Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
André Amaral1502434479

Huaraz, Trujillo, Chiclayo, Cajamarca, Lima e Ica - Descobrindo o nada badalado norte do Peru

Posts Recomendados

O seguinte relato é atrasado pq a falta de tempo do ultimo ano não me permitiu escrever e organizar tudo antes. Mas estou fazendo agora pois pode ser útil, eu mesmo não achei muita informação sobre alguns lugares que visitei e descobri tudo por lá na raça

Em outubro de 2016 fui para Chiclayo, no norte do Peru, por causa de uma promoção de passagem (paguei somente R$630 ida e volta!) e iniciei meu mochilão de 19 dias por lá sem roteiro definido, o unico planejamento era passar alguns dias a mais em Huaraz pra fazer o trekking Santa Cruz. Não sei se vou conseguir transmitir isso no relato, mas essa viagem foi muito mais que visitar locais bonitos, eu consegui experimentar o dia-a-dia deles lá em várias situações, desde as mais simples até as mais inusitadas como vender flores na porta do cemitério!

No final vou postar todos os preços de forma mais detalhada, durante o relato não vou focar muito nisso. 


Dia 1 - 21/10 - Chiclayo
Pousei em Chiclayo por volta de umas 14h da tarde. Fiz uma reserva pelo hostelworld no hostel "Casa Cima" dias antes da viagem e o Liam, dono do hostel, entrou em contato comigo e disse que me encontraria no aeroporto pois o hostel era bem próximo e caminhariamos até lá. Achei diferente e curioso, mas ele não cobraria nada por isso e aceitei de boa. No caminho do aeroporto até o hostel fomos conversando e descobri que ela é um ex-militar inglês que vive em Chiclayo pois se casou com uma peruana e tem uma filha. O hostel não é bem um hostel, é um apartamento grande, na cobertura, que ele vive com a esposa e filha e aluga 3 quartos para hospedes. Antes de chegar no hostel paramos num botequinho pra conversar mais e beber algo. EM seguida fomos pro hostel pra eu deixar minhas coisas e depois eu precisava trocar dolares por soles. O Liam se ofereceu e foi comigo até o centro trocar dolares em lugares confiaveis, pegamos um taxi por 4 soles (eu não planejava andar de taxi na viagem, queria economizar né, mas quando descobri o preço deles em chiclayo me dei a esse luxo em algumas situações hahaha). Era umas 17h ainda e em um folheto da cidade que o Liam me entregou vi que a praia ficava a uns 9km de chiclayo e tinha um pier lá. Decidi que iria até lá pra ver o por do sol do pacifico e o Liam me explicou como chegar lá de forma economica (a palavra magica do mochileiro hahaha). O transporte público de Chiclayo não possui onibus, possui "Kombis" que na verdade são vans, o pessoal das grandes cidades e que já foram pra região periferica ou mais distantes sabem do que eu estou falando. Segui a infos do Liam de onde pegar a Kombi e em qual direção ir, cheguei na garagem das kombis, perguntei qual ia pra "Pimentel" e peguei uma. Me custou 3 soles e eu rodei 9km até lá. Cheguei, caminhei pelo pier, tomei um suco e usei o wi-fi, apreciei o por do sol, comi um espetinho na rua (que até hoje não sei exatamente que carne era HAHAHA), e peguei a kombi de volta pro centro Chiclayo e depois um taxi até o hostel. Chegando na cidade, fui comer numa lanchonete quase ao lado do hostel.

 

sXZ4gI_kF_HYL3YV3IkkLBd-xxIjMKy389KidEWqh72-rupsIb63e0Q_Nic_e3eS-KajKoF0TC5ktfvbG2zmApA1r5jyIy3_JALF0csXfRJdFD8NUbTHN-Qb8FHOgTxU4prUgbJlf2-kRjre5qwJwTSjvwidzSTW4wieO6h0dxxCkzyy2DE9ABxfdhYxXQBoBwBXo2IjYYsCeDsDtqDrXSNCUm0SgKUQ7PNDA70CqqjAA26Qh0fHx-_0vAz_1ERNXcCBeAPjHbeHA40ODK43eyxdGpgc4MARQb1MdJv0fMTJZUMR_P_oD0yqnrrfh5PENZfoR89WJSv29y0s_TX4nb4tOibJOnpcJ31CougfMm3MC7f2NIXTyc4yIH8lsu_PmFqen_KVMDqRuATmEfJkjzb81pzgLA9LR4AFn4F-DDYTDTZYmPJ6CtFuQWQoo25Viu_CWyP1DlE72c4Hc-sNa2nqjWbOqZP0qJsXedoLWIuhQno6ZUyatV5_VlNMKJIEN_fllI8qUE_9ZcE4i5lYGM1SfHg8rCIKU0Aul2dAU3C3UIB9iacq9AmLFUsRfNpua8yGTEdwLC6CsJE-IW_U-7DuMqvERxh48DDmKoPH3g=w1435-h808-no-Kombi indo pra Pimentel


OhjhXHLjEyJPDfTAuQixGKKagsij_caLHQc9qw1AjGf5mJ65jRe2sHdxBDaLxJaQKfW_O9BK0vTkpMhF27D_0FLQbSyjfAAChUifVrlu8Hm89gzKIfeYjQ65uSRl34ssWwsKYQmSWuxpm1OTCvgs6_aO81YHxxCHdwTXSxwRR6HFRJFOawXHCd3yF0q5rQKMbG3T09w-XX6FBWp3VBIPjLPC4bOKXE3lY_udMudJKjAynaZI21iA5tCnGPydHAp_zdvG1m-jc2y4TqWAaEy0FXk5mOlwVi-o6g350H61A6F6VxG05j1ekl5h-glgkBDJZhMUu115D1QPuHboTY90mhkyTiPUVCNDzyXrKpnkQzoIWN7-6ysmFc1g3Iy3yblogGPFSzej2d6ZnCgCgQV69b3s9LmZDlO-JSsv-eHPS5xOL4WQIasRUOtbPMoR8saPAcKPAzCMHBnUxKqLqiUkI7PP8gZLnrmXWkXWTbyADsSQfQM_EG25qYdjNDqRX_9jDzW4v5Bf19Wrc0FcOB7sR3FkVlD3UIk4of4n7kg8bWtJMkbyoHI3kqFPYtTc6tb2h82I4rJQxlhmDns6BTvHwC3R8Y4FCsXm00O5x38og-wwNFJJBRQMkwoiH2WBtWvy1gmvo7W_UfSy9pOBoH4wA0iGufhPDHiSYjHO=w1435-h808-no
-Pier em Pimental

Gah1NKzWpXrRe3K3UdwvukXT8K6wN59w8HTwei5Wx50xQ5l-8A75OdANOS3Eg-k21xpMcHgiOuEz26NANatrX8zQPHqnLgVpjw5iQ6fPFuJQlNkHTNUm4HsNzufEVuwtyPHTuYRLpbJL-87yaVtNnZ0CspIaKZqEeqxYCi7Tlz_Z6m5ZFB_lINXDggQfNzG0g738altWWSLNlpgZ3uLLwTTofg1oAEL8COrE9bSODmL_oObxypQDM9rzyX9emZD97aUFceFtmg6U38NLHqx5loM5x2XKn5n7tlOG55eoQxEGTRHeo06-O6ycE1VKAICtt3un2_oSRE5n9uERI_k6pQFc_HJCWI-jv8fVmOq467Vw6pX3OhbWxin4PFHnsmGdhY6LDk-NiaT_9ENEeZ2yOt5NhZgIIi4O7ruCFzAbOSUbMYHhO46hUvsD-hIqKOD1IlgsQ9Eo01Lrsi2PRxxiDT2Quq18JROv9EpS3JJWwIlKMXq3gEdayt7JedyHyZBRD4OK8zoF7eQZPl0IL2c0hoyTvCZyXepiC4tkO7fNTseQmqhfabFVYecTyhwPN3qKkUjLqf4JtruhgDwaSRwZM3PIyNbGTtync-CXCFSXLQ=w1435-h808-no
-Por do Sol em Pimentel

dMpydW4mj6Sc4MU80vLZvgdTCpdhJOb7VYZofhZNLHZCmXqW6MZk1FU96oPt6LEkIEhD4QkfdYnl69TE6-HWRvRPGHTX_Hdxzj-yzyHATYjFnd2RYS7BwONIFkkoRvhwul6npNcVP_IFHe4rqW9xjSjCBjfd-ypSI39_KTFAY_CVQ3WNan6IJypQv0GXNkebZob2MGQIW85T4-b3wSukNoeek-z1EGvDfYVWXARJeOlAXnDBX6IjMhjynhfVR8r_Vyq2BuHNniMo30ISkTYJsORc3irqOhEuGAgyvjUSDGK7qfb7-jOYHTofM50GASOoZS3P1lPcTKQ1ZH4AEbPRINFBvFpLrAcvBgaTlwSoy-fzfzweMfheqRmOypC7dHOcjK2y5pL-nXH5zvqFA0Cq_3s7KUEvjQidpgT9n8FwmJhD8fbPfvF075bqstCKHp5TfT_PehfYY_Zt_XIPFeJqygtUvdlH9wsSb78JYAWs0qGGh6pwWU2N82fcmwaPthVpeE3tAc5N4SrzHyZ5nFXGGu3awl88zGZtgZ11v9XvxC0F_cdKj34FqjlYv7Cn1NTCIeXe077YCfFfAQKgSm1AEpdEdmm9vpahg3sxnJpEGg=w1435-h808-no
-Espetinho de Rua


https://photos.app.goo.gl/Su4N7kypVY35SwUK2
-Nesse link tem um video do cobrador anunciando o destino da kombi e abrindo a porta pros passageiros

 

Dia 2 - 22/10 - Chiclayo
Eu li que Chiclayo ficava numa região rica em arqueologia, com várias descobertas importantes de culturas pré-incas, os mochas eque viveram entra 100 a.c. e 800 d.c. entre outros. Sabendo disso e seguindo algumas dicas do Liam, decidi que ia pra uma cidade vizinha visitar 2 museus e em seguida ia pra outra cidade para o complexo arqueológico Túcume com piramides de 2000 anos atras. Aí começa a aventura! Fui umas 8h pra garagem das kombis novamente e peguei uma até Lambayeque. Lá visitei o museu Brüning e o museu Tumbas Reales de Sipán. O museu Brüning é simples, não achei tão legal, mas possui uma ala com itens do culto sexual dos mochas enorme, nunca tinha visto tanta escultura de pênis hahahaha. Os caras esculpiam pênis em todas as ceramicas! hahaha Em seguida fui caminhando pro museu Tumbas Reales de Sipán, esse sim era interessante de modo geral. A história do senhor Sipán, um dos achados mais importantes da arqueologia mundial pois ele se tratava de um grande governador e a sua tumba estava intacta, nunca foi saqueada nem nada, e por isso puderam estudar a fundo tudo. 
Em seguida peguei outra kombi e fui pra um vilarejo vizinho visitar o complexo arqueologico com umas piramides e tal. A kombi me deixou no vilarejo umas 11h, estava tendo uma feira de rua a aproveitei caminhar lá. Em seguida peguei um tuk-tuk que me deixou na entrada do complexo. E como a região lá é um deserto, chegou a hora de caminhar no sol infernal hahaha
O Complexo possuia 26 estruturas em piramides mocha, e muita coisa ainda estava sendo estudada e visitantes não acessar algumas areas. Foi legal e diferente, subi num mirador pra ter uma vista completa do complexo. Após umas 3h por lá peguei um tuk-tuk de volta pro vilarejo, almocei por incriveis 6 soles num restaurante familiar pequeno que tinha 2 mesas somente, conversei um monte com a mesa do lado e com a dona do restaurante que disse que foi a primeira vez que alguém de outro país comeu lá. (pra vocês terem ideia de como não é comum turistas naquela região e muito menos ainda mochileiros que se permitem a ter essa experiencia de transporte publico e de forma economica, sem auxilio de agencias hahaha)
E bom, não sou a pessoa mais fascinada do mundo por arqueologia, mas já que estava lá tinha que conhecer tudo isso né. E que bela escolha! Sai fascinado pela história, cultura, costumes. Aprender tudo vendo os vestigios da época ao vivo e visitando os próprios lugares é uma bela experiência!
Peguei uma kombi de volta direto pra Chiclayo e cheguei umas 17h por lá. Na noite do dia seguinte eu iria pra Cajarmaca por indicações do Liam e um taxista que conversei bastante e então fui comprar a passagem. Passei no mercado comprar algumas coisas pra comer. E depois no hostel fui ver o que poderia fazer no dia seguinte e descansar. Estava acabado por causa do sol do deserto hahaha

XrVpT9eVrgy4TPAWNUCniUdxChLRFCRVVVNAriUALYzWAQdfpb79-gnnPlgktCS1xd66gMf2_y10sU32Xkjh89oGVKUr90LmDIXQAPet_hjWjAKqwKwYeMAIsFFdbuOjQhxwFUeeRZJ1TzKGwrS0TgKmvsIgkMvq9OlOA0kq1G1nI7Qmys4FOR62zt8iHJPM4oA3agDsBqx8eG-QC24Twh_DbFTt6hT1_pRKI-EckIiSX2p_nYZVw5IDA0akuykwpf6uGjb6BJNtJsmDAxWZR-GsvxFsTtKK0Fsu5Jf5G0zT-PKpN0UljgXSGPWCiMs_SgXT8XjMl6kSjmPUHc5FnYuFi4YV2FqYsHHGY-0TbeectQBGqD_t_Rr6_cZt0dU9giQD5Su-qsSG_hnoUNRIoQk7FoFG7FpOh15RpxI0tlARkk9xQbZi0JMhZjWyxwCA7YueT2lzrBJH-0onPnBA09CTZVeyGa54oHi2NcGWPcFx5SEtiZ9_WnAHAwIX5OEzKmwRtOOdfl0M-ObQo3wHlBRXUi20VcfkdAmuqLp4t6sIpdO4Qgw03eLwXRMY3ejHSeOIpVI8qiZFuCczvG0N2gagG8cdDUp8koJujllpbAZy-aPXCZubUxPrvLaeczTBVEBP-485q0t0jW-B-uxy9VwCuBQnG6S6cuGT=w454-h807-no
- Ceramica XXX

te5z7KLVQjrPek-xoAsnyiZ11I872P93CFJ39Yd4wIQQ7-1X-ZtLO48CEbEX8DHlsmzn-Gy42mv_B6RLwt64ZUw5gPyaW-McOx3VQV86i8UDWD9wcs466rYSCgONETXIjrFNtGXrL2DkO7urIAoTLiZoaq_Px_q639WlTHv7ehhSRmrzx5ppNDxfp2VPuNGCq8q20AUmOOa6wntiiupPMwXCPS6ZBaMM31nFj_UmyFE09UmVchhzSJH9zgHsxGE1mypAAv_BDuwAf-Gzze-82MrdAD5kYzq6gNb-SKjc3F2CDoYXcX-1QWjmBJJXysPE9q0ZU1iqsH-nibtIZbq94QlLGvYxTg3xvheoUNBZ9jUsCrDxMoTz7T5P2jng42o7wuzHlssEVXSw6b0vhOqoLSI6sqkea7jY926l4SCkF8PH51Eu1MMD7KQeIiNT6kTB3RyafGso2NnyxUrlg0dCvPPXeX5FUGefSTs6CqoUx97hA9gno39qUqs09M8HLc2y57_m3-rK1StQeN8sJfYYOv1kEjF3KnkD7GeegEVu5M5RHzHtM_HdAK7nXU4SzGMsrYBmBfctEbKK9NSCBWvo2xpCzh4Qw81JskejXHUx_GI6CpH9nGd-VUCAVBuEvghvVYHynI5JwU8osyV0TfYd5HxH9OAJG5zVqahm=w1435-h808-no
- museu tumba reales de sipán, a construção do museu é no mesmo formato em que as piramides da época eram construidas

3rqVcRDnkWVxvKOJbSHX_3SfIGOggGpHYhKeVEGnN7yNXHE8SY0DkYq6MbgJqpenKYnds5lhnIBaq8GY95oSG8Al0XJuiad7GJaCCIYsE0ga0i_znnCYDdsYi1lZllBNHF7skaRuX439bafrUoG1FWYib27KC494ato5_l-C0VXS04dj_YI9FPOrIZjo_6TiMq463WgfrRIyBq68gD4p_CBc1EObmTj008q5TY84ilgYW1XGWkSkFpwBLoVuotj1MktbcP4q-BNVlNUCNU6-fY_VkfMwbrxvugzJs_Fo_5Op4RWTMuJz3xvbjoL2VvKs_It7XRmUYfz6pLdDVKu-X4-cXCvATY3F7F8G_XMQXtywlkDVSQ8Exs0d0ZPaicn38aOcPy3CCmEwfrYIP8LTSWjjXqaERR9ErTGffv9Yo_pNvJbI3jcUqusAx-8-hsMJ5gb9FJTb36wgFwdVTRPtl06x2foGjbjP8Ci4ENXReempLZnhdGkTnNnlcCjFnDKNbi9pa8zwxKfHU7MyC4bCulgxgiEgNLpFSo75yANMMSyXsMUAwg3gdTsyFhN-HcQHVHvXMSxVzmTG_PQsObmvZRwBrGLKFOuCSaNOVpuwWgVd6g0HwdpZe69koq7qKkX1uhqWKS9mLmfwtortVnel_5IhUc3U0BeEYAwY=w1435-h808-no
- mirador para as piramides. Como elas foram construidas de adobe a 2000 anos, por fora elas são assim bem diferentes do conceito de piramide que conhecemos

dH3WFprGPpoPZFyXALYrVKcjJha7Ldp7Iav8kMQ8B948WLFtqm4t7TFcbSYAn3Jo9A7KgKsEtuzcAJ9YUFN9zufsurMhCM_HXoVuh3pGPeH8mw60TVxhuGk1K-GGxa7gUjDx11DEGRSml0rSNP9NWxjgNCdSU2Wrt38lhmZrBIzlaEJhesuQnfP0DChWtX42ucIFhENSp3qfvaLyoAcf3un2olTD15PDUOz1Ej_oMMOTwZQl-f35gX4yczShLGB_uDE5pTPd0xvRzcQEt9uhD_mvjXeqEFkmD1jBXsdwDe_LMh5JfhTerWv21WcaOLDD05lGfnJXQM_cPRVc9AnzgnmzZCVYocN0BnpkbzJxJVdtukB8OfQgMZmC6Ri9aab7UvVdQe7K7DcuU0U0pRpKmIsaSRNQA8FBipL8T04XA3FLcrehC_afVs1TVpTVYRL0kPBQKCdk3c2THixHRTtmkv2I0awmeTU59vD7zgLWVfNV5nMLZjSTpEfiu03St5plf5D5FWc4MGuELOJmG8OL3yBvQjZZo-GXlUiwMupAIbhnO92qYAzuH3IhHcwFwm6LoL-N4_HeyXzH-DltrBcIX2ey0jL4SvdRQ1VEX0F_7VeoMQRNqDIrQIjfIj3I8H2JI9-RokYPy5gKnlDchxFawQORRS7qevy4qZSz=w1435-h808-no
-Escavações

dWV8E06J1zM-OtfAYXbUmqWZCmoi0RNLwAqAY2WDi9PX2DLZG4ssr41-sNWeC3Jr70OcwopljzLUnbDy30sMIWZ4522RE7ARfZ9qTKKGL6ixk5Dvlwv5-f491nnSR4MowGJTpd24wvEZsUSPpCPFXTJHUVbO-z1nNySUp7n-qJLs770FhCH9BvU2cbVr8WiSUvdJyouOrNb0yiYN0rdRBpZhNqETCu7YFhH0mfVzdjPtBvFB6j67dsZ5Fi1rl2XPGcDUA7byN8BKVf45dLOunyByO23WQ0oWVqzF01fuzhK1RbPg8NJb8ccQZQ9ffs_doaZT6dmYJ-AqumXxu6bHEL5azSTDjCG8UvPfs4fHuhtqQAg9Tchs3H7ydpNYHcVs4HwCtJa7CCVOxRP85nmwdpIG6t7KBz2Pa9FZEo64p12UTC0TINVZ21Ur-MrHvpMwVdECc1SawqlqPJKixIhqKrhZEV0ypG0IZLhwSoZldI-OGeoE4GuZjMJ1tO7dHiCnk7jDst-ItJHh9tYQokcGl5bjyr7HbpU4ioUGlj3YC3omRI5NkLMwLQ1p2s4biKsXyXODjlsmlhUElaw88IZCRJ5LVbsYjlQ5STueR2l06kB5QMG4SkDi4-1oFAZ4qobCi-uYLa-qpOjyRWE34JOrTmdZ5jeJM1MIpp2c=w1435-h808-no-prato de comida que me custou 5 soles, Muy Rica!


Dia 3 - 23/10 - Chiclayo
Decidi que iria pra outro complexo arqueologico nesse dia, no caso o local em que encontraram a tumba do sr Sipán, e em seguida iria pra o "Santuario Histórico Bosque de Pómac" que nada mais é que um bosque no meio do deserto que com umas piramides de 1000 anos atras também, mas por já terem sido exploradas e estudada, era possivel subir no topo delas!
Bom, umas 8h sai e fui pegar a kombi pra Huaca Rajada que ficava numa cidade vizinha também pra conhecer o complexo arqueológico onde encontraram a tumba do Sr Sipan. Lá estava tendo uma excursão de uma escola com um professor dando explicações, perguntei pro auxiliar se eu poderia ir seguindo eles pra ouvir tudo e permitiram, aprendi mais um monte de coisas, animal!!! De lá peguei uma kombi e voltei pra Chiclayo pra pegar outra kombi em direção ao bosque. Paguei 5 soles e viajei 60km de Kombi até a entrada do bosque na beira da rodovia, lá almocei num restaurante na beira da estrada também quase em frente ao bosque. Comida feita num fogão a lenha, que delicia! Me custou 10 soles.
Depois de alimentado, paguei 10 soles pra um tuk-tuk rodar comigo dentro do bosque já que cada ponto de visita lá dentro ficava bem distante, rodamos uns 30km no total lá dentro. Lá vi uma arvore com mais de 500 anos de idade, subi num mirador pra ter uma vista completa do bosque que floresceu em pleno deserto por conta de um rio que passa por lá, e depois fui ver 2 piramides que havia no meio do bosque e que era praticamente um parque de diversão pois é aberto pro publico subir nela e tudo mais.
Depois peguei uma kombi na beira da estrada novamente para chiclayo. Enquanto esperava a kombi, um caminhãozinho parou me oferecendo carona, mas eles iam até metade do caminho só e eu teria que pegar uma kombi de qualquer jeito, no caso a mesma que passaria ali. Recusei e esperei a kombi ali mesmo. Chegando em chiclayo umas 17h fui arrumar minhas coisas, comi algo e fui pra rodoviaria pegar o onibus umas 20h pra Cajamarca. A viagem duraria a madrugada toda e eu aproveitei pra dormir e economizar uma diaria.

