Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''mochilão bolívia chile peru''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
  • Destinos
    • América do Sul
    • África
    • Ásia
    • América Central, Caribe e México
    • Brasil
    • Europa
    • Estados Unidos e Canadá
    • Oceania
    • Oriente Médio
    • Volta ao Mundo
  • Trilhas e Travessias
    • Trilhas e Travessias
  • Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar: Grupos e Eventos
  • Equipamentos
    • Equipamentos de Camping e Aventura
  • Avaliações
    • Avaliações
  • Estilos de Viajar
    • Mochilão Roots
    • Trekking e Montanhismo
    • Viagem de Barco ou Navio
    • Viagem de carro
    • Cicloturismo - Viagem de Bicicleta
    • Viagem de moto
    • Vanlife: Viver e viajar em uma casa sobre rodas
  • Classificados
    • Classificados
  • Central de Caronas
    • Caronas
  • Outros Assuntos
    • Papo Mochileiro e Off Topic
  • Blogs de Viagem
    • Blogs de Viagem
    • Posts
  • Guia do Mochileiro
    • Guia do Mochileiro
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Arquivo
    • Arquivo
  • Ajuda e Suporte
    • Ajuda & Suporte

Categorias

  • América do Norte
  • América do Sul
  • Ásia
  • Europa
  • Oceania
  • Oriente Médio

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Lugares que já visitei


Próximo Destino


Tópicos que recomendo


Ocupação

Encontrado 20 registros

  1. Olá galera!!! Tudo bom? Eu sou a Paola, tenho 18 anos (sim, bem nova haha), sou da capital de São Paulo e vim retribuir toda a ajuda do site e dos relatos que eu li e que me incentivaram tanto a por uma mochila nas costas e ir com a cara e a coragem. Viajei para Bolívia, Chile e Peru por 29 dias com FUCKING 800 dólares (sim, eu sei que a maioria das pessoas- 99%- vai com mais dinheiro, mas fazer o que né ) e graças a isso passei vários perrengues e os melhores momentos da minha vida. Eu viajei com mais duas amigas, Carol e Yolanda. Viajamos do dia 11/12/17 à 09/01/18. Eu tenho muitas dicas para dar (coisas que ninguém conta haha), então espero que gostem e acompanhem . Roteiro: 12/12: São Paulo- Santa Cruz- Sucre 13/12: Sucre- Uyuni 14/12: Salar de Uyuni 15/12: Salar de Uyuni 16/12: Salar de Uyuni- San Pedro 17/12: San Pedro de Atacama 18/12: San Pedro de Atacama- Arica 19/12: Arica- Tacna- Arequipa 20/12: Arequipa 21/12: Arequipa 22/12: Arequipa 23/12: Arequipa 24/12: Arequipa (Já perceberam que moramos na cidade, né?) 25/12: Arequipa- Ica 26/12: Ica- Huacachina 27/12: Huacachina- Ica 28/12: Ica- Cusco 29/12: Cusco 30/12: Cusco 31/12: Cusco 01/01: Águas Calientes 02/01: Machu Picchu- Cusco 03/01: Cusco- Puno 04/01: Puno- Copacabana- La Paz 05/01: La Paz 06/01: La Paz 07/01: La Paz- Cochabamba 08/01: Santa Cruz 09/01: Santa Cruz- São Paulo Bom, fazia muito tempo que eu tinha o sonho de fazer um mochilão e acabou que me apaixonei pelo Salar de Uyuni e como não sou de ferro, fui colocando mais uma cidade e mais uma e mais uma, até que ficou três países haha demorou um certo tempo para conseguirmos o dinheiro, mas depois de muito tempo trabalhando duro, conseguimos, fomos, com pouco dinheiro, mas fomos. Então, se você quer vá lá e faça, foi nosso primeiro mochilão e aconteceu várias merdas- que fazem parte e deixam a viagem ainda mais legal- o que eu quero dizer é: SÓ VAI MANO! Com pouco dinheiro, com medo, mas VAI! O que levar: Eu não lembro tudo que eu levei, mas vou colocar os principais... Segunda pele: R$40 Fleece: R$20 Jaqueta Corta-vento: R$200 Duas luvas: R$15 (promoção) Doleira: R$8 Lanterna: R$10 Toalha Secagem rápida: R$35 Mochila de ataque: R$80 Mochilão 50L: 280 Calça segunda pele: R$40 3 pares de meia (grossas): R$25 Bota Impermeável: R$200 PS.: Fora a doleira e a lanterna, eu comprei tudo na Decathlon. Os preços lá eram mais em conta. Pra quem vai viajar mais pro final do ano, eu indico esperar até mais ou menos Setembro, porque já começa a aparecer umas promoções bem legais, por exemplo, a luva, paguei super barato nas duas e compensou muito o custo-benefício. 1 Touca 1 Cachecol 1 Calça jeans 1 calça legging 7 pares de meias 2 pares de meias (umas meias mais grossinha para os dias realmente frios) 8 blusas leves 10 calcinhas 2 sutiãs 1 short 2 vestidos 1 Moletom Biquini Chinelo Bandeira do Brasil (patriota que sou) Outras coisas: 2 Cadeados Batom de cacau Colirio Rinosoro escova e pasta de dente rolo de papel de higiênico (eu deveria inclusive ter levado o saco- mas não dava hahaha) (isso é muito importante, vai por mim) pote de shampoo, condicionador e hidratante lenços umedecidos (muito importante também, serve pra limpar qualquer coisinha) protetor solar e mais trezentas coisas PS.: Não se esqueçam do Certificado Internacional de Vacina da Febre Amarela, tecnicamente eles deveriam te pedir na fronteira, mas não pedem em nenhum momento. Mas sempre bom levar, afinal, você não quer voltar com febre amarela, né? PASSAGENS AÉREAS: Então, compramos nossa passagem com as milhas de um conhecido, saiu quase a mesma coisa, mas conseguimos economizar uns R$50, então foi válida a tentativa. Porém, nós acompanhamos os preços durante o ano todo esperando uma promoção. Pra quem vai viajar na mesma época que a gente ou até a partir de Outubro mesmo, fica esperando que lá pro final de Agosto começa a aparecer umas promoções muitos boas. Então, se puder, espere! Aguenta o coração. Porque, quando íamos pesquisar, geralmente estava mais de mil de reais e quando começou a surgir as promoções, estava lá pra R$850. Passagem de Guarulhos- SP para Santa Cruz- BO: R$823 Bagagens ida e volta (porque agora tem essa palhaçada ): R$70 Passagem de Santa Cruz para Sucre: R$130 (único luxo que nos demos ) Okay, chegou o dia 11/12. Tudo preparado. Coração a mil. Nosso embarque era o melhor horário: 23h30. Pegamos o transfer da Gol em Congonhas, depois de pouco mais de 1h30 chegamos em Guarulhos. Ficamos um bom tempo esperando o check-in, façam com antecedência, a fila da Gol sempre é enorme. Essa somos nós, ainda em Guarulhos, muito plenas antes da viagem No avião tivemos um lanchinho, recebemos o papel da imigração, cujo papel não entendi bosta nenhuma, mas só fui escrevendo na fé de que estava certo. Depois de 2h30 de viagem chegamos ao território Boliviano, chegamos por volta de 1h20, passamos pela imigração, carimbamos nossos passaportes, tudo ok. E o mochilão começou oficialmente!
  2. Amigos Viajantes, eu fui um ferrenho crítico dos Mochileiros que começavam seus relatos e demoravam meses para terminar (quando terminavam). E agora, eu estou aqui, começando meu relato CINCO MESES depois de minha viagem. Para ser bem sincero, eu nem iria fazer o relato, pois estava muito ocupado e quando tinha tempo livre, eu sempre procurava fazer outra coisa. Mas recentemente eu vi uma mensagem do Mochileiros.com no Facebook que dizia “Faça o relato de sua viagem e viaje 2 vezes”. Então, resolvi fazer esse relato para viajarmos juntos para o Peru, Bolívia e Chile. Desde já agradeço todos os mochileiros que dispuseram de seu tempo para fazer seus relatos, pois eles foram essenciais para o meu itinerário e planilha de gastos. Aliás, quem quiser minha planilha de gastos, basta informar seu e-mail para eu enviar. Eu farei um relato breve dos 24 dias que viajei, focando nos trajetos, passeios e valores. Minha esposa Gilci fala que fomos Mochileiros de Rodinhas nessa viagem, pois, como foi nossa lua de mel, nos permitimos determinados “luxos”. Se vocês tiverem alguma dúvida, estarei à disposição para ajudá-los. Pois bem!!! Nossa viagem durou 24 dias, percorremos Peru, Bolívia e Chile, e gastamos cerca de R$ 11.000,00 (fora nossas passagens aéreas e alguns hotéis que pagamos com antecedência). Nosso itinerário deu-se da seguinte forma: - 09.06: Manaus > Lima; - 11.06: Lima > Cusco; - 15.06: Cusco > Arequipa; - 19.06: Arequipa > Puno; - 21.06: Puno > Copacabana; - 23.06: Copacabana > La Paz; - 24.06: La Paz > Uyuni; - 27.06: Uyuni > San Pedro de Atacama; - 01.06: San Pedro de Atacama > Calama > Santiago - 02.06: Santiago – Manaus O que fazer antes da viagem: - Passagem Compramos nossa passagem de ida e volta pelo programa de pontos Multiplus. O voo de Manaus - Lima custou 36.000 pontos e o Santiago - Manaus, 38.000 pontos. MUITO mais barato do que comprar diretamente pela LATAM. Como conseguimos os pontos? Lá no Posto Ipiranga hehehehe. Eu e Gilci nos inscrevemos no programa KM de Vantagens e começamos a acumular pontos. Depois compramos milhas aéreas da Multiplus pela metade do preço. Hoje, por exemplo, você pode comprar 20.000 pontos por R$620,00. - Hotéis e Passeios Eu e Gilci ganhamos de presente de casamento as acomodações nos hotéis. É para glorificar de pé!!!!!! As reservas foram feitas pelo Hotéis.com, que dá a opção de pagar com antecedência e em até 10x sem juros. Quanto aos passeios, reservamos com antecedência apenas o passeio pra Machu Picchu, com a subida em Huayna Picchu, que contratei com a GO2MachuPicchu por USD 500, com todos os trajetos e ingressos incluídos. - Roteiro impresso com endereços Viajantes, vocês DEVEM ter impresso os seus roteiros, com o endereço detalhado do seu hotel ou hostel e demais passeios. Eu e Gilci passamos por um perrengue desgraçado em Arequipa, pois eu não tinha o roteiro impresso, meu celular (onde estavam todas as informações) havia descarregado e eu não sabia o endereço do nosso hotel, e para piorar, ele tinha acabado de ser inaugurado. Pegamos dois táxis, mas eles não sabiam onde era o hotel. A Gilci começou a ficar nervosa e aflita, e eu me senti um $#%@&, pois a culpa toda era minha. Mas ainda bem que encontramos um taxista que saiu perguntando pelas esquinas onde ficava nosso hotel. Deus abençoe esse santo motorista. - Aplicativos Antes da viagem, baixei estes aplicativos que foram essenciais em nossa viagem: Google Maps, Google Tradutor, TripAdvisor, Peru Travel, Moeda+, Rome2rio, Uber. - Estude antes de ir Para quem vai ao Peru, é imprescindível estudar sobre a cultura incaica, pois tudo, literalmente TUDO, envolve algo sobre era enorme civilização da América do Sul. Caso não faça isso, sua experiência será 50% menos valiosa. - Seguro Viagem Compramos nosso seguro pela Mondial Travel, por recomendação da maioria dos Mochileiros. Graças a Deus que não precisamos usar em nenhum momento de nossa viagem. - Passaporte Para visitar esses três países, você não precisa de passaporte. Porém, eu e Gilci preferimos tirar nosso passaporte, pois queríamos colecionar carimbos. E o bom é que, além dos carimbos da imigração dos países, também conseguimos o carimbo de Machu Picchu e Ilha dos Uros. - Vacina Eu li que, para entrar na Bolívia, precisávamos de carteira internacional de vacinação, comprovando que havíamos tomado vacina contra febre amarela. Porém isso não foi solicitado no momento da entrada no País. Entretanto, é melhor você ir com sua carteira devidamente atualizada, para não correr o risco de ser barrado. - Mala e o que levar nela Bem, eu e Gilci levamos malas e não mochilões. Literalmente, somos Mochileiros de Rotinhas. Hehehehe Mas graças a Deus que isso não nos causou transtorno, salvo o pequeno trajeto da parada de ônibus de Puno para nosso hotel, pois tivemos que arrastar nossas malas nas ruazinhas de “auto-relevo”. A Gilci ficou responsável por comprar nossas “roupas de frio” na Decathlon e gastamos uma pequena fortuna. Rsrsrsrs Compramos corta-ventos, segunda-pele, calças térmicas e fleeces. Algumas outras peças já tínhamos da nossa viagem ao Chile em 2015. Agora, peço que me perdoem, mas não lembro com exatidão o que levamos em nossas malas!!!! Acho que é só isso!!! Logo eu posto nosso primeiro dia em Lima – Peru. Até mais.
  3. Fala galera! Em ago/2016 eu e Larissa, na época minha namorada e hoje minha esposa, vivemos uma aventura massa de 23 dias!!! Há bastante tempo que eu planejava dividir essa experiência com vocês. Finalmente tive tempo para organizar algo... Não é algo tão informativo como vocês merecem e eu gostaria, mas espero que sirva ao menos de inspiração pra quem pensa em fazer algo desse tipo. Diário de viagem #1: depois de vôos de ssa para sampa, de sampa para Santa Cruz e de Santa Cruz pra Sucre , ainda viajamos 8h de busu para chegarmos - exaustos e congelando - a Uyuni. A cidade é o principal ponto de partida para para os tours pela região sudoeste da Bolívia. Escolhemos o tour de três dias e duas noites. A gnt nem imaginava os perrengues e maravilhas que estavam por vir!!! É difícil transmitir quão impressionante é o Salar do Uyuni numa foto! Tudo parece eterno, brilhante e infinito... Então... provei o sal do Uyuni! Vai dizer que vc não faria (ou fez) o mesmo?! Diário de viagem #2: começamos o dia com um "rico desayuno" ainda em Uyuni . Então partimos para a travessia do maior e mais alto salar do mundo. Antes, paradas curtas para visitar um cemitério de trens e uma feira de artesanato. No Salar fizemos três paradas, inclusive para almoçar num hotel de sal! Ao final, visitamos uma impressionante "ilha de cactos" no meio do deserto! Gente que "Vamos? VAMOS!": melhor tipo! Muita sorte de encontramos uma galera assim pra dividir um 4x4 e as aventuras pelo sudoeste da Bolívia! Diário de viagem #3: Acordamos não muito cedo para o segundo dia de tour pelo sudoeste da Bolívia. Atravessamos o Salar de Chiguana, onde visitamos o Volcan Ollgue e, entre outras, as Laguna Hedionda - bem fedida, mas com charmosos flamingos - e Laguna Colorada. Já no Deserto Siloli, visitamos a Arbol de Piedra. Terminamos o dia numa hospedagem bem simples. Apenas algumas horas de energia elétrica e água somente fria (geladissima). É claro que NÃO rolou banho! Diga "sim" para novas aventuras! Elas são combustível para a alma!!! Diário de viagem #4: Acordamos ainda de madrugada - 4900 m de altitude, 4 graus C negativos- pra viver a experiência de ver geisers em atividade, bem de pertinho! A temperatura ainda estava negativa quando tiramos a roupa pra mergulhar numa piscina de águas termais. Quase faltou coragem pra isso, mas não se tem a oportunidade de viver algo assim todo dia, não podíamos perder! Ao meio dia estávamos atravessando a fronteira da Bolívia com o Chile. Já em São Pedro do Atacama, visitamos o Valle de la Luna. Foi lá que encontrei o trono de GoT. Diário de viagem #5: Às 7h nos juntamos a um grupo de turistas pra conhecer as Lagunas Altiplanicas e Piedras Rojas, além do Salar do Atacama . As imagens que vimos pela manhã pareciam pinturas! Lagos com água cor azul turquesa muito marcante, cercados por vulcões imponentes. A tarde conhecemos uma área do deserto do Atacama, o mais seco do mundo,☉ e o seu salar. Partimos então para Arequipa, no Peru! Diário de viagem #6: depois de cansativas horas de viagem de ônibus, finalmente chegamos a #Arequipa, no #Peru, às 16h! Logo fizemos o check-in num dos mais famosos "party hostels" do mundo: o WildRover! O clima da cidade e do próprio hostel nos fez mudar de planos e decidir ficar por lá um pouco mais que o previsto... Depois de fechar a programação para os próximos dias, fomos jantar pratos típicos arequipenhos apreciando a linda vista da Plaza de Armas. Finalmente retornamos ao hostel, mas não pra descansar... A festa foi até às 2h da manhã! Diário de viagem #7: Acordamos atrasados! No meu caso, devido uma dor de barriga... Resolvido esse pequeno problema, corremos para fazer um "tour bus" por Arequipa. Deu pra conhecer um pouquinho da charmosa cidade, aprender sobre os camenidios andinos e rolou até um passeio de cavalo! Almoçamos um "lomo saltado" e nem deu tempo de descansar pra o programa da tarde: um rafting pelas corredeiras do RioChili ! Foi uma aventura daquelas, com direito a uma quase queda do bote (dá pra ver na foto que fui salvo por pouco)! Dona Larissa ficou na festa do WildRover e eu fui dormir cedinho pq o dia seguinte seria muito cansativo! Me sentindo Indiana Jones qnd atravessei essa ponte suspensa sobre o Rio Chili , no Canion Del Colca! Tantantaannn tantantaannn... Diário de viagem #8: Acordamos as 3h da manhã pra conhecer o Canion Del Colca , que por muitos anos foi considerado como o mais profundo canion do mundo... O vôo dos condores é um show por si só, apesar de eu ter me decepcionado um pouco ao descobrir que a ave símbolo da região andina é praticamente um urubu... Ainda antes do almoço com direito a trocentas pratos típicos arequipenhos, atravessamos uma ponte suspensa (olha aí a última foto que publiquei!) pra nos banhar em piscinas de águas termais! De volta a Arequipa, arrumamos as nossas mochilas e partimos pra o próximo destino: Huacachina! Diário de viagem #9: Ainda no caminho da rodoviária de Ica pra o Hotel Casa de Arena , em Huacachina, acertamos passeios super legais! Pela manhã visitamos duas vinícolas locais: uma enorme indústria - #Tacama - e a outra pequena, de produção artesanal. Os vinhos não eram tão bons mas os piscos eram excepcionais! Já um tanto "borrachos" depois de degustar trocentas bebidas diferentes, nos preparamos para explorar as dunas de Huacachina num buggy. O tiozinho que nos conduzia não aparentava ser muito afeito a atividades radicais ... Ledo engano ! Até agora posso ouvir os gritos de desespero de Larissa com as manobras do coroa subindo e descendo as dunas! Ainda rolou um sandboard... Não me arrisquei a descer em pé na prancha, e ainda assim estou com alguns arranhões... O dia terminou com a lindíssima vista da cidade-oásis e do pôr do sol! Pra explicar o "não me arrisquei a descer em pé na prancha, e ainda assim estou com alguns arranhões..." #sandboard #Huacachina Diário de viagem #10: Viajamos 1h de Huacachina até Paracas, no litoral, pra conhecermos as Ilhas Balestras! O passeio de barco por si só já seria um sucesso... Mas o que realmente chama a atenção é a exuberante fauna que ocupa as ilhas: pelicanos, pinguins e leões marinhos são as principais atrações. Ainda tivemos muita sorte de avistarmos golfinhos !!! Seguimos então para conhecer a Reserva Nacional de Paracas, que abriga extensos parques arqueológicos, além de biomas naturais onde vivem diversas aves marinhas. Apesar da parte terrestre dessa reserva ser um deserto, o segundo mais seco do mundo, o dia estava completamente nublado!!! Segundo nosso guia, uma condição como essa só acontece três ou quatro vezes por ano... Azar por estarmos visitando Paracas justo num dia chuvoso , ou sorte por ter estado no Deserto numa condição tão rara ?! Diário de viagem #11: Superadas 15h de viagem de ônibus finalmente chegamos a Cusco, a antiga capital do império Inca! Nem podemos dizer que a viagem foi sacrificante... No ônibus tinha central de mídia individual e até serviço de bordo ! É possivel encontrar no Peru excelentes serviços rodoviários, com preços muito abaixo do que costumamos ver no Brasil . Pois bem, da rodoviária de Cusco fomos direto para um hostel e acertamos a programação dos dias seguintes (inclusive Machu Picchu!). Por causa da altitude da cidade, decidimos tirar o resto do dia de descanso pra ajudar na aclimatação... A melhor experiência do dia foi gastronômica mesmo: comi um excêntrico prato típico peruano, o "cuy", que eh o nosso porquinho-da-Índia (isso mesmo, aquele bichinho de estimação!). Diário de viagem #12: Começamos o dia bebendo bastante chá de coca pra evitar o mal da altitude! Depois partimos para realizar um dos tours clássicos saindo de Cusco : o Vale Sagrado. Inicialmente visitamos a antiga cidade inca de Pisaq e suas enormes "terrazas". Depois de um digníssimo almoço seguimos para conhecer Ollantaytanbo ("Ollanta", para os íntimos) e aprendermos mais sobre a fascinante cultura inca, por vezes relatada de maneira controversa. Ollanta nos deixa com pulgas atrás da orelha... Há varios indícios que os incas tinham profundos conhecimentos de astronomia, matemática e engenharia! Realmente fiquei impressionado com a arquitetura inca... dá de 7 a 1 em muitas obras atuais! No finalzinho ainda passamos na comunidade de Chinchero e pudemos conhecer o processo de tecelagem artesanal das tipicas peças peruanas. Diário de viagem #13: Iniciamos a nossa jornada rumo à MachuPicchu! Enfrentamos 6h de van de Cusco até uma hidroelétrica proxima a Águas Calientes, cidadela porta de entrada de Machu Pichu. A viagem foi bastante desconfortável... a van estava lotadíssima, bancos não reclináveis, boa parte da estrada era de chão, muitas curvas e penhascos de dar frio na barriga!!! O que aliviava um pouco o desconforto era a impressionante vista da região montanhosa e, vez por outra, ruínas incas. Chegamos a Hidroelétrica, e iniciamos a caminhada de 10 km rumo a Águas Calientes. O clima estava agradável e o caminho é lindo. Teríamos gasto horas fazendo paradas pra apreciar a beleza do lugar!!! Mas estavamos pressionados pelo tempo, tínhamos de chegar ao destino final antes do anoitecer . Chegamos exaustos a Águas Calientes, de charme surpreendente! Logo nos acomodamos no hostel e nos preparamos pra, no dia seguinte, finalmente, conhecermos Machu Picchu! A trilha de 10km da hidrelétrica até Águas Calientes é cansativa, mas as belíssimas paisagens compensam demais!!! Além da economia em relação a alternativa de ir de trem... Diario de viagem #14: Dia de conhecer Machu Picchu! Acordamos às 03h da manhã e cedinho iniciamos a caminhada de 30 min até o primeiro ponto de checagem para subida até Machu Picchu. Já havia uma fila lá aguardando a abertura do ponto, apenas às 5h. Aproveitamos a fila pra tomar o nosso café da manhã (as nossas mochilas estavam cheias de comida e água pq lá em Machu Picchu eh muito caro ...). Finalmente iniciamos a subida ↗... Meu deus, era degrau que não acabava mais. Foram 60 min subindo escada! Isso pq estávamos num ritmo forte! Tínhamos horário marcado com o guia às 6h... Finalmente ✔ registramos entrada no parque! A primeira vista é espetacular! E todas as outras tb !!! Fomos acompanhados por um guia nas primeiras duas horas do dia. As histórias que ele nos contou nos fez encontrar ainda mais beleza no lugar!!! Gastamos todo o dia exploranto o possível... Mesmo mortos de cansados fomos até Intipuko, uma locação distante de Machu Picchu de onde se tem uma vista panorâmica da cidade e Waynapicchu. Fomos tb à "Ponte Inca" (nada demais...), tiramos um cochilo e caminhamos pelos cantinhos da cidade apreciando os mínimos detalhes construtivos... Tudo parecia muito engenhoso, funcional e feito pra durar pra sempre! Ao final da tarde retornanos a Águas Calientes descendo ↘ aquele infinito de escadas... À noite fomos recuperar a energia com um delicioso jantar ! Quando voltamos para o hostel estávamos completamente acabados, mas extasiados pelo dia! Não conseguíamos para de falar sobre Machu Picchu e repetir palavras quechuas. "Tupananchis cama" O parque arqueológico de Machu Picchu é enorme! Lá dentro é possivel fazer diversas trilhas... Algumas vc precisa pagar o acesso - geralmente com antecedência de meses - outras não. É o caso da trilha até Intipunku - a Porta do Sol. A caminhada da cidade de Machu Picchu até lá é uma subida levemente inclinada e irregular de uma hora. O sufiente pra eu chegar lá esgotado... Depois de apreciar a vista espetacular tive de tirar um cochilo pra recuperar as energias... Diário de viagem #15: Acordamos ainda tão cansados pelo desgastante dia anterior que decidimos desembolsar uma grana pra realizar parte do trajeto de volta de Águas Calientes até Cusco de trem , evitando uma trilha de 2h mais uma viagem de van de 5h! A viagem foi uma maravilha, as duas horas passaram voando... Além de ter sido a primeira vez na vida que andávamos de trem, o serviço era de primeira, com direito até a apresentações folclóricas . Desembarcando em Ollanta, pegamos uma van e cerca de uma hora depois chegamos a Cusco, ainda em tempo de realizar um tour de duas horas pela cidade, num ônibus panorâmico. O tour foi muito instrutivo e acabamos ficando com a sensação de que deveríamos ter nos planejado pra ficar mais dias em Cusco porque havia muito mais pra conhecer... Mas já havíamos comprado as passagens pra o nosso próximo destino: Puno. Antes de seguir viagem, nos despedimos de Cusco com um delicioso jantar ! Diário de viagem #16: Depois de 8h de viagem de ônibus chegamos a #Puno, às 4h da manhã ! As agências de turismo da rodoviária já estavam abertas, então contratamos um passeio para a manhã e compramos passagens para, a tarde, seguirmos para #Copacabana, na #Bolívia. Depois de tomarmos café da manhã na rodoviária mesmo, seguimos para o centro da cidade , onde seríamos apanhados para o passeio. Ainda era muito cedo e estávamos congelando... o único lugar que estava aberto àquela hora era um cassino (atividade legal no Peru). Entramos pra nos aquecer e testar a sorte: mesmo jogando por pouco mais mais de uma hora saímos com mesmo dinheiro que entramos! Finalmente fomos visitar as ilhas flutuantes de #Uros, construídas com plantas nativas da ilha e ocupadas por povos de origem indígena... Decepcionante! Maior programa "pega-turista". A experiência vivencial com a comunidade local não era autêntica, havia pouquíssima informação histórica, e as atividades eram orientadas exclusivamente à venda (de produtos e serviços caros e sem valor real). De volta a Puno, tivemos um almoço daqueles numa cevicheria (pra nos despedir da culinária peruana) e apanhamos um ônibus para cruzar a fronteira com Bolívia. Nos hospedamos em Copacabana e à noite saimos com uma galera super legal - um uriguaio, um espanhol e duas chilenas - que conhecemos ainda em Puno. Depois de um jantar e horas de bate-papo, a noite terminou num bar no mínimo "exótico" ... Diário de viagem #17: descansamos até mais tarde pq a noite anterior tinha sido longa... Depois de almoçar apanhamos um barco ⛴ de Copacabana para a parte norte da Isla del Sol. A viagem de 2h é linda! A parte boliviana do Lago Titicaca realmente foi abençoada com diversas paisagens belíssimas! Logo que chegamos à ilha nos hospedamos num hostel bem simples e fomos explorar o parque arqueológico que há nessa região. Difícil não se espantar ao ver ruínas com pelo menos 500 anos de existência!!! Ainda pudemos apreciar um lindo pôr do sol de lá do parque arqueológico. Já escuro, voltamos às nossas acomodações e fizemos um "junta panelas" - e garrafas, - com a galera que tava lá, finalizando a noite resenhando em lingua estrangeira . À beira das estradas do Peru e Bolívia podemos ver com bastante frequência montes cônicos de pedras, chamados de #apachetas. São oferedas à Pachamama - "Madre Tierra" - uma divindade indígena, ainda bastante venerada nesses países. O objetivo original dessa oferenda é controverso... O fato é que hoje as apachetas são preparadas por viajantes como agradecimento por terem alcançado determinado destino ou como pedido de proteção... Fiz algumas apachetas nessa viagem. Essa aí foi lá na Isla del Sol. Diário de viagem #18: o tempo estava muito agradável quando acordamos na Isla del Sol . Depois de tomar café da manhã , iniciamos um passeio bem legal: uma caminhada de cerca de 8 km da parte norte até a parte sul da ilha. Fizemos a caminhada bem tranquilos, parando com frequência pra apreciar a vista privilegiada do Lago Titicaca! Depois de quase três horas de caminhada, chegamos à parte sul da ilha. Encontramos um restaurante por lá onde pudemos saborear uma deliciosa "Trucha ao Ajo", peixe da região por vezes confundido com salmão . No meio da tarde apanhamos um barco ⛴ de volta à Copacabana e, finalmente, um ônibus para La Paz (que não é a capital da Bolivia!) . No início da noite fizemos nosso check-in ✔ no lendário Loki Loki Loki. Apesar do cansaço, ainda aproveitamos um pouquinho da festa que rolava no hostel antes de dormir... Diário de viagem #19: Acordamos tarde... Estávamos muito cansados, talvez por estarmos viajando a tantos dias, ou mesmo por conta da altitude de La Paz (algo em torno de 3000 m). Aproveitamos parte da manhã pra passear pelo centro da cidade, comprar moeda local e contratar passeios para os próximos dias. À tarde visitamos El Alto, um antigo bairro de La Paz que cresceu tanto que se tornou uma cidade independente há poucos anos atrás (será que Cajazeiras vira city tb?! Rs). "El Alto" é ligada a La Paz por diversas linhas teleféricas bem modernas! Andar naqueles bondinhos já seria uma atração turística, mas além disso, a partir de El Alto se tem uma linda e impressionante vista panorâmica de La Paz. Voltamos cedo pra o hostel e jantamos por lá mesmo. Descansamos cedo pq o dia seguinte seria daqueles!!! Diário de viagem #20: Esse dia foi do tipo "coisas pra não contar a mainha" . Acordamos bem cedo pra fazer um downhill de bike pela deathroad - a Estrada da Morte - , a rodovia mais perigosa do mundo ⛐. Pra falar a verdade, eu achava que seria um tour bem tranquilo e que os títulos atribuídos à essa estrada eram coisas pra valorizar o programa turístico... Comecei a desconfiar que não era bem assim antes msmo de iniciar o downhill... a gnt tem de usar tanto equipamento de proteção pra fazer o passeio que eu tava me sentindo um gladiador . A primeira parte da descida é num trecho asfaltado e a maior dificuldade é justamente a "convivência" com o intenso tráfego, inclusive de caminhões ⛟. Na segunda e maior parte da descida, aí que entramos na Estrada da Morte ☡ mesmo: um caminho de chão entalhado nas montanhas, com muitas pedras, sem proteção lateral, estreito ⛙ e com com muitas curvas "cegas". O pior eh que a medida que a gnt vai descendo vai vendo na beira da estrada trocentas cruzes e memoriais em homenagem aos mortos em acidentes... ⚰ Os guias contam histórias muito macabras, desde turistas sabidões que descem tirando selfies e acabam caindo em precipícios, até tragédias enormes com mais de 100 mortes em colisões de ônibus... Superar aqueles 70 km de descida não foi fácil. Não mesmo. Tanto que sofri duas quedas épicas, numa delas parando a beira de um penhasco . Apesar dos hematomas e das dores do corpo que ainda persistem, valeu muito a pena! Quando dava pra relaxar um pouco, a vista que se aprecia é lindíssima! Chegar ao final também traz um sentimento de vitória e superação incrível! Depois de descansar um pouquinho, ainda participamos da festa de aniversário da Ride On Bolivia, a empresa que organizou o downhill que fizemos. Aproveitamos demais!!! As dores na bunda só começaram no dia seguinte... Diário de viagem #21: Larissa acordou se sentindo não muito bem. Até tentei cancelar a programação do dia, mas sem sucesso. Quando ela descobriu que não seríamos reembolsados, se prontificou imediatamente a ir de qualquer maneira. Essa é das minhas: política de desperdício zero! O primeiro destino foi o Chacaltaya, uma montanha próxima a La Paz, com mais de 5 mil metros de altitude (!). Lá costumava ser a estação de esqui ⛷mais alta do mundo, mas foi desativada recentemente por conta das mudanças climáticas... Subimos a maior parte de van por uma estrada beeeem estreita, construída ainda na década de 30. Os últimos 300 m subi a pé, alcançando o topo a 5435 m. Experiência de quase morte pq dar um passo naquela altitude é um esforço retado... À tarde fomos visitar o Valle de la Luna, boliviano, uma região formações rochosas muito curiosas . As dores no corpo devido o downhill que havíamos feito no dia anterior começaram a aparecer (a idade chega pra todo mundo )... Aí cedinho já estávamos dormindo. Diário de viagem #22: Acordamos preguiçosos para nosso último dia em La Paz... Superada a fase de arrumação das malas pra voltarmos pra casa (na verdade eu só terminei de arrumar msmo poucos minutos antes do vôo...), fomos fazer um walking tour pelo centro de La Paz. Visitamos a praça de São Francisco , Mercado Lanza, Mercado das Bruxas , a Prisão de San Pedro e Praça Murillo, onde fica a sede do Parlamento Boliviano . Em cada um desses lugares vimos e ouvimos coisas muito loucas, cm a recente mudança do nome da Bolívia, relógio que gira ao contrário e o funcionamento dessa prisão (coloca aí no google que a história é longa...)!!! À noite voltamos pra o hostel pra aproveitar a nossa última noite de festa !!! Nem foi aquela coisa toda pq a gnt tava morto de cansado... Mas pelo menos participamos de um torneio de "beer pong" !!! Diário de viagem #23: Último dia de viagem, acordamos bem cedinho. Depois de realizar o check-out ✔do hostel, apanhamos um táxi para o aeroporto "El Alto". Antes do pegar o vôo ainda deu tempo de experimentar a última iguaria da culinária boliviana que nos faltava: saltenhas! Foram apenas 60 min de viagem. Às 8h já estávamos em Santa Cruz e, no início da tarde, apanhamos outro vôo , de 3h, para finalmente retornamos ao Brasil . Dormi quase todo o tempo...Mas houve um momento que repensei toda a viagem... E quão bom foi viver essa experiência ! Aprender com gnt tão diferente, passar perrengues e ver q o difícil nem é tão difícil assim, reviver a História e sentir orgulho de ser sul-americano, assistir o pôr do sol de diferentes lugares e se surpreender com a beleza daquele momento todas as vezes... Ahh, foi muito legal! Qnd lembro de quando tava planejando essa viagem claro q eu sabia/queria/desejava que fosse divertido... Mas nada se compara a ter vivido o plano e pensar q tudo foi cm tinha de ser e que foi perfeito dessa maneira! E a todos vocês que acompanharam e torceram pela gnt: muito OBRIGADO e até a próxima!!!
