Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
mcm

São João em São Luís

Posts Recomendados

Há algum tempo eu tinha ideia de conhecer o Bumba Meu Boi do Maranhão, especificamente o São João de São Luís. É a maior festa da cidade e do Estado do Maranhão, e é daquelas manifestações culturais regionais brasileiras que o Brasil (ou que o Sudeste/Sul do Brasil) pouco ou nada conhece.

Pegamos o fim de semana que seria Dia de São João. Nós chegamos na madrugada de sexta para sábado. Era bem tarde, 3 da manhã, não rolava mais boi. Então fomos direto dormir. Ficamos num hostel bem barato no centro histórico. Cedo pela manhã saímos a desbravar novamente aquele centro.

Eu tenho fascínio pelo Centro Histórico de São Luís. Acho que escrevi isso em relatos anteriores. De alguma forma aquela beleza largada e destruída, com algumas relíquias restauradas ou em restauração, mexe comigo. Adoro andar por aquelas ruas e admirar cada construção. Estranhamente as degradadas me atraem ainda mais. Algumas precisam ser escoradas para não desabar. De outras só resta a carcaça. Várias cimentaram portas e janelas, provavelmente para evitar invasões e/ou vandalismo. Algumas estão restauradas. Os fundos da escola de música, por exemplo, fica num meio termo; não está tão largado, nem restaurado. E é das coisas mais bonitas que conheço naquela área. Se vc der a sorte, como demos, de ouvir alguém praticando canto, ou qualquer instrumento mais leve, por ali, torna-se momento cinematográfico.
 

 


A Casa do Nhozinho estava fechada. Museu de Artes Visuais também. Como falei, tinha muito mais gente visitando o centro histórico do que nas vezes anteriores em que lá estivemos. Tanto no sábado quanto no domingo. No domingo, aliás, rolava uma feirinha na Praça Benedito Leite (ao lado da Igreja Matriz) com apresentação de alguns bois.

Dessa vez conhecemos também o Espigão e o Forte que fica logo em frente. O forte é bacaninha, tem dois museus por lá. Um mostrando alguns barcos (salvo engano, era praticamente a mesma coisa que vi na Casa do Maranhão), e um de imagem e do som. Grátis, guiada e rápida. O espigão é bacana também, mas tava bem vazio. Provavelmente fica mais cheio do fim de tarde, quando o calor arrefece. É pena que as praias são impróprias, tem muita extensão de areia para curtir.

Foi um fim de semana relax. Curtíamos o centro pela manhã, pausamos para beber/comer, curtíamos algo mais pelo começo da tarde, descansávamos no fim de tarde (assistindo ao jogo das 15hs --- época de Copa do Mundo!), e saíamos à noite para curtir algum arraial. Na madrugada de domingo para segunda-feira voltamos.

Os bois

Uma boa referência que li antes sobre como é o São João por lá (para leigos) foi via Ricardo Freire, aqui.

Os bois têm “sotaques”, que entendi como diferentes tipos/estilos. Zabumba, Costa de Mão, Matraca, Baixada e Orquestra. Alguns, como o Costa de Mão, estão cada vez mais raros. O de Orquestra, mais musical, anda em alta. 

Os melhores lugares para vc conhecer melhor os bois na teoria são a Casa do Maranhão e a Casa da Festa (Centro Cultural Domingos Vieira Filho). Na Casa do Maranhão vc conhece os diferentes estilos dos bois e até a disposição deles no espaço. Tem vídeos também. E tem um belo visual do rio. Além de diversas outras festas e manifestações culturais do Maranhão. Vale muito a pena. É grátis. Das outras vezes que fomos lá, não estava aberta.

Na Casa da Festa tomamos um banho de conhecimento da Alice, estagiária que daria aulas para muitos profissionais. Foi das melhores apresentações que eu já vi, mesmo que tenha levado duas (!!) horas. E não era mera reprodução de cartilha, Alice sabia do que estava falando e respondia na lata às várias perguntas que fazíamos. Era muita coisa para apreender em meras duas horas, aquilo foi um curso.

No sábado fomos no Arraial do Ipem. Galera do albergue disse que era arraial dos ricos (mas a entrada é grátis!) e sugeriu um tal de Maracanã. Fomos no Ipem mesmo, era mais perto e conhecido. Com mais tempo, iria em todos que pudesse, mas a ideia -- para um fim de semana -- era conhecer um pouco. Tem muito arraial, todos os dias, em toda a cidade. E estou falando dos programados. Tem ainda aqueles que surgem do nada no meio da rua. No trajeto de uber para um dos arraiais acabamos bloqueados por um desses que surgem do nada na rua. Queria ter curtido um desses. Fica para uma próxima.

O Arrial do Ipem fica numa área fechada. Num determinado horário eles fecharam a entrada, de tanta gente que tinha lá dentro. Chegamos um pouco antes das 20hs, mas a primeira atração estava programada para as 19hs. A última estava marcada para 1 da manhã (mas fomos embora antes). Tem um palco grande, que é para as maiores atrações musicais. E outro palco menor, que é onde rolam as apresentações dos bois. Foram os que curtimos mais.

