Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
StanlleySantos

Chapada dos Veadeiros 2018 - abduzido pela magia do cerrado!

Posts Recomendados

Cara muito obrigado pelo relato! Sensacional!

Em julho eu estarei indo para a chapada e quero levar minha mãe, ela adora natureza, mas já é uma senhora de quase 70 anos, no entanto, muito ativa.

Quais passeios/trilhas vc recomenda fazer que seja tranquila e que ela possa ir.

 

Desde já, obrigado.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fala Bruno! Valeu!

Acho muito massa vc dar essa oportunidade à sua mãe, aquele lugar renova a pessoa de um jeito que nossa.....se eu pudesse comprava uma casa lá e jogava a minha mãe por uns tempos lá, com ctza ajudaria, rs.

Agora sobre a sua situação, o legal da chapada é que tem opção para todas as faixas etárias. Eu vi idosos fazendo trilha em alguns lugares, e isso foi show. Dos lugares que eu fui, recomendaria a trilha da seriema no parque mesmo, é a mais acessível. O problema do parque é que é muito sobe e desce, não sei como é a disposição da senhora, mas até daria para vcs irem para a trilha das corredeiras (saltos é meio puxado, cânions e cariocas é menos sobe e desce, mas vcs vão pegar muito sol e andar) já que parte dela é mais plana e suspensa. 

As termas que citei (éden e morro vermelho) são bem acessíveis tbm, ambiente familiar, água morninha pra quando o frio baixar, acho que vai ser bacana tbm. Mas ali é só isso, de mato msm vc vê quase nada.

A cachoeira do poço encantado é boa tbm, pq ela fica bem próxima da entrada, forma uma prainha que é bem acessível. A cachu dos cristais tbm possui áreas pra todos os perfis de pessoa. Essas duas eu não pude visitar mas pesquisei a respeito.

Dizem que Raizama é bom tbm, não é uma trilha muito pesada, vc tem um contato com o cerrado e contempla alguns cânions pequenos e pequenas quedas. Quero acreditar que rola.

Vai na loquinhas, ela é super de boa, nas trilhas existem banquinhos pra descanso, aparecem uns miquinhos nas árvores que podem ficar perto de vcs, a água é um gelo, show de bola.

Acho que é isso, das que eu conheço. Tem muito banho na região, muito mesmo, vc pode se informar nos locais para pegar mais referências. Expus os lugares mais badalados.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
15 horas atrás, StanlleySantos disse:

Fala Bruno! Valeu!

Acho muito massa vc dar essa oportunidade à sua mãe, aquele lugar renova a pessoa de um jeito que nossa.....se eu pudesse comprava uma casa lá e jogava a minha mãe por uns tempos lá, com ctza ajudaria, rs.

Agora sobre a sua situação, o legal da chapada é que tem opção para todas as faixas etárias. Eu vi idosos fazendo trilha em alguns lugares, e isso foi show. Dos lugares que eu fui, recomendaria a trilha da seriema no parque mesmo, é a mais acessível. O problema do parque é que é muito sobe e desce, não sei como é a disposição da senhora, mas até daria para vcs irem para a trilha das corredeiras (saltos é meio puxado, cânions e cariocas é menos sobe e desce, mas vcs vão pegar muito sol e andar) já que parte dela é mais plana e suspensa. 

As termas que citei (éden e morro vermelho) são bem acessíveis tbm, ambiente familiar, água morninha pra quando o frio baixar, acho que vai ser bacana tbm. Mas ali é só isso, de mato msm vc vê quase nada.

A cachoeira do poço encantado é boa tbm, pq ela fica bem próxima da entrada, forma uma prainha que é bem acessível. A cachu dos cristais tbm possui áreas pra todos os perfis de pessoa. Essas duas eu não pude visitar mas pesquisei a respeito.

Dizem que Raizama é bom tbm, não é uma trilha muito pesada, vc tem um contato com o cerrado e contempla alguns cânions pequenos e pequenas quedas. Quero acreditar que rola.

Vai na loquinhas, ela é super de boa, nas trilhas existem banquinhos pra descanso, aparecem uns miquinhos nas árvores que podem ficar perto de vcs, a água é um gelo, show de bola.

Acho que é isso, das que eu conheço. Tem muito banho na região, muito mesmo, vc pode se informar nos locais para pegar mais referências. Expus os lugares mais badalados.

Stanlley valeu pela resposta.

Eu sempre que posso levo minha velha para lugares diferentes, trabalhou muito a vida toda, cuidou da família, tá na hora de aproveitar bem hehehe

Cara, que legal saber que tem passeios que são bem acessíveis, vou me informar melhor sobre todos esses que vc me falou.

Quanto a trilha das corredeiras especificamente, esse sobe e desce é muito intenso e muito pesado?

Outra coisa, li na internet que a trilha do vale da Lua era até que tranquila, vc acha que rola levar ela lá?

 

Novamente mto obrigado!

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olha, é um sobe e desce que consideraria médio. Não difícil como uma subida em morro/serra nem fácil como um passeio num parque de cidade. Aí vai do seu julgamento em levar. Tem a questão tempo tbm, vcs passam umas horas lá dentro no meio do mato, contando apenas com a boa vontade de outros visitantes, em caso de incidentes. O sol castiga em alguns pontos, tbm tem isso. Eu não levaria para trilhas mais distantes, mas como não conheço a disposição e condição física da sua mãe....

Vale da lua....eu acho que rola sim, quase não tem trilha. Só terem a devida atenção e irem devidamente calçados. Tem uma piscina no final da parte acessível do vale, muito lindo.

Agora que me lembrei que a trilha pra Santa Bárbara é super de boa, vcs só vão pegar bastante sol, mas ela é super fácil, leve, mas leve ela mesmo pq é uma visão de encher os olhos.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
3 horas atrás, StanlleySantos disse:

Olha, é um sobe e desce que consideraria médio. Não difícil como uma subida em morro/serra nem fácil como um passeio num parque de cidade. Aí vai do seu julgamento em levar. Tem a questão tempo tbm, vcs passam umas horas lá dentro no meio do mato, contando apenas com a boa vontade de outros visitantes, em caso de incidentes. O sol castiga em alguns pontos, tbm tem isso. Eu não levaria para trilhas mais distantes, mas como não conheço a disposição e condição física da sua mãe....

Vale da lua....eu acho que rola sim, quase não tem trilha. Só terem a devida atenção e irem devidamente calçados. Tem uma piscina no final da parte acessível do vale, muito lindo.

Agora que me lembrei que a trilha pra Santa Bárbara é super de boa, vcs só vão pegar bastante sol, mas ela é super fácil, leve, mas leve ela mesmo pq é uma visão de encher os olhos.

Obrigado novamente meu amigo!

Por ser uma viagem rápida, eu vou ter apenas dois dias e meio e ficarei em alto paraíso.

Tem sugestão de roteiro?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pow mano. Difícil recomendar. São muitas atrações, vc tem que pesquisar e ver o que é acessível para vcs dois, o que dá pra fazer na metade de um dia, num dia inteiro, etc. Mas vc ficando nas dependências de Alto e São Jorge mesmo encontra muita opção para sua curta estadia!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Stanlley,

 

Obrigado por seu relato! Moro em Brasília, já fui para a Chapada várias vezes mas nunca aproveitei que nem você! 😂

Esse final de semana irei pela primeira vez no complexo dos Couros e seu relato me ajudou bastante! Poderia me dizer se a estrada de chão até a cachoeira está em boas condições? O carro não é muito alto... mas aguenta vale da lua e loquinhas tranquilamente!

 

 

  • Curtir 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
30 minutos atrás, isaribeiro disse:

Stanlley,

 

Obrigado por seu relato! Moro em Brasília, já fui para a Chapada várias vezes mas nunca aproveitei que nem você! 😂

Esse final de semana irei pela primeira vez no complexo dos Couros e seu relato me ajudou bastante! Poderia me dizer se a estrada de chão até a cachoeira está em boas condições? O carro não é muito alto... mas aguenta vale da lua e loquinhas tranquilamente!

 

 

Salve Isa! 

Pow, que bom que o relato ajudou! Sobre Couros, vamos lá. A primeira coisa que vc precisa saber é que a rota para a cachoeira está disponível no google maps/Waze, então ajuda bastante. Se acontecer de vc acompanhar um carro que está indo para lá (de algum guia por exemplo), melhor ainda. Não vou negar, a viagem é demorada (pelo menos uns 50 minutos lá dentro pra chegar no estacionamento). 

É estradinha de terra, mas não muito irregular, creio que até carro básico (uno, celta, up, palio...) encara de boa, mas tem que ir devagar pq levanta muita poeira no processo, se tiver carro na sua frente, tem hora que a visibilidade fica mínima, então bastante atenção. Fora tratores ou caminhões das fazendas e tal. Eu não recomendo ir em dia de chuva pq dizem que forma muito atoleiro.

Ah, memorize bem a rota, pq dá pra se perder na volta (as moças do Waze que seguimos na ocasião se perderam um pouco, sorte delas que tinham combustível sobrando).

Ah, próximo do final tem uma ladeira bem difícil, onde tem bifurcação, ambos os caminhos servem pra chegar na cachu.

