Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

anselmoportes

Mochilão pela Europa: Turquia, Balcãs e Europa Central. 6º Relato: BUDAPESTE

Posts Recomendados

Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse:

São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga.

***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura.

Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de BUDAPESTE.

LEGENDA

USD - Dólar Americano
EUR - Euro
BRL - Real Brasileiro
RSD - Dinar Sérvio
HUF - Forint Húngaro

Depois de 3 dias em Belgrado (Sérvia) segui minha viagem até Budapeste, na Hungria. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada.

18º dia de viagem: Belgrado -> Budapeste (Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018)

Cheguei na estação de Budapeste Népliget às 14h. Fui procurar um locker e algum lugar para trocar euros por forint. A cotação na estação estava muito ruim EUR 1  = HUF 280  então resolvi sacar HUF 15.000 num ATM no subsolo da estação. No mesmo subsolo há lockers mas tem que ser pago com moedas e a quantidade tem que ser exata (não volta troco). Troquei HUF 1000 em moedas e paguei HUF 800 pra deixar meu mochilão no locker.

Há uma estação de metrô em Napliget e lá comprei um ticket válido por 72 horas (HUF 4.125). Não há catracas pra acessar o metrô mas sempre tem fiscais conferindo o ticket antes de chegar nas plataformas.

Fui até o centro e dei uma volta até chegar a BASÍLICA DE ST. STEPHEN, mas ela estava fechada pois haveria um concerto lá dentro (HUF 3500 a entrada). Caminhei mais um pouco e passei no supermercado pra comprar o café da manhã do dia seguinte e 2 cervejas (HUF 1300).

Fui até a estação de FERENCVAROS pra pegar o trem até DUNAHARASZTI, que uma outra cidade, aproximadamente 20km de distância. A família que iria me hospedar (via Couchsurfing) morava lá.

As informações de trens na estação de Ferencvaros são bem confusas e está tudo em húngaro. Perguntei para uma moça qual era a minha plataforma e ela me indicou. O trem que teria que pegar era o S25.

Às 18h29 chega meu trem. Entrei nele, sem problemas. Foi quando eu acessei o google maps no celular e vi que tinha pegado para o sentido contrário. Quando me dei conta estava chegando na estação final e esperei lá até às 19h21 para pegá-lo de volta. Fui chegar à estação de Dunaharaszti 20h.

Por uma incrível coincidência o Georg (meu anfitrião) estava passando de carro ali por perto e resolveu ir até a estação. E foi coincidência mesmo: não havia combinado com ele nada! Entrei no carro e conheci a Blanka, sua filha mais nova.

Chegamos à casa deles e tomei uma sopa de abóbora que estava boa, porém um pouco doce. Em seguida chegou a Kata, esposa do Georg, que nos serviu um tipo de arroz de forno com carne e beterraba. Muito bom tb, mas de novo um pouco doce…

Conversei bastante com o casal e conheci a Bori, a filha do meio.

Tomei banho e fui dormir por volta das 0h30

Distância percorrida no dia: 13km 🚶‍♂️

1902859113_St.StephenCathedral.jpg.26721da738f803f875f1f3f560a2ae8e.jpg
BASÍLICA DE ST. STEPHEN

92426316_doyouhavefateinGodabove.jpg.1c01500538870d970792f7cd655ba27d.jpg
BASÍLICA DE ST. STEPHEN

1850441110_FerencvarosStation.jpg.f783aa19dd5c440c7f0c87798694aacb.jpg
ESTAÇÃO DE FERENCVAROS

19º dia de viagem: Budapeste (Terça-feira, 25 de Setembro de 2018)

Acordei 8h, tomei café e deixei a casa às 8h40 e caminhei por 1km até a estação de trem.

Fui chegar ao centro por volta das 10h e voltei até a Basílica de St. Stephen e dessa vez consegui entrar. O interior é maravilhoso e vale muito a pena conhecer.

Peguei o FREE WALKING TOUR das 10h30 que saía de frente à Basílica e nosso guia foi o SZABI. Passamos pela Elizabeth Square, Chain Bridge, Buda Castle que fica em cima de um morro (subimos pela escada e foi super tranquilo (uns 5 minutos) e o funicular custa HUF 1500). Lá em cima vimos a residência do presidente e a troca da guarda. Terminamos o tour na MATHIAS CHURCH que fica ao lado do FISHERMAN’S BASTION.

