Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Entre para seguir isso  
divanei

A Clássica e Arrebatadora Travessia Rui Braga x Rebouças - Mauá, Itatiaia

Posts Recomendados

20120901225606.jpg

 

20120901225700.jpg

Mapinha da revistinha do Beck

 

20120901225859.jpg

A CLASSICA E ARREBATADORA: TRAVESSIA RUI BRAGA X REBOUÇAS- MAUÁ, ITATIAIA-RJ/MG.

 

Foi na década de 90 a primeira vez que pus meus pés no Planalto de Itatiaia, também conhecido como parte alta. Na ocasião, escalamos o Pico das Agulhas Negras e fomos até a Cachoeira do Aiuruoca. Pegamos um frio de lascar e quase morremos congelados no acampamento ao redor do Hotel Alsene, perto da portaria do Parque Nacional. Já naquela época eu havia ouvido falar da TRAVESSIA REBOUÇAS X MAUÁ. Seria uma das mais clássicas travessias do Brasil, mas estava proibida pela administração do Itatiaia. Os rumores de andarilhos que haviam sido pegos nesta trilha e levado multas pesadas e também de alguns excursionistas experientes que chegaram até a serem processados pelo parque, me fizeram ficar bem longe desta trilha. Não que eu não tivesse me ariscado em outras travessias igualmente proibidas, mas pela dificuldade de acesso à própria parte alta, que é desprovida de transporte, me fez protelar a tal travessia. Em 2008 com a reabertura da Rui Braga, que é a trilha que liga a parte baixa do parque a parte alta, me animei a percorrer a Travessia da Serra Negra, que liga o Vilarejo de Maromba a parte alta e depois usando a própria Trilha Rui Braga , desci à sede do Parque Nacional. Essa travessia também é lindíssima e tive uma satisfação enorme em percorrê-la sozinho, dormindo em lugares totalmente isolados da civilização. Mas tendo percorrido praticamente todas as clássicas travessias de boa parte do Brasil, me faltava no curiculum essa caminhada. Muitos foram os e-mails que enviei ao Parque Nacional, na tentativa de conseguir a tal autorização. Aproveitando um feriado municipal e desta vez com as autorizações em mãos, partimos para Resende-RJ. Eu, o Fábio e a Vera. O Fábio é um amigo do trabalho, que há tempos me enchia a paciência para eu leva-lo comigo para uma travessia e a Vera é a namorada do Jony, um amigo que mora em Valência-RJ e que se juntaria a nós em Resende-RJ.

Partimos da rodoviária de Campinas às 19h40min no dia 26 de Julho, justamente no aniversário de Sumaré. Nosso ônibus seguiu até São José dos Campos e de lá embarcamos às 23 horas para Resende-RJ, aonde chegamos pouco depois das 2 horas da manhã e nos juntamos ao Jony. Aproveitamos às 3 horas de espera, já que o ônibus para a pequena cidade de Itatiaia só sairia às 05 horas da manhã, em uma revisão rápida nas mochilas, logo notamos que estávamos com excesso de comida e como não havia guarda volumes na rodoviária de Resende colocamos tudo em um grande saco e guardamos no topo de uma grande árvore. Havíamos acabado de inventar uma nova maneira de guardar as coisas e se posto de gasolina é rodoviária de maluco, árvore é guarda volume de mochileiro (rsrsrsrsrsrsrsrs)

Às 05 da manhã encosta o ônibus para Itatiaia-RJ e às 07 horas já estávamos embarcando para o Parque Nacional no ônibus que sai bem enfrente a sua igreja principal. O ônibus vai em direção a serra e em 40 minutos pára na primeira guarita do Parque Nacional de Itatiaia. Logo sobe um funcionário do parque e avisa que se tiver alguém que vai entrar no parque como turista terá que descer e pagar as devidas taxas. Só havia nós de turistas, os outros eram todos funcionários e trabalhadores das pousadas e hotéis que funcionam dentro da Unidade de Conservação. Sendo tratados com uma educação de jagunço com cólica de rin, preenchemos os documentos burocráticos do parque e carimbamos nossa autorização para as duas travessias, primeiro a Rui Braga e depois a Rebouças-Mauá e também pagamos as taxas de 22 reais pelos três dias de caminhada. Voltamos para o coletivo, que subiu por mais uns 15 minutos e nos deixou a 1 km da entrada da trilha. Jogamos as mochilas às costas e subimos até o grande poço da Maromba, onde a estrada acaba junto a mais uma guarita, onde novamente temos que apresentar a autorização. Antes de partimos definitivamente trilha acima, resolvemos conhecer a poção e tomar um café. O local tem uma das águas mais limpas e cristalinas de toda a região, mas nem isso foi suficiente para evitar que a Vera torcesse o nariz quando viu que usaríamos a água do poção para fazermos o café. E foi aí que conclui que a menina jamais tivera em contato com os meios naturais, tava na cara que ela era totalmente urbana e a partir daí eu já sabia que teria que ter muita paciência com ela. A nossa companheira de caminhada entraria em um mundo novo, totalmente desconhecido para ela, mas isso nunca me preocupou, pois eu já estava acostumado com novatos nas trilhas. Todos nós já fomos novatos um dia e é sempre um prazer apresentar o mundo das montanhas e das caminhas para os amigos.

 

20120901230113.jpg

20120901230212.jpg

, tomamos nosso café, onde comemos um pão amassado com uma horrível pasta de amendoim. Pegamos nossas mochilas e começamos a caminhada quase às 10 horas da manhã, que é o limite máximo que se pode começar a trilha. Ao passarmos pela placa de identificação da Trilha Rui Braga, com os dizeres: “caia fora se você não tem autorização”, andamos mais uns 15 minutos até uma saída à direita, onde uma porteira exibe uma placa já apagada pelo tempo dizendo que aquela é uma área controlada pelo exército, ignorando o aviso da proibição passamos a porteira e nos lançamos trilha adentro. Na primeira vez que passei por aqui, descendo essa trilha em 2008, encontrei um caminho totalmente interditado, com grandes árvores e muitos bambus obstruindo o caminho. Agora a trilha parece uma estradinha de tão aberta. O caminho é bonito, as árvores são gigantescas e hora ou outra é possível avistar as grandes montanhas do outro lado do vale que margeamos pela direita. Na beira do caminho vamos nos deparando com muito terreno remexido e revirado, sinal que os catetos e os queixadas passaram por aqui nesta madrugada. Vamos ganhando altura aos poucos e a trilha vai ziguezagueando montanha acima com muito pouco aclive e só 2 horas depois é que passamos por um ponto de água e então paramos para um descanso mais demorado. O Fábio é quem parece mais sofrer com a caminhada, pois alem de ter que carregar seu peso de 140 quilos, ainda teve a ingrata missão de carregar suas coisas em uma mochila que pegou emprestado do seu irmão, que trabalha no exército brasileiro, uma mochila desconfortável e desengonçada, mais uma porcaria do nosso EB. A caminhada segue. Um pé na frente do outro e sem muitas mudanças. Nossa intenção é chegar ao Abrigo Macieira e lá fazer o nosso almoço, mas passam horas e horas e esse abrigo nunca chega. A trilha começa a se fechar e logo algumas árvores são cruzadas por cima, já que tombaram sobre a trilha. Finalmente lá pelas 16 horas chegamos a uma placa que indica a continuação da Rui Braga, mas não fala nada do abrigo. Pegamos então para a direita e aproveito para acelerar na frente na tentativa de avistar algo que possa me dar a impressão que estamos chegando ao Macieira. Menos de 10 minutos depois enxergo o telhado e dou um grito de alívio.

No abrigo Macieira tudo está com em 2008. Nem a reabertura da tradicional travessia conseguiu fazer com que o Parque Nacional pudesse restaurar esse patrimônio público. O casebre ainda continua de pé, mantém a garra e a força dos montanhistas que não desistem nunca. Ver o abrigo quase caindo é de dar dó e eu e o Jony não deixamos de nos indignar com tanto descaso. Em 2008 acampei sozinho no abrigo e foi uma das maiores experiências que tive na vida como montanhista solitário descrevo abaixo um trecho do relato de 2008:

..........” O abrigo Macieiras, a exemplo do abrigo Massena, não passa de uma tapera. Parte do assoalho afundou. Existem infiltrações por todos os lados, não há mais água nas torneiras, por isso sou obrigado a procura-la trinta metros a baixo junto a um riacho . O lugar é realmente macabro, lembra as casas de filmes de terror. Poderia servir muito bem de morada para espíritos malíguinos, demônios, assombrações, exus alados , seres extraterrestre e aventureiros céticos , como eu .Por ser minha última noite na travessia, resolvo fazer um banquete. Enquanto meu fogareiro faz sua parte, aproveito para dar uma organizada na casa. Encontro um velho cobertor pendurado na parede e uso-o para forrar minha cama. Estendo meu saco de dormir e acendo uma vela. Fico sentado na varanda olhando para floresta escura e pensando nas coisas de ruim que poderia ter me acontecido. Poderia ter quebrado uma perna, ser picado por uma cobra, ser arrastado pelo rio, atingido por um raio, cair no abismo, atacado por um enxame de vespas, sofrido um ataque cardíaco, ter sido estraçalhado por uma onça, me engasgado com a comida, ser atingido pela queda de uma árvore, escorregado e batido a cabeça no chão, ter morrido de hipotermia, etc..A relação de perigos imaginários ou reais são bastante grandes. Estar sozinho requer muito cuidado e uma boa dose de experiência no que se está fazendo. Sei que ainda tenho muito a aprender , mas depois de quase vinte anos perambulando por quase todo tipo de lugar, consegui adquirir um conhecimento que me faz caminhar por lugares ermos como se estivesse no quintal de casa”......................