  • Obrigad@! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 15/05/2018 em 16:56, StanlleySantos disse:

“no meio do caminho havia uma pedra

E essa pedra era um quartzo rosa gigante

Com um parque que vivia em cima dela”

~Parque nacional da chapada dos veadeiros

 

Inicio o relato com essa frase, o que resume em grande parte a história e a cultura da região. E não é para menos! Passei uma semana maravilhosa desbravando alguns dos inúmeros lugares existentes nesse mundo repleto de boas vibes, misticismo e natureza. O objetivo do relato é passar informações atualizadas acerca do lugar para os futuros visitantes, e tentar descrever a experiência de outro ponto de vista, para diferenciar um pouco dos muitos relatos do mesmo local. Eu gosto de detalhar um pouco nos textos, então alerta de textão, ein (!)

É importante ressaltar que, em outubro do ano passado, um grande incêndio criminoso assolou o lugar, repercutindo nas grandes mídias. Graças aos esforços dos moradores, brigadistas, e voluntários de diversos lugares, o fogo foi combatido, e o cerrado, um bioma forte, para dizer o mínimo, se recupera gradativamente como uma fênix surge das cinzas. Pensei que veria um cenário de certa forma seco e feio, mas me enganei, e ainda bem que me enganei.

IMG_20180507_130644678_HDR.thumb.jpg.c97c516819d64f6e951f6021acb7820d.jpg

A flora do Cerrado é acostumada com incêndios, o ciclo de vida de algumas plantas e animais gira em torno disso. Ainda vemos marcas do incêndio de 2017.

 

Para resumir as infos básicas, reservei 7 dias da minha vida apenas para conhecer o lugar (é o tempo mínimo, na minha honesta opinião, se vc quiser conhecer bem a chapada, e sempre vai ficar faltando lugar pra visitar, o que motiva mais ainda para uma próxima visita :D ), e sobrou mais um final de semana para conhecer Brasília (se der para emendar, emende porque Brasília é RICA em opções do que fazer), estipulei um gasto médio de R$ 1.500,00 (barato, comparado com outras chapadas, vai por mim), e aluguei um carro com mais 4 viajantes (dá para ir sem carro, mas vc fica sem poder ver muita coisa dependendo do seu tempo lá, fora o risco de perder vôo, ficar preso em cidade ou vila tal, enfim). Ah, optei pelo mês de maio, por ser o final das chuvas, ou seja, ainda veria o cerrado mais verde e com os cursos d'água volumosos, perfeito. 

Partiu?

1º dia: chegada à chapada

A viagem mesmo iniciou no dia 5 (um sábado), depois de meses de expectativas e conversa com mais 4 pessoas com o mesmo objetivo em comum. Saímos pela manhã do sábado (a viagem leva entre 2 e 3 horas de BSB à chapada se não houverem imprevistos). Basicamente eu tinha elaborado um roteiro para essa trip, sabe como é, tentar “devorar”  essa maravilha ao máximo, sem ficar perdido nem nada. Incrível que dos 5, só eu tinha isso ::lol3:: graças a ele deu para curtir quase tudo, sem maiores imprevistos.

Saímos, acho que umas 10 horas de Brasília, mas a viagem custou um pouco, tivemos que fazer compras, fora que paramos para almoçar no Rancho do Waldomiro, para provar a tão famosa matula. Comida caseira ok, com licores e umas cachaças de diversos sabores para degustação (e quem sabe compra). Ah, o Rancho agora conta com um camping, que te dá acesso a trilhas para subir o conhecido morro da baleia, era uma coisa que queria fazer, e muito, mas acabou não dando pela falta de tempo kkkk

IMG_20180505_134245164_HDR.thumb.jpg.615681b7d3561324814a32bf188c6e4c.jpg

Paisagem apaixonante de um dos morros que cercam o rancho do Waldomiro.

 

A priori era começar a aventura em São Jorge, e deixar Alto Paraíso por último. Iríamos para o quilombo kalunga conhecer a Santa Bárbara, no meio da semana, então logisticamente era melhor começar em SJ, depois Cavalcante x quilombo para retornar e ficar em Alto paraíso. Isso pouparia tempo e combustível. Mas foi um planejamento meu, vocês decidem o que é melhor para vcs ::otemo::.

Enfim, atrasamos bastante, chegamos em São Jorge quase às 16:00 ::hein: e descobri que muitos dos atrativos fecham as portas cedo (Raizama às 15:00, Morada do Sol às 16:00, Vale da Lua às 16:00 se não me engano), então meio que perdemos o dia para boa parte das atrações. Fica a dica: Tentem ir cedo para os banhos, fecham cedo para dar o tempo para as pessoas retornarem, já houveram muitos acidentes em alguns lugares, então esse controle é um pouco justificado.

Mas há lugares que não fecham cedo! As termas do Éden e do Morro vermelho (basicamente clubinhos com piscinas de água quentinha) ficam abertas até a noite, então o grupo partiu para ter um pouco do sábado disponível. No meio da estrada, parada para tirar fotos em uma vista maravilhosa da região.

IMG_20180505_160657180.thumb.jpg.812ef5dd4e76e148638093a7abdfd193.jpg

Se na estrada já é bonito assim, imagina nos lugares, não?

IMG_20180505_161117468_HDR2.thumb.jpg.60d71059e93c271c778d3d91ecc129f1.jpg

Quase qualquer foto rola com um plano de fundo desses

IMG_20180505_162721863_HDR.thumb.jpg.c8b83b47e4fe420581aff955d8a9851c.jpg

Diga xis

 

Passamos umas horas nas termas do morro vermelho (R$ 20,00, vc fica até de noite), e retornamos para São Jorge.

Cara, a vila é um charme. Simples, com ruas de terra, basicamente tem uma grande rua principal, onde rola o “tudão” do dia e noite da pacata vila. Lembranças, mantimentos e um chopp gelado, td funciona ali. No sábado costuma ser BEM animado, pensei que estava rolando uma festa em particular :D mas não, simplesmente separam os sábados para os bares, o tal do forró, e a vila fica cheia de gente e carro circulando nas ruas (pode andar sem medo, é mais fácil uma dupla na moto te dar uma flor do que te assaltar). Gente alternativa aqui e ali, indígenas, hippies, desenhos estranhos em algumas casas, é uma vibe bem diferente da cidade grande.

IMG_20180505_205716928.thumb.jpg.e5795f3b27deab77a312ebc592cddc95.jpg

Típica noite na vila

IMG_20180505_205722983.thumb.jpg.ec157e6620f36039d8859e4c29e3d77a.jpg

A rua principal

 

IMG_20180505_213059646.thumb.jpg.d1f6eb4b13f04bd4f3e4b0db5f7daece.jpg

Pista de pouso para OVNIS?

IMG_20180505_205907189.thumb.jpg.8dc8203860d3e854d3d8f2f8cbf0e486.jpg

O primeiro et da chapada a gente nunca esquece kkkkkkkkk vai se acostumando

Fato que não vi em relato algum: a chapada costuma ser F R I A pela noite, e olha que estávamos no início da época seca. É tipo assim: sol de rachar o dia todo e noites frias da peste. Todo mundo andando agasalhado, vc se sente numa cidade sulista ::lol3:: confesso que sofri no camping, levei pouquíssima roupa pro frio tbm. E como sou do norte, acostumado com a “quentura”, aí já viu ::Cold::::Cold::::Cold::Mas, há chuveiro elétrico em praticamente todo lugar. Leve roupas para o frio, caso vc não for acostumado(a).

Lugar pra repousar não falta, eu e o Ricardo (um dos viajantes) escolhemos o camping Aracoara, Ambiente show de bola, vibe super positiva, e o dono é um cara mega humilde e gente boa, e guia também. Existem lugares para todos os bolsos, hostel, camp, até camping mais “gourmet” como o Ricardo falou ::lol4::, e do camp onde fiquei não tenho do que reclamar.

 

2º dia: compensando o dia anterior

Estipulei dois dias para conhecer o parque Nacional da Chapada, e é o recomendado, no mínimo, pq as trilhas são longas, você vai querer ficar nos locais para banho por um bom tempo, fora as fotos, que você tira mais de 8000. Então, um dia para cada trilha é bom (existem 4 principais, saltos e corredeiras, cânions e carioquinhas, Seriema e travessia das 7 quedas.). A seriema pode até ser emendada com alguma outra, por ser a menor. Por ora, a única coisa cobrada no parque é o estacionamento (15 temeres), há boatos de que o parque será privatizado, aí vc já viu ne. Mas até então é 0800. E o parque é do lado de São Jorge, se vc está hospedado(a) na vila, poupe o combustível e faça um aquecimento indo a pé. 

Ah, o parque abre às 8:00 e fecha as portas às 12:00 ou até alcançar o limite diário de pessoas, que esqueci agora LOL

IMG_20180506_081248222.thumb.jpg.5d88dac50c8ab64df90d350893705703.jpg

Finalmente nessa delícia de lugar

O domingo foi de Saltos e corredeiras. A trilha no cerrado é magnífica, te dá uma experiência maravilhosa de conhecimento, eu que estou acostumado com floresta amazônica, fiquei maravilhado com a flora do lugar (fauna também, mas dos mascotes do cerrado mesmo, só consegui ver 1, e no final da viagem).

