Ir para conteúdo

Posts Recomendados

  • Membros

Costurando

Nossa aventura começa ao acaso, não que nunca planejássemos percorrer a Serra Geral Catarinense, mas não estava nos planos de 2020. No entanto, uma tal de pandemia resolveu estancar nosso planejamento, e aos 45 do segundo tempo conversando com um amigo de Tubarão resolvemos seguir para essa região pouco frequentada.

De início achei que não conseguiria, o primeiro contato com o pessoal da região assustou, uma agência enviou um orçamento de rei, junto de uma ameaça; argumentava ser a única a ter acesso à região, de outra forma eu nem deveria tentar ir. Passado o susto, conversei novamente com meu amigo que me disse ser possível fazer sem agência sim. Então comecei a garimpar. Acabei encontrando o relato aqui no mochileiros do Marlon procurei ele, que foi baita parceiro e me passou contatos dos donos da fazendas e dicas da região.

Fim de agosto e lá fomos nós, eu e a Bruna. Como não consegui autorização com uma das propriedades (que fica em um ramal da travessia), e também não consegui mais companhia resolvemos inovar e fazer um circuito na região saindo do Cânion Espraiado indo até o Lageado e retornando ao ponto de partida. Pagamos pelas autorizações R$ 200,00 em duas pessoas para permanecer nas terras 3 dias. Negociamos no Espraiado estacionar lá durante a travessia, sem custo. Se hospedaríamos lá por 2 noites depois.

 

O Tempo Fechou

Saímos no dia 29/08 às 08:00 da manhã, dia limpo, coisa linda. Logo de início a subida é pesada, e para piorar a trilha é em meio a pedras de todos os tamanhos até a Montanha do Infinito. Lá de cima dava para avistar no horizonte os Campos reluzentes a alguma milhas de distância. Mal conseguíamos esperar ansiosos por caminhar naquelas banda sob um céu limpo e noite estrelada.

20200830_080619.thumb.jpg.bf6de0d8cc99aaf11e59c7290327065d.jpg

20200830_090047.thumb.jpg.5f642db41cd032e6ab399bb1989ce4d5.jpg

Os primeiros  6 km foram tranquilos, em meio a mata de araucárias, por uma trilha (estrada antiga abandonada), basicamente um declive. Nesse trecho a única dificuldade são as pedras soltas e os vários canais de água e lagos onde os búfalos (existem muitos na região) tomam seus banhos. Avistamos duas cachoeiras distantes em meio a mata, até aí acreditamos que iríamos passar nelas. No entanto me contaram que algumas dessas provavelmente nunca ninguém foi até lá (eu filmei uma com o drone na volta, corre no youtube que tem lá).

org_6e95364468e7c853_1598982390000.thumb.jpg.e9ff2cb16c71fd16fc7072c974b71c85.jpg

Depois do km 6 a coisa complica, subidas longas com pedras soltas, um descuido e o tornozelo já era. Em vários trechos a trilha some e se confunde com carreiros dos búfalos, fácil se perder e parar nos perais dos cânions. Depois dos 10 km a trilha bifurca para a Grande Cachoeira do Canoas e Casa Azul. Seguimos para a cachoeira. A trilha some em meio ao banhado e as vassouras (vegetação baixa e de muitos galhos). Adentramos um trecho de mata com muitas araucárias, trecho em que encontramos os proprietários das terras montados em cavalos e acompanhados por cães enormes. Eles ainda insistiram que passássemos no rancho para um café, porém nosso tempo não permitiu.

20200830_114056.thumb.jpg.0c6c060209ea6e8ae43df1e8b10e2719.jpg

20200830_124110.thumb.jpg.c8445823133b43420c3b758a9f035271.jpg

A essa altura o tempo já fechara, a viração tomava conta. Tivemos dificuldade para achar a cachoeira, houve um incêndio recente ali, e a trilha havia desaparecido por completo, só restara as vassouras e com a viração não dava para ver o horizonte. Na primeira investida fomos surpreendidos por um perau de uns 400 m, ouvindo a queda tentamos progredir pela borda, mas a mata se fechou deixando a situação arriscada. De volta nas vassouras demos mais uma investida e poucos metros a frente se abriu um campo baixo e pudemos avistar a queda superior. A queda maior só avistamos de relance, como a hora já havia adiantado, e o tempo pegando escolhemos não se arriscar muito nas bordas do cânion.

20200830_141658.thumb.jpg.23294ad75a790e50612d47dced832771.jpg

Retomamos a caminhada, consultando o mapa a cada 30 min. 2 km e saímos nos campos, a caminhada ficou mais fácil. Até a Casa Azul abandonada é possível identificar a estrada antiga. O lugar é mágico, cercas de taipa, o Canoas, a cabanha, o cemitério, e aquele cenário todo coberto pela névoa, de tirar o fôlego e insinuar miragens. Descemos e acampamos do lado do rio. Como o fogo passara por ali também, não foi difícil achar um descampado para dormir. Apagamos fácil depois dos 22 km, e a noite gelada e úmida num breu total envolvida pela neblina.

IMG_20200830_155119935_HDR.thumb.jpg.81e9f5751e00ae6cf8c9eb5735d80d28.jpg

No dia 2 começamos cedo, às 06:15 já estávamos encharcados em meio a vegetação rasteira. Com alguma dificuldade chegamos às bordas da Serra, a visibilidade variava entre 100 e 50 metros. Mesmo perante as condições climáticas que encontramos a imponência dos cânions impressiona e assusta, com uma visibilidade ruim dessas seria um terror acabar ladeira abaixo.

20200831_073846.thumb.jpg.5925097d7037cf50ce02d9106cc4e422.jpg

20200831_083923.thumb.jpg.9c5e0ef3ad286962d955c00e88133b00.jpg

Seguimos pelo vale da nascente do Canoas. Alguns quilômetros à frente estávamos novamente nas partes altas, contornamos o Morro do Campo dos Padres e descemos para a Cachoeira do Rio Campo Novo onde paramos. Devido as péssimas condições do clima (a visibilidade agora não chegava a 30 m) e o horário já adiantado, resolvemos esconder as cargueiras e seguir até o Morro da Bela Vista do Guizhoni (1804 m) o terceiro mais alto do Estado, retornando sem ir até o Lageado. Subir o Bela Vista não foi fácil, cerca de 2 km, parte em uma carrasqueira de pedras e a outra em meio ao charco dentro da mata nebular, sem trilha demarcada, foi um banho por completo, nem a roupa impermeável deu conta. Atingimos o pico, idos meio-dia. E o clima só piorava, uma pena, não conseguimos ver nada. Retornamos sob as mesmas condições, a única diferença foi que durante a descida houve um relapso no tempo e pudemos enxergar o horizonte, foi incrível.

20200831_112247.thumb.jpg.abd0b560edca639e13544be8aeaa6a26.jpg

20200831_115749.thumb.jpg.61b143fb1bb18a4ef381b3e11c23ae6f.jpg

20200831_122722.thumb.jpg.ef43730e038e56036fe8d7ec48f3e7b6.jpg

De volta nas cargueiras, retomamos a marcha para o Morro da Boa Vista (1824 m, o mais alto do Estado e o terceiro do Sul do Brasil). A volta até a Bifurcação perto do Morro do Campo dos Padres foi mais tranquilo, já conhecíamos o traçado, o que facilitou bastante. Afinal, nesse dia foi ainda pior a navegação. A trilha não é definida, existem muitos caminhos de vaca e muita variação do relevo, como não dava para ver na cortina de névoa seguimos o relevo, nas vezes que tentei seguir por trilhos quando consultava o mapa já havíamos saído consideravelmente da rota. De início tentei me referenciar durante as curtas aberturas entre as nuvens, mas logo percebi que aquela oscilação mudava a paisagem e nós acabávamos seguindo pontos de referência distintos (muito parecidos), o que nos levava a se perder.

20200831_115749.thumb.jpg.61b143fb1bb18a4ef381b3e11c23ae6f.jpg

Depois de passar por um longo campo de turfas chegamos de volta à bifurcação. Largamos as mochilas e atacamos o Morro do Campo dos Padres, subimos rapidinho, e quando olho no mapa, puts, errei. Viro pro lado e com atenção percebo uma sombra medonha em meio ao branco da viração. Se jogamos, a subida é hard, um paredão 60º forrado de gramíneas, uma subida engatinhando, o mais incrível é que só víamos o paredão mal enxergamos um o outro. 30 minutos e uns 400 m percorridos com elevação de 300 m, chegamos no céu, kkkkkk. Mal víamos os arbustos do entorno, mas estávamos lá,  o mapa confere dessa vez.

IMG_20200831_151448711.thumb.jpg.c0e2afded43c5c0e3344fc883e987198.jpg

Descemos ladeira abaixo, literalmente. E partimos para o Boa Vista, pela carta de navegação, caminhamos por uma crista (meio larga) cerca de 1 h e 30 min, sempre que chegávamos no pé de algum cume ficávamos animados por ter chego. Ao consultar o mapa, era falso. Foram 3 falsos cumes e meio a visibilidade negativa, isso acabou com a graça da chegada. Depois de subir o verdadeiro levamos uns minutos conferindo a carta para comemorar com certeza a chegada.

Montamos acampamento no cume sob um vento de 60 km/h, parecia que a barraca iria decolar. Entocados na barraca, dormimos igual pedra (foram mais 21 km nesse dia). Passou a noite ventando forte e tomado pela neblina, esta amanheceu implacável (de novo, hshs) no dia 3.

GOPR1477.thumb.jpg.41d0164f3a631c1612422f64c9bddf60.jpg

Levantamos acampamento e seguimos pelo sul do Morro para o vale do Canoas. Em meio dos charcos e turfas. Passamos por muitos córregos e em um dos vários cânions que se formam por ali encontramos três cachoeiras vizinhas. Saímos novamente na trilha dos índios, margeando a borda da Serra Geral. Mais uma vez não vimos nada.

