Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Júnia Pimenta

Valparaíso e Viña del Mar

Posts Recomendados

[info]O objetivo deste tópico é trocar informações e reunir depoimentos e dicas sobre as cidades de Valparaíso e Viña del Mar. Se você está com alguma dúvida em relação às cidades, coloque-a aqui que sempre um mochileiro de plantão irá ajudar. Se já conhece Valparaíso e Viña del Mar, conte para nós como foi sua experiência, seja ela negativa ou positiva, deixando dicas e demais informações para mochileiros perdidos. Para isso basta clicar no Botão Responder![/info]

 

 

[linkbox]Guia de Santiago por Mochileiros.com

Escreva seu Relato sobre Valparaíso e Viña del Mar

Procurando companhia para viajar para Valparaíso e Viña del Mar? Crie seu Tópico aqui!

Valparaíso e Viña del Mar - Tópico de Perguntas e Respostas

 

Relatos sobre Valparaíso e Viña del Mar:

Relato sobre viagem de treze dias ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pelo mochileiro Leo Caetano

Relato sobre viagem de dezenove dias ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pelo mochileiro Xunfos

Relato sobre viagem de carro ao Chile, incluindo Viña del Mar pelo mochileiro Marioluc

Relato sobre viagem de dezessete dias ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pelo mochileiro apmontemor

Relato sobre viagem ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pelo mochileiro Leandro Monção

Relato sobre viagem de sessenta dias ao Chile, incluindo Valparaíso pelo mochileiro Dickens

Relato sobre viagem em casal ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pelo mochileiro Anderson Mauro

Relato sobre viagem de treze dias ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pela mochileira Carla Nogueira

Relato sobre viagem de dezessete dias ao Chile, incluindo Viña del Mar pelo mochileiro O. Coelho

Relato sobre viagem ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pelo mochileiro Sergio Soares

Relato sobre viagem de vinte e dois dias ao Chile, incluindo Valparaíso e Viña del Mar pelo mochileiro Rafael Xavier[/linkbox]

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

VALPARAISO

 

MAPA DE VALPARAÍSO

 

http://www.turistel.cl/mapas_cyp/valpo.htm

 

 

VALPARAISO

 

Es el principal puerto de Chile, capital de la V Región, y se ubica a 120 km de Santiago. Forma una conurbación con Viña del Mar y en conjunto cuentan más de 600.000 habitantes. Actualmente es sede del Poder Legislativo y posee múltiples atracciones, como una arquitectura ecléctica y muy colorida emplazada en los cerros, cuya principal forma de acceso son los tradicionales ascensores porteños. Desde los numerosos miradores se puede apreciar una hermosa vista al mar y las construcciones aledañas. Museos, ferias de artesanía, una bohemia vida nocturna y una variada gastronomía son parte del atractivo de este pintoresco puerto.

 

 

 

Barrio del Puerto

Inicia el recorrido a pie en el muelle Prat, donde atracan barcos y lanchas de arriendo. Al frente está la plaza Sotomayor, con el Monumento a los Héroes de Iquique. Sigue por la calle Serrano para asomarte a la iglesia Matriz y luego llegar a la plaza y el edificio de Aduana (1854). Ahí puedes subir en ascensor o en auto al Paseo 21 Mayo, desde donde se observan la bahía y el puerto. No te lo pierdas.

 

La City

Recorre a pie la calle Prat hasta la plaza A. Pinto. Conocerás los interesantes edificios de las sedes bancarias y la Bolsa de Comercio. Destaca una fachada en piedra y bronce (traída de Inglaterra) y el edificio Turri, terminado en punta en una torre con reloj.

 

Los Miradores

Es la continuación del paseo anterior, también para hacer a pie. Desde la plaza Sotomayor toma el ascensor El Peral y sube al Paseo Yugoslavo, hermoso mirador sobre el puerto. Ahí está el palacio Baburizza (Museo de Bellas Artes). Baja por el angosto pasaje Apolo hasta la calle Prat. Avanza hasta el edificio Turri y, al frente, toma el ascensor Concepción (1883) para subir al Paseo Gervasoni, pequeño mirador con hermosas casas y restaurantes. Sube dos cuadras por calle Templeman para encontrar la iglesia Anglicana (1858), con un veredón llamado de los 12 asientos. Retorna a la calle Papudo y recórrela hasta su extremo derecho para visitar la singular iglesia Luterana (1897).

Luego, desciende por un callejón hasta el Paseo Atkinson, un antiguo barrio inglés de hermosas casas, desde el cual se obtiene una vista panorámica de la ciudad. A la calle Prat puedes bajar por una corta calle-escalera.

 

 

VIÑA DEL MAR

 

MAPA DE VIÑA DEL MAR

 

http://www.turistel.cl/mapas_cyp/vina_del_mar.htm

 

 

La costa central

 

Basta recorrer 120 km desde Santiago por la Ruta 68, para que el paisaje se transforme y puedas admirar las bellezas del litoral central, bañado por las aguas de océano Pacífico. El azul intenso del mar se corona con balnearios y ciudades que ofrecen alternativas de entretención para todos los gustos y edades, además de una gran variedad de restaurantes donde probar los pescados y mariscos de la costa chilena.