Tem várias barraquinhas de comidas e bebidas. Tem outras áreas também, com outras atrações musicais (uma delas era a do forró), tinha uma Igreja de Santo Antonio, tinha área para a galera brincar de estalinho, bombinhas e fogos de pequeno porte, tinha área para as crianças. Mas chegou uma hora em que estava difícil circular – foi quando fecharam a entrada. Felizmente o entorno da apresentação dos bois não fica cheio, vc chega perto do palco facilmente. O que fica cheio mesmo é a área das barracas de comes e bebes.

Demos a sorte de um dos bois contarem a história inteira da saga de Catirina e Chico. Foi bem legal. Se eu bem me lembro, foi o Boi de Sonhos. No dia seguinte, a Alice (da Casa da Festa) nos falou que tem sido cada vez mais raro os bois contarem a história toda.

Notei que a galera não fica dançando ao som dos bois, ficam mesmo é admirando. Claro que tem gente que se sacode, mas é exceção. Ao menos do que eu vi naqueles dias. Eu admirava também. É interessante, é bonito. Uma coisa que eu notava era a cara de alegria das pessoas que se apresentavam. Nem todos, mas a maioria parecia curtir muito estar ali. Os grupos são grandes, algumas dezenas de pessoas, e geralmente com sorriso estampado no rosto. Que legal!

Os bois estavam atrasados nesse dia (vários deles provavelmente se apresentam em lugares diversos na mesma noite, então o risco de atrasar deve ser grande mesmo), o que gerou necessidade de acelerar alguns. Percebi isso pelo discurso do Mestre de Cerimônias. Enfim, conhecemos, curtimos, e voltamos para dormir.

QGh9OUP2I_cIGCpzHUux1Ss1GZ_5aRHF3trJF_Atptp_jVDktM68qAtkCkp9yJi9Udo77W5L8S7lrZYCokPEbWGJ-nRt2_Uddwh9uMIogslAKiEALi2t8FkqejZnIQ1CfBq8TI4DIWqSdNnXWrww96RSlbv_G0YQmMVmtpYJC19mXXmQBzM0BIbd4iWVjLEtZDYw9jryA-Ki2NYyeLxyuUWsb1InHhHmrdUHC3Ysd4NXvUjXKf_YuOI0bve6BEr6j5Tf3PgiNN88mbXWvXXVE-bhCX7g5gIk6AmYL0iaERplrENb8erXUQ3AEBKhy6SNc2wKbzji3pjG8BTofq0JYNe_B7vKbfq6g3xiQ-vYSd-I8F0g8J_I-iAgV1Hw3ENc0-u_p187vFFqp34mU8hkFSblXHvYzz49mYjATIv4dAVHk8ieftU5DRexM1aHC8lJiITVV7mHaYZsL8zqKjAFNUkIGsLogN0mZdnQIF7EVBfWfDxUhRgkWfc_vMLGs2i3RuYKTuDFX901FSusWi7EzNPCrCwLgNLYMaKJ93j6iC8Sor8IBXftdHD1BKqwEmUQ9rYDkJdTUnz8sJcstm7DBtUR2q-Wdwgzw9S0B1Uk=w1650-h928-no

86Urmx7D_bj4h1umaL_B4zCRTvzxCpLbRa2jM9TNUXZO3sbXeWFPFv0KXwV_Uj9cHPIDrWOUIYrMplnFGIpLx8KXakJgTTxTh5-kCO6rWcTMDYt3dAP_c_9cvrBPvjm-VRHr0RiTa7MFh-YKk9bU_vPQNdIY1wykvQJyHh9IPleMvkaznirSpzC7CBmXvuzmiqi3YefvbLb-VNZXUfLAkXv2JZGiB0T2Gnlq96ap_dGSNyDUZhTq9NbVbICA-oW0u9VBQ-23YE2AmzEqK_3OZDC6EIWzg9qO-1JLLjG0YFQFfN2xlwpIV1171vCvjiXIQZy4ss20scejzh4-kOqUKltbCYzjbqzlISh5Zusph5KdoTvC-FsYUqEtJB5VfjI2U8gbbOvlrUxJXavxoErvz_O2F1HKUFYQ9TO897s5ijb4ys1Ul05Ik0JtFpnKDk6y6ghmYG4GOTNN3sBgx0cU49ZpJy6LT0dPon0mSH0g7r2wwVb5nusqEb0hkl54F6tzhupdyTvaxotAdb7els7QKhZ3LBUV1vOGL5Y24RBAAw3TfTyRMtOXqqThSdeSpiWy0M45zZJhWnua7xZ7H-_eGlad92K7OIei_iOcT-an=w1238-h928-no