Entrei na Mathias Church (HUF 1500). Ela é bem bonita e tem um pequeno museu. Há um busto da Rainha Elizabeth (sim… ela era xará da outra, da Inglaterra) que também era conhecida como Sissi e uma réplica da coroa com a cruz torta (no Free Walking tour o guia explica o pq da cruz torta na coroa).

O Fisherman’s Bastion é um mirante que tem uma vista linda para o lado “Peste”. O lugar rende boas fotos!

Pra voltar de lá peguei o ônibus 16 e desci no início da Chain Bridge. Peguei um tram até a COLINA GALLERT. Subi até o monumento de Gallert (não fui até o topo), tirei umas fotos lá de cima e voltei. Voltei para o lado “Peste” pela ELIZABETH BRIDGE e peguei o tram 2 até o PARLAMENTO HÚNGARO. O prédio é muito bonito e foi inspirado no Parlamento Britânico (impossível não notar a semelhança). Fui ver os horários dos tours no parlamento mas os em inglês e espanhol já estavam esgotados. Acessei o wifi de la e vi que os tours para esses idiomas já tinham se esgotados para os próximos 2 dias!

***Dica: Agende com antecedência os tour para conhecer o Parlamento Húngaro. Os idiomas mais concorridos são inglês e espanhol e esgotam rápido. Há também tours em alemão, italiano, francês, russo, etc. Mas esses não são tão frequentes. Acesse aqui para saber mais: https://www.jegymester.hu/eng/Production/480000/Parliament-visit

Voltei para o centro caminhando pelo leito do rio Danúbio e passei pelo monumento “SHOES ON THE DANUBE” que é uma homenagem aos judeus que foram mortos à beira do rio.

Parei pra comer num restaurante/lanchonete chamado MARKET BUDAPEST. Pedi 1 hamburger com chilli e 1 cerveja (HUF 2200). Tanto o lanche quanto a cerveja estavam excelentes!

Depois de comer passei pela SINAGOGA DE BUDAPESTE que é a 2ª maior do mundo (a 1ª é a de NY). Ela estava fechada devido a um feriado judeu mas via que pra entrar tem que pagar HUF 6000!

Ali perto está o RUIN PUB mais famoso da cidade: o SZIMPLA KERT. O lugar é bem “descolado” mas cheio de turistas. Tomei uma cerveja SOPRONI (500ml por HUF 700). O bar aceita EUR mas a cotação é péssima.

Voltei pra casa e fui chegar por volta das 20h. A Kata tinha ido a um açougue local e comprou umas linguiças e embutidos típicos da Hungria. Um deles era um embutido feito de intestino e outras partes menos “nobres” da vaca. Comi todos com um pedaço de pão e gostei de tudo. Fiquei conversando com o Georg e a Kata até umas 0h30, quando fui tomar banho e dormir.

Distância percorrida no dia: 25km 🚶‍♂️

105.thumb.JPG.a89948bc3e850b0a3920cea0c98e5d43.JPG
MATHIAS CHURCH

Sissi.thumb.jpg.7fed335e0abcdd136419b61b12085175.jpg
MATHIAS CHURCH

406199599_MathiasChurch.thumb.jpg.ac987fc6ecddeef5bf143298ab10f487.jpg
MATHIAS CHURCH

118.JPG.5a2c7859d2de3c8184812f47e2a5dee2.JPG
PARLAMENTO HÚNGARO

1418676797_HungarianFlag.jpg.fa0a2485bdf0ea44a3178ad4da958d4d.jpg
BANDEIRA EM FRENTE AO PARLAMENTO HÚNGARO

77619324_ShoesontheDanube.thumb.jpg.5bb3ce218358cc23465d54fb6a4c6e2c.jpg
SHOES ON THE DANUBE

20º dia de viagem: Budapeste (Quarta-feira, 26 de Setembro de 2018)

Acordei 8h10, tomei café e fui para a HEROES SQUARE. Lá tem um monumento que na base tem 7 cavaleiros representando as 7 tribos que formaram a Hungria. Próximo dali está PARQUE VAROSLIGET ou “City Park”. Nele há o CASTELO VAJDAHUNYAD que foi construído para a EXPO 1896 e ao redor dele há outras construções além da ANONYMUS SZOBOR ou Estátua de Anonymus. O parque tem um imenso gramado e muitas árvores: lugar perfeito pra fazer um picnic!

