Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Juliana Champi

RELATO: 3 SEMANAS FODÁSTICAS PELOS EMIRADOS (Dubai e Abu Dhabi) E JAPÃO (Osaka, Kyoto, Nara e Tokyo)

Posts Recomendados

DUBAI

26 de novembro (domingo): chegada!

O primeiro A380 a gente nunca esquece! (FOTO 1) Imeeenso, emocionante... queria ter subido depois do voo pra ver a primeira classe mas fiquei com preguiça, deixei pra quando voltasse. Nós tínhamos feito check in pela internet na esperança de conseguirmos marcar lugar antes juntos, pois não tínhamos reservado, era caro. Estávamos em 4 pessoas com 3 reservas... mas a seleção de assentos é aleatória, meu marido e filho que estavam na mesma reserva tinham sido colocados juntos, eu e o Lio em reservas separadas tínhamos ficado separados. No despacho de malas em GRU conseguimos remarcar juntos... ficamos em uma fileira de 4 assentos no meio da econômica! (FOTO 2)

5a3929123eb82_1-oprimeiroA380davida!.jpg.a0cc7ddf3d2603b126aed34821ae4dfa.jpg

FOTO 1 - o primeiro A380 a gente nunca esquece!

5a3929158d77b_2-sentadinhosjuntinhos!.jpg.268da3fbfdefcd405940324787a3b88e.jpg

FOTO 2 - sentadinhos juntinhos, rs!

Comida boa, vinho bom, amenities bonitinhos, foto instantânea das crianças a bordo, super legal! Depois de sair de GRU 01h25, em um voo de pouco mais de 14 horas, chegamos em Dubai às 21h45 (hora local, 6h do horário de verão do Brasil).

Tinha reservado o carro pra pegar às 22h. Passamos pela imigração, que conferiu o visto e carimbou sem perguntar nada, pelos controles de bagagem, que nos chamou de canto e conferiu mais alguma coisa... e finalmente... entramos! Estávamos em Dubai!

Obs. Ouvi dizer que o controle de mala e detecção de metal em Dubai é super chato, então desconectei minha bomba de infusão de insulina para passar pelo controle. Sou diabética e uso este aparelho 24h conectado ao corpo por um cateter. Sempre que passei em outros aeroportos com meu pâncreas eletrônico, kkk, tomei geral e fui escaneada. Decidi que vou desconectar sempre, passar a bomba de infusão pelo raio-x mesmo na mala de mão e boa. Zero problema. Mas nem foram chatos tb.

Pegamos as malas que chegaram sãs e salvas, paramos pra alugar o pocket wifi conforme mencionado no início do relato e fomos buscar o carro. Alugamos pela Thrifty. Achamos a loja sem muito problema e depois de ter pago taxas extras e etc, saímos do aeroporto a caminho de casa!

Obs. Nunca tínhamos alugado carro antes, então na hora de alugar pelo www.rentalcars.com adicionamos GPS e seguro total. Acontece que este GPS tem que ser pago no local e o seguro total é do site... da rentalcars. Lá na Thrifty eles meio que forçam vc a contratar o seguro deles, que é realmente melhor. Então se vc for marinheiro de primeira viagem feito eu no aluguel do carro, não contrate o seguro da rentalcars... contrate só o da operadora. GPS tb não pegamos pq a própria moça da loja nos disse que tinha um aplicativo que operava muito bem em Dubai (esqueci o nome, sorry), mas nos viramos relativamente bem com o MAPS ME (mapas off-line) e Google Maps (com internet, quando o MAPS ME dava pau). Portanto não acho necessário GPS.

Nossa casa era distante uns 30km do aeroporto, se não me engano. Nos perdemos um pouco pq Dubai é uma loucura. Tem 7 pistas de cada lado e umas rotatórias gigantescas com vários andares, contornos, desvios e bifurcações (FOTO 3)!!

5a3929190a319_3-rotatriasinsanasdeDubai!.jpg.5f988c5ebf156ae84a70a5af4774e786.jpg

FOTO 3 - Fala se essa rotatória não é locaaaa

Tanto o MAPS ME quanto o Google Maps as vezes mandavam a gente pegar a pista errada e o retorno era sempre há 5km, kkkkkk... mas nos últimos dias de viagem já estávamos craque e quase não nos perdíamos mais, hahahauaha!

Chegamos em casa cerca de 23h30, fora do horário de check in tolerado pela anfitriã (até às 21h). Ela tinha nos oferecido check in presencial mediante pagamento de 100 Dirhans (cerca de 90 reais), ou self check in: entraríamos a pé no prédio, pegaríamos a chave embaixo do tapete da porta dela e dentro do ap pegaríamos o cartão pra entrar no estacionamento. Optamos pela segunda opção e deu tudo certo. Ela nos orientou a falar pro porteiro que éramos amigos dela e ele nem embaçou!

A casa era tal como descrita nas fotos, a anfitriã bacana, sempre respondendo dúvidas e dando dicas e embora não a tenhamos conhecido, recomendo o local, no entanto, SOMENTE se estiver com carro, pq é longe pacarai. Eu avaliei o apto dela mas ela não me avaliou, então não fui publicada. Tem anfitrião que faz destas, rs.

Naninha pra desbravar Dubai no dia seguinte! Estávamos exaustos.

27 de novembro (segunda): Madinat Jumeirah, Atlantis The Palm, Dubai Mall e Gi!

Antes de começar, apenas para facilitar a leitura, a moeda dos EAU é o Dirhan, e 1 dirhan vale mais ou menos 90 centavos de real. Então a conversão 1x1 facilita a interpretação dos preços, descritos sempre em dirhans!

Acordamos cerca de 8h, comemos alguma bobeira em casa trazida do avião e que a anfitriã deixou e saímos rumo ao Madinat Jumeirah. Nos perdemos um pouco, sempre, kkkk, mas chegamos. As placas indicativas podem parecer um pouco confusas no começo, mas com o tempo passam a ajudar muito (FOTO 4).

5a39291db494a_4-placasindicativasajudarambastanteaescolherapistacerta..jpg.fccec7843dd3356029e4d12c20312107.jpg

FOTO 4 - as palcas indicativas que ajudaram muito!

O Madinat é um complexo de hotéis e um souk, mercado ao estilo árabe (FOTO 5), e os hotéis e mercado se conectam por canais, vc pode passear de barquinho por eles.

5a3929237caad_5-entradadosoukmadinat.jpg.7cd6888d003c5bdc234c705fea4513a1.jpg

FOTO 5 - entrada do mercado.

Eu achei este lugar LINDO! Se um dia fosse ryyyca e voltasse a Dubai me hospedaria neste complexo. Apesar de não termos entrado em nenhum hotel, acessível somente para hóspedes, o lugar é lindo demais. O mercado, apesar de chique para os meus padrões, é bem árabe e eu gostei bastante. Tem coisas de outros países além dos próprios EAU, especialmente Turquia (FOTO 6) e comida acessível. Comemos Shawarmas deliciosos e sobremesas fantáticas pelos preços da FOTO 7!

5a39292958535_6-lojinhaturcaadoroestasluminrias.JPG.f38adf5d3f0e2321d4dcf7bdbcbdc2d2.JPG

FOTO 6 - lojinha turca, adoro estas luminárias.