Mjq29diPEy_oTei3NvS3nwVM_inlsUx4yXjuCvmEDNcsWfKqenALct42jL46WZDgFhzcOO6wD-D_rCThzsqt2cmuAuuyeEXQqwj4XwvrNlFAPUyMMfWynjLLUL8Hh9NRmjzI7oIeVrVm7bYDV4-fopeUMSe6_D-q3KHP6XyYVn-mYtRk3zqjHVMfsSPMttm3sR6_YWv1GnBJJpiL7raEMs-revV7dMMhi1GyDvQqB_LFbm4ittNy3BjFbB6xgKrgk65sfd6s677io4b8DnOPZA7vrTUJL6GiAq2ohjmCC7CjRIUCDjzs-1_W77vpST1DuI8reI9lVB6iko2JFnKe5Zz5qvwQKzSTtNDnqF7GHMLKesFoZz93wTh-3RQJmOWJt9X4dDeC2iNhX4GPtioTyZSCfxnV7D8Bs8wbgk0M26lIWs2LbHkFqbT8VcQav2JeOawAvC-QPYQgzgz9RafgafSIJZhAY8aa0kvUIxZenwI5HK3-A3776J1V7_iMFnOdNcxQFQhHzUtRLpgAmWQ8OBo6gseRl7XcJ7ih9h9U4eRn_AypDnLZmdWMg8VRSlAzzyuVJP-P2kr2Q23xDIftseHQ1BZnnybsLlt9wRr9=w1238-h928-no

No domingo fomos no Arraial Maria Aragão. Fica a uma distância caminhável do albergue, e já estive naquela praça antes, mas de dia. De noite preferimos pegar um uber. Lá o arraial é aberto, é uma enorme praça. Tem ainda a praça Gonçalves Dias, que fica logo acima, de onde vc pode ver as atrações. Maior galera fica na escadaria vendo lá de cima, nós ficamos um pouco também. Tem barracas, mas lá tem muito ambulante também. Tal qual no Ipem, o entorno do palco é tranquilo, dá pra chegar perto e admirar os bois. Nesse dia tivemos a sorte de ver um Boi Costa de Mão, que é raro. Mas que, a bem da verdade, não empolgou muito. O seguinte, de Orquestra, mexeu mais com a galera.

kW6yOq-Gg-LfKi-5959CXC-R97Y0bTlWZngYgHBaL5_nZSz0RBWlyWlQLGSfJAeEJWNook1cVU_e8-nean1oOfltAxi_kOKgZQwR3ayMpuOvXdzJfGWN-E9thodc59hTx47b0Za4sD1Px84PJCjrto3loALB6udu1qxah6HWJUH5-1vTt4POTUiEjZpU6TzDGdYIZRdRwmsXYAHTNDSjQEcbdk-zPbByMQ6riaFZxWXWRqJHE5zq6C17rIXnDsxPjcCBWK8jKRYbYv1qn6yOihVn2fvQKOFKQd5Ym6ETWu4f-0g5S4dwYWFx82Yfoj8td2bE82ZJnNqE30viuVLcQ55IMC44HaCKjbkR5TcDomXhB4tIcv7WyJ71Y28m244ERSnxG6kfcz6z4n82_3kj2cQdUGF1xWsh5nR9l9YNvDiXrWzkPNzJldFTxrYTEMQ62XsekHLIvpXVQxd0x77qV1520K-a1w8MgV743GWH3IlDIu0W2FTF2b8hQ86fdkqiiD5iXc232xDOcImTf3G6x8oPQxy8d_YCj7HVqVlYb2jKgpDEcHkOzDtUDXDJty5_W4Ndfi2avMTiGtvqkPXiXdDxBoFrSN9rSebPNOq4=w1238-h928-no


SQMA5aeOymfJwelJxI2fmrUs0qPu-J-ZNVyBWiheNuEpJY2wKeDuxNDg9QsusQCOBFMKXq6r78tvmqkCfawa4igfnaVM-rIWw2syu3B47MT713TAcZJHhR0x43ke7ZxPZTbb31uU0AmpBBwI5rOZpAzN3jYNfdMbgDLIE1FG8fPA0ShtOcQ4KS5Ur77o1ujmO7b3W37kmPN2FloPCE67FY9_UJESNy4dg2oX7O8QC0ZYDCB4_oiTm-p52-_j1yoPUSuPM4bLZhuvQvGNpOqoUXIKOzmGi542cj-OmLNuQnYh5jyJhj9V4TTcOAlTq4tJW8XoLCeAB4HCuvqSsOVw2EZFsvAL-3J7KUQnRmPDDmUjH4rj76hYqbaq-PAyqmQ0oYe_5HG4cVQfny3ee_Tx6rNQFa3XNZeqrA0RbwZFYx1FcPUs3H3H6RBX3FlvGPTbazSOnTNEvftpO6H4-G2pN9hLxGb3f-3yGawngEdutAomgCjBbdm7XgFb0SglwNblOHTX9VckdCG27dvbz4XFZYqI_2fpmZPTZA-9ozvWjTn9oenl2ezjJz3uB6EjlGenmuNEW449RTT6Ehv4GAxrUidFskZsCGEhfmWpz0a_=w1650-h928-no