Viña del Mar, conocida como la "Ciudad Jardín" por estar rodeada de grandes áreas verdes, es uno de los destinos predilectos, junto a la playa de Reñaca. Entre sus actividades recreativas destaca el "Festival Internacional de la Canción de Viña del Mar", que se realiza todos los años en febrero.

A pocos kilómetros, siguiendo por el litoral, está el pintoresco puerto de Valparaíso, el principal de Chile. Esta es la actual sede del Poder Legislativo y posee múltiples atracciones, como una arquitectura ecléctica y muy colorida emplazada en los cerros, cuya principal forma de acceso son los tradicionales ascensores porteños. Desde los numerosos miradores se puede apreciar una hermosa vista al mar y las construcciones aledañas. Museos, ferias de artesanía, una bohemia vida nocturna y otros atractivos harán que el turista no se olvide del puerto.

Hacia el sur se encuentra el balneario de Algarrobo, con su mar calmo, ideal para bañistas y amantes de los deportes náuticos; el pueblo de Isla Negra, donde el poeta y Premio Nobel de Literatura, Pablo Neruda, construyó una de sus tres casas; y la localidad de Rocas de Santo Domingo.

Y más al norte de Valparaíso podrás visitar los exclusivos balnearios de Zapallar y Cachagua; los más familiares Papudo y Maitencillo y, al lado este último, Marbella Resort. Aquí encontrarás las comodidades de un hotel cinco estrellas, con SPA, restaurantes, canchas de tenis y una espectacular cancha de golf de 27 hoyos con vista al mar. (A estos balnearios convine irse por la Ruta 5 Norte).

La mayoría de las ciudades y balnearios de la región cuentan con excelentes ofertas de hotelería y una completa infraestructura turística, lo que permite al visitante disfrutar al máximo los deportes náuticos, vida de playa, excursiones o la gastronomía a base de pescados y mariscos en los múltiples restaurantes instalados en distintos puntos del litoral.

 

VIÑA DEL MAR La costa central

 

Conocida como la "Ciudad Jardín" por estar rodeada de grandes áreas verdes, este balneario se ubica a 120 km de Santiago, en la V Región. Sus playas, como Reñaca, su animada vida nocturna, el casino de juegos y su cercanía a la capital, la hacen ser uno de los destinos predilectos del turismo nacional y extranjero. Entre sus actividades recreativas destaca el "Festival Internacional de la Canción de Viña del Mar", que se realiza todos los años en febrero.

Nació como un barrio separado de Valparaíso, pero hoy ambas ciudades forman un todo continuo con más de 600.000 habitantes. Viña del Mar es el principal balneario del país.

 

 

 

Entre sus múltiples atractivos destacan:

 

La Costanera

Es la continuación natural del camino costero que une Valparaíso con Viña del Mar. Se inicia en la playa Caleta Abarca, donde hay un reloj de flores, y luego bordea hermosos roqueríos y grandes mansiones, pasando bajo el palacio presidencial.

Más allá, se cruza el estero y se bordean los jardines del Casino para continuar por la Av. Perú, con su frente de edificios. La costanera termina en la playa Acapulco. Podrás girar para continuar por la Av. San Martín, entre jardines, una playa y altos edificios.

 

Reñaca

Continuando 7 km por la costa, entre playas y roqueríos, se llega a este balneario. Destacan su concurridísima playa y sus hoteles, restaurantes y discotecas.

 

Concón

Avanzando 10 km por el camino costero pasarás por la bonita playa Cochoa, el mirador de lobos marinos, la roca Oceánica (con senderos) y la caleta Higuerilla, donde se desarrolla un activo núcleo gastronómico.

Ya en Concón están la playa Amarilla y el comercio de La Boca, con una variedad de restaurantes.

 

 

 

El entorno es rico en atractivos, pero los hitos más visitados son los balnearios costeros

 

Quintero

A 38 km de Viña del Mar, está emplazado en una amplia bahía bordeada de industrias. Tiene playas calmas y muy concurridas.

 

 

Horcón

A 41 km encontrarás esta pequeña y pintoresca caleta pesquera, con playas y mar calmo.

 

Maitencillo

Los lugares más hermosos se encuentran a 57 km. Destaca la playa Aguas Blancas, respaldada por acantilados; además, el condominio Marbella, con pequeñas playas entre rocas y una caleta, y la concurrida playa Grande.

 

Cachagua

Gran playa con mar de tres olas paralelas, bordeada por altos cerros. El balneario reúne un selecto conjunto de casas, en una urbanización informal.

 

Zapallar

A 72 km podrás visitar el balneario más exclusivo, con bella urbanización, hermosas residencias y una pequeña y abrigada playa. Hay restaurantes en la playa y en la caleta.

 

Papudo

Aquí termina el camino costero, a 82 km de Viña del Mar. El balneario posee una gran playa y la más hermosa costanera. Ofrece todos los servicios y buenos restaurantes.

 

 

 

 

ENERO Año nuevo en el mar. El 31 de diciembre, a medianoche, se realiza el festival pirotécnico en la bahía y el puerto de Valparaíso.

e

 

FEBRERO Festival de la canción. Tiene lugar la segunda o tercera semana de febrero en Viña del Mar, en el anfiteatro de la Quinta Vergara.

