Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

Olá, mochileiros. Preciso de ajudaaaaa!

Não conheço a Europa, mas decidi me aventurar por lá esse ano (2019).

Como só tenho disponibilidade para viajar em dezembro, e sei que esse é o período de inverno por lá, gostaria de receber dicas para otimizar meu roteiro e não ser """prejudicada""" pelo clima de lá, já que sou carioca e não estou acostumada com o frio, rs. 

Eu tenho alguns destinos que não gostaria de abrir mão, como Amsterdam, Madrid, Barcelona (tenho pensando em outras cidadezinhas como Salamanca e Toledo também, mas ainda não tenho certeza sobre essas duas) e Londres.

Tenho 22 dias para aproveitar por lá e estou aberta a receber sugestões de roteiros para otimizar minha viagem, visitando as cidades que grifei acima e até mesmo incluindo destinos adicionais.

Agradeço desde já :)

 

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

6 minutos atrás, lorraine.oa disse:

Olá, mochileiros. Preciso de ajudaaaaa!

Não conheço a Europa, mas decidi me aventurar por lá esse ano (2019).

Como só tenho disponibilidade para viajar em dezembro, e sei que esse é o período de inverno por lá, gostaria de receber dicas para otimizar meu roteiro e não ser """prejudicada""" pelo clima de lá, já que sou carioca e não estou acostumada com o frio, rs. 

Eu tenho alguns destinos que não gostaria de abrir mão, como Amsterdam, Madrid, Barcelona (tenho pensando em outras cidadezinhas como Salamanca e Toledo também, mas ainda não tenho certeza sobre essas duas) e Londres.

Tenho 22 dias para aproveitar por lá e estou aberta a receber sugestões de roteiros para otimizar minha viagem, visitando as cidades que grifei acima e até mesmo incluindo destinos adicionais.

Agradeço desde já :)

 

 

 

Únicas dicas que posso dá a voce basicamente:

Dependendo do tempo, meio do ano é suave!

22 dias : ida e volta avião, fuso horarios, deslocamento, checkin - out .. reveja o roteiro bem, pra n fica apertado e cansativo ;)

pelo que vi, gastará 4 dias com voos, trem, trajetos etc..

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
1 minuto atrás, Dan Wollker disse:

Únicas dicas que posso dá a voce basicamente:

Dependendo do tempo, meio do ano é suave!

22 dias : ida e volta avião, fuso horarios, deslocamento, checkin - out .. reveja o roteiro bem, pra n fica apertado e cansativo ;)

pelo que vi, gastará 4 dias com voos, trem, trajetos etc..

Oi, Dan. Obrigada pelo comentário.

Como disse na minha publicação, só posso viajar em dezembro mesmo, no meio do inverno deles :(

Acha que corro risco de não conseguir aproveitar bem Londres e Amsterdam por conta do clima de dezembro, por exemplo?

Além disso, se tiver alguma sugestão para a "ordem do meu roteiro" (ex.: por onde começar e terminar a viagem), ficaria contente em saber. Eu realmente não conheço a  Europa e quanto mais dicas para otimizar meu tempo, melhor.

Abs,

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Em termos de dias, usualmente costuma-se dedicar uns 3 dias inteiros pra Amsterdã, 2-3 para Madri, uns 4 para Barcelona e uns 6-7 para Londres. Se vc computar os deslocamentos entre cidades já quase dá o seu tempo total. Mas este tempo é relativo. Eu amei Barcelona, fiquei 5 dias e achei pouco... 7 dias em Londres é pra quem curte explorar todos os museus... e por aí vai! É bem pessoal!

Vc tem que ler bastante e ver qual a sua necessidade em cada lugar pra ver a quantidade de tempo que quer ficar!

Não aconselho a fazer o que faz a maioria dos viajantes na sua primeira ida a Europa: trocentos lugares em 20 dias! Os deslocamentos podem ficar caros e vc vai ficar metade da sua viagem em trânsito! Bora aproveitar né?

E em relação ao clima, vc vai pegar mais frio quanto mais norte, então Londres por exemplo, Amsterdã, e até Madri e Barcelona pode pegar mais frio! Mas não é de morrer! Pra fugir do frio teria que ficar em Portugal e Espanha, mas vc já disse que não abre mão de Londres e Amsterdã, rs!

O sul da Espanha tb é mais quentinho (andaluzia).

Mas pensando nas cidades que você indicou, daria pra acrescentar algo de Portugal tb e seu roteiro ficaria assim:

Lisboa > Madri e arredores > Barcelona > Londres/Amsterdã.

Vc pode comprar passagem chegando em Lisboa e partindo de Amsterdã ou Londres, dependendo de qual for a última cidade!

Outra ideia seria explorar o sul da Espanha que é mara!

Lisboa > Sevilha e arredores > Barcelona > Londres/Amsterdã.

Tem MUITOOOS relatos de viagem pela Europa! Leia alguns e veja o que mais te agrada!

O meu da Espanha e Portugal tá meio desatualizado em valores pq é de 2015, mas se quiser ter uma ideia segue:

http://www.mochileiros.com/relato-portugal-e-espanha-maravilha-com-airbnb-com-inverno-com-crianca-t109985.html

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fui nesse inverno para Londres (6 dias) e Amsterdam (3 dias) e deu para fazer tudo que eu queria. Mas recomendo você dar uma pesquisada nos programas que gostaria de fazer e a disponibilidade, até porque podem ter coisas reformando e até com tickets indisponíveis (dessa vez não consegui ver o Big Ben pois o mesmo estava em reforma).

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@lorraine.oa Compre as passagens na opção multiplus destinos, chegando por Madrid e voltando por Londres, ou vice e versa.

Tente montar um roteiro com pelo menos 4 noites liquidas em cada destino para aproveitar mais a viagem.

Ai vc faria assim, ou invertendo a ordem, acredito ser a maneira mais lógica geograficamente:

Madrid 4 noites

Barcelona 4 noites

Amsterdam 4 noites

Londres 4 noites

O restante dos dias seriam deslocamentos, e caso sobre algum dia aumente a permanência na cidade que melhor lhe agrade.

Com o seu tempo disponível acredito que não dê pra ir em cidades vizinhas, pois perderá tempos de deslocamentos.