GMge_276kionIjrGDUkac2WQQwj3pNI8AF93Jqx3n0WsLbmdmG8u_u-oybVSRZ2LBKmBM1kaMf6PC6hQCkS8EE2KKKbQorMgAzyxqkEynxbjw2vGbX2mdpejukLJ5Lxc4n3eLeb_XUuTj6jqfRfNAe4RqVxUapihmLKFtnj1vFreIFGXuTEzZ6UBCbgBdoDZbm7w6g7eTqoma5yl-XB5PWZJXWffdQHwIOppF-LCDzfcvFLgRV1nia2Np6Jkg2w6bhnUmSYDTh3zRwTJXKFl0pfEzuItBaHPUYVA38yANuDDYd_Kdjcl9bxP8Uy7lz44FmAl33gxK5IaCXatTcsZrEzlfd13yxEfjphyojoaJPhToMCm8uku_0goewCl45mqiPHS-_Sb-lyffDd3emAB3pQHx5Bz75_KHFqkE7bIQkF2ZdQUMHFPf7y4ak_1C9r3Zhzf4CKt6Ah7gcWtEBokiEEwzM53PcpuAAp_r_EZHI3yKbRaF-z3m1LcmlxvheVvwyQt0cYzPn19BoV8D7qYMGINs0ifhcKRizNtX8jYbMtUVkwmNCFP56D9E2ROECWyVhzt1pMFBnzQzPb3DeUWZzf-jJXbjRfkNKUXxwNhG0K63TmvSMx9h0FcBCYZP-tUR59e3927Iay_DjdGFl-gZvzbH3QP5b14i5Av=w694-h390-no

-Representação da tumba do senhor sipán no local real onde foi encontrado, porém a ossada e tesouro real estão no museu que visitei no dia anterior

Kb6c4oZjUTpGqR6kFlG4fuclyE4LSRtd-ti9jxztb31qK-dkns2BFp8a1ZCbJV1QZsSxN27FTZIIN9dQ90H6fp7RIwCjyhkm7vYsOfxr_k0CgF6eIcHC7T7BJPfx4CaIn2BruVg4qQub8tlTGxTglKcJGpV1qLjAkw3CF8B9SZ_lNsdAeOJS6C1mGrhfvjwFzdKNxhdm8X3lQscf7sC2_Zh4v1j7HYOWjKC4-Jvnnj-vEU7GGQBbJQXnMeAkB3S8Q3bL48jZbhow3x5HAGZ7D2TGkDxrv7gjRuPwhj_JXmJBHP_3TOJzf2HH4mi8RAJe9z9LfDvloCgxc-iQDTB1-5jeBTxUzF2JJvQEFUqOAo2yFJ2D4Nq45dppa8pJa9fS14P5TxFOBt3Re-Nk027TDCg01hhUiSsXxg8PJgb9hcH_Iwqe4gijopbTWG9kmbKNemUkqj4uiCXJ3TM0n3VK8HaNDWm5YD6X6jYtLJsU_DyxMvx7EedTDf_ZVsGeeu1b6T710W6r6MG_LwMY7I0-znqCPWynvppo9ZOetP6i5zXww6mBvrvJP2daIKoO9TIM8SlXW8lWgMQvS246EQrDkmmz2ZQqSz1ayvatci2aTpqn47WmS4uKegKuLdjBpVHwf6AJlIYLZ3shrQkBwHa91U_oMDlO5HiJ9YPl=w1435-h808-no-Rodovia para chegar no bosque

F63KkPYfCAqvZnBk5Xdfdf4bqn5x73X2_QHm3s23Ss4W5AtL3aLipEFzTYkd5v50j6-Pum4OQxDKdP9FKhOzSaoDjgKTuhmBsbqcPpC28oYzrj0arbVKqg14bTQSwTMs4fbuXLQNW_mfVCwoRKA2jfOQ1jmrOutDPg2iOta6K8UxyJJEgkPZpqqHr72Jjd2lrdVaxi9uIQXsvunSPEb6mdL5xNmALfzeaiJk_bwmCETz6z76QQxxDcCd_izbhYVQUHYGLykTCJc5aXzxGP1QUmo8dAr8Pfco4iAE1f38xkdUU-NMypdenhMwAUS7rpkVhFxzWg7IYR543RVeLO1aez4alI1JgwUT3u8-C-tbJDY2gL2sLIarGxAhlZmPGgOec87rAot4A_TGqmaemCFhOIv2cU58vxs_yCkDb5O8LPFPF5sjjYlTVAgHTsQnxY7HSL73678HruAtx6TAwdlSuWQSmxiWTzhDaJyQ_mAE_OfzVKNIhAVSxQMviQFXAQp84QkbPeBybwCZQhKHwe7XKnH6LbGfmdsboZC-oCTOk3hW7Q2_pXFw-QjAPq_nVri-Ir_ysGUiRRWQhU5uKmHtTJlm3LZplEAf5LzkjI-FziWq8yxry6-N5ZH5JKISk3OH9z2D9V8gJJUxij1wXC7O34sB-rNF2zqzi5MZ=w1435-h808-no-Restaurante em frente ao bosque

DITYayyKT0KHPzEItcrr7GDUPfonHU1ELuN7VmuorE2qRuXWuaIFcIOirlBYbDLXRPKLcUxUERElbdeWaAgn4iCoLJfhgh3d4lstgCXG1s0eiegJXTmk9riXsum9mN-Qb9iewslgwAM2Gj_PzjZZ3WuAENwPNNVV8ta4Py2Az-HqN4LFDiAxEEhz_RnB5ZVQv-h7_jVWHO3l4N15gX89BIKn7ZNbUo5MSZYPkQPpuI-Mv9_vUMOjChqdbaUT-Ux3VHKnNnCJm8piQ074E3aIcqBFGwhB0QpFzn8y9XmuFg6JEwMBCjAKbaC4Ao8X57CQ2QZYuSFt6p_cXDHeYQL9K0PqxNDHbjLRsZKWreEe6vOXRATW-k-AdOLTPn1E8cqr1EIKkyWB0EEM1JATg5_yvuM-axh0VhiDNGSpvnR5LmnlyNTcqCOfTNkqAo9tbUyrqnHORp16PWDzs-yny82pKk6UHQZe1vnuyRwCkFNZSsqANaVR-QOvwv5FwbFdnbPF9X_BEefKRPaqGiCbsdh0FPLlJnSrJGCtbGde1aw-kj5r3JyF6dqzFBlEoHE1jaRWm67FCJHhlVQ94e3Sce9TCbNxWepoKFijBjmPfD9YpvIRYDu1D-9uwuEexecX8DIC9Z2OkYGCm3GT6GiGVvHkMSPQqU8tb8NOl9_1=w1435-h808-no-Almoço feito no fogão a lenha

RSfyXZ0-AawlC3I0oghHgg8GEg2rP30jm4McYRC1aZbK25mxpWegbE8pUfhP8CU1ENQn9QwML8Qt0yDFAqWQ-Y-UeLLSsC4O1TEx-SnYruiFddQuvNQ54pPd9cQ2tHh2zTXMfryOqHWzL680UYFzIraymmiBC3_e8jcZQ8BJYxXsEjCNwsB5616pW-fvouoHSJ_bspsQW4YxvWcF2Rb_OtBY8ORzGDXKTjXkTVyS0H_f37kuF0NoRngni7JPGQTlhEPp5330Qc3CRZUtZrazt3EVYRlcSTx9FynniW7KOhVyKbNGNCBP_Zxu4zA_5lzFhJ8UpWaPKYPBNhDtnRlnYF2Gwx1dVJtpFti66vKUGg8Xx_ewQdGt0DmbPne2ToCVkV-ec1VXfwklsK4sZvDhs6VrO1Mh0HYffK66OurXa-P_e_UGO1SFfzjTnLXhmnW8NLoY9lWxnX7dYhqpMIrTp0eyQCBYo2IKjs5VZ4Jr3-xugH1w1ugvyCPb282Kgh8KYbgz12Hn8fPN0ygwMlMPqrFIJDI2yyNbGuf2YdMTvnWo2wWLkLwo1as_mcRntRBkihPoxM4WaKRQp_7nY0lfUxsCtb5TMbBKAoNX_XJietHOdKmNl1aaRFm1x5vlj7SRwIoXVwkuBiFwN0dKcmfHefh-mPLoWF6khzZC=w1435-h808-no-Arvore de mais de 500 anos

ITa53wRlEXNosKxv4Y5AwFxUu5ZjWOWhJh4RmDHvOH95Src-Dqo9wbol1Jnm-ZFqKPOg_wCzzVN8Lgwr4CeP5w2nSs1_H7vCluuvdL2yi4gaQsScb91nVAQXO6-tqitvbRK28OH3xI2t_UaDXbsjIDauGrOh9krpNJxbbP-1_2x1SI5sQc5bdecRqJmgrIxU__8DYy1meNJMCyHQXTRAlN1Lgm2XHV8xkkXP-ACUtehW8gzIbnWBCyTqXiIjTsFR_TOBDoUfryaGrEdG86ot3ZOD57NFp_z9Fg0a8voRcGOMOsS4jIuM8HfOTeFlvFyK7rG-8p1Ft5v1rE678l1qcEj0XSrTPBnhr7kAn6PCoOTQEYYO4vRLiADSDrrooG6FdXeaFj0JV67FEZVFlhaaxDt69p1Uu4jYzokMCjhZ4nyKkgfGFd8aDojANN8KbuVVX6fvOEMgKqHdg6oJ6eOvPVcLF-PhOPi5J-c2U000drCTD0XGiTxciJU1GqDb9BHJnyfQOrHBGlcKsLUR_3rAE-msN04kgdwpdndewuESvzUyQZjaE-WkuBMG4UcPQHkHg1Tvpc1fD0xrLUs_YCoeCrW6o71mtQGaJo8iwxll0M7qFypilcwNIO3hDxUYo_STorL77gHh-NdAkwn8qp9RSGnW_QWHuoFsQrkn=w1440-h413-no

-Vista do bosque seco em cima de um mirador

6KsiZ0qa_op0NsIzLoTDlSPpfkrhuV2li_Zv9eEbtujuJAk-2q4kcpvivdOrkWaUBo4x7Lw8SosOimue7A20Frjgmssr150hFKQWq2JsMVogLQRALPZxYKCQl5_VACE_ukO-0vDlolyHfiMS-tkjxdDWQsXmADtne9xEJdTTL1pZYjvnnQiPEiwux30cYkzzIna9RRTU1GslBWk3nDjreQL0LNXxs2yryVczvA5zjt7Of3K9DLK5S-PylV4xEsYDUevFO95knAWxDvFURnAjRNn1U7F-t5SiEwTmRpPOJF_LwDMSj9UOcwAWhGUD25k4pEwz4QqKG9RGo6nPvj3GT3bW3-geBM_QhlBvz6ZAOXTDY2XqHL7RzXrxxpi7TADE7aKRFF-fcHUvo3BjY_LpGo-j7XwCo9iJWuKdytvgCFaT5YG98gTVNsl7W7Jf6hZqq0_K-XiHNI-zYiR6ivlLW7r82MIEmWGvqgxX0-bpUtUqjRr3Z_-1whGgPkna91vFZMYubE_10wkbImcBL5gNwoVXu42Mhn1dlOxKCSCTi6Kc5Rz-0CZiwkj7oSlzCuSUpsdexiHsFUPEut09odnXMdxwaYqolUnNpVoc6fCZYKMRNy7BdNneHhNvknlWhAZ8fgv_PEk6nI2YVDUcmMGyWx8aHtXwiUe5zPRM=w1435-h808-no   

BD_sm3G0VQd9iGuHA94KJC-FZpC8tIzJYTFy_sAdUXlycVDbUicQCvnetALZqxUrbQy9jPgsWSqwjiRcrZwHBWefB7hCbGrOujo0DT6JrEq9ZXmu4aPcfI2BpcfbHHgsw1vvKiXWUKuFzN0zNXn1XE02Lb1G8HUW1TAGtXpwL6u6aFnDaHO5wVvuxw83drp_g0haPA7HFVqyKMaBxSIqZ4KWys1bTFSMDrYHHKWYNQ63Ejj-8Y2iUxOpNpMDxm7G1Rgk_SfvCBfYYv1RAUAWeTIs2aKCgIm62jAZwdgC-3jxyd9-ilfyF_mF1VTNhsck6Druh95jFaRMttV62VKLJw41OcgpkcDCmQ8ccuX_UKNMwGRWH0i82BbuPTZUBtV6u0tBm2CtuHxyV7EyJGZn-VOqsPVd3eHxdDU4G8i1yxD73DJ0XyZ1c5DUmMIQaWZ67cE8kv_KPKKsFrmst8D31Qh6JICy0xF9bFWQGikgTVDyCQJ037YHnwCypnqcaehEiMvOuocjfl7nhHSzRmkNBIOC0dPdeLu6CcXZjS0c1h_BzvuwMkjZIzIIMdbrW1Z0Tfz2YoX0vCjTos7__y6p_t56zYFZOW_DmSm04TtWrhy_ojXGH1BcZ0VB0LEHGfbW46hfv51Kiw2ccU9o0YnPPZhzoY6nGVrzqSIB=w1076-h807-no

-Topo da piramide

EMnvSO3WZ4XqOieKLTvJCYWsDK_qYK8961rlAQsWMARSouk2i3gyRMtpnz08EucCBiVj0luJHhpC-L_ov7Vq3fOuEJYL1L_pQTijABmdSqb8niOAo5GjgtFn5K32v3DzfSsp7iixoc8NXVk1C2s4IC99PYAR62ycJca37jwxIfH3HL96WLPX1UCsnpnnWqSXZ3xQU9gRTvDTAZ9Hta4g62Wf4rT_psoreXCh_L9sSUCJ3aJ2nPjYShpahlQPth_7W-6JaBOft7NC3kGyfx_WKfRs2XVyT2hFdCZQqFvyCJUvURSWlSC2bGrSkf6TsTRy8tCLeXNiEr_HntfVgxP5n9NHP6JPTm-uyevndkzlPLrXKoKMiXOP4tR2Zbn84DTf3MYedUGCCP-fC4U0rovFJgFZutdnhnG0iTOPMUmtx135SXXfV6r6HXfnRNjTkokVrGTaYmeNPopJtheboPt3H7tpH1rheBGtxQYn-zA0ixJeyNtgUGx75u1ONmnX-4ivlAjdSbvlRVOKeaJ48qzveyTWJtxEZpzRErthnnGuNstkngSLY9EEhk7bmOLWG83AwP7un5Bu66Jfj-jjHs_eEJ8TrUEanmRrYOi7-48qr8xfgY8KJMUrmiU_aKDHJUaVP-yEXNwg0PCdePBovE5f8Ta2O7_6d2Ak-7vH=w1435-h808-no

DkiCBGw_kXJQq1EUQCQC4TeA72_JxToTXmp5pyTHa2Dgl0lUWUcNH4aBi7iUU73KRY_FtXzCjfmqJGEcVUg1UA4QfgRiGMinkRV-Bl9SDmW20iyUQI6CuqLVROw72QVFtPExKkRYL_diq4zMlrnZgczao87N1ia57DkT7_OSVE3WLYZPFvvKqHIXq93TWpHn6-wizv0RkovCWOlYagoxWwZg5FG88JnAVGEGS3oa31sDpeJfWJV8RKEJVD2jYLtQ4LJHewad2NQhKOvbU01EgpU1MiuK5hk9t2G4wL9r5V1o5Y-WfsnSRriZi8n1tDhN9OYsLmTusbpPfGYN9e1dOIqjOWQxUbo-a9Fgg7C8NCaIC_Bjqs_QN_GJUiYwEdjG8EZhJ9KKj6JOYY3UjE9l2xiXeMw89MlTUM1OX1mqWLJWs_BclbWLXK3ruhPDTLmjgpOv7GgfJq_eNfNN-cLKHM-VN5x8UncrysEAUO6tC9itsuTrawzQds91qDEdo3ntF4UT4vxehlyVp9gFNIdETtvVh5jovoar5fuKgMwEegu9G79vLDH4Z2_S1-bn3UHXL34G__asnGFv_T3vHSfKjV36iQdmDuLangpejskUAJC08feCMETuDvRYKbDDQv_rV8zKV-FFFzV4OE5WdnKu_PZyhX_AwOIKdRds=w1076-h807-no

-No meio do nada esperando a Kombosa hahaha

 

E assim terminou minha passagem por Chiclayo. Fui na cara e na coragem e curti demais, aprendi um monte! Foi o tipo de rolê que eu escolheria não fazer se tivesse planejado antes, e que não saberia o que estaria perdendo.

Continua...

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 4 - 24/10 - Cajamarca
Sai de Chiclayo no dia anterior às 20h e cheguei em Cajamarca umas 5h da manhã. Eu não sabia nada de Cajamarca e fui parar lá apenas por indicação, então eu ia passar o dia lá e dependendo como fosse procuraria um hostel pra ficar mais um dia por lá. Cajamarca fica numa região alta, à 2.700mts de altura, e foi bom eu ter ido pra lá pois dei uma aclimatada leve em uma cidade não tão alta, já que dias depois eu iria pra Huaraz. Cheguei às 5h na rodoviária e ainda estava muito escuro, pedi pra deixar minha mochila no guarda-volumes (praticamente todas as empresas fazem isso pra você lá de graça), aguardei o dia começar a clarear e sai caminhar pela cidade em direção ao centro, parei só para tomar um café num carrinho de rua igual desses hotdog mas que servia um suco tradicional deles lá e pão, conversei com o casal que cuidava do carrinho e o outro cara que tomava café lá também e segui para a plaza de armas. A cidade possui uma praça muito charmosa, uma das mais bonitas que já vi, possui uma igreja antiga que não há torres como todas as outras pra evitar pagar impostos na época colonial e várias construções antigas muito bem preservadas e pintadas. Próximo dali há uma escadaria que permite subir num mirador pra ter uma vista do alto da cidade, consegui subir a tempo de ver o sol nascer. Foi lindo ver o sol surgindo entre as montanhas e iluminando a cidade que fica num grande vale plano cercado de montanhas (que não possuem os picos nevados como mais ao sul do Peru, já que ali o clima é quente e mais próximo do equador e da amazônia peruana). Depois disso voltei ao centro pra ver em algumas agências os passeios disponíveis, e fechei 2. Um até o Cumbemayo e outro até ventanilla de otuzco. Como ainda faltava 2 horas para o passeio ainda, fui caminhar mais um pouco, tomar um café mais reforçado numa cafeteria ali perto e usar o wi-fi um pouco pra pegar mais infos da cidade. Um ponto curioso é que cajamarca recebe turistas e tem uma estrutura melhor que chiclayo, mas a grande maioria é de origem peruana mesmo. Não vi ninguém de outra nacionalidade por lá, e olha que rodei algumas agências até achar o menor preço e depois todos os micro ônibus foram juntos e chegaram juntos no local de visita. Outra coisa é que o povo local em grande maioria é descendente de cajamarquinos, e é comum falarem no dialeto deles e preservar a cultura, tanto que as roupas deles são bem tradicionais e não é nada encenado como em outras regiões do Peru que é tudo pra turista ver, lá o pessoal vive dessa forma mesmo.
Bom fomos até cumbemayo, um campo arqueológico que possui o aqueduto de 8km que leva água das montanhas até a cidade e que foi construído em 1.000a.c. Bom, isso é o que parece, mas o guia disse que estudos mostraram que a cidade de Cajamarca possuía um abastecimento de agua muito bom o que não era preciso isso, o que traz a hipótese que o aqueduto era na verdade pra uma espécie de santuário e culto à água, pois o próprio local onde começa o aqueduto também possui uma formação rochosa bem diferente e é um santuário para a natureza, inclusive eram feitos sacrifícios em um altar de pedra. O aqueduto apesar da simplicidade impressiona como a mais de 3.000 anos atrás conseguiram construir um aqueduto que levava água por mais de 8km e tendo um desnível de no máximo alguns metros em sua extensão de 8km pelas MONTANHAS! A formação rochosa do local também é cercada de mistérios e há várias lendas. Vale muito a pena conhecer o local! Foi lá que eu tomei o meu primeiro chá de coca vendido por um cajamarquino na entrada do sitio. O nosso guia, que não me lembro o nome agora, foi sensacional, ele também era descendente de cajamarquino e falava o dialeto do povo, além de tudo ele também era um historiador e estava prestes a publicar um livro sobre a história local e tudo mais, nosso grupo fez uns caminhos diferentes dos outros grupos com outros guias e tenho certeza que aprendemos bem mais graças aos conhecimentos do nosso guia. Certo momento enquanto ele contava uma lenda cajamarquina entre as montanhas, 3 crianças que moravam dentro da região do sítio cantaram no idioma deles uma música sobre essa lenda. Posso até ter sido enganado e toda essa parte ter sido encenação, mas de qualquer forma foi bonito! hahaha Cada um do grupo deu 1 sole pra cada criança hahaha
Bom, voltamos pra cidade, fui almoçar e depois iríamos para outro passeio. Esse daria pra ter ido de transporte público mas também era bem barato e ele passava em outros pontos então decidi ir com a agência. O Guia era mais baixo nível que o anterior mas explicou algumas coisas, passamos num bosque de flores, numa fazenda de queijo, e fomos finalmente até ventanilla de otuzco, que é um cemitério já da época Inca em que numa formação rochosa havia um monte de janelinhas que era os túmulos. Nada tão extravagante no passeio, mas interessante. Nesse passeio eu conheci a Carla, uma bombeira que vivia em Lima e foi pra Cajamarca fazer um curso e tinha um day-off. Na volta desse passeio peguei informações com o guia pra ir até as águas termais da cidade, a Carla decidiu me acompanhar e descemos no meio do caminho pra pegar uma kombi e ir até o local por conta própria. Paramos quase ao lado das águas termais “Baños del Inca”, pagamos uma mixaria pra entrar e reservei por 30m uma banheira particular. Como já estava escuro a piscina comunitária já estava fechada. Há uma parte do local que é possível ver o solo vulcânico e água surgindo de lá a temperaturas altíssimas. Tem uma placa dizendo que se cair morreu hahaha depois disso peguei um taxi até uma galeria perto do centro, jantei por lá e caminhei até a rodoviária. Decidi que partiria pra Trujillo aquela noite, os outros passeios em Cajamarca eram só com agências mesmo, mais distantes, e não muito diferente dos que eu já tinha feito ou não me chamaram muita a atenção. Me despedi da Carla ainda na galeria mas mantivemos contato, eu iria pra Lima alguns dias depois e talvez ela já estaria lá também.
Valeu super a pena passar por Cajamarca, é uma cidade que está crescendo turisticamente e possui planos de o aeroporto local receber voos diretos de Cusco para quem sabe aumentar o movimento turístico, já que o aeroporto da cidade só recebe voos direto de Lima hoje e via terrestre direto de Lima a viagem é muito longa. Mas se tiver a oportunidade vale a pena conhecer a cidade e passar lá pelo menos mais um dia. 

E3NLS-70aANHroz5zXRhfyNnF-fJrfbPeilH1KsL73pK58j0cw6TwMMGsTI3VanaphsoSbqlnVWjM2SK6OPkt24zOhfpDza75vSja2KdQgJC1hzMtlBZwliwE2vNOEBfh9FdkgBKR1gDmR1KCZ-3_VUaFmXpFRG9b99nnUDfOL2o1BJsalLbunhN1_yTmEp6alLCNU2DtEsY5x5I1eR_23khcYf0o8_Io8zFqe13kuuQFjaNno6c0lh-LYOt7eiUR06uGbFvTc_RgTMYWlpfSMLuhzLDhO-iAEAbH9v3IjWDBz4tnrl9oOo6b1roOKwLWcgYOvARMF0AwAYmkoK3BHBblVDXTGLZzWpUCAOkXfV7NvfBPxTDwLpwYToZm9gHsGaPHlPFKJRAB7AjD4wc98GI-C40RI2_krA3Q_2KiMmdkIhTCT4FAtnqGE0dK4HE3oD5LZEUo7IuGIrq35HyP10K4WiLiIoFSR2Wm-hByHI3B_6_CuZGOhQMESyE5keeb1qorDgSN-_wLrS7ZB0Y2jiK2Tufi1cVztfHbDZzLmpDyVIYvWZJrkcwiO1Jdd7woevCNHFoWhlTrfdlWvEOyEZS3Ofjr8D8PE6bYg2QVD1P80Bbz4cLh4Ah3zYWJtREwJkHj82Im-7-8zXy1F4aiYeFDkuhNqofszeN=w1435-h808-no-Praça central

qULhxuFg--AxiQN4ONK6f6JBEE3DCFFcAjVosd1W7tSRcFFxyS-dYd4NDK3ZHFHQSasaGJb2Acvm_5NAcVOy4_1hh4QQ_jAUfkGt3Xa6YCDaImV2oak2YBZQzG5jPWuPeASEtMwkBMEwRo3zc6C13POyW1Q3LAisPZIPhOdo7-2EbwjnHbtDkT_TfeeS6DAGFv9qSMP0g1WSXKNvrT5k9UmwJ9jAF8P8cqu3JviKRVxppeGtSrSxc_V3kSJxx_1jpYqglGiEruicfXtwx_mSVeM5M0vpDC_3G8NdqR-3ixNabEkEgp0n0sY3zzL6waquHLg3ZH1uGgeCWbQlnf1Kz9etujoCHYmSjednZROWdVCGAeUKlfUa9RroWvKAO-IlZCciXNIYENxIDu6ZGuhqZgS_CXefB9XuZrfAR1WpAkA-VmtdT6wuvbxgLbxkPikhKDw89clv-tEGP3iBz4ZXHHAa6cGbKAllBxHEWDefII7LCDsNlIo8_ZSl3qtcfNCyqW1pPk7YjvydcF12iEY0JxREuIMdkSRphmV1r4Vl84mrCmifHVMF4xe285pVtlpAnh-PCj0LBWz0UgC2C31aY4ZuG396yZ-Uk-zPW62wVRAuO_6g1NC-nUB6k-QnyV79KT15X1Y3wVDd5NiUbeHzRs2x0okkIzRPdYxh=w1435-h808-no-Igreja sem torres

O6Q8jJdErC_WFGNmYIhd0CngxEBZxrGWN0RF-ZYwE7eq2v6zxuz5QowNUr-BH_wCdU8jkyGYZc7QB_05dxWIOrXFQQjXvOBawqmF410pgfXaG3YsMrP3J7bvJl2K1fITzTF1fxpVzjL3pjDheZRPXl6ZHijBGPQB0yJyCF0_K6YBpxbQ69QHuuFH7h9u1lk6HSP5kzLN2_-3EGeQDPO70ixmjig7yq6q6m25C1pOiIVisNBSGOsi93k31CLOdGOX0gQpgUQEyflg5gicjOYpsl2iyTGYK-juhaBorZ35SUxWu8Jly9wV6k_nmXRQwTn_deH5d2Zj9GtE8O_LE7zrt1ImF6FXCFquvXP2qdp4ed_gW5lQtoL9RvKG5dzhJeLVVIwNZxWiyvudAM7wISmoAJnhvAhtiJr4-jpl2ikdGseI32BnWcEJnmMQKBaMgj7D30ko9mpIFRFSjOL1b0KuUir1WkPPPWX22HHJIvJk0K0EkjcLThQGAt0gRB4uvWKvitrPo28WQ4S5aiM2RoUzSLa_i5gfhUu2CUrOT9nGqsC_8lfcu8rTqcU5H0OJiZfT66jf09GhcSAzJJb_rd2G-5ptvcu29cywxX7r70TYAcJ67wUvt65YzVfkH5hKclVai35ARRZXzQqllb0eD-ZJg5fS4-dQ94QNKITE=w1435-h808-no-Escadaria para o mirador

Xa6cGTIkrEHUMhhjFLGsZW2ve4jJsmjLM6nbArSvnlwX1NzRriaG3xIhxcJm9_RGB-jKDUzIoOtP96lcRpeTQK1RieC4hjqfSLLQP5JuQusjTz5OpVEI04QNwAqzoK5OqYrwX30ffw8Wdg-Z6YC3X3Plu8-S9oH_L2EO_WyJYZIhWVws-u2iiiPyzRVb2FySxfTLHijhLgtq6yacUgppRh8YG1k_qzvl5SWFHOQPDxt1Zf0cS2CQdQl3gHaoW2yw4SBz9NmS5OAVnwcQoPNM27aVFm6VoA58Idw6PBq1bKhjM47bcIydzQ1ciOTbVZEDLvm67PKF10qQ1dcV90P4LKzx9tPp1HT7GLnBRalmQrKgu9HoWUQxkB_arOF7FzXCmY6dQNN_GiFNc4ddkkG0NL0ubTrA5vgEw2QaQxG6OWBiNnJ3TIPM2ArZ8BK6HQACi-6BsbMOh-p0JFBMVaTNFKvsMb4id_cCNKUQrUyn8zVk4epqeT1IUZVU-PA3y234Eqpb5AcoRVaje2_r2vLpA1iax2SwEEDSUd-kD3TaeSVbcKjOZFG-MHCW4tq6YouQsuq0lQGTjSO-2x-c80yC0xC7SN2IJlBpknT5ITqkpuIAFZuZvQpbLXT-lbW6MAvWV1QTG_MZPB2ZuvGba_Y_XDcDMtJ5ssM8yxa-=w1435-h808-no-Vista do mirador