5a39292d39706_7-preodorangonosoukmadinat.JPG.4ea2d2c49fd383de3d2829c07f98e5b9.JPG

FOTO 7 - o preço acessível do rango no madinat souk

Se vc quiser gastar um rim num restaurante chiquérrimo pode tb! Tem opção pra todos os bolsos. E gente, não vende bebida alcóolica em praticamente nenhum lugar nos EAU, somente em parcos e refinados restaurantes. Se vc quiser pagar 50 pila numa long neck vc consegue beber. O legal é que estes restaurantes reconhecem ocidentais pinguços e chamam... hey... aqui tem álcool... hahahahauaha... sofremos! Se vc é alcóolatra, verifique se é possível levar na mala despachada, acho que pode.

Nós acabamos fazendo o passeio de barquinho pelos canais do Madinat apesar de caro (80 dirhans por pessoa se não me engano, João metade), mas sabe como é primeiro dia, muito deslumbramento, hahahauaha, mas não me arrependo não. Visual lindo! O Burj Al Arab, um dos hotelzões milhões de estrelas dos EAU é visto de vários pontos, tanto do chão quanto do passeio de barco (FOTOS 8, 9 e 10).

5a392932b32a2_8-debarcopeloscanaisdomadinat.jpg.0c8dceb01fd40b463badb481a818fc03.jpg

FOTO 8 - pelos canais do madinat!

5a3929383924d_9-vistadoburjalarabdoscanaisdomadinat.jpg.aa96c4bf1b8165f24f3186e6f948bc83.jpg

FOTO 9 - vista do burj al arab dos canais do madinat

5a39293d7133d_10-olenopracobrirdosolmassempretenhaumamo.jpg.a242468e93a9b29c601551281cf13af2.jpg

FOTO 10 - o lenço é pra não cozinhar a moleira, mas sempre tenha um com vc! :)

Depois de passearmos e comermos no Madinat, não estava nos planos, mas resolvemos dar um rolê de carro até Atlantis, The Palm. Este é aquele outro hotel fodástico que fica na ponta da Ilha Artificial em forma de Palmeira. Nós iríamos visita-lo no dia seguinte de monotrilho, já que disseram que de carro não dá pra ver a forma da Palmeira, mas mesmo assim fomos de carro e foi legal. Passamos por um túnel embaixo d’água e chegamos ao Hotel... véi, que MARA (FOTO 11)!!! Dá pra caminhar pela “beira mar” em frente a ele, na verdade em um trecho imenso, mas o sol de 300 mil graus não ajuda muito!

5a39294309a6b_11-portaldoAtlantisThePalm.jpg.ba3ed98c915583311ac73981e023a4bc.jpg

FOTO 11 - portal do Atlantis!

Do Atlantis seguimos para o Dubai Mall – o maior shopping do mundo. Gente, mesmo quem não liga pra shopping pode curtir este, foi meu caso. É gigantesco e tem muita coisa pra ver além de TODAS as lojas de grife do mundo. Tem até esqueleto completo de dinossauro de verdade servindo de decoração. Andamos muito, comemos no Tim Hortons, lanche bom, preço bom, apreciamos as vitrines ridiculamente ostentação das lojas e até patinei no gelo. Me julguem, adoro.

O engraçado é que aqui no Brasil tem trocentas mil regras de segurança pra isso... lembro no Snowland de Gramado que eles davam luvas, joelheira, cotoveleira, capacete, todas as proteções, dicas de segurança e até uma mini aula. Aqui eles perguntaram pra nós (eu e filho): sabem patinar? Sim. Nos deram os patins e foda-se. Se cair e alguém cortar seus dedos, quebrar a testa... problema é seu, kkkkk. Não lembro quanto foi mas não foi nada abusivo (FOTO 12).

5a3929464a632_12-patinaonogelosemnenhumaproteo!.thumb.jpg.3e53b81e387385262537a28e380876f2.jpg

FOTO 12 - sem joelheira, sem capacete, sem cotoveleira, sem talento... kkkkkk

Neste shopping tb tem um aquário gigante com um túnel onde se passa “embaixo d’água”, mas conseguimos ver o aquário e o túnel do lado de fora e não achamos que valia a pena gastar 100 PILA cada um... não fomos não (FOTO 13).

5a39294b15f01_13-otneldoaqurio....thumb.jpg.8284341adac288c759e25bf43c337521.jpg

FOTO 13 - tunelzinho muito pequeno né não?

O que mais ele tem? Cachoeira? Sim! (FOTO 14 e 15). Um corredor inteiro com teto de guarda-chuva de efeito hiper legal? Sim! (FOTO 16), escadas rolantes infinitas? Sim! (FOTO 17), enfim... tem TUDO.

5a39294f50acc_14-cachoeiradentrodoshopping.JPG.852561e17ccc42d24118d5fe1e8cf97b.JPG

FOTO 14 - cachoeira do dubai mall

5a392952a58b7_15-seeeelfiecomacachu!.jpg.96899aa995dfaa48cad5bd91812260b8.jpg

FOTO 15 - selfieeeee na cachu! kk

5a392958b8a6a_16-ruadeguardachuvas!.jpg.f61adcdb96ee4c197101f25962eca5ee.jpg

FOTO 16 - rua linda de guarda-chuvas

5a39295db60d1_17-escadasrolantesinfinitasegente...cadotinderhahahaua.jpg.b6a3eccc9fe57746f893b1fadebfdda1.jpg

FOTO 17 - escadas infinitas, gente, cadê o TINDER??

Do portão 6 se não me engano o shopping dá acesso ao Burj Khalifa – o maior prédio do mundo, ao show das águas, que ocorre das 18:30 às 22:30 (confirmem, pode mudar) a cada meia hora e a um outro “souk”, mercado árabe. É tudo lindo, superlativo e fantástico. O Burj Khalifa mal cabe na foto! Ficamos nesta área por umas duas horas, pois marquei de encontrar com uma amigona que mora em Dubai (Gisele) na porta giratória deste portão 6 pra irmos jantar! Visitamos o souk, vimos o show das águas várias vezes (FOTO 18 e 19) e aproveitamos a vista do Burj Khalifa de dia e de noite (FOTO 20 e 21). Iríamos subir nele no último dia da viagem!

5a392961b8c95_18-esperandooshowdasguas.JPG.a604eb82cafff2be39a0c4bb2bb92051.JPG

FOTO 18 - esperando o show das águas

5a39296674684_19-showdasguas.jpg.d8f0ab9f05fccdd78a62e2b2ebeefb29.jpg

FOTO 19 - show das águas

5a392968f111a_20-BurjKhalifadedia.thumb.jpg.e2ad7d494a32096d4db05e8e9eea221e.jpg5a39296df06ad_21-BurjKhalifadenoite.thumb.jpg.82be61e44eb1f5cdb86c55bbae595d19.jpg

FOTOS 20 e 21 - Burj Khalifa de dia e de noite!

A música a cada apresentação do show das águas muda, e não sei se foram os diferentes ângulos de visão dos quais assistimos, tive a impressão que existem shows diferentes.

