tirar o máximo de proveito de um pedacinho desse país cheio de contrastes.
       

      Dia 1 (Segunda - 8/5): Chegada no aeroporto salgado filho em Porto Alegre aproximadamente às 8:15 para confirmar que a autorização de menor e tudo mais estavam de acordo, descobrimos que o juizado abriria somente as 9, tudo bem, assim temos mais tempo para fazer nada. O primeiro sinal que o universo estava a nosso favor, veio do check in, onde a gentil atendente nos deu a opção de não trocar de aeroporto em São Paulo de Congonhas para Guarulhos, local de onde partíamos para Joanesburgo. Seria um longo dia já que nosso vôo sairia de São Paulo somente às 17:30.
       
      Dia 2 (Terça - 9/5): Chegada em Joanesburgo aproximadamente às 7:45am, nosso fuso horário está 5 horas a frente. Neste momento inicia a parte tensa na imigração, pois seguindo as exigências da embaixada temos certidão de nascimento, autorização de viagem para menor, certidão de vacinação internacional e tradução juramentada já que eles não sabem ler português .Estava com o espírito pronto para rebater todas as perguntas vinda de qualquer agente federal, porém uma surpresa, a única pergunta foi se tínhamos uma caneta pois a dele parou de escrever (acredite ). Passando todos os trâmites de imigração, bagagem e câmbio, chegamos de táxi (550 ZAR) até o hostel “The Birchwood Backpacker Lodge” (75 USD para duas noites), o qual entendi o motivo da altíssima recomendação no booking.com, iniciando pelo check in programado para às 15h da tarde foi feito às 11h. Aproveitando o embalo e esquecendo qualquer sensação de cansaço da viagem, iniciamos a busca através do citysightseing.com.za para um dia nas ruas de Joanesburgo (19 USD). Chegada até o local de partida com o Uber (5 USD).
       

      Saindo do Rosebank, passamos por 2 zoológicos e vários museus, porém o foco ficou para o Museu do Apartheid (12 USD) o qual passamos quase 3 horas sem assistir todos os documentários e ler todas as descrições.
      Retornamos através de dois ônibus (a linha vermelha e a verde) sentido os efeitos da viagem.
       

      Paramos no shopping para uma refeição deliciosa porém um tanto cara (26 USD). Carregado o SIM card recebido no aeroporto (7 USD), que a propósito não foi mencionado anteriormente, mantivemos uma ótima percepção de gentileza e cordialidade do povo sul africano, exemplo foi do atendente que sem nenhuma obrigação já com a loja fechando (a propósito o comércio fecha cedo aqui) fez questão de auxiliar até que eu tivesse a Internet propriamente configurada. Agora com internet estamos prontos para retornar ao quartel general através de Uber (5 USD).
       
      Dia 3 (Quarta - 10/5): Nesta manhã apesar do relógio despertar às 7:30 não saímos da cama antes das 9am. Após um saboroso café da manhã, retomamos a programação do dia o qual tivemos a confirmação de saída de carro às 13 horas em direção ao Kruger Park com o Pieter Strydom do Big Six Tour Safaris, sendo 3 dias com 2 noites incluindo transporte, entrada nos parques e café da manhã (1007 USD). Iniciamos uma longa jornada com duas paradas para lanche (95 e 97 ZAR) e às 19:30 cruzamos as porteiras do Park que fecham às 18h, porém estávamos em comunicação com o pessoal do parque durante o trajeto evitando qualquer mal entendido diante do Rangers fortemente armados. Após acomodados no luxuoso Lodge (Já que não havia mais vagas para barracas), aproveitei o banho de banheira para relaxar e renovar as energias para o próximo dia que inicia bem cedo.
       
      Dia 4 (Quinta - 11/4): O relógio desperta pela primeira vez às 4:15 e já estava acordado (na verdade acho que nem dormi direito ansioso para sair), levamos cobertores para nossa primeira aventura em busca dos incríveis Big 5 (leão, elefante Africano, Búfalo, leopardo e o rinoceronte negro ou o branco). Ante das 5 da manhã já estávamos com as lanternas em busca de qualquer coisa que brilhasse para assim identificar o que seria.
       