Nesse mesmo parque encontra-se o BALNEÁRIO SZÉCHENYI. Nele tem o BEER SPA, onde fica numa banheira com água quente e vão adicionando os ingredientes da cerveja. Ao seu lado tem uma chopeira e vc pode se servir de cerveja à vontade por 45 minutos (EUR 30). Apesar da vontade resolvi não ir e segui caminho de volta ao centro.

Fui até a estação Hősök Tere e peguei linha 1, que é uma das mais antigas do mundo. Desci na estação Vörösmarty utca e fui para o HOUSE OF TERROR (HUF 3500), que é um museu que fala sobre as atrocidades sofridas pelas pessoas que iam contra o regime comunista. São 3 andares repletos de vídeos (algumas imagens são bem fortes), itens e textos. Paguei HUF 1500 para pegar um áudio guia em inglês. No subsolo tem uns lugares onde as pessoas eram torturadas e presas - o lugar é bem aterrorizante.

Deixei o museu e segui caminhando pela ANDRASSY UT também conhecida como a “Champs-Elysées Húngara”. Cheguei até a ÓPERA DE BUDAPESTE mas ela estava em reforma. Mesmo assim, resolvi pagar pra conhecê-la por dentro (HUF 2500). Na hora de comprar o bilhete me informaram que, devido à reforma, não era possível acessar o salão principal. Visitamos apenas as antessalas (salas de espera, locais onde as pessoas iam fumar, etc…). O tour levou apenas 20 minutos e no final teve uma pequena apresentação de ópera improvisada nas escadarias de acesso ao salão principal. Foram mais uns 15 minutos de apresentação de um homem e uma mulher. Apesar de ser improvisado eu gostei bastante.

Deixei a ópera e segui caminhando até um lugar chamado RETRO LANGOS BUFET. “Langos” é uma comida típica húngara que parece uma “mini-pizza”: uma massa frita arredondada com vários tipos de recheio. Pedi um de sour cream, queijo, cebola e linguiça húngara (HUF 950) e tomei uma cerveja SOPRONI 500ml (HUF 450). Estava uma delícia e vale experimentar!

Ao lado tinha a estação de Arany János utca e de lá fui até a estação Lehel tér. Caminhei uns 10 minutos até chegar no FLIPPERMUZEUM (http://www.flippermuzeum.hu/en/ ), que é um lugar cheio de máquinas de fliperama, sendo mais de 90% de pinball. São mais de 130 máquinas pra vc jogar à vontade por HUF 3000. Joguei os pinball do “De Volta para o Futuro”, “Indiana Jones”, “Attack from Mars” e a minha favorita: “White Water”. Também tinha os clássicos do arcade: Double Dragon e X-Men. Vale muito a pena conhecer, se vc gostar de fliperama é claro. Fiquei lá por 2h e meia mas parecia que tinha passado apenas 15 minutos. 

Deixei o Flipper Muzeum por volta das 18h30 fui novamente ao Simpla Kert, dessa vez encontrar uns couchsurfers que tinham feito contato comigo via site. Ficamos bebendo e conversando até umas 22h quando resolvi voltar pra casa.

Cheguei na estação de Ferencvaros e perdi meu trem por 2 minutos! Fui para uma loja de conveniência ali perto e tomei 2 cervejas e comi um amendoim (HUF 1000) esperando o próximo trem. Fui pegar o trem das 23h30 e cheguei em casa mais de meia-noite. Tomei banho e fui dormir.

Distância percorrida no dia: 22km 🚶‍♂️

Budapest.thumb.jpg.19798fe42a7c78150f4d742d1dca82db.jpg
PARQUE VAROSLIGET

1581473449_Cometothelight.thumb.jpg.2718a878fa6007d548e02382f6de7e2c.jpg
PARQUE VAROSLIGET

111.JPG.a593026244dbc60ff67613d804bb89c3.JPG
LANGOS

115.JPG.86eb3907f00434b5149f90e52b2e10dd.JPG
FLIPPERMUZEUM


21º dia de viagem: Budapeste (Quinta-feira, 27 de Setembro de 2018)

Acordei às 8h10, tomei café e vi que a Kata tinha deixado pra mim um chocolate húngaro chamado Túró Rudi. Trata-se de um tradicional doce daquelas bandas mas tem um gosto bem esquisito: pq tem queijo cottage. Não curti muito não, mas quem for pra lá tem que experimentar.

