Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

  • Membros

Oi, boa tarde! Sou brasileira e tenho planos de viagem para a Europa em 2021. Estou começando a me planejar agora, e essa seria a minha primeira viagem internacional, então tenho algumas dúvidas.

Primeiramente, devo dizer que eu não possuo cidadania europeia. Minha ideia seria passar cerca alguns meses na Europa.  A viagem se iniciaria possivelmente (ainda podem haver mudanças) na Alemanha, onde eu penso em passar cerca de 1 mês trabalhando de forma remunerada em um hostel que encontrei pelo Workaway, depois, meu plano é visitar conhecidos que moram em alguns países europeus, e para hospedagem nesses locais, se preciso, utilizar o Workaway novamente de forma remunerada ou não. 

Com isso, surgem algumas perguntas relacionadas a questão de visto. Sei que a permanência máxima no Espaço Shengen é de 90 dias, então, dentro deste prazo existe a possibilidade de eu fazer Workaway remunerado ou não sem um visto? Ou se necessário um visto, qual seria (Working-Holiday, trabalho, turismo...)?

Ademais, gostaria de saber como funcionaria para passar pela imigração.

Obrigada!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

A grande maioria dos trabalhos não são permitidos fazer, mesmo se for voluntário, dentro dos 90 dias, etc. Porém, dê uma pesquisada de aur pair, pois era um dos poucos serviços que eu conheço que era possível para brasileiro conseguir. Como aur pair é basicamente mulher que faz, então não fui atrás, e não sei dizer quais as exigências, ou se ainda é possível.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros
Em 04/06/2020 em 13:07, luizanavarrodea disse:

Com isso, surgem algumas perguntas relacionadas a questão de visto. Sei que a permanência máxima no Espaço Shengen é de 90 dias, então, dentro deste prazo existe a possibilidade de eu fazer Workaway remunerado ou não sem um visto? Ou se necessário um visto, qual seria (Working-Holiday, trabalho, turismo...)?

Com visto de turismo de 90 dias você não pode fazer qualquer tipo de trabalho remunerado. 

Na hora que você chegar lá na Europa, antes mesmo de sair do aeroporto você vai passar pela imigração, e os policiais vão lhe fazer algumas perguntas, a primeira costuma ser: Quanto tempo pretende ficar?

Se você responder 3 meses, o policial vai ficar bastante "curioso" e muito provavelmente querer saber como você vai se sustentar durante todo este tempo, e se você falar workaway,  e não tiver o visto adequado, você volta para o Brasil no próximo voo, sem nem sair do aeroporto.

Para trabalhar, você precisa de um visto que permita isto, cada país tem regras e vistos diferentes, um deles era o visto de au pair que o Davi citou, caso não saiba o que é au pair, é basicamente serviço de babá para cuidar de crianças pequenas, mas não são todos os países que possuem este tipo de visto, e não sei se continuam a aceitar novas solicitações, pois era um tipo de visto muito criticado por causa das fraudes.

Alguns poucos países tem visto de Working-Holiday, onde jovens podem trabalhar por alguns meses durante as férias, mas tem limitação de idade, e quantidade de pessoas, se não me engano era limitado a 500 ou 1.000 pessoas por ano. Mas geralmente exigem que você comprove possuir uma quantia significativa de dinheiro para conseguir se sustentar lá caso algo dê errado no seu trabalho.

Visto de trabalho é o mais complicado de se conseguir, atualmente só são concedidos vistos para profissionais altamente qualificados  como por médicos, engenheiros, cientistas, pesquisadores, gerentes, diretores, artistas internacionalmente reconhecidos, etc... 

Já o visto de turismo, não permite nenhum tipo de trabalho remunerado, e até mesmo trabalho voluntário é bem restrito a organizações de fim social devidamente reconhecidas pelo governo local.

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros
Em 04/06/2020 em 15:43, Davi Leichsenring disse:

A grande maioria dos trabalhos não são permitidos fazer, mesmo se for voluntário, dentro dos 90 dias, etc. Porém, dê uma pesquisada de aur pair, pois era um dos poucos serviços que eu conheço que era possível para brasileiro conseguir. Como aur pair é basicamente mulher que faz, então não fui atrás, e não sei dizer quais as exigências, ou se ainda é possível.

