Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Mochileiro Peregrino

Ascensão ao vulcão mais ativo da América do Sul - Tungurahua em erupção !

Posts Recomendados

ATENÇÃO : De maneira alguma estou incentivando pessoas a escalarem o vulcão tungurahua, seu acesso é restrito por ser um vulcão ativo, e em processo de erupção as chances de se escapar com vida são minimas, esse breve relato tem apenas o intuito de descrever minha experiência em vulcão em erupção ! Ainda alerto que diversas pessoas já perderam suas vidas o escalando, e um dos motivos é que muitas delas foram atingidas por ataques piroclásticos. Procure orientação antes de qualquer atividade.

 

Para um maior aproveitamento do conteúdo aqui apresentado aconselho o tópico :arrow:

 

dicas-como-escalar-e-visitar-vulcoes-ativos-ao-redor-do-mundo-t71678.html

 

FICHA TÉCNICA

 

Nome : Tungurahua.

Status : Ativo - Considerado o vulcão mais ativo da América do Sul, sendo um dos mais ativos do mundo.

Localização: Ecuador - Baños.

Altitude : 5020 m.

Época de visitação : Nada consta - clima váriavel.

Clima : De altitude, com gelo apenas no cume. Atento apenas ao detalhe das chuvas e névoas.

Como visitar ? Na cidade Baños existem mirantes para 'mirar' tungurahua.

Quando entra em erupção ? Nada consta. Não existe tecnologia capaz de prever erupções em vulcões com antecedencia. Obs: A técnologia mais moderna prevê com 30 secundos de antecedência.*

Como chegar ? Em Quito - Ecuador, pegue um ônibus para Baños no terminal sur( terminal quitumbe ). Do aeroporto até o terminal um taxi custa cerca de 8 dólares. Do terminal até Baños são cerca de 4 horas de Onibus. *3,50 dólares. Ou cerca de 3 horas de taxi. Cerca de 80/100 dólares.

Hostel recomendado em Baños : Erupción Hostel & Restaurant - http://www.hostalerupcion.com Calle Ambato & Tomas Halflants

Desayuno : Rico Pan > com cerca de 3 dólares é possível ter um excelente café da manhã. Existem diversas opções de desayunos no Rico Pan. ( no hostel serve desayuno*)

 

Final de ano, passagens marcadas para Guatemala. Ops, Guatemala ? Sim, exatamente. Acontece que meu vôo era pra Guatemala, meu destino era pra ser os vulcões Santiaguito, Fuego e Pacaya. Mas em cima da hora cancelei o vôo e comprei passagens para o Ecuador.

 

Tungurahua estava sendo noticia no mundo todo, pois tinha se ativado com extrema fúria. Um dos vulcões mais temidos no mundo, um verdadeiro desafio para vulcanólogos e aventureiros dos mais extremos. Cerca de 30 pessoas perderam suas vidas tentando percorrer seu terreno em erupção. Sua altitude e terreno de dificil acesso torna este "gigante negro" um dos vulcões mais respeitados em nosso planeta.

 

Ainda no Brasil ... Compro 500 dólares na casa de câmbio, acontece que quando foram me entregar os 500 dólares me entregaram foram 1 mil euros. Mas devolvi todo o dinheiro e sai com os meus 500 dólares 'limpinhos".

 

Como eu tinha comprado a passagem em cima da hora para o Ecuador ( comprei a passagem no mesmo dia, com poucas horas de antecedencia ) eu precisava 'voar" para o aeroporto. Conclusão, 100, 140km por hora a caminho do aeroporto a bordo de um taxi. Talvez pensem " taxi' ? Deixo um 'conselho" aqui para quem pretende "investir" no mundo aventureiro de erupções vulcânicas. Vocês podem estar prestes a presenciar o maior poder de destruição do nosso planeta, mas pode ter um valor financeiro alto, bem alto. Taxi, corridas com 4x4, vôos marcados em cima da hora, 'cafés", ou até mesmo frete de helicóptero podem fazer parte da jornada.

 

Mas porque tudo isso? Simples... Tempo, é uma corrida contra o tempo erupções vulcânicas. Se um vulcão entra em erupção agora no chile por exemplo, imaginem o gasto para se estar lá neste momento. Enfim, não entrarei muito nesses detalhes agora.

 

O vôo para o Ecuador faz escala na Colômbia, aliás não sei o que a narcótico vê em mim que sempre sou barrado. Talvez seja a barba por fazer a bandana e a cara de inocente. Chego no Ecuador dia 25 de dezembro, e a conclusão é que tive que pegar um taxi para Baños ao invéz de um ônibus. Mas eu não precisava de um taxi "comum", eu precisava de um taxi "malandro'. Eu tinha que ganhar tempo a todo custo. Digamos que meu "instinto das ruas" escolheu o melhor "taxi malandro" disponível no local. Corrida combinada e partimos ...

 

Não deu meia hora e a policia mandou encostar e "cana" ... Não sei bem o motivo pelo qual fomos barrados, assim posso dizer, só sei que teve uma discussão feia. Eu pouco me importei, continuei com o mesmo taxicista que foi liberado rapidamente depois de uma "conversa" com um policial. Considero que fiz a escolha certa, o taxicista era bom no volante, sabia o que estava fazendo, mesmo estando errado.

Chego a Baños muito rápido e sigo para o hostel, pego algumas informações e logo em seguida faço um passeio pela cidade percorrendo algumas ruas. Em 2011 eu já tinha estado em Baños, e já tinha tentando fazer uma ascensão ao Tungurahua. Em minha sincera opnião esta cidade é charmosa, até mesmo romântica.

