Ir para conteúdo

China - Pequim, Pingyao, Xian, Xangai, HK (2,5 semanas)


mcm

Posts Recomendados

  • Membros de Honra

Como já mencionei no relato (3 dias no Qatar) que efetivamente começa esta viagem, Depois de 2 anos sem férias (troca de emprego = menos férias), 2019 era novamente vez das férias de 20 dias. Alvo era novamente Ásia. Japão, China, Indonésia, Filipinas, Coreia, o leque era grande. Com as passagens no Brasil escalando Himalaias, já na virada do ano comecei a prestar muita atenção nas promoções que surgiam no celular (Melhores Destinos) e email. E eis que surge a Qatar com 3 pratas para a China, partindo de São Paulo. Achei o preço muito bom, e logo fechamos. Ainda acho que foi um ótimo preço – no entanto foi a passagem mais cara de todas as viagens que já fizemos nesta década.

Como era pela Qatar, tivemos a chance de programar um stop-over em Doha e conhecer a cidade, o que relatei aqui

Antes do relato, vou traçar umas considerações gerais.


China?
Sim, China! Conheço uma penca de outras pessoas que já foram, mas quase todas a negócios. Mergulhei em relatos – li diversas vezes os dois excelentes relatos que tinham aqui no mochileiros.com – e identifiquei que, se por um lado é um lugar moderno e em constante modernização, teríamos problemas com língua, costumes e afins. Presumidamente mais que em outros cantos do mundo em que já estivemos. Isso nos atraiu, de certa forma, e gerava uma certa ansiedade e curiosidade. Aquela coisa de sair da zona de conforto.


Mas onde na China?
País grande demais, tinha de escolher onde ir. Chegada e partida de Pequim, que era nosso porto. De cara buscamos as cidades mais ‘famosas’ (ao menos no nosso subconsciente), Xangai e Hong Kong. HK, aliás, hoje pertence à China, mas funciona meio que de modo separado. É China, mas não é. É por aí. Entre Pequim e Xangai tem Xian, famoso local dos guerreiros de Terracota. Rapidamente Xian entrou também. Por serem cidades grandes, alocamos uma quantidade razoável de dias para cada cidade (5 em Pequim, 4 em Xangai, 4 em HK), para permanecer mais dias nas cidades e se deslocar menos. País continental, quanto mais deslocamento, menos tempo curtindo. Imaginamos também o tempo de deslocamento *dentro* das cidades.

Mas sobrava alguma folga. Fiquei fascinado com Zhangjiajie, mas Katia não se empolgou tanto. De modo que acabou sacada da viagem – ficou para uma próxima vez. Adoraria ir ao Tibete, mas a longa distância e o eventual perrengue (eventualmente a entrada fica proibida) me fizeram descartar também. Entre outras opções consideradas, no fim das contas incluí Pingyao nos dias faltantes. Ficava entre Pequim e Xian e parecia uma charmosa cidade pequena, coisa que faltava no nosso roteiro. Era tipicamente um lugar que incluiríamos num fim de viagem (tipo Cesky Krumlov, Bled, Bruges), mas que acabou no começo por força logística.

Olhando para trás, eu mudaria muito pouco. Talvez cortasse um dia de HK, e teria incluído um para Suzhou. O galho é que as distâncias são grandes, ainda que preenchidas de forma veloz pela formidável malha ferroviária chinesa.

Tendo mais tempo, teria ido a Hua Shuan, explorado os arredores desde Pingyao, mais ainda os arredores de Xian, Tibete e tantas outras coisas que tem por lá.

Como foi?
Foi ótimo, deu tudo certo. Curtimos demais, andamos demais, conhecemos demais, maravilhamo-nos demais. Tivemos menos problemas que o esperado.

Quando voltei, sonhei com a China durante toda a semana seguinte. De noite saciava a seca assistindo a Pula Muralha e 2 a Mais, 2 interessantes e divertidos canais no Youtube com temática chinesa.


Visto 
Rolou certa burocracia para emissão do visto. Felizmente moramos muito perto do consulado, então resolvíamos tudo rapidamente. Em nossa primeira ida, Katia não podia entrar de bermuda (!!), tinha de ser calça abaixo do joelho. As instruções dizem para preencher todos lugares onde iremos e estaremos (hotéis), e assim fizemos. Chegando lá, descobrimos que, mais importante que isso, é manter a formatação de 4 páginas. Então, contradizendo as instruções, melhor suprimir informação. No fim das contas, refazer o formulário. Para fechar, precisávamos de 2 entradas (iríamos a Hong Kong no meio da viagem, e, embora seja tecnicamente China, conta como saída), mas isso nos foi negado por conta de o passaporte ter validade somente até o fim do ano. Para 1 entrada, ok. Para 2, precisava de 9 meses de validade. Mas o cônsul deu a dica: se vc renovar o passaporte, te dou entradas múltiplas. Pensei rapidamente e optei por essa alternativa. Renovamos, ainda usamos na viagem ao Peru semanas antes, e depois pegamos o visto. Tudo certo, amém.


Escrita, língua, etc.
Segundo o Lonely Planet a China tem 8 grandes grupos de dialetos. Dentre vários outros pelo país... O mandarim é o mais famoso e oficial, o cantonês vem em seguida. Sobre a escrita está dito que sabendo de 1200 a 1500 dá pra se virar. Sabendo de 2000 a 3000 já dá pra ler jornal. Um indivíduo mais educado usa de 6000 a 8000 dos caracteres. Ou ideogramas, seja como for.

Era para eu ter aprendido minimamente alguma coisa de chinês, mas a verdade é que aprendi praticamente nada além de oi e obrigado em chinês. Lá se vão os tempos em que cheguei a aprender cirílico para me virar na Rússia, agora tenho tido cada vez menos tempo de planejar.

Foi bem complicado de se comunicar em geral – e, ainda assim, foi menos complicado do que eu esperava. Talvez tenha criado expectativas de quase não comunicação. Mas existe gestual, existe mímica, existem as palavras que a galera já sabe (beer!) e existem os tradutores. Seja do google, seja algum local – usei algumas vezes, e usaram comigo também. Quando digo que foi complicado se comunicar é pra reforçar o que se diz em geral: são raros os que falam inglês.

Comparativamente, eu diria que deve ser próximo ao que um estrangeiro se depara ao visitar uma cidade brasileira: não há praticamente nada em inglês.

Levamos o nosso livrinho icoon, de ilustrações que ajudariam na comunicação, achando que finalmente dessa vez iríamos precisar! Mas não usamos. Na hora da dificuldade, ou rolava a desistência, ou chamavam alguém que falava inglês, ou usávamos algum tradutor digital. Compramos o icoon no começo da década. Hoje parece defasado.

Ah, de tanto ouvirmos galera contando até três para tirar foto, memorizamos algo como “i, ar, san”..., ou coisa semelhante. Então sabemos contar até 3 em chinês.


Pessoas
Em 10 entre 10 relatos que li, a galera relatava que se depararam com chineses que não eram lá muito amigáveis, ou que eram antipáticos, ou que se recusavam a ajudar, etc. Alguns textos chegavam a desprezar a população local. Acho que tive sorte: só tivemos contato com pessoas legais. Em diversas ocasiões em que caímos no lost in translation as pessoas buscaram nos ajudar. Chamavam alguém que falava alguma coisa em inglês, ou usavam algum aplicativo tradutor local, ou facilitavam logo as coisas (uma guarda não conseguia nos fazer entender que precisávamos do passaporte para obter os ingressos de um museu, então decidiu nos dar logo os ingressos), usavam as mãos, ou muito simpaticamente nos faziam entender que não haveria como nos comunicarmos, etc. Claro que vimos fura-filas (mas só pegamos micro-filas) e outras coisas de que nem me lembro direito, mas nada que se comparasse ao que li antes de viajar. Achamos os chineses pessoas legais e sorridentes em geral.

E lá rolou uma coisa que vivemos na Índia, que é a galera pedir para tirar foto conosco (ou efetivamente nos fotografar). Curtimos bastante, tiramos várias fotos juntos.

 

 

 

 

 

Filas
Novamente, dez entre dez relatos sobre a China me alertavam para eu relaxar e me acostumar ao fato: haverá filas. Relaxei e esperei por isso. E, creiam, não peguei filas na China. Nem eu acredito nisso. Deve ser até manchete de jornal, mas é verdade. Não me refiro a fila de 2 ou 3 pessoas à sua frente, nem considero isso. Tô falando das filas de que se espera na China, quilométricas, com dezenas ou centenas de pessoas. Não pegamos. De novo: li que era para esperar por isso, e, repito, li isso em TODOS os relatos. Mas nada. Era uma surpresa atrás da outra. Na chegada na imigração (onde?), na hora de comprar ingresso (cadê a fila?), na hora de entrar na atração (fila, onde?), seja para entrar no Aeroporto ou estação de trem (para embarcar tinha, naturalmente), nada. No nosso último dia, enfim, nós vimos uma fila – para entrar na Praça da Paz. Era dessas que esperávamos ao longo de toda a viagem. E desistimos, o combinado era conhecer o Mausoléu do Mao somente se não houvesse fila. Era um sábado pela manhã. Até hoje fico impressionado com isso, e por isso repito: não pegamos fila na China. 


Comidas
Busquei sempre comer coisas locais, evitei ao máximo a tentação da comida ocidental (mas cedemos à indiana!). Acho que tolero bastante comida apimentada, mas houve umas duas vezes em que estava MUITO apimentado (tive de comer em etapas, ehehehe). Comemos desde churrasquinho de rua até em restaurantes um pouco mais refinados – mas nem tanto, o Lonely Planet classificava com dois cifrões de um máximo de 3. Comi muita coisa boa, e outras tantas que não me disseram nada. Não desgostei de coisa alguma, mas em muitas vezes achei que não havia muito sabor. Pode ser em decorrência de as coisas não terem muito sal nem muito açúcar (ou melhor, de ter muito pouco de cada). Por exemplo, num trem eu comprei uma pipoca. Parecia ser de sal, mas não tinha gosto nem de sal, nem de açúcar. Fui até o vagão restaurante atrás de um saquinho de sal (a conversa foi desenrolada via tradutor deles) – e não tinha! A pipoca era daquele jeito mesmo.

Visitamos diversos food stalls. Sempre que havia algum, percorríamos. Era muito bacana, vimos diversas coisas das quais não fazemos ideia do que se trata. Vimos comidas com cores maravilhosas – lembro de comer uma massinha com recheio algumas vezes, que pelo visto eles coloriam. Não sei o que era, mas eu gostava, era levemente doce. Lembro de ver diversos bichos e partes de bichos nos espetos. Algumas coisas identificávamos, outras não sei até hoje. Muito diferente e distante do que estamos habituados. Patas de galinha, rabo de alguma coisa, pata de porco (ao menos parecia), sapo, alguma coisa que se parecia com um pintinho, tudo isso vimos em espeto para churrasco. Comi espetinhos do que presumo que era carne de porco e ou carneiro. Era bom e geralmente barato. Katia comeu espetinho de polvo, e também gostou. Comemos vários quitutes (?) que comprávamos pela beleza, mas o sabor, como falei, não me dizia muita coisa. Não havia regra: comemos muito bem em locais bem populares e guerreiros. Comemos bem em restaurantes mais caros. Não comemos mal em canto algum. Em geral curtimos muito, mas observávamos mais do que comíamos. Via de regra, em viagem, só temos uma refeição – a janta.

Ah! Em n cantos eu li e em n ocasiões ouvi: “não coma comida de rua”. Ignoramos. E foi muito legal!

Segue então um flood de fotos de comida:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Chás
Bebemos inúmeros chás de garrafinhas, que comprávamos em qq vendedor de rua. No fim da viagem já conseguíamos identificar alguns de que gostávamos mais. Chás mais refinados de casas de chá, não fomos. Eventualmente pedimos nos restaurantes, mas preferimos sempre cerveja, ahahaha. A rigor, não somos muito de chá, embora eu, carioca, beba muito Mate. Café é uma coisa que achei bem cara por lá. 

Compramos (pó? granel? de) chá numa lojinha de Pingyao, que levamos para o resto da viagem. Esses eram muito bons. Então tomávamos chá antes de dormir todas as noites, pq em toda hospedagem na China tem garrafa térmica – tal qual Inglaterra.

 



Restaurantes
Os pratos vão chegando conforme ficam prontos, não tem isso de servir tudo junto. Tal qual outros cantos da Ásia, aliás. Os pratos são sempre apimentados. Vc pode evitar de comer os pedaços de pimenta, no entanto. Eu sugiro treinar o paladar. Ou apelar para comidas ocidentais, o que evito – e evitei. Eu não sou de comer pimenta no dia a dia (Katia sim, todos os dias), mas encaro numa boa. Achei a comida na China bem mais apimentada que na Índia, por exemplo (na Índia não comi carne).

Esqueça essa coisa de carne sem gordura, sem osso, sem cartilagem. Lá vai tudo.

Na China não tem 10% na conta. Em HK tem.


Pagamentos
Nós, turistas, pagamos em cash mesmo. Mas vi a galera local pagando tudo com celular via QR code.


Google
Toda a plataforma google é bloqueada, é verdade. Nada de gmail, nada de google.com, nada de maps, nada de Instragram, nada de whatsapp.... Mas whatsapp funcionou em alguns poucos momentos, não entendi o pq. Funcionou eventual e pontualmente entre Pingyao e Xangai. 

Isso NÃO se aplica a Hong Kong e Macau, onde o google funciona normalmente. Muita gente que não vive sem google acaba pagando por um VPN para burlar a censura. Katia fez isso e funcionou. Eu desencanei e preferi ficar sem google mesmo. Em geral, achei a Internet lenta por lá, provavelmente por ser controlada.

A rede social predominante por lá é o we chat. Vimos em vários cantos.


Mapas
Li em diversos cantos que o google maps seria inútil por lá. Como o Google é bloqueado e sequer é possível baixar os mapas para ver offline, de fato não haveria como. No meu caso o google maps até aparecia, acho que os mapas ficaram no cache. Mas atesto: o google maps na China é fora de prumo, não é preciso. A dica é usar o maps.me – esse app foi salvador! Em alguns casos é até melhor que o google maps – ele fornece, por exemplo, a rota a pé de um ponto a outro, mesmo offline. Baixei os mapas antes e marquei alguns dos pontos que eu havia mapeado. Funcionou quase 100%, somente um ou outro ponto que estava mapeado errado. Então #ficaadica, na China usar MAPS.ME.


Templos
Via de regra limpíssimos e quase sempre parecendo novíssimos (repintados, ou conservados, seja o que for). Exceção somente para templos menores que visitamos em Pingyao, que pareciam estar mais empoeirados.


Hábitos
Vimos e ouvimos escarradas sim. Arrotos também. É relativamente comum, embora praticado por pessoas mais velhas. Mas não vi essa prática em locais públicos muito limpos, como metrô, estação de trem etc. – digo, não via escarrar no chão, nesses casos a galera ia escarrar na lixeira. Em HK ouvimos muito menos.

Confesso que não vi, ou não reparei, se a galera come de boca aberta – essa era outra impressão que li de outros viajantes. Também não vi xixi em copo ou crianças com a parte da bunda aberta (mas a verdade é que não reparei). 

Mas vi campanhas educativas pelas cidades, sobretudo em vídeos no metrô: parar para pedestres atravessarem, estacionar em faixas determinadas, não fazer xixi nas ruas (e sempre havia banheiros públicos grátis!).


Banheiros
Encontrados com muita facilidade em tudo quanto era canto. Em Pequim, por exemplo, todo hutong tem banheiro. Às vezes mais de um e próximos uns dos outros. Eram sinalizados nas cidades, e em geral limpos. Para mulheres era mais complicado por conta do padrão chinês/asiático (squat position) – Katia conta que nem todos os femininos tinham privadas ‘ocidentais’ ou divisórias.

 

 

Limpeza
As ruas (e parques, e praças, e tudo quanto era lugar) das cidades onde estivemos na China são em geral MUITO limpas. Sem padrão de comparação com a imundície das grandes cidades brasileiras. Vi sim pessoas jogando coisas no chão na maior cara de pau, mas sempre havia alguém para limpar isso também. Lixeiras eram encontradas com facilidade.

HK é visivelmente mais suja. Mas, ainda assim, muito menos que o Rio de Janeiro, por exemplo.

Vale dizer: via de regra os jardins são MUITO bem cuidados, lindos. E as flores parecem perfumadas. Cheguei a desconfiar que borrifam perfume nos jardins.


O trânsito e as ruas
Em Pequim é tipo Brasil: o pedestre está em último na escala de prioridades. O mais forte vem em primeiro lugar. Bicicletas e elétricas têm pista exclusiva, no canto das avenidas. Largamente desrespeitada por carros, que por muitas vezes vi estacionados nelas, quando não havia divisória. Geralmente motos e elétricas transitam por lá, na área reservada a elas, mas não era incomum estarem nas calçadas também. Tal qual Brasil, ciclistas e motociclistas entendem que sinalização de trânsito serve apenas para carros. Seja sinal vermelho ou mesmo contramão. Habituados ao esquema Brasil, atravessávamos a rua do nosso jeito também. Em regra, ao atravessar ruas e avenidas, olhe para todos os lados, inclusive para trás. Lembre-se, vc como pedestre está em último na escala de preferências. Dito isso, reitero: para brasileiros não é muito diferente do que vivemos no dia a dia.

Em geral as placas de proibido bicicleta, em áreas de pedestres, são solenemente ignoradas por bicicletas mecânicas, elétricas e motos. Buzinas avisam que vc deve sair da frente de quem tem prioridade na prática.

Achei o trânsito mais organizado em Xian e Shanghai; Pingyao não conta muito. Em Hong Kong era mais 1º mundo.

Em Hong Kong, nada de motos e bicicletas e elétricas. Lá havia trams e ônibus dois andares.


Metrô e transportes internos
Muito tranquilo de se usar. Máquinas com menu em inglês em todas as estações. Basta indicar a sua estação final e pagar que tudo se resolve. Necessário guardar os bilhetes até a saída. Se vc decidir mudar de planos durante a viagem? Sem galho, só pagar a diferença na estação de saída (tem guichê para isso). Metrôs novos e modernos, e muito, muito limpos. Em Pequim o painel de cada vagão indicava em qual porta sair na estação seguinte. Muito útil no rush! Mas não era em toda e qq linha.

Tendo um guia à mão, é bom saber qual a melhor saída para sua atração. Poupa tempo. De qq forma, as estações têm mapa.

Em vários vagões reparamos em vídeos educativos que (presumo) o governo patrocine para educar os modos da galera. Do tipo: ceder lugar aos mais velhos, grávidas ou portador de necessidades; não cuspir; não sujar; deixar o lado esquerdo livre nas escadas rolantes (neste caso funcionava somente algumas vezes, tipo Brasil), etc. Mas não vi galera retirando a mochila das costas em vagões lotados.

Para entrar no metrô vc sempre precisa passar por raio x e detector de metais. Mas só pra constar, a inspeção é leve. Em HK não tem isso de raio x e detector. 

Vimos algumas estações com guardas. Eles entravam em alguns vagões também. Esses guardas do vagão sempre desembarcam e aguardam sinal de embarque para retornar. E impedem outros de entrar quando o sinal toca. Vimos tbm pessoas pedindo informações a eles.

Ônibus é complicado pq todas as infos estão em chinês. Mas em HK andamos de ônibus, as infos estavam bem descritas em inglês em cada ponto.


Leões nas portas
Isso é algo que vc vai ver em tudo quanto é canto. Seja cidade pequena, seja nos grandes centros. As entradas estão guarnecidas por dois leões de pedra. Normalmente o macho está com a pata sobre uma bola e a fêmea tem a pata sobre um filhote (parece esmagar, mas na verdade está acariciando – ou protegendo?). Estão lá para espantar maus espíritos.
 

Tomada
Levamos um adaptador universal, mas não foi necessário. A tomada de dois pinos funciona numa boa por lá – em um lugar que ficamos em Pequim ficava meio mole. Mas deu pra carregar geral.


Compras
Não fizemos (não fazemos habitualmente).


Segurança
Relaxe. Não há padrão de comparação com grandes cidades brasileiras.


Hospedagem
Cidade – hotel - diária
Beijing - 161 Wangfujing Courtyard Hotel – 405 CNY
Pingyao - Pingyao Hongyuyuan Guesthouse – 92 CNY
Xian - So Young City Center Hostel Huiya Tianmu Shop – 138 CNY
Shanghai Blue Mountain Bund Youth Hostel – 499 CNY
ibis Hong Kong Central and Sheung Wan – 473 HKD
Novotel Beijing Xin Qiao – 437 CNY

Via de regra escolho a região onde ficar em 1º lugar, e depois o mais barato que não seja (muito) esculhambado. Localização, quarto casal com banheiro, nada de não reembolsável. Nesse caso, acho que elevamos o padrão um pouco. E achei os hotéis nas grandes cidades bem caros. A diferença, por exemplo, entre os preços pagos em Xangai e Pingyao, de 5x, não se traduz na qualidade. Esperava por preços de hotéis mais na linha Sudeste Asiático. Mas eles estavam mais para Singapura grandes maiores.

Em cada região, escolhi onde ficar. Wangfujing e arredores em Pequim, centrão em Pingyao, dentro da muralha em Xian (diria hoje que é desnecessário, mas felizmente dei sorte de ficar relativamente perto do Muslim Quarter), perto (mas nem tanto assim...) do Bund em Xangai e HK eu acabei não ficando onde queria, que era do outro lado do rio. Por conta dos preços, e da qualidade que eu via, acabei optando por uma boa promoção (não reembolsável, mas foi o jeito) do Ibis. Foi ótima opção, acertei sem querer (mas se voltasse ficaria mais perto do Soho). Na volta em Pequim, tinha reservado um albergue (Station hostel) e depois vi uma promoção do Novotel mais barato que o albergue (mas ambos caros). Achei aquilo bizarro, e não recusei o esquema-patrão.

Padrão dos banheiros de hotéis, pousadas e albergues que ficamos era ter: 2 escovas com pasta, 1 pente. Xampu e sabão líquido, 1 sabonete sólido. 


Transportes
Trecho - preço por cabeça

Avião:
RJ x SP – Gol – 162 BRL
SP x Doha x Pequim – Qatar - 1500 BRL

Trens:
Beijing West – Pingyaogucheng – 183 CNY
Pingyaogucheng - Xian North – 150 CNY
Xian North - Shanghai Hongqiao – 670 CNY

Avião:
Shangai Hongqiao x Hong Kong – China Eastern – milhas
Hong Kong x Pequim - China Southern – milhas

Pequim x Doha x SP – Qatar - 1500 BRL
SP x RJ – Latam – 132 BRL

Comprei tickets de trem adiantadamente com a China Highights, agência online. Pedi para entregar no nosso hotel em Pequim. Paga-se taxa para tudo isso, optei pela comodidade. E deu tudo certinho. Tickets estavam lá no nosso hotel quando chegamos, instruções foram perfeitas, tickets todos certinhos conforme compramos. A ideia, que li em 10 entre 10 relatos, de filas e miscommunication para comprar nas estações de trem me levaram ao conforto de antecipar essa parte por agência.

Usamos trens D e G, que são de alta velocidade. G é o de mais alta. Trens (e metrô) tinham informações e anúncios em inglês. Mas não era tudo traduzido, era somente o necessário.

Sobre os trens, preferimos sempre os de noite, como qualquer outro transporte. Olhando para trás, talvez pegasse algum sleeper. Rola um barato também de viajar de dia, observar visual e tal. De noite é dormir, ou ler (e sempre lia o guia, livro, Piauí, etc.) OU ainda netflix. Dez entre dez relatos e guias dizem que estrangeiros não tem como comprar passagens pela inet no site oficial, e nem mesmo nas máquinas automáticas das estações. Nem tentei. 

Eu faria os trechos internos para e de Hong Kong de trem também, mas em ambos os casos me tomaria um dia inteiro de viagem, mesmo em alta velocidade. Então optamos por avião. Acabou que consegui usar milhas de longa data que tinha da Flying Blue, e que estavam prestes a expirar!, para emitir passagens para os dois trechos. Amem!
 

  • Gostei! 2
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros de Honra

RELATO

Saímos de Doha de manhã e chegamos em Pequim no começo da madrugada, mas antes do previsto. Logo na chegada havia máquinas para vc já scanear suas impressões digitais. Coisa rápida e sem fila. A máquina inteligente identifica que vc é do Brasil e fala em português com vc. Um papel é emitido, que vc leva para a imigração. Imigração, aliás, que foi rápida, talvez pelo horário. Primeira fila esperada que não rolou. Vencida a primeira etapa, fui buscar o Bank of China pra fazer câmbio. Não achei, ou estava fechado, não sei. Tinha essa dica de já fazer antes de sair do desembarque, mas não achei. Lá fora havia um câmbio a 6,25 para o dólar, e ainda tinha comissão. Achei baixo, tinha visto que estava na faixa de 6,80. Havíamos agendado um transfer com nosso hotel para 1 da manhã, e desembarcamos antes disso, então fui pesquisar em outras áreas do aeroporto. Aliás, embora monumental, achei o aeroporto de Pequim – ao menos aquele terminal – meio datado e não muito claro. Achei outra casa de câmbio no embarque, que pagava melhor: 6,54, também com comissão. Ainda achei baixo e deixei para arriscar no dia seguinte na cidade (e fiz muito bem, troquei no Bank of China por 6,81 sem comissão). Nosso transfer chegou, partimos para a cidade para nosso hotel, que ficava num hutong. Tivemos boa impressão do quarto, embora a janela fosse interna – todas eram internas. TV só em chinês. Fomos dormir tarde, umas 3 da madrugada.

