Ir para conteúdo

Posts Recomendados

  • Colaboradores
Em 12/03/2019 em 14:59, May Araujo disse:

Que demais! Meu marido e eu estamos querendo ir até machu picchu, saindo de porto alegre. Será que Julho/2019 é bom? E não faço idéia de quando tempo precisaríamos.

Demais o seu roteiro!

Abraço!

Obrigado @May Araujo Julho é alta temporada, mas é uma época boa, não chove tanto quanto dez a março. Entre 20-25 dias dá para fazer a viagem, passando pelo atacama, lago titicaca e machu picchu.

  • Gostei! 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 1 ano depois...
  • Membros
Em 16/02/2016 em 08:05, hlirajunior disse:

Dia 05 - 29/12 - Tilcara[AR] a San Pedro de Atacama[CH] - 436km

dia05_zpspi5nizol

 

Quinto dia seguido de estrada, já estávamos nos acostumando com a rotina de tirar e colocar as malas e demais coisas todo dia no carro. O dia amanheceu sem nuvens no céu e antes de sairmos de Tilcara paramos no posto na entrada da cidade para abastecer, é o último posto grande antes do posto YPF no Paso de Jama (Há dois outros locais para abastecer, um em Susques e outro no restaurante Pastos Chicos próximo a Susques). Aproveitamos para comprar mais sanduiches e água mineral, pois as garrafinhas no Chile são bem mais caras.

 

Voltamos alguns quilômetros pela Ruta 9 até o cruzamento com a Ruta RN52 que vai para o Chile. Passamos por Purmamarca, mas não paramos para tirar fotos, a estrada vai acompanhando um rio com várias montanhas coloridas ao lado até chegar na Puerta de Lipán, onde começam as primeiras curvas em U. Em alguns trechos não há asfalto devido a obras, mas é tranquilo passar. Na parte final da subida mais intensa há alguns mirantes legais para fotos, principalmente na última curva em U. Depois disso a subida se torna mais suave até chegar na Abra de Lipán, a 4172m de altitude. No local há alguns vendedores de artesanato e um marco com a altitude do local.

 

Após esse ponto, inicia-se a descida em direção as Salinas Grandes, que olhando a frente parece apenas um ponto branco no horizonte. A descida desse outro lado também é bem bonita, há uma sequência de curvas mais suaves e no final uma grande reta. No trecho inicial das salinas, removeram o asfalto para manutenção da rodovia, há um bom pedaço em estrada de rípio. Há alguns locais para estacionar o carro e venda de artesanato, além de banheiros químicos. Infelizmente dessa vez a entrada para o salar estava fechada e não conseguimos entrar de carro naquela imensidão branca. Apenas descemos a pé e tiramos algumas fotos, mas devido a claridade e calor não ficamos muito tempo. É bom ir preparado com óculos escuro e protetor solar, pois apesar da altitude e temperatura mais amena, o sol reflete no sal e pode queimar a pele e danificar a visão.

 

Continuamos viagem até o restaurante Pastos Chicos, logo após Suques, onde paramos para descansar. Haviam outros carros brasileiros no local. Nesse local há um restaurante, hotel e posto de combustível. Como estávamos com ¾ do tanque não paramos para abastecer. Depois disso seguimos viagem até a fronteira no Paso de Jama, o caminho é tranquilo e há grandes retas. A estrada passa pelo Salar de Olaroz e Salar de Jama. Paramos no posto YPF para abastecer, no local só havia a gasolina (nafta) Infinia, de maior octanagem e maior preço consequentemente. Dali seguimos até a aduana conjunta entre os dois países, mas que é super demorada.

 

Na estrada há uma cancela, onde um guarda verifica a placa do carro e a quantidade de passageiros, fornecendo um papel que deverá receber um carimbo a cada etapa do trâmite e na saída deverá ser entregue a outro guarda que libera outra cancela. Só de ver a quantidade de carimbos que deverão constar no papel e a quantidade de carros e ônibus parados já deu para perceber que não iria ser rápido. O primeiro trâmite é a migração, onde é dada a saída da Argentina. No guichê ao lado é feita a saida do carro na argentina. O próximo guichê é onde é feita a entrada de cada pessoa no Chile e depois a aduana do veículo, onde a pessoa digita todas as informações do veículo no sistema. É meio demorado e ao final é entregue um papel declarando a importação temporária do veículo no país. (ps: A ordem dos guichês pode mudar, mas é basicamente essa)

 

Depois disso ainda tem que passar no guichê do Senasa, preenchendo um papel onde deve ser declarado o que está sendo levado ou não pelos passageiros. Por último um fiscal irá ao carro verificar se está tudo ok ( as vezes é necessário passar as bagagens no raio-x) para ele dar o carimbo final no papel que deverá ser apresentado na cancela ao guarda para finalmente estar livre.

