Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

Roteiro

 

Olá pessoal! Nesse tópico vou falar especificamente de Pucón e Puerto Varas, mas meu roteiro completo foi esse:

 

29.03: Voo de São Paulo para Santiago (chegada no dia 30)

30.03: Santiago

31.03: Voo de Santiago para Calama, e de lá, ônibus para São Pedro do Atacama

01.04: São Pedro do Atacama

02.04: São Pedro do Atacama

03.04: São Pedro do Atacama

04.04: São Pedro do Atacama

05.04: Voo de Calama para Santiago, à noite ônibus para Pucon

06.04: Pucón

07.04: Pucón

08.04: Pucón

09.04: Ônibus de Pucón para Puerto Varas

10.04: Puerto Varas

11.04: Puerto Varas

12.04: Puerto Varas

13.04: Puerto Varas, à noite ônibus para Santiago

14.04: Santiago

15.04: Voo de Santiago para São Paulo

 

Companhias aéreas:

- LATAM para para o trecho Sp Santiago (R$950 por pessoa)

Seguro Viagem: Mondial Assistance (R$ 188 por pessoa)

 

R$273 foi a média diária de gastos por pessoa (tirando passagens aéreas e seguro viagem)

 

Sobre o roteiro: postei as informações sobre o Deserto do Atacama em outro tópico http://www.mochileiros.com/deserto-do-atacama-abril-2017-t143110.html

 

Pucón

 

Como chegar

Fomos de Santiago a Pucón de ônibus, pela empresa Pullman. Não consegui comprar as passagens pelo site antes, então quando chegamos em Santiago tivemos que ir até a rodoviária (fica na estação de metrô Universidade de Santiago). Custou 16.000 pesos por pessoa (aproximadamente R$80,00), leito (o mais confortável, a outra opção era semi-leito). Compramos com uma semana de antecedência. A viagem em si foi ótima, o ônibus era muito confortável, a poltrona deita mesmo, tem cobertor, deram lanchinho, nada a reclamar. Saímos às 21h45 e chegamos de manhã em Pucón, umas 8h. O mais difícil, sem dúvida, foi conseguir entrar no ônibus. Basicamente, a rodoviária de Santiago é uma loucura. E eu achava que já tinha visto a loucura total na Bolívia, que nada. Para começar, ela é enorme, aliás, tem ótima estrutura, muitos restaurantes, lojas, banheiros (pagos), parece um shopping. Mas tem muuuitas plataformas (que chamam andens) e eles não dizem que qual anden o seu ônibus vai estar, dão um intervalo, tipo “seu anden será entre o 10 e o 48”....kkk. Só que é insano, porque os ônibus chegam rápido, as pessoas entram rápido, e eles saem rápido, você tem que ficar MUITO esperto, perder é bem fácil. Ficamos andando feito loucos entre todos os andens que podiam ser, e olhávamos em uma tela tipo de aeroporto que mostra todos os andens e ônibus correspondentes. Só que o nosso atrasou um pouco, e aí ficamos que nem doidos, foi bem estressante. A dica é, fique muito ligado, porque qualquer distração e o ônibus se vai...

 

A cidade

A cidade é linda! Organizada, arquitetura alemã, com muito verde e do centro dá para ver o vulcão Villarrica. É bem turística. A avenida principal é a Bernardo O´Higgins. Curti bastante andar pela cidade, é legal andar na beira do lago, tem várias “praias” bonitas, ótimas para relaxar, pois fomos no outono e já estava friozinho. É fácil de andar à pé, bem tranquilo, e tem alguns trekkings que dá para fazer indo à pé do centro da cidade (não fizemos nenhum). No dia em que chegamos estava chovendo bastante, então não deu para fazer praticamente nada.

vulcao.jpg.214b52d615ec8ca302a0286e4fdbfa38.jpg

 

Hospedagem

Hostal Chilli Kiwi: esse hostel é o melhor! Muito bom! Para começar, é lindo, tem muito verde, a cozinha externa é o máximo. No primeiro dia ficamos no quarto de Hobbit, para casal. Esse foi nosso preferido! Muito acolhedor, é pequeno mas tem prateleiras, dá para colocar as coisas. A cama era muito confortável e tinha aquecedor. Depois dormirmos no quarto da cada da árvore, também incrível, o único porém é que ainda menor que o Hobbit, então as mochilas ficaram bem apertadas, era difícil de pegar as coisas, e para ir no banheiro tinha que descer a escada, mas fora isso, recomendo a experiência. Depois dormimos em um quarto coletivo de 6 pessoas, também foi bom, camas muito confortáveis. Os funcionários são ultra simpáticos, e falam inglês, e não espanhol. Aliás, esse hostel acolhe pessoas que falam inglês, não encontramos nenhum chileno lá. Às 10h30 todos os dias tem uma reunião em que eles explicam tudo o que tem para fazer na cidade. Escolhemos dois passeios que fizemos pelo Hostel mesmo, e não pelas agências do centro. O hostel tem duas cozinhas, então é tranquilo de cozinhar, algumas vezes fizemos janta lá para economizar, mas eles também oferecem janta por 5.000 pesos. Não tem café da manhã, mas é bem fácil ir no mercado e comprar as coisas. Nos mercados não dão sacolas plásticas, é necessário levar algumas.

hobbit.jpg.31eb6a09003e6345d885139409085720.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Comida

A comida é cara, muito cara. Nós fomos para Pucón em seguida do deserto do Atacama, e achávamos que lá tudo era uma fortuna, mas que nada, Pucón também é bem cara. Não posso deixar de falar do Restaurante Ecole. Esse lugar é um hostel, um restaurante, uma agência e também uma instituição que protege as florestas locais. É vegetariano e a comida é ótima, preços justos. Pagamos por volta de 6.000 pesos por pessoa. Tem sopa, massas (nhoque na foto), tortas, burritos. O Café de La P é caro, tomamos só um chocolate quente, que era delicioso. O hostel tem algumas indicações de restaurantes, acabamos não indo em muitos porque tudo era caro, fazíamos compra no mercado e cozinhávamos no hostel.

ecole.jpg.fbfa3420ab8fbd47f1308cd58602559e.jpg

 

Passeios

Fizemos dois passeios por meio do próprio hostel: termas geométricas e subida ao vulcão Villarrica.

