Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
anselmoportes

Mochilão pela Europa: Turquia, Balcãs e Europa Central. 2º Relato: ISTANBUL

Posts Recomendados

Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse:

São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga.

***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafes e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura.

Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de ISTANBUL.

LEGENDA

USD - Dólar Americano
EUR - Euro
BRL - Real Brasileiro
TRY - Lira Turca


Depois de 3 noites incríveis em Goreme, na região da Capadócia, segui minha viagem até Istanbul. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada.

4º dia de viagem: Goreme -> Kayseri -> Istanbul (11 de Setembro de 2018)

Meu vôo chegou no aeroporto de Ataturk por volta das 13h30. Fiquei de enviar uma mensagem via WhatsApp para o Emre, meu anfitrião, assim que eu chegasse. 

É muito difícil achar um sinal de wi-fi aberto lá no aeroporto. Aliás, fui descobrir mais tarde que é bem difícil achar em qualquer lugar de Istanbul. Sem alternativa, tique comprar um café no Mado Café do aeroporto (13TRY por um espresso, um absurdo!) para poder usar o wifi deles. Na hora de pedir a senha ao garçom que me servia, ele pediu para ele mesmo digitá-la e eu não ver qual era a senha. Ok.

Assim que tive acesso à internet enviei uma mensagem ao Emre avisando que estava a caminho. Existe um um ônibus, o HAVABUS, que vai até o centro da cidade, na TAKSIM SQUARE e tem um preço rasoável: 12TRY (mais barato que o café que havia tomado!).

Comprei o ISTANBULKART que é o cartão de transporte. Com ele vc tem acesso ao metrô, ônibus e trams. Custa 6TRY e a máquina não volta troco. Ou seja: se vc colocar uma nota de 10TRY vai receber o cartão com 4TRY de crédito.

Uma forte chuva caía e fomos sair as 14h30. Depois de 10min o ônibus parou. A rodovia estava interditada por conta de uma enchente na pista. Procurei algum sinal de wifi mas o único disponível pedia um número de celular para enviar um SMS com uma senha que liberaria o sinal. Perguntei para um rapaz turco que estava no ônibus se ele poderia receber esse SMS para mim e passar a senha. Ele disse que OK e consegui acesso à internet no ônibus. Avisei meu anfitrião que iria atrasar por conta da enchente.

Depois de uns 15 minutos o ônibus deu meia volta e seguiu por um caminho alternativo. Fui chegar à Taksim Square por volta das 16h e pouco depois o Emre chegou para me buscar.

Fiquei hospedado no bairro de Besiktas (15min da Taksim Square, de ônibus) numa área cheia de bares e restaurantes. Esse bairro não é tão radical com relação aos costumes muçulmanos então há uma grande concentração do pessoal mais jovem que se encontram lá pra beber, fumar narguilé e conversar.

No caminho passamos num supermercado e compramos umas cervejas. Chegando na casa conheci uma amiga do Emre, a Gökçe. Ficamos conversando e bebendo as cervejas quando por volta das 20h o Emre precisou sair para um compromisso.Deixei a casa com ele e fui até o supermercado MIGROS pra comprar o café da manhã: 4 pães, “mortadela” turca, queijo e 1 suco de Laranja - 43TRY.

Estava morrendo de fome e comi um KEBAB e tomei uma coca no MATRAK (18TRY).

***Dica: As comidas de rua (street food) são muito populares em Istanbul. E podem comer sem medo que tudo (ao menos o que eu experimentei) é muito bom!

Fui para um pub chamado AYLAK e tomei 4 Carlsberg (chopp 500ml) por 17TRY cada. Voltei pra casa às 23h15, tomei banho e fui dormir 0h.

Distância percorrida no dia: 7,5km🚶‍♂️


5º dia de viagem: Istanbul (12 de Setembro de 2018)

Acordei as 9h, tomei café e por volta das 9h30 estava saindo. Fui caminhando até a VODAFONE ARENA, estádio do time de futebol Besiktas. O próximo tour (40TRY) no estádio era as 10h30, mas o guia só falava turco. Paguei mais 25TRY e peguei um áudio-guia. Antes do tour começar vc tira uma foto na qual eles irão fazer uma montagem e te oferecer no final do passeio.

O problema de fazer esse tour com o audio-guia é que as informações que vc escuta nele não são tão rápidas quanto o guia turco. Então, em certos momentos, vc ainda está escutando a explicação de um determinado lugar da arena e o guia segue em frente, te obrigando a ir com ele uma vez que vc não pode ficar sozinho lá. Depois de reclamar que eu estava deixando alguns setores do estádio sem ter terminado a explicação do áudio, deixaram uma guia comigo.

Passamos pelas arquibancadas, vestiários, sala de coletiva de imprensa e bancos de reservas à beira do gramado. No final do tour vc ganha um certificado. Também te oferecem a montagem da foto que vc tirou no início do tour. Tem vc com jogadores, segurando uma taça, etc… mas por um preço absurdo. Não lembro o valor, mas não comprei.

Para ter acesso ao MUSEU do BESIKTAS tem que pagar mais 15TRY. Vale a visita (assim como todo o estádio) apenas para os fanáticos por futebol.

Deixei o museu e segui caminhando até a TAKSIM SQUARE (uma subida considerável). Lá peguei um metro e um bonde até SULTANAHMET e fui até a HAGIA SOPHIA. A Hagia Sofia já foi uma igreja, uma mesquita e hoje é um museu. A entrada custa 40TRY (aceita cartão) mas vale muito a pena. Ela é muito grande e imponente. Há vários símbolos muçulmanos, escritas em árabe antigo e, incrivelmente, há também uma imagem da Virgem Maria com o Menino Jesus em seu colo (lembra que ela já tinha sido uma igreja?). Lá dentro também se encontra a COLUNA DOS DESEJOS onde dizem que se vc passar a mão nela no sentido horário, seu pedido será realizado. Deixei o museu e vi que na lateral da direita há um acesso gratuito às tumbas dos imperadores. 

Quase em frente à mesquita há uma pequena lanchonete. Comi um KURUM TOAST (8TRY) e tomei uma coca (3,5TRY). Era um pão em forma de baguete, com uma carne não sei do quê, picles, maionese e ketchup. Claro que na foto o lanche estava BEM melhor, mas deu pra matar a fome.