IMG_20180506_083047499.thumb.jpg.05f1bc982526ddee805f38d7c91685a4.jpg

A trilha é autoguiada. Você praticamente só se perde se quiser 

IMG_20180506_090000073.thumb.jpg.fc6bbed6447906cc16adcc6f9b7b0abb.jpg

Mimosa

IMG_20180506_094752352.thumb.jpg.4fd5aa361a4523eadce807ad2585674a.jpg

A imensidão desse espetáculo da natureza é de encher os olhos, sério

O primeiro ponto é o salto de 120m. De lá vc tem uma vista TOP DOS TOP do vale x cânion da região, se vc tem um olho de águia, consegue até deduzir onde deve estar o mirante da janela. Essa cachoeira não é acessível, mas a visão por si só já é o suficiente.

IMG_20180506_101342011.thumb.jpg.336220dbcced996c68bf95384c41efeb.jpg

Chuchu beleza, um dos cartões postais da Chapada

Logo em seguida vc chega no salto de 80m. Nesse sim vc pode nadar, a água é FRIA PACAS, mas não chega a ser a mais fria da chapada (!). Dá para passar umas boas horinhas aqui. Há limite de lugares para o nado, é bom respeitá-lo, ok?

IMG_20180506_105402921.thumb.jpg.48c3cd6133cdcd2b35557348942a018f.jpg

A maravilha de 80 mts. As cordas de segurança estão por um motivo ali, então seja consciente.

IMG_20180506_103755460.thumb.jpg.b58ebd18e971fe3b1d0d0532f4943318.jpg

Lugar perfeito para se concentrar na confecção de arte, n eh msm?

Por fim, a trilha acaba nas corredeiras que alimentam as cachus, vc volta um pouco até a bifurcação na trilha principal. O acesso a este ponto se dá por uma trilha suspensa em madeira, isso é MUITO LEGAL para a acessibilidade de pessoas de idade, ou PNE’s (o parque tem até uma cadeira adaptada para se fazer a trilha, o que achei foda demais, sabe, fé na humanidade restaurada).

IMG_20180506_124719612.thumb.jpg.45346bbdcb8d3902b7ab5d7e296117d2.jpg

Rumo às corredeiras

IMG_20180506_124954870.thumb.jpg.1c35feb56968d647469308478e251d5b.jpg

E o passeio fica cada vez melhor!

IMG_20180506_130514362.thumb.jpg.47ebf534d0e3fa033c2b0cce07d346f9.jpg

A água dança e renova a vida no meio das pedras

Terminada a trilha, uma boa notícia: ainda havia tempo para conhecer mais um lugar. Decidimos conhecer o famoso vale da lua, que pelo que vc já deve estar careca de saber, tem a aparência de uma superfície lunar. Entrada 20 contos, vc dirige um pouco no ramal de acesso, mas a trilha da entrada é mega fácil e rápida. Eu não recomendaria ir a pé. De bike até pode rolar.

IMG_20180506_161639847.thumb.jpg.6e35aa1ada2e79b3b1cca6e7d260152f.jpg

Gravidade zero em solo lunar

IMG_20180506_160947366.thumb.jpg.7939bd15759e3b6a3bf96cd5e9ddc477.jpg

é bonito, mas cair ali é a última coisa que vc iria querer

Show de bola. O Vale é lindo, misterioso, e também fatal para os desavisados. Os buracos e grutas submersas oferecem perigo de morte a quem cair ali. Muito cuidado, e se possível vá de bota, por oferecer maior estabilidade no passo. O vale não abre em caso de chuva, até pq é comum formarem trombas d’água em muitos locais (veja um vídeo de tromba d’água num youtube da vida pra vc ver que não é brincadeira). Água também super gelada, no final há um poço para nadar e tirar fotos show de bola.

IMG_20180506_163459129.thumb.jpg.417e40350dca60e8741e345bfbe44043.jpg

 

Engraçado que nesse dia dei de cara com mais um rapaz que conheci no mochileiros, mas pelo grupo já estar completo no carro, não deu para viajar junto. Eu nadando de boa e ele perguntando do nada se meu nome era tal, confesso que foi mega engraçado :-D aliás, espero que sua estadia na chapada tenha sido ótima, amigo!

Começa o toque de recolher às 17:15: e por sorte o sol estava começando a descer, ou seja, dava para dar um bate e volta no Jardim de Maytrea para ver o espetáculo da mãe-terra. Super obrigatório ver o pôr do sol ali. Atração 0800, é fácil achar, só ver o monte de carros parados no acostamento da estrada Alto Paraíso – São Jorge.

IMG_20180506_174812437_HDR.thumb.jpg.ddb3c01bc85e625abe6b22ff6fd9393b.jpg

Se lembra daquela primeira fase do primeiro donkey kong? Veio na cabeça, rs

IMG_20180506_174952918_HDR.thumb.jpg.1e818ad1c6e79606fec89040b0875ea5.jpg

Massa, ne. Camping ae deve ser coisa de outro mundo

O dia super rendeu, compensamos o que não podemos fazer no sábado, e com juros. E a noite ainda não tinha acabado. Fomos para a pizzaria Canela d´ema, na principal de São Jorge, não tem erro. Pizza ok, meio carinha, mas rachando pra um grupo fica de boa. A decoração é show, toda temática com os famosos alienígenas da chapada, bebidas variadas, e tem karaokê, ainda por cima! Todos beberam e foram roubar a cena cantando, mas como eu sou cantor de chuveiro, e não de barzinho, resolvi ir dormir cedo para o dia seguinte.

IMG_20180506_204219033.thumb.jpg.b179af3c4b10165b9aec613b1e6cffd6.jpg

E ae, amigo.

IMG_20180506_204314994.thumb.jpg.761447eb63d757f7bea8af55f4686cd3.jpg

Ets hoje, ets amanhã, ets sempre

 

3º dia: trilhas difíceis e final de tarde sussa.

Nas segundas o parque da Chapada não abre, MAS é possível fazer a trilha do famoso mirante da janela, que te dá uma visão dos dois saltos do parque. É possível ir sem guia? Até é, mas é arriscado pq o caminho tem partes pedregosas que podem confundir, então pessoalmente sugiro que de primeira, contrate um guia. Vc decora o caminho, e das próximas vezes, show de bola. Contratamos o Rodrigo, do camping Aracoara (mais uma vez, super recomendo), e tratamos de sair cedo, para pegar pouco sol (pois é sol o dia todo, e essa é uma trilha de nível difícil). Ah, se vc vai com guia a entrada sai um pouco mais barata (15 reais), fora o valor do guia (geralmente em torno de 150 reais até 5 pessoas).

IMG_20180507_082708837.thumb.jpg.47f2568cdd1ff25951ae2c2400bc3551.jpg

Pegar estradinha de terra na traseira da Pick up não tem preço, me senti o rei do gado agora kkkkk

 

O Rodrigo vai explicando de tudo um pouco: história da chapada, o lance dos ets, a geologia do lugar, histórias curiosas, um resumo da flora local... descendo um pouco chegamos na casa do guardião da trilha, um senhor humilde e gentil. Dá pra beber água para pegar um pique também.

Encontramos uma cobrinha na trilha, mas fora isso, nenhuma surpresa. A parte fácil da trilha acaba quando chegamos nas proximidades da cachoeira do abismo. Ela já estava seca, e a água meio feinha, então seguimos.

IMG_20180507_092507031.thumb.jpg.2684934b990495c122326ed7a6c67551.jpg

A caminhada é intensa, mas visões assim te enchem de determinação

A caminhada exige um pouco, é um sobe e desce em pedras medonho, mas o esforço é recompensado com uma visão de reis do parque! Eu poderia passar o dia só sentado ali, contemplando toda aquela paisagem de cartão-postal e pensando em toda a minha vida =D

IMG_20180507_114203819.thumb.jpg.463b54df602af37bc83ba5e248b2ade9.jpg

Cara.....a gente estava ali ontem...

IMG_20180507_113022077.thumb.jpg.ae6fac8b6d11110edf41b13c60ce1b2a.jpg

A foto tradicional da janela, mas com uma pequena variação

IMG_20180507_120121774_HDR.thumb.jpg.7887502d23e0a3cda10f3441ced7220b.jpg

Como a chapada é magnífica, cara!

Se a ida foi cansativa, a volta foi uma via sacra para algumas pessoas kkkkkkkkk o sol da tarde em cima da sua cabeça, mais o cansaço da vinda cobram seu preço na volta. Para quem não está condicionado(a) com trilhas, é possível ir, mas vc pode passar mal, então tente se condicionar um pouco com caminhadas antes de viajar. Ah sim. É possível ir ver o pôr do sol no mirante, o que deve ser uma coisa muito show. Fica para a próxima.

Ainda havia tempo de visitar mais um lugar, então resolvemos conhecer a Morada do Sol. Na maioria dos relatos essa atração costuma ficar de fora, mas garanto que a visita vale. Paga 20 pila para entrar, chegue antes das 16:00 e fica de boa. Mas às 17:00 já precisa retornar, então se puder chegue às 15:00 no máximo. Tem uma trilha fácil em mata fechada no início, e consta de três ambientes: Morada do sol, um pequeno cânion para contemplação, apenas, e uma corredeira de águas calmas no final. Show de bola para descansar, nadar, tirar fotos.