20200901_081505.thumb.jpg.85865a82b8d2196dcc3407c66a30bda9.jpg

org_801660500093dbbd_1598959844000.thumb.jpg.4224e9639dcb50f882d65bf50ffb8574.jpg

Cortamos o Campo dos Padres tomando a trilha por trás da casa azul. De início foi fácil segui-la. Mas não demorou muito até se perdermos e passar 40 min caminhando nos caminhos de búfalos das encostas até avistar lá embaixo um pedaço da antiga trilha. Descemos aliviados, os pés ardiam, A Bruna com bolhas arrastando-se. Paramos para almoçar e furar as bolhas, só assim para continuar.

20200831_092751.thumb.jpg.297fad5847063b83f48b762f91f06a71.jpg

20200901_115238.thumb.jpg.fe2f15c2a7922a9dea62fcad220cf6c7.jpg

Estávamos novamente na trilha demarcada e o tempo abrira, víamos as araucárias imponentes ao nosso lado e no horizonte por vezes vimos a silhueta da montanha infinita. Seguimos, carrasqueira a frente. Eram já 18:00 quando pisamos na estrada que leva ao Rancho do Cânion Espraiado. Chegamos no rancho exaustos, molhados e com um vento de mudar cavalo de invernada. Não fosse a hospitalidade do pessoal do Espraiado, deixar acamparmos dentro do celeiro, teríamos uma noite conturbada. Durante a madrugada as rajadas davam a impressão de que o próprio celeiro iria tombar. Agora que estávamos de volta, no dia 4 amanheceu limpo e pudemos aproveitar as vistas do Cânion Espraiado (fica para o próximo relato).

20200831_133824.thumb.jpg.16600b9683b57c1974707132bf2b67f1.jpg

20200901_140119.thumb.jpg.05852f51f0f0503050ddcce5f9ae1e98.jpg

20200831_090152.jpg

IMG_20200831_151114490_HDR (1).jpg

  • Gostei! 3
  • Vou acompanhar! 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Silnei featured this tópico
  • 4 semanas depois...

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por Marlon Escoteiro
      Campo dos Padres - Urubici-SC – julho de 2021
      - Fazenda Búfalo da Neve no Campo dos Padres - (parte I)
      - Travessia solo Serra da Anta Gorda (42km em 2 dias) - (parte II)
       
      *INFORMAÇÃO*: Essa travessia é realizada em área particular é OBRIGATÓRIO solicitar AUTORIZAÇÃO para passar nas propriedades do Campo dos Padres e arredores. Vamos respeitar os proprietários e manter o local aberto para que possamos continuar com nossas travessias e trekking.
      Entrar em contato com a Fazenda Búfalo da Neve.
      Instagram: @fazendabufalodaneve  via direct
      Fone: 48-99152 1277 Lucas Philippi  - 48-99617 7552 Arno Philippi
      Caso não tenha experiência em travessias autônomas, recomendo entrar em contato com a empresa de trilhas e travessias Expedicionários que organizam travessias para a região do Campo dos Padres, eles conhecem muito a região e com certeza vc poderá aproveitar muito mais.
      Instagram: @expedicionarios_sc via direct
      Fone: 49-99945 5000 Renan Hermes
      No Rio dos Bugres contatar o Abrigo 1500
      Instagram: @abrigo1500 via direct
      Fone: 49-99180 9621 Elói
      *IMPORTANTE*
      -NÃO FAÇA FOGO NUNCA – Use fogareiro
      -LEVE TODO O SEU LIXO EMBORA
      -TUBOSTÃO (Vamos todos começar a usar esse banheiro) nesta região estão muitas nascentes importantes de SC, é necessário mantermos o meio ambiente em equilíbrio e limpo. Temos outras áreas de montanha do Brasil como o Pico Paraná e Pedra da Mina que já estamos tendo problemas sérios de contaminação por conta das fezes, papel higiênico e dos lenços umedecidos deixados nos “banheiros” ao redor das áreas de acampamento. O TUBOSTÃO serve para vc levar tudo isso de volta para a sua casa e descartar no lixo.

      Mais uma vez nesse lugar maravilhoso da serra catarinense. O Campo dos Padres é aquele lugar fantástico que te encanta em cada coxilha, cada araucária, cada curva de rio, cada cachoeira, cada canion...
      É a região mais alta de Santa Catarina tendo o ponto culminante do estado com 1823m no Morro da Boa Vista e aos pés deste morro nasce o Rio Canoas sendo este o maior rio do estado e junto com o Rio Pelotas formam as nascentes do Rio Uruguai. Ali mesmo no Campo dos Padres o rio Canoas cai a quase 100m de altura formando uma bela cachoeira e rasgando o arenito para formar o canion do Rio Canoas, uma formação muito impressionante e bonita. Mais ao oeste se estende a Serra da Anta Gorda, desde o Morro da Boa Vista e vai até as Águas Brancas em Urubici e paralelo a esta serra nasce o Rio dos Bugres que logo despenca na cachoeira dos Bugres, uma das maiores do estado com 218m de altura. Na extremidade sul do Campo dos Padres próximo a serra do Corvo Branco esta o canion do Espraiado que rompe os peraus da borda da Serra Geral em direção a planície e a Grão Pará. E seguindo ao norte pela encosta da serra já em Alfredo Wagner surge 4 formações rochosas de arenito Botucatu com mais de 90m de altura conhecido como os Soldados do Sebold. Tudo isso em uma só região espremida entre Urubici, Bom Retiro, Anitápolis, Grão Pará e Alfredo Wagner.
      O nome Campo dos Padres é uma alusão a passagem dos jesuítas pela região dos campos de cima da serra. Muitas lendas de tesouros deixados pelos jesuítas correm esses campos todos. Historicamente não há comprovação que eles estiveram ali nessa região específica. Sabe-se que eles formaram estancias de gado na região que ficou conhecida como Vacaria de los Piñales, onde hoje é Vacaria no RS e certamente circularem por boa parte dos campos da região.
      Certo mesmo é que ali foi terra dos “bugres” como eram chamados os indígenas nesta região. No Campo dos Padres existe um carreiro chamado de trilha dos Índios que sobe de Anitápolis até o alto do Campo dos Padres. Essa trilha leva esse nome por conta de uma perseguição que houve nessas paragens, onde os bugreiros que eram jagunços contratados para caçar, matar e cortar as orelhas dos índios como forma de provar o assassinato e assim receber um soldo por cada indígena morto. Conta-se que pelos lados da nascente do rio Pelotas logo abaixo do Morro da Igreja, onde hoje é o Parque Nacional de São Joaquim haviam “bugres” escondidos, eram indígenas da etnia LaKlãnõ-Xokleng que habitavam as bordas dos peraus além das encostas e as baixadas. Eram caçadores e coletores, tendo o pinhão como uma fonte importante de alimento. Quando os bugreiros encontraram os LaKlãnõ-Xokleng houve uma matança, porem alguns conseguiram escapar para os lados do Rio do Bispo e por ali desceram a borda da serra por uma antiga picada, seguiram sentido norte fugindo pelas encostas e grotas. Foram se escondendo dos jagunços até a região de Anitápolis onde subiram novamente a serra por outra picada que ficou conhecida como “Trilha dos Índios”. Porem lá em cima na região dos Campos dos Padres sofreram uma emboscada e foram então exterminados pelos bugreiros que os esperavam. Realmente uma triste história de um passado recente de Santa Catarina.
      Em direção oeste no Campo dos Padres na serra da Anta Gorda tem o Rio dos Bugres e a caverna dos bugres, ou seja, em alusão aos antigos e extintos habitantes dessa região. Ali onde diversas etnias indígenas (tradição Umbu, LaKlãnõ-Xokleng, Kaingangs...) ocuparam de forma aleatória essa área, deixando ali alguns registros rupestres, além de pontas de flechas e outros artefatos líticos.
      E também temos a influência da rota dos tropeiros que vieram atrás do gado dos jesuítas e das mulas de Viamão para levar para as minas de ouro de Minas Gerais. Haviam muitas rotas, a rota principal saia de Viamão no RS, subia a serra na região de São Francisco de Paula, e passava pelos Ausentes, Bom Jesus, Coxilha Rica, Lages até a feira de Sorocaba em SP, e de lá até as Minas Gerais. Porém haviam inúmeros outros caminhos regionais interligando toda a região a rota principal. Nessas rotas se comercializava de tudo um pouco dependendo da região de origem, desde mulas, gado, suínos, charque, couro, mel que vinham da serra. Como cachaça, farinha de mandioca, feijão, milho, trigo, utensílios e outros vindo do litoral. E assim Santa Catarina foi se interligando em todas as regiões formando uma tradição tropeira ligada ao campo e a lida com o gado.

      Mas vamos ao Campo dos Padres então...
      Essa minha ida a região foi dividida em duas etapas. A primeira na Fazenda Búfalo da Neve onde fiquei 3 dias em um rancho tropeiro explorando a região e conhecendo um pouco das suas belezas. E a segunda quando fiz uma travessia solo de 42km pela Serra da Anta Gorda que corta o Campo dos Padres de Leste a Oeste saindo do Rancho da Fazenda Búfalo da Neve até a cidade de Urubici.
       
      Parte 1
      Fazenda Búfalo da Neve
      Eu já havia falado para o Lucas de como eu havia gostado do Campo dos Padres, então ele disse que qualquer hora que ele fosse para o Rancho me convidaria para conhecer melhor a Fazenda Búfalo da Neve, dito e feito, ele me mandou uma mensagem me convidando para a segunda quinzena de julho de 2021 irmos para lá.