Comi o lanche num banco sob uma árvore, descansei um pouco e fui pra MESQUITA AZUL, que fica de frente com a HAGIA SOFIA. Na entrada vc tem que tirar o calçado e é dado uma sacola de plástico pra colocar eles. A mesquita estava sendo reformada então muita coisa estava coberta. Ela me pareceu bem menor que a Hagia Sofia.

Sai da Mesquita Azul e fui para a CISTERNA DA BASÍLICA que fica ao lado esquerdo da Hagia Sofia. A entrada custa 20TRY e não aceitam cartão de crédito ou outra moeda que não seja Lira Turca.

A cisterna da basílica consiste em 12 x 28 colunas de sustentação (fica debaixo de Sultanahmet) e foi um enorme reservatório de água que hj está vazio. Posteriormente fiquei sabendo que quando a cisterna estava ativa haviam peixes nela. Motivo: saber da qualidade da água. Se os peixes começassem a morrer é que tinha algo errado nela. Passei pela CRYING COLUMN e a MEDUSA’S HEAD que fica na base de uma das colunas.

Por volta das 17h fui até o TOPKAPI PALACE (40TRY, aceita cartão). Lá dentro passei por uma coleção de relógios antigos, uma coleção de armas de guerra (armaduras, lanças, arcos, espadas, revólveres todos muito ornamentados, etc). O palácio tem um enorme jardim central. Ao fundo, alguns cômodos e um deles parecia uma biblioteca. Passei pela por um setor que tinha itens de cozinha: pratos, louças, porcelanas, panelas, etc. Deixei o local às 18h50 e voltei pra casa.

Chegando lá tomei um banho e conversei um pouco com o Emre. Por volta das 21h fomos a o encontro semanal do Couchsurfing num bar chamado SYMBOL CAFE. Fica próximo a Taksim Square, em uma travessa da Istiklal Street que é cheia de lojas, bares e restaurantes.

Conheci pessoas de vários países no encontro. Trocamos ideia até umas 23h30 e fomos para outro bar: JAMES JOYCE PUB. No terraço do bar havia uns turcos dançando umas músicas latinas. Mas o som estava muito ruim e decidimos ir embora.

No caminho de volta compramos mais 2 cervejas EFES. Chegamos em casa, tomamos as cervejas e conversamos até 2h30 quando fui dormir.

Distância percorrida no dia: 21km🚶‍♂️

6º dia de viagem: Istanbul (13 de Setembro de 2018)

Acordei às 9h25, tomei café e sai as 9h50. Voltei até SULTANAHMET e fui atrás do FREE WALKING TOUR, que começou às 11h.

A guia falou sobre a MESQUITA AZUL, sobre os banhos turcos que alguns podem custar até 60EUR por hora. Passamos ao lado da HAGIA SOPHIA e paramos num jardim em frente ao TOPKAPI PALACE. A guia comentou que nos anos 30 foi costituída a REPÚBLICA DA TURQUIA e os sultões deixaram de existir. O Topkapi Palace hj pertence ao governo e há alguns anos uma tetraneta de um dos sultões tentou pegá-lo de volta na justiça mas não conseguiu. 

A guia também comentou que Istanbul tem cerca de 3000 mesquitas. Deixamos o palácio e fizemos um coffee break num café ali perto. Passamos pela entrada da CISTERNAS DA BASÍLICA e nos falaram que ela foi construída para que a cidade, que era murada, tivesse acesso à água caso estivesse sendo atacada e não podendo abrir seus portões.

De lá passamos pelo HIPÓDROMO, que hoje é uma praça mas tinha corridas de cavalos e bigas na época que foi dominada pelos romanos. Lá perto tem um monumento trazido do Egito. Mas o obelisco era muito alto então tiveram que cortar ele pela metade e pegaram só a parte de cima.

No final do tour paramos atrás da Mesquita Azul, num restaurante que tinha um “preço especial” para quem fez o tour: 8EUR por um almoço com sopa, salada e prato principal. Não tinha muita fome então não fui ao restaurante.

Ali perto encontrei o ARASTA BAZAR que tem só uma rua de uns 200 metros. Voltei ao ponto e peguei um trama até o GRAND BAZAR. Esse sim é GIGANTESCO, com muitas lojas e muitas pessoas. Mas é o maior “tourist trap” de Istanbul, então apenas passei olhando as lojas e não comprei nada (até mesmo pq não cabia mais nada em minha mochila). Cheio de corredores e com lojas bem semelhantes uma das outras, não é difícil se perder nele. É praticamente impossível sair pela mesma porta que vc entrou.

A fome bateu então resolvi comer alguma coisa ali mesmo. Comi um TABKTA KEBAB (26TRY) e tomei um suco de romã (8TRY).

Deixei o Grand Bazar e caminhei por uns 10 minutos até chegar a MESQUITA SULEYMANIYE. Ela fica no alto de um morro e tem uma vista linda lá de cima. Por dentro ela é maravilhosa e, segundo um voluntário que trabalha nela, tem capacidade para 8000 pessoas. Esse voluntário me deu uns impressos em português, entre eles um alcorão.

Sai da bela mesquita e caminhei mais uns 10 minutos até o SPICE BAZAR, que é o Bazar das Especiarias. Ele é bem menor que o Gran Bazar uma vez que é em forma de “L”, mas achei mais bonito e conservado. Algumas lojas dão amostras grátis de seus doces e o colorido e cheiro das especiarias fazem aquele lugar ainda mais peculiar. Em uma das saídas desse bazar está a NEW MOSQUE que também estava em reforma e não tinha muito o que ver nela.

Ali perto está a GALATA BRIDGE que tem uma vista legal do ESTREITO DE BÓSFORO. De lá peguei um tram até KABATAS, um funicular subterrâneo até a Taksim Square e um ônibus até Besiktas. Passei num mercado, comprei umas cervejas e voltei pra casa.

Cheguei em casa e o Emre fez um macarrão com atum pra gente. Tomamos as cervejas, jantamos e ficamos conversando até umas 23h quando fui dormir.

