Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

De Villa La Angostura a San Martin de los Andes: a rota dos sete lagos


Posts Recomendados

  • Membros

A América Latina é cheia de surpresas. Paisagens incríveis se revelam para o viajante que decide experimentar a beleza da Cordilheira dos Andes e seus arredores. Nosso roteiro em janeiro de 2015 incluiu novamente a Patagônia Chilena e Argentina, além de Valparaizo e Santiago.

 

(Leia o post completo com todas as fotos, em: http://www.nosotrosnaestrada.com.br/)

 

No coração da Patagônia Argentina, entre a Cordilheira dos Andes e a famosa cidade de San Carlos de Bariloche nós pudemos nos deleitar com os mais belos lagos da América do Sul, além de aproveitar as atrações da Villa La Angostura (ou Villa Angustura) e, num bate e volta, das atrações de San Martin de Los Andes.

 

IMG_9889.JPG.b85900507fa0efe5965ade42ee01c0b0.JPG

 

Apesar de ser somente uma vila mesmo, com uma única rua comercial cheia de lojas, parecendo um shopping a céu aberto, o melhor de Villa La Angostura é o que está ao redor. Natureza, muito verde e lagos, muitos lagos. Água azul, limpa, transparente e muito gelada. Praias lindas e acessíveis para todos os gostos e bolsos.

 

Ficamos quatro dias nesse paraíso e tivemos a sorte de pegar belos dias ensolarados e quentes, com um céu azul lindo, o que nos deixou muito felizes e favoreceu bastante as fotos.

 

Como essa viagem foi em família, com nossa pequena aventureira de apenas 2 anos, não fizemos nenhuma caminhada longa nem passeios de barco, mas pudemos apreciar a belíssima "Rota dos Sete Lagos" tranquilamente, num clima de férias que há muito não curtíamos.

 

Escolhemos alugar um carro e fazer a Rota dos Sete Lagos por terra, parando nos mirantes para admirar a paisagem no nosso tempo, sem pressa.

 

Ficamos hospedados em Villa La Angostura e de lá até San Martin de los Andes são cerca de 110 km.

 

Um trajeto belíssimo - na maioria asfaltado, mas com um pequeno pedaço de rípio (chão de terra) - por onde é possível ver vários lagos, entre eles os lagos Lácar, Machónico, Villarino, Falkner, Escondido, Espejo Grande e Correntoso.

 

Além desses sete, outros lagos e rios também se mostram ao visitante revelando uma paisagem única, sensacional mesmo. Vale a pena escolher bem o dia do passeio, olhando a previsão do tempo. Se você tiver a sorte de pegar um dia de sol, com céu azul, vai aproveitar muito.

 

Para quem vai fazer esse passeio de carro, uma boa dica é levar as coisas para fazer um lanche na beira de algum dos lagos ou rios.

 

Nós fizemos um delicioso piquenique à beira de um rio, onde tinha algumas famílias acampadas ou curtindo as férias em suas "casillas rodantes" (famosos motor home).

 

Encontramos uma sombra na beira do rio e voilà: sanduíche feito na hora e um suquinho delícia para agradar nosso paladar. Por todo o caminho, pudemos ver placas com áreas de camping ou praias públicas indicadas na estrada, onde era possível parar para tomar um banho e fazer um lanche.

 

Villa La Angostura é um point para argentinos e estrangeiros, tanto no verão quanto no inverno. Por isso, é caro. A hospedagem, a comida, os passeios que são pagos. Achamos tudo um pouco mais caro que outros lugares na Argentina. Mas, vale a pena. E sempre existe a opção de fazer os roteiros alternativos, quase sempre de graça.

 

A preocupação com a preservação dessas belezas naturais ficou evidente no comércio ou nos supermercados, onde não existem mais sacolas plásticas. Ou você leva sua própria bolsa para as compras ou usa as caixas de papelão que eles disponibilizam para o cliente. O resultado é uma cidade limpa, praias limpas e quase nada de lixo espalhado pelos caminhos. Porém, como nem tudo é perfeito e o povo argentino costuma fumar muito, é comum encontrar vários pitocos de cigarro jogados em qualquer lugar.

 

O Rio Correntoso é considerado o menor rio do mundo em extensão, tem apenas poucos metros. É por esse pequeno rio que o Lago Correntoso se une ao Lago Nahuel Huapi, um lago de origem glaciar com cerca de 550 km². É tão grande que chega até Bariloche.