Obrigada

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros
15 minutos atrás, poiuy disse:

Com visto de turismo de 90 dias você não pode fazer qualquer tipo de trabalho remunerado. 

Na hora que você chegar lá na Europa, antes mesmo de sair do aeroporto você vai passar pela imigração, e os policiais vão lhe fazer algumas perguntas, a primeira costuma ser: Quanto tempo pretende ficar?

Se você responder 3 meses, o policial vai ficar bastante "curioso" e muito provavelmente querer saber como você vai se sustentar durante todo este tempo, e se você falar workaway,  e não tiver o visto adequado, você volta para o Brasil no próximo voo, sem nem sair do aeroporto.

Para trabalhar, você precisa de um visto que permita isto, cada país tem regras e vistos diferentes, um deles era o visto de au pair que o Davi citou, caso não saiba o que é au pair, é basicamente serviço de babá para cuidar de crianças pequenas, mas não são todos os países que possuem este tipo de visto, e não sei se continuam a aceitar novas solicitações, pois era um tipo de visto muito criticado por causa das fraudes.

Alguns poucos países tem visto de Working-Holiday, onde jovens podem trabalhar por alguns meses durante as férias, mas tem limitação de idade, e quantidade de pessoas, se não me engano era limitado a 500 ou 1.000 pessoas por ano. Mas geralmente exigem que você comprove possuir uma quantia significativa de dinheiro para conseguir se sustentar lá caso algo dê errado no seu trabalho.

Visto de trabalho é o mais complicado de se conseguir, atualmente só são concedidos vistos para profissionais altamente qualificados  como por médicos, engenheiros, cientistas, pesquisadores, gerentes, diretores, artistas internacionalmente reconhecidos, etc... 

Já o visto de turismo, não permite nenhum tipo de trabalho remunerado, e até mesmo trabalho voluntário é bem restrito a organizações de fim social devidamente reconhecidas pelo governo local.

Obrigada, vou pesquisar mais!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Esqueci do Visto de Estudante.

Em alguns poucos países é possível trabalhar meio período ou durante as ferias se você tiver um visto de estudante.

Mas também é um visto caro ou complicado.

Em alguns países você só pode trabalhar meio período se estive matriculado num curso superior, não permitem trabalhar se estiver matriculado em curso de idiomas.

E nos poucos países onde é permitido trabalhar estando matriculado num curso de idiomas, geralmente você precisa pagar pelo menos 6 meses de curso antecipado para conseguir o visto.

Mas em ambos, você ainda precisa comprovar que possui pelo menos uns 600 ou 800 Euros por mês antes de viajar, para poder se sustentar durante o curso caso não consiga um trabalho.