Distância percorrida no dia: 14km 🚶‍♂️


7º dia de viagem: Istanbul (14 de Setembro de 2018)

Acordei as 8h50, tomei café e as 9h30 estava saindo. Caminhei até o DOLMABAHÇE PALECE, que fica em frente à Arena Vodafone (estádio do Besiktas). A entrada no palácio + harem custa 90TRY.

O palácio é muito bonito! Cheio de adornos, decorações e luminárias gigantescas. Também há algumas armas e utensílios de cozinha utilizados antigamente. O harém também é igualmente bonito e nele há um acesso a um dos banheiros. Uma pena não poder tirar foto em nenhum desses dois lugares.

Do lado de fora tem uma galeria de pintura mas para entrar tem que pagar mais 20TRY.

Deixei o palácio, passei pela DOLMABAHÇE MOSQUE, uma mesquita ali perto. Fui até o ponto de Kabatas e peguei o T1 (tram 1) até próximo a GALATA TOWER.

Havia uma fila de 20 minutos pra subir na torre (35TRY). Enquanto esperava pra entrar, comi um SIMIT que é um pão com gergelim em forma de argola (1,50TRY).

***Dica: Há carrinhos de SIMIT espalhados por toda Istanbul. Bateu uma fominha? Simit! Melhor custo-benefício que vc vai encontrar nas ruas.

A torre foi construída em 562 e lá de cima vc tem uma vista 360º da cidade. O tempo estava nublado então as fotos não ficaram muito boas, mas vale conhecer.

De lá eu caminhei uns 10 minutos até TUNEL que é uma linha de metrô com apenas duas estações e é uma das mais antigas da Europa. A estação da outra ponta me deixou no começo da Istiklal Street e caminhei por ela toda até a Taksim Square. Lá eu acessei o wifi do Starbucks e vi como chegar no estádio do FENERBAHÇE. Era 16h e vi que o último tour seria às 17h30

Além dos ônibus, Istanbul também conta com um tipo de lotação chamada DOLMUSH e a tarifa varia de acordo com o ponto que vai descer: quanto mais distante, mais caro.

O estádio fica do outro lado do estreito de Bósforo, no lado asiático da cidade. Levei 1 hora pra chegar lá. Entrei na loja do clube e perguntei a um vendedor sobre o tour. Ele foi muito grosso e ríspido dizendo “Não tem tour! Estádio fechado!”. Daí eu perguntei se havia ao menos um museu ou outra coisa que poderia visitar e ele: “Não! Tudo fechado!”. Então tá…

Sai do estádio e não consegui nenhum sinal de wifi. Tive que achar meu caminho de volta da “forma antiga”: perguntando para as pessoas na rua.

Primeiro pedi informação para um cara e ele pediu para eu seguir ele pq ia para a mesma direção. Pegamos o mesmo ônibus e ele me disse que ponto deveria descer pra pegar outro ônibus pra Besiktas.

Desci num pequeno terminal com vários pontos, mas não achei informação de onde passaria o meu ônibus. Perguntei pra duas garotas e elas me mostraram onde era meu ponto.

Chegando no ponto perguntei para um cara qual ônibus pra Besiktas e ele disse que estaria indo pra lá que poderia ir com ele. Descemos no mesmo ponto. Agradeci o rapaz e segui meu caminho

***Nota: Percebi uma coisa interessante sobre o povo de Instanbul: as pessoas que teoricamente deveriam ser educadas com vc (garçons, vendedores, etc) não são. Mas, por outro lado, as pessoas que não teriam obrigação nenhuma de ser educadas, são super legais! Praticamente todo mundo que pedi informação na rua foram extremamente educadas e solícitas.

Passei no supermercado, comprei umas cervejas e voltei pra casa. Cheguei lá por volta das 19h e tomei umas cervejas com Emre e a Gökçe. Umas 20h saímos para uma ver uma exposição de arte de uma amiga do Emre.

Passamos pela exposição e depois fomos comer num restaurante que servia só sopas. Tomei 2: uma de IOGURTE e outra de TOMATE. Estavam muito boas e paguei 14TRY em cada.

Fomos a um apto de uma amiga da Gökçe, a Elif. No caminho compramos umas cervejas. Ficamos bebendo e conversando até umas 2h. Decidimos dormir por lá mesmo pq era muito tarde.

Distância percorrida no dia: 17,5km 🚶‍♂️


8º dia de viagem: Istanbul (15 de Setembro de 2018)


Acordamos as 8h50 e deixamos a casa da Elif. Caminhamos até a Taksim Square e pegamos uma Dolmush de volta pra casa. Chegamos 9h30 e fui dormir mais um pouco. Acordei as 10h30, tomei café e fui para o centro.

Através do Couchsurfing eu tinha combinado de encontrar outro couchsurfer local, o HAMZA. Por volta do meio dia encontrei com ele em Sultanahmet. Ele me apresentou um amigo (que tb é couchsurfer) chamado FATIH. Ambos são estudantes de Ciência Política e estavam muito curiosos pra saber qual era a situação política do Brasil naquele momento.

Caminhamos pelo PARQUE GÜLHANE (ao lado do Topkapi Palace) e fui tentando explicar o turbulento período político que nosso país estava passando.

Chegamos à beira do canal e lá decidimos fazer o BOSPHORUS TOUR (20TRY). Existem vários barcos que fazem esse tour e não deve ser muito diferente um do outro. Mas, definitivamente, foi o melhor custo-benefício de Istanbul.

O passeio pelo Bósforo é muito lindo e dei sorte do tempo estar bom (fazia muito calor e sol) e ter 2 guias locais me explicando tudo desde onde ficava Sede Militar e Naval da Turquia até as escolas e universidades particulares, públicas e militares.

Depois de mais ou menos 1h e meia de passeio deixamos o barco e caminhamos uns 20 minutos até um KAHVE DÜNYASI, que é uma rede de café local estilo “Starbucks”. Tomei um café turco que estava muito forte mas muito gostoso. Depois pedi 2 bolas de sorvete: 1 de nozes e 1 de damasco.

***Dica: Não deixem de provar esse sorvete de damasco da Kahve Dünyasi! Eu não gosto da fruta em si mas decidi experimentar por ser uma fruta tradicional local. E não me arrependi! É muito, mas MUITO bom!