 

Nessa brincadeira toda, perdemos quase 2 horas, que naquela altitude parecem uma eternidade. Andamos alguns quilômetros e chegamos na placa que indica a divisa dos dois países. Depois disso começa a parte mais alta da travessia, sempre acima de 4000m, há belas paisagens com lagunas com um azul espetacular e alguns vulcões ao fundo. Em um determinado ponto é possível visualizar os monges de la pacana ao lado direito da estrada, antes de iniciar a subida para o ponto mais alto da travessia, onde alcançamos 4830m de altitude. Nesse trecho foi necessário subir em primeira marcha por cerca de um quilômetro, o carro pesado e a altitude deixaram o motor sem força.

 

Depois o carro voltou ao normal e logo começamos a avistar o vulcão juriques em frente e a laguna blanca na bolivia do lado direito. Ao poucos ao lado do Juriques surge o vulcão Licancabur imponente e inicia-se a descida até San Pedro de Atacama. É uma descida alucinante, começa perto dos 4800m de altitude e vai até 2400m em San Pedro em pouco mais de 40km. Nesse trecho resolvemos descer em 3º marcha usando o freio motor para reduzir a velocidade, em alguns pedaços cheguei a descer em 2º marcha utilizando assim bem pouco o freio do carro. No meio da descida tinha um ônibus quebrado e os passageiros sem noção do perigo ficavam no meio da estrada. Paramos para algumas fotos durante a descida até chegar em SPA.

 

Chegando na cidade, fomos a procura do hotel e mais uma vez chegamos na rua certa, mas demoramos um pouco para encontrá-lo, pois não possuia placa com o nome, somente encontramos após olhar todas as casas da rua pela numeração. O hotel fica um pouco afastado do centrinho da cidade, em torno de 15-20 min caminhando, mas foi o mais em conta que encontramos para o periodo do reveillon. Descansamos um pouco e a noite fomos comer uma pizza.

 

Hotel Portal del Sol

- Acomodações simples, ambiente familiar.

- Fica um pouco longe do centrinho de San Pedro, mas tem garagem e café da manhã.

- US$ 65.00 o quarto de casal

 

Gastos com combustível: AR$ 360,00 - 22,29 litros para completar o tanque no posto YPF no paso de jama

Pedágio: Não há pedágio nesse trajeto

 

Video com o trajeto de Tilcara a San Pedro de Atacama pelo Paso de Jama

Boa tarde.....

Primeiramente parabéns pelo relato dia a dia, isso é muito valioso para que nunca fez esse tipo de aventura, uma viagem tão longa.....

Estarei indo para o Atacama em 12/2020 e seu relato está sendo muito proveitoso para definir o trajeto.

Nesse trajeto de Tilcara até San pedro vcs sairam que hrs e chegaram em qual horario em SPA?

Grato e um grande abç

 

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Colaboradores
16 horas atrás, Alcione José Cercal disse:

Boa tarde.....

Primeiramente parabéns pelo relato dia a dia, isso é muito valioso para que nunca fez esse tipo de aventura, uma viagem tão longa.....

Estarei indo para o Atacama em 12/2020 e seu relato está sendo muito proveitoso para definir o trajeto.

Nesse trajeto de Tilcara até San pedro vcs sairam que hrs e chegaram em qual horario em SPA?

Grato e um grande abç

 

Obrigado @Alcione José Cercal - Saimos de Tilcara em torno das 9hs da manha e chegamos em San Pedro de Atacama perto das 17hs. Fizemos muitas paradas durante o trajeto e tb pegamos a aduana cheia no Paso de Jama. Qualquer duvida e so perguntar. Abraco.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 1 mês depois...

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por leocaetano
      [align=justify]Relato de viagem de um mochilão pelo Chile. Foi minha segunda viagem para fora do Brasil e, como na primeira, sozinho!
       