IMG_20180507_150519378_HDR.thumb.jpg.1a5ff84d659b39e2efaf9794ebb64ab7.jpg

uma parte do cânion (vale das andorinhas)

IMG_20180507_151643245_HDR.thumb.jpg.42777e2e4a4dccc579e3d331a2559512.jpg

O final da trilha, bom para mergulhar e ser mordido por peixinhos

IMG_20180507_164214175_HDR.thumb.jpg.0f216cdc57c648f874a56deebdfcdb88.jpg

A morada do sol propriamente dita. Super tranquila de nadar, mas pode haver tromba d'água na chuva

IMG_20180507_171908792_HDR.thumb.jpg.3831b87d41d5a156879457302797ea3e.jpg

Chegando a São Jorge, demos de cara com uma caravana de voluntários realizando o cursinho de brigadistas, particularmente isso deu um certo sentimento de esperança na humanidade, sabe..... de tempos em tempos o parque abre editais, então fica a dica, se puder ajudar, faça a sua parte, ok;

A noite foi para descansar. Dia bem aproveitado.

4º dia: se despedindo de São Jorge =’(

Como era terça, o parque estava aberto novamente! Então, partiu parque. Poderia ter rolado cachoeira do segredo por parte dos meus colegas, mas como eu já estava no parque adiantando a trilha, não tivemos como discutir juntos, talvez rolasse um desencontro e eu ficasse preocupado com eles, então o dia foi de parque mesmo. Cachoeira do segredo que me aguarde na próxima ida!

Mais uma vez, atração 0800. A trilha dos cânions e Cariocas é a vermelha, e coincide com a trilha dos saltos por quase 2 km.

Essa trilha é mais “plana” e fácil que a trilha dos saltos, porém é maior, vc anda, anda, e anda, e pensa que não vai chegar kkkkkk, mas só a paisagem de cerrado é o suficiente para vc se distrair e devorar o momento 😃  em uma parte vc tem a bifurcação, tanto nos cânions quanto nas cariocas vc pode se banhar, mas os cânions são mais para contemplação, aí vai de vc.

IMG_20180508_084159038_HDR.thumb.jpg.2c97d4e852079b7c3a0e000d9b3cdcdb.jpg

 

IMG_20180506_122805402.thumb.jpg.73f3d16fc1a997676fa0f6ab13cdb133.jpg

O famoso chuveirinho do cerrado

Os cânions são cercados por estruturas de pedra milenares, mais que milenares, datam de tempos pretéritos da terra, e dão mesmo a impressão de que pelo menos um vulcão poderia ter passado ali, não; lindo o lugar, só tome muito cuidado, pois há perigo de acidentes, e o parque não dispõe de serviço de resgate. Aprecie com cuidado

IMG_20180508_100201609_HDR.thumb.jpg.8c4055e925d6502ed87c7165cec9ee77.jpg

Lindo

IMG_20180508_105329610_HDR.thumb.jpg.47351f18e6b6d793db1cf9cfb472381a.jpg

Sim, eu usei bandana e óculos praticamente a viagem toda. Sol infinito, meus amigos!

 

Depois teve as cariocas, que consiste de um paredão aquático muito bonito, espaço de sobra para nadar, muitos peixinhos te mordendo, e uma piscina acima, que dá um bom banho também. Dá para ficar um dia inteiro fácil ali. Visão de encher os olhos mesmo. Nessa cachu meu cel caiu num poço com água ::ahhhh:: o coração quase sai pra fora, mas felizmente ele resiste um pouco à água, e ficou de boa kkkkk imagina queimar e perder umas 1500 fotos ::putz::

IMG_20180508_122140467_HDR.thumb.jpg.ad83a047a92ebd801c6169f670b32c76.jpg

Magnífico tesouro do Parque ::love::

IMG_20180508_123552115.thumb.jpg.a1ef72d6373992d761fd28ccb494efd8.jpg

Só de olhar da vontade de pular dentro e se molhar, não?

IMG_20180508_135811692_HDR.thumb.jpg.d06a603f323984187ae7c15e09d2f9c9.jpg

 

 

Voltamos cedo para São Jorge, curioso que a vila fica bem pacata durante a semana, só abrem as lojas de lembrancinhas mesmo, e olha lá. O agito é aos sábados, feriados, e quando os colegas alternativos resolvem festejar algo (ali é uma mistura de culturas, tá ligado irmão?).

Com isso, nossa estadia em São Jorge estava, por ora, encerrada. Triste, mas algo mais bonito estava nos esperando no dia seguinte.

5º dia: a menina dos olhos da chapada.

Nesse dia, pegamos o rumo a Cavalcante x Quilombo dos Kalungas, no sertão do cerrado goiano. Objetivo: Santa Bárbara. Para isso, precisamos passar por Alto Paraíso, aproveitamos para reabastecer o vrum vrum pq a viagem custa. Saímos relativamente tarde, umas 9 horas, em alta temporada isso poderia nos custar um dia de espera, mas por sorte era dia de semana, e não estávamos em alta temporada, então foi tudo perfeito. Dica: na dúvida vá cedo.

No caminho passamos pela entrada da cachoeira dos Cristais (que não visitamos), o jardim zen de pedras e o suposto paralelo 34 (que também não deu pra visitar), e o poço encantado (adivinha? não deu também kkk).

Obs: você não para em Cavalcante, apesar de muita gente associar a cach. Santa Bárbara a Cavalcante. Isso é mito, ela é vizinha dos quilombolas, apesar de que há atrações próximas de Cavalcante, também. Passando da pequena cidade, você anda um pouco numa estrada de terra, meio complicado de chegar, mas com visões do cerrado e serras que compensam a viagem. Após umas 2 horas de carro, de alto paraíso, chegamos no pequeno engenho II, sede dos guias quilombolas. Nessa hora temos um choque cultural, vemos a realidade de um povo guerreiro, que vive de forma simples e aposta no turismo e venda de produtos para ganhar seu suado dinheiro, diante das dificuldades. Então aqui fica uma dica do tio, que com certeza já foi falado em outros relatos: contratem guias quilombolas direto da comunidade. Eles costumam ser mais baratos do que os guias de Cavalcante, e você está fomentando a economia do pequeno vilarejo, ajudando os habitantes. Sério.

Aqui, confesso que você gasta um pouco, mas vale cada centavo: 30 reais para a associação responsável pelos passeios (mas vc pode fazer umas 3 cachoeiras de uma vez!), mais 100 trocados para o guia, e mais 10 para o pau de arara, caso seu carro não aguentar a estrada de terra para a Sta. Bárbara (mas até Uno caixinha vi na entrada, então se vc manja de volante e se garante, pode poupar esse cash).

Os guias quilombolas contam diversas histórias, e no geral estão dispostos para tirar quaisquer dúvidas. Contratamos o Sr. Jesuíno, super gente boa, discutiu diversos assuntos, contou sobre seu ponto de vista do incêndio que assolou a região também.  Ah, é possível encomendar um almoço para ser consumido na volta, comida caseira derivada da terra e trabalho dos próprios quilombolas. Nada de nutella, conservantes ou enlatados. 30 reais para comer à vontade. Tem coisa melhor?

IMG_20180509_114127559_HDR.thumb.jpg.a3eba2a484f435ed0f310d02d8ee6255.jpg

Até o posto militar tem um design rústico no engenho, simples e bonito.

IMG_20180509_123849890.thumb.jpg.c3c630905dcc350217083340601bdff1.jpg

Mais trilha aberta

Você já ouviu a expressão “um oásis no deserto”? pois é. Santa Bárbara é isso e muito mais, de longe a mais linda da chapada. De tão azul e cristalina, nem parece natural, mas com certeza dá de dez a zero em qualquer piscina criada pelo homem. Aproveite cada segundo, pois há um limite de tempo de uma hora no local, além do limite de visitantes. O motivo: causar o mínimo de impacto natural possível. O horário mais disputado é o do final da manhã, pois o sol bate bem em cima da água, realçando o efeito das cores. As fotos parecem pinturas feitas a dedo. É. A chapada e suas jóias. ::love::

IMG_20180509_125022518.thumb.jpg.4f9e443807359113cf1f90793262082e.jpg

A Santa Barbarinha. Que cor de água é essa, cara?

IMG_20180509_131643080_HDR.thumb.jpg.fa32d280d156613ee3ddb70ee14061e4.jpg

Obrigado a Deus, grande Mãe, Gaia, Iemanjá, Espaguete Voador, qualquer um que tiver criado isso merece meu agradecimento! 

IMG_20180509_132959531.thumb.jpg.f52d5ecbb942635f09be3679ccac8261.jpg

As únicas fotos submersas que prestaram foram aqui. Pq será?

IMG_20180509_140710205.thumb.jpg.829a2569a96f88838673d3bb40a65e81.jpg

Legendas para isso serão poucas para descrever essa maravilha

Após Santa Bárbara, fomos para a cach. da capivara, que emendamos com o guia. Dá para fazer Sta. Bárbara, Capivara e Candaru no mesmo dia, com o guia, como chegamos meio tarde, ficaria meio corrido de fazer as 3 e aproveitar bem. Capivara tem uma piscina com borda infinita, um piscinão para banho mais embaixo, e um cânion imenso para contemplação em seguida. Show de bola também.