(Relato começa no dia 5, os dias anteriores foram em Doha)

Dia 5. 
Saímos meio tarde, eram umas 9am. Fui conferir se minha correspondência havia chegado, com os bilhetes de trem, e sim, tudo ok. Partimos para um Bank of China por lá perto para fazer o câmbio. Já tivemos nosso primeiro contato com um local, perguntando informação – o moço simpático não sabia dizer. Mas o guarda apontou onde era o banco. Só tinha uma pessoa na fila. E os atendentes falavam inglês! Primeiras boas impressões na cidade. O processo é burocrático e toma um tempinho (papelada, preenche, assina, etc.), mais tempo que nas casas de câmbio argentinas, por exemplo.

Resolvida a parada fomos desbravar o metrô. É simples, tem as informações em inglês. Como tem muita linha, é bom identificar antecipadamente a estação para onde vc vai e qual linha passa por lá. Valor varia conforme distância e conexões, mas fica entre 3 e 6 CNY por viagem. Tinha lido que não adianta comprar antecipadamente, então sempre comprávamos na hora mesmo.

Partiu Tiananmen! E, claro, Cidade Proibida, que era nosso foco do primeiro dia. Começar logo pelo principal! Descemos em Quianmen e ficamos curtindo um pouco o boulevard ali por perto. Rodamos e fomos em direção à monumental Praça da Paz Celestial. Conforme avançávamos, íamos identificando por onde entrar e para onde ir. Atravessar ruas geralmente é por passagens subterrâneas. Como tem muita gente eventualmente há setores para grupos e outros separados para quem estiver solo. 

Fomos seguindo o fluxo e dali a pouco estávamos nela, a Praça da Paz Celestial, ou a Praça Tiananmen. Somente muito depois fui me dar conta de que não pegamos fila alguma para chegar lá. Embora houvesse muita gente na região, a maioria era de grupos que ficavam reunidos com seus guias. De alguma forma milagrosa, não entramos em fila. Apenas flanávamos pela monumental praça e seus diversos cantos, quando vimos uma entrada para alguma atração e lá fomos nela. Fomos barrados, não podia entrar de bolsa. Voltamos e Katia deixou a bolsa num guarda volumes do outro lado da avenida. Voltamos para a fila. Galera correndo, acho que fechava meio dia. Descobri que era o Mausoléu do Mao. De novo: zero de fila! Mas... eu estava com câmera fotográfica, e também não era permitido. Teria de voltar, e não haveria mais tempo para visitar, fechava meio dia. Sem galho, voltamos, pegamos a bolsa de volta e seguimos passeando pela praça. Destino: Cidade Proibida.

Embora monumental, acho que estávamos tão maravilhados com tudo que não nos demos conta do quanto andamos por toda a Praça Celestial da Paz. Andávamos, admirávamos, fotografávamos, curtíamos. Sempre avançando na direção da Cidade Proibida. Sem pressa, tínhamos todo o tempo do mundo. Olhei para o lado e vi a fachada do Museu Nacional da China. Queria conhecer, mas entrar em museu não era prioridade do dia. A fotografia do Mao aparecia cada vez maior na nossa frente – a fachada estava em reforma, mas muito bem escamoteada por um pano da mesma cor do que estava antes. Ali já havia muita gente, mas com espaço para todos. Eventualmente já recebíamos alguns olhares curiosos, presumidamente de chineses que chegam de outras cidades menores para conhecer e que não tem contato com ocidentais. E então revivemos uma experiência muito divertida (ao menos nós achamos divertido...) que é tirar foto com a galera. Eles pedem para fotografar conosco, e nós pedimos para fotografar com eles também. Todos curtem. Isso se repetiu nos dias seguintes e em Pingyao.

 

 

 

 

Fomos seguindo o fluxo e dali a pouco lá estávamos, a entrada da Cidade Proibida. Meridian Gate. Onde era a bilheteria? Não estava indicado, ou eu não identifiquei. Mas o LP indicava que era nas laterais. De fato. Lá fui comprar. Zero de fila. Entrega o passaporte e paga, somente isso. Em seguida fui alugar um audioguide. Eu não alugaria normalmente, mas um amigo insistiu que eu fizesse uma visita guiada, “ou então eu não entenderia nada”. Fui de audioguide – e era mesmo interessante, qdo eu prestava atenção; é tanta coisa bela e monumental que os olhos desviam a atenção. O cérebro acaba preferindo os olhos aos ouvidos. Enfim, no audioguide já tivemos a primeira experiência com um fura-fila. Havia apenas uma menina comprando na minha frente e lá veio um fura-fila direto no guichê. 

De audioguide na mão e ingresso no passaporte, entramos. Vasculhamos a cidade proibida por umas 4 horas, até praticamente a hora de fechar. Em princípio busquei seguir o roteiro descrito pelo Lonely Planet. Eventualmente caíamos em exposições em que só havia coisas escritas em chinês! Mesmo dentro da Cidade Proibida, há atrações que demandam pagamento adicional (depois vi que isso é comum na China) – havia uma de relógios que era sensacional, valeu muito a pena o ingresso extra. Em geral são monumentos seguidos de monumentos que nos deixavam de queixo caído sucessivamente. Uma ou outra pausa breve para descanso no meio do caminho. De resto busquei explorar tudo o que pudesse por lá. Havia muita gente sim, eventualmente não dava para ver alguma coisa dentro de uma sala porque só havia uma porta aberta e um monte de gente vendo, mas era só esperar a vez que chegava.

 

 

 

 

No fim da tarde, acho que umas 17 hs, encerramos e saímos. Do outro lado da rua tem o parque Jingshan, nosso destino seguinte. Eu achava que fechava logo a seguir, mas acho que não. Logo na entrada fomos abordados por uma simpática moça, que, depois de conversar um pouco, perguntou se não queríamos tomar um chá. Nós não iríamos mesmo (havia uma programação a cumprir!), mas logo nos lembramos do famoso golpe do chá que rola por lá, sobretudo em Xangai (é só dar um google). Apenas dissemos não e seguimos nosso passeio.

Subindo as trilhas do parque Jingshan vc tem uma vista sensacional da Cidade Proibida. Ah, o parque é pago, acho que 20 CNY. Os parques na China geralmente são pagos. Fomos subindo e curtimos um bom tempo admirando aquele espetáculo da Cidade Proibida ao cair do sol. Havia poluição, conforme esperado, mas nada que impedisse de admirar. Não era um fog (de partículas de poeira!) nada pesado. Ainda rodamos pelo parque, e foi muito bacana: músicos praticando (alguns muito bons, outro muito iniciantes) diversos instrumentos ao ar livre, embora relativamente escondidos. Havia pessoas dançando (mais tarde vimos que isso é muito comum na China), havia pessoas fazendo Tai Chi Chuan (adoro ver!). Tudo muito limpo e organizado no parque. 

 

 

 

Saímos pela porta leste e fomos jantar no Little Yunnan, que estava listado e recomendado no Lonely Planet. Não me lembro mais do que comemos, mas gostei. Foi também nosso primeiro contato com a cerveja local, que viríamos a beber tantas outras vezes, a Tsingtao. Nada de mais, é uma skol da vida, e que geralmente custava barato (10 CNY). A versão de trigo, no raros locais em que encontrei, me agradava bem mais.

Jantados, fomos andando para uma breve parada no hotel (reservar nosso passeio do dia seguinte até a Muralha!), e logo partimos para conhecer a famosa rua Wangfujing. Estávamos hospedados perto dela – na verdade, busquei um hotel perto dela. Mas a parte em que ela é fechada para carros era mais distante. Na nossa caminhada até lá, vimos enormes grupos dançando, um barato. Geralmente senhoras, e de meia idade. Todos curtindo, sem vergonha alguma (quem vos escreve teria vergonha, daí o destaque), muito legal. Era um grupo atrás do outro ao longo da avenida. Passamos ainda por uma bela igreja cristã (São José), fechada, e com a galera curtindo o jardim dela praticando... dança!

A Wangfujing fechada aos carros é cheia de grandes lojas e tal. O que eu queria ver era a área das comidas (food stalls), mas passamos batidos na ida. Na verdade é uma ruela lateral, que sai da Wangfujing. Na volta encontramos e entramos. Ali, sim, é área de comida guerreira! Como havíamos jantado, e bem, não provamos nada, só curtimos visualmente a galera e as comidas. Na verdade, teríamos mais contato com comidas ‘estranhas’ -- aos nossos olhos – em outras cidades. Acabamos o dia tomando uma cerva artesanal caríssima curtindo um som ao ar livre local.

 

Dia 6
Dia de conhecer a Muralha da China. Mal chegamos e já desbravamos aquela maravilha monumental que é o conjunto Praça Celestial da Paz e Cidade Proibida, e já partíamos para conhecer outra maravilha (mais monumental ainda) da China. E do planeta.

O acordado era que uma van nos buscaria às 7am na esquina do hutong. Havia outros esperando também, acho que do nosso hotel. Foi tudo certinho. Primeiro van, depois desce todo mundo e segue num busão. Tem guia, que falava bem inglês e era divertido.

Havia opção de subir a pé, o que foi desmotivado amplamente pelo guia. Galera que vai no esquema guerreiro, ou que vai também pelo trekking, escolhe essa opção. Nó subimos de bondinho. 120 CNY ida e volta, cada. O dia nublado e com mais poluição no ar do que o normal (que já é alto) não permitia visuais amplos. Mas sempre curto muito passear de cable car.

Enfim, chegamos. A Muralha da China. Não precisa de mais palavras pra descrever.

O guia havia nos orientado seguir até a torre 20, que é meio que um final de rota. A muralha está reformada até ali – e na verdade, ela fica fechada a partir daquela torre. Nada que impeça a galera de seguir viagem (pulando ou driblando o muro!), mas era a referência. A chegada é entre as torres 14 e 15, salvo engano. E a caminhada até a 20 é subida – depois é só descer! Assim fizemos, curtindo cada pausa pelo caminho (e foram algumas, estávamos fora de forma). Na volta Katia optou por descer para o ponto de encontro, eu ainda estiquei até a torre 10, descendo, curti e voltei. Tínhamos 3 horas para curtir (limitações de excursões em grupo!), curti todo o tempo disponível.

Voltamos, almoçamos com a galera (comida saborosa para a turistada!), e voltamos. Chapei no ônibus. 

Demos uma passada no hotel e decidimos conhecer o 798 Art District naquele resto de dia. As atrações já estariam fechadas àquela hora, e o dia nublado não recomendava conhecer alguns belos parques da cidade, então essa nos pareceu uma boa opção. Leva um tempo até lá de metrô, e ainda tem uma caminhada a ser feita, mas fomos. Chegamos no fim de tarde, já sabendo que as galerias estariam fechadas, ou fechando por aquela hora. Mas ainda curtimos bastante o lugar.

O 798 Art District é uma área muito bacana. Arte de rua, galerias, restaurantes moderninhos, etc. Tudo isso em meio às antigas instalações de uma fábrica, então diversos “restos” da fábrica foram reaproveitados como arte, ou mesmo adaptados ao novo cenário. A área é grande, estamos falando de alguns quarteirões. 

 

Foi lá que tivemos nosso primeiro problema de comunicação. Fomos comprar um chá e a menina foi apontando cada um para saber qual queríamos (falando não rolava, embora os nomes estivessem em inglês!). Eleitos os chás, na hora de pagar ela não tinha troco, e não aceitava cartão de crédito (galera lá usar QR code direto), pelo que entendi. Sei que ela foi extremamente simpática, mas demonstrou que não havia jeito. Ok, seguimos em frente. Fui tomar chá em outro canto, num lugar que tudo estava em chinês – escolhi o mais barato e tinha algo parecido com leite (soja?) misturado. Era bom. Bacana ver as maquininhas de tampar/vedar os copos automaticamente, para sair tomando de canudinho pela rua (lá toma-se chá como se fosse refrigerante – ou mate! – por aqui).

Bateu uma ameaça de chuva e nos abrigamos num japa local, onde jantamos. Nesse dia Katia não tava bem, achou melhor pular a janta. 

É muito comum, mas fui dormir pensando que, em dois dias na China, tinha conhecido duas das maiores atrações do planeta: Cidade Proibida e Muralha. Que dias!

 

Dia 7
Dia mais relax com viagem de trem pela tarde. Katia ainda se recuperando do revertério de ontem, saímos um pouco mais tarde que o habitual. Fomos no templo Lama e no templo de Confúcio, que ficam numa mesma região (salvo engano chamada de Arrow). São belos e amplos templos onde, além de toda a beleza, pudemos observar os chineses em seus rituais religiosos. Já tinha visto em alguns vídeos antes da viagem. Pagamos para entrar no Lama, mas o do Confucio foi grátis. Lá também é a região do Wudaoying hutong, área bem badalada turisticamente, que foi onde fizemos uma pausa para comer. Não é normal pararmos para comer durante o dia, mas Katia queria uma comfort food depois de um dia de estômago sensível.

 

 

 

 

 


Nossa ideia com trens era sempre pegar o mais tarde, pegar o transporte de noite. Mas nem sempre o que queremos é o que está disponível, de modo que quebramos um pouco o dia com a viagem. Além disso, tinha lido em dez entre dez relatos (e também nas instruções que recebemos da agência que nos vendeu os bilhetes) a recomendação para chegar nas estações com uma hora de antecedência. E que possivelmente haveria fila para entrar na estação, porque todos passam por raio x para entrar. Com tudo isso planejamos então de sair 2hs antes da partida. Para dar tempo de pegar mochilas no hotel + metrô para estação + todo esse tempo que nos diziam ser necessário para a estação. Não é Europa em que vc chega 5 minutos antes e tá na boa.

 

Enfim, demos esse tempo todo e... não havia fila alguma pra entrar na estação. Entramos na fila errada, mas logo uma boa pessoa nos indicou simpaticamente onde deveríamos ir (nosso bilhete era de outro tipo, requer outra entrada). Entramos e fomos para nossa sala de embarque. Lotada, conforme esperado. Ali sim havia fila, o que é natural – é como a fila para entrar no avião. O trem chega e o embarque é aberto uma meia hora antes, ou menos. E aí vai a galera, em teóricas filas. Sei que novamente estávamos na fila errada, e novamente uma boa alma nos indicou qual era a nossa. Depende do bilhete que vc tem. Rosa ou azul (nada a ver com Damares).

O trem é primeiro mundo total. Novo, rápido, limpíssimo. A disposição era de fileiras de 3 x 2. O nosso era o de 2, e havia um cara sentado num dos nossos assentos, mas que logo se levantou quando chegamos. A comissária também foi muito simpática e disse que nos avisaria quando chegássemos em Pingyao. De novo: todas pessoas bacanas conosco. A viagem foi numa boa. Alternei a curtição do visual, com leitura, com Netflix e com algum sono. De fato, ainda há gente que parece desconhecer a existência de headphones e assiste a vídeos no celular ou ipad com volume aberto no máximo (ou muito alto). É algo que ocorre também no Brasil, enfim.

Chegamos em Pingyao e fui direto para o taxi. Mostrei o nome do hotel para ele, que ligou para o lugar. Disse que o dono nos buscaria na muralha. Bacana. Cobrou um preço fechado (malandro!) um pouco acima do que eu tinha em mente, mas tava tão relax que não grilei com isso. Fomos de taxi até a muralha e de lá o dono da pousada nos recebeu. Nem taxista nem ele falavam nada de inglês, as frases trocadas eram todas via aplicativo do taxista. Houve alguma falha de comunicação pq o moço da pousada veio sozinho com uma moto, e éramos 2. Logo depois chegou outra, e lá fomos nós em direção à pousada. 

Fomos muito bem recebidos por uma moça surpreendentemente falando inglês e nos dando orientações, além de um saboroso chá. Nosso quarto era ótimo, num courtyard – um padrão em Pingyao. Preço excelente pela qualidade. E já partimos para curtir a noite na cidade.

Era fim de semana, sábado de noite, e estava cheio de gente nas ruas. Lojinhas, comidas, e muita gente. Teoricamente é área somente para pedestres, mas -- lembre-se! -- motos ignoram regras, então volta e meia havia uma buzinando para a galera sair e abrir espaço. Nada que fosse problema. Pingyao mostrava ser mesmo uma cidade graciosa. 

Rodamos bastante de noite, jantamos o pingyao beef (meio que uma carne defumada gelada), aproveitei para fazer massagem (thai moment!) e fomos dormir. Tudo estava fechado às 23:30.

 

  • Gostei! 2
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Silnei featured this tópico
  • Membros de Honra

Dia 8
Dia de andar e explorar Pingyao. E assim fizemos: andamos 9 horas seguidas pela cidade, seus museus e sua muralha. Foi um dia de sol e céu aberto, com bem menos poluição do que Pequim. Compramos um passe (125 CNY, mas nos cobraram 65CNY não sei pq) que dava direito a visitar todos os museus da cidade durante 3 dias. São vários museus, nem dá pra almejar conhecer todos. Os principais são mapeados, e fomos em todos eles nos dois dias em que ficamos por lá. Olhávamos, entrávamos. Nem sempre nos interessava, o que eventualmente tornava a visita mais rápida. Salvamos também algumas coisas para conhecermos no dia seguinte. Esquema relax em Pingyao.

Lá nós tivemos um grande India revival: era comum as pessoas nos olharem com cara de novidade e pedirem para tirar fotos conosco. Nós curtimos, tirávamos várias fotos deles também. Galera no geral muito simpática. Via de regra as pessoas não falam inglês e normalmente não há coisas escritas em outra língua que não o chinês. Mas dava para se virar numa boa. Os museus continham placas informativas em inglês – mas não de tudo.

Mal comparando, é como o turista estrangeiro que vem ao Brasil – há muito pouca coisa escrita em inglês no geral. Lá também. A diferença é que lá estava tudo em ideogramas!

Em Pingyao aproveitamos também para sair provando o que nos desse vontade de experimentar. De comida, claro. Muita comida de rua, muita coisa muito estranha aos nossos olhos. Algumas não sei até hoje o que eram (porque também estou até hoje para pesquisar do que se trata...). Outras eram fáceis: churrasquinho de carne (seja lá de qual carne era, mas era bom) ou daqueles frutos do mar característicos. Vários biscoitinhos, bolinhos, pães – em geral eu achava com pouco gosto (as comidas por lá tinham muito menos sal ou açúcar do que as no Brasil). Em geral os bolinhos que provamos eram de arroz doce. Sucos, chás, tinha de tudo, e buscávamos experimentar. Cerveja só no fim do dia, ehehehe. 

Havia algumas regras, amplamente ignoradas: não fotografar em determinados espaços; áreas de mão e contramão para pedestres; proibido subir/descer, etc.

Como falei, andamos o dia inteiro, sem pausa. Mas nada cansativo, era bem bacana curtir os lugares, as pessoas, acho que foi uma imersão maior na China – ainda que o lugar seja bem turístico (para os chineses). No final da tarde, umas 18hs, paramos na rua principal para relaxar, bebericar e observar. E aí vimos como éramos observados. Galera vinha para tirar fotos, ou tirava fotos de longe, ou filmava na careta. Sei que isso pode incomodar alguns, mas nós levamos numa boa.

Escureceu, e fomos rodar a cidade de noite. Esfriou bem naquela noite, chegou a 10 graus. Foi a única vez em toda a viagem que usei um fleece para me aquecer. Jantamos, rodamos mais e mais, e fomos dormir. Mas fui numa massagem antes!

Em Pingyao, sei lá pq, o whatsapp funcionou. Para receber msgs somente. E somente durante a madrugada. Teve ter sido algum desbloqueio. Ou falha.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dia 9
Fez frio de madrugada, mas, com o sol, tudo esquentou. Foi outro dia flanando pela cidade. Tentamos percorrer mais partes da muralha, mas estava quase tudo fechado para caminhar. Somente um pequeno trecho aberto, que havíamos percorrido no dia anterior. No mais, obras ou simplesmente não é aberto para transeuntes. Do total de 6km de muralha, só uns 2km talvez estivessem abertos para se caminhar.

Fomos também nos museus restantes, assim como outros que encontrávamos pelo caminho. São muitos, não dá pra ir em tudo, e nem sempre é de interesse. Via de regra, os menores só recebem luz natural, o que deixa algumas salas bem escuras. Vimos também algumas traduções meio toscas para o inglês – mas a verdade é que vimos isso em todos os outros lugares (exceto HK, salvo engano).

Aliás, falando nisso, o translator (tanto o meu do google quanto o local, que não sei qual é) ajudaram bastante na comunicação por lá. Em algumas ocasiões, qdo precisava elaborar mais, precisávamos recorrer aos tradutores. Eventualmente a galera já nos oferecia o celular para escrever e traduzir. Muito prático! Ainda acho que isso vai matar, ou no mínimo mitigar, a necessidade de se aprender línguas estrangeiras um dia.

Esse dia era um belo dia de sol. Era também uma 2ª-feira, e a cidade estava mais tranquila. Galera fala que na China não tem isso de fim de semana, que trabalham os 7 dias, mas sei não. Sábados e domingos eram mais cheios.

Nesse dia rodamos um pouco fora dos muros da cidade. A cidade em si é muito maior, claro, refiro-me aos muros da parte histórica. Chegamos a andar para ver se rolava transporte para alguma atração nos arredores (há algumas a alguns kms), mas não nos organizamos direito e simplesmente não vimos táxis por onde andamos. Ou talvez houvesse tours ou coisa parecida, mas tudo estava escrito em chinês. Foco do turismo por lá, e na verdade em toda a China, é o turismo interno. Nada que não se resolvesse descolando com a própria pousada, claro, mas deixamos rolar. Estava de boa curtir a cidade no esquema relax.

Aproveitamos para provar mais comidinhas de rua, que seguíamos escolhendo pela atração ou interesse visual. No fim das contas, só curti mesmo foi o espetinho, seja lá do que tenha sido (porco, provavelmente). Não desgostei de nada, mas em geral não tinha muito sabor.

 

 

 

 

 

 

 

 

No fim da tarde descolamos um taxi para a estação de trem. Nada de chegar muito cedo, saímos 1 hora antes, o que já foi mais que suficiente. Novamente nada de fila para entrar (cidade pequena!) na estação.

Aliás, dica (de novo) para o trem: bilhetes vermelhos tem fila separada. Bilhetes azuis são nas normais. Nosso bilhete era vermelho, comprado antecipadamente via agência. Acho que o azul é para a galera que compra na estação ou direto. Há fila separada para entrar na estação, para embarcar e desembarcar. Vermelho ou azul. Precisa do bilhete pra sair da estação no desembarque. O vermelho não passa na catraca eletrônica, passa em separado com checagem manual. 

 

 

Xian. Chegada foi dentro dos conformes. Direto para o metrô e breve caminhada até o hostel. Mesmo à noite, achei bem tranquilo. Aliás, andei tarde da noite algumas vezes na China, e sempre foi bem tranquilo. Zero de insegurança – mesmo para os radares sempre ligados de alguém nascido e vivido no Rio de Janeiro. 

Chegamos ao hostel, que era num andar de um prédio. Estava com saudades desse espírito de hostel! Tinha uma TV passando “Em algum lugar do passado”. Fomos recebidos por uma menina que falava um inglês nota 10, o melhor que ouvimos até então. Mikki, se não escrevo errado. Ou melhor, foi o melhor inglês da viagem! O hostel na verdade era um andar, ou mais de um, de um prédio na cidade. Nosso quarto tinha até box.

Jantamos e bebemos por lá mesmo, no skybar do hostel. Pedi um prato chinês, e Katia resolveu pedir uma comfort food, mas apimentada. Veio mega spicy, de fazer chorar. Lição: na China, não peça para apimentar o que já é apimentado! Mas foi na boa, compensamos com mais cerveja. Ficamos por lá até tarde conversando com menina do hostel, que também era a chef. 

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros de Honra

Dia 10
Dormir tarde, acordar cedo. Lei de qualquer viagem. Era para sairmos às 7 da matina, mas deslizamos para 7:30. Era dia de conhecer o famosíssimo Exército de Terracota!

Parei para pensar como estava sendo nosso começo na China. Cidade Proibida, Muralha da China, Guerreiros da Terracota. É bem comum que isso ocorra, mas são sucessivos blockbusters turísticos. 

Enfim, a ideia era pegar logo algum dos primeiros ônibus pra terracota. A estação do busum que vai pra lá fica entre duas estações de metrô, de modo que decidimos ir andando até lá. Respirar um pouco Xian. Assim fizemos.