As Termas Geométricas aproveitamos para fazer em um dia chuvoso, porque não atrapalha muito, e custou 33.000 pesos por pessoa (aprox. R$165), uma van nos buscou e nos levou. São piscinas com água quente para entrar, em um lugar incrível, com muito verde e cachoeiras. Gostamos muito desse passeio! O que não gostamos é que foi bem corrido, tínhamos apenas 3 horas para ficar nas Termas (pelo que entendemos, é o período que o ingresso dá direito, regra do lugar). Leva cerca de 1h30 para chegar lá saindo de Pucón, é uma pequena viagem. No caminho dá para ver muita coisa legal e como é a vida dos chilenos nessa região. Só que o caminho tem algumas curvas, não sei dizer exatamente se foi só por isso, mas meu namorado e eu chegamos muito enjoados, eu quase vomitei, e eu nunca passo mal em carro ou ônibus. Na volta resolvemos tomar um dramin para não arriscar. Tem que levar roupa de banho, chinelo e tolha, eles dão toalha lá, mas é a que você irá usar para se cobrir e se deslocar de uma piscina para outra, então para se secar no final é preciso ter outra. A temperatura externa estava por volta de 10 graus, e a temperatura das piscinas variava entre 35 e 45 graus. Dica: antes de sair para andar e explorar o local (vá até o final, tem uma cachoeira linda!) entre na piscina mais quente, de 45 graus. Quando você sair para andar, simplesmente não sentirá frio. Se você for nas outras, quando andar sentirá muito frio. Foi muito bom mesmo. E lá dentro tem um restaurante que é delicioso, e surpreendentemente, não muito caro. Tomei uma sopa de abóbora que foi a melhor da minha vida, mas tem sanduíches, pizzas, doces. Não conseguimos aproveitar muito por conta do tempo curto. Li depois que é lindo ficar à noite, que eles colocam velas e a paisagem fica incrível. Não falaram para nós sobre essa possibilidade.

termas.jpg.367461fb27f3f223d757242682ef36a0.jpg

 

Subida ao vulcão Villarrica: custou 75.000 por pessoa (aprox. R$375). Olha, esse passeio...é polêmico. Foi muito mais difícil para mim do que eu tinha pensado. Bom, eles fizeram uma reunião na noite anterior no hostel para explicar como seria, e deram a entender que era fácil e simples. Gente! Não achei! Nada fácil nem simples, bem perigoso e exaustivo. Ainda assim, claro que valeu a pena, a vista foi realmente maravilhosa. Saímos bem cedo do hostel, umas 6h15 da manhã, e leva uns 40 min para chegar na entrada no vulcão. Logo no início você pode optar por ir de teleférico até certo trecho (infelizmente não vai até o cume). Isso custa 10.000 pesos por pessoa. Pagamos e fomos. Não tem barra de segurança nesse teleférico... #medo. Só que o teleférico foi sem dúvida a parte em que tive menos medo...rsrs. A subida é muito, muito cansativa. Quando fomos havia bastante neve, então é bem fofa, você está carregando uma mochila de equipamentos, é íngreme, e você tem que andar no ritmo do grupo, que não é rápido, mas constante. Fiz o que pude e desisti perto dos 2.500m. No total são quase 2.900 metros, mas esses metros finais são muito íngremes e difíceis. O guia me disse que eu fui bem longe até, que a maioria dos brasileiros desiste antes. Falou que os brasileiros costumam ter muito frio e se cansam muito. Ok, não temos montanhas no Brasil! Acho compreensivo. A vista é simplesmente espetacular. Em dado momento, você fica na altura das nuvens, no meio delas. Eu fiquei encantada. Mas estava morrendo de medo, tanto de subir quando de descer de volta. A descida é insana, vários trechos fazendo ski bunda. Eu perguntei ao guia: “Isso não é perigoso?” e ele, “não...”. Depois procurei na Internet e descobri que um brasileiro tinha morrido nessa parte, escorregou demais, perdeu o controle e caiu em uma vala, não conseguiu ser resgatado, provavelmente morreu de frio. Claro, muito seguro isso! Kkk. Apesar de aterrorizada, fiz o ski bunda, só controlava bem para não ir muito rápido. A descida também é mega cansativa e acaba com o joelho. Só sei que quando chegamos no fim estávamos absolutamente exaustos, com dor em todo corpo. Eu achei muito perigoso, sem noção, mas isso é bem particular, meu namorado disse que não sentiu medo e ninguém mais da van desistiu antes, todos subiram até o cume (mas todos era de países frios...). Não sou sedentária no Brasil, mas na subida fiquei muito ofegante, não conseguia andar no ritmo do grupo, que só descansava a cada 1 hora. Se eu tivesse ido no meu ritmo, acho que teria conseguido subir mais. De qualquer forma, valeu muuuuito a pena! Só ficamos acabados depois, por 3 dias não conseguimos fazer passeio nenhum, estávamos exaustos e com muita dor no corpo. Meus joelhos ainda doem, e já se passaram 12 dias. Para quem tem qualquer problema no joelho, absolutamente não aconselho subir. Dá para fazer só até o teleférico e voltar. Fiquei com a impressão de que todos na cidade “fingem” que subir no vulcão é tranquilo, para você pagar o preço do passeio (nada barato), mas que na verdade poucas pessoas realmente conseguem fazer com tranquilidade, precisa estar com ótima forma física, bem preparado, não ter medo de altura, neve, não se abalar com o frio, com estar escorregadio etc.

Por que não fizemos mais passeios e exploramos mais os parques da região – por causa do mau tempo. Choveram três dias inteiros em que ficamos lá, em um deles fomos nas Termas e no único dia de sol, no vulcão.

villarrica.jpg.163b1cc097e50a942f8c9c8d3d3b086f.jpg

 

Dicas: Se estiver chovendo, é um grande problema. O único passeio que dá para fazer na chuva é o das Termas Geométricas. O tempo atrapalhou e resolvemos ficar um dia a mais para conseguir subir no vulcão, pois precisa estar sol para ir, ou o passeio é cancelado. A alta temporada lá é no verão, então quase todos os passeios fazem mais sentido nele. Porém creio que valeu a pena a época em que fomos também, até para não pegar a cidade lotada.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Puerto Varas

 

Como chegar

Fomos de Pucón a Puerto Varas de ônibus com a empresa JAC, pagamos 9.500 pesos por pessoa (aproximadamente R$47,00) e compramos a passagem uns 3 dias antes de ir, quando estávamos em Pucón. É uma viagem curta, de umas 4h, fizemos de manhã e foi tranquilo. Para voltarmos à Santiago também fomos de ônibus, pela empresa ETM, mas há outras, como a Pullman. Compre a passagem com antecedência, pois deixamos para a última hora e quase não havia mais. São 12h de viagem.