Fui para o centro e saquei mais HUF 5000 (o Banco do Brasil cobra uma taxa de HUF 920 por saque!). Peguei o tram 2 e desci no ponto final que fica na Margaret Bridge. Essa ponte dá acesso à MARGARET ISLAND. Caminhei por toda a ilha e passei pelo MINI ZOO, TEATRO A CEU ABERTO, JARDIM DAS ROSAS e JARDIM JAPONÊS. O dia estava ensolarado então foi tudo tranquilo. Mas aconselho evitar o local em dia de chuva. Há uma linha de ônibus que passa pela ilha. Peguei o ônibus no final e voltei por onde tinha entrado: a Margaret Bridge.

***Dica: Notei que tinha umas bicicletas para alugar assim que cheguei lá na ilha, mas achei que seria desnecessário. Porém a caminhada foi bem extensa (e cansativa!) e talvez se tivesse feito de bike teria ganhando um tempo. Acho que vale a pena alugar uma pra dar um rolê por lá.

Peguei novamente o tram 2 em direção ao GRAND MARKET. Esse mercado lembra um pouco o Mercado Municipal de São Paulo. Há várias lojas vendendo frutas, verduras, queijos, embutidos, etc. No andar de cima havia muitas lojas de souvenirs (chaveiros, imãs de geladeira, camisetas). Havia também umas barracas com comidas típicas. Parei no K4 (era esse o número, não lembro o nome) e pedi uma STUFFED CARBAGE. Daí o cara ia montando o prato e perguntando se eu queria um monte de coisa. O bestão aqui foi falando “sim” pra tudo e no final pedi uma cerveja. No final a conta ficou caríssima: HUF 6430!  Pior que a comida nem estava tããão boa assim. Mas a quantidade dava para um casal comer tranquilamente.

Segui rolando (de tanto comer) para o centro e fui para o FREE COMMUNIST TOUR. O local de partida tb foi em frente a St. Stephen Basilica e começou as 14h30. Nosso guia foi o GABOR e ele explicou muita coisa sobre a era comunista na Hungria. Muita coisa que ele falou eu já tinha visto no Museu of Terror. Passamos por vários pontos da cidade que remetiam ao comunismo: LIBERTY SQUARE, SOVIET MONUMENT, ESTÁTUA DE IMRE NAGY, etc. O tour é muito interessante mas o sono que sentia prejudicou um pouco o rolê.

***Dica: Depois de comer feito um boi, não vá fazer nenhum tipo de atividade que exija concentração. Vc vai morrer de sono. Acredite em mim.

Depois do tour fui até o JEWISH QUARTER e passei pelo ruin pub MAZEL TOV. Mas achei “chique” demais - tinha até uma hostess! - e resolvi procurar outro lugar. Parei no ILLEGAL que fica na mesma rua do Szimpla Kert. Tomei 2 cervejas de fabricação própria deles (HUF 580) que estavam muito boas. Passei em outro bar chamado ORDOG KATLAN que fica no centro e tomei uma cerveja DREHER (HUF 490).

Por volta das 20h voltei pra casa e no caminho passei no supermercado pra comprar o café da manhã.

Chegando em casa a Kata nos serviu um macarrão e 3 tipos de linguiça: 1 de chouriço, outra de fígado e outra “normal”. Comi também uma alcachofra de jerusalém, que dá no quintal da casa deles. Ficamos conversando até umas 23h quando fui tomar banho e depois dormir.

101.JPG.d152616bf3a53f9fc35150a2573c35db.JPG
EMBUTIDOS

 Distância percorrida no dia: 28km 🚶‍♂️


22º dia de viagem: Budapeste -> Varsóvia (Sexta-feira, 28 de Setembro de 2018)

Acordei às 5h45 e às 6h a Kata me levou até o aeroporto. Quando fui fazer o check-in descobri que tinha que ter feito ONLINE e pra fazer no aeroporto iam me cobrar uma taxa de EUR 45!

***Dica: Sempre verifique se há necessidade de fazer o check in online ao menos 24h antes de pegar seu vôo para não ter imprevistos como este.

Deixei Budapeste às 8h20, sentido Varsóvia.