Os ônibus saem, a rigor, da estação de ônibus mesmo. Pegamos no ponto final o famoso 306. Mas tinha outros, 914, 915. Já li que tem pirata também. Seja como for, é dali que saem. Tem tipo um guia, que faz uma explanação em chinês. Ao menos foi o que me pareceu, já que evidentemente não entendemos nada. Ele é também o cobrador. Saiu por meros 7 RMB! Somente nós de ocidentais naquele busum. Mas lá em Xian não éramos novidade.

Chegamos na atração e lá fomos procurar onde comprar a entrada. No caminho já recebemos ofertas de guias, mas estávamos na vibe de conhecer por conta própria mesmo (essa vibe varia, mas geralmente optamos por fazer por conta). Zero de fila para comprar. E lá vamos para a entrada. Zero de fila para entrar. China seguia contradizendo o que tanto havíamos lido quanto a filas. Fazia mais um belo dia de sol e céu azul.

Lá dentro a sinalização era em chinês. Não sei se por falha minha, mas resolvi rapidamente com o salvador maps.me de sempre. São três espaços de visitação, e queríamos deixar o 1 para o final, porque é o maior e principal. Fomos no 2, depois 3, e finalmente 1. Vou simplificadamente resumir: é ESPETACULAR.

 

 

Não tivemos qq fila ou amontoado nos pits 2 e 3. Mas no 1 a coisa estava cheia. De todo modo, sem problemas. Esperávamos a galera sair da frente e tomávamos posição. A maioria suprema que está lá vai com grupo, então a maioria suprema vai ter tempo limitado para ficar nos melhores pontos (o guia segue adiante, e o grupo deve seguir atrás!). Conseguimos curtir todos os pontos de visão que queríamos, apenas esperando um pouco para vagar lugar. E só havia esses congestionamentos nas áreas mais concorridas do pit 1.

Encerrada a visita, pegamos o primeiro busum que vimos de volta, agora foi o 915, ou coisa parecida.  8 pratas, mas agora com ar condicionado. Chegamos umas 9, partimos de volta umas 13:30.

No fim das contas, o custo total por pessoa foi de 135 RMB. 120 pra entrar e as passagens. Havia um tour pelo albergue que custava 380 RMB incluindo transfer com ar condicionado desde a porta, guia e... cerveja liberada!

Voltamos a Xian e partimos direto para a muralha que cerca a parte central da cidade. Sol estava a pino, e queríamos dar o famoso rolê de bicicleta pela muralha. Paga pra subir, paga para alugar a bicicleta por 3hs – tempo suficiente para dar a volta em toda a muralha com calma, pausa para fotos, pausa para refrescar, etc. E o passeio é uma delícia: a muralha é tão larga no alo que mais parece uma avenida. Inclusive com faixas teóricas (1 pra quem vem, outra pra quem vai, outra para quem está a pé). Tivemos de andar um pouco até o ponto onde efetivamente se aluga. Curtimos muito.

 

Pegamos o metrô e disparamos para a Great Goose Pagoda. Chegando lá, estava fechada. Já era fim de tarde, o horário que eu tinha visto de fechamento estava errado. Mas logo do outro lado da entrada havia uma área que nos pareceu bacana e fomos lá dar uma conferida. Trata-se do Grand Tang Mall, uma enorme e longa (China!) área para pedestres, com diversas atividades e atrações. Tudo absolutamente muito limpo. Músicos, esculturas, apresentações, comidas, etc. Um barato. Quanto mais caía a noite, mais gente chegava. Rolou show de águas (chafarizes) e luzes. Rolou até mesmo um desfile, meio que carnavalesco, acho que para uma apresentação fechada que rolaria por lá mais tarde. Ficamos muito mais tempo que prevíamos, foi um barato.

 

 

 

 


Pegamos o metrô de volta, descemos na Bell Tower. Muita gente curtindo a região, e fica bem bacana iluminada de noite. Nessa área, a caminho do Muslim Quarter, vimos pedintes. É coisa rara nas grandes cidades chinesas (ao menos foi raro para nós vermos). O Muslim Quarter estava lotado de gente. Tinha tudo pra ser uma daquelas áreas imundas que tanto conhecemos pelo Brasil, em função da combinação gente + comida + rua. Mas não. Havia lixeiras enormes a cada poucos metros no meio da rua, uma atrás da outra. Lembrei-me da Festa Pomerana, que também não economiza em lixeiras (e na limpeza delas).

 

 

Mais uma vez nos pareceu ser algo primordialmente com foco no turismo local, com quase tudo em chinês somente. Estávamos em jejum praticamente naquele dia (ainda que bebendo bastante água e os chás, ou isotônicos, que comprávamos sucessivamente para experimentar), e já era noite, de modo que demos um rolê na área e entramos no primeiro restaurante que demonstrava ter cardápio em inglês (ou figuras dos pratos na porta). Acabou que o que escolhemos tinha pratos gigantes. Tanto que sobrou para o café da manhã do dia seguinte – levamos num saquinho para o albergue. Fomos dormir tarde.

Dia 11
Acordamos cedo de novo, 6am. Estava estranhamente disposto. Saímos cedo também. Fizemos check-out e fomos explorar nossas horas remanescentes na cidade. Direto para a Grand Goose novamente. No caminho do metrô até a entrada, observamos as atividades matinais da galera no parque. Tinha dança, ginástica, Tai Chi, um barato. Galera majoritariamente de meia idade, bem democrático aos nossos olhos. Chegamos, entramos (de novo, sem fila!) e curtimos. Mais um belo dia de sol, mais um belo lugar!

No caminho de volta para o metrô, vimos mais gente curtindo a manhã com danças, ginástica e etc. E um trio jogando peteca. Bem bacana. Seguimos para a Drum Tower e fomos direto para a mesquita local, que fica dentro da região do Muslim Quarter. A mesquita é diferente do que estamos acostumados. Não é imponente, tem um vasto jardim. Mesquita estilo chinês. A área de oração, no entanto, era fechada a visitas. Curtimos um tempo ali.

Na saída, vimos que estávamos num mercadão local de rua. Vi uma camisa com tudo escrito em chinês e perguntei quanto era. E aí começou uma longa negociação. 150 RMB foi o começo e foi despencando a cada negativa que eu dava. Fechei por 30 RMB. E ainda acho que cairia mais. Ficamos dando rolê na área das comidas do Muslim Quarter, e compramos algumas coisas pra provar e comer na nossa viagem de trem até Xangai. Katia aproveitou para provar um daqueles espetos pitorescos de polvo, carregao de pimenta e feito na hora. Ela gostou. Nessa região de muita comida, senti cheiros muito bons e um especificamente muito ruim. Somente mais para o final da viagem nos demos conta de que provavelmente era o “stinky tofu” ou “smelly tofu”, muito característico dessas “praças de alimentação” ao ar livre. Mas presumimos isso pelo nome, não fiquei rastreando o cheiro, e nem provamos o tal tofu. Bateu a hora, voltamos para pegar nossas mochilas, metrô, trem.

 

Achei que faltaram dias em Xian. Para a cidade e para os arredores. Fui por conta dos Guerreiros de Terracota, adicionei 1 dia (meio, no fim das contas) para a cidade, mas valeria mais. Como em quase qualquer canto, aliás. Sempre temos de fazer escolhas.

Chegamos na estação de trem umas 14hs, ainda seguindo as recomendações de chegar uma hora antes e tal. Mais uma vez: nenhuma fila para entrar na estação. O trem mesmo era pouco depois das 15hs. Na nossa experiência (veja bem, pode ser diferente em outra ocasião!), foi inútil chegar tão cedo nas estações. Em todas as 3 vezes que pegamos trem (Pequim, Pingyao, Xian). Não pegamos fila pra entrar em nenhuma delas. Somente para embarcar, o que não é problema (esperávamos a galera embarcar antes).

 

Nesse longo trajeto de trem, comprei uma pipoca. Na hora de comer, não tinha sal. Nem açúcar. Bem estranho para os padrões salgados a que estou acostumado. Fui no vagão restaurante tentar descolar sal. Consegui me comunicar (viva os tradutores!), mas não tinha. Não apenas não tinha, pareceu estranho às comissárias alguém pedir sal. Felizmente havia cerveja, o que nos acompanhou durante a viagem. Nessa viagem, ou em alguma anterior, constatei o estranho desconhecimento da existência do fone de ouvido por parte de algumas pessoas no trem. Mas é algo que vejo comumente no Brasil também.

 

XANGAI
Chegamos em Xangai, pegamos o metrô e, após breve caminhada, estávamos no nosso hostel. Só largamos as coisas, corremos para o Bund. Queria ver aquela parada toda iluminada. No caminho, notamos que o fluxo era contrário, ok, mas seguimos. Chegando lá, decepção: já tinha acabado e estava tudo escuro. Ou melhor, não escuro, apenas sem a iluminação estilos a efeitos de cada noite. Entendemos que havia horário. Passamos numa cervejaria local para uma saideira, e logo a seguir galera começou a fechar conta e avisar que horário tava no fim. Movimento expulsório, ahahahah. Ok. Já era quase 1 da madrugada.

No caminho de volta para o hostel, vimos um restaurante local cheio. Decidimos entrar e encarar. Foi muito bom e barato! Cardápio tinha figuras, e “beer” é sempre conhecido. Escolhemos pratos com alho e bacon, ou seja, sem erro. E uma massa molenga lá. Dormimos bem tarde nesse dia. 
 

  • Gostei! 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros de Honra

Dia 12
Depois de dias sucessivos dormindo de madrugada e acordando às 6 da matina, dessa vez deixamos rolar e acordamos tarde. 9:30! Tomamos um café na varandinha e partimos.

Passeamos pela Nanjing Rd (badalada e ampla rua de pedestres cheia de lojas) até o Bund. Agora de dia! Pegamos o Tunnel para o outro lado (achei que não vale a pena) e desembarcamos no Pudong. Compramos um combo do Tunnel + Shanghai Tower. Na região do Pudong, fomos descortinando as ruas até a margem do rio e depois sob aqueles prédios imensos e icônicos. Em direção ao Shanghai Tower. Muito bacana.

 

Chegamos na torre e, novamente, nada de fila. Mesmo já com ingressos na mão, nada de fila para entrar (e nem tinha fila pra comprar também). O preço é uma facada, acho que todas as torres cobram facadas. Essa custava 180 e o túnel custou 50. O combo dava desconto de míseros 5. Mas que visual! Que visual!!! Excelente! Curtimos um bom tempo por lá. E pensar que as Petronas, que visitamos anos antes em KL, hoje nem está nos top 10 de arranha céus do mundo.

 

 

 

 

 

Descemos e fomos buscar o metrô. Ficava perto de um shopping por onde passamos e aproveitamos para tomar um café e provar uma torta que chamava a atenção. Serviu para reforçar como as coisas na China têm muito menos açúcar que no Brasil.

Próxima visita era o Yuyuan Garden. De novo: sem fila. Foi bem tranquilo de andar dentro, embora estivesse cheio. Lugar é lindo, muito bacana de explorar. Ficamos até fechar, hora em que a galera começa a expulsar geral, ahahahah. Depois ficamos dando rolê nas ruas dos arredores, área também conhecida como old town de Xangai. Muito turística, com preços bem mais elevados que em outros cantos. Mas a área é bem legal de passear e conhecer.

 

 

 

 

 

 

 

Voltamos para o Metrô, rumo a Tienzifang. Já era área da French Concession. Uma região muito bacana! Esquema de lojinhas, bares, ruelas, tudo bem descolado. Não sei descrever bem, mas gostamos muito da vibe de lá. Deveríamos ter ficado e jantado por lá, mas ainda havia um outro ponto a conhecer: Xiantiandi. Fomos andando. As ruas eram agradáveis, arborizadas. Podíamos ter pego taxi, mas tava de boa. 

Comparando com Tienzifang, diria que Xiantiandi é muito mais elite, com bares e restaurantes mais requintados. Preferimos bem mais Tienzifang, é mais nossa praia. Mas não iríamos andar tudo de volta àquela altura. Então jantamos num que eu tinha mapeado por lá. Din tai fung. Uma breve e controlada esbanjada. E foi bom.

Pegamos o metrô de volta para o Bund, e finalmente vimos as luzes noturnas da região! Havia muita gente, mas com muito espaço para todos. Um barato. Nesse dia voltamos cedo, compramos umas cervas para tomar no quarto mesmo. A ideia de ter ficado na área era ir no Bund todas as noites!

Achamos Xangai uma cidade bem mais cosmopolita. Éramos apenas mais 2 em meio a tantos outros, não chamávamos atenção em canto algum. Víamos e ouvíamos ocidentais em maior quantidade que nas outras cidades. 

 

 

 

 

 

Dia 13
Fomos andando até o People’s Park de manhã. No caminho, pela Nanjing Rd, vimos novamente aquela deliciosa sequência de grupos dançando, praticando Tai Chi, etc. Dessa vez vimos Tai Chi com espada e uma figura andando de costas (mas depois vimos outros fazendo isso, não deve ser tão incomum) Tudo muito bacana. 

 

 

Depois de um tempo curtindo esse peoplewatch no people’s park, decidimos entrar no Museu de Planejamento da cidade. Em algum momento já dentro do museu, ouvimos novamente a música do Em Algum Lugar do Passado! Achei o começo do museu meio marromeno, sobretudo para o padrão esperado. Até que fui subindo os andares. Aí sim: é sensacional, enorme. Mostra (e vende) Xangai do passado ao futuro, de forma sustentável. Enquanto aqui no Brasil brigamos por mais estradas, menos radares, carro do ano e dane-se o meio ambiente, Xangai demonstra preocupação em aumentar transporte público para diminuir carros nas ruas, diminuir a poluição e diminuir acidentes.

 

Pegamos o metrô para conhece o Jade Temple. Parece novíssimo, acho que estava em reforma. Lindo lugar. De lá fomos andando para o M50, um lugar de arte a céu aberto da cidade -- tipo o 768 de Pequim. Tava sol e não rolava muito movimento (possivelmente o agito era mais tarde, ou outro dia da semana), mas rodamos as galerias, lojinhas e etc. De volta ao metrô, seguimos para outro bairro, para conhecer uma atração meio underground que tinha no LP e que me atrai: um museu de propaganda comunista. Demos uma pausa numa cervejaria local muito boa, e lá estávamos procurando o tal museu. Não é lá muito simples de achar, ele fica num subsolo de um dos blocos de um condomínio de prédios. Mas encontramos. É historicamente muito interessante! Cheio de pôsteres antigos de propaganda comunista da China, sobretudo da época da implantação do regime.

 

 

 

 

Seguimos então para o Jingan temple, que fica em meio a prédios altos modernos. Também muito bonito. Ficamos lá até fechar, acabamos presenciando uma cerimônia com os monges (locais?). Ainda demos um tempo num parque por ali perto, ficamos curtindo o laguinho e um grupo de chineses que se divertia e tirava fotos sucessivamente.

 

 

Nesse dia fomos jantar no Di Shui Dong (ou coisa parecida), que havia mapeado. Esse foi muito bom!! Foi outra esbanjada, mais forte ainda, aliás. Mas pq acabamos comemos muito. Era muita coisa interessante pra provar! Dormiríamos mais que fartos, não fosse por uma longa esticada que ainda daríamos.

Pegamos o metrô e embicamos de volta para o Bund Demos um longo rolê até a parte sul e voltamos. Maior galera por lá. Deu 22hs e ainda estava cheio. Mas no dia da chegada, às 23hs, nada! Enfim, fomos para nosso albergue dormir.


Dia 14
Era um possível dia para conhecer Suzhou, mas acabamos deixando para uma outra ocasião. Optamos por conhecer Qibao, ainda em Xangai, acessível por metrô. Era sábado, havia maior galera por lá. Dia de nuvens, sem sol. 

Qibao se apresentava inicialmente como um lugar cheio de lojinhas e comidinhas pelas ruas. As comidinhas, aliás, bem mais em conta que na Old Town de Xangai. Aproveitamos para provar mais coisas que nos pareciam estranhas e atraentes. Comemos mais coisas saborosas e que desconheço o que tenha sido. 

Qibao também tem uns canais bacanas, fotogênicos, no centrinho histórico. Lembram Morretes. 

Esticamos até o Qibao temple, que estava bem vazio e era bem legal. Demos um rolê geral, provamos mais coisas, tiramos muitas fotos das comidas pelas ruas. Identificamos algumas novidades, identificamos aquele cheiro que muito nos desagradava e que achamos que era do stinky tofu. Mas naquela hora não sabíamos o que era, nem suspeitávamos. As comidas que identificávamos e que nos eram estranhas, como pata de porco, pata de galinha, sapo no espeto, estavam lá. Além de outras mais habituais. O lugar difere do muslim quarter de Xian, por exemplo. Salvo engano, difere também da Wangfujing de Pequim.

 

 

 

 

Ficamos umas 4hs em Qibao. Pegamos o metrô e fomos conhecer o Longhua temple, que foi muito legal! Foi grátis, acho que pq estava em reforma. Já era fim tarde quando saímos, e fomos direto para o Pudong. 

 

 

 

 

 

 

Aproveitamos para passear pelas passarelas com vista do para a famosa torre dos Jetsons. Aliás, embora seja uma região que pareça ter sido desenvolvida para carros, há calçadas e passarelas para pedestres em larga área.

 

Fomos para a margem do rio, a ideia era ver o outro lado do rio no anoitecer. Rolava uma chuvinha beeeem leve, nada que atrapalhasse. Fomos andando pela margem até chegar a um ponto de barca para o outro lado. A noite cai, alguns prédios ligam suas luzes, mas o horário mesmo de ligar é às 19hs, qdo a coisa começa. Estava mais escuro naquele dia nublado com chuvinha. Descemos do outro lado longe do nosso ponto escolhido - a Hanghe - de janta, então pegamos o metrô. Antes disso, despedimo-nos do Bund e suas luzes de cada noite. 

A janta dessa noite foi guerreira e deliciosa. Bem barato. Escolhemos o Yang's fry dumplings. O lugar já é guerreiraço, mas entende-se numa boa. Dumplings saborosos e baratos. Voltamos caminhando pela Nanjing. 

Nesse dia voltamos mais cedo que o habitual, acordaríamos de madrugada para pegar o voo para Hong Kong. Ainda ficamos tomando umas cervas no albergue, enquanto outros grupos faziam o esquenta para a noitada. Ainda ficamos de conversa com um executivo americano de LA que vive por lá – no albergue! 
 

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros de Honra

Dia 15
Em todos os lugares que eu lia, galera falava que leva mais de 1 hora até o aeroporto de taxi. Que tem de chegar no aeroporto 3 horas antes, ainda mais na China. De metrô só chegaria lá às 7 (olhando para trás, eu vejo que deveria ter organizado de dormir por lá perto). Eu via no maps.me e a estimativa de taxi era de meia hora. Mas, enfim, vamos conforme recomendações.

Pegamos o taxi às 4:30. E chegamos no aeroporto em 20 minutos, confirmando estimativa do maps.me. Pra piorar, o check-in só abria às 6 da manhã. PQP. Novamente nada de fila para entrar no aeroporto – não havia quase ninguém por lá! Enfim, não precisava ter saído tão cedo.


Hong Kong
Chegamos em Hong Kong debaixo de chuva. Pegamos o trem (comprando para 2 tem desconto) e o busum grátis para o nosso hotel. Dez dias depois, google estava de volta. Cheio de msg no gmail para apagar. Comprovei que existe vida sem google.

Quando a chuva deu folga, descemos para dar um rolê pela área. Era um domingo, mas felizmente havia onde fazer câmbio. Subimos a Hollywood Rd., conhecemos o Mo Temple, passamos pelo belo HK Park (inclusive no enforme viveiro) e seguimos para pegar o tram par ao Victoria Peak. Chegando lá, o tram estava fechado para obras. Teria de andar sei lá até onde para pegar um busum. Desencanamos disso e fomos seguir nosso rolê de exploração dos arredores, mas acabamos achando ao acaso um ponto final de ônibus que seguia justamente para o Victoria Peak, então não recusamos!

 

 

 

 

No caminho, vimos um protesto dos estudantes pela democracia em Hong Kong, o que vem ocorrendo até a presente data. Paradoxalmente era o mesmo domingo de passeatas no Brasil, onde grupos pediam o fechamento do Congresso e do STF.

O busum vai serpenteando pelos morros. Aliás, mão inglesa! E muito inglês nas ruas, além de muitos estrangeiros. Ainda assim, em diversos locais só havia coisas escritas em chinês.

Lá no alto, ótimos visuais da cidade. Curtimos bastante, inclusive com uma caminhada por uma das trilhas (pavimentadas), para curtir mais visuais. Tinha um quê de Paineiras. Láno alto tinha também um shopping com acesso pago a uma plataforma com visual mais amplo, mas não fomos. Sequer entramos no shopping, aliás. Depois de curtir mais visuais das trilhas, pegamos o busum de volta. 

 

 

Vimos muita gente acampada nas ruas, majoritariamente mulheres. Não sei bem o que era, mas varias faziam coreografias de dança. Devia estar rolando alguma coisa nesse sentido naquele dia, pq não vimos esses grupos nos dias seguintes. Aliás, era domingo, havia muita gente nas ruas. 

Fomos para o deck dos ferries e partimos para a roda gigante. Fila, finalmente! Mas não demorou. Era fim de tarde, umas 1830, mas o tempo não ajudava para um pôr do sol com sol. Foi sem. Achei a roda gigante incrivelmente barata (20 HKD) para o padrão local. Era patrocinada, deve ser isso.

Aliás, a moeda local, o dólar de Hong Kong (HKD) era nominalmente 15% acima da chinesa. Mas os preços reais eram muito mais altos do que na China. Para efeito de comparação: a tarifa básica do metrô era 11 HKD por lá, enquanto na China saía por 3 CNY. 

Depois da roda gigante, pegamos a barca para o outro lado. 3.1 HKD no fds, 2.2 HKD em dias da semana. O trajeto já e um visual, bem barato. Do outro lado, Tsim Sha Tsui, curtimos o espetáculo de cada dia de ver as luzes dos prédios acendendo. Tipo Bund, mas em Hong Kong rola música, efeitos, etc. É um espetáculo coordenado. Que começa às 20hs em ponto. 

Ainda demos um rolê pelo Promenade e Av. of Stars antes de voltar ao outro lado do rio, agora de metrô.

 

 

 

Nesse dia fomos jantar no Soho, a preços MUITO mais alto que na China. E, se já havíamos achado Xangai mais cosmopolita, HK era muito mais.

Dia 16
Dia amanheceu nubladaço e, na hora que iríamos sair, desabou o maior toró. Aguardamos acalmar e saímos pra tentar fazer uma caminhada por um roteiro que o LP sugeria. Mas a chuva voltou a apertar, de modo que ativamos o plano B: museu. Compramos o Octopuss card (devia ter feito isso ontem!), que facilita a vida, e ainda dá desconto de 1 HKD nas passagens. No metrô vimos propagandas de roupas intimas femininas. Isso não tem na China! Provamos um delicioso pão local de manhã, um tal Pineapple branco com manteiga.

 

Fomos para o Museu de História de HK, e entramos logo que abriu ás 10hs. Estava na lista para visitar, e é muito bom, muito informativo e bem transado. Vale muito a pena. Depois da visita, a chuva prosseguia.

 

Como havia previsão de melhora para a tarde, fomos almoçar (coisa rara!) e depois ainda tentamos passear pelo parque Kowloon. Assim que a chuva sinalizou acalmar, decidimos pegar o metrô. A ideia era conhecer o longo teleférico até o Buda gigante.
 

 

Chegamos e havia pouca ou quase nenhuma chuva. Ufa! O teleférico é uma facada: opção normal por 235 HKD, ou cabine fashion (sei lá qual diferença) por 315 HKD. O teleférico é um barato, longo, com altos visuais. Gosto muito de teleféricos e esse foi dos mais legais. E o melhor: em diversos relatos que li, galera falava de neblina, que não dava pra ver nada, etc. Embora estivesse meio chuvoso, não havia neblina!

 

 

 

 

 

Chegamos lá já no fim do expediente, de modo que tivemos de fazer uma visita acelerada a tempo de pegar o último teleférico de volta – mas que foi suficiente. O tempo firmou (não choveu mais), e curtimos muito o Buda gigante, além do monastério que fica logo ao lado. O monastério, aliás, é dos mais bonitos que vimos na viagem. Mas não pode entrar nos halls.

 

 

 

 

 

Voltamos e pegamos o metrô. Até pensamos em arriscar algum busum, mas optamos pela certeza e rapidez do subsolo. Direto para o Tsim Sha Tsui para curtir o espetáculo. Passamos num 7/11 local para comprar umas cervas para acompanhar o espetáculo. Não sei se pode beber em público por lá (vimos outros fazendo, mas...), de modo que fomos discretos. Curtimos o show das 20hs de novo! 

Depois fomos percorrendo várias ruas e blocos numa longa caminhada noturna desde a Nathan Rd. Passamos pelo Night Market local (tipicamente Chinatown), Ladies Market (uma área de muita vida noturna) e fechamos a desbravada com uma cerva artesanal num bar chamado Tap Project. Na volta pegamos um busum para experimentar. Cartão Octopuss na mão e roteiro descrito nos pontos é outra coisa. Além de estar precisamente descrito no google maps.