  4. Dia 01 – 20 de maio de 2017. Essa viagem foi uma daquelas planejadas por mais de ano. Na verdade, chegamos a comprar passagens pra essa aventura em outubro de 2015, mas por questões de trabalho tivemos que cancelar. Na época ficamos na maior dúvida do que fazer: manter as passagens guardadas ou pegar o dinheiro de volta. Acabamos optando por pegar o dinheiro de volta, pois assim poderíamos fazer uma viagem menor aqui no Brasil mesmo. No início de 2017, os planos dessa viagem foram retomados e aí, meus amigos... Vocês sabem como é. Por mais que você leia mil relatos, parece que ainda não sabe de nada. Começamos a ler e reler tudo de novo. Desde já agradeço aos depoimentos aqui dos Mochileiros, que contribuíram intensamente para o nosso planejamento. A primeira grande dúvida que surgiu: “Só” Peru ou o clássico trio (Peru, Bolívia e Chile)? Escolhemos o trio clássico, porque em 2015 já estávamos decididos quanto a isso. Resolvemos manter... A segunda grande dúvida: Avião ou ônibus? Nesse ponto, vários fatores devem ser considerados e os principais são dinheiro e tempo. Nós tínhamos 21 dias. Daria para fazer o percurso tanto de ônibus quanto de avião, mas sempre que tentávamos montar o roteiro de ônibus nos víamos presos na tentação de estender um pouquinho ali e aqui, conhecer mais aqui e ali... Financeiramente, considerando as passagens e hospedagens, a diferença seriam 200 reais (calculados na ponta do lápis, hein?). Outra coisa que pesou muito foi a unânime decisão de fazer a trilha Salkantay no Peru. Então, precisaríamos de mais dias no Peru e acabamos optando por um roteiro um pouco diferente do habitual descrito aqui no site. Começamos a viagem por San Pedro de Atacama, passando por Uyuni, Santiago, Cusco (Salkantay e Machupicchu). Ficamos praticamente 7 meses vigiando o preço as passagens aéreas. Pelo o que a gente viu, até 3 meses antes da data da viagem, o preço varia pouco... Dos 3 meses em diante, varia muito. Passagens compradas, seguro saúde comprado, equipamentos que não estavam bons comprados... Eu sempre digo que o melhor da viagem é esperar por ela e sua programação. Confesso que nessa viagem em especial, a etapa da programação passou muito rápida e logo chegou o momento do embarque. Atualmente, moramos em Juiz de Fora. O nosso voo saía de Belo Horizonte. Talvez muitos já se perguntem o pq de sair por BH ao invés do RJ, que é muito mais perto... Pois bem, além de estar bem mai barato, também temos familiares em BH e aproveitamos para dar aquele abraço. Entretanto, na volta da viagem, arrependemos um pouquinho disso. Viajar tanto tempo e ainda ter que dirigir mais 4 horas para chegar em casa não é brincadeira. Na sexta feira pela manhã partimos para Belo Horizonte. Tentamos descansar um pouco, mas como é que controla a ansiedade? E o medo de perder o voo (que eram 05:45 do sábado)? E a “pequena” família que tem que ver? A sexta voou e já estava na hora de ir para o aeroporto. Então tudo começou... Pegamos um voo para Guarulhos, onde fizemos o controle migratório. Foi tudo bem rápido e tranqüilo. Em seguida, pegamos o voo para Santiago. Nesse voo eu desmaiei de sono. Eu só acordei mesmo porque não podia perder o lanchinho da LATAM, que não verdade era um sanduíche, biscoitinho e uma saladinha de frutas... ahahahah Quando acordei pela segunda vez, já estava aproximando de Santiago e aí veio a primeira emoção da viagem. Linda e gigantesca, a primeira vista da Cordilheira dos Andes... Pra mim foi algo muito emocionante. Não imaginava que seria tão linda e tão grande. Lembro da aeromoça dizendo que estávamos em área de turbulência, devido a cordilheira. Apertei forte a mão do Átila e todo o resto sumiu. Parecia estar só eu e ele. A euforia foi muito grande. Descemos em Santiago (1 hora de diferença) e fomos para o controle migratório. A moça que nos recebeu não perguntou nada. Carimbou os passaportes e pronto. Então tivemos que despachar as mochilas novamente, agora para Calama. Importante ponto a ser dito: Fizemos uma capa para as nossas mochilas cargueiras. Na verdade foram capas simples, mas que mantiveram as alças das mochilas íntegras até o final da viagem. Chegando em Calama, já havíamos fechado o transfer para San Pedro do Atacama com a Licancabur, então lá estava a moça com uma plaquinha e nosso nome. Demorou um pouco até a van da Licancabur chegar e partir para San Pedro. Com todo esse vai e vai de novo de avião e a correria do dia anterior, estávamos muito cansados. Fomos ao Hostel Mamatierra, no qual já tínhamos feito a reserva pelo Booking. O Hostel é uma graça. É bem perto da Caracoles. Muito silencioso. Cozinha muito bem equipada e disponível. Tem café e chá disponível 24 horas por dia. O banheiro é compartido, mas muito limpo. O único problema é que a água quente não era muito constante. Tava quente e do nada, gelava. Depois descobrimos que se mais alguém estivesse tomando banho, dava esse problema... rsrsrs.. Então o lance era esperar quando a galera já tivesse terminado. A maior vantagem desse hostel era que tinha água mineral disponível para os hospedes. Gente, isso no deserto é um luxo. A água é um bem precioso para eles. Lembrando que no Atacama só chove de 3 a 5 dias por ano (mentira!)... Além disso, era uma economia gritante. Não ter que comprar a água todos os dias e simplesmente encher as garrafas era algo muito bom... Quem nos atendeu foi a Anita, uma moça muito simpática e super disposta a ajudar. De cara, já falou onde estavam os pequenos mercadinhos da região. Por sorte, haviam dois bem ao lado do Hostel. Como chegamos tarde e não havíamos almoçado, resolvemos fazer uma comidinha no hostel msm. Compramos batatas desidratadas e salsichas. Fizemos um purê e as salsichas. Delicia! Aí, descobrimos que o vinho era algo muito barato lá! Mais barato do que água . Claro que bebidas alcoólicas em altitude, atenuam os efeitos... Então, compramos um vinho de 1,5 L... Fomos dormir. No outro dia iríamos acordar cedo e escolher uma agência para realizar os passeios. Dia 02 – 21 de maio de 2017 Acordamos cedo e fomos tomar o café no hostel. Muito bom por sinal. Fomos andar pela cidade e conhecer as agências. Como era domingo, as agências abriam só após as 10 horas, então fomos até a Igrejinha da cidade para conhecer. Quando as agências abriram, fomos direto na World White Travel acertar o Uyuni (já havíamos reservado com eles) e acabamos fechando todos os outros passeios com eles mesmo. Quem nos atendeu foi a Melina. Muito simpática e fez um preço especial por estarmos fazendo todos os passeios com eles. Em seguida fomos trocar dinheiro. A taxa varia um pouco, então vale a pena olhar. A melhor que encontramos fica na Gambart, bem perto da esquina da farmácia. Embora tenha levado um kit de primeiros socorros muito bom, acabei esquecendo o soro fisiológico e precisei comprar . É cruel a secura daquele lugar, viu? Então levem o soro e o colírio! Fomos ao hostel e preparamos um hambúrguer caprichado como almoço. Em seguida, fomos para a agência e de lá, para o Valle de La Luna,um vale de formações vulcânicas e sal. O lugar é lindo. É bem perto da cidade e poderíamos ter ficado o dia inteiro lá admirando. Entretanto, o passeio com as agências é muito corrido. Pouco tempo para apreciar o lugar. Então eu deixo uma sugestão: alugue uma bicicleta e vá cedo pra lá. Se não puder ir de bicicleta, vá andando. É perto, sai mais barato, você fica mais tempo e vai onde quiser. Fomos ver o pôr do sol da pedra do Coiote. Eu preferiria ter assistido do próprio Valle de La Luna, mas também foi lindo. Voltamos para o hostel, preparamos mais um lanche e comemos. Nesse dia, ficamos acordamos até muito tarde. Conhecemos alguns brasileiros (Flávia, Raphael, Osvaldo e Thiago) e foi aquela festa... Os meninos iriam para Uyuni no outro dia e a Flavia iria na quarta, então trocamos as expectativas... rsrsrsr... Começamos a nos preparar para o tão esperado próximo dia: Lagunas Altiplânicas e Piedras Rojas. Dia 03 – 22 de maio de 2017. Acordamos cedo e recebemos um café da manhã em saquinho do Hostel para levar. Muito caprichado (pão com queijo e presunto, pêssego em caldas, iogurte e barra de cereais)! 07:00 horas, o pessoal da agência chegou para nos buscar. Fomos de van e paramos em um povoado para tomar café. Simples, mas gostoso... Depois fomos até a Piedras Rojas e para a nossa surpresa, estava congelado. Era possível caminhar sobre o lago. Chovia um pouquinho, mas nada que atrapalhasse. O frio tava tenso. Uma moça do grupo não suportou o frio nas mãos e voltou passando um pouco de mal para a van. Eu já tive problemas sérios com frio nas mãos em outra viagem e aprendi da pior forma que, se está frio, não pare de se movimentar. Eu não queria perder a chance de aproveitar o local. Então já desci da van me movimentando muito.. . Eu e o Átila nos divertimos muito, mas ficamos um pouquinho tristes de não ter aquela vista das Piedras Rojas. Estava com baixa visibilidade... De lá, voltamos para a van e fomos em direção às Lagunas Altiplânicas. Vai subindo, subindo e nunca chega. De uma hora pra outra, começou a nevar. Muita neve e aí já não se via mais nada na frente... Chegando na portaria do parque das Lagunas, Tam Tam!!!!!! As Lagunas Altiplânicas estavam interditadas devido a neve! Como assim????????? O surto foi geral. Tinha gente na van querendo o dinheiro de volta, tinha gente com raiva, tinha gente que sabia o que estava perdendo e tinha a gente! Que descemos da van mesmo assim e fomos aproveitar a neve, já que era a primeira vez que presenciávamos o fenômeno. Hahahaha! Muitas pessoas viajam para ver neve e não presenciam o fenômeno! Até aí decidimos curtir o que tinha, mas no fundo o coração tava num aperto só de não ver as lagunas. Decidimos que repetiríamos o passeio outro dia. Fomos almoçar no mesmo local em que tomamos café da manhã. O almoço não estava muito bom, mas havia mais de uma opção. Eu pedi frango. Mas provei o tal omelete de quinoa e achei melhor... No almoço, já sabíamos que o clima estava estranho, pois estava chovendo. Pensei que seria por causa da altitude... Depois do almoço fomos ao Salar do Atacama. Pra variar, também não tinha visbilidade de fundo que compõe o cenário exuberante do local... Foi batendo a decepção com o passeio e eu já não tava mais achando graça na tal neve. Antes de ir para San Pedro, ainda paramos em Toconao. Lá tinha artesanato e uma lhama. Nada diferente. Voltamos para San Pedro e aí veio a bomba! Chuva. Muita Chuva. As ruas de San Pedro eram lama. Não se via mais aquele tanto de turista andando para lá e para cá. Em todos os sites que eu li falam que o período de chuvas no deserto é de dezembro a março. Estava no final de maio. É o deserto mais árido do mundo! Chove de 3 a 5 dias por ano! Como assim? O que estava acontecendo? “No deserto não chove”. Chove sim! Eu imagino que para algumas pessoas que vivem ali a chuva deve ser mesmo abençoada, porque chove muito pouco. Mas se pensar que é uma cidade turística, imagino que deve ter sido o terror de todos. Vários turistas indignados e querendo o dinheiro de volta... Nós fomos até a World, que já estava atrás de nós para dar a notícia fatal: No dia seguinte, iríamos para o Uyuni e adivinhe só! A fronteira Boliviana estava fechada por causa de neve. Então foram dadas duas opções: Ir para o Uyuni, sem passar pelas Lagunas Verde e Blanca, atravessando por Ollague, ou pegar o dinheiro de volta e ficar em San Pedro. Detalhe: todos os passeios para o outro dia em San Pedro estavam cancelados devido ao mau tempo. Perguntamos ao pessoal da cidade se era comum essa chuva naquela época e pasmem!!!!!!!! Sim! Alguns falaram que nas últimas semanas de maio e primeiras de junho é comum chover um pouco e cair nevascas nos locais mais altos dos tours. Eu nunca tinha lido isso. Nos falaram o seguinte: de dezembro a março, chove. Os tours podem ser cancelados por causa da chuva. De maio a julho, neva! Os tours podem ser cancelados e ficar muito tempo fechados. A melhor época para ir ao deserto é de agosto a outubro... Também nos alertaram que ultimamente o tempo está muito instável na região. Vem ocorrendo alguns fenômenos climáticos fora de época... Então se prepare! Tudo pode acontecer quando você se dispõe a ficar perto da natureza... Depois de muito pensar, decidimos manter o cronograma e ir pro Uyuni . Vimos muitas pessoas desistirem... Deu um frio na barriga, mas a Melina nos garantiu que tudo seria feito com a maior segurança e que o tempo estava bom em Uyuni... Como retornaríamos para San Pedro, teríamos tempo de fazer os outros passeios. Nesse dia experimentamos as famosas empanadas por mil pesos e fomos arrumar tudo para a viagem do Uyuni. Dormimos cedo.
  5. Oi, Pessoal!!!!! Meu nome é Roberta e no fim de Dezembro de 2017 fiz meu primeiro mochilão. Fui para o Peru, Bolívia e Chile, num total de 20 dias viajando. Só a primeira semana do mochilão que eu estava acompanhada por uma amiga que já conhecia, o restante fiz tudo sozinha, conheci muitas pessoas, culturas e lugares sensacionais. Passei alguns perrengues, mas faz parte!!!!! Antes de ir fiz muitas pesquisas!!!! Muitas mesmo!!! Foram meses lendo relatos, conversando com amigos que já foram e tentando achar gente pra ir comigo. Quero deixar meu agradecimento para Laryssa Vivi que teve a maior paciência comigo, ela foi uns meses antes que eu e me deu muitas dicas, me ajudou muito com roteiro e me incentivou a não desistir mesmo indo sozinha. Valeuuuu Laryssa!!!!! Também agradeço o Jeff RUIM, ele foi uns anos antes, não fez o mesmo roteiro que eu, mas deu dicas super válidas e o maior incentivo!!!!! Valeuuuu Jeff. Meus pais me chamaram de louca por, primeiro, colocar todas as minhas roupas em uma mochila e, segundo, por ir sozinha para o "perigo e pobreza da América do Sul". Eu amei, recomendo e voltaria!!!! Meu roteiro foi assim: 21/12 São Paulo – Cusco 22/12 Cusco 23/12 Cusco – Vale Sagrado e Águas Calientes 24/12 Machu Picchu 25/12 Cusco 26/12 Cusco 27/12 Cusco – Arequipa 28/12 Arequipa 29/12 Arequipa 30/12 Arequipa - Puno 31/12 Puno – Copacabana 01/01 Copacabana – La Paz 02/01 La Paz 03/01 La Paz – Uyuni 04/01 Uyuni – 1º dia de Tour 05/01 Uyuni – 2º dia de Tour 06/01 Uyuni (3º dia de Tour ) – Atacama 06/01 a 10/01 – Atacama 10/01 Atacama – São Paulo Observação - Diminuiria um dia em Cusco, um em Arequipa e talvez um no Atacama, aumentaria talvez um dia e La Paz ou iria conhecer outra cidade do Peru. O que levei no Mochilão (60L Quechua): - 3 calças de ginasticas, 3 compridas e uma mais curta - 8 blusas (4 blusas eram daquelas de algodão da Hering, só mudou a cor kkkkk, 1 de ginástica que não amassava, 1 mais bonitinha e 2 de alcinha com pano mais bonitinho pra sair) – não levaria a blusa mais bonitinha porque amassou inteira e não consegui usar mais e só levaria uma de alcinha ao invés das 2. - 2 calças jeans – só levaria uma - 1 jaqueta moletom - 10 calcinhas - 1 par de chinelos - 1 pijama (usei uma calça de ginástica velha que ficou por lá e uma blusa de pijama) - 3 tops de ginástica - 2 sutiãs - 1 gorro - 1 par de luvas - 1 blusa segunda pele - 1 calça segunda pele (quase não usei, mas acho que foi mais de preguiça) - 1 biquini - 1 toalha de secagem rápida - 1 shorts (não levaria) - 1 rolo de papel higiênico - 1 pacote com 100 lenços umedecidos - 1 secador de cabelo (não levaria) - 2 tênis (um no pé e outro na mala – só usei um!) - 8 pares de meia (2 térmicas, 2 de trilha e 4 normais) - 1 shampoo pequeno - 1 condicionador pequeno (tive que comprar outro lá) - 1 sabonete em barras (tive que comprar outro lá) - 1 saboneteira - 1 desodorante aerossol - 1 gilete (não usei) - 1 alicate de unha (não usei) - protetores solares: corpo, rosto e boca - 1 repelente - 1 capa de chuva (não levaria, compraria lá) - 1 soro fisiológico Na mochila de Ataque: - jaqueta corta vento - minhas maquiagens (base, pó, corretivo, rímel, batom e pincéis) – peso totalmente morto!!! Não usei nada - 1 escova de cabelo - 1 escova de dente - 1 pasta de dente pequena - 1 fio dental - 1 pinça - 1 espelhinho - 1 lixa de unha - celular - carregador celular - carregador portátil de celular + carregador - adaptadores de tomada (não usei, porque meus carregadores já tinham saída em formato de bolinha) - 1 T - 1 pen drive (não usei) - lacinhos de cabelo - 1 fone de ouvido (não usei) - 1 caneta - 1 pasta com documentos: voucher passagem, ticket trem de Ollantaytambo a Águas Calientes, Vouches Passagem Todo Turismo de La Paz para Uyuni, Certificado de Vacinação Internacional, Passaporte, Confirmação de Hosteis, Roteiro e TODOS os papeis que me entregavam nas imigrações) - Capa de chuva para mochilão - Remédios (plasil, neosaldina, mioflex, amoxicilina, emosec, repoflor, eno,.... e um kit todo) - Band Aid - 1 óculos de sol Observações - Não levei bota, porque comprei uma muito ruim da Quechua na Decatlhon e machucou meu pé, dai levei um tênis waterproff da Quechua muito bom e no fim só usei ele. - Não levei, mas recomendo levar: Bepanthol (boca fica destruída!), cachecol, blusa mais fina de manga comprida, álcool em gel, colírio e remédio para o fígado. - PAPEL HIGIÊNICO É MUITO NECESSÁRIO! Comprei Antecipadamente - Passagens aéreas - R$2000 que podia ser parcelado até em 10x, entrando por Cusco e saindo por Calama. - Trem de Ollantaytambo para Águas Calientes – comprei só este trecho, porque fui de trem e voltei de trilha. Comprei pela Peru Rail (no site dele mesmo) na Black Friday e paguei 45 dólares, o preço normal para época era 62 dólares. - Ônibus da Todo Turismo de La Paz para Uyuni – R$133,00 semi leito, mas o meu era leito – indico fortemente que comprem as poltronas 10 ou 11 se não me engano, não senta ninguém na sua frente e elas descem mais que as outras! Certificado de Vacinação Internacional - Exigido pela Bolívia, não me pediram, mas eu tinha comigo, vai que... Hostels - Já deixei todos reservados pelo Brasil, como ia sozinha não queria ficar batendo de porta em porta pechinchando valor e vendo se tinha vaga. -Todos foram pagos no local e NÃO antecipadamente. Seguro Viagem - Fiz pela Mondial, paguei R$230,00 (podia parcelar até em 3x). Fiz o mais caro porque a diferença era de R$70 reais apenas e com cobertura maior, não precisei usar mas vi muita gente passando mal. Façam! Dinheiro Levei 1800 dólares (usei 1000 dólares) + 400 soles (levaria apenas 100 soles do Brasil para despesas iniciais, como táxi do aeroporto ao hostel) + R$300 reais + 3mil pesos chilenos (não levaria) + cartão de crédito para emergência (usei no aeroporto na volta apenas) Paguei no Brasil por 0,0062 no peso chileno e R$1,23 no sol peruano – super caro! Cartão de Crédito: tenho Mastercard do Banco do Brasil, desbloqueei um mês antes de ir. Dois dias antes de embarcar liguei no banco e fui informada que não estava desbloqueado porque no Peru tinha uma norma a ser seguida, deveriam informar não sei quem lá sobre meu possível uso do cartão e demoraria 72hs para confirmarem se deu certo. No fim deu certo! Veja certinho com seu banco... Táxi - Usei no Peru e na Bolívia – não tem taxímetro, portanto negocie antes. Não pegue qualquer táxi pela sua segurança. Hosteis que fechei (pelo Booking) - CUSCO Inka Wild Hostel: SUPER RECOMENDADO - cama confortável, banheiros limpos, comida muito boa e barata, tem bar pra quem quiser se divertir um pouco, excelente localização, próximo a Plaza de Armas, com café da manhã, tem agência no local com preços bem em conta, deixei mochilão no depósito para ir para Machu Picchu. - ÁGUAS CALIENTES Casa Paz Hostel: OK – tinha uma aranha na minha cama, mas vida que segue! Era o hostel mais barato que encontrei, bem próximo da pracinha e do ponto de ônibus para subir Machu Picchu, mas tinha que subir uma ladeira imensa para chegar até ele, tinha café da manhã super gostoso, quartos cheiravam um pouco de mofo, mas pelo valor e por uma pernoite eu voltaria. Sfatt acordou antes das 4hs da manhã para fazer nosso café. - AREQUIPA Los Andes Bed & Breakfast: SUPER RECOMENDADO – cama de solteiro super confortável e quentinha, quarto super limpo, com loker e criado mudo individual, café da manhã e localização muito boa, meio quarteirão da Plaza de Armas. - COPACABANA San Cristobal (reservei outro, mas me mudaram para esse...) NÃO RECOMENDO – sujo, banheiro sujo, sem café da manhã, staffs de mal com a vida. Única coisa que prestou foi a localização. - LA PAZ Loki: RECOMENDADO -.não achei o melhor hostel que eu fiquei, mas estava limpo, cama confortável e quarto quentinho, bar para se distrair e conhecer gente, boa localização, comida melhor que da rua, sem café da manhã. - SAN PEDRO DE ATACAMA: Ckappin: SUPER RECOMENDADO – hostel simples, com quarto pequeno e sem café da manhã, mas me senti em casa. Staffs muito legais e ótima localização, melhor valor que encontrei em San Pedro de Atacama.
  6. Este é o relato do meu mochilão q fiz em setembro de 2017. Viajei por Bolivia, Chile e Peru. Foi minha primeira viajem internacional, fui sozinha e foi incrível. Foram 21 dias de viagem. O q eu consegui lembrar escrevi por dia q eu estive lá. Não anotei todos os gastos q tive mas no geral eu gastei 1200 dolares q já tinha trocado uns meses antes da viagem e 1300 reais em passagens aéreas e passagens de ônibus no Brasil. Os 1200 dolares foram suficientes pra todos os dias de viagem, conheci algumas pessoas q estavam viajando com real e não tiveram dificuldade pra trocar o dinheiro. Eu comprei as passagens aéreas uns 40 dias antes de viajar, comprei pelo site viajanet.com da Boliviana de Aviacion, eles não cobram pra despachar bagagem. Comprei antes de viajar o ingresso pra Machu Picchu pelo site do governo do Peru. Reservei o tour pelo Salar de Uyuni por e-mail com o pessoal da Quechua connection e paguei somente na hora. Reservei os hostels de San Pedro, Cusco e La Paz com antecedência, o restante fui vendo no dia mesmo ou um dia antes. Roteiro Geral 10/set São Paulo X Santa Cruz de la Sierra X Sucre X Uyuni 11/set Uyuni - Salar de Uyuni 12/set Salar de Uyuni 13/set Salar de Uyuni X San Pedro de Atacama 14/set San Pedro de Atacama 15/set San Pedro de Atacama 16/set San Pedro de Atacama X Arica 17/set Arica X Tacna X Arequipa 18/set Cañon Del Colca X Arequipa 19/set Arequipa X Cusco 20/set Cusco – Valle Sagrado dos Incas 21/set Cusco X Águas Calientes 22/set Machu Picchu X Águas Calientes X Cusco 23/set Cusco – Montanha Colorida X Puno 24/set Puno X Copacabana 25/set Copacabana X Isla del Sol 26/set Copacabana X La Paz 27/set La Paz – City tour 28/set La Paz - Chacaltaya + Valle de la Luna 29/set La Paz – Downhill 30/set La Paz X São Paulo Dia 1 Cheguei em São Paulo de manhã, a viagem de Colorado-PR até São Paulo de ônibus dura 8hrs. Peguei o voo em São Paulo para Santa Cruz de La Sierra 12:30, pela Boliviana de Aviacion. O voo chega em Santa Cruz as 15:30 do horário local. Na Bolivia é uma hora a menos que no Brasil, ai começa a confusão.. Eu cheguei as 16:30 no meu relógio e tinha o voo para Sucre as 16:45 (horário da Bolivia). Nesse momento eu desesperei e sai correndo achando q ia perder o voo... tinha q passar pela imigração, pegar a bagagem, passar na alfandega e fazer o check in, ou seja, na minha cabeça ja tinha perdido o voo kkkkkkk Nessa correria eu conheci o Pascual, q foi quem me lembrou do fuso horário e foi super legal comigo. Ele tbm ia pegar o voo para Sucre e nós ficamos la conversando. Cheguei em Sucre as 17:45 (BO) e a familia do Pascual tava la esperando ele, então eles me ofereceram carona até a rodoviária, já economizei o taxi e o aeroporto fica bem longe da cidade. O meu onibus para Uyuni sairia só as 20:30 então a Paola filha do Pascual me levou para conhecer a cidade e estava tendo um Festival da Virgem de Guadalupe, a cidade estava muito movimentada e tbm tem umas construções bem bonitas, vale a pena passar um dia lá pra conhecer mais da cidade. Então a Paola me levou pra rodoviária, na correria do aeroporto eu não troquei nada de dinheiro pra Boliviano, só estava com real e dólar e como era domingo não achei nenhum lugar pra trocar na cidade, então a Paola já fez mais um favor e pagou a taxa de embarque na rodoviária kkkkkkk A passagem do ônibus eu comprei antes de viajar pela internet da empresa 6 de Octubre e chegando na rodoviária emiti a passagem no guichê da empresa com o comprovante q eu tinha imprimido. O ônibus não tem banheiro e as poltronas não são la muito confortáveis, mas como eu estava super cansada já dormi bem rapido e só acordei com o frio na madrugada. Sucre estava calor mas quanto mais perto vai chegando de Uyuni a temperatura vai caindo bastante. Dia 2 Cheguei em Uyuni por volta das 05:30 e estava congelando. Sorte q já tinha fechado o passeio do Salar com a agência Quechua Connection 4wd ([email protected]) e só combinar com eles q vão te buscar na rodoviária. Quando cheguei o carro já estava la esperando. Eles levam em uma lanchonete onde tem banheiro , internet, aquecedor e servem o café da manhã (maaaaas eu não tinha um boliviano no bolso então não comi la pq tinha q esperar as casas de cambio abrirem) e a gente fica por lá até as 8:00 q é quando a agência abre. Já na agencia fiz o pagamento em dolar mesmo pro passeio de 3 dias e 2 noites pelo Salar, e já fechei o transfer até San Pedro de Atacama no Chile. Depois, como só iriamos começar o passeio as 10:30, fui trocar meu dinheiro e tomar meu "desayuno". Voltei pra agência pra esperar dar a hora pra sairmos e comecei a conhecer o pessoal q iria junto. Saíram 3 carros da agência, no meu estavamos em 7 pessoas contando o motorista. São carros grandes, não é um super conforto mas da pra ir de boa. Eram um casal de indianos, um casal de alemães e um suiço no carro comigo, o mais proximo do portugues era o motorista q falava em espanhol. Então eu vi q meus anos de skill valeram a pena e eu consegui me comunicar com o pessoal em inglês kkkkkk. É bom ver com a agencia quem vai junto pq eles podem te colocar junto com brasileiros caso vc queira. Num dos outros carros tinha 3 brasileiros, então dava pra eu ir com eles. A primeira parada do Tour pelo Salar é no cemitério de trens, o guia da uma explicação do local e ai deixa a gente la tirando fotos. Depois disso paramos numa vila onde os moradores extraem o sal do salar e empacotam pra vender, bem interessante de ver. A proxima parada já no Salar onde nós vemos a imensidão branca por todos os lados, nós pegamos as bicicletas - me parece q a agência Quechua Connecion é a unica q oferece esse passeio de bike pelo salar - e vamos no pedal até o ponto do Rali Dakar onde tem as bandeiras, ali nós paramos pro almoço. Até a gente chegar lá os guias já deixam tudo pronto. Depois disso, os guias param em algum ponto do salar pra gente tirar aquelas fotos maneiras de perspectiva, os guias são bem animados e dão varias ideias pra gente, e tambem se jogam no chão pra tirar as fotos kkkkkk. A proxima parada é na Incahuasi (Isla del Pescado) onde a gente pode subir por uma trilha e ver o salar do alto. Depois eles nos levam em um ponto pra gente ver o por-do-sol e é incrivel. Então partimos pro hotel, lá eles servem a janta e repartimos os quartos, eu fiquei só com mais uma pessoa no quarto, a cama é confortavel e tem bastante cobertas, já q a noite é bem fria. Tem banheiro nos quartos tbm. Aproveita pra tomar banho nesse dia q tem agua. Dia 3 Nesse dia tomamos café no hotel e saímos por volta das 8:00. A primeira parada é no Mirante para observar o Volcán Ollague. Depois disso andamos por um bom tempo nos carros e chegamos nas Lagunas Altiplânicas, é onde podemos observar os flamingos e umas montanhas com neve ao fundo. Em uma das lagoas paramos pro almoço, com certeza foi o almoço com a paisagem mais bonita da minha vida. Após seguimos o passeio pelo Deserto de Siloli onde fica a arbol de piedra, e foi ai q eu vi a neve caindo pela primeira vez e pude sentir os floquinhos gelados na pele, provável q foi um dos momentos mais felizes da vida, parecia criança kkkkkk. Então seguimos para a Reserva Nacional Eduardo Avaroa onde tem a Laguna Colorada, é uma lagoa de coloração avermelhada. Depois fomos aos Geisers Sol da Mañana e seguimos pro hotel. Nesse dia não tem banho de chuveiro, mas se tiver a fim de enfrentar o frio da pra entrar nas piscinas de aguas termais q ficam pertinho do hotel. Esse hotel é bem simples e ficamos em mais pessoas nos quartos. Tem cobertores suficientes pra enfrentar a noite muito gelada. Dia 4 Tomamos café e partimos rumo a fronteira pro chile. Mas antes paramos no deserto Salvador Dali e na Laguna Verde q ao fundo da pra ver o vulcão Lincancabur, que tbm pode ser visto do Chile. Na lagoa quem iria para o chile ficou em um carro e quem voltaria pra Uyuni foram pros outros carros. Era só eu e mais dois rapazes q fomos pro Chile. O carro nos deixou na fronteira do Chile onde pegamos uma van q ia pra San Pedro do Atacama. Chegamos la por volta de meio dia (adiantar o relógio em uma hora). A van passa pela imigração e depois nos deixa próximo a praça central de San Pedro. Eu já tinha reserva feita no Hostel Pangea, antes de ir pra lá troquei dinheiro e peguei um mapa da cidade no centro de informações q fica na praça. Fui pro hostel, deixei minhas coisas e já fui atrás de uma agencia pra fechar os passeios. Na esquina do hostel fica a Atacama Roots Expediciones/Towanda, já fechei todos os passeios q faria nos dias q ficaria no Chile. Pra tarde deste dia tinha o passeio pelo Vale de la muerte, mas não foi possível fazer pq estava ventando muito forte e não pode circular pelas estradas naquela condição. Entao voltei pro hostel e fiz amizade com um pessoal q estava la, ficamos bebendo umas cervejas e o famoso pisco. Nesse dia só comi umas empanadas q são vendidas numa mercearia perto do hostel e são muito boas. Dia 5 Dia de acordar cedo pro passeio com ressaca de pisco kkkkkkk. Tomei café no hostel e a van passou me buscar. A primeira parada foi no Sector Soncor, onde fica o salar de atacama q é bem diferente do de Uyuni, a laguna de Chaxa e tbm é a reserva nacional Los Flamencos. Depois seguimos pra Piedras Rojas, o lugar é maravilhoso, estava ventando bastante e muito frio. Depois fomos pra Toconao, onde almoçamos. Na volta pra atacama paramos no ponto do Tropico de Capricornio, e tbm do caminho Inca. Neste dia a noite fui fazer o tour astronômico com o pessoal da Astrocoya, recomendo eles. Foi uma experiência muito legal eles dão uma explicação muito boa de como se localizar pelas estrelas e tem os telescópios onde eles colocam em vários pontos pra gente observar, e sempre explicam o q estamos vendo. Dia 6 Neste dia acordei com sinusite e não fiz nada pela manhã, só fiquei descansando no hostel. A tarde fui pra um passeio pela Laguna Cejar, é uma lagoa onde a gente não afunda devido a alta concentração de sal q tem la. Depois passamos pelo local chamado de ojos del salar, q são duas lagoas redondas, de tamanhos bem parecidos, uma ao lado da outra. Então fomos ver o por-do-sol na laguna Tebenquiche, onde as montanhas vão adquirindo uma coloração avermelhada/roxa conforme o sol vai se pondo. Lá o guia prepara um lanche pra gente esperar o pôr-do-sol. Dia 7 Estava com a manhã livre neste dia, então aluguei uma bike e fui andar pelos arredores de San Pedro. Voltei pro hostel pra fazer check out, pq a noite (21:30) tinha meu ônibus pra Arica. A tarde fui para um passeio conhecer o Termas de Puritama, é um local onde tem umas piscinas naturais de agua quente, o lugar é bem gostoso e bom pra relaxar. Cheguei no hostel umas 18:00, aproveitei pra tomar um banho e comer mais empanadas. Então fui pra rodoviária pegar o ônibus pra Arica. A passagem eu já havia comprado no dia anterior, o ônibus é muito bom e tem as opções leito e semi-leito. A viagem dura cerca de 11 horas até Arica. Dia 8 Cheguei em Arica umas 08:30. Ao lado da rodoviária tem um terminal onde dá pra pegar um taxi compartilhado ou um ônibus até Tacna no Peru. Eu fui de taxi, é mais rápido e a diferença em dinheiro não é grande. O taxista espera encher o carro pra sair, o q acontece rapidamente. Ele para na imigração nos explica o q temos q fazer e onde ir, é bem tranquilo. Cerca de uma hora de viagem e ele me deixou na rodoviária de Tacna. No Peru são duas horas a menos q no Chile, então ajuste o relógio. O ônibus pra Arequipa saiu 09:15. A viagem dura umas 7 horas. O ônibus não é bom como o do Chile, mas eles colocam uns filmes então da pra se distrair durante a viagem. Coma alguma coisa ou leve um lanche pq não tem paradas durante a viagem. Na estrada vão entrando vendedores de vários tipos de comida, como eu não tinha levado nenhum lanche e estava com muita fome arrisquei pegar alguma coisa. Não passei mal e gostei kkkkkkk. Cheguei em Arequipa as 16:00. A cidade