Exausto, o Fábio aproveita a nossa parada no abrigo para dormir e urrar. Seu ronco é tão alto que afugenta qualquer possibilidade de sermos visitados por algum animal selvagem. Coloco logo os fogareiros para funcionar. Arroz, linguiça com batatas, suco de jabuticaba, serão o nosso almoço. A Vera ficou “bicuda” porque queria cozinhar. E´ a primeira vez que vejo uma mulher ficar brava porque não a deixaram fazer o rango, venceu o clube do Bolinha, como ela mesmo disse(rsrsrsrssr). O tempo vai passando e a vontade de ficar por ali mesmo vai meio que tomando conta da gente. Aproveito o tempo ocioso para dar uma melhorada na mochila do Fábio. Já são quase 05 horas da tarde quando jogamos nossas mochilas às costas e partimos rumo ao Abrigo Massena, onde pretendíamos acampar. A trilha alterna capões de mata e campo aberto e logo sem avisar a noite cai, o que faz com que a Vera queira retornar imediatamente ao abrigo anterior. A saída de vez aos campos de altitude a deixa um pouco mais calma, já que a lua trata logo de transformar a noite em quase dia. E´ uma noite linda, com um céu qualhado por bilhões de estrelas. Não faz frio e nem venta. Nossa caminhada apesar de cansativa se torna um passeio espetacular e a apreensão da Vera desaparece e as duas horas seguintes é de pura contemplação. A trilha foi claramente desviada de seu trajeto original, na intenção de fazer com que os caminhantes se afastassem das grandes e perigosas erosões. Quando a trilha faz uma grande curva para a esquerda é que consigo perceber que o abrigo Massena não está longe e logo passamos pela área alagada, onde algumas telhas foram colocadas para evitar que se enfiem os pés na lama. Estamos agora claramente em um grande vale e logo aparece meio que de supetão o telhado do Abrigo Massena.

 

20120901230425.jpg

20120901230524.jpg

20120901230726.jpg

São 08 horas da noite quando abrimos a porta do abrigo, que foi construído a muitas décadas para ser uma pousada, mas hoje só sobraram a sala da lareira. Da mesma forma que o Abrigo Macieira, o Massena está abandonado a sua própria sorte. É outro patrimônio público fadado ao desaparecimento. Alem de quase caindo, a sujeira tomou conta de tudo. Tentamos dar uma limpada no local para deixá-lo mais habitável. Aproveitamos a madeira que entulhava a frente do abrigo e acendemos a lareira. No que era sombrio, se fez a luz e se encheu de calor. No abrigo, alem da lareira, uma grande mesa de madeira, um banco e um pequeno armário são os “móveis” que compõem o bucólico cenário. Como havíamos almoçado muito tarde, resolvemos apenas tomar um café. O Jony montou sua barraca, mas eu e o Fábio resolvemos apenas estender nossos isolantes sobre um plástico. Fomos dormir lá pelas 10 horas da noite, mas de madrugada acordo com uma dor de estômago terrível e com um frio devastador. Além do mais, os abalos sísmicos provocados pelos roncos do Fábio acabaram transformando nossos sonos em um verdadeiro inferno (rsrsrsrsr). Tomei um remédio e com a ajuda do Jony, que me emprestou um gorro e uma luva, voltei a dormir. Meu mal súbito eu não consegui descobri de onde veio, mas na falta de quem culpar, boto a culpa no desgraçado da pasta de amendoim.

O dia amanhece lindo e cheio de sol. Acima do abrigo Massena existe outra pequena casa, também em ruínas e foi lá que tentei conseguir água para nosso café. A água não encontrei, mas encontrei um cenário deslumbrante. Um mar de nuvens tomou conta de todo o vale do Paraíba. Ao ver o cenário, desci correndo para chamar o Jony e a Vera e foi lá que ficamos por um bom tempo nos maravilhando com tamanha beleza. Voltamos ao abrigo, onde o Fábio continuava com sua tentativa de por a construção abaixo com seu ronco. Desmontamos tudo, tomamos café e partimos. A trilha parte bem enfrente ao abrigo e logo entra na mata, onde um pequeno córrego abastece nossos cantis e em mais alguns minutos de subida chegamos a uma bifurcação. A trilha da esquerda é a variante conhecida como Trilha do pinheirinho, que em um dia de caminhada atingirá a rodovia que parte da Via Dutra em direção a Garganta do Registro, a uns 10 km de Engenheiro Passos. Nosso caminho segue para a direita. Estamos bem nas costas das Prateleiras e teremos que fazer uma grande curva para esquerda até atingirmos o vale que nos levará para a Parte alta do Parque Nacional. A caminhada é tranquila e sem grandes desníveis. O cenário é lindo e pra todo lado que se olhe há algo para se admirar, caminhar em campos de altitude é mesmo um prazer do tamanho do mundo.

 

20120901230915.jpg

20120901231038.jpg

20120901231158.jpg

20120901231319.jpg

20120901231427.jpg

Às 11 horas da manhã atingimos o vale que separa a cadeia de montanhas do Pico das Prateleira e a cadeia de montanhas das Agulhas Negras. Aqui também a trilha foi desviada mais para a esquerda, já que em 2008 ela corria bem por dentro do Vale e agora ela o bordeja. Conforme vamos caminhando, o Pico das Agulhas Negras vai surgindo à nossa frente com toda a sua monstruosidade. Alguns charcos são eventualmente cruzados e ao longe já avistamos a turistada que vão se dirigindo aos pés das Prateleiras. Logo interceptamos a trilha e a placa que indica o caminho para quem quer subir à montanha famosa. Em 2008 não tive tempo de escalar as Prateleiras, mas desta vez, mesmo com o tempo pra lá de limitado, largamos nossas mochila com o Fábio, que estava cansado de mais para encarar essa trilha extra, e subimos aceleradamente. Estas formações rochosas são realmente de tirar o fôlego. Eu já havia visto muitas fotos das Prateleiras, mas nenhuma havia me convencido de que o local era realmente belo. Mas a chegada aos pés da formação me fez rever os meus conceitos. Um laguinho e uma pedra em formato de tartaruga foi o suficiente para fazer com que eu me apaixonasse por aquele lugar. Eufórico, sai arrebentando o mato no peito, até que eu chegasse às margens do lago e por lá fiquei por um bom tempo, até que o Jony chegasse para me fazer companhia.

A Vera não aguentou esperar, subiu à frente e escalaminhou as Prateleiras até o seu platô inferior, aonde todo mundo vai. Lá nos esperou pacientemente. Eu e o Jony atravessamos novamente os tufos de capim e fomos seguindo de pedra em pedra e logo nos juntamos a Vera. Eu e o Jony estávamos imbuídos no propósito de chegar ao topo e até tentamos arrastar a Vera conosco, mas conforme a escalaminhada ia ficando mais perigosa, nos rendemos ao apelo da garota e a deixamos voltar. São poucas as pessoas que chegam ao topo, a maioria prefere mesmo admirar as Prateleiras da sua base. Nós dois seguimos enfrente até encontrarmos uma galera que estava fazendo rapel. Junto a esse grupo uns guias cadastrados do Parque Nacional nos aconselha a voltar. Dizem que é impossível chegar sem corda, que o caminho é confuso e perigoso. Como sempre “caguei e andei” para guia, apesar de ter alguns amigos nesta profissão, mandamos estes a merda e seguimos enfrente. O caminho passa por uma grande gruta, faz uma curva para a esquerda e depois de alguns trepa pedras, chegamos a uma grande janela, onde o melhor caminho é cruzando por baixo. Existem alguns lances perigosos, mas nada que não possa ser transposto. Depois começa a grande subida em direção ao cume da pedra. Não há propriamente um caminho a seguir, cada um tem que subir por onde acha que é mais seguro. Existe uma parte que é potencialmente perigosa. E´ preciso pular de uma pedra com uma altura de uns dois metros e meio, que fica junto a um abismo que não dá chance para haver erros. Depois é preciso confiar na aderência das botas e subir uma parede com uma enorme inclinação. Quem não está familiarizado com esse tipo de atividade, é melhor mesmo ficar tomando conta das mochilas na bifurcação da trilha. Finalmente a uma e meia da tarde eu e meu amigo Jony atingimos os 2.548 metros do PICO DAS PRATELEIRAS. Sem dúvida uma das visões mais espetaculares de todo o Parque Nacional de Itatiaia. Alem de uma vista privilegiada de toda a cadeia de Montanhas das Agulhas Negras, temos ainda a oeste a imponente SERRA FINA e toda a sua cadeia de montanha ao redor. No cume das Prateleiras, um livro dentro de uma caixa de alumínio serve para que os poucos esforçados e corajosos deixem seu recado para os outros montanhistas. Vista de cima a Pedra da Tartaruga mais parece uma pitanga a nordeste vê-se o Morro do Couto que com 2.685 metros é um dos mais altos do Parque. Nossa vontade era de ficar ali por horas, mas a travessia tem de continuar. Então tratamos logo de descer em passos acelerados, mas sempre tomando cuidado com as perigosas fendas. Passada as partes perigosas e já aos pés das Prateleiras, eu e o Jony nos lançamos numa corrida montanha abaixo, saltando de pedra em pedra em uma jornada quase que suicida e em poucos minutos demos nosso último salto e nos reencontramos com o nossos amigos Fábio e Vera, que já nos esperavam com um “animado” cochilo à beira da trilha.