      Combinamos então de sair na segunda dia 12/07, me encontrei com o Lucas e mais o Renan e partimos para a Serra. Chegamos em Urubici por volta do meio dia e fomos ao supermercado fazer as compras do rango com direito a churrasco, carreteiro e lentilha, bem em cima da hora para o mercado fechar, mas deu tempo ainda de encher o carrinho. Sacolas cheias rumamos em direção ao Campo dos Padres pela estrada que liga Urubici a Serra do Corvo Branco, aproximadamente 25km saindo de Urubici entra a esquerda em direção ao canion do Espraiado e segue mais uns 10km, passamos pela Pedra da Águia uma imponente formação de arenito que chama a atenção pelo formato. Seguimos pelo vale do rio Canoas, esse vale é muito lindo com paredões de ambos os lados e muitas araucárias coroando o caminho, logo adiante começa a subida de uma serra que em dias de sol os carros pequenos tem que ter atenção, já em dias de chuva se torna difícil subir podendo ficar no caminho. Uma vez lá em cima, há um cruzamento que vai para o canion do Espraiado e outro para o Morro da Cruz (que um sem noção renomeou de balanço/montanha infinita...) logo ali paramos o carro no campo, na entrada da antiga estrada da serraria. É importante consultar antes onde pode parar o carro, pois ali há várias propriedades particulares.

      Aqui existe uma antiga estrada que era utilizada por uma serraria nos tempos de corte de araucária, já a muito tempo abandonada e hoje está intransitável mesmo para 4x4, sendo possível passar somente a pé ou a cavalo. E pensar que toda essa região foi devastada para a exploração da araucária que foi uma das principais economias de exportação de SC, também foi com parte dessas araucárias que Brasília foi construída, sendo usado como caixaria para o concreto... que triste fim teve nossas araucárias. Importante salientar que onde estão os campos, sempre foi campo natural, onde foi cortado as araucárias é onde hoje ainda se vê araucárias e mata que na época foram poupadas por serem pequenas, e outros lugares de mata de araucárias deu lugar a agricultura.

      Pegamos nossas mochilas e fomos adicionando a comida comprada no supermercado. Tudo pronto e partimos pela trilha que tem 10km pela mata em direção ao rancho. Esta trilha conduz até o Campo dos Padres. Lá adiante pegamos uma outra trilha que o Lucas conhecia que iria sair do outro lado do morro da Laurinha. Paramos por uns minutos por ali para arrumar uma cerca que os búfalos haviam arrebentado e logo em seguida aparece uma búfala com um bezerrinho. Depois de seguir sempre subindo pela trilha, mas nada muito inclinado chegamos em um faxinal (campo cercado de mata) plano e fomos até um platô que tinha uma vista linda do canion do Rio Canoas.

      Ali encontramos 2 cavalos que tocamos para o lado do rancho com o intuito de pega-los para montaria. Fomos seguindo a trilha que leva até o rancho e encontramos mais alguns cavalos que acabaram pegando outra trilha que subia um morro, ali nos dividimos onde o Lucas e eu subimos atrás dos cavalos e o Renan seguiu pelo carreiro até o rancho. Quando íamos subindo tentando encontrar os cavalos, cruzou por nós um zorrillo que é o mesmo animal protagonizado pela Warner como “Pepe Le Gambá” que na realidade não tem nada a ver com o gambá nosso que é um marsupial e visualmente lembra um grande rato. O zorrillo tem hábitos noturnos e é famoso por soltar um mijo muito fedorento quando ameaçado, ele tem coloração preta com uma listra branca desde a cabeça até o rabo que é bem peludo e volumoso. Ele logo sumiu na capoeira e seguimos adiante tentando ver se achava o zorrillo e também os cavalos, mas estes foram embora e se embrenharam pelo mato. O por do sol neste momento estava lindo e paramos alguns momentos para fotografar, mais abaixo já se avistava o rancho e pra lá descemos para encontrar o Renan e se instalar.



      O rancho da Fazenda Búfalo da Neve é uma cabana de madeira de dois pisos, toda pintada em óleo queimado. Em anexo está a estrebaria e também uma mangueira de taipa de pedra circundando. Ela está cercada entre muitos vassourões e algumas pequenas araucárias, camuflando-se assim com a paisagem ao redor. Aos olhos menos atentos passaria despercebida. Logo ao abrir a porta principal nota-se o chão de terra batida coberta por grandes pedras de basalto e troncos cortados em rodelas. É um ambiente único de uns 6x6m aproximadamente com uma coluna de tora de madeira bem no meio sustentando as vigas que suportam o piso superior. Uma escada ao fundo dá acesso ao segundo andar e embaixo da escada a porta do banheiro. Pendurado em uma das paredes estão os arreios usado para a montaria dos cavalos. Sendo composto pelo baixeiro, a sela, chincha, sobrechincha e pelego; também tem o cabresto, o freio, rédea e os estribos. Ainda tem pendurado os itens de uso do peão como o pala, capa campeira, chapéu, jaquetas, a soiteira e o rabo de tatu. E finaliza com a cangalha e bruaca que são usadas para carregar no cavalo ou mula para o transporte de carga. Junto a janela desta parede tem uma rede pendurada, que eu imagino que deve ser um bom local para descanso e espera no verão em dias molhados e chuvosos . Logo a esquerda da porta de entrada está a mesa acompanhada de bancos rústicos ao redor, coberta com uma toalha destas de tecido plástico com motivos florais, em cima da mesa um botijão de gás onde está acoplado um lampião (já que não tem luz na cabana). Havia alguns potes, uma caixa de fosforo, um cesto com alguns pinhões, ovos, limões e batata doce que já estavam um pouco passados querendo apodrecer, provavelmente sobraram dá última vez que alguém pousou no rancho. Pendurado na parede uma sacola destas de supermercado com um jogo de baralho, havia também um chapéu, uma bolsa, uma trena e uma pá apoiado na parede. Um grande baú serve como banco e dentro dele estão guardados vários alimentos que cada um que vem passar uns dias acaba trazendo. Sal havia uns 3 sacos quase cheios (não precisa mais levar sal!!! Já tem bastante.), um pote com temperos diversos, macarrão, arroz, alguns pães esquecidos em sacos plásticos já embolorados (jogamos na fogueira), entre outros mantimentos. Na parede oposta a parede dos arreios tem outra porta e logo ao lado uma pilha de madeira já cortada e rachada para o fogão a lenha que está ao lado. Este fogão tem uma base toda de pedra com a chapa de ferro e uma porta para pôr a lenha no queimador. Preso no teto em cima do fogão tem um varal de madeira onde estavam pendurados para defumar um pedaço de charque, linguiça e umas cascas de laranja. Também em alguns momentos apareceram ali algumas meias... ao lado uma janela permite a entrada da luz e ajuda a fumaça a sair também. Bem na frente do fogão tem duas cadeiras cobertas de pelego que mais parecem um trono pela posição privilegiada na frente do fogo, e sempre disputada para poder aquecer os pés. Na parede do fundo tem um móvel feito de madeira talhado no local com um tanque destes plásticos que serve de pia, pendurado na parede e na estante estão os utensílios de cozinha como os pratos, panelas, bacias, talheres e alguns temperos. Ali apertado ao lado da pia já começa a escada de madeira que leva ao segundo piso, embaixo da escada um grande baú e algumas peças de roupas penduradas. A porta do banheiro está bem ali. O banheiro é de chão batido com um estrado de madeira, tem uma pequena pia, um vaso sanitário destes de caixa de puxar a cordinha para dar a descarga. Pendurado no teto por uma corda em uma roldana tem um velho galão de óleo diesel que serve como chuveiro tendo na parte superior do galão um buraco cortado e na parte de baixo um cano colado com registro e todo furado. A medida para um bom banho é duas chaleiras de água fervendo para quatro de água da torneira. A agua que abastece a cozinha e o banheiro vem de captação direto de uma vertente, onde por meio de mangueiras leva água corrente para o rancho. Subindo pela escada penduradas no corrimão tem várias daquelas canecas de chope de porcelana antiga de baile, um lenço escoteiro, uma lanterna e um rádio de pilhas. O andar superior é um grande quarto com camas e beliches feitos de madeira do local, tudo bem rústico, já que é feito de tabuas com suas frestas que servem para oxigenar o ambiente, sem forro e de telha aparente. Com janelas em todas as paredes, de onde se tem uma vista privilegiada tanto do nascer do sol quando do poente. Um lugar de descanso depois de um dia de lida no campo ou aventuras pelo Campo dos Padres. Anexo ao fundo está a estrebaria onde se ordenha as búfalas, é toda fechada de parede de madeira com uma grande porta, um pequeno canto serve de deposito para as ferramentas, além de sal e outras coisas. O mais bacana desse anexo é o telhado, que é verde, ou seja, feito de terra coberto com gramíneas do local.
       




      Já dentro no rancho tratamos de abrir todas as janelas para tirar o cheiro de fechado e logo fazer um fogo no fogão a lenha. Arrumar as coisas para nos instalar e começar a janta. Fomos buscar umas pedras para improvisar o fogo de chão para o churrasco. O Lucas já foi preparar uma bela lentilha, enquanto ele picava o bacon, cebola e alho; eu e o Renan preparamos o fogo e o churrasco campeiro com direito a costela e carne de porco. Enquanto a comida ia sendo preparada, cada um com seu goró ia molhando a goela e batendo um bom papo. Fazia uns 11° C, noite agradável, o churrasco foi ficando pronto e nós só beliscando. Depois veio a lentilha bem saborosa e quentinha para aquecer o fim de noite. Eu acabei não dormindo nas camas, optei por estender meu isolante e saco de dormir no chão mesmo, onde tive uma bela noite de sono.
      No dia seguinte fizemos um pão de caçador típico escoteiro, até gravamos uns vídeos que logo eu faço uma edição bacana. O Lucas e o Renan me ajudaram a preparar, foi feito uma fogueira e preparado a massa e depois assada enrolado em gravetos na brasa. Mas eu salguei demais a massa... kkkkkk mas tava bom assim mesmo. Saiu até um café tropeiro aquele que ferve a água e o pó do café junto e depois joga uma brasa viva na chaleira para descer o pó. Barriga cheia e café tomado, o Lucas montou uns sanduiches de queijo e mel de bracatinga.