El Derby, carrera hípica, el primer domingo de febrero, en el hipódromo del Sporting Club de Viña del Mar.

e

 

JUNIO Fiesta de San Pedro. Celebración tradicional de los pescadores que se realiza el 29 de junio, durante la mañana. Procesión por la bahía desde las caletas El Membrillo y Portales hasta la caleta Higuerillas, cofradías de "Chinos" bailan y cantan a San Pedro, vestidos con trajes típicos.

e

 

OCTUBRE Festival de cine de Viña del Mar. Se realiza en el Teatro Municipal.

Regata Off Valparaíso. Se corren en la bahía de Valparaíso, durante dos fines de semana. Es la más tradicional de las regatas chilenas.

e

 

NOVIEMBRE Concurso de ejecución musical en el Teatro Municipal de Viña del Mar, la segunda semana de noviembre. Dura una semana, con presentaciones diarias.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dica de hospedagem e m Valparaiso e Vina del Mar sao as republicas de estudantes...tem aos montes la. Isto pq as duas cidades balnearias tem as maiores universidades nas proximidades. Basta perguntar a qq galerinha por la q indicarao boas e baratas opcoes, no melhor estilo Ouro Preto.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi pessoas

 

Estou indo para Santiago dia 28 e pretendo passar reveillon en Valparaiso, mas o Hostel Villa Maria Antonieta está muito caro ($60.000) de 30 de dezembro a 1o de janeiro. Alguem já ficou lá ou conhece outra opção? Tentei entrar em contato com o hostel Asturias e o Capric em Viña del Mar, pois pensei em virar o ano lá se ficar muito caro em Valparaiso. Alguem sabe como é o reveillon lá ou conhece estes albergues. Qual opção seria melhor (Viña del mar ou Valparaiso? Estou num dilema aqui. Me ajudem!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Boa tarde!

 

Uma dúvida pequena (ainda terei muitas) sobre Vinã e Valparaíso:

Lá no distante mês de setembro devo visitá-las, a idéia inclusive é ficar uma noite em cada, para andar por tudo, sentir as cidades, perder umas moedas no cassino de Vinã ...

O transporte entre bairros e atrações é tranquilo? Fácil de se localizar? É tipo pegar um mapinha da cidade e sair por lá? À noite essas cidades são bonitas, seguras (100% nenhuma é), cheias ou vazias nessa época do ano?

 

Muito obrigado, por enquanto! Um grande abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Flavio, passei por Viña e Valparaiso por um dia, como a maioria das pessoas. Mas achei as duas cidades bem legais, e bem distintas entre si. Para ir de uma para outra é bem tranquilo, vc pode pegar um trem, que não leva 15 minutos ou ir mesmo de onibus. E para andar por lá e o esquema que vc falou, pegar um mapinha e andar por tudo.

 

Quanto ao movimento, fique esperto que no Chile, no mês de setembro eles comemoram a independência, dia 18, e lá o feriado dura a semana toda.

 

Dê uma verificada, pois isso pode ser legal, mas pode dificultar a hospedagem e os meios de transportes.

 

Att,

Hugo

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito obrigado pelas dicas, hugovl!

 

É, eu vi que tem feriado dia 18 por lá, mas não achei que durasse alguns dias a comemoração.

Será que não é bom evitar? Talvez a região dos lagos fique meio inflacionada neste período, bem como as praias.

Tbm pode ocorrer de fechar o comércio e esvaziar a capital, né?

 

De qualquer maneira, foi ótima a lembrança, valeu mesmo! Um abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

hahahahaha vc pode dormir com o Saddan,meu Rotwailler.

 

Depende do gosto de cada um,

ler um livro num lugar calmo,conhecer a cultura chilena como os museus de Valparaiso,beber Piscola numa disco agitada,olhar o pacífico,jogar poker no Casino,culinária e bons restaurantes,eventos musicais,feiras de artesania,quartinhos baratos,hotéis luxuosos,preços,moedas etc...o q vc quer saber e fazer??

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por lucasmsilva
      Fui para Santiago em Junho/18 (24/06/2018 a 29/06/2018) e acabei esquecendo de relatar por aqui. Mas nunca é tarde. Meu roteiro foi:
      Dia 1. RJ/Santiago
      Dia 2. Santiago - City Tour
      Dia 3. Embalse El Yeso
      Dia 4. Valle Nevado/Farellones
      Dia 5. Valparaiso e Viña del Mar
      Dia 6. Museus e Feira de Artesanato Santa Lucia - Voo Santiago/RJ
      O cambio estava  1/148 Pesos na Augustinas.
      Passagens: Uns R$800,00 pela Avianca, voo com atraso na ida. Refeição e Aeronave foi nota 10. Recomento a Avianca.
      Tranfer Aeroporto/Hotel/Aeroporto: Fizemos pela Transfer Brasil. Recomento, confiável e barato. Claro que tem opções mais baratos tipo onibus, mas vale o conforto. Busca no hotel com hora marcada e aceita pagamento em reais. Show de bola.
      Hospedagem: Apart Hotel Carlton House, Maximo Humbset 574 Centro U$ 26.00 pelo site Decolar. Hotel simples, café da manha simples, porém escolhi pelo preço e localização, já que só iríamos utilizar o hotel para durmir. Fica em frente ao Cerro de Santa Lucia e perto da Rua Augustinas, onde tem tudo.
      Seguro-viagem: Pela própria decolar.com, e foi super barato, acho que uns 20 reais por pessoa.
      Passeios: Agência Morande, fechados na Augustinas. Não conhecia a agência, acabei fechando lá na hora e não me arrependo. Super boa e o preço mais barato ou igual as outras agências, com diferencial que fizeram um desconto para fechar os 3 passeios e o atendimento fora do normal, ótimo. Os passeios foram: Embalse El Yeso: Para nós o melhor passeio, Valle Nevado/Farrelones: Bom para conhecer e brincar na neve. Val Paraíso e Vina Del Mar: Vale pela cultura e paisagens no caminho.
      OBS. Não lembro os valores exatos, mas acredito que todos não passaram de uns 140.000 pesos.
      Outros. Fomos em cervejarias (pois sou viciado em cervejas artesanais) a tarde/noite e alguns restaurantes temáticos. Museu da ditadura foi muito bom, City Tour etc.
      Comemos a Centolla no restaurante Ocean Pacific's. E comemos muito no restaurante La Piccola Italia.
      Dia 1 - Peguei o Voo Noturno para RJ-Santiago, atrasou e resultado, cheguei depois de meia noite, uma friaca do Cão.