      Após 3 horas de passeio por uma das estradas do Kruger Park estávamos de volta para um rápido café e assim partir do acampamento "Arpen" para o "Satara" onde tomamos um delicioso café da manhã. Em direção ao acampamento “Skukuza”, passamos por uma quantidade significativa de mamíferos e pássaros. Chegando no acampamento, compramos entre bebidas, comidas e souvenir (306 ZAR). A quantidades de animais vistos e as curiosidades da vida animal na sua mais pura realidade continuam a impressionar, sendo a última no final do dia, a observação de um crocodilo demostrantando sua exímia paciência e estratégia em busca de sua janta :'> .
       

      Seguimos em direção ao próximo e último acampamento "Pretoriuskop". Chegamos já era noite, compramos nossa janta (204 ZAR) e aproveitamos o restante do dia desfrutando uma ótima conversa em frente a cabana.
       
      Dia 5 (Sexta - 12/5): Acordamos mais tarde, às 6am para preparar nossa bagagem em direção ao Panorama Route, sendo que 6:30 já estávamos na estrada, ainda dentro do Park com esperança de ver os felinos, porém continuamos com a mesma amostragem. A próxima parada foi no hotel “Hippo Hollow Country Estate” para um fantástico e delicioso café da manhã em frente ao Rio dentro de uma área reservada onde já estávamos esperando ver outros animais (isso vicia) .
       

      Seguimos nossa rota e agora com parada na fantástica “Blyde River Canyon” (pensa em algo incrível).
       

      O próximo ponto foi a "God's Window" que estava fechada, pois com a altitude ao nível das nuvens, não temos garantia de apreciar esse cenário, porém fomos compensados na próxima parada (Lembra do outro incrível? Pois é, esse é ainda melhor) .
       

      Seguimos a descida até próxima cidade, onde a parada foi para um Waffle belga e um café delicioso (13 USD), mas waffle não vou esquecer, ainda fizemos outra parada até o fim da nossa jornada às 19:30, mas não tive coragem de tirar o gosto do waffle da boca. Durante a noite, sem muito tempo para pausa, tínhamos que preparar a programação do final de semana, com o desafio de não ter luz no hostel, coisas de África do Sul (lembrei do nosso país neste momento).
       
      Dia 6 (Sábado - 13/5): Acordamos as 7 horas para preparar e ajustar a bagagem (tivemos que fazer uma de duas bagagens para economizar 300 ZAR, já que os vôos domésticos dão direito somente a uma bagagem de mão de 7kg) para o vôo em direção a Port Elizabeth com a FlySafair (290 USD), fomos de Uber (25 USD). Chegando no aeroporto, fomos retirar o carro na “Europcar” (43 USD) alugado online pela “www.rentcar.com/pt-br”. Pegamos o mais barato, talvez tenha sido sorte mas pegamos um Kia Picanto LX com 7.000km, porém câmbio manual o que dificultou ainda mais a condução do lado inglês, talvez seja fácil para alguns, mas eu estava o tempo todo pensando que estava na contramão, além de tentar trocar a marcha com a mão direita.
       

      Após uma parada em Jeffreys Bay para comer (29 USD), continuamos a jornada até “Plettenberg”, onde apesar de uma passagem rápida, foi uma ótima opção no hostel “Nothando Backpackers Lodge” (378 ZAR) com direito a boa cerveja e ótima troca de experiência com pessoas do Canadá, Austrália, Suíça, Coréia e África do Sul.
       
      Dia 7 (Domingo 14/5): Relógio tocou às 7:30, mas como tínhamos que sair somente às 9, aproveitamos uns minutos a mais de preguiça. Fomos até o mercado comprar o café da manhã (97 ZAR) e desfrutá-lo na beira da praia.

      Chegamos meio dia no “Bungy Jump Bridge, Bloukrans” conforme agendado em “www.faceadrenalin.com” e assim sentir a euforia e adrenalina causada por um salto de ponte a 216 metros de altura , o mais alto do mundo! (1900 ZAR, sendo 233 de impostos).
       

      Depois de ver o vídeo ficou difícil não comprá-lo apesar do preço (600 ZAR com pen drive). Missão cumprida é hora de retornar a Port Elizabeth com parada em “Storms River” para um lanche (113 ZAR). Tudo conforme esperado, entregamos o carro no final do dia com tanque cheio (47 USD) e embarcamos de volta a Johannesburgo às 20:50 e tomamos um Uber (45 ZAR) até o “Terrilyn Guesthouse and Backpackers Hostel” (500 ZAR) o qual fomos muito bem recebidos por uma senhora de forte sotaque inglês. Agora é dormir e se preparar psicologicamente para a volta.
       
