Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

Dia 35 (quinta-feira, 23/08/2018) – O Dia Que Eu Quase Perco Meus Pés

 

As 5 da madrugada a van passaria no meu hostel para me levar aos Geysers del Tatio, acordei e me arrumei, logo a van já chegou, seguimos até o campo térmico, que fica bem longe de San Pedro, quase chegando na fronteira do Chile com a Bolívia, próximo ao Vulcão Licancabur, chegamos lá, de noite ainda, um frio de uns - 10°, primeiro pagamos a entrada, de $ 4000 para estudantes, em seguida nos levaram para uma casinha, onde o guia nos serviu o café da manhã, tinha bastante coisas, pães, frios, doces, frutas, café e chá quente, achocolatado, suco, muito bom mesmo o café da manhã deles. Quando o Sol já estava quase nascendo, seguimos a até o meio do campo térmico, que diferente do Sol da Manhã da Bolívia, esse é bem maior, são várias manifestações, e elas só soltam vapor, não tem o fedor do enxofre. E como o vapor sai a altíssimas temperaturas, o campo é todo delimitado por onde se pode andar sem perigo.

20180823_090104.thumb.jpg.9e383c7aa7d5b0b386a4869aeb2e3d89.jpg20180823_091117.thumb.jpg.bc39e1661a9ff572964ed732ea152d4c.jpg

Agora a parte tensa, eu resolvi ir de All-Star, achei que seria OK, estava friamente enganado, o chão lá não tem neve, tem gelo mesmo, o solo congela de madrugada, e demora para descongelar, eu sei que o guia estava dando as explicações sobre o campo térmico, e eu ficava pulando de um pé para o outro, quando um começava a doer muito eu trocava para o outro, já nem estava mais sentindo eles, tentei colocar em cima do vapor que saia de um pontinho no chão, mas nem assim resolvia, fui andando até chegar na van, pra poder sentar e tirar os pés do chão. Aquela hora realmente me arrependi de não ter ido de bota. Fiquei um tempo lá, descongelando os pés, depois, quando o Sol já estava alto, saí e fui até onde estava o grupo, tinham umas piscinas térmicas por lá também, mas ainda estava morrendo de frio, e não tinha levado roupa para entrar na água, fiquei vendo mais alguns geysers enquanto isso.

Quando eram umas 10:30 da manhã, fomos para a van e começamos a retornar à cidade, no meio do caminho paramos no Vilarejo de Machuca, lá tinha empanadas chilenas típicas, espetinho de alpaca, pisco e outras coisas típicas. Tinha também um senhor com um filhote de lhama, que eu achei que fosse uma alpaca, era tão pequenina e fofa que dessa vez não tive escolha, tive que tirar foto com ela, o dono cobrava $ 1200 por 3 fotos, nessa hora escutei mais um casal falando português, eram brasileiros, eles também queriam tirar fotos com ela, então me juntei com eles, paguei $ 400 pesos, e obviamente, tiramos um monte de fotos.

IMG-20180823-WA0017.thumb.jpg.07e56e778e1da7edf7c429d2ad29bb5d.jpg20180823_104750.thumb.jpg.583565d6a921e466186b73458fb4f0cd.jpgIMG-20180823-WA0020.thumb.jpg.5a23f12f45037143e87113fe532aa0bb.jpg

Depois seguimos adiante, até chegar numa lagoa com um vulcão ao fundo, lá paramos mais um bom tempo para tirar fotos, depois voltamos até San Pedro. Já estava na hora do almoço, conversando com uns brasileiros, descobri um tal de Los Carritos, são vários restaurantes pequenos, um ao lado do outro, e que são baratos e com comida boa. Fui lá, paguei $ 3000 no menu, com macarrão, frango empanado e suco.

IMG-20180823-WA0012.thumb.jpg.7a2ab5cabed7145aa18de1a67d65c9c9.jpgIMG-20180823-WA0018.thumb.jpg.7f0af2023d5ace699d46e5c3c9350fdb.jpg20180823_101359.thumb.jpg.ffb7490404d500929cb42f94598aa53f.jpg

Depois passei na agência, fui terminar de acertar o preço dos passeios, pois já tinha pago apenas $ 20000, faltavam ainda $ 45000, mas com o reembolso de $ 20000 do passeio que não fiz, paguei os $ 25000 restantes só.

Fui de volta no hostel, arrumei minhas coisas para fazer o check-out, tomei um banho, e deixei minhas malas na cozinha. Ainda eram 3 da tarde, e meu ônibus era só daqui a 3 horas.

Fui dar mais uma volta pelo centro, comprei um sorvete por $ 1700, fiquei na praça central que tem wifi de graça, andei pelas vendinhas de artesanato, encontrei muitas coisas que já tinha visto a venda no Peru e na Bolívia, tudo pelo dobro do preço.

 

COMPRAS: Não tem como evitar, se você for para algum desses países, você vai voltar com pelo menos uma blusa com estampa de lhama, tanto no Peru, quanto na Bolívia e no Chile, você vai encontrar blusas, cachecóis, toucas, luvas, camisetas, echarpes, colares, chaveiros e outras lembrancinhas, de modo geral eu achei o Mercado San Pedro de Cusco o lugar mais barato, seguido pelo Mercado das Bruxas de La Paz, pela Feirinha de Colchani no Salar. O Chile é de longe, o lugar mais caro para comprar essas coisas.

 

Bem perto do meu hostel, tinha um lugar, parecia uma chácara, com uma placa escrito “Franchuteria” na frente, e uma casinha lá no fundo, desde o primeiro dia em San Pedro, queria descobrir o que era aquilo, resolvi ir lá, era uma padaria francesa, resolvi gastar um pouquinho mais e comer alguma coisa lá antes de pegar o bus, pedi duas empanadas deliciosas, uma salgada e uma doce, por $ 3800.

Depois peguei minhas mochilas e fui para a rodoviária de San Pedro, logo meu ônibus chegou, guardei a mochilona no bagageiro e entrei, tinha bem pouca gente embarcando alí, a maioria claramente não era nativa, dava pra ver vários conversando em inglês, tentei identificar algum brasileiro, mas nenhum deles manteve contato visual.

 

TÉCNICA PARA IDENTIFICAR BRASILEIROS FORA DO BRASIL: Pelo menos comigo funcionava perfeitamente, comecei a me ligar nisso lá no Peru ainda, nos lugares turísticos, nos passeios das agência, onde o único nativo era o motorista ou o guia, era só encarar a pessoa, se ela percebesse que você estava olhando para ela e desviasse o olhar: era gringo, podia apostar. Mas se você ficasse olhando, a pessoa percebesse e mantivesse o contato visual, não tinha erro, era só chegar direto perguntando de que estado que a pessoa é, provavelmente te responderia São Paulo ou Rio, mas sempre era brasileira. No Peru e na Bolívia não tinha encontrado tantos, mas no Chile, meu Deus, até os donos das agência eram brasileiros.

 

O ônibus partiu no horário certo, era bem confortável, dois andares, e eu fui bem na janela gigante de vidro que tinha na frente. Saímos de San Pedro de Atacama, logo já estávamos rodando pelo meio do deserto, as rodovias pareciam um tapete, bem sinalizadas, a paisagem era incrível, o Sol quase se pondo. Logo chegamos na cidade de Calama, base do aeroporto mais próximo do Atacama, o Aeroporto El Loa.

20180823_192631.thumb.jpg.1416698c2191fa5a0fb4729ec089b3d4.jpg20180823_195745.thumb.jpg.dd90dce9a58ff813b7294ca473034e3f.jpg

 

SANTIAGO-CALAMA: Pra quem está com pouco tempo, compensa pegar um avião em Calama para ir até Santiago, há companhias low-cost, com passagens promocionais de até R$ 150,00 o trecho, para ir de Calama até San Pedro de Atacama, pode-se alugar um carro ou pegar um transfer. No meu caso, por causa da bagagem, compensava ir de ônibus mesmo.

 

Em Calama, paramos na rodoviária, já estava escuro, subiram mais passageiros, alguns já desembarcaram também. Depois continuamos, por mais que eu quisesse ficar acordado a noite inteira, para conhecer as cidades, as estradas que íamos passar, acabei apagando pouco antes de chegarmos em Antofagasta, na Rodovia Panamericana.

 

SALDO DO DIA

Entrada Geysers del Tatio - $ 4000

Foto com a lhama - $ 400

Almoço em Los Carritos - $ 3000

Sorvete - $ 1700

Empanadas na Franchuteria - $ 3800

 

 

 

         

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 36 (sexta-feira, 24/08/2018) – Chile: Nem Parece América do Sul

 

Queria tanto ficar acordado durante a viagem toda, mas não consegui, afinal, eram 1700 km de distância numa paulada só, acordei quando passamos por Copiapó, bem pra frente de Antofagasta, alguns passageiros embarcaram e outros desembarcaram, fui com o banco ao lado vazio a maior parte do caminho.