Outra coisa, pela KLM você consegue stopover grátis em BCN e AMS. Consulte no site da companhia, quem sabe economiza pelo menos um trajeto.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Leonardo Brito Barros
      Para melhor entendimento do roteiro que fiz, é preciso explicar que cheguei em Barcelona pelo mar, de navio, em uma terça-feira e ficamos hospedados em uma cidade vizinha a Barcelona, chamada Badalona há cerca de uma hora do centro, na casa de um familiar, o que nos fez economizar bastante. Fomos eu e minha namorada, com três malas ao total. Assim surgiu o primeiro problema, tínhamos bagagem, mas não valia a pena ir até a casa de meu primo, deixar as malas e voltar para o centro, perderíamos tempo demias. A solução que encontramos foi deixar as malas em um locker na Praça Catalunha.

      Dia 1 - Centro

      Atracamos no Porto de Barcelona por volta das 08h da manhã, mas só conseguimos de fato estar prontos para iniciar a viagem por volta das 12h (Nossas malas demoraram uma eternidade para aparecer na esteira). Assim que pegamos as malas, pegamos um taxi do Porto até a Praça Catalunha (cerca de 10 euros), deixamos nossas malas no Locker (pagamos cerca de 15 euros e podia ficar até as 20h salvo engano) e começamos o passeio pela Praça Catalunha, que é IMENSA, muito bonita e com pombos até umas horas (pense numa praga kk). Continuamos o passeio subindo a Avenida até a Casa Battló Gaudí, que na época estava em reforma, por isso sua aparência era diferente do que vimos nas fotos antes de irmos. Seguimos caminhada pela Avenida até a Casa Millá (tudo muito perto), esta sim estava linda como  esperávamos.

      Praça Catalunha

      Casa Batlló

      Casa Mílla
      Após tirarmos algumas muitas fotos, demos meia volta e seguimos sentido Praça da Catalunha novamente. Onde se inicia a famosa La Rambla, um calçadão com vários bares no meio da rua e comércio a toda parte que vai desde a Praça Catalunha até o Monumento a Colón, uma estátua gigante, no meio de uma bela praça em homenagem ao descobridor Cristovão Colombo.

       

      Las Ramblas

      Monumento a Colón

      Depois das fotos, já estávamos morrendo de fome. Até tínhamos comidos umas frutinhas que levamos do navio na mochila durante o passeio, mas já não dava mais conta. Fomos pela La Rambla novamente procurar algum lugar bom e barato. (Importante: TUDO lá é mais caro que o normal e certamente não é o melhor possível, visto que é o ponto mais turístico da cidade. Estávamos ciente disto, mas não tínhamos o que fazer, pois nosso tour continuava pela área). Encontramos um bar que oferecia entrada, prato principal e uma bebida por 15 euros, achamos, em conta comparado aos outros. Dividimos o Menu e comemos uns "Nachos" com queijo (com aspas pois na verdade era Doritos), uma "Paella" tradicional (arroz com alçafrão) e tomamos uma cerveja (com certeza a melhor coisa do almoço. A paella era relativamente grande e deu pra dividir, então saiu 15 euros para os dois o almoço. Não foi dos melhores, mas pelo preço e local, foi a melhor opção.



      Após almoçar, só tínhamos mais um ponto, para ir, o Mercado La Boqueria, mas como havia tempo, decidimos sair andando pela La Rambla e percebemos as placas indicando uma Biblioteca da Catalunha, a maior bibioteca que vi na minha vida, era imensa, tentamos entrar, mas desistimos pela ignorância da atendente (pode entrar 0800), mas tiramos muitas fotos no hall de entrada e por fora kk. Voltamos para a Rambla no sentido do Mercado La Boqueria. Um mercadão muito grande, com muita variedade, muita coisa diferente, muitos frutos do mar, morangos gigantes. Vimos ouriço sendo descascado para ser refeição, lula e polvos bombados de grande, ostras muuuito grandes (como amante de ostra, tive que experimentar, pelo valor de 3 euros).

      Mercado La Boqueria


      Ostra gigante
      Depois do Mercado já eram por volta das 4h, voltamos a Praça Catalunha, pegamos nossas malas, paramos na Mc Donalds da praça para usar o Wifi e ver no Google Maps a melhor forma de chegar a casa do meu primo em Badalona (O metro é a melhor forma de se locomover em Barcelona, sem dúvidas). Compramos o T-10 por cerca de 10 euros que dá direito a 10 viagens nos transportes públicos de Barcelona (metro, bus e trem). OBS: O google Maps nos ajudou muito, nos guiamos por ele e sempre nos dava a melhor opção.

      Depois de uma hora no metro em hoário de pico, corre corre, cheio de mala grande, um ônibus, ter parado algumas descidas depois do que deveríamos e uma andadinha de leve com mala até umas horas, chegamos a casa de meu primo, onde comemos uma pizza com ele, tomamos um vinho, planejamos o dia seguinte e formos dormir, mortos de cansados.
      Dia 2 - Sagrada Família, Parc Guel, Bairro Gracia
      Acordamos por volta das 8h, tomamos um café da manhã reforçado e partimos. Desta vez sem malas!! kkk Da casa de meu primo até a estação de metro é uma caminhada de cerca de 10 minutos descendo, preferimos ir andando para se ambientar do que pegar um busão. Pegamos o metrô e descemos na estação Sagrada Família (como disse, o Metrô de BCN é fantástico). Tiramos muitas fotos da impressionante Igreja que nunca ficou pronta (previsão para 2022 salvo engano), mas não entramos pois as filas são enormes. Dizem que vale muito a pena, mas como tínhamos poucos dias na cidade e muita coisa a conhecer vimos apenas por fora. Por lá, achamos um wifi grátis e vimos no Maps como ir ao Parc Guell.

      La Sagrada Família
      O Parc Guell é gigante, em um morro muito alto com uma vista linda de toda a cidade de Barcelona. Para chegar, ao descer do metrô subimos eternamente por uma escada e depois ladeira até de fato chegar. Lá em cima é lindo, muito grande, cheio de árvores, muitos turistas, ambulantes e nativos fazendo e exercícios. Há uma parte paga no Parc, onde tem os famosos bancos de mármore coloridos, mas estavam em obras e assim apenas facilitou nossa escolha de não pagar. Tiramos muitas fotos, sentamos em banco com mesa e comemos umas frutinhas que levamos da casa de meu primo. Após descansar um pouco já era por volta das 13h, descemos o morro e pegamos o metrô para o bairro de Gracia. Bairro dos estudantes estrangeiros, muito bonito, aconchegante e, principalmente, boêmio. Por indicação de meu primo, que já havia morado por lá, após fazer um passeio pelas ruas e praças, fomos a um restaurante brasileiro delicioso naquele bairro. Pagamos cerca de 22 euros cada um, em um menu completo com bebida perfeito de baum. O nome do restaurante é Miriot, valeu muito a pena e o pessoal de lá é super gente boa. 