6tQWwm5vjZGsSu3AhWG06zEx-P3j9GnyZt3rudq3XGkLhnb09lh0UWwZKzob2kSg6MY4r15MYI9pQWuI1p0yAsLiItXliH1YZKaXWLPp10aCsEwexP2LBRvnEqWdwBdME5nigLVQGmmjjCipankeJa98ZrFGpx1QMOHGcU3PVx501rxAtsfY5bcaYcU12q3gmsinfiU4jhD6x23Suuu3aTyCSKazgABAB4UJz3_5VTRyqnQwGKLJj5Oh0aPeyq_2CS4YZKTuB8CmrrLgkCd7ki4KLcpHx9tcYYJoMODX7dkVMbGn-6kt_DemTwOupFnBj-WQYxCQPDk0KYbI17U-flScXnKs7ntDE9SyKM-9IfQ70A65G5k7kh0ZZz1VZYbeY579lhdzXhLd4axa-r5uWNsWHj6-0ptkul6cfAIkQnqYs5SyFzY7wSriAwSrnFCd7BZL8taohybb23zcwl5GCv32R44rblyT6hDId-b1V6rrZp_vbARBmwL1Ad50WFyuCAWVucBJ-ZrBaPAJH-VgMRSr4n8u0g2B6lMePC1K5lYTOGGc5uDsJT1UFGrDevgZk9Q6UymqY8szKhO21yyQpuZzFZDdXp2OPIvwUdCz=w1650-h928-no


jfw5IuQFHjt4Y8wz4qhsw9S0AtMb0dABVvDPq7Os1fms8UVZ95XpKtVmiy-QDcYJvHDmLolAM_bXS0MjRHRgEuVzNWQfI48PVTEsUiX_vaoGVDDgRJVZ9QijG8AA0Av2cOmJylXwRYyC4BCsXfvNC2I6VYMkTRga43B4H7Ps-CVm_zsYjgN5HneIfWh0AZtv0RawF1ExxD-aLR0QrKCzQ3u7gchaoP0kDx7omKvlBpY3YwefrmS2pHP60d0tn40SxPCTW6lnGPiJ9spHiYAmjTuspEZCHhfjTb8Op_ZS5oa9vfjJhKQnAYqNM3pjB-ZUkDaDelrJzkICDCBzvWVcONNRj4PV4wCEXLTbdB1Lydur8Ku4tqUbtRh9SY-pQhY94renVNlB0dAzPWu3kTPH4nvI7XjfiaBwj61jW7fccqqRPd4Sm2GgSvUJ_oMqc6JQ_-hQ99sTeKMD5BCrZCJTOncFy99CHPJNfwNxJj1CzcVW2DMzMPQ2qB7ZAggUf3vUw5fF2kxqN3-GFH3EDMoo-0ktq1BgME3MMnRA4GSvswCUHEgxSsUc_qAAM1f71qkFiDSyrxd2eBpaoTdGcHTyDVRcnQGSveaO3AE_c9A2=w1920-h719-no

Lá também tinha dois palcos, a mesma coisa do Ipem. Show no maior, bois no outro. O espaço por lá é maior, então vale ir na praça de cima e curtir o visual. Ver o boi de cima, ver da escada, ver de perto, vc escolhe. Novamente conhecemos, curtimos e voltamos. Eu realmente gostaria de curtir mais e por mais tempo, mas o dia seguinte era de trabalho, então valia a pena dormir algumas horas antes de encarar o voo de volta. 

E assim foi!

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  
  • Conteúdo Similar

    • Por tathivet
      Estou querendo passar 8 dias em São Luis, alguém tem alguma dica de lá? è perto dos Lençois?
    • Por Nilson Jr
      Relatos de Viagem – Lençóis Maranhenses e São Luís 
      Olá. Como forma de retribuir as dicas que sempre recebo aqui vou deixar meu relato de viagem aos Lençóis Maranhenses (Barreirinhas e Santo Amaro) e a São Luís.
      Os Lençóis Maranhenses são realmente aquilo tudo que você vê nas fotos, desde que você planeje ir na época certa (Logo depois das chuvas - entre junho e o início de setembro). Eu fui em Maio de 2016 e dei muita sorte.
      Para se ter acesso aos Lençóis você pode acessá-lo por três localidades:
      -Barreirinhas - Para onde vão a maioria dos Turistas e por isso tem uma maior estrutura e opções de lazer);
      -Santo Amaro - Localidade muito pouco desenvolvida onde só tem acesso a ela em carros 4x4 para atravessar um Rio que a cerca. O munício não tem estrutura para receber turistas, sem opções de lazer a noite (Só Forró na beira do Rio) e só pega uma operadora de telefonia; e
      -Atins - Também com pouca estrutura e pouco desenvolvida.
      Não aconselho essa viagem para pessoas com bebê ou pessoas com problemas de coluna, reumatismo e etc. Você tem que andar muito pelas Dunas de areia fofa num sol escaldante.
      Antes da viagem eu já havia contratado um transfer de VAN do aeroporto de São Luís para Barreirinhas, mas também existe esses transfers oferecidos diretamente no aeroporto. Cheguei lá o motorista já estava me esperando com uma folha com meu nome e de minha esposa. Embarquei nessa van por volta de 15h30 da tarde e só cheguei a Barreirinhas à noite. São quase 250 km em 4 horas de viagem.
      A empresa que fechei o transfer foi a G.I CONECT, Fone: +5598 3254 0328 / email [email protected], e custou 60 reais por pessoa somente a ida em maio de 2016.
      BARREIRINHAS
      A Pousada que fiquei chama-se Paraíso dos Lençóis e fica muito bem localizada numa das principais ruas de Barreirinhas. A pousada é nova, com boas instalações e com um café da manhã perfeito. Com muita variedade. A proprietária, muito educada e prestativa, explicou tudo sobre o lugar e os passeios.
      Fachada da Pousada Paraíso dos Lençóis:

      Café da manhã na Pousada:

      Na VAN, o motorista nos indicou uma agência de turismo chamada Ilha Turismo, (Tel 98 3349-1985 / email [email protected]), com preços muito bons. Fiz logo um pacote com todos os passeios que eu tinha em mente e por essa razão pude pechinchar ainda mais o valor.

      Os passeios que fiz foram:
      18/05 - (Dois passeios no mesmo dia) Circuito Lagoa Azul às 9h30 e Circuito Lagoa Bonita às 14h00;
      19/05 - Quadriciclo às 8h30 (Com passeio ao Farol de Barreirinhas localizado no povoado de Mandacaru por barco incluído neste); e
      20/05 -  Atins; e
      21/05 – Santo Amaro (Fiz esse passeio e aproveitei e levei minhas bagagens na VAN e fiquei logo lá em outra pousada. Esse passeio não tem sempre, pois é mais caro e bem longe. Tem que deixar o nome e ficar na esperança de formar o grupo.
      Tinham outros passeios também, mas como o meu tempo era curto, fechei esses que eu considerava como imperdíveis.
      Circuito Lagoa Azul  - 2º DIA (R$ 70 a 90 por pessoa)
      Esse passeio foi o mais movimentado que fizemos, pois é o principal passeio para aqueles que realizam o bate e volta São Luís x Barreirinhas.
      Pegamos a “Jardineira” na frente da agência de turismo (Veículo 4x4 antigo com adaptação com bancos de madeira para passageiros na carroceria) e andamos por muito tempo dentro das matas, enfrentando rios e muita areia fofa dentro de caminhos improvisados no meio da vegetação. São 12km sacudindo e por no mínimo 1 hora numa velocidade quase que constante para não atolar. Por isso torna-se tenso também para crianças, idosos e pessoas com problemas de coluna. Se você ficar na ponta do banco toma muita “galhada” no braço e se der mole até na cara. O primeiro passo é desembarcar da jardineira e colocá-la sobre uma balsa para atravessar um rio. Depois é só aventura até chegar no ponto de início do passeio.
      Atravessando o Rio das Preguiças pela balsa:

      A Lagoa Azul é a principal e mais famosa dos Lençóis, mas você vai ver muitas lagoas no caminho como as Lagoas da Preguiça, da Esmeralda, do Peixe e da Paz.



      Circuito Lagoa Bonita - 2º DIA (R$ 70 a 90 por pessoa)
      Fomos à tarde, assim que almoçamos no Centro de Barrerinhas, na volta do passeio do Circuito Lagoa Azul. Tratamos tudo com o guia e a jardineira foi nos pegar no próprio restaurante.
      O Circuito da Lagoa Bonita é composto pela Lagoa do Maçarico, Lagoa do Descanso, Lagoa do Clone (onde foram gravadas cenas da novela global O Clone) e a Lagoa Bonita.
      O Circuito da Lagoa Bonita proporciona ao turista uma visão mais ampla dos Lençóis Maranhenses. Do alto das dunas, você irá avistar muitas outras dunas e lagoas, formando imensos oásis. O difícil é subir na duna principal que dá acesso a essas lagoas, principalmente para quem não tem um bom preparo físico. O desafio enfrentado é subir uma duna íngreme com 30 metros de altura. Tem até uma corda para ajudar na subida.

      Subida íngreme de 30 metros. Lá embaixo ficam as barraquinhas com artesanato e comidas típicas. Ficam também estacionadas as jardineiras que transportam os turistas.

      Quando você chega lá em cima é difícil não comemorar... mas o esforço é logo recompensado pela linda vista.




      O pôr-do-sol de cima da maior duna é realmente fascinante no final do passeio.

      Voltamos exaustos no final da tarde para casa. A noite fomos andando a pé até a orla do Rio Preguiças, o local mais badalado de Barreirinhas à noite, onde ficam os bares e restaurantes... Lanchamos no Subway nesse dia.