é grande e peguei um taxi da rodoviária até o centro. Não tinha hostel reservado, mas tinha alguns em mente q tinha visto no booking no dia anterior. Achei um perto de onde o taxi me deixou e fiquei por la mesmo. Deixei minhas coisas e fui fechar um passeio pelo Canyon del Colca para o dia seguinte. Troquei boa parte do dinheiro q iria usar no Peru neste dia e fechei o passeio. Aproveitei para dar uma volta pela Plaza de Armas e pela Catedral q é bem bonita, tem varias agencias por la, restaurantes, e comercio em geral. Voltei pro hostel pra descansar pq o passeio sai por volta de 3:30 da manhã. Dia 9 De madrugada a van me buscou no hostel e fomos pro passeio. A viagem leva umas 3 horas. Paramos numa cidade pra tomar café da manhã. E Seguimos até o canyon. A visão q tem la de cima é sensacional, é um lugar incrível. Existe a possibilidade de fazer trekking e descer pelo canyon, me parece q as agencias oferecem passeios de dois ou três dias. Na volta a van vai parando em alguns pontos da estrada onde tem moradores vendendo artesanato e o guia vai dando umas explicações sobre o lugar. Paramos pra almoçar na cidade (acho q é Chivay o nome), o almoço e o café da manhã são inclusos no passeio. Depois fomos em um lugar q tem umas piscinas de agua termal na margem de um rio. La paga a parte pra entrar, então se não quiser entrar nas piscinas pode ficar na outra margem do rio esperando e descansar um pouco. Cheguei em Arequipa de volta as 17:00. Tomei banho no hostel e fiz um lanche. Peguei um taxi até a rodoviária, eu já havia comprado a passagem pra Cusco no dia anterior, peguei da agencia Cruz del Sur, o ônibus é bem confortável e eles servem jantar (não é cobrado). O ônibus saiu as 20:00 e a viagem durou umas 11 horas. Dia 10 Chegando em Cusco peguei um taxi da rodoviária até o Milhouse Hostel, ele fica no centro, a localização é muito boa. O hostel é grande, tem uns três andares, é bem organizado, tem um bar onde tem festas a noite. Oferecem serviço de lavanderia e da pra deixar a mochila guardada la durante a ida a Machu Picchu. Cheguei bem cedo no hostel e o check in era só a tarde, então deixei a mochila e fui atrás de agencias pra ver os passeios. Dei uma volta pelo centro, passei por umas agencias, mas não fechei nada. Eu tinha um contato q peguei em um relato no mochileiros de um rapaz da Expediciones waynapicchu. Mandei mensagem pra ele no whatsapp (Samuel +51 984511511) e o irmão dele foi me buscar no hostel pra ir até a agencia, q é bem pertinho do hostel. Fechei com ele os passeios q fiz em Cusco e a ida a Machu Picchu. Ele já imprimiu minha entrada pra MP e comprou o boleto turístico, q é obrigatório para entrar em alguns lugares na cidade e no Vale Sagrado dos Incas. Na parte da tarde fui fazer o city tour por Cusco (fechado na agência). Ai já é preciso ter o boleto turístico, ele é obrigatório pra entrar em alguns lugares. O passeio começa num antigo templo Inca no centro de Cusco, q com a chegada dos espanhóis foi tomado e passou a ser uma Igreja Católica. Então seguimos pra lugares nos arredores da cidade onde é possível ver diversas construções Incas e o guia da explicações sobre os lugares. São lugares com uma historia muito rica, vale a pena demais conhecer cada um deles. O tour termina no começo da noite e voltamos pro centro da cidade, onde a van nos deixa. Dia 11 Dia de passeio pelo Vale Sagrado dos Incas. A van passou me pegar no hostel as 8:00, o passeio durou o dia inteiro. Passamos por Chinchero, Moray, Salinas de Maras, Ollantaytambo e Pisaq. Cada lugar com sua história e construções incríveis q vc olha e tenta entender como foi q eles construíram tudo aquilo. São lugares grandiosos q resistiram ao tempo, a guerra com os espanhóis e estão lá pra serem admirados, a inteligência com q o povo Inca construiu tudo, os sistemas de drenagem q funcionam até hoje, pedras empilhadas sem nada entre elas para mantê-las unidas, é realmente impressionante estar nesses lugares. Para entrar em Maras é cobrado uma taxa a parte, não está incluso no boleto turístico. O almoço é incluso no passeio. Dia 12 Dia de acordar cedo pra pegar a van até a hidrelétrica de Santa Tereza. Eu optei fazer a trilha q vai de Santa Tereza até Aguas Calientes, ultima parada para seguir até Machu Picchu. Tem a opção do trem q pega em Ollantaytambo e vai até Aguas Calientes, mas o valor não é dos melhores. A estrada de Cusco até a hidrelétrica é um espetáculo a parte, com curvas intermináveis, subidas e descidas de montanhas, espaços q mal passavam um carro, e 6 hrs de viagem. Então é bom tomar um remédio pro estomago e se tem medo de altura fique longe da janela kkkkkkk. Chegamos na hidrelétrica por volta das 15:00 e ai começa a caminhada seguindo pela linha do trem q dura cerca de 2:30, o q vai depender do ritmo da caminhada. A trilha é bem tranquila, sem perigo de se perder e tem bastante gente passando por ela. A minha mochila grande ficou no Milhouse Hostel em Cusco, eles não cobram nada a mais por isso. Chegando em Aguas Calientes fui atrás de um hostel, não tinha reservado nada e acabei achando uma pousada com um preço bem em conta pro quarto individual com banheiro. Dei uma volta pela cidade q é bem pequena e basicamente tem hotéis, restaurantes e barracas de artesanato. Optei por subir de ônibus ao invés de ir a pé para Machu Picchu, então comprei a passagem num guichê na rua. Comprei tbm algumas coisas pra fazer um lanche pra levar pra MP, tem restaurante lá mas a comida é bem cara. Dia 13 Dia de conhecer uma das Maravilhas do Mundo. Acordei cedo para pegar o primeiro ônibus pra MP q sai as 05:30. Cheguei na rua onde eles param e a fila já estava enorme. Mas não é demorado pq são vários ônibus saindo de lá naquele horário, então deu pra chegar com o sol nascendo. A energia daquele lugar é indescritível, é tão lindo e tão bom poder estar lá realizando um sonho q foi, sem duvida, um dos melhores dias da minha vida. Entrei sozinha lá e admirei o lugar por um tempo, mas depois consegui encontrar o guia q era da agencia q eu havia feito os passeios e fiquei com o grupo, pq o lugar é cheio de historias e cada parte representa alguma coisa, então é bom ter alguém q te explique o q está vendo. Depois o guia libera o pessoal pra ir nas partes mais altas de onde da pra tirar aquela foto clássica com MP ao fundo. As 14:30 eu tinha q estar na hidrelétrica pra pegar a van de volta pra Cusco, então comecei descer a pé mesmo umas 11:00. Comprei algumas frutas e agua em Aguas Calientes e fui fazer a trilha de volta pra hidrelétrica. Passe repelente durante a trilha pq tem bastante insetos. A van chega em Cusco por volta das 21:00. Voltei pro Milhouse Hostel onde já tinha feito a reserva antes pra ficar até o dia seguinte. Dia 14 Neste dia fui até a Montanha Colorida. A van passou umas 5:30 no hostel pra me buscar. A viagem é um pouco demorada, paramos pra tomar café da manhã, q estava incluso no passeio e seguimos viagem. A trilha até a montanha tem uns 5km mas a parte difícil é q ela passa dos 5 mil metros de altitude, eu literalmente dava dois passos e tinha q parar pra recuperar o folego. Acho q meu corpo já estava cansado dos dias anteriores e não foi muito fácil chegar até o topo. Mas devagar deu certo kkkkkkkk Tem um pessoal q fica por lá alugando cavalos pra te ajudar subir, mas eu sou contra usar animais pra isso então fui quase infartando mesmo. E chegando lá a recompensa pelo esforço é a melhor, a montanha toda colorida e linda, chega a ser inacreditável q ela tenha todas aquelas cores. Fiquei lá admirando a paisagem e respirando um pouco. Na descida todo santo ajuda, mas ainda assim pra chegar até onde as vans ficam deu trabalho. Na volta paramos no mesmo lugar do café pra almoçar, estava incluso tbm. Cheguei no hostel em Cusco umas 16:00, tomei banho, arrumei minhas coisas e fui pra rodoviária de taxi. O ônibus para Puno saia as 22:00. Não me lembro a agencia de ônibus q eu comprei a passagem e nem me lembro do ônibus tbm, acho q de tão cansada q estava, só acordei em Puno quando o ônibus chegou na rodoviária. Dia 15 Em Puno, na rodoviária mesmo comprei o passeio para Uros, e a passagem pra Copacabana as 14:00. O passeio de Uros começou as 08:30 e fomos de barco conhecendo as ilhas flutuantes q os próprios moradores constroem. Paramos em uma delas onde os moradores nos falam e demonstram como é a vida deles nas ilhas (e tentam fazer a gente comprar os artesanatos). Retornamos meio dia então procurei um lugar pra almoçar e voltei pra rodoviária esperar o ônibus das 14:00. Como Copacabana fica na Bolivia, tivemos q parar na imigração, o q é bem tranquilo. Cheguei em Copacabana as 17:00 e fui pro Hostel Brisas del Titicaca onde tinha feito a reserva de um quarto individual no dia anterior. Deixei minhas coisas e fui atrás de fechar o passeio para a Isla del Sol pro dia seguinte. Depois dei uma volta pela orla, o por-do-sol lá é perfeito. Por lá tem varias barracas onde servem refeições, eles tem bastante pratos com truta, e foi uma das melhores refeições q eu fiz durante a viagem, e os pratos são bem baratos. Dia 16 O barco para a Isla del Sol saiu as 08:30 do porto. Minha intenção era passar a noite na ilha, mas não vi nada de tão atraente pra ficar por lá, então comprei a passagem de volta direto com o piloto do barco pra voltar, o q saiu mais barato q se tivesse pego na agência. A ilha é bem bonita, fizemos uma trilha por ela até chegar no porto onde o barco estava pra voltar pra Copacabana. Voltei pro hostel e tive aquele resto de dia e noite pra descansar e comer mais truta pq é muito bom kkkkkkk. Dia 17 Fui dar uma volta por Copacabana, fui na Igreja e no comercio da rua, já q o ônibus para La Paz saia as 13:30. O lugar é bem pequeno então não tem muito o q fazer. Peguei o ônibus pra La Paz e cheguei lá por volta das 18:00. Depois do sossego do Titicaca vem o barulho de La Paz. Eu não sou muito fã de cidade grande mas gostei de lá, a cidade é dividida entre parte alta e baixa, e conectando os lugares tem varias linhas de teleféricos, o q economiza um bom tempo pra se locomover. O ônibus deixa a gente em frente o cemitério, de lá eu peguei um taxi até o Loki Hostel, q é bem localizado no centro. O Hostel é tão bem organizado quanto o q eu fiquei em Cusco, tem um bar bem agitado, tbm tem uma agencia de turismo lá dentro, mas não fechei nada lá pq estava mais caro. Dia 18 Acordei cedo e fui procurar agencias pra fechar os passeios. Passei por algumas e acabei fechando com a Vicuna Travel (Calle Illampu 742). Comprei Chacaltaya + Valle de la Luna pro dia seguinte e pro ultimo dia o Downhill pela estrada da morte. O Downhill q eles vendem é de uma outra empresa a no fear adventures, a agencia deles fica na rua Santa Cruz 242, dentro do Hostel Blanquita, acredito q se ir direto lá consegue pagar mais barato. Eu optei pela bike com suspensão dianteira e traseira q era a mais cara. Eu recomendo eles pro passeio, nós fomos em sete pessoas, mais um guia na frente, um outro q ia tirando fotos durante o percurso e o motorista com a van q ia sempre atrás da ultima pessoa na bike. Vi alguns grupos bem grandes de outras empresas e o pessoal ficava bem disperso. No nosso grupo, sempre tinham paradas pro pessoal ficar junto e mais perto dos guias. Depois de fechar os passeios fui andar por La Paz, fui até o miradouro de Killi Killi de onde se consegue ver a cidade toda. Depois fui até a linha vermelha do teleférico dar uma volta. Então fui até o mercado das bruxas, onde tem vários tipos de artesanato, ervas medicinais, e aproveitei pra comprar algumas lembrancinhas. Dia 19 O ônibus passou as 8:00 no hostel pra me buscar e ir até a montanha Chacaltaya. Demoramos um pouco pra conseguir sair da cidade por causa do transito. Depois a viagem é rápida até a montanha. Conforme ia se aproximando já dava pra ver as montanhas cobertas de neve, tão lindas, parecendo sorvete de flocos. Chegou um ponto q o ônibus não conseguia mais subir por causa do gelo então descemos pra ir andando até Chacaltaya. A sensação de estar na neve é maravilhosa, é impossível não se jogar e ficar igual criança la brincando kkkkkkk. Depois pra chegar até o Vale de la Luna, tivemos q voltar pra La Paz e atravessar toda a cidade. Lá já estava bem calor, então tem q ir com uma roupa mais leve por baixo pra fazer o passeio. O lugar tem uma trilha pra gente seguir pelo meio das formações rochosas. Mas depois do encantamento da neve não tem nada q chame muito a atenção. Dia 20 Ultimo dia de viagem e dia de Downhill. Fui até a agência No fear adventure onde tinha combinado de estar la as 7:30. Lá eles dão a roupa impermeável q a gente usa no passeio, o equipamento de segurança e dão todas as instruções necessárias. Depois nos levam pra tomar café da manhã e seguimos pra estrada. Paramos no local onde vamos montar nas bikes e começar a descida pela estrada. Neste ponto é bem frio e tem vento. Andamos uns Km pela estrada asfaltada, q foi construída pra substituir a antiga estrada da morte. Depois entramos pela estrada de cascalho e começam aparecer os penhascos em volta e da pra entender pq o nome da estrada, com o tempo o medo vai passando e da pra aproveitar mais a paisagem e soltar o freio kkkkkkkk. Conforme vai descendo vai ficando mais calor, tem q estar com uma roupa leve por baixo. Fizemos varias paradas pelo caminho pra tirar fotos e sempre manter o pessoal próximo. A parada final é em um restaurante, onde o almoço já estava incluso no passeio. Não tinha mais ninguém no lugar além de nós do passeio. Tem um rio onde da pra tomar banho, umas redes pra descansar. É bem aconchegante o lugar. Depois do descanso voltamos pra La Paz, pela estrada asfaltada na van. Chegamos em La Paz no fim da tarde. Dia 21 Meu voo saia de La Paz as 6:00. Acordei as 3:30, fiz o check out e peguei um taxi até o aeroporto. O voo até Santa Cruz dura uma hora. Lá esperei um pouco e peguei o avião pro Brasil as 8:00. Meio dia do horário do Brasil já estava em Guarulhos e peguei um ônibus pra minha cidade no Paraná.
  7. Índice do Relato: [Pag. 1] Capítulo 1: Preparativos para a viagem [Pag. 1] Capítulo 2: Santa Cruz de la Sierra, Sucre e... o mal da altitude. [Pag. 4] Capítulo 3: Enfim Uyuni! Três dias inesquecíveis. [Pag. 6] Capítulo 4: Vulcões, desertos e as Lagunas Altiplânicas. [Pag. 8] Capítulo 5: ¡Adiós, Uyuni! A beleza dos Geisers e o sofrimento dos -10ºC. [Pag. 10] Capítulo 6: Os encantos de San Pedro de Atacama. [Pag. 11] Capítulo 7: As Piedras Rojas, as Lagunas Altiplanicas e o Salar de Atacama. [Pag. 12] Capítulo 8: O Salar de Tara e o adeus a Atacama. [Pag. 15] Capítulo 9: De Arica para Tacna: cruzando a fronteira com o Peru. [Pag. 16] Capítulo 10: Ô Maria esta suruba me excita... Arequipa! Arequipa! Arequipa! [Pag. 17] Capítulo 11: De um luxuoso ceviche à muvuca do Mercado San Camilo. [Pag. 20] Capítulo 12: Dois dias de calotes, perrengues e superação pelo magnífico Cañon del Colca. [1ª Parte] [Pag. 20] Capítulo 12: Dois dias de calotes, perrengues e superação pelo magnífico Cañon del Colca. [2ª Parte] [Pag. 22] Capítulo 13: Oásis são reais! Um dia de muita diversão pelas dunas de Huacachina. [Pag. 22] Capítulo 14: As Islas Ballestas e a Reserva Nacional de Paracas: um passeio pelo Oceano Pacífico. [Pag. 24] Capítulo 15: Cusco, a cidade histórica. [Pag. 26] Capítulo 16: O Vale Sagrado dos Incas. [Pag. 29] Capítulo 17: O lindo – e traumatizante – caminho até Aguas Calientes. [Pag. 34] Capítulo 18: Machu Picchu, a Cidade Perdida dos Incas... e uma noite no hospital. [Pag. 38] Capítulo 19: Até a próxima, Machu Picchu! É hora de seguir para Puno. [Pag. 39] Capítulo 20: Puno e o passeio pelas Islas Flotantes de Uros e Isla Taquile. [Pag. 44]Capítulo 21: Cruzando a fronteira com a Bolívia rumo a Copacabana. [Pag. 46] Capítulo 22: Os encantos da Isla del Sol. [Pag. 49] Capítulo 23: O adeus à Isla del Sol. É chegada a hora de conhecer a caótica La Paz. [Pag. 51] Capítulo 24: Chacaltaya, Valle de la Luna... e o dia em que fomos furtados. [Pag. 57] Capítulo 25: O eletrizante downhill pela Carretera de la Muerte. [Pag. 62] Capítulo 26: ¡Hasta la vista, baby! É hora de voltar pra casa. [Pag. 62] Capítulo 27: Agradecimentos. Pessoal, criei recentemente um instagram só de viagens. Então se você também ama carimbar seu passaporte, segue lá: @queridopassaporte. Aproveita pra comentar que veio pelo Mochileiros hehe. Editado: Baixe o PDF com o relato completo: relato_rodrigovix_26dias_bolivia_chile_peru_abril2015.pdf (Agradecimentos à Fernanda Arruda por ter compilado o relato em pdf pra gente - página 47) Salve, salve, mochileiros deste Brasil varonil! Cá estou eu prazerosamente cumprindo minha obrigação de compartilhar o relato da viagem que fiz em abril deste ano. Digo “obrigação” mesmo, porque me sinto moralmente obrigado a ajudar o mínimo que seja no planejamento da viagem dos próximos mochileiros, uma vez que 99%, se não 199%, se não 27.569%, se não 6,02x10²³% (aulas de química? alguém lembra? hehedeusmelivrehehe) do meu planejamento se devem aos relatos e informações presentes aqui neste fórum. Por isso, já vou logo deixando o meu MUITO OBRIGADO, CAMBADA!!! Antes de mais nada, devo informar que este relato será cheio de texto, informações e fotos (muitas fotos). Portanto, praquela galera menos paciente que gosta de ir direto ao assunto, farei, ao final, uma versão resumida com as principais informações, belê? O ROTEIRO: O roteiro já é um clássico aqui no mochileiros. A chegada por Santa Cruz de la Sierra, seguindo pra Uyuni, depois Atacama, subindo pro Peru e fechando a volta até La Paz é um bom caminho para irmos nos aclimatando gradativamente. Muitos optam pelo caminho inverso e sofrem muito com a brusca mudança de altitude ao chegar em La Paz. 01/04 Vitória x São Paulo x Santa Cruz de la Sierra x Sucre 02/04 Sucre x Uyuni 03/04 Salar de Uyuni 04/04 Salar de Uyuni 05/04 Salar de Uyuni 05/04 San Pedro de Atacama 06/04 San Pedro de Atacama 07/04 San Pedro de Atacama x Arica 08/04 Arica x Tacna x Arequipa 09/04 Arequipa 10/04 Cañon del Colca 11/04 Cañon del Colca x Arequipa x Ica 12/04 Huacachina 13/04 Islas Ballestas + Paracas 13/04 Ica x Cusco 14/04 Cusco 15/04 Cusco (Vale Sagrado) 16/04 Cusco x Aguas Calientes 17/04 Machu Picchu 18/04 Aguas Calientes x Cusco x Puno 19/04 Puno (Uros + Taquile) 20/04 Puno x Copacabana 21/04 Isla del Sol 22/04 Isla del Sol x Copacabana x La Paz 23/04 La Paz (Chacaltaya + Valle de la Luna) 24/04 La Paz (Downhill) 25/04 La Paz 26/04 Santa Cruz de la Sierra x São Paulo Quanto ao valor no título (1.600 dólares), ele se refere a PASSAGENS AÉREAS + TRANSPORTE + ALIMENTAÇÃO + HOSPEDAGENS + PASSEIOS durante esses 26 dias. Só não inclui aqui os gastos prévios que tive com vestuário, bota impermeável, mochilas, câmera e equipamentos fotográficos, passaporte, etc., porque isso varia muito de pessoa pra pessoa. E como o custo em reais depende muito do preço do dólar à época, decidi manter em dólar. De toda forma, a quem interessar possa, ficam aqui algumas coisas que comprei: - Bota Timberland Flume Mid Waterproof http://www.centauro.com.br/bota-timberland-masculina-flume-mid-waterproof-777831.html Pra quem quer investir numa bota impermeável, é uma ótima opção, além de ser esteticamente bonita. Pisei em diversas poças d'água, peguei chuva, e os pés continuaram secos. Ela é até confortável, mas isso não costuma ser a principal característica de botas de trekking, então não espere o conforto de um tênis. Foi o único sapato que usei durante toda a viagem (além do par de chinelos, claro). - Blusa e calça segunda pele (1ª camada), fleece (2ª camada) e casaco corta-vento-e-chuva (3ª camada), money belt, saco de dormir (lençol), mochila, capa para mochila, meias, toalha de secagem rápida e mais uma porrada de coisas eu comprei na Decathlon. É o lugar mais completo e barato para se comprar essas coisas. Deixei uma grana boa por lá. Dá uma olhada no site e, se tiver uma loja perto de você, melhor ainda, dê uma passada lá. http://www.decathlon.com.br/ - Câmera Nikon D5300 kit de lente 18-55mm VR II http://www.nikon.com.br/Nikon-Products/Product/dslr-cameras/1522/D5300.html - Lente Wide Angle Sigma 10-20mm f4-5.6 https://www.detonashop.com.br/lente-grande-angular-sigma-10-20mm-f-4-5-6-ex-dc-hsm-para-nikon.html - Tripé, filtro polarizador, disparador remoto, etc. eu comprei pelo Mercado Livre. SOBRE AS MOCHILAS... Usei uma Forclaz 50L Quechua... http://www.decathlon.com.br/montanha-aventura/mochilas-38170/mochila-trecking/mochila-forclaz-50-litros-quechua_167478 E uma Targus Spruce EcoSmart de mochila de ataque. http://targus.com/us/15_6-spruce-ecosmart-backpack-tbb013us Essa da Targus eu já tinha há bastante tempo. É uma mochila mais voltada para notebook, mas como eu não queria gastar com uma mochila de ataque, optei por essa mesmo. Foi nela que carreguei meus equipamentos fotográficos durante todo o tempo. Obs.: É MUITO importante uma mochila de ataque (mochila de menor tamanho) nesse tipo de viagem. Isso evita carregar peso desnecessário em diversos momentos. Não deixe de levar uma. Quanto à mochila de 50L, muitos me questionaram se não era pequena demais pra 26 dias. Minha resposta é: depende. Se você não quiser lavar muita roupa, tem que levar uma maior. Agora, se você busca praticidade, 50L bastam. Levei roupa pra uma semana, mais ou menos, e usava o serviço das lavanderias sempre que necessário. É barato e você acha fácil em qualquer lugar por onde passa. Aqui vai uma relação completa do que levei nessa viagem: 7 camisetas 1 camisa manga longa segunda pele (1ª camada) 1 calça segunda pele (1ª camada) 1 casaco fleece (2ª camada) 1 casaco impermeável (3ª camada) 1 calça-bermuda 3 bermudas 8 cuecas 6 pares de meias grossas cano alto 1 toca 1 par de luvas 1 toalha microfibra (secagem rápida) 1 saco-lençol de dormir 1 money belt (doleira) 1 relógio 1 sabonete 1 shampoo médio 1 protetor solar grande 1 protetor labial 1 repelente 2 cadeados 1 escova de dentes 1 creme dental 1 barbeador elétrico 1 desodorante aerossol 1 perfume 1 cortador de unhas 1 canivete suíço 1 kit remédios (enjoo, dormir, dores e gripe) 1 bepantol creme 1 par de óculos de sol 1 pacote de lenços umedecidos 1 celular 1 carregador 1 par de fones de ouvido 1 máquina fotográfica 1 lente 18-55mm 1 lente 10-20mm 2 cartões de memória 32GB 1 tripé grande 1 mini-tripé 1 kit limpeza para câmera 1 caneta 1 bloco de anotações 1 capa de chuva para a mochila 1 pasta plástica para documentos 1 carteira com Identidade e Cartão de Crédito Internacional NA PASTA DE DOCUMENTOS: Cartões de embarque Ingresso de Machu Picchu + Huaynapicchu Cartão internacional de vacina (ANVISA) Certificado do Seguro Viagem Nota fiscal dos equipamentos fotográficos Todos, eu disse TODOS os papeis que você receber durante a viagem É importante levarmos uma pasta para documentos. Levei uma dessas de plástico maleável, que permite dobrar ao meio e guardar facilmente na mochila. É ali que você vai carregar muita coisa importante, como: - Cartões de embarque: Guarde-os sempre, mesmo quando já tiver realizado o voo. Nunca se sabe. - Ingresso para Machu Picchu: Compramos pelo site oficial, e não por agências. Tentamos com o meu cartão e não consegui, mesmo com a liberação da VISA para compras internacionais. Tentamos com o cartão da minha cunhada, e deu certo. A dúvida então seria quanto à exigência de que o titular do cartão seja um dos que ingressarão no parque. Levamos cópia do cartão e da identidade dela, com medo de sermos barrado na entrada. Quando chegamos lá, nem olharam pra nossa cara direito. Olharam o ingresso, carimbaram a entrada e pronto. - Cartão Internacional de Vacina: A vacina contra febre-amarela, por lei, é obrigatória para ingressar na Bolívia. Se você já tomou essa vacina nos últimos 10 anos, basta ir direto a um posto da ANVISA retirar o seu Certificado Internacional. No meu caso, precisei tomar de novo, porque já não tinha mais a minha carteirinha. Fui a um posto de saúde e me vacinaram na hora. Verifique antes os dias e horários de vacinação do seu posto, pois eles costumam destinar um período específico da semana pra certos tipos de vacina. Depois de vacinado, fui à ANVISA (já tendo feito previamente o cadastro no site deles, que eles pedem mais pra adiantar o atendimento) e lá emitiram o Cartão Internacional de Vacina. Aí você me pergunta, em algum momento pela Bolívia as autoridades nos cobraram este Cartão? A resposta é NÃO, como você pode ler em todos os relatos aqui do fórum. Massss, lei é lei, e você não quer dar sorte ao azar numa viagem dessas, certo? Pois é. - Certificado do Seguro Viagem: Faça um Seguro Viagem. Não chore miséria e nem cogite não fazer numa viagem desse tipo. Eu fiz e foi o que me salvou, pois precisei acioná-lo. É um valor relativamente pequeno (menos de R$200) perto da segurança que é contar com o amparo médico em terras estranhas. Há relatos de pessoas que gastaram fortunas com hospitais por não terem feito o Seguro, portanto não dê essa bobeira. Eu fiz pela Mondial Travel, apenas porque foi o que mais li nas indicações aqui no fórum. Faça sua pesquisa e escolha a empresa que achar melhor, mas não deixe de se assegurar. - Notas fiscais de equipamentos eletrônicos: É uma forma de comprovar que você os comprou no Brasil ou em outro local cujos impostos já foram devidamente pagos. Eu não quis arriscar e levei as notas dos equipamentos fotográficos que estava carregando. Se você estiver levando notebook, máquinas de maior valor e afins, não custa nada levar as notas, caso ainda as tenha. Não ocupa espaço e te dá mais tranquilidade. Mas eu precisei usar? Não. Nem mesmo na declaração aduaneira eu precisei registrar, porque era considerado “uso turístico”. Então é quase uma questão opcional, vai de cada um. - Todos os papeis que você receber: Guarde TODOS. Muitos deles você irá precisar quando estiver retornando ou saindo daquele país, e perde-los é uma dor de cabeça que você quer evitar. Nós já aproveitamos a pastinha pra ir guardando tudo, de documentos de imigração até recibo carimbado de passeio. Sem falar que é a melhor forma de você se recordar dos lugares que visitou, os nomes, a ordem das coisas que viu, etc. NO MONEY BELT: Dólares Reais Passaporte Chave reserva do cadeado O uso do money belt (uma espécie de cinto onde se guarda documentos e dinheiro e que se usa por baixo da roupa) é altamente recomendável. Deixar essas coisas na mochila pode ser muito arriscado, porque o principal problema do turismo são os altos índices de furto. Mantenha seu dinheiro e o seu passaporte com você o tempo todo, e só tire para tomar banho. Durante o único e pequeno momento em que nos afastamos do nosso money belt na viagem, deu merda. Então não se arrisquem. Ah, outra dica é não deixar o cartão de crédito junto com o dinheiro e o passaporte. Por segurança, é melhor que ele esteja em um local separado. Se você for furtado ou perder seu money belt, terá o cartão para emergência. No nosso caso, deixávamos o dinheiro e o passaporte no money belt e o cartão de crédito guardado na mochila. O mesmo vale para as chaves do cadeado. Mantenha a chave reserva guardada em um local separado. PREPARATIVOS PARA A VIAGEM: Bom, a preparação pra essa viagem começou lá em agosto de 2014, mais ou menos. Quando digo “preparação” leia-se “- Bora viajar pela América do Sul ano que vem? - Bora! - Então fechou!”. De lá pra cá, muita pesquisa, muito rabisco, muita mudança de planos e muito obstáculo. Isso é normal, não se assustem. Se querem atingir o grande objetivo de viajar pelo mundo, estejam preparados para enfrentar de tudo um pouco. As únicas coisas que compramos com antecedência foram as passagens aéreas BRA x BOL, o aéreo Santa Cruz x Sucre, o Seguro Viagem e os ingressos para Machu Picchu + Huaynapicchu, pois, se você deseja subir este último, é necessário comprar com meses de antecedência (a subida ao Huaynapicchu é limitada a dois grupos de 200 turistas por dia). Pegamos uma promoção da GOL e pagamos R$ 574,77 no trecho ida e volta SP/Guarulhos (GRU) x (VVI) Santa Cruz de la Sierra/Viru-Viru (fiquem atentos aos grandes feirões de promoção que costumam acontecer a cada dois meses em média). O trecho VVI x SRE/Sucre optamos por fazer de avião, e pagamos US$ 55. Já o Seguro Viagem, pagamos R$ 140 para cobertura Mochilão / 26 dias / Bolívia, Chile e Peru. Tudo ia dando certo, dinheirinho na poupança todo mês, 13º dando aquele help, planejamento seguindo nos conformes. Masssss a calmaria antecede a tempestade, meus jovens. E foi só chegar nos últimos dois meses antes da viagem que o Universo começou a dizer “Tá achando que vai ser fácil assim, cara pálida? Negativo”. Pra começar, o dólar, que já não parava de subir, decidiu entrar num foguete e decolar rumo à estratosfera. E como só compraríamos os dólares na véspera da viagem... nos F*DEMOS bonito. Só em março foi um aumento de R$ 0,35 (trinta e cinco f*cking centavos). E isso só nos deixou com duas opções: injetar mais dinheiro pra compensar a subida ou economizar ainda mais pra compensar a queda. Acabamos optando por um pouco de cada. Ok, alta do dólar devidamente “digerida”, seguíamos com os preparativos finais. Mas aí o Universo deu aquela risada de deboche e disse “Pensam que acabou? Então peraí...”, e resolveu mandar o que parecia ser algo bem simples tipo O FIM DO MUNDO: Vulcões em erupção no Chile. “-Beleza, acontece.” Dilúvio no Atacama. “-Oi??? Dilúvio na p*rra do deserto mais seco do mundo?!” Terremoto de 5,8 com alerta de tsunami. “-Véi, na boa...” Crise política se agrava no Peru. “-MAIS GRAVE VAI FICAR QUANDO EU CHEGAR AÍ!!!1” Sacomé, a gente é mochileiro, e mochileiro brasileiro não desiste nunca. Ignoramos todo o caos, a zica e as 14 velas acesas por nossas mães e partimos rumo ao Apocalipse. Afinal, se é pra curtir o fim do mundo, que pelo menos seja de mochila nas costas batendo perna por aí, né não? PRÓXIMO CAPÍTULO: Partiu Mochilão!!! Santa Cruz de la Sierra, Sucre e... o mal da altitude.
  8. Mais um relato do clássico roteiro e eu resolvi compartilhar com vocês tudo ou boa parte do que foi vivido nesses 25 dias de viagem, para começar irei deixar meu roteiro para que vocês possam se basear no que for escrito. Roteiro: 02/out São Paulo - Santa Cruz - Sucre 03/out Sucre - Uyuni 04/out Salar de Uyuni 05/out Salar de Uyuni 06/out Salar de Uyuni - San Pedro de Atacama 07/out San Pedro de Atacama 08/out San Pedro de Atacama x Arica 09/out Arica x Tacna x Arequipa 10/out Arequipa 11/out Arequipa - Ica 12/out Ica - Huacachina 13/out Islas Ballestas + Paracas - Ica - Lima 14/out Lima x Huaraz 15/out Huaraz 16/out Huaraz x Lima 17/out Lima x Cusco 18/out Cusco 19/out Cusco 20/out Cusco 21/out Cusco 22/out Cusco - Copacabana 23/out Copacabana 24/out Isla x Copacabana - La Paz 25/out La Paz 26/out La Paz - Santa Cruz 27/out Santa Cruz de la Sierra - SP Esse foi o roteiro seguido por mim e por minha parceira de viagem (Katarine) que eu conheci graças ao mochileiros.com e foi uma pessoa parceira/irmã em toda a viagem e a quem eu sou muito grato por tudo o que ela fez antes, durante e depois da nossa viagem. Muito obrigado Ka . Gostaria de agradecer também a todas as pessoas que compartilharam suas viagens aqui, rodrigovix, Mary Telles, Barbara e muitos outros, obrigado mesmo . Preparativos: Antes de viajar comprei algumas roupas para frio que me faltavam e não vou colocar isso aqui no custo final da viagem pois é algo que a maioria pode ter. O que foi comprado antes foi: Passagens Ida x Volta São Paulo x Santa Cruz - Passagem de avião de Santa Cruz x Sucre pela amazonas - R$ 130,00 - Passagem de avião Lima x Cusco pelo site da Avianca Peruana o que nos rendeu um frio na barriga enorme antes da partida, aguardem os próximos capítulos USD 38,00 - Passagem La Paz x Santa Cruz pela Boa R$ 205,00. Comigo levei 930 dólares e 300 reais, não levei cartão de crédito pois estava sem e não foi necessário em momento nenhum da viagem inteira. O que levei na mochila: 7 camisetas 3 calças jeans 2 terceira pele 1 capa de chuva 1 corta vento 1 moleton 8 pares de meia 1 chinelo 3 bermudas 1 bota 1 capa de chuva do mochilão 1 Canon sx510hs 1 Go pro hero 3+ 1 protetor solar 1 óculos de sol Alguns remédios para dor e alergia. O mochilão que eu usei foi um da Quechua de 50 litros que eu havia comprado no ano passado e que serviu tranquilamente, levei uma mochila de ataque de 20 litros que foi de uma serventia tremenda. Também levei uma pequena de 10 litros que usa para carregar a câmera, protetor, óculos e doleira pois eu não estava afim de andar com ela na cintura e não tive problemas. Pronto todas as coisas que antecederam a viagem estão aqui, caso eu lembre de algo irei adicionar e aviso vocês. Próximo capítulo - A partida para um grande sonho.