      Parc Guel

      Entradas do Restaurante Miriot, no bairro de Gracia
      Um outro primo que também mora por Barcelona, marcou de nos encontrar no final da tarde em uma Casa de Jamóns, típico presunto de Barcelona, perto da Praça Catalunha. Fomos andando do Bairro Gracia até lá (cerca de 20 min) e como tínhamos tempo, na caminhada entramos em um Museu 0800 muito legal que estava com exposição sobre o futuro de Barcelona. Encontramos meu primo e fizemos um passeio pelo bairro Eixample, próximo a Praça Catalunha que tem uma estética peculiar (todos as esquinas são em formato de quinas). Já pelo início da noite, paramos em um bar de tapas e tomamos uma cerveja comendo os deliciosos Mexilhões no vapor (pense num troço gostoso).
      Ao fim, fizemos uma boa de uma caminhada até o Arco do Triunfo, que há noite fica lindo, encontramos o outro primo e pegamos um trem de lá mesmo em direção a Badalona. Ao descer do trem, fizemos aquela andadinha básica de 10min, mortos de cansados, com o frio já pegando, até em chegar em casa e capotarmos.

      Arco do Triunfo
      Dia 3 - Ciutadella, La Barceloneta e Mountjuic 
      Começamos o terceiro dia exatamente de onde paramos o segundo. Depois de (claro) um belo café da manhã, pegamos o trem de Badalona até a estação do Arco do Triunfo, onde começamos o mais cansativo dos dias.

      O Arco do Triunfo fica na "entrada" do Parc de la Ciutadella. Bonito parque onde estão localizados várias estátuas, monumentos e até o Parlamento da Catalunha. Tiramos várias fotos por lá, curtimos o parque, caminhamos ao ar livre e partimos para La Barceloneta, a famosa praia de Barcelona. Para chegarmos lá, demos uma bela de uma caminhada (cerca de 20min). Sentamos em um banco de frente para o mar e comemos nossas frutinhas de lei, conversando besteira, vendo o povo surfar numa água gelada da gota e uma turma jogar um vôlei.

      Parc de La Ciutadella


      La Barceloneta

      Calle de La Barcelonetta
      Depois de uns 30min relaxando na beira da praia, fomos para a pizzaria NAP em Barceloneta mesmo. Pizza boa, grande e muito em conta. 6 euros a mais barata e 500ml de cerveja foi cerca de 3 euros.

      NAP Pizza em La Barceloneta
      Comemos bastante, cientes de que tínhamos muito a fazer ainda naquele dia. De barceloneta, pegamos um busão e descemos na Praça da Espanha (todo o deslocamento com a ajuda do Google Maps, óbvio kkk). Onde pegamos outro bus subindo em direção ao Castelo de Montjuic. Esta área foi construída para as Olimpíadas de 1992. Tendo vários pontos turísticos em sequencia. O ônibus para em cada uma delas (Fonte Mágica, Vila Olímpica, Estádio Olímpico, Jardim Botânico, Fundação Juan Miró e por fim, o Castelo). Tivemos que fazer escolhas tendo em vista o curto tempo (já eram umas 15h da tarde). Então descemos na Fundação Juan Miró e enquanto ela foi admirar as artes (cerca de 16 euros e dura mais ou menos 1h a visita) eu voltei andando até o estádio Olímpico. Nos encontramos após uma hora e pouca, pegamos o ônibus novamente e enfim subimos até o Castelo.

      Estádio Olímpico

      O famoso "Poema 3" na Fundação Juan Miró
      Nesta hora, fiz o maior erro da viagem e deixei minha mulé muito estressada kkk. Assim que chegamos no Castelo tiramos fotos no jardim da frente e na entrda principal e fomos em um caminhinho ao lado, momento em que tive a brilhante ideia de dar a VOLTA no Castelo andando por esse caminho. Não escutei as orientações dela e... andamos 30min e não chegamos a canto algum. (O castelo era imenso e não tinha fim, a curva nunca chegou). Dei a volta e depois de uma hora perdida chegamos no topo com o sol se pondo. Ai foi minha hora de me redimir "Ta vendo? Foi tudo planejado para vermos o pôr do sol daqui". Importante dizer que só fomos na parte 0800 mesmo, não vimos muita necessidade de ir na parte paga pois era apenas para poder subir um andar a cima na vista. O valor não valia a pena. No 0800 não se deixa de ver NADA.
      O Castelo é muito grande, muito lindo e tem uma puta vista para a cidade e principalmente para o porto de Barcelona. Ficou melhor ainda por termos a honra de ver o pôr do sol lá comendo umas batatinhas que compramos no mercado.


      Castelo de Mountjuic

      Pôr do Sol no Castelo
      Voltando para pegar o último ônibus descendo de volta a Praça da Espanha, minha mulher viu o teleférico e decidiu que no outro dia iria voltar ali para conhecer. Descemos de ônibus até a Fonte Mágica de Mountjuic e chegamos na hora certa para assistir o show da fonte, tudo, de fato, saiu como planejamos. Apesar da perda de tempo tentando dar a volta no Castelo kkk.
      O show da Fonte Mágica de Mountjuic é completamente INCRÍVEL e IMPERDÍVEL. Você tem que assitir. Dura uma hora e tem dias e horas certas para acontecer. Só buscar no google que acha. Quando estávamos lá,  só acontecia de quinta à domingo, sempre às 20h. Assistimos o espetáculo bem na frente (batendo água da fonte na gente) e ficamos de queixo caído, foi lindo. O Castelo e esse show foram pontos muito altos de Barcelona.


      Show da Fonte Mágica de Mountjuic
      Após assistir grande parte do show, voltamos a praça da Espanha e fomos ao Shopping que tem lá. O Shopping tem estrutura antiga, era uma arena de touradas antigamente. Hoje em dia é um shopping, mas a fachada continua a mesma. Já estavam fechando tudo, só a praça de alimentação ficou aberta, para nossa sorte. Achei um restaurante que já tinha lido sobre e fomos lá. O nome é Gustos é há em outras localidades também. Dessa vez dividimos um arroz negro e tomamos uma sangria. Sensacional de gostoso e muito em conta, visto que o prato é grande e deu para dividir para nós 2. 