      Dia 2 - City Tour e Restaurantes.

       

       



      Dia 3 - Embalse El Yeso


      Dia 4. Valle Nevado/Farellones

      Dia 5. Valparaiso e Viña del Mar

      Dia 6. Cerro San Cristobal e Cerro de Santa Lucia, e restaurante Los Vikingos (foto de carne de cervo)

       



      Cevejaria Kross e Kustman

       
      Em resumo, o passeio valeu muito a pena. Santiago é uma cidade fantástica, bem limpa e segura.
      Observações
      DINHEIRO - Voltaria fácil. Único detalhe,  como nosso real estava desvalorizado, as coisas ficam bem caras, principalmente comida na rua.
      Saquei no santander de lá. Tem em tudo quanto é canto. Levei reais também. Melhor cambio, Calle Augustinas (tem que ficar procurando pq tem inumeras casas de cambio).
      VINHOS - Vinho é muito barato no mercado, encontramos garrafas por 600 pesos (aprox 4 reais). Mais barato que água. Como não gosto muito, comprei apenas alguns pra trazer. As vinículas não sei dizer se é bacana. Tenho amigos que foram e adoraram, mas como não sou fã nem fui.
      CERVEJA - Como prefiro cerveja, tomei todas que consegui. Não vou falar que é ruim porque não existe cerveja ruim, mais não são como as artesanais do Brasil que tem um padrão superior, é diferente.
      ÁGUA - As águas de lá tem gosto. Foi difícil encontrar uma marca que não tinha, mas encontramos. O jeito é pesquisar ou ir na tentativa e erro. Não tive coragem de ficar tomando da torneira (os chilenos fazem isso), o gosto é bem ruim.
      LOCOMOCAO - Só fiquem atentos ao utilizar uber lá. É bem mais seguro e barato que táxi, porém tem que ter cuidado pois os taxistas não aprovam e tivemos um pequeno problema ao pegar em uma avenida movimentada. Jogaram pedra no carro e quebrou o vidro de tras (o app uber me extornou a corrrida e me deu suporte - show). Eles percebem que vc entra pelo banco de trás e sabem que é aplicativo, entao, se possivel andem pelo carona no banco da frente, e ainda pegue em ruas menos movimentadas, longe de taxistas. Taxistas são "espertos" (troco errado, dao voltas, dinheiro falso) então como fiquei sabendo disso nem utilizei. Porém metro e onibus lá funciona bem, se for pra economizar é otimo.
      PASSEIOS - Todos os passeios saem bem de manha, mas bem de manha mesmo, entao nao da tempo para tomar cafe no hotel. Comprem algumas coisas para levar nos mercados e economizem.
      IDIOMA - Os chilenos falam muito rápido, é dificil no começo Eles são um pouco frios (é cultura, eles não são mal educados, só são frios) tb, entao paciencia. Já com os estrangeiros é tranquilo entender. Como tem muitos venezuelanos lá imigrantes é de boa. Em hoteis, normalmente são venezuelanos.
      CENTOLLA - Prato típico. Carangueijo gigante. Não é nada de mais, vale para experimentar, mais pra quem nao gosta de frutos do mar não recomendo. Até porque é bem caro (aprox 200 reais por pessoa em media)
      OBRIGADO A TODOS DA COMUNIDADE MOCHILEIROS QUE AJUDARAM.
      SE PRECISAREM DE ALGUMA COISA, É SO ENTRAR EM CONTATO. ABÇS
    • Por coinetekarla
      Bom dia,

      Neste tópico vou falar especificamente de valores, depois faço outro relato contando minha experiência sensorial, mas já aviso, o Chile é maravilhoso, podem ir sem medo de ser feliz, mal cheguei e já quero voltar lá pelo menos umas 10 vezes mais hahahaha.

      Passagem ida e vol Latam – 1170,00

      Hostel Che Lagarto Santiago 10 Noites 340,00

      Alimentação 600,00

      Cajon del Maipu/Embalse El Yeso 160,00

      Farellones (sem ski) 170,00 entrada + 130,00 transfer + 60 reais de alimentação

      Aluguel de roupas 120,00 (completo)

      Viña del Mar 60,00 City Tour

      Passagem ida e volta Tourbus – 100,00

      Cambio $162,00

      *Ida pra Santiago, comprei a passagem pelo 123Milhas, muito mais barato e bastante seguro comprar, não tive problemas, emitiu minha passagem 3 horas depois que confirmei o pagamento, por cartão de débito. Recomendo olhar bem os horários de conexão, porque eu não reparei e tive que ficar 10 horas numa conexão noturna em Rosário-AR e mais 10 horas na volta em Córdova-AR, na ida é até aceitável, porém na volta, muito cansativo e estressante.