 

Nas águas límpidas , transparentes e com vários tons de um azul perfeito do Rio Correntoso é possível avistar e até pescar deliciosas trutas. Só depende do horário, nos contaram alguns pescadores. Nesse lugar se pratica a famosa pesca com moscas.

 

A cidade de San Martín de los Andes é linda. Se você tiver tempo, vale a pena pernoitar nela para conhecer melhor e aproveitar os agitos da noite, nos restaurantes, cafés e até mesmo na praia.

 

Planejada, arborizada, super simpática à beira do lago Lacar, um dos mais impressionantes da rota, por estar espremido por um fiorde. A cidade é um autêntico vilarejo de montanha, com suas casinhas baixas de madeira e pedra, mas super organizada e bem desenhada.

 

Oferece ótimas opções de restaurantes e cafés. Nós fizemos um lanche reforçado antes de pegarmos estrada novamente num café super legal, chamado Corazon Contento. Comida excelente, experimentamos umas quiches de legumes e de frango com queijo. Cerveja super gelada e um ótimo suco de limão, refrescante.

 

Dicas úteis:

Site oficial da cidade: http://www.villalaangostura.gov.ar/es/

Café em San Martin de los Andes: Corazón Contento - Av. Gral. San Martin 467, San Martin de los Andes.

Supermercados: La Anonima, Santa Izabel

Quando ir: o ano todo

 

(Leia o post completo com todas as fotos, em: http://www.nosotrosnaestrada.com.br/)

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Marcelo Manente
      Em breve iniciarei o relato da aventura que está acontecendo neste momento.
      Estou hoje em Chile Chico, Chile. Seguindo para a Carretera Austral.
      Muitos perrengues, problemas da viatura, mas lugares maravilhosos para compensar tudo isso.
      Vou tentar fazer um relato com os custos de quase tudo que eu lembrar.

    • Por Alan karleno
      Fala Mochileiros..
      Procuro dicas para aperfeiçoar o meu roteiro e a quantidade de dias que se faz interessante para cada local. Planejo o roteiro entrando pela Argentina (buenos Aires), saindo pelo Chile (Santiago), em junho de 2020. Tenho 25 dias disponíveis. 
      Vôo. Teresina & buenos Aires (buenos Aires 3 dias).
      Vôo. Buenos Aires & Bariloche (Bariloche  + Villa la angostura 5 dias). 
      Vôo. Bariloche & Buenos Aires e Buenos Aires Ushuaia. (Dia para viagem). 
      Vôo. Ushuaia & El Calafate (4 dias El Calafate).
      Ônibus. El Calafate & Puerto Natales (5 dias Puerto Natales + Parque torres del paine). 
      Ônibus. Puerto Natales & Puta Arena (2 dias Puta Arena).
      Vôo. Punta arenas & Santiago ( 4 dias Santiago) + VALLE NEVADO ou FARELLONES.
      Vôo. Santiago & Teresina. 
      1 dias para emprevisto.
      Quero aproveitar ao máximo o tempo em viagem.
      Desde já agradeço pela atenção.
      Bora Mochila..
       
       
       
       
       
       
       