       
      Começamos nossa trilha do dia, o objetivo foi ir até o morro mais alto da Fazenda Búfalo da Neve na borda dos peraus. No caminho passamos por outra propriedade onde tem uma casa azul e o galpão com uma grande mangueira de taipa ao redor. Mais adiante fomos até uma pequena cascata e depois subimos o morro até o ponto mais alto a 1715m.



      Descemos o morro ao norte e chegamos na trilha dos índios e de lá até as margens do rio Canoas. Logo ali no meio do vale onde passa o Canoas e está a casinha azul, tem uma coxilha isolada com uma araucária solitária em seu topo e ali mesmo tem um cercado de taipa com um pequeno cemitério dos antigos moradores destas fazendas. Infelizmente contam que ali é um cemitério jesuíta, o que não tem nada a ver. Seguindo o rio Canoas logo a frente tem uma pequena cachoeira que forma um grande poço que deve ser perfeito para um dia de banho no verão. E logo adiante de volta ao rancho.
      Chegando no rancho eu disse que estava com muita vontade de comer sapecada de pinhão que já fazia anos que não comia. Pegamos alguns pinhões que estavam guardados na cabana, juntamos algumas grimpas do chão e empilhamos uma em cima da outra e despejamos os pinhões em cima, peguei o isqueiro e taquei fogo. Aquelas grimpas inflamaram e foram queimando e sapecando o pinhão, quando apagou sentamos ao redor e fomos pegando na mão os pinhões levemente queimados, ainda quente e em brasa, esfregando na mão, queimando a pele e sujando de carvão. Que lembrança boa eu tive e assim fomos comendo um a um.







       
      Já dentro na cabana acendemos o fogo do fogão e esquentamos água na chaleira para o banho. Confesso que não botei fé no chuveiro naquele frio, mas foi um banho muito bom e bem quente. Enquanto isso o Lucas foi cortar cebola, alho e o resto de carne e gordura do churrasco da noite anterior para preparar um “carreteiro” que no final das contas virou uma sopa de arroz muito boa... kkkkkk. Essa noite estava mais fria chegou a fazer 6°C, aproveitei e sentei no trono de pelego posicionado bem na frente do fogão com a desculpa de cuidar do fogo. Numa caneca eu ia tomando a sopa de arroz com lentilha. O som rolava no celular do Lucas com uma seleção de rock bem eclética e o bate papo ia seguindo. As vezes íamos lá fora conferir o termômetro e ver a noite que estava muito bonita. Mas o frio logo nos mandava entrar... kkkkk.
      No dia seguinte tivemos um belo nascer do sol com direito a algumas fotos. No café da manhã rolou chapati preparado pelo Renan na chapa do Fogão, onde comemos com queijo e mel de bracatinga. Também eu fiz pão de queijo escoteiro na frigideira e o Lucas passou algumas térmicas de café.



       
      Saímos em direção ao canion do Rio Canoas para explorar as cachoeiras e grotas. De um mirante se tem a vista da primeira queda de uns 15m. Pegamos uma trilha que descia aos pés desta cascata, onde chegamos quase embaixo dela, mas estava bem frio para um banho. Depois seguimos o rio alguns metros adiante até alcançar o topo da outra cachoeira do Canoas, essa sim deve ter quase 100m de queda e a vista de cima impressionava.



      Subimos a trilha novamente e fomos atrás de outra trilha usada pelos búfalos que descia pela margem esquerda até a base dessa cachoeira, é uma descida íngreme, mas bem tranquila, tem até um ponto com cordas amarradas, mas desnecessário seu uso. Já lá embaixo na margem do rio, as pedras estavam bem lisas pela umidade jogada pela força da cachoeira. Levei um tombo, mas logo levantei e me recuperei. Tiramos as fotos clássicas de praxe na base da cachoeira e quando fomos sair levei outro tombo, esse doeu um pouco e esfolou as canelas, mas nada que não superasse, mesmo que saísse mancando... kkkkk.


      Andamos rio abaixo até o rio bater em um paredão e formar um grande poço de remanso, ali haviam vários vestígios de côco de capivara, porém não vimos nenhuma. Aproveitamos para descansar um pouco e almoçar. Nosso almoço neste dia foi outra sapecada de pinhão que fizemos ali mesmo as margens do rio. Ô coisa boa!!!

      Explorei um pouco ao redor do rio canoas, onde neste ponto já estava imerso dentro do imponente canion, com paredões imensos de arenito esculpidos nos últimos milhões de anos pelo rio. Seguimos rio acima por um afluente do Canoas, ali encontramos a outra trilha que subia pela margem direita para o campo e deixamos nossas mochilas, marcando o início da trilha.  Dali em diante entramos em uma grota bem estreita entre grandes paredões, fomos subindo por dentro do rio até onde não era mais possível pois alcançamos uma cascata bem alta de uns 80m chamada de leão baio, pois ali próximo haviam achado rastros deste grande felino.





       
      Voltamos pelo mesmo caminho até o ponto onde estavam as mochilas e subimos a trilha, lá em cima achamos uns rastros com o gramado todo revirado, pensei que poderia ser de cateto fuçando o chão, mas havia pegadas que não eram de cateto, essas pegadas formavam 3 dedos salientes, depois o Marcio o capataz da fazenda nos disse que era rastro de capivara, claro havíamos visto lá embaixo no rio as fezes delas. Ali nesse ponto tem um mirante natural com uma vista de frente da cachoeira, mais umas fotos e depois voltamos em direção do rancho. No caminho passamos por um chassi de caminhão abandonado e já deteriorado pelo tempo. Mais um vestígio dos tempos das serrarias que ali existiam, havia também muitas estradas por onde esses caminhões passavam para transportar a madeira que hoje já viraram trilhas intransitáveis para qualquer veículo.



      Já no rancho encontramos o Márcio que havia chego naquele dia lá. O fogo já estava aceso e ali ficamos proseando um pouco. O Lucas prometeu que hoje sairia o carreteiro, mas desta vez foi de linguiça e bacon e pouca água... se não ia virar sopa de novo. Kkkkkkk. Em relação a comida nunca comi tão bem. Tudo que preparamos ficou muito bom. Está seria nossa última noite, o tempo já estava virando. Fomos dormir cedo pois o dia seguinte prometia.
      Logo pela manhã cada um foi se preparando, o dia estava nublado e meio carrancudo. Nesse meio tempo o Marcio estava na estrebaria ordenhando as Búfalas, fazia anos que eu não tirava leite, então aproveitei para fazer um Camargo que consiste em ordenhar o leite direto na caneca com café e tomar. Lembrei de quando eu ia passar as férias na casa da minha vó no sítio. Terminei de arrumar minha mochila, nos despedimos já que o tempo iria mudar logo. O Lucas e o Renan iriam voltar até o carro e ir embora, o Márcio ia ficar a próxima semana no rancho cuidando das coisas e esperando um grupo de trilheiros organizado pelos guias da @expedicionarios_sc que iriam dormir no rancho no próximo final de semana. Esses caras são profissionais e conhecem muito bem a região e as trilhas e organizam trekking para pequenos grupos para conhecer o Campo dos Padres, é uma boa pedida para quem quer uma experiência bacana com mais segurança. Já eu ia seguir sentido oeste pela serra da Anta Gorda até Urubici.






       
      segue parte II - Travessia Serra da Anta Gorda
    • Por Marlon Escoteiro
      Parte 2
      Travessia solo da Serra da Anta Gorda
      1°dia de travessia – Rancho Búfalo da Neve até Abrigo 1500 – 17km
      No ano passado em julho de 2020 eu havia feito a travessia do Campo dos Padres relato aqui .. https://www.mochileiros.com/topic/93114-travessia-do-campo-dos-padres-%E2%80%93-sc-%E2%80%93-julho-de-2020-%E2%80%93-80-km-em-5-dias-%E2%80%93-do-c%C3%A2nion-espraiado-morro-da-boa-vista-at%C3%A9-o-morro-das-pedras-brancas/   no sentido sul-norte saindo da Pedra da Águia as margens do rio Canoas, passando pelo canion Espraiado e cruzando todo o Campo dos Padres seguindo o rio Canoas até a sua nascente, subi o Morro da Boa Vista e ainda passei pelo morro do Chapéu, o Arranha Céu e morro das Pedras Brancas terminando as margens da BR 282. Mas o nome “Serra da Anta Gorda” havia me chamado a atenção na carta topográfica, essa serra ia desde o morro da Boa Vista até Águas Brancas em Urubici, eu até já tinha estudado pelo google maps um trajeto por ali. Então dessa vez de novo no Campo dos Padres resolvi fazer a travessia leste-oeste por essa serra que divide Urubici e Bom Retiro.
      As 8h20 pus a mochila e parti em direção a Serra da Anta Gorda saindo por trás do rancho até o Canoas, cruzei o rio e subi a antiga estrada que ligava o Campo dos Padres a Urubici pelo Rio dos Bugres, estrada essa, abandonada onde só passava cavalo e a pé. Logo na subida vi muitas gralhas azuis fazendo um estardalhaço sobre as araucárias, parei um pouco para observar e tentar tirar alguma foto. Logo alcancei o topo e fui seguindo a estrada que ia dando a volta pela margem esquerda de um afluente do rio Canoas, formava um pequeno canion, esse foi o canion da grota que no dia anterior entramos nele até a cascata do Leão Baio. Lá adiante cruzei o vértice deste canion e teve outra subida até o topo da Serra da Anta Gorda nos campos, ali próximo havia uma casa e um galpão já abandonados na margem direita do canion bem no topo protegido por uma coxilha, mas fora da estrada. Porém não cheguei perto e fui seguindo a estrada/trilha, dei uma parada para mastigar umas castanhas e tomar agua era umas 10h da manhã, também já me preparei, pois a chuva estava vindo e fazia bastante frio e vento.