 

20120901231604.jpg

20120901231701.jpg

20120901231759.jpg

20120901231852.jpg

20120901231948.jpg

20120901232127.jpg

20120901232316.jpg

As 14h30min, essa foi a hora que atingimos o início do final da estrada do Parque Nacional. Estamos agora caminhando sobre a BR mais alta de todo o Brasil, que no seu ponto mais alto vai atingir os 2.400 metros de altitude. Na verdade de estrada não tem nada, é apenas uma trilha mais larga, mas agora com calçamento. Logo avistamos a cachoeira das Flores e um monte de turista se divertindo em suas águas geladas. Passamos batido, já estávamos mais que atrasados. Nosso objetivo agora seria tentar passar pelo Abrigo Rebouças sem ser barrado pelos fiscais do Parque. Estávamos com a autorização, mas ficamos com medo de sermos barrados por causa do horário já mais que tardio. Na verdade teríamos mesmo era que caminhar quase uma hora depois do abrigo Rebouças e chegando la deixar a autorização e fazer os tramites burocráticos e depois voltar mais uma hora para o Abrigo Rebouças, que é de onde parte a Travessia conhecida como REBOUÇAS X MAUÁ. Se fizéssemos isso, poderíamos dar adeus a nossa travessia. Quando chegamos ao Rebouças, encontramos um funcionário que estava encarregado da limpeza. Sem pensar joguei todas as autorizações nas mãos deles, mostramos os tikts de pagamento da travessia e antes que ele nos fizesse muitas perguntas, “picamos a mula” e fomos torcendo para não encontrar mais ninguém do parque pela frente. Passamos pela área de camping que fica junto ao próprio abrigo Rebouças, atravessamos o lago e pegamos a trilha que segue em direção ao Pico das Agulhas Negras. A cada passo, a cada minuto de caminhada, a cada pedra vencida, o Agulhas Negras nos apresentava mais fascinante. Ele é a grande atração do Parque Nacional e também o cume mais alto, 2.791 metros de altitude, mais baixo apenas que a Pedra da Mina, ponto culminante de toda a Serra da Mantiqueira.

Meia hora de caminhada e depois de atravessar a grande ponte pencil, onde o Fábio e a Vera quase empacou (rsrsrsrsr), chegamos à bifurcação, onde Seguindo uma placa nos indica a direção das Cachoeiras o Aiuruoca e a Pedra do Altar. nesta direção, uns 20metros depois temos uma saída para a esquerda, mas nós acabamos pegando para a direita, quase reto mesmo. A trilha vai seguindo em nível quase paralela a cadeia de montanhas das Agulhas e depois começa a subir. Já no alto somos apresentados a formação rochosa conhecida como ASA DE HERMES (2.630 metros) e foi lá também que encontramos o Marcelo, um montanhistas que conhecemos no topo da Pedra da Mina, na Travessia da Serra Fina. Ele estava voltando de uma tentativa de escalar a própria Asas de Hermes, mundo pequeno esse. Despedimos-nos do nosso amigo e seguimos enfrente. A trilha desceu a um a área alagada, onde o Jony tentava feito uma gazela do brejo, passar sem molhar a bota. Eu que já não estava nem aí para minha bota fui passando de qualquer jeito. Acho que foi nesse trecho que deixamos escapar a trilha correta ou então teríamos mesmo era ter pegado para a esquerda no início da trilha. O certo é que sem querer acabamos foi mesmo subindo a Pedra do Altar (2.665). Pra piorar, alem de estarmos fora da trilha, o sol já começava a se por no horizonte. Passamos pela Pedra do Altar e seguimos enfrente, seguindo um vestígio de trilha, até que o próprio vestígio também deixou de existir. AGORA FERROU!!!!! Paramos em uma ilha de pedra e ficamos tentando ver onde foi que erramos. Tentei consultar o mapa topográfico, mas a canseira e falta de luz, já começava a afetar o raciocínio. Eu sabia que o nosso caminho teria que passar pelo vale das nascentes do Aiuruoca. E lá estava ele, bem a nossa frente, um vale lindo, mas como descer até ele a noite e sem trilha? Largamos as mochilas e eu e o Jony saímos à procura de uma solução. Tentamos reencontrar a trilha em todas as direções e a única coisa que conseguimos foi ver o Jony ser engolido por um buraco (kkkkkkkk). Tentamos descer ao vale enfrentando a descida na raça e no peito. Chegamos a uma parte plana, onde poderíamos até montar nossas barracas, se não fosse um pântano. Como o que não tem remédio, remediado está, voltamos para junto do Fábio e da Vera e aí tomamos a atitude mais radical: montar nossas barracas encima do capim mesmo. Amassamos o capim com os pés e com o corpo e em uma área mais inclinada que um tobogã, montamos nossa casa de mato. Vesti todas as minhas blusas, meias, calças, camisas, gorros e luvas. Fiquei pronto para virar um picolé com dignidade.

Nossa janta seria improvisada. Em uma panela de água juntei um pacotinho de arroz que havia sobrado do dia anterior e estava em ótimo estado, coloquei dois pacotes de macarrão instantâneo, dois pacotes de feijão pronto, uma cebola picada, meu tempero especial, dois dentes de alho e para finalizar um pacote de molho quatro queijos. Jantamos e nos “pinchamos” para dentro da barraca. Foi nessa hora que começamos a ouvir os soluços da Vera. A Vera entrou em pânico. Era a primeira vez que ela dormirá em uma barraca e pior, perdida em algum lugar entre a Pedra do Altar e o Vale do Aiuruoca, ou seja, em um mundo hostil e perigoso, pelo menos na visão dela. Mais a coisa ficou feia e a menina entrou mesmo em choque. O Jony a todo instante tentava acalma-la. Não havia mesmo mais o que fazer. Estávamos longe de tudo, não havia outro socorro e então tivemos que apelar para o super rivotril, o amigo para as horas difíceis. Ela tomou o calmante e apagou e no outro dia acordou renovada. Ela sobreviveu. Quando perguntamos do que ela tinha medo, ela nos contou que o medo era da montanha. Ter medo da montanha é o primeiro passo para uma vida longa como montanhista (rsrsrsrsrsr).

 

20120901232515.jpg

20120901232609.jpg

20120901232707.jpg

20120901232801.jpg

20120901232921.jpg

20120901233020.jpg

20120901233115.jpg

20120901233215.jpg

20120901233315.jpg

20120901233437.jpg

O dia amanheceu realmente lindo. Tive uma noite espetacular, dormi tão bem que nem ouvi o Fábio roncar, ainda teve o fato de eu ter acordado fora da barraca, que havia sido montada em uma área íngreme e então fui escorregando, escorregando e acabei passando pela porta e fiquei apenas com a cabeça dentro da barraca. A primeira coisa que fiz quando me levantei foi pegar meu mapa topográfico e analisá-lo melhor, agora com luz natural e sem a correria da noite anterior. Vi logo de cara onde estava o erro: Deveríamos ter feito uma grande volta para a esquerda, praticamente se afastando da Pedra do Altar e não ter passado rente a Pedra. No fim acabamos foi dormindo em um lugar a uns 500 metros da trilha principal. Segui para a esquerda e fui galgando os morros até localizar a entrada do Vale das nascentes do Rio Aiuruoca. Voltei para o acampamento e agora mais tranquilo, fui tomar meu café junto aos meus companheiros. Desarmamos tudo, pegamos as mochilas e seguimos nosso caminho, mas em vez de tentar voltar para a trilha principal, fomos descendo pelo mato mais ralo, onde uma rampa nos levou direto para dentro do Vale, bem à beira do riacho e ali paramos para comemora nossa volta à trilha principal.

Estamos em uma das principais nascentes do Rio Aiuruoca, a trilha corre ao seu lado e é muito larga. Em poucos minutos de caminhada passamos por uma área plana e perfeita para acampar, justamente um dos locais que eu pensava em acampar na noite anterior. Alguns charcos são cruzados e logo surgem ao lado da trilha pequenas ripas de madeira pintadas de vermelho, marcações estas que vão nos acompanhar praticamente pelo resto da Caminhada. São marcações inúteis, já que a trilha está bem aberta e consolidada. Ao cruzarmos o rio, encontramos, para nossa surpresa, muito gelo acumulado nos barrancos, sinal que a temperatura foi baixíssima nesta madrugada. Mais uma vez o Rio Aiuruoca é cruzado, mas sem percebermos estávamos deixando-o para trás e nem vimos a trilha que poderia nos levar até a famosa cachoeira do Aiuruoca. Também não fiz muita questão de procurar a trilha, já que estávamos pra lá de atrasados. A nossa frente vai surgindo os OVOS DE GALINHA, formação rochosa deslumbrante. A trilha vai seguindo em nível e passa ao lado dos Ovos de Galinha, mas antes mesmo de fazer uma grande volta para a direita foi que percebemos que a trilha para a cachoeira havia ficado para trás e então tivemos que descer até o fundo do vale para abastecermos os nossos cantis. Retomamos nosso caminho até pararmos novamente em um dos ovos isolados, bem atrás da formação principal. O tempo está quente e não venta. A visão do Vale do Aiuruoca é realmente de encher os olhos. Minha vontade é de largar a mochila e escalar os Ovos de Galinha, mas logo me lembro de que estamos muito atrasados e então apresso meus companheiros e retomamos a caminhada, que vai subindo e ganhando altura lentamente até que alcançamos o selado, onde seria possível montar algumas barracas.

 

20120901233648.jpg

20120901233828.jpg

20120901233943.jpg

De cima do platô, o nosso horizonte se alargou muito. O pico do Papagaio e várias outras montanhas nos brindam com um espetáculo natural. A trilha segue para a esquerda e depois faz uma grande curva para a direita e nos joga na cara uma das paisagens mais lindas da travessia. Eu já havia ouvido falar muito da face oculta do pico das Agulhas Negras, mas nunca havia me passado pela cabeça se tratar de um lugar tão impressionante. A paisagem é ARREBATADORA, palavra que fiz questão de figurar como base do título deste relato. E é isso mesmo, um vale gigantesco, com um lago no meio e a cadeia de montanha das Agulhas negras que se erguem quase na vertical, tendo como bônus ainda a Asa de Hermes. Estamos no famoso VALE DOS DINOSSÁUROS, completamente arrebatados, desconsertados diante de tamanha beleza. Descemos depressa ao fundo do vale e paramos diante de um singelo riacho, não um riacho qualquer. Estamos bem na nascente do Rio Preto, o mesmo rio que vai cruzar pelos vilarejos de Maromba, Maringá e Mauá. Fizemos uma pausa longa e não poderia ser diferente, é um lugar mágico, uma sensação de total isolamento nos acomete, alguma coisa nos prende naquele lugar e ficamos largados la por muito tempo. A travessia nos chama novamente. Vamos seguindo vagarosamente, tomando como base à nossa frente uma grande lâmina de pedra que parece saltar de dentro da terra feito uma espinha dorsal de um grande dinossauro. Passamos pelo dinossauro e depois de escalá-lo para algumas fotos para posteridade, voltamos para a trilha que vai suavemente virando para a esquerda, chega a uma área de camping e se perde no bambuzal.