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por camilandarilha
      Em 2019, realizei a maior viagem da minha vida e agora, finalmente decidi compartilhar um pouco dela aqui  espero que gostem!
      Capítulo 1: Preparação e França
      Em setembro de 2018, decidi largar a faculdade e juntar dinheiro para me jogar em uma aventura na Europa. Estava trabalhando em uma ONG de intercâmbio voluntário e fechei um pacote para passar 45 dias na Croácia por R$400 reais. Muito barato! Pelo menos tinha a hospedagem garantida. (Só vim saber exatamente onde ia dormir quando cheguei na Croácia, mas essa parte fica para outro momento)
       Tinha pouquíssimo tempo e pouquíssimo dinheiro (somente R$1000 guardados) pois planejava passar o ano novo em Paris (já que as passagens no inverno são mais baratas). Vendi praticamente TUDO o que eu tinha, roupas, livros, e vendia comida na rua (principalmente bolo vegano)! Contava a história de que estava indo realizar meu sonho de mochilar, e muitas pessoas me davam dinheiro sem nem pegar a fatia, para que eu vendesse para outra pessoa. Lembro-me de um dia em que ofereci o bolo para dois senhores em um restaurante chique: Um me deu uma nota de R$50 e outro, de R$20. Quase engasguei de surpresa hahaha 😅 depois de vender muito bolo, pastel e etc, consegui juntar R$2500, que somando com o que eu tinha guardado, foi o preço da passagem de ida e volta! Poderia ter pago bem mais barato se tivesse comprado com mais antecedência, então essa é a primeira dica: Se você for fazer na loucura que nem eu, presta atenção nas promoções e procure as datas mais baratas (usei o Skyscanner para isso) mas se você tem mais tempo, compre com antecedência, pois isso pode te fazer economizar uma boa grana! 
      Outra dica: se você vai vender na rua para juntar grana e viajar, não seja seletivo. Eu era um pouco mais tímida, e só oferecia para pessoas que não estavam em grandes grupos e ainda era seletiva, escolhia na rua para quem ia oferecer. OFEREÇA PRA GERAL! HAHA Sério!
      Fiz vaquinha, continuei vendendo e tive também uma ajuda dos meus pais. Acabei indo com cerca de 800/900 euros (ou seja, eu iria me virar com uma média de 100 euros por mês). Na época, isso seria mais ou menos R$4000. 
      Cheguei em Paris e nem podia acreditar que estava ali. Eu nunca nem havia saído do nordeste! Estava fazendo 7 graus, e eu estava com um agasalho de inverno. Porém quando eu digo inverno, é inverno nordestino, ou seja, não servia para quase nada  me lasquei de frio, então outra dica: Não seja mão-de-vaca como eu fui na hora de investir em roupa de inverno. Porquê meu pensamento foi "São menos de três meses de frio, eu vou sobreviver". NÃO PENSEM ASSIM, PELO AMOR DA BICICLETINHA! 
      Fiquei uma semana em Paris e dei um bate e volta em Versailles com uma amiga peruana que fiz através do Couchsurfing. Fui no museu do Louvre de graça (o Louvre é gratuito nos sábados à noite, na baixa temporada! Outro motivo de querer ir pra Paris no ano novo). Fui na Sacred Coeur, Notre Dame (não entrei porquê era pago) e bati bastante perna! Os franceses a quem pedi informação foram gentis e prestativos. O segredo é começar com "Bonjour/Bonsoir! Excusez-moi parlez-vous anglais?" (Bom dia/boa noite! Com licença, você fala inglês?)
      A ideia era pagar pelo transporte (e ainda paguei algumas vezes) mas os próprios parisienses me ensinaram como burlar o metrô 🤷‍♀️ quase não paguei transporte público nesse mochilão. Não estou dizendo que é certo, mas era a forma que eu tinha de economizar. Se você puder pagar, pague, pois se você for pego, paga uma multa de em média 100 euros! 
      Duas vezes pedi informação sobre como comprar um ticket de metrô pois estava toda enrolada, nas duas vezes, as pessoas tentaram me explicar, mas resolveram pagar pra mim. Gentileza que você não espera!
      Fiquei na casa de duas pessoas do Couchsurfing. Me senti muito desconfortável na casa do meu primeiro host, era um francês que morava sozinho e era uma pessoa inconveniente, mas no da segunda, foi ótimo ❤️ uma paquistanesa super gente fina, que morava com o namorado francês e tinha um gatinho, o Pablito. Eles foram ótimos! A paquistanesa falava seis idiomas, incluindo português (se eu não soubesse que ela era do Paquistão, diria que era paulista pelo sotaque!)
      Maas, na noite de ano novo, acabei dormindo no hostel onde a minha amiga do Peru estava se hospedando. O metrô estava fechado (eram 3h da manhã) e eu teria que esperar até às 7h. Tinha uma cama vazia no quarto que ela estava: Ela parou um pouco, pensou e disse baixinho: "Fica aí até às 7h, antes de checarem os quartos para limpeza"! Dei um cochilo, às 7h acordei e meti o pé. Passei pela recepção sem olhar para trás, mas a pessoa que estava na recepção nem disse nada. Provavelmente é difícil saber quem é hóspede ou não em uma época tão festiva. 
      Voltei para a casa do meu host com o c* na mão, pois quando cheguei na estação da zona que ele mora, eram 8h da manhã e ainda estava escuro - e não tinha ninguém na rua. Porém em um determinado momento passei por uma menina que estava andando e mexendo no celular tranquilamente e fiquei um pouco mais tranquila. A pessoa só faria isso em um lugar minimamente seguro, não é?  Mas ainda fiquei em alerta até chegar na casa do meu host. 
       
      Depois da França, peguei um voo para a Croácia (que estava incluso naqueles R$3500). Cheguei em Zagreb e peguei uma van até Rijeka, a cidade onde ficaria por 45 dias (acabei ficando 50 dias). 
       