I4_PsB795aOdAW6U2tcQW2ToX49hUVrtcU0C1JIBNmbVp2ZIdpcrf-bAoXE7DAHf6owAyb1SRK8SMcLhB-jjS19Wb7UpVaFx3FLl2aEDINZWj-_ibBjbjCl8A5zl0eAPiTAdPeUEQhBUZnKiwIoj2oUgkdVvECOwMmXV81UWGHHHcyWgNS4NvBPtS8yaAZn6nYV_NOmHxCQ3CVknBeCxm7j1rI_MK4ycLGWbppmFsemuKsZitvTg-9ACMb5xVI7ZnusyqIzhARer75YvgoirNF6JR6WQhJpkRhjqGmlMxOvPvAqtfRYJ2LkFj7n8UVo2sd24KZi1brsetnTeh60vk0bCrsWf3SdS0XGlmL7INik4t9RLLGGNXBRh6dWVeBJrHSXgbao4zKVITRG3aeBkGwmsLnk0uvc6lLOaFCbJv4mQTpvJvMyuKGeuEq74SbulSkO5Yf76VQ0QPm8Ycl2OjQR2Cg4dRX2AuXi86oyUz7KdGJdmhIL9PGUnlRGvfCsx5bmQafD_FHNQ42oda3gxvSFgwllnkUwZp0pzRmYEfTPmNwe55r35fGUJLznxmaqpvWcYwenYYEWnsk36PA_hlNEMRHH1_LCssP3md68-_8V3W52r5qEj9_QPT7lPVNNAL7zosTsSrXxwuuc_3tywitZ_j-1HZ8Banma3=w1435-h808-no-Cumbe Mayo, um santuário pré-inca

aUqzC57Y_Rpjb21Dz-yU8RSBW7QvNryNMHoHp3Kx-qFVd6PkEk3huIinnf8QhGmF_yHxbrP4ckKiacUA7QVoVSTB3yXVlPaLKQLYIjPKncJ0O8V57T8wSp9CxvSgrVT8H34_gkl7-KKhlAhIWWZmtsh9GxfIRkNyD3FtcA0cGs9CMMt9nQIASjcOkp1a-_TqChewlK_4ozVPlHFz0n5e_3DOru71Sg7nNHOo368jMHGaoHnrgRMmVxo0CGvId90Qb-tWcoit0PjQxjeJfdgSn5us_nq8nnt5HLBJiiCXQTejjxmZ0KM0cblYe7teifwP9EyX6n1YdkIYmWZ-6cO5LBW111LvkAfzvu9QW9NQCpJWoK72WwOeZqJImtYVd11n_Fi1xqkX54tjaQyq0W3rrX6bAHYQa7nzxxXAWawSvaTPduSTAayQ0OyllS0Z_f13QnNlQ2mb2euNqVroq6hOZbrU4xeuxXbyTG5d_7vm5FtrYWd4sAcJDqCdcverBaS8YIEgTYAT0CgBHutBP455y1OMu5Gw-R0WQbtPZCukWFtX30Qvci2-jhMKKiSzBslA8a_68DZgKHCBLWaNKfrwj2e7FBwH28HKsF00pGr6s1VQVl2thVYG7x6adbB31jHrYRae4ZA0Pf3u68QWWHu2f1NkufbupBEt5aj5=w1076-h807-no-Rocha que lembra um moai

Tjn1RTexER4Cj4U9hMqsoi4wWyfI62K2hz_xcjVvMSc2NmZX3eCtGPjTSEacmaDcWa8sSxrX-ZDGZkRBvD7Hb3a1LO6Ql9d1aBP0goQIhwpxrwQEzpMbtmrcrzogF5LlsdWaaGHtG8_fGhbdrwsc6gm3DVIDRBvIkZMXpLjAJydxeHQ-VtYekF31dS_Qu7VyvBSTC-_sZYBQmTA604tGrGw7PF3A-gM0vBIPwEhbjbVAW58qp9q5KE5zpJD2MURLsw5PwJsoi7F1P1gKl851DHg3pevmBpEEgNs7axaOEbCyQy7l7zZfaYxsgM2sV_DJYjP7ZbYskGDPMMdxueNCeblCoqrdZ-6Ql9tYzKgi_axfL-boUt6l5yqV8D88u3RAUzaIQI_Gh1w408Co73ZpJHmI69vzWU8E-eUKZFI2ElDryo4FWoswDUJSqZbNqbQ7_PEsXVi92-9sLEePmip8ZOUJAgPp4lzhDvrLZgAWOa1kfB4t9aoKILm6Rjzfp4Zvr1lUVCNQW9zs6XS9mSNTl8JFUfDaGoXEuG5bhUEu_eVOTcaOtgMwzAKbP9wAm8UHbadqgrS6PidSrH3dvb9EwSEhEqpSya5OxTbA_1cmKAR1d9qQY_NKEVlGilEyql5OzQPasPyvOeLc8RllN1cvFBZsIMxhXKpdGIKW=w454-h807-no

-Meu primeiro chá de coca

 

aJKuV6OA5Ra3tp2A2szXng1euNBJvdlub3xfpK_0Qdwi6y5GaHFYCfPEMmEX-MEp0X_G3IunNNCCa-t5m-2TJ3Q1ziQE3Yv_z7ptRcPTMLFAN8ICSboTkA0E9JOc4m2cVPFLI0ijJtHr541JtTNbI9MmOrhZDSqXWSzXu2nb7iFbEWRxwJpv4bE31dE5rDALxGI95IM0ILkKdWJM_sNkOoVv6r_9wxD5P64GOp_R3LxhgMEXs2E9dkvIn_zDyCN-pguqeJpfVMiMkgoQGlsOf1aGXtS7qhWy2hr_QA3Dkd6C0Oq80bhEbmTkd4vOptk0ahqOlRyXvSG1x8IHNp524QakIpEwpqCmwukBk9NN7WZG-g2W3ZtcnqPEP-eAi0u_ik54RZbLU6CvHoKVmJOfxYgWyJeW-ucio32dT_BRJNaX80OJbwWDYzN2ikCsvIoDt8ulqzkqt-S8wA5AUJ8WtOLHUXyXr33CayhpaFgYgkDM1--4A-wFUc5o-xhpqc3hRXiO9CMjuD27sSCmzr4f2-HX0esRRWgEsMTMQAtWp9L8K9-iPCnMVpY7ffZX9-S5ApOaqhXsjL09I9AJ-RyqC4mmHVKe54NfPDy5pQZBB44_fDRfaBXLlEEEwSAZboaorUF5HgpFzdT0YAPcXIfKvd5dR263jNbqmWH1=w454-h807-no

-Aqueduto

 

ixPF7kwIsD5kVwEUY_O-PNcOxX6-IEdMf6knq06AFjnOZK9aJiaGo0Q3osGMRww3e9h6rr5E76A4P0nyHCeDfXcUecarIFGrhP54XpemLFeLwwIthsU7gbVsAEpaf5QLinZE7fLSaXQlIQsWPLu1d8kgr1WMkmqWUMo_f9FhmTaHDXFN9p7LGBcCDJEYJjVr_Ygv6G1b-MSopGHpJpl89Hpaa5-IwrRoTNGeEz7-qIXKdjdW0vG1twfkx1ORsyyRNhCGr_PZgtKX3QUyQLZgz8mBd2ZyCMbfxrpf-z0ZEA7x3NvECSpHY729Fse7yUdoO-Dj-sne6PoUL2FtvztUifrgrMCID5PIw8aGOMVDdx8kFPTdzRHGtEwwdAQKVv9EqPKK5rCdlfLTv0uv3U6Kg1FWaSjkwPD81hq5Y5TzZuO-tNiNelHuWh5a4vutFZqlE00peC9RsjxvJM-ojFpa6rZebLN22OLjMhUJGnytUjnUyUXQ4CiBpMmdvj8A_IRxyUhhfR1oYr5qBgMJOalUH1TJ6WZaLDVUKiVowMFXk-RLvqjlH22HcCyARVYHSevuWFH2mBt8q0gRk5O65FMxHQPI4NCjAP06YMPfqMfgzg=w1435-h808-no-Almoço em Cajamarca

-XwQv4Ldy5nC7b1nroebxzZiyprQq_XIZyrWc2KypEPfLE3EqRcGF7zW4XmZk7q65j5YwMemNMU6rANyDCtGuL_-AqMTas4gV9qvkpG3-bmTsxJ0pTqquGsXYEBncUuP2t5eza4I3yJ4b2tbyIh-niJM3XdbcYEaggPE76ecCbdi3xjxxro4Iqo-yt1UN_l75oylYhws3O1DTp9h7IjR90j19zxkwWlM5720YZk2K2QbONLJFRKFtSmuPQm7A4TolojtoLzR5XBIXgjEiKUssTSRKaBChcECm_QqAiL1pNixj4JA7i_1WMRuJfubtkXX_anL_2gCZMoE_GI-S4F-edNxBVEoocubBjLjyWzKX9IZyeBBd7db8eMvpT-D2GGk-DZH52DHM06ctk_mHXnCp6HJQQ98FvTo9xZYF5i__kPUa3Cc0KZbVsTS8amKJXRNQXVOh_rXkmZjW3PFFKy-6dlAKX5WsSlNHGNl9qE2cL6nPDdzRSBn-3F9lm93wApzwTdRkBxTo-znbYOsLcXJPpH0GS1cMWJVErb5LEb1FGiR39kuJOHr120RPqFucUgAInmX-lBq-XCUpBUqoZGH8YCifphm9dUUTmAnOV2AxPfmnKWpz7wbKStlv7FEutjWQPqq6Ozxl3ZNba6PTYxyFU3bHfxEGeRUrq3u=w1440-h469-no-Ventanillas de Otuzco

5trm02hv51gnOotR3BQFpYTKu1nOXzMCdCNSIcSswmzeRbTORjxZHxz8kUPuuJmoKUNOlYM3NxPabYkdhzYX1qsxiS_933-k-wwQclSorw0BZ8wKzyu3V1s6Tz2H4qW9Zrys46g3fg-I7IuE_Az0wMoPptkykUXtoBNhsBOvvAVKISSU8-VIG4kvFvJC-yTwog0rojF_U114C6rxLbtc4wUVK4J3aaOjx2L0zeX-PXYRqTCH163VGqXxZhqH7ZxheEVTFuW43RuTtSq6FBKGcE6IRgpPTh2pZWtt6uc-ULXRVZQgzx-sbrOelyaKCK3ytr00KWp2AEQtI7-yWdnQ_3KlBZLgJeTHK4EHb4De7dZYigrihhpyKUgav_0rYW9LPFVPA-gvGniqlQP3VwgxS02XKcZ54lb-spdIDA-679dpBO-nzEJm5Esg9YdVTKhPl2VmZiQfZIXbm7WOVq6jPRBjlK2TVZQoXE-HABQkbsT_wgn2g6XiVrXk5cc7CWBd-FsWbtDQ-6JtYmXxSWiUgaUT8sLQ6Ib0YTKOvgjJq8P1He3y1x417RqnNxIaofTd0TQXdkfS0c3GbjxHxfZNMdoWJ1sKn88tdMBZiQPED4w=w1435-h808-no

-Baños del Inca

 

Continua...

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites


Dia 5 - 25/10 - Trujillo
Cheguei em Trujillo umas 5h da manhã também, esperei na rodoviária pelo nascer do sol e fui caminhar pela cidade em direção ao centro. Trujillo é uma cidade bem maior que as anteriores e com uma estrutura mais desenvolvida, com ônibus no transporte publico mesmo e tal, mesmo que antigos. Tomei café em uma padaria perto da praça, entrei nas igrejas que tinham por lá, e peguei um ônibus até um shopping. Precisava trocar mais dólares por soles e usar o wi-fi pra dar notícias de que eu estava vivo ainda. Usei o wi-fi e o banheiro do starbucks, que aliás é o meu banheiro preferido pra qualquer lugar que eu viajo (mesmo sem comprar nada no $tarBucks hahaha). Sentei num sofá do shopping e aproveitei pra ver o que poderia fazer em Trujillo, os passeios não me chamaram muita a atenção e eu estava acabado depois de dormir 2 noites seguidas em ônibus enquanto viajava. Decidi ficar por lá descansando confortavelmente e almoçar lá também. Depois do almoço peguei um ônibus e fui pra região da praia passar o resto do dia lá, não que eu ia entrar na água mas só pra relaxar de uma maneira diferente, decidi que seria uma espécie de day-off devido a preguiça (uma das vantagens de não ter roteiro definido). Passei a tarde toda num botequinho em frente a praia conversando com uma ou outra pessoa que aparecia por lá, e com o gentil dono do botequim. Vi o pôr do sol lá também que foi bem bonito com o pier e as canoas tradicionais dos pescadores. Peguei um ônibus de volta para o centro onde encontrei um amigo que conheci pelo couchsurfing e foi me dando várias dicas sobre tudo e tal via whatsapp. Fomos caminhando do centro até a rodoviária pois decidi que iria partir para Huaraz naquela noite mesmo e encarar mais noite de viagem no ônibus. A principal atração de Trujillo são as 2 huacas incas que a cidade abriga, por mais que eu tenha curtido demais, eu já estava cansado de ver museu e ruínas antigas e decidi não gastar sei lá, uns 40 soles pra visitar esses 2 locais e tal. Não digo para não visitarem lá, mas é que eu não estava no feeling aquele dia pra fazer isso e foi uma decisão pessoal. Provavelmente se eu fosse visitar, por estar desanimado não curtiria tanto por já estar bem desgastado.
Mas enfim, a cidade é charmosinha e valeu a pena passar por lá pra relaxar e ver Naharban que conheci pelo CS e conversar um pouco.
 

nK1RRwUtRKziUmNngt32pZj_JvLa1WaPT3r1Yko4j7IP6ghHG7K3Kk5ZitehXX80ahoLNIkcZcYtb8le12Bxku38uqfInvIZ6RfEsdz2JHAGBsfcSHiZBoQPDVbekX1SJsgOlvp0OW6KK6owJCSRmu7eE7NcDXDRHUwd7XSVKm67oNihf2iNCExziv6IWO-TzVYolcxoXw0mVZFP10uDX-F8zGL1XfJwnl7JXLQuwpVeXXyZ2s9SS2ixMt6fZTG02W6Lm4Kv88WPSg8taijFcFHEOeI5fe6yrJbKhpQtOaP7NzV8XQPEIL9QGqhjZ9GsAkc8BflvO52UAW3Z59IUd5WemZaiCY0KfuLUapjbEBx1V0zROMT-HtyYZz456Cskerg7e62TckcLlTsQooXrmjzOOPs6B6psBnItcX5K880SiuzBPLH6gpMEC-DJHm8VPOYsYP2zVWBUlR8MBKI8YFx9mG0G5MHZSOzaeWBHd5TS-VYAYJetTtTDyl3Z3S6cWoPr6eD7oLC6lymVt3Lg0aiJhgpxO0XSHuPCnO4VcQa7e_0heWHZLTa7VOlDASiHc0uzL9Fce2fihrWJ54-P114Nu-5gY1Zl-u7LOm7hXoh00myD6yNvKCou7Fue8po8EPztbjH66cTifrZiCZaRLlF21QXi6S_QQHkX=w1760-h990-no

2l4SDl2AGndIKBWdrv1a60R4yalyraPU6ih_uJAIWaRGo8btDp9cZ55L2kXJtVe9WrC4ZfiP4whvFISwfJ7k_xZjV3gNlA1xhJv_S9jzxncK8nO4QiNbG2wc2LXR80QGjQx-LKTZvtOP0rLRRGpPoWA7c5GP6mRgGZ9BCwXuYNWnzdVgw8ox3q529P15RqCwmr8JUztM45ikMzerz5Nm2WVWtoIzjxdwcjrRNRjmKVO6Pr5B7t0XSwROaOr8wNY7FkLC8dKqUvsaVWGkpadmCf2GNnqRX8_lSZiDEUz1bjBOU7ufNls3EBmGQDtD2WjjdKUYCEyLVcxTGDDEiqrUJ1miM7iHkuxH8sVsniNCB6agSJslg1ZZujVCcpZbrWaL_nRPHDr8ZWIeodxB49DPPQBTAaD-O6JvwC_7vEZrrusC0HZwMddyx9b5icFaOC9O19AVVAF1fPIiWBn1BWToeSfDR3OjtIAkUzdhzBaPTNRa8kSmPW-wCUFmBX_7vim5176303Z73MoY8dQOy15YbSOKJtwjxloGd2ar3c3SUkGqupS9STNlrib19EBFbW28OWHoiJtPxu1PuC51LiDN7Ur9cHlxzs_0z8KL0QhwhYXnXxrbY4yXRLhSo49DN1SY0qCnUXf4uS4Bb0pR5X7iULOHI7hL5Me2uO-m=w1320-h991-no

piAyN5jorNhGDXhsVem84E5IzFxtjnpl5YC7Zb1zhdz58ZlKd1WU3TNDfQBVxWeTCOvvSRtsKB8G0KO1M-0qmRugEG3dfmCVQ4qFyDIAdCgfmKMRUd0YsYE2PlcklX6jp4kBpnm4WYMbwqqCCCYMxeegV9H1g9BoKdMJOqSe66RVOPRdpMkHyfNPznPvQPc9dJ3mWI5V3DkFyB3TeoIyq9xylgak3gMVqRs5muyf1HkfisW7NkIQvx92a3ZQkp451wL4MTxHw_QkVaKRaef6uLW0Oy5Pk2kPo_lQtW_-KMqyyzrflrroY-ukmv89Yq368TKzyJbKWswWMfEaDvziw2c20RGGzDRXth5iV_amXP2TGRv4h0m-sSWx7dmRDWH_cvxLSZjfHGzDFa_bbyIYqVuoT_Zax2Em249nEQX3BhneC8roBw4HHXsCFaT2D7f2mOMByEhXNHnbxfB7z_Z9ni8xi8TPpSdD3TlRBsm7YDPciAEWuwlOIYDav1-bqZRbJGdjoHfhJ4AYsl9ZleJyuLlZ-4eDpo8STUoiSmZ5A1rMR9kOgWkP9wclB5cWMYvLImzhxD8lCwaxkShQX3w25LdWXBiQ5S7FVblJOjzPtWitB4lnQ9btOrzDKOduDv-AG6FQm15ELWKjfJefb8Pc3pN1U2Wb0GAVoA3V=w1760-h990-no

 

tFEGsZ_nU_EnyVjp79gPWsnNRiXf6fODBz6SPOLQvREkemfE0esUZt8gpfLJ87xC4lgJiz3h4jFFeC1QyVXHmZs7UKenQ9o0MkBnDpD_upiBJK8IWm6Z8TqgXdZMOv-ka7mdQzbYdA7YI9YISlvW4PCLUtEPbVhjyV_XGBjSYnEAVxqS5GsY5p_a285PmHlRf8lcWYeRUwHuYNXsIygIoLBVqZOM_LsCZpO5zSu1nkQEiU8rpGX5TQe2jLMZ5eRBSc4KxeOEVRegAqnD3BRCHXUcGxGTQnMLVqWnS9Jl0nAxf4_33HI-DyTE6TcmxPrfzE2s1nKV5fnBs3wsSSJ5P42GAq9qZVQBZluaaRG0EAa4EMUm40x73oL6w6CSiBgc-CuXe21WwQ2GM_Jvm37DgWAQxfXilJJ4pF9khzDkIcqokK1ityvQYOGj4BTqqyyNgTgJki-GiW1bxZaMyeGr8Ve33meQvDUVDuWE6577dc7cWRoenYKa1KIJFNrHo8-_lHTBemQpno_lQrQLwJs4bIX377PGlfthUVp-Hpb3Rqe_QFMUNiLWCWgT0ghfPfuX0IY_x01WyyU05KxX2RqeWhXmP1xnn7SAng1shyGhpQaDFoWpB2jxMLI0uP3i7DqIIuydXZAafO-DdZjsTDp8vH81rLvlLA92coPj=w1760-h990-no

aZCOosh_V1s1AcQ9RQ88OVuRMHtWD4oVCXBdbNAZpeVOYFaB7O3L9ZzVNhMD2DZWyt2OCD45ootNcOp1pU_xa5znb6L71Lyz_7zikGNoEmrSVK5X2rhKSlFilTOc7PYc80gZHu3--ZZ_ObSTBHfwawqLDK8xO_fVaj3aIsLu4iDLB47W8vIPxkQwgCMHS5d9kIW7N8ruM1JOYJ5ToaSqh4zlAxL5Jqdaxc-5no_mFo0NBh1rDyiCWzB_XmwsBeOoKH1SrjjeNEp3Pn17H90T2MBhwbG5N79f2Z536clb5TIMu1r4-htyJZbAXihzq8BHHMxDjjJxT8J4jXv-c_sn15bQnoMvWqLG-GlX1jeHw82Bo78EI4xQQTfuY2pUl-J5cdssqGgzdzG07ifG3j2DgiZttIWZROm4CR56CFzoKk89ywklhPaJ3DNPQw-zEDjs3TQUnjUVdMp9J-pUKIiI2ubsQEdBWPVcv8JdHxftkA3MwbEAmQOnP3haUHOhTdQ40ebYS7CSOH790J1npCgQg25nFcgKZNZUlGMDPsCCWzBvlaV420XZAP8BTemZB6APudWkDTHhvExffdJMMcJtcmKniyt_lCtHZ8k1JFDDVUNerBacZLg1bmuWEXUwR9YCom5PwFCdFI3fD8oBLNkHuGLvyT2agjAiWkFC=w1320-h991-no

EDtF0rCdciMjSJ2D-sd30s8b2mcSeqBrA7pLYJ1UtBDE_MlsElT41shja8wAJB15IB2DuOhBiCRyCUNNb57fl438gbeRXLD6ZKOoLUAVLuUGZUY22jCZjc1ub8yHBzSttMTP6B_3JoC5hSy5Tnp2uK555OeHRagI5ecM-QgCE99tPHWbm3wsvYNFLr0MgcZBhMd4LR7lvOw_H_lo08cJAVUXyfMwHBYnpUB9OFnpct4d7vG7VLWUQRJ75Ex6drj5dOIVLu8PWoIhc8G7WD371SZj4Rc0976p0TAgGv8lXfu9QYy0DIaZ6hvJkGynKMWhmBhGE-gOmAGVEFjxVI0bbvVXLhapV_7lFBRnWKE2Y5sgXq7GB8JgXVwMh4r8Ij8SvVFMLzTaxKkrUbTGn8UrGQUxnuqK1TWdXyNgsof5Hrwu9ZTapK_Nrc68Wv9af333awyl78bka0fLcX7S-toAA65F9SaoH1A_Hj7BdEHSWzIVZegfLwOk9p6fUqzNErTehp1pGroTZ_JvmvKs7PSbHt9NFvlwNXyrhQuMjXQj5Uc_y9OtKS3nEL39E0qUeUo-MjrYsobz5xIfU2VWdYZj1y7KkNsXezLxFE2lez8CZFfpDLNjFYFNiOMQ2ZJRitxgsJvMGwS5soL4r8Tj5vcIoR4jYOCuK_ItpdZ3=w1320-h991-no

Continua...