O que acontece nesta área de camping é que todo mundo passa reto e acaba entrando na mata e vai consolidando a trilha de tal forma que quase todo mundo acaba se perdendo por aqui. Mas é só prestar atenção, que logo se vê que a trilha passa pela direita do camping e segue sempre aberta e batida, logo à frente vai entrar em outra matinha e descer até o vale, que é cruzado por dois pequenos riachos e foi em um deles que estacionamos nossos esqueletos cansados, onde resolvemos fazer o nosso almoço, já era mais que hora. A nossa frente o Pico do Marimbondo ou Pico do Maromba (2.619 m), ao lado dele já era possível avistar as 4 ou 5 araucárias isoladas, que assinalam que o acampamento do Rancho Caído estava bem perto. Já são quase uma hora da tarde e o nosso estomago já grudou nas costelas. A Vera pede para fazer o almoço e só para nos esculhambar e se vingar da minha pessoas , ela resolve fazer um banquete, ( menina vingativa,rsrsrsrsrsr).Enquando o manjar dos deuses cozinhava, o nosso amigo Jony resolve tomar banho nas gélidas águas do riacho. Parecendo uma râ do planalto, o menino lutava desesperadamente com a Vera, que queria a qualquer custo jogá-lo nas profundezas do riacho, que não passava de meio metro. Por fim ele acabou entrando na água por meros alguns segundos e depois ficou arrotando para todo mundo que havia tomado banho. Sorte dele que os sapos flamenguinho não estavam em fase de acasalamento. Eu, que na Serra Fina já havia quase batido o record mundial , ficando 5 dias sem tomar banho, só perdendo para o D. João VI, não quis nem saber de água fria.

 

20120901234133.jpg

20120901234300.jpg

20120901234403.jpg

20120901234506.jpg

20120901234601.jpg

20120901234708.jpg

Passado mais de uma hora depois que resolvemos nos sentar à beira daquele riacho é que nos animamos a ir embora. Logo à frente cruzamos o segundo riacho e subimos o barranco enfrente, passamos pelo meio das araucárias e por incrível que pareça não encontramos qualquer vestígio do tal Rancho caído. Nenhuma placa, nenhuma trilha, nada. Essa seria a área de camping oficial do Parque nacional, destinada aos grupos que realizam a Travessia. Talvez a gente não tenha mesmo procurado direito, mas deveria pelo menos ter uma identificação oficial. Isso significa que as coisas no parque realmente mudaram muito pouco, organização não é o forte dos Parques Nacionais do Brasil. Sem encontrar o rancho, passamos mesmo batidos pelo local e vamos adentrando em um vale, mas logo à frente a trilha vira à direita, entra na mata e começa a subir e logo nivela e pouco tempo depois estamos no grande mirante, sentados e apreciando a paisagem que se descortina à nossa frente, onde os vilarejos já podem ser avistados. Ao longe a Pedra Selada parece marcar o ponto mais alto da região, aos nossos pés, florestas que não acabam mais.

Começamos a descer o famoso “mata cavalo”, um zigue-zague que nem faz jus a fama do lugar. E uma descidinha sem muito declive, pelo menos não igual as que nós estamos acostumados a enfrentar. Apenas uma hora é o tempo que levamos para descer e logo no fim da descida, encontramos uma área de camping e 50 metros depois um belo riacho nos molha a goela. Atravessamos o riacho e seguimos para a esquerda e vamos tendo ao nosso lado outro gigantesco vale. Logo a trilha vai se afastando do vale e tomando outro rumo. Chegamos a uma bifurcação com duas trilhas igualmente abertas. Paramos por um momento para decidir que rumo tomaríamos. A trilha enfrente deveria ser o caminho oficial da travessia, mas como sempre não havia qualquer placa ou indicação. Olhando no mapa vejo logo se tratar da trilha que vai sair no Vale das Cruzes, que é um caminho que nos levará entre o vilarejo de Maringá e Visconde de Mauá. A trilha da esquerda é a trilha que vai sair bem na famosa Cachoeira do Escorrega. Já que não conhecíamos nenhuma das trilhas, resolvemos pegar para a esquerda. Já era 17h30min e com certeza teríamos que atravessar toda a floresta no escuro. Realmente é uma trilha larga e muito consolidada que vai seguindo mata adentro. E’ uma mata de árvores gigantescas e por isso mesmo a noite chegou mais cedo. No início fui à frente sem lanterna, me guiando pelo faro. Vez ou outra, apesar de a trilha ser bem plana, acabo enfiando a canela em algum tronco caído. Até que em um ponto o caminho acaba sem aviso prévio. Esse era o meu medo, perder a trilha no meio da noite. Acendo a lanterna e vejo que sem mais nem menos a trilha foi desviada para a esquerda. Não tenho certeza, mas esta trilha interrompida deve provavelmente ser a trilha que vai sair La na cachoeira Véu de noivas, citada pelo Sergio Beck em uma das suas antigas revistas. Seguindo então uma fita que servia de marcação, pegamos para a esquerda e logo a trilha vai voltando ao seu rumo, ou seja, curvando-se de novo para a direita.

E’ uma delicia caminhar por essa trilha á noite. A Vera e o Fábio parece estarem se divertindo muito. E’ um misto de medo e contemplação, é a primeira vez que caminham à noite na mata. Estamos todos felizes e por incrível que parece a canseira parece que foi embora. Vamos cruzando vários rios de águas cristalinas. Por entre a floresta, uma lua espetacular despeja seu luar sobre nós e não demora muito chegamos a um lugar aberto, onde a trilha acaba em uma casa com uns cachorros barulhentos, mas extremamente mansos. São 19h00min e logo sai de dentro da casa um senhor muito educado, que nos indica o caminho a seguir. No escuro vou à frente e logo atolo meus pés na lama. Pra sacanear, não digo nada e vejo o Fábio atolar até o pescoço e recebo logo de presente um elogio para minha santa mãezinha (rsrsrsrsr). Andamos mais 1 km e desembocamos na porteira que da acesso a espetacular CACHOEIRA DO ESCORREGA, a principal atração destas redondezas. Chegamos ao fim da trilha. Tiramos uma clássica foto enfrente a placa da cachoeira e partimos pela estradinha asfaltada e logo passamos pela entrada do poção, que nem chegamos a visitar, já que a escuridão não nos deixava ver nada mesmo. As oito da noite adentramos no Vilarejo de Maromba, onde rolava um festival de inverno. Não preciso nem dizer que viramos atração turística no singelo vilarejo, com direito a pedido para fotos e tudo mais. Só faltaram nos perguntar onde foi que deixamos estacionada nossa nave espacial. E foi ali, enfrente a igrejinha de São Miguel, que nos juntamos para última e derradeira foto, marcando assim o encerramento da nossa travessia.

Vinte anos depois, concluo a clássica travessia da Serra da Mantiqueira que ainda me faltava. Melhor, tive o prazer e a honra da companhia destes fantásticos amigos, que como sempre, me aturaram em mais uma jornada pelos confins e submundo das montanhas e florestas deste incrível país. Vi um Fábio determinado, que mesmo acima do peso aguentou o tranco sem reclamar e provou que o impossível não existe no excursionismo, quando se tem vontade a gente vai e faz. Vi a Vera torcer o nariz para a cristalina e pura água do poço da Maromba e acabar a jornada tomando água do brejo. Com certeza essa Vera não é mais a mesma. E’ agora uma Vera transformada, contaminada pelo vírus que a muitos anos nos contaminou e que do qual não queremos nos curar nunca mais. O Jony, apesar de tê-lo conhecido há tão pouco tempo, já o considero como um irmão. E’ incrível como nos identificamos, alem do cara ser um artista como poucos e qualquer dia destes terei que entrar na fila para pegar autógrafo dele. E essa foi a nossa história da TRAVESSIA RUI BRAGA X REBOUÇAS-MAUÁ , clássica e arrebatadora.

Divanei Goes de Paula -= Agosto 2012

Fotos desta travessia:

 

20120901234845.jpg

20120901234937.jpg

20120901235026.jpg

20120901235142.jpg

20120901235247.jpg

20120901235354.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá Divanei!

 

 

Realmente, clássica e arrebatadora, tão arrebatadora quanto o belo relato, aliás como todos os que tenho lido de sua autoria. Vi e curti no Facebook, agora comento aqui...

 

Meu caro, como sempre os ingredientes do perrengue são excelentes: trilha clássica, aventuras, perigos, guias indo à m#[email protected], uns desvios fora do previsto, boas comidas, dormindo só com a cabeça dentro da barraca... Estranhei a novidade do Rivotril, meio insólito. Quer dizer que carrega uns comprimidos desses para os novatos que entram em pânico tomarem um "boa noite cinderela"? Conta aí direito essa história! Rsrs!

 

Tirando a brincadeira, fico triste em ver como nosso patrimônio histórico está abandonado em vários lugares e no PNI continua igual. Uma lástima.

 

Abração e parabéns pela pernada e pelo relato.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Getulio , Otávio, Rodrigo e Francisco,

Infelismente as fotos não refletem as belezas desta travessia. Também não tenho nenhuma esperança nas mudanças do Parque Nacional e escrevão aí, o primeiro imprevisto que acontecer por lá nas travessias , eles voltam a fechá-la. Só reabriram porque não co0nseguiram aguentar a pressão. Quanto ao rivotril, sou eu que tomo mesmo. Um imprevisto na vida me pegou aos 40 anos, mas já , já estarei me livrando dele,rsrsrsrsrsr.