IMG_20180509_153317049_HDR.thumb.jpg.18ae35fbec6faae05dbed6fbbdde9e1d.jpg

Outro tesouro guardado pelos quilombolas

IMG_20180509_161235136_HDR.thumb.jpg.5f7ccf9ac35f5d65baf55a8ea09b6465.jpg

Piscina em Dubai? Nah, eu dispenso

 

Chegamos cansados, os demais colegas com fome, foram almoçar/jantar, enquanto que eu tratava de administrar a memória dos celulares. Levei 3 aparelhos, e ainda precisei comprar um cartão pra armazenar mais fotos e vídeos ::lol4::

Voltamos ao anoitecer, a estrada é um breu. Vá com cuidado e sem pressa que você chega lá. É possível dormir em Cavalcante, ou ir de uma vez para Alto Paraíso. Fica a seu critério. Em Alto, ficamos todos no Jardim da Nova Era, hostel e camping bem estruturado, equipe organizada e disponível para tirar dúvidas. Seria nosso lar nos próximos dois dias. Com tempo sobrando, aproveitei para dar uma volta na cidade.

Alto Paraíso é aquela cidade de interior com seu toque alternativo. A Av. Ary Valadão é a principal para o turista, uma mistura de sons, cores e cultura. Aparentemente às terças e quartas ela fica mais parada, enquanto que nos finais de semana ela começa a “bombar”. Noite parada, aproveitei para provar os pastéis da vendinha 1961, point tradicional de pastéis e comidas mais completas, costuma dar gente quase todo dia. Infelizmente não tinham sucos regionais na ocasião, mas isso não desanimou meu estômago

IMG_20180509_203846667.thumb.jpg.e6909d49b9e3bc2548aeb20a40f4389c.jpg

Lanche a luz de velas, isso pede uma companhia, ne

Sabe quando eu disse que faz frio na chapada? Pois é. Em Alto é ainda mais frio do que em São Jorge ::Cold:: todo mundo agasalhado como se estivesse numa Nova Iorque de inverno, e eu de calça e camisa normais. Não chega a incomodar para sair de noite, mas para dormir sim. E olha que dormia de calça, camisa de manga e capuz, saco de dormir, e acordava de madrugada reclamando do bendito frio.::hahaha:: Com isso eu pensava. “P%#*@, como que eu vou fazer a travessia da praia do cassino, ou subir o monte Roraima, Pico da Bandeira e afins no futuro, onde a temperatura é mais baixa ainda? Tou lascado bicho::lol4::::hein:”.

6º dia: Ets em todo o lugar.....e a água mais gelada da chapada (na minha opinião)

Alto Paraíso é uma cidade segura. Vc sai de madrugada para andar, sem maiores preocupações. Nos dias em que fiquei lá já levantava às 5 (sangue tem que correr ne), e ia conhecer um pouco da cidade. Podia virar uma rotina sair para caminhar ou correr todo dia nesse horário que por mim estava de boa. Temperatura na faixa dos 18,20 graus, ok. Nascer do sol bonito, procurava sempre um lugar bom para assistir o raiar do dia, até numa torre de um posto de gasolina abandonado subi :D

IMG_20180510_075135400.thumb.jpg.cc009fba36b87590ec38402362510539.jpg

Menino barrigudo me encarando

IMG_20180511_054430517.thumb.jpg.c57d0ba00ceaa1575872fbd757dcb0b0.jpg

Um amanhecer desses, bicho

IMG_20180511_060847879.thumb.jpg.66885d63a7844958d5dd04aeabbcfcc0.jpg

O que vc tá olhando?

Como é de conhecimento geral, a chapada tem fama de energia mística, que possivelmente atrai seres de outros planetas pra cá. A cidade tem referências de Ets em todo o lugar, o que deixa a coisa toda mais divertida. O portal da cidade é uma nave espacial, po.

IMG_20180509_085007559_HDR.thumb.jpg.61496409b9e4ab105b0aea4d7795bf4d.jpg

Será que isso sairá do chão um dia?

Para o dia, o combinado era loquinhas + Cristais. Eu sempre vi a Loquinhas como uma cachu secundária, sem muita coisa pra ver, passeio de umas horinhas. Como estava enganado também. Ela é fácil de chegar, de dentro da cidade, anda por um ramal ok, chega na entrada da fazenda e desembolsa 30 mangos. Parece caro, mas assim, o lugar de fato é estruturado, e as trilhas são suspensas, até mirante e local para descanso ou piquenique tem. E a loquinhas é uma das trilhas, A cachoeira mesmo é a das esmeraldas.

IMG_20180510_101348775_HDR.thumb.jpg.e9afa8fe4d66913240e25f11a9fbaa43.jpg

vai por mim, rola

IMG_20180510_102908713_HDR.thumb.jpg.6db23f459c192b784ec638ca54caf61b.jpg

O poço do sol, que de sol não tem nada, gelado que nem o cão isso aí

O poço do sol é um bem conhecido nas fotos, e o último da trilha loquinhas, ele é semelhante à da Santa Bárbara no quesito cor da água, mas este é esverdeado ao invés de azul. E ele é tão lindo quanto G E L A D O! Saía da água com o corpo dormente, em nenhuma de São Jorge tinha acontecido isso *lerigo.....go....*

IMG_20180510_105726563_HDR.thumb.jpg.04ad1ae1db76c93914102fd5d40904b6.jpg

Ah, que coisa boa

As trilhas são compostas de pocinhos, alguns ok, alguns bem sem graça e alguns lindos e fundos para nadar. Além do poço do Sol, adorei o poço da xamã, da trilha loquinhas, o poço do Saci, da trilha violetas, e o tranquilitas, da trilha rubi. Achei o poço da Xamã o mais bonito do local, tbm.

IMG_20180510_114457221_HDR.thumb.jpg.a88e3fe5cf0c29f6de6be8d1da966e7a.jpg

O magnífico poço da Xamã

IMG_20180510_131217167.thumb.jpg.06b60d8775333557a64e7586ab91ab4d.jpg

O poço do Saci. Será que foi o Saci que botou esses totens?

IMG_20180510_135752546_HDR.thumb.jpg.e43176257d1fa213a44e90d4c5a03209.jpg

Tranquilitas.

 

O grupo ficou uma boa parte do dia aqui, cochilamos até, no poço tranquilitas (olha o nome também ne), decidimos que a Cristais não seria bem aproveitada no dia, então voltamos para o hostel e camp mais cedo.

Com tempo de sobra, tratei de procurar aluguel de Bike. Eu perguntei no fórum, há uns tempos atrás, mas ninguém me respondeu, então cabe a mim a decência de dizer: HÁ ALUGUEL DE BIKE SIIIM!!! Tanto em São Jorge quanto em Alto. Aluguei uma no paraíso das bikes pq precisava pedalar na cidade, e curtir o pôr do sol na estrada de São Jorge (que aliás, possui uma ciclovia bacana). Já me sentia um só com o cerrado, um lobo-guará em formação, correndo pelos campos de gramíneas e arvoretas...melhor sensação do mundo, vai por mim.

IMG_20180510_171920896_HDR.thumb.jpg.32ab0704f8a573a93bda12cdb9a99ee4.jpg

Estacionamento errado, chapa!

IMG_20180510_173249145.thumb.jpg.632d3db08e1149ef1aacb3bf477a5984.jpg

Indo para o jardim.

IMG_20180510_174054174_HDR.thumb.jpg.b196c5d0755cfbc61164ad1b8962c79e.jpg

O ar esfria mas o sangue ferve de excitação

IMG_20180510_175210164.thumb.jpg.0c2e6604266f94aa5150e29146cbb46c.jpg

Pôr do sol na estrada com a magrelinha

Após isso, só restava dormir cedinho, e pensar no quanto a semana estava sendo bacana, com tanta coisa para conhecer. O dia seguinte tecnicamente seria o último dia de chapada, então a tristeza, saudade de casa, entre outras coisas, começavam a se misturar. Noite afogada em pensamentos, quase não dormi.

7º dia: Fechando com chave de ouro num cartão postal

Nesse dia, ficou decidido que visitaríamos a badalada catarata dos couros. Ela é um pouco problemática, pois fica no meio do cerrado e de ramais de fazendas, assentamento de sem-terra, campos de milho e abdução, e outras coisas mais. Guia é uma boa para essa, mas eu fui no CAT e nada de aparecer guia na manhã.

Então surge a nossa salvação: um casal de moças resolveu ir “na cara e na coragem” usando o Waze (obrigado desde já e sempre, casal do Waze, vcs são fodas demais ::otemo::), me meti na conversa, perguntei se podíamos acompanhar elas, por elas tudo bem. Eu já sabia que a trilha estava no google maps, mas como vc anda por uma hora dentro de ramais e ramais em território desconhecido, um erro e vc para na casa do leatherface kkkkkkk então era melhor ir de guia. Mas como tempo é precioso...

Conseguimos. Por uns instantes pensamos que estávamos perdidos, mas enfim chegamos. Eu vou deixar uma dica aqui, mas que seja nosso segredinho, senão a associação dos guias de Alto bate aqui em casa, ok? há pouquíssimas placas da cachoeira nos ramais, mas vc pode usar o rancho da dona Luzia como referência, há referências no caminho, se vc estiver indo ao rancho da Luzia vc está no caminho. Vimos uma Seriema no final, mas não deu pra tirar foto.