 

Compro minhas provisões para 3 dias, no máximo 5 dias se eu racionar. Antes da noite chegar 'faço' minha mochila e deixo parte das minhas coisas no hostel guardadas. Eu não me dou bem com os chuveiros do Ecuador, acontece que a água tem que ser "temperada", uma é fria, outra é quente. Ou eu deixo fria como água de geladeira, ou quente o suficiente para fazer um café expresso em segundos. Eu nunca acerto, demoro um bom tempo para fazer este tal ' tempero".

 

1º DIA

O dia amanhece, combinei por 15 dólares uma caminhonete 4x4 para me pegar no hostel e me levar até a oficina abandonada do tungurahua em Pondoa, inicio do trekking. A trilha se incia em uma estrada a caminho de Pondoa, todos sabem onde se localiza, não tem erros pois a caminhonete me deixa exatamente no começo da trilha, onde fica uma 'oficina" abandonada do Tungurahua. Desde que Tungurahua se ativou novamente em 1999, suas instalações foram abandonadas e sua ascensão desde então é proibida por motivos de segurança.

O tempo está nublado e chuvoso, uma curiosidade é que as 3 últimas erupções de Tungurahua o clima ficou assim, e por incrivel que pareça o vulcão entrou em erupção por volta do final e meio do ano ( jun/jul - nov/dez/jan ). Devido as chuvas a caminhonete mesmo sendo 4x4 teve dificuldades em subir. Pondoa está a 2650m de altitude, a oficina abandonada está a 2886m de altitude. Sem muitas dificuldades chego ao meu destino combinado com o homem da caminhonete, rapidamente nos despedimos e parto em direção ao refúgio. São cerca de 3 horas de caminhada em meio a uma trilha muito bem marcada até o refúgio que se localiza há 3800 m de altitude.

O caminho é percorrido em meio a mata e lama, é impossível se perder nesta trilha, navegação nao será problema, mas o cansaço fisíco é real, o tempo todo estou subindo e ganhando altitude, é um caminho exaustivo em meio há um verde incrível. Demorei cerca de 4 horas devido ao peso que carrego, inclusive água, pois é fundamental carregar água potável, pois mesmo em meio há todo esse verde, onde eu quero ir não há água.

 

20130104124757.jpg

 

20130104125456.JPG

 

Pelo caminho é possível sentir as explosões e tremores, chego por volta das 14:30hs ao refúgio em meio a chuva e neblina. Cerca de 10 minutos antes de chegar ao refúgio nuvens aceleradas vão em direção ao cume, eu já estive no Tungurahua antes e embora eu não pudesse disser o que estava acontecendo eu sabia que Tungurahua estava "aprontando" alguma. Pois as nuvens estavam acelerando demais em direção ao seu cume, foi então que Tungurahua me da as boas vindas com suas explosões gigantescas e logo em seguida fortes chuvas e ventanias tomam contam do local. Fico praticamente preso no refúgio devido ao vento, chuva e névoa. O refúgio está abandonado e desde 1999 no recebe manutenção alguma, mas a real possibilidade de abrigo é nitida, considero uma verdadeira benção um refúgio a esta altura do campeonato e assim faria desse refúgio meu lar por 5 dias consecutivos. Atento que existem 2 refúgios, o primeiro se localiza ao lado direito da trilha e está completamente destruído pelas explosões do vulcão, deve - se seguir mais adiante por volta de 10 minutos de caminhada até alcançar o final da trilha e o refúgio desejado.

Tungurahua tem mesmo um poder incrivel, mesmo minha visibilidade sendo praticamente zero, escuto nitidamente as rochas sendo arremessadas de sua cratera e as dezenas de explosões que estão ocorrendo, pela noite o vento reina absolutamente sobre a inóspita paisagem vulcânica.

 

20130104131945.JPG

 

20130104132102.JPG

2º DIA

 

Minha primeira noite no refúgio foi 'tranquila", acordo no dia seguinte com as fortes explosões do Tungurahua, pois entre as 6 hs e as 9hs da manhã o vulcão demonstrava sua fúria e sua força. O clima está péssimo, a fina chuva e a densa neblina me faz ficar "preso' no refúgio, não tenho visibilidade alguma se quer. A densa névoa entra por entre os vãos da parede de madeira e pelas janelas quebradas deixando até mesmo o meu lar frio. Daquele momento em diante estava mais do que certo que eu enfrentaria sérios problemas com o clima.

Passo maior parte do tempo dentro do meu saco de dormir, mas por volta das 12 hs um frances de 53 anos aparece no refúgio, assim que escuto seus passos e seus movimentos dentro do abrigo rapidamente me levanto e vou de encontro a este homem, ele estava com frio e molhado então rapidamente ascendo um fogo e preparo uma bebida quente, o ajudo com suas vestes e o alimento. Ele me pergunta se falo frances, e ao mesmo tempo eu pergunto se ele fala espanhol, o ar quente das nossas bocas entra em choque com o frio fazendo muita fumaça. Nós demos risadas.

 

Nossa comunicação era por mimica e algum espanhol de ambas as partes, o frances era animado e tinha bom humor, mesmo não dominando o idioma um do outro passamos todo o tempo conversando e trocando experiências. Stephane era seu nome, professor de matemática em universidade, já tinha realizado ascensões em outros vulcões ao redor do mundo, e até mesmo no tungurahua em anos anteriores, era de fato um homem que eu precisava conhecer. Quando perguntei para ele qual vulcão mais ativo que ele já visitou, ele deu risada e ficou com uma cara assustada, mas me alegrei muito quando escutei o barulho de sua jaqueta se movimentando e os pingos de agua caindo no chão quando rapidamente ele apontou para o cume do Tungurahua. Aquele momento passou em camêra lenta pelos meus olhos fazendo com que o meu coração dispara se um pouco de tanta emoção e adrenalina.