Encontrei a parça e fomos jantar num restaurante indicado por ela, onde a comida foi lindamente deliciosa e com preço bom. Assim que achar meu caderninho de anotações que está perdido na minha casa atualmente em reforma, eu conto o nome dele e o preço! Pedimos uns pratos de carne, frango, falafel, e tava tudo gostoso. (FOTOS 22, 23 e 24).

5a392970f3ecc_22-eueapara.jpg.63dd7c40ed1dae553153f22bf3eeea5f.jpg

FOTO 22 - eu e a parça

5a392975c9290_23-falafeldelcia.jpg.e4a745b57cd5f1d97bd9c468f421fc8a.jpg

FOTO 23 - falafel delícia!

5a39297b8d7a7_24-carninhasdelcia.thumb.jpg.fe646b072e3803199ac0d63608738252.jpg

FOTO 24 - carninhas apimentadas!

De pança cheia, me despedi da amiga que veria de novo e fomos pra casa... infelizmente sem o tradicional goró pra relaxar!

Próximo Post: passeio de monotrilho, mais shoppings, Abu Dhabi e Global Village

  • Gostei! 4

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Que maravilha de relato!

 

Adoro relatos bem detalhados como o teu! Estou iniciando o planejamento para ir ao Japão em janeiro de 2019 e vou seguir acompanhando tudinho por aqui.

 

Obrigada por compartilhar tua viagem! Abraço.

 

 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Opa, cheguei por aqui para ler o seu relato, com um certo atraso, mas cheguei! Adoro suas viagens e seus relatos! Aguardando a continuação! Esse com certeza vai ajudar para minha futura viagem para Japão e também para EAU que também estão na minha interminável lista de lugares para conhecer! Hehehe. Beijos!

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Que maravilha de relato!
 
Adoro relatos bem detalhados como o teu! Estou iniciando o planejamento para ir ao Japão em janeiro de 2019 e vou seguir acompanhando tudinho por aqui.
 
Obrigada por compartilhar tua viagem! Abraço.
 
 

Oi Helen, que legal que está gostando, eu já continuo! Minha casa tá em reforma, kkkkk...

Japão tudo de bom!
  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Opa, cheguei por aqui para ler o seu relato, com um certo atraso, mas cheguei! Adoro suas viagens e seus relatos! Aguardando a continuação! Esse com certeza vai ajudar para minha futura viagem para Japão e também para EAU que também estão na minha interminável lista de lugares para conhecer! Hehehe. Beijos!

Vc vai amar miga! :*
  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ah, achei meu caderninho de anotações, kk! Só pra não perder de vista, lá naquele Madinat Jumeirah eu comprei um sorvete pro meu filho que custou 28 dirhans!!!::dãã2:: Só vi o preço depois que já tinha pedido e fiquei com vergonha de devolver! A patinação no gelo foi 60 dirhans por pessoa, caro, mas podia ficar lá duas horas... ficamos uma! E a janta que fui com minha amiga foi no restaurante Shawarma Grill House. O prato custava em média de 30-40 por pessoa e as bebidas (água e refri, mas água Voss, kkk) de 12-15 dirhans. Bebida sempre quebra o rolê! Logo continuo!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

28 de novembro (terça): Dubai Marina, Monotrilho, Battuta Shopping, Oasis Shopping e mercado (de comida mesmo)

Neste dia tínhamos programado visitar a “Palm” de monotrilho, por isso fomos até o Marina Mall (mais um shopping) e estacionamos o carro lá (gratuito, como a maioria), de onde parte o tram laranja (10 dirhans ida e volta) que dá acesso ao monotrilho (30 dirhans. Demos uma voltinha no shopping e apesar de bem bonito ele é só um shopping de Dubai, enorme e com todas as lojas que eu nunca entrei na vida (FOTO 25).

                                       25.JPG.963e2c3e41e20ec80b419e18ce2bb610.JPG

                                                                                                   FOTO 25: Entrada do Dubai Marina Mall

O passeio pelo monotrilho foi legal, mas não considero imperdível. Até dá pra ver uns pedaços da folha da palmeira (FOTO 26), hahauaha, mas não é tão sensacional e achei as passagens caras. Até pq me aconselharam a tentar sentar no primeiro vagão... eu até consegui... mas aí uma horda de gente se empilha em pé na sua frente pra tirar foto! Kkkkk (FOTO 27).

                                       26.JPG.e46ecd56e6fc8dec535864f7bcc3c3e4.JPG

                                                                                   FOTO 26: Pedaços da Palmeira vista do monotrilho.

                                         27.JPG.47fcf0136ce6bf8c09027520e461a320.JPG

                                                                                 FOTO 27: pessoas que se aglomeraram no primeiro vagão.

Descemos no Atlantis novamente, vimos uns carros de milhões de dólares, demos uma andada e voltamos, pois afinal já tínhamos passeado por lá no dia anterior. Acho que se não tivéssemos ido no dia anterior de carro íamos ter curtido mais o monotrilho.

De volta ao Marina Mall pegamos o carro e fomos para o Batutta Mall... sim, outro shopping. Tínhamos programado ir no Mall of Emirates esta tarde, o segundo maior do mundo, mas a Gi, minha amiga, disse que seria um shopping igual o Marina Mall... ostentação e só. Ela nos aconselhou a ir no Batutta pq lá cada “ala” do shopping tem uma decoração temática: Grécia, Egito, Deserto, Índia e por aí vai. O Shopping é de fato bem bonito e diferente, mas se vc estiver com roteiro apertado, não se mate pra ir lá.

Almoçamos no Extreme Shawarma e gostamos bastante, preço médio 30 dirhans por pessoa. Mas lá tem KFC, MacDonald, Pizza Hut, Subway... várias opções de lanches conhecidos.

Depois de andar um tanto (minhas fotos deste shopping não ficaram boas), pegamos o carro e fomos... pra outro shopping! Kkkkkkkk, mas calma, tem motivo!

Minha amiga trabalha no Oasis Center Mall, numa rede de academia chamada fitness first! Ela nos presenteou com uma massagem no Balance SPA, que fica no mesmo andar que ela trabalha! Fomos lá só pra isso! O shopping é menor e menos ostentação, mas bem bonito!

A massagem foi tipo shiatsu, bem boa. Fizemos massagem, sauna, banho, tomamos chá... meu marido se atrapalhou um pouco com o inglês do indiano que estava com ele e foi bem engraçado, ele não entendia que tinha que tirar toda a roupa e colocar tipo uma cueca descartável, rimos muito disso!

Depois do relax fomos a uns 3 mercados, incluindo um Carrefour, e nos divertimos vendo tanta coisa estranha aos olhos e prateleiras que pareciam repletas de cerveja só que não, kkkkkk, tudo sem álcool (FOTO 28). Compramos comida e café da manhã e fomos jantar em casa!

                                       28.JPG.c9f0e6e511b8cd06ac593f6c3ace1c18.JPG

                                                                                                 FOTO 28: kilos de cerveja, só que não.

29 de novembro (quarta): Abu Dhabi e Global Village

Acordamos bem cedinho, tomamos café em casa e seguimos para Abu Dhabi, cidade distante cerca de 140km de Dubai e capital dos EAU. Não tivemos problemas com a estrada, boa e sinalizada, mas não espere uma paisagem bonita... é bem monótona!