Entendi porque tantos brasileiros preferem ir ao Chile de carro ou moto, a Carretera Panamericana é duplicada de Caldera até Santiago (900 km), e no restante é bem conservada, o asfalto perfeito, mas também, tem vários pedágios no caminho. A maioria na faixa dos $ 2000 pelo que eu vi nas placas.

dfdfd.JPG.1766b09c9c66856101126c4880d55360.JPG

Amanheceu quando estávamos chegando a Vallenar, mas passamos por outras cidade onde tinha embarque e desembarque de passageiros, em La Serena, Coquimbo, Los Vilos, La Calera, em alguns lugares. Já estava ficando com fome, por volta do meio dia, estávamos em La Serena, paramos na rodoviária, aí subiram alguns vendedores no ônibus, comprei uma empanada deliciosa por $ 1000, foi minha única refeição na viagem toda. Aproveitei os trechos onde tinha torre na estrada para reservar algum hostel em Santiago, encontrei o Kombi Hostel no Bairro Bellavista por um preço bacana e com café incluso, reservei por uma noite lá, caso gostasse continuaria lá.

fsdfsd.JPG.5dda70916840911182312d96ff2f2cda.JPG

Chegamos ao Terminal Alameda em Santiago por volta das 5:30 da tarde, entre embarques e desembarques, o único rosto que me recordava de ter embarcado em San Pedro e que desceu comigo em Santiago era de um carinha, que pela fisionomia devia ser europeu. Fui logo conversar com ele, aparentemente estava bem perdidão no terminal, perguntei se ele tinha algum lugar para ficar, ele disse que não, falei que tinha achado o Kombi Hostel por um preço bom, que se ele fosse para lá também, poderíamos rachar um táxi. Ele aceitou e já fomos caçar um táxi para nos levar.

 

TÁXI EM SANTIAGO: Acredito que vale para todo o Chile, diferentemente do Peru e da Bolívia, os táxis do Chile têm taxímetro igualzinho no Brasil. Pelo que pesquisei, Uber em Santiago é meio que ilegal, não é recomendado.

 

Entramos num táxi e seguimos para o Hostel, fui conversando com o carinha, David o nome dele, alemão e não falava quase nada de espanhol, só alemão e inglês. Fomos andando por Santiago, e não pude deixar de notar, que cidade incrível, mas um incrível “diferente” de Cusco e de La Paz, juro, nem parecia que eu estava na América Latina, era a imagem que eu tinha de uma cidade americana ou europeia, as avenidas largas, limpas, o trânsito organizado, os prédios históricos ao lado de construções modernas, várias praças arborizadas ao longo das avenidas, parecia uma cidade planejada, nem cheguei direito e já tinha me apaixonado por Santiago.

Chegamos no hostel, ficava numa rua cheia de bares, restaurantes e baladas, aliás, o bairro Bellavista é o bairro boêmio de Santiago, então estava numa região bem animada da cidade.

O táxi deu $ 3500 para cada (depois descobri que dava pra ter feito o trajeto de metrô por menos de $ 1000, mas enfim), entramos no hostel, fui fazer o check-in, conversei com a recepcionista em portunhol, até ela falar: “Pode falar em português, sou brasileira também”, Iata o nome dela, estava trocando trabalho por hospedagem no hostel. David também conseguiu um quarto na hora mesmo, sem reservas, paguei a primeira noite, foram $ 7960. Tinham várias propagandas de free-walking tours na recepção, tanto em Santiago mesmo, quando em Valparaíso e em Viña del Mar.

David e eu guardamos nossas coisas nos quartos, fiquei num quarto com 3 beliches, depois fomos caçar algum mercado ou vendinha pra comprarmos coisas para cozinhar. Andamos pelo bairro, até encontrarmos um mini mercado, compramos coisas para fazer macarrão, deu uns $ 1200 para cada, voltamos ao hostel, fomos conversando, mas eu lembrava de já ter visto a cara dele em algum lugar antes, ele falou que tinha uma brasileira no grupo que ele tinha feito o tour pelo Salar do Uyuni, na hora me caiu a ficha, olhem como o mundo é pequeno, ele estava andando com a Fernanda em San Pedro quando eu encontrei ela na rua, ele tinha feito o tour do Salar com ela.

O Kombi tinha uma cozinha razoável, mas como Santiago é uma cidade meio cara (menos que San Pedro), a maior parte da galera prefere cozinhar no hostel do que comer fora, logo, as 8 da noite, a cozinha estava cheia, mas me senti em casa, quando entrei fui ouvindo a maior galera lá falando em português, juro, tinha 7 pessoas lá dentro, 6 brasileiros e um argentino, no fim das contas ficamos lá conversando, nos conhecendo, tinha um, o Hermes que já estava fazendo macarrão, juntamos com um pouco do que a gente tinha comprado e acabamos dividindo entre os 7 brasileiros e o alemão David (sim, fizeram piadinhas referente ao 7x1 nessa hora, que podíamos dar o troco), coitado, ele via a gente conversando, e toda hora tínhamos que traduzir para incluí-lo na conversa.

Depois da janta, tomei banho, reencontrei a galera e queríamos beber, mas como os barzinhos da região eram meio caros, o jeito era ficar bebendo no hostel mesmo, a latinha de cerveja do hostel custava $ 1500 e não podíamos trazer bebida de fora, e como bons brasileiros que somos, o que fizemos, a galera juntou uma grana, e fomos num lugar na rua de trás, onde vendiam cerveja (parecia mais uma boca de fumo), custava $ 500 cada lata, compramos um monte, escondemos nos casacos e mochilas e fomos para um quarto no andar de cima, onde só tinham brasileiros, fechamos a porta e ficamos lá, bebendo escondidos, o David no meio, não entendendo nada em português. No dia seguinte, eu estava a fim de fazer o free walking tour, David não queria fazer, aí conversando com a galera, descobri o Leandro, que tinha chegado na véspera lá e que queria fazer os mesmos passeios que eu, combinamos de ir ao centro de manhã para fazer esse passeio.

Bebi mais um pouco e fui dormir.       

 

SALDO DO DIA

Empanada no caminho - $ 1000

Táxi (terminal-hostel) - $ 3500

Mercado - $ 1200

2 cervejas fora do hostel - $ 1000

Diária Kombi Hostel - $ 7960

       

 

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 37 (sábado, 25/08/2018) – Meu Primeiro Terremoto Foi em Santiago

 

Já estava ficando automático acordar cedo, nem precisava mais de despertador, todo dia antes das 7 já estava de pé. Fui tomar café, que no Kombi era livre, pães fresquinhos, geleias e doce de leite, leite, café e chás. Encontrei o Leandro e já partimos para o centro, felizmente, no dia anterior ele já tinha dado um rolê com uma outra brasileira do hostel que tinha bebido com a gente ontem, a Allana, e ela já sabia como ir para o centro de metrô, pegamos um cartão de metrô emprestado com a galera e fomos para a Estação Baquedano, duas quadras do hostel, colocamos 2 passagens de crédito cada no cartão, a tarifa varia em função do dia e do horário, mas custa numa média de $ 680, entramos no metrô e logo já saímos na Estação La Moneda, que fica na frente do Palácio de La Moneda, sede do governo chileno, chegamos bem na hora da troca da guarda, que começa as 10 da manhã e aparentemente rola dia sim, dia não. Assistimos todo o show que é a troca da guarda, depois fomos andar pelo centro, passamos na Calle Augustinas, onde tem as melhores casas de câmbio, troquei mais € 100 por $ 77100, andamos pela região, fomos até a Catedral, ao Museu, depois fomos conhecer o Ocean Pacific’s, que é um restaurante temático, parece um submarino, tem um esqueleto gigante de uma baleia dentro dele, mas assim como o próprio Pacífico, tudo lá era bem salgado, então nos limitamos a entrar, tirar fotos e sair.

IMG-20180825-WA0004.thumb.jpeg.721b70a7a32e11529b6be70f1d1da614.jpeg

20180825_105857.thumb.jpg.c608804cae1cc964620302a9692119b3.jpg20180825_114929.thumb.jpg.068d2d5db63dd1f0e5a3af3eef73e80d.jpg20180825_115606.thumb.jpg.e2a9dae02579bcdfd1b41883a72f7da1.jpg20180825_162306.thumb.jpg.b50ba394201bb2766d585749a5db513d.jpg

Depois fomos até a Plaza Brasil, no Bairro Brasil, demos umas voltas, mas acabamos voltando para o centro, para almoçar no KFC, um promocional de $ 1850. Depois fomos até ao Mercado Municipal, demos uma volta por lá, encontramos uma lhama gigante na rua, Leandro pagou para tirar foto com ela, acho que $ 1200. Depois vimos que estávamos próximos ao tradicional bar La Piojera, entramos e vimos como é um bar chileno, jogaço de futebol passando na TV, bar lotado, todo mundo gritando emocionado, uns músicos tocando violão e sanfona. E como não podíamos deixar de experimentar, o famoso terremoto, uma bebida com vinho branco, um tipo de groselha e uma bola de sorvete no meio. Dividimos um copo que era gigante e custava $ 2700.