 

Eu deveria retornar em 3 dias para o hostel onde Henry Aldaz me aguardava, Henry me ajudou com informções preciosas sobre o vulcão, e como possui um hostel em Baños fiquei hospedado em sua habitação. Mas eu não consiguiria retornar no tempo previsto devido ao tempo. Então pedi para Stephane entregar um bilhete meu a Henry.

 

20130105122145.jpg

 

Então por volta das 15 hs em meio a neblina o francês tomou seu rumo em direção ha cidade, me disse que o recado seria entregue com segurança, me desejando sorte e me parabenizando pela determinção assim ele me deixa, mas antes me deixou alguns mantimentos extras que possuia. O que me ajudaria nos próximos dias.

Logo depois da sua partida pequenas "janelas" de tempo começaram a surgir, aos poucos o azul tomava conta do céu mesclando - se com o branco da névoa e o cinza das explosões, o cume permanceu fechado o tempo todo. Por volta das 18 hs fortes explosões arrebentavam a paisagem, aos poucos observei algo que de fato me deixou surpreso, digo mais, muito surpreso. O que cobria o cume não eram nuvens, era uma densa camada de cinzas e uma densa "nuvem de fumaça" cinza e tenebrosa cobria Tungurahua. O vento que sopra do leste sem parar levava boa parte da coluna de fumaça para o oeste, porém a densidade era tão grande que pairava sobre o cume, e como Tungurahua explodia sem parar, o céu nunca permanecia limpo e azul, pois havia toneladas de depósitos vulcânicos pairando no ar. Uma imagem assustadora. Observei atentamente o vulcão com essa densa camada cinza por cerca de 1 hora, eu fiquei tomando anotações do vento e dos intervalos das explosões, fundamental para minha investida rumo ao cume.

 

Quando a noite caiu, minha visão foi bloqueada pelas cinzas, porém estava animado pois o céu estava lindo com poucas nuvens e a lua me acompanharia por toda a noite gélida regada ao som das explosões de Tungurahua.

 

20130105124354.JPG

 

20130105124555.JPG

 

3º DIA

 

Novamente acordo com as explosões por volta das 6 hs e assim prosseguiu até as 9:30hs, estou chateado, pois o clima está péssimo e o tempo é o pior de todos até o momento. Não pe possivel sair do refúgio devido a forte chuva e visibilidade zero, o vento esta cada vez mais forte e gélido. Espero que o céu se abra a tarde assim como abriu no dia anterior. Meio dia e nada do tempo melhorar, não será um dia muito alegre eu creio.

 

AS 13:30 hs uma forte explosão ocorre, a mais forte até o momento, com o barulho das fortes explosões e com o som de rochas rolando do cume, fico imaginando o que está acontecendo lá em cima. Mas eu imaginava, pois eu já tinah visto Tungurahua em fúria em 2011. Eu sabia que colunas de fumaça gigantescas e ataques piroclásticos estavam ocorrendo naquele momento, assim como também sabia que uma aproximação me significaria a morte com toda a certeza.

A tarde realemnte vai caindo e continuo com visibilidade zero preso na névoa e na chuva ...

 

Um breve silêncio por voltas das 16:20 hs, um atrégua talvez. Eu estava sentado tranquilamente pensando e meditando, quando de repente ... meu corpo se levantou do chão, meus dentes baterão um no outro e minha barriga doeu. uma gigantesca explosão tinha acontecido, senti meu corpo todo tremer assim como tudo ao meu redor começou a vibrar fortemente. Era Tungurahua me "seduzindo' com sua fúria e beleza em meio ao frio e a cinzas.

 

Eu estava a poucos metros de cada explosão e mesmo sem poder ver absolutamente nada, eu poderia sentir na pele cada tremor, cada explosão ecoava por todo meu corpo. E foi assim o dia todo e grande parte da noite.

4ºDIA

 

Pela madrugada escuto um dos barulhos mais fortes que um vulcão pode produzir. O temido "tiro de canhão" ... Assustador, ensurdecedor, capaz de ser ouvido por quilometros de distância. Um som digno de 'cenário de guerra", é possível sentir a vibracão do som no ar.

Como de costume Tungurahua mantinha fortes explosões pela manhã e dessa vez nao era diferente, por voltas das 6 hs acordo novamente em meio as explosões mas dessa vez junto ao canto dos passáros. Dia chuvoso, visibilidade zero como de costume, confesso que estava chateado, com o tempo assim se torna impossivel uma aproximação e pelo visto minha última esperança é a tarde, quando pode ocorrer alguma "janela de tempo' e me usufruir dela.

 

Acontece que preso dentro do refúgio, eu estava ficando 'enjoado" de não ter quase nada para fazer, eu varri o refúgio, concertei algumas janelas, limpei boa parte do espaço interno, li todas as embalagens de produtos que tinha levado como mantimentos, e passava boa parte do tempo dentro do meu saco de dormir poupando energia. Não estava tão frio assim, porém com meu corpo praticamente parado, uma temperatura em torno de 0 graus fazia eu sentir um frio tremendo, e sem nada para fazer eu cochilava bao parte do tempo e aguardava pacientemente a hora exata.

 

Fiz até mesmo um 'refletor de luz e calor a velas' com a embalagem de batata, e ficou bom, funcionou muito bem.