      Arroz Negro com Sangria no Gustos BCN
      Ao fim, ainda tomamos uma cerveja em um barzinho na calçada da praça, para fechar o dia com chave de ouro. Por volta das 23h pegamos o metrô (que fechava as 00h e não sabíamos, ou seja, demos muita sorte) e uma hora depois, estávamos em Badalona. Ainda fizemos uma caminhada de 10min subindo ladeira, pois os ônibus de Badalona já haviam parado. Já estava muuuito frio também. Então pegamos um sufoco grande no fim desse dia.
      Dia 4 - Camp Nou, Teleférico, Bairro Gótico e Poblenou
      Neste dia, dormimos um pouco mais, devido ao intenso dia anterior. Só saímos de casa por volta das 10h da manhã. E os caminhos se dividiram. Eu queria muito ir ao Camp Nou e ela ao Teleférico de Mountjuic. Pegamos o metrô em Badalona e descemos em paradas diferentes.
      Fiz o tour que todo amante de futebol tem vontade de fazer um dia, entrei no campo onde Messi e Suarez fazem gols e desfrutem do bom Museu Interativo do club. Foi salgado o preço, mas valeu muito a pena. Me custou cerca de 30 euros, com a duração de 1h30min/2h.

      Camp Nou
      Enquanto isso ela, foi até a praça da Espanha, subiu de ônibus até o Castelo, e de lá desceu de Teleférico até Barceloneta (vista incrível). 

      Teleférico de Mountjuic
      Nos encontramos na Praça Catalunha, almoçamos no 100 montaditos (muito ecônomico e gostoso. A cerveja é 1 euro) mais uma vez e fomos para o bairro Gótico, a única coisa que faltava no nosso cansativo roteiro.
      Chegamos a Catedral de Barcelona, tiramos algumas fotos e demos uma passeada em sua grande dimensão, mas o cansaço acumulado bateu. Vimos um Irish Pub e não pensamos duas vezes. Passamos a tarde tomando Guiness e descansando um pouco. No final da tarde, um de meus primos chegou por lá e fomos com ele conhecer o bairro gótico. Ainda bem que fomos, é muito lindo, ruas bem estreitinhas, muito charmoso. Passamos pela praça onde está localizado o Prédio da Presidência da Catalunha. O palácio da música é um 10, muito bonito por fora e por dentro.

      Catedral de Barcelona

      Bar irlândes


      Calles do Bairro Gótico

      Palácio da Musica da Catalunha
      Já à noite, demos uma senhora andada até o o bairro Poblenou (cerca de 30min). Onde encontramos o outro primo e fizemos um pubcrawl pelo bairro. Jantamos em um bar de tapas muito bom da região, onde comemos umas tapas (dentre elas o mexilhões ao vapor, é claro kkk) e tomamos um vinho. Já tarde, ainda fomos parando em alguns bares até chegarmos a casa de um deles. Quando nos despedimos e pegamos o metrô com o outro de volta a Badalona.


      Mexilhões ao vapor


      Tapas

      Dia 5 Praia de Badalona
      No útimo dia, depos de termos tomado algumas na sexta-feira. Dormimos mais novamente. Tomamos café por volta das 11h e fomos para a praia de Badalona mesmo com meus primos, sua esposas,a filhinha de cada um deles. Levamos comida e cerveja e ficamos na areia da praia de Badalona relaxando um pouco depois de dias corridos. Ainda passeamos pelas Calles centrais de Badalona, perto da praia e voltamos em casa por volta das 15h para nos arrumamos. 


      Praia de Badalona
      Meu primo nos deixou no Aeroporto e partimos para Lisboa.
       
       
      O post ficou imenso, mas muitooooo detalhado. Espero ter ajudado quem ta se programando para ir a essa cidade fantástica. Para mim, na Europa, está pau a pau com Amsterdan. Com certeza não fui, até agora, em nenhuma melhor que elas.
       
      Qualquer dúvida é só falar!
       