      *Hostel eu reservei 6 dias pelo HostelWord, e depois comprei mais quatro dias lá mesmo. Quem paga em espécie a diária tem um acréscimo de 19%, então optei em pagar no cartão mesmo, mas é um risco, porque quando fui o dólar e estava a 3,89 e hoje a 4,31, então cada um vê o que melhor lhe convém. Hostel limpo e organizado, cozinha fica disponível das 7:00 da manhã até as 22:00 horas, tem a opção de café da manhã, staff muito bacana e gente boa, a limpeza do quarto acontece dia sim dia não. Mas o diferencial principal é a localização, fica bem no centro, tudo perto, passeio, mercado, pontos turísticos, metro, o ponto de ônibus é na frente.

      *Alimentação, caríssima e eu particularmente, não gostei da comida, mas o que é de gosto é regalo da vida não é, então depende do paladar, mas em média um prato de Pollo com papa Frita sai em torno de 30 reais, e isso em lugares populares onde os locais vão comer, o montante que eu gastei da pra ser menor sim, mas mesmo comprando em mercado ainda assim, não vai sair barato, até porque a nosso real está super desvalorizado lá.

      *Farellones, não tive sorte, o dia que eu fui não estava tudo branquinho, porém tinha uma quantidade razoável de neve, mas durante a madrugada caiu uma nevasca enorme, um grupo que estava no meu hostel foi no outro dia disse que estava tudo coberto de neve, então depende se São Pedro vai com sua cara ou não hehe. Não deixem de levar comida, lá tem pouquíssimas opções e tudo não sai a menos de 60 reais, levem sanduíches e água que da pra passar o dia e ser muito feliz, o valor da entrada inclui a tirolesa, a descida de boia, o ski bunda, o carrinho de gelo. Mas não inclui a aula de ski e o aluguel das roupas, não posso falar quanto a isso porque optei em não fazer.

      *Cajon del Maipo/Embalse el Yeso, fui no dia após a nevasca, vocês não podem imaginar o quanto é lindo, o valor citado, inclui o transfer e um comes e bebes no final do passeio, então levem comida também e muita água, lá não tem opção nenhuma para comprar. Paramos num local onde era uma passagem de trem e dizem que um rapaz se matou la por amor e tem muitas homenagens a ele, achei bacana.  O meu transfer também fez uma parada em San Jose de Maipo, uma cidadezinha pequenininha, acolhedora, mas não vi nada excepcional, a não ser a cordilheira ao redor, mas isso tem em Santigo também, conto melhor depois, mas Cajon e Embalse El Yeso é daqueles lugares que todo mundo devia conhecer uma vez na vida. Cajon del Maipo é a rota que fazemos para Embalse el Yeso, eu fui achando que era um lugar específico, tipo um único ponto, mas não é não.

      *Aluguem roupas em Santiago, sai muito mais em conta, quase metade do preço, no bairro Bella Vista tem lugares mto mais baratos que a parada das vans no dia do passeio.

      *Viña del Mar e Valparaiso, primeiro um conselho, vão bem cedinho, pra conseguir aproveitar e conhecer tudo, eu não fiz isso, talvez por isso eu não curti muito o passeio, mas valeu a experiência, outra coisa, o clima de lá é muito diferente de Santigo, sai de Santiago na hora do almoço estava maior calor, cheguei em Viña estava bem frio, outra coisa, optem por chegar por Valparaiso, que os passeios pelas casinhas coloridas tem que ser de dia, porque a noite (hora que eu consegui chegar lá não da pra ver nada :/), em resumo, contratei um passeio na rodoviária mesmo, pessoal bem gente boa, pechinchei e o passeio saiu por 60,00 reais. Em suma, vou voltar um dia para Viña e Valparaiso, pra tentar tirar a impressão ruim que tive, porque não curti muito, mas acho que isso foi por culpa minha, mas Valparaiso parece uma grande favela, não estou dizendo isso no sentido pejorativo, mas porque parece mesmo, casinhas no morro uma em cima da outra. O transfer me levou a alguns lugares turísticos, ficamos por alguns minutos. Mas como eu disse, um dia vou dar uma nova chance àquele lugar. E não se iludam quando falam que da pra fazer a pé e tal, é tudo muito grande lá e muito longe uma coisa da outra, não da pra fazer a pé e eu acho que um dia é muito pouco, pelo menos durmam uma noite por la.

      Então é isso, vou escrever um novo post contando sobre a experiência em si, e as impressões que eu tive sem me apegar muito a parte monetária.

      Espero que tenha ajudado. Desculpem qualquer erro de português, digitei meio que correndo hahaha.

      Beijos e até a próxima.