      Passeio de Quadriciclo - 3ºDIA (300 a 350 por quadriciclo)
      Já fiz muitos passeios de quadriciclos pelo Nordeste, mas esse sem dúvida foi o melhor deles. O circuito é muito legal por ser cheio de desafios, como passar com o quadriciclo no meio de riachos e pequenas lagoas, como também enfrentar dunas bem íngremes. Usamos a tração 4x4 em várias situações. Fora que você anda por horas e por paisagens deslumbrantes. Vi que nessa minha agência você pode mesclar passeios para ganhar tempo. Tipo, pode fazer passeio de lancha pelo Rio Preguiças, descer no último ponto do passeio, e voltar de quadriciclo. Teve um casal que conhecemos que optou por essa modalidade. Esse passeio sai logo por volta de 8h30, tem parada para almoço na Praia de Caburé e volta pela tarde.


      Fomos avançando pelos pequenos lençóis até a Praia de Caburé, onde almoçamos...


      Deixamos os quadriciclos nesse restaurante, pegamos uma pequena embarcação para conhecer o pequeno povoado de Mandacaru e o famoso Farol de Preguiças.




      Voltamos ao restaurante, pegamos os quadriciclos, e fomos para a localidade chamada Vassouras. Lá tem uma estrutura para recepção de turistas com comidas, bebidas e artesanato. (Essa parada faz parte do passeio de lancha pelo Rio Preguiças e do passeio de quadriciclo)

      Paramos para descansar, beber água de coco e o mais legal: alimentar os macaquinhos. Lá é vendida a 2 reais pequenas porções de bananas cortadas para os turistas alimentarem os mesmos.


      Passamos por uma lagoa linda com redes na água. Lembramos na hora da Lagoa do Paraíso em Jericoacoara – CE. Que saudade...

      A noite fomos passear na Orla do Rio Preguiças e comemos um Baião de Dois no Restaurante Barlavento. A comida estava perfeita e bem servida.

       
    • Por Helen Pusch
      Bom, esse relato foi escrito pelo meu marido, que se empolgou em relatar essa viagem que fizemos em julho de 2013 enquanto eu escrevia outro relato (da nossa viagem mais recente). Não teve jeito de convencê-lo a fazer um perfil de usuário para publicá-lo, então estou publicando, do jeito que ele escreveu e com as fotos que ele escolheu.
      Apesar de algumas informações poderem estar um pouco defasadas, queríamos motivar as pessoas que pensam em conhecer os Lençóis Maranhenses, a irem mesmo! É um cenário paradisíaco, um lugar único e mágico, e com um astral maravilhoso. A única coisa a observar é o período ideal, em especial julho e agosto. Antes disso, há o período das chuvas, que é imprescindível para a formação das lagoas. E no início do ano, antes da época das chuvas, as lagoas já estão praticamente secas, então se caminha bastaaaaante nas dunas até chegar em uma ou outra mísera lagoinha. As únicas pessoas que vimos falando que não gostaram dos Lençóis, foram em janeiro ou fevereiro.
      Feita a introdução, segue o relato.
       
      MA – Lençóis Maranhenses (Barreirinhas e Atins) e São Luís
      Relato da nossa viagem de 10 dias ao Maranhão em julho de 2013. Em primeiro lugar, um lugar lindo demais, nunca vi nada parecido. Se você tem vontade de conhecer esse paraíso, a palavra é uma só: Vá!
      O roteiro: Optamos por ir direto aos lençóis, depois conhecer a capital para descansar (sim, férias também inclui descanso), então pegamos o vôo Porto Alegre- São Luís cedinho, descemos no aeroporto às 13 e pegamos um táxi até a rodoviária, que é pertinho (R$20). Compramos com antecedência, pela internet (viação cisne branco) a passagem de bus para Barreirinhas (R$28) 14 às 18:30.
       
      Dia 1: Chegando em Barreirinhas, o ônibus larga em uma praça central bem perto da pousada. Check-in na pousada Vitória do Lopes, reservada pelo booking, ótima relação custo-benefício. Já marcamos os passeios pela pousada mesmo (não há como ir por conta, só os 4x4 chegam lá). Pertinho do centro, caminhamos para um reconhecimento. O centro na beira do rio é uma graça, com um deck onde estão os restaurantes, artesanato, etc. Como nos lençóis não há estrutura nenhuma, fomos ao mercado comprar bastante água e lanche para levar. Depois, cervejinha, jantar e cama.

       
      Dia 2: Passeio da Lagoa Azul (R$50). Os passeios das lagoas podem ser feitos pela manhã ou tarde. Optamos pela tarde, pois não queríamos acordar cedão nem fazer a volta das caminhadas (lá se caminha muito nas dunas) no sol do meio-dia. Além disso, você pega o pôr-do-sol nas dunas, que é lindo. Almoçamos no centro e partimos (eles pegam na pousada mesmo), uns 45min de trajeto quicando feito bola de paddle em cima daquela caçamba, e chegamos. Sobe uma duna e tem a primeira visão de tirar o fôlego: é lindo DEMAIS. Aquele deserto de dunas, e entre elas as lagoas, azuis, verdes, cristalinas...nossa. Muito banho e caminhadas até a hora do pôr-do sol. O primeiro dia foi maravilhoso, à noite, centro, jantar, cervejinha (os restaurantes são todos parecidos, alguns um pouco mais caros, outros bem baratos, mas todos os dias comemos bem gastando pouco, entre 20 e 30 reais a refeição para o casal).