    • Por spriesly
      Oi gente! Como o Mochileiros me ajudou muito nesses últimos anos a planejar as minhas viagens, resolvi relatar a minha mais recente aventura pros lados argentinos e chilenos. É a minha segunda vez nesses 2 incríveis países e vou começar com algumas informações básicas.
      Roteiro
      28/jan - Curitiba - Buenos Aires
      29/jan - Buenos Aires
      30/jan - Buenos Aires
      31/jan - Buenos Aires
      01/fev - Buenos Aires
      02/fev - Buenos Aires
      03/fev - Buenos Aires - Bariloche
      04/fev - Bariloche
      05/fev - Bariloche
      06/fev - Bariloche - San Martin de los Andes e Villa la Angostura
      07/fev - Bariloche - El Bolsón
      08/fev - Bariloche - Puerto Varas
      09/fev - Puerto Varas
      10/fev - Puerto Varas
      11/fev - Puerto Varas
      12/fev - Puerto Varas - Bariloche
      13/fev - Bariloche - Buenos Aires
      14/fev - Buenos Aires - Curitiba
      Comprei os trechos Curitiba - Buenos, Buenos - Bariloche, Bariloche - Buenos e Buenos - Cwb por 2 mil reais na Aerolíneas Argentinas. Tinha passagem mais barata mas com muitas horas de conexão, perrengue que não tô mais disposta a pagar. Não compensava também ir pra São Paulo pegar o vôo, a diferença era mínima e não pagava a passagem à parte pra SP.  Outra coisa: fiquei acompanhando por meses os preços mas ficaram bons em novembro, quando finalmente comprei.
      Como já conhecia Buenos Aires e parte da Patagônia, tentei fazer outras coisas nessa viagem, ainda mais que estava levando a minha mãe junto. Ela não conhecia nada e adaptei o roteiro pra que ela não tivesse desconforto, por isso optei por alguns passeios com tour na região dos lagos. Mas mesmo assim andávamos uma média de 10km por dia em Buenos e usamos metrô e ônibus. Ainda tenho que voltar pra região dos lagos pra fazer trekking, com certeza!
      Custos de Transporte
      Aéreos: R$2 mil cada
      Trecho Bariloche - Puerto Varas: R$109 (comprei um melhor assento na ida, valeu a pena!)
      Trecho Puerto Varas - Bariloche: R$83
      Uber Ezeiza - Recoleta: ARS533,35
      Uber Ezeiza - Palermo: ARS673
      Uber Palermo - Aeroparque: ARS300 (estava na tarifa dinâmica)
      Uber Recoleta - Aeroparque: ARS138
      Taxi Aeroporto - Airbnb em Bariloche: ARS500
      Remis Hotel Bariloche - Aeroporto: ARS400
      Táxi Airbnb Bariloche - Rodoviária: ARS170
      Táxi Rodoviária Bariloche - Hotel: ARS160
      Hospedagem
      Airbnb BA: R$1130,89
      Airbnb Bariloche: R$1443,06
      Hotel Bariloche: R$320
      Hostel Puerto Varas: R$940
      Hotel BA: R$190
       
      Utilizei os sites do Booking e Airbnb pra reservar acomodações e Skyscanner e Busbud para as passagens aéreas e rodoviárias. A empresa com que viajei para Puerto Varas foi a Andesmar.
      Felizmente peguei cotações de câmbio boas: na Argentina o real estava valendo 9,80 e no Chile 187. Em Buenos Aires troquei reais no próprio Banco de la Nacion no Aeroporto Ezeiza, pegando uma fila de mais de meia hora, e em Puerto Varas troquei na esquina da Calle San Francisco, uma das ruas principais da cidade. O câmbio no Chile estava me preocupando pois pela internet todas as as casas fechavam às 18h e meu ônibus chegava às 17:40, porém chegando lá tive a boa surpresa de que no verão as casas de câmbio ficam abertas todos os dias e em dias de semana fecham às 20h! 😍
      Pra escolher os lugares da viagem escolhi o critério de preço, localização e comodidade. Em Buenos Aires optei pela Recoleta porque tem vida à noite, é próximo de tudo e fazíamos praticamente tudo à pé. Estávamos atrás do Mall Recoleta e do Cemitério, e a 4 quadras da estação de metrô Las Heras, da linha amarela, além de ônibus que passavam na avenida principal próxima.
      O que ficou caro mesmo foi Bariloche e foi difícil escolher lugar tanto na ida quanto na volta. O Airbnb era bem compacto e o único defeito foi o calor (só tinha ventilador que não vencia) e fez muito calor na cidade pra ajudar. Porém a vista do lugar foi incrível - estava ao lado do lago Nahuel Huapi. Um problema de pegar hotel foi que os mais centrais tinham muitas avaliações negativas e continuavam caras; e os lugares mais em conta eram mais afastados. Como não alugamos carro, a opção foi pegar um airbnb mesmo. Na volta, decidimos pegar o hotel - que ficou atrás da rua do airbnb, bem central - para não ter incômodo em relação às malas. O nosso horário de volta para Buenos era apenas às 18h e precisávamos de um espaço guardar as bagagens sem nos preocuparmos se a pessoa estaria disponível ou não.
      Já em Puerto Varas, no Chile, pegamos um hostel com quarto privativo e banheiro (única exigência da minha mãe para ficar em hostel haha) e foi uma das acomodações mais baratas da região. A cidade é muito cara e tem pouquíssimos Airbnbs. 
      Na volta em Buenos Aires o critério foi proximidade com o Aeroparque e preço - e valeu muito a pena!
      Todas as acomodações não tinham café da manhã, com exceção do hotel em Bariloche. Porém os Airbnbs de BA e Bariloche, além do Hostel em Puerto Varas tinham cozinha, amenidades tipo café, açúcar, chaleira elétrica para água, cafeteira, etc que ajudou. O hotel de BA não tinha cozinha mas tinha a chaleira e saquinhos de chá, café e snacks com manteiga e geléias para um café rápido. Pra complementar, a gente comprava medialunas, empanadas e até pêssegos que estavam baratos (em Buenos Aires só ;p) e assim economizavámos no café da manhã.
      Estou de férias ainda e quero terminar esse relato até o final de fevereiro/março. Até a próxima postagem!
    • Por amamelo
      Já fui 8 vezes a Bariloche e Villa la Angostura. Gosto tanto que virei referência entre amigos e no meu blog Atravessar Fronteiras. Fiz um Guia digital com dicas sobre as cidades http://www.atravessarfronteiras.com/2015/11/conheca-o-guia-de-bariloche-e-villa-la.html
       