20120904201537.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Salve Divanei!

 

[...] Quanto ao rivotril, sou eu que tomo mesmo. Um imprevisto na vida me pegou aos 40 anos, mas já , já estarei me livrando dele,rsrsrsrsrsr.

 

É só continuar neste teu ritmo de pernadas que com o ar da montanha logo logo supera isso! Força guerreiro!

Grande abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns Divanei por mais duas belas travessias e mais um ótimo relato. ::otemo::

 

"Mas os dias que estes homens passam nas montanhas, são os dias em que realmente vivem. Quando as cabeças se limpam das teias de aranha, e o sangue corre com força pelas veias. Quando os cinco sentidos recobram a vitalidade, e o homem completo se torna mais sensível, e então já pode ouvir as vozes da natureza, e ver as belezas que só estavam ao alcance dos mais ousados."

Reinhold Messner.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fala Divanei.

Que big relato hein. Parabéns.

 

Uma pena que vcs não pegaram aquele trecho entre o Macieiras e o Massenas durante o dia.

Tem um vale ali que possui um visual do caramba.

Veja a foto:

088-Panoramica-na-descida.jpg?et=ZA4%2Cf%2BhYPcAtzOezRMyvYA&nmid=353294030

Tem uma neblina forte porque passamos ali quase no final da tarde.

Do lado esquerdo da foto aparecem alguns escorregamentos de pedras enormes. É muito lindo.

A uns 20, 30 anos atras ali se iniciava a Trilha Reconter que terminava lá no Rancho Caído. Até na carta topográfica ela aparece anotada.

Tomara que o Parque reabra essa trilha agora. Com certeza eu não pensaria 2x em fazer essa travessia, pois tem um dos melhores visuais do Parque.

 

Por pouco quase que a gente se encontra lá sem querer hein.

No dia 21 pela manhã eu tava iniciando a caminhada ali no Rebouças, chegando por volta das 14:00 hrs lá no Rancho Caído.

O relato tá nesse link: clique aqui

 

Que coragem em tomar banho naqueles riachos que cruzam a trilha hein. A água é geladíssima. E que sorte vcs deram em ter um funcionario do PN lá no Rebouças. Ir e voltar até o Posto Marcão ia lhe tomar umas 2 hrs.

 

 

 

 

Abcs

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fala Franscisco, blz?

 

Obrigado pelo elogio, mas não sou tudo isso. ::otemo::::otemo::::otemo::::otemo::::otemo::::otemo::

O que eu faço é, o que na minha opinião muita gente deveria fazer.

Divulgar trilhas por onde a gente vai e colocar a maior quantidade de informações e dicas possíveis no relato.

A divulgação é para que a trilha não fique disponível p/ poucos.

Acho que esse é o intuito.

 

Todas as trilhas que fiz até hoje sempre posto o relato aqui. Algumas mais recentes estão lá no blog, porque não tenho tempo disponível p/ formatar e colocar aqui e depois ficar acompanhando as postagens.

 

Muita gente é contra isso, porque vc tá disponibilizando p/ todo tipo de público.

Até p/ aqueles que não respeitam a natureza e detonam a trilha.

Mas é um risco que temos de correr.

Mas lá no fundo mesmo, creio que talvez não seja só isso.

 

 

 

Valeu

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

E' Augusto,

Foi por pouco que não fizemos juntos esta travessia. Li o seu relato e também notei que esta caminhada estava engasgada. Como vocÊ disse, este era um dos elos que estava faltando na nossa vida de montanhinstas pela Mantiqueira. Claro que existem outras inúmeras caminhadas por esta Serra, mas a Rebouças -Mauá era a clássica das clássica que nos faltava. Compartilho com você e com os outros amigos de que o conhecimento deve ser repassado. Alguns nos criticam e dizem que escrevemos( em algum casos enforcando a lingua portuguesa) para alimentar o nosso ego, talvez até seja mesmo. Escrever os relatos nos faz bem. Estamos contando a nossa história e a dos que nos acompanham. O que seria da história do mundo se outros não resolvessem contá-la. Um dia destes encontrei um grupo fazendo uma trilha no litoral, carregando um dos meus relatos como guia, do mesmo geito que eu carrego os relatos de outros amigos aqui do mochileiros e de outros sites.E' o conhecimento sendo passado adiante e um dia talvez quando eu nem estiver mais por aqui, meus filhos ou meus netos poderão pegar estes documentos e refazer estas caminhadas e aí a missao estará mais que cumprida. Um abraqço a todos.

20120914172020.jpg

 

20120914172109.jpg

 

20120914172203.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por wjsuellen
      Após as férias de 2017 em Fernando de Noronha, decidimos que 2018 seria Cancun e região.
      Fiquei entrando no site "Melhores Destinos" e "Submarino Viagens" todos os dias até que em janeiro consegui passagem por R$ 1,950 por pessoa  para maio. Em pesquisas, cheguei a conclusão que os melhores meses são abril e maio.
                           Próximo da viagem o dólar começou a subir devido as guerras comerciais que Trump estava disposto a iniciar. Então fiz transferência usando o Western Union. Vi explicações na internet e fiz. Compensou bastante. Tem bastante pontos de saque.  Ficou 5,19 pesos para cada 1 real.
                           Não uso agências e dessa vez não foi diferente. Cobram tudo em dólar. Um chip de celular as agências estavam vendendo por 20 dólares. Minha mãe comprou um com 500 Megas de internet por 100 pesos direto na lojinha da Telcel. Tem lojinhas de celular na rua, o próprio vendedor configura tudo e vc já sai da loja conectado.
                          Alugamos um carro. Fiz a reserva em janeiro logo depois de comprar o vôo. Pagamos 179 dólares por 10 dias com o carro, já com os seguros básicos inclusos. Aluguei na Alamo pois ninguém tinha reclamado e era a melhor avaliada nas pesquisas que fiz. A gasolina tem praticamente o mesmo preço que a do Brasil (só para ter noção, o litro custa aproximadamente 1 dólar). Pagamos uma média de 17, 50 pesos por litro. Só vi duas empresas de postos de gasolina: a Pemex, deve ser tipo a Petrobrás, mas com monopólio pois a grande maioria dos postos eram dessa marca. E a La  gás, em bem menos quantidade..
                           Saímos de São Paulo às 09:45 com a Aeroméxico. Não tenho nada a me queixar. Assim que o avião subiu, serviram um café da manhã. Tinha pão com presunto e queijo, salada, bebidas depois serviram café com "crema y azucar". O entretenimento era bom, com filmes e telas individuais. Por volta das 13:00 nos serviram almoço. "Pasta ou Pollo?" Tinha macarrão (que estava maravilhoso) ou arroz com frango. Salada de frutas e bebidas. Serviram até vinho.
      Após 09:30 horas de vôo chegamos na cidade do Mexico. Tinha trocado 200 dólares para usar até que eu sacasse o dinheiro no Western Union, mas esqueci o dinheiro em casa. O marido trocou 100 reais. A cotação do aeroporto foi 4,50 pesos por 1 real.
                            Chegamos!!! Ufaaaaa. Meia noite estávamos com o carro na mão. Baixei dois aplicativos que funcionam offline. Um é o Here we go (meia boca mas quebrou o galho) e o Offline Maps (foi melhor que o outro). Você tem que baixar o mapa do México (não esquece, caso contrário não vai funcionar!) Ou a região de Cancun, que é o Sudeste do México.
      Alugamos um hotel basiquinho só para dormir. O Blue Coconut, pelo booking. Nos custou 506 pesos. Ah, um detalhe, viajamos em 3 adultos e uma criança de 5 anos. O hotel foi ótimo. Com estacionamento, limpinho e chuveiro muito bom.

      Dia 2: fizemos um passeio pela zona hoteleira, tiramos fotos nos letreiros na praia Langosta e Delfines, depois seguimos para Puerto Morelos. Cheia de sargaço. Tirou toda a beleza do lugar.  Depois seguimos para Playa Del Carmem. Ficamos de tarde na Punta Esmeralda. É uma pontinha de praia, onde brota agua doce, muito lindo, frequentado pelos locais. Lugar lindíssimo e não estava afetado pelos sargaços. Depois de um tempão alí fomos sacar a grana. Sacamos dentro da loja "Mega Playa Del Carmem Elektra". Lá dentro tem o Banco Azeteca. A loja tem estacionamento na parte de trás, entrada pela Avenida 30.
      A suite reservada pelo booking furou conosco. Não atenderam a campainha e nem o telefone. Kika Studio.  Cansados, cheios de areia e frustrados, fomos jantar no Walmart. Tem comida por quilo. E tem mesinhas. Jantamos e compramos coisas essenciais, como aguá. Tentamos mais uma vez o Studio. Mas nada! Partimos para Valladolid (se pronuncia Valládôlí). Encontramos uma pousada novinha e bonitinha: Las Mestizas. Calle 39, pertinho da praça principal e mais perto ainda da rodoviária.  Ótima, com estacionamento, chuveiro maravilhoso, cama bacana. Wifi bom tb. Por 600 pesos a diária.

      Dia 3: Seguimos para o sítio arqueológico EK Balam. Custa 211 pesos por pessoa. Lindo. É um lugar que vc "sente", pois pode tocar, pode subir nas construções, se sentir fazendo parte do local. Imaginando a época vivida. De lá rumamos para Las Coloradas de Yucatán. Que lugar inimaginável!!! A lagoa rosa. Antes era tudo livre, mas devido o aumento de turistas, começaram a surgir erosões ( as ruas que dividem as lagoas são de areia), lixo e as pessoas entravam na lagoa (não pode). Agora tem um portão e os guias cobram 50 pesos por pessoa. Assim o lugar não fica mais sujo, não estragam a estrada e ninguém mais entra na água e trás o desenvolvimento sustentável, dando renda aos locais. O preço é pequeno, 10 reais convertidos. Voltamos para Valladolid, fomos ao mercado Super Che, fizemos nossos lanches na pousada e fomos dormir. 
      Na cidade tem Burguer King e Subway.