 

A cidade

A cidade é linda, a vista do lago com o vulcão ao fundo é incrível e rende ótimas fotos, principalmente ao entardecer. Andar pela cidade é fácil, fizemos tudo à pé. A dica é caminhar na beira do lago (ou na calçada próxima a ele) para os dois lados da cidade, a partir do centro. Fomos ao Cerro Phillip e gostamos muito, é uma pequena subida em um morro e que vale muito a pena, vista fenomenal do lago, da cidade e do vulcão.

puerto_varas.jpg.50b6d545e470b791753db92cfae29f41.jpg

 

Hospedagem

Ficamos no Hostal Magouya Patagonia e gostamos. Trata-se de um casarão antigo, de quase 100 anos, em estilo alemão. Parece mais um bed &breakfast do que um hostel, tirando que não há café da manhã incluso, mas você pode pagar entre 2.000 e 3.000 pesos e ter o café da manhã. São alguns poucos quartos, a maioria para duas pessoas, e apenas 3 banheiros para todo o hostel. Esse foi o ponto fraco, porém, não me atrapalhou muito. Só de manhã e à noite que era necessário esperar um pouco para usar o banheiro, mas nada muito terrível. A cozinha é ótima, bem limpa, mas pequena. Fizemos compras em um mercado próximo e fizemos nosso próprio café da manhã. O hostel também organiza passeios. Fica perto do centro, basta descer algumas quadras.

Magouya.jpg.c061fdcfaa20d5c0e1c7f5b1600be79e.jpg

 

Comida

A comida é mais barata do que em Pucón, e a base são os frutos do mar. É possível comer salmão a um preço razoável. Recomendo três restaurantes em que fomos:

- Dane´s: esse foi meu preferido. Não dá para ir em Puerto Varas e não experimentar a empanada de forno do Dane´s! Tem dois sabores, carne e verdura. É simplesmente delicioso, imperdível. Também comemos a Kuchel, torta típica alemã, gostamos mas nada demais, m as o strudel deles é muuuuito bom!! Bem molhadinho, diferente desses que costumamos ver no Brasil. Pedi com uma bola de sorvete de creme.

strudel.jpg.25dc36aeebc59485973c4c3d52d98714.jpg

- Mesa Tropera: esse foi uma bela surpresa, não esperávamos um lugar tão incrível. Fica em cima do lago, literalmente, e tem várias aberturas no chão com vidro em que dá para ver o lago por baixo. É bem romântico o lugar, mas também vimos famílias, amigos, pessoas sozinhas, porque é uma pizzaria e cervejaria artesanal. Se chegar cedo, dá para pegar uma mesa bem na ponta e ver o pôr-do-sol, é perfeito. As pizzas não são caras, porém são pequenas, massa fina e 6 pedaços. As sobremesas são incríveis e as bebidas valem a pena. Adoramos a atendimento.

598de1ac271e9_mesatropera.jpg.5884d393d41725fbe113b0598fd66735.jpg

- Costumbrista: ótimo lugar para comer bem e não pagar muito. O menu custa 5.000 pesos (aprox. R$25,00) e é composto por salada, pãezinhos com patê (aliás, no Chile quase sempre servem isso antes de trazerem o prato) e o prato principal. O salmão estava ótimo.

Também fomos no El Retorno, tem muitas opções, é um restaurante mediano. E o Cassis fica bem próximo ao lago, tem WiFi, muitas sobremesas. Pedimos hambúrguer, estava bom, mas acho que o preço é superestimado. Muito caro para o que oferece, é mais pelo lugar ser bonito do que pela comida em si.

 

Passeios

Pela cidade, gratuitamente, fomos até o Cerro Phillip, fácil e bonito. Além disso, fomos à Frutillar de ônibus, que pegamos na cidade mesmo, sem agência. Custou 2.000 pesos (só ida) por pessoa. Olha, sinceramente, não achamos que valeu a pena ir até Frutillar. É perto, não gasta muito tempo, mas não achamos tão diferente de Puerto Varas. Tem uma ponte bonita, dá para tira fotos do vulcão, mas nada demais. A arquitetura alemã também é bacana, mas tem muito disso em Puerto Varas. Quando fomos era umas 11h da manhã, e parecia uma cidade fantasma. Não havia quase ninguém na rua, tudo vazio, os restaurantes fechados... Acho que o movimento maior é mais tarde e nos fins de semana. Achamos meio deprê. O que realmente valeu a pena foi ir até Saltos del Petrohué e o Lago Todos Los Santos. Pegamos um ônibus na cidade mesmo, custou 2.500 por pessoa, e descemos no ponto final (1h30 mais ou menos), no Lago todos los Santos. O lago é lindoooo!!! A cor é indescritível. Andamos pela beira do lago um tempão, cada hora aprecia uma paisagem mais incrível. É possível pagar um passeio curto de barco, mas não quisemos. Encontramos no caminho muitos casais (parece que essa é uma viagem típica de lua de mel) que tinham alugado carro. Nos arrependemos de não ter feito isso, porque com o ônibus é muito barato, dá para fazer, mas o caminho de Puerto Varas até lá é lindo, dava vontade de parar toda hora para tirar foto, e era um ônibus normal, de linha. Creio que pagando um passeio por agência também seja melhor. Enfim, saiu barato e conseguimos fazer, andamos pelo lago (a dica é levar chinelo e shorts, ou aquela calça que vira bermuda) por mais ou menos 1h e depois voltamos para pegar o mesmo ônibus e depois descemos no Parque Nacional Vicente Pérez Rosales, que fica a uns 6km do lago todos los santos. Para entrar, pagamos 4.000 pesos. Esse parque é lindo!! E tem os Saltos del Petrohué, cachoeiras com vulcão ao fundo, imperdível. Tem algumas trilhas para fazer nesse parque, são lindas também. O lago e esse parque foi o que mais gostamos em Puerto Varas. Não fizemos mais passeios porque choveu, e assim como Pucón, dá para percebeu que Puerto Varas tem seu auge no verão, a maior parte dos passeios é nessa época. Não fomos ao vulcão Osorno, porque estávamos traumatizados com o vulcão Villarrica e não quisemos saber de subir, nem de teleférico. Em Puerto Varas, ficamos uns dois dias sem conseguir fazer nada porque não tínhamos força para andar depois de subir o Villarrica.

598de1ac2dba5_VistaCerroPhillip.jpg.4c06cb906b398342740a6da5ea8ea3d8.jpg

saltos.jpg.3c8ab393bfe84217b20194a41db76754.jpg

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Santiago

Santiago foi apenas nosso ponto de chegada e de transporte para outros lados do país. Não exploramos muito a cidade nem os arredores.

 

Pátio Bella Vista: esse lugar é tipo um shopping aberto, ou um food park, com restaurantes, casa de câmbio, banco, e está sempre aberto, então foi uma mão na roda para nós. É possível comer por um preço ok.