Conversamos muito sobre política, religião e futebol. Por volta das 17h decidimos ir embora. Fomos até uma estação de tram onde nos despedimos e voltei pra casa.

No caminho encontrei vários torcedores do Besiktas indo ao estádio e fiquei sabendo que o jogo seria às 20h. Na EAGLE SQUARE (Praça da Águia) havia uma enorme aglomeração de torcedores. Passei no supermercado e comprei 4 cervejas BONMONTI (8,50TRY cada). Cheguei em casa, tomei as cervejas com o Emre e decidimos ir ver o jogo do Besiktas em algum bar ali perto.

Todos os bares estavam lotados e depois de 10min procurando achamos umas cadeiras na calçada em frente a uma TV. Nos cobraram 15TRY para SENTAR NAS CADEIRAS e 18TRY por cerveja! Como não tínhamos escolha, aceitamos. Tomamos apenas 1 cerveja e no intervalo fui ao supermercado comprar mais pela metade do preço que estavam nos oferecendo lá.

O jogo foi horroroso e terminou 2x1 para o Besiktas. Fomos comer um kebab no MATRAK e de lá fomos a um bar ali perto chamado ROCK N’ ROLLA. Tomei 1 Guinness e 1 Toubourg. No caminho de volta passamos no supermercado e compramos mais 4 cervejas. Chegamos em casa umas 1h e ficamos bebendo e conversando até umas 2h30 quando fui dormir.

Distância percorrida no dia: 13,5km 🚶‍♂️

Fim do relato de Istanbul. Próximo relato: BUCARESTE.
 