Abu Dhabi tem muita coisa pra fazer e dá pra ficar fácil mais de um dia, mas optamos por priorizar Dubai e fizemos só este bate-e-volta. Nossa principal atração era a Mesquita Sheik Zayed e fomos direto pra ela! MEO DEOS, que coisa linda!

Ela é toda branca, lindíssima e bem grande, ficamos umas duas horas lá. Vc já pode ir pra lá toda vestida sem mostrar nada, só o rosto, ou eles te emprestam as vestes! Isso vale principalmente para as mulheres mas homens de regata, bermuda curta ou muita tattoo tb tem que se cobrir.

As mulheres tb tem que cobrir bem os cabelos, se cai um pedacinho do lenço logo vem um guarda pedir pra arrumar, e são muitos guardas. Pode tirar foto a vontade mas não pode fazer pose, agachar, abrir os braços e estas coisas. Eles pegam a máquina e mandam apagar.

A mesquita é tão linda e tão grande que eu poderia ficar aqui o resto da vida postando foto, kkkk, mas nenhuma vai traduzir a beleza do lugar! VÁ! (FOTOS 29, 30, 31, 32)

                                            29.jpg.21d3a3b001d98d5d9ffe68d40fc1ea1c.jpg

                                                                                     FOTO 29: eu tendo que pagar de muçulmana! :)

                                         30.jpg.848cf2e65aba6c5c6e096ec844e6dd82.jpg

                                                                                                        FOTO 30: Mesquita linda!

                                                                       31.jpg.a0d2cc1704b616b00a262ba25b74a0df.jpg

                                                                                  FOTO 31: as colunas brancas cheias de flores!

                              32.jpg.48f56aee545988144c653de071f828c9.jpg

                                                                                         FOTO 32: teto sensacional de um dos salões!

Depois da Mesquita fomos almoçar. Paramos no caminho da nossa próxima atração, a Corniche Beach, e almoçamos num restaurante chamado Tripolis, muito bom, com pratos imensos, sobrou muita comida! E bom preço, cerca de 25 dirhans por pessoa.

Com a pança cheia fomos fazer digestão caminhando e olhando o fabuloso mar de Abu Dhabi, azul demais, lindo demais. João acabou entrando na água, nós ficamos só com os pezinhos mesmo (FOTO 33).

                              33.jpg.5330322be1da81c2e58de509deb6cc59.jpg

                                                                             FOTO 33: O mar azul da Corniche Beach e meu baby!

A praia em que “paramos” era delimitada por uma cordinha e era exclusivamente ocidental, árabes não podiam “entrar” nem passar por aquela faixa de areia. O salva-vidas mandava os que se aproximavam sair... mas vi mulheres de biquíni fora desta área cercada tb!

Pertinho de onde estávamos fica o Emirates Palace Hotel (FOTO 34), o mais luxuoso dos EAU e acho que do mundo... dizem ser sete estrelas, embora não haja esta classificação oficial. Vc pode entrar nele se for a algum dos restaurantes... vc pode tomar café com ouro até, kkkk! Mas a gente só queria dar um rolê e tomar o que fosse mais barato. Mas olha, tava tão calor, a gente tava tão de boa de bermuda que ficamos com preguiça de por calça e tênis (sim, homens não podem entrar de bermuda e garanto que o shorts que eu tava tb era considerado indecente embora fosse quase nos joelhos)... passamos por perto e não entramos.

                                      34.JPG.711d4db6c55e7d8e30289bfc33c59734.JPG

                                                                                                  FOTO 34: Emirates Palace Hotel lá no fundo!

Era quase 4 da tarde e resolvemos voltar pra Dubai e ir a um local pouco frequente em roteiros tradicionais ocidentais, talvez por ser longe a beça! Global Village! Lugar IMENSO, sério, muito grande, com muitos pavilhões... alguns representando regiões, outros países, continentes, aglomerado de países, enfim! O foco é arte, artesanato, produtos e comidas típicas de cada região/país/etc. (FOTOS 35, 36, 37, 38)

                                   35.jpg.c023203497c482e24576339da5a6364a.jpg

                                                                                                        FOTO 35: Entrada do Global Village

                                  36.jpg.ecc7416fb568b185689b53536bb8fbb8.jpg

                                                                                                    FOTO 36: Entrada do Global Village

                                          37.JPG.685ede13250d5d5ee6534b0a48e62919.JPG

                                                                                                               FOTO 37: Pavilhão Egípcio

                                                               38.JPG.f8fa2c8b15a36c8426d8a9e7e41e5443.JPG

                                                                                      FOTO 38: Pavilhão Europeu, legal só por fora.

Quase que só tinha árabe nesta feira gigante, não sei como eles não se confundem com as roupas todas iguais, rs! Comemos várias porcarias (pizza, churros, panqueca, pipoca, etc) e compramos várias bugigangas! Acho que conseguimos entrar em todos os pavilhões, mas ficamos mais de cinco horas lá dentro, alguns olhamos bem rapidinho e no final estávamos mortos!

Os pavilhões da África e Irã foram os melhores... o da África foi o mais interessante pra compra de coisinhas, o do Irã pelo show de bonecos gigantes... muito BOM! (FOTO 39). Todos os pavilhões tem apresentações artísticas!

                                                          39.jpg.1744638cd321de5c4d47da46a2e83492.jpg

                                                                               FOTO 39: Apresentação do pavilhão do Irã, muito legal!

O TOP bosta do Global Village vai pra China, cheia de tranqueira de quinta categoria, Europa... sofrível com nada típico ou cultural, e Américas... ai que desgosto. Nem uma barraquinha de espetinho brasileiro, kkkkk, só baboseira do Tio Sam e umas tranqueiras forçadas do México. #vergonha

Gente que canseira. Partiu Carrefour express perto de casa e cama!

Próximo post: mercado de especiarias, mercado do ouro, rally no deserto e muito mais!

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Juliana, que viagem memorável! Lugares lindos!!!

Rachei de rir com a epopeia pra tirar o visto e todos os perrengues! ahhahahaha

São partes da história que depois que termina a viagem a gente cai na gargalhada pq vê que tudo deu certo ne? risos

Delicia de viagem! Parabéns!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Juliana Champi Ola Juliana! Estou indo para Dubai em fevereiro e também aluguei carro! Como funciona para estacionar nestes lugars que relatas aqui? Muito bom o teu relato! Parabéns!

