Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
beatrizz

Travessia Canyon Laranjeiras x Funil /Bom Jardim da Serra

Posts Recomendados

Saudações meus queridos! 

É com muito prazer que começo esse relato. Afinal, relatar não é apenas descrever, mas é REVIVER! 

Bom. A história da travessia começou no Mirante da Serra do Rio do Rastro, onde eu, @darlyn e @Dionathan Biazus encontramos o senhor Miguel. Fizemos 6 horas de estrada desde Chapeco até o Mirante.

O Miguel é o proprietário das terras onde a travessia acontece, então é com ele que tem que combinar as paradas. Cara super gente fina, de uma simplicidade enorme. O próprio mirante já é um ponto de partida (mas longe de ser o ápice da trip). 

Mirante da serra do rio do Rastro: o mirante tem um murinho onde as pessoas ficam contemplando o visu da estrada da serra, cercada por suas montanhas. E tem sempre visitas dos quatis... É bom pontuar que aqui é sempre cheio de pessoas, se você quer ficar em contato com a natureza, não apenas olhe a mata, mas entre nela. Não só olhe a montanha mas vá até o topo! 

Seguindo então, encontramos nossos outros dois parceiros dessa empreitada @dumelo39 e o Lucas, que vieram do Rio de Janeiro! Assim juntou toda a piazada haha.

Fomos com o Miguel de 4x4 até a primeira fazenda. Ele cobra cerca de 150 pila o transfer (total) e 30 por dia pra acampar nas terras. Pra entrar nessa primeira fazenda mais 10 pilinha por cabeça. 

Começamos então a subida até o primeiro destino: canyon Laranjeiras, daí foi cerca de 2 horas. O caminho é relativamente tranquilo, apenas umas partes com barro (fichinha perto do que viria a frente). 

Canyon Laranjeiras: maravilhosamente lindo, o canyon tem 3 pontos principais pra parar. A parte mais do fundo é onde fomos pra descansar um pouco e comer. Estávamos nessa função quando do nada o tempo se armou e caiu um mundo de água. Ainda bem que deu tempo que fazer uma casinha com uma lona grande que o querido Dihonatan levou. Ficamos um tempo ali até que passou a chuva e seguimos.

Nos tracklog tem uma parte que direciona pra fazer a borda do laranjeiras. Mas como estava muito úmido resolvemos seguir a dica de um guia que estava por ali, e cortamos reto saindo do laranjeiras. 

Nessa primeira parte já tivemos contato com nossos amigos que apareceram muito nessa travessia: OS CHARCOS! 

Isso mesmo, lemos tanto sobre eles nos relatos que já chegamos meio preparados. Mas quando começou de verdade, que o pé afundou no barro ou na água que nos demos conta do que eram esses caras. Foi só até acostumar. 

Chegamos então na entrada de uma floresta, onde começou uma trilha punk. Íngreme, floresta fechada, terreno encharcado (a mochila ficando presa nos galhos uhuuull) coisa linda! Depois de atravessar e subir pelo mato conseguimos ver uma abertura e chegamos a uma plantação de pinheirinhos americanos. Dali passamos uma cerca e entramos na pior parte de charcos. Apareceu outro desafio. A Viração, que é uma neblina densa que cobre tudo. 

Decidimos acampar ali na plantação mesmo. Arrumamos as coisas, fizemos nosso super miojo e descansamos o corpo pro outro dia, nesse primeiro dia fizemos uns 7 kms. 

O dia amanheceu com um sol tímido e seguimos viajem, andamos uns 10 kms nesse dia, passando por vários picos de tirar o fôlego. 

Chegamos ao canyon do Funil cedo, as 15:30, e resolvemos ficar por ali pra aproveitar a vista e continuar no outro dia. Armamos acampamento e logo veio a chuva. Mas já estávamos preparados, ali perto tem um córrego que da pra tomar um banho massa. 

Era umas 18 e a gente já estava dormindo, porque o corpo estava pedindo. Umas 2 da manhã olhamos pra fora esperando ver uma chuvarada, que o barulho lá fora tava de arrasar, mas era só o vento chegando. O céu estava limpando e lua deu seu espetáculo. Depois de um bom chá /café deu pra olhar as estrelas um tempo até o sono voltar. Aí dormimos até umas 5 e pouco, quando o vento aumentou e o sol começou a chegar. Demos muita sorte, porque o amanhecer foi coisa de outro mundo. 