Quando já era quase 3 da tarde, voltamos a Plaza de Armas, onde começaria o free walking tour, lá encontramos um grupo, o guia explicava em portunhol mesmo, devido ao tanto de brasileiros que tinha. Passamos por toda a Plaza de Armas, depois fomos até o La Moneda, ao Museu, por algumas ruas famosas do centro, depois contornamos o Cerro Santa Lucía (não daria tempo de subí-lo durante o tour), fomos ao Bairro Lastarria, lá tinha uma feirinha na rua mesmo, comprei uns imãs de geladeira gigantes, 3 por $ 5000, depois fomos até o Parque Florestal, já estávamos de volta ao Bairro Bellavista, o tour passou pelo Pátio Bellavista, passou próximo ao Cerro San Cristóbal, mas também não subiu, seguiria adiante até La Chascona (uma das casas de Pablo Neruda), como eu queria subir o Cerro, e já estava escurecendo, Leandro já tinha subido na véspera, então larguei o grupo e fui para lá correndo.

20180825_180500.thumb.jpg.e05713cf2115afbcaa7e9b5a97ef08d9.jpg

Cheguei tarde para pegar o último funicular (trenzinho que sobe o Cerro), já passava das 18:30, então tive que subir na raça mesmo, pela estradinha íngreme que contorna ele.

Fui subindo bem rapidamente, para dar tempo de pegar o pôr do Sol lá em cima. Cheguei bem na hora. Foi meio difícil achar um lugar para ficar, pois estava cheio de gente. Lá de cima dá pra ver grande parte da cidade, o pôr do Sol em agosto começou umas 19 horas mais ou menos, e juro pra vocês, foi um dos mais lindo que eu já tinha visto.

20180825_191224.thumb.jpg.40f3036698d1c954ed7e6bf65c90de52.jpg20180825_191229.thumb.jpg.96415fc56bd17c3498bc78637ee1b5d1.jpg20180825_191240.thumb.jpg.a2cad42b06c0b803cea4fecdd6ddb8b2.jpg20180825_192316.thumb.jpg.951ff1ac2fa2af26f1c2854e4e083353.jpg20180825_192803.thumb.jpg.40d58eb1d1110ca53768838167ae870a.jpg

Depois que se pôs, comecei a descer o Cerro de novo, voltei até o hostel, onde encontrei a galera na cozinha, resolvi fazer o macarrão esta noite (o mesmo que tinha feito no Atacama), geral jantou e já saímos de novo para comprar cerveja. Gastei mais uns $ 1000 pesos na vendinha com 2 latinhas de cerveja, ficamos de novo no quarto bebendo, mas esta noite a Allana e uma amiga dela iam embora, de madrugada o transfer ia passar para levá-las até o aeroporto. Nos despedimos delas e continuamos bebendo, depois o Leandro e eu resolvemos ir para Valparaíso e Viña del Mar amanhã, mas íamos por conta, tínhamos visto durante o dia algumas agências no centro que faziam esse tour guiado na faixa dos $ 25000 por pessoa (uma facada). Uma passagem de bus custava na faixa dos $ 4000, então estava resolvido. Fui até a recepção e já fiz a reserva pelos próximos dias ali, tinha amado aquele hostel.

 

 

SALDO DO DIA

2 passes de metro - $ 1360

Lanche no KFC - $ 1850

Terremoto - $ 1350

2 cervejas fora do hostel - $ 1000

Diária Kombi Hostel - $ 7960

         

 

 

 

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 38 (domingo, 26/08/2018) – Olá De Novo Oceano Pacífico

 

Acordamos umas 6:30, tomamos o café do hostel adiantado e pegamos o metrô na Estação Baquedano, ainda tínhamos um passe de crédito cada do dia anterior, fomos até o Terminal Alameda, onde eu tinha desembarcado do ônibus do Atacama. Fomos primeiro ao guichê da TurBus e encontramos passagens para Valparaíso por $ 3000 para dali a 15 minutos.

Embarcamos no bus, e seguimos na estrada, a viagem demorou cerca de 1 hora, o ônibus muito bom, descemos no Terminal de Valparaíso, já eram umas 9 da manhã. Nos panfletos que tinham no nosso hostel, havia free walking tours todos os dias as 9 da manhã e as 3 da tarde em Valparaíso e as 3 da tarde em Viña del Mar, então queríamos pegar o tour da manhã em Valpo e o da tarde em Viña. Mas como chegamos tarde ao ponto de encontro, de onde partia o tour, acabamos perdendo. Mas ainda assim, tínhamos um mapa da cidade, com as principais rotas turísticas, fomos seguindo-o. Passamos pelos vários Cerros que tem na cidade, pelas casas todas bem coloridas que tem por lá. Há vários mirantes espalhados pelos Cerros, onde dá para ver toda a costa, o porto, e o Pacífico.

Há também vários elevadores, tipo o bondinho do Cerro San Cristóbal, cada um custa na faixa dos $ 100 a $ 300, passamos pelo Paseo Atkinson, depois fomos para o Paseo Yugoslavo, descemos pelo Ascensor El Peral, pagamos $ 100, fomos para a Plaza Sotomayor, andamos pela região e fomos até o Cerro Artillería, subimos pelo elevador por $ 300, lá de cima dá para ver todo o porto bem a frente, tinha um restaurante ali do lado também, comprei uma empanada gigante de camarão com queijo por $ 1500, depois fomos andando pela Avenida Errázuriz, que é a beira-mar, ali tem um porto onde as lanchas e barcos menores ficam parados, tem umas lojinhas de artesanato por ali também, comprei 2 imãs de geladeira e um chaveiro por $ 4000.

20180826_121617.thumb.jpg.bdedd6e47662faed136cb04e9c14c708.jpg20180826_121722(0).thumb.jpg.0fd60d26daed0bde41fc023700d1ab57.jpg20180826_134208.thumb.jpg.fcab433b564f5d2ee376836e681d409b.jpg20180826_134511.thumb.jpg.c6cb0b6a1b9b1ab541c3f153e929ad5f.jpg

Já eram quase 2 da tarde, queríamos seguir para Viña, fomos pegar o metrô que liga as duas cidades, mas nosso cartão de metrô de Santiago não valia, precisávamos comprar um cartão do metrô deles, que custava uns $ 1500, fora a passagem, achamos melhor pegar um ônibus mesmo. Ali na avenida tinha um ponto de ônibus, logo passou um que ia para Viña, pagamos $ 650 e rapidinho já estávamos no Relógio de Flores, onde começaria o tour.

20180826_145254.thumb.jpg.3b8cec43a09798f2670ccbaa3d5033fe.jpg20180826_145411.thumb.jpg.c44a985c7f3ee00313afca1e4d08d8df.jpg

20180826_152439.thumb.jpg.ecfeacd527f83240d7be1c221ae9e9fc.jpg20180826_152700.thumb.jpg.bc86f5b44ed9cb53f5e345275e691a5a.jpg

Logo já vimos o guia, apareceu também um casal colombiano e duas irmãs uruguaias para turistar conosco. Partimos do Relógio de Flores, fomos até o Palácio Presidencial, andamos pelo centro, pelas praças e terminamos no Anfiteatro Quinta Vergara, onde rola o Festival Internacional de Canção de Viña todo ano. Lá o Leandro e eu demos uns $ 2500 cada para o guia, pelo passeio.

20180826_172429.thumb.jpg.a5ec3676ba9fc88820aa5a49cb293fad.jpg

Na saída do parque, comprei um ímã de Viña por $ 1000. Já eram quase 6:30 da tarde, fomos procurar a Rodoviária de Viña para voltar para Santiago, só esquecemos um detalhe, era domingo e vários ônibus já estavam lotados, as passagens baratas tinham se esgotado, deveríamos ter comprado de manhã lá em Santiago, porque a passagem mais barata que achamos foi por $ 6000, no guichê da Pullman Bus, para voltar para a capital.

No ônibus, conversando com Leandro, falei que estava querendo ir para Cajón del Maipo amanhã, mas que por conta própria também, mesmo sem saber como, porque as agências queriam cobrar $ 25000 também. Perguntei se ele topava ir junto, mas ele já tinha combinado com uns outros brasileiros que tinham chegado no hostel de ir esquiar no Valle Nevado, para poderem dividir o transfer.

Chegamos ao Terminal Alameda, e já pegamos o metrô, colocamos crédito no cartão ($ 700), chegamos no hostel quase umas 8 da noite. Antes parei numa barraquinha de cachorro-quente que tinha na esquina, bem na avenida do Pátio Bellavista, pedi um completo sem abacate por $ 1000. A galera do hostel tinha feito pizza, comi alguns pedaços também.

Depois que tomei banho, comecei a perguntar para a galera se alguém topava ir junto para Cajón del Maipo por conta amanhã, uns já tinham ido por agência, outros estavam com medo de ir por conta, porque não tem ônibus que levasse para lá.