       








    • Por mcm
      Qdo revisitamos Santiago em novembro de 2017, já tínhamos comprado passagem para o feriado de 1º de Maio de 2018, com milhas. Custou a bagatela de 10.000 milhas por trecho somente. Irrecusável.
      Os planos variaram desde então e a verdade é que eu havia reservado um hostel no Lastarria para os 4 dias. Mas mudei pouco antes da viagem: Passaríamos o 1º dia na Isla Negra, conhecendo a casa do Neruda que nos faltava, pernoitaríamos em Valparaíso e voltaríamos para Santiago. Ficou +- assim:
      Dia 1 – Isla Negra, Valparaíso
      Dia 2 – Valparaíso, Viña del Mar
      Dia 3 – Cajon del Maipo
      Dia 4 – Santiago
      E assim fizemos.
      Por alguma falha séria da minha parte, eu memorizei que o voo partia às 19hs do Galeão. Na verdade ele foi alterado algumas vezes desde a compra. E na verdade ele partia às 18hs. Saí do trabalho às 16, pegamos um taxi às 16:30 e ... deu tempo. Somente no aeroporto eu me dei conta do horário! Estou piorando.
      Chegamos tarde da noite em Santiago, pegamos nosso taxi direto para o hotel. Eu havia reservado um hotel pertinho do Patio Bellavista, assim rolaria alguma saída na chegada. Hotel boutique maneiro, a 55 USD. Achei bom preço.
      Rodamos um pouco pela área para ver o agito, e tinha muita gente nas ruas. Estacionamos num canto no Patio mesmo, onde curtimos cervas e o vai e vem. Fomos dormir umas 2 da manhã.
       
      Dia 1 – Isla Negra e Valparaíso
      Acordamos cedo, umas 8hs. Depois do café, saí para fazer um câmbio rápido – desnecessário, pq tinha na rodoviária – e partimos para a rodoviária. Pegamos o metrô e descemos na Estação Universidade Santiago. Lá fomos abordados por umas meninas, uniformizadas que nos sugeriram pegar o Pulmann, que, segundo elas, era mais rápido. Ok, aceitamos. Compramos para as 11:30. 6 K cada. Eram 10:40, então fizemos hora por lá. Câmbio por lá estava 595 CLP por USD, o mesmo que no centro da cidade.
      O busum atrasou um pouco, mas lá fomos. Chegamos na Isla Negra umas 13:30. Vantagem de viajar leve é que vc carrega sua bagagem nas costas numa situação dessas numa boa. Fomos andando para a Casa do Neruda. Eu tinha receio de longas filas e tal, mas não havia ninguém na nossa frente. Maior tranquilidade. Pegamos o audioguia e lá fomos. Antigamente era guiada, agora não mais. Curtimos muito, espetáculo de lugar. “Completamos” as cass do Neruda, mas ainda voltaríamos à Sebastiana. Visual sublime dessa, com vista direto para o mar. Uma bela visita.
       
      Na volta fui comprar passagens, e a moça da cia disse que era apenas fazer sinal no ponto de ônibus. Ok. Havia gente já na espera no ponto. E logo chegou um, amem. Deu 3K e alguma coisa por pessoa. Eram umas 15hs, sinal de que nossa estadia foi de 1,5h no geral.
      Uma hora depois estávamos em Valparaíso. Decidimos ir andando para o hostel, assim respiraríamos um pouco a cidade. Os arredores da rodoviária, naturalmente, não são lá muito agradáveis, mas foi bacana o trajeto, conforme fomos nos afastando. Reservamos um hostel subindo um dos morros, perto de uma rua onde rola uma night intensa. Largamos as mochilas e saímos para explorar o fim de tarde. Em direção ao Cerro Concepcion, que é onde rola o agito que queríamos ver.
      Passamos pelo parque onde era uma antiga prisão, tinha uma galera local curtindo. Depois ficamos rodando o Concepcion de cima pra baixo e para os lados. Percorrendo os caminhos estreitos e grafitados, pasajes, ascensores, e tudo o mais que houvesse pela frente. Que lugar bacana de noite, é aquele! Belíssimas construções, belíssimo visual, belos e divertidos grafites. Lugar que merece mais tempo de curtição noturna. Curtimos um lindo pôr do sol avermelhado no Paseo Iugoslavo, e então a fome falou mais alto. Estávamos só de café da manhã.
       
      Jantamos num lugar marromeno, e logo embicamos num segundo turno na cervejaria Altamira, que fica ao lado de um ascensor. Muito boa! 
      Rola muita atração artística e gastronômica no Cerro Concepción. Recomendo muito curtir a noite por lá. Rola muito grafite também, deve valer a pena buscar um walking tour dedicado a isso – para quem curte, claro. De todo modo, andando pelas ruas e ruelas, vc vai se deparar com alguns belos exemplares de arte de rua.
      A vontade de esticar a noite era grande, mas precisávamos medir as forças e havia um dia inteiro seguinte a (re?) desbravar (de dia), então fomos dormir não tão tarde.
       
      Dia 2 – Valparaíso e Viña del Mar
      Domingo acordamos cedo para o café. Nem havia amanhecido! às 7 da matina Ideia era sair cedo mesmo, dar um rolê numas áreas lá de baixo, depois subir para a Sebastiana. Tava bem nublado. Fomos no arco inglês, pracinha da catedral (tínhamos passado no dia anterior), depois fomos subir. O ascensor estava fechado, então fomos de escada mesmo. Naquela hora da manhã, só havia bebuns. Na praça e na escadaria. Talvez assustem, mas... vivemos no Rio, né? 
       