 

Hospedagem

Hostal Providencia: não me apaixonei por esse hostel não... Ele é o mais famoso, o mais indicado, porque o preço vale a pena, já que em Santiago tudo é caro. Os funcionários fazem o mínimo, não são super receptivos, estão lá para cumprir tarefas. Ficamos 3 vezes nesse hostel em datas separadas ao longo da viagem, e os quartos variaram muito. Na primeira vez ficamos em um quarto privado, era beeem pequeno, mas suficiente para viver, tinha um beliche, tinha uma janela. Gostamos, tinha banheiro perto, e não muito barulho. Na segunda vez, era um quarto coletivo para 6 pessoas, a decoração era linda, a vista da janela era incrível, bem legal. Só ficar na cama de cima não era muito confortável, meio difícil de subir e balançava muito. Na terceira vez, eu fiquei em um quarto feminino com duas beliches e meu namorado em outro quarto coletivo de 6, por um erro na reserva deles. Meu quarto era péssimo porque era de frente para um espaço coletivo ao ar livre que tem mesas, então tinha MUITO barulho todo o tempo, à noite também, o barulho foi diminuir já era de madrugada, então detestei. O café da manhã é bom, tem até frutas. A localização é boa, perto de duas estações de metrô e do centro onde tem as casas de câmbio. O hostel é enorme, tem muita gente, muito movimento, mas achei meio impessoal, sei lá, não me senti acolhida. Só repetimos esse hostel por falta de alternativa melhor em termos de custo-benefício.

 

Casas de câmbio

A melhor cotação que achamos foi na rua Agustinas, em que trocamos 1 real por 207 pesos. No Pátio Bella Vista tem uma casa de câmbio, mas estava com uma cotação bem pior, nem se compara.

 

Dicas gerais

 

Guarde muito BEM o PDI, papel que te dão na imigração. É fácil de perder e parece com um comprovante de pagamento, você pode jogar fora sem querer. É o papel que autoriza a sua entrada, e te pedem em todos os hostels.

 

Uma dica para facilitar o entendimento do valor dos pesos chilenos é cortar os 3 zeros e multiplicar o que sobrou por 5, isso dá o valor aproximado em reais. Por exemplo, algo custa 3.000 pesos, corte os zeros, sobra o 3, multiplique por 5, dá 15, então isso é por volta de 15 reais.

 

Atenção quando for trocar dinheiro em casas de câmbio, seja no Brasil ou no Chile. Sempre preste atenção na qualidade das notas, que não podem ter rasgos. E guarde na carteira de modo que conserve a nota. O Chile foi o único país até agora em que tive muitas notas recusadas, dólares e pesos, porque estavam um pouco rasgadas.

 

Para sua viagem ficar mais memorável, você pode fazer duas coisas. Uma é comprar um perfume que nunca usou antes, e usar só lá. Toda vez que você cheirar esse perfume novamente, vai ter lembranças muito fortes do lugar (bem mais que vendo apenas fotos, por exemplo). Eu não faço com perfume, uso versões mais baratas, levo um sabonete ou um hidrante que nunca usei e que só usarei lá. Sério, é muito legal fazer isso e depois de um tempo cheirar o mesmo perfume! Outra dica é com música. Escolha uma ou algumas para escutar lá. Toda vez que você ouvir, terá lembranças fortes da viagem.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

  • Conteúdo Similar

    • Por Áurea Freire
      SAÍDA DE REC-SCL 
      No começo de Maio, a empresa aérea GOL abriu promoções com destinos para a América do sul, então surgiu a ideia de conhecermos Santiago, vi que as passagens estavam por R$ 1.069 cada, comprei primeiro a do meu esposo e quando fui comprar a minha, do nada a empresa aumentou o preço da passagem para R$ 1.456. Então a minha dica é, quando for comprar, compre as duas ao mesmo tempo, para não correr o risco de acontecer o que aconteceu comigo. Comecei então a pesquisar e encontrei muitas dicas legais aqui no mochileiros.com, descreverei algumas delas com preços atualizados da minha viagem no decorrer do texto.
      A minha ideia era conhecer Santiago e uma cidade chamada de Pucón que fica situada no Sul do Chile, gosto de roteiros de aventura então eu tinha lido que em Pucón tinha o Vulcão Villarrica que é ativo e algumas agências faziam a ascensão a ele, fora as Termas Geométricas e Reserva Huilo Huilo, que me deixaram com muita vontade de conhecer este lugar. Então me empolguei, li e pesquisei muito!  Fechei as pousadas todas pelo site da Booking.com daqui do Brasil mesmo. E os passeios deixei para fechar por lá, pois tinha lido que daqui do Brasil os preços eram bem maiores e lá conversando pessoalmente a gente poderia encontrar preços bem mais em conta. E era tudo verdade!😁 O único passeio que fechei daqui do Brasil foi para Embalse Y Yeso com a empresa Sousas Tour, o valor do passeio em reais foram R$ 557, 89 por pessoa (CLP$ 106.000)  que por sinal foi a melhor escolha que fiz, são muito pontuais e honestos. Além de no final do passeio rolar um lanchinho com queijos e vinhos...Amazing!!!😍 Falarei um pouco mais ao descrever meus roteiros. Mas depois andando pelas ruas de Santiago, eu vi que há outras empresas que fazem esse passeio por valores mais em conta, basta negociar. Mas eu super recomendo o Sousas Tour!!!
      Saímos de Recife às 5hs da manhã fizemos o check in, despachamos as malas, passamos pela PRF e embarcamos. Fizemos uma escala no aeroporto de São Paulo-GRU, aguardamos mais ou menos uma hora e meia e pegamos o voo para Santiago. No avião indo para Santiago os comissários de bordo nos entregam um formulário para preencher que teremos que apresentar a PRF quando desembarcamos em Santiago. No avião eles dão duas opções de comida para você escolher,  Pasta ou frango com arroz, mais uma sobremesa e algo para beber que pode ser suco, água ou refrigerante. Dica, peguem a pasta, pois o frango tem um aspecto de pálido, tipo cru. 🤮 Meu esposo escolheu na ida pasta e na volta o frango e se arrependeu! 😅
      Levamos Reais escondidos na doleira, pois tínhamos visto muitos relatos que não era muita vantagem utilizar os cartões de créditos, pois o dólar além de estar a US$ 3,45 tinham as taxa de IOF, devido a isto levamos dinheiro vivo. 🤑 Chegando em Santiago, fizemos o câmbio de R$ 200,00 no aeroporto, a pior cotação R$ 1,00 era R$ 169 pesos chilenos, mas o grande problema fica na taxa de IOF que eles ainda descontam. Deveria ter trocado apenas R$ 100, 00 que era o suficiente, pois dava para pegarmos a Van (Transvip), o valor da van foi de R$ 42,00 por pessoa ( CLP$ 7.000), lá no aeroporto existe essa Van, você compra o ticket assim que você pega as malas, tem um loja da transvip que é show de bola 🤘. Você mostra ao atendente o endereço que quer ir e eles te deixam bem na porta. É superprático e muito mais barato do que pegar táxi que em todo lugar eles te enrolam e te cobram horrores.
      1º Dia em Santiago
      Em Santiago ganhamos uma hora devido ao fuso horário e chegamos as 15:30hs, a Van nos deixou por volta das 16:30hs. Eu tinha Reservado uma diária para casal no Hostel Princess Insolente R$ 130 reais a diária, pagamos em dólar para não pagar o IOF. Fica próximo ao centro, mas durante à noite não tem nada para ir. Um outro detalhe é que na recepção te pedem um valor antecipado pelas chaves do quarto, dizem que é pra no caso de vc perder, já está pago o valor. Mas a verdade é que no Chile tudo eles pedem propina (gorjeta) e no final das contas, eles seguram seu dinheiro caso você não o peça de volta, como somos brasileiros e mais espertos, pedimos de volta é lógico...ahhahahah...😉 Abaixo tá a foto da área de lazer do hostel, é bem charmosinho. Ahhh, e esse é o gato do meu esposo.