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Eduardo Melo Ferreira
      17 DIAS PELA ARGENTINA!
      ·         Dia 1:
      Essa foi apenas nossa segunda experiência internacional, a primeira foi para o Chile. O diferencial é que nesta Sâmera e eu fizemos tudo por nossa conta, quer dizer, com o grande auxílio de vocês aqui do Mochileiros.com, claro!!
      Nossa jornada iniciou-se na segunda feira dia 10 de setembro na cidade de Paulínia/SP, quando a deixamos as 19h sentido Campinas de Uber para pegar o ônibus para o aeroporto de Guarulhos, partindo as 20H. Chegamos às 22:30 e a noite foi longa, nosso vôo partiria somente ás 06:41h (para ser exato). Optamos pela compra de Múltiplo destino pela companhia Aerolíneas Argentinas.
      Vôo saiu no horário marcado e 09:20h chegávamos ao Aeroparque. Tínhamos quase seis horas de espera pela conexão e aproveitamos para trocar nosso dinheiro. A cotação estava R$1,00 - $8,00 Pesos. Trocamos o máximo que conseguimos pois na Patagônia a cotação era desvantajosa, o que verificamos realmente depois! O segundo e longo vôo partiu também no horário exato 15:22h chegando em Ushuaia ás 19h.
      Optamos por ficar hospedados por AirBNB. Melhor coisa que fizemos!! Nosso Host, Sr. Oscar já nos aguardava no aeroporto de Ushuaia. Sabe daquelas pessoas que passam rapidamente por sua vida, mas deixam boas marcas para sempre? Então, ele é uma dessas pessoas!! No caminho para a cabana, ele sugeriu se não gostaríamos de parar em um supermercado para comprar alimentos, água, etc. Nós estávamos tão cansado que não havíamos pensado nisso. Ponto para o sr. Oscar! Sua cabana é muito aconchegante e fica no pé da montanha. Tinha tudo para uma hospedagem tranquila. Combinamos que no dia seguinte ele nos levaria para alguma das opções em Ushuaia ainda a definir de acordo com o clima. Chegamos com chuva e gelo! Um frio e um vento absurdo! Patagônia nos dava boas-vindas...rs   
      Apartamento Las Terrazas de Nora y Oscar: https://goo.gl/RHdFRV
      ·         Dia 2:
      Amanheceu, tomamos nosso café e saímos da cabana para aguardar nosso super host. A comunicação entre dois mineiros e um argentino nem sempre foi fácil, mas sempre divertida. Decidimos ir para o Parque Nacional Terra do Fogo. Queria subir a Laguna Esmeralda, mas como havia chovido muito na noite anterior, fomos desencorajados. Senhor Oscar nos cobrou $1.200,00 pesos para levar e para buscar. Para se ter uma ideia, as agências cobram não menos que $2 mil por pessoa!! Seguimos pela linda estrada de terra até a entrada do Parque. Nós dois já maravilhados pois havia muita neve nos cantos da pista. Paisagens, claro de tirar o fôlego. Primeira parada no mirador da Laguna Verde! Lindíssima. Em seguida fotos na famosa placa do fim da Ruta N.03! E caminhamos pelas passarelas que margeiam a baia Lapataia.
      Voltamos para o carro e o Senhor Oscar nos sugeriu uma trilha curta! Claro, topamos na hora. Confesso que para Ushuaia, pelo pouco tempo que ficamos, acabei sem saber o que fazer.. Ele nos deixou ao lado do Centro de Visitantes Alakush, próximo ao início da trilha. Combinamos que as 16h ele nos buscaria.
      Iniciamos nossa primeira trilha, super motivados pela paisagem, vegetação, clima, tudo diferente do que estamos acostumados. Trilha tranquila, margeando o lago de nome Roca. Ao nosso lado, uma montanha linda, coberta pela neve ia nos “vigiando”.
      Depois de 1:20h chegamos ao final da trilha que é onde fica a placa de divisa entre os Argentina e Chile! Que sensação da hora de estar ali entre dois países muito queridos! A trilha leva o nome da placa “Hito XXIV”. Recomendo muito. Trilha leve! Vale salientar o cuidado e o quão bem sinalizada é a trilha. Aliás, todas as que eu vi na Patagônia.. sonho isso para minha cidadezinha no sul de Minas (Caldas-MG)!
      Retornamos e entramos no Centro de Visitantes Alakush para comer, tomar um café e conhecer o local, faltavam 30 minutos para o sr. Oscar nos buscar. Ele claro, foi pontual!
      No caminho de volta ele nos sugeriu ir ao ponto de partida do “Tren Del Fin Del Mundo”. Achamos bem bonitinho, mas não é o tipo de passeio que nos interessou. Em seguida, de volta para Ushuaia ele, por conta, decidiu que nos levaria para conhecer a pista de esqui do Glaciar Martial. Uma grata e grátis surpresa! E para nossa alegria, nevou!! Haha – mineiro nunca tinha visto neve!! Estava muito liso, assim decidimos não subir até o Glaciar. Mas valeu muito a pena! Gracias Sr. Oscar!!
      ·         Dia 3:
      Nosso anjo em forma de Host disse que conseguia desconto para o passeio de Catamarã para o Canal de Beagle – 20%! Claro que aceitamos. Pagamos um total de $2.320,00 Pesos. Menos da metade que pagaríamos por intermédio de uma agência! – Dica, comprem direto nos quiosques!! Ainda compensará!!
      O passeio é turistão, mas as paisagens, sem palavras! Ushuaia é linda demais!!! O Farol é muito bonito, ali, pequeno no meio daquela imensidão entre a água do mar e as cordilheiras. Vimos uma espécie de pinguins que claro, não me lembro o nome, muitos pássaros e os escandalosos e muito fedidos leões marinhos. Sério, nunca senti um cheiro tão fedido na vida...kkk
      Retornando à Ushuaia, decidimos caminhar pela cidade, almoçar um belo Chorizo ($1.000,00), colocar um chip no celular e enviar uns postais. Em seguida fazer o tour pelo Museu do Presídio ($600,00 Pesos). Bastante interessante e confesso que a ala que continua intacta é bem pesada, sombria. Retornamos a pé para a cabana depois de andar muito por Ushuaia... pensa numa subida infinita. O importante foi achar!! Kkk
       
      ·         Dia 4:
      Dia de deixar Ushuaia. Nosso grande amigo e host Oscar nos levou, antes despedimos de sua muito simpática e atenciosa esposa, Sra. Nora. Confesso que nos emocionamos ao despedirmos. O bom de viajar é isso, além das paisagens, momentos, as boas pessoas que encontramos pelo caminho fazem valer muito a pena!
      Novamente, as Aerolíneas Argentinas foram pontualíssimas. Partiu exatamente no horário marcado, as 11:10h com destino a El Calafate.
      Continua...
       
       
       
       
       
       