Comecei a procurar na internet, ver depoimentos de gente que já tinha ido, perguntei para o Oscar (dono do hostel, que morava em Santiago), e ele me disse que só tinha ido para lá com carro alugado, mas que pelo que eu tinha visto na internet, era bem complicado para ir sozinho e por conta própria, eu estava não estava com medo do caminho em si, estava com medo de dar algum problema, não conseguir achar transporte para voltar e perder meu avião no dia seguinte.

Eu queria muito ir para lá, conhecer o Embalse El Yeso, muito mesmo, mas não queria pagar uma fortuna por um passeio de meio dia, ainda mais depois de ter economizado mais de $ 10000 hoje, só por ter ido por conta própria para o litoral.

Decidi o seguinte, ia dormir sem colocar o celular para despertar, se eu acordasse cedo suficiente, iria. Se eu acordasse muito tarde, era sinal para eu não ir.

 

SALDO DO DIA

1 passe de metro - $ 700

Empanada - $ 1500

Lembrancinhas - $ 5000

Ascensor El Peral - $ 100

Ascensor Artillería - $ 300

Ônibus entre Valpo e Viña - $ 650

Passagem Santiago – Valparaíso (TurBus) - $ 3000

Passagem Viña del Mar – Santiago (Pullman Bus) - $ 6000

Cachorro Quente - $ 1000

Gorjeta do free walking tour em Viña - $ 2500

Diária Kombi Hostel - $ 7960

 

 

 

 

         

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 39 (segunda-feira, 27/08/2018) – Fechando a Viagem com Chave de Ouro

 

Para meu desespero, acordei com o barulho da recepção, olhei o celular, 6 da madrugada, pois é, em Santiago só amanhece por volta das 8 da manhã, e escurece umas 7 da noite. Pensei, é sinal que Deus quer que eu meta o louco e vá nessa represa.

 

CAJÓN DEL MAIPO E EMBALSE EL YESO: O Embalse El Yeso é a represa que abastece a cidade de Santiago, fica nos Andes, a leste da cidade, cerca de 110 km longe do centro, é um lugar incrível, as montanhas cobertas de neve, a água do derretimento toda azul clara. É um dos lugares obrigatórios para ir em Santiago. Para chegar lá da pra ir com um carro alugado, se tiver num grupo grande, ou por agências que cobram na faixa dos $ 25000, o passeio dura uma manhã aproximadamente. E tem o jeito doido que eu vi na internet e que ia testar: pegar o metro, depois pegar um ônibus público, depois não tinha jeito, pegar carona na beira da estrada.

 

O barulho era da galera que ia esquiar, incluindo o Leandro, umas 7 da manhã a van ia passar pra pegar eles. (Se eu tivesse um dia a mais em Santiago, teria ido esquiar também, por mais que seja meio salgado o preço, dizem que vale muito a pena, mas enfim, choices né?)

Já fiz meu check-out do hostel, guardei minha mochilona no depósito (embaixo da mesa de sinuca da recepção), pois não sabia que horas voltaria do rolê, e não queria pagar mais uma diária.

Pedi o cartão do metrô do Leandro emprestado, já que ele não ia usar hoje, tomei café rapidinho, e já fui para a estação de metrô, coloquei 2 passes de crédito ($ 1360), peguei a Línea Verde, sentido Vicente Valdés e desci no terminal Bellavista de La Florida, cheguei lá ainda estava escuro, fui seguindo as placas escritas “Conexión Intermodal”, lá procurei o ponto da Tur Maipo S.A., encontrei na parte de cima do terminal, lá peguei o ônibus MB-72 com destino a San Gabriel, paguei $ 1800 de passagem, aparentemente tem ônibus desses a cada 40 minutos. Entrei no ônibus, e andei, mas andei, acho que devo ter conhecido uns 60% do subúrbio santiaguino, o ônibus passou por um monte de bairros afastados do centro, e por mais afastados que fossem, não pareciam em nada com as periferias das cidades brasileiras, as casas eram simples, mas bonitas, todas as ruas bem asfaltadas, arborizadas, o trânsito tranquilo, mesmo no horário de pico da manhã, pode até parecer meio doido, mas enquanto eu estava no ônibus, rodando pra lá e pra cá, os bairros me lembravam muito os bairros do GTA San Andreas, os da primeira cidade, o estilos das casas, das ruas, já tava quase me sentindo o CJ.

O Sol já estava aparecendo, eram quase 8 da manhã, o ônibus ia parando nos pontos, pegando e deixando gente, até que ele saiu da cidade e entrou numa estrada em direção as montanhas da Cordilheira dos Andes. A estrada era a coisa mais linda, várias chácaras, pequenos sítios, florestas e casas ao lado.

O ônibus seguiu, passou por vários povoados conforme ia subindo as montanhas, San José del Maipo, El Melocotón, San Alfonso, até chegarmos a San Gabriel, nesta altura, já não tinha mais nenhum passageiro no bus, o motorista olhou pra mim e disse que aquele era o último ponto da linha, perguntei como faria para subir até o Embalse, ele me disse para ficar ali na estrada, esperar passar algum carro, van ou caminhão que estivesse subindo e pedisse carona.

Desci do bus, ainda eram umas 9 da manhã, estava tudo nublado, meio frio, não se via um ser vivo na rua onde eu desci. Voltei andando para a estrada, fui observando as casinhas, cada uma com um jardim gigante, algumas nem cerca tinham, as ruas bem desertas, acho que pelo horário, e novamente me senti no GTA, mas dessa vez naquelas cidadezinhas do interior. Cheguei na estrada, fiquei parado no acostamento, rezando para passar alguma coisa logo que me desse carona. Passaram algumas vans, eu fazia o sinal com os dedos, pedindo uma carona, os motoristas nem paravam, parou um carro, com um senhor de idade dirigindo, perguntou para onde eu estava indo, respondi que ia para a represa, ele iria para outro vilarejo, agradeci e ele seguiu.

Fazia uns 5 minutos que eu estava lá esperando, até que um morador atravessou a rua e me disse: “Vai lá na base da polícia que é mais fácil de achar carona”, e me apontou a estrada no sentido contrário da represa, agradeci e fui naquela direção, depois que passei a curva vi, tinha uma casinha na estrada com a bandeira dos “carabineros de Chile” e uma fila de vans paradas ali. Pelo jeito, as vans de turistas tinham que parar ali para o motorista entregar algum papel ou formulário lá dentro. Aproveitei e fui de van em van perguntando aos motoristas se eles poderiam me dar uma carona até lá na represa. O primeiro disse que a van dele estava cheia, o segundo disse que a agência não liberava caronas, o terceiro disse que estava num tour privado, que a família tinha pago para ir sozinha na van. Encostei na parede, estava esperando mais vans chegarem, aí eu reparei que esse terceiro motorista entrou na van, conversou com os 4 passageiros e me fez sinal para entrar no banco da frente. Agradeci aos passageiros, que eram 4 pessoas só e seguimos rumo ao Embalse, pensei que a estrada fosse pior, pelos relatos que vi na internet, só vans e caminhonetes conseguiam subir até lá no inverno, mas a estrada estava sem gelo, tinha um pouco de buracos, mas nada que um Fusca não desse conta do recado.

Andamos bastante, chegamos no lugar onde as vans param umas 10:30 da manhã, fica ao lado do lago, de lá, é só caminhar por uma estrada que vai beirando a água, a estrada é bem longa, e as melhores paisagens ficam da metade para o final, onde a multidão quase não chega.

Desci, agradeci o motorista e a família novamente e me despedi. Fui andando livremente, estava bem cheio de gente, 80% brasileiros, parecia que todo mundo estava falando português. Estava um pouco frio, mas não tinha vento, e o Sol já estava forte, então só com uma blusinha de lã, jeans, All Star e um corta-vento já estava suando depois de caminhar um pouco, vi muita gente com calças, casacos e botas de esqui (provavelmente alugadas), eu particularmente não acho que tenha necessidade, só em algumas partes do caminho que tinha neve, mas era só desviar, meu All Star velho suportou bem.

Fui tirando fotos ao longo da estrada toda, cheguei numa parte que não tinha quase ninguém, achei uma pedra e fiquei sentado um bom tempo lá, só admirando a paisagem e meditando.

20180827_111624.thumb.jpg.7b96b0e8ff8a6465e4153730e802b97d.jpg20180827_112759.thumb.jpg.188c383cf50109815375ae194850d7f7.jpg20180827_113129.thumb.jpg.b443660d9faf4868faf657f83f7167ae.jpg20180827_113355.thumb.jpg.81a5d24e2841eb3af41dc7d622fba291.jpg20180827_114219(0).thumb.jpg.33809b41b84abb6da6b4707ef7d25cd2.jpg20180827_114237(0).thumb.jpg.259c6bf6ad6b27f5490867ab236afe9d.jpg20180827_114727.thumb.jpg.145111166a5de6e1485a10c77623a069.jpg20180827_115412.thumb.jpg.eb354d01b921bdb80ad09508ca1f13a4.jpg20180827_115429.thumb.jpg.b5e42a85fd2948844d033ae6ff60b3be.jpg20180827_120125.thumb.jpg.eb0f8a5977fb25eeef5e62d0e1828e61.jpg20180827_121454.thumb.jpg.23d2f4632f85e95e3d2c355054913d55.jpg20180827_122015.thumb.jpg.faa2e46a24f80cdfeeac9724d7d72fe0.jpg

Quando já era quase meio dia, comecei a voltar para o estacionamento, precisava achar carona para voltar, mas não queria abusar da boa vontade da van que me trouxe, mesmo porque eles já deviam ter ido embora fazia tempo. Os tours dão em média meia hora para tirar fotos, depois servem um vinho, uns aperitivos e já descem de volta.