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 6 - 26/10 - Huaraz
Depois de mais uma madrugada inteira viajando de ônibus (foram 3 seguidas hahaha) finalmente cheguei em Huaraz a 3.000mts de altura, era umas 5h da manhã. Peguei um taxi até meu hostel, o Churup Guesthouse (não é o mais o econômico, mas como Huaraz era o objetivo principal da minha viagem, optei por mais conforto) . Meu check-in seria somente a partir das 13h, mas eles gentilmente me deixaram ficar numa sala de espera e quando o dia amanheceu me deixaram guardar minha mochila na sala de bagagens deles. Tomei café lá no hostel mesmo pagando alguns soles por isso. Huaraz era é a única cidade que eu havia planejado o que faria e tinha um roteiro, e o plano para o primeiro dia era ficar de boa na cidade, me aclimatar com a altitude e pesquisar nas agências os passeios e preços. Bom, eu tinha um roteiro né, mas a minha loucura me fez jogar ele fora quando eu aceitei um convite de um, até então, estranho. Vou contar essa história…
Era umas 9h da manhã e na primeira agência que cheguei para pegar infos, o cara que me atendeu manjava muito dos passeios mas não sabia dos preços e ficava perguntando para o chefe, na mesa ao lado, os valores. Achei estranho, mas ok. Minutos depois o mesmo vendedor percebeu que eu era brasileiro e me reconheceu do couchsurfing, pois eu havia publicado minha viagem lá. Ele disse que costuma receber hóspedes na casa dele pelo couchsurfing mas que não me ofereceu pois já tinha gente lá. Então ele simplesmente parou de tentar vender os pacotes, falou pra eu parar de pesquisar preços pois ele ia me ajudar, e me convidou para ir pedalar com ele às 11h. Eu aceitei na hora, na cara e na coragem, ele parecia ser uma boa pessoa. Bom, voltei ao hostel pegar minha mochila de ataque, trocar de roupa, e fui me encontrar com ele às 11h no local combinado. Ele já tinha uma bicicleta e me levou para alugar uma pra mim. Aluguei por 25 soles uma bike + capacete + luvas. E nesse meio-tempo pude conversar mais com ele e tudo foi ficando mais claro e fazendo sentido. Ele se chama Denise (com “e” no final mesmo) e é um ex-guia que largou a profissão para ser policial nas minas que ficam ao redor de Huaraz. Ele estava na agência que eu o encontrei cobrindo um amigo que trabalha lá e que não poderia trabalhar pela manhã. E digamos que ele carrega o espírito couchsurfing com ele, de proporcionar boas e novas experiências para viajantes e os ajudar.
Bom, até então eu estava tudo o máximo, mas não tinha ideia da aventura que eu me meti hahaha. A “Pedalada” dele seria pelas montanhas que cercam huaraz, pedalarÍamos quase 5 horas, fazendo um uphill por uma estrada de terra e depois um downhill por uma antiga trilha Inca. Eu ando muito de bicicleta, mas nada tão puxado assim, e eu nunca fiz um downhill! HAHAHAHA
Mas ok, eu estava em forma e ia ser uma baita experiência, isso não estava no roteiro. Colocamos as bicicletas em cima de uma kombi e fomos com ela até Paria, um distrito rural afastado de Huaraz, nesse ponto chegamos a 3.400mts de altura. Lá compramos pão, banana, chocolate e água. Seria nossa refeição naquele dia. Então iniciamos a ascensão pela estrada, não é uma subida extremamente íngreme mas ela é contínua. Possuía raros trechos de reta e mais raros ainda de descida, porém como o ponto final antes de realmente voltar pra cidade era mais alto, sempre que havia um trecho de descida era sinal de mais esforço depois pra subir de novo hahaha. Não consegui acompanhar o ritmo do Denise mas também não fui uma tartaruga, conseguimos seguir bem e confesso que conversamos pouco, precisava me concentrar para respirar pois fazer um uphill a 3.500mts de altura não é fácil. Por sorte eu não tive sintomas do mal de atitude, só o cansaço mesmo. Mas a cada 30 minutos pelo menos dávamos uma descansada. Quase no final, depois de 14km eu achei que não aguentaria pois nesse momento tive as piores câimbras da minha vida, nas 2 pernas nas mesma regiões da coxa. Naquele momento se amputaram minhas 2 pernas eu acho que ia doer menos do que as câimbras, sério, foi tenso. Ali paramos pelo menos uns 15 minutos e caminhei um pouco a pé mesmo pq pedalar tava osso. Mas só faltava 1km pra chegar até o ponto que seria somente descida e consegui pedalar mais um pouco até lá. Depois de 15.800km de subida chegamos ao ponto que iniciariamos o downhill. Apesar do cansaço, foi incrível! Pedalar em direção aos montes nevados e tendo uma vista de todo o vale de Huaraz cercado de montanhas é lindo. Não consegui tirar muitas fotos se não ia ter que parar a cada 5 minutos pois era uma vista mais bela que a aoutra.
Após contemplar a vista e descansar um pouco, hora de descer. O Caminho que faríamos é o mesmo usado por moradores que saiam dos seus vilarejos para subir aos pastos cuidar de seus animais, porém o Denise disse que é o mesmo caminho usado pelos incas quando passaram por aquela região e que possui centenas de anos. Alguns trechos do caminho eram de pedras e com escadarias com pontos que tínhamos que descer e carregar a bike, nem o Denise que era acostumado conseguir descer em cima da bike. Olha no que eu fui me meter hahaha. Mas peguei o jeito e me senti confiável e consegui acompanhar bem o Denise, teve um ponto que ele se distanciou e por causa das curvas e eu não consegui ver ele, quando eu me aproximei novamente eu vi ele empurrando a bike por um trecho que eu passei em cima da minha mesmo, sem descer, ele se assustou e perguntou se eu tinha passado sem empurrar, pq ele não conseguiu. Eu disse que sim e só depois me dei conta que desci um trecho cheio de pedras enormes hahaha.
Enfim, menos de 1h depois já havíamos chegado na cidade. Fui devolver a bike com o Denise, trocamos número de telefone nessa hora pra manter o contato. O Denise foi pra casa dele ajudar em algumas coisas que a família dele pediu e eu fui pro hostel descansar. Depois só sai comer algo ali perto mas já voltei pq estava exausto. 
E bom, o primeiro dia que o plano era só descansar se tornou um dos dias mais cansativos da viagem, mas que valeu super a pena. Posso dizer que fiz um amigo em Huaraz, que inclusive conversamos até hoje 1 ano depois, e fiz algo totalmente diferente. Um downhill numa trilha Inca cara!!! 
 

ty1kYgokafxPJRK6NQoGwAIQ2Qbyvx3X4xL8zkqeaBG56DYlB31eGgxvig4566BQoxBNiITv_DhmNH89PYJJg4oGa6iiDEu7nBonEnnRB_JTk1j0-yWeZxfVO2f8lXa-_CFr37QSy9jKdl-cFdAzNfUyGTgFDU2xlsrHQ_eamtigozSyPrTSOG8WkAXKOjRNxWqkGb8ltuSG1jSnToeQg7QyOewV0CQ1bTcRgal6pn23uexiA0UnqImvMA2A4ZDJR_pFqj_eXuFiOmtmK4L3gPuY-bNI_xwpsX5Leg4K8F157ySZNgC9JmfAoPQdKVz5hshgrrXweWgs2EMEn_ea-OqiTm8IL-ysDcY_XnPwebtZVUfzT0vfbMmqCH_yMpq05B0jde6ysoZlRlpjGl7HbWCS0Dh0CaDiDIG8HRPPZZVIdQtwlzG0O0sGV0PEc4ufbgdO5CuWDn3rlEj0oUHY1taISHFwjZLHVpvttNznnobu-tzCjYqBUvZMOlba6oUjzpxLLUfKel2yWCGCI4UlcOGZlmvD_Mt7wtyXDGBFUP1LmOQzEmh-DgdMtdXdHWFMXjd0BGjyqDpCBQNcN1YNbX3RA5UYEGzbv_buJaMMcYE=w1076-h807-no

-Pegando a Kombi até o ponto de partida já nas montanhas

Mt7H353j73nYLBaUbaJQ5TBw5cZYlJi6Ot4LIhm9qqYa3FmYWcvpipXDp0A4NrHQ822t15oGkPzNazMywyEcwcsAFf30Qg-U4JMuZTqASZPVUgnl_cwZnErTOPx02J99zp3BP1kSLd0P6QwEdKQ-K-V1IWPL7hCffsviBk01A-gs5gJ9Xfe3oirCuFoImUTN5tWcKYT2ceDkqRoA1rwszhyJpz93ODwuFS9VcNYS7uq56a74MvGrfaDJgTs_fXPiYOMWOCE_Uyq7Z1hxMJt7TDjzOgJPISzSEu1jAIUIv-P8q2E39QEb-_-fodOF8x-NDIE5AfpyLGaH3wCmjZoTLcGkdN1bWumAMujyV1_ypo71iRQ5R0oj4qwyy9nCMxGaUgWLWlA5BfhcCueP02grP1TZPJOhSkZ25_rsg7parN6Xc-GYaM_dv2z91_zs-ME7yb-5VNYjcxqDm48xyICpC5jYQXkOVeQgTydVjcFyTxCpTai4ojvovuI36hqWm67ACE7-VSJlq5PzaqW4t59rT8HUHcpmdba8n4z6dxl1lP3U2gOCMSPkmmy9BH5vhoPGZGylkV8afeLfUVYpI-5bTF_VSIBAsmPxwF93h-WRsk4=w1435-h808-no-Huaraz bem no centro do vale ao fundo, nesse ponto começamos a pedalar

mM25hJSjwkLnEKrlltekSOaOEVc-6wbafbtxbYutDPgx4-LmVRsZaaV7rOXifNOdeQyCPxZrItBSMH1FKUjtxBo-JZ6texx4YGIQxTBdSYmQFXu-bzuzmyvuuu1OhLThwAt_6SAf-OfqqSVppn8lBpzjwZkfkjIY33ZKq3OxKczRNuHJn7nXAI5S1VgDb4ApWUMZz2sVj8HKiN1n7B0-PoKkICzAPJtSocCTqeK83Fpq5Jy0wJJyBcsBqofNuWHsdEpniJ9FrcvW3PBLlK5SC2SfLiMiVj8ERpDWAGfFZ7cwXC0pjSmHacsTxx_FAW46yIGkeA0t2U_PnKIEl3_xUAtWEtrkwwINT5mOQO-jigPuZt2_nM4Udm_pXnIUrBp7LTboE9hbc0sTKNJtce-oNGjEUCmFOsNFbfGn87eW_UHHCjUExsAuy3p3AWsRtuUkV_afrXB3ENRIUh4g1ghyHRQ47rM2dwN-KPQREJJHuPvXTdYWYMKYuGNhD-xU24iK-5NZA_ga7QifZYgfnNJVwl0jqzGDSJqaZwjrIsRKyfVclvEF3mvKClUgev5IuuaXNcbHpRvwQ7OULzdJzEnpDWKmW8lUkuZJLw4zVWjSx30=w1435-h808-no-O destino antes de começarmos a descer era o vale (quebrada)  entre a primeira e segunda montanha

fK2EJISnu30Yxsvjp2TeFNxSgJ6I9jiWlUdkv1ooOi0Wf0l1X6flM9USfmSwQFTrHgj3z-qsbzO10ihuUFBWe4GTWK7OhWJEW-TwZyUTmI8ayywYkOdgq7aP07z9EXxHrB9bvqvY-MyoyAy2OVAuyMzDJdsmFLa6atNmw5B-x4Rx9uRJE8nXTgPX7FdGKG0lRHDTDB2DUYLPGsS4JEH47xIf9bMY5jLoNJnVXfatuCquHVRqkGRWU7hhKwJ37RyRIBcu8EoMqO4e2w6HT5MQhmMvf-zBVkG_wVqI-wJ8IM8U7W_oR9CKS_SP916wsfR5wxFEDP5bz-s9am3t_N71rslASD_K_E7FJQtiIWiuOD2jwRUFSr7oh4Mv4Cj3ivpJKZBOXyGeYg5A7jJa-O63l6uBqgX2dpY3VoR1TQ1T14lwwdzjAhUkmRu-SwxkdWGYl7Y1p_4fY7yOsmyuDjejjZYnmHMZ6--jKx3jllqbCotYCQ4SE2AuinEZKpsN2Doa9f0qHHvAJFpopbtkfMWBoFmccgPoAsq_HqPjeBYmKU6ORsW9yG_Jz6Jk2Id8VZYd_lF65EyRLeERXGCV5373dTbDuzkw1KX44FYDF8MwQbg=w1435-h808-no-A primeira quebrada que passamos, entramos no comecinho dela pra cruzar o rio e sair na estrada do outro lado na mesma altura que estava no momento dessa foto

JGCRhhLUV_iCMAYbXWJBzJ50rNpxlr9GVgb1g5D2VluhYYqZr2khBsF_9DZKhP4j-BdsaxVSy_lPGhNDTrF-cqxpipK9wA14GkVFCH1yaCg40wXHyfAnmmDIL6bi62_A9mG7lmUuVQCnej8jVjLAurmHp9A2iaqGm-eItpaqwOnOvMg6f2d7nR5NlrBoNbH2hCspfVfXE71hW5wL0uSqTBKQE67UXDuux9nF34LY0FLiFVuzuY1EAplsY5GDgdX-WS2Mju3ukkMTiGLcUrTfNLmc9-1HxSkK7ATccLh_WcshUhRamNs0pHz8U71gO5UCGhI1aSibQ5n46Xa3VYHAASlaklJ1knVhLAUTpaMfo2Qxeso8XWdAuJ2l5ajyMgqow6l7ZMprxMfdO0KyL3bmh6zVvA2HdOtOofGKHQ_5TCSwzILm7WFrWBKXyQ0RvexR2ivG4fkcL8HHABMql2mVeld4lYaX6LBujh83ouvgMSCEd1L2zhxbLKbO1ZbGOXCwnx4LkMX7OEoFmx6xS4WP2tVOwLhMS2DaNNn1SQze3sBbNXQu5_jNVh9A7fNCjY-oTp3TstWKqS9f-NRtOMfrScZ5YloWFC0h2KCmdKExG-8=w1435-h808-no-A Magrela

8oCIrl3UOiImLLdyvb-x_xdYBySggdHxAQg9M-ytl4l4UVqexw6MkHWexU8ay2m8R_2no8XBUm7BGoBHCBmlqmP-OtaZCHq6Gozqv2frxUjQq4rtmwEDZQTAXKttABBfy_79SNQKbo99431uhjDncvuyCmgCo4Fkw-YygGr0PR9PdUiTsr5C0qtUwS61m82o5JkbhRVzZ6GouTfUtYuTwny3RQzKYY8Um2w57RsOazNZcMGlByUCSwUE2QWqgOaR2CBksQnkAPmODYMtPRWnfrjYPM4plXzRzUxxwPrvTBxJqaJ8idZxhE-r2A3td8PqOtiZt25RDACIfHl4NTaW2kxu5hG25g7pa7UpZgrMhs1F3IghoZebHJaPduByZEwRZX0EjN9OP4EpYRBxUY0kpxgm4jkr3L1_a8v4XfvzP8UtHx1uMOd0op3GvEKUFy_Q1LUtRVKtbxXx04WLt6_2BNIj2BE1DNPa-0j5gTbbGyWLPBawsQAq0wgYqFT13Jd_eGk99G7VYP21C4xS13UpA8wB9A4MiawJDduIgJsOgsMkQOXq6OVohiMQSH_iebACdj6akiP3AKcX--s9z1M9gjK5mqO1l1dR_xNE9UjlMwk=w1435-h808-no-Momento que eu tive as piores Câimbras da minha vida (E que o Denise, sacana, registrou hahaha)

F4Bfjlpumu132NWswSZk6I87W3K8YTpmbUD6ayXDxHepv0S3r9_W-7jJ5ay4_hYn_HQTLRofJumNY6y_aGtp0UU6Z5GIvzo2mPAHpDG3cbH1jhvtAF_o_OhWroiKIjVjkK7EsGM2A0UNws63q_ntp7Y_eQyZB8fLDKtqwScoyeCOjZbYUCbjuWoKAtajZrXAvBeOUHxSL0kOvwYvzRlcNfurUGGzue8c0PJhPIGjmSl2ua_Z_H9zGO6aiP5_4Zklfo--laJ4ecPbzSTEi0cvE3vchTQMt8pXlvLCfIDUM4Z49kPnxYoakFVCM2E7qNLc9akL_kVy3lj0ychwxTixwPArJuOKa7_7CL7rsM7Xv2XIak89hi4bGRcQ4tJlcDZlzWt29uuVmEG-sFviMUDEa-HSypUBW8m5RINDxk2rkhkDhHi6ZfTgxWejptOmXqom6okGhHx8548TaDBFyQ6mRhvoFFVaAz2zMhMzBwAcclj_lL41mOHUNQkwuHrWYuLfE1I2lp-4Zxph1n50gV-ZlnG-8We0uVvPOzu9Iea-Sgm7NZVoO1Q_45qQvUwxWEnEpuqanLTwd4vMCsmZnejrsF0KG9Gm_VJaaVjOpnU5wY0=w1440-h584-no

-Ponto final da subida depois de quase 16km. Começamos a descer a partir desse ponto

 

sFA_2eXYv2g2BARB1cJ_marfIpfkU5ndTGLXBWzyqae_CpbuHrs-gEcHfIpaWyPQDOAahLS_Kqm1S85hDZH5ZBwwpaYiDsi0sMz7-XCe47USZBGSSNpPdG7-TOv1X8z4MRPBa11RB7ildETCLJRqBRhEeNH8CmA-qFVyoqE_j112bIN6N-IqBl-d3Kqmwx6WA2VotC3c6YFq-SEU_KCxmwiIKMhuTPWcEnLM0fDf3L4AcNHTeYcXzgzDlNPSLMPDQMLB7wVUWg5g4-_wsZJIO8YHrgnkDVAUpPhhglqT-lX1Wq-aSF29G2qzvT84H5TjV83iWDEIqPTHKjwGBYtZQivMJxyWrRzIzqtEgOJIQw1Ads02Lu7v2ZDeGBjSq-eApDDFD7uErHl9P4bo68G0WWfg7VhbSituxh5aq5kb5RevWslu3jQ4fOm8UdFjVs0TEnO5kKhk72jFIbOhaxPwbClLTzh8Me5WSSXJ7b_KEETyqIrJQM0kYrE63yq4C4FhRXRXxCbRzp__iUt5S7qjzM7k_KJH132flRyI9fXU6wg0Nm672qWfPXnOBTPw9QjAsr6puWhfUVoB0tTaQpAFZiWJpH5xLBWvvdnR3lYyKaM=w454-h807-no

-Parte da trilha inca que fizemos o downhill! (Essa parte ainda era fácil hahaha)

OGq00xHpXdN1Q8P5X7LiT9gBHdZFYDUVE-1vEwcXGnO6WiMFCr3M8UIQ98LjebhyoHLbyNqT2bYF9EBzjtJVDxFxgafi3OwPGwXC-QbMm9gKTbnjRTCJK28k6YbNmEIr6rNCVU5WsEAmtZgwqXtNTGHRg3Q6E7Lt69G75kLHDMnUMrpLwEypf-wv8xxWn8YDZoUmafngUkxEFw4j6g9S--VVWDJYI9FLSIw64Vj4ynSQNZNRoNFAisCAl0mMwveodcTfl93OjnWAP1i1U-qA6JDqQFreWqT1f3pUkLF44oUfUe3iuj74gevWNGPId6gaAalruXcZhKKwGVucDQqy6vpcdYSlc8DvfV5yzcnzGT7PJD2ShJhBN1ydAec2HGfcCtNSQUjwCGT7mwVqsDjgt3_dTvitwjuDZxhLfu4pnsiteaY543ou-MH-68OfGNU7xhWJSMud6cOEoRdRDD1OzST7mH1XpAGf5FZb0LuSp9HNwEcJ8vRj5BaypoLAZrSYYVyiOZMoDdujhuNK8V7AaHnKuakyTEgWMKJIVgHDhUNBUpcnIkviIBrpMPTrWPDeoAIwTr0M6eY7e9eg6cKJMtkcolCYQ62O5vmG2AG1tYo=w1435-h808-no

- Denise, que se tornou um grande amigo e me ajudou muito nos dias seguintes em Huaraz

Xwf1KDZVa2leRXl8lndcsvNMOPSSFvn0m1yWXEC47BZBVr2ZXEOZ2zIklNsrpgurlRaigVYQXI4rweHCgEAr0yMqnfYXDxCXaVI0wbAdEq9CgoPONhzEvizh86xr5wWIQKH5jZtwEhf1Mvufv3HnTXhcUwMTHLfqxzEbSJ_XSmUIdzbEm-yt1bBmfeNxvziVUSAQsIem2GbrwmYSdJXAEvBQYsy5PHT5Whz_f-WRmRCPPd46hI8QBtoXe5EGyUH7gQ73stWQyQR2Rq9DgJOBxJ3PXvpxC2X_CbJwEeVUyIOeWrGQ7LQZ7NHU4VCBD30ARYR_fScKRkb4SMIMqCgc600sZ-d8inZOmtVTvsfpGzM6ZPGULrQlyPeFd1xiUJhDhrr9SNDiWhfzF6HqXO2mzyMZ-U3YLx34KbcXBTCxOP079La-TWtTEz8N9BTdznL3clWWlqDph-7SpuNmOxYnaEghja2v5AK0VscCftkNQ1aJJrVH_wX3X-QZvTqVfrGbgVpRiFc6zpI7KSnNbMcT5vAxmEC_DIGb9NFQRXcTa9_5gFmFMx8WJ-SSY95W0pNFAHyElIIEZtSilAKMnevZMvZFFtR-KCMnGblpwQVwzYV_YwX8TO-KZHR37g8HFKmUHlV_q8BEMxnI2QK5escRZHaVjs6Xpt54mHWY=w1292-h807-no-Aqui nosso roteiro feito pelo maps, a parte de descida não consegui traçar no calculo da rota e por isso pintei. Imaginos que no total pedalamos uns 23km

 

E bom, foi assim meu primeiro dia em Huaraz, e que dia!

Continua...

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 7 - 27/10 - Huaraz
No roteiro original o plano para o segundo dia era ir pro glaciar pastoruri, porém depois da aventura do dia anterior decidi ficar na cidade pra descansar. Dormi até umas 10h da manhã (primeira vez q dormi bastante desde o início da viagem) e sai caminhar e conhecer a cidade de fato, pois no dia anterior conheci o Denise já na primeira agência e não tive tempo de ver a cidade. Bom, lá estou eu caminhando indo em direção ao mercado municipal e quem eu encontro no caminho? O Denise! hahaha
A cidade não é tão grande então esse tipo de coisa acontece mesmo. No dia anterior eu tinha comentado pra ele que eu trabalhava com TI e ele comentou que estava com problemas no computador dele, me ofereci pra ajudar (era o mínimo depois dele ter me levado pra pedalar né). Fui até a casa dele e dei uma limpa no pc dele. Deu a hora do almoço e ele sugeriu irmos numa cevicheria e lá fomos. Um restaurante bom, meio afastado da praça central e frequentado somente pelo povo local, ou seja, comida autêntica por um preço justo. Comemos cada um ceviche com choclo delicioso. Depois disso o Denise precisava encontrar um cereal específico lá que a família dele pediu pra ele comprar já que todos estavam trabalhando. Como eu não tinha planos e ele convidou pra ir junto, fui com ele caminhar e conversar mais.
Caminhamos até um local meio afastado do centro em que 2 vezes por semana funciona uma feira em que o pessoal que vive no campo traz seus produtos para serem vendidos, havia de tudo lá, desde animais vivos até plantas exóticas, e o local era mega sujo e a céu aberto. Por recomendação do Denise eu não tirei fotos e nem dei muita pinta de turista, aliás não vi nenhum turista lá também, é um negócio bem voltado pro povo local mesmo. O Denise comprou o que precisava e então caminhamos até a casa da família dele deixar a compra lá. De lá o Denise ia passar no escritório do parque nacional de Huascarán conversar com um amigo e pegar alguns mapas com ele, pois por mais que o Denise não seja mais guia ele contribui muito ainda com o pessoal que trabalha na área e ama as montanhas. Aproveitei pra comprar meu boleto turístico para visitar os pontos dentro do parque nos próximos dias. Depois disso fui com ele até o cemitério da cidade, onde sua mãe e irmã trabalhavam vendendo flores na porta e ele foi ajudar elas. Eu não queria atrapalhar e por isso fiquei de canto só olhando, só de estar ali já estava sendo uma baita experiência (também sou de uma origem muito humilde, por isso valorizo muito esse tipo de coisa), mas em certo momento um casal de gringos queriam comprar umas flores e só falavam inglês, aí eu ajudei na venda traduzindo algumas coisas hahaha (O Denise fala inglês, mas ele tinha ido buscar mais flores no carro nesse momento). Por volta de umas 17h me despedi de todos e voltei para o hostel, o Denise disse que cuidaria de reservar meu passeio no dia seguinte para o Glaciar Pastoruri por um preço justo e com uma boa agência. Dito e feito, horas depois ele me mandou um whats dizendo que umas 8:30 o micro ônibus passaria no meu hostel e me custaria 35 soles. Conheci uma americana no hostel que havia acabado de voltar do trekking Sta Cruz, que eu faria nos dias seguintes, e saímos pra comer uma pizza e conversar, ela contou como foi a experiência e deu pra eu ter uma ideia do que esperar. Assim acabou o segundo dia em Huaraz, esse sim foi de descanso hahaha (Quase nehnuma foto pq o dia foi leve)

ma7xyQrqxoFWZaUSPf_U6JxckilAGo-0eOLAx1JhWTD0PU9V72ysQ52nI6hF1qLYA4_RolAEZKQiTp-TZdrhBvWSBlTi1Mi_OVZml33LRlbaQVN4rr_ymZlLIoH9qmNyyFkumfss2-fcV0BX5bVaeXl4VMBXIPK1MPWT6Zl5HkJpWhJJnBKvm2LwU3jvJv-3uwEGGdioh7eLHCmTDGLROA9HbCfybL3MvIgZEK05hZm1a1cPbgpQouwU3DIQp_MTbN7NcHsQcWP92x1hpTVbBDc_xGRDEkZxA07YosqgeLKLUfwqVXoUALOW_GW3aKNpcrMg1STtPZXxAHqbQnIbJ7Y_FHfzruEUL7VnW-ZBDqs74966BY8pvO-Qg7O1T8D64y_vk07_yHDQofS7uOrcl_FWnZXmLyQ3TW6ANV4NtAEx-Bv3Vr5VmcGjYT3owjndyTqKWQxoPnCHT-NrihHGFYHkJqiIBMQMYksYpiUxevd59TXOVnvWS-gv3TdAMyI-XLa5wPekz7Lf32Fxwkc-epHxIfGHynKQH3qd0GxsDx88l6qpyrXF2HCIhpGmhc6pcWgKOywM_iOxz0KITUMJqcv3Da61NwSNEvkAg85tKR4qcPftplDzYpkq--zMxdBIgAjli-JD-2yGHfyWHk_CxhhOcx4cIwFWQLFD=w1435-h808-no-Vista da casa do Denise