       
      Dia 3: Passeio da Lagoa Bonita (R$60): Pela manhã, fomos ao centro, visitamos lojinha de artesanato, molhamos os pés na praia do rio preguiças (ao lado do cais tem uma prainha de rio) e almoçamos no Restaurante do Gaúcho. Pontualmente lá estava a 4x4 na pousada para no levar, à tarde, na lagoa Bonita. Trajeto um pouco mais longo, 55min de muito sacolejo. Quando chegamos, o guia mostrou o caminho: era preciso subir uma duna enorme e bem inclinada, tanto que existe uma corda para auxiliar na subida. Subimos e...é indescritível. A beleza é ainda maior que a do dia anterior. Fantástico MESMO, dunas e lagoas, cristalinas. A partir daí, é passear pelas lagoas, tomar banho, até a hora do pôr-do-sol, de beleza ímpar. À noite, jantamos na pizzaria do centrinho, chopinho e cama.

       
      Dia 4: Passeio de quadriciclo (R$280 para o casal): isso foi muito legal, esse passeio dura o dia todo. Começa de manhã e só retorna à noite. É na região chamada de pequenos lençóis, onde é permitido rodar nas dunas. O quadriciclo é supersimples de dirigir, e as paisagens são lindas. Passamos por fazendas, rios, muitas dunas e lagoas, paradas para banho, até chegar ao mar. Parada para almoço, depois começamos a volta, paramos nos povoados do caminho para conhecer, belos pontos para fotos, enfim, é um passeio imperdível, nós amamos. À noite estávamos mortos, comemos tapiocas no centro e depois, cama.

       
      Dia 5: Passeio de voadeira (R$60) e ida para Atins: esse é o dia de se despedir de Barreirinhas e ir para o povoado de Atins, praticamente dentro do Parque Nacional. Estudamos várias formas de ir até lá, e achamos melhor unir o passeio de voadeira (lancha turística local, um passeio pelo rio preguiças que vai passando pelos povoados de Mandacaru e Vassouras, até chegar a praia de Caburé para almoço e passar o resto do dia) com o deslocamento. O passeio é bem turístico, conhece-se os povoados ribeirinhos, o farol de Mandacaru, se alimenta os macacos em Vassouras, e chega em Caburé. Pagamos 50 mangos para o guia nos largar em Atins enquanto o pessoal do passeio continuava em Caburé, fica a uns 10 min de navegação. Nos deixou em uma beira de estrada de terra e disse: é por ali. Hehe, assim começa o desapego total à civilização. Caminhamos uns minutos por uma trilha, até chegar à “rua principal” de Atins, já avistamos a pousada da tia Rita, que conhecemos aqui pelo mochileiros. Tínhamos telefonado pra ela de Barreirinhas, e ela já nos esperava, fizemos um check-in, a pousada é bem domiciliar, sem água quente (acho que nenhuma tem isso em Atins) e partimos para um reconhecimento. Sol a pino, meio da tarde, fomos à praia que fica bem pertinho da pousada. Linda praia, deserta, encontro de rio com o mar, curtimos o resto do dia ali mesmo, lugar mágico. À noite jantamos na tia Rita, ela tem um forno a lenha, e um dos guias (e os filhos dela também são guias) fez um rodízio de pizzas saboroso, pagamos 15 ou 20 reais por pessoa para comer à vontade. Nos fundos da pousada tem redes para um descanso enquanto o reggae toca e o cheirinho de pizza vem até as narinas. Perfeito.

       
      Dia 6: Passeio para os lençóis de Atins. É até diferente acordar nesse lugar tão longínquo de tudo, o marido da tia Rita faz tapiocas quentinhas no café da manhã. Pegamos um guia que cobrou R$ 30 por pessoa para levar e passar o dia nos lençóis, parando para almoço no famoso camarões do Antônio. Ele levou a gente e mais três pessoas de outra pousada, o primeiro pedaço é de barco, uma meia hora de navegação, depois caminhada. Belas paisagens. Tudo vai mudando, desde a paisagem de beira de praia, passa por algo parecido com uma caatinga, até chegar ao deserto de areia. Quando avistamos as primeiras lagoas, o impacto foi o mesmo: é lindíssimo, porém, sem as hordas de turistas de Barreirinhas. As lagoas eram SÓ NOSSAS. Que coisa espetacular, aquele cenário, aquela beleza, e tudo aquilo só pra nós. Muito banho, abriu o apetite, fomos ao Antônio. Gente, mas o que é aquele camarão? Enoooormes e com um tempero maravilhoso, recomendo muito. Passamos o dia lá, à tardinha caminhamos pelo vilarejo, não tem muita coisa, uma escola, um postinho de saúde que tem médico "quase toda quarta-feira" (nosso Brasil) ruas de areia... na frente da tia Rita tem um restaurante, comemos um PF (baratinho e bem satisfatório) e fomos à cama.