      Dia 8 (Segunda 15/5): Acordamos cedo porém saímos da cama somente as 8 e apesar de não estar incluído o café, essa simpática senhora compartilhou seus cookies e um bom café. Uber até o aeroporto (110 ZAR) e após o motorista desistir do GPS, chegamos ao portão de embarque "errado" e ficamos aguardando quase até perder o vôo e se dar conta de mudar. Chegando em São Paulo às 17, descobrimos que teríamos que trocar de aeroporto ou aguardar mais um hora. A escolha foi: "daqui ninguém me tira" . Era hora da última extravagância na janta (R$ 119) e chegada em Porto Alegre às 23:50.
       
      A parte boa de viagens curtas, é que aproveitamos ao máximo cada minuto de nosso tempo e a outra parte boa é que já saímos com uma lista pronta do próximo roteiro a ser realizado.
       

      Tabela com os valores gastos em cada um dos dias convertidos para reais com a cotação do dia da publicação (29-Mai-2017).

      Total gasto durante a viagem foi de R$ 6686 ou R$ 836 por dia para duas pessoas.
       
      1 ZAR = 0,25 BRL
      1 USD = 3,27 BRL
    • Por Marlon Escoteiro
      Travessia do Parna de São Joaquim – Urubici até Bom Jardim da Serra – SC - julho/2019
      Desta vez a minha ideia original era ir pra Serra Fina, mas acabaram mudando a data da festinha da minha filha e a semana ficou curta, eu não podia faltar a apresentação dela que seria na sexta. Essa jornada é a continuação da travessia do Canyon do Funil e das Laranjeiras que eu havia feito em julho de 2018, que na época infelizmente por conta da chuva e de um parceiro que se machucou no caminho tivemos que abortar a travessia no Canyon Laranjeiras. Então decidi por fazer a travessia solo no Parna de São Joaquim. Posso dizer que minha vida na montanha começou nos canyons, mas precisamente na região do Canyon Fortaleza no RS, tendo sido guia no Parna Aparados da Serra e redondezas e feito várias travessias pela região. Mas só agora que comecei a explorar mais a região do lado catarinense.
      Mas vamos aos preparativos.
      No fim de semana juntei minhas tralhas de acampamento, comprei comida e tentei alguns albergues e pousadas em Urubici que estavam lotados, pois foi neste final de semana do dia 6/7 veio uma forte frente fria e previsão de neve, lotando a região da serra catarinense. Acabei encontrando lugar no Hostel e Armazem Heyokah uma pernoite com café por 60$, já reservei e falei que provavelmente chegaria tarde da noite pois o único ônibus saindo de Floripa era as 18h chegava as 22h30 lá. Mas o dono do hostel me passou um contato de um taxista, o Gilson (48)999672262. Que fazia esse trecho pelo mesmo valor do ônibus e que ele saia depois do almoço, tratei logo com o Gilson e as 13h30 ele passaria na rodoviária de Floripa.
      Logo cedo pela manhã de segunda feira peguei o ônibus para Florianópolis saindo de Itajaí e chegando lá encontrei com o Gilson que ainda pegou mais 2 pessoas. E assim com a lotação completa subimos a SC 282 com destino a Urubici, chegamos as 18h lá e já fui para o Hostel, deixei minha tralha no quarto e fui atrás de uma mercearia para completar minhas refeições e comprei um queijo serrano e uma linguiça de Urubici. Estava bem frio e nem me animei dar uma volta. Retornei para o Hostel e tratei de fazer uma janta e estudar a carta topográfica novamente. Lá pelas 22h fui dormir e as 6h tava de pé para o café da manhã.

       
       
      As 7h30min comecei minha jornada, fazia muito frio e os campos estavam brancos da geada. Sai do hostel em direção sul para o vale do Rio Urubici conhecido como “Baianos” logo no início da estrada rural havia uma placa turística informando os atrativos da região. Uma estrada muito bonita, cercado por morros e peraus e coberta de muitas araucárias, havia várias propriedades pelo caminho. Uns 40 min depois passou por mim um carro e logo em seguida parou e cruzei com eles, estavam chegando em casa e me perguntaram para aonde eu estava indo e expliquei meu trajeto. Ele achou muito doido, e disse que não havia visto ninguém ir para aqueles campos, somente os campeiros atrás de algum gado desgarrado. Ele disse ainda que fazia alguns acampamentos pois era escoteiro e admirava os mochileiros, aí completei falando que eu era escoteiro também. Pronto! Me convidou na hora para entrar e tomar um café, assim foi uma hora de prosa e causos. Um bate papo muito bacana, mais eu tinha muito chão ainda pela frente, agradeci pela acolhida me despedi e segui meu rumo.