      A idéia inicial era passar 15 dias em território chileno, mas no meio da viagem reduzi para apenas 13 dias. As causas dessa mudança foram várias, mas o que mais influenciou foi o mega feriado chileno – as Festas Pátrias, feriado de dois dias que se estende pela semana inteira: o dia 18 ou o Dieciocho, quando é comemorada a independência do país; e o dia 19, dia das glórias do exército. Começou na quarta-feira e só terminou no domingo. Nessa época tudo fica mais caro no país, principalmente passagens de ônibus que duplicam de preço e se esgotam facilmente para cidades próximas de Santiago e ao sul. É praticamente impossível conseguir passagens para qualquer um dos dias do feriadão ou nos dias próximos a ele – de quarta a terça-feira – sem ser com antecedência. Com esses dois dias, saiu do roteiro a estadia em Puerto Varas. Porém, valeu a pena. O clima entre os chilenos nessa época é muito bom, todo mundo se diverte, reúne a família, come bastante, bebe chincha e coloca a bandeira do Chile pra fora da janela, nos carros e nos edifícios. Achei que era por orgulho nacional, mas depois descobri que uma lei os obriga a fazer isso nos edifícios.
       
      Para a viagem, fui com tudo planejado, ou seja, quais atrações e locais que iria visitar na viagem, alterando muito pouco o planejamento durante a própria viagem, normalmente só invertendo os dias que havia planejado fazer determinada coisa.
       
      Os valores expressos aqui estão em pesos chilenos, salvo quando houver o R, de reais, na frente do cifrão ou US, significando dólares norte-americanos. Na época da viagem, UM real equivalia a cerca de DUZENTOS E OITENTA pesos chilenos e cerca de 1,80 dólares norte-americanos.
       
      Obrigado novamente a todos que ajudaram![/align]
    • Por leocaetano
      [align=justify]Relato de viagem de um mochilão pelo Peru. Foi minha terceira viagem para fora do Brasil e, como nas outras anteriores, fui sozinho. Passei 19 dias em território peruano e, pela primeira vez, não alterei o tempo de viagem! Valeu muito a pena, mas só não voltei alguns dias antes porque a TAM complicou um pouco para trocar as passagens.
       
      Para a viagem, fui com tudo planejado. Planejei quais atrações e locais que iria visitar na viagem, quantos dias passar em cada um, onde me hospedar, quanto gastar com alimentação, passeios e transporte e uma pequena margem para alterar uma coisas ou outra durante a viagem. Isso teria funcionado melhor se tivesse começado a viagem por Machu Picchu, mas devido a falta de vagas pra fazer a trilha alguns dias antes, não foi possível.
       
      Todos os valores estão expressos em nuevos soles, salvo quando houver o R, de reais, na frente do cifrão ou US, significando dólares norte-americanos. Na época da viagem, UM real equivalia a cerca de 1,62 nuevos soles e cerca de 0,59 dólares norte-americanos.
       
      Agradeço aos amigos e conhecidos que ajudaram, principalmente à galera aqui do Mochileiros![/align]
    • Por paulodasilva
      Boa tarde amigos, venho relatar aqui a viagem de 29 dias que minha namorada e eu fizemos por 4 países. Depois de muito pesquisar aqui no site acabamos fazendo o seguinte roteiro:
      Santa Fé, Mendoza, Santiago, La Serena, Antofagasta, San Pedro de Atacama, Iquique, Arequipa, Cusco, Puno, Copacabana, La Paz, Potosí, Uyuni, General Guemes, Alegrete.
      Somos de Porto Alegre e fizemos a trip com um Gol 1.000, sem direção hidráulica mas com um ar condicionado que funciona perfeitamente, chamamos o auto de "El Tanque". No total foram 11.070 Km, 17 hoteis/hostels/pousadas, 4 países, uma infinidade de novos amigos. O custo total ficou por volta de 17 mil reais, 8.500 para cada, levamos 2.900 dólares em espécie.
      Dia 1 - Porto Alegre - Santa Fé
      Saímos de Poa dia 23/12/17 ás 6h da manhã, esse primeiro dia era um dos trechos mais longos da viagem, podem imaginar que quase não dormimos pois estávamos ansiosos para sair, foram alguns meses de planejamento e muitas dúvidas ainda pairavam pois não achei nenhum roteiro completamente igual ao que iríamos fazer. Malas no Tanque, check list feito e chimarrão na mão. Vamos lá!!
      O trajeto Poa até a fronteira muito tranquilo, a aduana estava vazia e foi muito rápido, mostramos passaportes, carta verde e segue o baile. Na Argentina que começaram algumas complicações, assim que entramos na Ruta 14 fomos parados pela polícia, uns sujeitos com roupas de milicianos nos pediram documentos e para ver o extintor de incêndio, então disseram que o mesmo estava vencido, na verdade ele venceria 31/12. Um dos sujeitos me levou para uma sala uns 200m do carro e outro ficou com minha namorada na porta do carro, lá dentro inventou mil histórias e tive que desembolsar depois de muito negociar, paguei 20 dólares. Ao longo desse trajeto fomos parados mais 5x, todas as vezes pediram as mesmas coisas e nenhum deles falou que o extintor estava vencido, nessas outras 5 paradas os policiais que nos pararam estavam com coletes verdes e nos pareceram mais "sérios" que aqueles primeiros que tinha roupas de militares e cara de malandro.
      Chegamos em santa fé já era noite e ficamos num hotel que havia reservado pelo booking, no outro dia sairíamos cedo novamente e o trajeto também era longo.
       