      Dia 4: Passeamos pela cidade pela manhã. Depois rumamos para o Cenote Suytun, 8 km do centro de Valladolid. Custa 70 pesos com colete salva vidas incluso. Local lindo. Depois demos uma passadinha em Uayma. Uma igreja com arquitetura diferenciada. Linda mas despedaçada. Está sendo restaurada desde 2003 mas está extremamente degavar, acho que eles arrumam um tijolo por ano. Depois fomos para Izamal, a cidade amarela. Quanta lindeza. Me senti na Espanha. Passeamos de charrete por 150 pesos todos. 
      Rumamos para Pisté, para chegarmos cedinho em Chichen no dia seguinte. Dormimos na pousada Dolores Alba, com um quarto bem confortável e piscina aquecida maravilhosa. Por 900 pesos e café da manhã incluído (não alugamos pelo Booking, vacilamos, por isso pagamos mais caro. No Booking estava 30 reais mais barato).

      Dia 5: Depois de 5 minutos na estrada (a pousada é pertinho de Chichen), pagamos 30 pesos pelo estacionamento e 254 pesos por pessoa para o sítio arqueológico de Chichén Itzá. Dispensa comentários. Só indo mesmo. Lugar bacana para comprar lembracinhas, preços muito bons. Não aceite o primeiro preço, eles abaixam mais duas vezes. De lá fomos para o Cenote Ik Kil. Lindo lindo lindo. Custa 80 pesos mais 30 pesos pelo aluguel do colete. Recomendo que aluguem o colete. O cenote tem 50 metros de profundidade. Coloque o colete e curta a paisagem numa boa. Só relex. De lá fomos para Tulum. Ficamos no Hotel Sun Caribbean Divine por 754 pesos a diária. Foi o melhor quarto. Espaçoso, com poltronas, mesinha. Porém, sem estacionamento. O carro ficou na rua. Local tranquilo.

      Dia 6: Acordamos e fomos direto para as ruínas de Tulum. Se vc puder, chegue às 08:00h, quando abre o sítio arqueológico pois chegamos às 09:00h em ponto e já estava movimentado. Saímos exatamente às 10:35h e a rua de acesso parecia a 25 de março em vésperas de Natal!!! Fomos direto para a área de estacionamento. Tem vários estacionamentos, desde 50 a 180 pesos. No estacionamento nos ofereceram passeio de barco para contemplar as ruínas vistas do mar,  snorkelling nos arrecifes e para ver tartarugas. Tudo por 20 dólares ou 400 pesos por pessoa, com colete e snorkel inclusos, ainda ofereceram uma bebida de cortesia (água ou suco) e ducha após o passeio. Claro que fizemos o passeio e valeu SUPER a pena. Vimos tartarugas, as fotos em frente as ruinas ficaram lindas e os arrecifes tinham vários peixinhos. Mas antes, passeamos pelas ruínas. A entrada ao sítio de Tulum custa 70 pesos por pessoa. NÃO ESQUECER DE LEVAR REPELENTE, POIS TEM MUITO MUITO MUITO PERNILONGO.  Depois disso fomos para a Playa Maya, de onde saiu o passeio de barco. Na volta, tiramos umas fotos na Playa Paraíso e fomos embora. A praia está cheia de sargaço e nem dá vontade de ficar na água. O chato desse dia foi que durante o snorkelling a nossa câmera a prova dágua (uma Olympus que muito nos serviu) parou de funcionar. Depois vimos que entrou água, apesar  de estar vedada corretamente. Nem reclamamos. Temos ela por muitos anos, foram muitas fotos lindas, muita água salgada. Ela foi muito boa mesmo, enquanto durou. Então sabia que não teria fotos aquáticas dessa viagem!

      Dia 7: Primeiramente fomos para o Grand Cenote. O mais lindo de todos, vale os 180 pesos pagos para entrar. Tem parte aberta e tem caverna. Tem um túneo que você passa de um lado para o outro por dentro da caverna e não precisar mergulhar. Muito 10. Depois desse, nem quisemos mais conhecer o famoso Cenote dos Ojos. O Grand Cenote, para nós, foi super completo. Depois seguimos para a Laguna Kaan Luum. Um espetáculo da natureza. Ela é rasa porém no meio dela tem um cenote, que é de acesso proibido. O fundo da lagoa é de argila então a água é super azul. Custou 50 pesos para entrar. Não estava vazia como eu esperava. O povo vai para passar o dia, levam lanche e ficam lá. Passeio que super recomendo. De lá seguimos para Bacalar. Duas horas de estrada. Chegando em Bacalar, fomos almoçar no restaurante La Playta, que eu namorei bastante no face. Preço justo, comida ótima, pier com acesso para a lagoa. Imagens maravilhosas. O sol estava forte então a vista para a lagoa estava perfeita. Depois de comermos (gastamos 200 pesos por pessoa, uma bebida e um hambúrguer de camarão que vem acompanhado de fritas) pagamos a conta e fomos para o pier do restaurante nadar. O restaurante em sí é uma graça. O lugar é feito para você comer e ficar lá descansando, sem pressa nenhuma de ir embora. E assim fizemos. Depois fomos conhecer o forte e se hospedar. 
      Gente! Em Bacalar comemos Marquesitas, é tipo crepe. Mas é bom demais. Eles vendem em barraca, tipo barraca de hot dog, na rua. Não deixem de comer!!!

      Dia 8: Fomos procurar pelo passeio de barco pela lagoa. O preço é tabelado, 250 pesos por pessoa. Eles vendem em frente aos restaurante na lagoa. Passeio lindo lindo. Depois do passeio procuramos pelas Marquesitas, mas não encontramos.  Só vendem do final da tarde pela noite. Partimos rumo Cozumel. Atravessamos com o carro pelo ferry Boat Transcaribe, em Cálica (pertinho do Xcaret). Custou 500 pelo carro com todos os ocupantes.
       
      Dia 9: O dia começou com chatiação! Ficamos hospedados na Vila Flores em Cozumel. A estrutura do lugar é boa mas não tem estacionamento. Deixamos o carro na rua e amanheceu maldosamente  riscado. Com um prego ou algo do tipo, riscaram a porta do motorista. Fizeram 9 riscos profundos. Partimos para a Playa Palancar. A forma mais barata de você conhecer El Cielo (o principal atrativo de Cozumel). Na playa Palancar, ao lado do restaurante tem um quiosque que vende o passeio para El cielo e o arrecife Columbia, por 35 dólares por pessoa. Chegamos tinha acabado de partir um barco. O próximo  horário seria às 13:00h. Fomos passear, dar a volta na ilha - Nada de interessante para mim. Voltamos em Palancar às 12:40h mas ainda não tinha completado o mínimo de 6 pessoas para o barco sair. Quando o povo começou a chegar, caiu uma chuva torrencial. Brochei!!! Voltamos para o ferry para sair da ilha (mais 500 pesos). Definitivamente estávamos com azar em Cozumel. Para quem pretende ir, recomendo NÂO pernoitar em Cozumel. Pegue o ferry de passageiros logo cedo e alugue uma motinho - ou melhor, pois a volta a ilha não tem nada demais, compre o passeio assim que descer do barco. Tem o básico por 50 dólares ou um mais completo, que é all inclusive e para na playa Mia, por 70 dólares.

      Dia 10: Voltamos para Cancún. Agora iríamos curtir a zona hoteleira. Alugamos um apartamento no Booking por 3 dias. Chama-se "Departamento como en casa". Muito show. Tem tudo, é um apartamento montadinho, ar condicionado nos dois quartos e na sala, internet super boa, tv a cabo com muitos canais. O ônibus para a zona hoteleira passa em frente (R2-10) e na volta te deixa na porta do apartamento. A diária nos custou R$160,00 reais, uma pexincha por tudo que ofereceu e pela simpatia do proprietário. Tem piscina. Um taxi até a zona hoteleira por 100 a 120 pesos.

      Dia 11: Fomos conhecer o shopping La Isla. Coisas bonitas mas mais caro. É o tipo "pega turista". De lá fomos ao Mercado 28. Outro "pega turista". Eu sabia que o mercado 28 não é bom para compras, mas fomos conhecer.  E de fato. Meu esposo comprou uma camiseta da Seleção do México em Tulum por 170 pesos. Uma igualzinha, no mercado 28 estava 500 pesos (tudo falsa, claro! Porém bem feitas. Uma original estava 1.600 pesos). O vendedor baixou até 300. Meu esposo riu e fomos embora. De lá fomos ao Walmart. Um monte de gente comprando lembranças de Cancún no mercado. Por incrível que pareça, mais barato. Então os melhores lugares para lembrancinhas são: Chichén Itzá (lá dentro vc pode negociar e chegar a bons preços) e no Walmart. Dia de devolver o carro.... os riscos nos custaram R$ 380 reais.

      Dia 12: Playa Caracol. Ficamos curtindo a praia. Estava um sol bacana. Fui andando até o farol para tirar fotos. Os hotéis não podem te barrar, mas você tem que ir beirando a praia, não pode usar a estrutura deles. Em frente ao Hyatt Ziva, o segurança me abordou, perguntou onde eu ia. Disse que ia ao farol. Ele disse para eu ir beirando a praia e pediu para coletar uma foto no tablet. Segui em frente numa boa. 

      Dia 13: Choveu e ficamos de boa descansando pois o corpo pedia uma parada. A Noite fomos na Plaza de las Americas. Tem um shopping - Las Americas Cancun, se não me engano. Fomos de taxi e pagamos 40 pesos. Para voltar a mesma coisa.