       
      Logo em seguida fico observando uma propriedade bem bonita quando faço a curva da estrada logo na porteira estava o capataz dessa fazenda arrumando a cerca, mais um dedinho de prosa ali. E mais adiante outra parada para um bate papo. Mas vou dizer que isso foi uma das melhores coisas desta caminhada, poder conhecer um pouco das pessoas que ali nasceram e cresceram e as dicas preciosas que consegui, esse último tinha sido capataz por 6 anos da Fazenda Caiambora, local onde eu ia passar ainda hoje. Ele falou que era loucura acampar naqueles campos, pelo frio que fazia. Me indicou um caminho pelo passo dos momos para ir até lá. Depois adiante havia um cruzamento, indo a esquerda ia para a serra do Bitu, que haviam dito que agora até carro passava e levava até a estrada de acesso do morro da Igreja. A direita seguia para a serra dos Padilhas que também levava ao morro da Igreja porem com transito limitado de veículos. Esse caminho era a continuação dos baianos e seguia pelo rio Urubici.



       
      Ali a paisagem ficou ainda mais bonita, os paredões imponentes de cada lado o rio margeando a estrada e as araucárias por todo o lado. Cheguei na Pousada dos Encantos da Natureza (49-991120278) do Sr. José e da Dona Valsíria um lugar muito bonito, com 3 chales aconchegantes, área para camping e quartos da casa principal. Com certeza retornarei a este lugar para me hospedar com a família. Dependendo do horário de chegada em Urubici, vale a pena esticar até aqui para acampar. Pois esta a apenas 7km de Urubici. Parei mais um tanto ali para uma prosa com o casal e mais dicas da trilha, o Sr. José me indicou uma antiga trilha de tropeiro para vencer aquele paredão e lá encima me direcionou para ir pelo caminho dos momos, fundo dos tigres até a fazenda Lageado, onde seu primo João era capataz, e dessa fazenda subia a trilha até o topo da serra que fazia parte do Morro da Igreja e separava o vale do rio Urubici do vale do Rio Pelotas já dentro de área do Parna São Joaquim. Depois dessa boa conversa com eles, olhei o relógio e já era 10h50 e estava umas 2h atrasado pelo meu cronograma, tirei os casacos e touca, guardei na mochila, tomei uma água e parti para cima.



       
      Era uma trilha bem aberta mais muito erodida e íngreme, do meio dela tinha uma vista bonita do vale, segui adiante até ir adentrando no meio das araucárias até uma bifurcação onde mantive a direita seguindo as dicas do Seu Zé, logo ficou plano e fez uma grande curva, havia várias vacas no caminho, a trilha virou uma estrada e começou a descer, apareceram várias casas e logo uma antiga trilha a esquerda e nessa entrei andando pouco por ela, já alcancei a estrada de novo. Tive logo adiante a primeira vista do Morro da Igreja e do Radar do Cindacta a estrada começou a descer e passei pelo sitio que tinha um açude ali segui reto em outra trilha pouco batida. Ali começava o caminho dos momos. A trilha/estrada ia em curva de nível pelo morro a direita passando pela mata de araucárias, havia alguns pomares de maça no caminho e vacas. Depois a trilha foi fechando e ficando mais barrenta. Próximo a uma vereda parei para comer era 13h30, ali passava também uma linha de transmissão que rasgava a mata e a trilha fechou de vez, com muitos atoleiros das nascentes de água e arroios que estavam presentes em toda a trilha, água não faltava.