Cheguei ao estacionamento e fui perguntando de van em van, alguns iam parar em outros lugares para almoçar, outras estavam cheias. Até que eu vi um carro estacionado lá, e o motorista estava dentro, mexendo no celular, fiquei olhando para ele de longe, ele levantou o olhar, me viu e manteve o contato visual, era brasileiro, certeza. Fui lá falar com ele, perguntei se ele ia voltar direto para Santiago, ele disse que sim, só estava esperando a esposa terminar de tirar umas fotos e já iam embora. Perguntei se podia me dar uma carona, ele olhou para os bancos de trás, cheios de malas e disse: “Cara, se você conseguir entrar aí atrás, fique à vontade hehe”. Olhei e vi que não seria muito fácil, mas eu era bom de Tetris na infância, me encaixei no meio delas e coube. Quando a esposa dele voltou, nos apresentamos devidamente, André e Carla eram os nomes deles, eram paulistas, estavam em Lua de Mel, tinham chegado do aeroporto, pego o carro na locadora e vindo direto para a Represa, por isso todas as malas estavam no carro.

Voltei no meio das malas igual o Burro no Shrek 2, quando eles estão indo para Tão Tão Distante, no caminho, Carla pediu para André parar num lugar chamado Casa do Chocolate, onde vendem sorvete e chocolates quentes. Entramos lá, pedimos sorvete casquinha por $ 2500. Ficamos lá conversando enquanto tomávamos o sorvete. Eles estavam perdidos em relação a cidade e me pediram dicas, no caminho de volta fui falando onde era melhor trocar a grana (Calle Augustinas), que horário era a troca da guarda no La Moneda, onde tomar Terremoto (La Piojera), e sobre os restaurantes famosos (Giratorio, Ocean Pacific’s). Eles ficariam hospedados num Airbnb no bairro Providencia, que é bem próximo ao Bellavista onde eu estava.

Eles me deixaram em frente ao prédio deles, agradeci muito pela carona, eles agradeceram por todas as dicas, nos despedimos e fui andando pela rua, ia voltar para o hostel, mas ainda eram 3:30 da tarde. Olhei para frente e vi ele, o maior prédio da América Latina, o Sky Costanera, estava a poucas quadras dali.

 

SKY COSTANERA: É o maior prédio da América Latina, na base tem um shopping bem grande, o hipermercado Jumbo, excelente para torrar os pesos no fim da viagem com bons vinhos a partir de $ 2000 e outras coisas que custam uma fortuna no Brasil. No topo tem um mirante que dá pra ver a cidade toda, o pôr do Sol é lindo lá de cima, mas custa $ 15000 para subir lá, não tem desconto para estudantes. O último elevador desce às 9 da noite.


A princípio, quando montei meu roteiro, tinha excluído o Sky Costanera por causa do preço e por causa do tempo, achava que o passeio do Embalse duraria o dia inteiro, e o preço era meio salgado só para subir lá em cima. Mas depois de ter economizado horrores indo por conta na represa, ter encontrado uma carona que me deixou praticamente na porta dele, pensei que era um sinal claro de “Para de ser tonto e sobe lá”. Entrei no shopping primeiro, fiquei dando altas voltas pelas lojas, queria ver o Sol se pondo lá em cima, mas ainda era cedo.

 

Dei várias voltas pelos 4 andares do shopping, quase que fui ao cinema também, quando eram umas 5 da tarde, resolvi subir, comprei o ingresso por $ 15000. Peguei o elevador, a ascensorista falou que aquele era o elevador mais rápido da América também, que por isso podia doer um pouco nossos ouvidos. Lá no topo dos 300 metros, tem uma vidraça imensa cercando todo o mirante de 360°. Dava para ver as Cordilheiras de um lado, e a montanhas na direção do oceano, a cidade toda plana, exceto pelos Cerros Santa Lucía e San Cristóbal. Nem acreditava que estava lá, fiquei uns 15 minutos admirando cada lado daquele mirante, mas o Sol ainda lá no alto, chegou uma hora que já estava quase descendo, pois não tinha mais nada que fazer lá em cima, ainda eram 6 da tarde e o pôr-do-Sol era só depois das 7, quando fui na direção do elevador, um segurança me parou e disse que dali uns 10 minutos ia ter degustação de vinhos e frisantes ali no terraço, perguntei se tinha todo o dia, ele me respondeu que apenas as segundas e sextas-feiras, não acreditei, era muita sorte, já fiquei por lá mesmo e logo começaram a nos servir vários tipos de vinhos, depois espumantes, frisantes de vários tipos.

Não tinha coisa melhor, estava me sentindo lá nas alturas tomando espumante enquanto olhava a vista, quando eram 7 horas, começou a chegar mais gente e todos foram do lado do Sol ver o espetáculo, ficou até difícil achar um lugar bom para ver.

Mas tão incrível quanto o Sol se pondo de um lado, são as luzes da cidade do outro, pra quem já queria descer 6 da tarde, acabei indo embora no último elevador as 9 da noite hehe.

20180827_180614.thumb.jpg.dec8c28b068d9d8f6ac92670dc8b1815.jpg20180827_182747.thumb.jpg.4bc8a75ad1900afef0cd565001894ac8.jpg20180827_183601.thumb.jpg.4ef64723fc71b9c5bbdd53c05628c893.jpg20180827_190650.thumb.jpg.4f09f6ae8e03cf76c3717d67407b7c87.jpg20180827_192850.thumb.jpg.eb9aa19143cbf95ccd0d0c8592374bcc.jpg20180827_201211.thumb.jpg.cc112e5cdc010408d93725d9d74ff501.jpg20180827_202804.thumb.jpg.ac695e5e9506b59953312ad818147c18.jpg

Peguei o metrô do lado da saída do shopping, desci na Baquedano e voltei para o hostel, quando cheguei lá, foi engraçado, porque a galera tava começando a ficar preocupada comigo, não chegava nunca. Devolvi o cartão para o Leandro, e ele me perguntou como tinha sido, falei que foi bem tranquilo, tudo tinha dado certo, ele disse que acabou fechando com uma agência para ir para lá amanhã por $ 22000 (bem diferente dos $ 3160 que eu gastei ao todo).

Encontrei o David e fomos na barraquinha comer cachorro quente de $ 1000, dar uma última volta pelo bairro. Voltei para o hostel, falei com o Oscar, e ele me arrumou um transfer para o aeroporto (o mesmo que a Allana tinha pego dias atrás) por $ 7600, e que ele passaria me buscar as 2:15 da madrugada. Tomei um banho, arrumei minha bagagem de modo a despachar a mochilona, o saco de dormir, o isolante térmico e a barraca, e levando a mochila de ataque e a mochila de presentes na mão.

Tinha ainda uns $ 28000 na carteira, vendi para o Leandro pela cotação comercial do dia, ele me devolveu R$ 200. Fui me despedindo de toda a galera, a maioria já ia dormir antes de eu partir.

 

SALDO DO DIA

2 passes de metro - $ 1360

Ônibus até San Gabriel (Tur Maipo S.A.) - $ 1800

Sorvete - $ 2500

Sky Costanera - $ 15000

Cachorro-quente - $ 1000

$ 28000 -> R$ 200,00

         

 

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 40 (terça-feira, 27/08/2018) – O Sonho Acabou: De Volta a Realidade

 

Como o transfer ia passar as 2:15 da manhã, nem dormi, ele chegou no hostel, tocou o interfone e já desci, depois passamos em mais um hostel, onde outra pessoa embarcou, seguimos para o Aeroporto de Santiago, lá paguei os $ 7600, peguei minha malas, fui ao guichê da Latam fazer check-in, pedi para colocarem a etiqueta de frágil na bagagem novamente.

Fui para a área de embarque e lá sim pude cochilar um pouco, pois meu voo era só as 6:15 da manhã, faria uma conexão em Buenos Aires, no Aeroporto Ezeiza, e uma conexão em Guarulhos, a previsão era chegar em Londrina por volta das 6 da tarde.

Embarquei, e quando o avião atravessou as nuvens, dava para ver a Cordilheira lá embaixo.