      Vou postar aqui algumas dicas, mas fiquem à vontade para perguntar mais.
       
      Quando você vai a Bariloche você tem que escolher se quer ficar no centro e ter facilidade para andar pelas ruas, fazer compras, comer chocolate, etc. Eu já fiquei algumas vezes no centro (apesar de que prefiro ficar mais longe) e posso te dar algumas dicas de hotel. Só posso dizer que nunca fui a Bariloche sem carro alugado, e acho uma perda de tempo não alugar. As atrações mais legais, os restaurantes mais transados, ficam longe do centro, a maioria na av. Bustillo, que margeia o lago. Então inclua logo a despesa de alugar um carro na sua viagem.
      ONDE FICAR EM BARILOCHE?
      No centro, eu posso começar dizendo ONDE NÃO FICAR! O hotel Aconcágua é um horror! Quartos e banheiros pequenos e sujos, quente quando faz calor, barulhento. Se puder evitar, evite!
      E se você optar por ficar no centro, pergunte se o hotel em que deseja ficar aceita as excursões de adolescentes argentinos, que passam uma semana em Bariloche. A cidade fica LOTADA de adolescentes em qualquer época do ano, e imagino que se hospedar no mesmo hotel que eles não seja uma experiência … digamos… tranquila.
      Já fiquei também no hotel Edelweiss http://www.booking.com/hotel/ar/edelweiss.en.html?aid=850843. Esse eu recomendo, o quarto familiar era muito bom, o único problema é que não tinha wifi gratuito nos quartos.
      Já fiquei no centro também num hotel chamado http://www.costasdelnahuel.com.ar/, na beira do lago... Era simples, mas a vista compensava por tudo.
      A Av. Bustillo, que eu já falei aqui, margeia o lago, começa onde acaba o centrinho de Bariloche. E os números querem dizer os km que cada atração fica do centro. Por exemplo, se você for ficar num hotel na AV. Bustillo 3.400, fique sabendo que estará a 3,4km do centro.
      Em 2006, eu e Bruno fomos estudar espanhol em Bariloche, com o Arthur com apenas 2 anos. Ficamos 6 semanas ali, vivendo como eles, amando muito tudo aquilo. Ficamos num bangalô simples, mas delicioso, o http://www.elbosquedeloselfos.com.ar/. Estivemos lá agora depois, vi que mudaram os donos, mas os bangalôs continuam lá, à beira do Lago.
      Nas minhas duas últimas idas a Bariloche, fiquei nos bangalôs da minha professora de espanhol, a Ani, chamado http://www.booking.com/hotel/ar/bungalows-unsur.en.html?aid=850843, no km 8,4. A família da Ani é um amor, os bangalôs ficam próximos (menos de 10 km) à estação de esqui, Cerro Catedral, e o Jorge, marido dela, faz um serviço de levar os turistas até lá na van. Os bangalôs são confortáveis, não ficam bem em frente ao lago mas dá vista para o lago e o preço é imbatível!
       
      ONDE COMER EM BARILOCHE?
       
      barix2É também às margens do Nahuel Huapi que ficam as melhores opções de comida em Bariloche. O meu restaurante preferido é El Patacón, que fica próximo ao centro (coisa de 7km). É um restaurante chique, lindo, com atendimento impecável, onde se come bem e não se paga tanto assim. Não comparado aos restaurantes chiques do Brasil.
      Outro lugar onde sempre vamos muuuuuito é a Cervecería Blest, que já fica um pouco mais distante, no km 11 da av. Bustillo. Lugar despojado, com centenas de recados deixados por frequentadores, miniaturas de aviões, foguetes, trens penduradas no teto, uma lojinha gostosa dentro. A comida: pizza e cerveja artesanal. Pra que mais? Eu não posso ir a Bariloche sem ir à Blest.
      Outras opções são a Família Weiss, que é bem turística, bem no centro de Bariloche, também tem o Rincón Patagonico, que fica a 14km. Ah, e os chocolates... hummmm. Nem precisa falar nada, é só chegar e escolher uma das dezenas de opções... Ah, os alfajores... Eu sou viciada em alfajores, para mim, os melhores são da Abuela Goya. Mas é melhor provar todos e fazer sua própria escolha.
       