  9. Olá pessoal! Meu nome é Natália, tenho 21 anos e em janeiro desse ano fiz o clássico roteiro Bolívia-Chile-Peru durante 25 dias. Vim aqui compartilhar com vocês tudo que vi e vivi por aqueles lados e dar algumas dicas também! Primeiro de tudo tenho que agradecer a todos que postam relatos de viagem aqui, realmente ajuda muito. Eu li tantos relatos daqui que quando eu tava nas cidades era como se eu já soubesse onde ficavam as coisas, quais preços negociar com os taxistas.. kkk Deixo aqui meu agradecimento especial ao rodrigovix que escreveu o relato mais famoso aqui do mochileiros! Todos os brasileiros que eu encontrei estavam seguindo o relato dele, é realmente completíssimo. Eu baixei em pdf (tem o link lá no relato dele) e usava como guia quando eu tinha alguma dúvida, tipo: “ahh, cheguei em Arequipa.. Deixa eu ver quanto o Rodrigo negociou o táxi aqui”. Foi bom pra ter uma noção dos preços, recomendo o download! Agradeço também a todos que me inspiraram com seus relatos: leticia.amorim, barbara.fabris, nogy, guto.okamoto, tia poly e muitos outros. Valeu galera! Bom gente, essa viagem foi bem especial pra mim porque foi o meu primeiro mochilão e também a minha primeira viagem sozinha! Montei o roteiro baseado nos relatos daqui e fui adaptando de acordo com minhas necessidades e preferências. Comprei também um exemplar usado do Guia do Viajante Independente da América do Sul, é um livro muito bom pra ter informações dos lugares que você vai. Sobre os gastos: Antes de viajar montei uma planilha com os gastos que eu estava estimando. Fiz os cálculos com os valores que peguei nos relatos mais recentes que eu li. Peguei a planilha que a Maryana Teles postou aqui no fórum (valeu Mary!) e modifiquei ela, vou deixar linkada aqui. Essa foi a planilha com os gastos estimados! Mas os gastos reais foram menores. Estava planejando levar 1200 dólares mas acabou que não consegui juntar tudo isso.. E também o dólar aumentou muito depois das eleições nos EUA. Acabei levando só 1000 dólares + 300 reais que meu pai me deu de Natal (valeu pai!). Desse dinheiro gastei 900 dólares + 200 reais. E olha, com esse dinheiro deu pra fazer todos os passeios que eu queria, comprei muita coisa, fiquei em todos os Wild Rovers, não passei fome kkk Eu economizei bastante na alimentação e transporte, as vezes me dava o luxo de uma comida típica ou mais cara, mas a maioria das vezes comia nos mercados (adoro!) ou em restaurantes baratinhos, e no transporte sempre comprava o ônibus mais barato de todos kkk Ficava sempre em hostels no quarto mais barato, com exceção de Copacabana, onde eu passei muito mal e tive que pagar 2 diárias em um hotel mesmo. Dá pra fazer por menos? Com certeza! Quanto mais você controla seus gastos maior vai ser a economia. Ah, levei tudo em dinheiro mesmo na doleira. Troquei reais por dólares aqui em BH no começo de dezembro na péssima cotação de 1 dólar = R$3,57 Ressaltando aqui que nesse valor não está incluída a passagem para Santa Cruz, que deixei pra comprar em cima da hora (novembro) e paguei caro! De BH pra Santa Cruz paguei R$1644,00!! Conheci alguns mineiros de BH na viagem e eles me disseram que compraram em julho pra viajar em janeiro e pagaram metade do preço. Então tentem não deixar pra última hora.. Eu deixei porque só podia começar a pagar as parcelas em janeiro kkkk Outra coisa que não está inclusa é a passagem Santa Cruz - Sucre, que me custou 50 dólares. Essa passagem também é bom reservar com um mês mais ou menos antes viu. Olhei um mês antes e tava 30 dólares. Deixei pra uma semana depois e já estava 50! Não sei qual é meu problema em comprar passagens kk Seguro Viagem O seguro eu fiz pela Mondial e paguei 160 reais. Comprei na Black Friday com 30% de desconto. Não sei porque mas quando eu selecionava no motivo de viagem a opção mochilão o preço ficava absurdamente caro.. Então selecione como motivo lazer/turismo pra um preço mais amigável. Não utilizei o seguro nenhuma vez mas eu recomendo que vocês façam. Não foram poucas as pessoas que conheci que precisaram acionar o seguro! Sem contar que eu quase acionei também quando peguei uma intoxicação alimentar em Cusco. Compras pré-viagem Como falei antes, esse foi meu primeiro mochilão. Eu não tinha quase nada, só algumas roupas de frio, então tive que gastar um dinheirinho antes de viajar. Esses gastos não estão inclusos no gasto total da viagem, porque é uma coisa meio pessoal né. Segue a lista das coisas que comprei: Mochila 60 litros da Quechua- 330,00 na Decathlon - 2 meses depois estava 289,00 Capa de chuva pra mochila - 59,90 Conjunto segunda pele 100,00 Toalha de secagem rápida - 34,99 Bota impermeável - comprei usada no site enjoei uma da Quechua 2 cadeados - comprei em um camelô aqui em BH por 5 reais cada. A qualidade não é lá essas coisas mas deu pro gasto 1 lanterna - também no camelô por 8 reais Recomendo muito a compra de um óculos escuros também se vocês não tiverem.. Eu não consegui comprar e tive que usar um muito ruim desses que vendem na praia sabe? Péssima ideia kkk Documentos Os países que fui não exigem passaporte de brasileiros. Eu fui com meu RG e deu tudo certo. Só tem que tomar muito cuidado pra não perder os papéis que receber nas fronteiras dos países. Levei também o certificado de vacinação contra febre amarela que não me pediram em nenhum momento. Mas é bom fazer, vai que né.. Bagagem Fiquei com medo da mochila que comprei ser pequena demais (60L), mas cabe coisa demais viu gente? Eu levei muita coisa, não recomendo levar tanta coisa como eu porque fica pesada e eu comprava as coisas lá e ficava sem espaço pra colocar. Vou fazer a listinha daqui com as coisas que levei pra vocês terem uma noção e vou classificando se foi necessário ou não. No mochilão: -1 calça jeans (necessária) - 1 calça legging (necessária) - 2 shorts (apenas 1 é suficiente) - 1 moletom (usei pouquissimo, levaria só na época de frio) - 1 biquini (necessário) - 1 blusa de manga comprida (necessário) - 1 blusa segunda pele (necessário) - 1 calça segunda pele (necessário, usei muito, levaria 2!) - 4 camisetas sem manga (só 2 é suficiente) - 7 camisetas com manga (comprei algumas no meio da viagem, levaria só umas 5) - 4 sutiãs (necessário) - 2 toucas (não sei porque levei 2, só uma é suficiente) - 1 sandália (totalmente desnecessário) - 7 meias (necessário, levaria um pouco mais) - 10 calcinhas (necessário) - 1 blusa grossa impermeável (necessário, mas a minha era muito volumosa.. Levaria um corta-vento com menos volume) - 1 chinelo (necessário) - 1 bota impermeável (necessário) - 1 tênis (usei muito mas dava pra ficar sem) - 1 Capa de chuva (necessário) - 1 toalha de secagem rápida (necessário) - T de tomada (necessário) - jogo UNO (gostei muito de ter levado, usei em Uyuni) - 1 calça tailandesa (usava pra dormir) Na mochilinha: - 1 caderno pra anotações - 1 camera e carregador - carregador de celular - pastinha de documentos (RG, papeis da imigração, certificado de vacina, cópia de tudo) - protetor auricular (importante pra quem for ficar em hostel!) - óculos de sol horrível (necessário, mas comprem um bom) Algumas dicas: Se você for fazer trekkings recomendo a compra de meias próprias para trekking. Eu não comprei e me arrependi! Se forem na época de chuva não esqueçam de levar uma BOA capa de chuva, não peguei tanta chuva nas trilhas que fiz, mas peguei uma senhora chuva em Cusco e descobri que a minha capa de chuva não era tão boa, vazou água pro lado de dentro Comprem um bom óculos escuros. É um investimento que vale a pena. Saco de dormir é desnecessário no verão, inclusive no Salar. As mantas que forneciam nos refúgios eram suficientes, e olha que eu sou friorenta. É legal levar tênis pra andar pelas ruas da cidade, descansar os pés um pouco das botas! Necessaire*: Cortador de unha Desodorante Pente Sabonete Shampoo Condicionador Lixa de unha Creme de cabelo (explodiu na mochila e joguei fora) Protetor solar facial Protetor solar corporal Protetor labial Maquiagem (delineador, corretivo, base, pó, lápis de sobrancelha - usei quase nada) Pinça Escova + pasta de dente hidratante *É possível comprar tudo nos lugares, deve ser até mais barato. Eu preferi levar mas algumas coisas começaram a vazar/explodir. O creme de cabelo por exemplo nem usei, melecou minha bolsinha toda Remédios**: Paracetamol (dor de cabeça) Dipirona (febre) Dramim (enjoo - tomava pra dormir nos onibus) Multgripe (pra gripe) Salompas em gel (dor muscular) Imosec (diarréia) Band-aid dorflex **usei praticamente pelo menos um de todos que levei, menos dipirona e multgripe. Na doleira: 1000 dólares + 300 reais Cartão de crédito pra emergencias (não foi usado) Identidade (levei 2, uma velha na doleira e uma na mochila de ataque) Altitude Quase não senti os efeitos da altitude.. Senti um pouco de dor de cabeça quando estava no segundo dia do tour do Salar de Uyuni, uma amiga que conheci no tour me deu aquelas Soroche Pills, e rapidinho eu tava bem! Senti um pouco também quando estava subindo as montanhas coloridas, o guia me deu um pouco de água florada, muito boa também. Mas recomendo comprar algumas folhas de coca pra fazer o tour do Salar.. Câmbio O dólar estava mais vantajoso em praticamente todos os lugares que fui. A única exceção foi Arequipa, encontrei boas cotações para o real lá, tanto que troquei 200 reais. No resto compensa mais levar dólares. Tentem cambiar tudo em cidades maiores. As cotações nas cidades pequenininhas são ruins. Roteiro Meu roteiro sofreu algumas alterações durante a viagem. Cortei um dia em San Pedro, porque dava pra fazer os passeios que eu queria em 2 dias e também porque lá tudo era muito caro e adicionei mais um dia em Arequipa. Não incluí Ica no roteiro porque estava com medo do dinheiro não dar (bobagem) e também porque eu não queria um roteiro muito apertado de passeios.. Queria pelo menos um dia em cada cidade pra ficar tranquila e andar sem rumo pelas ruas. Recomendo que tentem fazer isso, deixem um dia pelo menos pra ter tempo de explorar Arequipa, Cusco, La Paz.. São cidades muito interessantes, diferentes, tem muita coisa pra ser vista. Segue o roteiro que fiz: 01/01 - BH -> SP -> Santa Cruz -> Sucre 02/01 - Sucre -> Uyuni 03/01 - Uyuni - Tour pelo Salar 04/01 - Tour pelo Salar 05/01 - Tour pelo Salar -> San Pedro de Atacama (Valle de la Luna) 06/01 - San Pedro de Atacama -> Arica (Piedras Rojas) 07/01 - Arica -> Tacna -> Arequipa 08/01- Arequipa (museus, mercado, etc) 09/01 - Arequipa (Canion del Colca) 10/01 - Arequipa -> Cusco 11/01 - Cusco (fechar passeios, mercados, andar pela cidade) 12/01 - Cusco (Valle Sagrado) 13/01 - Cusco (Montanhas Coloridas) 14/01 - Cusco -> Aguas Calientes 15/01 - Aguas Calientes -> Machu Picchu! 16/01 - Aguas Calientes -> Cusco 17/01 - Cusco (Free Walking Tour) 18/01 - Cusco -> Copacabana 19/01 - Copacabana 20/01 - Copacabana (bate-volta na Isla del Sol) 21/01 - Copacabana -> La Paz 22/01 - La Paz (andar pela cidade, teleférico, mirante, etc) 23/01 - La Paz (Downhill) 24/01 - La Paz -> Santa Cruz 25/01 - Santa Cruz -> SP-> BH Sobre mulheres viajando sozinhas Muita gente durante a viagem me perguntava por que eu viajava sozinha. Eu sempre quis fazer uma viagem assim e adorei! Não tive nenhum problema em relação a isso, pegava transporte público nas cidades, voltava pros hostels de noite sozinha.. Conheci muita gente durante a viagem, então nem ficava tão sozinha. Sempre tinha alguém pra conversar. Achei as cidades relativamente seguras. Mas eu tomava cuidado sempre. Vi algumas pessoas falando que foram furtadas, tiveram a mochila roubada, então é importante estar sempre atento a seus pertences. Eu não desgrudava da minha mochila de ataque, ela sempre ia no meu colo nos ônibus e sempre que eu saía, mesmo nos tours eu levava comigo (meus documentos estavam lá!). E a doleira ficava comigo o tempo todo, só tirava pra tomar banho kkk Então se você está insegura de viajar sozinha por esses países: não fique! É super tranquilo. Vi muitas gringas viajando sozinhas também, é mais normal do que pensamos. Só vai! Finalmente vou começar o relato do dia-a-dia. Anotei quase todos os gastos, deixarei os gastos do dia no final do post de cada dia. Qualquer dúvida podem me mandar por aqui, por MP, por e-mail: [email protected], por carta, etc. Vamos lá! Planilha da alegria: Mochilão Peru e Bolívia - estimativa.xlsx
  10. Olá pessoas. agora começa o relato do mochilão feito em Maio de 2017 que durou 35 dias e que me custou R$ (ainda estou somando..). Antes de tudo essa viagem surgiu de uma enorme vontade de conhecer Machu Picchu. Anos imaginando que isso não seria possível, mas saiba que NADA É IMPOSSÍVEL. Basta vontade, planejamento e gritar SIMbora!!! Agradecimentos: Aos relatos de RodrigoVix, Mariana Teles, Bárbara Fabris, letícia.amorim do mochileiros.com e victor machado que deixou seu relato e me deu coragem e segurança de fazer o trekking Salkantay sem guia e sem agência. Ao grupo do WhatsApp que foi-se criando ao longo dos meses e desse grupo, sem desmerecer os demais, um agradecimento especial e representando os demais, à Ana, que viajou sozinha e foi relatando tudo o que ocorria ao vivo, seus choros de felicidades e seus perrengues durante a viagem, histórias que esperamos também outro relato. Com base nos relatos, analisando os roteiros e formas de locomoção, onde ficar, onde dormir, o que comer - ou não. O meu roteiro foi sendo desenvolvido. E a cada pesquisa, indicação de passeios e lugares ele foi sendo moldado. Claro que era mais para se situar, porque viagem assim, querendo fazer tudo o que for possível por conta, sem contratar agências (para economizar mesmo e realmente vivenciar cada momento), há sempre os imprevistos: informações desencontradas, passeios que não deram certos, mas que foram muitos divertidos porque tudo isso é válido, mente aberta para qualquer coisa que ocorresse antes/durante e depois da viagem. Tudo vira experiência e causos para contar na roda de amigos. Depois de tudo já "pronto". Pelo menos no papel, o roteiro inicial ficou assim: Sabendo que dia iria sair de férias, já comecei a pesquisar e acompanhar o preço das passagens. Pelo menos o trajeto até Uyuni - Bolívia eu já queria deixar reservado e comprado, pois seria mais só trajeto mesmo. E nas horas disponíveis nesse início e em todas as cidades que seriam mais para passagem seria para conhecer algo próximo. Acabei por saindo de férias dia 01 de Maio, logo, fiquei com 2 dias para rever o roteiro e organizar a Jacinta, nome de minha mochila cargueira. Sim ela se chama Jacinta. Daí vocês me perguntam: Por que Jacinta? E a resposta? Coisa de VISÃO: Olhei pra ela e vi Jacinta. Sabe aquelas coisas que não tem explicação, por mais que você procure uma? Então, Jacinta não tem explicação. Jacinta simplesmente é. Jacinta. Passou dia 1o, dia 2 chegou, o dia passou, a noite chegou, o sono não. Afinal, quem consegue dormir na noite anterior à uma viagem tão esperada, tão planejada? Mentira que você consegue. Se consegue, tu tem "pobrema meo irmão!" Antes de começar o relato em si, melhor dar algumas informações/dicas do que precisei/do que precisa antes de se viajar: PASSAPORTE OU RG? Para os países da América do Sul não é exigido o Passaporte. O RG estando atualizado (menos de 10 anos) já basta. Mesmo assim eu aconselho o Passaporte. Porque você vai colecionando carimbos e acho mais prático, acho 'mais bem visto'. Houve uma situação que só entramos em uma balada porque uma amiga estava com o passaporte. (logo: somos turistas e quiseram nos 'tratar bem'). PASSAPORTE: http://www.pf.gov.br/servicos-pf/passaporte VACINAÇÃO Tema simples que muita gente costumar dificultar e ainda ficar em dúvida. Vai viajar? Veja se o lugar exige alguma vacina específica. Nesse mochilão a Bolívia exigia a vacina contra a Febre Amarela. Deve-se tomar 10 dias antes de embarcar e ter a Carteira Internacional da ANVISA, essa que irá comprovar. Entre no site e verifique um posto mais próximo que emita o Certificado, pois ele será seu comprovante. http://portal.anvisa.gov.br/ Muitos ficam na dúvida "MAS ELES PEDEM?". Vá, toma, deixe suas vacinas em dia, essa é a resposta. Se o órgão que deveria fiscalizar isso funciona ou não é outra história, você faz sua parte. E vacina é prevenção, vamos deixar a saúde em primeiro lugar. Já aproveita e vê se não tem vacinas faltando. Eu tomei, além dessa, mais 2 com retorno pra uma 3a. (essa última, até o momento que escrevo, não fui ainda tomar...rs) TOMADAS/ADAPTADORES Uma dúvida de muitos quando se vai viajar. Nesse mochilão eu não precisei de nenhum adaptador. Todas as tomadas que precisei era as mesmas usadas aqui no Brasil. O que mudava era que elas estavam acabadinhas, arrombadinhas, muito utilizadas, coitadas. Daí não segurava o pino dos carregadores. Chegue a comprar um T chato em Sucre, mas me desfiz dele, acho que em La Paz, no final da viagem. (é, fui teimoso e na esperança de que iria precisar) SEGURO VIAGEM Há quem não utilize. Dê graças a isso. Mas é algo que eu aconselho: NÃO VIAJE SEM ELE Se tu não usar bem. Se precisar, acione já que está pagando. Li relatos de pessoas que passaram muito mal. E se você não tem seguro, espero que tenha uma boa economia debaixo do colchão, porque o custo de atendimento médico no exterior , meu amigo/minha amiga, é altíssimo. Eu poderia ter acionado no último dia, em La Paz, porque estava num dia de rei, mas teimoso, tomei tudo que me diziam ser bom, até chegar ao Brasil para tomar mais alguma coisa e, assim, terminar meu reinado. DINHEIRO/CARTÃO. O QUE/COMO LEVAR? Esse foi o meu 2o mochilão. Sempre dei preferência ao dólar. 1o É mais aceito que o Real 2o Mesmo convertendo para comprar e depois convertendo para vender, compensou. Mas isso é algo que tem que ser analisado, sempre. Nessa viajem só fiz câmbio com o real quando passei pela fronteira da Bolívia, em Porto Quijarro, porque, pelas pessoas que foram, o câmbio ali, vi que estava melhor. O restante da viagem, só utilizei dólar. Que ia comparando com quem já foi e o preço que estava quando ia cambiar. Já trocava o montante que iria usar na cidade, pra não ficar perdendo tempo com isso. Não é o certo, mas era o prático. O DESGRAÇADO DO SOROCHE (O MAL DE ALTITUDE) Muito cuidado com esse vilão. Ele aparece com uma dorzinha de cabeça, um mal estar, aquela falta de ar. E se você não fizer nada, pode acabar com tua viagem. Eu li muito sobre, mas na teoria é teoria. Na prática que a gente vai ver que o bicho te pega. Você pode mascar e/ou tomar chá de coca, tomar Soroche Pills para amenizar isso. Tem gente que não sente nada, mesmo não tomando, outras, como eu, acabam com uma cartela de Neosaudina fácil-fácil. CONECTIVIDADE/WI FI Conselho? DESAPEGA. Se liga somente na tua viagem, na natureza e nos costumes. Eu utilizava somente o wifi do hostel e dos restaurantes. Fora isso, celular era pra tirar foto. Perde-se muito tempo se tu ficar conectado sempre. HÁ muitos lugares bonitos nessa viagem. Melhor parar e meditar neles que mandar um post ou fazer um check in em sua rede social. TEMPERATURA Leve isso em conta ao fazer sua mochila. Fui em Maio. Era quente de dia e muito, muito frio a noite. Tive que usar todas as roupas de frio somente no Salar de Uyuni. Porque, meodeos, que frio é aquele? É desumano..kkkk Nos demais dias, jaqueta fleece aguentava, mesmo de bermuda. Mas, cada um cada um, porque eu sou daqueles que usa roupa de frio quando não tem mais jeito. O QUE LEVEI / USEI: EQUIPAMENTO 01 cargueira 60 + 10 litros 01 mochila de Ataque 45 litros 01 saco de dormir (usei 1x no salkantay, quase usei no Uyuni) 01 barraca - 2 pessoas(usei 1x no salkantay) 01 colchão inflável, de piscina (usei 1x no Salkantay) 01 par de bastão de caminhada 01 camel bag (não usei) itens para camping - fogareiro, panelas, lanternas, talheres ROUPAS 08 camisetas dry fit (daria par me virar com 5) 02 calça-bermuda (usei 1 várias vezes) 02 bermudas (poderia me virar sem, apesar de ter usado 1) 05 cuecas 06 pares de meias (03 de trekking / 03 de algodão, essas voltaram furadas) 01 camiseta manga comprida 1a pele (usei muito e sempre com uma dry fit por cima - para ir variando as cores) 01 poncho (comprei em cusco - usei muito no Salkantay e em alguns passeios) 01 jaqueta fleece (muito usada) 01 jaqueta mais quente 01 corta vento impermeável (usado muito também, mas não confiei em pegar chuva com ele) 01 par de luvas 01 touca 01 bota impermeável 01 par de havaianas (leve sempre) ACESSÓRIOS 01 câmera Canon semi profissional 01 recarregador 01 tripé (quase não usei para não falar que não) 02 baterias para ela também 01 câmera GO POBRE e acessórios (não usei, foi peso morto) 01 celular (usei muito para fotos) 01 carregador pen driver, cartão de memória (arrisquei e não usei - aconselho fazer backup de suas fotos - USE, ou mande tudo para "nuvem") OUTROS - shampoo - hidratante - pasta e escova de dente - lenços umedecidos (indispensável - é vida isso) - protetor solar - protetor labial - álcool gel - cortador de unha - barbeador elétrico - antitranspirante - repelente - papel higiênico (usei? opa...sempre)14 REMÉDIOS - neosaudina - dorflex - pomada para picadas (foi e voltou na caixa) - ENO (levei só 4, foi muito útil) Agora irei tentar, é difícil, por mais que você anote tudo. Eu reservei um caderno só pra isso, com mapas, rotas, dicas e fotos. Usei até o 10º dia da viagem, depois foi tudo em anotações pelo celular mesmo, guardando até guardanapo do churrasco de lhama, sim, comi churrasco de lhama e sim, guardei o guardanapo, afinal, ela ele o comprovante de compra do churrasquinho.... claro que não sujei em amassei porque já tinha premeditado que iria sequestrá-lo, e nem cogitei pedir resgate. Os gastos tentarei colocar, não quando eu comprei, por exemplo, as passagens, mas no dia que foram usadas. Porque já está difícil juntar as informações, separar com o que já comprei antes, melhor não complicar.
  11. O Ministério de Viajantes informa: Ler relatos de outros mochileiros pode causar dependência, sede de conhecer novos lugares e outras culturas. Aprecie sem moderação. Índice: Página 1: - Informações gerais Página 2 (Roteiro e Corumbá): - Roteiro - 03/07 O dia que eu conheci os desproporcionais quarteirões de Corumbá Página 3 (Trem da morte e Santa Cruz de la Sierra): - 04/07 O dia que eu conheci um boliviano corinthiano Página 4 (Santa Cruz de la Sierra e Sucre): - 05/07 O dia que eu encontrei Isa e nós pegamos uma van clandestina Página 5 (Sucre): - 06/07 O dia que eu joguei can can com Jesus Página 6 (Salar de Uyuni): - 07/07 O dia que eu conheci meu grupo Página 7 (Salar de Uyuni): - 08/07 O dia que eu conheci a neve Página 8 (Salar de Uyuni e San Pedro de Atacama): - 09/07 O dia que não conheci os gêiseres - 10/07 O dia eterno - 11/07 O dia que meu dedão quase congelou - 12/07 O dia mais lindo do Atacama Página 9 (Arequipa): - 13/07 O dia que não molhei meus pés no pacífico - 14/07 O dia que eu passei cerol na mão - 15/07 O dia que só os brasileiros se fantasiaram - 16/07 O dia que Carol chegou Página 10 (Canyon del Colca): - 17/07 O dia que eu conheci a Dulce Página 11 (Cusco): - 18/07 O dia que conheci o melhor ônibus da vida - 19/07 O dia que ficamos defumadas no restaurante Página 12 (Valle Sagrado): - 20/07 O dia que conheci o Valle Sagrado dos Incas Página 13 (trilha da hidrelétrica e Machu Picchu): [/b] - 21/07 O dia que me senti enganada - 22/07 O pior e melhor dia da viagem Página 15 (Cusco): - 23/07 O dia da linguiça crua - 24/07 O dia do check out mais rápido de todos Página 16 (Copacabana): - 25/07 O dia que eu experimentei “trucha” Página 17 (Isla del Sol e La Paz): - 26/07 O dia que eu conheci onde tudo começou. Há um tempo atrás. Na ilha do Sol. - 27/07 O dia que eu vi La Paz do alto Página 18 (Estrada da Morte, La Paz, volta pra casa e fim): - 28/07 O dia que eu tive mais medo de morrer na van do que na estrada da morte - 29/07 O dia do amigo secreto - 30/07 O dia que eu me perdi em La Paz - 31/07 O dia que eu experimentei chicha - 01/08 O último dia - Agradecimento! Olá galera mochileira! Meu nome é Letícia (mas podem me chamar de Let)! Sou do interioR de São Paulo e, depois de vários perrengues, unhas quebradas, frieira no pé, roupas perdidas, falta de sensibilidade nos dedos, nariz todo fudido, lábio rachado, fígado inutilizado, acabei de retornar do melhor mês da minha vida! Fiz o mais que tradicional roteiro Bolívia -> Chile -> Peru -> Bolívia (via trem da morte). Minha viagem durou 29 dias – começou dia 03/07 e terminou dia 01/08. Concluí que seria legal relatar sobre o mochilão porque fiz no ápice do frio e acho legal alertar a galera (que pretende fazer essa viagem nesse período) de suas doçuras e travessuras. Primeiramente, gostaria de agradecer a todos os milhares e milhares de relatos que eu li nesse site maravilhoso: aos queridinhos e conhecidos por todos do fórum rs, Rodrigo e Bárbara, e também a Thaís Silva, Gabi - gmourisco, Augusto - Mochilão Pobrão, Tito Ribeiro (relato badalado), Marcelanuol, Andri S., Maicon Amarante, Denilson Grosa, Vagner Dal Pra Machado, Rodrigo Paulo, Cheila Anja, Naty Goulart, Guto - Mendigo Macho, Tia Poly, Diegoxpp, Julio Dalmazio. Dicas do Frenato, Leandro Hilcko e Manubarral. Sem vcs não seria ninguém! <3 Agradecimentos devidamente feitos, vamos lá! Pontos sobre mim a serem levados em consideração: - Eu não sei pechinchar merda nenhuma; - Eu sou alérgica a 2983 coisas; - Eu adoro festas! Devido a isso, acabei bebendo grande parte do meu orçamento; - Eu não fiz todos os passeios que todo mundo acaba fazendo, algumas vezes culpa do roteiro, algumas vezes culpa da preguiça; - Quando não aguentava mais pollo e papas fritas, parti pro fast food e/ou comida do hostel (o que aumentou ainda mais meus gastos – e meu colesterol). Agora sim, dito isso, vamos lá: Primeiro quesito: Programação Eu e minha amiga (Isabella) tomamos a decisão de fazer algum tipo de viagem já em junho de 2015. Não sabíamos pra onde, nem quando, nem porque, mas sabíamos que íamos fazer! Beleza! Em julho, comecei a montar alguns roteiros. Esquematizei, beeeeem mais ou menos, três: Leste Europeu, Sudeste Asiático e América do Sul. Sem querer dar spoiler, mas acabamos decidindo por América do Sul Então de lá pra cá, eu li trocentos blogs, fiz pesquisas sobre os lugares, me juntei ao mochileiros, conversei com pessoas que tinham ido, blablabla... Ao longo dos meses, tirei passaporte, fiz o certificado de vacinação da febre amarela, fui comprando as coisas, juntando dinheiro, e, tudo isso, quase morrendo de ansiedade! Dólar lá passeando nas alturas, primeiro fuá do Lula, deu a primeira baixada, eu já tendo um ataque do coração, fui e troquei tudo! Não foi a melhor cotação da vida, mas pelo menos não era a 4,20. Outra amiga nossa decidiu se juntar a nossa aventura, mas só teria 15 dias de férias. Mexe no roteiro daqui, mexe no roteiro dali, incluímos Carol! E era isso, coisas todas compradas e passagens já começando suas infinitas parcelas. No último mês, comprei o seguro viagem, autentiquei meus documentos, recebi vários votos de boa sorte e parti! Sozinha, pois Isabella iria direto pra Santa Cruz. :'> Segundo quesito: $$ Vamos ser práticos: levei na doleira 1.450 dólares (ia levar 1.350, porém nos 45 do segundo tempo, ganhei 100 dólares da minha mãe <3) + 500 reais para eventuais gastos no Brasil. Acabou sobrando 151 dólares, MAAAAS durante a trip fui obrigada a fazer um saque, que fazendo o câmbio deu 233,70 reais! Também fiz a compra da passagem de La Paz para Santa Cruz pelo cartão de crédito, que deu mais 213,10 reais. OU SEJA, no fim das contas, é como se tivesse gastado tudo o que levei em dólares mesmo. Terceiro quesito: Certificado de Vacinação da Febre Amarela NINGUÉM NUNCA PEDE! JAMAIS! Eu sugiro que você faça, mas se por um acaso não conseguir, nem se descabela, só vai! Quarto quesito: Compras antes da viagem Comprei TROCENTAS coisas! Não tinha absolutamente nada! Mas como comecei a planejar um ano antes, meus gastos se dividiram ao longo dos meses, e não ficou tão pesado! Comprei roupas, calçado, mochilas, câmera, doleira, tirei passaporte, etc etc etc... milhões foram gastos, por isso não gosto de ficar relembrando! Além dessas coisinhas compradas para a viagem, eu também comprei o ingresso para Machu Picchu + Huayna Picchu, ticket para o trem da morte, a passagem de avião de Santa Cruz para Sucre e, obviamente, a passagem ida e volta para Corumbá! Várias facadas no coração graças ao nosso parça dólar! Também fiz a reserva da maioria dos hostels: de Corumbá, Sucre, San Pedro de Atacama e dos três Wild Rover. Machu Picchu eu comprei pelo site: ingressomachupicchu.com Trem da Morte eu comprei pelo site: ticketsbolivia.com.bo Passagem de Santa Cruz a Sucre eu comprei pelo site: amaszonas.com Passagem de Viracopos a Corumbá eu comprei pelo site da Azul. Quinto quesito: Seguro Viagem Queria ter feito pela Mondial, mas não entendi o que aconteceu e quando fui comprar tava coisa de 600 conto! Aí fechei pela GTA, que sabia que era boa, depois de ter lido o relato da Poly. Escolhi o intermediário que saiu 254,04. Sexto quesito: Soroche e ar seco A falta de ar era horrível, só de subir meia quadra, tinha que parar pra me recompor. No salar, eu acordava todos os dias com dor de cabeça, mas foi só lá. Daí eu tomava uma aspirina e boa. Minha boca ficou horrível, chegava a arder, mesmo passando protetor labial. Quando a altitude era demais, eu tossia muito, mas muito mesmo, coisa de incomodar todo mundo que tava perto. E o que me incomodava pra valer era o meu nariz menstruando! Sério, doía muito e saía sangue toda hora que ia assoar! Sem or!! ãã2::'> Sétimo quesito: carteirinha de estudante Estudantes!!! Levem suas carteirinhas, mesmo que não sejam ISIC. Eu levei, e era aceita nos lugares! Só não aceitam a carteirinha normal na compra do ingresso de Machu Picchu, mas já tá ótimo! Oitavo quesito: nécessaire Gente, desapega e compra tudo lá! É muito peso desnecessário já levar tudo daqui e você encontra tudo genérico lá. Sério. Compra lá e seja feliz! Nono quesito: comida Eu comi do xexelento ao top da balada, muitas vezes no mesmo dia! Algumas vezes eu tive reação alérgica, mas é pq eu sou podre e tenho alergia de várias coisas! Mas ai eu tomava um antialérgico e ficava boa! Não tive diarreia por causa de comida típica! Acredito que as vezes que eu tive foi porque eu comia muito mal (do tipo, ir no fast food toda hora), ou pq tinha enchido a cara mesmo rs. Décimo quesito: bebida Eu tive reação alérgica com um refresco que vinha junto com o prato do dia! Não imagino do que era feito, mas dps disso eu não tomei mais! Por outro lado, eu tomei “chicha” do jeito mais boliviano possível de tomar, e não tive nada! Vai entender!! Digo para não deixar de experimentar, se tiver alguma reação, parte pra próxima e seja feliz! Último quesito, mas não menos importante: O que levei Roupas e sapatos: 1 Calça jeans 1 short jeans 1 par de luvas 1 gorro 2 leggings Roupas de frio da decathlon (que inclui: 1 fleece, 3 blusas segunda pele, 1 calça segunda pele, 1 calça fleece e 1 corta vento) 2 blusas de manga comprida 3 blusas dry fit 1 moleton Top (2) Sutiã (1) Blusinhas (4) Calcinhas (10) Pijama de frio Meias (2 térmicas/4trekking) Biquíni Toalha que seca rápido Bota impermeável Bota Chinelo Rasteirinha *Considerações sobre roupas e sapatos: - Pijama é uma coisa completamente desnecessária, se usei duas vezes foi muito! Você não consegue nem pensar em trocar de roupa com aquele frio do c******. - Dá pra levar uma blusa segunda pele a menos; - Se forem abusar de algo, que seja nas meias! Pelamordedeus, levem muitas! A moça que lava suas meias durante a viagem não vai ter o mesmo carinho que sua mãe teria! Então volta tudo podre do mesmo jeito que vc levou! - Biquíni/short/sunga: levem para não ficar com peso na consciência! Mas eu usei zero vezes, então... - Usei bastante minha bota impermeável antes da trip para lacear, e mesmo assim durante a viagem ela quase me deixou aleijada. Fiz a desapegada e larguei ela em Cusco! Adios muchacha! Eletrônicos: Extensão Secador de cabelo Benjamin Máquina fotográfica Carregadores Pau de selfie Fone de ouvido *Considerações sobre eletrônicos: - Extensão é desnecessário! - Levem um secador de cabelos pequenininho 220V! É muito útil quando vc sai tremendo do chuveiro e seu cabelo está ensopado - Benjamin, sem palavras, necessário super! Necessaire: Sabonete líquido Shampoo (médio) e Condicionador (pequeno) Shampoo a seco Esponja Desodorante aerosol Gilete Escova de cabelo Prendedor de cabelo Presilha/grampo Escova de dente Creme dental pequeno Fio dental Espelhinho Pinça Lixa de unha Maquiagem (base, pó, lápis e batom) Protetor Solar (corpo e rosto) Protetor labial nívea Bepantol derma Hidratante e repelente Cotonete Algodão Naridrin e soro fisiológico Colírio Band-aid, Gaze e Esparadrapo Lenços umedecidos Álcool em gel Papel higiênico *Considerações sobre necessaire: - Shampoo, sabonete, condicionador, etc etc, essas coisas mais pesadas, comprem tudo lá! A não ser que vcs usem algo muito específico! Tem tudo igual no Brasil pra vender lá! Levei nos potinhos de 100 ml e eles ficavam explodindo dentro da minha bolsa, maior raiva da galáxia, joguei tudo fora!!!!!!! - Lenços umedecidos: vou adotar pra vida! Servem pra tudo mesmo: banhos de gato, limpar a mochila quando suja, limpar o sapato, tirar maquiagem, limpar a mão de gordura depois que vc acaba de comer um Doritos, etc etc... - Álcool em gel: outra coisa divina! Não pode faltar! - Uma coisa que faltou na minha bolsa foi cortador de unha! Levem! Suas unhas ficarão um cocô depois de uns dias de viagem Diversos: Óculos de sol Travesseiro de pescoço Cobertor Can Can Bandeira do Brasil 2 Cadeados Talherzinhos Sacos plásticos *Considerações sobre diversos: - óculos de sol deve ser o item mais importante da mochila - esse cobertor que eu levei é daqueles que você vai enrolando e eles ficam mega pequenos. Comprei no Wall Mart, muito útil - Can Can (ou Uno) é mara pras horas de várzea, e qualquer pessoa de qualquer país consegue jogar! - Levei uma bandeira do Brasil para colher assinaturas dos migos que eu ia fazendo durante a viagem! É uma ótima lembrança! - Talherzinhos (que seria um garfinho, uma faquinha e uma colherzinha) eu levei porque ganhei! Mas não compraria.. acabei usando só uma vez! - Outra coisa para abusar: sacos plásticos! Servem pra tudo: lixo, colocar roupa suja, tacar aquele creme que explodiu dentro da sua mochila dentro, emprestar pros amigos que esqueceram, etc etc etc! Pra fechar essa primeira parte: Coisas que descobri durante a viagem: - Mochilão não é nada prático (com relação à organização dentro dele)! Vc vai ficar com raiva dele já na segunda vez que tiver que arrumar tudo pra partir pra próxima cidade; - Doleira coça; - Meia nunca é demais; - A trilha da hidrelétrica não é tão de boa assim; - Peruanos são mais abertos a negociação que bolivianos; - Wifi é uma merda em qualquer lugar; - Perfumes secam na altitude!! Não leve o seu!!! - Comida podre na beira da estrada não necessariamente vai te fazer passar mal no outro dia; - Comida fina no meio da plaza principal não necessariamente vai ser buena; - Vc vai fazer vários amigos de infância durante a viagem Se eu esqueci de algo, vou incluindo durante o relato!