20180828_082219.thumb.jpg.a26089783a15d9ee276b0a6bc98771ec.jpg20180828_082532.thumb.jpg.2b64e9157b1673e0a088820af7216b5f.jpg

O voo foi rápido, logo desci em Buenos Aires, fui correndo embarcar no meu voo para São Paulo, procurava nos monitores em qual portão seria o embarque, mas não achava “São Paulo” nem “Guarulhos” em lugar algum, comecei a procurar pelo número do voo e achei, adivinhem como: “San Pablo”, não estava acreditando que tinham traduzido São Paulo, como assim??? Engraçado que “Rio de Janeiro” não estava traduzido como “Río de Enero”, mas mesmo assim, queria ver se os brasileiros começassem a chamar a capital argentina de Bons Aeres ou simplesmente Bom Ar. Mas enfim, embarquei para “San Pablo”, no avião o piloto falou de novo em espanhol, e seguimos para Guarulhos. Desembarquei no Brasil, peguei minha bagagem na esteira e fui para a fila da imigração.

Tudo bem que fazia mais de um mês que eu estava fora de casa, que tinha emagrecido mais de 10 quilos, o que deixou todas as minhas roupas largas, que meu cabelo já dava para usar de vassoura e as olheiras estavam gigantes, mas quando fui passar pela fila da imigração, o agente da Polícia Federal estava de cabeça baixa mexendo no celular, não prestou atenção em ninguém que tinha desembarcado da Argentina, mas quando eu fui passar ele levantou a cabeça e me selecionou “aleatoriamente”, pediu meu passaporte, viu os carimbos de Peru e Bolívia, e eu já imaginei o que devia ter passado na cabecinha dele. Ele me pediu para segui-lo, me levou para a sala do raio-X, fiquei olhando pra ele, tentando lembrar se eu já tinha visto ele no “Aeropuertos” do NetGeo, mas não.

Ele pediu para abrir o saco de transporte onde estavam minhas coisas, do jeito que eu abri, que ele viu aquele monte de roupa sem lavar, ele já pediu para eu fechar, passou pelo raio-X, eu fiquei olhando só, perguntei com uma cara de deboche se ele tinha encontrado alguma coisa. Ele disse que não, peguei minhas coisas e saí de lá. Ainda faltava um bom tempo até embarcar para Londrina.

Fui despachar novamente minha mochilona no guichê da Latam, quando eram umas 4:30 da tarde, fui até meu portão de embarque. As 5 da tarde estava embarcando para meu último voo, a maioria das pessoas volta empolgada para casa depois de uma viagem longa, não veem a hora de tomar banho, dormir em sua própria cama. Comigo foi diferente, vim o voo inteiro olhando pela janelinha, segurando a tristeza e as lágrimas.

Quando cheguei no Aeroporto de Londrina, desembarquei, peguei minha bagagem na esteira. O sonho tinha acabado.

Meus pais tinham ido me buscar no aeroporto, no caminho para casa pedi para pararmos num rodízio de pizza, precisava tirar minha barriga da miséria. Quando cheguei em casa, já eram mais de 10 da noite. Só tomei um banho, e capotei na cama, as malas iria desfazer só amanhã.

E assim acabou minha trip, que tinha sido 1000x melhor do que eu podia ter imaginado antes.

 

SALDO DO DIA

Transfer aeroporto Santiago - $ 7600

 

         

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Agradecimentos

 

Quando estava no avião de volta para casa, já estava querendo começar a escrever este relato e termina-lo o mais rápido possível. Comecei a escrevê-lo em setembro, achando que em duas semanas terminaria, estava terrivelmente enganado.

Cada vez que sentava para escrever, ficava vendo as fotos, relembrando tudo que tinha vivido, tentando lembrar perfeitamente a ordem de como tudo tinha acontecido, o preço das coisas, o nome das agências, tinha anotado tudo, mas não lembrava aonde hehe. Final das contas, terminei esse relato no finzinho de dezembro.

Agradeço primeiramente a Deus, que já tinha preparado todo o caminho para mim antes.

Queria agradecer muito a todo mundo que já fez esse rolê antes e postou todas as informações e dicas nos fóruns do Mochileiros.com, aos blogueiros de viagens, que também me deram muitas informações.

E não posso deixar de agradecer a toda a galera que eu trombei ao longo dessa viagem inteira, às amizades feitas ao longo desses 40 dias incríveis e a toda ajuda que recebi, desde a família curitibana que dividiu o táxi comigo quando cheguei perdidão em Lima, até ao casal em Lua de mel que me deu carona no último dia em Santiago.

Sei que esse relato ficou longo demais, mas espero que sirva para ajudar a galera, que assim como eu estive um dia, está organizando o primeiro mochilão e as vezes se sente meio perdidão, usem e abusem desse relato.

Só uma correção, que na página anterior eu disse que minha viagem tinha terminado quando cheguei em casa, mentira, minha viagem terminou agora, com a finalização deste relato. Dever cumprido!

Viajar é Preciso!!!

 

 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns pela viagem e pelo relato, estou começando postar o meu agora e achei o seu muito completo e bacana, muita sorte e luz nas próximas viagens meu brother, abraço.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Igor Bagnara
      INTRO
      Depois de 8 meses finalmente estou encontrando coragem pra escrever o relato do mochilao pela América do Sul, espero conseguir lembrar de tudo hahaha
      Eu nunca havia feito uma viagem internacional, nem viajado sozinho, mas o desejo de percorrer a América do Sul já estava dentro de mim há um bom tempo. Lembro na época de faculdade, quando estava vendo uma matéria sobre Machu Picchu na casa da minha namorada e disse: Um dia eu irei, nem que seja sozinho!
      Um segundo depois eu me arrependi, pela cara dela de brava e a frase: Ah bonitão, então vai me deixar e viajar sozinho é? (HAHAHA)
      Anos depois, foi o que acabei fazendo... Mesmo sem querer.
      Comecei a me planejar pra ir e a correr atrás de companhia, a princípio de amigos, depois de pessoas aqui no mochileiros ou em grupos de viagem do Facebook. Porém, o medo de ir sozinho me fez correr atrás de TUDO, me organizar e querer saber todos detalhes. Com o tempo passando, as frustrações de encontrar alguém e a coragem crescendo, defini que queria e precisava trilhar esse caminho sozinho.
      Vamos deixar o blá-blá-blá de lado e efetivamente começar a falar dos preparativos.
      Usei três roteiros como base para o meu, porém eram todos antigos, mas completos. O principal foi o do Rodrigo @rodrigovix, que inclusive foi base para o da Mari (@vidamochileira usei a planilha dela pra criar a minha) e o de uma terceira menina que esqueci o nome 😅.
      Comecei a anotar as dicas sobre roupa, calçado, onde ir assim que chegar, onde trocar dinheiro... Foi de uma ajuda absurda.
      BAGAGEM
      Levei duas mochilas, a de 50l Forclaz da Quechua e uma de ataque que tenho desde o ensino médio.
      Tentei levar coisas suficientes para uma semana de uso, foi mais ou menos assim:
      08 camisetas 02 shorts 01 conjunto segunda pele (usei MUITO) 01 calça jeans (usei pouco) 01 calça de trilha que vira shorts (usei muito) 01 calça moletom 01 blusa fleece 01 blusa corta vento 01 blusa moletom 01 touca 01 bota (timberland basica, peguei na promo por 100 reais e deu conta) 01 toalha de microfibra (decathlon) 01 par de chinelo 08 cuecas 06 pares de meia 01 bastão da caminhada (não usei pq sou burro) Medicamentos Necessaire Pelo que eu me lembre, foi basicamente isso e algumas coisas pequenas como documentos, cadeado, hidratante, bandana, kindle (nem li) e afins.

       
      ROTEIRO

      Mudei milhares de vezes antes do início e esse era o roteiro original, PORÉM ocorreram mudanças forçadas hahaha
      Tive que passar dia 03 em Sucre e tirar Paracas do roteiro, ou seja, até dia 12 é preciso jogar tudo um dia pra frente, o resto continuou igual.
      DICAS
      APP:
      Google Maps Offline - Baixem o mapa de TODOS lugares que irão e deixem salvo no google maps, salvou minha vida mais de uma vez! (atenção pro prazo de armazenamento) Uber - Usei em cidades que possuiam pra saber o preço justo e negociava com os taxis. Moeda - Mostra a cotação atual da moeda (valor comercial, não o de compra) Booking - Reservas de hostel com cancelamento grátis (atenção no prazo para cancelar) COMPRAS PRÉ VIAGEM:
      Vôo SP - Santa Cruz de la Sierra Vôo Santa Cruz - Sucre Ônibus Sucre x Uyuni  Vôo Lima - Cusco O resto deixei TUDO pra fechar na hora. Mas aconselho a reservar pelo Booking locais com cancelamento grátis só por segurança, passei um perregue por conta disso.
       