      Assim que deixamos as bagagens no Hostel, fomos caminhando até o Centro de Santiago, Rua das Agustinas para fazermos câmbio. Achamos a casa de Câmbio Brollanos e conseguimos a melhor cotação, R$ 1,00 era 187 pesos chilenos. Na frente fica um monte de gente te oferecendo por uma cotação bem melhor, mas não arrisquei pra não correr o risco de pegar notas falsas😳. Voltamos para o Hostel, descansamos um pouco e saímos para comer alguma coisa. Escolhemos um cachorro quente, pois não tínhamos muita experiência em fazer os pedidos, pois o cardápio vem em espanhol e achamos melhor não arriscar, já que na rua estávamos sem internet para consultar. Cada cachorro quente saiu por 3.800 pesos! 😲 Caro pra caramba, e vinha com umas coisas bem ruins dentro tipo palta (abacate), e uma salada lá que parecia repolho só que bem azedinho. Enfim, não gostamos muito!🤢 Voltamos para o Hostel, descansamos e fomos dormir, estávamos exaustos e no dia seguinte as 4h da manhã a empresa Sousas Tour iríamos nos buscar para conhecermos o Embalse y Yesso. Passamos na recepção e perguntamos se era possível nos servirem o café da manhã mais cedo pois teríamos este passeio, sem problemas, ela nos disse.
      2º Dia Passeio para Embalse Y Yesso
      Acordamos cedo, tomamos banho, detalhe, água gelada porque não conseguimos regular a temperatura do chuveiro 😢, nos arrumamos e fomos tomar o café. Nos serviram dois sanduiches de caixa que já estavam prontos e um suco. Assim como todo bom brasileiro, nos atrasamos e o Guilherme dono e guia da Sousas Tour chegou pontualmente no Hostel para nos buscar. Até nos deu uma bronquinha pelo atraso e ele estava coberto de razão😊, pois em cada Hostel que ele parava para pegar um turista que por sinal, era brasileiro, atrasava de 10 a 20 min e no final a gente acabou pegando um transitozinhoooo para sair da cidade😅, o que atrasa o nosso passeio. O Guilherme fez quatro paradas antes de chegarmos ao Embalse Y Yesso, a primeira foi para tomar café numa padaria já no final de Santiago, como nós dois já tínhamos tomado café, utilizamos o banheiro e compramos uma água grande 1.800 pesos. A água mineral é muito cara e a maioria das pessoas tomam água da torneira. Foi à única vez que compramos água no Chile!😏 Pegamos estrada, o Guilherme é super gente fina falou sobre os problemas no Chile, comentou que o sistema de saúde é péssimo, as Universidades são todas particulares, nos mostrou os bairros ricos e os pobres de Santiago, nos disse que o salário mínimo lá se equivale a R$ 1.500 no Brasil, mas o custo de vida em Santiago é alto. A segunda parada que ele fez, foi na ponte, depois uma numa loja, passou o caminho todo falando sobre o frio e que tínhamos que nos proteger e comprar gorros, luvas e etc. Mas na Verdade, a gente nem precisou. Comprei porque fiquei com medo, mas na vdd, nem utilizei quando cheguei lá. Abaixo tem fothênhas meu pouvooo!
       
      Foto da lojinha que paramos pra comprar os acessórios!!! 1 charme, não é? Achei o Chile tão PhoPho!!!
      A Segunda foto foi na Ponte, era bem estreita e só passava um carro de cada vez e detalhe, eles passavam numa carreira só! Vôuteeee! A ponte parecia que ia cair com todos nós! 😳
      Aqui a foto do meu maridão, né?! Não podia faltar!!!

       
      Esse passeio é ôthemoo gentiii, e eu não poderia passar o caminho todo sem tirar fothênhassss, então, toxma foto pra cima!!!!
       

      O boy amaaaa essa touquinha da Alemanha e eu acho...hahahahhaha...🤣

      Fothênhas juntos para registrar o time!

       
      Juro que é a última foto desse passeio, antes de chegar ao Embalse y elso...rsrsrsrsr

       
      Thanrammmm!!! Chegamos, deu pra sentir, né? Beachooo, esse lugar é muito topster!

      Foto de blogueirinho porque eu sou muito Phoda de fotógrafa...ahhahahahahaha...

      Tá, eu confesso que ele é mais fotogênico, mas eu sei encontrar os melhores ângulos...hahahhahaha...Nossas DR's de viagens é sempre por conta das fotos...hahahhahahahah🤣

       
      Apachetas, bom!!! Esse é o meu novo vício! Aprendi que as apachetas eram feitas pelo povo andino para marcar o caminho por onde passavam, desta forma eles poderiam percorrer toda montanha atras de comidas e ervas e na volta, eles conseguiam achar o caminho por contas das apachetas que deixavam. Tem uma brincadeira legal que rola pela America do sul, por onde você for, você faz uma apacheta e pede algo que gostaria de alcançar, diz a lenda que quando a apacheta se desfazer, seus pedidos são realizados. Mas a verdade sobre elas é que quando você para pra empilhar pedras, requer atenção, paciência, calma, concentração e fé. Você acaba buscando o equilíbrio das pedras, quando você finaliza a apacheta, você tem paz! É uma sensação muito Phodaaa!!!
       