    • Por Mari D'Angelo
      Portugal é um país pequeno, mas tem 9 pedacinhos paradisíacos destacados bem no meio do Oceano Atlântico, o Arquipélago dos Açores! São Miguel é a maior das ilhas, e com voos low cost regulares à partir de Lisboa e Porto, é também uma das mais visitadas.
      A Ilha de São Miguel é um dos lugares mais lindos que já vi! De origem vulcânica, a terra das “vacas felizes” tem paisagens deslumbrantes que vão da montanha ao mar. As estradas, sempre enfeitadas por hortências brancas e azuladas, levam à lagoas cenográficas e praias de areia escura. É o destino perfeito para quem gosta de estar em meio a natureza.
      O idioma falado é o português, mas o sotaque dos micaelenses (originários da Ilha de São Miguel) é tão diferente do resto de Portugal que muitas vezes parece que eles estão falando francês! A moeda corrente é o euro.
      Como se locomover nos Açores?
      A primeira coisa a se pensar ao planejar uma viagem para os Açores é alugar um carro! Não sei sobre as outras ilhas (imagino que seja o mesmo), mas em São Miguel é sem dúvidas a melhor opção.
      Até há transporte público e ônibus turísticos Hop On Hop Off, como o Yellow Bus, que passam pelos principais pontos, mas lá é daqueles lugares em que o caminho é tão interessante quanto o destino final. Estar de carro vai te dar muito mais liberdade e conforto, além de otimizar o tempo.
      Caso decida se deslocar de transporte público, confira aqui as linhas e horários.
      As locadoras de carro já ficam logo em frente ao portão de chegada no Aeroporto João Paulo II, em Ponta Delgada, e de lá até o centro da cidade não dá nem 10 minutos. O ideal é já ter feito a reserva com antecedência.
      É fácil se locomover na ilha pois as distâncias são curtas (uma volta completa, de ponta a ponta dá 4h de viagem), as estradas são boas e não há pedágios.
      Quanto tempo ficar na Ilha de São Miguel?
      Tivemos apenas 3 dias inteiros na Ilha. Dá pra conhecer bastante coisa, mas definitivamente é pouco! Imagino que 5 dias inteiros, ou até uma semana seja o ideal, assim dá pra fazer as coisas com mais calma e ficar mais tempo curtindo cada lugar.
      É bom também levar em conta a época do ano. Como a maior parte das atrações são à céu aberto, faz bastante diferença se os dias são mais curtos ou mais longos. No verão o sol se põe por volta das 21:00 enquanto no inverno é pelas 18:00. O fuso horário também é diferente do de Portugal continental, sendo 1 hora a menos.
      Onde se hospedar na Ilha de São Miguel?
      Nós ficamos hospedados em Ponta Delgada, bem no centrinho da cidade. É a melhor opção para quem quer sentir um pouco de movimento, ter opções de restaurantes, cafés, lojas… mas ainda assim é uma cidade pequena e tudo fecha cedo. Para quem prefere mais tranquilidade, há vários pequenos vilarejos com opções de hospedagem perto do mar e das lagoas.
      Ficamos na Casa Conforto, um alojamento local bem simpático, com instalações novas e bem decoradas, funcionários super atenciosos e café da manhã no quarto (entregue todos os dias em uma cestinha de picnic ♥). Tem uma cozinha compartilhada caso queira guardar algo na geladeira ou tomar um café. Há um estacionamento público gratuito a 5 minutos a pé e vagas pagas nas ruas próximas.
      Como é o clima nos Açores?
      A fama é de ter as 4 estações do ano em um só dia, então acho que a palavra para o clima nos Açores é “instável”. Fomos em Julho, pleno verão, e estava bem quente! A temperatura estava sempre por volta de 24º mas a sensação era de bem mais. Pegamos alguns momentos nublados mas nenhuma chuva.
      Para essa época recomendo roupas leves, um casaquinho para usar a noite, roupa de praia e calçados confortáveis, pois as melhores vistas vem sempre acompanhadas de alguma caminhada.
      Nosso roteiro de 3 dias na Ilha de São Miguel
      Dia 1
      No primeiro dia fomos explorar o lado leste da ilha. Começamos pelo Miradouro Pico do Carvão, meio improvisado no meio da estrada mas com uma vista impressionante!
      Um pouco mais a frente fica o Aqueduto do Carvão e atravessando da estrada, a entrada para o Miradouro Pico do Paul. Dá pra ir de carro até lá mas (apesar da subida) é um caminho agradável para fazer a pé, passando pelas aconchegantes Lagoa das Empadadas e Lagoa de Eguas.
      Seguindo ainda pela mesma estrada chegamos ao cartão postal dos Açores, o Miradouro da Boca do Inferno (ou Miradouro da Grota do Inferno). Ele fica dentro do Parque Florestal da Mata do Canário e tem horário pra fechar – 19:00 no verão e 15:00 no inverno.
      No começo da escadaria que leva à vista mais linda da Ilha de São Miguel, está estrategicamente posicionado um carrinho de sorvete artesanal com ingredientes típicos dos Açores. Pode ousar sem medo!
      A vista lá de cima é surreal! Vai revelando aos poucos a Lagoa e o vilarejo das Sete Cidades e as lagoas de Santiago, Rasa e do Canário. Há um trilho que leva à uma placa explicativa e muita gente para por aí, mas se caminhar um pouco para a esquerda a visão é ainda mais ampla e não é preciso dividir o espaço com quase ninguém. Se tem um lugar perfeito para um picnic, é este!
      E a rota dos miradouros ainda não acabou, seguimos para o da Vista do Rei, outra imagem bem conhecida da Ilha de São Miguel. Daqui vê-se a Lagoa das Sete Cidades, que tem um lado esverdeado e outro azulado, deslumbrante!
      Para ter a melhor vista da Lagoa das Sete cidades aconselho cometer um pequeno delito e “invadir” o hotel abandonado Monte Palace. O que parece ter sido um luxuoso refúgio, é hoje quase um cenário de filme de terror, com todo o interior destruído. Ainda assim dá pra imaginar o privilégio que era se hospedar em um daqueles quartos com varandas imensas de frente para as lagoas.
      Bateu a fome e decidimos descer até o vilarejo das Sete Cidades. Esse trecho da estrada é forrado de hortências e só por isso já valia a viagem, mas a cidadezinha também é um encanto! O gramado arborizado à beira da lagoa é um bom lugar para um momento relax. O almoço foi no Restaurante Lagoa Azul, que tem um buffet cheio de opções deliciosas e bem temperadas!
      Aliás, esteja atento ao horário se quiser parar para almoçar. Não há nada pelas estradas, é preciso entrar nas cidades e na grande maioria delas os restaurantes fecham entre o almoço e a janta (as vezes ficam abertos mas só para bebidas).
      A próxima parada foi a Ponta da Ferraria. Além de ser mais uma vista linda, lá em baixo há uma piscina natural de formações vulcânicas onde a água do mar fica quentinha! Essa é de acesso livre e tem duchas, banheiros e vestiários (tudo meio improvisado mas super útil!). Um pouco antes fica o Termas da Ferraria, um espaço com spa, piscinas e restaurante.
      Terminamos o dia no Miradouro da Ponta do Escalvado, quase um camarote para o pôr do sol.
      Dia 2
      Como ficava pertinho do nosso Airbnb, passamos para conhecer o Mercado da Graça, onde se encontra frutas (especialmente o famoso ananás dos Açores) e vegetais fresquinhos, produtos regionais como queijos, geléias e biscoitos e até souvenirs.
      Depois partimos para Vila Franca do Campo, na expectativa de comprar o bilhete para visitar o Ilhéu de Vila Franca no dia seguinte. Não conseguimos, mas continuamos o roteiro pelo lado oeste da Ilha.
      Ali perto fica a Ermida de Nossa Senhora da Paz, uma igrejinha que além de já ficar no alto da colina, ainda está no topo de uma uma incrível e imensa escadaria. Lá de cima a vista para a cidade, o mar e o Ilhéu é fantástica!
      Outra coisa imperdível em Vila Franca do Campo são as Queijadas da Vila, um docinho típico da região que ganhou tanto meu coração que voltei no dia seguinte pra comprar uma caixa inteira!
      Clique aqui e conheça mais doces típicos de Portugal!
      E falando em comida, paramos em um restaurante na cidade para provar uma das especialidades açorianas, as lapas grelhadas! Lapas são um tipo de molusco geralmente encontrados em pedras nas regiões marítimas.
      As “conchinhas” chegam espalhadas por uma chapa fumegante e são temperadas com um molho de alho e limão. O sabor é bom, mas o fato de elas terem umas anteninhas me deixou um pouco agoniada. Para acompanhar pode provar a cerveja Especial Melo Abreu, também original dos Açores.
      Continuamos até o Jardim da Lagoa de Furnas, um parque super agradável que tem a Ermida Nossa Senhora das Vitórias como cartão postal.