       

      Ali era uma área de campo de altitude e segui adiante pela estrada até uma pequena descida que já estava bastante erodida onde havia uma outra casa com galpão também abandonados logo atrás meio que escondidos, cruzei outro arroio e vi dois cavalos, um branco e outro preto que ficaram só de olho em mim.

      Passei por eles e cheguei em uma mangueira velha de madeira toda quebrada, ali a trilha principal ia a direita, mas logo entrava na mata que estava na encosta norte em direção a Bom Retiro, preferi seguir a da esquerda na encosta sul voltada para Urubici e subi um morrinho e logo a chuva veio com força e junto a serração, minha ideia era seguir pelos campos ao invés de ir pela mata, mas ali havia muito banhado então decidi subir para a direita em direção a mata e alcançar a estrada de novo. Era uma estrada/trilha bem marcada sentido sudoeste, tendo uma elevação a minha esquerda e a direita o vale do Paraiso da Serra e por ali fui andando por um bom tempo, a chuva só piorava e o frio aumentava, minhas mãos expostas segurando o bastão já estavam congeladas e a minha capa de motoqueiro já estava passando água pelas costuras.
      Logo adiante a frente abriu para o campo do vale do rio dos Bugres e a estrada dava uma volta no morro agora sentido sudeste até um galpão cercado de uma mangueira de taipa bem robusta, cruzava um rio que formava um pequeno canion do rio dos Bugres e a estrada ia acompanhando pela margem esquerda até passar uma porteira grande e cruzar o rio sobre uma ponte. Já a direita havia uma propriedade habitada que era a estancia Bonin, passei bem próximo seguindo a estrada a direita em direção ao Abrigo 1500 que era o meu destino daquele dia. No caminho havia uma plantação de pinus Ellioti a direita e eu estava bem tranquilo trabalhando a minha respiração ao estilo Win Hof, ritmo cadenciado, tentando espantar o frio para ver se esquentava, o passo era firme, derrepente do lado esquerdo da estrada do meio das vassouras do campo me aparece um javaporco... tomei um susto, mas ele também, e cada um correu para um lado... Boa parte da Serra Geral está tendo problemas com Javalis e com a cruza deles com porcas que viram o “javaporco” que são enormes, destroem plantações fuçando o chão e comendo de tudo, podem ser muito agressivos e perigosos, por isso muito atenção com eles. Como vi que não veio atrás de mim, segui adiante no meu passo que já estava firme em meio a chuva que seguia forte me molhando cada vez mais. Parei adiante por uns minutos e logo passou um carro que buzinou e seguiu em direção a cachoeira do rio dos Bugres.
      Em pouco tempo lá pelas 14h e com aproximadamente 17km percorridos cheguei também no Abrigo 1500, que é a propriedade que tem a vista da cachoeira do Rio dos Bugres e camping. A princípio eu iria acampar, mas chovia tanto e eu estava tão molhado e com frio que pedi permissão para pernoitar no galpão pelo valor do camping, o Sr. Elói foi muito gentil e falou que não tinha problemas, inclusive me convidou para entrar em sua casa e me aquecer no fogão a lenha e secar minhas roupas. A rede elétrica não chegava até ali, e a luz era obtida por placas solares que davam conta de tocar a geladeira e algumas lâmpadas e tomadas. O camping custa R$ 30,00 e eles servem pastel e paçoca de pinhão, nem pensei duas vezes e pedi a paçoca que foi meu almoço e estava uma delícia. Depois a esposa dele pôs mais pinhão na chapa e fiquei ali tomando um café e comendo pinhão. Também estava ali o Romeu que havia passado por mim de carro com a família, e ficamos conversando um pouco sobre trilhas e Urubici.
      Logo em seguida a chuva deu uma trégua e fui dar uma volta pelo campo do camping e acessar os mirantes da cachoeira dos Bugres. São 2 mirantes acessados por uma pequena trilha, tem um deck de madeira para segurança e uma vista incrível da cachoeira que é uma das maiores de Santa Catarina com 218m, em um dos mirantes é possível ver duas grandes cachoeiras a dos Bugres e outra numa grota próxima e abaixo o vale/canion que forma o rio dos Bugres. Seguindo pela borda onde está o camping tem outra grota mais a direita de um outro afluente dos Bugres que vinha da serra formando outra grande cachoeira. É um excelente lugar para acampar e curtir a paisagem desta região do Campo dos Padres e rio dos Bugres, uma ótima estrutura, recomendo acampar ai no Abrigo 1500.




       
      Ao norte atrás da propriedade está a continuação da Serra da Anta Gorda, que segundo o Sr. Elói tem esse nome pois ali haviam muitas antas e algumas bem gordas, que hoje infelizmente não vemos mais na região. Também ali no topo daquela serra foi encontrado uma ponta de flecha de pedra lascada da tradição Umbu, mais um sinal do nome Bugres. A tradição Umbu foi um grupo muito antigo de caçadores e coletores que deixaram muitos vestígios na região em forma de pontas de flecha, estima-se que esse grupo antecessor das demais etnias indígenas esteve aqui entre 13 e 4 mil anos e habitavam toda a região do planalto de araucárias e campos rupestres.
      No galpão havia umas mesas com chão de madeira e junto está a estrebaria que é onde se ordenha as vacas, já na terra batida, uma caveira de búfalo todo pintado de preto ornava pendurado na parede, e alguns equipamentos para ordenha e arreios. Comecei a preparar minha janta, que seria polenta com queijo e bacon; sai do galpão para buscar um pouco de água, quando voltei dei conta que meu queijo havia sumido, pensei quem foi o gatuno que surrupiou parte da minha janta, dei uma olhada ao redor e achei um pedaço do queijo no plástico todo comido e rasgado e um gato escondido entre as madeiras na estrebaria. Achei o meliante e junto a sua ninhada. Deixei o queijo para eles, e eu que pensei que era os ratos que gostavam de queijo... ou será que por causa do sabor rato ao queijo que os gatos gostam também... Janta pronta, estava muito bom, só faltou o queijo para dar mais sabor... já consegui me aquecer um pouco com a refeição quente.
      Montei embaixo de uma mesa o meu isolante de eva, isolante inflável, travesseiro e o saco de dormir, pus minha roupa de dormir que é composto de uma meia de lã merino, uma calça e blusa térmica segunda pela, e uma blusa de lã sintética que tenho desde os meus 14 anos e sigo usando ela sempre. Além da touca e de uma luva de fleece. Está noite fez 6°C. Ao lado do saco de dormir deixo sempre uma garrafinha com água, meu afrin em caso de nariz entupido e a lanterna a mão. Guardei as comidas na bolsa de cozinha e pus dentro da mochila ao meu lado com “um olho no peixe e outro no gato”. E assim fui dormir, pois o dia seguinte ainda tinha muito chão pela frente.
      2° dia de travessia – Abrigo 1500 até Urubici – 25km


      Acordei as 6h30, já fui guardando minhas tralhas de dormir, vestir minha roupa de trilha e tomar um café. Meu café em travessia consiste sempre em café passado na Pressca (tipo de prensa francesa de acrílico) pão com polengui, salame e “queijo” (quando tem...), carrego também para lanche de trilha uma garrafa pet com um mix de castanhas, uvas passas e gotas de chocolate, além de uma barra de chocolate, particularmente tenho levado o chocolate Talento da Garoto por ter uma quantidade grande de calorias, ser gostoso e ter muitas versões. Mochila pronta e café tomado, sai do galpão e dei de cara com o frio, me despedi do Sr. Elói e aproveitei o dia de céu azul para ir de novo nos mirantes da Cachoeira do Rio dos Bugres para curtir mais um pouco a paisagem.




      Depois passei pela casa de novo e logo atrás segue a trilha que sobe até a Serra da Anta Gorda novamente, a irmã do Sr. Elói é a única moradora naquela região acima, apesar de ter outras casas e galpões, porém desocupados. Fui seguindo o caminho por um faxinal bonito, corria um arroio sobre uma laje de pedra, parei para umas fotos.



      E logo a frente a trilha subia forte até a cumeeira da serra e dali se tinha uma vista linda ao norte do Paraiso da Serra e de um mar de montanhas, a leste se via o Morro da Boa Vista e Morro do Chapéu. Fui seguindo pelos campos ora margeando a borda norte, ora para o sul.


      Neste momento senti arder a sola do meu pé próximo ao dedão, a meia e o tênis estavam molhados então já sabia o que poderia ser. Parei logo em seguida e tirei meus tênis e meias, torci as meias que estavam encharcadas, sequei meu pé e passei uma pomada de vick vaporub que é o santo remédio do montanhista podendo ser usado para muitas coisas. Deixei meu pé respirar e aproveitei para comer meu chocolate e castanhas e curtir a paisagem. Depois colei um esparadrapo, calcei minhas meias e tênis novamente. Segui adiante e fiquei monitorando, o segredo para bolhas é fazer os primeiros socorros logo no primeiro sinal de irritação e vermelhidão, não pode deixar levantar a bolha, se não é problema. Caminhei todo o trajeto sem problemas. No meu caminho ainda cruzei algumas vacas e cercas, até que vi mais abaixo a uns 500m ao sul a propriedade da família do Sr. Elói, fui contornando o morro por cima até que chegou na estrada de acesso a propriedade e onde chegava também a rede elétrica.