6BcxL7_l_Dt8jT7d_tOL6kgULCJowGASn89_afsP3rVc1BwLTJFmyxYTEuOx-w_z2qX5hqj355mWdeQd90xa0i1sJ6RY1H28dFJs03wbXXxhzbIQdGGAA4p-Wu8wMi5Kgs2EHtuGKSohdxEIk0JifCi3ZBVkYDAkFMWQNkn76GuoZFq73NybLhzFh-fag-GH4SKPiA6p7-5HSAI9JWkKMDfqdoydkVGiU2bYQgCOWmY8yOfhYe-e5KwMfP-OmlI31fgjQuJ1XONuQmmu9xBSl6V-c9prEe1quNunssNngohp2bGwxnVBKyd5gIsP147FLCtiCQ4CM7QNjCmwsio-hu0TsbmHwEfxrChQIN86PHbzKTj3SKwSZJyImhDWVSgaCbSBQlrtl5H-_58dUAQOPXMvlDVddat_UfaRCQSBq2x5dcvLy6NiuU6XPx_qpQQyy09BvzwlkLNwTfOQ4u62E3G_bH83Ns_jng9Z_svKY99erC73t3Ti2bmQ0HdR2_vneIuNE_qy1x4rgoLhVfteNgAhZPzYxfikrj3OoJbtzy-ex-gvBID-xQcoy2eZkAGwowhPE6NmpcDWbZj0HnNvCYD1-g29WdZC8FtOdvXlQwjGfVdO-lGyVCPsfcfD05B-ECI37mZeAFvoM-1XPouA05F4EYkHpZlWe__x=w1435-h808-no

JmuXwVYzYRwUIp6zqdql-rf-153b-q1CEduCf4NYHJNp_FXiPW0E4IXskosCt6pqZiHvdzU1W1XI0IjctHq2pJGlAp3F9hA8DakL1UXTnww-MPKt08jEWMOqeNiOtItX9Xz3EAbceMyFV1jnXQpRQjYPqGMqMrZnVmMFVrEQ9xL4ALh-dOo9Y5ycVRk817ZF-xGZHdccuV5xBXL-BLdxeAD32Ngyv59QCWPHNqPmHu4Ttkl0UnBJkzGDOfIugBj3KfXCAf8iG-w2wMrTKdg9NpTbkrAJE8LwZV0OZmW2gBGlysqfbZ1vGQdrA2T3qgGDY3nM9MPnwqtzT8sCv3zBi531S7tEL19A6qUtojaRDmxEkuir6S3aS0-ol5D8rIzwqKbxEUkhkzm8C5I-wjvlG0ikCqHsARJtih3bMgPTtPyF2dUVmk04nmbXuNgBybKsN4SEpTezKfPzGuRfgnyk76uWFUbyRcxwXtYMCbCBYllKzh53uiJv6ov0p2Hbg8YkzqRDMKnRdwlCIB_sP97c0I0FRF3RoKi5JAvhmvIXiV6PtU4-ita__eI9rxYHYFMl2HUi9RQVRf5X1NB2qyoQgdnQ_I-KSTot5UHohPL9kGAotuCY6VKg7v91ZRGV9XyOF5tZPIH9_BaVsxQPMHJHI9p959uqEY3hAm7k=w1076-h807-no

SB2QwKqoqqo4S_fxdiEMxJII0N_2pQVkadEJYv5LD90MKO7Kw9gVwji0jZjrLe67EVZQt0Fai0Ayq9Dh4c-IYJt37Vb0jDORbK5OBFUvJLEonj1ugMsCLFtm5KT4KSO5dEvPqqjMS9Uzt_3UWDQ4Yxoi46SDzG59rucQyKzb4ZG87-FNCHb2c8oYSmrSB8HOMaFZVieos-BVgbz4BqzYcMwMRyNVNHhUVQ7TS90PRlK00wy0cLRGSwhFQpoXuH3NTPLjoPQt-Vvi80w28Ffy-eUp4I0VQAgECuh0o1pjbSB4nhqXe6LpIApPr2XRFhbc93wJFh-iha0BLCVrHCXL5H8yaywvin8-gaajq-FoH0lBRMa2K5ggD6plRGkwsOg4-DFv-Mc0c9I441vzfMQf8T6UtA0gc80Wbz_ANx2eht-5tfw1jajRDm5GDRrpZRXoqGWLagpRx2_o3LlNv8llSwn1au44tNrJcTTQC2G4eyyHCZiVosuLwa_BR2DkuO3PbmRCcFgEqpWK7BwJwsTMNmXBK8vQjCN0LafQ47OK4MQ7q7pHsttwZCs5NMqRAGH_flbQNIrenekj3THoT8Egk8ZEhXK6YiaDznNzTek9yOrfqBRZ6jvxJbxfLF30RzxcdTj9xACfLe6H8fULjweTA6cOwmznhBLiJd-m=w454-h807-no

-La gordita

Continua...

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 8 - 28/10 - Huaraz
Como combinado no dia anterior com o Denise, por volta de umas 9h o micro passou no meu hostel para me buscar e irmos até o glaciar pastoruri. No micro havia um grupo de estudantes do ensino médio e mais um ou outro turista. O Guia que nos acompanhou era também uma espécie de professor, e no caminho até o Glaciar que durou no máximo umas 2h, com algumas paradas, ele foi dando várias informações e contando histórias. Eu gostei, aprendi algumas coisas sobre o clima e história da região. No caminho de ida o onibus fez uma parada em um restaurante onde podiamos tomar chá de coca e comprar folhas também, e quem quisesse almoçar lá quando voltássemos teria que deixar reservado. Não reserver pois eu tinha levado alguns lanchinhos e almoçaria mais tarde na cidade mesmo. Em certo momento da viagem o ônibus sai da estrada asfaltada e pega uma estrada de terra, de boas condições, em direção as montanhas, esse trecho já faz parte do parque nacional huascaran. Ele faz a primeira parada no posto de controle onde quem não tem compra o bilhete para entrar no parque ou quem já comprou na cidade apresenta o bilhete. Em seguida ele faz mais 2 paradas, uma numa fonte de agua natural gaseificada e outra na pequena laguna de 7 colores, onde dependendo do clima, sol, temperatura, a água assume uma cor diferente. Não achei nada demais esses 2 lugares, a não ser a bela vista proporcionada ao fundo. Mais um pouco chegamos a base a 5.000mts de altura e de lá subiriamos até o Glaciar. Fomos um dos primeiros a chegar e o clima estava bom, só um pouco nublado, o que foi bem tranquilizador pois na estrada dava pra ver alguns trechos que chovia muito. E aí fica uma lição importante sobre as montanhas, o clima muda muito rápido, é incrivel! Do nada uma chuva cede espaço pra um céu limpo, mas do nada o inverso acontece também. Ok, da base começamos a subir e caminhamos cerca de 2,5km até o glaciar, nesse momento o guia deixa cada por si e apenas acompanha caso alguém passe mal ou algo assim, e como muitas pessoas vão lá, todos se misturam. A caminhada de 2,5km faz vocẽ subir uns 400mts, saindo de 5.000mts e indo pra 5.4000mts, e nesse trecho vi muita gente passando mal, dores de cabeça, cansaço, vomito, tudo por causa da altitude. Como eu já tinha pedalado 2 dias antes e ficado mais 1 dia na cidade de boa, estava super aclimatado já e não senti nada além de um cansaço um pouco mais forte que o normal, por isso estar aclimatado é muito importante. A caminhada é tranquila em um trecho quase que asfaltado, nivel fácil, faz muito muito frio e é dificil ficar sem luvas ou gorro, mas o que pega mesmo é a altitude. Ao chegar o Glaciar é lindo, imponente e curioso também, achei o máximo! O tempo estava começando a fechar e começou a “garoar”, porém devido a altitude e o frio essas gotas se tornavam em neve. No total devo ter ficado quase 1h lá em cima, tirei fotos, admirei tudo, e quando a chuva/neve começou a engrossar comecei a descer, pois descobri que neve molha! hahahahaha
Fim do passeio, voltamos pro restaurante na estrada onde quem reservou o almoço comeu, e depois voltamos pra cidade. E novamente quase logo após descer do onibus, encontro o Denise caminhando pela rua! E nesse momento que eu fui me dar conta o quão popular ele é, ele conhecia todo mundo do comércio local, telefone tocando a todo momento, ele é mega querido na cidade. É aquele tipo de cara que se tornaria vereador fácil fácil por causa da carisma hahaha Enfim, chegando lá ele já tinha cuidado das coisas pra eu começar o trekking Santa Cruz no dia seguinte, conseguiu um ótimo preço pra mim e se certificou que o guia que iria com o grupo era bom, os equipamentos de boa qualidade, a comida era boa e suficiente, enfim, viu todos os detalhes pois ele já trabalhou como guia nesse trekking e sabe como deve ser as coisas. Ele me deu todas as dicas necessárias e ainda foi comigo até o mercado popular comprar uma capa de chuva. Paramos numa lanchonete pra comer alguma coisinha e nos despedirmos pois 2 dias depois ele voltaria para a região das minas trabalhar como policial e só voltaria pra Huaraz 23 dias depois. Agradeci por tudo que ele fez por mim sem querer nada em troca, não sei se consegui expressar tudo aqui no relato mas o Denise foi uma espécie de anjo pra mim, é uma das pessoas mais bondosas que eu já conheci e sem dúvidas vou me lembrar dele pelo resto da minha vida, aprendi muito com ele sobre, digamos assim, sobre fazer o bem sem esperar nada em troca!
Passei no mercado comprar algumas coisas pra levar no trekking que se iniciaria no seguinte, voltei ao hostel e deixei tudo pronto para o dia seguinte pois a van passaria umas 5h~6h me recolher.

7PpTh17dqIkzekQDLNqCWhPXwyJhkTVyaUBYCEY71_9PzZXM06jOMokexDlxqatMCfVwlxOvoq0LMTlqoebGCfKd5Gcp5-v7i1S8GIn5Bnd19Nmv4YwfM1AFHfyOeBOLv2n5pAYdzVpuF1guuRrA6ncKlPXgWSTfw_ph0nRfM9umq_SieWTnW1Zh0-CRRRBdVGeDLzbO8YhfwRdQvRyGQ-gKBen_LZEE64HIOhKziKdVK2ojk0V4iUZEInFIAc-dsC1ekWoowDkUD6Eh5bODXlw1iHT_gYgUgfOQl9djgbQe8G-i_6gZggVAox0rIyAmVEX1UO8n_DfTAQyrdi4mseK3Xso7l5d6b2Zjdcue7SyZYDAXz60aTujpnpu8PjKWeaYAAO22VTa600K1EICcpa0pNMGU_t6JOKQoKZMzOSQhtcGiVExnn82xlpJKc3dFPPVEnyT88_tAcwjY4GvRHGzvDbrcRRuLVX_y5_9IyqYJYhDuuyVHnahldUIycYfUeoNsjqsJLyLatkLT4xsPmSFK9YT88Cmq4FA2pynRYauW1-VS-zQnKGgMYuAtPex7-BT5cYelwyrgltNwJ0TQM-9atH4Cp0qQzRNi4if_mHy6oErttCSnB31wpKPYvr3uiQhUL3c6EtrZCkpEnbokZDcWjGAGMb1bi7kY=w1435-h808-no

YSodyZVV0XiTAKcGPF0t0CviO-3d-DFZPTkWA3LGErAbDUQRUn2sejgm33g8r6QBdYnJ5oPNniDgQXEzDgekb2u4jJo26Xt6Z2b1twWmePh925yZ15tPZvOKEIop0Vd8zdxxxSNP8g6aiA8j16jEkB8Y6-k-6AcMN9zFP10Gx1epZSrQt7NmMJJClkp4w5v-bW66nKdMMrnVLgIMoVfzwRLizkc1CYVuHXNPTqfx02AmqDwjs6jceUf_0GiMGzO0PrQDMi6VaL_0v990wB9aV_bUASiUIrtF_Mw7h-I252jditnAkU457_z7Iq8dp1c5o6dO652SeP0q53AuxQOu4-tXyrdBndNZ_LKC9F-H71mpxh7ShUj_uoqGXl8J4pNYRA6_kDVyk2qkHjmvHLPZgsIPJaJtyEhPWw1AY6TDy4FUGzGDYDYuNvBpBhISTm3ihp9vFLxYenWEYQR6Yymw1bQqoxopbWZO-YG2Z89lG09HGM1us-vXduCrXLpoGD9x_o3uO--qbihddUoWNNKVmMhrUhWYBqzgdMtaCWDUNoVnu3WmqplHOTr3zqPWcwWAJnW63flu3zc2CKnn9g-Uxx7xzj52zWCmyRkGPujz69kFlUWFikEiU1CWVQwmSLdvyP2nPg6klAF3nAYClRS9qxCj9zMqOEesyek9=w1435-h808-no

RrVEDkwu40HXHkV44akD39fXiFsCCAz0HR_gXLgaIOiBAgQw5vlbgYdVpgUGQO7kqGI9-VY7BKjkOGgfuuW_K5QpNhYL9Nx7smw-MweV0ZTBY4tZlS3RxUdpVxBZ8mwHTqzuWfNZTaNqtaq_vtrRuAB-Ky8OO2CQRC9mcKpeDSzyLWsWc1zq5Ft0rn7e5CvlFKKsGTHUEjlP_nTqoQ8Rhqd3GDhSo7gDgfn0ERV3VJfxFO2LN8VWAIZD1sKCKePhaf2wa6l3Asmk0_tRmkaY7lnLYbrz-z3ANywDVrwLR1gSspqyQACTrNogIbuICv2uifLr8aesI1LU9hcEn1prGtqgKcPg2STcEEeN_ib7Xr0jEwtdVIokPqZDECxcPbjZnQPbXPG1P1YN2Xr6LIRPgwgpEQOKvOIQBklMJx8E_G3sOSx2xP3TveKtVfrqcsPewRHbrkGDvfeqkz4PYnBefFVu200cvn1VLUduXkh0sfJ5YpOD_xUmVFYhgptmT4MSWfwKLF5CUtajTiK9538KLJED2R5lDz1QfQ5d9YhgPRrTpFQ5onRceRluO9JEBXrgtvJrKoNwScdP7rPKu-iVys1lMglXWE2CVcrpDebgwmvARMiZqLzYqlwn__1yd3RG0B2ITz42kTm5h87YMisJ1239yZPzeqMVWqQC=w1435-h808-no

01xwX6HVYhIuAzVEH9oP0Twf93xXB-v6cIsiZnVxSfm4uqDycu2pq71aRpSAI82PI3rMMloC_3YAmMyUDQzzZ_a6LEfmmpS94L0PRids7yZKtSBf5ePK10KldEwV0anmlyAH6YGnBjaRIVEsXb1Nf2QJJ8x5F037srSbug_Ko7UkIVhuIE33vdZi8Vn4EIa_oPulPSNIHjHD9m6-zSYreM9DpQp-KwPEO5PHwanDmWxJCyeRYHAPVPHgjJl6FpBHfPJsTrvk4v7YTZFiGxkFUh4wy7NziPFTdyHNMm7oIa8lFxsW5ezrBkv0b3tdV8HVLN9By9J67t8Ami4paWEBSxOlqhy2PAoQeGyF_zGHj36vl6JEigGoT_sA2z7GysTvGPdZ2yKTI_O3ueIdesSsPOxTruf5jvjn8_QH2UwzSO_NLqpJumSPZW5S6ErbdpbLmb_fkn1GH_Qi8zlg7W-qfOueFtXyvyL1_3FSTl-sM2GiCst6vWc9ierE4acP_trqUtTlSGvKB399JOxHwqoSVQLr_fNhLGFEMmnKYxbLdxBdZ-zoa3UU5IkQAWJkDUkflsy3VrcREFJ9byuPVetkcFpCraAFb4gZzDHooF0QyBS5z4t1gvd4BYENU_RYzR6-wvVb-dvDl0TvOXQzhZyMKtbRal98GkEuA75E=w710-h400-no

W3F5rNGE7DQW4wrh93XmuQkiI2hhV0w3_ztPyAEfzk0FhWZmTKtQDeVhxCFcggI-aQaYluNjP6DwfVHmDjCFTNIhU8Qv3a2-NWKCLa5Qy4zJqooft2w5sVlukVDDDLH1_eNvNi-OL2KEioAiu1G8gnsjBdLM3GezyZR_LJMXUCxQm_5o2V2WOuBzB8-ajfAtVjG2hWIEEM5dUYv0j6bPfBRxdV3Yw_gFxiddF5JvZldblGDj08vpDCpY-Og1YQ6CsAp4CcBXx21_ESqKT1_N2jmvlHVV7XtHeoEOLwWhihBUK16qcVqLsmtzBJT5dXufgS2CDlllZ8RgMqzWodjoQhDsTWvL-sMdW6T3quoUMnfWODvVL9F09Vptxx_opldQdUdUHWWoqohQmPd44-CP0VQjbGRdn58USJCjo45qbNwI4w3gBj9Y0N2aRrTtRK7hHoqvCG-PwG3ngIXr0EUIDiE4BAZcYNcSmu2T6l6kDcVkL8AevzHAWNyElXKfDTsO6lNKwkdJ3gtXd2rcmU0gg1q_5TVFZNkDWkd2ORUCitxIJrKtw1oRbCEMxELzbl_jIAq3WPOEfTd8VQvE5QvBOFTMdJ6OCEkQ7Sx7TnMf377nXajgt-XtBJgB8sBhiaJR-gpBQLgC_ljBgUHsV3IazI7DFEBz9qijCuBg=w710-h400-no

wId0-b_tLCS0ACHjc_Busaq_OAJyDjpU6YuH53hwJtsdFjPAntwfPIlXPqpw0C_Zf4xK8E75XdUaqxnBBaL4zT5MUQELzLd4P0TiZ2D7yKz61I_lDuyU5ThogEIb_lXMObt3RIabKD8IYdQiuONsbtT7ICbIWJCFJY1CwIxxvMp1xV3VrjSG9UVznbhrCCdFuGICyj4ADQvL7IKoRzn62VrGYg4LXzYM9Tyj-UJo525jGb_HmU0ht53-mRcI3LmSCkpoFrti491-tjGIJAHcNapTHmg2cKKGOEc39CQf6OLAraetS3XR68PIDvV1tNqh-tqXJYs_3Jyz6zmSwVEaM7cygQdYLm1K2HFYgRitxBLWDRZuBOaL1PL_dQMeoF5JZb8fLg_1neIjCskvLH2rwQjmZ8niCr6GJh2YnEW3_o7hGKXnk12VjILVJAqfqU3CYBrFc6fYHmmAhAbxZnmcLokPtr8cLCz2dlyMk5WNH-MrKA0hh9sLhkUVXm40p7QhLgqBGyHQGN_DTi-tGWKPndnFBebsIhe_0ehIQSB_yI2Ir-RSk7LGD6WrK8K6rIsFygR7iJVgfYO3t_XmP5Rkqbx4GJI-krdtSgrQFhluqX22UUtn3SJPqFGMJa8N6ZEWmqP0wCAAcAQOkD7gspAcoKg16YWKJDyPePkb=w710-h400-no

YcsXACViG75nypsiGVKgAkKeDOa4uIhy49rut5W38G-PgXYhUNUIMUC8yyF4kSOmdVYRGW2VVgtMJzWzhGMhgnunaeUP1hQ7Zvnl273aCGPk_3TyC-0r6-867lQ0gKdfhYXnq-1YeqYC6ZV0i5UiutzDijQdo3iyKxUI8qmOfhSfY-OL8rnTnzjrQpoFGKP70XwfACQhsfw0UepfzyPo2evgVvbB98A5nMBe0_DXq_RzRCQ_b-Kj0R30L46866Rn8Nx3qnHccUGpNT0t6o3IxMAGB-LiT_kPsxZofxPLT00C6Ej3e8fs6-KzDE_bLYVPGCT1kAkX0R9HVQUBErHHpYRCBBtNvqIt_wXd_Qp9r1XyKHE6GfiOcNI_EelMcmHv0XICbyvxtW_BILWaFQ-bM6EvvRp0PbRTNDfQraDEREHWgP1xRY80otsgnjri8fnvs0_g-CQke_p7hgP0lo7Lex8d7A_a0_-w8U0Dl4vj-GE2UAtNVX8msjLAH9e9QQbAjSgRtATCt7HDR5tcvStUvn1HMCZgxNS7v_ShDzB_S2lfSIV7jesbCNSuzsYDwAkj14eOa5OoGYZS6lQwWj3umpBH7kx1B1PPM9acd6c0ReeHyToYSHtGuGCtpTKqhl47hqQw_aCn47K5AwruYiiFnKQW_DMKWQz0bmbh=w710-h400-no

7Gs9RTDWFCoVJoXKAhIS7DqDmfhwdvzQjbJB3TFezIj5vjE-LLiZRGWqgfkBcOPBigOLLGDkgk_wQogCPaptL4NpyrThVj38Mf0jE3QYE-NZBR6qgwYmvoPv-ZGZqXHfeJc6xe58T43M1_2uUzugCIenIYAHlwnO9dvm7qXbLDlKqKAtqytN4onkU3RSmYfvqpGHRvTZlvgUFB0m528ghsvo8O0UnSAg6QxPO2B-xdd2QFxPm6msm1cqypOxB2QLZRddCnxHTZLdjj8YW7Bc3oqN0HYO11sQfa1lZu3GFge7XswfOOv_gsLC_dE2kJNbdoUBf56_beWBpj4p5ipiJbzqA67zjV_HeDzQ73gPRJJMNGFC3f9IUQ5kV4-bAR50_yojLp66F2rADIOpNXUVQx0ZnEVziKj-YaWOjT-FHEtIaNTRmQbAhVLjYJtxhJ94HwXBsp_r-CEV8lcg8XiXW7QltlMENO6NPo5Ngf6jgfy_xRWyHLMvi6YQb7IeiTNUPFIEBfTPbbh7NwVbzkZZDPoF8EiWGR5fzLeQZxyVsNj_y_RXQdlPagDCd2_HQK4gO658MXgEgGcgVqYagzVTR1S9o2nxqQM8kdtoYwmGeSes35eunATpRHgDGtMbs6h7M-8yAgf7htA9vBNRbuNM5CT_LxeyE4L57wvt=w710-h400-no

KliTwxbCSUfVMLCPmd6tuVoZepeJwL-AMcRtYzicbMLYoABbYwKDNnRmPRIqaC1oTt82aQlGAGaEA1u3vACF4VaEcWJ4IlpIvDpLMRTqdduuk48Ra0dMfWpaaPrzlsAs6z_Ho6z9iEmbCVsRFxdv8V_b4apdFCzsQgKPRJYDp9dKnnEYHPMbZ60ucpoPE8moypgVugPS2AelNSC7p__txnaQ7vz3TedWv5WUXwW1neAmizKl1vlnoKXufxJmkQWBB6Sodpf2dni5L_BcaXfhhPqJz9gnKgt5zLoGN0da2f61Fxl2t8_U6A6msFdK4bY2MdaU-35S6NKfrGHvfZjAzRcQw265JhPpobLseZt5v6gh98OCacA4BSKQfVw_U2utzqD0HZ-WSsynB3zF0lKq8x_yclGidVhuSmWo5QzzA2YykrTNk-hR0N8hJSe87W4xgLybF2hkJA22n2s45bbsBoXVmmoOJFTWBrpAFrjtE3K2ag5jopBY97prarVzczSLoSAE8q0RcRKkRisuIyY_qZz_ckqEGH9Bsuis9TMTm7nI5PU1S83m6qE4-_2KCqFm8mQCR7gYKLIwc4hgVoU7p2dSUhtvuAcJdDZ-Yk1b_Q0LUhGcZ0FXShGR_yu6o-TpM_lUVHJ5yJsmcUCjjUFU9EmA0XPdgcr8jOL6=w710-h400-no

6GO8HtO4AUfl5SXbgOtkjFdypDsbxbHdoZIevyCQbEymofoy-RfSev_QS3fXu9EcX-qZmzuMKnUrMMMTufOS64eOl80eUAoKMSyLWM3k0I_Jcteh-BVafo7a6wOqKIPo4kEcNb025zMqIyFqw2dVashEzc1QHWoeOYo5RonA39UogqsnNF0nkiQB4MR39Q4-uZemiAdXZxtA4vzqfHp1iKxBVPo2mhhtrJBJfZEICYi0VddF7Wp4KoXe_Ue5cat1dakeWHyyaQNrbPvgnRhlqtQHisR8GZ8zQ9cX9AlxrC6Yps6sxOqrCWMnVlyCrQEFQCxxuznjsRHntMslRUg295bfzjor9PG_W87Vdbx-i84uBZ2bN2Fbz5EWc755-EvqT8xNMU98VDSPLZKOQL0_kz67s9gEJZ4cCd2oEutQ4KXBbiMoOYovoaD1VAur1ayCfnt90zVnPY3Ktha1sFJ5Lq6AHS6epQNj5hU4bq05uL556pYozLz_aC9pq4YpIvXQnfvv7oYR64oy28orfxkIxVpfYGaEzijBpymbvj3TsFATouCuVL_UrcIXhUj7vVfNtpfo6UixaWDpEl0w2tYFYAqgRYot6rLI7D78bJVjQf_Rt1jnLEkKQzjIQY_QGdUt-ug3ymgTdOT_wr5PXt_BrAAObuPZTekuo7O8=w710-h400-no