Começamos a desmontar o acamps umas 8 e demoramos porque o vento tava do caramba. 

Caminhamos mais uns 8 kms pelas bordas dos canyons até o final da travessia onde chegamos na porteira final saindo no asfalto, perto da sub estação. Mais alguns kms no asfalto uns 3 e voltamos ao Mirante... 

Super cansados, mas já querendo voltar e começar tudo de novo. Tivemos um almoço dos deuses lá no Mirante. Depois de quase três dias a base de miojo, uma lasanha caiu super bem. 

É muito difícil traduzir em palavras o que é uma travessia ou trilha com montanha. Porque o sentimento só pode ser sentido, todo o desafio, desde o peso, o cansaço, o medo, até ficar deslumbrado olhando a imensidão e tendo um pouco de consciência de como somos pequenos nesse universo e como a natureza é perfeita, com respeito, prudência e amor pela natureza, concluímos com sucesso a travessia. Super recomendado. 

🙏👏🌲🌲🌲

IMG-20180402-WA0069.jpg

IMG-20180402-WA0014.jpg

IMG-20180402-WA0073.jpg

IMG-20180402-WA0066.jpg

IMG_20180331_102647088.jpg

IMG_20180330_153034228.jpg

IMG_20180330_083647274~2.jpg

IMG_20180331_113806923.jpg

IMG_20180330_155758295.jpg

IMG_20180330_151148399.jpg

IMG_20180331_105531236_HDR.jpg

IMG_20180330_151200890.jpg

IMG_20180331_075434347.jpg

IMG_20180330_090149913.jpg

IMG_20180330_090315020~2.jpg

IMG_20180331_095735517_HDR.jpg

IMG_20180331_094110128_HDR.jpg

IMG_20180330_143011532.jpg

IMG_20180331_100126676_HDR.jpg

IMG_20180401_063522836_HDR.jpg

  • Gostei! 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Belo relato, Bea. Tenho vontade de fazer esta trilha, mas me preocupo com os charcos... vocês encharcaram os calçados no charco ou tinham alguma proteção? Com os pés molhados não deu bolha?

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@lucband olaaa! Passamos quase 3 dias com os pés molhados kkkk. Uma bolha só pra contar história. Mas nada grave ou que impacta no trekking. Se tiver vontade vai em frente. Vale muiito a pena. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns pela travessia e pelo relato.
Só gostaria de alertar que entre a fazenda do Cânion das Laranjeiras e o Cânion do Funil, existem mais duas propriedades, as quais os proprietários também cobram uma taxa de visitação. Aconselho a todos que forem fazer esta travessia entrar em contato com todos os proprietários para evitar incomodação com os capatazes destas fazendas.

No mais é estar preparado para molhar os pés e se deslumbrar com as paisagens.

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Uma das experiencias mais intensas que já vivi, com certeza recomendo pra quem tem o espirito aventureiro e que não mede esforços pra cair na estrada. Agradeço a oportunidade e não vejo a hora da próxima! xDxD

  • Obrigad@! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
14 horas atrás, sérgio - graxaim disse:

Parabéns pela travessia e pelo relato.
Só gostaria de alertar que entre a fazenda do Cânion das Laranjeiras e o Cânion do Funil, existem mais duas propriedades, as quais os proprietários também cobram uma taxa de visitação. Aconselho a todos que forem fazer esta travessia entrar em contato com todos os proprietários para evitar incomodação com os capatazes destas fazendas.

No mais é estar preparado para molhar os pés e se deslumbrar com as paisagens.

Obrigado amigo, foi realmente sem palavras!!