       
      DIA 1 - O SUSTO ANTES DO COMEÇO
      Três dias antes da viagem (30/12), descubro que meu voo de Santa Cruz para Sucre seria ADIANTADO. Assim, eu não conseguiria embarcar, visto que ele estaria saindo a hora que eu estivesse pousando do voo Guarulhos-Santa Cruz. Tive que adiar esse voo pra Sucre, o que me fez perder o ônibus noturno de Sucre pra Uyuni.
      Ou seja, mal começou e os planos indo pro ralo, mas eu estava consciente que poderia dar ruim esse primeiro dia, era um risco calculado.
      E como dizem, há males que vem para o bem.
      Eu iria viajar dia 2 de janeiro e fui passar a virada de ano na casa da minha Madrinha. De lá, meu pai daria carona até o aeroporto. Tudo pronto, me despedi de todos e partiu!
      Quando estou na fila pra pegar a passagem, procuro minha doleira, onde estavam meu passaporte e toda grana da viagem, e... TCHARAM: NADA! O desespero foi tanto que joguei o mochilao no chão e saí abrindo tudo ali mesmo. Liguei pros meus pais, pedi pra olharem no carro, mas não acharam. Liguei pra minha madrinha e nada na casa... Não era possível, eu não tinha mexido e tinha certeza que havia levado a doleira.
      Estava explicando a situação pra moça do guichê pra tentar não perder o vôo, até que recebo o telefonema salvador, meu pai achou DEBAIXO do banco e estava voltando. Porém, não daria tempo pra retirar a passagem e fazer o check-in.
      Tive que usar toda minha lábia e desenrolar com a atendente. Consegui que ela deixasse tudo adiantado pra retirar sem fila e burocracia só precisando apresentar o passaporte. No fim, foi correria mas deu certo! Inclusive, a primeira coincidência ocorreu na hora do embarque.
      Lembram que eu havia entrado em contato com diversas pessoas pra companhia? Um deles era o Kaique. E não é que ele manda msg no whats falando que está me vendo na fila do embarque?! Combinamos de nos encontrar em Santa Cruz de la Sierra. Também era a primeira viagem solo e internacional dele, ainda usou umas partes do meu roteiro como base.
      O voo foi tranquilo, o primeiro contato com o espanhol foi meio assustador, as aeromoças falavam bem rápido e eu não entendia muita coisa dos avisos no alto falante.
      Desci na Bolívia e fui passar pela alfândega. Estou lá, suave, vendo o Policial passar por todo mundo e parar em quem? Eu, óbvio.
      Fiquei todo atrapalhado pra achar passaporte e responder. Ele ainda me olha o passaporte, minha cara, passaporte, minha cara... Eu já tava quase baixando as calças e indo pra salinha, até que ele resolveu me liberar.
      Encontrei o Kaique e fomos dar um pulo no centro de Santa Cruz pra trocar dinheiro, visto que havia lido que em Sucre não há locais pra troca perto do aeroporto.  Lembrei das recomendações sobre táxi e tentamos negociar a ida pro centro, tava caro... Perguntei pra uma tia da limpeza do aeroporto e descobri que tinha busao pro centro por menos de 5 reais, enquanto o taxi sairia por 40 reais!
      Na plaza central, o Kaique comprou um chip e fomos fazer o câmbio. Demoramos muito e começamos a correr pra voltar a tempo. Não teria como pegar o ônibus, então fomos até a avenida principal atrás de táxi. Perguntei em um local se tinha algum lugar pra pedir e o valor médio.
      Foi ali que tive o primeiro contato com os táxis ilegais da Bolívia. O cara deu sinal pra um carro bem velho e perguntou o preço pro aeroporto. Ficou em 60 bols e deu tempo de embarcar no "teco teco" da Amaszonas rumo a Sucre.
      Na hora de retirar as mochilas, eu comentei com o Kaique sobre dois mochiloes enormes e que apostava que estavam indo fazer a mesma trip. Fui ao banheiro e, ao voltar, o destino prepara outra surpresa: o Kaique conversando com o casal das mochilas... Era o Cleverson, um cara que eu havia conversado nos preparativos da viagem tbm! Estava acompanhado da Cintia, na real eles nos salvaram, pois já era noite e eu e o Kaique teríamos que achar onde dormir pra pegar o bus na noite seguinte.

      Dividimos o táxi, fomos onde eles estavam hospedados e conseguimos vaga! Logo tentamos ir até a rodoviária trocar as passagens do ônibus que são bem concorridas, porém já estava fechada. Voltamos a pé, curtindo um pouco de Sucre e caçando um lugar pra comer. Achamos uma lanchonete, comemos hambúrguer com soda (ruim, parecia sem gás) e rodamos por algumas praças. Fomos dormir depois de um primeiro dia louco, a empolgação era contagiante.
    • Por Fernanda Nascimbeni
      Bom dia pessoal!
      Alguém sabe como está a situação do turismo ao Salar de Uyuni com os protestos que estão acontecendo? E se tem alguma previsão de cessarem?
      Tenho uma viagem marcada para daqui 20 dias... e estou tentando monitorar as notícias. Mas não estou encontrando muita informação.
      Alguém indo para lá nas próximas semanas?
    • Por Douglas Rezini
      Olá Mochileiros. Essa foi minha primeira viagem para fora da América do Sul e também meu primeiro mochilão. Esse relato não é só para compartilhar qual foi meu roteiro, mas para tentar ajudar outros mochileiros a terem experiências melhores que as minhas e também tentar transmitir o quando toda essa experiência me mudou positivamente.
      Escolhi a Itália por vários motivos, mas principalmente porque sou apaixonado por história e sempre foi um sonho conhecer as ruínas do império romano e porque sinto um grande carinho pela Itália, carinho que me foi transmitido através dos meus avós, bisavós e minha família de modo geral. Também existem outros motivos, como as belezas naturais e a arquitetura do país, a facilidade do Idioma, a culinária e os vinhos.
      Parti de Navegantes no Brasil no dia 09/Agosto/2019 durante a manhã e cheguei na Itália, após uma escala em Guarulhos e outra em Paris, dia 10/Agosto/2019 a tarde. Já havia feito a reserva e pago antecipadamente por todos os Hostels, também levava comigo 1.100 Euros e na minha mochila roupas suficientes para uma semana. Talvez vou estar sendo repetitivo, mas para mim algumas coisas foram essenciais nessa viagem, como: Power Bank, tampões para o ouvido, máscara de dormir, doleira, fone de ouvido, mochila de ataque, remédios simples de modo geral (Dipirona, Ibuprofeno, Plasil, etc), protetor solar e labial. São coisas simples, mas que fizeram toda a diferença.
      A forma com a qual eu vou escrever esse roteiro provavelmente vai ser diferente no decorrer dos dias, mas isto é porque a forma com a qual eu encarei essa viagem também mudou no decorrer desses mesmos dias. Alguns vão estranhar a quantidade de dias que eu passei em algumas das cidades, mas essa realmente foi a forma que queria viajar, aproveitando os lugares sem pressa.

      Principais cidades desse relato.
      Dia 01 - Roma - 10/Agosto/2019
      A escala de Paris para Roma atrasou em consequência cheguei uma hora após o previsto, mas felizmente não havia comprado tickets de trem ou ônibus. Do aeroporto peguei um ônibus pela empresa TERRAVISION, o qual custou 7 Euros. Como era sábado não tinha trânsito e em 35 minutos estava na estação Roma Termini. Existem várias companhias que fazem esse serviço, o ônibus é normal, mas tinha ar-condicionado e custava menos da metade do preço do trem.
      De Roma Termini fui andando por uns 15 minutos até chegar no Hostel Free-Hostels Roma. Gostei bastante do Hostel, o staff era bem atencioso, os quartos eram limpos e possuíam camas no formato de ninhos, os quais traziam alguma privacidade, e também são realizados eventos todas as noites para integração entre os hóspedes. O hostel normalmente tem alguma promoção para quem fazer a reserva no site deles, no meu caso foi o café da manhã incluso (Tinha nutella hahah).

      Eventos da semana que não são seguidos a risca, mas da para ter uma ideia.
       
      A duas quadras do Hostel tem um supermercado com bons preços. No mesmo dia fui até lá para comprar uma garrafa d’água e alguns snacks para comer durante o dia. Já havia lido em outros relatos e realmente é essencial ter sempre uma garrafa na mochila, não só em Roma, mas em outras cidades da Itália existem diversas fontes de água potável e gratuita espalhadas pelo centro e bairros onde é possível reabastecer a garrafa e economizar uns Euros.
      Não muito longe do mercado também comprei um Chip de celular da Voda Fone por 20 Euros em uma loja da própria companhia. O plano para turistas tem um mês de duração, pode ser usado em toda a Europa e conta com um limite de dados de 35 GB, porém não consome os dados para o uso de chats e redes sociais, mesmo para vídeo chamadas pelo que eu pude perceber. Muito cuidado, recomendo não comprar no aeroporto ou rodoviária, nesses lugares o preço quase que triplicava.
      Dia 02 - Roma - 11/Agosto/2019
      Começando a manhã visitando a feira de Porta Portese, a qual acontece todos os domingos. Não sei se existe um foco principal nos produtos da feira, mas haviam muitas barracas vendendo roupas e produtora baratos e de uso geral. Não é algo que me atrai muito e eu considero perdível, mas acabei encontrando e comprando uns livros usados e bem baratos para praticar a leitura em Italiano.