      Ali a estrada era transitável de carro. Resolvi tentar seguir fora da estrada pelos campos, mas algumas vezes não tinha como até que fui descendo até uma propriedade bem grande onde havia bastante gado e de ali em diante seria só por estradas. Achei alguns pinhões debulhados pelo caminho e fui enchendo o bolso até que mais pra frente parei embaixo de uma araucária e fiz outra bela sapecada de pinhão, não sabia quando teria a oportunidade de novo, já que fazia muitos anos que eu não comia, ai aproveitei para curtir esse momento de fazer a pilha de grimpa, por fogo e os pinhões e sentado no chão ir pegando pinhão por pinhão sapecado, queimado pelo fogo com partes ainda em brasa, ia esfregando na mão, queimando e sujando de carvão, e assim fui me deleitando com essa iguaria serrana. Fiquei imaginando essa região a alguns séculos atrás ainda antes dos tropeiros com os diversos povos indígenas que por aqui haviam passado coletando pinhão, obviamente que o pinhão sapecado deveria ser a principal forma de comer essa rica e proteica semente da araucária nos meses frios de inverno.


      Logo fui seguindo pela estrada, abrindo e fechando porteira e passando por um corredor de araucárias que por muitas vezes formava um túnel no caminho. Era uma paisagem muito bonita e bucólica. Logo começou a descida bem forte ziguezagueando a estrada, em um certo momento encontro um pônei com uma franja muito estilosa, me aproximei dele, mas ele não quis muita conversa.


      E assim segui até a base da estrada e dei de cara com um bosque de araucárias todo varrido, grimpas amontoadas e uma entrada tipo de condomínio. E aí percebi que eu já havia chegado em um ponto turístico de Urubici chamado de Cavernas dos Bugres, que na realidade não são cavernas e sim paleotocas. Essas estruturas eram tocas que foram escavadas pelos gliptodontes, os tatus gigantes da megafauna que eram do tamanho de um fusca. Mais tarde diversas etnias indígenas (tradição Umbu, LaKlãnõ-Xokleng, Kaingangs...) ocuparam de forma aleatória essas tocas, deixando ali alguns registros rupestres, além de pontas de flechas e outros artefatos líticos. São diversos túneis de até uns 100m de extensão, ora se interligando, ora se sobrepondo. Havia dois conjuntos de túneis e logo abaixo corria um arroio. Dentro destes túneis haviam alguns morcegos e vários opiliões que são uma espécie de aracnídeo de cavernas. São estruturas baixas, tendo que andar levemente abaixado e algumas vezes até engatinhando. Aproveitei que já era 13h e o bosque de araucárias ali, sentei no gramado tirei meu tênis e almocei meu sanduiche de polengui, salame e mel de bracatinga. Só faltou o queijo.... kkkkk









      Seguindo a estrada abaixo há um portão fechando a rua e ali tem a pousada da Caverna Rio dos Bugres, fui barrado de forma agressiva e mal-educada por um homem dizendo que ali era propriedade particular e que eu tinha que pagar uma taxa, ai eu falei tudo bem, quanto é? Eu pago! Falei que não sabia que aqui era propriedade particular uma vez que passei por várias propriedades estrada acima. Aí ele falou que ele era dono de tudo ali, e eu passando por aqui poderia sumir uma vaca, e as câmeras dali me pegariam então eu seria o culpado... falei: pera ai loco! Tá me chamando de ladrão?? Sou montanhista e estou vindo de longe desde o canion espraiado, passando por várias propriedades, pedindo autorização a todos, mantendo todas as porteiras, cercas e animais como estavam, aí ele disse que não precisava mais pagar, mas tinha que avisar não sei quem... Infelizmente temos ignorantes assim, ainda mais para quem trabalha com turismo me pareceu muito despreparado e totalmente focado no dinheiro e na cobrança pela passagem pois o ponto turístico era propriedade dele, não sei se a estrada realmente é ou não. Porem precisa melhorar a abordagem. Então fica a dica de quando passarem aqui, já vir com dinheiro na mão. Passado esse contratempo segui pela estrada que ia margeando o Rio dos Bugres que dá nome a localidade, uma área rural muito bonita, com muitos sítios e chácaras, havia bastante criação de gado, cabra, também hortaliças e pomares. Mais adiante já alcancei o asfalto que liga Urubici ao Corvo Branco e fui até o camping Hospedagem Rural Nossa Senhora das Graças, um lugar muito bacana com uma ótima infraestrutura para acampar, tem também espaço para motorhome e chalés para alugar, recomendo o lugar. E ai finaliza essa minha jornada desde o Canion Espraiado, passando pelo Campo dos Padres, Serra da Anta Gorda, Rio dos Bugres e Urubici.
       
       


    • Por ariane_peabiru
      O meu relato de hoje é sobre uma experiência única de imersão em um deserto. Andar quilômetros descalça na areia, dormir em uma rede sob a luz das estrelas e ter uma visão única de um dos Parques Nacionais mais lindos do Brasil. A travessia dos Lençóis Maranhenses vai muito além de uma paisagem surreal, com suas dunas e piscinas naturais. 
      Nesse relato vou contar como foi fazer a minha primeira travessia sozinha com a Peabiru! Esse roteiro combina aventura com turismo de experiência e já está disponível lá no site. Abaixo vou dar algumas dicas extras que podem te ajudar a tornar essa aventura inesquecível.
       
      Lençóis Maranhenses e a infinitude de um deserto
      O Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses é o maior campo de dunas do Brasil. Seu diferencial são as mais de 7 mil lagoas que se formam entre as dunas, cada uma com a sua particularidade. São vários tamanhos, colorações e composições. Algumas são perenes e outras secam em determinada época do ano, uma vez que toda a água das lagoas é provenientes das chuvas. 
      Segundo o ICMBio, o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses fica inserido no Cerrado, mas apresenta forte influência da Caatinga e da Amazônia. São 155 hectares (quase a mesma área da cidade de São Paulo!) que abriga ecossistemas frágeis, como a restinga, o manguezal e o campo de dunas.
      Cerca de ⅔ do parque é coberto pelas dunas de areia livre que se deslocam diariamente há  mais de 5 mil anos. Segundo estudos, elas podem se deslocar até 10 centímetros em um dia de vento forte, que pode chegar a 70 km/h. Na época de chuva, quase não ocorre deslocamento, as intensas chuvas são absorvidas pela areia, elevando o lençol freático e enchendo as lagoas temporariamente. 
      Certamente esse foi um dos fenômenos que mais me marcou nessa experiência, sentir na pele e ver com meus próprios olhos a formação e evolução das dunas. Em vários pontos da travessia o Geovanne indicou cajueiros, casas e comunidades que foram cobertas pelo avanço e movimentação das dunas dos Lençóis Maranhenses. Ele também contou sobre a formação dos cemitérios de florestas, onde toda a vegetação foi coberta pelas dunas de areia, as plantas morreram e agora a migração das dunas deixam em evidência diversos galhos secos e já sem folhas.
       
      Quando ir
      Embora muitos guias e sites indiquem a visita de Junho a Setembro, quando as lagoas estão mais cheias, eu acredito que cada época do ano traz uma vivência diferente nos Lençóis. 
      Viajei para fazer a travessia dos Lençóis Maranhenses em Outubro, já no final da temporada. Muitas piscinas naturais já estavam mais secas, mas ainda assim tinham muitas paradas para mergulhar e pude conhecer lagoas incríveis. Em vários pontos foi possível passar “por dentro” de lagoas secas, o que torna o trekking um pouquinho mais curto e cria uma visão linda de cemitérios de florestas. 
      Fiz a travessia em Outubro de 2020, durante a semana (quarta a sexta-feira) e tive o parque praticamente só para mim!
       