Já era tare e não tinha nenhum restaurante chinês aberto nos arredores. Arrisquei um noodles do 7/11, então. Larguei o pozinho todo e, pqp, haja pimenta. Tive de comer e 3 etapas.

Em HK vi grandes variações de preço de um mesmo item entre lojas. Refiro-me a garrafinhas de chá, refri, cerveja. Ou de água mesmo. Mesmo nos 7/11 vi diferenças significativas de preço (p.ex, 8 x 12) entre lojas. 


Dia 17
Dia reservado para conhecer Macau. Acordamos bem cedo. Sem chuva! Até sol estava ameaçando. Atrasamos um pouquinho a saída. O tempo fechou e a chuva desceu forte na partida da barca. Foi bom, pq foi só ali que choveu no dia! Durante o trajeto já achei bacana ouvir o speech de segurança em português! 

Chegamos em Macau com o céu mais claro depois de chuva forte. Pegamos um busum grátis para um dos hotéis com cassino, o Grand Lisboa. Demos um breve rolê lá dentro, cassinos não me atraem. Depois fomos andando para o centro histórico. Vai, Portugal! 

 

 

Em Macau, circulamos pela rota turística. Provamos biscoitos, bolinho de bacalhau, pastel de nata. Chão de pedras portuguesas. Bacana ver coisas em português. De fato o português é oficial, mas inglês vem tomando espaço claramente. Aliás, provavelmente fala-se mais inglês que português por lá. 

Fora do centro, fomos andando até a Fortaleza, suando muito! Umidade mais alta, pelo visto. Visual nada demais, vale pelo monumento em si. 

Na volta, cedemos à tentação da culinária local e demos uma pausa num restaurante focado em pratos da culinária portuguesa e suas colônias – inclusive brasileira! Mas fomos de bacalhau, que estava muito bom! 

Depois do almoço focamos em atrações mais ao sul, até fechar a visita no alto do morro da Penha. 

Ficamos até tarde em Macau, ainda voltamos aos cassinos para ver um diferente e na esperança de pegar o shuttle de graça de volta pra estação, eheheheh. Mas acabamos pegando um taxi e voltamos. A volta foi mais cara, pq era noite. Ida às 8:30 a 170 HKD volta às 20:15 a 200 HKD. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

HK e Macau não requerem visto. E não carimbam o passaporte. 


Dia 18
Dia de ir pra longe, mas em HK. Primeiro fomos na Ping Shan Heritage Trail. Achei bem caído, ainda que com algumas coisas interessantes. Voltamos logo e pegamos o light rail pra o Wetland Park. Dia nublado, mas sem chuva.

 

 

O parque é bacana. Tem trilhas sobre passarelas de madeira, muito birdwatching. Fica geograficamente perto de Schenzen. Rodamos o parque todo e pegamos o busum volta. Nos arredores de Wetlando tem muitas construções residenciais. E já havia dezenas de espigões. É muita gente.

Descemos na região onde estávamos e fomos andando para Wai Chai, bairro que tem um mercado de rua (novamente estilo Chinatown). 

Seguimos então para o Centro de Convenções e Exposições de HK, local do grande evento que selou a devolução de HK para a China. Do lado de fora havia várias estátuas de comics locais, bem bacana. Ficamos de relax ali, curtindo os personagens e o visual do rio. Estava sem chuva, mas rolava um sereninho e neblina, com nuvem baixa encobrindo prédios.

 

 

 

Pegamos o ferry para o outro lado para curtir a Av. of Stars de dia. Chegando lá, a chuva apertou para uma garoa forte. Pegamos o metrô de volta. Ficamos tomando umas cervas no Soho, enquanto a garoa apertava e diminuía. Curtimos nossa última noite por ali mesmo, o visual (e o local!) do espetáculo noturno estaria prejudicado pela chuvinha.

 

 

Jantamos num indiano muito bom perto do hotel.
 

  • Gostei! 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros de Honra

Dia 19
Acordei cedo e fui fazer uma longa caminhada de despedida. Nosso voo era no começo da tarde, quebrando o dia. Voltei ao parque, vi uma galera fazendo Tai Chi, rodei pelo Promenade. Depois pegamos o esquema busum + Aeroporto expresso. Dica: o octopuss devolve os 50 de depósito, mas tem refund tax de 11!

 

Pequim
Chegamos em Pequim antes do horário previsto, que era 17hs. Naquela hora, já estávamos no trem para o metrô. Sem filas na chegada, novamente. Nosso hotel esquema-patrão ficava na cara do metrô. Largamos mochilas lá e partimos para tentar pegar alguma atração aberta. Escolhemos o Beihai Park.

Chegamos a tempo de curtir o anoitecer, o parque fecha às 21hs. Excelente momento! O parque é muito bonito! Curtimos anoitecer, sol! Bela luz, depois de dias seguidos de chuva! Ah, e eu estava de volta aos espirros alérgicos, provavelmente por conta do ar poluído de Pequim. Rodamos bastante o parque até anoitecer. 

 

 

 

 

 

 

Ainda estivamos no lago Houhai, que fica logo acima, numa passada rápida. Havia uma galera dançando e karaokê na área. Sempre muito bacana ver pessoas de idades diversas dançando nas ruas. E jogando peteca com os pés, tipo altinha.

Pegamos o metrô para uma Ghost food st, que não achei. Então fomos buscar uma Great Leap Brewery da área, mas estava fechada. Felizmente tinha outra cervejaria, a JingA Taproom, que salvou o fim de noite! Excelentes cervas. Raro lugar com maioria absoluta de ocidentais. 


Dia 20
Dia de conhecer outras grandes atrações da cidade. 

Primeira parada, Temple of Heaven. Logo na entrada do parque, novamente vimos pessoas dançando, cantando, jogando peteca, fazendo musculação e alongamentos, etc. Outros vários jogando baralho. Um barato.

O parque é espetacular! Estimei ficar 2hs por lá, levamos 3! Era um lindo dia, era um lindo parque. Sem filas para entrar e circular, embora houvesse muita gente. No fim da visita, tivemos de acelerar, era muita coisa bacana para ver – e ainda havia outro parque enorme e lindo para curtir.

 

 

 

O plano original incluía o Old Summer Palace antes do Summer Palace para aquele dia. Reavaliamos e cortamos o Old da lista. Se já ficamos tanto tempo no Heaven, o Summer tomaria todo o restante do dia. Foi sábia decisão!

O Summer é um espetáculo para o dia inteiro. Chegamos lá às 13hs e só saímos às 19hs, achando que poderíamos ficar presos lá, eheheheh. E ainda teve áreas que não percorremos. Rodamos muito, subimos, descemos, erramos, acertamos, pegamos barco, voltamos a pé, e faltou lugar para percorrer. Um visual extraordinário atrás de outro. Muita gente numas áreas (mas com espaço para todos), pouca gente noutras. Curtimos um belíssimo momento de fim de tarde por lá.

 

 

 

 

 

 

 

 

Na volta, fizemos uma janta um pouco mais finesse. Era nossa última janta. Restaurante de comida chinesa, mas claramente tourist friendly.

 

 


Dia 21
Último dia de viagem. :(

Fomos tentar ver o Mausoléu do Mao, que nos escapou da primeira vez. Mas dessa vez havia a famosa fila monstra pro security check pra entrar na praça. Exatamente no mesmo lugar onde pegamos zero de fila. Pode ter sido horário, pode ter sido momento (quando fomos não era sábado), pode ter sido apenas sorte mesmo. Enfim, com aquela fila, descartamos. Rodamos pelo Quianmen e sua rua pedestres, os hutongs da região. Curtimos bastante.

 

 

Pegamos então o metrô até a Marco Polo Bridge. Fica longe, em outra cidade. Mas foi tranquilo. Depois do metrô vc ainda anda por 1.5km até chegar à cidade murada, e logo depois está a ponte. Tudo muito mais calmo que em Pequim. Bem menos turistas.

Curtimos a ponte por um bom tempo. Diversos leões de diversas maneiras ao longo das bordas. Sem ocidentais naquele momento. Mas éramos encarados normalmente. Voltamos para a cidade murada.

 

Havia lá um “Museu da Agressão Japonesa”. Era grátis e imponente, fomos conferir. Para entrar, era necessário obter o ingresso numa outra salinha. E a menina não conseguia se fazer entender. Nem nós. E logo chegaram três outras pessoas para ajudar na comunicação, inclusive uma que falava algum inglês. Todos muito simpáticos. No fim das contas a menina (guarda do museu) já estava nos dando o ingresso de qq forma, mas o que ela queria que apresentássemos era o passaporte. Simples assim. :)

O museu é muito bem exposto e organizado. Tem linguagem meio panfletária (mas que, em tempos de "notícias" de whatsapp, parece estar voltando à moda), mas curtimos e aprendemos.

 

Voltamos ao metrô e à cidade (e cada trajeto desses de caminhada + metrô pode contar 1 hora por baixo) e fomos conhecer a região da Bell e Drum Towers. O badaladíssimo bairro Shishahai.

A Bell tower tava fechada para obras, então fomos somente na Drum. É bacana, mas teria dispensado. Achei a de Xian bem mais bacana. Demos um rolê na área e fomos finalmente na Great Leap Brewery. Ficava meio escondida num hutong. Lugar cheio de estrangeiros. Cervas muito boas. Aliás, para efeito comparativo, as artesanais na China custavam entre 4 a 7 vezes mais que as comuns. Saboreamos, choveu, abriu o sol, e voltamos.

 

Demos um rolê geral em Shishahai, que naquele domingo estava cheia de gente nas ruas. Curtimos aquele vai e vem, o peoplewatch, e tudo o mais. Tinha lago, barquinhos, pontes, mercado, comidas, etc. Aproveitamos para experimentar mais espetinhos e um belo de um chamado hamburguer chinês que, seja lá o que for, era bom e barato! Por ser lugar badalado, as coisas saíam mais caro: espetinho (acho que de carneiro) por 13, enquanto em Pingyao (sei lá do que era) eram 3 por 10!

 

 

 

Anoiteceu e fomos conhecer a última atração da viagem. Pegamos um metrô para os arredores de um lugar chamado The Place, que eu tinha informação de ter um mega telão no teto, coisa bem high tech. O visual do telão digital no alto é mesmo monumental. E tinha ainda uns mega telões com simulador de corrida de carro. Mas é um lugar estilo shopping, uma rua fechada para pedestres com lojas e lojas e esse barato no teto. Curtimos. Bateu uma chuvinha e lá fomos então pegar o metrô para o hotel, pegar as mochilas e partir para o aeroporto. Último metrô para o aeroporto parte às 2230, pegamos o anterior.

 

 

 

 

Começaria nossa jornada de volta, Pequim, Doha, São Paulo, Rio. Chegamos domingo de noite, 2af já era dia de trabalho.

E assim foi mais uma viagem explorando algum canto do mundo!
 

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por felipenedo
      Fala Viageiros!
       
      Vou contar um pouco dessa deliciosa viagem para o Sul da Bahia no início do ano.
       
      Mas antes, quem puder, segue lá a página no Instagram: @profissaoviageiro
      No YouTube também: Profissão Viageiro
      Em breve vou postar vídeos de todas as viagens!
       
      Para mais detalhes e fotos, acessem o blog: www.profissaoviageiro.com
       
      Ficamos 15 dias entre o extremo sul, em Caravelas onde fui fazer o mergulho em Abrolhos, e Ilhéus, de onde meu voo retornava.
      É a segunda vez que fui para essa região, mas dessa vez pude conhecer mais lugares lindos pelo caminho, como Cumuruxatiba, que não tive a oportunidade de conhecer da primeira vez.
      As principais cidades;praias que passamos foram: Porto Seguro – Caravelas – Prado – Cumuruxatiba – Caraíva – Trancoso – Arraial d’Ajuda – Ilhéus.
      A partir daí exploramos as principais praias e passeios dessas regiões.
       
      E foi assim:
       
      Dia 1
       
      Cheguei em Porto Seguro já bem tarde. Fui direto para a pousada para descansar, o que não consegui fazer muito bem. O quarto não tinha nenhum isolamento acústico e os adolescentes durante a madrugada e os funcionários da pousada durante o início da manhã simplesmente não pararam de fazer barulho. Foi uma noite muito mal dormida.
      Pela manhã tomei café, que estava ok, e saí para passear pela cidade. Fui andando até perto da balsa, passando pela Passarela do Álcool!
       
      Fui para Porto Seguro na formatura do 3º colegial e aquele lugar só trazia lembranças boas!!!!
      Na volta paramos em mercado e farmácia para comprar as coisas que precisava para seguir viagem.
      Então fui até o Aeroporto para pegar o carro e iniciar a viagem rumo ao sul. Acabei dando muita sorte e consegui um upgrade. Peguei uma Pick Up Toro que realmente foi muito melhor que o carro pequeno que havia alugado. As estradas são terríveis!
      Bom, com tudo certo, parti para o sul! Amanhã é dia de mergulho em Abrolhos!!!
       
       
      Dia 2
       
      Era o dia do mergulho em Abrolhos.
      Já havia deixado tudo organizado com antecedência com a operadora de mergulho que escolhi. Lá em Caravelas existem algumas que fazem o passeio.
      O que acontece é que algumas não fazem o bate e volta no mesmo dia, e isso já limita um pouco a oferta. Outro detalhe é que não é todo dia que existem saídas para o bate e volta. Sendo assim, é importante para quem tem o tempo contado, fazer a reserva primeiro antes de organizar o roteiro, porque nem sempre vai encontrar saída no dia escolhido.
      Para dormir embarcado lá em Abrolhos, existem opções de 2, 3, 4 dias. Até mais caso alguém queira é possível encontrar.
      Quando fui da primeira vez para lá, fiz o de 2 dias. Dessa vez foi no bate e volta mesmo.
      Bom, para chegar lá no horário, tive que acordar absurdamente cedo. A estrada estava linda com a névoa no meio dos coqueiros e o sol nascendo ao fundo... Lindo!!! Mas não tem nem acostamento na estrada, então não quis arriscar parar o carro no canto da estrada. O pessoal lá não é muto bom de volante e o horário ainda sugere gente com sono dirigindo!
      Me encontrei com o pessoal da agência no píer de Caravelas e lá descobri que a menina que tinha feito minha reserva não tinha anotado que eu iria fazer o mergulho...... Inacreditável...
      A sorte é que deu tempo do pessoal da agência ir buscar o equipamento par mim e no fim eu consegui fazer o mergulho, mas fiquei bem puto na hora.
      É um longo caminho até Abrolhos... Nessa lancha que é considerada rápida, foram 3 horas.
      Durante o trajeto não tem muito o que ver, especialmente em época que não é das baleias visitarem a região, mas quando chega lá, vale todo o cansaço!
      A água do mar é maravilhosa! Todo o arquipélago é muito bonito! Um lugar especial!!!


       
      A maioria das pessoas do barco não iria mergulhar, então logo que parou o pessoal já partiu para um snorkel perto de uma das ilhas, e eu me juntei a eles enquanto não chegava a hora do meu mergulho.
      Estava cheio de tartarugas nesse lugar. Muito lindo!

       
      Depois fui chamado de volta ao barco para me arrumar para o mergulho. Diferente de muitos outros lugares, eles faziam apenas 1 cilindro o pacote. Mas beleza...
      A parte ruim foi na hora que pulei na água... Minha câmera fotográfica travou e não funcionou o mergulho inteiro... Bem decepcionante!
      Mas o mergulho foi lindo. Foi um mergulho raso, mas cheio de vida em uma água maravilhosa!
      De volta ao barco o almoço estava pronto. Estava boa a comida.
      Fomos então para perto de outra ilha onde um casal iria mergulhar novamente e enquanto isso fui fazer um snorkel. Mais uma vez muito bonito o lugar.

       
      Depois o barco partiu lentamente passando pelas demais ilhas e aproveitei para tirar umas fotos.

       
      Essas cabras que são algo muito louco lá!

       
      Normalmente se pode descer em uma das ilhas para passear e ver as aves bem de pertinho, mas dessa vez por conta da pandemia a descida estava proibida.
      Como tudo para empresas estatais é motivo para fechar, não trabalhar e não pensar, essa pandemia está ajudando muito nessas metas de empresas públicas. Então estava proibida a descida em uma ilha inabitada!
      Bra zil zil zil!
       
      E foi isso. Depois de algumas horas muito bem aproveitadas iniciamos nossa volta. Mais 3 horas até o píer de Caravelas.

       
      Então seguimos para Prado, onde passamos os próximos dias.
       
       
      Dia 3
       
      Esse dia ficamos em Prado mesmo e pegamos praia na Praia Novo Prado.
      A praia tem estrutura de restaurantes e uma longa faixa de areia. Passamos uma tarde bem gostosa lá.

       
      A praia estava bem tranquila e fizemos até umas fotos mais bacanas por lá!

       
      De noite fomos para o point de Prado, o Beco das Garrafas!

       
      Andamos por lá e escolhemos um restaurante bacana para jantar.

       
      E fomos pras cabeças! Pedimos um Camarão na Moranga para 4 pessoas!
      A Tati come muito pouco, então minha missão era comer por 3 pessoas e meia! Hahahaha!!!!!
      A missão foi árdua! Eu comi em um nível digno de programa de TV – Man X Food, versão Prado!
      Bom, fiz o que podia, mas ainda sobrou um restinho. Sobrou bem pouco, mas foi realmente muita comida!
      Eu tenho um bom histórico de suor de carne, mas hoje foi dia de suor de camarão!!!! Cheguei de volta à pousada molhado de suor e sem conseguir me mexer direito!!!

       
      E foi isso, preciso me recuperar dessa orgia!
       
       
      Dia 4
       
      Esse dia era da visita ao Parque Nacional do Descobrimento, que fica em Prado.
      Lá a visita é guiada e eu fiz a reserva com alguma antecedência com o pessoal. Foi bem tranquilo.
      O parque estava deserto. Nós éramos os únicos visitantes do dia. Tudo bem que era época de pandemia e isso obviamente diminuiu muito as visitas, mas mesmo assim, o parque é muito pouco visitado em tempos normais. Não dá para entender...
      Fora do Brasil, qualquer pracinha arrumadinha ganha divulgação e recebe um monte de visitantes. Aqui, esses locais são esquecidos, mesmo sendo tão bacanas.
      O parque não tem uma estrutura boa, consequência óbvia de qualquer administração pública nesse país. Nem banheiro para visitantes tem. Tivemos que usar o banheiro dos funcionários.
      Já as pessoas foram ótimas! Desde a reserva da data até depois da visita que ainda tive contato com eles. Todos muito simpáticos e prontos para nos ajudar.
      Nosso guia foi o Márcio e adoramos ele! Foi muito legal ter feito o passeio com ele!

      Fomos com meu carro parando nas atrações do parque.
      Primeiro paramos na linda Gameleira e ficamos lá um tempo contemplando aquela linda obra da natureza!

       
      Depois paramos na torre de observação de incêndios do parque, onde um elevador (que está quebrado) leva o pessoal da brigada de incêndio para um observatório bem alto onde se tem uma ótima visão do parque e de eventuais focos de incêndio.

       
      De lá fomos para um mirante e ficamos curtindo um pouco aquele verde sem fim!

       
      Em seguida fomos para o lago que fica logo abaixo do mirante. O lugar é bonito e ficamos um tempinho por lá, aproveitando para tomar um lanche.
      A partir de lá saí para andar um pouco pelo parque e tirar umas fotos.

       
      Saímos para mais um trecho de carro onde também aproveitamos para descer um pouco e caminhar pela região.
      Depois voltamos para o lago e ficamos por lá.
      Voltamos então para a entrada do parque para a última trilha do passeio, a Trilha do Macaco.
      No final ainda batemos um papo com o Marcio sobre o parque e ele nos contou a história dele como guia. Eu vou postar isso lá no meu YouTube em breve!
      Eu ainda fiquei ali na região da entrada do parque tirando umas fotos de aves antes de ir embora. Até que rendeu algumas fotos!
      E foi isso, fomos embora com a vontade de voltar em breve para explorar mais esse lindo parque!
       
      Praia de Guaratiba – Prado
       
      Como ainda tínhamos algumas horas de sol, fomos para a Praia de Guaratiba, no sul de Prado.
      A praia é bonita e bem grande!
      Eu cheguei pela entrada principal, que não fica dentro dos condomínios de lá, que são predominantes por ali.
      Paramos no restaurante/barraca logo na entrada da praia para pedir algo para comer. O lugar já estava perto da hora de fechar e o cara era muito chucro. Eu quase tive que pedir desculpar por querer gastar meu dinheiro com ele! Inacreditável!
      Aí como não tinha muita opção, fomos procurar outro lugar e recebemos a indicação que dentro dos condomínios havia restaurantes abertos na beira da praia.
      Encontramos um lugar bem bonito e apesar do horário conseguimos comer e fomos bem atendidos.
      De bônus estava rolando um Rock N’ Roll dos bons no som! Eu não gosto de música na praia, mas um bom Rock não tem como reclamar!
      O peixinho estava ótimo!
      Depois de comer fomos tirar umas fotos porque a luz já estava ficando ótima!

       
      E assim encerramos o dia.

       
      De noite voltamos para o centrinho para jantar e passear um pouco.
      Não foi das melhores experiências porque paramos em um barzinho fora do Beco das Garrafas, bem na praça principal da cidade.
      A galera da cidade leva suas caixas de som para os bares e liga elas na maior das alturas, independente se outras caixas já estão ligadas e os carros na frente já estejam com seus porta-malas abertos com som no último volume.
      Quando percebi, estava no meio de um inferno auditivo e então pedi para o pessoal do bar embalar para viagem minhas coisas e fui embora o mais rápido possível.
      Comi no hotel e já logo capotei!
       
       
      Dia 5
       
      Era o dia de sair de Prado e conhecer a Ponta do Corumbau. Fiquei um tempo ainda passeando ali na região da pousada para tirar umas fotos antes de partir.

       
      Fui então em direção à Ponta do Corumbau. Lá iria encontrar um casal de amigos que vieram de Caraíva para nos encontrar.

       
      A ponta do Corumbau tem uma boa estrutura de restaurantes, pousadas e um grande resort. É uma praia muito bonita, porém mais movimentada.
      Mas andando um pouquinho para longe da muvuquinha ao redor dos restaurantes, a praia já fica deserta e se pode curtir toda essa beleza bem tranquilo!

       
      Ficamos curtindo o dia inteiro por lá, um lugar muito lindo!

       
      A Gio e o Ross tinham hora para ir embora, pois tinham que pegar um buggy de volta para Caraíva. Acabei acompanhando-os até a saída do buggy.
      Depois voltei andando por dentro, na entrada da reserva indígena que tem ali.
      Já estava escurecendo e resolvi jantar antes de seguir para a próxima base, que seria em Cumuruxatiba, ainda no município de Prado.
      Que sorte que fiquei por lá, porque pude presenciar um pôr do sol de tirar o fôlego!!

       
      Depois do espetáculo da natureza chegou a janta. Estava tudo ótimo!
      Então parti para Cumuru porque esse dia já estava terminando!
       
       
      Dia 6
       
      Acordei e fui conhecer a minha pousada, que era bem legal.
      Depois parti para o café da manhã e fui conversar com o dono da pousada para ver com ele algumas dicas de praias da região.
      Nesse dia escolhemos a praia Japara Mirim. Era uma praia ao sul do centro de Cumuru que parecia bem bonita!
      Chegando lá a previsão se confirmou, era uma praia linda e estava praticamente deserta!

       
      A praia possui lindas falésias e um mar lindo!
      Curtimos a tranquilidade da praia o dia inteiro!!!
      Em certo momento uma linda cachorrinha veio para perto de nós. E a partir desse momento ela não desgrudou mais da gente. Nós a chamamos de Mãezinha!
      Ela era tão magricela e tinha acabado de ter filhotes. Ficamos com muito dó.
      Começamos a dar nossa comida para ela. Pobrezinha, estava morrendo de fome.

       
       
      Bom, ela passou o dia inteiro co m a gente e nós demos absolutamente toda a comida que tínhamos levado para ela.
      Fomos caminhando até a praia vizinha, a Japara Grande. Lá existe um restaurante e é bem mais movimentado. Lá a vantagem é que o rio é bem bonito na chegada à praia!

       
      Voltamos para Japara Mirim para aproveitar o restinho do dia e fazer mais carinho na Mãezinha, que fez todo o passeio conosco.

       
      Só que na hora de ir embora foi muito triste. ☹
      A Mãezinha percebeu a movimentação e já foi nos acompanhando nos olhando, muito ansiosa.
      Assim que entramos ela saiu na frente pela estrada de saída da praia.
      Talvez o que passe pela cabeça dela é que se dessa vez ela correr muito mesmo, ela vai finalmente conseguir ficar perto de alguém que tratou ela bem, mesmo que por tão pouco tempo.......
      Quando conseguimos ultrapassar ela na estradinha ela saiu correndo em disparada atrás do carro e aquela cena de abandono olhando pelo retrovisor foi uma cena terrivelmente triste.
      Aí eu comecei a pensar, quantas vezes essa pobrezinha já passou por isso? Quantas vezes ela "foi abandonada" e saiu correndo atrás de alguém que ela só queria dar amor???
      E é isso que eu não consigo entender... Como que as pessoas por aí conseguem abandonar um cachorro que já foi parte da família?????? Como alguém consegue se olhar no espelho depois de ter visto seu cachorrinho ficando para trás pelo retrovisor???????
      Uma pessoa dessas não tem mais nada por dentro, sério....
       