       
      Curtimos um pouco do Museu a Céu Aberto, que anda precisando de uma repaginada, mas que ainda proporciona um belo visual. E seguimos subindo até a Sebastiana, onde fomos um dos primeiros a chegar. Visitamos a casa (novamente, no meu caso), curtimos bastante. As casas do Neruda são muito maneiras de se conhecer. E, para quem se dispõe a ouvir o audioguide, as histórias são bem interessantes também. É pena que minha insensibilidade com poesia me limite a curtição da obra dele.
       
      Depois disso repeti meu trajeto de anos antes, seguindo por toda a Av. Alemania até descer no Paseo Iugoslavo. Entramos no Museu de Belas Artes, não exatamente pelas obras, mas pelo Palácio em si, que é muito bonito. Visitamos rapidamente. Descemos de ascensor para a Praça Sotomayor, e seguimos a pé para o Artilleria. Exatamente o que eu me lembrava de ter feito antes. E, tal qual antes, havia fila para o ascensor Artilleria. Tal qual antes, subi a pé. Curtimos o visual, as casinhas, e não muito mais que isso – rola um mercado pra turistas lá em cima. Descemos a pé mesmo, e, de volta à praça, pegamos o metrô para Viña del Mar. Tanto em Santiago quanto lá, vc tem de comprar o cartão magnético para viajar no metrô. Desagradável para quem está lá só por uma viagem, mas vamos em frente. Acho que já era assim qdo fui. Devia ter guardado o cartão!
       
      Em Viña fomos direto para a Quinta Vergara, mas o Palácio que eu queria ver estava em reforma. Andamos um pouco pelo parque e seguimos para o Palacio Rioja, mas chegamos na hora em que estava fechado para o almoço. Putz (sim, falta de planejamento detalhado!). De qq forma, é bem bonito. Passamos, mas não entramos dessa vez, no Museu Fonck. Foi bem legal quando fui, mas não quis repetir. Fomos descendo para o litoral. Viña é bem agradável em suas ruas internas, muito arborizada. No litoral, uma cena interessante: estava bem nublado, e até friozinho. E a galera na praia. Cheia de roupa de frio, claro. Um conceito diferente de praia. Quando estive lá da outra vez havia galera na praia tbm, mas pegando sol. Fazia calor.
       
      Passamos pelo Cassino, visitamos o Castelo e fomos até o tradicional relógio, ponto seguro de milhões de fotos. Era hora de dar uma pausa e conseguimos encontrar um bar que servia bebidas sem precisar comer. Amem! No Chile geralmente é difícil encontrar lugares que sirvam apenas bebidas, vc necessariamente tem de pedir alguma comida para acompanhar. Depois de saborosos piscos sours e cervejas, lá fomos pegar nosso metrô de volta. Chegando em Valpo, pegamos um taxi que passou no albergue (mochilas!) e nos deixou na rodoviária. Já era fim de tarde, pegamos rapidamente um busum para Santiago. 
       
      Da outra vez em que estive em Valparaíso, em 2010, eu cheguei de manhã desde Santiago, peguei um busum para a Sebastiana, conheci a Casa do Neruda, e depois segui andando até descer pelo Paseo Iugoslavo. Gostei muito da vibe na época, e deu aquela sensação de que valeria um retorno para um pernoite. A sensação que tive dessa vez é de que teria valido a pena mais de um pernoite. Que tenha uma próxima vez. Reconfirmei a vibe Santa Tereza (RJ) que eu tinha sentido da outra vez. Com o diferencial evidente do fator segurança. Rola muita comparação entre Valpo (mais antiga, mais bagunçada, mais perigosa, mais artística) e Viña (mais moderna, mais organizada, mais tranquila, mais praiana). Gosto muito de ambas, mas minha base é Valpo mesmo.
      De busum, descemos na Pajaritos, pegamos metrô e chegamos ao nosso hostel no bairro Lastarria por volta das 20hs.
      Mal chegamos e marcamos com umas amigas da Katia de nos encontrarmos para jantar. Tentamos o Tango, umas choperias, mas tava tudo cheio. Encontramos um famoso, mas que foi meio marromeno. Várias coisas faltando, lomo que tava faltando mas depois passou a ter – e aquilo não era lomo mesmo. Depois da janta, compramos umas Kross no mercado para saborear no quarto mesmo. 
       
      Dia 3 – Cajon del Maipo
      Eu já tinha pré-acertado a visita a Cajon del Maipo por whatsapp com a TripChile. Precisava apenas confirmar qdo chegasse a Santiago, e assim fiz, na noite anterior. Cedo pela manhã lá estávamos esperando a van para o passeio. Chegou umas 7hs. Fomos os últimos a entrar, e todos eram brasileiros. Não era lá muito confortável para dormir, então fui vendo filme.
      Primeira parada, até para um café da manhã, foi em San Juan del Maipo. Tomei um café e depois fiquei rodando pela pracinha da pequena cidade. Fazia um friozinho muito bom. Lá é base para várias atrações pelas montanhas. Nosso guia era um simpático chileno que cometeu o deslize de perguntar ao grupo sobre Lula, e ainda com o agravante de elogiar o falecido ditador Pinochet. Ou seja, receita certa para a discórdia. Felizmente a galera não esticou a corda.
       