      Turismo de base comunitária e a vida nos Lençóis Maranhenses
      Existem vários tipos de passeios para visitar os Lençóis Maranhenses, mas sem dúvida a Travessia é o melhor atrativo. Os passeios tradicionais de 4×4 não podem acessar a zona primitiva do parque, onde está a maior diversidade de vegetação e aves.
      Os roteiros podem chegar até 7 dias, mas o mais comum são as Travessias de 3 a 4 dias. A visitação deve ser feita seguindo as regras de mínimo impacto e obrigatoriamente com guia cadastrado no Parque (fonte: ICMBio). 
      Aqui na Peabiru temos dois condutores cadastrados no Parque, Geovanne (que foi meu guia nessa aventura) e Marcelo. Eles são amigos de longa data e trabalham juntos em muitas ocasiões. Cada um tem sua pegada e forma de vivenciar os Lençóis de uma maneira diferente.
      Cerca de 30 famílias residem nos dois Oásis, Queimada dos Britos e Baixa Grande. Durante a travessia, dormimos em verdadeiros em redes nas casas de moradores de comunidades locais. Lá somos recebidos com refeições simples, mas muito bem preparadas, sendo uma excelente experiência de interação com a comunidade tradicional. 
      Uma das coisas que mais me marcou foi o carinho pelo qual o Geovanne era recebido em cada casa que visitamos. Deu para perceber que ele faz parte da família. Em cada lugar eles também perguntavam carinhosamente sobre o Marcelo. O Marcelo e sua família contribuíram muito para o desenvolvimento das comunidades locais. Eles ajudaram as famílias a estruturarem os espaços para receber visitantes, incentivando a renda das famílias através do turismo de base comunitária.
      Alimentação
      A alimentação nos oásis é simples, tem galinha caipira, peixe frito, macarrão, arroz e feijão. Se você quiser comer uma comida local, pode pedir para o guia solicitar carne de bode. Grande parte da comida vem ali mesmo do quintal dos moradores. No café da manhã tem cuscuz, tapioca, ovos e café, tudo incluso na diária.
      A travessia termina em Betânia, onde tive a oportunidade de comer a comida que mais me encantou em Lençóis Maranhenses: peixe com caju no leite de coco. Esse prato não estava no cardápio, mas é conhecido por todos os moradores locais. O Geovanne conversou com os donos do restaurante e conseguiu que eles fizessem especialmente para nós! Estava simplesmente sensacional!
      Se você é vegetariano ou vegano é importante avisar o guia com antecedência. Os anfitriões são flexíveis e podem preparar algo especial, mas precisam ser avisados o quanto antes para programar as compras e o cardápio.
        Roteiro e Dificuldade
      Se você nunca fez uma travessia, mas tem vontade, recomendo muito começar por essa!
      O ideal é levar uma mochila cargueira, pois ela se adequa e distribui melhor o peso. Mas a mochila vai quase vazia, pois a  rede e as principais refeições são fornecidas nas comunidades locais. Na mochila você precisa levar apenas água, lanterna, kit de higiene pessoal, lanchinhos para a trilha, uma troca de roupa para dormir e um casaco, porque a noite costuma esfriar. 
      Eu acabei levando também meu tênis, pois não sabia se sentiria dores no pé. Vi muitos relatos de pessoas com calos ou bolhas, mas eu tive sorte e não tive problema nenhum. Caminhei quase todo o percurso descalça mesmo e alguns trechos apenas de chinelo. O tênis foi um peso desnecessário que eu acabei carregando
      Um ponto importante é que a aventura deve ser feita em um único sentido: saindo de Atins e indo para Santo Amaro. Dessa forma, você sobe sempre as dunas na sua face mais suave e desce pelo chamado facão. Confesso que fiquei com medo nas primeiras descidas, pois era bem íngreme, mas a cada passo minha perna deslizava até o joelho dentro da areia, fazendo uma deliciosa massagem nos pés e na panturrilha. As descidas se tornaram um momento delicioso e divertido da caminhada.
      Eu imaginava que a areia seria super quente, mas não é. Devido a sua composição de quartzo, ela reflete o sol sem esquentar tanto. Também não sentimos muito calor porque o vento sopra constantemente. Claro que mesmo com o vento, o sol pega forte e é preciso tomar muito cuidado com a hidratação e a proteção. Em muitos momentos eu usei até a canga para proteger o meu rosto do sol.
      Outro ponto importante é que acordamos cedo todos os dias. A jornada começa antes do sol nascer, assim podemos caminhar com sol mais ameno, o que torna a caminhada menos cansativa. Também chegamos na casa dos nativos cedo, para aproveitar o almoço e depois temos a tarde para aproveitar o rio, as redes e o incrível pôr-do-sol nas dunas.
       
      Diário de bordo
      1° Dia – Passeio pelo Rio Vassouras e 8 km de caminhada
      A travessia começa em Atins, mas o Geovanne já organiza todo o percurso para chegar lá. Partimos de Barreirinhas às 9h, em um passeio pelo rio Preguiças de voadeira, que são barcos motorizados. 
      Nossa primeira parada foi Vassouras, onde vi a primeira lagoa. Um lugar lindo e muito conhecido pelos macacos que ficam soltos e pegam coisas dos turistas. Confesso que me senti um pouco mal de ver as pessoas alimentando os animais e incentivando o comportamento, apesar de os guias avisarem o tempo todo para as pessoas não fazerem isso e guardarem bem os seus pertences.
      Depois disso, paramos em Mandacaru, onde conhecemos o farol e tomamos uma água de coco. Almoçamos na praia do Caburé e, enquanto esperávamos o almoço, fomos ver o mar, do outro lado da estreita faixa de areia. Após o almoço partimos para Atins, onde fomos recebidos por um quadriciclo que iria nos levar até o início do trekking. 
      Uma dica interessante é dormir em Atins nesse dia e começar a travessia no dia seguinte. Como eu tinha pouco tempo, não consegui conhecer essa vila que dizem ser muito aconchegante. Dizem que o Camarão do Antônio é algo imperdível!
      Começamos nossa caminhada era umas 16:00 e chegamos no Oásis Baixa Grande após o pôr-do-sol, pois decidimos parar para apreciá-lo. Nesse primeiro dia são cerca de 8 km caminhando, mas eu estava tão empolgada para começar que nem senti!
      Pernoitamos no redário da Dona Loza, uma senhora muito simpática e animada que fez um peixe delicioso. Não havia nenhum turista naquela noite, assim pude conhecer e tomar uma cerveja com alguns moradores de Barreirinhas que estavam ali para visitar as comunidades. 
      Ali conheci o Índio, guia nativo que estava acompanhando uma amiga com suas filhas. Apesar de trabalhar durante a sua vida inteira como guia para os passeios tradicionais, ele nunca tinha feito a travessia. Como estávamos só nós 2, ele pediu para o Geovanne se poderia ir junto e, claro, topei na hora! O Índio foi uma companhia incrível e tirou as minhas melhores fotos!
      No final da noite o Geovanne fez uma pequena fogueira em uma área protegida e ficamos vendo o céu estrelado. Não olhei a hora, mas devo ter ido dormir às 21h. Foi a primeira noite que dormi na rede e achei super confortável.
      2° Dia – 12 km pelo deserto
      No segundo dia acordamos umas 6:00 da manhã, o Geovanne tinha visto que eu caminho bem e deixou a gente acordar um pouco mais tarde. Tomamos café da manhã bem reforçado e começamos a nossa caminhada rumo ao Oásis Queimada dos Britos. 
      Chego a ficar emocionada ao lembrar do sentimento de imensidão que eu senti caminhando pelas areias naquele dia, sem ver uma pessoa além do nosso grupo. Para cada lado que eu olhava era uma luz incrível, um movimento incrível e uma sensação de vida no deserto. Paramos em 2 lagoas para banho, sempre no momento exato que o corpo pedia um descanso e um refresco.
       
      Chegamos no horário do almoço na Queimada dos Britos e a comida já estava pronta para nos servirmos. Depois do almoço, descansei um pouco de baixo da árvore, na beira do rio que corta aquele Oásis. Um sentimento de paz e calma estar ali cercada de tanta vida.
      No final do dia fomos ver o pôr-do-sol e na volta paramos para tomar uma cerveja e uma Tiquira na casa de Seu Raimundo. Depois voltamos para jantar e dormir. 
      Durante o trekking o Geovanne havia comentado várias vezes como gostava de dormir de baixo da árvore ali na Queimada dos Britos, mas eu não havia me animado ainda. Quando chegamos a noite para montar a rede vi que tinha MUITAAAAA barata no redário e fiquei em pânico. Decidi que dormir ao ar livre seria melhor que dormir ali onde eu tinha certeza que tinha muitas baratas.
      O Geovanne montou a rede para mim na beira do Rio e lá fui eu dormir sob o céu estrelado. Confesso que acordei muitas vezes durante a noite, com cada barulhinho. Em um dado momento, escutei até o jegue que foi pastar ali perto. Apesar disso ainda achei uma experiência inesquecível, que me deu coragem para dormir fora da barraca na Chapada Diamantina depois (um dia conto mais sobre essa experiência de bivak).
      3° Dia – uma longa jornada de 19 km 
      Saímos da Queimada dos Britos às 4:00 da manhã, com nossas lanternas acesas, contemplando o céu estrelado, um pouco mais tarde que o habitual. Ver o sol nascer nos Lençóis foi uma aventura fantástica, o céu foi ganhando vários tons rosa e roxo, trazendo muitas emoções em cada momento.
      Nesse dia eu percebi o sol ainda mais forte e o corpo um pouco mais cansado. Foram mais momentos em silêncio e reflexão do que aquilo tudo representava. As paradas para banho traziam uma renovação de corpo e de espírito. 
      Acho que chegamos em Betânia umas 10:30 ou 11:00, onde a travessia do Rio Alegre marcava o final da nossa jornada caminhando. Uma nova energia e correntes de felicidade percorreram o meu corpo.
      Naquele dia ainda almoçamos o peixe com caju, que comentei antes e depois ainda demos muita sorte no transporte de volta. Pegamos um passeio tradicional de 4×4, onde tive a oportunidade de visitar mais duas lagoas. Elas estavam já bem cheias de pessoas e não era mais aquela paz que eu senti durante a travessia. 
      Vimos ainda o pôr-do-sol na saída do Parque em Santo Amaro. Embora tenha sido um lindo espetáculo e despedida do parque, a quantidade de carros e de pessoas tirando fotos e fazendo poses chegava a me incomodar. Foi uma despedida com chave de ouro, pois me deu a certeza que fazer a travessia é a única maneira de ter uma experiência autêntica nos Lençóis Maranhenses. 
       