FIM DE BUDAPESTE

Próximo relato: Varsóvia

  • Gostei! 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por mcm
      Estivemos outras duas vezes pelo Leste Europeu. Os relatos podem ser vistos nos links abaixo:
      De Helsinque a Lubljana
      Leste Europeu II - Romênia, Sérvia e Bósnia
      A escolha dos três países foi circunstancial. Eram países que ainda não conhecíamos. Nos arredores da região também estavam na lista Montenegro, Albânia e a costa croata, que acabaram excluídos por questões logísticas. Encontramos passagens promocionais pela Norwegian para Londres, e aqueles saudáveis preços baixos com as low cost locais para o Leste. Ideia inicial era começar em Dubrovnik, mas acabei gostando mais da logística que prevaleceu.
      Foram duas semanas de férias, partindo num sábado e voltando num domingo. 
      Cidades e países
      Pristina, Prziren (Kosovo)
      Ohrid, Skopje (Macedônia)
      Sofia, Veliko Tarnovo, Plovdiv (Bulgária)
      Além disso, passamos um dia inteiro em Londres na volta. 
      Gastos
      Menos de 50 euros/dia por pessoa no Leste. Exclusive passagens aéreas somente. Incluindo algumas esbanjadas nas jantas (nos permitimos, sobretudo pq não almoçamos).
      Em Londres, mais de 100 euros/dia por pessoa. Londres é cara demais.
      Hospedagens
      Nome – Onde - $$ dia    
      Ibis budget Luton - Londres – 35 GBP
      Sleep Inn Prishtina   - Pristina - 21,25 EUR
      Guesthouse Hotel My Home - Prziren – 23 EUR
      Ivanoski Studios and Guest Rooms - Ohrid – 23 EUR
      Hotel Old Konak - Skopje – 28 EUR
      Rooms43 - Sofia – 51 BGN
      Hostel Pashov - Veliko Tarnovo - 35,7 BGN
      Gramophone Hostel - Plovdiv – 50 BGN
      ibis budget London Whitechapel - Londres - 80,75 GBP
      Passagens
      Rio – Londres – Rio (Norwegian) = 2,8 KBRL cada
      Londres – Pristina (Wizz) = 51 USD cada
      Plovdiv – Londres (Ryanair) = 78 EUR cada
      Em todos os voos apenas compramos o assento, além da passagem. Dispensamos refeições e não despachamos bagagem, viajamos com mochila de mão.
      Os ônibus internos custavam em média 10 euros por cabeça, salvo engano. Não anotei cada um. Exceto de Skopje para Sofia que, salvo engano, custaram quase o dobro. 

      Relato
      Chapei de sono durante quase todo o voo da Norwegian. Galera reclama de ser tudo cobrado e de ter poucas opções de entretenimento. Na boa, eles avisam que é *tudo* cobrado. Inclusive água. Não tem travesseiro, cobertor, essas coisas. E nem me fez falta. Compramos água no aeroporto e foi tudo numa boa. Viva a Norwegian (enquanto mantiver esses bons preços)!
       
      Dia 1 - Londres
      Nosso dia 1 resumiu-se a chegar em Londres no Gatwick e pegar um trem até Luton, onde dormiríamos perto do aeroporto para no dia seguinte seguir viagem para Pristina, Kosovo. Houve algum contratempo com o trem, parece que houve um acidente na linha que pegaríamos. Sem galho, fomos redirecionados a outra e seguimos viagem. Como o vôo chega às 16hs em Londres, chegamos a Luton já de noite. Sob chuva. Ainda me meti a tentar ir andando da estação até o Ibis Budget, mas isso revelou-se um erro. Não é área afeita a pedestres. Logo voltamos e identificamos que o ônibus que conecta a estação com o aeroporto para perto dos hotéis, e a ida está inclusa no bilhete de trem. Simples assim. Enfim, ibis budget, janta e dormir. 
       
      Dia 2 – Pristina, Kosovo
      Acordamos de madrugada 3am e fomos andando para o aeroporto (sempre acho um luxo ir andando para o aeroporto!). Coisa de 15 minutos. Novamente chuvinha, que não deve ter parado desde nossa chegada. Nosso voo partiu às 6 e levou umas 3,5 horas até Pristina.
      O Kosovo é o país mais recente da Europa e um dos mais recentes do mundo. Tornou-se independente em 2008, com grande apoio dos EUA. Mas diversos países (Brasil entre eles) ainda não reconhecem a independência. Sobretudo o país de quem o Kosovo se libertou, a Sérvia.  As reverências aos EUA aparecem em algumas homenagens: estátua do Bill Clinton, rua George Bush, estátua da Madeleine Albright. Foi o que vimos. O Kosovo tem forte influência albanesa (é a língua do país), e viveu história semelhante à da Bósnia em relação aos sérvios (isso para simplificar MUITO a coisa). É um país com forte cultura islâmica, com diversas mesquitas. Desde minha ida à Turquia em 2012 que passei a adorar o azham, a chamada para a oração. Adoro toda vez que ouço a chamada pelos minaretes das mesquitas. No Kosovo ouvimos muito.
       