 

20130106010333.JPG

 

Invenções e destrações a parte, para o tempo piorar só nevando. Dizem que a esperança é a última que morre e minha determinação ainda era forte mas estou começando a acreditar que Tungurahua está tímido ou que ele não vai com minha cara. Pois agora eu vejo as nuvens se abrirem e os raios de sol tocarem o chão em toda a paisagem, menos onde eu quero em direção ao cume, pois o mesmo permanece completemente escuro e cinzento.

 

Se eu subir nessas condições eu considero 45% de chances de ser atingido por ataques piroclásticos ou alguma explosão, 45% de chances de ficar perdido em suaescuridão cinzenta e me perder de vez, e 10 % de cair em algum abismo. Era tolice demais prosseguir nessas condições, até mesmo a minha mais alta determinação me levaria a morte.

 

Vulcões em erupção é considerado por muitos a última palavra em aventura, poucas pessoas se arriscam e estão dispostas a submeterem suas vidas em tal terreno. Pois em um terreno tão hostil não é fácil perder a vida. aliás é a coisa mais fácil que pode ocorrer.

 

Eis que Deus atende meu pedido, ou Tungurahua estava brincando comigo dessa vez ?

De repente rapidamente o clima começa a mudar, e avisto Tungurahua e suas paredes com gelo ! Gelo ? Isso mesmo, Taungurahua é coroado com gelo.

Eu não vou entrar em detalhes sobre a questão "gelo' em vulcões em erupçaõ, mas acreditem vulcões também expelem gelo de suas crateras.

 

20130106012349.JPG

 

Meus olhos brilharam, meu coração acelerou confesso, porém da mesma maneira que o céu se abria ele se fechava ao mesmo tempo, diversas vezes abrindo e fechando, abrindo e fechando até que uma fina camada de nuvem como se fosse um véu de uma noiva ou de uma dançarina o cobria misteriosamente. Fiquei completamente seduzido por entre o véu e o vulcão. Então assim permaneci calado, paralizado pela "sedução" de Tungurahua.

 

Eis que o "véu" caiu ... Chegou a hora !

 

Enfim, depois de tanta espera eu avistei o que tanto desejava, as incríveis explosões do Tungurahua o " GIGANTE NEGRO ". Gigante por seus 5020 mts, negro pela sua paisagem inóspita e hostil. Um sinal claro de bom tempo me foi enviado, e tinha nome ... Chimborazo, eu o avistei em meio ao céu amarelado do oeste. Ainda com algumas nuvens em seu cume, mas em breve Chimborazo e seus 6267 mts de altitude ficaria tão nitído que eu avistaria seu eterno cume coroado com gelo.

 

20130106012717.JPG

 

20130106013057.JPG

 

Parto com minha mochila de ataque o mais leve possível, pois agilidade seria um quisito minímo exigido por Tungurahua em meio a suas explosões.

Caminho por entre pedras e poeira negra em direção a suas paredes com gelo, mas agora é tudo diferente, com o céu praticamente todo azul, eu não somente escuto e sinto as explosões, eu as viejo, e de fato são poderosas, de força e fúria, de cores acinzentadas e negras, de tamanhos e formas váriaveis. Este era Tungurahua.

Entre a escuridão acinzentada e em meio a ataques piroclásticoas ainda a uma distância segura eu caminho lentamente, sinto as pedras do chão se levantarem a cada explosão, o chão tremendo por completo e o cinza se mesclando com o negro. Esse era o caminho trilhado escolhido por mim.

 

20130106015402.jpg

 

20130106015448.jpg

 

20130106015609.jpg

 

Como tinha observado nos dias anteriores, o vento sempre soprava do leste em direção a oeste, as explosões ocorriam durante o dia todo, mas pela manhã e pela tarde eram muito violentas. Atravéz de um contato obtive a informação que as explosões ocorriam no intervalo de 1 hora, mas que durante essa 1 hora, haveria extrema fúria de Tungurahua. Eu não somente estava em um vulcão em erupção como também estava no momento mais explosivo dele, e como se não fosse o suficiente, o nível de alerta do vulcão era laranja, acima desse nível apenas o vermelho. Vulcanologos e cientistas tanto do ecuador como de toda parte do mundo observavam Tungurahua com extrema cautela, pois segundo os mesmos Tungurahua estava 'diferente", não era apenas mais um ciclo de explosões do Gigante Negro, o comportamento do vulcão estava bem diferente dos últimos anos e processos eruptivos, eu estava de frente com Tungurahua em um dos seus processos de erupção mais violentos de todos os anos.

 

20130106133710.jpg

 

20130106134007.jpg

 

Próximo as paredes onde as rochas se mesclam com o gelo o frio e o vento se tornam cada vez mais presentes, "furar' esta "segurança' não será missão fácil, minha máscara para gases está de imediata disposição para uma possível fuga caso algo aconteça.

 

É em situações como me encontro agora é que penso em um dos techos do livro que escrevi .... "Grandes feitos não serão obtidos pela razão e sim pela nossa capacidade de acreditar que sim, é possivel. Muitos morrerão realizando seus sonhos e outros viverão sonhando, aí está a diferença entre o querer e o fazer."

 

Com as explosões e tremores cada vez cada vez mais fortes é hora de pensar rápido e saber o que exatamente o que fazer. Eu não consiguiria me aproximar mais com tal intensidade e atividade vulcânica, seria como ir abraçar a morte. Então em meio ao frio e vento atentamente fiquei observando as explosões e ataques piroclásticos do vulcão. Confesso que é uma sensação completamente diferente de tudo o que se possa imaginar ou viver na vida, as colunas de fumaça de levantando e seus movimentos e formas são extremamentes curiosos, a fumaça de coloração cinza a negra se envolve entre ela mesmo em movimentos circulares.