      Outras Dicas
      Cuidados
      Eu fui sozinha fazer essa travessia, não tinha grupo e fui somente com o guia. Muitas pessoas ficaram preocupadas, e com razão. Infelizmente escutei diversas histórias de pessoas que se perderam e que foram com supostos guias que não conheciam o parque… Para uma mulher sozinha, isso se torna uma preocupação ainda maior.
      Vá com guias conhecidos e respeitados. Aqui na Peabiru você tem mais segurança, conhecemos pessoalmente os guias parceiros na Travessia dos Lençóis Maranhenses. Garantimos, dessa forma, uma experiência segura.
      Como chegar
      Eu fiquei em Barreirinhas, decidi ir para lá e fazer um voluntariado pela Worldpackers. Trabalhei durante 15 dias no Hostel Aquarela, foi uma excelente oportunidade para conhecer um pouco mais sobre turismo e a Bianca é uma excelente pessoa e gosta que os voluntários conheçam bem os Lençóis. Por isso ela super incentivou que eu fizesse a travessia e ainda me apresentou para o Marcelo, outro guia parceiro aqui da Peabiru. 
      Para fazer a travessia aconselho ter como base Barreirinhas, que fica a 256 km da capital São Luiz. Para chegar lá você pode alugar um carro, pegar o ônibus ou a van que leva cerca de 4h. Recomendo agendar a van com antecedência, para garantir um lugar e já combinar onde ela te busca em São Luiz e te deixa em Barreirinhas. 
      Existem outros passeios em Barreirinhas, inclusive dá para tomar banho no Rio Preguiças. Para isso vale a pena ir ao Centro Cultura da cidade, onde tem um bar com redes dentro do rio. Outro passeio gostoso é conhecer a casa de Farinha em Tapuio.
      Dicas Finais
      Leve apenas o essencial, você precisa de muito pouco nos Oásis Leve uma lanterna Leve dinheiro, você irá precisar para consumir bebidas na casa das famílias nativas Leve água e lanchinhos para as trilhas Traga todo o seu lixo de volta! Proteja-se do sol e da areia: use óculos de sol e dê-preferência para roupas de manga comprida, para não contaminar as lagoas com produtos químicos Use chapéu ou boné Leve um casaco ou fleece para a noite, pode esfriar bastante  

    • Por Leandro Z
      Apesar de haver bons relatos no site, espero contribuir.
      Há 4 ônibus diários entre São Luís e Barreirinhas pela viação CISNE BRANCO, R$51, demora 5h (não procurei vans saindo do aeroporto direto pra Barreirinhas, mas existem). Dizem que é melhor fazer a travessia no sentido Barreirinhas - Santo Amaro, por causa da posição do sol e do vento. A estrada São Luís-Santo Amaro é relativamente nova, está boa e é mais perto que SLZ - Barreirinhas. Além disso, as lagoas de Santo Amaro são mais bonitas. ATENÇÃO com a volta de Santo Amaro para São Luís, acho que não tem ônibus (se tiver, são raros) e dependemos do guia em achar uma van que ia pra lá. Geralmente, o último dia termina 12:30h e o transporte até São Luís demora 4h30min. Grande parte da travessia é em areia firme e fria, então é melhor andar descalço ou com meia. Também tem inevitáveis passagens por lagoas menores, onde se molha, pelo menos, as pernas. Elas são boas para se refrescar (o tempo inteiro eu andei molhado ou úmido de propósito). Melhor época: junho e julho, alguns dizem agosto e até setembro, mas nestes muitas lagoas já estão secas. Preços: como junho e julho são os melhores meses, só diária do guia custa até R$250; hospedagem (café da manhã incluído), em redário, sai por R$35; jantar: R$30 a R$35; água de 2l: R$8. Converse com o guia para ver o que está incluído no preço dele (passeio pelo rio Preguiça, hospedagens e refeições, etc). Cansar vai, mas com certeza vale a pena. Acredito que uns treinos de caminhada de 8km sejam suficientes para preparação. Esta é a travessia mais tradicional do parque, mas tem outras de 6 até 10 dias! Levar: poucas roupas (inclusive com proteção UV), meias, chapéu (nessa época, não precisa levar nada para frio, nem tênis), chinelo, protetor solar, água (pode ser comprada em cada parada),  snacks (frutas desidratadas, amendoim e castanhas), dinheiro em espécie, lanterna (não é essencial, não precisa na caminhada, mas ajuda nas hospedagens), coisas de higiene pessoal (sabonete, escova, pasta, repelente). É recomendável levar aquelas baterias portáteis, power bank, mas dá pra usar a eletricidade em algumas hospedagens. Dia 28/jun - 1º dia: Pegamos um barco em Barreirinhas para fazer o passeio pelo rio Preguiça (R$80) por volta das 10h, o guia já nos acompanhava. O passeio é tranquilo, para em Mandacaru, onde tem um farol, também para em Caburé onde tem dunas e uma lagoa. Termina em Atins, banhamos em uma praia. Depois, final de tarde, caminhamos até Canto de Atins, cerca de 3,5h em ritmo tranquilo, sem paradas para banhos, o GPS marcou 12km de caminhada durante o dia todo (pareceu bem menos). Em Canto de Atins, tem dois restaurantes/pousada: do seu Antônio e da dona Luzia. A dona Luzia foi pioneira e é mais famosa, mas o guia disse que a fama subiu-lhe a cabeça, ficamos no seu Antônio. O camarão na chapa é o prato chefe de ambos, não é barato (com refri e água, saiu R$50 cada um o jantar), mas realmente estava muito gostoso. Dormimos em rede (R$35), local coberto com palha, com luz, mas sem paredes, até às 2:30h da manhã.
       
      Dia 29/jun - 2º dia: Prometia ser o mais pesado, cerca de 17km até Baixa Grande (o quarto dia que foi o mais cansativo). Começamos a travessia por volta das 3:15h, depois de um bom café da manhã, caminhamos sob a lua cheia iluminando tudo e temperatura amena. Andamos pela praia um bom tempo, cerca de 4h (com direito a cochilada no caminho) até chegar às dunas. Valeu a pena? Sempre, no entanto, tem gente que faz este trajeto de carro e isto economiza umas boas horas. Nas dunas, subida, descida, banho em algumas lagoas. Terminamos em Baixa Grande às 12:10h. Cansei muito! O GPS marcou, durante todo o dia, uns 27km. Eu digo "durante todo o dia", porque ainda caminhávamos pelos arredores do local da hospedagem para conhecer lagoas, rios, ver o pôr-do-sol. Baixa grande é um vilarejo no meio do deserto, mas com construção de alvenaria e vegetação por perto. Almoçamos galinha caipira por R$35 (preço padrão e não é você que escolhe o que comer). Descansamos e, à tarde, fomos para uma lagoa e ver o pôr-do-sol. Dormimos, como sempre, em rede (R$35 preço padrão), sem iluminação, mas coberto com palha e "paredes". O dia seguinte seria mais tranquilo.
       
      Dia 30/jun - 3º: Este terceiro dia foi tranquilo, acordamos por volta das 4:30h para sairmos às 5h, após café da manhã simples (tapioca e ovo). Caminhamos devagar, parando bastante em lagoas e terminamos antes do meio-dia em Queimada dos Britos, o GPS indicou 15km. Eu comecei a usar meia, pois vi que estava começando a formar bolha no meu pé. Almoço (R$35) era peixe (estava salgado), teve salada (artigo raro) e até sobremesa. Lagoas, pôr-do-sol, jantar e dormir cedo, porque não tem muito que fazer a noite.
       
      Dia 1º/jul - 4º: De novo, acordamos umas 2:15h, tomamos café e saímos para caminhar às 3h e alguma coisa. Só terminamos à 12:30h, exaustos, em Santo Amaro. Foi o dia mais longo e mais cansativo, cerca de 28km. Neste dia, mais uma vez, é possível pegar um transporte em Vassouras, economizando assim, uns 10km. Pergunta se pegamos? Não. Faltando uns 8km (talvez 6km), o guia novamente perguntou se queríamos pedir um carro e pagar R$50 cada um. Pegamos o carro? Não, só faltavam 8km... As lagoas perto de Santo Amaro são bem mais bonitas que as de Barreirinhas e, acredito eu, o turismo em Santo Amaro irá aumentar com a boa estrada já existente até São Luís (só falta transporte).
       

    • Por Rodrigo Burle
      Este chalé fica em Solčava, Eslovênia (ver foto). Ele são muito populares nas áreas montanhosas, os menores são chamados de "hut" e os maiores "dom" e custam entre 17 e 30 euros, os preços variam de país para país.   Eles estão espalhados por todas as montanhas da Europa, e uma coisa que quase todos os refúgios têm em comum é uma vista espetacular (como este da foto). A estrutura é muito semelhante a um hostel, eles têm quarto privado e quarto compartilhado, estão sempre cheios de montanhistas. Na maioria dos parques nacionais é proibido acampar e isso em toda Europa. A multa é salgada e os rangers ficam o dia inteiro a procura de barracas, inclusive com helicópteros. Se você vai para as montanhas tenha em mente que você terá que dormir nestas refúgios algumas vezes, pelo menos nas montanhas mais altas ou em parques nacionais.   Dica para economizar   Se você vai para as montanhas da Europa, não importa em qual país. Você pode se associar a ao clube de montanhismo e ganhar diversos descontos, inclusive em acomodação. O mais legal é que se tiver o selo de reciprocidade, você pode usar em qualquer país (foto 4 e 5). A maioria dos refúgios que eu fiquei custavam na faixa de 30 euros, com o cartão da associação eu pagava 15.   Se você vai passar uma semana nas montanhas a 30 euros são 180, com o desconto você paga 105. São 75 euros, a anuidade varia de clube para clube (o da Eslovênia foi o mais barato que eu achei), paguei 30 euros. Você economizaria 45 euros. E quanto mais tempo maior a economia, vale a pena. Fora isso, você tem descontos em lojas de roupas e equipamentos entre outras coisas.   O site para se associar a um clube de montanhismo na Eslovênia é: www.pzs.si   Eu já ajudei centenas de pessoas com meu livro Liberdade Nômade, onde eu conto tudo que eu fiz e dou dicas para que você não passe nenhum tipo de aperto em suas viagens aprendendo com meus erros. Eu vou te mostrar que é possível viver viajando, independente do que você faz hoje ou sua idade.   Dê o primeiro passo para a liberdade, clique no link abaixo: https://bit.ly/liberdadenomade2021   Tem um monte de fotos das minhas aventuras no instagram: https://www.instagram.com/rodrigoburle/   E não esqueça, dê o primeiro passo!  Muito obrigado! 




×
×
  • Criar Novo...