       
      Segui o caminho e cruzei de novo com a linha de energia, ali começou a aparecer trilhas a esquerda, mantive a direita e logo depois de passar por uma cancela a trilha batida seguia adiante, e a direita um carreiro subia, consultei a carta topográfica e optei subir pois logo acima havia campos de altitude. Cheguei em um descampado grande e mais acima já via o topo da serra e uma faixa de mata que separava. Fui seguindo os campos e rastreando a mata até que achei uma trilha que subia a floresta e fui subindo até o topo. Uma parada para respirar, tomar água, comer um chocolate e pensar nos próximos passos, pois pelo meu cronograma eu já devia estar na fazenda Caiambora e isso era umas 15h30. Vi um vale muito bonito a direita e acima os campos de Santa Barbara, a esquerda abaixo o vale do rio Urubici e seguindo o caminho dos momos a fazenda Lageado o qual eu já estava acima dela. Fui seguindo a crista dos morros até o cruzamento com a antiga estrada que ligava a fazenda Lageado com a Fazenda Caiambora e ali peguei a direita e fui seguindo a estrada até a borda da serra e o começo da descida, lá embaixo estava a antiga fazenda “abandonada” e recentemente comprada pelo Parna. Logo passei por uma área congelada. Era uma nascente que corria na trilha e ali estava tudo congelado, com certeza a dias, com a vinda do ar polar que por ali passou. A trilha é uma antiga estrada toda erodida e com muito vassourão crescendo, tem dois momentos que a trilha some, mantenha a direita para não se perder e logo a trilha aparece de novo e vai ziguezaqueando até o fundo do vale as margens do Rio Pelotas. Cheguei as 18h na fazenda Caiambora a noite já estava chegando. Bem longe do horário que eu imaginava por volta das 15h, Mas também só de conversa perdi mais de 2 horas... kkkkk





       
      Montei meu acampamento ao lado da taipa de pedra. O frio veio de uma vez, me troquei e pus minha roupa noturna, segunda pele, blusa e lã, moleton e fleece, além dos acessórios de luva e gorro, troquei as meias e ainda acrescentei uma de lã. Montei minha cozinha, fervi água para o jantar e o chá de gengibre com camomila. Fritei a linguiça com alho, joguei a lentilha “vapza” e um pouco de água. Logo já estava pronto. Que delicia ficou. Tomei meu chá e ainda fiquei por ali fazendo algumas anotações do mapa e traçando o próximo dia. Fui dormir.
      Acordei as 6h comecei a arrumar as coisas e ferver água para o café. Preparei meu pão de queijo escoteiro.
      3 colheres de polvilho azedo
      1 colher de leite em pó
      1 pct de queijo parmesão ralado
      1 pitada de sal
      1 pitada de fermento químico
      Prepara-se previamente os secos em casa. Quando for preparar despeje em um prato, acrescente 1 ovo e 100ml de água. Depois é só fritar como uma panqueca. Fica muito bom. Dei uma volta pela redondeza, fui ao banheiro “TUBOSTÃO” todos devem utilizar ele e trazer de volta seus dejetos embora da montanha, NUNCA deixe seus dejetos nessas áreas. Tirei algumas fotos, terminei de desmontar o acampamento e montar a mochila, explorei as redondezas da fazenda e do rio Pelotas onde carreguei água do rio e parti as 8h30.




      Eu iria subir o morro logo em frente, era muito íngreme e no topo haviam alguns cocurutos de pedra onde achei que talvez fosse perigoso passar com a mochila pesada. Desisti e segui margeando a encosta. Não havia trilha e o capim era muito alto o campo estava com muita vegetação o que dificultava caminhar. Fui seguindo até uma pequena mata de vereda. Ali a encosta ainda era muito íngreme mais visualizei uma passagem por entre as rochas lá em cima e parti rumo ao céu. Este trecho todo desde a fazenda Caiambora me atrasou bastante, acredito que o melhor teria sido subir o enorme morro mesmo e passar pelas pedras, pois estando ali em cima elas já não pareciam tão difíceis. Isso já eram 11h achei que estava novamente muito atrasado. Fui seguindo pela crista e parei no topo mais alto para comer. A vista era fantástica, se via bem em frente ao norte o Morro da Igreja, toda a trilha que eu havia feito, os Campos de Santa Barbara, o vale do Rio Pelotas, o caminho que iria percorrer e ao longe ao sul o canyon Laranjeiras e mais ao fundo os ventiladores eólicos gigantes que estão ao lado da Serra do Rio do Rastro, e toda borda da serra Geral e a Serra Furada com seus imponentes picos. Dali vi a trilha que iria continuar e consultei meu mapa, comi umas frutas, chocolate e meu super brownie o qual acrescentei muitas castanhas, whey protein, maca peruana, maltodextrina e dextrose. Meu carbo e barra proteica caseira.