    • Por Juliana Champi
      Salve a todos!
      Embora haja uma quantidade relativamente boa de informações sobre o Ceará, vou tentar atualizar valores e falar um pouco sobre viajar na época das chuvas e sobre segurança... tentarei escrever um relato mais sucinto do que me é de costume, rs. Mas não sei se vou conseguir, haha! (Obs - não vou).
      Esta viagem ocorreu entre 3 e 15 de abril, com cidades-base de Fortaleza e Jeri. Os viajantes: eu e meus meninos companheiros de sempre, Gui (marido) e João (filho, 10 anos). O padrinho do João, Lio, tb parceiro de outras aventuras, passou uns dias conosco.
      O Ceará surgiu aleatoriamente nas minhas buscas rotineiras por passagens baratas... embora tenha comprado passagem para o período das chuvas, o preço ridiculamente barato me convenceu a ir whatever. Normalmente uma passagem pro nordeste saindo do interior do Paraná custa em torno de 800-1000 reais por pessoa. Pagamos 1500,00 nas 3, ida e volta, com 1 mala despachada.
      Surgiu tb do meu filho pedindo pelamordedeus pra gente viajar pra um lugar quente, com água, e com um pouco de descanso. Segundo ele, não aguenta mais viajar pro frio, acordar cedo e andar muito (fomos pro Japão em dezembro, kkkkk), então, conseguimos atender aos pedidos dele pra comemorar sua primeira década de vida!
      E eu tenho amigos no Ceará!!! Melhor coisa ever rever amigos!
      ROTEIRO
      Dei uma pesquisada no que fazer por Fortaleza, onde chegaríamos, e arredores. Muito se fala em Canoa Quebrada (ao sul) e Jericoacoara (ao norte), mas tem muito mais do que isso no Ceará. 
      Certeza que tem muita gente que iria aproveitar pra conhecer estes dois destinos mega famosos, mas pro meu jeito slowtravel de viajar não cabiam nos dias que me programei, então escolhi ir só pra Jeri e explorar mais outros destinos mais próximos de Fortaleza, como Cumbuco, Águas Belas, Morro Branco e etc. Mas com calma, sem ser só pra tirar foto. E justamente por isso alugamos carro, pra não depender das excursões. Mas pra quem não quer alugar carro, recomendam muito uma agência chamada oceanview. 
      HOSPEDAGENS, CARRO ALUGADO E TRANSFERS JERI
      Logo que comprei as passagens comecei a dar uma olhada no booking e airbnb em busca de um teto. Quem já leu meus outros relatos sabe que eu sou hiper fã de airbnb e sempre dou preferência para experiências mais locais. E em Fortaleza não foi diferente. Só que quando comecei a procurar achei e apaixonei num apto meio patrão numa região nobre da cidade. Cabia 6, de início estávamos só nós 3. Mostrei pro marido que resolveu topar um conforto uma vez na vida, kkkk, e alugamos. Depois veria se mais alguém queria ir junto, o que acabou acontecendo, mais ou menos.
      O link do apto está abaixo. Achamos ele bem bonzinho... 1500 reais por 7 noites, se quisesse pra dividir em 6! Amo muito airbnb!
      https://www.airbnb.com.br/rooms/13183920
      O dono é belga mas super fala português, trocamos mensagens pelo whatsapp depois de concretizado o aluguel via airbnb, e ele alugou o caro dele pra nós. Era um Gol simples, mas ninguém queria mais que isso. E com a comodidade de não bloquear todo seu limite de cartão na franquia do aluguel. O apto era bom, mas pra 6 ia ser forçado! Pra 4 é o ideal! Sacada de frente pro aterro de Iracema, tudibom! Um amigo dele taxista faz check in e demais burocracias!

      Sobre o airbnb: nunca tive experiências ruins, mas sou muito cautelosa. Nunca negocio ou troco mensagens importantes fora do site. Se vc ficou afim de experimentar, se cadastre com o link abaixo que eu e vc ganhamos crédito de viagem!

      www.airbnb.com.br/c/jcarneiro3

      Em Jeri acabamos optando por uma pousada. Embora tb tenha opções de airbnb. A pousada foi achada no booking mas tb troquei mensagem pelo whatsapp com a dona (italiana) pq adicionei um dia a mais depois da Latam ter alterado minhas passagens (sempre) e eu poder esticar mais um dia no paraíso. 
      Espaço Nova Era Pousada, pessoal bacana, lugar HIPER fofo, 250 por noite num quartão pra 3 com mosquiteiro, ar, frigobar e tudo mais, super recomendo, um sossego.
       
      E pra chegar em Jeri?? 
      Opções:
      1. Ônibus Fretcar, em que se vai até Jijoca de busão normal e lá troca por um estilo pau de arara pra chegar até Jeri. Mais barato, menos confortável e mais lento. Cerca de 80 reais por pessoa, cerca de 7h de viagem.

      2. Transfer privativo em 4x4. Mais caro, confortável e rápido. Em média 500 reais o carro fechado por trecho, cerca de 4-5 horas de viagem.
      Me recomendaram: Marcel – 088 99956-0419. Falei com ele, foi atencioso, mas acabei não utilizando os serviços.

      3. MELHOR: Vans que pegam a gente em horários fixos e levam até Jijoca, e de lá seguem com 4x4 pau de arara. Preço tabelado, 75 reais por pessoa por trecho, 150 reais ida e volta. Cacei na internet e optei pela empresa abaixo. Fiz o contato pelo site, me responderam por email e whatsapp. Fechei com eles mesmo. Depositei um sinal de 180 reais para reserva (total 450) e paguei o restante em dinheiro no dia do embarque. Eles me pegaram na “porta de casa” rs.

      S. Frank // (55) 088 - 99868-0254 // http:jericoacoara.biz/ (Ceará Rotas)

      Este tipo de transporte tb oferece adicionais tabelados... na ida levam até a pedra furada e na volta, saem de Jeri de manhã, param na Lagoa Paraíso pra almoçar e curtir mais um pouco, e depois seguem pra Fortaleza chegando lá ao fim do dia.
      Recomendo a empresa contratada, mas na verdade é tudo uma zona! Eles repassam clientes de uma empresa pra outra dependendo do tanto de passageiros e na volta achamos o motorista da Van um babaca, dando em cima de uma passageira e bem pouco atento a estrada!
      Mesmo assim, sem sombra de dúvida, esta é a opção mais barata e confortável, já que o pau de arara de Jijoca até Jeri é o mesmo da fretcar (não tem mais ônibus, é só de caminhonete adaptada), mas em Fortaleza os caras te buscam em “casa”.

      SEGURANÇA EM FORTALEZA
      Eu li gente dizendo que tava o Ó, e li gente dizendo que não era tão foda assim. Dias antes da viagem fui apresentada a um fortalezense (isso mesmo) que me botou puuuta medo... matam 30 por dia, não carregue nada com vc e por aí vai. Mas tb tenho dois amigos que moram lá e me tranquilizaram... relaxa que a bruxa não é tão feia como pintam. E assim achei.
      Dá pra andar dando sopa com celular e câmera em que lugar do Brasil? Fortaleza não é diferente! 
      Já adianto que no dia que ficamos zanzando pela parte histórica de Fortaleza evitamos celulares na mão, nas imediações do mercado municipal é ruim. Idem no dia da praia do Futuro, cujas barracas contam com seguranças na areia! Na feira beira a mar a noite foi sempre sussa. Não vi nada demais, e comparado ao Rio de Janeiro, achei bem tranquilo, kk.
      Em Jeri é só sossego!

      DETALHES DO ROLÊ
      Como foi ir pro Ceará no período das chuvas? Valeu a pena? Choveu eterno? 

      Logo mais!
       