R7G7bF2g_O0Er4Hcsa6w92p-oOcFFO8kEGvnGWiMsmaTbklBecvnmkwtUUFwF_ArJF8-w-BNAB8jmC5vhH6vG-pmT46-T4nASCh9UqyWdWpi7Ik2zL_CUYNpcriXJ7pQcp_h86A5fkTtlAo4EZZYwGwN3mL7E7HiaQYJqtHgrxY0F9rUIzpYdxdoySsv6RIXTvk-MfsPpG1mOgPgos5DOfE5ULPxVUMZ3LO5F33Oi7G5NJpKUw8Q7ja5dnYeXJagqm44mifwS4Bz0g4e-gc53zmsdosTO_pvk1zGtVP2sFhpnxG-4K_-EVs_uS3KyTKee49PoLHu3NA-aETp0bFna8Hr00zw8A8solCkXZnrPBU5C8Av8mcoOG9zq8X0x4dQQIxeI2OHuA_dlmPsjX9ScxNcf081VYwV-B37DXnaaYm9xGuasPnzZAVcr8jJdi-p2nrVcb2vULo5Nz8Am4TkUa2kPWPGkPhoKoj5LHHyAh5TG-k_SGSz7cEtVMDXeLKOSEuxum-Ng2VumPLhs73ZhuSJsHpWnvFyn5AHwrFgU3Z-ENBt4Vpvqqfa5t1funtVdi4aoz-dMc6dTr5cVrdfiVeK2C5J_GoqNQ32nJz9NywZ5GvtjPKhwC5SNZdyXDNC2RB6hHksGKfR3D8kwjBX4Aqubtn9t-0dHgLv=w710-h196-no

ajT4PTDXa8lHYA-uXSsSu2bcYE8BU-b4L-fxMYdQ0s3f-P3VCYBpSrJRpHKmNuEO7XHxXKxZI-MnX0M-VuOCf3hsMj9tjHPeQBOukND2wBvPwgaDqgf2ghlLdQGnw171kUGVORt0yDeeFsj6wZbhCiplp7jPBgF2hit0dAbDzEJY2kF7LJEy2KUjHxNvZIGEBUyV7rO6ejf67zxQWwG-ZIvSW6WtfviHQfXdyn_qRUTdJvuAierDMqTYafxdj2nxQ6iNdDJDic9T7hbRT8r-0mgH3HMDlb-9_FPJC_dIUQKixaB6x75gkpncv_on568qbKBUUeP06LSaezlxzaKdYc8eosuK5p2wnEc3OEHK991wHX6O7pFzjiZxxoPlrRHOHrbYUfgdle3w3uWjZ-6XLnymddfH6O5YjoGOLJI9icUdWIz6dEHHEkLjx5l3IzyMlZmhzZ2VuZjWecALZZekw_ZrOJEGB-LVbCAXc22xMTqsJBkpRLN2S8vE_XLaiunZXPP-QTI1uFQmt_xu5ipmS4-_Lmn9rhR_akM98dw51-K-EMRRm_KTpuYIz14-kmyxikIe01VoqBY1n-LH0Fs28S-DY-r34ZvxCygsgHHcPaa1-raSxYtwldVruD1AIuBdYSfSUdq2g3bHZMv8oUpI8kkMEISAhIVXvOU8=w710-h533-no

NAC6Z8ZyDS0khZJZCV4lf1YSHyj4--pW0owXDLPrdp0p0tclHnsnbPtVIZcaespIb46xjWIUe3sj6Zq7ys8Vth0O6DXjGlrHn08wIe1NqCZtiytKqZ7i09OkQZqsMlEjiaGnvrjLIXsPgd7RlJdu8pz9fFF6oO3MWQNocAQnkoJv-_yEpFrilVDMCFSU7my8EAOFm6VCdEVhY3PhACp1I86665IF3GR_pB7QWybsriPmpRmagEXLKWZJiNLgqVDOcmXgLKs52SEHOwSvrP7S2hNAiIycHhnicminmrr4AwJid2SUyDciu7Ky9R89hzaUo8nzNqtCfi3RZfktRHmLKD4hCNpQI6mb6bMwMDwRAIBjtpzJm7nAYBahXtZi3aoPD29z1Dn3_QClDlKRs6U0zD7rpkbdJTHWVJPuNdQCUN87m8TPo8DkXs3kbypOPfa7z1i71kpogXzrndue2FHOiPnBrtDdutZgC_7IYfusFscBOrhrrvbaNMI9oYOWEOxuo0Pf60_1iSqcZ_vbvmD4ubUKfOUozEJ3xiDMmHGNn7Kurr2gtWe5DGJOHDo3QzGJa8xlxjgr86yplRHrpDuoVAX89Fu2SIqWG7dhQ1Q2HOgVLPROFuyth6KxB_FvnZxxbSMGeWc8SuHg3bmoTTa6p345whZyz9408JRf=w710-h400-no

 

maLjrYh3bZ2vU2G6m7wlxUsI_WnwBLgJgC20TyuDUyR2GCMZXjQHUPMyngPcX_Pb7lR5mY9jKiU3PLABXWVs3OGM3GbwTc_fDp2H0sjFBWSmTWHTdqsaqCsfLK1q0SdhnbmWLfGXCPK9eEs4eF3BfzioqUJ4v7CjgWjoAkKd-pyPZYKWTpF1u51UXM5qu70yHUHWA8Q6G9eWGD13V8MHkDNCQjVuMeQ3ghgKAwwCDRfGQcmUzGDHP3HyuRig2OHTqeuXjBhO2oyyMjBuYEUcXjM7Mvkx7WXMT1sBBHVmmMJsfqvJFxaJOFVrnZ4u7QQoky8utXduG5WvE-8-_4wc74-wpoMsHbYnnXHtL5NVdkp-ILnTSGcxZWfDbBUoHWqadvX-wttpbt267ptoTqISlVlTQkeLDWpAp6k_IpzGeauuUAYgN86o99s5Gg6c2ZaaJNnB-sf-yD2WvUFSUqrXQX2S8Mq_vWbeEBq4-CAiIbrb_Wz-pmBSe4MGWHLRWm8-02SFbwTLlaHUKVwpZfY4qCJb7fjc2NlGkBBbCHly0O-qKDnVgmfYlL-58kLfPJRy5zlwuJSsv1vgkUscKkq5xeqzNQWdVzRA_W3mEnuL135vq7nunaWjIHdyjZiz7FnBOlu3zdYzg3wWEeMt1TbLnFaLOz4me7VlzPdG=w710-h400-no

6QtN-hzqE003i7A250Rp-i2NArC7MDMS78OZJ3YbS6zSneHJ4cyV2TV-7ImcBnLRFdylO803LH62M5bdYDLNc75RfRVWJapC1hC3om_KhmG2F4MiZkZNvBrMKEIzNmgePsF6jVnsBe2_ypUtVQ7t12Otsm8aTg3jUc9ZtJ6Qg-jASHcOcuhsvyG17odq3_tb2E8IZuKHqgn-8vPG2zBkLTJBQWRh-fZ0iKTB45Wu6KdgsU1WDmwX9Z_80dS4xRWJcBLme_daK4MOpeUtCInzphc9OSsvOSfD0JU54mE1oe8m4tsTZG2w1hAaB3v55VLaxDkYm85HYeb5G-bQGXhD_zNOjaXQigzCPV---sZa3jQtceWSCU4_bmT-pY9D35CJEWvej1YBWyWWPOci65CFv4ZhNzxRIkWdTIzEmV7BqZy6-cPJaLQh8phCiuJOjBGyI4S_xzL7IyZ4-odbqdnxUpW6lLdxRRI5oW6nrgFnetUt5mkRim5ZxvHQxhEDDpF1fhcQudYF_Zb37SY8Jugcc0gwdBijxRtuplXmbpYM5Icph25I9fwW8MZRHDgYay8Sb2u4Bo9bvr-ucQOooFsv7MpoZ4dZX59L3guAUdG3QsbF5Ll_WW8M0BUD9jK-9TFc9cj-cmsQFdxUBhpBq-ID1Ia04r2XzTIfyeCN=w710-h400-no

Continua...

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 9 - 29/10 - Huaraz
Um pouco antes das 6h uma van passou me pegar no hostel, ela estava meio vazia ainda e só tinha 3 pessoas + o motorista. Fomos passando em outros hostels e recolhendo mais gente pra finalmente completarmos um grupo com 13 pessoas, dos mais diferentes locais, Inglaterra, País Basco, França, Austrália, Nova Zelândia, Suécia, Polónia e eu, o Brasileiro perdido lá no meio hahahaha. Iniciamos o trekking pela por cashapampa e paramos num vilarejo no meio do caminho para tomar café. Nesse momento sentei na mesa com os 2 bascos e comecei a ficar amigo deles. Do café seguimos mais 1 horinha de estrada para o local em que começariamos o trekking. Lá encontramos nosso guia, cozinheiro e o muleiro, eles haviam acabado de completar um trekking com outro grupo que fez o percurso inverso do qual faríamos e já iniciaria outro conosco. Iniciamos a caminhada no primeiro dia por volta de umas 11h sempre seguindo o sentido contrário de um rio que corria entre 2 montanhas que formavam um estreito vale cheio de pequenas quedas de água, lindas paisagens! E às 14h já estávamos no primeiro acampamento que é já ficava numa parte mais larga e plana do vale, o cozinheiro chegou quase junto conosco e preparou um almoço leve pq não jantariamos tão tarde. A caminhada desse primeiro dia foi bem tranquila e fomos num ritmo super bom, quase não paramos, todos estavam bem fisicamente. Contando os 4 dias de trekking que fariamos e dando um spoiler, o primeiro dia só não é mais fácil que o ultimo dia, mas ainda é tranquilo. Como ainda tínhamos muito tempo foi o momento de todos conversarem e se conhecerem melhor. Tirando o Australiano que era mega chato e isso se provou no final do trekking onde todos reclamaram dele, o grupo era demais! O Julio, nosso guia, nos levou até uma pedra de uns 3 mts pertinho do acampamento para “brincarmos” de escalar até o jantar ficar pronto. Voltamos e conversamos mais ainda, jantamos e umas 20h já estamos indo para as barracas dormir. Eu dividi a barraca com os 2 bascos, a Enara e o Gari, nós 3 tínhamos conhecido um ao outro naquela manhã no café da manhã e a noite estávamos dividindo alguns metros quadrados da barraca hahahaha Mas foi muito legal e engraçado, parecia que eramos amigos a anos e falávamos de tudo, cada um com sua história, sonhos, pensamentos e tudo mais, foi incrível! Alias se tem uma coisa que marcou minha viagem muito mais do que os lugares e paisagens que eu vi, foram as pessoas. Essas sim fizeram toda a diferença e deixaram tudo mais mágico! E foi assim também com esses 2 bascos filhos da mãe que praticamente me adotaram no trekking e viraram meus amigos hahahaha

Yy17t7giBkbPYT_uaMGTOfpkwFsttjt5Sp5m3UhPeUj9XUOlX9K_G8AY9uI2JnHkcSPKYpjq5T1hb340N6EZwQRAj9KAh55T_xXaCuplq4yOVwfy_PuWp1RM3cY0VcbVn8HFqsa0fnXwYvFqxgjSkhmOdgOfRy1JRV4fUk1Rldsj7zTC4EI807Ppp_TUKBM1U1kiXrIyL43-FjN3IAxc4f9-tjRHFlbZpRENMdKZsTCzp91yVT5kDFeEu_4bYxDiEsOIQOShcv2unJ0Bh4rB9xQzJhQhSW5x359GURukIFZyR2fAFEpuCLxIPyWTqzdFmBtFCj0C7l0iRuGVt9p1FoW1OCaf-HKT93v1FgQgIhdU4sMcEJUsbjRc01g80aLcaLvcU41IOVcB2UOAIaUmBTFVnQjUXVASCD1IEpAyeRc4H3zlFb4elZyga8Ok10u78awiJLfb-PlL7XJc3hkuXND5RpAZ4Zoz6Mm9aUVen6ByThrGkUFkKaTzrGNa-fywb0YkTpsLnze3R96NP5QlLAZGrTu2sQUp-nuzl_CrlVfT6QIi-L3bGNo7ScvHZ2AVpP4LJ-tzybpPYOW6rBNOMNebk7QdiEPqOCVC7eTxD7VZ58_ne8-f37q9DWUp2Y3sNIhx8HqPmbruWpqsXgZK7FD03upVTrrU8u2G=w454-h807-no

YSWFOVkgvOHWWdVHBRTlWo61K_QBpLh98S7eQefj4NWcNrh3hs8cWIEYo3Kl4Zhj_gYKn-_p2kcqn43gkD86gLW_cVVBIadvlVbNPCwYRPJA221YyEXB66dAGls54CihTwtu2DpKfNmFtwreTnfjc2JcP84ltEsv0gkdW9jzZQYb5diWY4YXF09EGXKaeJeGeWIVmcc5x8-J-axOzRMQGPnxUSxfuMv8Oq7YBqzXOzvVGckkSuaPn9VvTsRn_6gL4FQ-DAjyQL-NMTz8al7K2PMQ-M1JOCzd8urNcqLgidCvAUStrpif2wRPazzp0xpjEVOpxrT1jGXwO71LdKEQMTF5jLdlNxeJji1R-Sogpby8sxRN_mPWlcjLZ7fZsBNc6QtJZFSqqws6tn5rrqPaRZsb4IcC_HAlgH8guVhSTKQpgxtbUTQsIG0ooKd2eQoCXv_7Yf5tfttpFYCBPMaLyjIzzBTwNZ5L-cx5qGp_BvF39wKLa5Mv_oHQoqtfT7R9Wujmdx6L-l53_g8zX9Yu-3cZVExAlMnO9pNa-8CBdS8m1sWUMpyeUcvQN6IqOW8uB4DN0x4iidQMUrpYtHnUpa-V2bqjYh-GjAUVa-M9YXbdywRuxuLMneGrvoEJUcamnanlFMraqK8ASXNrSa1pKQL2liR-ISgNRphr=w1435-h808-no

z_uGBW8B1Q1fd1la6v15pJ0NKQG1i5TTThXatbIfKvJuHghlvbfChcKFP2mFgdM7ToekUXJOP-LRN2Q4lt13T_UyIBwR6ODsWhCao-a-hWaN3RDb_AHw_Q6IxnAj6VzKS19d4y_qtGhBSXcM9imkTkwwS411OtxYuMMI2pjRiT7RredFElsA85K1PWhsvEWXDDTCi5K4hLvsfQLF4EAyG57JMAjP-ZWurPjtb9VMPY5o95B9jHlbOC55jp70uwxr8Bu-rIwaeudO0kJ45hXY5EyT8j5yEybJPSNMjDsnrdgAkg5XmWFJhqXAoPfQOO1Hk0rxCieF7WT12OYVbEzEcS6vYBnvf9fYunlwICzWL_prlmiy2XICNqB48AAeNRKE00i039pR64RfDHyy9UExHp3eeP1Prnjkf2QTPYxKgTQxqcwI4pnibZM3UJamEoJ8RVXy5vDoktyKXMktRhBFeXUyF1PfOBMoeW413gS_o7PmO7QI6eWO8QuPp_OuHia-ycFtWu0LMIQNU6zxq2oeCoNH5X-7qBM9TRUU_-ixV6hu9IzXSRLOy9HHpJj3I9KsTIs4d4z4N3vvJ1DNiRHYkR9IIfoAvn7yAWi_8THsU548bb9hHlziJH1pNCtFGqUJpPr1CruFT7jx3YdWfn4U9fJfrAQxjeVZf92Y=w1435-h808-no

H9j7fpR1GDUh360rOS2IDNJIbKXqfY-0NmpCMrHL1TxmBhg6jtoYrP6Xo754VKYz3ypNFW9OPl6YgIMsgr2JWz4dMcAym7l8ZdXsEsE-xI9UEXdBf-B-RKkxS89tEhYdZDymuUSIc4IIyOkIXKUtnzNq9V1uZkUU3NAOMXBftx-CFhmx5gHevrv4WTEuTlAwTGmIWwQ0DAvDKm593M3pTHfok0tuRzof1qeibACx4WeIeollEGq39WDfjwuxv82MrDd6yD0L_A_5IRLjN6ewTuCwhg4uusdclIGo9goPHvY5Jvnhf52NoWqLfXqul1PK3Sm25BVb3AjK9nS6R7I_GNIesWxEJc76pF_gFtW8Gs6N_qiIutvZ3z-PmZ_qktWgEAvgl2AauOlOJWkxiBrsnxtfsKdJ-NX9ZReAz95z0DQ16a_mUaq_Pe2yj76tDOnWGCPVB9PF9zmB8rQr0Jwx54xh15g10niKO-eBr7uQ4rqhVCqYKco6tZcV05U9YsRelfWuEAUjJKL2oRac1e4oa-5-fweISnwKElkRUcHmtKDNA5bsg9DoILTTO6IDyGHhuoO1t2bAswwtdqRGYf1n-rmHb7NDPuJ7D8PtZn8SYRs=w1435-h808-no

EnLNF012416EnQ9ijR4LDZrAGNFLeT824v9fZi1zyapwaICWJzRQjz9HMxwo0H682okloT_BuSFHfrJWoJar2rKWsqVL4mBP11raZtIV6sQ3ZCKxz_kmg9ciH5QJoYAnqnNg-AsVcOBY3bF2wDNyIzGsb6DTsTMz3-baNUJjgx2vasfGsqzs-a8yd--qAlmnpXQECcfWfrprnHbp0E4KB7_Lqy0BxCbX1KUZd_4SvK-5nG7RzFjBpvI_IzvMNE6-JR2n2BGuOaOydW2ih5m6-QUEs54mfPoag-gH_JXuWo6XWBjSUgQrS51vvJxnRhvDz0j_EowC1jXfuCGM-JgaOR9tcnwlM2JDliYRHNonqpX0VqGuOg16cEgMVTYXejUxxAExf_HdE96Ofhotf2_lpYPVRIn_jGEdQoUdfk_ulV1FUYcX1OTxQDvDQ7UUk_wXm3HkogkgTQRsIdJvSKkCEdcFJ8YoB7NLZ57aIOt58fZWk4D6aaZ3EqbrQvJkkPDnUkDABUvB0yKZb_ZIjIeqLiXRW1X5-1HLmT-dwUVlsSYHy6VEnCz0nMba4INu3gTUH4hKVWZhRmTgs5u4XmBMG_irYeQG4PcyJ4ETis3YLtw=w1435-h808-no

-72aOdBwleR8TOYDdqa84eMLnNGxggnJJB2ZLha2Ny3Kt4GVKetG6MANP_fxA93IEuWN21H7Nl4PiZONxHDbIJqNCRQAJCxxABILRW8h-DN0QKO7JBHwP-RUoJSAF7GsMuYoT0nAu8ypVcB5oLtTs23U7yGEiKR9MJt_E_dsHGCfd742O-3JlG9CtSxl3AQs53bS8M_hl032u5D4xLeTiDNJFl5xhc1drlXAxPfh-uy0va4bw6cSCBIcTjBOu4Z-H7jbUdtFz1wseScDVOJVESoF_5ivm00WuRFAIWeWAUvYzIrYw8NAHlKzPLRAcKXLqUER90cppROBzfneVoYeswpneB616PyWB9LI7rzoT1o1CNwbpwGkh3rbzJbmVCzMFDxrUutKmp8RhnhI7z01SmhWyY-9zLyem0apMF8xuI6WCZ00J0RvLvSippTyQ8sHViCjCYStM7JtVHiB5bs6GUyAjVp71dPeGplVXIS6BSAQYOMrC1Zm9vVKIKyG11cIc-_U6wnhiLcT6wPlcauQFnjmA6A8rM7UeRmj-EVRR162jZ70O1ar1bYtA_AARSeKzDxR7maX8ijoW_iqJZTyFU90lqg2KajvmWVnt6Rewno=w1435-h808-no

zSWw_eZ-GeBef6hvNKIbPDsLDdvXhpLSbXZeY6pNYMDKQNN8Nm6xlUdIWxvQ1ezDjUFn--GyP7H6D9wLQjGp5Q_IrK8PBIdNjDyD6h5TvnqmheqiR_z0VPEFyeeJdttZ_wHsQlvoiq1DBiATyC4Mapa3KOX_4ZXZudpSv3aqHoYbzmqh9KmdcxsbKsrPplbL_aVDM4vXdp3d0vDEcDGwjKVHMC8t1O1Zf3EAOtnEJE_Xgo_-rpB1uGDDLuEXw1Cd9x5X5TBV8tXR-1gQS-V5vRlaL_uPJGIphEMB5uDSDHdOORzmpPsZNKHorSui-Wex9NxN2grA3eMFn5xrVa3z9i7Ecr6crbFuHqj9kO7Ni2HxUEfLdNKqW_MO1tbVvZWR6u9TKuoJaQNYpY3NeVl2Ends9gZ4oPu29DAAK55DTrO4inV6EEG9qPFBQPZdXKkT01uwBtREqwY64U6txjnTsax9tG9pysdH1f3W_OuprN2VK6HQiOtwQepvTYrA2pIKlt1lxJMyx-Qp7tgXeJgWP7buwbKcjxMN0egYYP-pRgZ0AsGi_6Ta9STqGx-v9W4uEUjs0CeZx23EAsx6PVc5elOgsvl-8tY90pSE4D7syYs=w1435-h808-no

TKEXx2ZfWG3HZrv1NRkwutpa1K7gD5imlE0wHse4Njuk1iFNEAafPI4Qxi2cV88PtLZi5vxrIfMlOVWjFSHIY2SnVWLi_Uu163fiQpL4b5tE7Rj9NL-O6VLNAT7pAf_Eiy5Xt2AaXb5z41XNemdw1-unDPYf9KPhozJqVRGJPDPzfOX6g7L_ar31Hc6ocK3dBLS-m5d7D1ObrxMnkzxm9tcE5st18jun0BYoIKRgP2FkYiyfSlkgk7g9-4HUQTB9Xhls9Inm94uM7wjgMAALiWDp4EujvjACEaZkJyIby3CrDPPsOLOMjXIjFehW-Z94aNOJTP1shqYo0iUj2Ex2xgKbebG0ps9xsPxxIhucaqAPBEdFiVbA4uglqywCBDb50aGmXcC92KVE2Lj_Brf7p85NKDBE5Wy4W-pq7bOQvceBblQuR46nGYzVAh90OxsmM2Sg3THncc2R5uuV2Mr4uHbt0gz-8wqLhPuxALqohxpYp592fqP-jKykHV9BL-IaRGRGiqOcvHnbaQfZ291hLKP12expS6dTe8OEEjFigoIzzM6lYUnq4RFkvbYLx1HXklCUy5m2rr_yapUXoThrVo_QkRlRyMH7W-EbhnrAbIM=w1435-h808-no


Continua...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Rezzende
      E aee galera mochileira!!!
      Vamos embarcar numa viagem sensacional, com paisagens incríveis e momentos inesquecíveis?
      Já sei que existem trocentos relatos sobre essa trip aqui. E esse relato não é diferente ou inovador, possivelmente pode ser apenas mais um... Mas esse é sob a minha ótica, com as minhas impressões, tentando transmitir as minhas sensações…
      Escrever um relato sempre vem com a intenção de ajudar os novos viajantes, assim como eu me alimentei muito de outros relatos pra fazer a minha. É uma retribuição a toda essa comunidade que me permitiu viver tudo isso. Além disso, eu uso os relatos como uma forma de registrar minha viagem, documentar como foram os meus dias, pra que daqui a uns anos eu volte aqui e relembre exatamente o que fiz naquele dia, viajar de novo na memória e não deixar que os detalhes desapareçam no tempo.
      Desde que conheci o Mochileiros.com em 2011, esse roteiro já me inspirava. Dentre os relatos que me fascinavam estava o do Sorrent em 2012, esse relato do @Sorrent é um dos clássicos desse site e os do Rodrigo e da Maryana que foram base e inspiração pra muita gente. Em vários momentos da viagem me senti vivenciando as coisas que eles escreveram.
       
      ROTEIRO
      Em junho/2015 eu fui junto com outros amigos pra Cusco. Como já tinha ido a um dos destinos desse clássico roteiro e também como pra fazer o roteiro completo com calma precisaria de quase 1 mês, ou seja, tirar minhas férias todas de uma vez e não poder dividi-las como sempre gosto de fazer, eu fui deixando esse roteiro de lado e indo pra outras bandas da América do Sul primeiro, até que enfim não consegui mais resistir e decidi fazer “meio roteiro clássico”. Amei muito Cusco, uma cidade incrível, uma vibe sem precedentes, quero muito voltar pra fazer a Salkantay ou a trilha Inca, as montanhas coloridas que em 2015 ainda não eram exploradas e conhecer Cusco do modo mochileiro, mas dessa vez, como já conhecia, decidi conhecer áreas novas. Resolvi também que dessa vez não faria Copacabana e La Paz e no futuro, voltando a Cusco, fecharia esse roteiro.
      Então fechei meu roteiro com Santa Cruz de la Sierra, Sucre, Uyuni, Atacama, Arequipa, Huacachina e Lima com 17 dias, de 10 a 26 de outubro de 2018.
       
      Outubro é uma boa época pra esse roteiro. Não é época de chuva em nenhum lugar e o frio no Salar já não é tão intenso.
       