      Eu estou viajando de férias, muito longe de casa e dependendo de hospedagens e transportes que não permitem animais. Naquele momento nós não poderíamos fazer muito. E infelizmente não tem como sair pegando todo cachorrinho e gatinho abandonado que encontramos nessas viagens, especialmente passando por regiões mais pobres que não existe nenhum controle para que esses vira-latihas não se reproduzam e só aumentem o problema. São muitos!
      Bom, o que me restou foi passar em uma loja de rações e comprar um monte de ração para levar lá nos dias seguintes, mesmo que fora da minha rota, para tentar dar um mínimo de comida para essa pobrezinha, que mesmo nessa condição tão ruim e sendo enxotada por outras pessoas só por chegar perto, só tinha amor e carinho para oferecer.
      Queria poder fazer mais.
      Foi triste demais.

      De noite pegamos um açaí e ficamos no hotel. Estávamos bem cansados.

       
       
      Dia 7
       
      Era o dia de conhecer a Barra do Cahy e eu estava com ótimas expectativas para esse dia!
      Antes paramos para conhecer a praia central de Cumuruxatiba, a Praia do Píer.
      A praia era linda e com estrutura de restaurantes e pousadas. Essa praia era mais movimentada que outras que fui.

       
      Depois partimos para a Barra do Cahy, que não fica muito longe de Cumuru.
      Lá existe um estacionamento pago para deixar o carro.
      Logo na entrada já se chega pelo restaurante que tem na praia. A maioria das pessoas ficam perto do restaurante e acabam usando a sua estrutura. Os preços são bem salgados por lá!

      Como nós tínhamos nossas bebidas e comidas, fomos andando pela praia e encontramos um coqueiro bacana para nos dar sombra em uma parte bem bonita da praia. Montamos nosso acampamento por lá.
      E aqui estamos acomodados onde tudo começou para nosso Brasil!
      Apesar de por muito tempo a praia Coroa Vermelha em Porto seguro ser considerada a primeira praia do Brasil, hoje se sabe por estudos de pesquisadores que o primeiro local de desembarque dos portugueses foi na Barra do Cahy, aqui no município de Prado.
      A praia é muito tranquila sem dúvida uma das mais bonitas do Sul da Bahia. Não deve estar tão diferente da “Ilha de Santa Cruz” que foi avistada pelos portugueses mais de 500 anos atrás. Torço muito para que continue assim!
      Preservar lugares como esse é tão importante!
      Um pouquinho mais para frente, encontramos a Cruz e placa em homenagem ao reconhecimento da Barra do Cahy como a primeira praia do Brasil.

      A Terra de Vera Cruz!
       
      “Mandou lançar o prumo. Acharam vinte e cinco braças; e ao sol posto, obra de seis léguas da terra, surgimos âncoras, em dezenove braças — ancoragem limpa. Ali permanecemos toda aquela noite. E à quinta-feira, pela manhã, fizemos vela e seguimos em direitos à terra, indo os navios pequenos diante, por dezessete, dezesseis, quinze, catorze, treze, doze, dez e nove braças, até meia légua da terra, onde todos lançamos âncoras em frente à boca de um rio. E chegaríamos a esta ancoragem às dez horas pouco mais ou menos. Dali avistamos homens que andavam pela praia, obra de sete ou oito, segundo disseram os navios pequenos, por chegarem primeiro.
      XXX
      Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse suas vergonhas. Nas mãos traziam arcos com suas setas. Vinham todos rijos sobre o batel; e Nicolau Coelho lhes fez sinal que pousassem os arcos. E eles os pousaram.” - Pero Vaz de Caminha
       
      Bom, depois de passar um dia tão agradável e com tanta história, fomos para a foz do Rio Cahy, um pouco mais para frente ainda.
      A beleza do lugar é de tirar o fôlego!

      Ainda entrei no rio para nadar um pouco e curtir aquele lugar. O mar ali é meio agitado, então o lado do rio é a melhor escolha para relaxar.

      Antes do fim do dia a praia já estava deserta e curtimos o pôr do sol sozinhos!
      Conseguimos até fazer umas fotos ao estilo largados e pelados!!! 
      Já no caminho de volta ainda tive que parar para apreciar mais um pouco o lugar.
       
      Na estrada da volta presenciamos uma cena dessas inusitadas... Eu que já não dirijo muito devagar, vou vendo um cara no retrovisor chegando rápido perto de mim. Naquela estrada de terra, a velocidade do cara não era muito segura, ainda mais com uma pick up dessas pequenas com a caçamba carregada, inclusive com uma antena parabólica nela. Na hora que ele foi me ultrapassar tinha uma lombada na pista e foi bem a hora que ele acelerou mais... Meu, o cara voou com aquela pick up e metade das coisas que ele tinha na caçamba saíram voando pela estrada para todos os lados!!! 
      Foi muito engraçado! Cena de filme de comédia! O pior é que o cara era local. Ele conhecia a estrada.
      Provavelmente estava meio bêbado, igual a maioria da galera lá que está dirigindo ou andando de bike de noite. As leis lá não são iguais as daqui, e isso a gente percebe rápido!!!
      De noite depois de um belo banho, fui para o centrinho de Cumuruxatiba para jantar.
      Apesar das opções mais sofisticadas de lá, nesse dia acabei pegando um lugar mais voltado para os locais! Bem gostosa a comida!
      Ainda fui buscar a ração no carro para alimentar os cachorrinhos famintos que andavam por lá!

      Ainda deu tempo de um pudim no famoso Uh Tererê de Cumuru!

       
       
      Dia 8
       
      Infelizmente já era hora de deixar Cumuruxatiba. Realmente adoramos Cumuru! Saímos já fazendo planos de quando voltaríamos!
      Tomei café da manhã, dei uma última voltinha e parti!
      Antes de cair na estrada, tive a experiência de usar um “posto de gasolina” local. 
      Esse era em uma mecânica. A gasolina vem em garrafas pet de 2 litros. Sensacional!!!
      Não vou negar que para alguém que mora em São Paulo como eu moro, isso não seja um pouco impressionante... Abastecer o carro com garrafas pet e um funil no meio da cidade na porta de uma loja que armazena essa gasolina sei lá em que condições e por quanto tempo... É bem bizzaro! Um belo choque de realidade desse nosso Brasil.
      O outro Brasil não consegue nem aprovar lei que libera o sistema de self service em postos oficiais e fiscalizados, igual é nos EUA...
      Bom, vencida essa etapa, parti para Caraíva.
      No caminho tive que parar para fotografar essa obra de arte!

       
      Quando cheguei em Caraíva, fiquei assustado como aquele lugar mudou. Gente para todos os lados, estacionamento lotado, ônibus de excursão... Minha nossa!
      Aí parei o carro, deixei algumas coisas que não iria usar dentro do carro e fui para a travessia. Existe uma casinha que cobra um ticket ecológico para entrar, mas não é obrigatório. Eu acabei pagando, mas não precisava.
      Só tem que pagar a travessia para o pessoal já dentro do píer.
      Quando chega do outro lado, o pessoal vem oferecer de levar as malas e as pessoas de charrete.
      Eu sou absolutamente contra o uso de charrete. Tudo que escraviza um animal, eu sou contra. Decidi não pegar e levar eu mesmo. Foi uma decisão complicada... Minha pousada era meio longe e andar naquela terra fofa com a mala na cabeça foi muito complicado... Muito mesmo!
      Para quem não sabe, Caraíva é uma vila de pescador que virou point. Pousadas para todos os lados. A vila não tem asfalto, é uma terra fofa por toda a vila que as pernas ficam queimando se andar muito por lá.
      Praticamente não existem carro na vila. O que tem além das charretes são os buggys que o pessoal usa como taxi, mas eles não ficam rodando por lá, então é bem difícil de pegar um se não for lá no centrinho.
      Nesse dia acabei indo na praia lá em Caraíva mesmo. A praia lá é bonita, mas existem outras mais bonitas na região.

       
       
      Pegamos um pôr do sol incrível por lá!

      Saí já de noite da praia e acabei parando em um restaurante bem movimentado no centrinho, na beira do rio.
      Aí foi uma cervejinha e um delicioso pastel de arraia que animou minha noite.
      Daí foi só caminhar até a pousada e dormir
       
       
      Dia 9
       
      Dia de visitar a Praia do Espelho.
      Tomei um café em um lugar bem na frente da pousada. Depois parti para a travessia do rio para ir buscar o carro.
      Não é muito longe o caminho até a Praia do Espelho. O estacionamento lá é pago.
      Um amigo meu estava hospedado lá no Espelho e fui encontrá-lo assim que cheguei.
      Essa é outra praia que está tão diferente desde a última vez que vim. Cheia de gente para todos os lados.

       
      Depois de um tempo ali na muvuquinha eu acabei indo para o outro lado da praia, cruzando o rio.
      Essa parte da praia eu gostei muito mais. É uma parte quase deserta. No mar um monte de tartarugas marinhas!
      Foi bem mais bacana ficar desse lado e aproveitei para fazer umas fotos da Tati por lá.

       
      Mais para o final do dia a praia já estava bem mais tranquila e fui caminhar pela praia.

       
      E assim o dia foi acabando.

       
      Na hora de ir embora ainda paramos no mirante e também na vendinha que fica no estacionamento. Aí mandamos um creme de Açaí com Cupuaçu. Uma delícia!
      Já em Caraíva fomos jantar mas estava tudo tão absurdamente caro que resolvemos mandar só um lanche e ir dormir.
      O problema é que nessa noite teve uma festa em uma praia que para se chegar tinha que passar na frente da minha pousada. A pousada não tem absolutamente nenhum isolamento acústico e a noite inteira ficou passando gente falando alto e buggys barulhentos que pareciam estar dentro do quarto. Foi difícil de dormir essa noite.
       
       
      Dia 10
       
      Já era o dia de ir embora de Caraíva, mas ainda deu tempo de visitar a Prainha. A Prainha é uma praia de rio bem bonita no lado oposto do centrinho.
      Peguei um buggy para chegar lá, pois era uma caminhada razoável.

       
      Chegando lá foi uma grata surpresa. A Prainha é linda! E não tinha quase ninguém lá esse dia. Estava maravilhoso!

       
      Aí enquanto eu estava fotografando uns pássaros, aconteceu uma coisa bem chata. Acabei fazendo um resgate de um filhote de passarinho.
      Teve uma  festa na noite anterior aqui na prainha e tinha muito saco de lixo com as coisas da noite anterior espelhadas por aqui. Eu estava passando e achei bem estranho uns barulhos de passarinho vindo de um monte de saco de lixo. Acabei parando para investigar, mas eu achei que era algum pássaro tentando comer restos que estariam em volta dos sacos. Procurei um monte e não achei nada. Foi quando percebi que o barulho vinha de dentro do saco!
      Acabei vendo uma pequena movimentação dentro do saco e chamei a Tati para me ajudar e filmar tudo.
      Tinha muita garrafa em cima dele, qualquer coisa poderia fazer as garrafas mexerem e esmagarem o pobrezinho. Ainda bem que a coleta de lixo não tinha chegado ainda.
      Eu realmente não faço ideia de como ele foi parar dentro do saco de lixo. Ele era muito bebezinho ainda.
      Os pais estavam por perto respondendo aos chamados, mas sem poder fazer nada.
      Então depois que eu o tirei de lá, fiquei procurando algum lugar seguro para deixá-lo. Não encontrei nada muito bom, então fizemos um “ninho” com uma toalha velha que achamos por lá e colocamos ele dentro.
       

      Os pais já correram levar comida para ele, que estava morrendo de fome!
      Ele até que ficou uns minutos por lá, mas logo já pulou e foi para o mato. Subiu em um galho e por lá ficou.
      Ele é um Papa Capim de Costas Cinzas - Sporophila ardesiaca.
      Não tinha muito mais o que fazer, mas ele aparentemente estava bem. Acho que ele era muito novo para estar fora do ninho e não é fácil sobreviver assim tão pequeno solto na natureza, mas ele estava lá e os pais estavam por perto levando comida... Sei lá. Ele já conseguia se empoleirar bem e eu acho que só podia torcer para o melhor.
      Fiquei feliz de estar atento e poder ajudar esse nenenzinho! Espero que ele tenha ficado bem!

       
      Aí infelizmente chegou a hora de voltar para poder seguir viagem. Como não tinha como chamar um buggy, fui andando até a pousada. O problema foi que a areia estava pegando fogo naquela hora. Mesmo com o chinelo foi um sofrimento até chegar na pousada, pois a areia é fofa e o pé afundava até a metade.
      Aí na hora de ir para o centro para pegar o barquinho para a travessia, não resisti e chamei uma charrete para nos ajudar. Eu não tinha condições nenhuma de carregar aquela mala na volta. Mas para não sobrecarregar o cavalinho, eu fui andando do lado. O importante era aquela mala chegar lá!
      A ideia nesse dia era conhecer a Praia do Sahy. Como já era meio tarde, parei em um lugar para almoçar e pensar no que fazer no dia.
      Acabei parando em uma pousada que servia comida que o dono era um cara bem bacana!
      Comemos bem, curtimos um som, e o cara nos levou para ver a vista de Caraíva lá do fundo do terreno dele.

       
      Ele nos aconselhou a não ir para a praia nesse dia, porque a maré já estava cheia. Ele ainda nos arrumou de nos levar de carro para a praia no dia seguinte. A opção que 90% das pessoas fazem é ir caminhando desde Caraíva. Ir de carro era show!
      Então segui para Trancoso que era o próximo destino e fiquei de acordar bem cedo no dia seguinte e voltar até lá para ir nessa praia tão bem falada.
      Já em Trancoso, fui para o Quadrado dar uma volta e jantar. O Quadrado de Trancoso é uma grande praça no centro que está cheia de lojas e restaurantes sofisticados.

      Na hora de dormir dei azar de novo. O quarto da pousadinha não tinha nem vidro na janela. A casa do lado foi alugada por um monte de adolescentes que ficaram fazendo festa até altas horas. Que desgraça!
       
       
      Dia 11
       
      Depois dessa noite mal dormida cai da cama cedinho e segui para Caraíva. No horário cheguei lá e partimos para a Praia do Sahy.
      Deixa eu contar como é o esquema lá...
      Como comentei, a maioria das pessoas vem andando desde Caraíva até a Praia do Sahy. Ir de carro tem uma grande dificuldade... O acesso à praia é feito por dentro de uma fazenda. Apenas as pessoas que moram dentro da fazenda podem autorizar visitantes entrarem. Então ou você conhece alguém lá, ou não consegue entrar de carro, porque seu nome tem que estar na portaria da fazenda de manhã.
      Ouvi uma história que o dono da fazenda é um doleiro desses vagabundos que toda hora aparece em noticiário criminal. Uma tristeza essa país...
      Agora vamos ao que interessa... Essa praia é sensacional!

       
      Existem 2 bares mais arrumadinhos na praia, mas eles ficam tocando música, então ficamos bem longe deles.

       
      Ficamos cada hora em um lugar da praia, aproveitando a beleza de cada canto.

       
      Também fizemos snorkel naquele mar lindíssimo!

       
      Mais para o final do dia fomos até a foz do rio e paramos em uma barraquinha para comprar uma cerveja.
      Nessa parte perto do rio, fica uma argila branca que a mulherada passa para hidratar a pele e fazer uma graça para as fotos. A Tati deu uma geral com a argila!!!! 

       
      O pior é que a pele fica muito macia mesmo! Impressionante!
      Bom, como sempre, decidimos ir embora quando já estava quase escuro. Pouquíssimas pessoas na praia ainda.
      Um pequeno detalhe que não nos foi avisado, é que a pessoa da portaria só fica lá até um pouco antes das 5 da tarde. Depois vai embora e só consegue abrir a porta o pessoal que mora lá.......
      Quando descobri isso, fiquei meio desesperado... Tentamos voltar lá na praia e o pessoal das casas não queria por nada ir até a portaria com a gente...
      Um cara que iria passar a noite na praia até ofereceu de compartilhar o peixe que ele iria assar durante a noite com a gente, caso não conseguíssemos sair.
      Eu não conseguia nem sonhar em ter que passar a noite lá ao relento. Porque a galera que iria passar a noite lá tudo tinha barraca e mantimentos. A gente não tinha nem água!
      Nisso falei para a Tati ir falar com o cara da barraca que compramos a cerveja. Por sorte ele iria sair e disse que a gente poderia sair com ele.
      Minha nossa, que sorte!
      O cara demorou muito para sair, mas no final deu tudo certo!
      O pessoal lá é meio estranho, para falar o mínimo... Tinha um outro carro que depois apareceu que parecia que estava na mesma situação que eu. Precisava que alguém abrisse a porta para eles saírem. Ele estava um pouco para trás da gente.
      Só para não ajudar esse cara, eles abriram a porta rapidinho, saíram e mandaram eu sair rápido. Aí fecharam a porta correndo e o cara ficou lá... Os caras ficaram com aquela cara de missão cumprida só porque conseguiram prejudicar o outro cara. Achei bem zoado. A educação dessa galera é.... diferente.
      E foi isso nesse dia.
       
       
      Dia 12
       
      Dia de conhecer o Parque do Pau Brasil!
      Depois de mais uma noite mal dormida por causa da festinha dos adolescentes, fiz o check out e saí da pousada bem chateado. Parti para o parque com as malas no carro porque depois de lá já iria para Arraial d’Ájuda.
      O parque do Pau Brasil está sob concessão da iniciativa privada, então o esquema já é bem melhor que o Parque do Descobrimento. Uma estrutura melhor e mais organizada.

       
      O passeio foi feito no carro do parque, e por isso foi cobrado um valor extra.
      Fizemos várias trilhas dentro do parque e nos deparamos com lugares lindos.
      Vimos muitas bromélias no caminho.
      Quando uma árvore desse tamanho cai, abre um clarão na mata que é insano. Isso é um monstro que vai abrindo caminho por onde passa.

       
      E tem também essa árvore que parece árvore de desenho animado! Dá para imaginar tirando a cabeça de dentro com um bicho grudado no nariz!
      Ela é oca e dá para ver um pontinho de luz lá em cima!
       

       
      Mas a principal atração do parque é sem dúvida o Pau Brasil. Existem árvores de aproximadamente 1.500 anos nesse parque!!!!
      É realmente emocionante ver a força da natureza e estar diante de um gigante desses!

       
      Conhecemos 2 árvores que tinham aproximadamente essa idade.

       
      Uma curiosidade sobre o Pau Brasil é que as árvores crescem muito devagar. Uma árvore de 2 metros de altura já pode ter mais de 50 anos.
      Outra curiosidade é que o Pau Brasil tem espinhos apenas enquanto é “jovem”. Quando a árvore cresce, ela deixa de ter espinhos.
      Paramos depois desse encontro em um mirante.
      E partimos para a última trilha do passeio, até a cachoeira Salto do Jacuba.
      Essa trilha deu um medinho porque fizemos uma parte dela sozinho, porque o guia foi até a sede encontrar outros visitantes que haviam chegado.
      A trilha não é difícil, mas o medo de pisar em uma cobra não era pequeno. Acabamos indo bem devagar para tomar todo cuidado.
      A cachoeira fica em uma região bem bonita com umas mesas de pique nique. O rio é muito bonito com a água limpinha!
      E a cachoeira é bem legal!
      O único problema é o medo de entrar no poço dela, porque existem muitas cavernas e locais escuros que para aparecer uma cobra ali não custa nada!

       
      Eu me arrisquei um pouco ali, mas não cheguei a entrar debaixo dela.

       
      Aproveitamos para fazer umas fotos porque o lugar merecia!!!

       
      E foi isso. Voltamos para a sede, ficamos lá um pouquinho e andamos até um mirante ali perto. Depois seguimos para Arraial.
      No caminho, encontramos um restaurante bem caseiro que nos deliciamos com um belo arroz, feijão e macarrão!!
      Em Arraial ficamos em uma pousada bem bacana! Fizemos o check in e já corremos pegar uma praia em Arraial mesmo.
      Ficamos na Praia do Araçaipe e depois na Praia do Apagar-Fogo, já bem na margem do rio, de frente para Porto Seguro.
      Ali é lotado de condomínios que fecham o acesso para a praia. O acesso fica limitado aos pequenos corredores públicos que existem ali. Enquanto na rua, você vai andando na beira da praia, mas a única coisa que vê são muros altos.
      A vantagem dessas praias é que fazem parte de uma grande faixa de areia que facilita para encontrar um lugar tranquilo para montar o acampamento!

       
      As praias são bonitas e estavam limpas.

       
      Foi um passeio bacana, mas sem nada de especial. Na volta paramos no cento para nosso almojanta. Um peixinho delicioso!
      De noite fomos para o centrinho e mandamos essa extraordinária barca de açaí para encerrar o dia com estilo!

       
       
      Dia 13
       
      Pegando dicas de praias com o pessoal de lá, nos sugeriram visitar a Praia Taípe, mais para o sul, indo em direção à Trancoso.
      Seguimos essa dica e fomos então curtir nosso último dia de praia em Taípe.
      Chegando lá, ficamos um pouco decepcionados com o lugar. Tinha inclusive 2 ônibus de turismo da CVC estacionados lá. Definitivamente não era isso que estávamos procurando. Como a praia tem estrutura de restaurante, fica uma bela muvuca ali.
      O estacionamento é pago.
      Bom, andamos um pouco por ali e avistamos mais ao sul uma parte da praia que parecia bem mais bonita e tranquila, cheia de coqueiros. Decidimos então voltar para o carro e tentar a sorte naquela direção.
      A estrada não beira o mar bem de perto, então precisa procurar onde que se tem acesso às praias pelo trajeto.
      Um pouco antes de chegar em Trancoso achamos um acesso por dentro de um condomínio para a Praia do Rio da Barra.

       
      Ali a praia era muito mais bonita e tranquila. Achamos um coqueiro para chamar de nosso e já nos instalamos!

       
      Obvio que aproveitamos para mais uma sessão de fotos!

       
      Já mais para o final do dia fomos até a foz do Rio da Barra. Lindo demais ali!
      O privilégio de pegar esse pôr do sol no último dia inteiro de praia!

       
      E como sempre só saímos da praia depois que o último raio de sol se apagou.
      De noite fomos para o centrinho de Arraial para passear e jantar.
      Assim como em Porto Seguro, Arraial d’Ajuda também tem a sua passarela do Álcool! E a gente não poderia deixar passar a oportunidade de beber um Capeta!!!!!

       
      Quem passou a formatura do 3º colegial em Porto Seguro sabe quantas histórias boas começam com um porre de Capeta!!!!
      E sob efeito do Capeta, fomos para a pousada!
       
       
      Dia 14
       
      Já com clima de despedida, ainda teríamos uma manhã em Arraial. Decidimos ficar curtindo a pousada para não ter que se envolver em nenhuma correria nesse dia. De tarde pegaríamos um ônibus de Porto Seguro para Ilhéus.
      Eu aproveitei que a pousada ficava em uma ária de bastante verde e saí para tirar umas fotos dos bichos. A Tati já foi direto para a piscina

       

       
      Depois eu deixei o carro para lavar, porque dava até vergonha de devolver o carro na situação que ele estava, e fui para a piscina também.

       
      Mas infelizmente chegou a hora de nos despedirmos de Arraial. ☹
      Olha que anúncio maravilhoso nesse carro que estava na balsa!

       
      Aí devolvemos o carro no aeroporto e pegamos um Uber para a rodoviária que fica do lado do aeroporto. Embarcamos no horário e fomos para Ilhéus.
      Em Ilhéus o pessoal da pousada não conseguia informar direito o endereço da pousada e perdemos um tempinho até achar o lugar. Realmente não consigo entender como que com tanto aplicativo de localização alguém tem dificuldade de informar a localização da sua pousada, mas...
      Como já era de noite, não fizemos mais muita coisa esse dia.
       
       
      Dia 15

      Tomamos café na pousada e já partimos para a praia, pois o tempo era curto. Nosso voo de volta para São Paulo era no meio da tarde.
      Pegamos praia na Praia do Milionários que era a mais próxima da pousada. Dizem que é uma das melhores praias de lá e uma das poucas com mar próprio para banho.
      Olha, foi uma decepção absurda.
      A praia estava imunda! Era difícil achar um lugar que não se deitasse em cima de algum tipo de lixo. A galera é muito porca!
      Se essa é uma das melhores praias por lá, imagino as piores... Que pena.
      Mas era isso para o momento e aproveitamos os últimos minutos de férias na Bahia por lá mesmo.