      Dia 2 - Santa Fé - Mendoza
      Acordamos cedo novamente e na recepção do hotel encontrei um casal de brasileiros que estavam sem dinheiro porque haviam pago tanta propina na estrada que não sobrou quase nada, então fiquei um pouco mais aliviado por ter sido extorquido apenas 1 vez, pois passei o caminho todo com raiva daqueles primeiros policiais.
      Saímos 7h com destino a Mendoza, lá ficaríamos 2 dias. Aqui algumas considerações: não tínhamos interesse em visitar vinícolas, pode parecer estranho pois a região é propícia, mas a verdade é que no RS acabamos visitando tantas na Serra que acaba que o processo é todo o mesmo; nas vinícolas os preços de vinhos são na maioria das vezes mais caros que no mercado da cidade e pq estaríamos dia 25/12 lá, feriado, então poucas estariam abertas. Nosso estilo de viagem é mais lado B e conhecer pessoas.
      Caminho cansativo, alguns pedágios, mas termina na Ruta 7, aí quase dorme no volante. A estrada toda duplicada e desemboca dentro de Mendoza. Chegamos estava anoitecendo, era noite de natal e estava absolutamente tudo fechado, então acabamos comendo num restaurante bem "pega turista" no centro da cidade, menu de natal que era caro e ruim, mas estávamos cansados mesmo, comemos e fomos dormir.
      Dia 3 - Mendoza
      Finalmente acordamos em um horário "digno" e fomos conhecer a cidade, praças e afins. Como estávamos quase sem Pesos e as casas de câmbio estavam fechadas, resolvi ir sacar dinheiro em um caixa eletrônico, sempre libero meu cartão (débito e crédito) no exterior, assim qualquer aperto consigo dinheiro, eis que a máquina engole meu cartão que "nunca mais voltou" (nessa parte imagina o Tim Maia cantando), fiquei apavorado, era o cartão que levamos com limite mais alto, que seria fundamental em qualquer imprevisto mecãnico, médico ou sei lá o que. Bom, passado a frustração e depois de 10 chutes na máquina fui cancelar o cartão e pensar em plano B. Lembramos que o NuBank vc consegue gerar boletos sempre que quiser, assim poderíamos gerar, pagar e liberar mais crédito sempre que precisasse.
      Resolvido o drama fomos finalmente passear, fomos nas 5 praças menores e no parque da cidade, parque General San MArtin  tem inclusive um estádio de futebol no meio, muitas famílias fazendo assado e tentando diminuir o calor nas sombras do mesmo. Foi muito legal e nos divertimos conhecendo o gigante parque, apenas uma loja de conveniência estava aberta, então compramos vinho, água e alguns petiscos e curtimos o feriado.
      Nota: Numa viagem dessas abridor de garrafas sempre é útil.
       



    • Por Altair Emiliano
      Finalmente, o dia da viagem chegou!! 13 de novembro 2019, uma viagem longa e programada e o destino final é Cabo Frio-RJ com parada obrigatória em Petrópolis-RJ.
      Eu, a Nathi (Nathália) minha linda companheira e copiloto e a Majú (Maria Júlia) nossa filha de 2 anos e, claro, não poderíamos deixar de fora o Bibi - nossa Toyota Bandeirante - 81.
      Foi a nossa viagem mais longa, embora viajamos para Tiradentes e Ouro Preto-MG no 1° ano da Majú, mas será um post para outra história.
      Planejamos, calculamos, discutimos, mudamos planos e chegamos no acordo. Eu cuido do transporte e a Nathi das hospedagens e o trajeto cuidamos juntos.
      O Bibi ficou em melhorias o ano todo de 2019 e bem na véspera da viagem apresentou problema na embreagem. Partiríamos no dia13/11 as 6:00 e o mecânico entregou o Bibi no dia 12/11 as 17:30 sem trocar a embreagem, pois não daria mais tempo de comprar e trocá-la. Decidi não adiar a partida e partimos no dia e horário marcado.