No estacionamento tem umas banquinhas pra vc comprar água ou comida, e paga um valor simbólico pro guarda cuidar dos carros. Acho super justo uns 15 reais simbólicos. A trilha é fácil a média, você chega primeiro na cachoeira da muralha, que é linda e a melhor para o nado. Pode ser deixada por último, para vc andar menos.

IMG_20180511_111029724.thumb.jpg.656d470b8b720a0e6a0bec844ad7da5f.jpg

 

La muralha

IMG_20180511_145949163_HDR.thumb.jpg.51043a561ec9bb7348443bad129aaef6.jpg

Show de bola pra nadar

Para ir para couros, só seguir a trilha do lado esquerdo do rio, há lugares nas corredeiras para tirar boas fotos e nadar também. Lindo, mas o melhor estava por vir

IMG_20180511_111244673_HDR.thumb.jpg.e731258d2d70833adc0480c4dd1d88cb.jpg

Eita poha

IMG_20180511_112825526.thumb.jpg.ac9542050d2d2d6787cdef47d5a72aca.jpg

Cheio de curvas e poços para o banho....mas aguenta coração ae

IMG_20180511_113417684.thumb.jpg.6cdbd1d5a4ee8b1c1480d0b16064db9f.jpg

Caraca! Não imaginava que a imponente Couros fosse tão grande! Você precisa descer um tantinho para chegar na base dela, e dependendo da época do ano, ficar na base dela é arriscado, realmente o lugar é perigoso, pq um passo em falso e vc é arrastado para os níveis inferiores, fraturas e afogamentos não devem ser difíceis ali, então tome muito cuidado. Se Choveu, melhor sair fora.

IMG_20180511_113910854.thumb.jpg.b6c279e2a107b2d5423f4b239bcae160.jpg

aviso dado.

IMG_20180511_120124630.thumb.jpg.128298108b68be48db6ac1641374e82d.jpg

Para vc ter uma idéia do tamanhinho da bichinha

IMG_20180511_125135715_HDR.thumb.jpg.d5b214397516d9a7359d216c8794caf1.jpg

Nível inferior, rola um banho, mas com cuidado.

 

Passamos um tempo em todos os lugares, e no final da tarde, retornamos, enfim, para Alto. Se vc for sem guia, é bom que memorize as referências dos ramais, há sempre uma porta, placa ou peculiaridade de uma bifurcação que pode te ajudar. Dá para se perder sim, então leve combustível suficiente para evitar perrengue.

A noite de sexta se resumiu em afogar as mágoas (os lugares badalados estavam abertos), e andar mais pela cidade, há sempre algo novo para se ver. Percebi que o povo goiano gosta muito de açaí e caldos diversos. Bem legal isso. Caldo combina com o frio, também, ne... Ah sim, há muita opção vegan e alternativa de comidas, também.

Enfim.....a Chapada dos Veadeiros é mágica, misteriosa, repleta de histórias, uma verdadeira aquarela da humanidade, com tantas culturas e caras diversas em um só ponto, é um lugar onde passaria meus anos finais de vida, com certeza. O globo repórter fez uma ou duas matérias sobre o lugar, mas sabe.....aquilo só te dá uma noção mega superficial do ato de estar chapado pela magia daquele ambiente sobre a grande placa de quartzo. E com certeza será local de férias em oportunidades futuras. 😃

 

Agora as infos básicas:

Transporte: Como é sabido, de BSB para alto vc pode pegar um ônibus da Real Expresso, a viagem é demorada, diz que os bus costumam atrasar.....para são Jorge existem viações e transportes específicos, pelo que vi num ponto da vila. Mas a cultura da carona existe. No Face existem vários grupos. Só entrar e anunciar. Em alto Paraíso existe uma parada de ônibus perto da nave espacial da cidade, é o point de carona. Em são Jorge o point é numa parada de ônibus na entrada da vila. Mas a melhor opção sem dúvida é carro próprio.

Hospedagem: isso não chega a ser um problema se vc não está indo em temporada alta, em casa esquina há um hostel ou camp, alguns ok, outros meia-boca, e outros de excelência, vai do seu gosto.

Custos: olha, rachando em grupo vc gasta menos do que o esperado, mas de uma maneira geral essa chapada tem um ótimo custo-benefício. Levei R$ 1.500,00 em espécie, fora o cartão, e ainda sobrou, e olha que gastei loucamente em algumas besteiras. Sendo mais “Julius”, poderia ter gastado em torno de 1.200,00, e isso incluindo um final de semana em Brasília que fiz após a viagem!

Levo dinheiro ou cartão? Leve ambos, em muito lugar de alto e São Jorge vc pode passar o cartão. Eu achei tudo bem seguro ali, então levar dinheiro em espécie (devidamente guardado) é super de boa. Posso confirmar que tem itaú e casa lotérica em alto paraíso e banco do brasil em cavalcante (mas não confie muito nos serviços). Não cheguei a ver caixa em São Jorge.

melhor época: o mês de maio é uma transição entre a época úmida e seca, então chega a ser uma boa pois vc vai pegar cachus caudalosas e céu limpo. E ainda não será alta temporada. Por que não ir no verão: cachoeiras e poços mais secos, sol mais forte. Por que não ir no inverno; Atrações fechadas pelo risco de trombas d’água, água não tão cristalina. Lá pro meio do ano rola o tal encontro de culturas, então se vc é caça-festa, acho que vai encontrar a chapada bem animada.

O que levar: além do básico pra viagem, recomendo roupa pro frio (para andar de noite e dormir), protetor solar e labial forte (estou com ferimentos nos lábios até agora em virtude da secura, e olha que usei protetor labial e me mantive hidratado), MUITA, muita água mesmo, e lanchinhos para as trilhas (vc vai passar o dia fora, dependendo do lugar, com os lanches certos vc nem chega a passar fome, comidinhas com fibras, sementes, sucos, frutas e sanduíches são uma boa).

Quanto tempo ficar: olha, mesmo com uma semana, faltou conhecer muita coisa. Eu não fui na cristais, almécegas, raizama, que são bem conhecidas, entre outras, a chapada é IMENSA, opção não falta, para todos os bolsos, pra isso, faça uma pesquisa prévia a respeito do que lhe interessou. Tem canionismo, tirolesa, vôo de balão, a pessoa que vive em 220v (que nem eu) fica bugada com tanta alternativa ::hahaha:: Se não conheceu tudo, já reserve uma visita futura, quem sabe vc não vê os etzinhos...

Ah, devo contratar uma agência? NÃO PRECISA! Essa chapada te dá uma liberdade que muitos lugares não dão, vc pode ir de boa para muitos lugares por conta própria. Aproveite.

 

Então é isso, gente boa. Permita-se, e seja abduzido(a) também 😃

muito bom seu relato já deu pra filtrar mais informações e ter mais ideias do roteiro que vou fazer pro mês que vem... apesar de não saber se é uma boa época pra ir , mas eu to muito afim de ir que nem to ligando pra isso kkk 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por raquelmorgado
      Quando regressámos da viagem pelas américas trouxemos connosco a mesma vontade de conhecer coisas novas e acabámos por transportar isso para as cidades portuguesas. Em outubro fomos viver para Lisboa e começou a caça às atividades giras, preferencialmente gratuitas. Foi dessa forma que a Raquel, pelo Facebook, encontrou as visitas guiadas ao aqueduto de águas livres que se realizam ao sábado de manhã. Nenhum de nós tinha visitado o museu da água e apenas conhecíamos o aqueduto visto da estrada, em trânsito. Quem leu em adolescente os livros da coleção Uma Aventura quase de certeza não falhou o que se passa no aqueduto – Uma Aventura em Lisboa. Se forem como nós, desde essa altura têm uma vontade de atravessar o aqueduto.
      Por ser algo garantido, não se valoriza devidamente o acesso a água canalizada, que está sempre ali, à espera que se abram as torneiras. Pelo contrário, quem, como nós, viveu alguns meses sem água canalizada, a ter de comprar cisternas de água para encher depósitos, sabe como este é um bem precioso. O museu da água (EPAL) tem a função de consciencializar a população para o racionamento desse bem precioso, uma coisa que tem sido muito falada. O caso mais mediático é o da Cidade do Cabo, na África do Sul, em que há vários meses se fala no Day Zero, o dia em que a água vai deixar de correr nas torneiras devido à seca extrema. Esse dia foi sucessivamente adiado por medidas de poupança cumpridos à risca, redução do horário de fornecimento, proibição de desperdício e atribuição de um rácio de água por habitante. Mesmo em Portugal, em 2017, houve dias assustadores, com diversas barragens abaixo do recomendado e duas pontes outrora completamente submersas a surgirem de novo na paisagem. Nós fomos à procura de uma delas e o cenário é realmente desolador.
      Muitos criticam os preços que a EPAL cobra pela água, acima da média europeia, mas nem tudo é mau nesta empresa. Estes sabem que têm um papel na vida lisboeta que vai além da tarefa diária de manter a água a correr nas torneiras, dando valor ao património histórico e cultural, sendo um dos exemplos o museu da água aberto ao público.
       