  12. Olá! Fiz um relato sobre a minha viagem de 24 dias pela Bolívia, Chile e Perú. Vou deixar aqui também a planilha que usei para me organizar, exatamente como planejei, para que vocês possam ver como fiz. Espero que ajude vocês. Boa viagem! Bjs! Fernanda @nandaletsgo Relato_nandaletsgo_24dias_Bolivia_Chile_Peru.pdf Roteiro_planilha excel.pdf
  13. Entre julho e novembro de 2017 parti pra uma viagem sem muitos planos, com pouquíssimo dinheiro, sem experiência e com passagem apenas de ida pra Bolívia. Foram quatro meses de viagem com muito aprendizado e muitos perrengues pra contar. Não sou muito adepto ao estilo "mochileiros" de relatar viagens. Nunca pensei em fazer este relato, mas acho que de alguma forma posso contribuir com alguma informação útil para os futuros mochileiros que passarem por onde passei. Sendo assim, não esperem fotos, preços (até porque nunca anotei essas coisas), tantos detalhes minuciosos do que comi, que horas fui no banheiro, qual papel usei. Enfim. Vou tentar ser bem objetivo na medida do possível. Destino: eu só queria viajar por algum lugar legal aqui na América do Sul pela proximidade e custos também (era minha primeira viagem assim, e sozinho). Então "joguei a roleta" e vi qual seria a passagem mais barata. Resultado: Santa Cruz de la Sierra, Bolíva. Com o destino definido, pensei no que fazer quando chegasse lá. Me cadastrei no Workaway e procurei um hostel pra trabalhar em qualquer cidade por lá. A primeira que me respondesse eu iria. Deu Cochabamba. Preparativos: saí de Vitória/ES com uma Mochila de 50L e uma pequena que usava na faculdade com notebook (jamais levem um notebook em um mochilão) e algumas roupas. Como aqui não faz frio, e nunca usei botas na vida, acabei comprando uma jaqueta impermeável com fleece dentro, um par de botas, uma capa de chuva pra mochila e um cobertor de viagem (tudo na Decathlon). Levei alguns remédios (um monte, porque não sabia quanto tempo ficaria viajando), RG, carteira de vacinação e foi isso. Bolívia: ainda não tinha muita noção de se locomover de um lugar pro outro, de distâncias e tal, pouco antes da viagem consegui um Couchsurfing em Santa Cruz. Então cheguei, passei uma noite lá, e no dia seguinte peguei o ônibus pra Cochabamba. Em Cocha trabalhei duas semanas no Jaguar House Hostel. Adorei a cidade, o clima, a organização. Aproveitei esse tempo pra pensar no próximo destino. Conheci bastante gente e todos iam pra La Paz. Mantive contato com um pessoal e me falaram que lá tinham party hostels que sempre precisava de voluntários. Escrevi pro LOKI e Wild Rover. O Wild Rover pareceu mais organizado, então acabando meu voluntário em Cochabamba fui direto pra La Paz atrás desse hostel. Cheguei de madrugada, paguei uma diária, e no dia seguinte já fazia parte da equipe. Passei quase 3 semanas trabalhando no Wild Rover La Paz. Experiência incrível, e que ainda me deu direito a fazer a Death Road de graça pela agência que fica na entrada do hostel (Altitude Biking). Pensei em fazer a tour do Uyuni mas eu não estava preparado pra tanto frio então deixei pra quando (se) voltasse. Nesse tempo meu próximo destino já tava definido: Cusco. Fui no terminal comprar passagem e já não tinha mais. Tentei Arequipa, também não tinha. Comprei pra Copacabana onde passaria uma noite e pegaria o ônibus no dia seguinte pra Cusco. Só que em Copacabana conheci um chileno muito gente boa e aí acabei indo com ele pra Isla del Sol acampar lá em cima, onde tem o bosque de eucaliptos e tal. Depois dessa aventura voltei pra Copa e mais tarde peguei o ônibus pra Cusco. Peru: Em Cusco eu sabia que precisava ganhar dinheiro se quisesse seguir viajando porque já tava ficando sem nada. Como não tinha nada planejado (óbvio), fui direto pro WIld Rover Cusco, falei que tinha trabalhado no de La Paz e pedi uma diária grátis. Usei essa diária apenas pra conversar com os managers e pedir pra trabalhar lá também. Eles pegaram minha referência de La Paz e no dia seguinte já comecei a trabalhar lá também. Enquanto trabalhava no Wild Rover saí pra buscar emprego na cidade, com classificados na mão e tudo. Em uma semana consegui emprego na agência de turismo Wilka Travel, onde fiquei por 40 dias. Neste tempo consegui vivenciar mais a rotina do cidadão cusqueño e me integrar a cultura daquela cidade. Com o salário consegui sair de hostel e alugar um quartinho modesto em San Blas e ainda aproveitar pra fazer alguns tours (pela agência conseguia descontos e gratuidades). Ainda em Cusco comecei a pensar nos próximos destinos e decidi que iria subindo ao norte até chegar na Colômbia. Infelizmente isso nunca aconteceu porque descobri que teria de voltar pro Brasil em algum momento antes do ano acabar, então tive que comprar uma passagem de volta com certa urgência. Comprei com saída de Buenos Aires. Eu teria uns 2 meses pra me virar pra chegar em Buenos Aires. Foi uma decisão difícil porque Chile e Argentina a essa altura da viagem já estavam bem distantes dos meus planos por serem países bem caros pra mochileiros. Mas fazer o que? Antes de sair do Peru dei uma passada rápida em Arequipa porque havia combinado com uma amiga de assistir um jogo do Peru x Colômbia lá no Wild Rover Arequipa. Passei três dias na cidade e não fiz tour nenhum simplesmente porque machuquei meu dedão na primeira noite (bêbado). De lá decidi que voltaria a La Paz pra trabalhar mais uns dias no Wild Rover, economizar uma grana, e e depois seguir pra Uyuni. Peguei um ônibus de Arequipa até Desaguadero, cruzei a fronteira caminhando, e peguei um trufi até La Paz. Chile: Mais uns 10 dias em La Paz (já era final de outubro) e eu ainda tinha que cruzar mais algumas fronteiras até chegar em Buenos Aires. Segui pra Uyuni, fiz o tour até a fronteira com o Chile e fui pra San Pedro de Atacama. Foi uma mudança brutal de preços pra quem estava por Peru e Bolívia, e eu certamente não tava preparado pra isso. Passei (acho que) três noites em um hostel lá apenas tentando Couchsurfing. Consegui em Viña del Mar. Assim que confirmei pensei "como chegar em Viña del Mar?". Carona, claro! Já tinha escutado que caronas são relativamente tranquilas no Chile. Então fui de San Pedro de Atacama até La Serena pegando carona atrás de carona. Como não tinha barraca pra dormir na estrada, acabei tendo que pegar um ônibus por 4 horas de um ponto ao outro pra ter onde passar a noite (pagos no cartão de crédito porque já não tinha mais dinheiro em espécie). Passei uns dias em Viña, aproveitei pra conhecer Valparaíso, até que conseguium Couch em Santiago. Consegui fácil. Acabei pegando um ônibus pra lá porque a distância é curta e a passagem barata. Passei mais uns dias em Santiago pensando como faria pra cruzar a fronteira e consegui carona com um Couchsurfer que viajava de carro. Consegui ainda um Couch em Córdoba e precisava dar um jeito de chegar lá. Argentina: chegando em Mendoza, achamos um hostel barato (já que não consegui Couch) e na manhã seguinte minha carona seguia pro norte enquanto eu ia pra beira da estrada pegar carona. Acho que foi a carona mais difícil de conseguir de toda minha viagem. Era madrugada quando o caminhoneiro me alertou que, apesar de ir pra Córdoba, iria me deixar 100km antes porque era um horário perigoso demais pra chegar no ponto que ele iria parar. Como disse, não tinha barraca e praticamente sem dinheiro em espécie, passei a noite numa loja de conveniência do posto de gasolina que tinha nesse lugar que ele me deixou. Na manhã seguinte, consegui rápido uma carona pra Córdoba. Passei uns dias lá, consegui um Couch em Rosário, então saindo de Córdoba foi pé na estrada mais uma vez até conseguir carona pra Rosário. Em Rosário minha Couch me tratou como um rei, me deu várias dicas e tal. Ali já faltava perto de uma semana pro meu vôo e só precisava de uma última carona pra chegar até Buenos Aires. Conseguindo um Couch, me mandei pra estrada e, outra vez, foi uma carona bem chata de se conseguir. Desci muito longe da cidade, tive que pegar um trem gratuito, achar meu Couch à noite etc. Mas no final deu tudo certo. De lá foi só aproveitar os dias na cidade e voltar pro Brasil. Dicas aleatórias básicas: Sou totalmente contra o "dá pra se virar bem com português". Dá pra sobreviver, vivenciar experiências não. Então aprenda o máximo de espanhol que puder antes de fazer uma viagem assim. Meu inglês é bom (pra trabalhar em hostel é fundamental) e meu vocabulário de espanhol era muito bom também, entendia tudo mas faltava segurança pra tentar falar. Ao longo da viagem fui me soltando e aí tudo ficou ainda melhor. Conheci muitos brasileiros que não sabiam falar outro idioma e todos se diziam muito arrependidos porque acabaram perdendo muita coisa na viagem (proximidade com locais, negociações, interação com outros viajantes); Respeite a altitude (La Paz, Cusco, etc): você nunca saberá como vai reagir a isso até chegar lá e sentir. Tem gente que não dá nada, outros ficam morrendo dois dias no quarto do hostel com médico atendendo. Na dúvida, melhor não programar nada que requer esforço físico nos primeiros dias; Respeite a cultura local, tente aprender o mínimo de costumes e tradições de onde você estiver visitando; quando for pegar carona saia o mais cedo possível, por volta das 5h, pra estrada; tenha dinheiro trocado se tiver pegando carona pela Argentina porque pra pegar ônibus municipal é necessário ter um cartão (que obviamente você não vai ter), e sem ele o que dá pra fazer é pedir pra alguém passar o cartão pra você e você pagar em dinheiro; pedir desconto é normal no Peru e Bolívia, mas antes de começar a chorar, avalie se o valor do pedido não é justo, e principalmente, se aqueles trocados de desconto vão te fazer falta (quase sempre o vendedor precisa muito mais dessas moedas do que você, viajante); viajar tem seus riscos, mas não se esqueça de onde você vem - o Brasil é um país extremamente perigoso, então acho que há um exagero quando se fala em riscos, assaltos, etc entre viajantes brasileiros. Nunca usei doleira pra nada, minhas coisas ficavam guardadas no locker do hostel, sempre caminhei em todos os horários do dia e noite no Peru e Bolívia e nunca passei por nenhuma situação de perigo; Se puder faça seguro viagem, eu não fiz e não precisei, mas não é raro ver gente com braço quebrado em La Paz por conta da Death Road, ou que passou muito mal com altitude. Em Buenos Aires uma amiga caiu da cama do hostel, precisou ser hospitalizada e essa brincadeira custou em perto de 2 mil reais. Nunca se sabe o que pode acontecer, né? Enfim, se lembrar mais coisas importantes vou complementando. Bom, minha viagem foi basicamente isso aí. Quem tiver perguntas/dúvidas sobre os lugares/pontos de carona/qualquer coisa assim fique à vontade pra mandar mensagem inbox ou aqui no tópico mesmo que tentarei responder da melhor forma possível. Em 15 dias volto pra Cusco pra trabalhar na mesma agência de turismo, então quem tiver planejando ir pra lá nas próximas semanas pode entrar em contato também
  14. Olá Mochileiros!!!!! Após alguns meses vou relatar meu mochilão..... Sempre quis viajar sozinha, fazer um mochilão e finalmente tive coragem e dinheiro . Ano novo VIDA NOVA.....conversando com minha amiga Debora s2 pensei Por que não ir!!! Comecei a procurar relatos aqui no mochileiros, e no Google e achei vários relatos maravilhoso, todos detalhados.... Rodrigo Vix melhor relato ever!!! TEMOS UM GRUPO NO WHAT´s (e a maioria virou amigo) que acompanhou meu mochilão ao vivo praticamente, todos os meus perrengues, choros, risadas, fotos, desafios!! não seria ninguém se não fosse o Márcio e o Leo ao me colocarem nesse grupo do zap....... obrigada!!!!! A minha mamis que cuidou do meu pequeno para eu fazer essa loucura!!!! Bom vamos começar.... Viajar sozinha - é difícil, não é fácil mas apenas VÁ!!!!! Você nunca fica sozinho, sempre tem alguém para te fazer companhia, sempre tem um brasileiro (encontrei poucos na minha viagem mas esses poucos fizeram toda a diferença), nunca fale para taxista ou pessoas que está sozinha, diga que tem alguém te esperando no hostel ou que irá chegar mais tarde. em Lima e Cusco a primeira coisa que os taxistas perguntam é se você está sozinha, se tem marido ou namorado. diga que sim..... não sabemos o que eles podem fazer. Vacina FEBRE AMARELA: É obrigatória!!!!! Pessoal li em relatos que a galera teve que voltar pois não tinha a vacina, Não custa NADA, NÂO Dói, então tomem! Muitos dizem que chega na fronteira os policiais não pedem mas até ai pode ter sido sorte! Em fevereiro por conta da "epidemia! de ZIKA e DENGUE aqui no Brasil eles estavam olhando todas as carteirinhas, Vá ao posto de saúde, depois é so ir em algum posto para pegar o certificado internacional! link da ANVISA http://portal.anvisa.gov.br/noticias/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/quais-paises-exigem-vacina-de-febre-amarela-/219201?inheritRedirect=false Passaporte : Quem não tem ok pode ir somente com o RG pois os países do Mercosul (link http://www.brasil.gov.br/turismo/2012/04/mercosul-com-rg) não precisa apresentar o passaporte ..... Mas nada como colecionar os carimbos no seu passaporte ...... saber o idioma - Não se preocupe, mimica, apontar e falar devagar ajuda muito Seguro Viagem: FAÇAM! tem da Mondial, tem dos bancos, tem de vários jeitos e formar ...... Relatos da galera do grupo que passaram mal e utilizaram.... Eu não usei mas fiz pela Mondial, liguei lá pois no site não tinha promoção, paguei R$ 169 para 23 dias nos 3 países. Esse seguro não é só para quem passa mal, ele cobre várias coias como por exemplo perda de mochila , dinheiro - Eu levei apenas real..... na época o dólar estava $3,45, não valia a pena.... tem muitos relatos, fóruns (inclusive eu fiz um) e não me ajudou kkkkkkkkk, perder todos irão perder, ninguém sai ganhando..... então faça a conta.... e se valer a pena leve dólar se não leve real.... troquei com facilidade em todas as cidades grandes e com bom cambio.... apenas em Arequipa pagaram uma merreca e em Huaraz não trocavam então troquem sempre nas cidades grandes ou em aeroporto.... Levei R$ 5 mil em notas de 50, separei por bolinhos de mil.... deixei na doleira.... (horrível de levar no corpo então deixei dentro da mochila de ataque e fui com uma bolsinha de lado e deixava o dinheiro que iria usar no dia ali.... a doleira, a mochila de ataque ficava com cadeado e sempre comigo ou dentro de um locker (locker é um cofre grande que cabe um mochila ) . Onde comprar a doleira - 25 de março, revista da avon, decathlon, sites de vendas. Tomadas e voltagem : A maioria das tomadas pelo mundo é diferente, lá é a tomada de dois pinos ( igual a do celular) então se não for levar nada que tenha 3 pinos , não precisa levar adaptador.... Eu levei uma extensão que foi muito util pois em alguns hostel (quase todos ) tem poucas tomadas então minha extensão tinha 3 entradas para meu celular e minha maquina e um adaptador se precisasse e claro pra quem estivesse no quarto também poderia compartilhar. Levei meu SECADOR Siiiiiiiiiiiiiiim, por que odeio ficar com o cabelo molhado comprei um secador bivolt nas lojas americanas, pequeno , lindo compacto por R$70. (marca PHILCO). Internet : Eu usei apenas o WIFI dos restaurantes e hostel..... queria me desligar, então avisava quando tinha.... mas quem quiser compra o chip eles vendem, com pacote de dados e precisa do RG ou passaporte..... Roteiro... O roteiro eu copiei quase tudo do Rodrigo Vix e 3 dias antes eu li o relato da Mariana que tinha ido para Huaraz (foi ai que tudo mudou kkkkkk), mas chegando lá deixei de fazer alguns lugares para conhecer outros que achei mais interessante . A chegada por Santa Cruz de la Sierra, seguindo pra Uyuni, depois Atacama, subindo pro Peru e fechando a volta até La Paz. Sobre a altitude: não senti os efeitos, no primeiro dia no UYUNI eu tomei o chá de soroche e tomei apenas um soroche pills, Levei NEOSALDINA e tomei quando sentia dor de cabeça, bebi muita água (não muita pois nos 3 dias de UYUNI não tem banheiro toda hora ahah ), não corram, não ande rápido, vá no seu tempo..... que esperem você chegar o que faz passar mal é a falta de oxigenação no cérebro por isso passamos mal. Quase 4.500 km rodados em 23 dias, de ônibus, Van, a pé...de táxi e avião Roteiro por dia..... 25/02 - SP - SUCRE - STL 26/02 - UYUNI 27/02 - UYUNI 28/02 - UYUNI/ATACAMA 01/03 - ATACAMA 02/03 - ATACAMA - CALAMA (21:30h saída) 03/03 - ARICA -TACNA-AREQUIPA (viajando) 04/03 - viajando - ICA (HUACACHINA) 05/03 - PARACAS - LIMA 06/03 - LIMA - HUARAZ 07/03 - HUARAZ 08/03 - LIMA - CUSCO (24h viajando) 09/03 - VIAJANDO 10/03 - CUSCO 11/03 - VALE SAGRADO (CUSCO) 12/03 - HIDROELTRICA (PARA ÁGUAS CALIENTES) 13/03 - MACHU PICCHU 14/03 - HIDROELÉTRICA - CUSCO 15/03 PUNO - COPACABANA - LA PAZ 16/03 - LA PAZ 17/03 - DOWHILL (LA PAZ) - STL 18/03 - RETORNO A SP Passagens: Comprei minha passagem pela GOL , Ida e volta por Santa Cruz de la Sierra .... saindo de GRU dica 1 - Se eu soubesse teria comprado ida por STL e a volta por la paz (a GOL não tem voos que fazem esse trecho ) mas poderia ter feito por outra companhia. As pessoas acham que comprando os voos mais baratos vão sair ganhando mas acabei gastando com passagem de STL a Sucre ( R$ 170 ) e mais R$ 35 de bus de SUCRE ao Salar do Uyuni e na volta acabei comprando a passagem de La Paz para STL..... pois não iria ter tempo de fazer o dohwill =/ Sobre as taxas que o pessoal sempre tem duvidas, eu paguei a taxa do aeroporto da Bolívia com a passagem, estava descrito no meu voucher. Dica 2 - Pense no seu roteiro.... muitas pessoas compram passagem para Santiago para ir até o Atacama e depois subir para La Paz pu Cusco (vejam a distancia mais de 1000 km) ou você terá que comprar uma passagem aérea para fazer esse trecho ou ir de bus (24h). Sobre as Roupas Comprei minha mochila na Decathon 50 litros ..... link: http://www.decathlon.com.br/trilha-e-trekking/mochilas-de-trekking-de-varios-dias/mochilas-de-50-a-90-litros/mochila-de-trekking-forclaz-50-litros-feminina-quechua?skuId=2021263 Ela foi perfeita..... Perfeita para um mochilão pois não é tão grande nem pequena, a quantidade de roupa que você vai precisar não é muita pois em todos os países tem lavanderia. Lavam e passam a roupa, eles cobram por peso. Lavei 3 kg de roupa em Cusco após 15 dias de viagem paguei 6 soles. Levei a minha mochila de ataque também ( A que eu uso para levar meu note no trabalho kkkkk). Comprei também a capa para a mochila na decathlon... peguei muita chuva ahahahha SIM, mas ela protege muito quando você despacha ela no aeroporto e no bus.... ela protege bem! As bandeirinhas dos países comprei no mercado livre...... mas lá tem para vender.... Minha bota também comprei na Decathlon em promoção..... da Quechua paguei R$159. quentinha , a prova ´d'água (claro que não afoguei minha bota) mas ela serviu e não estrago, está pronta para a próxima trilha. lista do que levei: -passaporte -carteirinha de vacina -RG -xerox do seguro viagem -xerox das passagens -caderno de anotações/caneta -mini pasta para documentos -doleira -capa de chuva - celular - carregador de celular - maquina fotográfica Cannon / carregador / cartão de memoria -remédios (NEOSALDINA, POLARAMINE, DORFLEX, POMADA NEBACETIN, REMÉDIO PRA DOR DE ESTOMAGO) -repelente -protetor solar -óculos de sol -cadeado para a mochila e para o locker -creme para o corpo -pasta de dente/escova de dente/escova de cabelo -sabonete/shampoo/condicionador/desodorante/perfume -LENÇO UMEDECIDO ------- SEU MELHOR AMIGO!!! -Papel higiênico -pinça/lixa de unha -biquini - 14 calcinhas - 2 sutiã - 1 blusa de frio básica - 3 calça leggin - 1 shorts jeans - luva/lenço/toca (mas acabei comprando lá pois é mega barato) - 10 meias (la vende meias quentinhas) - chinelo - bota -rasteirinha -jaqueta corta vento (A jaqueta corta vento ela também é hemipermeável, comprei na decathlon para ir nas cataratas em 2009). - 5 blusinhas básicas - 1 FLEECE - A minha comprei na loja....por R$29,99 não achei no site ela mas segue o link para que possam ver como ela é..... http://www.decathlon.com.br/search/dept/roupas-femininas-de-trilha-e-trekking/fleece%20femo - 1 toalha de banho http://www.decathlon.com.br/fitness/bolsas-e-acessorios/outros-acessorios/toalha-fitness-feminino-rosa - 1 canga (para Paracas) Cheguei lá e comprei blusa... lá é tudo muito barato , pois na Bolívia o real vale o dobro kkkkkkkkk Sobre o Frio .... Faz muito frio a noite, na época que eu fui Fevereiro e Março estava chovendo muito, muito mesmo..... peguei neve no SAlar e na fronteira do Atacama, Choveu no Deserto do Atacama, perdi o tour astronômico (Que não é feito em dia de lua cheia por causa da luminosidade ) mas eu perdi por conta da chuva..... Mas peguei um lindo Arco Iris. "Provavelmente nunca serei rica, mas sempre terei as minhas lembranças e é isso que importa. Alguns dias são mais difíceis que os outros , mas de vez em quando aparece um arco-íris para lembrar que sempre há um pote de ouro , nem que seja um pote cheio de sonhos e esperanças de que dias melhores sempre virão ! E ele sempre vem" Borá para a viagem mais louca da minha vida!!!