      Dia 14: Fomos nos hospedar no Cancun Clipper Club. A 5 minutos a pé para a Playa Gaviotas. Não tinha datas suficientes para o apartamento, portanto tivemos que sair e resolvemos ficar pertinho da praia. Pagamos R$ 286 por dia para 3 adultos e uma criança. Devido à proximidade de tudo, da piscina e da comodidade, achei válido. A internet não vai ao quarto. Tem que ficar no Hall. O Chedraui que tem na esquina da pousada, tem comida no segundo andar.  Choveu de manhã mas a tarde o sol chegou forte. Ficamos na Playa Gaviotas curtindo até quase o sol se pôr.

      Dia 15: Fomos para a praia mas tinha muito sargaço. Voltamos para o Clipper Club e ficamos na piscina. De tarde, fomos comprar mais lembrancinhas no Chedraui. Minha mãe comprou algumas coisas nas lojinhas, mas tem que ter paciência para ficar negociando. Dia de fazer as malas. Tivemos que comprar uma para trazer as coisas que compramos. Praticamente tudo mais barato que o Brasil.  Pagamos R$ 200 reais em uma grandona, no shopping Das Americas. Na loja Del Sol. Foi um achado.  Neste dia, o aplicativo mostrou uma compra que eu não havia feito! Por sorte, foi 0,12 centavos da TelCel... sei lá como arrumaram o número do meu cartão. Na dúvida, e depois de muito custo consegui cancelar. Tive que ligar para o número 018001230 e pedir para fazerem a ligação numero 11 2197-4005. Assim consegui falar com o Santander e bloquear o cartão.
      A volta foi bem tranquila. As bagagens que despachamos chegaram...uffaaaa!
      Se planejada, a viagem não sai cara. Em comparação com Fernando de Noronha, duas semanas em Cancun saiu 2.500, 00 a mais que uma semana em Noronha. 
      Não nos interessou fazer os parques X (xcaret, xplor, xel há) pois o que tem lá, nós vimos tudo de forma natural. De todo o roteiro planejado, não consegui fazer El Cielo por conta da chuva e Isla Mulheres pois dia 13 choveu e dia 15 a praia estava cheia de sargaço, então não deu vontade de atravessar pois imaginamos que a Playa Norte tb deveria estar com sargaço. Mas o custo da travessia é U$ 19 dólares ida e volta por pessoa.
      Nosso gasto, tirando as passagens aéreas, foi em média de 450 reais por dia, incluindo TUDO (alimentação, hospedagens, lembrancinhas, aluguel do carro, gasolina).
      Ainda voltamos com 1000 pesos e 200  dólares.

       




















    • Por Nicollas Rangel
      Sempre quis sair da bolha e explorar um mundo que ia além da minha janela. Assim, embarquei em rumo à uma aventura com a mochila nas costas e fui vagar por um país vizinho, afim de me deliciar com o que a vida prepara pra gente.

      Enquanto me planejava, era questionado diversas vezes do porquê de ir à Bolivia; porque não para outro país “melhor”; o que fazer num país que não havia nada ou até mesmo se não havia outro país mais bacana mesmo com a moeda mais desvalorizadaem relação à nossa. Hoje vejo com mais clareza o preconceito e o estereótipo que ronda sobre a Bolívia, porém, no fundo, nada disso me importava.

      Sem nada reservado nem comprado com antecedência, adquiri a passagem aodesconhecido. Então, o sentimento de liberdade descomunal reinou.

      É libertador sentar ao lado de pessoas que nunca se tenha visto e as ver te ajudar com todo amor e disposição, cuidar de você como se fosse da família e escutar sobre suas histórias, seus romances, suas dificuldades, suas dores e – principalmente – seus sonhos. Entender sua história e sobretudo, deixar as ignorâncias e preconceitos de lado com essas experiências, mostra como, independente do canto do mundo, todo ser humano é igual. Sempre há um trauma, uma dor, uma necessidade de ser amado e de buscar a felicidade, da maneira que te faz bem.

      Ver o humano que existe dentro de cada uma destas pessoas, me fez ter a noção exata do espaço que eu ocupo neste vasto mundo e perceber o que é necessário carregar no peito e o que se deve deixar pra lá. Olhar pra dentro das pessoas é aprender ao mesmo tempo, sobre o outro e sobre si mesmo.

      A Bolívia é o país mais pobre da América do Sul e já seria evidente pelos perrengues e principalmente pelos aprendizados. A singeleza estampada no rosto das pessoas, nas roupas e no modo de viver é um choque de realidade absurdo e o aspecto que torna esse país rico é sem duvidas, a simplicidade com que se leva a vida.

      As barracas de pano, as tendas de sanduiche no meio das ruas, a infraestrutura básica, pessoas comendo sentadas na calçada, os ônibus velhos sem cinto de segurança, os táxis e micros – que se parecem teletransportados dos anos 60 – caindo aos pedaços ou os rostos queimados devido às altitudes elevadas e à falta de condições para comprar protetor solar. Percebi como nesse país se leva as coisas da maneira que se pode levar, sem status exacerbados ou superficialidades desnecessárias; simplesmente de uma forma singela de garantir o básico da vida: a felicidade e o bem estar.

      Uma das sensações que mais me atinge quando bate a saudade desse país e gente que amo, é a insignificância e o anonimato. No nosso microcosmo cotidiano, nos afogamos num pires com frequência. Nos sentimos perseguidos por coisas que, muitas vezes, não possuem sentido ou sem nem
      saber o que realmente nos persegue. Viajar sozinho para outro país, com um idioma que eu não dominava, uma cultura
      completamente oposta e um preparo – quase nulo – de mochileiro de primeira viagem, me fez enxergar melhor esses incômodos e me proporcionou a autopercepção de ser só mais um cara vagando por aí, buscando ser feliz e realizar os sonhos do coração, como todos os outros 7 bilhões.

      Caminhar sem rumo no meio de um deserto onde só se vê vulcões de um lado e mais paisagens surreais do outro; absorver a beleza do céu refletido no Salar; perambular sem destino pelas vielas de Sucre e nas ruas de La Paz; interiorizar o silêncio das montanhas ou a laucura das buzinas desenfreadas de Santa Cruz, além de ficar em uma rodoviária com 27 pessoas por metro quadrado; tudo isso me trouxe uma noção exata do espaço que eu – e meus problemas diários – ocupam nesse mundão: basicamente zero. Nada melhor.

      Essa passagem pela Bolívia me conectou com a essência que se via aprisionada pela padronização de ideias e costumes. Essência essa de viver apenas com o que é essencial, sem se importar tanto com que pensam sobre nós, sabendo que a sua vida é apenas sua.

      A não carregar julgamentos, preconceitos ou ignorâncias nas costas, e entender que todos somos seres humanos buscando as mesmas coisas em todos os lugares do mundo.

      A ser mais simples, porque existem pessoas que nem isso possuem; e tentar levar a vida de uma forma mais leve e simplificada, procurando sempre a melhor versão de mim e ter empatia pelo próximo: pessoas como nós.
      E enxergar que o que há de mais precioso no mundo, é o que existe no coração de cada um.

      Ali eu soube como queria viajar e de que maneira caminhar. A Bolívia foi o começo
      de tudo.
      - se alguém quiser coloco detalhes de roteiro, custos ou dicas















    • Por Denisedella
      Sou do sexo feminino e tenho 50 anos, resolvi ir à Itália, mas não queria ir com excursão, entrei várias vezes aqui nesse site e outros, fiz várias pesquisas de hospedarias e planejei meu roteiro....queria conhecer a Itália inteira. Me dei um prazo para encontrar uma companhia, foi até dezembro de 2009 porque meu projeto era para abril ou maio de 2010.
      Embarcamos dia 26/abril e chegamos dia 27na hora do almoço em Roma, ficamos (04 noites)
      hospedagem: Orsa Maggiore Roma, Via S.Francesco di Sales, nº 01 – com café da manhã – 52, 00 euros por noite
      28/abril – Coliseu – Museu Capitolino – Pathernon – Piazza Navona – Fontana de Trevi
      29 /abril – Vaticano – Basílica de S.Pedro
      30/abril – Via Apia e Catacumbas
      01/maio – manhã trem para Nápoles - Hotel Casanova - Via Venezia n°2 Corso Garibaldi n°333 – 45 euros o quarto com banheiro e duas camas, café da manhã incluido e portaria 24 hs.
      dia 02/maio de manhã pegamos o trem e fomos a Pompéia e Ercolano
      dia 03 Costa Amalfitana e/ou Ilha de Capri ( de barco )
       