      Houve tentativa de criação de museu em 1919, mas só em 1987 foi instalada uma exposição permanente.  O museu tem um preço acessível, recebendo também concertos grátis e pagos. É constituído por:
      aqueduto das águas livres; reservatório da mãe d’água; reservatório patriarcal; estação elevatória a vapor dos Barbadinhos; Galeria do Loreto;
      Aqueduto das águas livres
      Os arcos que o compõem são uma das imagens de marca de Lisboa, visíveis da Avenida de Ceuta, Monsanto, Campolide, e até para quem chega de avião. O aqueduto foi construído recorrendo a um imposto especial aplicado aos bens essenciais, como azeite, vinho e carne, por determinação real de D. João V, em 1731, plena época de império português, onde circula ouro, diamantes, especiarias, tecidos e madeiras finas. Tempo de esbanje e de mostrar aos países vizinhos que temos tudo em grande, então, por que não fazer um aqueduto à sua imagem? Estes 14 quilómetros de aqueduto resistiram ao terramoto de 1755, mantendo-se inabaláveis os 127 arcos, inclusive o maior arco de pedra do mundo. O sistema completo percorria quase 60 quilómetros, trazendo água de 58 nascentes, tendo sido utilizado até 1967. Voltando ao início, em 1744, diz a EPAL que ao som de avé-marias, circulou primeira vez água de Belas (Sintra) até às Amoreiras, onde fica a mãe d’água. Fornecia 1300m3 de água, reforçados em 1880 com a inauguração do aqueduto do Alviela. É monumento nacional desde 1910.
      Foi cenário de diversas histórias e lendas, como a do célebre ladrão Diogo Alves, que atirava do topo do aqueduto as vítimas que roubava. Foi muito pela agitação criada por estas mortes que se fechou o aqueduto. Diogo é célebre por ser o último condenado à morte em Portugal, enforcado a 19 de fevereiro de 1841. Há um filme, estreado em 1911, sobre a sua história, e a sua cabeça encontra-se na Faculdade de Medicina de Lisboa, tendo sido estudada para perceber de onde vinha tanta malvadez. Voltando ao aqueduto, tem 941 metros abertos ao público, sobre o Vale de Alcântara. É uma caminhada fácil, agradável, com uma boa vista sobre a cidade, e com pouca gente em simultâneo. Tem um bebedouro junto ao portão de entrada onde podem encher garrafas que levem vazias.



       

      Reservatório da Mãe D’água
      Dois dos seus arquitetos morreram antes da finalização do projecto, que foi sendo alterado com as sucessivas trocas de responsável. Começou a funcionar em 1746, sem que o projeto estivesse finalizado. Passaram mais 80 anos, 7 reis, invasões francesas e o terramoto até que durante o reinado de D.Maria II, com alteração da imagem inicial, este ficasse concluído. Tem um certo misticismo, sendo amplo e luminoso. Arquitetonicamente é muito mais do que uma cisterna de água.  Tem um terraço com vista sobre a cidade, um tanque de 5500m3, quatro colunas e é utilizado para receber exposições, algo que já tínhamos visto na Argentina, em Mar del Plata, uma Torre de Água que também é museu.
      Tem uma pequena loja com produtos alusivos à EPAL, é um espaço bastante interessante, merece que se fique ali a olhar para a cascata que sai da boca dum golfinho e para o tanque.



      Reservatório da Patriarcal
      Em pleno Príncipe Real, por baixo da praça D. Pedro V, existe um reservatório que era abastecido pelo novo aqueduto da Alviela. É um espaço imponente, também misterioso, onde se fazem desfiles e concertos. Os dois tanques têm uma capacidade próxima de 900m3 e foi construído para reduzir a pressão da água entre as Amoreiras (Reservatório da Mãe D’água) e a baixa da cidade.
      Tem um 31 pilares e abóbadas que sustentam o lago que permite o arejar das águas. São visíveis as três galerias que partem dali. Uma vai até à Galeria do Loreto, outra até à Rua da Alegria e a última até à Rua de S. Marçal. Partem daqui as visitas pela Galeria do Loreto, podendo ver-se os capacetes de segurança dispostos no início do túnel.
      Todas as sextas-feiras, às 19h, recebe concertos de fado, em parceria com a Real Fado.


      Estação Elevatória a Vapor do Barbadinhos
      Chegou um momento na história em que era preciso mais água, o sistema existente não dava conta do recado, por isso foi preciso encontrar outra solução. Entre 1871 e 1880 construiu-se o Aqueduto da Alviela, que trazia água a 114 quilómetros de distância. O reservatório foi construído junto a um extinto convento, foi desativado a 1928, mas ainda conserva as máquinas a vapor e uma exposição permanente. Nota: A nossa viagem não incluiu os Barbadinhos.
       
      Galeria do Loreto
      O sistema tem várias galerias, como a das Necessidades, Campo Santana, Rato, Esperança e Loreto. Esta é a única visitável, com guia, em duas partes: 1) do Reservatório Patriarcal até ao miradouro de S. Pedro de Alcântara; e 2) do reservatório até à Rua do Século. Todo o sistema da galeria do Loreto tem 2835 metros. Dizem que vale a pena a visita, mas tem sido difícil enquadrar os nossos fins de semana em Lisboa com as visitas guiadas.
       
      Preços:
      Os reservatórios, a estação elevatória e o aqueduto são grátis todos os fins de semana de 2018. Nos restantes dias, os preços variam, de 1 a 10€, dependendo do que forem ver. As únicas visitas mais restritas são as da Galeria do Loreto, que exigem marcação prévia.
       
      Vale a pena:
      Aproveitando os bilhetes grátis ao fim de semana devem visitar o museu. Mesmo pagando, por 15€ conseguem ter acesso a tudo. O ideal é encontrar um dia não muito quente para ir ao aqueduto. Tanto faz sentido ir em visita guiada, para receber o contexto histórico, como sozinhos, para calmamente apreciar e passear nos aquedutos e os reservatórios.


      R. Alviela 12, 1170-012 Lisboa, Portugal   https://365diasnomundo.com/2018/09/19/agua-lisboa/
    • Por PedrãodoBrasil
      Travessia Chapada Diamantina Extreme (10 Dias, 176 km)
       

       
      (Ibicoara x Lençóis) Sul x Norte
       
      01 a 11 Setembro 2018
       
       
       
      Integrantes
       
      *Formiga (Guia)      https://www.facebook.com/formigueiro.formiga
      *Pedrão do Brasil (Idealizador do Trekking)
       
      *Luciano
       
      *Karla
       
      Saída de Vitoria no dia 30 de Agosto de 2018. Chega em Lençóis as 14:20 hs.
      Ida para o Beco Hostel. (www.obecohostel.com.br)
       
       
      Dia 31 ida para Ibicoara.
      Saímos de Lençóis cedo e fomos para Ibicoara, local onde o trekking iniciou. Nos Hospedamos no Refúgio da Família X no Campo Redondo.
       
      Dia 01 de Setembro ida a Cachoeira do Buracão.
      Liga ímpar e a melhor e mais bonita cachoeira da Chapada Diamantina.
      Inicio 10:00 hs
      Término 16:00 hs
      Ida e volta 7 km.
       
      Dia 02 Setembro. início da travessia extreme.
      Ida ao Baixão, onde se iniciou o Trekking, fizemos Cachoeira da Fumacinha por baixo
      Chegada ao entroncamento as 12:00 hs. Fumacinha as 13:00 hs.
      Acampamento entroncamento, Próximo a fenda as 16:00 hs.
       
      Inicio 09:30
      Termino as 16:00.
      12 km
      Dia 03 Setembro
      Saída do entroncamento (canyon da Fumacinha.) As 07:30 hs. Subida da fenda. Trilha da Fumacinha por cima.. Trilha da toca do vaqueiro.
      Trilha do Gerais do Macho Bomba.
      Pernoite na trilha. (Cela de descida para o Rio Mucugê)
       
      Inicio 09:00 hs
      Termino as 17 hs.
      24 km
      Dia 04 Setembro
      Saída da cela as 08 hs. Descendo até o Rio Mucugê, passando pela Matinha.
      Parada na Cachoeira da Matinha .Logo seguimos para Mucugê.
      Chegando por volta das 17:30 hs.
      Pernoitamos no (www.hostelmucuge.com.br)
      Inicio 08:30 hs
      Término 17:30 hs
      22 km
      Dia 05 Setembro.
      Saída as 09:30 hs.
      Pegando trilha para o encontro dos Rios Mucuge e paraguassu, passando pela AABB.
      Logo em seguida paramos na lapa do caboclo.
      Logo e seguimos para cachoeira do tomba cachorro. Local de nosso pernoite.
      Inicio 09:30 hs
      Término  17:00 hs.
      21 km
      Dia 06 Setembro
      Saída da  cachoeira Tomba Cachorro as 09:00 hs. Chegada no cachoeirao por cima as 12:00 hs.
      Chegada na igrejinha a tarde, triha irada e com subida bem suave, pois a trilha do Gerais do Rio Preto é muito boa.
      Inicio 09:00 hs
      Término 17:30 hs
      20 KM
      Dia 07 Setembro
      Fomos a Cachoeira do Funis já no Vale do Paty. Afinal a trip merece um bom descanso com Banho.
      Inicio 10:00 hs
      Término 15:00 hs e um merecido descanso.
      10 KM.
      Dia 08 Setembro
      Saída igrejinha as 08:30 h.
      Subida rampa. Gerais Rio Preto . Descida ladeira quebra bunda.
      Rancho.
      Gerais Vieira.
      Córrego das galinhas..
      Bomba.
      Capão
       