      Fiz um seguro viagem pela Affinity que ficou em 160 reais. Graças a Deus não precisei usar, mas sempre façam. Quando fui pra Santiago em março me dei mal lá, tive que dar pontos no pé e o seguro foi essencial. Então sempre façam!!!🤙
       
      Fui com um mochilão Quechua de 70 litros que coube tudo e ainda sobrou espaço. Não vou dizer tudo que levei porque as necessidades individuais variam pra cada pessoa mas adianto que roupas de frio, segunda pele, casaco pesado, gorro e luvas são necessários no Salar assim como você vai usar roupas leves no Atacama e Huacachina. Levei também uma mochila pequena de ataque, muito útil na travessia do Salar e no Canyon del Colca, além de ir comigo nos ônibus e nos voos.
      Bom, vamos aos fatos 
       
      Quarta, 10 de outubro de 2018 🇧🇴
      Vai começar a brincadeira! Fui de ônibus, viajando a noite inteira, da minha cidade Conselheiro Lafaiete/MG pra São Paulo. Da rodoviária do Tietê pro aeroporto de Guarulhos fui de metrô por 4 reais e gastei cerca de uma hora. Comprei as passagens de ida pela Boa (Boliviana de Aviacion) pra Sucre que incluía uma escala longa em Santa Cruz de la Sierra, suficiente pra ir no centro fazer cambio, conhecer a praça e dormir por lá. Decolei de Guarulhos às 13:15 e cheguei em Santa Cruz às 15h (hora local). O voo pra Sucre era só no outro dia de manhã. Imigração tranquila, a moça me perguntou o que ia fazer, falei com ela meu roteiro e ela disse que era um lindo roteiro e ela tinha muita vontade de conhecer Uyuni. Passaporte carimbado, passei no raio-x das mochilas e saí. Não vi a tal luz que a galera aperta e se for verde passa ou se for vermelha revista a mala. Talvez não tenha isso mais. Também não me deram nenhum papelzinho de entrada na Bolívia.
      O cambio do aeroporto, sempre ruim, tava R$ 1=1,50 bolivianos. Troquei 50 reais só pros primeiros gastos. Com 75 bolivianos no bolso e tempo sobrando fui procurar um busão pro centro. Ele sai dali da porta do aeroporto mesmo e custa 6 bolivianos. É um microônibus apertadinho mas fui la pro fundão e me acomodei com minhas mochilas. Tinha lido que esse onibus vai pra um terminal no centro e de lá poderia pegar um táxi pro hostel, mas o motorista disse pra umas mulheres lá na frente que ele passaria num ponto que fica a 5 quadras da praça e como não tava um calor absurdo (leia-se os mais de 30 e tantos graus comuns em Santa Cruz) mas tava uns 25 a 27 graus e meio nublado, me animei a descer e ir andando. O aeroporto é longe do centro então foram uns 45 minutos de busão.
      Cheguei no hostel por volta de 16h. Tinha reservado o Nomad Hostel pela sua localização, ao lado da catedral, ponto mais central impossível  A diária era 65 bolivianos. Achei caro já que não ia nem poder tomar o café da manhã, mas compensava pela localização. O cara da recepção era brasileiro. A propósito Santa Cruz tem muitos brasileiros estudando lá e por isso tinha esperanças de bom cambio por ali. Do outro lado da praça estão várias casas de câmbio. Os valores variavam pouco ali, entre 1,75 a 1,77. Só pra informação, dólar tava a 6,93. Como imaginava que ali seria o melhor câmbio da Bolívia (e realmente foi) troquei 1000 reais, dando 1770 bolivianos, que pelas minhas contas seria o suficiente pro meu tempo na Bolívia. Dinheiro no bolso, fui dar um rolê na praça.
      Santa Cruz de la Sierra não tem muitos atrativos. Escolhi ficar lá uma noite apenas pra fazer câmbio e dizer que conheci a cidade. Porém não posso negar que a praça é bem bonita, muito arborizada e a catedral é linda. Dá pra subir no mirador da catedral, o ingresso é só 3 bolivianos e tem uma vista bem bacana da praça e da cidade.


      Saí do Brasil 2 dias depois do 1º turno e ia voltar na véspera do 2° turno, então tava feliz de ficar fora enquanto todo mundo discutia política. Pensam que consegui? 😛 Santa Cruz tava em polvorosa, logo logo começou a lotar a praça de gente pra manifestar. Há um tempo atrás a Bolívia votou um plebiscito pra saber se o Evo Morales poderia continuar concorrendo a reeleições. O NÃO ganhou com uma vantagem apertada. Só que agora o Evo quer concorrer de qualquer jeito, mesmo com o NÃO ganhando o plebiscito. Então tava todo mundo puto por lá, protestando contra a ditadura que segundo eles tá começando e exigindo que o resultado do NÃO seja respeitado. Tinha até uma turma acampada lá em greve de fome. Apesar de demonstrar ser um momento político tenso a manifestação tava bem pacífica com bandinhas e desfiles de escolas, tava bonito de ver. Fiquei um bom tempo ali refletindo sobre a situação política do nosso país e da América do Sul em geral. Como disse uma mulher com quem conversei, nossa America padece 😔
      Fui jantar, procurei um lugar mais ajeitadinho, primeiro que queria uma coisa mais bacana pra começar a viagem e depois que tava com um pé atrás com comida na Bolívia (depois relaxei 😄) e achei um restaurante especializado em comida chinesa chamado Chen Jianfan ali perto da praça e pedi um prato de frango cozido com vegetais, arroz, batata frita e suco de maracujá por 33 bolivianos (R$ 18,64).
      Satisfeito, fui pro hostel. Pedi um Paceña no bar do hostel pra entrar no clima. Tinha um grupo grande de amigos numa mesa, um casal de argentinos e só. Não tava um ambiente muito interativo. Já tinha viajado de busão toda noite anterior, ia levantar cedo no dia seguinte, fui dormir.
       
      Quinta, 11 de outubro de 2018 🇧🇴
      Levantei pouco antes de 7 da manhã, arrumei minhas coisas e saí. Cheguei na recepção e  porta fechada e sem recepção. E agora como eu saio daqui? Olho ao redor e ninguém. A porta era de blindex e estava fechada de chave e ainda tinha a porta da rua. Pensei uns minutos e vi que tinha um pino em cima. Abaixei o pino, forcei a porta pra dentro e consegui abrir. Só encostei ela de volta e deixei destrancada (claro) Agora era a da rua mas ela só tava encostada 😅 FUGI DO HOSTEL 😂 modo de dizer pois já tinha pago a diaria no checkin mas passei um perrenguinho ali
      Ao contrário de ontem, não tinha muito tempo sobrando então descartei o busão. Ainda com wifi na porta do hostel olhei Uber pro aeroporto e tava 109 bolivianos 😨 Então fui pra praça e fiquei esperando pra ver se passava um táxi. Logo o segundo que passou tava livre e o tiozinho cobrou 70bol. Ok, lá vamos 😕 No meio do caminho tinha uma escola, tinha uma escola no meio do caminho 😒 E por ser horário de inicio das aulas tava um transito do cão. O tiozinho ia costurando o transito e se fosse busão ia ficar garrado ali. Achei melhor estar de táxi mesmo. Quase 1 hora depois chegamos ao aeroporto. Na entrada do aeroporto tem um pedágio de 8bol que o taxista paga mas obviamente cobra de você, então, 78bol. É caro mas dá 44 reais, se fosse no Brasil um trecho longo desses jamais seria só esse preço. Despachei meu mochilão no guichê da Boa e tava em jejum ainda né. Tinha biscoitos na mochila de ataque mas não tinha café e eu sou desses viciados então tive que pegar um capuccino naquelas máquinas de expresso por 12bol (ai meu coração💔) mas com café estava vivo de novo 😆
      Entrei pro embarque e o voo era previsto pra 9:20 só que…fugi do hostel, fui de táxi pro aeroporto, pra que? Pra que? Pra mofar lá 😤 Santa Cruz tava nublado mas as noticias que chegavam é que chovia litros em Sucre. E pelo que entendi o aeroporto de Sucre não opera por instrumentos então tínhamos que esperar o tempo melhorar por lá. Dariam mais noticias as 10:20. OK. Sentei lá e fiquei observando o movimento. Num canto lá vi um casal conversando com um boliviano. O casal falava português. Depois que acabou o assunto com o boliviano eu fui lá puxar assunto. Eram Luana e Leonardo, casal carioca, militares da Marinha servindo em Corumbá, estavam indo também pra Sucre e Uyuni, depois La Paz e Cusco. Já tratei de combinarmos rachar um táxi em Sucre. Informaram nova previsão pro voo às 11:30 e enfim, com mais de 2 horas de atraso, partimos pra Sucre.
      No aeroporto de Sucre, um caso interessante. Tem um cara lá que fica conferindo o ticket da mala pra ver se é seu mesmo. Eu já tinha arrancado o da minha mochila, mas botei ela nas costas e saí de mansinho enquanto ele tentava se entender com um grupo de japacoreanos 😬 A sinalização no aeroporto também tem em espanhol, inglês e quéchua.
      Encontrei a Luana e o Leonardo e fomos atrás de um táxi. Já tinha lido que o preço era 60 bol. E era isso mesmo. O aeroporto de Sucre é longe da cidade, a uns 30 km. O bom de achar gente pra rachar é que saiu 20 bol pra cada. No caminho a Luana contou que tava apreensiva com a viagem pois tinha descoberto ha poucos dias que estava grávida de 6 semanas. Trocamos contato e o taxista passou primeiro no meu hostel.
      Fiquei no Kultur Berlin. Ótimo hostel, muito bom mesmo. Não lembro quanto paguei a diária mas fiz a reserva no Booking onde dizia 29 reais então paguei lá no check out uns 50 e poucos bolivianos. Hostel mais barato que o de Santa Cruz mas infinitamente melhor. Fui pro quarto que tinha 2 pavimentos, 2 beliches em baixo e 3 camas em cima. Tinha só um canadense lá, o Connor. Conversamos um pouquinho e saí pra bater perna. O hostel fica a 2 quadras da praça central de Sucre. Procurei um restaurante lá e pedi uma sopa de quinoa, prato bem grande, não lembro o preço mas não era caro.
      Ali na mesma praça tem a Casa de la Libertad, tida como o monumento histórico mais importante do país, onde foi proclamada a independência. Lá tem exposições com as fotos dos ex-presidentes, mobiliários, objetos das epocas coloniais e das batalhas de independência. A entrada custa 15bol e se você tiver passando com tempo por Sucre vale a pena.
      A praça 25 de Mayo é muito bacana. Ficar ali um tempinho observando a vida da cidade é muito bom. A catedral tava fechada. As construções ao redor são muito bonitas.

      Dali desci umas 3 quadras até o Parque Bolivar, outra praça bem arborizada e agradável, tem até uma miniatura da torre Eiffel pra galera subir. Descansei lá um pouquinho e voltei as 3 quadras pro centro saindo ao lado do Mercado Central. O mercado é mais de frutas, flores, comidas, frangos e carnes expostas, aquela salada visual que tanto impressiona a nós brasileiros. Passei no supermercado pra comprar uma água 2l por 4,20bol e encontrei uma loja dos famosos Chocolates Para Ti, que são vendidos no quilo. Tem amargo, tem em formato de dinossauro, tem vários. Não são lá muito baratinhos mas muito gostosos😋. Comprei pouco mais de 100gr e deu 31,50bol (R$ 18) Passei no hostel pra deixar as coisas e pegar uma blusa pois a tarde ia caindo e eu ia subir pro mirante.
      O mirante fica a umas 6 quadras do hostel, subindo. Cheguei lá pouco depois das 17h e apaixonei de cara. Tem uma escola ali e a aula tinha acabado e um monte de alunos estavam pela praça, conversando, jogando bola, misturados aos turistas que subiram pra ver o por do sol, um grupo de jovens sentados tocando violão, o ambiente ali era maravilhoso. Não teve lá um grande por do sol pois tinha umas nuvens, mas tava muito gostoso lá.

      Desci ao escurecer e quando cheguei no quarto do hostel tinha chegado um cara lá. Mandei um hola e ele respondeu o hola com aquele A comprido (holaaa) que denuncia de cara um brasileiro. Era o Fábio de São Paulo. Conheci um irmão de viagem. Mal imaginava naquele momento mas a gente seguiria juntos boa parte da viagem. Também tinha chegado no quarto a Daniela, uma boliviana de Santa Cruz. Tomamos banho e descemos pro restaurante do hostel, que tem um preço bem parecido com dos outros restaurantes da cidade, então comemos por ali. Comi sopa de entrada com spaguetti a bolonhesa e umas paceñas e piscos no happy hour depois. Enquanto isso tinham umas apresentações de danças folclóricas e os dançarinos eram do próprio staff do hostel, bem legal. Depois que acabaram as apresentações começou a boate do hostel na sala ao lado. Fomos pra lá e ficamos até parar a música lá pelas 2 da manhã. Detalhe que de hóspede só tinha a gente pois quando acabou todo mundo foi embora do hostel e só ficou nós 3 olhando um pra cara do outro 
       
    • Por debalves
      Olá amigos Mochileiros!
      Venho por meio deste relato, contar nossa experiência nesse país incrível que é o Peru! Lendo outros relatos por aqui, descobri que a maioria das pessoas vai para o Peru para uma experiência mais... como diria... mais roots, aquela coisa de trilha nível intenso, acampamento e vida selvagem... Mas nós estávamos procurando uma experiência mais tranquila, light, e sem muito esforço físico. Não que não gostemos de fazer exercícios, mas quem acompanha meus relatos pode ver que uma série de problemas foi acontecendo em nossas vidas nos últimos meses e dentre eles, uma hérnia de disco lombar e uma cirurgia de tireoide que me atrapalhou um pouco os planos e não consigo mais planejar experiências que me exijam tanto o lado físico. Então, por isso que nossa viagem foi mais "light". 🙃
      Eu confesso que há muito tempo tinha vontade de conhecer o Peru e, é claro, o Machu Picchu. Mas desde que minha cunhada e eu começamos a perturbar meu irmão e meu marido com essa ideia, há uns 5 anos atrás, mais ou menos, eles foram irredutíveis. Meu irmão ainda aceitava ir para Lima para uma viagem gastronômica, mas Rodrigo (marido) não gostou de nenhuma ideia sobre o Peru. Mas eis que este ano Rodrigo, fazendo curso de espanhol, se depara com um professor que é peruano (e acho que ele já ficou com a cabeça um pouco mais aberta à ideia de conhecer o Peru) e somando ao fato que eu queria ir conhecer a Grécia esse ano, mas o Euro está muito caro e o Rodrigo deve ter ficado desesperado com meus assuntos de viagem, depois da minha cirurgia de tireoide, quando eu só pensava na recuperação, ele veio com a ideia: “vamos viajar para o Peru nas férias?!”. Ele queria "hablar español"... mas eu só conseguia pensar na Grécia (ainda mais que uma amiga tinha acabado de voltar de lá) e eu fiquei meio desanimada à princípio com o Peru, logo eu que tanto atormentei os outros com essa idéia de viagem... mas depois entrei no clima de conhecer o Peru e embarquei nos planejamentos.
      Nossa viagem foi agora em Setembro, de 03 a 12, conhecendo primeiro Lima e depois Cusco. O nosso vôo foi pela Avianca, não lembro o valor, mas vou consultar o Rodrigo e já digo à vocês. O voo partiu do Rio de Janeiro cedinho, às 5:45 da manhã e tivemos que estar no aeroporto por volta das 3:40 da manhã... sério, se eu soubesse quem inventa esses horários de voo, eu esganava! Não dormimos nada, chegamos por volta de 9h da manhã, se não me engano, e o check in era só à tarde... que raiva! Ficamos mortinhos com farofa!
      O Voo foi tranquilo, a entrada no País também. Pensei que iam implicar conosco e nos revistar porque nossa última viagem foi para a Colômbia, achando que fazíamos parte do tráfico de drogas e na hora das perguntas, até esqueci que dia que voltaríamos (me deu um branco), mas a funcionária não levou em consideração, fez alguns comentários dizendo que gostaria de ir passear em Cusco também e nos liberou. Graças a Deus! Também não pediram nossa carteira internacional da vacinação de febre amarela (que nos pediram umas 3 vezes na Colômbia)... mas levamos, claro! Mas como já disse a minha amiga Juliana, é só não levar drogas que tá tranquilo! 🤣🤣🤣
      Saindo do Aeroporto, pegamos um táxi até o hotel. Caminho comprido, em alguns momentos se vê muitas áreas bem feias e pobres, mas em outros, o caminho é  bonito, que dá para ver o mar... mas está cheio de obras e em muitos pontos a vista para o mar fica bloqueada.  O hotel fica no bairro de Miraflores, que é um dos bairros mais "arrumadinhos", que os turistas mais ficam em Lima. Ficamos no hotel Ibis Larco Miraflores. Achei bem localizado e bem arrumadinho e confortável. Assim que chegamos, fizemos o check in e a funcionária da recepção nos indicou uma saída lateral onde poderíamos deixar a mala até o horário que o quarto estaria pronto. Segundo ela, se quiséssemos, teria um quarto à disposição no momento, mas era em um dos andares mais baixos e portanto, mais barulhento. Resolvemos esperar. Saímos com a mala e no local indicado, encontramos uma rampa de carro, de estacionamento... será que teríamos que descer?! Na frente do hotel ficam uns senhores oferecendo passeios pela cidade para os turistas, mas não entendemos nada do que nos foi dito e resolvemos não arriscar perguntar onde era pra deixar a mala. Rodrigo desceu a rampa  freando a mala pesada (coitado) e lá embaixo ficava realmente um espaço cheio de malas, com um funcionário cadastrando elas. Deixamos a nossa e fomos passear. Eu ainda estava um pouco desnorteada com o horário do vôo, sem conseguir raciocinar direito sobre o que fazer na cidade, então falei com o Rodrigo para andarmos pela rua principal, a Av Larco, até o shopping. Tinha lido em blogs de viagem que nessa Avenida Larco tem de tudo: casas de câmbio, lojas de chip de celular, restaurantes, lojas de lembrancinha, etc. Rodrigo ativou o roamming do celular com o sistema de pontos que ele foi acumulando ao longo do tempo e que conseguiu fazer essa troca. A internet não nos decepcionou e não tivemos que comprar chip de celular dessa vez! Fomos andando, trocamos  mais algum dinheiro em casa de câmbio e até que chegamos rapidinho no shopping. Rodrigo falou: “é aqui”. Mas era tipo uma praça, um mirante atravessando a rua, com vista para o mar lá embaixo. Quando chegamos mais perto que vimos que realmente era o shopping... só que o shopping era para baixo! Nessa “praça” tinha escadas para baixo e dava pra ver que tinham muitas lojas lá embaixo.
      Ficamos tirando fotos da vista e depois passeando pelo shopping. Foi quando começou um vento muito, muito frio e não aguentamos ficar próximo ao mar, estava muito frio para as roupas que estávamos vestindo (e olha que estávamos de casaco)!
      Tudo no shopping era bastante caro, muitas lojas de marca... mas até que a praça de alimentação tinha cadeias de fast food que eram bem em conta. Rodrigo não quis arriscar comer comida peruana logo no primeiro dia e quis comer o Pizza Hut que encontramos. Só que o lugar era muito simpleszinho, um balcãozinho, só tinha 4 sabores de pizza, e o Rodrigo pediu uma pizza que vinha com uns pães de alho, mas eis que a danada era minúscula! Eu pedi uma lasagna e veio em uma embalagem que mais parecia uma “quentinha da esquina”... mas não estava ruim não. Ficamos com medo da comida peruana, pois não somos de comer comida muito temperada. Eu tive alguns problemas na Alemanha com temperos e levei todos os remédios que poderia para qualquer indisposição para essa viagem! Alimentados e ainda com frio, seguimos de volta para o hotel. Conseguimos um quarto no oitavo andar e nos instalamos. Aproveitamos para descansar um pouco, já que não dormimos nada à noite. Aos nos recuperarmos, já era noite e saímos para comer novamente. Próximo ao hotel comemos em um lugar chamado La Lucha Sanguchería Criolla, que achamos muito, muito bom! São uns sanduíches de pão redondo com diferentes recheios, que vem com batatas fritas (que tem casca e tudo) e molhos pra acompanhar. Muito gostoso! Após comer, fomos visitar o shopping Larcomar novamente e ver a paisagem com a perspectiva das luzes da noite.
      Nesse dia aproveitamos para descansar mais, já que a coluna reclama bastante da poltrona e da viagem de avião.
      No dia seguinte acordamos refeitos e fomos bater pernas. Pegamos um uber (foi bem tranquilo pegar uber na frente do hotel) e rumamos para a Plaza de Armas. Custou em torno de 18 soles. Chegando lá, algumas ruas estavam fechadas em torno da Praça e descobrimos somente depois que teve um evento da guarda, mas só vimos o finalzinho, pois na hora do início, estávamos visitando a Catedral.  Tiramos muitas fotos com todos os prédios que ficam ao redor da praça e depois visitamos a Catedral (ingressos 10 Soles), bem bonita. Tiramos algumas fotos na Plaza Perú também (uma praça pequenininha com uma bandeirona do Peru, que fica ali pertinho) e rumamos para a Igreja de são Francisco. Muitas pessoas tentando vender de tudo ali em volta da igreja, assediando os turistas. Visitamos o interior da igreja e não pagamos nada, mas não fomos na parte paga. Confesso que não visitamos um dos maiores pontos turísticos que são as Catacumbas do Convento São Francisco (me julguem... Não gosto desses passeios mórbidos...) mas vimos algumas catacumbas na visita da Catedral, que foi bem interessante, mas um pouco claustrofóbico.
      Eu queria conhecer a Casa de la Gastronomia Peruana, mas Rodrigo não ficou animado. Andamos mais um pouco pelas ruazinhas do centro e ainda visitamos um mercadinho de artesanato que achamos no meio do caminho. A fome apertou e fomos procurar algum lugar próximo para comer. Convenci o Rodrigo a experimentar o Tanta, que é a versão mais em conta do Astrid y Gastón, também do famoso chef Gastón. Tínhamos visto esse Tanta no shopping Larcomar no dia anterior também, mas não comemos lá, achamos tudo bem caro.
      Entrando no Tanta próximo a Plaza de Armas, confirmamos que era caro mesmo, cada prato em torno de 40 soles! Mas resolvemos experimentar. Perguntamos ao garçom se os pratos eram para duas pessoas. Não eram, mas eles poderiam “dividir” um prato em duas porções menores. Aceitamos e pagamos pra ver. Pedimos Lomo Saltado. Cada prato nosso veio uma porção menor do que o prato geralmente vem (comparei olhando o prato dos outros clientes), mas como as porções são normalmente bem servidas, acabamos comendo bem, ficamos satisfeitos! E estava muito bom, apesar do molho que acompanha a carne ser bem temperado! Pedimos Inca kola para experimentar e ainda pedi um suspiro limeño para experimentar também e gostei bastante (apesar da consistência ser diferente do que eu achava que seria). Gastamos 78 Soles no total.
       Estávamos alimentados e a minha idéia era visitar o Museo Larco à tarde. Pedimos um Uber e rumamos para o museu, que parece ser um tanto distante da parte mais turística da cidade. Passamos em locais que pareciam bem humildes e ficamos comparando com alguns bairros do Rio de Janeiro. Gastamos em torno de 12 soles no uber. Chegando ao Museu, tem uma rampa bem grandinha para acessá-lo e em seguida, a casa lá em cima. Eles têm um bebedouro com água com rodelinhas de laranja para os visitantes e adorei a ideia. O ingresso foi bem caro, 30 soles cada um, mas o Museu é muito interessante e fiquei encantada com a visita! Como bebi bastante água de graça, achei que economizei na água e gastei no ingresso (hehehe, que vergonha isso, não?!). Esse museu me lembrou bastante o Museo Del Oro em Bogotá, e conta toda a história dos Incas e as regiões onde habitaram. Achei que iríamos visitar tudo rápido, mas como sempre, demoramos um bocado olhando tudo e ficamos cansados. Em uma parte “anexa”, cruzando um jardim central da casa que é o museu, fica a exposição das peças que são representações sexuais... e essas são um tanto divertidas!
      Nessa hora meu celular deu pane e começou a cair a bateria vertiginosamente. Resolvemos voltar para o hotel de uber novamente (custou 18 soles pra voltar), pra ligar o celular na tomada e recarregar. Encontramos um Pizza Hut grande próximo ao Shopping Larcomar e fomos lá lanchar e desfazer a impressão ruim que ficamos da pizza minúscula que Rodrigo comeu no shopping. Pedimos uma grande para dividir e dessa vez contávamos com mais sabores para escolher! E foi lá que tivemos uma ótima surpresa! O garçom falava espanhol muito rápido, mas conseguimos conversar com ele e responder coerentemente às perguntas.  Brinquei com ele que falava rápido e ele brincou com a gente algo do tipo que ele não entendia o português quando falávamos rápido também. Deu um orgulho por estarmos treinando bem o espanhol da gente, sabe?!
      À noite novamente fazia muuuito frio lá, mas dessa vez estávamos melhor agasalhados! Depois da pizza descansamos porque o dia foi intenso e no dia seguinte tinha mais visitas!
      No dia seguinte acordamos e pegamos um uber (em torno de 8 soles) e fomos para um sítio arqueológico chamado Huaca Pucllana. São ruínas pré-incas, as visitas são guiadas em espanhol ou inglês e custa 12 soles a entrada. Existe a Huaca Pucllana e a Huaca Huallamarca. Alguns dizem que as duas se complementam e outros dizem que é mais do mesmo. Resolvemos visitar só a que era mais "perto" de onde estávamos hospedados e gostei bastante! A fila para comprar a entrada estava bem grande e achei que iria demorar bastante, mas foi rápido, a próxima visita em espanhol estava começando assim que entramos e foi tudo bem dinâmico e interessante.  Ficamos encantados com a visita, achamos tudo muito interessante e bem organizado! Só uma coisa que não tinham falado com a gente antes é que ficamos muito empoeirados. Nossos tênis e barra das calças era só areia no final do passeio! Vão preparados!
      Foi lá também que compramos a água mais barata de toda a viagem, que custou somente 1,50 Soles na máquina!
      Ao terminar a visita, fomos procurar um restaurante próximo para comer, mas todos que encontrávamos eram bem caros. Vimos um italiano que era caro... Andamos mais um pouco até um que era a mistura de restaurante chinês e peruano (as famosas Chifás) que tinha visto recomendado em blogs de viagem (não lembro o nome do restaurante agora), mas chegando lá demos uma olhada geral no cardápio e vimos que os preços de cada prato eram mais de 50 soles... desistimos. Pegamos um outro uber até o shopping Larcomar (7,50 soles) e resolvemos almoçar em uma chifá no shopping mesmo, só que essa chifá era uma cadeia de fast food... mas estava gostosinho também e foi mais barato, gastamos em torno de 30 soles nós dois.
      Após comer, fomos passear mais um pouco. Nossa ideia era ir passeando tranquilo à “beira mar” (só que o beira mar deles é em cima da falésia, o mar fica lá embaixo), e visitar a série de parques que ficam um atrás do outro nesse caminho, que se chama Malecón de Miraflores. Eu tinha separado algumas coisas que queria conhecer: O Parque Del Amor, o Farol, o parque Maria Reiche... Saímos do shopping e fomos andando tranquilos. Os parques são todos muito bem arrumadinhos e limpinhos. As pessoas levam suas crianças e seus cachorros para passear. O Parque Del Amor é um dos primeiros e é bem movimentado de turistas e de vendedores. Seguimos adiante e passamos por áreas arborizadas e lindinhas, quadras de tênis, pelo farol, por mais parques com brinquedos para as crianças, pela pista de parapente... bem, agora só faltava o parque Maria Reiche, que tem a decoração com as flores que lembra as linhas de Nasca... mas onde está?!
      De onde estávamos, olhávamos mais adiante e parecia que os parques tinham menos gente circulando... tinha umas obras acontecendo próximo e ficamos com um certo receio de continuar e nos darmos mal. O Google apontava que era ali (depois descobrimos que tinha um colégio chamado Maria Reiche ali)... como já estávamos cansados, resolvemos voltar. Por mim voltaríamos à pé novamente, mas Rodrigo reclamava muito que seus pés doíam e queria voltar de uber. Pegamos um uber de volta para o hotel e custou em torno de 7,50 soles.
      Chegando no hotel fomos descansar um pouco e acabamos pegando no sono. A ideia era conhecer o Circuito Magico del água no Parque de La Reserva. Acabamos rumando para lá um pouco depois do que imaginávamos, para depois comer alguma coisa. Ficamos com medo de deixar para outro dia e acabar perdendo a visita. O uber custou em torno de 13 Soles para lá e o caminho foi bem comprido. O ingresso acho que foi 10 soles para cada.
      Chegando lá, achamos que era pequeno, mas qual não foi nossa surpresa com o tamanho das fontes e a quantidade de água! E são várias fontes, cada uma com  design diferente e cores e músicas, tudo bem legal. Muitas crianças brincando, tem até um parque de diversões lá dentro também.
      Visitamos todas as fontes que víamos e tiramos fotos com todas. Algumas fontes são interativas. Existe uma que é um túnel que podemos entrar e não nos molhamos. E outra, que quando a água abaixa, conseguimos andar até o meio e ficar lá dentro assistindo o show das águas sem nos molharmos (teoricamente) e quando a água abaixa de novo, saímos de lá.
      Bem, eu fiquei um tempo ganhando coragem para entrar nessa fonte, pois não preciso nem dizer que estava muito frio e eu não queria me molhar pra ter que passar mais frio depois, né ?!  Quando ganhei coragem e entrei, descobri que nessa fonte a água que vem de cima não molha a gente, mas quando ela bate no chão (que tem uma grade de ralo), ela respinga e molha a barra da calça e o sapato da gente todo. Concluindo: fiquei com os pés todos molhados e passando frio! O Rodrigo ia depois de mim e acabou desistindo, para não passar frio também. 😟 Depois disso, resolvemos ir embora e nesse momento foi um pouco difícil de pegar o uber, pois tinha muitos táxis em volta da saída do parque, mas conseguimos e o uber custou 12,50 soles.
      Fomos para a La lucha Sanguchería Criolla novamente comer os gostosos sanduíches com o maior prazer, de novo.
      Esse dia também foi intenso: nos empoeiramos de manhã e nos molhamos de noite... Mas descansamos para no dia seguinte passear mais.
    • Por FelipeMendes
      Salve, pessoal! Segue um relato de uma viagem breve que eu e minha esposa fizemos ao Peru agora na primeira semana de setembro, aproveitando uns dias livres que conseguimos. Foi tudo decidido muito rápido, mas acho que funcionou bem, pois pegamos dicas de amigos que tinham ido e que nos ajudaram bastante a decidir o que fazer.
      Passagens 
      Compramos as passagens no Submarino Viagens por pouco mais de R$ 1.500 por pessoa, com exatamente um mês de antecedência (compra em 1º de agosto, início da viagem em 1º de setembro). Em outros dias e horários conseguiríamos preços um pouco melhores - não parece ser impossível ir por R$ 1.300. Mas também pode sair mais caro (voltamos no sábado; se fosse domingo, passaria de R$ 1.700). Todas as pernas eram pela Latam, exceto a Lima-Cusco, que foi pela Peruvian.
      A compra não foi confirmada no cartão, e tive que ligar para o Submarino para confirmar. Não sei sei por erro, forma de compensação ou algo parecido, mas eles nos alocaram na classe executiva na ida. Experiência nova e muito positiva.   Câmbio Como tínhamos dólares guardados e lemos muitos relatos de pessoas que falaram que não valia a pena levar real (valia mais fazer câmbio de dólar aqui e refazer lá), decidimos levar. Em média o câmbio fica entre 3,25 e 3,30 soles por dólar (exceção ao primeiro câmbio que fizemos, no aeroporto de Lima, para ter algum dinheiro para chegar à cidade. Lá foi muito pior, foi coisa de 3,05, talvez menos).   Transporte Em Lima usamos transporte público (Metropolitano) quando fizemos um deslocamento maior. Barato, rápido e seguro. Do aeroporto para Lima fomos de táxi (40 soles). De Lima para o aeroporto, de van da Quick Llama (15 soles por pessoa). Em Cusco, contratamos transfer junto ao cara que nos vendeu os passeios para ir e voltar do aeroporto (15 soles cada perna). De resto, só andamos a pé ou nos veículos dos passeios.   Hospedagens Em Lima ficamos no hotel Suítes Larco 656. em Miraflores. Excelente localização, ótimo café da manhã, quarto limpo e amplo, cama e banheiros muito bons. Nada a reclamar. Recomendo bastante. Pagamos R$ 394 para as duas diárias (preço final em reais, sem IOF, reservado pelo Hoteis.com).   Quando chegamos a Cusco, ficamos no hotel Casona Quera. Também altamente recomendado. Pertíssimo da Praça de Armas. É um hotel simples (realmente é uma "casona"), mas limpo, com camas confortáveis, banheiro bastante ok, café da manhã bastante decente. Ainda ficamos em um quarto que tinha uma sacadinha, bem bacana. Pagamos R$ 257 para duas diárias, também pelo Hoteis.com - mesmo esquema, sem IOF.   Em Aguascalientes (Machu Picchu Pueblo) ficamos no Hostal Dalila. Como a cidade é simplesmente um dormitório, não colocaria nenhum problema nele. É extremamente simples e sem café da manhã. Porém, minha esposa achou sujo. Alguma coisa caiu debaixo da cama e estava cheio de poeira quando ela foi pegar. Além disso ela ficou com a impressão de que os lençóis não estavam muito limpos. Não recomendo, portanto. Pagamos US$ 20 (em dinheiro vivo na chegada) para uma diária. Reservamos pelo Booking.com.    Voltando a Cusco, ficamos no Hatun Quilla, pois quando reservamos o Quera estava muito caro para estes dias. Também recomendo bastante. Mais um lugar simples e honesto, com cama ótima, banheiro decente. Perto da Praça de Armas, também. O quarto era bem amplo, com decoração simpática. O único porém é o café da manhã, que é bem mais ou menos: só pão, manteiga, geleia, café, chá e suco (refresco). Nem uma frutinha pra contar história. Reservamos pelo Booking e pagamos no próprio hotel (US$ 59 para duas diárias, pagamos com cartão de crédito).   Passeios em Cusco Muita gente falou para não contratarmos os passeios no Brasil, e sim pesquisarmos por lá, já que há dezenas de agências. Preferimos adiantar, já que tinha boas referências de preços, e não me arrependi. Ganhamos um bom tempo e tenho certeza de termos pagado preços justos. Se não foram os mais baratos, foi bem perto disso. Fechamos tudo com a Mapis Explorer, empresa do Ronald. Ele é extremamente atencioso e atende por Whatsapp: +51 976 919 696. Nos posts relativos a cada dia escrevo os preços de cada passeio.   (Todas as fotos deste post foram tiradas com meu celular, um iPhone 5S. Portanto, são fotos ruins, mas é só pra dar uma ideia)
    • Por Ane_rb
      Boa noite! 
      Estou indo viajar com meu noivo para lima dia 16, onde ficaremos 2 noites, 16 e 17, e iremos dia 18 para cusco e voltaremos para lima dia 25 de outubro as 5 estaremos voltando para lima e depois SP. 
      E por enquanto estamos meios perdidos quanto ao roteiro, e menor custo para melhor aproveitar nossa estadia. Estamos por enquanto seguindo o roteiro do "Vai por mim" -  viaje na viagem. Ele indica para visitarmos o centro historico de lima, Museu larco, e de noite ir no bairro barranco, huaca Pucllana, Malecon de mira flores, circuito magico da agua. Tem algo que vocês excluem? Incluem? Hoteis que ficaria melhor e mais barato? Ou airbnb? Hostel? 
       