DSC_0425.jpg

DSC_0456.jpg

DSC_0474.jpg

DSC_0594.jpg

DSC_0595.jpg

DSC_0622.jpg

gates_of_tomorrow.jpg

Mosque.jpg

praying time.jpg

spices.jpg

  • Gostei! 2
  • Vou acompanhar! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Roberto Tonellotto
      No mês de maio de 2018 viajei para a Itália com o objetivo de assistir a duas etapas do Giro d’Italia, uma das competições de ciclismo mais importante do mundo ao lado do Tour de France. Ao todo são 21 etapas. Nessa edição as três primeiras etapas foram em Israel antes de chegar na Sicília, já na Itália, e subir até o Norte e depois retornar ao Sul para a última disputa em Roma.
      Meu objetivo era assistir a 14ª etapa, com partida de San Vito Al Tagliamento com chegada no Monte Zoncolan. Assistir de perto uma final de etapa sobre o mítico Zoncolan na região do Friuli é o sonho de qualquer ciclista ou apreciador do esporte.  Considerada a montanha mais dura da Europa, com 10,2km e com ganho de elevação de 1.225 metros, torcedores do mundo todo disputam espaço ao longo de toda subida para ver de perto o sofrimento e a garra dos melhores ciclistas de estrada do mundo. Na tarde do dia 19 de maio eu e o amigo Tacio Puntel, que mora no país há 13 anos, estávamos estrategicamente colocados sobre a Montanha para assistir à chegada. Milhares de pessoas chegaram cedo ou até acamparam no local, onde a temperatura mínima naquela madrugada tinha ficado abaixo de zero. Mas tudo é festa. Ali ficou evidente para mim como a cultura do ciclismo é tão importante para a sociedade italiana e europeia. Mas para a alegria de alguns e a tristeza de outros quem ganha a etapa é o britânico Chris Froome (que se tornaria o campeão do Giro) seguido de perto por Simon Yates e em terceiro colocado o italiano Domenico Pozzovivo.
      No outro dia fomos até Villa Santina para assistir a passagem da 15ª etapa com 176km, que teve início em Tolmezzo e chegada em Sappada, também na região do Friuli. A passagem dos ciclistas ocorreu dentro da cidade. Sentados em um bar ao lado rua, podemos ver toda a estrutura envolvida para dar suporte as 22 equipes que somam quase 180 ciclistas. Ônibus, Vans, Carros de abastecimentos, motos, equipes de televisão, ambulâncias. Uma grande logística para um negócio milionário que percorreu mais de 3.571 mil quilômetros em terras israelenses e italianas.
      Mas nem só de assistir ao Giro se resumiu essa viagem. Após passar alguns meses planejando roteiros para pedalar na Itália, Áustria e Eslovênia, chegava a hora de pôr em prática. Narro a partir de agora alguns trechos de cicloturismo que realizei nos três países.
      Cleulis (Itália) –  Passo Monte Croce - Dellach (Áustria) – 70km.
      Acordei decidido que iria almoçar na Áustria. Para chegar até lá teria que enfrentar o Passo do Monte Croce Carnico, ao qual já tinha subido e tinha noção que não era muito difícil. O retorno porém, era uma incógnita. O dia estava bonito, a minha frente a espetacular Creta de Timau, a montanha de 2218m, me mostrava o caminho. Uma parada rápida para foto na capela de Santo Osvaldo e cruzo Timau, a última frazione antes de chegar à fronteira. A partir dali, só subida e curvas. Muitas curvas. Eram incontáveis os grupos de motociclistas, trailers e cicloturistas que desciam a montanha. A cada curva um novo panorama se abria. Placas indicavam a altitude, 900m, 1000m, 1200m, até alcançar os 1375m na fronteira Itália/Áustria. Depois, só alegria... Descida de 12km até Mauthen.
      Parada em Kotschach para foto e planejar o próximo passo. Viro à direita na 110 e o vale que se abre a minha frente (e que se estende por quase 80km até Villach) me faz recordar da Áustria dos cartões postais e filmes. Campos verdes infinitos e montanhas que ainda conservavam a neve do inverno. O que mais me impressionou foi o aroma. Um frescor no ar. Uma mistura de terra molhada com lenha verde recém cortada. Segui por esse vale até encontrar a primeira cidade, a segunda, a terceira. Resolvi que era hora de voltar. Encontro a Karnischer Radweg R3, uma ciclovia que acompanha um belo Rio de águas cristalinas. Chego novamente em Mauthen, compro um lanche reforçado e quando vejo já estou subindo os 12km em direção a Itália. Começa a chover faltando poucos quilômetros para a fronteira.
      Parada obrigatória no Gasthaus Plockenhaus. Tempo depois a chuva diminui e começo o último trato até a fronteira. Mais um túnel congelante. Pedalo forte para esquentar o corpo. Na fronteira, já aquecido, vou beber um café no Al Valico, no lado italiano. Como ainda tinha algum tempo até anoitecer e querendo aproveitar ao máximo a viagem, deixo a bicicleta no restaurante e parto rumo a um trekking montanha acima, rumo ao Pal Piccolo. O local foi cenário de um dos episódios mais sangrentos da Primeira Guerra Mundial e hoje abriga um museu a céu aberto, onde mantém em perfeito estado as trincheiras e equipamentos utilizados nas batalhas entre o Império Austro-Húngaro e Itália. Seria uma caminhada de 2km com quase 600m de subida. Logo comecei a ver alguns animais selvagens e neve.
      Nenhuma palavra pode descrever o que eu senti lá. É emocionante estar em um local de Guerra tão bem preservado a quase 2 mil metros de altitude. Ali as trincheiras ficam a menos de 30 metros umas das outras. A bateria da Gopro e do celular já tinha acabado. A minha também. Apenas uma foto registrou a chegada. Não demorei muito e comecei a descer. Depois de 40 minutos de descida até a fronteira, pego a bicicleta e desço em direção a Cleulis, sob chuva e vento forte.
      Grossglokner Alpine Road – Áustria – 30km
      O corpo cobrava o preço do esforço dos últimos pedais e do cansaço da longa viagem. O sábado amanheceu bonito na região da Carnia na Itália e fazia calor quando partimos rumo a Heiligenblut na Áustria. O contraste do verde das montanhas com alguns pontos de neve com o céu azul e a brisa leve nos lembravam que a primavera havia chegado e não iria demorar muito para o verão dar as caras. Por volta do meio dia chegamos a Heiligenblut. A partir dali eu seguiria pedalando. Rapidamente preparo a Mountain Bike, me visto, respiro fundo e começo a “escalar” os 15 quilômetros até o mirante do Grossglockner, a maior montanha da Áustria e a segunda da Europa, com 3797m de altitude. Os primeiros metros, com uma inclinação de 15% já demonstravam que o desafio seria vencido com paciência e força. O calor me surpreende, o Garmin marca 33 graus e uma altitude de 1295m, o que só aumenta o desconforto, que iria diminuir conforme ganharia altura. Pra quem já subiu a linha São Pedro, Cortado, Cerro Branco, Lajeado Sobradinho, Linha das Pedras ou Linha dos Pomeranos pode ter uma pequena ideia do que foi. Chegava na marca dos 11km de subida, na altitude de 2000 mil metros. Pausa para hidratação e para admirar a paisagem. Picos nevados, cachoeiras, mirantes, campos verdes. Impossível não ficar hipnotizado com tamanha beleza de uma das estradas alpinas mais bonitas do mundo. Depois de 2 horas e 15 minutos e algumas paradas para hidratação chegava a 2.369m com uma visão espetacular do Glaciar Pasterze com 8,5km de comprimento e do imponente Grossglockner. Depois de comprar alguns souvenires e comer um pouco, iniciei a descida que em alguns pontos era possível ultrapassar facilmente os 80km/h.
      Triglav - Kranjska Gora (Eslovênia) Tarvisio - Pontebba - Chiusaforte - Moggio Udinese (Itália)
      Parque Nacional Triglav, Eslovênia. Passava do meio dia quando inicio mais uma pedalada. O trajeto do dia seria quase todo em ciclovias através de vales. Segui até a fronteira em Ratece e dali até Tarvisio na Itália onde encontrei a ciclovia Alpe Adria que inicia em Salsburgo na Áustria e vai até Grado no litoral do mar Adriático. Feita sobre uma antiga ferrovia, asfaltada e bem sinalizada é considerada uma das mais bonitas da Europa. Diversos túneis, pontes, áreas para descanso e pontos para manutenção das bikes com ferramentas a disposição. Durante o dia cruzei por centenas de ciclistas e fui cumprimentado por japoneses, espanhóis, alemães, holandeses e claro, italianos.
      É um parque de diversão só para ciclistas. Um ponto de encontro de apaixonados por bicicleta de diferentes nacionalidades. Ali famílias pedalam tranquilamente, sem pressa. Mais do que uma atividade física, percorrer a Alpe Adria é uma viagem na história e nos valores culturais e ambientais do Friuli.
      A paisagem mudava constantemente, ao fim de cada túnel se abriam bosques selvagens, montanhas rochosas e rios com água em tons de azul. Parei na antiga estação de Chiusaforte que foi transformada em um bar para cicloturistas. Dessa cidade as famílias Linassi, De Bernardi e Pesamosca emigraram para a Quarta Colônia na década de 1880. Recarreguei as energias com café e cornetto e segui em frente encantado com a beleza do Rio Fella. Após alguns quilômetros, ao lado do Rio Tagliamento encontrei a cidade medieval fortificada de Venzone. Próximas paradas: Buia terra das famílias Tondo e Comoretto e a cidade de Gemona Del Friuli das famílias Copetti, Forgiarini, Baldissera, Londero, Brondani, Papis, Rizzi, Patat e tantas outras que dali saíram para colonizarem a região central do nosso Estado.
      Nos últimos quilômetros encontrei a belíssima planície friulana e Údine, Palmanova e Aquileia, a antiga cidade romana fundada em 181 a.C. que conserva vestígios arquitetônicos do Forum, do porto fluvial e os 760 metros quadrados de mosaico do século III na Basílica de Santa Maria Assunta.
      Já era tarde da noite quando cheguei em Grado. Degustei uma pizza e um bom vinho tocai friulano e adormeci ao som do Mar Adriático.
      Pendenze Pericolose
      Pendenze Pericolose é um hotel para ciclistas de estrada em Arta Terme. Estrategicamente localizado próximo das subidas mais desafiadoras da Europa como o Zoncolan e o Monte Crostis é também cenário para diversas competições esportivas. Foi ali que conheci seu idealizador, o romano Emiliano Cantagallo que deixou o emprego de Guarda do Papa para se dedicar inteiramente ao ciclismo e a hotelaria na região da Cárnia.
      Eu já acompanhava seus vídeos na internet com ciclistas profissionais em lugares incríveis onde ele demonstrava a paixão que sentia por aquela terra. Estando tão perto eu não poderia perder a oportunidade de ter essa experiência. Através dos amigos Tácio e Marindia Puntel o encontro foi marcado. No outro dia já estávamos na estrada, eu, Emiliano e Alessandra que também veio de Roma e estava hospedada no hotel. Fiquei espantado com seus níveis de condicionamento físico. Normal para quem faz por volta de 150km todos os dias. Nesse dia aliviaram para mim, seriam 100km e “apenas” duas montanhas.
      Foi um dia inesquecível, apesar do ritmo forte, conversamos muito. Emiliano contava sobre cada lugar: Sella Nevea, Tarvisio, Montasio... Falamos sobre o acaso da vida. Dois romanos e um brasileiro nas montanhas da Cárnia unidos por um esporte e com visões de mundo semelhantes. No meio do caminho, fizemos uma parada no Lago del Predil. Contemplamos o lago cercado por montanhas e nos abraçamos como velhos amigos.
      Foram mais de 500 quilômetros pedalados entre Áustria, Itália e Eslovênia durante a primavera do hemisfério norte. Foram 15 dias de imersão cultural, descobrindo e aprendendo. Permaneci a maior parte do tempo entre Arta Terme e Paluzza. Sentia-me em casa convivendo com pessoas que possuem uma ligação genealógica e afetiva com nossa região. Daquela área saíram as famílias Anater, Prodorutti, Puntel, Maieron, Dassi, Muser e Unfer. Se não fosse pela língua e pelas montanhas, diria que estava na Linha dos Pomeranos ou na Serraria Scheidt.  Na fração de Cleulis, em Paluzza, conheci as casas que foram de alguns emigrantes. Construções em sua maioria de dois pavimentos e que ainda se mantem intactas e bem cuidadas.
      Foi de Cleulis que iniciei mais uma pedalada, agora até o Lago Avostanis. Não fazia ideia do que ia encontrar quando parti às 7 horas de um domingo ensolarado e frio. Logo comecei a subir por uma estrada de terra que serpenteava a Floresta de Pramosio. Muitas curvas. Seriam mais de cinquenta nos dez quilômetros até o topo. A inclinação era absurda. A mata fechada permitia que apenas alguns raios de sol atingissem a estrada. Quanto mais alto, mais a temperatura diminuía e a paisagem se transformava. Parei em uma placa indicativa que mostrava em detalhes como a vegetação se dividia conforme a altitude. Assustei-me quando percebi que havia percorrido apenas um terço do caminho. O silêncio era quase total, ouvia apenas a minha respiração e o barulho do atrito dos pneus com o cascalho.  O ambiente, muito bem preservado, é lar de cervos e coelhos selvagens que saltavam de um lado para o outro. Na altitude de 1500 metros está a Malga Pramosio. Malga é uma espécie de estabelecimento alpino de verão, geralmente um restaurante ou bar com produtos típicos. Segui em frente. O caminho a parti dali só é possível ser feito a pé ou de bicicleta. Ainda havia muita neve em alguns pontos, o que exigia colocar a bicicleta nas costas e caminhar sobre o gelo ao lado de um precipício. Foi assim que cheguei a quase 2 mil metros de altitude no Lago Avostanis que ainda estava congelado. Foi o lugar mais bonito de toda a viagem, uma beleza que só se revela para aqueles dispostos a enfrentar a si mesmos e a respeitar o poder da natureza em sua forma bruta.
      Durante esse tempo pedalando por antigas estradas romanas, cidades medievais, atravessando fronteiras e exposto a uma diversidade de culturas e tentando me adaptar a cada uma delas, percebi uma coisa que mais me chamou atenção: o respeito. O respeito não só com o ciclista, mas com o ser humano em si. E o respeito se transformava em solidariedade, em empatia. Por diversas vezes, em bares e restaurantes principalmente no Friuli, recusavam-se que eu pagasse a conta. Não sofri qualquer tipo de preconceito por ser brasileiro ou por não ter sangue “puro” italiano. Havia apenas curiosidade e fascínio de ambas as partes.
      Foram tantos os detalhes que me chamaram atenção durante esses dias que são difíceis de enumerá-los. Desde beber água direto das fontes à beira da estrada até a generosidade daquele povo. É poder conhecer coisas assim quer torna o ciclismo tão especial. Não é apenas o lugar em si. Mas o modo que você o visita. As pessoas e as histórias que conheceu. O que você precisou fazer para chegar até ele e o quanto dele ficou em você quando foi embora.
       