       





       
      Peguei um gás e desci rumo a borda da Serra Geral. Na descida passei por um banhado e logo alcancei a borda dos peraus e fui caminhando até uma subida com vara mato. No topo fui seguindo pela curva de nível o máximo que pude para não gastar energia. Neste ponto meu joelho começou a incomodar, havia uma descida forte e um capão logo depois, contornei o capão e segui varando por dentro numa área bem aberta. A vantagem dos capões de araucárias que em geral são bem limpos e fáceis atravessar por dentro. Já as matinhas nebulares são terríveis pois são arvoretas baixas e com muitos galhos que dificultam atravessar. Sai num pequeno vale bem bonito, peguei o mapa e consultei o relevo e decidi ir margeando o vale ao invés de subir o morro e seguir pelas bordas. Normalmente nessa região da Serra Geral as bordas são mais secas e fáceis de caminhar, pois nos vales e campos aparecem muitas nascentes formando banhados e turfeiras. Neste momento a dor do joelho se intensificou, meti para dentro 1 torsilax e 1 paracetamol. E segui desviando os banhados e mantendo a curva de nível até a margem de uma mata, ali fui procurando e achei uma antiga trilha, bem limpa apesar de apresentar uma vossoroca.




       
      Na saída dela já no campo vi o próximo pinheral a cruzar descendo por entre a mata bem fundo até o vale do rio Campo Bom e a subida do outro lado era bem forte, passava das 16h30 e sabia que não conseguiria e a noite iria me pegar no meio daquela subida, e não seria uma boa ideia para acampar e ainda tinha meu joelho. Com a mapa na mão tracei um novo rumo, vi que o vale do rio Campo Bom dava em uma estrada, e que no meu mapa aparecia uma antiga estrada das serrarias que cruzava o pinheiral que estava a aproximadamente a 3km por cima dos campos em curva de nível, assim o esforço seria menor e poderia achar um lugar melhor para acampar, e assim com novo azimute comecei a jornada, a dor no joelho começava a diminuir por conta das boletas. Fui contornando o morro com o vale logo abaixo e um pinheiral enorme do outro lado do vale e do lado que eu estava passando era só campo, e notei que muitos vales tinham pinheiral em um lado e campo do outro, notei que a mata estava a sul, não sei porque, mas acredito que por se tratar de Mata Atlântica de altitude conhecida como Ombrófila mista, ou seja de área sombreada o lado sul seria realmente a melhor face para elas se desenvolverem, porém não consegui provar minha teoria. No meu caminho divagando sobre a vegetação levei um susto, pois derrepente da minha frente sai um graxaim correndo do meio do nada. Acho que assustei o canino, e ele me assustou também... kkkk. Encontrei a antiga estrada abandonada e fui seguindo por ela quando era 18h achei um lugar plano e bom para o acampamento. Como de costume montei a barraca, pus minha roupa noturna e pulei para dentro da barraca. Entrei no meu saco de manta e pus a agua para ferver. Piquei o alho e a linguiça de Urubici e reservei. Pus um pouco da água fervida na térmica com gengibre e chá para ir tomando e o restante deixei na chaleira, e comecei a fritar o alho e a linguiça e aos poucos jogando agua quente para ir preparando minha fritada. Coloquei arroz e logo depois toda a água da chaleira e o macarrão e deixei cozinhar. Quando estava no ponto joguei um mini pacote de vono, mexi um pouco e pronto! Fui me deliciando com esse sopão que fiz e tomando meu chá. Que maravilha! Depois de bem alimentado “lavei” a louça com papel toalha. Organizei minhas coisas e comecei a rever o mapa novamente. Depois passei um tempo por ali e adormeci.