 

20130106141318.jpg

 

20130106141358.jpg

 

20130106141437.jpg

 

O caminho até aqui não exige grande navegação terrestre, pois eh 'fácil" atingir as paredes citadas anteriormente cobertas de gelo, atento apenas ao fator altitude, e é sempre bom reelembrar. Velocidade aqui é importante e correr a cerca de 5 mil mts de altitude não é nada fácil, assim como também pode ser desafiador permanecer praticamente imóvel por um longo período em temperaturas frias e com rajadas de vento.

Em questão de medidas de segurança, todas elas já foram quebradas e deixo a critério de cada um.

 

Com minha coragem ou loucura ( já que cada pessoa chama de um nome ) eu estava de fato indo além do que eu deveria ir, completamente seduzido pelo vulcão que me puxava em direção a sua crátera. Mais tarde eu descobriria que eu era um dos únicos seres humanos que tinha consiguido me aproximar de Tungurahua em erupção e regressar com vida, cerca de 30 pessoas já perderam suas vidas em situações similares e com atividades vulcânicas menos intensas.

 

20130106142359.jpg

 

20130106142437.jpg

 

20130106142522.jpg

 

Acho importante alertar sobre o uso de GPS, o sinal é claro com margem de erro de apenas 3 mts, algumas variações sem significancia perante algumas nuvens no céu. Porém com a densa fumaça que sai da crátera a margem de erro pula de 3 mts para 44 mts imediatamente, isso pode ser um verdadeiro desastre, pois mesmo com a rota/tracklog já gravados no GPS seria praticamente impossível percorre la com precisão, Tungurahua possui algumas inclinações cuja as quais ja tiraram vidas.

O céu está azul e bem profundo, é possível até mesmo sentir calor. As pessoas costumam me pedir para meditar e orar por elas, e assim foi feito naquele momento. Ficar em harmonia em tal terreno considero algo extremamente desafiador e harmonioso, exige bem mais do que técninca, exige algo que parte de dentro de cada um de nós.

 

Lentamente as explosões acabam, o azul do céu escurece um pouco, o vento diminui até silenciar completamente. Não é possível escutar absolutamente nada, o silêncio é extremo e assim permaneceu por alguns minutos ...

Era mais fácil escutar o abrir e fechar dos meus olhos doq ue qualquer outro som, tinha algo "errado", algoq ue acredito que todos nós sabemos é que quando a natureza está em silêncio algo está acontecendo ou está para acontecer.

 

Lentamente começo a caminhar, e em frações de segundos sem aviso e silenciosamente Tungurahua me derruba no chão com uma explosão extremamente forte e gigante, passados as frações de segundos o som de sua explosão foi incrível ... Tungurahua novamente me demonstra sua fúria perante meus olhos, meu corpo foi praticamente arremessado no chão com o impacto e tremor da explosão.

Mas o que fez dessa explosão ser diferente ? Fora a força o silêncio, não é comum esse tipo de comportamento, antes do som da explosão eu avistei em frações de segundos a densa fumaça negra saindo da cráteram, isso tudo em um extremo silêncio.

Eu arrepio só de lembrar desse momento, do meu corpo no chão, do meu corpo tremendo com a vibração no solo e do meu coração feliz. Em menos de 3 secundos o céu foi completamente coberto pela escuridão negra e cinzenta, o azul se tornou cinza, as sombras dominavam e nem mesmo o sol foi capaz de atravessar a escuridão de Tungurahua. Este é de fato o GIGANTE NEGRO.

 

20130106150050.jpg

 

20130106150159.jpg

 

Considero dessa vez o meu feito uma verdadeira aventura, mas antes de finalizar este dia eu gostaria de estar compartilhando uma foto que tirei a noite. Sempre que avisto uma cidade ou uma se quer casa quando estou em alguma montanha e vejo aquela casinha la no fundo, ou aquela 'cidadezinha" toda iluminada, eu fico imaginando o que será que as pessaos que eu conheço estão fazendo naquele exato momento, assim como tambem fico pensando que em cada casa que eu avisto, lá tem uma cama quente e um copo de chocolate bem quentinho.

 

20130106175854.jpg

 

Quando a escuridão noturna cai por completo as nuvens retomam o seu lugar e voltam a reinar absolutamente sobre o céu, e como de costume fui dormir ao som das explosões.

 

5º DIA

 

Hora de partir, minha "missão" tinha sido cumprida com êxito. Porém regressar não foi tão fácil assim, embora dessa vez era apenas descida, a lama acumulada nos últimos dias, e a chuva que não da uma trégua se quer fez com que meu regresso fosse um processo cansativo.

O meu retorno ao aeroporto me trouxe uma grande surpresa, encontrei o mesmo taxicista que me levou da última vez !( dezembro/2011 ) Fizemos a mesma corrida até o aeroporto .

 

Com certeza eu ainda regressarei ao Tungurahua diversas vezes, e em breve farei um tentiva de cume/cratera. Dados cientificos afirmam que eu estive presente em 84 explosões e 102 tremores, também afirmam "1 tiro de canhão".

 

Recentemente lançei meu livro - A Senda e o Aprendizado do Mochileiro Peregrino, onde o último capítulo foi narrado no Tungurahua ( dez./2011) quem quiser conferir/adquirir a obra, basta acessar o site http://www.mochileiroperegrino.com

 

Obrigado a todos, e espero retornar em breve com mais ascensões a vulcões em erupção .