      Roberto Tonellotto
      Vice presidente do Fogolar Friulano de Sobradinho - RS - Brasil
































    • Por iceflame23
      Hey pessoal! Td bemcom vcs??
      Seguinte, depois de ter feito um mochilão de 2 meses pela Europa com meu brother, gastando 10-15 libras/dia, wild camping, workaway, bem roots mesmo, estou planejando ir, no próx. Ano, pro sudoeste asiático, especialmente Tailândia e Vietnã onde vou fazer voluntariado num centro de cuidado com os animais e depois numa escola de inglês pra crianças. Após isso, eu pretendo lançar algum tipo de livro ou doc.
      Nesses meses que passei lá, resolvi fazer um ebook ensinando como comer de graça em Paris e Londres, pra quem é vegetariano/vegano pode se beneficiar também, aplicativos pra conseguir comida de graça, etc.
      Pra conseguir arcar com os custos da viagem pra Ásia, em um primeiro instante, eu coloquei um valor simbólico de 25 reais no ebook. Quem não puder, sem problemas. Se puder compartilhar com amigos, eu agradeceria imensamente.
      Pras primeiras 80 pessoas que comprarem, vão receber um Bônus extra de como ganhar $$$ comendo em restaurantes e pub’s na Europa (especialmente em Londres) e os aplicativos pra conseguir comida de graça. Só mandar um email pra [email protected] ou vc  pode deixar o seu email aqui que te envio o link de pagamento (via mercado pago).
      Gratidão.
       