      Na volta do passeio, ficamos na rodoviaria do centro de Santiago por volta das 5hs. Pedimos ao guia que nos deixasse por lá. Compramos duas passagens para Pucón, o valor das passagens foi de R$150,00 por pessoa (CLP$ 28.050). O horário de saída do ônibus era umas 21hs, então fomos comer alguma coisa na lanchonete, jogar papo fora e esperar a hora de partida. Compramos cadeiras semi-cama, já que passaríamos à noite viajando que fosse no mínimo um pouco confortável. A viagem de Santiago para Pucon é aproximadamente 11 horas. Os ônibus são bem seguros, tem um sensor de velocidade, o motorista não pode ultrapassar de 100km que ele dispara e todo os passageiros ficam cientes. Ahhh, e no ônibus servem lanchinho!! Recebemos à janta e fomos dormir, quando já estávamos próximos a Pucon, recebemos o café da manhã. Bem Maraaaaaa, né gentxxx! Igualzinho ao Braselllll!
       
      3° Dia - Pucón
      Chegamos em Pucón umas 8hs e tudo ainda tava puta escuroooooo, além de frio! Esperamos o céu clarear mais um pouco dentro da rodoviária e quando deu umas 9hs, saímos para procurar. a merda é que eu tinha me esquecido de ver no mapa a localização porque estávamos sem internet na rua. Passamos horassss procurando e nadaaa! 😢 Ninguém sabia nos informar! A dica é, se puder, compre um pacote de net daqui do Brasil mesmo, ou assim que chegar lá, providencie um chip. Nossa sorte é que encontramos um casal de Argentinos que estavam procurando o hostel deles com um GPS. Gentx, não sei vocês, mas o meu anjo da guarda é muito Phodaaaa e não dorme no ponto. O casal achou pra gente o Hotel Lounge Brasil, o valor da hospedagem foi de R$ 400,00 o casal durante três dias, eu já tinha reservado daqui do Brasil mesmo, utilizei o site da booking, aliás, adoro esse site! Chegamos no Hotel e a recepcionista Maria nos tratou super bem e até deixou a gente fazer o checkin antes da hora. Um beijo Maria, sua lindaaa! Ela aqueceu o nosso quarto, porque gente, Pucon é muitooooo frio e nós fomos no inverno! Chuva era bóiaaaa! Abaixo tem uma fothênha pra vocês verem que delícia de lugar.
       

      Bom, deixamos as malas no hotel e pernas pra quê te quero. Fomo comer alguma coisa e achamos uma subway, lá eles vendem uns sabores diferentes dos daqui do Brasil e tem a opção de guacamole (abacate). Pedimos dois subways e fomos numa agencia (Aguaventura) fechar o pacote das termas geométricas (R$ 120,00 por pessoa), pois eu estava super ansiosa para conhecer. E, que lugar é aquele Brasellll? Conseguimos por um precinho bem em conta, negociar pessoalmente é sempre a melhor opção. O passeio ficou marcado para as 15hs, fomos para o hotel e aguardamos eles irem nos buscar. Tava chovendo e eu fiquei preocupada de estragar o passeio, mas o guia nos informou que dia de chuva é o melhor dia para conhecer as termas 😳, só entendi quando cheguei lá...🤣 Gentxxx, tava um frio de lascar o quengo do ser humaninho ( 0ºC), mas a piscinas são muito quantes (45°C). Pra tirar a roupa foi toda uma oração e quando entramos na água parecia que iriam tirar o nosso couro...hahahha...Mas calmaaaa, isso é o choque térmico. Depois que você se acostuma, não quer mais sair de lá. Eu amei esse lugar, amei Pucon! Olha a chuva de fotos pra vocês sentirem a sensação! Toxmaaaa! Primeiro o boy magia, depois ME!
       

       
      Sai daí boy, que vem chuva de fotos minhas...ahahhahaha🤣🤣🤣🤣

      Nessa, eu tou com friooo!!!

      A água tava uma delícia e o passeio foi adorável. Voltamos à Pucon e programamos o passeio do outro dia que seria escalar o Vulcão Villaricca, mas infelizmente como tava chovendo muito e tinha risco de ocorrer avalanches, não pudemos ir.
      4° Dia - Pucón
      Marcamos apenas um dia de neve na base dele (R$ 120,00 por pessoa). Exploramos a sua base e conhecemos aos arredores. Abaixo tem fothênhaaasss! Conhecemos uma galera Brasileira, só pra variar...hahahhah...Que eram da Baêaahhh! Ôh povo Maraaaa! 😍

      Oiiii, você quer brincar na neve? hahahahha...Brasileiros adoram uma neve, principalmente quando é a primeira vez!!!

      Meu melhor par!

       
      Na volta fomos explorar um pouco a cidade de Pucon, já que só teríamos mais um dia para regressar à Santiago. E gentx, pense numa cidade charmosinha, eu super me encantei, é bem seguro por lá, embora eu tenha sido furtada 🤬... Nunca vacilem com suas coisas, o meu celular estava no bolso do casaco. Fomos num supermercado Eltit que fica na Av. Libertador General Bernardo O' Higgins, próximo do hotel e num picar de olhos, perdi o meu celular. Na saída do supermercado haviam uns peruanos vendendo alfajor, vieram me abordar e eu não quis, quando cheguei no Hotel, fui procurar o meu celular e o canto mais limpo do mundo. Fiquei muitoooo 🤬! Mas voltando ao assunto da cidade, toxma foto pra tu sentir! 


      Tem esse coração próximo da praça, você pode comprar um cadeado e gravar o seu nome e o nome do love, não é phopho!

       
      A areia da praia tem essa cor preta devido aos fragmentos vulcânicos de erupção que ocorrem neste lugar, pois a cidade é arrodeada de vulcão e tem o Villaricca que é um vulcão ativo.


      5º Dia - Pucón
      Bom, chegamos no último dia em Pucon, seguimos para a Reserva Ecológica Huilo huilo, gentx que lugar linduuuu Brasel, e super fofo pra quem tem crianças, eu super indico. Como sou um pouco criança ainda...hahhahahah...adoro essas coisinhas de duendes e fadas. Saca só as fothênhas!


      Quando a bruxinha seduz o boy magia...hahhahahahah🤣

      Tava chovendo muito e na foto não dá pra ver direitinho, mas a água é bem azul, segundo o guia é água de origem glacial, por isso tem essa cor! 😍
       


      Fadinhasssssssss! Gentx, essa fadinha custou 80 pesos, lembro muito bem desse preço!