 

20130106184329.jpg

 

LARGA VIDA A TUNGURAHUA !!!

O GIGANTE NEGRO

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Peregrino,

 

sei que o relato não está completo ainda, mas antecipo que foi adrenalina nível Chuck Noris...

 

 

Saudações,

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

A cada atualização deste relato, fiuco emocionado e encantado pela imensidão, imponência e beleza deste vulcão e de sua trip por ele. Parabéns, estou acompanhando...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Você: - Alerta laranja.

Eu: - Isso significa?

Você: - Em termos de risco só o vermelho supera!

Eu: - E abaixo do vermelho?

Você: - Ahhh tem um monte.

 

Sempre que eu lembro disso, eu começo a rir. ::lol4::

 

Mais uma vez, parabéns pela conquista, pela determinação e pela coragem! Show de bola o relato e as fotos então, SENSACIONAL!

 

Grande abraço.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

 

[...]

 

Eis que o "véu" caiu ... Chegou a hora !

 

Enfim, depois de tanta espera eu avistei o que tanto desejava, as incríveis explosões do Tungurahua o " GIGANTE NEGRO ". Gigante por seus 5020 mts, negro pela sua paisagem inóspita e hostil. Um sinal claro de bom tempo me foi enviado, e tinha nome ... Chimborazo, eu o avistei em meio ao céu amarelado do oeste. Ainda com algumas nuvens em seu cume, mas em breve Chimborazo e seus 6267 mts de altitude ficaria tão nitído que eu avistaria seu eterno cume coroado com gelo.

 

[...]

 

É em situações como me encontro agora é que penso em um dos techos do livro que escrevi .... "Grandes feitos não serão obtidos pela razão e sim pela nossa capacidade de acreditar que sim, é possivel. Muitos morrerão realizando seus sonhos e outros viverão sonhando, aí está a diferença entre o querer e o fazer."

 

[...]

 

 

Grande Gabriel, Mochileiro Peregrino!!!

 

Meu caro, o que dizer dessa sua epopéia?! Simplesmente avassaladora! Como no segundo trecho que destaquei acima, tu foi lá novamente e fez... Desafiou o "Gigante Negro" e voltou para nos contar a história e mostrá-lo. Sonhar é preciso, realizar nossos sonhos é imperativo para viver e alçar novos vôos. Isto é o que diferencia meninos de homens.

 

Fiquei imaginando as condições do abrigo, o cheiro, o barulho, os tremores... Sem dúvida mais do que uma grande aventura: A AVENTURA!

 

Parabéns pela trip e um grande abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por TMRocha
      O Nando é um motoqueiro nato e aventureiro nas horas vagas e de vez em quando sai por aí pelo Brasil e nos mostrar paisagens impressionantes de nosso país.

      Confira como foi o passeio dele e de seus colegas pela impressionante travessia da Lapinha, na Serra do Cipó (MG).
      Caso queira conferir o post diretamente pelo blog clique no link abaixo:
      http://viagensdosrochas.blogspot.com/2018/06/nando-travessia-da-lapinha-de-moto-com.html
      Sem mais delongas, vamos ao vídeo:
      *********************************************************************************
      ANTES DE ASSISTIR, CONFIRA PRIMEIRO SE A QUALIDADE DO VÍDEO ESTÁ NO MÁXIMO.
      *********************************************************************************

      E pra fechar, observe essas imagens e repare que a Serra do Cipó é realmente um lugar de belezas, abençoado por Deus e apreciado pelos homens.


      Boa sorte...

      ... e até a próxima!
       
    • Por TMRocha
      O Nando é um motoqueiro nato e aventureiro nas horas vagas e de vez em quando sai por aí pelo Brasil e nos mostrar paisagens impressionantes de nosso país.

      Confira num vídeo rápido como foi a passagem dele e seu grupo por Itabirito, Glaura, Ouro Preto, Mariana, Bento Rodrigues, Morro da Água quente, Catas Altas e Barão de cocais.
      Caso queira acompanhar o post diretamente pelo blog clique no link abaixo:
      http://viagensdosrochas.blogspot.com/2018/08/nando-uma-pequena-aventura-sob-2-rodas.html
      Sem mais delongas, vamos ao vídeo:
      *********************************************************************************
      ANTES DE ASSISTIR, CONFIRA PRIMEIRO SE A QUALIDADE DO VÍDEO ESTÁ NO MÁXIMO.
      *********************************************************************************

      Pouco vídeo para tantos lugares? Isso aconteceu porque dessa vez eles fizeram um tipo de passeio raiz, em que priorizaram a aventura e por isso o vídeo ficou tão pequeno.
      Itabirito


      Glaura


      Ouro Preto


      Mariana


      Bento Rodrigues


      Morro da Água quente


      Catas Altas


      Barão de Cocais


      Mesmo assim não deixa de ser interessante, não é? Boa sorte...

      ... e até a próxima!
       
    • Por TMRocha
      O Nando é um motoqueiro nato e aventureiro nas horas vagas e de vez em quando sai por aí pelo Brasil e usa o seu Drone para nos mostrar paisagens impressionantes de nosso país.

      Observe agora como foi o seu passeio para o Parque Nacional da Serra do Gandarela, em Minas Gerais.
      Caso queira acompanhar o post diretamente pelo blog clique no link abaixo:
      http://viagensdosrochas.blogspot.com/2018/05/um-drone-pelo-brasil-parque-nacional-da.html
      Sem mais delongas, vamos ao vídeo:
      *********************************************************************************
      ANTES DE ASSISTIR, CONFIRA PRIMEIRO SE A QUALIDADE DO VÍDEO ESTÁ NO MÁXIMO.
      *********************************************************************************

      E pra fechar, fique com mais algumas imagens dessa linda região de Minas Gerais.