      Na outra ponta da Lagoa de Furnas, em uma área de solo vulcânico, é onde é preparado o famoso cozido de furnas, outro prato típico açoriano. O cozido leva variados tipos de carnes branca e vermelha, além de embutidos e legumes. Como sou semi-vegetariana, não experimentei, mas se tiver coragem, deve ser uma experiência gastronômica diferente!
      O diferencial desse prato é o modo de preparo. Tanto os restaurantes da região quanto pessoas avulsas levam as panelas para serem “enterradas” nas caldeiras, onde cozinham por cerca de 6 horas. Há pessoas responsáveis no local para ajudar no processo.
      A região de Furnas é aliás muito conhecida pelas caldeiras em ebulição e pelas águas termais. Para chegar até lá mais facilmente pode procurar por “Largo das Caldeiras”, quando começar e ver focos de fumaça saindo do chão, chegou!
      Há várias bicas de águas com diferentes propriedades espalhadas pela cidade e as pessoas são encorajadas a provar. Eu não dei muita sorte e escolhi uma que tinha gosto de ferro gaseificado! Há alguns lugares em que a água tem uma coloração meio avermelhada devido a presença de enxofre e ferro.
      Para ter uma vista aérea da Lagoa de Furnas, seguimos até o Miradouro do Pico do Ferro.
      E com tanta água envolvendo essa paradisíaca ilha, não dá pra não falar de praia também. Escolhemos para fazer uma pausa com uma imperial a beira mar, a Praia dos Moinhos, na região norte de São Miguel.
      A entrada da praia fica quase escondida nas curvas de uma sinuosa estrada e ao chegar, a surpresa fica por conta da cor acinzentada da areia. Uma boa pedida para petiscar é O Moinho Terrace Café, com um ambiente interior agradável e uma ampla esplanada de frente para o mar.
      A menos de 10 minutos de carro da Praia dos Moinhos fica o Miradouro de Santa Iria, com uma vista espetacular das falésias açorianas.
      Por ser uma ilha de origem vulcânica, há várias opções de termas em São Miguel, sendo as mais conhecidas a do Parque Terra Nostra e a Poça da Dona Beija. Deixamos essas duas fora do roteiro e optamos pela Caldeira Velha, um pequeno paraíso natural de águas escaldantes.
      As piscinas do Centro de Interpretação Ambiental da Caldeira Velha, envoltas por uma vegetação diversa, tem águas de diferentes temperaturas, sendo que a mais quente pode chegar a 38º! Parece impossível mas na verdade é bem agradável – claro que por pouco tempo. A maior e mais concorrida atração é a cascata, que tem uma coloração avermelhada devido ao ferro presente na água. Aliás, o ideal é não ir com roupas novas ou claras pois podem ficar com manchas.
      O tempo máximo de permanência é de 2 horas e há um limite de 250 pessoas por vez. O valor do ingresso é de 8€ (ou 3€ caso não queira entrar nas poças termais) e grátis para residentes nos Açores. Há banheiros e uma estrutura simples de vestiários e lockers. Mais informações aqui.
      Dia 3
      No nosso último dia na Ilha de São Miguel, acordamos cedinho com destino (de novo) a Vila Franca do Campo para fazer a travessia para o Ilhéu de Vila Franca.
      Leia aqui tudo sobre o Ilhéu de Vila Franca do Campo.
      No Norte da Ilha, já próximo à vila de Nordeste fica o Parque Natural da Ribeira dos Caldeirões. O acesso é bem fácil e a estrada corta ao meio dois lados igualmente dignos de cenários encantados. Em um deles, uma cachoeira que brota por entre as árvores e é rodeada por uma abundante natureza. Do outro um riacho salpicado por pequenas quedas d’água e casinhas dignas de aldeia. Sem dúvidas vale a parada.
      Uma das paisagens mais famosas da Ilha de São Miguel é a Lagoa do Fogo. O acesso de carro só vai até um certo ponto, depois é preciso fazer uma trilha de mais de uma hora. Para ter uma vista aérea basta subir ao Pico Da Barrosa.
      Como é um dos pontos mais altos da ilha, recomendo checar a visibilidade aqui antes ou corre o risco de chegar lá e não enxergar absolutamente nada por causa da neblina (que infelizmente foi nosso caso).
      À noite ficávamos sempre pelo centro histórico de Ponta Delgada. As Portas da Cidade, a Câmara Municipal e a Igreja de São Sebastião demarcam o miolo central, onde turistas e micaelenses se misturam.
      As ruas adjacentes estão repletas de opções de cafés, bares e restaurantes. Uma boa pedida é o Calçada do Cais, que recomendo pelo risoto e pela sangria! A região em frente ao cais também é uma opção agradável para ver o cair da noite.
      Há sempre alguma coisa acontecendo em Ponta Delgada, consulte o site da Câmara Municipal para saber o que vai estar rolando nos dias da sua visita!
      📷 Relato oficial com fotos e mapas aqui
    • Por João Paulo Falanque
      Era para ter publicado este relato faz um tempinho , pois fui para o Peru  no dia 04/06/2019  , tinha feito um lindo relato diretamente no site , mas infelizmente na hora de publicar deu falha e perdi tudo , mas minha vontade voltou , e desta vez fiz pelo word antes de publicar , meu primeiro mochilão foi em 2018  para Bolívia ,  e nesse  mesmo  mochilão  conheci  um pouquinho de Arequipa e Puno  no Peru , foi incrível , decidi naquele momento que faria o Peru no proximo ano com mais calma ,  fui sozinho e voltei com muitas amizades , para este ano resolvi buscar por companhia , encontrei algumas pessoas , passei uma peneira  e montamos um grupo no whatsapp , foram um pouco mais de 3 meses de planejamento  , e durante este tempo conheci a Sheylla , Uma porto-riquenha que mora na Bahia e está há 10 anos no Brasil  , muito alegre  , divertida ,humilde , e que aos poucos fomos tendo mais intimidade , eu não estava a procura de ter um relacionamento , e ela também  não , até aconteceu umas flertadas , mas eu sempre fugia ,  então finalmente chegou o grande dia  , as meninas  chegaram no dia 03 , eu e o Renan chegamos no dia 04 , sendo eu o último  a chegar  , já havia lido umas dicas sobre os táxis do aeroporto de Cusco para o centro histórico  , que não chegava a 10 soles , eles cobravam  25 , 30 , 40 soles , que foi o que o Renan  pagou ,  Uber cobra 20 soles , sai para a rua e andei um pouco e paguei 10 soles  , mas no final cobrou 15 soles ,  pois demos varias voltas para encontrar o  hostel , ficamos no Black Hostel , não recomendo , tivemos alguns problemas bem chatos por lá ,  quando cheguei  estavam todos na recepção  Sheylla , Fran , Renan e Talita ,   a  Sheylla  veio correndo e me deu um forte abraço , eu estava morto , pois não havia dormido direito , mas foi ótimo conhecer a todos , alias foi uma viagem incrível , com belas novas  amizades , eu resolvi sair para fazer câmbio , a sheylla resolveu me acompanhar  , e nessa caminhada ela acabou me dando um selinho , pronto resolvido  , quebrou o gelo , dali para frente não largamos mais , ela já havia mudado o roteiro e gastou uma grana por isso,  para fazermos  todos juntos , mas acredito que valeu a pena , o Peru também é um pais incrível , lindo , muito o que se ver , claro tem os lugares  mais visitados e famosos como Machu Picchu , mas tudo é muito lindo , comidas maravilhosas , povo muito alegre , muita cor e alegria , no segundo dia já fizemos a Laguna Humantay  , até que foi bem tranquilo , até escorreguei  em uma pedra e molhei minha bota  , parece uma pintura de tão lindo , a estrada achei bem mais perigosa do que para hidrelétrica , talvez por termos feito de micro ônibus , acho bem mais seguro com van , não é aquela segurança , mas é bem melhor , pois as estradas são bem perigosas , devem ter 3 Mts de largura , que com um veículo maior acaba se tornando mais perigoso , apesar do perigo tem belas paisagens , no terceiro dia houve uma manifestação e não estavam saindo para tours , resolvemos conhecer melhor Cusco  , tem muito o que se ver , provar , foi bem legal, uma bela cidade , muita cultura  , muita cor , no dia seguinte começou nossa aventura rumo a Machu Picchu , iniciamos o tour para o vale sagrado  ,  começamos por Moray , Maras e Ollantaytambo  , onde passamos a noite  , pois cometemos um erro  , mas o importante é que deu certo e ollantaytambo é incrível demais  , eu particularmente achei muito lindo , lugar incrível , por termos passado a noite por lá , pudemos aproveitar mais o passeio , pois os tours são muito rápidos , é o tempo de subir  e descer ,  acaba sendo cansativo e não aproveitado , a paisagem daquele lugar é incrível , muito rico em ruinas , a noite eu e a Sheylla fomos jantar e resolvemos provar um hambúrguer  de Alpaca , melhor escolha , muito bom