       
      Acordei as 5h e já tratei de arrumar minhas coisas, passar meu café na minha cafeteira pressca, comer um brownie e desarmar o acampamento. As 6h com lanterna na cabeça e mochila nas costas, parti. Logo entrei na mata, me abasteci de água e fui subindo pela antiga estrada lentamente até o topo e cheguei na margem do pinheiral que estava na borda direita do rio Campo Bom na face sul. A trilha se fechou e bifurcou, sendo que uma voltava na direção que eu havia vindo do dia anterior e a outra descia por entre o pinheiral acompanhando uma cerca em boas condições e recente. Ali havia marca de gado e resolvi seguir, a descida bem íngreme e com muitos xaxins gigantes com mais de 7m um espetáculo da natureza, presumindo que cresce 1cm por ano, estava eu ao lado de plantas com mais de 700 anos, quiçá milenares, e curioso que apesar da exploração massiva das araucárias não havia nenhum exemplar de pinheiro realmente grande, mas os xaxins ainda estavam ali e felizmente não foram derrubados com as araucárias. Durante a descida, derrepente a trilha sumiu, mas a mata era bem limpa por entre os xaxins gigantes e as araucárias, as vezes aparecia algum rastro de gado no caminho e assim fui descendo até chegar a beira do rio Campo Bom, estava com bastante geada ao redor e ainda muito frio. Era um rio com uma paisagem muito bonita, parada para algumas fotos, tirar o excesso de roupa e consultar o mapa, porém cadê o mapa? Tinha perdido ele no caminho, voltar nem pensar, dificilmente acharia o mesmo caminho de volta, ainda bem que eu havia estudado ele e sabia que hoje seria só seguir o rio até a estrada e ai seguir para a cidade com a esperança de talvez pegar alguma carona no caminho. Fui margeando o rio, saltando um banhado ou outro, as imagens das araucárias, com o rio, o branco da geada estavam impressionantes, apesar de já ter visto isso muitas vezes, ainda me causava uma sensação de ser a primeira vez. Passei por alguns cavalos e isso me alertou que já devia estar próximo da estrada, logo adiante vi um galpão e um arroio que precisava cruzar, quando estava prestes a chegar na propriedade não prestei atenção e afundei meus dois pés no banhado!!! Que merda!! Depois de ter passado ileso por todos os banhados acabei me molhando. Atravessei o rio me equilibrando nas pedras e comecei a caminhar em direção ao galpão, achei estrando em não ver fumaça, algo me dizia que não havia ninguém... havia uma mula dentro da área cercada da propriedade, abri a cancela e confirmei que não havia ninguém.







       
      Sai e fui até a estrada que ali era o fim do caminho, e o começo da minha pernada até Bom Jardim da Serra. Parei para um lanche e para pegar água, mas peguei uma água ruim com gosto de terra... então passei por 2 casas que estavam longe da estrada e com fumaça na chaminé. Sai na localidade de Santa Barbara, com a igrejinha e o salão comunitário. Logo adiante tinha uma casa bem na beira da estrada, e o senhor do lado de fora se esquentando no sol e com um velho barreiro do lado. Cumprimentei e falei de onde vinha e para onde estava indo, estava ele e sua mulher que me convidou para um café, agradeci e falei que estava com pressa e pedi um pouco de água só. E segui adiante, uma estrada muito bonita, daria um belo passeio de bike. Eram 20 km até a cidade, neste caminho cruzou por mim somente 2 carros que estavam cheios, mais adiante encontrei um cara numa casa a beira da estrada batemos um papo e segui, quando faltava algo de 5 km bem próximo ao cruzamento da estrada que vinha do canyon laranjeiras um caminhão parou e me deu carona até a rodoviária.


       

       
      Chegando lá era 12h, encontrei com o Sr. Que era responsável pela rodoviária já o conhecia de outras aventuras por ali, ele havia sido 6 vezes vereador da cidade e ostentava um quadro na parede de um gaúcho pilchado com cuia e chaleira na mão que era seu pai. Me disse que o próximo ônibus saia as 15h e ia para Lages e de lá eu podia pegar um ônibus direto para Itajai, me indicou um restaurante no centro para almoçar e lá fui bater um rango forte. Depois fui na tenda da Lili comprar um bom queijo, suco de maça e salame para levar para casa. Peguei o ônibus e cheguei em casa depois da meia noite.
       Agora os planos são fazer o Campo dos Padres.

      SICILIANA fichas e planilhas.pdf
    • Por Diego Minatel
      "No século XII, o geógrafo oficial do reino da Sicília, Al-Idrisi, traçou o mapa do mundo, o mundo que a Europa conhecia, com o sul na parte de cima e o norte na parte de baixo. Isso era habitual na cartografia daquele tempo. E assim, com o sul acima, desenhou o mapa sul-americano, oito séculos depois, o pintor uruguaio Joaquín Torres-García. “Nosso norte é o sul”, disse. “Para ir ao norte, nossos navios não sobem, descem.”
      Se o mundo está, como agora está, de pernas pro ar, não seria bom invertê-lo para que pudesse equilibrar-se em seus pés?"
      De pernas pro ar, Eduardo Galeano
       