No inicio da travessia a gente paga pra passar pelas 3 fazendas e para acampar também. inclusive encontramos um guia que logo de cara já nos cobrou isso. Não vemos problemas em pagar mesmo sendo obra da natureza. Mas a ganancia das pessoas as vezes é demais. abraço.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por vilmarcoelho
      Olá pessoal! Meu nome é Vilmar Coelho, após muitas buscas não consegui encontrar um grupo de pessoas que gostem de Trekking.
      Então quem se interessa por esse tema por gentileza se manifeste. Sou apaixonado por treeking com pernoite em montanhas para apreciar a natureza. 
      Contatos:
      Site: https://vilmarcoelho.com 
      WhatsApp: 62992470363
      Instagram: @vilmarcoelho
      Facebook: https://www.facebook.com/vilmar85
    • Por Põe na Bagagem
      Escolhemos um dos últimos dias de 2018 para conhecer a Rota das Cachoeiras, no município de Corupá (SC), região da Rota dos Príncipes. Mais precisamente o dia 29 de dezembro, um sábado de sol e temperaturas bastante elevadas.
      A Reserva Particular do Patrimônio Natural – Emílio Fiorentino Battistella (RPPN) abriga 14 cachoeiras e uma natureza exuberante, com plantas e animais típicos da Mata Atlântica. Nós encaramos a trilha “Passa Águas”, com percurso de 2.900 metros, percorrendo as margens do Rio Novo. O nível de dificuldade é considerado moderado, mas tem alguns trechos de forte inclinação, que exige um pouco mais de disposição e vigor dos visitantes.
        Ponto de Partida
      Chegamos na entrada da trilha por volta do meio dia. No caminho até a Reserva fomos guiados pelo GPS e acabamos seguindo por uma rota alterativa, numa estrada rural bastante estreita, íngreme e, em alguns pontos, com espaço para apenas um veículo. Por conta disso, não passamos pelos pontos onde são vendidos os ingressos de acesso à Reserva e tivemos um certo transtorno ao chegar na entrada da trilha. Sem os bilhetes, precisamos ir de carro ao ponto de venda, distante alguns minutos dali. Como viemos por outro caminho, também sentimos a ausência de placas e sinalizações para os visitantes detalhando tais informações.
       
      O bilhete foi adquirido no Camping e Restaurante Rio Novo, que estava localizado na estrada principal. A informação foi repassada por um funcionário da reserva que estava à beira da estrada ajudando os motoristas a estacionarem os veículos.
      Conseguimos estacionar relativamente próximo da entrada do Parque, onde uma pessoa recebeu os ingressos, deu algumas instruções e entregou folders informativos. Este ponto é o único local com estrutura de banheiro e lanchonete. Usufruímos apenas o banheiro, no final do dia e, estava relativamente limpo. O local também possui duchas para os usuários e um espaço com churrasqueiras.
      No início da trilha até a primeira queda d’agua, existe mobilidade para cadeirantes. A partir dali o visitante segue imerso na mata, com um relevo mais acentuado e marcado por uma infinidade de degraus, passarelas e algumas pontes.
       
      Tempo de trilha
      Nós levamos quase quatro horas para chegar até o final da trilha, mas fizemos diversas paradas para descansar, lanchar e registrar várias fotos. Fizemos o percurso sem pressa, com tranquilidade para ir e voltar antes do fechamento do Parque. A volta foi bem mais rápida, sendo concluída em cerca de 1h30.
       
      As cachoeiras
       
      A Rota das Cachoeiras é formada pelas seguintes quedas d`água:
      Cachoeira do Suspiro Cachoeira da Banheira Cachoeira dos 3 Patamares Cachoeira da Pousada do Café Cachoeira do Repouso Cachoeira do Remanso Grande Cachoeira da Confluência I, Cachoeira da Confluência II Cachoeira das Corredeiras Cachoeira do Tombo Cachoeira do Palmito Cachoeira da Surpresa Cachoeira do Boqueirão (estava interditada) Cachoeira do Salto Grande   A beleza e a particularidade de cada uma, você pode conferir no vídeo logo abaixo, que preparamos para compartilhar aqui no blog. Cada cachoeira é única e merece uma parada para contemplação. O banho é permitido somente na Cachoeira da Confluência, que fica praticamente na metade do percurso. Ela está mais para uma corredeira, portanto, não espere por um grande mergulho.
       
       
       
      As cachoeiras ficam bem próximas uma das outras, exceto o trajeto entre as duas últimas quedas d`água. Na época da nossa visita, a Cachoeira do Boqueirãoestava com o acesso interditado.
      Entre a Cachoeira da Surpresa e a do Salto Grande, percorremos a distância de 1100 metros numa trilha com bem menos estrutura e pontos com bastante inclinação. Tudo isso somado ao cansaço, tornou a caminhada ainda mais difícil.
       