      dia 04 de manhã fomos a Sorrento e por volta de 16 horas pegamos o trem a Bari
      Cosy Rox - Via Imbriani, 91 (Residencial) - 44,50 euros o quarto com banheiro e 2 camas, sem café da manhã, que não recomendo, porque o check inn é até as 17 horas em outro endereço, no nosso caso chegamos a Bari por volta de 23 horas, pedimos ajuda ao taxista que foi muito gentil e ligou, conversou com o gerente e finalmente veio nos atender.
      dia 05 pegamos o trem e visitamos Monopóli e Alberobello
      dia 06 pela manhã pegamos o trem em Bari com destino a Ancona
      Casa per Ferie Colle Sereno Via IV Novembre 78 Montemarciano (AN) – 50 euros O QUARTO COM 2 CAMAS E BANHEIRO, café da manhã incluido.
      dia 07 de manhã rumo à Perugia
      Albergo Anna - via dei Priori 48 – 70 euros quarto com 2 camas, café da manhã incluido, localizado no centro histórico de Perugia.
      dia 08 manhã fomos a Assis
      dia 09 pela manhã fomos à Arezzo
      Residence Le Corniole - Viale Michelangelo, 142 – 70 euros quarto com banheiro e duas camas, café da manhã, localizado no centro de Arezzo.
      dia 10 de manhã fomos a Cortona, e a tarde seguimos para Firenze
      Aramis - Via Nazionale 22 – 44,00 euros, quarto com banheiro, 2 camas, localização central de florença, também não recomendo, a gerente uma grossa e pilantra...não recomendo.
      dia 11 de manhã fomos a Pisa e a tarde à Lucca
      dia 12 de manhã fomos a S.Germiniano e a tarde a Sienna, final de tarde visitamos uma vinicola
      dia 13 ficamos andando por Firenze
      dia 14 de manhã seguimos a Bologna - Hotel Due Torri - Via Degli Usberti, 4 – 120 euros o quarto com banheiro e 2 camas , localizado no centro historico, fizemos passeio local
      dia 15 de manhã vamos a Verona - B&B Rigoletto - Via Amatore Sciesa, 9 – 50 euros por quarto c/ duas camas, localização centro histórico.
      dia 16 fomos à Veneza, passamos o dia.
      dia 17 fomos a Vicenza e Pádova
      dia 18 fomos ao Lago de Garda, na cidade Malcesine, fica bem no norte do Lago, tem um teleférico que nos leva ao alto dos Alpes, muita neve.
      dia 19 fomos a Bolzano e Trento.
      dia 20 de manhã seguimos para Genova Hotel Assarotti - Via Assarotti 40c – 75 euros o quarto com banheiro e 2 camas, café da manhã, localização central da cidade
      dia 21 fomos a Cinqueterre o dia inteiro
      dia 22 ficamos em Genova
      dia 23 fomos a Sta.Margherita e Portofino
      dia 24 de manhã seguimos para Milão
      Eurohotel - Via Sirtori, 24 - 70 euros quarto com 2 camas, banheiro, café da manhã, localidade central.
      dias 25 conhecemos Milão
      dia 26 voo às 07hs retorno a São Paulo
    • Por Breno Pessoa
      Tocam os sinos quando subimos a torre. Estamos no alto e apesar de já pisar solos veroneses há 2 dias, é a primeira vez que meus olhos se dão conta da sua magnitude. Difícil não entender o porquê Shakespeare se apaixonou por Verona e nos deu Romeu e Julieta, para nos transformar em românticos anônimos, perdidos pelo mundo.
       
      A Torre de Lamberti fica no centro da área turísitica e por já passar das 7 horas, embora o Sol insista em não se pôr, nos vemos apenas na companhia de dois alemães. Trocamos a gentileza de tirar fotos uns dos outros, me escapole un Danke Scheon, e logo ganhamos de novo as ruas. A memória do tocar dos sinos continuam a agredir os meu ouvidos, mas a beleza da cidade faz os meus olhos sorrirem.
       
      Uma cidade cercada, que teve muralhas levantadas na época da grande guerra e que conserva a sua história em cada detalhe. Encanta-me saber que a Ponte Pietra, destruída pelos alemães durante a guerra, teve os seus materiais originais resgatados do fundo do rio para ser reconstruída em 1957. Quem me conta isso é um senhor italiano, que apesar de saber que não falo a sua língua, insiste em contar-me sobre a cidade.
       
      O italiano é fácil de entender. Porém, é como um conversa sem volta. Troco para o espanhol e pronucio tudo de forma mais lenta e de repente há um papo meio esquisito entre duas pessoas que devem soar insanas para outros, mas nos entendemos e aprendo a usar este idioma na Itália e engaveto o inglês.
       
      Seguimos até a casa de Julieta. Há inúmeras cartas na parede, dos dois lados. O que pedem os apaixonados? Resisto a ler as cartas, tiramos fotos distantes, e sorrimos. Vemos a sacada, a estátua de Julieta e não resisto a tocar um dos seus seios. Dizem que este ato nos traz sorte. Do lado de dentro da casa, as minhas indagações floreiam. Há um escrito que diz que a casa é tida como a casa de Julieta Capuleto. Será real?
       
      Nos arredores, fica a casa de Romeu, que é propriedade privada. Nos limitamos a observá-la de fora e caminhamos para a tumba de Julieta, num belo casarão, decorado com esculturas e quadros. Hoje, requinto de cerimônias de casamentos. O ápice do romantismo, não?
       
      Há um poço repleto de moedas, para fazer pedidos. Pegamos as menores e a deixamos cair. Não falamos sobre os desejos, mas corremos para o hotel e nos vemos de repente prontos para a Ópera.
       
      É a nossa primeira vez. Na Europa, em julho, o Sol banha as cidades até quase as 10 horas da noite. O ar da Arena é quente e as pedras que a compõem, guardam o calor dos dias. Construída antes do Coliseu, é o cenário perfeito para a nossa estréia.
       
      Escolhemos a Ópera mais clássica, Aida, escrita há quase 200 anos e encenada na Arena há quase cem. Os meus olhos e ouvidos se encantam, por fim, em conjunto e deixo as indagações de lado, e assisto a um espetáculo sem igual. Porém, estamos muito cansados para os seus quatro atos e o calor nos faz querer dormir.
       
      O cair da noite torna a Arena um palco ainda mais espetacular e ao final caminhamos leves pelas ruas quase desertas de Verona, para que outro dia possa de novo ter fim.
       
      Breno Pessoa mora em Londres, trabalha como produtor de conteúdo para uma empresa de intercâmbio, e adora viajar.
       
       

      Verona do alto

      A Arena pouco antes do espetáculo

      Amiga fazendo um pedido
    • Por Ettiene
      Pessoal com idéia de retribuir todas as ajudas que recebi desse blog em minhas viagens vou descrever como foi nossa MARAVILHOSA viagem pra Roma de 18 a 22 de novembro de 2010.
       
      Chegamos em Roma no aeroporto de Ciampino, pegamos um ônibus que leva à estação Termini (a maior de metrô e trem), esses ônibus existem aos montes, pois o aeroporto é pequeno e distante do centro, e parece que não existem ônibus municipais por alí. Custou 4,00 por pessoa.
      Bom, chegamos com chuva, conforme a previsão do tempo que era de chuva pra toda nossa estadia na cidade!
      O hotel (Hotel Colors) foi uma ótima surpresa, com preço de hostel (60 euros/dia pro casal), era muito limpo, tudo novinho, quarto bonito, com TV e água mineral a vontade...além de um bom café da manhã incluído na diária (obrigada pela dica Andressa). Fica muito perto do Vaticano, desce na estação Otaviano.
      Largamos as coisas e fomos em busca de comida, já eram 20h.
      Encontramos uma Cantina bem típica, onde comemos a melhor pizza de nossa viagem, com uma jarra de vinho da casa...comparado com a França a preço de banana...!Depois da janta caminhamos até a Basílica de São Pedro, chovia fraco, e a visão da basílica com aquelas fontes iluminadas no silêncio da noite é de emocionar até os não católicos (como eu), foi emocionante mesmo, muita grandiosidade e beleza...e pensar em tudo que já aconteceu alí, pro bem e pro mal...o lugar tem seu "peso".
      Sexta acordamos cedo e partimos pro Foro Romano, Coliseu, Monumento a Vittorio Emanuele, Pantheon, Fontana di Trevi (meu lugar preferido junto com a Basílica de São Pedro) Piazza di Spagna e ufa...hotel!Foram 11h caminhando, porque entramos no Coliseu e no Foro Romano.DICA: comprar os ingressos no Foro romano, lá a fila é bem pequena e dá direito ao Coliseu tb.No Coliseu, pra fazer a rota ao contrário tem uma fila de horas...as pessoas enxergam o Coliseu e vão direto, sem olhar em volta!
      Sábado tinhamos entradas já compradas pela internet pro Museu do Vaticano, as 09h (isso nos fez evitar uma fila de 3 quadras). O Museu é lindo, antiguidades de 3 mil anos atrás, pinturas nos tetos e nas paredes de cair o queixo...e a Capela Sistina (não pode fotografar) que é lindíssima, mas a semi escuridão não permite ver tão bem as pinturas...
      De lá fomos pra fila pra entrar na Basílica de São Pedro, é de graça, mas a fila é tão grande quanto a do museu e do Coliseu, mas anda mais rápido. Ainda bem porque chovia o mundo!!!!
      A Capela é tão grandiosa que tu fica quinem uma formiguinha no meio daquelas obras de arte imensas...vale a pena!Vimos a Pietá de Michelangelo, é linda mesmo!
      Saimos da Capela com céu azul (foi sempre assim, chove/sol, sol/chove) e fomos ao Castel Sant Angelo (uma fortaleza dos papas construída no século II sobre os restos do mausoléo do imperador Adriano).Decidimos não pagar os 8 euros para entrar, pois já tinhamos ido a muitos museus.
      De lá pra Piazza Navona, uma das muitas praças de Roma, que na verdade são alargamentos das ruas com estátuas e fontes no meio, cercadas por restaurantes e lojas.Ainda percorremos toda a Via Veneto, com muitas lojas e restaurantes chiques. Comemos um tremezino com vinho (eu) e cerveja (Dani) e finalmente...hotel!
      Domingo era o dia de ir à Ercolano, mas a possibilidade de chuva e as 6 horas que iamos passar viajando ao todo nos desanimaram, também já estavamos cansados de museus...
      Fomos então ao Mercati de Porta Portense, um mercado de pulgas enorme, no bairro de Trastevere. Compramos quinquilharias e lembracinhas!Funciona todo domingo das 08-14h e é lotado de turistas.Olhem bem a carteira
      De lá pro Campo di Fiori e pro Pantheon novamente, pq quando fomos a primeira vez estava tão lotado que não pegamos a moral do lugar direito e pra Fontana do Trevi dar tchau pra ela tomando um sorvetinho (clássico).
      Um risoto e uma pizza num restaurante perto do Vaticano, e mais uma visita a Praça São Pedro à noite deram nosso até mais à Roma (não foi um adeus pq jogamos a moedinha na Fontana di Trevi)!!!
      Que bom que todos os caminhos levam à Roma!!!!!!!!!!!
×