      Nossos planos eram parar a cada 2:30 para relaxar e não tornar uma viagem cansativa, mas quem disse que a Maju acordava? Dormiu 4 horas seguidas, que benção!!!! Seguimos viagem! O destino final era Cabo Frio, mas resolvemos ficar uns dias em Petrópolis.
      “Acordouuuuu …. ahhh graças a Deus!!!! vamos parar no próximo posto fazer pipi e lanchinho”

       
      Levamos um cooler térmico com sucos, lanchinhos e água e paramos no estacionamento do posto e ficamos um pouco mais afastados do movimento e lanchamos ali mesmo; a Majú sentou no para-choque do Bibi, peguei um bloco de cimento para sentarmos, pois, o posto estava em reforma e tinha 2 blocos dando sopa ali.
      Pegamos estrada novamente e com bastante chuva, aliás desde o início. Mas a viagem foi tranquila e fomos pegos em movimento por paparazzo do grupo de toyoteiro que participo. As 13:00 paramos para almoçar, descansar e abastecer. Seguimos a viagem destino à Petrópolis.

      Já na serra chegando a Petrópolis a embreagem resolveu se manifestar lembrando que não estava se sentindo bem …
      Eu: - ai ai ai … teremos emoções
      Nathi: O que foi?
      Eu: não estou conseguindo mudar de marcha … é preciso bombear o pedal umas 3 ou 4 vezes.
      Nathi: Bem agora amor … estamos chegando, mas aqui é serra e já está noite !!!
      A Nathi havia reservado hospedagem de 2 dias pelo site aluguetemporada.com e estávamos perto se não fosse um pequeno erro de navegação, que nos fez descer a serra e tivemos que subir novamente … uns 40 minutos a mais para um casal desesperado … parecia uma eternidade hahahaha.
      Chegaaaaamoooosss !!!
      A Nathi fez reserva no condomínio Vale do Sol em Itaipava. Que lugar lindo!!!!
      Um frio que não esperávamos, chovendo, cansados, mas aliviados.
      -Vamos ligar para o Sandro e avisar que chegamos e amanhã cedo iremos ao seu encontro.

      Café da manhã na pousada Vale do Sol
      Sandro Leite, um AMIGO, amizade esta, feita por meio de grupo de zap de toyoteiros. Foi quem me incentivou a comprar uma Toyota Bandeirante, residente de Petrópolis; cidade que minha esposa tanto sonhou em conhecer e que ficava no caminho indo à Cabo Frio.
      Resolvemos parar ali por 2 dias. Como se fosse possível só 2 dias, acabamos ficando 3 dias e caberia muito mais se não tivéssemos feito reserva de hospedagem em Cabo Frio.
      Esse meu amigo se encarregou de nos mostrar Petrópolis e indicamos conhecê-la, vale cada centímetro da cidade. Foram 3 dias inesquecíveis de nossa vida, ficou muito acima de nossas expectativas e era só o começo de nossa viagem.
       

      Palácio de Cristal

       

       

      Praça da liberdade

      Vista de um mirante 

       

       

      Sesc Quitandinha - Petrópolis

      Catedral São Pedro de Alcântara - Petrópolis

       

      Depois de 3 dias em Petrópolis, partimos para Cabo Frio e Arraial do Cabo
       
       
      https://www.youtube.com/watch?v=LNYLI12u0zE
      https://www.youtube.com/watch?v=G1NPWNMjiEI
       
       
       
    • Por naja.trip
      Olá!
      Somos Diana, Polly e Naira. Depois de muitos planos, viagens adiadas e canceladas, em junho realizaremos um viagem curta on the road pelo sul do Brasil. Um sonho compartilhado.
      Vcs nos acompanham?
      Nos sigam no IG: @naja.trip
      "Nosso destino nunca é um lugar, mas uma nova maneira de olhar para as coisas."  (Henry Miller)

×
×
  • Criar Novo...