    • Por RodrigoDigão
      Boa tarde pessoal, estou montando um roteiro para ir a as seguintes cidades, quem puder me ajudar com dicas, agradeço, meu perfil é de viajante que gosta de airbnb, zonas turísticas só para fotos, bares e cerveja! Estarei junto com minha esposa que curti a mesma coisa. Não somos de ir a restaurantes, somente para provar algo típico. 
      Minha ideia é a seguinte:
      SP / BARCELONA
      BARCELONA / PRAGA
      PRAGA / BERLIM OU ALGUMA CIDADE DA ALEMANHA 
      CIDADE ALEMà/  AMSTERDÃ
      AMSTERDÃ / BRUXELAS OU AMSTERDÃ / LISBOA OU AMSTERDÃ / SP
       
      Minhas dúvidas são qual a cidade da Alemanha, ou pulo ela. E a saída de Amsterdã, ou se já volto pra SP ou vou pra Bruxelas ou Lisboa.
      Lisboa já fui, mas PT é minha terra também. (ainda não tenho a cidadania).
      Todo esse roteiro pretendo fazer em 20 dias. Saindo dia 10/05 e voltando dia 30/05.
      Caso tenham alguma sugestão estou a ouvidos.
       
      Obrigado! 
    • Por anselmoportes
      Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse:
      São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga.
      ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura.
      Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de SOFIA.
      LEGENDA
      USD - Dólar Americano
      EUR - Euro
      BRL - Real Brasileiro
      RON - Leu Romeno
      BGN - Lev Búlgaro
      Depois de 3 dias em Bucareste (Romênia) segui minha viagem até Sofia, na Bulgária. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada.

      12º dia de viagem: Bucareste -> Sofia (Terça-feira, 18 de Setembro de 2018)
      Por volta das 23h30 meu ônibus Flixbus (USD 12,70) estava deixando Bucareste com destino à Sofia, capital da Bulgária.
      O ônibus não é NADA confortável e foi muito difícil dormir nele. Ao menos o wifi funcionava razoavelmente bem. Por volta das 2h o ônibus parou na fronteira mas nem precisamos descer: pegaram nossos passaportes, deram saída da Romênia e entrada na Bulgária e depois nos devolveram.
      Distância percorrida no dia: 20km 🚶‍♂️
       
      13º dia de viagem: Sofia (Quarta-feira, 20 de Setembro de 2018)
      Por volta das 6h30 estava chegando em Sofia. A estação principal fica ao lado da estação de chegada do ônibus da Flixbus. Entre as duas estações há um banheiro (BGN 0,6) e uma casa de câmbio. Dentro da estação central há também uma casa de câmbio, mas a cotação estava pior do que a do lado de fora. Fui no câmbio de fora e troquei RON 40 (peguei BGN 16,50) e EUR 50(BGN 95).
      Comi na estação central um salgado (BGN 1,30) e tomei 1 capuccino e 1 mocaccino numa máquina automática (BGN 0,6 cada). No subsolo da estação há um LEFT LUGGAGE e deixei minha mochila lá por BGN 2.
      Deixei a estação às 8h15 e fui caminhando até o centro. Depois de uns 30 minutos de caminhada cheguei até o PALÁCIO DA JUSTIÇA. Ao lado fica a CATEDRAL DE SVETA-NEDELYA. Entrei nela e estava tendo uma missa com um canto gregoriano (?) muito bonito. Tirei umas fotos e saí. Segui caminhando pelo centro e passei pela IGREJA DE SÃO NICOLAS. Andei mais um  pouco e voltei para o Palácio da Justiça, onde iria começar o FREE WALKING TOUR.
      Quem conduziu o tour foi o KRIS e ele foi um dos melhores guias que eu encontrei em toda a minha viagem. Passamos por umas ruínas romanas encontradas na escavação da estação de metro SERDIKA. Ali perto está também a PRAÇA DA TOLERÂNCIA, que tem esse nome pq fica próxima a 1 igreja ortodoxa, 1 igreja católica, 1 sinagoga e 1 mesquita. Passamos por vários outros lugares históricos.Terminamos o tour da Igreja de SANTA SOFIA que dá o nome a cidade.
      Depois do tour fui até o Centro de Informação Turística que fica passagem subterrânea da estação SOFIA UNIVERSITY. Peguei uns mapas da cidade e o rapaz que me atendeu escreveu um bilhete em búlgaro para me auxiliar a comprar o SOFIA CARD, que é o cartão de transporte. O guichê de compra do cartão fica ao lado do centro de informação turística. Comprei o cartão válido por 3 dias e paguei BGN 12.
      Ali perto da estação fica o KNYAZHESKA GARDEN onde tem o MONUMENTO AO EXÉRCITO SOVIÉTICO. Do outro lado do parque está o ESTÁDIO NACIONAL VASIL LEVSKI. Não há nenhum tour, museu ou centro de informação. Pedi para alguns guardas para entrar e tirar umas fotos mas nenhum deles deixou.
      Voltei para a estação Sofia University e peguei o metrô até Serdika. Fui até um supermercado chamado BILLA e comprei 1 sanduíche de salame e verduras, 1 pacote com 3 chocolates Mars e 1 cerveja DAMBURGER (BGN 5,20). Fiz meu almoço num banco em frente ao supermercado e por volta das 14h fui até o MUSEU DE HISTÓRIA REGIONAL. Para entrar custa BGN 8 e se quiser tirar foto tem que pagar mais BGN 15. Só paguei a entrada e deixei minha mochila num armário de lá. O museu fala como a cidade de Sofia foi formada e tem algumas peças da civilização que viveu lá há muitos anos. 
      Deixei esse museu e fui para outro: o MUSEU DE ARQUEOLOGIA. Lá tem várias peças de quando a Bulgária fazia parte do Império Romano e de até muito antes disso. Vi jarros, estátuas, potes, jóias, espadas, esculturas, etc.  Saí do museu e fui descansar um pouco no CITY GARDEN, que é um parque que fica em frente ao TEATRO IVAN VASOV.
      Fui para a estação central e peguei a minha mochila. Voltei para o Palácio da Justiça e atrás dele fica um ponto de bondes. Peguei o tram 5 que ia para a casa do Slavi, meu anfitrião em Sofia. Fui acompanhando o caminho do tram no Google Maps do celular. Um rapaz ao meu lado percebeu que eu não era de lá e disse que me avisaria quando chegasse a estação que eu deveria descer. Desci na estação certa e agradeci o rapaz. Fui chegar no apto do Slavi por volta das 19h. Ele me apresentou sua esposa, a Maria que nos serviu um delicioso jantar: feijão branco, almôndegas, pão, antepasto de pimentão, azeitonas e queijo branco. Depois de comer fomos num bar ali perto. Tomamos umas cervejas, conversamos bastante e voltamos. Tomei banho e fui dormir por volta das 23h.
      Distância percorrida no dia: 27km 🚶‍♂️