      Inicio 08:00 hs
      Término 19:30 hs
      28 km
       
      Dia 09 Setembro.
      Capão Dia de descanso
      Dia 10 Setembro.
      Capão
      Subida fumaça.
      Águas claras
      Poney
       
      Inicio 09:00 hs
      Termino as 16 hs
      16 km
      Dia 11 Setembro
      Poney
      Trilha lençóis x pai Inácio
      Gruta do lapão (Passando por dentro dela)
      Lençóis
      16 km
       
      176 KM
      Hard
       
       





























































      20180910_123055.mp4






      20180911_085808.mp4









    • Por danicsml
      Depois de algumas torrões de sol e algumas bolhas nos pés, sobrevivi para compartilhar (e tentar atualizar) informações sobre a nossa trip (marido e eu) nas férias.
      Bora lá: foram 14 dias de viagem pelas seguintes cidades:
      Los Angeles: 3 dias
      Las vegas:  2 dias
      Willian - Grand canyon: 02 dias 
      Page: 1 1/2 dia
      Monument Valley: 1 dia
      Moab : 1 dia
      Salina: só pernoite
      Las vegas: 1/2 periodo compras + 1 noite
      Los angeles: 1/2 periodo compras + 1 noite.
      Total gasto: 18 mil para o casal (é minha gente o dolar tá qse um rim). Segue a planilhinha em anexo. Pessoal eu vou consertar uns valores aq e já posto de novo!!!
       
       
    • Por beatrizz
      Saudações! 
      Esse relato é sobre a subida ao Monte Crista em Garuva, que fica perto de Joinville. 
      A chegada em Garuva foi na sexta dia 07 de Setembro, no fim da tarde. Optamos por passar a noite no Espaço de Vivência Monte Crista. Que não faz parte da trilha oficial pra montanha, mas fica a 2 km da recepção. 
      Sobre esse espaço tem muito a compartilhar, é um lugar místico, onde acontecem diversas vivências, como meditação, temascal, e outros. Há chalés do ladinho do Rio que você pode passar a noite ouvindo o barulho da água. A comida (3 refeições) está inclusa na diária e é vegetariana, deliciosa. Fica em torno de R$ 350 pra 2 pessoas. O espaço compartilhado tem muitos pássaros comuns da região e um local de oração e Cerimônia construído por índios nativos, ali há uma energia muito clara. 
      No sábado acordamos cedinho e tomamos um café reforçado, depois partimos até a recepção do Monte Crista. A entrada sem estacionamento é de 4 pilas. 
      Logo no início você passa por uma ponte pênsil legal. 
      A subida é pesada, porque o terreno é muito parecido em todo o percurso, subida íngreme e ganho de elevação rápido. Vários pontos com escadas de pedras construídas pelos jesuítas. É muito bonito. Diferente do Pico Paraná por exemplo, não há um grau de dificuldade tão grande com raízes e pedras, mas prepara o corpo pra resistência. 
      Enfim chegamos ao cume após 4:30, é importante seguir a trilha principal porque não há placas, e é fácil se perder. 
      No cume do monte encontramos vestígios de acampamento, porém não havia ninguém lá. Achamos estranho porque na recepção nos falaram que muitas pessoas haviam subido... 
      Arrumamos nosso acampamento e o tempo estava fechado, não dava pra ver um palmo na frente, isso também dificultou pra tentar ver onde as outras pessoas estavam. Em função do horário decidimos ficar por ali mesmo. 
      Não estava frio, nem tinha vento. Mais a noite o céu abriu e ficou maravilhoso, aí conseguimos ver as lanternas em um ponto um pouco abaixo de onde estávamos, depois descubrimos que lá encontra-se um marco do Monte Crista, que é onde deve acampar kkkk. Também é um lugar mais protegido do vento. Por sorte o tempo nos ajudou e não fomos lançados montanha a baixo. 
      A noite o bixo pegou, a temperatura caiu muuuito de uns 15 graus para cerca de 4. E não estávamos preparados, ou seja, a noite foi tensa quase não dormimos de frio..... 
      De manhã estava nublado, o sol não mostrou as caras, mas mais tarde alguns raios nos presentearam e deu pra fazer algumas pics. 
      Arrumamos as coisas e descemos a montanha, com quase metade do tempo, em menos de 3 horas chegamos a base. 
      Ps. Esqueci de levar panela, a caneca de metal de café, virou panela e chaleira, improvisos hehehe. 
      Enfim, voltamos ao Espaço de Vivência e conseguimos ainda descolar um almoço antes de pegar a estrada. 
      Ps2. Não é legal subir a montanha pelo espaço de vivência, primeiro pq há uma trilha por ali, mas pouco demarcada, a probabilidade de se perder é bem maior, segundo porque o espaço não tem controle e formulário de subida, e se algo acontecer será um transtorno para eles e para quem está na trilha. O objetivo do espaço é relaxar mesmo. Por isso sempre comece a trilha pela base. 
      No final da experiência há sempre saldo positivo, qualquer montanha 🗻 tem algo a ensinar, cada uma é diferente, especial, única. Aprendemos o que fazer e o que não fazer. Vamos captando os sinais do universo, sobre nossa missão. Aprendemos a ouvir o coração, e não a personalidade. 
      Quero voltar ao Monte Crista com objetivo de fazer a travessia do Quiriri. Mas esse é outro relato. 
      Avante, viver o que precisa ser vivido. 














    • Por PEDROMG
      Oi galera!
      Estou aqui (depois de alguns poucos meses) pra compartilhar com vocês sobre a minha primeira (de muitas kkk) solo trip.
      Se me perguntassem há uns 2 anos atrás se eu teria coragem de viajar sozinho, eu certamente responderia que não faria isso (por medo+tensão+acho que não consigo).
      Até que a vontade de romper essa barreira passou a me consumir e comecei então a trabalhar a mente e me preparar aos poucos pra que eu realizasse isso que se tornou um sonho, uma necessidade.
      Minhas férias do trabalho venceram mas decidi que só as tiraria quando definisse um destino bacana, que tivesse praias lindas (e que eu acreditasse ser capaz de me virar sem companhia rs).
      Foi aí que decidi ir em abril para #Cartagena e #SanAndrés (aquele paraíso onde fica o famoso mar de 7 cores).
      Comecei então a olhar as passagens, lugares para me hospedar, definir rotas, pesquisar sobre a moeda e preços locais e assim fui me familiarizando com cada detalhe e adquirindo a segurança necessária pra embarcar na minha #primeiraviagemsozinho.
      Comprei minhas passagens de Brasília > Panamá > Cartagena / Cartagena > San Andrés / San Andrés > Cartagena / Cartagena > Panamá > Brasília...
      E FUUUI!!!
      Ao chegar no aeroporto de Brasília, bateu aquele leve medo de: é agora!
      Embarquei e durante o voo, devido a tensão, me lembro que tive até um pesadelo.
      Cheguei ao Panamá, celular sem bateria, sem adaptador de tomada mas feliz e empolgado, confiante e pronto pra continuar.
      Lá estava eu desembarcando no aeroporto de Cartagena arrepiado e sorrindo ao mesmo tempo.
      Sem celular e sem voucher de onde eu me hospedaria, fui até o balcão de informações e pedi pra que olhassem pra mim o endereço do hostel... deu certo.
      Que cidade linda, que energia boa, cheia de pessoas felizes, contagiante!!!
      Conheci lugares incríveis, conheci pessoas legais (sou tímido pra isso, mas estar sozinho e naquele lugar maravilhoso acabou mudando isso até sem eu percebesse).
      Dica: se hospedem no Bourbon St Hostel Boutique.
      Depois de 3 dias muito bem vividos, bora pra San Andrés conhecer o Caribe...
      Chegando no aeroporto (que tumulto!!!), eu só queria ver aquele mar das fotos que me fizeram chegar até lá...
      E WOOOOOOOOOW!!! Inacreditável! "P**rra, eu realmente tô no Caribe!"
      Dica: se hospedem no El Viajero.
      Depois de uma semana, de conhecer a beleza surreal da ilha e nadar bastante, partiu voltar pra Cartagena (com todo prazer!) por mais 3 dias.
      Em San Andrés, assim como em Cartagena, conheci outros viajantes que estavam viajando sozinho pela primeira vez também e compartilhar as experiências e momentos foi fundamental.
      Talvez se eu estivesse esperado alguém pra me acompanhar, eu não teria tido essa experiência sensacional, nem conhecido tais lugares e ainda estaria me questionando: será que eu consigo viajar sozinho?
      Sobre os lugares que visitei, recomendo e recomendo de novo.
      *A única coisa que me contrariou durante a viagem foi que comprei um sombreiro (esse das fotos) de um vendedor ambulante por 20.000COP e pouco depois achei numa loja
      por 7.000COP... aff, kkk...
      Se tiverem curiosidades ou quiserem dicas, é só me contactar :)
      Estou pronto pra próxima... a dificuldade agora é escolher algum destino dentre tantos maravilhosos pelo mundo... porque meu medo, eu já venci \o/








  • Seja [email protected] ao Mochileiros.com

    Faça parte da maior comunidade de mochileiros e viajantes independentes do Brasil! O cadastro é fácil e rápido! 😉 

×