de verdade , assim como eu , a Sheylla adora provar comidas diferentes , umas das qualidades dela que me conquistou  , pois comer foi o que mais fizemos por lá ,  achamos uma padaria bem pequena  próxima ao mercadão que tinham pães deliciosos , alguns recheados de queijo , o mercadão também é um bom lugar para comprar algumas coisas , fomos comprar algumas frutinhas diferentes  , esses mercadões são muito bons  , você encontra de tudo por lá , no dia seguinte seguimos rumo a tão sonhada e esperada Machu Picchu  , a maioria do pessoal passou mal no caminho , eu fiquei tranquilo , achei mais perigoso a parte asfaltada  do que a de terra  , pois os cara pisa mesmo  , todos os passeios tem os seus riscos , eu por ter conhecido a Bolívia  , já estava esperando por essa aventura  ,  chegamos na hidrelétrica  , se resolverem comer por lá antes de iniciar  , andem uns 10 minutos  rumo a  Águas Calientes  que vão encontrar um preço melhor , infelizmente o Renan chegou passando mal , passou mal o caminho todo , algo que comeu não caiu bem , então ele acabou indo de trem , o resto de nós fomos caminhando , o caminho é bem tranquilo  e muito bonito , quando chegamos no letreiro de Machu Picchu ficamos muito  felizes  , mas ainda tinha que caminhar um pouco até Águas Calientes ( Macchu Picchu Pueblo ) , quando finalmente chegamos  fiquei de queixo caído  , achei que iria ser uma cidade feia , mas não , também é muito lindo , hotéis e restaurantes de alto padrão  , mas tem para todos os bolsos , se procurar certinho come bem e barato  , vale a pena passar  um dia a mais naquela cidade  , aquele rio cortando a cidade é muito maneiro , aquelas montanhas gigantesca que nada mais é que a parte de  trás de Machu Picchu é muito lindo , muito louco ,  o céu também é muito lindo por lá , pegamos tempo bom em todos os passeios , nem neblina pegamos em Machu Picchu, passamos a noite e de madrugada eu e a Sheylla saímos  rumo subir Machu Picchu , o  resto  do pessoal foi de ônibus , que custa 12 dólares  ,  eles liberam a partir das 05:00  , compramos o primeiro horário , pois faríamos  Huayna Picchu , somente eu e a Sheylla  , acho que deu para perceber o companheirismo né  kkk , eu sinceramente achei que seria tranquilo  , pois altitude não era alta , fizemos os outros passeios tranquilos  , mas para mim foi bem difícil , as escadas parece que foram feitas para gigantes  , força bastante , passei mal , parava bastante , mas conseguimos subir em 1 hora certinho , eu quase chorei , segurei na verdade , mas valeu muito a pena , que lugar lindo , incrível , parece de mentira  de tão lindo que é , ver o sol nascer ali não tem preço , ainda mais ao lado de alguém  que se tornaria minha namorada , tiramos algumas fotos e partimos para Huayna Picchu , foi tranquilo a subida , tem que ir com cuidado e calma , pois algumas partes se você cair  , vai se juntar aos Incas , mas valeu a pena o esforço  , vista incrível de Machu Picchu  , voltamos tiramos mais algumas fotos  , e resolvemos voltar de ônibus , pois minhas pernas estavam até tremendo  , ainda tínhamos que caminhar 12 km para voltar para hidrelétrica  , sofri um acidente de moto em 2018  , justamente pegou minha perna , voltando a trabalhar somente em janeiro deste ano , por isso não estava 100% , mas deu tudo certo  , almoçamos , e seguimos de volta para hidrelétrica  , na volta resolvemos tomar um Dramin para dormir , deu certo , acordei rapidamente somente duas vezes em uma freada brusca e na parada ,  no dia seguinte iriamos fazer nosso ultimo passeio  juntos  para Montanha Colorida ( Rainbow Mountain ) , pois Renan , Fran e Talita  seguiriam para Bolívia , e nós para Huaraz  , é uma caminhada até que tranquila  , é muito linda também , feito o passeio nos despedimos  das belas amizades  que fizemos , foi muito divertido , pessoas do bem , no dia seguinte eu e claro a Sheylla pegamos um voo para Lima  , onde queríamos passar uns 2 dias  , mas resolvemos não ficar  , tem sua beleza , mas não curtimos muito ficar na cidade cinza , lá foi o melhor câmbio que encontramos  , tanto para o Real quanto para Dólar  , no final deixo gastos e roteiro  ,  fomos até o terminal de ónibus para comprar as passagens  para  Huaraz    , tem poucos horários  , vários preços , a melhor companhia é a Cruz del Sur  , mas tem algumas muito boas também  , fomos de Linea , que sai do terminal norte , foi uma viagem tranquila  , a cidade é bem grande e movimentada , muitos gringos , muitos mesmo , ficamos no Black Mountain  , gostamos bastante  , fechamos os passeios com eles  , tem uma agência  no próprio  hostel , preço bom também , fizemos apenas Laguna 69 e Glaciar  , o caminho para Laguna 69 é lindo demais , parece realmente cenário de filme , O senhor dos Anéis por exemplo  , lembra muito , foi tranquilo a caminhada , no finalzinho quando estamos chegando pesa um pouco , mais vale a pena  todo o esforço  , lindo de se ver , o Glaciar infelizmente   no máximo daqui 5 anos não terá mais nada , devido ao aquecimento global , é muito triste ver o derretimento acelerado  daquela beleza  , voltamos para lima e seguimos para Arequipa  , umas das cidades que a Sheylla queria conhecer  ,eu havia conhecido , mas não fiz tour , então foi uma nova oportunidade  , também foi um dia especial , pois era o aniversário dela  , aproveitei levei ela para jantar em um restaurante bacana  e aproveitei e pedi em namoro  também , fizemos o passeio para ver o voo dos condor e descemos o Canyon de Colca  que foi uma bela caminhada  , uma experiência incrível  , lugar lindo , voltamos para Arequipa , conhecemos um pouco mais , provamos bastante comidas claro , principalmente o Cuy ( Porquinho da índia )  e infelizmente nos separamos  , pois meu voo saia de Cusco e o dela de Lima  , voltaríamos a nos ver em São Paulo ,  antes dela partir no dia seguinte para Porto Seguro  e eu de volta para o interior de São Paulo  , em Cusco conheci  mais dois Brasileiros  bem legais  , um não lembro o nome ,  mas tinha a Ariane  que mora em Franca e estava sozinha , mostrei alguns lugares para eles  , dei dicas  , eu fiz uma correria o dia todo atrás de lembranças e por ultimo as alianças  ,  pois estava tendo  desfile de Corpus Christis  a cidades estava lotada , até por que estava perto da famosa Festa do Sol , de volta ao Brasil esperei ela com um par de alianças que comprei com a trilogia Inca  , claro que guardei segredo  , e consegui pegar o tamanho sem que ela percebesse  , os Incas foram nossos cupidos , nada mais justo que selar esse novo amor com a trilogia  Inca , foi uma viagem inclivel  , com muita alegria , amizade , amor , experiência  , paisagens de tirar o folego , viajar sem duvida é a melhor coisa a se fazer no mundo ,  havia decidido a dar um tempo para mim mesmo , viajar , sem se preocupar de estar sozinho , pois já havia sofrido muito com relacionamentos , e já não me importava de estar solteiro , até gostava muito , mas em umas dessas viagens encontrei alguém parecido comigo em muitas coisas , ela acabou me conquistando , e resolvi dar mais uma nova chance ao amor , que nunca deixei de acreditar , mesmo com tantas decepções  , na minha opinião o segredo é não procurar , é primeiramente se amar antes de tudo , dar  valor para você mesmo(a)  , e quando menos esperar  , não importa onde estiver , o amor vai pedir uma nova chance , mas quem ira decidir se aceita ou não , é você(a) , encontrei uma companheira para viagens , uma aventureira , que assim como eu , quer conhecer o máximo de lugares possíveis no mundo , agradeço mais uma vez ao Mochileiros.com  , pois minhas aventuras começaram graças  a esse site , desejo a todos força , coragem e amor em suas viagens por esse mundão , e que deus proteja a todos nós , quem quiser ver mais fotos ou tirar duvidas , meu insta é JoãoFalanque , até mais pessoal...
                Roteiro Peru 2019
      São Paulo x Cusco = 04/06
      Laguna Humantay = 05/06  
      Cusco Tour =  06/06
      Vale Sagrado = 07/06(Moray , Maras , Ollantaytambo )  
      Águas Calientes = 08/06
      Machu Picchu= 09/06
      Montanha Colorida = 10/06
      Cusco x Lima = 11/06
      Lima x Huaraz = 11/06
      Huaraz / Laguna 69 = 12/06 
      Huaraz / Pastoruri = 13/06
      Huaraz x Lima = 14/06 
      Lima x Arequipa = 14/06
      Arequipa = 15/16/17/18 = Cânion de Colca / voo do condor / tour cidade
      Arequipa x Cusco = 18/06
      Cusco = 19/06
      Cusco x São Paulo = 20/06
       