       
       O nosso norte é o sul, Joaquín Torres-García
      Cheguei ontem pela madrugada em casa. Agora sentado na frente do computador sinto uma necessidade, quase insuportável, de contar sobre meu caminhar até o fim do mundo. Foram 50 dias de viagem e mais de 14.000km percorridos por terra. Entre ônibus e caronas percorremos o sul do Brasil e a Patagônia Argentina até Ushuaia, parando em muitos lugares nos dois países. O dinheiro era pouco, mas a vontade era muita. A necessidade que tenho de escrever deve-se as pessoas que de alguma forma nos ajudaram a realizar esta viagem ao extremo sul da América do Sul. Tanta gente boa pelo caminho. Tanta solidariedade. Tanta gratidão.

      Pela primeira vez, antes de uma mochilada, eu não estava completamente bem e seguro. Nos meses que antecederam a viagem estava escrevendo a dissertação do meu mestrado (isso, por si só, já era muita tensão) e nesse intervalo de tempo perdi meu pai, a mulher que aprendi a amar resolveu seguir sem minha companhia e quase antes de embarcar perdi minha vó. Como é de se imaginar, meu estado de espírito não era nada bom, na verdade era o pior possível. Com isso tinha muito medo de atrair coisas ruins pelo caminho, como por exemplo ser vítima de violência. Assim, resolvi mudar a ideia de mochilar sozinho e decidi ter uma companhia nessa viagem. Meu amigo/irmão Matheus embarcou comigo nessa jornada. 

      Enfim, tenho como intuito neste relato contar a história dos lugares por onde passei, minhas histórias nesses mesmos lugares e, principalmente, falar sobre as muitas pessoas (leia-se anjos) que nos ajudaram nesta viagem. Quero contar de maneira honesta os acontecimentos e os sentimentos que me permearam nesses dias, e de alguma forma quero deixar esse texto como agradecimento a cada pessoa que tornou essa viagem algo possível.
      Agora vamos ao que interessa, bora comigo reconstruir essa viagem por meio de fotos e palavras!
      Parte 1 - De Rio Claro até Timbó: o mesmo início de outra vez Parte 2 - A Serra Catarinense vista por Urubici Parte 3 - O casal das ruínas de São Miguel das Missões Parte 4 - Do Brasil para a Argentina Parte 5 - Buenos Aires, la capital Parte 6 - O começo da Ruta 3 e o mar de Claromecó Parte 7 - Frustrações na estrada e a beleza de Puerto Madryn Parte 8 - O anjo do carro vermelho Parte 9 - Cruzando o Estreito de Magalhães com San Martin  Parte 10 - Enfim, o fim do mundo Parte 11 - Algumas das belezas de Ushuaia Parte 12 - El Calafate, Glaciar Perito Moreno e Lago Argentino Parte 13 - O paraíso tem nome, El Chaltén Parte 14 - A janela do ônibus Parte 15 - O caminho de volta: Buenos Aires, São Miguel das Missões, Curitiba e Prainha Branca Parte 16 - Reflexões
    • Por Angelo Maragno
      Venho visitando o Cânion Espraiado na cidade de Urubici em Santa Catarina há alguns meses e a cada expedição tenho uma conexão mais forte com o lugar. 

      Em nossa última visita, fizemos diversas aventuras, desfrutando de momentos épicos em um dos lugares mais incríveis que eu já vi na vida! E para finalizar o final de semana resolvemos aproveitar a vista de um ângulo diferente, instalamos uma rede no meio das montanhas! Tivemos a oportunidade de estar onde ninguém nunca esteve antes, sentado na rede, sentindo o lugar e a energia. Centenasde metros do solo, “flutuando” em meio a imensidão do cânion, se pode ouvir os pássaros, o riacho passando lá em baixo, o vento. Utilizamos os recursos e conhecimentos da nossa prática de highline (que é o slackline nas alturas) para montar a rede. Essa experiência é recomendado para pessoas com conhecimento sobre as técnicas do highline, lembrando que estamos presos e com segurança a todo momento. Todos do grupo quiseram desfrutar um pouco dessa experiência.


      O Canion é uma propriedade privada onde você só tem acesso mediante a 3 horas de trilha ou com um veículo 4x4. 
      Deixo o convite se quiser conversar e conhecer mais sobre as nossas expedições e aventuras meu Instagram é @angelomaragno






×
×
  • Criar Novo...