      Boa sorte...

      ... e até a próxima!
         
    • Por Julian Lima
      Depois da ajuda de alguns relatos, venho aqui compartilhar minha experiência em Foz. Bom, Foz sempre esteve na minha lista de lugares que gostaria de visitar. As Cataratas com certeza está na maioria da lista de lugares de vários viajantes e mochileiros e no meu caso não era diferente. Eu tinha 3 dias para fazer os passeios e meu roteiro era no 1º dia chegar no hostel e depois ir cambiar o real pois no dia seguinte iria visitar as Cataratas do lado Argetino e eu precisa de Pesos. 2º dia visitar o lado argentino. 3º dia visitar Cataratas lado Brasileiro e parque das Aves e no 3º dia Templo Budista, Mesquita e Marco Três Fronteiras. 4º dia, volta para casa.
      Vou focar mais como foi meu roteiro para visitar o lado argentino, o lado que causa mais dúvidas para as pessoas de como chegar e etc. Porém qualquer outra dúvida eu respondo também
      1º Dia (06.08.2018).
      Bom, minha jornada iniciou-se na segunda. Eu sai de SP às 16:00, voei pela Gol até Foz, voo tranquilo. A duração foi de 1:40 aprox.
      Eu já tinha pesquisado antes em vários sites e aqui no Mochileiros como se locomover pela cidade, e li que pegar ônibus na cidade era muito fácil e realmente é. Eu tinha lido que uma linha de ônibus passava no aeroporto e lá fui atrás do ponto para pegar o ônibus e chegar no hostel. Assim que cheguei no aeroporto de Foz eu sai pela esquerda e segui até o final do corredor, assim que sai do aeroporto desci as escadas e a minha esquerda estava a parada do ônibus 120 que te leva para o centro de Foz, passando pela Avenida Cataratas. Sentei e fiquei esperando o ônibus, eu aguardei uns 15 minutos e o ônibus chegou, porém cheio, mas consegui entrar mesmo com meu mochilão de 50L, MAS, assim que entrei no ônibus e ele começou a sair do aeroporto veio outro ônibus bem mais vazio rsrs.
      Aqui uma dica de app, eu baixei o aplicativo MAPS.ME totalmente gratuito, rápido, detalhado com mapas inteiramente offline. Eu reservei o Tetris Hostel pois ele foi bem avaliado por uma mochileira aqui do site, reservei o hostel pelo Booking.
      Voltando ao relato, peguei o ônibus e paguei R$ 3.55, eu já tinha visto que o hostel ficava na avenida das Cataratas e que tinha um ponto a uma quadra do meu hostel. Eu abri o app e fiquei olhando o meu deslocamente em tempo real para quando eu chegasse próximo ao ponto de ônibus desse o sinal de parada. Do aeroporto até essa parada levei uns 30 min. Assim que vi que estava chegando eu dei o sinal e desci do ônibus, caminhei descendo a avenida e em menos de 5 minutos cheguei ao hostel.
      Fiz meu check-in às 18:50 e percebi que a casa de câmbio onde iria comprar os pesos já tava fechando e não ia conseguir ir até lá (era bem próximo do hostel, era só descer a avenida). Pedi ajuda a recepcionista do hostel e ela disse que no supermercado Muffato tinha um loja de câmbio chamada Scappini. Bom, me ajeitei no meu quarto, que era muito legal e aconchegante, e fui até o supermercado trocar os reais. Cheguei no supermercado (era também só descer avenida direto) em uns 15 minutos e fui até a loja, cambiei 480 pesos (preço do ingresso do parque na Argentina, eles não aceitam outra moeda, só pesos) e deu R$ 77, aproveitei para comprar algumas coisas no supermercado para levar no outro dia para o passeio, pois as coisas para comer e beber lá no parque do lado argentino eram muito caras, segundo relatos. Coisas compradas voltei para o hostel, jantei no hostel, conversei com a galera que estava lá (maioria franceses, ingleses, eu era o único brasileiro da mesa) e depois fui repousar.
      2º dia (07.08.2018)
      Nesse dia o roteiro era pegar ônibus até o TTU, depois outro ônibus para a Argentina e de lá outro ônibus para o parque das cataratas.
      Nesse dia eu já sabia tudo que tinha que fazer para chegar até o lado argentino. Acordei umas 07:00, me arrumei, fui para o ponto de ônibus pegar o busão para o terminal de ônibus que fica no centro de Foz para poder outro ônibus que leva até a Argentina, no caso Puerto Iguazu.
      Cheguei no terminal e depois eu sai, o ônibus que leva para a Argentina fica ao lado do terminal e não dentro. Cheguei no ponto e tinha duas bandeiras, uma do Brasil e outra da Argentina, no ponto só tinha uma senhora e eu perguntei se o ônibus tinha passado e ela disse que sim. Ela comentou que o ônibus tinha ido cheio, e pouco antes alguns taxistas tinham passado ali para levar alguns turistas para Puerto Iguazu. Bom, eu aguardei ali mesmo, após não mais que 20 minutos o ônibus chegou, ele vem escrito ARGENTINA, o preço da passagem foi de R$ 6. O ônibus foi vazio, sobrou lugar (UFA). Mas se programe, esse ônibus demora de 30min a 1 hora para passar dependendo do horário que você pega.