  15. Fala galera mochileira!! Como todo inicio de relato, começo dizendo muchas gracias às boas almas que compartilharam as suas experiências aqui no mochileiros.com, porque sem vocês, eu não teria embarcado nessa viagem maravilhosa hehe Agradeço principalmente ao Rodrigovix pelo relato bombástico, muchas gracias amigo! Como forma de agradecimento, vou relatar a viagem que eu e a minha irmã fizemos em janeiro deste ano para Bolívia, Chile (Atacama) e Peru. Já vou avisando que eu falo bastante, então se preparem para ler Mas caso eu esqueça alguma informação ou não tenha ficado muito claro no relato, fiquem a vontade para perguntar Antes de mais nada, um vídeo de entrada rsrs. Índice: Preparativos - Pág. 1 (partiumochilar-bolivia-chile-e-peru-26-dias-relato-com-video-fotos-e-muitas-dicas-t124362.html) 1º Capítulo - Partiu Mochilão - Pág. 1 (post1161101.html#p1161101) 2º Capítulo - Uyuni e o primeiro dia sem banho no Salar - Pág. 2 (post1162687.html#p1162687) 3º Capítulo - O segundo dia sem banho no Salar - Pág. 4 (partiumochilao-bolivia-chile-e-peru-26-dias-relato-com-video-fotos-e-muitas-dicas-t124362-45.html) 4º Capítulo - O terceiro dia congelante no Salar e a tarde quente no Chile - Pág. 5 (partiumochilao-bolivia-chile-e-peru-26-dias-relato-com-video-fotos-e-muitas-dicas-t124362-60.html) 5º Capítulo - As Lagunas Escondidas no deserto chileno - Pág. 8 (post1170674.html#p1170674) 6º Capítulo - Último dia no Chile - Pág. 12 (post1174422.html#p1174422) 7º Capítulo - A chegada no Peru - Pág. 15 (post1178767.html#p1178767) 8ª Capítulo - O Cañon del Colca e a espera interminável pelo Condor - Pág. 18 (post1182495.html#p1182495) 9º Capítulo - Dia de sossego (ou não) em Arequipa - Pág. 20 (post1186938.html#p1186938) 10º Capítulo - A despedida de Arequipa no Monastério de Santa Catalina - Pág. 20 (post1188618.html#p1188618) 11º Capítulo - Um Oásis no deserto peruano - Pág. 23 (partiumochilao-bolivia-chile-e-peru-26-dias-relato-com-video-fotos-e-muitas-dicas-t124362-330.html) 12º Capítulo - O primeiro contato com o Oceano Pacífico - Pág. 26 (post1199024.html#p1199024) 13º Capítulo - 24 horas pelas ruas de Lima - Pág. 27 (post1202769.html#p1202769) 14º Capítulo - Huaraz e a falta de oxigênio - Pág. 29 (post1209660.html#p1209660) 15º Capítulo - O ápice da viagem, a incrível Laguna 69 - Pág. 32 (post1218982.html#p1218982) 16º Capítulo - Algumas horas em Lima e muitas horas na estrada - Pág. 34 (post1225066.html#p1225066) 17º Capítulo - Hola, Cusco! - Pág. 34 (post1226972.html#p1226972) Roteiro: 04/01 - Curitiba - São Paulo - Santa Cruz de la Sierra - Sucre - Uyuni 05/01 - Uyuni - Salar de Uyuni 06/01 - Salar de Uyuni 07/01 - Salar de Uyuni - San Pedro de Atacama 08/01 - San Pedro de Atacama 09/01 - San Pedro de Atacama - Arica 10/01 - Arica - Tacna - Arequipa 11/01 - Arequipa 12/01 - Arequipa 13/01 - Arequipa - Ica 14/01 - Ica 15/01 - Ica - Lima 16/01 - Lima - Huaraz 17/01 - Huaraz 18/01 - Huaraz - Lima 19/01 - Lima - Cusco 20/01 - Cusco 21/01 - Cusco 22/01 - Cusco - Aguas Calientes (Macchu Pichu) 23/01 - Aguas Calientes (Macchu Pichu) - Cusco 24/01 - Cusco 25/01 - Cusco - Puno 26/01 - Puno - Copacabana 27/01 - Copacabana - La Paz 28/01 - La Paz 29/01 - La Paz 30/01 - La Paz 31/01 - La Paz - Santa Cruz de la Sierra - São Paulo - Curitiba Então vamos ao preparativos Gastos A principal preocupação dos mochileiros é a bufunfa Por isso vamos começar por este tópico... Eu levei 1.590 dólares + 1.000 reais para emergência, tudo em dinheiro. Não toquei nos reais, usei apenas os dólares Coloquei aqui embaixo o gasto aproximado de cada país na sua respectiva moeda e um valor aproximado em dólares. Inclui apenas os gastos na viagem e não passagem aérea, roupas, etc. Gastos por país: Bolívia - 4.098 bolivianos = 589 dólares (1 dólar = 6,95 bolivianos) Chile - 88.700 pesos = 125 dólares (1 dólar = 705 pesos) Peru - 2.504,90 soles = 732 dólares (1 dólar = 3,42 soles) Total gasto em 26 dias: 1.446 dólares É um valor considerável já que não economizamos para valer. Fazíamos o que tínhamos vontade sem pensar muito no dinheiro (quem vê pensa que sou rica rs), então posso dizer que é possível viajar por 26 dias e gastar menos que isso se levar a sério a economia Isso também depende da época que você vai. Como fomos em janeiro, época de temporada, muitas coisas pagamos mais caro, como a passagem aérea por exemplo (1.412 reais). Recomendo ir em março/abril ou outubro/novembro porque as passagens são bem mais em conta Mal de Altitude (Soroche) Acredito que a segunda maior preocupação antes da viagem é o mal de altitude. Posso dizer que o mal de altitude só se manifestou em mim quando eu tinha que fazer esforço (alguma subida por exemplo), porque fora isso, não tive nenhum problema, mas na minha irmã por exemplo de manifestou mais. Por isso eu recomendo fazer uma visita no seu médico, porque isso depende de pessoa para pessoa. Eu me consultei com o meu cardiologista antes de viajar porque tenho tipo uma pressão baixa e porque não sabia direito que remédios levar, até porque não contratamos nenhum seguro de viagem hehe Certificado Internacional de Vacinação Para entrar na Bolívia, para quem não sabe, é necessário ter tomado a vacina contra a febre amarela pelo menos 10 dias antes da viagem e depois emitir um certificado na ANVISA. Como eu já havia tomado em 2008, tinha apenas que emitir o certificado. Realizei o pré-cadastro no site da ANVISA (http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/Anvisa+Portal/Anvisa/Inicio/Portos+Aeroportos+e+Fronteiras/Publicacao+Portos+Aeroportos+e+Fronteiras/Certificado+Internacional+de+Vacinacao) e fui no aeroporto de Curitiba no posto da ANVISA (no último andar) algumas semanas antes da viagem e peguei o certificado (é gratuito). Não recomendo emitir esse certificado no dia da viagem porque vi gente que não conseguiu emitir e por mais que não tenham me pedido nenhuma vez, é melhor não viajar sem né haha Aconselho também a grampear na última folha do passaporte para não perder hehe. Documentos Eu levei o passaporte para poder ganhar os carimbos haha mas é possível viajar para esses países somente com o RG. Leve os dois e deixe em lugares diferentes para caso perca um (só por precaução). Aos estudantes, levem a sua carteirinha porque é possível ganhar descontos Quem tiver a carteirinha ISIC (internacional) melhor ainda, porque consegue o ingresso para o Macchu Pichu pela metade do preço. Quem não tem e quer fazer: https://www.carteiradoestudante.com.br/ Seguro de Viagem Como eu já disse aqui, fomos na louca e não contratamos nenhum seguro haha. Graças aos deuses incas, não precisamos também, mas aconselho contratar um, tanto para saúde quanto para segurança (contra roubos...). As empresas mais famosas são a Mondial e a Assist Card. Idioma Não é exatamente uma preocupação, já que falamos português Mas mesmo assim, eu aconselho a procurar no google aqueles sites grátis para aprender o básico para viagens haha. Praticamente ninguém fala inglês nesses países então tem que arriscar o portunhol mesmo. Não to falando para fazerem cursos haha apenas aprenderem palavras como onde, banheiro, comidas, etc Hostels Reservamos apenas o Wild Rover de La Paz pelo site deles mesmo com 1 dia de antecedência porque íamos chegar tarde. Fora isso não reservamos nada antecipadamente porque sempre surgem imprevistos e vai que não dá para ficar no lugar né Ingressos Caso você queira subir a montanha Wayna-Pichu, aconselho a comprar o ingresso online antes de viajar porque eles limitam o número de pessoas por dia e os ingressos acabam rápido. Eu vi gente que conseguiu comprar com 2 dias de antecedência, mas eu não arriscaria rs. Sites para comprar o ingresso + informações: http://ingressomachupicchu.com/?gclid=Cj0KEQiA-aujBRDqj772vpGfgooBEiQAzWAZUvjg0l6_0DL2-O0MxGpBHpKtL33Rs-gTbM-0ST7SdtYaAr9M8P8HAQ http://www.machupicchu.gob.pe/ Fora isso, não compramos nenhum ingresso antecipado Tomadas As tomadas nesses países eu só vi do tipo C e algumas vezes do tipo L, portanto é preciso ter saída de 2 pinos redondos. Como o meu secador e todos os meus carregadores são de 2 pinos redondos, eu consegui usar em todos os lugares e não precisei de um adaptador. O único adaptador que eu levei foi um com 4 entradas para carregar várias coisas ao mesmo tempo, foi muito útil. Para aqueles que tiverem carregadores com saída de 2 pinos ''risquinhos'', recomendo levar um adaptador com saída de 2 pinos redondos, porque é difícil encontrar tomadas para esse tipo. Atenção: a voltagem nesses países é 220V. E finalmente, O que levar: Gastei um bom dindin na Decathlon (tinha acabado de receber meu salário rsrs) e tudo que eu comprei foi válido. Porém é possível substituir por outra coisa que você tenha em casa mesmo, mas caso você queira e possa ostentar um pouquinho, segue uma listinha do que eu comprei : 1) Bota Nord Outdoor Adventure - não achei aqui na internet, mas eu comprei na Centauro e paguei 149,90. Ela é muito boa. A palmilha tem 2,5 cm de altura, então é muito confortável, e é resistente a água. Meu pai até comprou uma igual para ele rs. 2) Mochila Quechua Forclaz 70l - paguei 349,99 reais na época. Eu já tinha outra mochila que eu usei em outro viagem, mas ela não estava em boas condições haha. http://www.decathlon.com.br/montanha---aventura/mochilas-38170/mochila-trekking-mochilao/mochila-forclaz-70l_164112?skuId=1809068 3) Mochila ''de ataque'' Quechua Arpenaz 10l - paguei 29,90 reais. Não recomendo porque ela é muito pequena. Tive que comprar uma maior no Peru http://www.decathlon.com.br/montanha---aventura/mochilas-38170/mochila-pequeno-e-medio-volume/mochila-arpenaz-10-quechua_232755?skuId=630322 4) Almofada de pescoço - paguei 59,90 reais. Muito bom para as viagens de bus. http://www.decathlon.com.br/montanha---aventura/camping-38138/sacos-de-dormir/almofada-modulo_183977?skuId=1791151 5) Capa para mochila de 55/80l Quechua - paguei 59,90 reais. Essencial se você quer manter a sua mochila limpa (obs: só no final da viagem eu descobri que o lado laranja era pra dentro ) http://www.decathlon.com.br/montanha---aventura/mochilas-38170/acessorios-de-mochila-e-viagem/capa-mochila-55-80-l-quechua_37122?skuId=914460 6) Toalha de auto absorção - paguei 29,90. Essencial também. http://www.decathlon.com.br/natacao-37170/acessorios-37221/toalhas-37227/toalha-kingcham-80-x-130cm_32025?skuId=1118779 7) Blusas e calça fleece - paguei 129,97 nas três peças. http://www.decathlon.com.br/montanha---aventura/aventura-mulher/roupas-de-frio---camada-2-38158/blusa-polar-forclaz-20-fem_65000?skuId=1718810 http://www.decathlon.com.br/montanha---aventura/aventura-mulher/segunda-pele---camada-1-38157/blusa-simple-warm-wed%C2%B4ze-feminino_227726?skuId=884795 http://www.decathlon.com.br/montanha---aventura/aventura-mulher/roupas-de-frio---camada-2-38158/calcas-fleeceforclaz-50-mulher_153556?skuId=1558085 Jaqueta Corta Vento - paguei 189,99 na Decathlon também, só que eu não achei no site achei apenas nesse site: http://odisseiaesportes.com.br/produto/1-casaco-softshell-tribord Essa foi sem dúvida a segunda melhor aquisição pré-viagem (a bota foi a primeira hehe). Ela não é impermeável, mas é resistência a água e corta-vento. Em Huaraz pegamos chuva na trilha e eu não me molhei com ela. Levei só ela de jaqueta/casaco e deu conta super bem, recomendadíssima. 9) Cadeado - ganhei de presente rs. É um item obrigatório para quem vai ficar em hostel. Recomendo levar 2 cadeados também porque um geralmente fica no locker com o seu celular carregando e outro fica no locker do quarto mesmo. Minha irmã perdeu um dos cadeados e ficava usando o meu para carregar o celular http://www.decathlon.com.br/eletronicos-e-oculos/mochilas--bolsas-e-malas-37771/acessorios-de-viagem-37789/cadeados-de-chave-c--2-rosa_198061?skuId=676685 10) Bateria extra - paguei 89,90 no Mercado Livre uma bateria original da Go Pro. Não é necessário, mas me foi muito útil 11) Lanterna - paguei 3,99 na Casa China Usei principalmente no Salar de Uyuni e recomendo levar. Agora vamos às coisas que eu já tinha e que eu levei: 1 calça ''tailandesa'' 1 calça jeans 1 calça fleece 2 leggings 2 shorts 1 casaco moletom 1 biquíni 2 blusas de manga cumprida 10 blusas 1 blusa de lã 2 lenços/cachecol 2 tocas 1 par de luvas 10 calcinhas 7 pares de meia 2 sutiãs 1 top 1 alpargata 1 havaianas 1 tênis 1 secador de cabelo (rs) 1 lençol (desnecessário) 1 capa de chuva 1 adaptador de tomada com 4 entradas 1 colher (para tomar o meu remédio) 1 pastinha para documentos 1 bloquinho de papel e caneta 1 câmera Canon + carregador + polarizador 1 câmera Go Pro + carregador + bateria extra 1 tablet + carregador 2 cartões de memória 1 celular + carregador 1 óculos de sol 1 óculos de grau (sou cega rs) 1 pacote com 40 lenços umedecidos 1 doleira 1 fone de ouvido 1 monopod Necessaire: lentes de contato + soro fisiológico talco desodorante lixa de unha mini perfume escova e pasta de dente repelente maquiagem (somente base, rímel e lápis) pinça sabonete líquido protetor solar protetor labial Remédios: Paracetamol (o mais usado) Ablok (para minha pressão) Plasil Multigrip Ibuprofeno Floratil Nimesulida Ponstan Aqui eu reforço a ida ao médico para consultar quais remédios levar, porque cada um reage de forma diferente a cada medicamento. O que eu não levei/fiz e precisei: 1) hidratante - sei que parece frescura, mas no Salar de Uyuni o tempo seco raxou a minha pele e na minha irmã raxou num nível que cortou a pele dela... tivemos que comprar um hidratante e um hipogloss no Atacama porque machucava até quando passava o dedo. Enfim, depois desse drama, deu pra entender que eu acho importante levar né rs. 2) playlist - aos sofridos que, assim como eu, não possuem Spotify Premium, recomendo que baixem o maior número de músicas possíveis porque nas intermináveis horas de ônibus, elas vão te salvar 3) meias trekking - eu levei 4 pares de meia ''normais'' e 3 pares de meias mais grossas. Aconselho a levar mais meias grossas ou as famosas meias trekking, porque na trilha da Hidrelétrica eu vi que essas meias fazem diferença haha E é isso gente, próximo capítulo começo a contar sobre a viagem Qualquer dúvida, estamos ai! Facebook: Bárbara Fabris Instagram: @fabrisbarbara
  16. Bom, muita gente já escreveu sobre esse mochilão... então nem vou detalhar mto, vou colocar só minha impressão, o que eu mudaria, e os valores referentes a Julho/Agosto 2017. Fiz algumas tabelas para resumir tudo: 1. Cronograma 2. O que comprei antes/gastos básicos médios (pq não lembro, nem anotei tudo, e também comprei muito artesanato, bebi, sai hehe). Não coloquei os gastos com alcool, nem artesanato; 3. Os passeios que fizemos, agências e valores; 4. Hosteis que ficamos; Levei em dólar tudo em dinheiro vivo espalhado pelo porta dolar e um sutia e short com bolsos internos. Levamos 1000 dólares cada um. Câmbio na data: Atacama (1 Dólar = 650 CLP); La Paz (1 dólar= 6.94 bol); Cusco ( 1 dólar = 3.24 soles); Lima (1 dólar = 3.23 soles). Horário voo,bus DATA DIA LOCAL PROGRAMA avião (LATAM) 21h50-01h10(STG); 15/jul sabado SP-Santiago - CHILE avião (LATAM) 10h00- 12h00(CLM) 16/jul domingo STG-Calama - 16/jul domingo (tarde) San Pedro do Atacama Vale de La Luna 17/jul segunda San Pedro do Atacama Cidade (manhã); Lagunas Escondidas (tarde); Tour Astronômico (noite) 18/jul terça San Pedro do Atacama Piedras Rojas e Lagunas Altiplânicas 19-21/07 quarta, qui, sex Uyuni Tour Salar Uyuni BOLIVIA Onibus (Todo Turismo) 20h 21/jul sexta Cidade Uyuni/Indo para La Paz - 5-6h 22/jul sábado La Paz Mercado das Bruxas e arredores 23/jul domingo Downhill 24/jul segunda Mirador Kili Kili, Centro, Teleférico, Plazas, etc avião (Peruvian) 10:29 25/jul terça La Paz-Cusco "Free" Walking tour a tarde PERU 26/jul quarta Cusco - Vale Sagrado Vale Sagrado (paramos em Ollantaytambo) trem (Inkarail) 19h27 26/jul quarta trem Ollantaytambo-MP (Águas Calientes) - trem (Perurail) 16H22 27/jul quinta Macchu Picchu+ trem volta Cusco MP 28/jul sexta Cusco Ruínas Sacsayhuaman 29/jul sabado Cusco Mercado San Pedro, Bairro San Blas, museu Inka Iríamos para Huaraz, mas voo foi cancelado 2x 30/jul domingo Cusco Cidade 31/jul segunda Cusco Cidade avião (LCPeru) 10h00 01/ago terça Lima Shopping Larcomar e um pouco Miraflores 02/ago quarta Lima "Free" Walking tour manhã (Centro Histórico) e tarde (Barranco); Circuito Mágico das Águas (noite) 03/ago quinta Lima Igreja/Convento São Francisco, Parque do Amor, Miraflores 04/ago sexta Lima Ruínas Huaca Puclana e artesanatos aviao (LATAM) 00h00 05/ago sabado Lima Cidade 06/ago domingo Lima-SP 2) O que? R$ Comprei no Brasil? Passagem (GRU->STG->Calama; Lima->GRU) 1500 SIM Seguro Saúde (Mondial) 225 SIM Transfer Calama -> SPA (10.000 CLP) 71 NÃO Onibus Uyuni->La Paz (Todo Turismo) 131 SIM avião La Paz->Cusco 515 SIM Ingresso Macchu picchu 158 SIM Trem Macchu Picchu (ida e volta) 541 SIM Ônibus de Águas Calientes até entrada do parque MP (subida e descida- 24 DOLARES) 82 NÃO Avião Cusco->Lima (LCPeru) 293 SIM IOF cartão 106 - Hospedagem 1000 - Comida 600 - Total 5222 - 3) PASSEIOS LOCAL QUAL PASSEIO $$ Agência Atacama (CLP) Vale de la Luna 10.000 (agência)+ 3.000 (entrada) Towanda Lagunas Escondidas 15.000 + 5.000 (entrada) Tani Tani (preço menor pq fizemos os 2 com eles) Piedras Rojas e Lagunas Altiplânicas 28.000 + 3.000 (entrada) Tour Astronomico 20.000 Space Orbs (reservei por email antes, mas paguei lá) Salar Uyuni (CLP) Tour Uyuni saindo do Atacama (3 dias, 2 noites) 100000 (CLP) + 230 bol (banheiros, entradas, snacks, banho quente) White Green La Paz (bolivianos) Downhill, bicicleta média. Tem uma por 400 e outra por 600 480 + 50 (entrada) Xtreme Cusco (novos soles) "Free" walking tour 10 Sai em 3 horários da Plaza de Armas, o preço sugerido é 10 soles, mas você pode dar quanto quiser Vale Sagrado 20 + 130 (boleto turístico completo, comprado no Ministério da Cultura) Uma na Av do Sol, em frente ao Minist da Cultura, mas qualquer uma é esse preço sem almoço Guia Macchu Picchu (acertei com 1 na entrada do parque, por 2 horas) 20 - Águas Termales (Águas Calientes) 20 Fácil de achar, mas não vale a pena. Ruínas Sacsayhuaman Incluso no boleto turístico Fiz sozinha, dá para ir a pé, assim como outras Museu Inka 15 Só ir Rainbow Mountain 60-80 NÃO FIZ Humantay 100-120 Maras e Moray 20-25 Lima (novos soles) "Free" walking tour de manhã pelo centro histórico, e de tarde pelo bairro Barranco 10 (5 para cada período) + 2.5 para ônibus (como são 2 idas e 2 voltas = 10 soles de ônibus) Saem da frente do Mc Donalds no Miraflores as 10/10h30; e de tarde saem do Centro (Plaza de Armas) as 15h e do Miraflores 14/14h30 Ruínas Huaca Puclana 12 ou 15 Fui a pé mesmo e paguei a entrada com guia (obrigatoriamente) Igreja/Convento São Francisco 15 Fui a pé mesmo e paguei a entrada com guia (obrigatoriamente) Circuito Mágico de Águas no Parque da Reserva 5 a 10 soles (não lembro) Fui de ônibus Metropolitano (2.5 soles trecho) 4) LOCAL DIÁRIAS Hostel Casa Flores $$ (dólar) Quarto - tipo San Pedro do Atacama 3 Hostel Casa Flores 189 Quarto com duas camas, banheiro. Café bom incluso. La Paz 3 Hostal Iskanwaya 120 Quarto com duas camas, banheiro. Café excelente incluso. Cusco 4 Puriwasi Hostels 318 soles Quarto misto 4 camas, banheiro compartilhado. Café bom incluso. Aguas Calientes 1 El Tambo Macchupicchu 35 Quarto com cama de casal, banheiro. Snack preparada de manhã inclusa. Cusco 2 Hostel Margarita 100 soles Quarto com duas camas, banheiro compartilhado. Café meia boca incluso. Lima 4 Inca Life 140 Quarto com duas camas, banheiro. Café bom incluso. O que levar: bom, eu e meu irmão somos bem simples e econômicos, e lavanderia lá é muito barato (La Paz, 10 bol/Kg; Cusco 2,5 soles/Kg), então levamos coisas para 8 dias de uso (contamos que em ambos os desertos iria ser osso lavar roupa, mas se vc não for para algum dos desertos dá para levar menos ainda). Também pesamos antes para levar como bagagem de mão, para evitar extravio, e funcionou, o limite da LATAM é de 10Kg. Importante lembrar que fomos bem no inverno, então quem vai no verão não precisa levar várias coisas. As roupas térmicas etc comprei na Decathlon, e olha, passamos frio umas 3 vzes usando tudo, então não esperem coisas muito quentes com o preço que se paga lá hahaha. · 1 casaco corta-vento; · 1 casaco pluma para frio; · 1 blusa fleece; · 2 calças térmicas; · 2 calças jeans; · 1 calça corta vento e forrada para frio; · 1 legging; · 2 blusas térmicas (varia só 1); · 7 camisetas de corrida (levaria umas 5 ou só 8 blusinhas no total); · 4 blusinhas de algodão para sair (usei todas pq em Cusco eu não fiz mts passeios, curti como um Carnaval rs); · 6 pares de meias normais (levaria uns 4); · 2 pares de meias térmicas; · 1 meia calça quente; · 1 pijama quente; · 1 luva quente; · 1 cachecol (não usei); · 1 viseira de corrida; · 1 óculos escuros; · Kit higiene -todos com 100mL: shampoo, cond, creme de pentear, desodorante, hidratante, protetor solar (labial e corporal), soro fisiológico ( normal e em gel, usei muitooo o em gel nos desertos); · 1 saco de dormir (não levaria, pois só usei no Uyuni e as empresas fornecem, se você pedir); · 1 bota/tênis para trilha; · 1 chinelo; · 1 biquini; · 1 toalha seca rápido; · Kit farmácia (vou por só o que usei): paracetamol (dor de cabeça), multigrip, imosec (dor de barriga), própolis, vitaminas (para evitar resfriados tomávamos esses 2 últimos todos os dias), 1 para enjoo de viagem (Não pode ser o Dramim, pq ele diminui a frequência cardíaca, eu fui num médico para falar da viagem); lenços umedecidos (muito úteis em banheiros, e no Uyuni). (editado) esqueci de mencionar que é realmente importante a Mochila de Ataque, levei uma pequena de escola mesmo, pq vários passeios são o dia todo, e a temperatura muda mt ao longo do dia, vc tem q levar protetor, água, lanches, casaco, etc etc. Comentários sobre os hostel que ficamos: Reservei todos pelo booking.com e paguei lá e em dólar, pq não cobra imposto (exceto o Margarita de Cusco, pois foi devido ao cancelamento do voo). Não precisa mesmo reservar antes, mas eu acho muito chato chegar num lugar e procurar o lugar que vc vai dormir. Todos eram muito bem localizados. Em Cusco e Lima há mais baratos, e o táxi em Cusco é mt barato, então até compensa ficar em um mais longe. Esse preço alto foi pq quase todos eram quartos privados, e isso encarece bastante o gasto com hospedagem. Dá para gastar bem menos, até mesmo pelo booking.com. Eu gostei de todos, e em Cusco eu me diverti tanto que me arrependi de não ter ficado em hostel badalado em Lima. No geral: eu ficaria mais no Atacama, eu e meu irmão achamos maravilhoso, ficaríamos uns 5/6 dias cheios lá facilmente (foda que é o local mais caro); La Paz acho que é rota, não tem como fugir, mas não gostamos, 3 dias foram suficientes, e o Downhill é obrigatório para quem passa por lá (é muito legal); Cusco eu amei de paixão, adorei o voo ter sido cancelado (se forem de avião não peguem a empresa LCPeru, foi mt desorganizado, e o mesmo voo cancelado 2 vezes lá na hora, terrível), tem milhões de coisas para fazer na cidade, passeios, a comida é barata, tem muitas baladinhas e bares; Lima eu só ficaria 2 ou 3 dias (mas isso é pq eu não gosto de turismo em cidade grande). Eu queria muito ter ido para ICA e Paracas (mas a grana tinha acabado). O avião de La Paz para Cusco é um gasto necessário só se vc tiver pouco tempo e não quiser conhecer o lago Titicaca (dizem que é muito legal, eu se tivesse planejado mais dias na Bolívia, teria ido de bus nesse trajeto para conhecer Copacabana, Puno, etc). Lavanderia é mais barata nas ruas que nos hostel. Todos os passeios que eu fiz eu gostei, exceto Águas Termales em Águas Calientes. Todos os lugares vc vai precisar comprar água e levar aos passeios, uns lanches é bom também, só veja quais passeios já tem almoço ou snack para não levar à toa. Altitude: é bom planejar sua viagem com uma adaptação de 2 a 3 dias nas alturas hehe e de preferência crescente. Resumidamente as altitudes são: SPA (2300m, alguns passeios vão perto dos 5000m), Uyuni (perto do Chile chega a 5200m, perto da Bolivia é 3400m), La Paz (3600m), Cusco (3400m), Macchu Picchu (3000m acho). Por local, resumidamente: Atacama: fomos de avião de Santiago a Calama, e lembro que ficou uns 150 reais mais caro só (já comprei na mesma passagem pela LATAM). O transfer não é necessário agendar. Fui de Moviltour, e no desembarque tem um tiozinho que fica oferecendo, esperei uns 10min para ir, são 2 horas até San Pedro do Atacama (SPA), e deixam no seu hostel. Assim que chegamos (16/7, 14h30) já fizemos o passeio Vale de la Luna (muitoooo legal), sai às 15h até umas 18h30. Depois jantamos nas Delicias da Carmen na Rua Caracoles (rua das agências, casas de câmbios, tudo), rest maravilhoso, mas meio carinho (por volta de 9.000 CLP o menu – entrada, prato principal, sobremesa e uma taça de vinho), dizem que tem um Delicias da Carmem para os locais com preços mais acessíveis, mas não fomos. Nos outros dias, comemos nas barraquinhas que os locais comem, e é mto maravilhosa a comida (é na rua da chegada dos ônibus, rua de trás do mercado de artesanato, inclusive aqui há loja para água beeeem mais barata), era 3.800 CLP entrada e prato principal mtooo bem servidos. 17/7: de manhã conhecemos SPA, e de tarde fomos a Lagunas Escondidas (muito lindo, há um lanche no por do sol com Pisco rs), de noite fizemos o Tour Astronômico às 20h (tem dois horários, 20h e 22h, e dura 2 horas, mas como é muiiiitoo frio, aconselho ir no mais cedo e com todas as suas roupas hehe) pela Space Orbs (reservei por email antes, mas tem que pagar até 15h do mesmo dia), dizem que essa empresa é a que tem os melhores telescópios, e é a mais técnica nas explicações, e acho que é vdd, pq me senti numa faculdade de astronomia haha, só que ela não tira foto que nem outras empresas, ai vai de cada um; nós amamos, independente de qual empresa, esse é um passeio imperdível no Atacama (ele não ocorre nas noites de lua cheia). 18/7: dia todo no Piedras Rojas e Lagunas Altiplânicas: uns dias antes havia tido uma nevasca, então as lagoas estavam congeladas haha mas achei muito legal andar sobre uma lagoa congelada, os lugares desse passeio são maravilhosos, e chega a altitudes de 4200m; desde o dia anterior já começamos a tomar chá de coca durante o dia, e comer a bala de coca e não sentimos nada além de dificuldade leve de respirar. No Atacama, como eu disse, há milhões de passeios nos arredores, cabe você elencar os que cabem no seu orçamento e cronograma; alguns que existem e não fizemos: Salar de Tara (50.000 CLP, o dia todo), Laguna Cejar (18.000 CLP, de tarde), Geisers del Tatio (não lembro qto, mas de manhã), Termas Puritana (1 período, manhã ou tarde), etc. Salar do Uyuni: conheci gente que saiu do Atacama de ônibus para a cidade de Uyuni (10.000 CLP) para fechar agência lá que é mais barato. Como não tínhamos esse tempo, e a diferença é em torno de 100/150 reais pelo que li nos relatos, nem cogitamos isso. Talvez para economizar, você pode fazer o roteiro inverso do que eu fiz, começar no Peru (eu fiz esse para ir acostumando com a altitude antes do Peru, mas não sei se foi a melhor escolha, pq depois de uns 2 dias vc se acostuma. Fato é que depois do 1 dia do Uyuni eu nem tomei mais coca, pq meu corpo realmente não sentia mais nada em relação a altitude, meu irmão também). Eles aconselham a levar 200 bolivianos para ingressos em parques dentro do Salar que não inclusos no pacote (acho que em 2, não lembro), e banheiros (todos são pagos com 1 ou 2 bol, leve trocado. Em SPA tem bol para vender. Fechamos com a empresa Cruz Andina o tour de 3 dias e 2 noites, mas fomos realocados (sem saber) para o grupo da empresa White Green. Dizem que empresas de bolivianos tem menos problema para fazer esse tour saindo do Chile, eu não vi nenhuma outra tendo problema, mas acreditei e escolhi uma boliviana (ambas eram). Bom, acho que todos sabem esse roteiro, mas importante falar que há 2 caminhos para atravessar o Uyuni: um com mais formações rochosas (o que fizemos, sem escolher, os outros gringos que nos contaram que eles escolheram esse caminho), e um com mais lagoas. Eu amei todo o passeio, lugares magníficos. O 1 dia passamos um pouco mal pq chegamos a 5200mts (dor de cabeça, e enjoo), mas nada que um Paracetamol e um de enjoo não melhorasse. No 1 dia, você passa por várias lagoas, e nada nas águas termais, de noite dormimos num abrigo malemá, e confesso que estava tão frio que eu nem quis testar como era o banho; esse foi o único dia que usei o saco de dormir, e como eu disse a empresa e o abrigo ofereciam também. No segundo dia, passamos por lugares com muitas pedras diferentes, surreal de lindo, e uma lagoa tb (eu até emocionei de tão linda, chamava Laguna Negra), e dormimos em um hotel de sal, confortável, com banho quente, e jantar excelente, até com vinho (isso eu reparei que outras empresas não tinham, mas gde coisa tb rs). No terceiro dia, saímos às 5h para ver o nascer do sol na Ilha de Cactos no meio do Salar, e meu irmão, que frio foi aquele¿¿¿ E olha que já morei nos EUA, mas aquele frio, nunca senti nada igual na vida. E ficamos no Salar de sal tirando fotos, brincando (o guia leva várias coisas haha) um bom tempo. O passeio termina com almoço na cidade de Uyuni umas 14h30, onde comi a carne de lhama (parece de vaca, mais macia). Os lugares mais altos são perto do Chile, então se você sai do Atacama, pegará as altitudes maiores no 1 dia, e o contrário se sair da Bolívia. Deixamos a mala no office da Todo Turismo (já tinha comprado pela internet passagem, há outras empresas mais baratas, mas essa é a mais requintada: janta, café da manhã, cobertor, calefação excelente, poltrona confortável, office com wifi e cadeiras e chá, café, bem turística rs), e fomos procurar um local pra descansar e tomar um banho na cidade de Uyuni: fechamos um quarto por 3 horas por 50 bolivianos, e o banho era só de 7min e desligava energia automaticamente kkkk nossa, nos arrependemos muito, pq só o banho é 15 bol e vc pode ficar no office da empresa, enfim, besteiras de viagem. Chegamos em La Paz umas 6h do dia seguinte, e nós tomamos o remédio pra enjoo e apagamos brutalmente. La Paz: assim como Cusco, o táxi lá vc negocia o preço antes. Pagamos 15 bol da rodoviária até o Hostel, que era bem do lado da Rua Sagarnaga. A Rua Sagarnaga é onde tem casas de câmbio, agências, e é perto dos artesanatos. Esse hostel que a gte ficou tem check-in as 8h, e ainda entramos antes, foi ótimo. La Paz é mto pobre, as pessoas são meio mal humoradas. É triste. Ao mesmo tempo é exótico. No primeiro dia, dormimos e depois fomos no Mercado de Bruxas e de Artesanatos (a perdição), e torramos uma grana lá (a qual eu não havia me planejado para torrar, ainda bem que a comida barata em toda a viagem deu folga para isso). Também andamos pelas plazas: Murilo, São Francisco, e fechamos o Donwhill para o dia seguinte na empresa Xtreme. Apesar de ser a melhor empresa (por tudo que li), a bicicleta do meu irmão quebrou, não sabemos se foi pq ele caiu ou se ele caiu pq quebrou, então ele realmente é um sobrevivente da Estrada da Morte haha. Enfim, eles tinham uma reserva na van mais simples e meu irmão disse que a média que pegamos realmente era mais confortável (480 bol). O segundo dia todo foi no passeio Downhill: vc vai na empresa às 7h, e de van vai até um topo (4.700m), tem café da manhã, veste as roupas apropriadas dadas pela empresa, testa a sua bike, e desce os primeiros 22Km numa estrada asfaltada (passando carro, caminhão hehe, mas eles estão acostumados e passam longe, devagar, etc); dps desce mais 33Km no Caminho da Morte propriamente dito, que é de terra e com pedras (alguns trechos com mais, outros bem de leve). Dizem que não passa mais carro lá, mas passa sim, eu inclusive cruzei vans 3 vezes, e os guias nos disseram que estava tranquilo o movimento pq era domingo. São 2 guias + a van que vai seguindo, 1 guia smp na frente, o outro smp atrás da última pessoa (isso é bom, ngm te apressa, vc vai no seu ritmo). Eu achei bem adrenalina haha e olha que eu fui devagar, só tirava a mão do freio qnd não tinha precipício do meu lado. Mas a paisagem e essa adrenalina vale a pena demais, eu faria de novo, com ctza. Eles vão parando, tirando foto, tem um lanche no caminho, e dps vc acaba a estrada num hotel com buffet livre, piscina, a 1300m, calor, é maior delícia. Volta na van e chega em La Paz umas 18h/19h, ganha uma camiseta de sobrevivente haha e um CD com fotos e vídeos que um dos guias fica fazendo durante o trajeto. No terceiro dia, decidimos conhecer a cidade por conta, e por transporte público. Foi bem fácil e legal conhecer a loucura do dia a dia de lá. Conhecemos Mirador Kili Kili, andamos de Teleférico (como turismo mesmo), umas plazas lá, compramos mais artesanatos kkk. No dia seguinte, voamos para Cusco com a empresa Peruvian (ótima, deveria ter ido de Cusco a Lima com ela). Cusco: primeiro dia, fomos no Free Walking Tour com um cusquenho, foi mto legal, ele até ensinou um pouco de quéchua pra gte, mostrou umas ruelas bem legais, fora o básico de um tour da cidade a pé. Sai da Plaza de Armas, acho que era 16h, e pagamos 10 soles. O tour de carro/van conhece umas ruínas um pouco mais longes, mas 1 delas inclusive eu fui sozinha hehe então optei por não fazer esse tour, mas é cerca de 30 soles + Boleto turístico (o mesmo). Perto da Av do Sol, do lado da Plaza de Armas, onde há o Ministério da Cultura (para comprar boleto turístico e ingresso Macchu Picchu, caso não tenha comprado), há diversos restaurantes com menus de 6 a 15 soles. Fechamos o passeio do Vale Sagrado por 20 soles sem almoço para o dia seguinte, com uma agência na Av del Sol (qual agência vc fecha tanto faz, pq elas se juntam nos passeios). Segundo dia: Ás 9h (ou 8h rs) estávamos na frente da agência, e fomos num micro-onibus para o Vale Sagrado. Nesse passeio vc vai precisar do boleto turístico, quem não comprou antes, dá pra comprar na primeira parada. Enfim, é bem legal, se conhece diversas ruínas incas, almoça no buffet combinado com sua agência ou como nós (choramos com o restaurante por 15 soles buffet livre onde os outros turistas almoçaram). A penúltima parada é Ollantaytambo, e de lá vai pode ir pra Chincero (as pessoas que retornam a Cusco), ou você fica nesse parque até o horário do seu trem (como nós), e olha, valeu muito a pena ter ficado, pois li que esse Chincero não é nada demais, e quem retorna a Cusco fica só uns 40/50min em Ollantaytambo, o que é um desperdício, pois o local é grande, super lindo. Bom, às 19h30 pegamos o trem para Águas Calientes, trem confortável, nada demais pelo preço, demora quase 2 horas até Águas Calientes, a cidade chave para ir a Macchu Picchu. Chegamos, comemos uma pizza, e dormimos. Especificamente sobre Macchu Picchu e Águas Calientes (terceiro dia): tinha lido que a nova regra era somente meio período no parque, e obrigatoriamente com guia. Como fui no período ápice de gringos europeus e norte-americanos, comprei o ingresso para o parque antes, mas não precisava (apesar que é o mesmo preço, então não custa nada garantir se você tem certeza do seu cronograma). Quem quer subir a Huaynapicchu ou Montana Macchu Picchu realmente tem que comprar muito antes, pois quando comprei não havia mais vaga para toda a semana que estaria no Peru (comprei com 3 meses de antecedência); e quem quer subir alguma dessas duas obrigatoriamente tem de ir pela manhã ao parque, e pode ficar até 7 horas oficialmente. São dois horários: 6-12h, e 12h-17h30. Na prática, ninguém estava no parque olhando os ingressos pedindo para quem deveria sair 12h, sair. É meio impossível, o parque é enorme, e há muita gente entrando e saindo em diferentes horários. OBS: só há banheiro e um restaurante caro na entrada (não esqueça de levar lanches e água), e você tem direito de sair e entrar de novo no parque 1 vez. A obrigatoriedade do guia também não existe na prática, mas MP sem guia é bem estranho, pq é um monte de ruína maravilhosa. Pagamos na entrada mesmo uma guia, 20 soles cada, um grupo de 5 pessoas, por umas 2 horas. Nós fomos de manhã, e por isso dormimos em Águas Calientes. Hoje, eu iria de tarde, pq de manhã o tempo é mais instável (pegamos uns 40min de chuva até, nada que tenha atrapalhado), e a fila é terrivelmente grande, pois há as pessoas que irão subir as 2 montanhas. Para ter uma ideia, fomos para a fila do ônibus às 4h30, e só chegamos no parque 6h30 (o ônibus leva só meia hora). Esqueci de mencionar que para ir até a entrada do Parque de Águas Calientes tem o senhor morro, você pode ir a pé (acho que são 2000 ou 3000 degraus) ou por ônibus por 12 dólares o trecho (a cabine de venda em Águas Calientes é do lado do rio, bem aonde saem os ônibus e fica aberta das 4h até 21h30). Dentro do Parque ainda tem um caminho até a ponte Inca, bem legal e bonito. Ficaria dia todo lá tranquilamente, é uma energia maravilhosa. Saímos 12h30 mais ou menos (não pq alguém nos expulsou), mas pq queríamos ir nas Águas Termales. As passagens de trem comprei no Brasil, e achei bom pq os horários mais baratos se esgotam rápido; eles servem um lanchinho no trem, nada demais, e quem viaja de dia é mto bonito o caminho, o trem é todo cheio de janela, até o teto, é mto lindo. Comemos uma empanada num local, e fomos a pé mesmo para as Águas Termales, que segundo eles são águas subterrâneas quentes naturalmente. Mas pensa num piscinão sujo kkkkk detestamos, e olha que não somos frescos. É quente mesmo, mas nossa, preferia ter ficado mais em MP. Pegamos o trem de volta até Ollantaytambo às 16h30 (tem a possibilidade de ir até a estação Poroy, mais perto de Cusco, mas estava quase o dobro do preço), e de lá uma van por 10 soles até a Plaza de Armas de Cusco (leva quase 2 horas). Detalhe: os trens são pontuais. Outras maneiras de ir a MP: trilha Inca (2, 4 e 5 dias. Em Cusco você fecha isso ou do Brasil); Van + trilha da Hidrelétrica (um casal conhecido fez por 60-70 soles, bem mais barato que trem): tem vários relatos sobre essa maneira, eu não fiz pq queria aproveitar mais de Cusco (leva 1 dia pra ir, dorme em Águas Calientes, vai a MP de manhã e dps volta à tarde); mas quem quer economizar, essa maneira economiza muito. Em Cusco, fiquei no Puriwasi, é um hostel médio badalado. Tem o Puriwana (acho) e o Lokki que dizem que são bem badalados. Esse eu gostei, pq tinha um bar até 1h, dps não tinha barulho de som, e o staff era bem massa, eu sai com eles todos os dias dps que fechavam o bar. Nesse dia, estava rolando um som ao vivo quando chegamos de MP, e dps ainda tive pique para ir em duas baladas: Mama África e Chango (segundo eles, as que smp enchem). Não é nada típico, é DJ, toca de td e mt reggaton; mas me diverti bastante. Em Cusco, tem muitos bares, restaurantes, baladas, por isso minha estadia lá foi mais um Carnaval do que os passeios em si, hehe. Saia, acordava tarde, e aproveitava a tarde na cidade. Outros 4 dias: Fiz várias coisas aleatórias na cidade a tarde. Fui no Mercado San Pedro (bem mais barato que Lima e que as lojas de artesanato perto da Plaza de Armas, aliás, mais barato que La Paz), tem uns sucos divinos também; fui no mirador do bairro San Blas, nas Ruínas Sacsayhuaman (dá pra ir a pé ou de táxi; ingresso está incluso no Boleto Turístico), no museu Inca (lá tem milhares de museus, o único que quis ir, e gostei, foi esse). Bom, tive voo cancelado 2 vezes seguidas, e isso quebrou qualquer possibilidade de fazer passeio nos 2 últimos dias, pq meio período desses 2 dias eu estava no aeroporto. Por isso, recomendo fortemente NAÕ IR DE AVIÃO COM A EMPRESA LCPERU. Na segunda vez, eles pelo menos pagaram hotel, mas na primeira não, baixou até polícia no aeroporto de tanta confusão; vi pessoas que tinham conexão em Lima ter que comprar de outra cia (por uma fortuna) para não perder o voo de lá, uma doidera. Pior que de ônibus são 22horas. Enfim, eu se soubesse que ia ficar mais 2 dias em Cusco, teria feito a trilha Humantay e o passeio Maras e Moray. Lima: é uma São Paulo com mta buzina. O bairro mais seguro de ficar é o Miraflores. Acho que 2 dias inteiros em Lima está ótimo. Nós ficamos 4, e fizemos tudo com mta calma, deu até um certo tédio no último. O free walking tour é bem legal, e resume bastante os principais pontos turísticos. O bairro Barranco de noite é mt legal, tem banda ao vivo na rua toda hora, e tem inúmeros bares com música local, e baladas também. O sistema de ônibus metropolitano (2,5 soles) lá é bem fácil, tem mapa nas estações; além de ter os outros ônibus que são mais baratos. Os pontos que fomos: Shopping Larcomar (é aberto, dá para ver a costa, bem bonito), Parque do Amor, Circuito das Águas (são em 3 horários a noite – acho que 19h15 é o primeiro, dura uns 20minutos só, mas o parque é lindo, vale a pena), Igreja/Convento São Francisco (mto loco, vale mt a pena, tem catacumbas, dá pra andar nelas, ver os restos de ossos,); Plaza de Armas; Ruínas Huaca Puclana (fui a pé do Miraflores). Comida em Lima é mais cara que em Cusco (o mais barato no Centro e Miraflores que achamos estava 10 e 13 soles, respectivamente). Mas em compensação fomos 2 vezes no restaurante Punto Azul, no Miraflores - pratos de 35 a 50 soles, maravilhosos, coisa de chef mesmo. É isso, como eu disse, dá para gastar menos: · Indo pela Hidrelétrica a Macchu Picchu; · Se hospedando em quartos compartilhados ou locais mais distantes; · Não perdendo o controle nos mercados de artesanatos; · Fazendo o trecho La Paz-Cusco de ônibus (o de Cusco- Lima quando olhei não era tão mais caro de avião, mas tb dá pra ser mais barato); · Se não fizer questão do Atacama, a passagem aérea do Brasil também sai mais barata, e o Chile tb foi o país mais caro dos 3; · Se estiver em mais de 3, cozinhando se economiza também. É uma viagem que vale muito a pena. As pessoas acham que vão passar perrengue, mas achamos muito tranquilo. Só tive dor de barriga braba 2 dias (justo em MP e Vale Sagrado), mas tomei o Imosec, e foi sucesso, segura só por 1 dia. Achamos a comida de todos os lugares maravilhosa e mt bem servida. O portunhol rolou total (apesar que eu e meu irmão já estudamos espanhol). As tomadas em todos os locais eram de 2 pinos, então nem precisamos de adaptador internacional. Protetor de ouvido ajudou bastante em várias ocasiões. As paisagens são realmente surreais! Qualquer dúvida, estamos ai.