      Esta árvore enorme atrás de mim é um dos hotéis que tem na floresta encantada, por dentro é super lindo. Dica, se puderem, reservem pelo menos uma noite nesse lugar.

      Olhem como é aconchegante por dentro.







      Fim da nossa estadia em Pucón!!!

      Bora seguir o baile pra Santiago!!! huhuhuhuhuhu...Voltamos com o guia para Pucon, compramos nossas passagens de volta à Santiago, no mexmoo esqueminha. Jantamos no restaurante e seguimos viagem. No ônibus nos deram dois lanches! Um na janta e outro no café da manhã. A diferença é que esse ônibus não fez a mesma rota da ida a Santiago. Ficamos em outra rodoviária completamente diferente e detalhe, no mesmo dilema de sem internet pra descobrir o que fazer.
      6° Dia - Santiago
      Chegamos por volta das 8hs da manhã em Santiago e tudo escuro ainda. Perguntamos a um guarda como faríamos para pegar o metrô. Ele nos explicou direitinho e fomos simbora por esse mundo de meu Deus, eu tava morrendo de medo, pois dizem que em Santiago é mais perigoso e como eu tinha sido furtada em Pucon, tava torando aço. Mas deu tudo certo!!! Ficamos em um hostel no bairro de Providência bem perto do Bela vista, que é um bairro bem badalado pros jovens, tem cerveja, paqueras e drogas...😳...Muitaaaa agitação! Chegamos no hostel Che lagarto, fizemos checkin, ele fica bem no centro, virando a esquina tem o Cerro de Santa Lúcia, muito bonito a vista de lá. Segue fothênhas porque eu sei que vocês já estavam com saudades delas...hahhaha

      Tem o funicular que você pega pra subir e ter uma vista maravilhosa das Cordilheiras dos Andes arrodeando Santiago. Dica, pegue só a opção de ida, é mais barato e você já desce bem próximo ao Costanera. Eu não fui ao Costanera,almoçamos no Restaurante Giratório, enquanto vc almoça, ele dá um giro de 360º graus, desta forma vc vê a cidade toda sem sair do lugar, é super charmosinho. Ah, tem que resevar por que é lotadooooo,o legal é que você almoça ao som do Tom Jobim, delícia, né???

      Pegamos o bondinho pra descer!


      Nas ruas de Santiago!

      Hora do almoçooo!


      8° Dia Santiago - Valparaíso e Vina del mar
      Segundo dia em Santiago, pegamos um metrô e fomos até a rodoviária para pegar um ônibus que nos levasse para conhecer Valparaíso e Vilna del Mar! Dica, evitem os horáriso de pico do metrô pois as passagens ficam mais caras. Fechamos um pacote turístico quando chegamos em Valparaíso, pois sozinhos nos perderíamos e lá é um pouco esquisito, mas a grande vantagem mesmo é que eles otimizaram o nosso tempo e conseguimos ver os dois lugares em um dia só. Pechinchei e consegui um precinho bem em conta dizendo que éramos estudantes...ahahahhah...Segue mais fothênhassss!

      Valparaíso é um charme gentx e super colorido, cada casa tem uma cor, e muito grafite nas paredes, dá pra tirar fotos bem legais. Eu super me apaixonei!!!!



      Depois do almoço fomos para Vina del mar, é uma cidade vizinha,ela é governada por uma prefeita mulher e ela faz questão de espalhar flores pela cidade. É muito phopha!!! Saca as Fothênhassss!



       
      Bom gentx, esse foi o meu roteiro no Chile, eu espero voltar, pois quero muito conhecer o deserto do Atacama e a Ilha de Páscoa.
      Eu vou dá uma procurada na minha agenda de viagens para disponibilizar alguns valores pra vocês, porque eu não lembro de cabeça.
      Xêru e segue o baile pra próxima viagem!!!

      20170610_123029.mp4
    • Por spriesly
      Oi gente! Como o Mochileiros me ajudou muito nesses últimos anos a planejar as minhas viagens, resolvi relatar a minha mais recente aventura pros lados argentinos e chilenos. É a minha segunda vez nesses 2 incríveis países e vou começar com algumas informações básicas.
      Roteiro
      28/jan - Curitiba - Buenos Aires
      29/jan - Buenos Aires
      30/jan - Buenos Aires
      31/jan - Buenos Aires
      01/fev - Buenos Aires
      02/fev - Buenos Aires
      03/fev - Buenos Aires - Bariloche
      04/fev - Bariloche
      05/fev - Bariloche
      06/fev - Bariloche - San Martin de los Andes e Villa la Angostura
      07/fev - Bariloche - El Bolsón
      08/fev - Bariloche - Puerto Varas
      09/fev - Puerto Varas
      10/fev - Puerto Varas
      11/fev - Puerto Varas
      12/fev - Puerto Varas - Bariloche
      13/fev - Bariloche - Buenos Aires
      14/fev - Buenos Aires - Curitiba
      Comprei os trechos Curitiba - Buenos, Buenos - Bariloche, Bariloche - Buenos e Buenos - Cwb por 2 mil reais na Aerolíneas Argentinas. Tinha passagem mais barata mas com muitas horas de conexão, perrengue que não tô mais disposta a pagar. Não compensava também ir pra São Paulo pegar o vôo, a diferença era mínima e não pagava a passagem à parte pra SP.  Outra coisa: fiquei acompanhando por meses os preços mas ficaram bons em novembro, quando finalmente comprei.
      Como já conhecia Buenos Aires e parte da Patagônia, tentei fazer outras coisas nessa viagem, ainda mais que estava levando a minha mãe junto. Ela não conhecia nada e adaptei o roteiro pra que ela não tivesse desconforto, por isso optei por alguns passeios com tour na região dos lagos. Mas mesmo assim andávamos uma média de 10km por dia em Buenos e usamos metrô e ônibus. Ainda tenho que voltar pra região dos lagos pra fazer trekking, com certeza!
      Custos de Transporte
      Aéreos: R$2 mil cada
      Trecho Bariloche - Puerto Varas: R$109 (comprei um melhor assento na ida, valeu a pena!)
      Trecho Puerto Varas - Bariloche: R$83
      Uber Ezeiza - Recoleta: ARS533,35
      Uber Ezeiza - Palermo: ARS673
      Uber Palermo - Aeroparque: ARS300 (estava na tarifa dinâmica)
      Uber Recoleta - Aeroparque: ARS138
      Taxi Aeroporto - Airbnb em Bariloche: ARS500
      Remis Hotel Bariloche - Aeroporto: ARS400
      Táxi Airbnb Bariloche - Rodoviária: ARS170
      Táxi Rodoviária Bariloche - Hotel: ARS160
      Hospedagem
      Airbnb BA: R$1130,89
      Airbnb Bariloche: R$1443,06
      Hotel Bariloche: R$320
      Hostel Puerto Varas: R$940
      Hotel BA: R$190
       