      Esse ônibus te leva até a fronteira, onde você vai descer pra passar na alfândega junto com as demais pessoas. Finalizado todo mundo, você vai ter que esperar novamente o ônibus do lado argentino para ir até a rodoviária de Puerto Iguazú, o ponto final. Mas é bem fácil, o motorista para, dai todo mundo desce pela porta do fundo, você fica na fila, passa pelos agentes, apresenta o documento (eu apresentei o passorte e ele carimbaram), passa pelo detector de metai e raio x dai você sai e já avista o ônibus, entra e depois segue viagem. Comigo foi tudo muito tranquilo, eu demorei não mais que 1:30 até o ponto de ônibus na Argentina.
      Eu tinha lido que esse ônibus para em um ponto antes da rodoviária de Puerto Iguazu e que ali passava de qualquer forma o ônibis da Rio Uruguay para o parque e que desse sorte podia fechar um taxi com outras pessoas até o parque das cataratas. Bom, foi isso que aconteceu. O motorista parou nesse ponto e avisou que ali era o ponto até o parque das Cataratas, eu fiquei na dúvida, mas desci pq vi várias pessoas descendo (todos turistas rsrs). Ali no ponto já tinha algumas pessoas aguardando o ônibus da Rio Uruguay. Em poucos minutos um taxista se aproximou oferecendo corrida. Prontamente eu perguntei quanto sai e ele disse que R$ 25 (era o mesmo preço do ônibus da Rio Uruguay). Eu conversei com o pessoal que tava ali e conseguimos fechar em 4 pessoas para o taxi. Pegamos o taxi em uns 30 minutos chegamos até a entrada do Parque. Paguei os 25 reais (podia ser pago em peso) e o taxista muito gentil nos explicou como funcionava as trilhas la dentro e tal. Ele também mostrou onde ficava o ponto da Rio Uruguay que levava até a rodoviária de Porto Iguazu (que fica no lado direito saindo do parque e no lado esquerdo o ponto dos taxitas). O taxista também cambiava, ele fazia 480 pesos por 80 reais (eu podia cambiar com esses taxistas na parada do ônibus, mas eu já tinha os 480 pesos).
      Fui até o guichê comprar o ticket, o parque não estava cheio, estava bem tranquilo. Comprei o ticket por 480 pesos porque Brasileiro tem desconto (https://iguazuargentina.com/es/parque-nacional-iguazu).
      Assim que você entra no parque você pode fazer um percurso que eles chamam de trilha verde que fica na estação central até a estacão Cataratas ou pegar um trem da estação Central para a estação Cataratas. Da estação Cataratas você tem que pegar uma senha para o trem que leva até a estação Garganta para iniciar a trilha que leva até a Garganta do Diabo.
      Eu cheguei no parque às 10:00, fui até o guichê pegar a senha do trem até a estação Cataratas. Aguardei uns 20 minutos e o trem chegou (esse trem passa a cada 30 minutos). Depois desci na estação Cataratas. Chegando lá fui pegar a senha (UMA BAGUNÇA, não tem fila para pegar a senha, o atendente grita para formar fila, mas o povo não entende ou se faz de desentendido) para a estação Garganta do Diabo e espera estava em 1 hora até o próximo trem. O trem iria sair 12:15 (tem monitores informando a númeração da senha e que horas o trem daquela senha partirá), então resolvi fazer o trilha do circuito superior, pois daria para fazer em 1 hora (no meu ritmo) e dar tempo de voltar e pegar o trem para a Garganta do Diablo. Iniciei a trilha uma 10:40, tudo muito lindo, e 11:50 eu já estava na estação Cataratas para pegar o trem. Depois que pega o trem você desembarca na estação Garganta e de lá você inicia a trilha para majestosa Garganta do Diabo. O percurso é incrível, toda aquela vibe, os animais que você vê pelo caminho, é inexplicável e quando você chega próxima a Gargante do Diablo e vê a névoa branca causada pela força das águas e o barulho a sua ficha começa a cair. Quando eu finalmente cheguei eu fiquei de abismado, sem palavras.
      Tirei muitas fotos, o mirante estava até que tranquilo e com paciência e pedindo licença você consegue tirar suas fotos. Eu fiquei por ali por um tempo até retornar para a trilha até a estação Garganta e de lá voltar a estação central e fazer circuito inferior, que também é demais, não deixem de fazer, o Salto Bosseti é lindo demais e rende um fotão. Consegui fazer tudo e às 16 estava voltando para Puerto Iguazu para pegar o ônibus para Foz.
      Aqui eu dou uma dica, leve pesos ou reais já trocados para comprar sua passagem da Rio Uruguay para a rodoviário de Puerto Iguazu. Quando fui comprar a passagem lá no loja deles, não tinham troco para reais e tive que pegar meu troco em pesos. Outra dica, como na volta vai fazer todo o processo lá na fronteira, sente-se no fundo do ônibus ou senão tiver lugar já fique no fundão mesmo, pois você é um dos primeiros a descer e depois uns dos primeiros a subir, tendo mais chance de ir sentado caso o busão esteja cheio.
      Na rodoviária de Puerto Iguazu aguarde o ônibus para Foz na plataforma 7. Esse ônibus passava exatamente naquele ponto que fica a 5 minutos do meu Hostel. Cheguei no Hostel umas 17:45 + ou -.
      Foi tudo muito tranquilo e com certeza é uma experiência que todo mundo deveria ter uma vez na vida. Espero ter colocado tudo que lembro e de forma objetiva.
      É isso galerinha, para ajudar o amiguinho aqui clique no joinha e se inscreva no canal, e não esquece de compartilhar kkk zuera.
×