      Tempo completamente diferente no Kosovo. Céu azul, aberto. Chegamos, perguntei nas informações sobre preço de taxi para o centro (15 euros fixos), e partimos.  Tinha lido sobre motoristas que tentavam cobrar 20 ou 30. Taxi nos deixou na avenida principal de pedestres, nossa pousada era em algum canto paralelo a ela. Encontramos rapidamente. Não havia comunicação em inglês, mas nos entendíamos. Foi a melhor hospedagem da viagem, tudo novo e ótima localização. Largamos mochilas e saímos para explorar a cidade.
       
       
       
       
      Em poucas horas já havíamos percorrido os principais pontos turísticos da pequena capital kosovar. Eu sabia que, para nosso ritmo, um dia seria suficiente. Mas queria evitar de já começar viagem saltando de lugar em lugar, então optamos por esticar nossa estadia em Pristina.
       
       
       
       
      Nesse dia demos longos rolês, chegamos até a repetir algumas áreas. Foi bem bacana. Curtimos um ótimo pôr do sol do alto da torre (campanário) ao lado da igreja moderna.
       
       
       
      E jantamos no badalado (e muito bom!) Liburnia, com direito a uma taça de vinho muito guerreiro local. Meu prato foi um lamb tradicional, que estava ótimo. Dormimos mais cedo nesse dia.

      Dia 3 – Pristina, Kosovo
      Dormimos muito, mas merecidamente. No dia anterior estávamos acordados direto desde às 3am de Londres. Dentro do conceito de slow travel desses primeiros dias, fomos tomar café na rua principal e rodar mais pela área. 
      Em Pristina vi que os carros estacionam em qualquer canto disponível, tal qual vi na Rússia em 2012. Mas em geral param na faixa para os pedestres. Outra coisa que reparamos foi o cumprimento entre pessoas: são 3 beijos no rosto.
      Às 11am fomos fazer o free walking tour, que foi bacana. Bem informativo. Passou pelos lugares que já havíamos visitado antes, ahahaha, mas agora com mais contexto. Era uma 2ª feira, dia de museus fechados. No domingo estivéramos num museu nacional, que achei meio decepcionante. Belo externamente (vale passar para vê-lo de noite também), mas sem muito interessante o que ver dentro.
       
      Depois do tour, pegamos um taxi para Gracanica (7eur). Patrimônio Unesco, lugar lindo. Afrescos sensacionais, que não podem ser fotografados. Admiramos muito o lugar. Voltamos de busum. Havia alguma troca no meio do caminho, e não conseguimos nos comunicar em inglês, mas a galera simpática nos ajudou com mímica. Entendemos que era para esperar com eles e seguirmos o mesmo caminho. De busum era beeeem mais em conta, 0,5 eur.
      Nesse dia rolaria um jogo importante para o Kosovo contra Montenegro, uma qualificatória para a Eurocopa. Era no estádio local, bem perto de onde estávamos. Mas o guia do walking tour avisou que já estava esgotado (alguém do grupo confirmou que não conseguiu encontrar ingressos), e sugeriu de irmos um local perto do estádio cheio de bares e alguns com telões para a galera assistir. Fomos num de cervas artesanais e curtimos o Kosovo vencer por 2 x 0, com a galera local (ao que me pareceu) celebrando. Bem bacana. No bar vimos diversos vendedores ambulantes entrando para vender coisas (amendoim, cigarros). E vimos pedintes entrando também. Coisas a que não estamos acostumados no Rio.
      Jogo acabou tarde, e havia poucos restaurantes ainda abertos. Felizmente caímos num que foi muito bom.
       