      14º dia de viagem: Sofia (Quinta-feira, 20 de Setembro de 2018)
      Acordei 8h50 e por volta das 9h estava saindo em direção ao centro. Resolvi visitar com calma os lugares que eu havia passado com o Free Walking Tour do dia anterior.
      Primeiro fui até a MESQUITA BANYA BASHI, que é bonita mas como havia passado por várias outras em Istanbul não me chamou muito a atenção. Depois fui SINAGOGA DE SOFIA. Para entrar há um guarda que faz uma revista nas bolsas e mochilas e é cobrado BGN 4. A sinagoga é muito bonita mas estava em reforma então tinha muita coisa coberta.
      Saí da sinagoga e fui para a ST. GEORGI ROTUNDA CHURCH que é a igreja católica mais antiga de Sofia. Depois fui até o teatro Ivan Vasov mas estava fechado.
      Caminhei até a CATEDRAL DE ST. ALEXANDER, que é a 2ª maior catedral ortodoxa dos Balcãs e uma das 5 maiores do mundo. Nela cabem até 10.000 durante a missa. A entrada é gratuita, porém tem que pagar BGN 10 para tirar foto. A catedral é muito bonita e imponente.
      Ali perto está a Igreja de Santa Sofia que não é tão grande, mas é bonita. Sob a igreja há um museu arqueológico.
      Depois fui até um supermercado BILLA que fica na passagem subterrânea da estação Sofia University e comprei 1 salgado de salsicha, 2 waffles tipo “bis” e 1 cerveja ASTIKA. A conta toda ficou em apenas BGN 1,78! Fiz meu lanche numa mesa do McDonald’s que tem ao lado do supermercado.
      Peguei o metrô até a estação DIMITROV e fui até o MUSEU DE ARTE SOCIALISTA. Caminhei uns 10 minutos e o museu fica meio escondido, ao lado de um prédio comercial com um café no térreo. O museu (entrada é BGN 6) tem 3 partes: um jardim com estátuas de líderes socialistas ao céu aberto, uma pequena sala de exibição que passa 2 filmes (aprox. 15 min. cada) sobre as conquistas e desenvolvimento do socialismo na Bulgária. A 3ª parte é uma sala que exibe vários pôsteres de propaganda socialista e outros eventos ligados como: A queda do muro de Berlin, Primavera de Praga, fim da I Guerra Mundial, etc. Eu gostei muito desse museu e recomendo a visita!
      Voltei ao centro e fui até o Palácio da Justiça pegar o COMMUNIST TOUR que saiu às 16h. Nosso guia foi o VASIL (ou VASCO) e ele foi muito bom! Explicou muita coisa sobre a era comunista da Bulgária, desde a arquitetura dos prédios e as manobras que o governo fazia para manter a população longe das igrejas. Os principais líderes comunistas foram GEORGI DIMITROV e THEODORE JIVKOV. O tour terminou por volta das 19h30 no belíssimo PARQUE  PALÁCIO NACIONAL DA CULTURA.
      ***Nota: Como o nome diz, os Free Walking Tours são gratuitos e vc não tem obrigação nenhuma de dar a gorjeta no final. No entanto, a maioria dos guias depende exclusivamente dessa atividade para viver. Eu costumo dar de gorjeta algo em torno de EUR 10 (ou esse valor convertido na moeda local). Mas isso, claro, vai de cada um.
      Caminhei pela VITOSHA BULEVARD até o ponto de tram atrás do Palácio da Justiça. No caminho peguei uma fatia de pizza de pepperoni no GRAB N’ GO (BGN 2,20).
      Cheguei em casa e conversei um pouco com o Slavi. Saí para comprar umas cervejas e uns salgadinhos para assistirmos o jogo entre LUDOGORETZ (time da Bulgária e tem vários jogadores brasileiros) x Bayern Leverkusen. Assistimos ao jogo que terminou Ludogoretz 2 x 3 B. Leverkusen. 
      Antes de dormir me despedi do Slavi pois eu iria partir no dia seguinte e não iria mais ver ele.
      Distância percorrida no dia: 21km 🚶‍♂️
       
      15º dia de viagem: Sofia -> Belgrado (Sexta-feira, 21 de Setembro de 2018)
      Acordei as 8h50 e as 9h30 estava deixando a casa do Slavi e da Maria. Como meu vôo para Belgrado era só às 16h, fui até a estação central e deixei minha mochila mais uma vez no guarda-volumes.
      Peguei o metrô até o PALÁCIO NACIONAL DA CULTURA (a estação se chama NDK). A entrada é pelo lado esquerdo do prédio mas só tem acesso à bilheteria. Até pedi para ver como era o prédio por dentro mas não deixaram.
      Caminhei pela parque em frente (onde terminou o Communist tour do dia anterior) e voltei à Vitosha Bulevard. Peguei uma fatia de pizza (BGN 2,20) e comprei uma cerveja num supermercado na rua paralela (BGN 1,20). Enquanto fazia meu almoço um bêbado veio falar comigo. Apesar de não falar coisa com coisa, ele mandava muito bem inglês.
      Por volta das 13h voltei para a estação, passei no supermercado BILLA e comprei uns chocolates (BGN 2,50) e às 13h30 estava pegando o metrô para o aeroporto. A viagem do centro ao aeroporto leva uns 45 minutos e fui chegar lá 14h15.
      Fiz check-in e 16h10 estava decolando sentido Belgrado.
      FIM DE SOFIA
      Próximo relato: Belgrado
       









×