  17. Mochilão America do Sul (Bolívia, Chile e Peru) – 26 dias Olá a todos! Mais uma vez o fórum foi fundamental pra que eu montasse minha viagem, então venho aqui deixar minha contribuição. Antes de iniciar o relato deixo aqui um vídeo feito por mim, de 2 minutos que resume bem nossa viagem OBS: Copiei a ideia do vídeo do italiano #HumanSafari, que na minha opinião tem o melhor vídeo de trip que já assisti. Para compensar o plágio ofereci hospedagem pra ele em uma futura visita a São Paulo rs Pra ajudar quem está montando seu próprio mochilão eu montei uma planilha com os custos que tivemos em nossa viagem. Ela está hospedada no link abaixo. Basta clicar e baixar. Lembrando que os valores são referentes a Maio de 2014, talvez alguns desses itens sofram mudança na alta temporada. http://www.4shared.com/file/ZU3ftjgmce/mochilo_2014__final.html OBSERVAÇÃO: Se vc está tentando fazer o download de um celular ou dispositivo movel provavelmnte não vai conseguir!!! Faça de um desktop ou note!! >>>ATUALIZAÇÃO 09/07/2016<<<<< Nosso brother Leo Heise fez o mesmo rolê esse ano e atualizou os valores e dados da planilha. Vcs podem conferir a planilha do Leo nesse link aqui: https://docs.google.com/spreadsheets/d/1yRsRiWVes2od6aiEQ4PjXSYrGb1woh3ck3ALgJzILc8/edit#gid=1726137630 Muito obrigado Leo!!!! ^^V Iniciamos nossa aventura dia 03 de Maio. A viagem durou 26 dias, passando por Bolívia, Chile e Peru. Nosso roteiro é exatamente esse da imagem: mapa ok por tanaguchimedeiros, no Flickr O Grupo: Inicialmente nosso grupo seria composto por 6 pessoas... porém o destino moveu algumas peças e nosso time foi reduzido a metade: Eu (Diogo = vulgo Tana), Terry (minha linda esposa) e Japi (leia-se Jépi) IMG_7613 por tanaguchimedeiros, no Flickr Preparativos / Itens de pesquisa: Eu comecei a pesquisar aqui no fórum e na internet com quase um ano de antecedência. Alem disso também adquiri esse guia: http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/4903435 Na ocasião ele me custou em torno de R$ 60,00 Tanto internet quanto o livro foram fundamentais. Alias, cheguei a levar o livro pra viagem, ajudou muito. Recomendo. Documentos: Pra visitar todos esses países basta ter RG, e no caso da Bolívia também o certificado de vacinação contra Febre Amarela. Em nenhum momento nos foi solicitado o comprovante de vacinação, porem não vale a pena arriscar. Apesar de ser necessário apenas o RG eu e os amigos de viagem resolvemos tirar passaporte. Motivo: encher ele de carimbos e transforma-lo no mais especial dos souvenires de viagem!! RS Alem dos carimbos ao se entrar e sair de algum dos países nós também conseguimos carimbos em: Machu Picchu, Laguna Colorada e nas Ilhas Flutuantes de Uros. DINHEIRO No inicio do planejamento rolou um pouco de duvida quanto a isso. Seria melhor levar dinheiro em espécie? Cartões? etc... Optei simplesmente por levar um cartão de credito internacional com a função de saque no exterior habilitada (basta vc ligar na central do seu cartão e avisar quando e pra onde está indo) e um travel card com uns R$ 1.500,00 (equivalente a uns 650,00 dólares na cotação). Com ambos os cartões eu fazia saques direto na moeda local de cada pais. Pra fazer saque nos caixas eletrônicos (ATM) no exterior não necessariamente seu cartão precisa ser internacional, basta ter a “bandeirinha” PLUS atrás dele... O travel card não acabou sendo um item necessário; porem é sempre bom ter mais de uma opção pra saque... Meu cartão trabalhou com as seguintes cotações: 1 real = 3 bolivianos 1 real = 1,10 soles 1real = 252 pesos chilenos Eu achei bons os valores, porem CUIDADO, cada cartão trabalha com uma cotação, não necessariamente a cotação do dia. No caso do meu amigo o cartão dele usou cotações bem ruins... Pra cada saque existe uma taxa de aproximadamente 15,00 reais; então você deve se programar pra fazer poucos saques. Para cada pais que chegávamos a gente já sacava o valor que eu havia estimado (incluindo hospedagem, transporte, passeios, etc). CUIDADO!!!!! Alguns ATMs quando vc vai sacar avisam sobre uma taxa de retirada, PROCURE OUTRO ATM!! Pois se vc aceitar vc vai estar pagando DUAS taxas de retirada!!!! (a do cartão e a do ATM)... procure ATMs que não mandem essa mensagem, pois a mesma não é referente a taxa obrigatória do cartão... é como se fosse uma taxa extra, cobrada exclusivamente pelo ATM, e nem todos a cobram. Alem das taxas de saque também tem o maldito imposto( IOF) que é cobrado. Ao todo de IOF nessa viagem eu tive um custo final de aproximadamente R$ 100,00 ... infelizmente recentemente o IOF teve um acrescimento considerável. Se levar dinheiro em espécie é melhor eu não sei, só sei que foi MUITO pratico fazer saques direto na moeda local. Apesar desses custos adicionais eu achei realmente muito pratico. O QUE LEVAR? Meus amigos de viagem ficaram com muito medo do frio de Uyuni. Então foram na Decathlon e compraram calças e blusas segunda pele, blusas corta-vento, etc... eu sou um cara mais mão de vaca, só comprei uma mochila cargueira (eu não tinha uma T___T) Uma coisa que meus companheiros compraram e que realmente poderia ter me ajudado é uma moneybelt (vulgo doleira). De resto eu levei roupas comuns, camisetas dryfit, jeans... pras cidades com frio extremo uma calça de moletom pra usar por baixo do jeans e uma blusa maior pra usar por cima de uma blusa mais leve... 1º Dia – Santa Cruz de La Sierra (Bolívia) Santa Cruz foi incluída no roteiro apenas por ser o ponto de entrada na Bolívia com as passagens aéreas de entrada no pais mais baratas. A ideia era chegar e já partir para o próximo destino. Como queríamos fazer tudo da forma mais favelada possível não tomamos um 2º voo, e sim decidimos seguir de Santa Cruz para Sucre de Ônibus (17 horas de viagem... seria o ônibus nosso primeiro hotel ) Chegando no Aeroporto de Viru-Viru o pessoal da imigração foi beeeem enrolado, perdemos um bom tempo lá. Como o próximo trajeto era bem longo tomamos um taxi direto pro terminal de ônibus... o transito de lá é muito maluco, e o taxi era uma piada, pechinchamos o mais barato no aeroporto, porem o tréco tava caindo aos pedaços hehehe o motorista não podia desacelerar se não o carro morria O terminal de ônibus é bem caótico, todo mundo gritando o nome dos destinos e te abordando pra vender passagens, não se parece com nada que temos aqui, pelo menos na região Sudeste. Definitivamente foi em Santa Cruz onde tivemos o nosso choque inicial com uma cultura totalmente diferente O ônibus não era dos piores, optamos por comprar o que seria uma passagem nem muito barata, nem muito cara... porem o ruim em si não é o bus, é o povo que vai nele... obviamente não estou generalizando, porem nessa viagem especifica tivemos muito azar, duas tcholas que não deviam tomar banho a um mês sentaram do nosso lado.... sério, o cheiro tava estilo dos mendigos de SP... foi foda.... Detalhe: O ônibus não tinha banheiro. Ele fez duas paradas. A primeira em uma pequena vila, onde vc pagava uma merreca pra usar o banheiro, e outra parada no meio do nada... ai desce a galera toda do buzão, incluído as mulheres, velhas, todo mundo... e eles fazem o que tem pra fazer ali mesmo hehehehe... pra mim foi tranquilo isso, mais pra mulher como minha esposa já é mais chato... na Bolívia pagar pra usar um banheiro não é garantia de banheiro limpo... alias, pensa os banheiros mais fudidos do mundo... e eu me divertindo com tudo isso hehehehe ^^V 2º Dia – Sucre (Bolívia) Chegamos em Sucre depois de uma noite daquelas no Buzão. Eu não consegui ter uma noite de sono decente, mais deu pra dar umas cochiladas. Chegamos bem cedo em Sucre (umas 07:00 da manha), iríamos passar o dia ali e partir pra Potosi no final da tarde. Do terminal de bus fomos a pé mesmo pra Plaza 25 de Mayo e o centro histórico; a arquitetura colonial é incrível, vários prédios históricos, tudo bem organizado, arborizado e limpo. Visitamos o museu Casa de La Libertad... legalzinho, mais seria melhor se tivéssemos pagado um pouquinho a mais e feito a visita com um guia, tem muita informação e coisas lá que sem um guia acaba ficando muito superficial... não vale a pena economizar com esse tipo de coisa, ainda mais na Bolívia onde tudo é tão barato. A cidade já tem uma outra pegada, bem diferente de Santa Cruz de La Sierra, muito mais turística e agradável. Um ponto de destaque foi os lugares que comemos lá, todos com comida muito boa e os lugares bem bonitos e talz, por um preço muito justo. Por volta das 17:00 partimos rumo a Potosi... duas longas viagens de ônibus em menos de 2 dias... confesso que é bem mais cansativo do que eu imaginava... Chegamos em Potosi a noite, pegamos um taxi e fomos direto pro hostal (Koala) descansar, sem duvida um dos melhores hostals que ficamos, esse eu recomendo... infelizmente no meio da noite tive uma desagradável surpresa >_< IMG_6918 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_6916 por tanaguchimedeiros, no Flickr 3º Dia – Potosi (Bolívia) Uma das minhas estratégias em fazer os percursos iniciais de ônibus, era alem da economia também o fato de ser melhor pra ir se aclimatando a altitude, porem acabou não sendo o suficiente, no meio da noite no hostal em Potosi eu senti dores de cabeças muito forte... mesmo tomando vários dorflexs não foi o suficiente, e infelizmente não usufrui do merecido descanso... Pela manha partimos pra fazer o passeio nas Minas de Cerro Rico, uma mina em pleno funcionamento, onde são extraídos zinco, cobre e principalmente estanho. Definitivamente não é um passeio ligth! Você adentra as minas, os tuneis são bem estreitos, a um forte cheiro de enxofre e a respiração não flui 100%. Você desce por vários níveis e a temperatura oscila bastante, tem pontos lá embaixo que são muito quentes! É bem impactante ver a realidade em que aqueles homens trabalham todos os dias, é uma vida muito sofrida. Como eu aprecio passeios com uma certa dose de aventura pra mim foi tranquilo... Quem tem problemas de claustrofobia e coisas do gênero pode esquecer. Antes do tur você recebe botas, roupas de minero, capacete e lanterna pra cabeça. Me senti bem seguro, mais é o tipo de coisa que só seria permitido mesmo na Bolívia mesmo rs... antes do inicio do passeio eles fazem duas paradas interessantes também: a 1º em uma espécie de “refinaria”, onde eles extraem os metais da parte bruta recolhida, e outra em uma rua cheia de lojas onde os mineiros compram as coisas que usam na mina... duas coisas muito legais que eles vendem (pros mineiros e pra qualquer um que quiser comprar) são dinamite (!!!) e uma cachaça com teor alcoólico de 96%!!!! Eu experimentei uma dose, é como tomar álcool Zulu hahahahaha Aproveitei pra comprar folhas de coca, minha primeira experiência com elas na viagem, e graças a elas minha dor de cabeça e o mal estar da altitude passaram de imediato, as folhas funcionam mesmo!! *____* Outro coisa muito bacana é quando se está dentro da mina você vai descendo até chegar na estatua do “El Tio”, o deus dos mineiros! Ele tem uma estética meio demoníaca mais não tem nada a ver com isso, ele é um “deus da terra”, basicamente sua figura surgiu da fusão do Huari (deus do interior das montanhas) com a do diabo, que na religião católica vive debaixo da terra. Aproveitamos o resto do dia na cidade e no final da tarde partimos pra Uyuni, um dos pontos chave da viagem, eu realmente estava muito ansioso IMG_7119 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_7192 por tanaguchimedeiros, no Flickr 4º, 5º e 6º Dia – Uyuni (Bolívia) Chegamos em Uyuni e já era mais de meia noite, cidade deserta, temperatura beirando zero graus, muito frio >_< Arrumamos um hostal e já fechamos o passeio pro Salar de 3 dias, sendo que no ultimo já faríamos o transfer para San Pedro de Atacama. Pensei que teríamos problemas com o hostals em Uyuni, que os mesmos seriam ruins e etc, pelo contrario, muito digno onde ficamos, infelizmente não tenho o nome nem o endereço. Para o passeio fechamos com a agencia “Thiago Tours”, ela é cheia de bandeiras do Brasil, o dono fala bem português, sem duvida eles tem um publico alvo, tanto é que no carro que fechamos pro passeio (um 4x4), as outras 3 pessoas eram brasileiros, no outro carro dessa mesma empresa a mesma coisa, 6 brasileiros. Fato que não é tão comum, a maioria absoluta de visitantes é de outras nacionalidades. Sobre o passeio não vou me estender, não tem como descrever, é só indo mesmo, muito foda!! E nenhuma foto vai conseguir demonstrar a beleza do lugar, definitivamente foi um dos pontos altos da viagem, e sem duvida está no meu “top3” da viagem. Nada que vimos na Bolívia supera o salar. Uma informação importante: Li em vários relatos que as acomodações no Salar eram péssimas, isso não procede, pelo menos onde ficamos. O hotel de sal da primeira noite tinha até chuveiro, dava pra tomar banho por algo em torno de 10 bolivianos; eu pensava que as camas e cobertas eram tão ruins que eu por muito pouco não levei meu saco de dormir, nada a ver, dormi perfeitamente nas duas noites. Os banheiros realmente não são dos melhores, mais não é nada do outro mundo, nada que você não vá encontrar no resto da viagem. Na segunda noite no deserto, depois da Laguna Colorada a dor de cabeça da altitude voltou ainda mais forte, tão forte que me fez vomitar >_< ... Chá de coca, soroche pills, folha de coca, não tava resolvendo... ai o guia me deu uma espécie de essência de ervas, pra passar perto do nariz, atrás da orelha e na nuca... 2 minutos depois melhoro bem... mais tive uma noite de cão, tava tipo uns -5 graus e eu comecei a sentir um calor do capeta, tava todo agasalhado pra dormir, acabei tirando tudo e dormindo de cueca... ninguém do nosso grupo sentiu a altitude... mais eu sou a prova viva que ela existe e é muito chata Os almoços são feitos todo pelo guia, no proprio carro!! Ele leva um botijão de gás no carro, e faz a comida lá no meio do nd!! Fiquei impressionado com a qualidade do rango, muito boa!! Alem do Salar visitamos varias lagoas de cores incriveis no meio do deserto e todos os pontos classicos do tour. No ultimo dia do passeio acordamos por volta das 4 da manha, pra poder ver o espetaculo dos geisers!! É muito legal mesmo, o frio nessa parte do passeio é intenso!! Em seguida fomos para os banhos termais! A agua é bem quente, quente que chegou ao ponto de queimar na hora de entrar! Mais o problema nem é esse, é que a temperatura fora da água estava por volta de 0 (ZERO) graus!!! então tirar a roupa pra entrar na água é um momento bem tenso, sair pra por a roupa de volta então... pqp, foda... Eu e Japi fomos os unicos que tiveram a moral de entrar ^^V IMG_7473 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_7574 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_7584 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_8208 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_8239 por tanaguchimedeiros, no Flickr 6º, 7 º, e 8 º Dia – San Pedro de Atacama (Chile) O ultimo dia de Uyuni começa bem cedo, e termina por volta do 12:00... o transfer é bem rápido, chegamos no Atacama por volta das 14:00. Encontramos um hostal e fomos logo pro banho! O hostal na segunda noite do salar não tinha banho, e na primeira noite era um chuveiro pra vaaaarios grupos, tinha tranquilamente umas 30 pessoas no hotel de sal... acabamos optando por ficar sem banho... a sorte é que o salar é bem frio, não se chega a transpirar, mais mesmo assim ficar sem banho é foda, não víamos a hora de chegar no Chile pra tomar uma boa ducha ^^ Aproveitamos o primeiro dia no Atacama pra curtir a cidade de boa, sem duvida pra mim foi a maior surpresa positiva, Atacama é incrível, eu não estava tão empolgado em relação a ele, mais tudo lá é muito bom, a estrutura que o Chile oferece, mesmo no deserto mais árido do mundo é muito superior aos demais locais que passamos... infelizmente isso tem um custo, a moeda no Chile é bem mais forte e aqueles trocentos zeros dos pesos chilenos acabam fazendo confusão se vc se distrair. Um dos maiores observatórios astronômicos do mundo fica no Atacama, o Projeto Alma, os caras tem uma estrutura incrível... algumas agencias ofereciam o passeio "tour astronômico noturno", logo pensei que seria algo envolvendo o Projeto Alma, Terry e Japi ficaram empolgados... eu achei estranho pois nunca havia lido nada a respeito desse tour, porem resolvemos ir....... na boa, foi uma das decisões mais idiotas que tomamos em toda viagem... o tour astronômico você simplesmente vai pro quintal de um hotel aleatório com dois telescópios pra observação enquanto um cara muito esquisito explica sobre astros e estrelas... os telescópios não tem nada de especial, e pra completar não é lá um passeio barato, gastamos mais com esse lixo do que com os passeios top. No dia seguinte acordamos bem cedo, alugamos bike e fomos até a Laguna Cejar uma lagoa com nível de sal tão alto, que ao entrar nela vc não afunda, mesmo ela tendo mais de 10 metros de profundidade!!! Um dos lugares mais incríveis que visitamos! O cara que aluga as bikes falou que era tranquilo o trajeto.... não é bem assim, o trajeto tem mais de 25km (50km ida/volta), é tudo em linha reta, a parte de asfalto é uma delicia, mais o longo trecho de terra é osso... se vc é ciclista e tal é suave, mais pra mim um pouco mais sedentário foi complicado, levamos quase o dia inteiro pra fazer o passeio, sendo que o cara que aluga as bikes diz que vc faz tudo em poucas horas rs... o problema mesmo foi o termino do role, a bunda tava doendo por pedalar na parte de terra, varias pedras... e as pernas estavam esgotadas... até ai ok, porem no outro dia iríamos fazer o Valle de la Luna de bike também, então foi tudo bem cansativo. O trajeto do Valle de la Luna é bem mais curto que a Laguna Cejar, ainda sim cansou bastante. Fiquei bem impressionado com ambos os passeios, os dois são realmente imperdíveis. Foi bem econômico ter ido de bike, alem de poder curtir tudo no nosso ritmo, porem acho que considerando o percurso poderíamos ter invertido a ordem dos passeios, ter feito o Valle primeiro teria nos poupado bem mais para o dia seguinte... fazer o Valle depois de pedalar os 50km foi realmente pesado. Também fomos conhecer de bike as ruínas de Pukara no Quitor, é bem próximo do centro de Atacama, uns 3km, mais uma GRANDE DICA: para entrar nas ruínas tem que pagar um valor, que não é lá muito baixo, porem as ruínas são bem zuadinhas, eu recomendo visitar apenas a praça Pukara no Quitor, essa praça faz parte das ruínas, só que é de graça e muuuuuito mais estética e legal. IMG_8310 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_8479 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_8445 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_8650 por tanaguchimedeiros, no Flickr DSC_1449 por tanaguchimedeiros, no Flickr 9 º Dia - Arica (Chile), Tacna e Arequipa (Peru) Deixamos o Atacama, passamos a noite no buzão... e que ônibus, o melhor de todos, ônibus leito (na Bolívia te vendem passagem como sendo leito mais as vezes é a mesma merda), com direito a travesseiro e cobertor, muito confortável, a empresa foi a TurBus, essa empresa vale a pena vc gravar o nome, foi perfeito. Chegamos em Arica, era bem cedo, e pegamos o tempo nublado (primeiro da viagem), parecia que ia chover, e justamente pelo clima desanimamos de visitar o Morro de Arica, fomos em direção ao Peru. De Arica (Chile) não perdemos tempo e fomos pra Tacna (Peru), as cidades são bem próximas, fomos de Taxi mesmo, bem rápido. Tacna também não oferecia grandes atrativos, e de lá fomos pra Arequipa. Era domingo, tudo estava bem tranquilo em Arequipa, fomos conhecer a cidade aproveitando o resto do dia; tínhamos que dormir cedo, pois o passeio do Canyon del Coca inicia as 03:30 da manha O___O 10 º, 11 º Dia - Arequipa (Peru) Quando montava esse mochilão tive muita duvida em incluir ou não o passeio do Canyon del Coca, tem gente que fala mal, gente que fala bem, e mesmo com duvidas decidimos ir. Posso falar por mim e meus amigos, amamos o passeio, muito bom mesmo, porem podemos entender um dos grandes motivos dessa controvérsia: O grande ápice do passeio é quando se chega no ponto mais alto onde a um mirante, de lá podemos ver vários condores (a maior ave voadora do mundo *__*) voando livremente (realmente incrível) ---- o grande ponto em questão é = você pode fazer o passeio, chegar lá em cima e não ver porra nenhuma. Quando fomos tivemos realmente muita sorte, váaaaarios condores sobrevoavam o local e passavam bem perto, chegando até mesmo a um momento onde um casal de condores pousou em uma pedra bem próxima dos turistas e ficaram lá de boa, muito legal. Porem conversando com outras pessoas que fizeram o passeio em outros dias, alguns disseram que foram e nenhum condor apareceu, e também disseram que ficaram muito pouco tempo no mirante... coisa de 10 minutos O____O Nosso grupo ficou uma hora por lá, tiramos fotos até dizer chega ^^ O que eu não gosto do que acontece nesse e em outros passeios é que eles fecham o pacote e meio que te "forçam" a almoçar em um restaurante parceiro no formato buffet (coma a vontade)... só que nesses almoços vão vários grupos, a comida acaba super rápido e não é reposta (e o rango nem sempre é dos melhores), alem de bem mais caro do que a media... então o esquema é você nunca comer nesses lugares e sempre procurar um outro lugar ou levar uns snacks. No dia seguinte visitamos o Museu Santuários Andinos. No inicio não estávamos botando muita fé, não parecia ser legal e o valor do museu (20 soles) não ajuda a empolgar; alias os museus do Peru pra estrangeiros não tem valores muito atrativos quando se procura fazer um roteiro econômico, se você for visitar vários pode sair mais caro que alguns tours. O museu andino é muito bom, a guia explica todos os detalhes sobre a civilização Inca, eles realmente eram incríveis. E o ápice do passeio é quando você chega até a "múmia" de Juanita, uma garota Inca sacrificada pra acalmar um vulcão, impressionante ^^ Não sei precisar exatamente pelo que, talvez por um conjunto de fatores, mais Arequipa realmente foi uma cidade muito agradável, o centro histórico é fantástico, tem uma das Plaza de Armas mais bonitas que vimos, em todos os lugares que íamos éramos sempre muito bem atendidos (infelizmente peruanos e bolivianos que prestam serviços nem sempre tem um feeling legal), uma variedade muito grande de lugares bacanas pra comer e ótimas lojas de souvenires e lembrancinhas. As melhores bebidas pra dar de presente, com garrafas super estéticas de artefatos Incas e etc só encontramos lá. Uma coisa muito engraçada que vimos foi um mendigo com um violão discutindo com um gringo >>> Em dado momento o gringo diz para o mendigo:"É assim que vcs peruanos tratam os turistas?" e o mendigo responde:" NÃO SOU PERUANO!!! SOU AREQUIPIANO!!!!!" Seguido de um chute no melhor estilo 300 de Esparta no peito do gringo!!!! kkkkkkkk essa cena foi muito engraçada, não tem como não virar fã de Arequipa S2 IMG_9239 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_9088 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_9007 por tanaguchimedeiros, no Flickr 12º Dia - Nasca (Peru) Deixamos Arequipa rumo a Nasca... optamos por tomar um ônibus econômico, péssima escolha... chegamos no meio da madrugada e o ônibus não chegou a nos deixar no terminal rodoviário, nos deixou no meio do nada, nem parecia que estávamos em Nasca... tenso. Pegamos um taxi rumo ao hostal e bora descansar pros passeios do dia seguinte. Fechamos o sobrevoo pelas Linhas de Nasca + Aquedutos + Necrópoles. Já tinha lido relatos sobre o sobrevoo, estava ciente que não era bom tomar café antes de ir pois era comum passar mal e etc... com receio disso nem jantei no dia anterior, muito menos café da manha... não adiantou, o voo é foda mesmo, pra poder observar as linhas o aviãozinho faz umas manobras doidas o tempo todo, não teve jeito, bem na aterrissagem coloquei o que não tinha pra fora num saquinho plástico rs... não tinha nada no estomago, então foi acido gástrico puro, muito nojento Minha esposa também deixou o dela hehehe... Apesar disso não prejudica o passeio, realmente bem legal. Em seguida visitamos a Necrópoles de Chauchilla, legalzinho mais não imperdível. Os aquedutos de Cantalloc eu achei bem mais legal, você pode entrar neles e até atravessar de um para outro. Foi o que tentamos fazer sem muito sucesso, sem uma lanterna é meio tenso, eu queria ter filmado a travessia, mais sem um apoio pra câmera não rola, você tem que ir engatinhando, não tem outra forma, tem que usar as duas mãos. Tem até peixes no aqueduto, a explicação deles estarem ali é muito interessante. Não conseguimos atravessar e voltamos cheio de picadas de mosquito, lá tem uns borrachudos no estilo os de Ilha Bela (SP), mais foi bom pra entrar na água super limpinha pra refrescar, tava bem calor em Nasca. É importante ressaltar, nesse tipo de tour o guia vai dizer:"agora vamos visitar o museu de cerâmica", esse e outros museus não são nada alem do que a casa de artesões que fazem replicas de objetos do período pré-inca e das civilizações que ali habitavam... sério, é a casa das pessoas mesmo... eles dão uma explicação de como fazem aqueles objetos e vc é apresentando as peças sendo induzido a compra-las. Não compramos nada, mais é uma situação bem chata. Quando fechar esses tours não aceite visitas a esses "museus", eu pelo menos achei MUITO tosco. Simplesmente uma forma descarada de tentar fazer vc comprar artesanato local. IMG_9413 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_9452 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_9477 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_9567 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_9682 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_9683 por tanaguchimedeiros, no Flickr 13º Dia - Ica (Peru) Ica não é um destino tão manjado, nem tão costuma fazer parte dos roteiros de mochilão, porem eu li um relato muito legal sobre ela, e fiquei bem impressionado com fotos e vídeos de alguns de seus pontos turísticos, então resolvi incluir. Acabei lendo pouco sobre a cidade e muito sobre as atrações turísticas, e ai que veio a grande surpresa... em nenhum lugar eu havia lido que Ica era uma grande cidade, pensava que ia ser uma cidade litorânea pequena... grande engano, nada de litoral próximo ao centro da cidade, e a parte central da cidade é bem urbana e caótica, sem duvida foi o centro mais caótico de toda viagem, todos os carros buzinando ao mesmo tempo, bem pior que La Paz, e centenas daquelas motos com duas vagas atrás (estilo indiano). Tínhamos uma indicação de hostal, mais quando chegamos lá vimos tantos tipos de hospedagem que resolvemos comparar preços, e realmente a diferença é grande. Inicialmente íamos pagar para um quarto triple 90 soles... depois de andar um pouco achamos por 40 soles... engraçado que bem na entrada do hostal, do outro lado da rua vimos um carro ser assaltado, e a rua desse hostal era bem estranha, a noite então... o melhor comparativo seria com as ruas do centro velho de SP, só que sem os noia. Para o dia seguinte fechamos os passeios Oasis de Huachina e Ilhas Ballestas. A van rumo as Ilhas saem bem cedo. As ilhas não ficam exatamente em Ica, ficam no distrito de Pisco, uma outra região de Ica. O passeio consiste em tomar uma embarcação (uma grande lancha) e ir em rumo as Ilhas, belas formações rochosas no meio do oceano onde diversas espécies de aves e lobos marinhos vivem em seu habitat natural. O passeio é muito bom, infelizmente no dia que fomos o tempo estava bem nublado e frio, o que prejudica bastante o visual e o aproveitamento. Nessa lancha vc acaba se molhando bastante, e como tava bem frio foi foda rs... o que deu raiva é que de manha o tempo estava uma bosta, porem depois das 14:00 o sol saiu e o dia ficou ótimo, por sorte ainda tínhamos a visita ao Oasis de Huachina. No passeio no Oasis vamos a bordo de um tipo de jipe muito invocado, é sério, não é como aqueles de Fortaleza ou do Nordeste do Brasil, é algo muito mais potente, e bem maiores também, cada um cabe de 8 a 12 pessoas, nas dunas do Oasis ele faz umas manobras muito insanas, é como estar num parque de diversões, muito bom ^^ Alem do jipe ainda rola um sandboard de umas alturas incríveis, nota 10. INFELIZMENTE alem do nosso grupo no jipe tinha uma família com umas 5 pessoas e depois de uns 10 minutos de manobras malucas, uma menina de uns 12 anos que estava com a família começou a chorar muito de medo, mais muito mesmo... ai foi visível a mudança de postura do motorista, que reduziu bem a intensidade do passeio... mesmo com nossos pedidos pra descer a lenha não teve jeito; enquanto a menina chorava ela gritava coisas como:"pare pelo amor de deus", soluçando em meio a lagrimas, não tinha como ficar indiferente. Então a grande dica é: procure ficar num jipe com uma galera mais jovem ou numa pegada mais animada... Em ambos os passeios em Ica foram os primeiros que houve uma predominância da população local, em todos os outros havia uma maioria de 100% de gringos, vc não vê os locais (peruanos ou bolivianos) fazendo nenhum desses passeios.... vc vê gente de Israel, Rússia, Japão, Europa... dos lugares mais inóspitos do mundo, menos locais. DSC_1850 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_0050 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_0073 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_0100 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_0189 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_0229 por tanaguchimedeiros, no Flickr DSC_1991 por tanaguchimedeiros, no Flickr 14 º, 15 º, 16 º, 17 º, 18 º, 19º Dia - Cusco e Machu Picchu (Peru) A viagem de Ica para Cusco levou mais de 17 horas, e foi uma das piores de todo mochilão. As passagens de Ica pra Cusco esgostam rápido, o ideal é comprar logo pela manha. Com todas as passagens leito esgotadas só nos restou a opção mais econômica... como as passagens já estavam quase todas vendidas só nos sobrou lugar no fundo... foi complicado pois era do lado do banheiro... meu... só de lembrar... putz 17 horas com aquele cheiro impregnando foi bem complicado. Nesse trajeto tinha uns africanos no ultimo banco, os caras tinham uns 2 metros, e os espaços entre os bancos eram apertados; quando vc começava a pegar no sono acordava com o cotovelo deles na sua cabeça, pois se vc inclinava um pouco seu banco eles ficavam sem espaço, então se apoiavam por cima do banco >___<... é complicado explicar a cena... mais resumidamente foi outro fator maldito... apesar disso os dois eram bem educados... nada contra africanos, sem nenhum tipo de preconceito, mais os caras estavam numa catinga desgraçada... então somando banheiro e africanos, pouco espaço, uma viagem que não chega nunca, vidro do ônibus que não fechava na madrugada fria... foi daquele jeito.... Chegando em Cusco tínhamos indicação do hostal do livro, porem tava lotado, então fizemos a besteira de cair na ideia do taxista e ir no hostal indicado por ele... estávamos cansados e acabamos ficando... decisão precipitada... hostal muito ruim, na minha opinião o pior da viagem, e um valor nada justo... a localização era ótima, bem próxima a plaza de armas... mais só T____T Nunca aceitem esse tipo de indicações, Cusco (e a maioria das cidades pelas quais passamos) tem dezenas de hostals, é só chegar e pedir pra ver o quarto (todos deixam), se preencher todos os seus pré-requisitos vc fica... Cusco é muito foda, a cidade tem uma atmosfera única, acho que nunca vi tanto turista em um só lugar hehehe No dia seguinte fizemos o passeio do Vale Sagrado (Ruínas de Pisaq, Ollantaytambo, Chinchero), tinha duvidas em fazer ou não o passeio, os relatos e fotos não me instigavam muito. Agora por experiencia posso dizer: Imperdível!!! A cereja do bolo é Ollantaytambo, muito legal mesmo. O bom do tour guiado é que vc recebe uma serie de informações que dão todo sentido ao passeio, sem elas vc nem se da conta do quão foda é o lugar onde vc está, por outro lado acaba sendo meio corrido, vc não vê as coisas no seu ritmo, e acaba não visitando o lugar 100%. Em relação a esse passeio, não recomendo fazer depois de Machu-Picchu, tentem fazer antes de ir pra lá. MP humilha qualquer outra ruína desse roteiro, depois de estar lá tudo parece mais sem graça rs No dia seguinte ao Valle Sagrado fomos em direção a Águas Calientes (ou Machu Picchu Pueblo). É desse povoado que se parte para visitar Machu Picchu. Fizemos de uma das formas mais econômicas: Fechamos um pacote em que uma van nos levaria até a hidrelétrica de Santa Maria, e de lá iríamos caminhando até Águas Calientes (com hospedagem, refeições e ingressos para MP inclusos). O percurso de van até a hidrelétrica leva 7 (SETE.... SEEETTTTEEE) horas, depois da hidroelétrica até Águas Calientes a pé mais umas 3 horas... acordamos bem cedo pra fazer esse trajeto e com esses horários é praticamente um dia só pra ir e outro pra voltar. A estrada por onde a van vai é bem tensa, bastante mesmo, aquelas que agente só vê na TV, cheia de curvas, subindo, subindo, depois descendo, descendo... só curvas... vários trechos não tem como passar dois carros ao mesmo tempo, e a pista é mão dupla... bem surreal. Na volta, esse sobe e desce com 100% de curvas nos rendeu um momento trash: Minha esposa sentiu muito enjoo na van, eu até consegui um saco plástico pra ela vomitar, mais segundos após ela colocar tudo pra fora no saquinho, uma maldita lombada fez o saco cheio de vomito voar e cair todo em cima de mim....... foi muito nojento, vcs não tem noção Já o trecho a pé ao invés de ser uma coisa ruim eu achei muito foda, vc vai pelos trilhos do trem, com paisagens lindíssimas, tanto que levamos bem mais de 3 horas pois íamos fazendo fotos e filmando o tempo todo. É uma caminhada considerável, e vc acaba chegando em Águas Calientes bem cansado. No dia seguinte a tão esperada visita a Machu Picchu *_____* Do povoado pra se chegar até lá existem duas opções: 1- de ônibus (algo em torno de 10 dólares) e 2- a pé (de graça ^^V). Obviamente optamos pela opção 2 (porem minha esposa foi de 1, ela machucou o pé durante a viagem). Como o guia estaria em MP as 6:30 da manha aguardando por nos, e a estimativa pra fazer o trajeto a pé é de 1:30 a 2 horas, tivemos que iniciar a caminhada as 04:30 da manha Apesar de mega cedo, as ruas a esse horário já está repleta de turistas que vão fazer o mesmo caminho. Não existe nenhum tipo de iluminação após deixar a vila e iniciar a subida, é altamente recomendado que vc leve uma lanterna. Sem duvida esse trajeto foi um dos mais cansativos de toda viagem, é uma subida violenta pra MP, existe uma trilha por meio da mata por onde vc vai subindo, são degraus gigantescos. O trajeto não seria tão cansativo se não tivéssemos um horário estabelecido pra chegar lá, poderíamos ir parando pra descansar e etc, mais não.... chegamos as 6:00 quase em ponto, muita neblina... No horário combinado chega a guia, ela vai nos levando aos principais lugares e explicando os detalhes e toda a historia... é muito foda, fascinante!! Sem guia deve ser tosco, pois alguns lugares não fazem sentido para um olhar leigo, mais existe todo uma razão por trás de cada detalhe do lugar. Após 1:30 de passeio junto a guia as explicações foram encerradas, tínhamos o resto do dia livre pra explorar todo o lugar e fazer o que quiser. Eu não imaginava que tivesse tanta coisa pra fazer lá, ficamos das 6:00 até as 17:00 (horário de fechamento) e mesmo assim ainda faltou ver algumas coisas. Lá pras umas 13:00 da tarde o sol saiu forte, até então muita neblina... nossa o sol da outra cara pro lugar, tudo fica ainda mais bonito ^^ MP é incrível mesmo, de toda viagem foi o lugar que mais gostei. Minha recomendação é fazer o passeio em que vc possa passar o dia todo lá como nós. Alguns grupos, após a explicação do guia tinham apenas umas 3 horas pra ficar lá, teve gente que foi embora sem fazer a foto clássica... até fez, mais não deve ter saído nada, a neblina realmente estava imperando de manha. Na saída de MP não esqueça de carimbar seu passaporte!! ^^V IMG_1368 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_1227 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_1083 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_0596 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_1399 por tanaguchimedeiros, no Flickr 20º Dia - Puno (Peru) Depois de ser vomitado pela esposa, seguimos de Cusco para Puno. Chegamos cedo, fechamos o passeio e no final da tarde voltaríamos para a Bolívia. O passeio das Ilhas Flutuantes de Uros consiste em visita comunidades que vivem nas águas do Titicaca e guardam um costume dos tempos pré-incaicos: construir ilhas inteiras a partir da totora, uma planta que cresce nas margens do lago. Ao contrario do que alguns dizem, não me pareceu em nenhum momento ser uma "encenação". Fica visível o quanto eles dependem do turismo, e o quanto a atividade é importante pra eles, porem essa imagem de ser uma comunidade "fake" eu discordo totalmente. O passeio é muito legal e as Ilhas são impressionantes! Um passeio rápido e barato, valeu a pena dar essa esticadinha em Puno antes de voltar pra Bolívia ^^ IMG_1708 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_1634 por tanaguchimedeiros, no Flickr 21º, 22º Dia - Copacabana (Bolívia) Em Copacabana o objetivo era visitar a Isla de Sol. O lugar é considerando sagrado, já que lá é onde supostamente nasceram Manco Capac e Mama Ocllo, os primeiros Incas. A Ilha fica no meio do lago Titicaca, lago que mais parece um oceano, está entre os maiores do mundo. O lago cria um visual incrível pra cidade, a água é de um azul belíssimo. Decidimos pegar o barco da tarde pra Ilha (só tem barcos as 8:00 e as 13:00). Decidimos ir direto pra parte Norte da ilha, passar a noite por lá e no outro dia pela manha iniciar a travessia do lado norte até o sul. Novamente tivemos outra caminhada puxada, 10km de distancia que completamos em 3 horas. Alem do visual que só a Ilha e o Titicaca oferecem, vale muito a pena passar pelo "Complejo Chinkana", as ruínas do que poderia ser um antigo palácio inca, com conexões similares a um labirinto. A outros pontos de interesse pelos quais se passa durante a caminhada, mais sem duvida o Chinkana é o melhor. A muito mais coisas a se visitar na Ilha, porem devido ao horário de saída dos últimos barcos (16:00) não havia como fazer tudo. Antes da viagem tinha lido que as instalações do lado Norte eram bem ruins e etc, isso não procede, lá tem uma estrutura razoável, vc não vai passar fome nem dormir mal, em comparação ao lado sul realmente a infra é menor, mais eu estava esperando realmente algo bem ruim e fui surpreendido positivamente; podem ir para se hospedar do lado norte que é vitoria. IMG_2110 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_2025 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_1944 por tanaguchimedeiros, no Flickr 23º, 24º e 25º Dia - La Paz (Bolívia) La Paz era um lugar que eu aguardava ansiosamente chegar, alguns dos passeios haviam me instigado muito desde a primeira vez que li sobre eles. Em La Paz fechamos os passeios da seguinte forma: Primeiro dia: Tiwanaku Segundo dia: Carretera de la Muerte Terceiro dia: Chacaltaya Tiwanaku me decepcionou um pouco, eu realmente esperava mais. O lance histórico do lugar é incrível, ruínas de uma civilização de 1.500 AC com uma cultura bem avançada; surpreendente... porem as ruínas não estão tão bem conservadas, não empolgam. Não ver os crânios alongados no museu tbm foi bem decepcionante... eles foram retirados do museu de Tiwanaku para estudos. Nas fotos o lugar impressiona bastante, ao vivo não causa um impacto tão grande, pelo menos minha opinião. É um passeio legal, não chega a ser ruim, mais se vc tiver com tempo curto em La Paz e tiver que optar por tirar um dos passeios da sua lista, retire Tiwanaku. Já a carretera é sem palavras, está no top 5 da viagem, sensacional!!! Uma van leva vc até 4650m de altitude e vc desce pela estrada conhecida como "a mais perigosa do mundo" até 1200m, o percurso inteiro na descida em alta velocidade!! Inicia-se pela parte nova, com asfalto, depois de algum tempo se entra na verdadeira estrada da morte, de terra e bem estreita, ainda em funcionamento e utilizada por pequenos caminhões e veículos diversos!! Esse passeio eu sem duvida posso classificar como perfeito! A equipe que organiza o tour não deixou a desejar em nenhum requisito, e tudo que vc imaginar estava incluso, até camisetas e cds de fotos (itens que normalmente são vendidos a parte). O começo é meio assustador, mais depois que vc pega confiança fica ainda mais emocionante!! Nota 10!! Normalmente os passeios para o Chacaltaya incluem visita ao Vale de la Luna, porem nos iríamos pegar o ônibus pra Sta Cruz por volta das 17:00, então tivemos que abrir mão do Vale T__T Chacaltaya é outro passeio top!! Primeira vez que eu e meus amigos vimos neve, então imagina a alegria da criançada né hehehe... A dois mirantes no Chacaltaya, e pra chegar ao topo de ambos tem que ter fôlego, a altitude lá é extrema, e a cada cinco passos vc é forçado a dar aquela parada e respirar fundo. A beleza de todo cenário em volta também impressiona. Passeio imperdível! IMG_2244 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_2221 por tanaguchimedeiros, no Flickr DSC_2886 por tanaguchimedeiros, no Flickr DSC_2825 por tanaguchimedeiros, no Flickr P1290217 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_2586 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_2639 por tanaguchimedeiros, no Flickr IMG_2640 por tanaguchimedeiros, no Flickr De La Paz fomos para Sta Cruz, da onde partiria nosso voo de regresso ao Brasil. Estávamos com bastante receio da viagem de regresso para Sta Cruz, íamos de ônibus e a viagem dura 18 horas... nossas ultimas experiências com viagens longas não eram bem favoráveis rs E quando vc espera o pior, sempre vem as grandes surpresas. O Ônibus leito que fechamos (que nem era dos mais caros), era super confortável, esse sim era leito de verdade. O ônibus era tão bom que a viagem mais longa foi uma das mais tranquilas. De volta a Sta Cruz, onde tomaríamos o voo de volta ao Brasil tivemos tempo de conhecer melhor a cidade e apagar aquela imagem negativa inicial do terminal de bus. Não saberia resumir em poucas palavras como foi essa viagem. Visitamos tantas cidades, conhecemos tantas coisas novas... ler a respeito do lugar é bem diferente de vivencia-lo, foi incrível, bateu aquele saudade enquanto escrevia o relato e revia as fotos. Realizei um sonho que a muito buscava! E agora é iniciar os preparativos da próxima viagem!! Se tiverem qualquer pergunta ou quiserem alguma dica a respeito do roteiro basta me escrever aqui no tópico ou mandar uma mensagem que eu responderei com o maior prazer, enchi o saco de varias pessoas aqui do fórum com minhas duvidas, agora é hora de retribuir ^^ Abraços!!