       
    • Por novoCalculoDaRota
      Olá amigos Mochileiros, 
      Replico aqui minha visita a cidade de Hiroshima, na minha segunda viagem ao Japão.
      O post completo fiz em: https://www.novocalculodarota.com.br/hiroshima-conhecendo-a-cidade/
       
      Hiroshima (広 島) é mundialmente conhecida por um triste fato: em 6 de agosto de 1945 foi alvo da primeira bomba atômica.
      Lançada estrategicamente sobre a cidade – a princípio – como um teste.
      Afinal, nem os americanos criadores tinham noção exata do seu poder.
      Muitas pessoas relatam uma certa tristeza ao visitar a cidade.
      Porém, confesso que minha impressão foi totalmente diferente.
      Eu enxerguei: superação, reconstrução, dedicação e amor!
      Afinal, quem seria capaz de transformar Hiroshima no que é hoje, depois da bomba devastar quase dois quilômetros ao redor do seu epicentro?
      Os dedicados japoneses, é claro!
      Muitos relatos dizem que mesmo com as escolas destruídas, as aulas continuaram em Hiroshima ao ar livre um dia após o ataque!
      Educação sempre foi a base japonesa.
      Agora em 2017, vi estas pequenas indo pra escola numa das grandes avenidas de Hiroshima.
      Outro fato chocante para nós brasileiros: a segurança.
      As crianças pequenas vão em duplas para a escola (pelo menos).
      Sem a supervisão de um adulto. Uma cuida da outra.
      Pequenas estudantes indo para a escola em Hiroshima no Japão Os uniformes e chapéus ajudam a identificar mais facilmente os estudantes.
      Os menores carregam no pescoço um apito, e o tocam caso algum estranho faça uma aproximação má intencionada.
      Bomba atômica e a guerra: superação
      Esta não é uma história para ser esquecida.
      É para ser superada e aprendermos com ela para nunca MAIS repetirmos estes atos covardes.
      Durante a II Guerra Mundial os Estados Unidos desenvolveram o Projeto Manhattan:
      pesquisas para criação de um armamento poderoso sob a fissão do átomo.
      Muitos europeus de países que já tinham perdido a guerra, estavam também neste projeto que inicialmente tinha a Alemanha como alvo.
      Um primeiro teste desta bomba já havia sido realizado no deserto de Alamogordo no Novo México (EUA).
      Os Estados Unidos propuseram ao Japão uma rendição.
      O Japão não aceitou. E o resultado disto todos sabem.
      Nos jardins do Castelo de Hiroshima Em 6 de agosto de 1945 foi lançada a bomba atômica de urânio sob Hiroshima, que explodiu a 570 metros do chão.
      Uma imensa bola de fogo se formou no céu com uma temperatura maior do que 300.000 graus celsius que gerou a imensa nuvem no formato de cogumelo, esta nuvem alcançou mais de 18 km de altura.
      O resultado da bomba chamada de “little boy” lançada pelo bombardeiro B-29 apelidado de Enola Gay (que ninguém sabia o poderio até então) foi a devastação de mais de 2 km de área terrestre, causando a morte de 70.000 pessoas instantaneamente.
      O número total de vítimas com a radiação fez este número aumentar para mais de 200.000.
      Posteriormente também houve uma bomba lançada sobre Nagasaki, mais poderosa ainda.
      Porém, erros de cálculo para determinar o alvo a fizeram atingir uma área montanhosa (causando mesmo assim milhares de mortes).
      O Japão – através do seu Imperador – assinou a rendição em 2 de setembro de 1945.
      Irasshaimase!
      O que aprendemos com a Segunda Guerra Mundial?
      É difícil falar que houve algum aprendizado com um fato que dizimou milhares de pessoas em todo o mundo.
      Mas, podemos dizer que foi o último ato de destruição em massa.
      Com minha visita ao Japão, entendi que também se aprende com a dor.
      É incrível a devoção, dedicação e superação dos japoneses.
      Um povo que tinha de tudo para aderir ao coitadismo, e pelo contrário, tornaram-se uma potência mundial!
      É um povo que tem orgulho do que faz.
      Seja qual for a área, o japonês entra pra fazer o melhor!
      Desde o atendente de uma lojinha até o presidente de uma empresa.
      Você como cliente ou como turista percebe o prazer em ser bem recebido.
      Ao adentrar um comércio no Japão, você é recebido pela frase:
      “Irasshaimase” (いらっしゃいませ).
      Por TODOS os funcionários. TODOS!
      Em tradução livre, Irasshaimase significa “Bem vindo” ou “Prazer em recebê-lo.”
      Era nítida a satisfação em lhe atender bem no Japão.
      Apesar de óbvio, afinal, cliente feliz se torna fiel.
      Volta sempre, gasta mais e fica bom pra todo mundo.
      Num mercado cheguei até a ficar sem graça, porque todo funcionário que cruzava comigo cumprimentava-me com um Irasshaimase.
      E isso foi um choque, porque tinha acabado de vir do Brasil, onde a área de serviços em geral sofre.
      Alguns atendentes são trabalhadores temporários que estão esperando uma oportunidade para migrar para outra função.
      É lógico que existem exceções e já fui muito bem tratado aqui.
      Mas, confesso que é rara exceção.
      Já perdi a conta da quantidade de vezes no Brasil chego a uma caixa de supermercado, dou um boa noite e como resposta recebo uma bela cara emburrada ou ouço a pessoa se lamentando de quanto tempo falta pra encerrar seu expediente!
      No Japão há um orgulho.
      Estou aqui para fazer o meu melhor!
      Recebo o meu salário e vou fazer de tudo para tornar sua experiência na minha loja o melhor possível!
      E isso funciona!
      Eu AMO ouvir Irasshaimase toda vez que entro num comércio ou casa de lamen.
      Sua experiência começa boa desde a porta de entrada!
       
      Cidade de Hiroshima
      Bom, voltando ao assunto do tópico, vamos falar de Hiroshima!
      Uma cidade que tinha recebido o título de inabitável devido à radiação, hoje abriga mais de um milhão de habitantes.
      Desde a nossa chegada, achei a cidade organizada e encantadora!
      A reconstrução da cidade foi muito bem executada.
      É um lugar com muitos canais e várias pontes.
      Uma das principais pontes da cidade inclusive foi o alvo da bomba atômica, para cercar a população e seu exército.
      Alguns monumentos que haviam sido destruídos foram reconstruídos.
      Como é o caso do Castelo de Hiroshima que também visitamos.
       
      O bonde de Hiroshima
      Um meio de transporte muito comum para circular pela cidade é o bondinho, também chamado de tram.
      Símbolo da resignação, voltou à circulação 3 dias após o ataque da bomba atômica!
      Até hoje a linha e os bondes cinza, verde, azul e marrom estão em circulação em Hiroshima, já são mais de 70 anos de história.
      Tram – Bondinho de Hiroshima em circulação a mais de 70 anos!
      E não é um transporte apenas turístico.
      Encontramos vários executivos indo ao trabalho nestes bondes! O baixo custo também ajuda a explicar esta adoração.
      Você sobe no bonde e desce em qualquer estação atendida por ele, por apenas ¥ 160 (o pagamento é na saída e existe uma máquina dentro que troca suas notas por moedas dentro do bonde).
      Outra opção é comprar o one-day pass que custa ¥ 600 e você pode usar livremente o dia inteiro.
      Na saída do nosso hotel inclusive, vimos um bonde todo estilizado e comemorativo:
      Bonde de Hiroshima Uma das nossas primeiras paradas com o bonde, foi o parque do Memorial da Paz.
       