       

      Dia 4 – Prizren, Kosovo
      Acordamos e saímos cedo, fomos andando até a rodoviária. Prizren. Galera orientou a esperar no box 5, que é de onde partem os ônibus para Prizren. Não precisava comprar antes, paga no próprio ônibus. O nosso saiu às 8:20. Nada de cinto de segurança. Nem mesmo p motorista usava, ou tinha. Viagem saiu por 4 euros cada. 
      Chegamos em Prizern, e optei por garantir logo nosso busum que sairia às 5 da matina no dia seguinte para Skopje. 10 Euros. Depois fomos andando até o centro histórico para nossa pousada. O cara da pousada falava português, muito simpático. Ele tinha morado em Moçambique. 
       
       
       
       
      Prizren é muito charmosa no centrinho histórico. A ponte lembra Mostar, mas beeem menor. Era outro lindo dia. Eu tinha um roteiro de caminhada que percorria os pontos turísticos da cidade, e que esticava por uma trilha mais longa até a fortaleza, que foi o que fizemos. Passamos por igrejas sérvias destruídas pelos albaneses em 2004, e que até hoje estão fechadas para a visitação. Cercadas com arame farpado. Em frente a uma delas, que é patrimônio Unesco, um simpático menino veio falar conosco. Aquela coisa, Brasil, futebol, etc. Ainda o nosso melhor embaixador, o futebol.
       
       
       
      A longa trilha é bem bacana, passando por bonitos lugares no caminho. Até o belo visual da Fortaleza. Curtimos bastante. Depois ficamos de relax pela cidade, fazendo café crawl, e depois cerva crawl. Ainda subi novamente a Fortaleza, pela trilha mais rápida, para o pôr do sol. Jantamos, demos nosso rolê noturno, e fomos dormir um pouco mais cedo. Madrugaríamos novamente.
       
      Uma coisa que me recordo do Kosovo é que raramente via bebidas (e respectivos preços!) no cardápio. Era meio que na base da confiança, e os preços eram meio que uniformes mesmo.
       
      [CONTINUA...]
       
    • Por MatheusRedfield
      Oi gente, não sei se pode esse tipo de postagem mas queria saber: Vocês já compraram algo no Civitatis? deu certo? Vi umas excursões baratas lá e fiquei meio desconfiado. Vocês recomendam?
    • Por rafa_con
      Olá viajantes, cá estou eu para compartilhar meu segundo relato neste fórum maravilhoso rs. Desta vez, tentarei ser mais breve (não garanto). Vou tentar me focar nos pontos que as pessoas possam ter mais dúvidas e ciladas que podem evitar cair.  
      Fiz uma trip incrível com meu marido entre 7 e 22 de Outubro de 2019 por Berlim, Praga e Budapeste.   
       
      CUSTOS PARA DUAS PESSOAS 
       
      * Convertido em reais variando conforme os fechamentos do meu cartão de crédito.  
      ** Todas as hospedagens paguei daqui do Brasil com antecedência via cartão de crédito.  
      *** O único passeio que comprei com antecedência foi a entrada do Parlamento de Budapeste e entrou como gasto no cartão de crédito também.  
      **** Comecei a pagar as coisas em Fevereiro, de modo que quando fui viajar, tudo já estava pago, só faltando fechar o que iria gastar no cartão de crédito.  
        Passagem Aérea 
       R$4.973,00  (IDA POR BERLIM, VOLTA POR BUDAPESTE) 
      Seguro Viagem 
       R$309,21  
      Bus Berlim > Praga 
       R$145,44  
      Bus Praga > Budapeste 
       R$160,32  
       
       
      Hospedagem Berlim 
       R$1.582,35  
      Casa do Serkan 
      Reserva via AirBNB 
      Boelckestraße 80, 12101 Berlin, Alemanha 
       
       
      Hospedagem Praga 
       R$968,56  
      Golden City Hotel Garni 
      Reserva via Booking 
      Táboritská 913/3, 130 00 Praha 3-Žižkov, Tchéquia 
       
       
      Hospedagem Budapeste 
       R$683,82  
      Rákóczi Studio 
      Reserva via Booking 
      1074 Budapeste, Rákóczi út 64. I/17, Hungria 
       