  18. EPISÓDIO 1 - AQUELE DOS PREPARATIVOS E ai galera mochileira do Brasil, preparados para um novo relato dessa viagem FODA? Eu viajei no mês de julho de 2017, durante 26 dias pela Bolívia, Chile e Peru. Estava em dúvida se eu escrevia o relato, mas decidi que sim porque TUDO (sério, TUDO mesmo) que eu planejei da minha viagem foi com base nos relatos que li aqui, principalmente, da Mary Teles (@vidamochileira), rodrigovix, Bárbara Fabris, leticia.amorim e victorfimes. Então, espero que esse relato ajude as pessoas do mesmo modo que esses outros me ajudaram. (Vocês vão ver em algumas partes do relato que eu sou bem esquecido, entãoooo, eu não tenho o nome e foto de tudo tim tim por tim tim, mas to me esforçando ao máximo para lembrar.) Primeira grande coisa que eu queria falar é: viajei sozinho e foi perfeito! Desde sempre queria fazer esse mochilão com um amigo meu, mas ele não poderia agora em julho. Quase miei a viagem mas pensei: “Não vou deixar de realizar esse sonho por falta de companhia” . Claro que dá um medinho de viajar sozinho, mas juro você não vai ficar sozinho e vai ser a melhor experiência (PS: tem brasileiro em qualquer lugar do mundo. No Atacama tem brasileiro que chileno, hahahah). Além disso, quer companhia melhor do que você mesmo? Enfim, não deixem de viajar por estarem sozinhos !!!! Agora chego no segunda coisa importante que gostaria de falar: viajar sozinho foi a melhor coisa que fiz pois tive a oportunidade de conhecer pessoas que foram demais. Fica aqui meu agradecimento a Cindy, Tatiana, Ian, Janaína e Guilherme, Emily e Rafael, Katherine, Aline, Camila e Maju, Andreza e a um grupo de uns 15 brasileiros que encontrei em La Paz. E claro, um obrigado aos melhores companheiros de viagem: Du, Leo, Mis, Dani, Vini e Mat (eles aparecerão muito no relato). Roteiro Galera, o roteiro que fiz foi o clássico da américa do sul, mas acrescentei Huaraz, e foi a melhor coisa que poderia ter feito, o lugar é lindo. Optei por começar por Santa Cruz, Sucre e depois Uyuni para ir me aclimatando com a altitude. Além disso, é mais barato fazer o passeio do Salar saindo do Uyuni fo que saindo do Atacama. Eu vou colocar o roteiro que realmente aconteceu, porque durante a viagem, acabei fazendo umas mudanças em relação ao planejado (por exemplo, um dia a mais pra curtir melhor Arequipa, hahahha). 02/07 - SP - Santa Cruz - Sucre - Uyuni 03/07 - Uyuni - Salar de Uyuni 04/07 - Salar de Uyuni 05/07 - Salar de Uyuni - Atacama 06/07 - Atacama 07/07 - Atacama - Arica 08/07 - Arica - Tacna - Arequipa 09/07 - Arequipa 10/07 - Arequipa - Ica 11/07 - Ica - Huacachina 12/07 - Huacachina - Paracas - Lima 13/07 - Lima - Huaraz 14/07 - Huaraz 15/07 - Huaraz - Lima 16/07 - Lima - Cusco 17/07 - Cusco 18/07 - Cusco 19/07 - Águas Calientes - Machu Picchu 20/07 - Águas Calientes - Cusco 21/07 - Cusco - Copacabana 22/07 - Copacabana - Isla del Sol 23/07 - Isla del Sol - La Paz 24/07 - La Paz 25/07 - La Paz 26/07 - La Paz 27/07 - La Paz - Santa Cruz - SP PS1: No início de 2017, eu viajei para Arequipa por 6 semanas e depois 1 semana em Cusco e Puno. Então, acabei não fazendo alguns passeio tradicionais, mas explicarei como eles funcionam PS2: Cusco foi um lugar que passei uns dias mas não fiz NADA (sério, eu morguei demais) devido a vários motivos (explicarei no capítulo), mas, como eu já havia conhecido, vou explicar certinho todos os passeio que recomendo fazer lá. Coisas que levei Assim, esse foi meu primeiro mochilão e eu não tinha quase nada de roupas, sendo que precisei comprar tudo. A loja que me salvou (e me faliu) foi a Decathlon; sério, é demais a loja, tem tudo que você precisa e foi o local mais barato que encontrei. Quase tudo que comprei era Quechua (linha de produto da Decathlon) e gostei da qualidade. Sério, eu parecia um garoto propaganda da Quechua, só faltava usar as cuecas da marca (será que tem? hahaha). Mochilão - Forclaz 60L Quechua (https://goo.gl/B1vpzC) Olha, eu tava muito em dúvida de qual mochilão comprar, e acabei optando por esse de 60L. Eu, particularmente, achei ele um pouco grande para essa viagem e isso atrapalha, porque como tem espaço sobrando, você leva mais roupas que o necessário. Tipo, a Dani e a Mis estavam usando uma de 50L e deu tranquilo pra elas. Mas em geral gostei bastante do mochilão, é bem confortável. Mochila de ataque A minha mochila de ataque é uma que eu tenho há anos, uso ela pra ir pra universidade e qualquer viagem pequena. E sério, a mochila de ataque é MUITO importante: você vai estar o tempo todo com ela (juro, eu andava com ela sempre mesmo), carregar ela pra ir pra Aguas calientes, pra subir a laguna 69 e por ai vai. E dica: não leve uma muito grande, pois nela caberá mais coisas e, com isso, você vai ter que carregar mais peso nas trilhas. Bota - (https://goo.gl/fg3Pbm) Gente, uma botinha de trilha dessas é bem importante, mas não essencial. Tipo, daria pra fazer só de tênis, mas a botinha é mais segura, ainda mais pra pessoas como eu que tropeçam em quase tudo no caminho. Ah, e comprei uma semi-impermeável (a impermeável tava muito cara) e foi tranquila, mas não peguei muita parte molhada para testar até onde ela aguentava, hahaha. Câmera - SJCAM 5000X ELITE Eu queria muito uma câmera para tirar fotos diferentes e de aventura. A Gopro eu achei muito cara e acabei comprando essa SJCAM no Paraguai. Eu gostei bastante dessa câmera: ela tem quase todas as funcionalidades e qualidades da Gopro e é mais barata. Mas assim, é câmera de aventura, não é algo com muito zoom ou definição. E eu acabei usando bastante a câmera do celular também. Enfim, vou mostrar o que levei: No mochilão: 8 camisetas (achei muito, levaria 6) 2 camisetas de manga longa (poderia ser só 1) 2 camisetas de manga longa segunda pele 1 camiseta fleece 1 jaque corta ventos 1 calça segunda pele 1 calça fleece (EU não costumo sentir tanto frio e achei essa meio inútil. Mas isso vai de pessoa pra pessoa) 1 calça jeans CONFORTÁVEL (levaria 2) 1 calça-bermuda ( não gostei tanto) 1 calça moletom (usava muito em ônibus e pra dormir) 1 gorro 1 cachecol 9 cuecas (achei muito) 7 meias ( 6 de trilha + 1 normal) 3 bermudas (usei em arequipa, ica e para nadar) 1 toalha de microfibra 1 par de chinelos 1 par de tênis 1 sabonete líquido 1 shampoo 1 desodorante 1 capa de chuva para o mochilão Vários remédios, já que meus pais são farmacêuticos (mais importantes: dramin, advil e imosec) Na mochila de ataque: 1 moletom Cãmera e acessórios (pau de selfie, tripé e o de colocar na bike) Bloco de anotação e canetas 1 boné ( levei obrigado e não usei sequer um dia) Óculos de sol (importante) Fone de ouvido 1 protetor solar 1 escova e pasta de dente 1 fio dental 1 protetor labial (Bepantol salva vidas nessa viagem) 1 pente de cabelo 1 álcool em gel T para tomadas Powerbank Pasta para guardar papéis importantes ( Seguro viagem, passagens de avião e passagem de ônibus) Observações: O moletom eu levei na mochila de ataque pra já usar no avião e ter de precaução caso minha cargueira fosse extraviado. E recomendo levar, porque é mais confortável para usar nos hosteis, ônibus e afins. Olha, eu levei o tênis não sei o porquê, mas eu usei ele em cidades (Arequipa, Lima, Cusco) porque era um pouco mais confortável que a botinha, mas assim, ocupava bastante espaço, então não é nada essencial levar. Óculos de sol é essencial, principalmente, no Salar de Uyuni. Lenço umedecido é vida, ele serve para tudo. Levem 1 ou 2 pacotes Powerbank me salvou MUITO. Paguei 80 reais e ele durou dias e dias (umas 8 ou mais cargas do iphone), o que era ótimo, porque em geral, os hosteis não tem muitas tomadas. (Link do produto) Eu levei duas doleiras: uma maior em que eu colocava passaporte, cartão e um pouco do dinheiro do país; e uma outra menor, eu levava os dólares todos meus (levei tudo em espécie). Ouvi pessoas falando que existe uma palmilha que você esquenta e aquece seu pé por umas 6 horas. Não sei onde comprar, mas recomendo muito, pois quase perdi meu pé congelado, hahahhaha. Preparativos Eu sempre quis mochilar por algum lugar e nunca coloquei esse sonho pra frente até esse ano. Estava eu no início do ano em Arequipa, no Peru, fazendo um intercâmbio voluntário e comecei a pesquisar relatos de viagem para Cusco (já que eu ia pra lá depois). Então, achei os relatos de mochilão pela América do Sul e falei pra mim “vou fazer essa viagem o quanto antes” (eu tinha um dinheiro guardado para isso). Enfim, cheguei e comecei a planejar a viagem. Decidi por ir em julho por dois principais motivos: Eu só poderia ir em julho ou dezembro/janeiro, mas eu não estava afim de esperar até dezembro (hahahha, sim, eu estava surtando pra fazer essa viagem) Julho é inverno e época de seca, então a chance de eu pegar chuva era muito pequena, já a chance de pegar neve… (aguarde alguns parágrafos) Com a certeza de que ia viajar, comecei alguns preparativos para a viagem. Vou separar aqui alguns itens que julgo mais importantes: Passagem Aérea Eu comprei as passagens por milhas então saiu bem barato, mas com uns 3 meses de antecedência dá pra conseguir um preço bem barato. Eu comprei os seguintes trechos: GOL : Guarulhos (10:20) - Santa Cruz de la Sierra (11:15) - comprei por milhas Amaszonas: Santa Cruz de la Sierra (15:40) - Sucre (16:20) - R$ 96,06 Amaszonas: La Paz (08:30) - Santa Cruz de la Sierra (09:30) - R$ 200,79 GOL: Santa Cruz de la Sierra (12:05) - Guarulhos (16:55) - comprei por milhas Seguro Viagem Gente, esse tópico é muito importante!! Sei que pode parecer um pouco caro e desnecessário, mas é a melhor forma de se precaver. Conheci uma mãe e filha que estavam viajando e a filha passou mal em Machu Picchu, e o seguro pagou o trem para elas voltarem. Além disso, a Dani precisou ir para o hospital e o seguro cobriu tudo. Então, FAÇAM!! Eu paguei R$ 219,90 no seguro da Mondial (tive ótimas recomendações, mas felizmente não precisei usar) Carteirinha ISIC Então, eu sou estudante mas esqueci de fazer a carteirinha (hahahaha, como disse, sou esquecido). Mas tanto no início do ano quanto nesse mochilão, eu consegui comprar ingresso do Machu Pichu e o boleto turistico de Cusco pelo preço de meia entrada (só chorar um pouco que eles aceitam). Certificado Internacional de Vacina Teoricamente, para entrar na Bolívia é necessário apresentar o certificado de vacina da febre amarela, mas NUNCA ouvi uma pessoa dizendo que necessitou apresentar isso, inclusive não precisei. Então, não cancele sua viagem por esse motivo. Mas não custa nada fazer, só ir num posto autorizado da Anvisa que se pega o certificado, ainda mais que não é mais necessário tomar a segunda dose da vacina. Dinheiro (o que todos querem saber) Primeira coisa, eu levei praticamente só dólar e recomendo, porque é mais fácil de trocar e na maioria das vezes vale mais a pena que real, mas é claro que depende de cotação para cotação. Levei um pouco de reais por precaução também. Olha, eu gastei durante a viagem: 1470 dólares + 500 reais. No entanto, tive dois gastos grandes (trem voltando de Machu Picchu e um restaurante chique que fui) que foram exclusivos da minha viagem, então o normal seria: 1250 dólares + 500 reais. As melhores cotações que achei foram: 1 dólar - 6,94 boliviano 1 dólar - 660 pesos chilenos 1 dólar - 3,245 soles Uma outra coisa que não gostei foi levar dinheiro em cartão: eu levei 50 dólares em um cartão e só saquei no último dia para não perder. Cartão tem uma taxa muito alta para realizar saque, sem contar que a cotação de banco é sempre pior que a das ruas. Reservas As únicas coisas que comprei/reservei antes da viagem foram as passagens de avião que falei antes e a passagem de busão de Sucre para Uyuni ( recomendação da Mary Teles). Essa passagem de busão é essencial comprar antes, porque como julho era alta temporada, era muito provável que quando eu chegasse na rodoviária não teria passagem e eu perderia um dia no meu roteiro. Então eu comprei antes por esse site (11,68 dólares) e levei o comprovante impresso. Foi super tranquilo e recomendo fazer isso também. Fica aqui uma coisa importante, não reservem nada com tanta antecedência, porque isso pode engessar demais seu roteiro. O legal de viajar assim é poder mudar o roteiro de acordo com o que vai acontecendo, como foi meu caso em Arequipa, em que resolvi ficar um dia a mais para curtir com o pessoal que encontrei. Ou dos imprevisto que vão surgir, como foi o caso da greve louca que teve em Cusco. E relaxem, sempre vai ter hostel com vaga e agências fazendo os passeios. Tipo, é legal reservar hostels concorridos ou ingresso para o Machu Picchu durante a viagem mesmo, quando já tiver certeza do dia que chegará na cidade. Sério, ter essa flexibilidade na sua viagem e não se sentir preso ao seu planejamento é a melhor coisa de fazer um mochilão. Dias antes Galera, estava chegando o dia da viagem e eu estava morrendo de ansiedade, animação e, admito que um pouco de medo. Há umas duas semanas de eu embarcar, descobri pelo grupo dos Mochileiros que teve uma neve intensa e vários passeios e estradas no Uyuni e Atacama estavam fechados. Sério, me bateu uma bad isso, imagina perder as maravilhas que esses lugares oferecem?? Mas assim, liguei o foda-se para isso e finalmente PARTIUUUUU VIAGEM!!! PRÓXIMO EPISÓDIO COMEÇA O PRIMEIRO DIA DA VIAGEM
  19. Olá Mochileiros!! Depois de muitos preparativos, muitos fóruns lidos, muitas perguntas e muita pesquisa meu mochilão aconteceu. E como usei muito o mochileiros.com decidi vim aqui contar como foi! Para quem quiser ver mais fotos da viagem segue lá @oquetragonamala Primeiro gostaria de agradecer umas pessoas que foram fundamentais em todo o processo de antes e durante o mochilão. Primeiro agradecer ao Aletucs que além de responder minhas dúvidas nos fóruns me passou seu número e me ajudou muito também durante a viagem. Agradecer demais a Bárbara Fabris que também ajudou muito! Como a trip dela foi na mesma época que a minha usei muito do relato dela. Aliás, estamos com saudade Bárbara! rsrs Agradecer ao Rodrigo que todo mundo sabe bem quem é né! Rsrs Relato mais famoso de todos. Ao Felipe, fiz muita coisa usando seu relato no Atacama! Tia Poly, Mary (Maryana Teles),Lets ( Leticia Amorim), Rodrigo Paulo e a todos que me ajudaram e que não vou lembrar agora. Agora vou contar como resolvi fazer essa trip pra tentar explicar o roteiro e os gastos. Tinha acabado de voltar de uma trip muito da hora e cara e um amigo do meu trabalho disse “Nós compramos umas passagens pra ir pra América do Sul no final do ano e queria que vocês fossem com a gente!” No caso o “nós”= ele e a namorada (Rafael e Stela) e no caso “vocês”= eu e meu marido (Thiago). De cara é claro que eu já disse que não rolava né. A crise tá ai e todo mundo sabe. Tinha voltado de uma viagem que nem tinha sido planejada (passagens em super promoção acabam com a vida da gnt) e não rolava fazer uma loucura dessa não. Mas acabei comentando com o Thiago e ele ficou tentado a ir. Comecei a pesquisar e vi que não era uma viagem cara e sempre foi uma das trips que nos planejamos de fazer. Depois de muita conversa e tentando muito resistir a tentação compramos a passagem. O problema: Os meninos já tinham comprado todos os trechos da viagem de avião e não tinham incluído todos os lugares que queríamos ir. E comprando tudo de avião fica bem mais cara a parte da passagem. Então nos meus gastos do relato não vou incluir essa parte das passagens aéreas. A passagem de Cusco pra La Paz de aéreo é muito cara, eles conseguiram comprar mais em conta pela Peruvian mas quando fomos comprar já estava bem cara e optamos por ir de ônibus mesmo. Também resolvemos viajar antes deles pra poder ir em alguns lugares que queríamos. O nosso roteiro ficou diferente da maioria que eu vi aqui mas como eu disse foi mesmo porque os meninos já tinham um roteiro então quando compramos a passagens já estava definido mais ou menos como seria. O deslocamento da viagem ficou assim: Dia 10/12 Voo BH-SP-LIMA Ônibus LIMA – HUARAZ Dia 12/12 Ônibus HUARAZ – LIMA Ônibus LIMA – ICA Dia 14/12 Ônibus ICA – LIMA Dia 15/12 Voo LIMA-CUSCO Dia 16/12 Trem OLLANTA – AGUAS CALIENTES Dia 17/12 Trem AGUAS CALIENTES - CUSCO Ônibus CUSCO – COPACABANA – LA PAZ Dia 19/12 Ônibus LA PAZ – UYUNI Dia 25/12 Ônibus SAN PEDRO - CALAMA Dia 26/12 Voo CALAMA – SANTIAGO Dia 27/12 Ônibus SATIAGO – VIÑA DEL MAR – SANTIAGO Dia 29/12 Voo SANTIAGO – SP – BH O que compramos antecipadamente aqui no Brasil: - Toda a parte aérea - Trens ida e volta pra ir em Machu Picchu - Entrada pra Machu Picchu com Huayna Picchu - Passagem de La Paz pra Uyuni pela Todo Turismo - Passagem de Lima para Huaraz porque queríamos ir na primeira poltrona de cima Resumindo meu roteiro: Dia 1 – Chegando em Lima e indo pra Huaraz. Muitos perrengues nesse dia! Muitos mesmo! Dia 2 – Nevado Pastoruri. Subindo direto para os 5 mil metros de altitude e descobrindo que altitude não é brincadeira. Dia 3 – Laguna 69. A coisa mais difícil que eu já fiz em toda minha vida! Dia 4 – Huacachina. Passeio de Buggy e o por do sol mais bonito da viagem. Dia 5 – Conhecendo Lima. Dia 6 – Cusco! A cidade com mais pessoas te oferecendo coisas na rua! Sério! Chega a ser chato! Dia 7 – Vale Sagrado e trem Pra Aguas Calientes! O trem não chegou em Aguas Calientes! Dia 8 – Machu Picchu. Que em português deve significar escadas, escadas e mais escadas! E depois voltamos pra Cusco e fomos pra La Paz! Mas antes teve um rolê em Copacabana. Dia 9 - Copacabana. O dia em que fomos abandonados no meio do nada da Bolívia e gastamos uma grana porque não tínhamos a targeta pra sair do Peru! Dia 10 – La Paz e viagem pra Uyunu! O dia em que eu pensei que ia dar tudo errado e que não chegaríamos em Uyuni. Dia 11 – Quase não entramos em Uyuni e quase não saímos! Os tão falados bloqueios estavam acontecendo e tivemos que caminhar pra chegar na cidade! Nesse dia saímos pro passeio do Salar, depois de 3 horas de tentativa do nosso motorista! Dia 12 – Salar! Na verdade o salar é só um dia. Os outros dias são dias de muita poeira, calor e paisagens incríveis! Dia 13 – Atacama! Dia de ver já na fronteira a enorme diferença entre Bolívia e Chile! E também de conhecer a charmosa San Pedro de Atacama! Dia 14 – Salar de Tara! Com o guia mais legal de todos! E com o melhor gosto musical da viagem! Dia 15– Piedras Rojas! Sem palavras pra beleza desse lugar! Dia 16– Termas Puritama! Dia de relaxar e depois viagem pra Calama. Dia 17 – Santiago! Horas perdidas com nosso AirBnb e depois fomos conhecer a cidade, finalizando com um pôr do sol no Sky Costanera. Dia 18 – Viña del Mar! Dia de praia! E calor, muito calor! Dia 19 – Embalse el Yeso e Laguna dos Patos! Quando você pensa que a viagem já ta acabando e não vai mais se surpreender você ve que esta muito enganado! Dia 20 – Dia livre pra fazer o que quiser e depois volta pra casa. Fomos no Cerro San Cristóbal e vimos como Santiago é poluída. E depois só a depre de voltar pra casa mesmo. Vou colocar o meu planejamento inicial, a planilha que fiz antes da viagem, mas muita coisa mudou! Ao longo do relato eu vou contando o que mudou e o motivo e depois disponibilizo a planilha final. Sobre as hospedagens: Fomos com todas as hospedagens reservadas. Estávamos em um grupo de 4 pessoas, então conseguimos reservas boas fazendo antes. Sempre conseguimos 2 quartos de casal ou então compartilhado pra 4 pessoas, sempre com banheiro privado. Mudamos os planos e chegamos em Huacachina sem hotel e foi o único que escolhemos na hora. Usamos hotel, hostel e AirBnb. Ao longo do relato eu vou contando sobre as acomodações e os valores. Sobre valores: Vou citar sempre no relato os gastos que tive. Não economizei tanto como dava pra economizar então não acho que os gastos que eu tive servem de parâmetro pra quem quer fazer uma trip mais barata mas vou colocar pra terem uma noção das coisas. Meus gastos vão estar na maioria das vezes como preço pra casal porque como eu sou casada não tenho isso de dinheiro separado, os gastos são de nós dois. Sobre as roupas e mochilas: Acho que nos outros fóruns tem muita informação já sobre isso. Mas quem tiver alguma duvida é só falar! Vou falar só um pouco do que eu acho mais importante. Comprei uma mochila que tem um fechamento nas alças, ela fecha e fica como se fosse uma mala normal. Isso ajuda muito porque na hora de passar pelas esteiras dos aeroportos não corre risco de agarrar nenhuma parte da mochila. E também comprei uma mochila que já vem com a de ataque e ela se prende na mochila maior o que é bem útil também. A mochila do Thiago tinha tudo isso também. A minha eu comprei pra essa viagem. Ela é da trilhas e rumos e foi 650,00. A do Thiago é da Nord, ele comprou faz um tempo e ela deu umas descosturadas nessa viagem. De roupa o que eu considero mais importante é um corta vento, pelo menos uma blusa fleece e uma calça térmica. Eu fui no verão mas alguns dos lugares que eu fui estavam muito frios. Não levei o tão famoso Money Belt e pra mim não fez falta, sempre carregava tudo nas mochilas de ataque e nunca deixava elas em lugar nenhum. Sobre coisas que eu levei e não usei e coisas que eu deveria ter levado e não levei. Levei uma sandália mais bonitinha pra sair mas usei duas vezes só. E senti muita falta de um tênis tipo de caminhada, levei só meu all star e minha bota, meu pé já não aguantava mais! Levei alguns poucos itens de maquiagem e usei uns dois dias só. Não precisava ter levado. Sobre os remédios: Levei bastante remédio e comprei alguns lá. Eu acho indispensável levar remédios e usei todos os que eu levei. Lá eu comprei o Sorojchi Pills e achei ótimo. Nem masquei folha de coca. Sobre o mal da altitude: Já chegamos indo pra maior altitude da viagem e não é brincadeira, dizem que nem todos sentem mas nos 4 sentimos, em intensidades diferentes mas sentimos. O Thiago passou mal uma noite, vomitou e ficou bem ruim mesmo. Aconselho usar o remédio que eu citei acima, ele é muito bom! Tomamos todos os dias até chegar no Atacama. Quando chegamos em Huaraz o dono do hotel ensinou como tomar e disse que mascar coca não funcionava muito pra gente, que funciona pras pessoas de lá porque elas mascam a vida inteira. Ele também disse que qualquer mal que passássemos era pra tomar um remédio pro que tivéssemos sentindo porque o remédio pro mal da altitude não funcionava. Por exemplo, se você sentir dor de cabeça, tome um paracetamol. Fizemos isso e funcionou bem. Sobre os documentos que levei: - Passaportes - Cartão internacional de vacina - E-mail da Peru Rail pra trocar as passagens do trem - Entrada Machu Picchu - Passagens de ônibus que compramos aqui - Reservas de todas as hospedagens - Seguro viagem (Visa Platinum) Sobre o dinheiro que levamos: Antes de ir fizemos a conta e vimos que sacar no cartão seria melhor, mas levamos um pouco só pra não ficar sem nada. Levamos: - 500 dólares - 350 reais - 200 soles - 20 mil pesos Não conseguimos comprar bolivianos aqui no Brasil. Sobre sacar o dinheiro lá, na maioria das vezes não tivemos problema. Só um problema que foi resolvido no Atacama. E levamos dois cartões de bancos diferentes pra não ter problema. Não vou poder falar muito sobre cotação porque troquei dinheiro poucas vezes. Acho que é isso então. Se eu tiver esquecido alguma informação me falem que eu completo. O índice eu vou fazer aos poucos conforme for escrevendo o relato.
  20. Beleza!!! Não encontrei outro tópico sobre a melhor época do ano para fazer um mochilão para esses três países. Alguma dica? Obrigado e abraços!
×