      A última queda
      A medida que nos aproximávamos da Cachoeira do Salto Grande, o barulho das águas se intensificava anunciando a proximidade da queda. Um ruído que fazia crescer em nós o sentimento de alívio pela missão que se cumpria. Impossível não ficar impressionado com os 125 metros de queda, a visão espetacular dos paredões ou com a infinidade de plantas que o cercam. A umidade sendo arremessada no rosto através do vento, a água escorrendo forte corredeira abaixo, o barulho dos pássaros, a sombra das árvores, os diversos tons de verde que variam do musgo até as folhas mais escuras… Um cenário lindo para ser apreciado e registrado.
       
      O que levar
      A trilha é longa e com imersão total na Mata Atlântica. Portanto, antes de adentrar a Reserva esteja abastecido com bastante água, lanche para comer durante o percurso e repelente para espantar os insetos. Não esqueça de usar roupas leves e um calçado fechado e bem confortável (leve em consideração o solo úmido e, se possível, escolha algum com solado antiderrapante). A trilha é dentro de mata fechada, com algumas aberturas de sol, geralmente próximas às quedas de água. Os óculos de sol e filtro solar se tornam mais necessários nestes pontos. Se você é daqueles que gostam de registrar muitas fotos e vídeos, leve uma bateria extra.
      Atenção para crianças, idosos e pessoas com problemas de locomoção ou muito sedentárias. Elas podem ter dificuldades para concluir o trajeto, principalmente em dias de altas temperaturas, quando o cansaço é intensificado pelo calor.
       
       
      Para quem quiser mais detalhes sobre a Trilha, deixo aqui o link do blog. Lá tem informações, fotos e vídeo com imagens de todo o passeio:
       
      https://poenabagagem.travel.blog/2018/12/29/rotadascachoeiras/
       
    • Por sirhc
      Resolvi compartilhar esse relato do nosso pequeno passeio porque muitas pessoas não conhecem a pequena Cachoeira do Monjolinho, localizada logo à entrada da cidade.
      As cachoeiras mais famosas são a Dos Amores, Toldi, Tobogã e Poção.
      DOMINGO, 27/01/2019, 9:00AM
      Fomos de bicicleta. A trilha começa na entrada da cidade, saindo da rodovia e pegando uma estrada de terra, com uma porteira.
      A estradinha passa por um terreno particular, então não recomendo entrar de carro
      Em 10 minutos já avistamos a Pedra do Monjolinho e chegamos à cachoeirinha.
      Há três "piscinas" e há uma trilha subindo a cachoeira, por dentro da água, que não fizemos mas ficará para a próxima!
      No mapa abaixo, a localização aproximada:










    • Por Bruno Prazeres
      Amigos Mochileiros, me chamo Bruno Prazeres e estou em uma jornada com minha namorada. Estamos fazendo um MOCHILÃO PELO BRASIL, já fazem 3 meses que estamos na estrada. 
      SAÍMOS DE CAMPINAS 19/10/2018 COM O OBJETIVO DE IR ATÉ MANAUS PELO LITORAL
      Já Passamos por: Angra/Ilha Grande/RJ Capital/Cabo Frio/Arraial do Cabo/Búzios/Saquarema/Vitória ES/Vila Velha/Guarapari/Itaúnas/Costa Dourada/Porto Seguro/Arraial d'a Ajuda/Trancoso/Caraíva
      Nosso Objetivo é descomplicar um mochilão para as pessoas, pois descobrimos que mochilar é muito melhor do que imaginávamos. Mostramos como fazemos para economizar, pegar carona, se hospedar de graça, como fazer dinheiro durante a viagem e como fechar parcerias para conseguir uns passeios maneiros.
      Hoje estamos em Arraial d'a Ajuda finalizando um trabalho que começamos aqui para levantar uma graninha e em breve vamos partir para Ilhéus, Itacaré, Morro de são Paulo e posteriormente Salvador.
      Registramos nossa viagem no Instagram @mochilaopelobrasil
      Facebook: https://www.facebook.com/mochilaopelobrasill/
      A partir de agora vamos começar a escrever mais artigos e teremos muitas novidades em breve. Será um Imenso prazer ter vocês nos acompanhando e quem puder compartilhar nossa história vai estar sem dúvida contribuindo para a comunidade de viajantes pois temos muito à acrescentar.



    • Por paola_correa
      Sou nova aqui e procuro companhia pra viajar pelo sul do Brasil em janeiro/fevereiro, se pá até fazer travessia para outros países, com pouca grana, trocando trabalho por hospedagens, conhecendo gente nova, gente do bem e de confiança, experiências enriquecedoras! 


×