    • Por Ro St
      Junto-me ao "coro" de agradecimento aos relatos que li aqui e que me ajudaram a evitar perrengues e tomar decisões quanto ao roteiro e afins.
      Juntamente com o meu namorado, fui pro Peru do dia 06/06 à 15/06.
      Comprei as passagens GRU X Lima (meu namorado mora no Vale do Paraíba, eu moro no RS), na primeira semana de Dezembro, por 8500 pontos Multiplus o trecho para cada um + R$ 500 no total das taxas (4 trechos).
      Compramos as passagens de Lima X Cusco no site da LCPeru por 180 soles peruanos, cada trecho, diretamente no site da Cia. Não deu para comprar pelo cartão de crédito, daí foi feito pelo SafetyPay. Esta compra foi feita no mês de abril, quando havíamos definido totalmente as datas do roteiro da viagem.
       
      Estava decidida a comprar as passagens internas com Cia Peruana pq os preços da Latam e da Avianca eram muito maiores. Sabia que corria pouco risco dos vôos serem atrasados/cancelados (como é a fama quando se voa por estas Cias) em razão da época (inverno ser mais seco) e pelos horários dos vôos (li aqui, e em vários outros blogs que o problema é no aeroporto de Cusco -  se pousar ou decolar após às 17h, a chance de ter alteração é enorme).
      Eliminei a Viva Air (Viva Colômbia), pois vi que era a pior dentre as nacionais. Pelo o que li, a Peruvian seria a melhor, mas não tivemos stress com a LCPeru.
      Voamos nos 2 trechos com aviões Boeing 737, com direito a uma mala despachada de 30Kg para cada um (a minha deu exatos 10Kg). Lanches bem básicos (pacotinho de nuts variados) com direito a Inka Kola.
      Passeio para o Valle Sagrado: fizemos o tour completo (Chinchero, Maras, Moray, Ollanta e Pisac +Salineras) mas SEM ALMOÇO por 40 soles por pessoa. Levamos lanche!
      Ida para Machu Picchu: acabamos indo e voltando com o trem Vistadome da PeruRail por US$ 40 o trecho (Cyberday promotion), comprados no final de Abril.
      Ida para Huaraz: fomos pela MovilTours na opção "Ejecutivo Vip" por 45 soles peruanos o trecho, para assento de reclinação de 160 graus. O preço  normal para este tipo de assento/serviço é 65 soles, mas comprando com certa antecedência consegue-se encontrar alguns assentos promocionais.
       
      Terminada a informação sobre o investimento financeiro, irei tecer brevemente sobre o nosso roteiro e outras dicas e percepções, mas procurando evitar o óbvio.
      DIA 06/06
      Vôo GRU X Lima: saída às 7h40min (aguardamos em torno de 30min dentro do avião para poder decolar em razão do FLUXO aéreo, cfme explicação do piloto). Resultou em 1h de atraso na chegada: pousamos ao meio-dia em Lima. Avião super confortável ( poltronas no formato 2-3-2).
      Vôo Lima x Cusco: saída às 14h40min (atraso de alguns minutos no portão de embarque - fomos de bus até o avião).
      "PERRENGUE": Reservei todas as minhas hospedagens pelo Booking, que informava que a hospedagem de Cusco ofereceria transfer. Escrevi mensagem para eles ainda em SP. Acessando os 30min de wifi free do Aeroporto de Lima, e não haviam respondido. Chegamos em Cusco e... Não tinha wifi free e nada de transfer. Pagamos 25 soles para um taxista fazer a corrida até o bairro de San Blás.
      "RECOMENDO": Jantamos no SUMAQ II, na Calle Siete Angelitos - nosso restaurante em Cusco. Barato, sem movimento, pizza em forno a lenha. Pão de alho e massa da pizza feitos artesanalmente e de forma excelente. Wifi bom tb. 
      07/06
      Compramos os ingressos para Machu Picchu no "escritório" do Ministério da Cultura do Peru em effectivo (em soles, sem taxa extra nenhuma). Fiquei monitorando pelo site oficial a disponibilidade dos ingressos e, deu certo.
      "RECOMENDO": Mês de Junho é cheio de comemorações em Cusco. Pegamos vários eventos tri em razão do Corpus Christi, concurso de dança das escolas infantis de todo o Valle (ainda tem o Inti Raymi no "solstício do inverno").
      Passeamos por Cusco mas sem entrar nas opções pagas de museus,etc. Só compramos o boleto parcial (70 soles por pessoa).
      "DETALHE IMPORTANTE": Fizemos a carteirinha internacional pq estudante paga metade no boleto "general" (o mais completo), mas tem a mesma regra que M.P.: só até 25 anos! pqp!!!!  E tem outra: li aviso lá no Cosetur, que a carteirinha da ISIC (que nós fizemos) não teria mais validade nos próximos meses!
      08/06
      Fizemos o tour pelo ValleSagrado, mas sem entrar no Parque A. de Ollanta, pois pernoitamos naquela cidade, daí curtimos o acervo na manhã do dia 09/06 com toda a calma do mundo! Pq como vários relataram, é pouco tempo para contemplar e tirar fotos durante o tour grupal. Fora que, de manhã estava vazio!!!! (além dos tours grupais serem de tarde, a Copa do Mundo diminuiu mtooo o movimento lá na região!
      "DICA": se puderem ir lá pra Cusco/M.P. durante algum evento mundial importante (Copa/Olimpíadas) será ótimo! Nada de empurra-empurra, tumulto, dificuldade pra enquadrar fotos... oh maravilha!!!!
       
      09/06
      Ollanta de manhã, e de tarde pegamos o trem às 14h. Ollanta é muito agradável, mas bem pequena, com poucas opções de gastronomia (após às 21h, ao menos). De tarde pegamos o trem - confortável, pontual, etc.
      Ao chegarmos em Águas Calientes, encontramos a galera que reserva hospedagem por agência aguardando ser chamado... Meio ruim isso!
      Jantamos o prato menu (como em quase todos os dias no Peru) por 12 soles apenas! E com direito a Pisco Sour dupla gratuita! Pq? Copa do Mundo! Poucos turistas, vários restaurantes... É galera do "mete a faca no turista"! Nos mercadinhos os preços se mantinham exorbitantes, mas estavámos bem preparados. Só queria ter comprado BANANA (plátano) pois li no blog ApureGuria, que isso atraia as ilhamas em M.P.! Mas 1 sole por 1 plátano.. não!
      10/06
       Subida pela escada inca: mais do que dor nos joelhos pelos quase 35 anos "de velhice", senti minhas coxas "ficando pelo caminho". Me apavorei comigo mesma, ao ter que parar várias vezes para descansar, mas conseguimos fazer o trajeto em 1h10min! 
      Não pegamos guia, segundo informações que colhi, só o pessoal dos grupos das agências não conseguem escapar. Se fez falta/se foi melhor, acho que é questão de opinião pessoal. Pesquisamos sobre a historia de M.P. antes da viagem. Enquanto a galera dos grupos guiados tinha poucos minutos para tirar fotos dos lugares, quase zero de tempo para contemplar a energia "em paz", nós tivemos, e muito! Saímos às 10h40min, tendo feito as 2 voltas no parque. Sentado um pouco para lanchar. Explorado tudo o que tínhamos à disposição (não pegamos nenhuma montanha). 
      Na saída começou a chover. Uma garoa, mas constante. Não descemos muito rápido para evitar escorregões na escadaria, mas deu uns 45-50 minutos.
      Só na estação do trem é que fui ao WC. Ah! Sou alérgica a borrachudos, passei repelente, mas não senti nada de mosquitos querendo incomodar. Como pegamos o trem às 13h30min, chegamos cedo em Ollanta e fui tranquilo voltar de "colectivo" até Cusco (10 soles).
      "SOBRE AS  VIAGENS COM O TREM": é disponibilizado wifi... Que era ótimo, rápido! 
      11/06
      De manhã compramos alguns souvenirs e de tarde pegamos nosso vôo para Lima. Gastamos aproximadamente 5h no aeroporto de Lima (bus para Huaraz era às 23h30min - coloquei baita margem de segurança), usando o wifi do Starbucks, e tb resolvendo um PERRENGUE!
       
      "PERRENGUE": no dia anterior à saída do Brasil (05/06) recebo e-mail automático da Latam - nossa volta teria um atraso de 12 HORAS!!!! (vôo da volta seria às 23h30min de 15/06 com escala de uns 40min em Assunção). Só que o vôo "novo" sairia às 24h de Lima. E vôo saindo de Assunção às 5h40min não "existia" mais, e sim, só às 3h da madrugada (o que era inviável), ou às 17h - resultando numa chegada às 8h DA NOITE, quando inicialmente seria às 8h DA MANHÃ do dia 16/6.
      Escrevi no Twitter, no Facebook da Latam... expliquei que só teria wifi e em poucos momentos durante a viagem... Esperei por 1 semana para que tivessem a competência de resolverem. Nada! Escrevi minha reclamação no ReclameAqui. Entretanto, usei o tempo ocioso para buscar o guichê peruano da Latam. As atendentes alegavam que não poderiam remarcar os vôos por ter comprado por pontos. Mas, com mta insistência, e mostrando os e-mails de confirmação da época da compra com essa diferença absurda, elas resolveram o problema! Pegamos vôo direto, saindo às 24h30min de Lima! Então, salvem sempre suas negociações com print de tela e tal para estarem munidos!!!!
      12-14 de Junho
      Chegamos em Huaraz às 7h e o Scheler (Artizona Trekking) nos buscou e levou até o nosso hotel.
      O check-in só seria permitido a partir do meio-dia, mas em razão do Scheler ter bom relacionamento com os donos do hotel, pudemos fazer check-in mais cedo e comer o desayuno.
      Assim como em Cusco e Ollanta, espirrava muita água do chuveiro (ducha) e emporcalhava o chão sem pano/toalha.
      Ficamos espantados, negativamente, com a sujeira vista pelas ruas de Huaraz. Nosso hotel ficava localizado na Av. 27 de Noviembre, a umas 2 quadras da avenida principal (da Plaza de Armas), tinha muiiito movimento de motocars, collectivos, carros, buzinas... Consideramos a cidade de Huaraz tb a mais barulhenta em relação as milhares de buzinadas ouvidas enquanto se caminha pelas calçadas (todo  mundo parece ser Uber com seu próprio carro lá - não vimos bus pelas ruas da cidade).
      Tirando isso... nossos 2 passeios feitos - o Glaciar Pastoruri e a Laguna 69 foram maravilhosos!
      A caminhada até o Glaciar é curta, mas por causa da altitude, e pelo nariz escorrendo pelo friozinho, foi "puxadinho".
      A caminhada para a Laguna 69 é bem mais longa, mas é muiiiito bonito o caminho, e não possui apenas pontos de subida. Mas cansa bastante!
      Na volta tomamos banho no hotel (pagamos 10 soles por pessoa pelo "late check-out"), jantamos e fomos para mais uma viagem de bus com assentos reclináveis de 160 graus.
      Ah! Jantamos guacamole (com feijão preto junto - delicioso!) e um sanduíche quente para cada um no Café Andino (Jirón Simón Bolívar). Foi indicação de outros brasileiros que conhecemos durante o hiking, pois havíamos comentado sobre nossa avaliação "mediana para não-boa" dos restaurantes de Huaraz que havíamos pesquisado). 
      Como estávamos extenuados pelo hiking, nesta viagem dormimos até Lima "apagamos"!
       
      SEGUE IMAGENS DO CAMINHO ATÉ A LAGUNA 69
       
      Em Lima, "matamos" umas 5h no aeroporto, até que pudemos despachar as nossas malas, e daí partimos para Miraflores para explorar um pouco a cidade.
      Comemos Ceviche e um Arroz com Mariscos delicioso por 40 soles (Calle Berlim, ao lado da Casa de Ceviche, um restaurante que nem aparece no Google... Tapadita/Tarapadita... a atendente foi muiiiito atenciosa explicando os pratos!). Além disso, comemos este combo para 2 pessoas (um combo para 2! perfeito!).
      Fomos a pé no Parque del Amor e no Larcomar.
      Na volta...ninguém queria nos levar para o aeroporto... tudo em razão do alto tráfego! Com muita súplica, consegui um "Uber" por 40 soles (ele queria 70). Tinha alguns que nem faziam preço, ao informarmos que queríamos ir ao aeroporto já negavam a corrida!
      "DICA": evite ao máximo os horários de pico para se deslocar em Lima! (era uma sexta-feira, 19h).
      No vôo de volta ao Brasil (Lima x GRU) tivemos a desagradável surpresa do avião ser um usado nas rotas nacionais - assentos no formato 3-3-3, que reclinam pouco, sem tela de entretenimento... E a janta/lanche era "alguma coisa parecida com um tabule" e frango - frio (!!!!), um pedaço de bolo, 3 torradinhas  e um potinho de cream cheese.
       
      OPINIÕES FINAIS/ "DESCOBERTAS":
      *** Se quiseres fugir dos custos do cartão de crédito, boa notícia: em todos os lugares aceitava pagar em dinheiro - alguns em dólar, inclusive.
      *** Alguns restaurantes/lojas/hospedagens e o Scheler (passeios em Huaraz) cobravam uma taxa de aproximadamente  5% se usasse o cartão de crédito!!!! 
      *** Não sei como foi para os outros mochileiros que contrataram os passeios com o Scheler em Huaraz. Mas para nós, foram outras 2 agências que noas levaram (no mesmo esquema do tour do Valle Sagrado - turistas de várias agências). Inclusive, na volta da Laguna 69, o guia/agência não deixou a galera nas suas respectivas hospedagens. Todos tiveram que descer em frente da "oficina" da agência, a uma quadra da Plaza de Armas. Pra nós até era perto do nosso hotel, mas pra quem estava longe, foi uma baita sacanagem depois do cansaço físico do hiking!!!
      *** Vários relatos me ajudaram na montagem do roteiro, mas para mim, o melhor foi do Ronald Zirbes (
       
      *** Levei R$ 500 que troquei em Cusco, mais US$ 580. Já havia comprado antecipadamente as passagens GRU X Lima (pontos Multiplus- 8500 pontos por trecho+R$ 250 de taxa para cada um), os trechos Lima X  Cusco por SafetyPay, as passagens de trem e de bus (Huaraz) por cartão de crédito mesmo (direto nos sites). Só paguei em cartão de crédito algumas hospedagens (uns R$ 400) e restaurante (uns R$ 150), porque ficamos com receio que acabasse a nossa grana em espécie. No final, voltei com 100 dólares e 25 soles peruanos! 
      *** Considerei muito satisfatório o nosso roteiro, apenas em Huaraz e em Lima saiu um pouco fora do imaginado.
      Dormimos mal no ônibus (não conseguimos descansar), daí a ideia que era, ir no dia 12/6 "direto" pro Glaciar, fazer a Laguna Churup por conta dia 13, teve uma pequena alteração. Dia 12/6 para descansar, dia 13 o Glaciar.
      Em Lima tb modificamos um pouco. Eu tinha  comprado o bus com a opção de parar na "rodoviária" da MovilTours que fica no distrito de "La Victoria", que é o mais perto de Miraflores. Mas meu namorado não estava afim de perambular com a mala dele, daí descemos na "rodoviária" Tomás Valle, e de lá fomos pro aeroporto, esperando o horário para poder despachar as malas. Até existe um guarda-volumes no aeroporto, mas era por hora/$ e ficaria caro...
      *** O aeroporto de Lima não tem mais terminais, como GRU e vários outros aeroportos brasileiros, assim, tinha muita gente para poucas mesas na praça de alimentação. E sem opção de salas de "espera" fora da área dos portões de embarque. Era difícil encontrar mesa/cadeiras.
      ***Fiz minhas reservas de hospedagem pelo Booking e não tive nenhum estresse com as acomodações.
      *** Nos sentimos seguros andando pelas áreas turísticas. Um pouco menos em Lima e Huaraz, mas na região do Valle Sagrado foi mto de boa! Isso que, dia 08/06 - dia do Valle Sagrado Tour, ficamos uns 30 minutos num paradero em Pisac (isso após às 18h, e já escuro), e em torno de 1 hora  no paradero em Urubamba aguardando locomoção. A locomoção entre Pisac e Urubamba foi uma van lotadaça por 4 soles. Já o deslocamento entre Urubamba e Ollanta (onde pernoitamos antes de ir para águas Calientes) foi de "Uber" compartilhado por 3 soles por pessoa!!!!!!
      *** Repito a dica de que, se puderem visitar a região de Cusco/M.P. durante um evento mundial, aproveitem, porque a muvuca é bem menor! E Junho é um mês de comemorações em Cusco!
      *** O guia do passeio para o Glaciar repassou uma dica que seguimos à risca, e reproduzo aqui: COMA CHOCOLATES PARA REPOR ENERGIAS GASTAS PELO ESFORÇO FÍSICO. MASSSSSSS, NA VOLTA! Ou, ao menos, quando estiveres no local destino (lá na contemplação da Laguna, por exemplo), PARA EVITAR ENJÔOS!
      *** Não achamos "tudo aquilo" Miraflores! Nada do que um bairro de bom padrão, assim como há em SP, em POA... Ah, lá o trânsito não era caótico. Aliás, que trânsito mais agressivo!!!! Trancam cruzamentos, carros/motos/ônibus/caminhões...vão "cortando a frente"... e isso é "normal" para eles! Fora a "proliferação" de ubers autônomos! Sinal de luz/buzinadas...quanta  poluição sonora!
      *** Os peruanos são maravilhosos, conseguem entender e se fazer entender com o Português, mas para pechinchar... algumas palavrinhas em espanhol ajudam bastante!!!!
       
      Acho que é isso, AMEIII o Peru! Quero voltar o quanto antes!
       


×