      Utilizei os sites do Booking e Airbnb pra reservar acomodações e Skyscanner e Busbud para as passagens aéreas e rodoviárias. A empresa com que viajei para Puerto Varas foi a Andesmar.
      Felizmente peguei cotações de câmbio boas: na Argentina o real estava valendo 9,80 e no Chile 187. Em Buenos Aires troquei reais no próprio Banco de la Nacion no Aeroporto Ezeiza, pegando uma fila de mais de meia hora, e em Puerto Varas troquei na esquina da Calle San Francisco, uma das ruas principais da cidade. O câmbio no Chile estava me preocupando pois pela internet todas as as casas fechavam às 18h e meu ônibus chegava às 17:40, porém chegando lá tive a boa surpresa de que no verão as casas de câmbio ficam abertas todos os dias e em dias de semana fecham às 20h! 😍
      Pra escolher os lugares da viagem escolhi o critério de preço, localização e comodidade. Em Buenos Aires optei pela Recoleta porque tem vida à noite, é próximo de tudo e fazíamos praticamente tudo à pé. Estávamos atrás do Mall Recoleta e do Cemitério, e a 4 quadras da estação de metrô Las Heras, da linha amarela, além de ônibus que passavam na avenida principal próxima.
      O que ficou caro mesmo foi Bariloche e foi difícil escolher lugar tanto na ida quanto na volta. O Airbnb era bem compacto e o único defeito foi o calor (só tinha ventilador que não vencia) e fez muito calor na cidade pra ajudar. Porém a vista do lugar foi incrível - estava ao lado do lago Nahuel Huapi. Um problema de pegar hotel foi que os mais centrais tinham muitas avaliações negativas e continuavam caras; e os lugares mais em conta eram mais afastados. Como não alugamos carro, a opção foi pegar um airbnb mesmo. Na volta, decidimos pegar o hotel - que ficou atrás da rua do airbnb, bem central - para não ter incômodo em relação às malas. O nosso horário de volta para Buenos era apenas às 18h e precisávamos de um espaço guardar as bagagens sem nos preocuparmos se a pessoa estaria disponível ou não.
      Já em Puerto Varas, no Chile, pegamos um hostel com quarto privativo e banheiro (única exigência da minha mãe para ficar em hostel haha) e foi uma das acomodações mais baratas da região. A cidade é muito cara e tem pouquíssimos Airbnbs. 
      Na volta em Buenos Aires o critério foi proximidade com o Aeroparque e preço - e valeu muito a pena!
      Todas as acomodações não tinham café da manhã, com exceção do hotel em Bariloche. Porém os Airbnbs de BA e Bariloche, além do Hostel em Puerto Varas tinham cozinha, amenidades tipo café, açúcar, chaleira elétrica para água, cafeteira, etc que ajudou. O hotel de BA não tinha cozinha mas tinha a chaleira e saquinhos de chá, café e snacks com manteiga e geléias para um café rápido. Pra complementar, a gente comprava medialunas, empanadas e até pêssegos que estavam baratos (em Buenos Aires só ;p) e assim economizavámos no café da manhã.
      Estou de férias ainda e quero terminar esse relato até o final de fevereiro/março. Até a próxima postagem!
    • Por MARCELO.RV
      Olá pessoal, começando aqui mais um relato da minha segunda viagem pela América do Sul, rodamos 30 dias, saímos de casa dia 22/12 e chegamos dia 21/01, somos eu, minha esposa e minha filha de 13 anos, vou tentar detalhar o que for mais relevante para os viajantes. Em relação a preços, por onde passamos tem hotéis, hostels e campings para todos os gostos e preços, então esta parte aconselho uma boa pesquisa para adequar melhor o orçamento ao estilo da viagem, o que foi bom e barato pra mim talvez não seja para outra pessoa e vice-e-versa, todas as minhas reservas foram feitas pelo Booking e pelo AirBnB, e outros não reservei, cheguei na hora e procurei ou pesquisei antes pela internet e já fui como uma referência. Vale lembrar que viajo com criança, então todo meu planejamento tento considerar no máximo 2 dias seguidos de estrada, senão fica desgastante demais, na parte final da viagem tocamos 6 dias direto, mas não tivemos muita alternativa e vou contar no decorrer do relato. Todos os valores que eu colocar serão em reais, abaixo algumas informações:
      Equipamentos: cambão, extintor, kit primeiros socorros, 2 triângulos, carta verde(Argentina e Uruguai, fiz com a Sul América, 156,00 para 30 dias), Soapex(Chile, faz no site da HDI, super tranquilo a 11 dólares) e colete reflexivo, levem todos, fui roubado em 100,00 por causa do colete, situação que vou narrar abaixo.
      Gasolina: Na minha região o preço estava 4,79 o litro, abasteci em São Paulo a 3,83, em Gramado o preço chegou a 5,00, então não abasteci lá, voltei a abastecer novamente a 4,69 depois de descer a serra. Na Argentina região de Federación 4,59 e descendo rumo a patagônia por volta de 3,35, na patagônia o governo dá um subsídio para a gasolina, então é mais barata.
      Nossa rota principal foi : Gramado/Canela, Federación, Bariloche, Pucón, Puerto Varas, El Chaltén e El Calafate, mas ao longo de toda a rota tivemos diversos lugares interessantes.
      1º dia 22/12 – Cons. Lafaiete – MG X Curitiba – 1000km – Apenas deslocamento, sem nada de atrativo na estrada, ficamos preocupados em passar por São Paulo sendo véspera de feriado, mas correu bem, sem congestionamento que era o meu medo. Basicamente saindo da minha cidade pego a Fernão Dias em Carmópolis de Minas e depois de São Paulo a Régis até Curitiba.
      2º dia 23/12 – Curitiba X Canela – 734 km – Dia também para deslocamento, sem muita coisa, apenas estrada.
      3º dia 24/12 –  Canela – Coloquei no planejamento ficar em Canela e passear em Gramado que estava espetacular por causa do Natal Luz, conseguimos uma apartamento montado por 710,00 as 2 diárias, pela época o preço foi razoável, e o lugar muito bom. Subimos a serra que é muito bonita e pouco antes de Canela a estrada começa e ficar florida com belas plantações de hortênsias.
      Apart em canela https://booki.ng/2G1d7yq
       



















    • Por [email protected]
      oi estou planejando uma viagem para o chile e gostaria de saber se pucon vale a pena ?


×
×
  • Criar Novo...