      A primeira atração é o Embase El Yeso, uma represa belíssima que é área de mineração também. Logo, há um certo conflito de espaço entre as vans de turistas (amplamente de brasileiros naquele dia) e os caminhões. O visual é espetacular. Embora estivesse frio, ainda não havia começado a nevar. Era final de abril (último dia!), consta que normalmente começa a nevar em Maio. Com ou sem neve, o lugar é muito bonito. Pena mesmo é que só temos meia hora por lá. É o mal dos tours. Eu teria ficado bastante mais tempo curtindo o lugar. Talvez uma próxima vez. 
       
      Mais 1h de viagem, e chegamos às Termas Colina. Galera nas piscinas de água quente. Funciona assim: as mais acima são mais quentes. Não consegui entrar. Ficamos numas intermediárias, só que mais próximas de baixo. Curtimos bastante. Também tem horário limite, e usamos o tempo todo de que dispomos. Ideal para lá é levar chinelos (#ficaadica), facilita muito a coisa de tirar e colocar roupas e caminhar de e para as piscinas.
       
      Tinha bastante gente por lá, muitos brasileiros naturalmente. Mas ouvimos muita gente falando espanhol tbm. Vi que muita gente vai para lá de carro, arma uma tenda, faz churrasco, etc. Curte o dia. Parece ser um programa bacana. Aquele visual belo e seco típico da região, o rio passando lá embaixo, o sol direto (fez sol!) na cabeça, o vento. Uma experiência. 
      Depois dos banhos quentes, fomos curtir um piquenique com a galera. Estava incluso (e eu nem sabia!). Garrafão de vinho e tira-gostos. Daria para ficar lá até o sol se por, mas a partida é relativamente cedo, umas 14 ou 15hs +-. De modo que chegamos umas 17hs de volta a Santiago. Eu teria ficado mais tempo!

      Ainda que seja um tour com belíssimos visuais e a experiência nas termas, deve se levar em conta que dura 10 hs do dia, das quais vc passa a maior parte do tempo na van, indo e vindo e se deslocando entre as atrações. E não é nada barato, custa 45 CLP por cabeça. Mas a ótima lembrança do visual e da experiência é o que fica, ao menos para mim. Consideraria, no entanto, repetir o passeio, mas por conta própria.
      Como chegamos ainda com luz Em Santiago, saí para passear pelo bairro Itália, que ainda não havia conhecido. O CC Gabriela Mistral, que fica ali no Lastarria, estava com as atrações fechadas na 2ª feira. Percorri Baquedano, e me embrenhei nas ruas do bairro Itália, que é bacana. Algumas áreas estavam se preparando para a noite, que começaria logo a seguir.
      Nesse dia fomos jantar com as meninas na pizzaria Tiramisu. Mais uma vez. É badalada em excesso, pra falar a verdade (minha opinião, claro). É bom, mas não tanto assim para lotar do jeito que lota. Tem fila pra entrar, enquanto os vizinhos ficam com espaço sobrando.
      Na saída ainda demos um rolê pela Isidora Goionechea antes de pegar o metrô de volta para nossa área. Tinha uma cervejaria que eu estava tentando conhecer, a Jose Ramon, mas que vivia cheia. Chegando lá, mesmo tarde da noite, estava cheia novamente. Então fomos dormir. Aproveitei um mercadinho para comprar uns refris vermelhos locais. Eram bons!
       
      Dia 4 – Santiago
      Terça-feira era 1º de Maio. Um dos feriados onde mais se fecham atrações pelo planeta (tipo 1 de Janeiro e 25 de Dezembro). Não deu outra, tava tudo fechado em termos de atrações mesmo. Nesse dia ganhamos o café da manhã de cortesia do hostel. Muito simpático!
      Saímos para passear e a Avenida principal estava fechada para o desfile de 1º de Maio. O CC Gabriela Mistral sequer abriu. Na altura de onde estávamos ficava o palco, presumo que era o final do desfile. Fomos então ao encontro das massas, em direção ao Palácio do governo, que foi onde nos encontramos com a galera desfilando. Em frente ao palácio havia barreiras, mas fora dessa área o acesso era livre. Ficamos observando e fotografando os sindicatos e outras associações de trabalhadores (assim como diversas representações comunistas) desfilando. Uma moça chilena carregava um cartaz pedindo “Lula Livre”. Geralmente era desfile com cartazes, algumas fantasias, mas havia algumas coreografias tbm, acho que de grupos de artistas. Tudo na paz, ainda bem.
      Depois de um tempo, embicamos para o centro. Tudo fechado mesmo, absolutamente nenhum museu aberto. O mercado abriu. Fizemos então uma caminhada pelo Parque Florestal, depois fizemos uma pausa na região do Bellavista. A Kross estava aberta e não lotada, como na sexta-feira em que lá estivemos. Curtimos algumas boas cervas, caminhamos nos arredores. Região bacana, aquela. Tem opções para diversos gostos e bolsos.
       
      Ainda revimos o Cerro Santa Lucia, e depois ficamos curtindo o Bairro Lastarria e toda aquela efervescência cultural que rola por lá. Artistas de rua, bandas, feirinha, painéis espetaculares nas fachadas de um prédio. Almojantamos no Tambo e depois ficamos bebericando pisco sour até a hora de ir embora. Uber para o aeroporto deu 13 CLP, acho que havia promoção de taxis por 20 CLP no hostel. 
       
      Chegaríamos ao Rio de madrugada. E assim foi mais uma viagem explorando cantos pelo mundo!
       
       


×