       
      E como não tinha outra saída, tivemos que fechar as coisas e voltar para casa!
      Olha, foram 2 semanas especiais que passamos lá! De verdade! A Tati não conhecia nada e eu já conhecia uma boa parte dos lugares que visitamos. Mas acho que a emoção foi a mesma que a dela. Lugares lindos, alto astral, sol, natureza exuberante e muitas fotos e histórias que se fosse escrever tudo aqui deixaria ainda mais longo o post.
      Olha, não tem uma semana que passa que não brincamos de largar tudo aqui e abrir uma pousada em Cumuruxatiba!!! 
      Quem sabe!
      E é isso viageiros, qualquer coisa que eu puder ajudar com as dúvidas de vocês desses lugares é só perguntar!
       
      Abraço!
       
      Profissão: Viageiro
      Insta: @profissaoviageiro
       

    • Por Fora da Zona de Conforto
      Durante o tempo que passamos na China, eu e a Nikki conhecemos muitos expatriados e imigrantes. A maioria dessas pessoas trabalhavam como professores de línguas estrangeiras, e precisavam de um visto de trabalho para lecionar e morar no país.
      Conhecendo muitos expatriados, sendo eu um deles, sei que os primeiros passos para conseguir o seu visto de trabalho podem ser um tanto assustadores – especialmente em um local como a China que tem um dos idiomas mais difíceis do mundo!
      Pensando nisso, aqui está esse guia com um passo a passo das primeiras coisas que você deve pesquisar e providenciar para obter o seu visto de trabalho chinês.
      Os estrangeiros que trabalham na China e são pagos por seu trabalho devem obter uma autorização de trabalho e uma autorização de residência do tipo trabalho (juntos chamados de “visto de trabalho”) antes de poderem ser legalmente empregados no país.
      Estrangeiros com visto de trabalho podem viajar entre a China e o exterior várias vezes durante o período de validade, sem a necessidade de um visto separado.
      A primeira autorização de trabalho ou residência de um estrangeiro é geralmente válida por 12 meses e pode ser prorrogada após o vencimento. Lembre-se de que antes de solicitar a autorização de trabalho, você precisa ter um diploma e uma verificação de antecedentes autenticados pelo consulado chinês.
       
      Continue lendo em: Como Solicitar um Visto de Trabalho Chinês p/ Estrangeiros – Passo a passo
    • Por Fora da Zona de Conforto
      Lar de alguns dos mais incríveis horizontes, portos fascinantes e belas atrações turísticas. Hong Kong, também conhecida como “a Pérola do Oriente”, é nada menos que um espetáculo urbano. Este centro corporativo global também é um lugar onde arquitetura, história e uma ampla gama de culturas se encontram e se misturam, proporcionando a melhor experiência de viagem.
      Hong Kong está localizado no sudeste da China, em uma ilha. Dona de uma densidade demográfica altíssima e um número surpreendente de arranha-céus espalhados pelos centros urbanos.
      Conhecida por misturar a cultura oriental tradicional com a modernidade ocidental, Hong Kong esteve sob o domínio da Inglaterra há mais de 156 anos. Após o fim da colonização, Hong Kong transformou-se em uma região administrativa especial chinesa e se consolidou como um dos principais centros econômicos e financeiros do Oriente.
      Embora Hong Kong não seja independente da China, ela funciona com seu próprio sistema e poderia ser chamada de cidade-estado. Dona de seu próprio governo, moeda – o dólar de Hong Kong, leis e duas línguas oficiais, inglês e chinês.
      Embora muitos países ainda não tenham permissão para viajar devido à pandemia do coronavírus, para aqueles de nós que desejam viajar novamente, ainda podemos fazer nossos planos de viagem pós-pandemia para quando tivermos tudo pronto para viajar pelo mundo. 
      Se você está pensando em adicionar Hong Kong à sua lista de desejos pós-pandemia, aqui estão cinco coisas que você precisa saber sobre esta cidade agitada.
       
      Continue lendo em: 5 Coisas para Saber sobre Hong Kong: Explorando a Pérola do Oriente
    • Por Vanessa Suk
      Relato Caminho Português de Santiago de Compostela
      Primeira vez escrevendo um relato de viagem, e como toda primeira vez tem que ser especial, esse relato é sobre uma viagem muito especial. A experiência mais incrível até hoje, difícil, intensa, enriquecedora.
      Desde a primeira vez que ouvi falar sobre o Caminho de Santiago eu quis percorrê-lo e foram mais ou menos seis anos até que esse sonho pudesse ser realizado.
        Eu sempre gostei de caminhar, me dá a sensação de liberdade. E neste caso não seria apenas caminhar, seria uma longa jornada passando por muitas cidades e pequenas vilas que eu desconhecia completamente ou apenas ouvira falar de seus nomes. Seria muito mais do que caminhar ou querer apenas alcançar um destino, afinal, se a intenção fosse apenas chegar existiam maneiras mais fáceis do que andar centenas de quilômetros a pé. Percorrer o Caminho de Santiago tem um significado muito particular para cada um de seus peregrinos, cada pessoa com quem encontramos pelo caminho tem uma história de vida, uma história com o caminho e um porque só seu de estar ali.
      O Caminho de Santiago de Compostela é uma das peregrinações mais conhecidas em todo o mundo. A peregrinação tem como destino final a cidade de Santiago de Compostela na região da Galícia na Espanha, onde por volta do ano 830 d.C. foi encontrado o túmulo do apóstolo Tiago. A noticia dessa descoberta foi levada ao rei Afonso II de Astúrias que viajou até o local da descoberta partindo da sede de seu reino. Chegando lá e após confirmar a descoberta mandou construir uma capela e tornou-se o primeiro peregrino oficial. Dessa forma surgiu um dos mais importantes centros de peregrinação cristã.  Ao longo dos séculos, milhares de pessoas têm percorrido os caminhos que levam a Santiago de Compostela em busca de reflexão, autoconhecimento e para professar a sua fé.
      Existem muitas rotas para se chegar até Santiago de Compostela e alguns pontos mais conhecidos e procurados para iniciar o percurso, porém na verdade cada um pode iniciar o seu caminho onde bem quiser. Após muita pesquisa, leitura sobre o caminho e planejamento., resolvi que dos muitos caminhos que levam a Santiago de Compostela iria percorrer o Caminho Português Central.
      O Caminho Português é a segunda rota mais utilizada para se chegar até Santiago de Compostela na Espanha, perdendo apenas para o famoso Caminho Francês, cujo percurso total tem aproximadamente 800 km e costuma ser feito de 30 a 40 dias passando por diversas regiões da Espanha. Ainda é um sonho caminhar esses 800 km, mas diversas razões me levaram a escolher para essa primeira vez o Caminho Português Central. A principal razão é que essa seria a minha primeira vez em uma experiência desse tipo, uma peregrinação que exige tantos dias de caminhada. Eu nunca tinha feito antes um trekking que durasse vários dias, por exemplo, então, mesmo não sendo uma pessoa sedentária eu não fazia idéia de como meu corpo reagiria a um esforço tão prolongado. Nos meses que antecederam a viagem me preparei fisicamente, fiz muitas trilhas em montanhas, caminhadas e musculação para fortalecer o corpo e isso tudo foi bem importante. Enquanto planejava me encantei pela idéia de caminhar pelo norte de Portugal e por parte da Galícia na Espanha e a viagem ia então tomando forma.
      Cada viajante faz seu próprio caminho. É o que se diz a respeito dos peregrinos. Oficialmente esse caminho inicia em Lisboa. Segundo muitos relatos não há muitos albergues peregrinos municipais entre o trecho Lisboa e Porto, por isso a grande maioria das pessoas opta por iniciar no Porto e foi o que decidi fazer também. Mas com certeza em outra oportunidade com mais tempo disponível gostaria de fazer esse Caminho iniciando em Lisboa.
      Partindo da Catedral da Sé no Porto até alcançar a Catedral de Santiago de Compostela foram 245 km de caminhada em 11 dias.

       Antes de detalhar cada etapa da minha peregrinação quero descrever um pouco os dias de viagem em Portugal que antecederam o seu inicio. Infelizmente não tenho uma planilha de gastos, pois sou péssima com isso. Em todas as viagens anoto os gastos nos primeiros dias e depois acabo deixando isso pra lá quando percebo que o dinheiro vai ser suficiente. (RS) Não vou detalhar muito essa parte da viagem, mas sim eu gostei bastante dessa etapa. Encantei-me com a hospitalidade dos portugueses desde o primeiro momento, a maioria com quem conversei demonstrou gostar dos brasileiros. Em Portugal tem muitos brasileiros também, nos restaurantes, hostel e em toda parte. A maioria bastante solicita com a recém chegada que era eu.
       
       
      Chegada em Portugal
      Não é toda hora que a gente pode fazer uma viagem à Europa em tempos de real tão desvalorizado, então antes de rumar a Santiago de Compostela a idéia era conhecer um pouco de Lisboa e Coimbra a ultima cidade a ser inclusa no roteiro.
      Cheguei a Lisboa no dia 13 de agosto no período da manhã. Vôos noturnos pra mim são bem cansativos, pois raramente consigo dormir, mas o vôo foi bem tranqüilo. Vôo da Cia aérea Azul, que saiu por um preço razoável após muitos dias de pesquisa (R$ 2850,00 aproximadamente ida e volta saindo de Viracopos para Lisboa e a volta do Porto para Lisboa). Ter comprado um vôo multitrip ( quando a ida e a volta são rotas diferentes, como nesse caso) foi ótimo para a logística da viagem, assim pude conhecer duas importantes cidades antes de fazer o caminho e no final não precisei voltar até Lisboa.
      A imigração em Lisboa foi bem tranquila, a funcionaria que me atendeu não perguntou nada sobre dinheiro ou seguro (embora o seguro seja obrigatório) me perguntou quanto tempo eu ficaria por lá e eu expliquei que faria o caminho e a moça me pareceu bem curiosa sobre isso.
      Em Lisboa é muito fácil se locomover com o transporte público, fui de metrô até o Brothers Hostel  que já estava reservado.  O hostel fica a poucos minutos de caminhada do centro e da Avenida Liberdade.  Cheguei ao hostel por volta das 10 horas da manhã, o check-in seria somente às 15 horas, porém o local cobrava um valor por hora para deixar a mochila lá antes do check-in... Achei aquela recepção bem frustrante e claro, não paguei, fui dar uma volta pelas redondezas com meu mochilão nas costas. Fora isso a recepção do hostel nem sempre tinha pessoas que falassem português, apenas inglês, o quarto era um pouco apertado, o café da manhã era muito bom, tinha uma cozinha para esquentar comida e os banheiros estavam sempre limpos. Bom custo benefício.
      Apesar de bastante cansada, já nesse primeiro dia foi possível ver e me encantar com muita coisa. A famosa Praça do Comercio, os Arcos da Rua Augusta, o rio Tejo, que tanto me lembrou dos antigos poetas.  A região central mais antiga é repleta de monumentos históricos e estatuas que homenageiem personagens importantes portugueses.
      Em agosto o verão europeu está no auge, nesses dias que passei por lá fez bastante calor, porém no fim da tarde sempre batia um vento gelado. É a alta temporada de férias dos europeus então havia turistas para todos os lados, pessoas com diferentes idiomas pelas ruas, restaurantes e praças.  Apesar da cidade parecer bem cheia como a minha intenção não era pular de um ponto turístico a outro isso não foi um problema, mas a fila era notável em alguns locais.
      No segundo dia fui conhecer o bairro do Belém. Foi um dos lugares que mais gostei em Lisboa. Novamente usando o transporte público, metro e comboio (trem). Não fui a nenhuma atração paga e foi um dos dias mais proveitosos. Conheci o Padrão dos Descobrimentos, que com sua imponência homenageia os navegadores portugueses que desbravaram os mares ao longo da história. A famosa Torre de Belém que eu queria muito ver, em frente à torre tem um parque cujo nome não me lembro e seguindo em frente fica o museu do combatente.
       Após almoço no Café do Forte bem próximo a Torre de Belém, atravessando a avenida e caminhando um pouco fica o Centro Cultural do Belém e logo depois o Mosteiro dos Jerônimos, onde havia visitação gratuita, uma igreja imensa e muito bonita por dentro e por fora. Depois segui para um lugar bem tradicional onde foi inevitável pegar uma fila grande, Pastéis de Belém, o verdadeiro é feito nessa pastelaria, em todos os outros locais chamam de pastel de nata. Não é um lugar caro, cada pastel custa 1,15 euros. Comprei alguns e fui comer em outro parque bem pertinho dali com bastante sombra para descansar daquele calorão.
      Ainda no fim da tarde mais uma caminhada até o MAAT, Museu de arte, arquitetura e tecnologia, onde na área externa tem-se uma bonita vista do rio Tejo. Passei ainda pela Ponte 25 de Abril que liga a cidade de Lisboa com a cidade de Almada. Na ponte há uma visita guiada que eu queria ter feito, mas devido ao horário não foi possível.
      No dia seguinte fui conhecer outros bairros em Lisboa. Bairro Alto, Alto Chiado e Santa Maria Maior, no Bairro alto você pode chegar usando o elevador de Santa Justa, o tradicional bonde (eléctricos) ou apenas subir a ladeira que foi o que eu fiz.
       O almoço foi na Fabrica da Nata, uma pastelaria tradicional com preços acessíveis, além dos pastéis de nata que custa um euro, há diversas opções de sanduíches quentes ou frios e vinhos.
      Foi mais um dia batendo perna pela cidade. Encantei-me pelas paisagens na freguesia de Santa Maria Maior, onde fica o Castelo de São Jorge, À tarde, novamente na Baixa de Lisboa, resolvi provar o gelato na Amorino´s, na casquinha o gelato é servido em formato de flor.
      Dia seguinte parti para a cidade de Coimbra. Viagem de ônibus de quase duas horas que custou 14,50 euros (comprei a passagem no terminal de ônibus, mas comprando antecipadamente provavelmente sairia mais barato).
      Em Coimbra fiquei hospedada no NX Hostel que eu recomendo muito pela minha experiência lá. Todos os funcionários foram atenciosos e simpáticos. O hostel funciona em um antigo casarão reformado e as instalações não deixam a desejar em nada. O café da manhã tem muitas opções e é servido em uma área externa, local bem agradável para começar o dia. Fiquei em um quarto misto para 4 pessoas. O hostel fica na Praça da Republica e bem perto da Universidade.
      A famosa Universidade de Coimbra é a alma da cidade, uma das universidades mais importantes de Portugal e até do mundo é impensável ir a Coimbra e não visitar a Universidade. A visita é gratuita e pode-se circular por quase todos os complexos. Bem próximo dali fica o Jardim Botânico, um lugar enorme com inúmeras espécies de arvores e plantas.
      Coimbra é uma cidade grande com certo charme de cidade pequena. O centro histórico com suas ruas estreitas, a Catedral da Sé, O Seminário Maior onde se tem uma vista do alto da cidade e com certeza um passeio pela margem do rio Mondego não pode faltar.
      Coimbra foi a ultima cidade a ser incluída em meu roteiro. Não gosto da idéia de ficar pulando de cidade em cidade sem conhecer nada direito. Gosto de ter tempo para apreciar as coisas sem correria, andar e gastar mais tempo onde achar interessante. Por isso não parei em muitas cidades nesses dias antes do caminho e não me arrependo. Coimbra foi inclusa também por ser uma das mais importantes cidades no caminho entre Lisboa e a cidade do Porto, e a idéia era fazer um roteiro seguindo nessa direção.
      Foram dois dias ali e mais uma vez mochila nas costas, hora de partir para o Porto.  A viagem de ônibus durou cerca de uma hora e custou 12,50 euros.  Nessa primeira passagem pela cidade me hospedei no Alma Porto hostel, que fica a poucos minutos de caminhada do terminal de ônibus o que facilitou bastante a minha chegada. Afinal quem viaja de forma independente sempre tem aquela estranha sensação de chegar a um lugar novo e pensar “e agora pra onde vou?”.  Nesse caso foi só caminhar algumas ruas.
      O hostel era também um grande e antigo casarão, com paredes de pedra, quartos grandes e espaçosos. Apenas o café da manhã era fraco, mas no geral um bom custo beneficio.
      E desde a chegada à cidade onde iniciaria minha peregrinação um misto de felicidade e ansiedade ia tomando conta de mim.
       Fiz o check-in no hostel me acomodei e fui em direção a Rua de Santa Catarina almoçar no Fabrica da Nata, além de já conhecer e gostar de lá não queria perder tempo procurando um lugar para comer.  A  Rua de Santa Catarina é uma importante região comercial, tem lojas, restaurantes shoppings e camelôs por toda sua extensão.
      Lembro que quando saí de Lisboa pensei em passar os próximos dias antes do caminho fazendo passeios mais pontuais, mas por mais que eu quisesse passar um tempo desacelerando antes de começar a peregrinar eu não conseguia. Não consegui não andar pra cima e pra baixo em Coimbra e tampouco consegui no Porto. Eu não esperava ver tudo em poucos dias, mas de qualquer forma era a minha primeira vez no velho continente, e em todos esses lugares por onde passei tinha a sensação de ter muita coisa para ser vista, muita coisa que valia a pena ser vista. Sempre gostei muito de história e em Portugal a história se mostra em toda parte, tudo é bastante antigo é um país que valoriza muito a sua história e como brasileira me identificava muito com essa história da qual estava conhecendo um pouco mais nessa viagem. Então tudo bem eu não desacelerei aproveitei o que foi possível desses dias no Porto enquanto tratava dos últimos preparativos para a minha grande jornada rumo a Galícia.
      Antes da viagem me disseram que o Porto tem uma atmosfera um pouco mágica e é verdade. No bairro da Ribeira às margens do Rio Douro, sentindo a brisa gelada do final de tarde eu tive essa mesma sensação sobre a cidade. Caminhei pelas estreitas ruas de paralelepípedo, algumas abarrotadas de turistas, fique impressionada com a estação São Bento, que de fora nem parecia uma estação de trem, visitei a torre dos Clérigos e o mercado Bolhão.
      Um dia antes do inicio do meu caminho era a hora dos últimos preparativos. Passei em um mercado perto do hostel e comprei algumas coisinhas pra comer durante o dia seguinte. Passei também em uma loja de produtos eletrônicos onde pedi pra darem uma olhada no meu celular que não estava carregando direito. Disseram-me que o problema era o cabo, então comprei outro cabo para carregar o celular e achei que o problema estava resolvido. Voltei ao hostel, deixei lá as coisas que havia comprado e parti em direção a Catedral da Sé.
      Tinha algumas dúvidas sobre o inicio do caminho então pretendia ir até o Centro de Acolhimento a Peregrinos do Caminho de Santiago, na Capela Nossa Senhora das Verdades que fica numa rua logo abaixo a Catedral, porém o local estava fechado. Fui então ao centro de informações turísticas onde uma funcionária muito solicita me deu um mapa do percurso do caminho na cidade do Porto e me explicou a diferença entre as setas que indicam o caminho central e as setas que indicam o caminho da Costa. Na verdade não teria como confundir os dois caminhos, mas só percebi depois.
      O caminho de Santiago é todo sinalizado por setas amarelas, então basicamente é só seguir na direção das setas até o próximo ponto de parada. Mas eu ainda não estava muito segura se seria realmente tão simples e se o caminho principalmente nessa região tão urbana seria bem sinalizado então com o mapa na mão resolvi seguir as primeiras setas do caminho para “estudar” esse inicio do percurso e confesso que me atrapalhei um pouco, num certo ponto a seta apontava para uma rua que teria que atravessar e depois eu não achava a outra seta. Claro, eu tinha o mapa, mas queria entender a lógica das setas. Não era mesmo difícil segui-las e fui treinando o percurso até chegar numa rua não muito longe da Catedral e que seguiria numa reta quase interminável e claro vi pelo mapa que dali era muito simples seguir.
       Em lugares que não conheço muito bem eu tenho a grande tendência de me perder e não tenho muito senso de direção, então um dos maiores medos que eu tinha era de me perder e acabar perdendo tempo indo na direção errada, mas verificando essa pequeno trecho do caminho eu me senti mais preparada para não cometer erros desse tipo.
      Faltava apenas comprar uma vieira de Santiago, uma concha com a cruz de Santiago que me disseram que eu encontraria na Torre dos Clérigos. Na verdade encontrei a vieira em uma loja de artigos religiosos quase em frente à torre que custou muito mais caro do que custa em qualquer outro lugar...  Enfim, erros que a gente acaba cometendo em viagem, mas não pague mais do que 1 ou 1,50 euros por uma vieira.  A vieira é um dos mais conhecidos  símbolos do caminho de Santiago e eu queria sim tê-la na minha mochila  no dia seguinte.
      Voltei cedo para o hostel naquela noite, deixei tudo o mais organizado possível para o dia seguinte e separei a roupa que ia usar.  Eu raramente consigo dormir cedo, mas queria ao menos deitar cedo e descansar um pouco o corpo.
      Caminhando
      1° dia. Do Porto até Vilarinho, 26,9km

      Acordei por volta das cinco e meia da manhã. Nunca fui fã de acordar cedo então já estava começando a superar um grande desafio. Como tinha deixado tudo organizado me arrumei bem rápido, tentando não fazer barulho e apenas com a luz de uma lanterna para não incomodar as outras pessoas do quarto. Em poucos minutos já estava na rua ainda com céu escuro, caminhando em direção a Catedral da Sé.
      Do hostel até a Catedral teria que caminhar mais ou menos 25 minutos e como queria ir por um caminho mais curto e diferente dos que tinha feito antes, pedi informação a um senhor na rua e o mesmo me disse que para ir a pé a catedral estava muito longe, mas me indicou o caminho de qualquer forma. Já que distancia não era um problema pra mim segui para o ponto zero da minha caminhada já com o dia amanhecendo.

      A imensa Catedral da Sé no Porto parece ainda mais imponente nas primeiras horas da manhã. Sem a multidão de turistas, o céu ainda adquirindo as cores daquele novo dia e naquele grande pátio em frente à catedral apenas algumas pessoas de mochila nas costas que tinham com certeza o mesmo destino que eu. Fiz ali uma oração, pedi a Deus para guiar meus passos no caminho. Sentei em um degrau, comi alguma coisa e tomei um suco. Logo em seguida comecei a seguir as setas amarelas.
      Como havia estudado esse primeiro trecho do caminho, não tive dificuldade. Caminhei firmemente, sem pressa, no meu ritmo.  Quando o caminho chega à Rua de Cedofeita se estende numa reta quase sem fim e foi seguindo por ali que escutei o primeiro “Buen Camino” do meu caminho e aquilo encheu meu coração de alegria. Mais a frente, parei em um mercado para comprar água e me atrapalhei para voltar ao caminho certo...
      Nesse primeiro dia a paisagem é predominantemente urbana. Muitos carros, apenas ruas de asfalto e bairros industriais. Em alguns pontos mal havia acostamento para caminhar e era preciso tomar bastante cuidado com os carros. Ainda estava tudo bem diferente do caminho que imaginei.  Apenas chegando a Moreira da Maia a paisagem urbana vai se distanciando dando lugar ao verde do interior.  O calor era intenso, não havia muita sombra.
      No município de Araújo comecei a caminhar com o Ricardo, que é português e com quem conversei muito sobre muitas coisas. Fomos até a cidade de Vilarinho, onde nos hospedamos no albergue particular Casa de Laura por 12 euros (valor normalmente cobrado nos albergues particulares). O lugar era bem confortável e não havia muitas pessoas hospedadas lá. Após tomar um banho e lavar as roupas saímos para comer perto dali.
      Vilarinho é uma cidade bem pequena, não havia nada para fazer por ali. Como não estávamos cansados Ricardo e eu fomos até a praia de uber a poucos minutos dali.  Um passeio bem inusitado e bem agradável.
      2° dia. De Vilarinho a Barcelos 28,1km


      Acordei bem disposta, me alonguei como café da manhã, comi bolinhos que ainda tinha na mochila e pé na estrada novamente.  A paisagem era completamente diferente do dia anterior e o caminho tomou outra forma. Muito verde, ruas de paralelepípedo, um rio bem tranqüilo que refletia a ponte sobre ele. O cenário ideal para caminhar e se conectar com o caminho e com você mesmo.
      Você pode escolher caminhar sozinho, mas sempre haverá no seu caminho boas companhias. A conversa sempre começa com um “buen camino”, a saudação oficial no caminho de Santiago e logo se tem um novo companheiro de jornada, ainda que seja apenas por algumas horas ou alguns quilômetros. 

      Nessa manhã conheci um grupo de mulheres que estavam caminhando juntas  desde a saída de seu albergue e me convidaram a caminhar junto com elas e claro, eu aceitei.  Eram elas, Maria, de Portugal, Cecilie, uma jovem indonésia que mora na França e Katerine, uma senhora canadense.  Conhecer pessoas tão diferentes de mim é certamente um dos presentes que o caminho nos oferece. Juntas nós quatro caminhamos alguns bons quilômetros naquele dia de baixo de um sol muito forte que parecia só piorar com o passar do dia.