       
      Dinheiro p/ levar (700 EUR) 
       R$3.303,51  
       
       
      Gastos Cartão de Crédito 
       R$724,61  
       
       
      Custo Total: 
       R$12.850,82 
       
      Provavelmente agora você está se perguntando como consegui me virar com 700 euros pra duas pessoas esse tanto de dia. Bom, primeiro deixo claro que meu estilo de viagem não comtempla o ‘turismo gastronomico’, não faço questão de comer em restaurantes e etc. Também não saímos a noite pra bares e baladas, não faz nosso perfil. Além disso, como deve ter notado, só ficamos em Hotel em Praga, nossas hospedagens em Berlim e em Budapeste tinha cozinhas e jantamos muitas vezes lá mesmo, comprando coisinhas fáceis de fazer no mercado. Pra aproveitar mais o dia, eu fazia uns lanches pra gente comer e não precisar parar pra almoçar. Não sou de fazer compras também, só trouxe imã de geladeira HAHAHA  
      Outro ponto também é que somos adeptos 100% ao transporte público, não usamos táxi ou Uber nenhuma única vez. 
      Os gastos no meu cartão foram basicamente as vezes que comemos em restaurante em Praga, que não tínhamos cozinha. Só em um desses foi 250 reais porque entrei no primeiro que vi e me danei HAHAHA, comida é um negócio muito caro.  
       
      ROTEIRO – BERLIM 
       
      6/10 – Saída de GRU  
      7/10 – Chegada em Berlim, Portão de Brandeburgo, Memorial do Judeus 
      8/10 – Checkpoint Charlie, Topografia do Terror, Mall of Berlim, Palácio do Reichstag, Siegessäule, Alexanderplatz 
      9/10 – Ilha dos Museus: Pergamon/ Neues/ National Galerie, Berlim Dom, West Side Galery, Memorial do Muro de Berlim 
      10/10 – Campo de Concentração de Sachsenhausen 
      11/10 – Fui em busca de lugares em que cenas da série Dark da Netflix foram gravados, longe da cidade 
      12/10 -  Teufelsberg, Tempelhofer Feld 
       
      ROTEIRO – PRAGA 
       
      13/10 – Saída de Berlim de ônibus, chegada em Praga, Relógio Astronomico, Ponte Carlos... (aqui foi só uma primeira passada, a gente passa diversas vezes por esses lugares lá né) 
      14/10 – Castelo de Praga, Kampa, Petrin, Labirinto de Espelhos 
      15/10 – Ossuário de Sedlec, Dancing House 
      16/10 – Museu do Comunismo, Sinagoga Velha, Cabeça do Kafka 
      17/10 – Vysehrad, Ilha Strelecky 
       
      ROTEIRO – BUDAPESTE  
       
      18/10 – Saída de Praga de ônibus, chegada em Budapeste, ‘ruin bar’ 
      19/10 – Ponte das Correntes, Castelo de Buda, Bastião dos Pescadores, Estátua da Liberdade 
      20/10 – Casa do Terror, Sapatos no Danúbio, Parlamento, Mini Cruzeiro no Danúbio
      21/10 – Praça dos Heróis, Termas de Széchenyi 
      22/10 – Última voltinha em Budapeste, Mercado Municipal, ida pro aeroporto  
      23/10 – Chegada em GRU  
       
    • Por Lucas Marcatti
      Pessoal que quer saber mais sobre como pedalar pela Europa, eu escrevi um livro sobre minha jornada pelos cantos deste velho conitnente.
      E lá se foram 3 longos anos desde que retornei de Atenas após minha soberana aventura pelos cantos de um velho e mitológico continente, provavelmente foi o ano mais incrível e inesperado da minha vida até agora.
      .
      E depois de muito trabalho, o livro está terminado, sim, eu tenho um livro!! Eu mesmo o fiz, nem acredito, escrevi 444 páginas de um livro! E é com uma imensa alegria que venho compartilhar com vocês esse trabalho que fui cultivando durante esses anos.
      .
      O livro está prontinho e só esperando para entrar em produção, mas para tornar esse sonho em realidade e poder compartilhar essa minha aventura com vocês, eu precisarei da sua ajuda, apoiando e compartilhando essa campanha no Catarse com amigos e familiares.
      .
      Clicando no link você saberá mais sobre o livro e as recompensas que acompanham esta campanha. Acesse e entenda melhor como funciona, é hiper simples! O site é melhor vizualizado pelo computador.
      .
      Eu realmente espero que juntos possamos fazer esse sonho se realizar!
      Link com informações completas sobre olivro e a campanha: 
      https://www.catarse.me/peloscantosdaeuropa

       
       






       





       


×
×
  • Criar Novo...