      Clima em Bariloche
      Bariloche faz frio quase o ano todo. Já fomos para lá no inverno, já fomos na primavera, já fomos no verão e no outono. Eu, particularmente, prefiro o verão. As praias são deliciosas, as pessoas realmente aproveitam para tomar um sol, entrar no lago gelado, etc. Tem caminhadas para todo gosto. Mas prepare-se para, mesmo no verão, pegar temperaturas congelantes, se você der azar de topar com uma frente fria. Eu cheguei lá em 2012 no fim de dezembro e estava NEVANDO nas montanhas de Bariloche. Fiquei uma semana com temperaturas que não passaram dos 10 graus. Mas já ouvi dizer que é normal chegar até a 30 graus no verão mesmo.
      No verão pode-se aproveitar todos os minutos dos dias longos. Adoro.
      Cerro Otto no inverno, BarilocheFui no inverno em 2011 e só posso dizer uma coisa: prepare-se! O frio é cortante, mas se você quer esquiar, prepare sua viagem para a última semana de julho. Antes disso, pode não encontrar estação de esqui aberta. No inverno, a única coisa a fazer é aproveitar a neve, então os outros passeios de natureza ficam cancelados. A única estação de esqui de Bariloche é o Cerro Catedral, e tem atrações para todo tipo: crianças, iniciantes e experts.
      Se você gosta de esquibunda, não deixe de subir o teleférico do Cerro Otto, que tem esquibunda para todo tipo, adulto e criança. Uma diversão. O Cerro Otto é um passeio imperdível em qualquer época do ano, a vista é linda demais! Outro teleférico que você não pode deixar de subir é o Campanário, bem longe do centro, cuja vista é tida como uma das mais impressionantes do planeta.
       
       
       
      Cerro Tronador, Argentina
      O QUE FAZER em Bariloche
      Fomos ao Cerro Tronador, um passeio que dura o dia todo. O Tronador é a maior montanha da região, fica sempre nevada. O caminho é maravilhoso. Fomos uma vez em setembro e tinha tanta neve que não conseguimos chegar aos pés do tronador, colocamos o Arthur na mochila e saímos caminhando na neve (veja o vídeo aqui). Passeio imperdível. Fomos outra vez em abril, fazia muuuuuuito frio mas não tinha neve no chão.
      Passear pelo lago também é muito bom. Tem um passeio que todos fazem, mas vale muito a pena, vai para Isla Victoria e Bosque de Arrayanes (já em Angostura). O passeio é delicioso, e você ainda sai do porto em frente ao hotel Llao llao, ponto turístico de Bariloche, quando eu crescer que ficar hospedada ali.
    • Por heka
      [info]O objetivo deste tópico é trocar informações e reunir depoimentos e dicas sobre o Cruce de Lagos que faz a travessia pelos lagos andinos entre Puerto Varas e San Carlos de Bariloche. Se você está com alguma dúvida em relação à travessia, coloque-a aqui que sempre um mochileiro de plantão irá ajudar. Se já conhece a travessia, conte para nós como foi sua experiência, seja ela negativa ou positiva, deixando dicas e demais informações para mochileiros perdidos. Para isso basta clicar no Botão Responder![/info]
       
       
      Eu fiz por conta propria e fui no mês de Novembro. Eu acabei comprando a passagem do Cruce de Lagos em Puerto Varas, uns 2 dias antes da partida, sem problemas. Foi uns US$160, saindo de Puerto Varas até Bariloche, sem pernoite. Ou seja, de dia inteiro. Não recomendo pernoitar no caminho, os relatos que ouvi é que não era tão legal.
       
      Se não conseguir o cruzeiro, tem ônibus que faz a travessia, e dizem que também é bonito, e muito mais rápido e barato.
       
      O cruzeiro é bonito, mas depois de varias paradas, saídas de barcos, trocas de ônibus, espera pelo próximo barco, tudo isto cansa e depois de 5 horas você fica um pouco cansado. O cruzeiro de dia inteiro leva acho que em torno de 12h ou mais.
×
×
  • Criar Novo...