      Cecilie eu na verdade já tinha visto no dia anterior em um café, andava rápido, estava sempre um pouco à frente, Maria foi com quem eu mais conversei, foi uma grande companheira nesse dia. Katerine, uma inspiração pra mim, estava fazendo o caminho aos 65 anos de idade, infelizmente não pode seguir conosco até o final naquele dia, pois estava bem cansada e precisou parar antes.
      Seguimos em frente, passando por plantações de milho, bosques, ruas de terra, ruas de asfalto, muitas igrejas e para minha felicidade vários campos de girassóis. Foram longos trechos sem sombra alguma, poucos lugares com água potável e depois do almoço foi ainda mais cansativo.  Maria e eu paramos varias vezes para descansar. Cecilie sempre na frente até que a perdemos de vista.  Levamos muitas horas até chegar a Barcelos.
      A cidade é bem turística, logo na entrada tem um enorme galo, um dos símbolos de Portugal. Infelizmente estava tão cansada que não consegui ver muita coisa da cidade.
      Chegando ao albergue Cidade de Barcelos, após um penoso dia o lugar estava lotado. A senhora responsável pelo local nos disse que só havia um pequeno quarto onde poderíamos dormir em colchões se não nos importássemos em dividir o lugar com uma garota que já estava lá. Não nos importamos e a garota era Cecilie que havia chegado um pouco antes. Nesse albergue não havia um valor específico para pagar, era só fazer uma doação com valor que pudesse pagar colocando o dinheiro em uma caixinha.
      Foi nesse dia que fiquei sem celular, pois meu aparelho quebrou. Não havia o que fazer sobre isso além de me conformar. Felizmente para tirar fotos tinha levado uma câmera e tinha um tablet então não fiquei completamente incomunicável.
      Maria teve muitas bolhas nos pés, teve que ir ao centro médico e infelizmente não iria seguir no caminho. O quartinho onde estávamos no albergue era bem abafado então para não passar tanto calor à noite pegamos nossos colchões e nossas coisas e aceitamos a sugestão da dona do local e dormimos na recepção do albergue. Simples assim, sem frescura, grata por mais um dia na jornada que eu havia escolhido. Na simplicidade você percebe que tem tudo àquilo que precisa.
      3°dia De Barcelos até Portela de Tamel 10 km

      No caminho de Santiago nenhum dia é igual ao outro. A paisagem muda constantemente, o tipo de solo muda quase que a cada curva. Algumas pessoas você encontra varias vezes ao longo dos dias, outras caras novas vão surgindo. Com o passar dos dias o corpo vai sentindo o esforço prolongado também. Doem os pés, as pernas as costas... Às vezes alguma dor vai incomodar bastante. Tem dias em que é mais fácil se manter em movimento, em outros, você quer parar a todo instante.
      A única rotina consistia em acordar bem cedo, me arrumar, arrumar a mochila e partir. E ao chegar ao próximo local de descanso, tomar um banho, lavar a roupa e comer. Não dava pra fugir disso. 
      Nesse terceiro dia Cecilie e eu seguimos juntas. Devido ao cansaço do dia anterior, fizemos uma das etapas em duas partes, caso contrario seria um percurso de quase 34 km e o calor estava fortíssimo. Não havia muitas opções de albergues antes de chegar a Ponte de Lima, então nesse dia o trajeto foi de apenas 10 km até Portela de Tamel, uma vila minúscula onde além do albergue havia uma igreja, um restaurante e mais nada.
      Por ter feito um trajeto mais curto que os outros dias foi relativamente mais fácil. Cecilie e eu conversamos bastante apesar do meu inglês não ser dos melhores. Nesse dia encontrei um casal de brasileiros, até então não havia encontrado ninguém do Brasil.
      Chegamos ao albergue por volta das 10 horas da manhã e o local só abria às 14 horas. Ficamos esperando abrir no restaurante em frente onde tomamos algumas cervejas. Não havia nada para fazer por ali então foi um dia de descanso.
      4° Dia De Portela de Tamel até Ponte de Lima 23,7 km


      Mais um dia de lindas paisagens. O caminho te leva por bosques, trilhas, videiras. Provavelmente um dos dias mais bonitos em relação ao visual em todo o trajeto. A paisagem jamais te deixa entediado.
      Comecei o dia sozinha novamente. Em paz com meus pensamentos. Apreciando a minha companhia, com um longo caminho ainda pela frente, mas firme em cada passo.
      Ainda nas primeiras horas do dia conheci o Alberto, um italiano que me fez companhia durante todo esse dia. Alberto não falava muito bem inglês e eu também não, mas quando duas pessoas querem se comunicar elas dão um jeito de se entender e assim passamos o dia. Às vezes ele não me entendia e eu tinha que repetir alguma frase ou eu não o entendia e ele se esforçava pra me falar com outras palavras.
      Com o passar dos dias as suas pernas vão se acostumando com o esforço, mesmo assim ainda doem, principalmente quando você para por alguns minutos. Alberto às vezes caminhava junto comigo e às vezes eu acabava ficando para trás.
       Seguindo tranquilamente num percurso bastante agradável, com bastante sombra, cruzando pequenas vilas, trilhas em meio à natureza e nisso um sentimento de gratidão vai se intensificando. Gratidão por estar ali no caminho e tudo dar tão certo. Naquele dia já havia me acostumado bem a acordar tão cedo, pular da cama e em pouco tempo estar no meu caminho. Para muitas pessoas isso é simples, mas eu definitivamente não sou uma pessoa matinal, há anos trabalho no período da tarde, sempre tive o costume de dormir tarde, mas nessa jornada consegui transpor mais essa dificuldade e sim eu estava orgulhosa de cada pequena conquista durante todo o meu caminho.
      Eu que sempre me considerei muito distraída e avoada, aprendi a estar atenta. Por muitas vezes eu me perguntava se estava no caminho certo e quase sempre quando pensava isso logo via outra seta amarela para tirar minhas incertezas. Então logo eu pensava. Ok está tudo certo é só continuar seguindo, você está indo bem.
       Em muitos momentos eu sentia que o caminho é uma metáfora da vida. Na vida a gente às vezes fica confusa sem saber se está no lugar certo, no emprego certo, com as pessoas certas, a gente quase implora por um sinal, mas a falta de um sinal também pode indicar que estamos tomando o rumo errado. No caminho e na vida também.
      Nesse dia cheguei a Ponte de Lima por volta do meio dia. Quase não senti a caminhada, não senti o cansaço que geralmente sentia na chegada. Reencontrei o Alberto na ponte principal da cidade, ele já havia ido até o albergue público e como só abriria às 15 horas, procuramos um lugar para almoçar e tomar cerveja, porque aquele calor pedia uma cerveja gelada.
      Ponte de Lima é uma das cidades mais encantadoras desse caminho. Com certo ar medieval, construções muito antigas em paredes de pedra, banhada pelo rio Lima. Muitos peregrinos iniciam ali o seu caminho e a cidade estava também cheia de turistas.
      O albergue público ficava logo depois da ponte, em um edifício muito antigo como quase todos da cidade. No quarto onde fiquei havia uma varanda com uma linda vista da cidade e principalmente da ponte e do rio. O quarto era enorme com aproximadamente 30 camas, o único que não eram camas beliche e tinha um armário enorme para cada pessoa, um luxo para um albergue público.
      Foi ótimo ter chegado cedo à cidade, acabou sendo um dos dias mais proveitosos. Alberto e eu fomos passear no rio, tentei tomar sol, enquanto ele entrou na água que parecia gelada.
      É engraçado como em tão pouco tempo a gente se aproxima das pessoas que conhecemos em viagens a ponte de ter conversas tão sinceras e reflexivas sobre a vida, os planos, o futuro...  Alberto é muito inteligente, mesmo sem falar inglês tão bem falava pelos cotovelos e naquela vibe boa praticamos um pouco de yóga.
      Saímos dali, novamente para sentar em um bar e tomar uma super bock, uma das cervejas mais tradicionais em Portugal. À noite jantamos junto com outros italianos e Alberto ia traduzindo a conversa toda para mim.
      5° Dia de Ponte de Lima até Rubiães 17,9 km

      O caminho vai nos surpreendendo todo o tempo. No caminho português central não há muita dificuldade técnica, no geral basta ter disposição para caminhar bastante. Porém essa etapa foge bastante à regra.
      Nessa etapa temos muitas subidas por trilhas em meio à mata e muitas pedras nessas subidas. Foi de grande ajuda nesse trecho ter um bastão de caminhada. Mesmo onde só havia trilhas de pedras as setas amarelas estavam lá, mas é preciso ter mais atenção. Houve um momento em que quase segui errado e fui chamada de volta ao rumo certo pela Carie, australiana que conheci no primeiro dia e vira e mexe reencontrava.
      E esse foi o primeiro dia caminhando sozinha. No caminho nunca se está completamente só e nessa altura já havia muitas caras conhecidas com quem reencontrava frequentemente. Eu também já me tornara um rosto conhecido para muitos deles. Ainda que não pudesse me comunicar tão bem com todos devido principalmente as diferenças de idiomas, era como fazer parte de um grupo, andávamos quase no mesmo ritmo, parávamos nas mesmas cidades, dormíamos nos mesmos albergues e até no mesmo quarto que era sempre coletivo.
      Como mulher que frequentemente viaja sozinha, a minha principal preocupação é a segurança. Em nenhum momento em todo o caminho me senti insegura ou com medo. Obviamente estava sempre atenta, como brasileira, infelizmente a gente se acostuma com a sensação de que pode estar em risco em certos lugares ou situações, mas em todo meu percurso não houve nenhum momento que tivesse sentido algo assim, mesmo caminhando sozinha por muitos quilômetros. Havia muitas mulheres de todas as idades, também fazendo o caminho sozinhas.
      No Brasil ainda existe um grande tabu com relação a mulheres que viajam sozinhas. Entre europeus e em muitos países do mundo isso é completamente normal.  Muita gente reage com estranheza quando digo que faço esse tipo de viagem sozinha, mas para mim isso já se tornou algo normal.
      Para mim é inconcebível não apreciar a minha própria companhia. Então estar ali caminhando sozinha, em paz, me parecia tão natural quanto respirar.
      Uma manhã de caminhada bem intensa, mesmo com calor e as subidas pesadas, o percurso praticamente todo teve a sombra dos bosques, o que no verão europeu é uma verdadeira benção.
      Chegando ao albergue de Rubiães faltava quase uma hora para o local abrir.  Era um lugar no meio do nada. Bem em frente ao albergue havia um restaurante fechado. Cheguei a pensar que não haveria onde comer ali. Felizmente seguindo pela rodovia havia um restaurante e um pouco mais adiante um pequeno mercado.
      O albergue era bem agradável, com salas bem arejadas e até uma área externa com espreguiçadeiras e vista para as montanhas. Foi uma tarde tranquila com tempo de sobra para descansar.
      6° Dia De Rubiães a Tuí 20 km



      Mais um dia cheio de grandes novidades nessa longa jornada. Deixando Rubiães para trás, caminhando entre bosques e trilhas, antes de encontrar um lugar para tomar o café da manhã encontrei com um peregrino alemão muito disposto a conversar e que me fez um milhão de perguntas. Felizmente ele parecia não se importar muito com meu inglês ainda mais travado devido à fome e o sono.
      A pergunta que um peregrino mais ouve é “Por que está fazendo o caminho?” E claro, o alemão me fez essa pergunta. Não há uma resposta única e exata para essa pergunta. Geralmente eu tentava simplificar a conversa dizendo que eu sempre quis fazê-lo. Mas havia muito mais do que isso.
       Aquele era o momento perfeito para fazer o caminho. Havia passado por algumas mudanças na vida, saí de um trabalho que já não me deixava feliz, me decepcionei com algumas pessoas. Não estava triste, deprimida, nem nada disso. Muito pelo contrario, eu me sentia leve, sentia que tinha tirado um peso das costas. Sentia-me rompendo com o que já não fazia sentido e fazer o caminho iria celebrar tudo isso. Era um momento para mim. Um momento de reflexão, e autoconhecimento. Uma forma de me afastar de tantas coisas e me aproximar de mim mesma.
      Desde o momento em que comprei as passagens uma semana depois de ser demitida eu me senti em paz. Não queria provar nada pra ninguém, era apenas eu sendo eu mesma, aquela que vai até o fim quando quer realizar algo. Eu queria apenas me re-conectar comigo mesma, restaurar a fé que eu sempre tive em mim, a minha coragem e a minha força pra continuar seguindo em frente. Quando contei que a viagem estava confirmada uma amiga me disse “essa viagem vai te re-equilibrar”.  Não poderia estar mais certa.
      Não falei nada disso com o alemão, mas falei sobre planos para o futuro e desejos de mudança até chegarmos num local chamado São Bento da Porta Aberta, onde paramos para o café da manhã.
      Segui caminho envolta em meus pensamentos e me dei conta que naquele dia eu chegaria a Espanha e aquilo me deu um novo gás para caminhar. O clima estava mais ameno e isso sempre ajuda no caminhar.
        Estava tão animada que parecia que eu estava flutuando, principalmente depois que comecei a ouvir música. Mas não qualquer música, só as que me trouxessem energias positivas. Não era nada prático ouvir música com um tablet, mas era o que eu tinha depois que fiquei sem celular.
      Em algum ponto antes de chegar a Valença, um casal que estava passando de carro parou ao meu lado e me fez muitas perguntas sobre o caminho, quantos dias eu já havia caminhado, quantos quilômetros e coisas do tipo. Pareciam bastante interessados e curiosos. Me ofereceram uma garrafa de água e me desejaram felicidades no caminho.
      Já em Valença do Minho, ultima cidade portuguesa no caminho português, encontrei dois dos mais simpáticos amigos desta jornada, Paolo e seu pai Roberto ambos da Guatemala. Foi uma companhia muito agradável, sobretudo em um trecho tão emblemático no caminho, afinal adentraríamos em pouco tempo na sonhada região da Galícia na Espanha. Caminhamos sem pressa por Valença cuja parte histórica estava bem movimentada, havia muito comércio voltado ao turismo e um forte de onde se via o Rio Minho e a Ponte Internacional Tuí-Valença  que separam os dois países. Vale à pena desviar-se um pouco do caminho para conhecer essa região de Valença. Paramos para uma cerveja no Fronteira, “ultimo bar português do Caminho de Santiago”. 
      Atravessamos a Ponte Internacional Tuí-Valença e iniciamos uma nova etapa do caminho. Não mudava apenas a cidade dessa vez, agora seria outro idioma, já no país de destino, o fuso horário com uma hora a mais com relação ao horário de Portugal.
      Tuí é a ultima cidade para se iniciar o Caminho de Santiago nessa rota, já que para obter a compostela, o documento emitido na oficina de peregrinos que comprova que a pessoa percorreu o Caminho de Santiago, é preciso caminhar pelo menos 100 km (para quem faz o caminho de bicicleta é necessário ao menos 200 km).

      Em Tuí me senti na idade média. Com uma catedral românica, construções de muitos séculos atrás, ruas estreitas de pedra e suas ladeiras que desembocavam perto das margens do rio. Me senti privilegiada mais uma vez por estar no caminho e assim ter a chance de conhecer lugares tão peculiares que dificilmente eu visitaria se não o estivesse percorrendo.
      Era um domingo. Os dias de verão na Europa são longos, pois o sol se põe por volta das 21 horas. Então para quem está disposto a enfrentar as altas temperaturas é uma ótima época para fazer o caminho. Dá tempo de fazer o percurso do dia, descansar e conhecer as cidades antes de cair à noite.
      Após o almoço descansei em um parque na margem do rio, perambulei pelas ruazinhas da cidade, mandei mensagem para a família informando que já estava na Espanha. Sentei numa praça para tomar sorvete e pensar no quanto já havia percorrido do caminho e o quanto ainda faltava percorrer.
      7° Dia De Tuí a O Porriño 15,6 km

      Acordei às 6 horas, dormi de novo e acordei uma hora depois, ainda confusa com o fuso horário diferente. Olhei em volta e vi que era a única pessoa ainda na cama. Tratei de pular de lá e me arrumar. Roberto quando me viu pronta para sair ficou impressionado com a minha rapidez. Encontrei um lugar para tomar café da manhã ainda antes de sair da região central da cidade. Logo depois encontrei com Franziska, uma jovem alemã que estava fazendo o caminho com a mãe e a tia e quase sempre nos encontrávamos-nos mesmos albergues. Nessa ultima etapa elas haviam pernoitado em Valença ao invés de Tuí.
      Nessa etapa já se observa um número muito maior de peregrinos, principalmente nos primeiros quilômetros, aos poucos com cada um no seu ritmo a pequena multidão vai se dispersando.
      Em Portugal o caminho sempre adentra em bosques, trilhas em meio à mata, estradas de terra ou de pedra. Quando havia alguma avenida ou rodovia, quase sempre você devia cruzá-la ou andar apenas alguns metros e já estaria novamente em meio à natureza. Mas essa primeira etapa já em solo espanhol se diferenciava bastante nesse sentido. Havia muitos trechos para percorrer em ruas de asfalto, ao lado de grandes veículos e nesses trechos em específico o caminho se torna um pouco maçante.
      Foi um percurso bem cansativo para mim. Além de caminhar em uma paisagem não tão convidativa em boa parte do trajeto, o calor estava cada vez mais intenso e eu senti nesse dia muita dor nas costas, provavelmente não havia arrumado as coisas muito bem na mochila. Sentia vontade de parar o tempo todo. Sentia certa inveja de algumas pessoas que carregavam mochilas minúsculas e pareciam estar passeando no bosque. Mas estas pessoas certamente haviam contratado o serviço que transporta bagagens até o próximo destino.
      O roteiro que eu estava seguindo no aplicativo Buen Camino indicava como próximo local de parada uma cidade chamada Mos, porém vi que seria outro lugar sem muita coisa para se ver ou fazer. Resolvi então adaptar essa parte do roteiro e decidi encerrar essa etapa um pouco antes de chegar a Mos, na cidade de O Porriño, além de aliviar um pouco o cansaço que foi grande nesse dia, simpatizei com a cidade assim que cheguei por lá.
      À tarde acabei encontrando novamente com Franziska, na avenida principal da cidade. Junto com sua mãe e sua tia tomamos uma cerveja ao estilo alemão. 
       
      8° Dia De O Porriño a Pontevedra 34,9 km

      A maior etapa desse meu caminho. E ficou ainda mais longa devido a ter encurtado a etapa do dia anterior. Poderia ter dividido essa etapa em duas parando em Redondela, mas isso renderia um dia a mais para chegar a Santiago.  Além disso, o clima no período da manhã estava bem diferente dos dias anteriores, o céu muito cinza, temperatura ligeiramente mais baixa amenizando o calor. Não imaginei que seria tão difícil chegar a Pontevedra.
      Acordei às 7 horas, o que é bem tarde para quem teria tantos quilômetros pela frente. Me arrumei voltei ao caminho, parei num café na avenida principal da cidade e quando me pus novamente em marcha já eram 8 horas. Acabei perdendo muito tempo nessas primeiras horas da manhã. Claro, não poderia deixar de tomar café da manhã. Na maior parte do caminho se você não aproveitar e parar no primeiro café aberto para tomar café da manhã ou matar a fome durante o dia pode levar muito tempo e muitos quilômetros até encontrar outro lugar para comer ou comprar algo.
      Até chegar a Redondela foi razoavelmente tranqüilo, apesar das muitas descidas para testar os joelhos. No período da tarde ainda com muito chão pela frente viriam muitas subidas. Mas o caminho é bem interessante nesse trajeto, bosques, cidades, pontes, rios, trilhas de pedras, mata mais fechada, outro bosque, outra cidade, rodovias. Um caminho longo, mas, nada maçante como no dia anterior.
      Parei para almoçar em um local simples, porem com uma vista linda e um pouco escondida ao fundo e ao sair de lá o calor já era intenso. Estava aliviada, pois tinha andado um tempão com outro peregrino que parecia não desgrudar de mim, como demorei no almoço ele resolveu seguir na frente sozinho. Mais a frente, parei um pouco conversando com algumas garotas muito animadas, uma portuguesa e outra espanhola, essa ultima contou que havia caminhado 5 km a mais porque se perdeu...
       Como elas iriam ainda demorar por ali segui meu rumo novamente. Passei por uma auto-estrada onde tive que andar ao lado de enormes caminhões. Logo depois passei pela linda cidade de Pontesampaio, que parecia ter congelado no tempo. Ali, uma senhora estava em seu quintal enquanto eu passava em frente a sua casa, com muita vontade de conversar me falou sobre ter percorrido o caminho muitas vezes e contou da sua vida, perguntou se podia ajudar em algo.

      Andei depois por um bom tempo sem avistar mais ninguém e a animação foi se esvaindo. Ao menos tinha certeza do caminho, pois era bem demarcado e cheio de sobe e desce. Quando achei que já estava bem perto o mapa mostrava uma bifurcação onde entraria em um bosque ou iria pela auto-estrada. Fui pelo bosque, que mais parecia um labirinto sem fim. Embora o aplicativo indicasse que estava indo na direção certa a impressão que eu tinha era de andar em círculos. Ia margeando um pequeno fluxo de água quando encontrei um morador local que me disse que até o final daquele bosque seriam 2 km e pela auto-estrada seria mais rápido porem não havia acostamento. Eu não queria acreditar que ainda andaria tanto para sair daquele bosque infinito, mas não tinha o que fazer.
      No albergue publico em Pontevedra não havia mais vagas. Fui até outro albergue, o Aloxa Hostel que também não tinha mais vagas e o senhor na recepção me ajudou entrando em contato com outros dois albergues na cidade que também já estavam cheios. Ele me pediu para esperar e depois de atender outras pessoas que tinham feito reserva me disse que tinha uma cama, e perguntou se eu não me importaria de ficar no quarto junto com um grupo grande. Eu estava desde o inicio dormindo em albergues públicos então porque me importaria?  Fiquei sim muito aliviada por ter um lugar para descansar, depois de tantas horas “na estrada”.
        Com certeza o senhor Pedro que me atendeu na recepção não tem idéia do quanto me ajudou naquele dia. Aquele foi o único momento em todo o caminho em que fiquei realmente preocupada. Se não tivesse conseguido ajuda lá talvez tivesse que ir a muitos outros lugares até conseguir um local para passar a noite ou gastar muito ficando em algum hotel. Ele me recomendou que eu fizesse reserva no meu próximo destino para não correr o risco de ter dificuldades com a hospedagem novamente, verifiquei as opções e ele ligou para mim e reservou.
       Me senti abençoada por ter encontrado tamanha ajuda no momento em que mais precisei. Senti naquilo tudo a magia do caminho. Eu não estaria abandonada no fim daquela jornada, eu teria um lugar para descansar, tomar um banho, lavar minhas roupas, enfim, cumprir meu ritual diário sempre que finalizava outra etapa. Eu senti o meu coração cheio de gratidão e a certeza de estar onde devia estar.
      Essa magia do caminho se manifesta das mais diferentes maneiras. Como nesse mesmo dia, quando eu caminhei quase 35 km e achei que não teria energia para mais nada além de dormir. Mas depois de tomar um banho e me alimentar eu me sentia renovada, eu me sentia leve novamente. E ainda fui presenteada naquele longo dia com outra cidade das mais encantadoras do caminho. Era como se todo o meu esforço fosse recompensado. Era mais uma vez o caminho como uma metáfora da vida. Naquele dia eu senti o caminho me ensinado que eu sempre tinha força para seguir em frente, por maiores que fossem as dificuldades. E os problemas que surgissem eu poderia contornar e eu precisava ter fé.
      Foi uma pena não ter tido muito tempo de conhecer direito a cidade de Pontevedra, pois a cidade é realmente encantadora. Com ruas de pedra, edifícios medievais, monumentos, praças e estreitas vielas, além da lindíssima Igreja da Virgem Peregrina À noite a cidade se torna ainda mais agradável. Muitos restaurantes, bares com mesas ao ar livre, uma combinação interessante entre a história tão viva em cada detalhe do centro histórico e a modernidade de uma pequena cidade turística.