      Feira de Porta Portese
      Depois de lá segui andando até chegar na Isola Tiberina, cruzando as pontes em direção ao centro histórico começa o Gueto Judeu de Roma. Para quem gosta de história eu recomendo baixar Áudio Guias, no meu caso eu usei o aplicativo gratuito do Rick Steves durante esse e outros passeios, garanto que o local muda totalmente quando você sabe o que aconteceu ali. Também ouvi boas recomendações para comer lá, mas acabei chegando muito cedo para o almoço.
      Ali perto também estão o Pórtico de Ottavia e o Teatro di Marcellus. Perto do Pórtico existe uma descida que permite caminhar pelas ruínas, vale muito a pena. Não é necessário pagar nada ou enfrentar qualquer fila para acessar esses locais.

      Descendo pelo Pórtico de Ottavia

      Vista do outro lado onde é possível ver todo o Teatro di Marcellus
      Seguindo a direita um pouco mais a frente eu cheguei ao Foro Boario/Tempio di Portuno e da Bocca della Verità. Essa última tinha uma fila gigantesca de pessoas querendo tirar uma foto com a mão na boca da face esculpida no mármore. Segundo a lenda, se alguém contar uma mentira com a mão na boca da escultura, a sua boca fecharia na mão do mentiroso. A fila era realmente muito grande, portanto segui para o Monte Capitolino.
      A subida é um pouco cansativa, mas de lá é possível ter uma vista incrível das ruínas romanas e isso faz tudo valer muito a pena. No monte capitolino se encontra o museu capitolino, com uma coleção incrível de bustos, artefatos e até ruínas da Roma antiga. Talvez seja porque eu gosto muito da história de Roma, mas passei 4 horas lá dentro. Dentro do museu também é possível ter uma vista incrível das ruínas.

      Vista do Museu Capitolino
      Não entendo o porque, mas diferente de outros museus este não tem muita fila, acredito que vale a pena deixar para comprar o ingresso na hora e evitar de pagar a taxa de reserva online. Por fim, ali perto também estava o monumento Altare della Patria, um dos cartões postais mais famosos de Roma e com uma vista incrível da cidade. Para ter acesso ao terraço é necessário pagar, mas o último nível  antes do terraço já oferece uma vista incrível e de graça.

      Monumento Altare della Patria
      Dia 03 - Roma - 12/Agosto/2019
      Finalmente o dia de conhecer o Vaticano, como eu estava fazendo tudo a pé ajustei meu trajeto para passar em frente a Ponte Sant'Angelo e o Castelo Sant'Angelo, outro cartão postal muito famoso de Roma. Não achei que valia a pena comprar o ingresso para entrar, portanto fiquei somente no lado de fora observando as esculturas da ponte e o castelo em si. Fui alertado muitas vezes para tomar cuidado com golpes nessa região e no coliseu, talvez fosse muito cedo, mas nesse horário estava bem tranquilo e não vi ou presenciei nada do tipo.

      Ponte Sant'Angelo e Castelo Sant'Angelo
      Seguindo para esquerda por mais algumas quadras começava a entrada para o Vaticano, de longe já era possível ver que a praça São Pedro já se encontrava bem cheia. Chegando lá fiquei dando algumas voltas pela praça e logo me arrependi, a fila para entrar na basílica de São Pedro estava gigantesca. Depois disso corri para a fila, comecei a ouvir o Áudio Guia e meia hora depois estava dentro da basílica. Estava bem cheia, mas o lugar é incrível e vale muito a pena, seja você religioso ou não. Importante saber para poder evitar surpresas é que não é permitido ingressar na igreja com os joelhos ou ombros a mostra, nesse caso basta cobrir com um lenço, cachecol, echarpe para poder ingressar. Isso vale para todas as igrejas e catedrais famosas na Itália.

      Vista de fora da Basílica de São Pedro
      V
      Vista de dentro da Basílica de São Pedro
      Por 10 Euros é possível acessar a cúpula e o terraço e ter uma vista incrível do vaticano, mas a fila era bem grande e também no meu caso tive que sair correndo pois estava atrasado para a visita agendada aos museus do Vaticano. Quando cheguei na rua do museu me deparei com uma fila gigantesca dobrando a esquina, porém um funcionário logo me indicou que era a fila para comprar os bilhetes e como já havia comprado pela internet pude ir direto. Nesse caso, comprar de forma antecipada foi essencial para evitar horas de fila no sol.
      Acredito que eu tenha ficado pelo menos 3 a 4 horas dentro dos museus. Todas as salas são normalmente muito cheias, algumas quentes outras mais agradáveis, mas independente disso todas as obras, relíquias, tapeçarias, estátuas, tudo faz fazer a pena. Acredito que não só nesse, mas nos demais museus é essencial ter um áudio guia para aproveitar o máximo de tudo o que oferecem. Existem diversos gratuitos na internet, mas os museus também oferecem os seus e que são obviamente pagos.

      Uma das várias salas do museu, detalhe para o tamanho das pessoas e das esculturas.
      Por fim todos os caminhos eventualmente vão levar para a Capela Sistina, um dos lugares mais lotados e tumultuados do museu. Você vai se cansar de ouvir os funcionários pedindo silêncio a cada 5 minutos, também é proibido tirar fotos e eles vão te falar isso várias vezes. Novamente, é essencial ter um áudio guia para explicar cada parte dessa obra de arte em detalhes e prepara o pescoço para ficar um bom tempo olhando para o teto.
      Dia 04 - Roma - 13/Agosto/2019
      Comecei o dia caminhando em direção ao coliseu, essa região é cheia de ruínas e é possível inclusive acessar algumas partes gratuitamente. Andei sem pressa parando para ler as placas informativas que os locais possuem e escutando o áudio guia. Não muito longe dali caminhei para a Igreja de Santo Inácio de Loyola, a igreja é bela mas o que impressiona mesmo são os afrescos, vale muito passa lá para dar uma olhada, é de graça e não é lotada de turistas.

      Igreja de Santo Inácio de Loyola
       

      Uma parte dos afrescos no teto da igreja.
      Continuei o passeio em direção ao Panteão, mas como sempre eu tento alterar meus trajetos para passar por outros lugares onde existe algum monumento ou ponto conhecido, nesse caso foram a Colonna di Marco Aurelio e o Obelisco di Montecitorio, a histórico por trás desses monumentos é algo único e quando você lê ou escuta sobre essas histórias os lugares mudam completamente.
      Mesmo antes de chegar no Panteão você vai perceber que está perto pelo número de pessoas, e nesse lugar eu diria para ficar bem atendo aos batedores de carteira e a golpes. Lotado de pessoas ou não, é uma obra incrível que deve ser vista, a fila é bem rápida e não é necessário pagar para entrar. Como é uma igreja eles pedem para que as pessoas naõ entrem com joelhos e ombros a mostra, mas o controle não era tão rígido quanto no vaticano.

      Panteão
      Tentei visitar a Basilica di Santa Maria Sopra Minerva e a Igreja di Sant'Agnese in Agone nesse mesmo dia, mas ambas estavam fechadas, a segunda fechou logo quando eu estava chegando, portanto é bom ficar atendo aos horários. No mesmo local da igreja está a Piazza Navona e la Fontana dei Quattro Fiumi, ao redor da praça existem diversos restaurantes, bares e algumas gelaterias. As fontes são belíssimas e vale a pena parar para comprar um gelato e ficar olhando cada detalhe das esculturas.
       
      Fonte do Mouro

      Fontana dei Quattro Fiumi e Chiesa di Sant'Agnese in Agone ao fundo
      Na volta para o Hostel ainda passei pela Piazza di Pasquino onde existe a estátua chamada de Pasquino, uma das mais famosas "estatuas falantes" de Roma, e pelo Campo de' Fiori onde existe uma pequena feira com preços bem turísticos. 
      Por mais que andar pelas ruas de Roma é se perder no tempo e conhecer algo novo a cada esquina, eu percebi que depois desse dia eu estava andando demais e resolvi comprar o bilhete de 7 dias para usar o transporte público de Roma. É possível comprar em Roma Termini ou em algumas tabacarias, custa 24 Euros e da acesso a ônibus, metro e tram, basta validar no primeiro uso e manter com você para ser apresentado caso necessário.
      Com o ticket em mãos aproveitei para visitar alguns lugares a noite. Comecei com a Piazza di Spagna, conhecida pela sua escadaria onde as pessoas costumavam se reunir para interagir, beber e comer. Porém, recentemente a prefeitura proíbe e a polícia fica no local para impedir que qualquer um fique sentado nas escadarias, dali segui para a Fontana di Trevi. Durante o dia a famosa fonte é lotada de pessoas, mas a noite parece que ela fica mais cheia ainda, talvez porque a noite ela também fica ainda mais bela.

      Fontana di Trevi no stories

      Fontana di Trevi na vida real
       Dia 05 - Roma - 14/Agosto/2019
      EM CONSTRUÇÃO...


×
×
  • Criar Novo...