       
       








      20190102_161214.mp4 20190103_132615.mp4

    • Por Fora da Zona de Conforto
      Não há lugar melhor para cultura, história, beleza e uma atmosfera vibrante do que Amsterdã! Como a capital da Holanda, Amsterdã é a cidade mais popular do país e até mesmo uma das cidades mais populares da Europa. 
      Quase todos os itinerários de viagem europeus incluem uma visita a Amsterdã e saber o que esperar antes da chegada é fundamental.
      Amsterdã é uma cidade conhecida por muitas coisas diferentes. Ela ganhou a reputação de uma das cidades mais sombrias da Europa devido à legalização da maconha e da prostituição. No entanto, este aspecto de Amsterdã é apenas uma fração do que você experimentará ao visitá-la.
      É claro que há muitas pessoas que nos visitam com a intenção de festejar e participar de algumas dessas atividades, mas também há um clima muito moderno e descolado em Amsterdã que é incrível de se experimentar.
      Uma das coisas que a maioria das pessoas diz depois de visitar Amsterdã é: “Eu poderia realmente morar aqui”. A cidade tem um clima super bem-vindo e ocidental que a torna muito acolhedora e fácil de se sentir confortável.
      Há muito para saber sobre Amsterdã e esta lista das 15 coisas mais importantes que você deve saber ao visitar Amsterdã o colocará por dentro antes de sua viagem.
       
      Continue lendo: 15 Coisas para Saber Antes de Visitar Amsterdã
    • Por Fora da Zona de Conforto
      Visitar a Escandinávia e os países que fazem parte dela não é barato. Os custos nesses países são altos tanto em alimentos e bebidas, quanto em acomodações e atrações, o que pode dificultar se você não tiver muito dinheiro para gastar durante a sua viagem.
      Felizmente, há muito para ver e fazer ao ar livre, já que este é um dos destinos mais impressionantes e interessantes do mundo. Além disso, vale a pena gastar para explorar algumas das melhores atrações que os países escandinavos têm a oferecer.
       

       
      Se você estiver viajando com orçamento limitado, há algumas coisas que você pode fazer para manter seus custos baixos, já que não é preciso fazer tudo no auge do luxo. Se você estiver procurando opções de baixo orçamento, saiba que existem algumas maneiras de economizar dinheiro.
      Nem tudo é caro, existem maneiras de encontrar voos baratos e economizar muito dinheiro para aproveitar durante a sua viagem. Para economizar com transporte, continue lendo até o fim, onde dou algumas dicas sobre o Scandinavia Pass.
      Uma das maiores dúvidas durante uma viagem, apesar do que a maioria acredita, não é com o que economizar, mas sim com o que vale a pena gastar. Por isso, aqui estão algumas atrações na Escandinávia com que vale a pena gastar dinheiro…
       
      Continue lendo: 7 Coisas que Vale a Pena Gastar Dinheiro na Escandinávia
    • Por gsultowski
      Olá.. sei que preciso fazer a comprovação financeira de 2400 euros para conseguir o visto. O que quero saber é COMO FAZER esta comprovação? Extrato bancário, declaração?
      Obrigado.
    • Por Fora da Zona de Conforto
      Você mora na Europa e precisa de um banco Europeu online de graça com muitas vantagens e poucas complicações? Conheça aqui tudo sobre o Banco N26 (meu banco favorito na Europa) e abra uma conta de graça em pouco minutos!
      Não é incomum encontrarmos brasileiros (e Europeus) que moram na Europa em busca de bancos para abrir uma conta para poder receber salário, pagar o aluguel, receber pagamentos, depositar, transferir para amigos, e até enviar dinheiro para o Brasil!
      Isso ocorre principalmente quando as pessoas acabam de chegar em um país para morar como imigrantes ou expatriados, precisam movimentar seu dinheiro e ainda não têm todos os documentos necessários para enfrentar a burocracia dos bancos tradicionais. 
      Felizmente, o avanço da tecnologia possibilitou que muitos bancos online surgissem e resolvessem esse tipo de problema. São os chamados Fintechs! Bancos totalmente digitais, sem agência, e que muitas vezes são totalmente gratuitos. Como o Banco Inter ou Nubank no Brasil.
       
      Leia mais em: Melhor Banco Digital Gratuito Para Quem Mora na Europa
×
×
  • Criar Novo...