      Andando por aquelas ruazinhas, já nem parecia que tinha caminhado mais do que nunca na minha vida. Me sentia relaxada, absorta por aquela cidade. Antes de voltar ao hostel, comprei um pedaço de pizza e um chá gelado, sentei na escada de uma igreja para comer e apreciar um pouco mais daquela noite.
      9° Dia De Pontevedra a Caldas de Reis 21 km


      Saindo de Pontevedra, passando pela ultima vez por seu centro histórico, ainda dominada pelo sentimento de encantamento e gratidão por aquela cidade. Nos primeiros quilômetros o caminho me lembrava uma procissão, tamanha a quantidade de pessoas.
      Não foi uma etapa tão longa, mas para mim foi com certeza a mais sofrida. Talvez pelo esforço do dia anterior, meus pés doeram muito durante quase todo o trajeto. Cheguei a pensar que acabaria com bolhas, tão temidas por todos os peregrinos. Nunca senti tanto a sola dos meus pés. Para piorar a minha situação durante esse trajeto o caminho era em sua maior parte em estradas de terra com muitas pedras, grandes, pequenas, de todos os tipos, mas muitas pedras sob meus pés já cansados.
      Usei no caminho botas de trilha intensiva, que eram um tamanho maior que o meu e também meias específicas para trilhas e até aquele dia não tive problema algum com os pés. Por iisso acho que o problema não foi o calçado e sim o cansaço acumulado que não combinou com as pedras do meu caminho. Pela primeira vez eu tive que parar, sentar em um lugar qualquer, descalçar as botas e as meias e examinar a situação dos meus doloridos pés. Felizmente nenhum sinal de bolha e não houve bolha até o fim, mas aquela dor seguiu comigo.
      Em meio a esse sofrimento, me consolava o fato de ter feito uma reserva em um albergue particular, afinal seria uma preocupação a menos. Nas cidades mais próximas a Santiago era de se esperar que os albergues públicos ficassem logo sem vagas. Geralmente custam entre cinco e seis euros e os particulares custam normalmente o dobro disso, mas às vezes vale a pena gastar um pouco mais.
      Em Caldas de Reis fiquei no Albergue Timonel, que custou 10 euros. Fica logo na entrada da cidade próximo a ponte. Um lugar simples, porem do qual não tive do que reclamar. Dividi o quarto com apenas duas pessoas, uma jovem garota com sua mãe, que também eram peregrinas. Uma companhia bem tranquila.
      A cidade de Caldas de Reis é bem pequena e tranquila. Provavelmente se não fosse o fluxo constante de peregrinos, seria uma cidade muito pacata. Com uma ponte logo na entrada da cidade, como em quase todas as cidades da região, a cidade tem uma Fonte de água termal. Uma senhora que atendia em um restaurante em frente ao albergue me deu uma maçã e me recomendou que eu fosse até a fonte e ficasse com os pés na água por uns 30 minutos, disse que ajudaria a diminuir as dores das quais eu havia lhe falado. E lá fui eu meter os pés na água quente.
      Apesar de não haver muito a se fazer ou ver na cidade, dei umas voltas à tarde. O clima estava agradável. Voltei cedo para o albergue. Aproveitei que dessa vez teria um pouco mais de privacidade para descansar.  
       
      10° Dia De Caldas de Reis a Padrón 19,2 km


      Com os pés praticamente recuperados do dia anterior segui meu rumo. Sempre no meu ritmo, sem pressão, firme e forte. Após 10 dias a mochila nas costas já fazia parte de mim. Me acostumei a acordar bem cedo dia após dia e continuar em frente. Cada dia era único, cheio de surpresas. Cada dia trazia uma infinidade de paisagens que mudavam a cada curva. Queria ter fotografado tudo, cada vez que me deparava com algo novo, cada vez que a natureza me brindava com sua beleza de maneira diferente. Mas era importante manter-me caminhando. E foi o que eu fiz. E tentei guardar tudo aquilo em fotografias mentais, aquelas imagens que vem a cabeça e te trazem um sorriso ao rosto. Aquelas memórias que vem junto com a sensação de liberdade, sonho realizado e fé.
      Em determinado ponto daquela etapa parei em uma igreja, onde havia na parte de trás um cemitério vertical. Ali conheci uma simpática família de portugueses, mais adiante conheci alguns peregrinos que viviam nas Ilhas Tenerife. Eram pessoas de muitos lugares diferentes, historias e motivações diferentes e todos com um objetivo comum ali.
      Em Padrón parecia ser o meu dia de sorte. Não fiz reserva em albergue então fui direto ao albergue municipal. Chegando lá já havia uma fila grande, inclusive havia alguns brasileiros que eu tinha conhecido vários dias antes. Fiquei com a penúltima vaga do albergue para aquele dia, e como fui uma das ultimas a conseguir vaga, fiquei em um quarto menor, com apenas quatro camas e um banheiro exclusivo. Não parecia nada com um quarto de albergue publico, onde normalmente são dezenas de pessoas no mesmo ambiente. Mais uma vez tive sorte também com as companheiras de quarto, que nesse caso eram duas garotas portuguesas peregrinando juntas e no fim da tarde para minha surpresa depois de muitos dias Cecilie chegou para ficar com a ultima vaga no albergue.


      Quando saí para conhecer a cidade a mesma já estava em plena siesta ( horário no período da tarde em que os espanhóis tiram para descansar). Havia poucas pessoas na rua, alguns turistas ou peregrinos perdidos como eu.
      Padrón foi uma interessante surpresa após a tediosa Caldas de Reis. Com quase tudo fechado relaxei por um tempo no jardim botânico da cidade, visitei a igreja de Santiago de Padrón e descansei um pouco mais sob a sombra das arvores na margem do rio em mais um longuíssimo dia de verão espanhol. No fim da tarde a cidade pareceu se encher de vida novamente. Diversas ruas exclusivas para pedestres com mesas ao ar livre, muitos bares e restaurantes onde era servido o prato típico da cidade, Pimentos de padrón.  A impressão que eu tive é que a cidade inspira certo entusiasmo ao peregrino, afinal chegar até ali significa ter superado muitos quilômetros, dificuldades, dores no corpo e todo tipo de imprevisto que possa ter surgido.
      Esse clima de ansiedade e animação era bem perceptível no albergue. Bastante gente reunida na cozinha até tarde, diferente do que costuma acontecer nos albergues, onde a ordem é o silencio e o respeito ao descanso de todos.  Mas naquela noite observei uma agitação alegre e contagiante compartilhada por todos. Não poderia ser diferente afinal, estávamos muito perto do sonhado destino.
      11° Dia de Padrón a Santiago de Compostela 24,5 km

      Acordei às 5 da manhã para iniciar a minha ultima etapa deste cainho. Acho que ninguém consegue dormir muito no ultimo dia. Tomei café da manhã bem perto do albergue, no café de D. Pepe que se despedia com abraços calorosos de cada peregrino que passava por lá.
      Saindo dali, caminhando pela primeira vez antes do sol nascer, conheci a Marta, uma portuguesa, muito querida que me fez companhia nesse dia. Eu estava há muitos dias sem falar muito português e quando comecei a conversar com a Marta parecia que estava falando sem parar. Falamos sobre viagens, sobre a vida e sobre o caminho.
      Ter a certeza da chegada mudou bastante o meu caminhar naquela manhã. Não sentia dores nas pernas ou nos pés. Não sentia o peso da mochila e não me incomodava com o calor. O dia foi amanhecendo calmamente enquanto seguia sem ver a hora passar. Mas ainda que anestesiada pela certeza da chegada, foi uma longa etapa.
      Eu me perguntava durante aqueles dias como seria a minha chegada e tive a sorte de ter nesse dia pessoas do bem e com boas energias dividindo comigo aquele momento.  Em certo ponto da caminhada reencontrei a Márcia que fazia a peregrinação junto com seus pais e mora em Viana do Castelo, cidade próxima ao Porto.  Estavam no mesmo albergue que eu no dia anterior. Contei a eles um pouco da minha história, de sair sozinha do Brasil e ir a Europa fazer o caminho de Santiago, que era um desejo antigo. Lembro que me disseram o quanto eu era corajosa por ter feito isso.
      Acho que realmente é preciso muita coragem para realizar um sonho. Não é fácil estar em um país estranho, percorrendo um caminho solitário durante tantos dias. Não é fácil tomar a decisão de fazer algo audacioso quando você está num momento de incertezas na vida. Então acho que fui bem corajosa.  Foi pensando em tudo isso que as lágrimas vieram aos meus olhos quando já na cidade de Santiago de Compostela nos aproximávamos da catedral.
      A Praça do Obradoiro onde está situada a Catedral de Santiago de Compostela é certamente um lugar que reúne muitas emoções. Finalmente eu estava lá entre risos e lagrimas. Transbordando de alegria, fé e gratidão.
      É difícil descrever a sensação que tive naquela chegada, sem dizer muitas frases que seriam puro clichê ou que até parecessem obvias demais. Eu posso dizer que foi uma felicidade e uma realização imensa estar em Santiago de Compostela após um longo caminho. Estar ali era a recompensa pela minha coragem, pela minha determinação, por cada passo dado, cada dor que eu senti no meu corpo. Era a certeza de que Deus e o apóstolo Tiago me guiaram durante todo o meu caminho. A certeza de que a minha fé nos meus passos me levou até ali.
      Depois de curtir a chegada fomos até a oficina de atenção ao peregrino onde a espera era de pelo menos duas horas para apresentar a credencial com os devidos carimbos e receber a Compostela, atestando que a peregrinação foi concluída. São emitidos dois documentos, um deles com as informações de onde foi o inicio da peregrinação, qual rota foi feita e a quantidade de quilômetros e o outro documento que é opcional e de caráter religioso e todo escrito em latim.  A Compostela custa 1,50 euros e ali também se pode comprar a vieira de Santiago e outras recordações da chegada.
      Em Santiago de Compostela
      No dia anterior havia feito reserva no albergue Sixtos no Caminho que para minha surpresa era de uma família de brasileiros. O albergue era excelente. Ambiente acolhedor, muito limpo e arejado. Cama bem confortável, tomada e lâmpada individual, além de uma cortininha para que cada um tenha um pouco de privacidade. A poucos minutos de caminhada da região central e também muito perto do terminal de ônibus, foi uma ótima escolha.
      Resolvi ficar dois dias na cidade. Depois de tantos dias eu merecia uma pequena pausa para conhecer um pouco da capital da Galícia. Uma das coisas interessantes nesses dois dias é que enquanto passeava pela cidade ia encontrando o tempo todo algum velho conhecido do caminho.
      Para todos os peregrinos, em especial aos católicos, um evento bem especial é assistir a missa do peregrino. O caminho todo é um até de fé e aquele era para mim um momento de agradecer por tantas bênçãos no meu caminho e na minha vida.  A missa na época da minha peregrinação estava ocorrendo na igreja de São Francisco, que fica bem próxima a Praça de Obradoiro, devido às obras na catedral. Outro importante ritual é o abraço ao Apóstolo, a estátua românica que recebe os peregrinos está sobre a cripta que contém a urna com as relíquias do Apóstolo, este ritual simboliza o amável acolhimento do apóstolo após o esforço da peregrinação.
      Um lugar imperdível em minha opinião é o Museu das peregrinações e de Santiago, que conta com riqueza de detalhes a historia do caminho de Santiago através dos séculos, sua origem e as mudanças e transformações nos costumes dos peregrinos ao longo do tempo. É possível conhecer também a origem e o significado de cada um dos muitos símbolos do caminho. O museu apresenta também outras importantes rotas de peregrinação pelo mundo, Roma e Jerusalém, que junto com Santiago de Compostela formam as três grandes peregrinações Cristãs mais conhecidas. O museu é gratuito aos sábados à tarde, para minha sorte justamente quando eu estava lá e também aos domingos durante todo o dia.
      Outro ponto interessante na cidade, recomendado por uma moradora local, é o mercado de abastos, a segunda atração mais visitada na cidade, onde é possível comprar diversas iguarias da região e também se deliciar com a culinária local.
      A cidade é repleta de atrações para todos os gostos, igrejas, mosteiros, parques e museus. Acho que mais interessante do que ir de um ponto turístico a outro é se permitir explorar livremente a cidade, bater perna pelo centro histórico, relaxar sem compromisso. Sentar em um café ou em uma praça e observar o movimento da cidade.
      Escolhi fazer isso na tão emblemática Praça de Obradoiro, observar os grupos animados, tirando as mais criativas fotos, muitos peregrinos cansados tirando as mochilas das costas e descalçando as botas, algumas pessoas cantando e outras fazendo suas orações. A praça estava sempre cheia de gente durante todo o dia, formando uma egrégora de paz.
      Ao menos para mim o compromisso era cumprir a minha jornada. Feito isso, a idéia era apenas curtir os próximos dias, tanto em Santiago, quanto nas cidades que viriam depois. Inicialmente  havia pensado em fazer a prolongação do caminho caminhando mais três dias até chegar a Finisterre e depois caminhar até Muxia, outra prolongação do caminho. Devido principalmente ao fato de ter poucos dias até a data da minha volta ao Brasil, resolvi manter os dois locais no roteiro, porém a prolongação do caminho ficaria para uma próxima ocasião.
      Finisterre

      A viagem de ônibus de Santiago até Finisterre dura pouco mais de uma hora. A cidade fica na região conhecida como Costa da Morte, na região costeira da Galícia. A região recebeu esse nome por causa dos muitos naufrágios ocorridos ao longo da costa rochosa e traiçoeira.
      Em Finisterre me hospedei no albergue Arasolis, que fica na rua com o mesmo nome. A cidade não tem terminal de ônibus, os mesmos param na rua principal onde fica também o guichê de venda de passagens. Após sair do ônibus é só entrar à direita e em poucos minutos encontrará o albergue.  O proprietário do local recebe a todos de maneira muito amável e alegre, contando suas historias de vida e presenteando a todos com uma concha e um cartão postal da cidade e as meninas ganham também uma pulseira. Além disso, me deu ótimas dicas sobre o que fazer na cidade. O lugar tem uma cozinha de uso coletivo. Fica bem próximo á praia também.
      Fiquei dois dias na cidade, queria aproveitar a proximidade com o mar e relaxar.  A principal atração da cidade é o Faro de Finisterre, o farol, onde termina o caminho para quem faz a prolongação do mesmo até a cidade de Finisterre.  Ali fica o totem indicando o quilometro 0,0 para os peregrinos. O farol fica a três quilômetros do centro da cidade e para chegar é só seguir as indicações na cidade e depois seguir a estrada. Uma subida bem peculiar e bonita em minha opinião, do lado esquerdo avista-se o mar e em certo ponto do caminho tem uma estátua de um peregrino. Lá em cima tem também uma loja de suvenires e um restaurante que parecia ser bem caro. 
      O farol do Cabo Finisterra, ainda ativo nos dias de hoje, é o farol localizado mais no oeste da Europa e tem grande importância para a navegação na região da Costa da Morte.  Há uma tradição entre os peregrinos de prolongar o caminho até ali e queimar peças de roupa antes de regressarem as suas casas. Conforme me recomendou El gato, no albergue deixei para ir até lá ao anoitecer para poder ver o por do sol na encosta do Cabo e valeu muito à pena. Daquele ponto ver o  sol se pondo no mar foi um espetáculo lindíssimo e até mesmo um privilégio para quem tem a chance de conhecer a cidade. É bom levar uma lanterna, pois na volta para a cidade, descendo a estrada a única luz vem dos poucos carros que passam por ali.

       
      No dia seguinte pela manhã caminhei até a praia de Langosteira, no outro extremo da cidade. Naquela manhã o vento era tão forte como eu só havia visto na Patagônia. Mesmo com a ventania a praia era muito bonita, as areias cheias de conchinhas e quase deserta a não ser pelos peregrinos que ali chegavam.
      À tarde, para minha surpresa, o tempo esquentou bastante, não havia nenhum sinal da ventania de algumas horas antes. Então aproveitei o clima favorável para tomar sol na pequena praia da Riveira.  Conheci também o Museu da Pesca, bem próximo da praia, um museu pequeno, mas bem interessante que conta a história da pesca e da navegação na Costa da Morte.
      A cidade tem alguns cafés e restaurantes, e alguns destes especializados em peixes e frutos do mar. Um restaurante que eu gostei muito foi o Baleas, fui lá duas vezes, a especialidade são as massas, muito saborosas e os preços eram razoáveis. Outro restaurante muito bom e com atendimento acolhedor, o Frontera, em frente à parada de onibus, os dois locais tinham muitas opções vegetarianas, o que não era muito comum em algumas cidades por onde passei.

      Outro lugar com um visual incrível para apreciar o por do sol é a praia Mar de Fora. Cerca de quarenta minutos de caminhada do centro da cidade até lá, mas vale muito à pena.
      Muxia

      Outra cidade na Costa da Morte onde a fé e as tradições religiosas  se ligam aos caminhos de Santiago é Muxia. Há cerca de 30 minutos de onibus saindo de Finistere, num caminho que deixou meu estomago embrulhado. Uma cidade pequena, porém muito simpática. O ultimo destino dessa empreitada pela Europa.
      Em Muxia me hospedei no albergue/hostel Bela Muxia. Mais uma vez a recepção foi excelente. Quando cheguei ao local ainda faltava uma hora para o horário de check-in, poderia esperar claro, mas comentei com o senhor na recepção que tinha ficado um pouco enjoada pela viagem de ônibus e o mesmo foi muito solicito comigo e me deixou ir para o quarto naquele mesmo instante. Além da ótima recepção o lugar era muito agradável, tinha uma cozinha bem grande e um lindo terraço com vista da cidade onde era possível avistar também o mar. Uma pena que fiquei somente um dia na cidade.
      A praia de A Cruz, indicação de um morador da cidade tem águas claras, mar calmo e um visual muito bonito. Passei horas ali aproveitando um dia lindo de muito sol.
      O principal ponto de interesse na cidade é o Santuário Virxe de La barca (Virgem da Barca) Segundo a lenda o apóstolo Tiago foi até Muxia, implorar a Deus que seus sermões tocassem as pessoas. Nesse momento então, a virgem teria aparecido a ele num barco de pedra puxado por anjos e lhe disse que voltasse a Jerusalém, pois a sua missão naquela terra havia terminado, Tiago retornou conforme a virgem lhe havia dito, porem havia plantado ali a semente da fé cristã que viria a florescer futuramente.
      Há também lendas sobre as pedras localizadas no rochedo de Muxia. As pedras teriam relação com o barco da virgem em sua aparição e também lendas sobre propriedades curativas.
      Ainda ali no rochedo, complementando de forma peculiar a paisagem o monumento “A Ferida”, dedicado aos voluntários que durante meses limparam as praias da Costa da Morte após um desastre que provocou o derramamento de óleo combustível naquela região. È uma das maiores esculturas de toda a Espanha, com mais de 11 metros de altura, é dividido em duas partes e simboliza a ruptura e o impacto que esse desastre causou a costa Galega. A obra pode ser vista de muito longe pelos bascos que se aproximam da costa.
      Ali no rochedo a vista do por do sol é belíssima. Infelizmente não fiquei para ver. Ainda faltava pelo menos duas horas para o sol se por quando voltei ao centro da cidade para meu ultimo jantar no meu restaurante favorito por ali.
       
       
       
       
       
       
       
       
    • Por Damarens Santos
      Olá galera viajanteeeee. 🤩 Vim fazer falar um pouco sobre minha viagem em 02/2020 em Fortaleza e Jeri   Comprei minhas passagens para Fortaleza pela decolar em uma promoção 657,00 saindo de GRU (uma semana depois baixou para 400,00 kkkkkkkk DIFICIL ). Fizemos as reservas pelo site Airbnb com cupom de desconto  (vou deixar o cupom no final do post) fechamos 4 dias em Jeri na Pousada Casa Flor do Mar e 4 dias em um Flat no hotel Tulip. Como boa viajante, fiz a reserva do flat no meu nome e da pousada no nome do meu namorado, ambos tinham descontos então saiu bem em conta pra nos (400,00 em cada lugar).   06/02 a 12/02 - SP x FOR   1º dia: Nosso voou saiu as 23:30 de SP com chegada as 03:00 em FOR. Decidimos ir pra Jeri primeiro para curtir o fds lá e fortaleza depois, então fechamos com a agência Enseada Turismo  o transfer até Jeri. Do aeroporto até o ponto de partida para Jeri no centro, pegamos um Uber, que deu R$ 19,50 e fomos direto ao ponto de encontro para saída a Jeri, que seria as 04:00. Fechamos o transfer até Jeri com passeios do lado Leste incluso por R$150,00 cada (OBS: existe a empresa Fretcar que faz esse serviço de transfer, porém ele sai em horas fixas... se não me engano o primeiro sai as 07:00 e custa em torno de R$30/40 reais, mas pra otimizar tempo optamos pelo transfer, estava incluso ida e volta + alguns passeios do lado leste). Depois de horas de ônibus (aproximadamente 5:00 com parada pra café da manhã) chegamos até um ponto de apoio onde pegamos as Jardineiras (4x4) pra começar os passeios. O nosso estava incluso o Passeio pela Lagoa do Paraíso, Árvore da Preguiça, entrada free na famosa Alchimist Beach Club e Pedra Furada, como passeio adicional havia a Lagoa do Amâncio por R$30,00 (durante os passeios as malas ficam na própria jardineira). Fechamos na nossa pousada por volta das 17:15 da tarde e saímos pra jantar.   OBS E DICAS: *No café da manhã eles pararam em um local que o café é por peso (pão com frios + copo de leite com café saiu uns R$9,00/11,00) Na hora do almoço estávamos no Alchimist Beach Club, não comemos lá pq achamos as coisas mtt caras (uma cerveja long neck lá custou R$17,00 KKKK). Tomamos um café mais reforçado justamente para não consumir nada neste local por conta dos preços. *A ida até a Pedra furada se resume em caminhada rs. Lá eles falam que o caminho é pesado, 40 minutos de caminhada com uma decida ruim... tudo isso pra vc fechar com os “juber” ou seja charretes, mas a caminhada é tranquila... fizemos em 30 minutos até a pedra. *Na rua SAN FRANCISCO, na vila de Jeri vc encontra refeições a partir de 10,00. ISSO MESMO, nem em Campinas eu encontro estes preços kkkkk (eu não como frutos do mar então os PF’s da vida me fazem mtt feliz, ainda mais quando pago barato. Comi barato e MTT bem, obg). *O que mais me incomodou na vila foi as moscas, puts isso me estressou pq toda vez que vc senta pra comer vem umas 20 em cima da mesa, da comida e tal. Então procure por restaurantes climatizados caso queira paz. A noite tem varias barraquinhas pela rua que vende comida... porém este valor que paguei foi sempre em restaurantezinhos. Aproveitamos que estávamos pelo centrinho anoite para andar e procurar pelo passeio do Lado Oeste, já havíamos cotado com várias empresas antes da viajem (a média de valor era R$350,00 no buggy privativo, R$175,00 buggy compartilhado, R$400,00 quadriciclo e R$75,00 a jardineira), mas optamos por fechar lá em busca de encontrar algo em conta e BINGOOOOO. Encontramos o passeio de quadriciclo por 350,00 e o buggy 300,00.   2º dia: Acordamos e vimos o dia lindo, corremos e ligamos para agência de quadriciclo que iriamos fazer o passeio para fechar para aquele dia. Saímos para o passeio as 9:30, pegamos um guia tão legal que nos deixou super a vontade, passamos pelo mesmo local mais de uma vez para aproveitar quando estava vazio *-* o passeio durou cerca de 5/6 horas. (o guia vai na moro e vc vai pilotando o quadriciclo)   3º dia: tiramos o dia pra descansar. Fomos até a praia de manhã (praia da vila) e a tarde ver o por do sol nas dunas   4º dia: Fomos até a praia da malhada que é mtt linda e aproveitamos pra ir no comercio a tarde, voltamos pra fortaleza as 16:00. Da Vila de Jeri até o ponto de encontro fomos de 4x4 e levou cerca de 1:00. O ponto de encontro é a única parada que se faz até fortaleza, la ficamos 2:00 esperando todas as 4x4 chegarem para lotar o ônibus e irmos embora. Chegamos em nosso flat em fortaleza as 24:00   5º dia: Já havíamos fechado com o Felipe (fechei via whats na volta de jeri para o dia seguinte) o passeio pelas 3 praias (Morro Branco, Praia das Fontes e Canoa Quebrada) de buggy por R$ 110,00 cada (canoa quebrada fica 250 km de Meireles então o passeio foi mtt cansativo rs não achei que compensou mtt, a praia das fonte na minha opinião é uma enganação tremenda kkkkkkk pq são 3 bicas de água escrito que é fonte, fora que se vc não fechar o buggy vc tem que ir caminhando até as falésias e morro branco (que é bem longuinho) então praticamente eles te forçam a fechar o buggy pra conhecer).   6º dia: Compramos o passeio pelo peixe urbano por R$60,00 o casal com a Girafa tur. O passeio saiu as 7:00 com chegada as 19:00. Chegando la eles vão te deixar em um restaurante carinho tbm, porém, na mesma rua do restaurante na frente dos buggeiros tem um restaurante, comida caseira mtt gostosa, prato para 2 pessoas por 35,00. Descendo o restaurante já na praia, tem um quiosque a direita com preços excelentes! (Cerveja por 9,00 600ml). A noite fomos jantar na Barraca da Boa na orla de Meireles, ceva por R$ 9,00 prato de picanha pra 2 por 60,00 (achamos o preço ótimo).   7º dia: Fomos para a Praia do futuro, pois queríamos conhecer o famoso Croco Beach, achei o local mtt cheio e os preços mtt salgados, então fomos pra barraca ao lado esquerdo Barraca Marulhos e fechamos um bangalô na areia com R$100,00 de consumação. Os preços de lá são excelentes e o serviço de primeira. Eles deixam um cooler do seu lado com cerveja já pra vc ficar à vontade. RECOMENDO. A tarde resolvemos andar pelo mercado central e depois ja fomos pro aeroporto.
      CUPOM DE DESCONTO Cadastre-se com meu link e você vai ganhar até R$179 de desconto em sua primeira viagem. https://abnb.me/e/H1L0MFhG83?suuid=9cccd5d0-3bc8-4949-b7ad-25927809bf1e&slevel=0

      Tel do Pedro (agente de fortaleza): 85 9665-9503 Tel do Quadriciclo de Jeri: Kart Cross Roades 88 9849-4619 Edvaldo
      Tel da agencia  Enseada Turismo: 85 9608-1222





×
×
  • Criar Novo...