      Passagem Aérea = São Paulo x Cusco  = 1.415 = Tem conexão em Lima
      Gasto Viagem = 3.100 Reais
      Câmbio = 1 real = 0,85 a 0,90 = Soles= Lima foi o melhor Câmbio
      Dólar = 1 dólar = 3, 30= Soles
       é possível reduzir uns 20% do valor gasto..
       
       
       






























    • Por Tóia Bird
      Bom dia pessoal, sou nova aqui, aliás, sou nova no assunto sobre ser um mochileiro/viajante. 
      Tenho 17 anos, e curso Direito aqui no Brasil, comecei pelo status que provavelmente ganharia e coisas do tipo, o que, pensando melhor, não está me favorecendo em nenhum aspecto, por isso o interesse em ir para lugares diferentes e me achar, quero ir para Europa o mais rápido possível, viajar e tirar todo esse peso, e já estou correndo atrás do que preciso, nunca fiz isso antes e quando soube já me apaixonei.
      Quero saber se alguém que fazia graduação no BR, foi para outro país e resolveu ficar no lugar terminando a graduação após a viagem/mochilão. Como fizeram? Conseguiram estágio na área no exterior? (Antes de tudo, não pesquisei se há possibilidade de ter), Quais dificuldades enfretaram com essa situação? Conseguiram atuar na área depois? Ou começaram com outro emprego? Tem pontos que dá para realizar voluntarismo na área da graduação?
      É óbvio que mochileiros viajantes são nômades e tendem a não ficar só naquele local, mas tenho certeza que após minhas voltas eu vou querer me fixar em um local ou outro (menos BR rs), minha meta é Europa em geral, e fazer um curso para aprimoramento, mesmo que for um outro curso distante do Direito.
      Alguma pessoa aqui está passando o mesmo, e alguém que já passou poderia contar como foi? É complicado?


×
×
  • Criar Novo...