       
      Dia 7: Neste dia fomos à praia pela manhã, curtimos aquela linda praia, e o almoço foi no barzinho/restaurante na frente da pousada da Rita (PF gostoso e barato de novo). Na tarde fomos dar uma caminhada no lugar que eles chamam de Igarapé, um riacho extenso que vai atravessando o mato até desaguar no rio. A caminhada no mato é legal, gostamos desses programas de índio, dá pra simplesmente parar e ficar dentro da água, riacho rasinho, sentindo a correnteza suave, curtindo a natureza, o barulho do mato, os bichos, enfim, sentir o tempo passar de uma maneira muito diferente do que na cidade grande. Depois do pôr-do-sol atrás das árvores, voltamos para a pousada para um banho e mais um rodízio de pizzas no forno a lenha da tia Rita. Era nossa última noite em Atins, aí começaram algumas curiosidades sobre como ir embora desse lugar...

       
      Dia 8: Íamos para São Luís. Durante o café-da-manhã, conversamos com um casal de uruguaios preocupados porque o seu transporte não apareceu. Lá é assim: quando você chega, já marque o transporte de volta para Barreirinhas, seja de 4x4 ou de voadeira. Nós marcamos de 4x4, mas ficamos com receio, pois esse casal também havia marcado (um horário anterior ao nosso) e os caras não apareceram. A tia Rita disse que eles acharam pouca gente, como era domingo, não valia a pena ir atééééé Barreirinhas com pouca gente...BEI ! como assim? O casal tinha passagem de avião comprada, estavam a ponto de perder o vôo...E agora? Bom, mas eles conseguiram algum transporte depois, na nossa hora o transporte estava lá. Que horror pessoal, é gente saindo pelo ladrão, motorista muito locão subindo dunas pelas beiradas, olha, o retorno foi com emoção, mais de uma hora de trancos. Conseguimos pegar nosso ônibus de volta para São Luís, já tínhamos comprado passagem antes de ir a Atins. O transfer nos deixou na porta do hotel de São Luís e custou R$40 por cabeça. Check-in feito no hotel Brisamar umas 20h. Bem localizado em Ponta da Areia, bairro nobre, orla, banho quente, piscina, de volta à civilização, ok? Ok, precisávamos sair pra jantar. Pergunto pra que lado podemos procurar um restaurante e o staff indica, porém, não recomenda aos hóspedes sair à pé à noite pois é perigoso. Putz, ficamos decepcionados, estávamos em uma zona turística e com medo de andar uma quadra até a avenida que tinha vários restaurantes. Bom, tínhamos que jantar, pegamos pouco dinheiro e fomos, quase correndo. Vimos que misturados aos prédios luxuosos e hotéis existe bastante pobreza, casebres, sujeira, enfim, felizmente não vimos nada de violência, mas os atendentes do hotel nos assustaram. Jantamos em um restaurante próximo e cama.
       
       
      Dia 9: Centro histórico. Fomos pela manhã, é uma pena constatar o mal que gerações da família Sarney estão fazendo com essa cidade que tem um valor histórico tão especial. Muitos casarões degradados, mas alguns ainda bem cuidados, com todos os azulejos históricos bem preservados. O Palácio dos Leões é lindo, e o museu histórico do Maranhão é muito bom, a melhor visita do centro histórico. A guia foi espetacular, descendo o pau e contando histórias políticas locais horrendas. O conjunto arquitetônico, embora em processo de degradação, é muito legal, vale a visita. Almoçamos ali mesmo, no restaurante do Senac, muito famoso e que serve comida típica. É um buffet um pouco mais caro, nossa refeição mais cara na viagem. Mas pelo menos é delicioso. De tarde ficamos pelo hotel curtindo a piscina. À noite, saímos para jantar nos restaurantes da quadra ao lado de novo, não animamos a ir muito longe. #medo.

       
      Dia 10: Queríamos conhecer as praias, sabemos que são todas poluídas, mas fomos caminhar pela orla, curtindo mais um pouquinho da cidade. Almoçamos um caranguejo típico, que aliás não curti, os locais devem ter mais destreza com aquele martelo pra quebrar o bicho todo, eu fiz muita força e não comi quase nada ...como bom gaúcho, prefiro uma costela , mas valeu a experiência. Passamos pela também famosa lagoa da Jansen. Mal-cuidada, esgotos a céu aberto, local sujo e mal-cheiroso. Que pena... Voltamos para curtir a piscina do hotel, dormir cedo e retornar a Porto Alegre no outro dia.

       
      Esperamos ter ajudado com o relato, qualquer dúvida é só perguntar!


×