      Parque Memorial da Paz de Hiroshima
      O Hiroshima Peace Memorial (広島平和記念碑 Hiroshima Heiwa Kinenhi) é um parque construído no local onde foi lançada a criminosa bomba atômica.
      Hoje em dia, dezenas de esculturas, edificações e obras que remetem à paz neste parque.
      É um passeio que pode levar horas e horas para refletir sobre o ocorrido.
      Uma das pontes que foi o alvo da bomba atômica O principal destaque é o A-Bomb Dome (原爆ドーム Genbaku Dōmu), a cúpula da bomba atômica.
      Em 1996 foi reconhecida como Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO (vejas outros que já visitamos).
      É a única construção que resistiu ao ataque no seu epicentro e até hoje está preservada.
      Muitos imaginam que ela era uma construção militar, mas na verdade era um edifício da Prefeitura de Hiroshima relacionado ao conglomerado das indústrias e construído em 1915.
      A-Bomb Dome em Hiroshima Todos os anos, em 6 de agosto, precisamente as 08:15 hs (momento exato da detonação) é realizada uma cerimônia com um minuto de silêncio em homenagem as vítimas da bomba atômica.
      Ao todo, mais de 200.000 vidas foram ceifadas – incluindo as vítimas da radiação.
      Detalhes da cúpula do Atomic Bomb Dome em Hiroshima O Japão faz um trabalho recorrente de manutenção para manter este edifício em pé, corrigindo infiltrações e fazendo tratamento com resina.
      É um importante símbolo da resistência.
      Na mesma praça, visitantes também são convidados para tocar o Sino da Paz.
      Chegamos no mesmo momento de uma excursão, e os estudantes balançaram juntos o grande pendulo que batia no sino, resultando num relaxante som:
      Sino da Paz em Hiroshima Ao circular pelo parque, encontramos vários senhores e voluntários que contavam a história da guerra em vários idiomas.
      O acesso ao parque é totalmente gratuito, apenas é cobrada entrada para visitar o museu da paz.
      Como chegar ao Parque do Memorial da Paz
      Utilize o bondinho e desça na estação Genbaku-Domu Mae.
      É uma viagem de 15 minutos a partir da Hiroshima Station.
      Dias e horário de funcionamento:
      Parque: todos os dias, 24 horas por dia
      Hiroshima Peace Memorial Museum: todos os dias, 08:30 hs a 18:00 hs
      Taxa de visitação:  
      Parque: totalmente gratuito
      Hiroshima Peace Memorial Museum: ¥ 200
       
      Hiroshima-jo: o Castelo de Hiroshima
      Caminhamos para as proximidades do Castelo de Hiroshima (広島城, Hiroshimajō) num lindíssimo dia de sol.
      O céu de Hiroshima é surreal e fantástico.
      Em todos os dias da minha visita fiquei impressionado.
      As nuvens são diferentes. É difícil achar uma palavra para descrever.
      Também conhecido como o Carp Castle: Castelo da Carpa, foi construído em 1589!
      Porém, foi destruído pela bomba atômica e posteriormente reconstruído.
      Logo na chegada conhecemos o Ninomaru, esta belíssima casa de guarda e segundo círculo de defesa.
      Todo o terreno é protegido por um fosso que rendeu este belo reflexo:
      Ninomaru – A casa de guarda do Castelo de Hiroshima Assim como foi comum em alguns lugares que visitamos no Japão, o lugar estava passando por pequenas reformas.
      Por este motivo, decidimos não entrar e seguir nossa viagem!
      O exterior do Castelo de Hiroshima já pagou a visita, é impressionante!
      O Castelo de Hiroshima Muito próximo ao castelo (10 minutos de caminhada) vale a pena conhecer o Shukkeien Garden, também conhecido por “shrunken-scenery garden”. Um jardim com montanhas e florestas em miniatura.
      Outro marco da cidade é o Mazda Museum, localizado até hoje no mesmo lugar da criação da empresa em 1920.
      Lá existe um museu com vários carros antigos, que infelizmente não visitamos porque já estávamos de partida para a incrível ilha de Miyajima.
      Saindo do Castelo de Hiroshima Como chegar ao Castelo de Hiroshima
      Caso esteja com o bondinho, desça na estação Kamiyacho-nishi ou Kamiyacho-higashi.
      O castelo também está a uma caminhada de dez minutos do Shukkeien ou do Parque da Paz.
      Dias e horário de funcionamento:
      Todos os dias
      09:00 hs a 17:30 hs (de abril a setembro)
      09:00 hs a 16:30 hs (outubro a março)
      Taxa de visitação:  
      ¥ 370 (para entrar no castelo)
      O jardim e os arredores são totalmente gratuitos.
      Veja também o site oficial do Castelo de Hiroshima.
       
      A lenda dos 1000 tsurus
      Para entender a lenda dos tsurus (origamis), faço um resumo da história de Sadako Sassaki (que possui uma estátua em sua homenagem no Parque da Paz).
      Sadako era uma criança sobrevivente da bomba atômica que nunca perdeu sua ternura e não faltou nenhum dia na sua escola primária.
      Chegou a tornar-se atleta no ensino médio, mas viu sua saúde diminuir com uma leucemia aos 12 anos de idade. Seus amigos então, fizeram 1000 origamis/tsuru no formato de grou (uma grande ave).
      Os 1000 grous em papel colorido (um pássaro que se assemelha a uma cegonha ou uma garça) enfeitaram o quarto de Sadako e então lhe foi dita a lenda:
      “Se fizer 1000 grous de papel, seu desejo se tornará realidade”
      Cheia de esperança, ela começou a dobrar os origamis.
      Passava noites com dor e febre, dobrando seus tsuru na esperança de sobreviver.
      Muito fraca, infelizmente não teve forças para dobrar seus mil pássaros.
      Faleceu aos 12 anos, dez anos depois da explosão da bomba atômica.
      Seus amigos da escola dobraram os tsuru que faltavam para que fossem enterrados com ela.
      Desde então, é muito comum ver tsurus por todo o Japão e especialmente em Hiroshima.
      Aqui vimos esta homenagem na calçada de um famoso hotel nos arredores do parque:
      A lenda dos 1000 Tsurus de Hiroshima Ao invés de guerra, vimos momentos de muita paz e aprendizado na visita.
      É sabido que a guerra tira o discernimento da pessoas.
      O lado japonês também estava fora de controle, você conhece a
      história do americano que foi enjaulado no Zoo de Ueno?
       
      Como chegar na cidade de Hiroshima no Japão?
      Viemos diretamente de Tokyo com o Shinkansen Nozomi / Kodama (trem bala).
      A distância entre Tokyo e Hiroshima é de 810 km.
      Mas a viagem leva em torno de 5 horas por incríveis paisagens.
      Você pode utilizar o JR Pass para economizar nesta viagem, que vou explicarei num tópico a parte.
      Outras cidades próximas:
      – distância entre Hiroshima e Osaka: 330 km
      – distância entre Hiroshima e Kyoto: 360 km
      Confira também o mapa da região central da cidade.
       
      Obrigado Hiroshima, por tudo que nos ensinou!
      Vocês serão um exemplo que carregaremos para toda vida!
      Arigatou gozaimasu! Hiroshima! Arigatou gozaimasu! (obrigado)
    • Por Schumacher
      Dias 1 e 2
       
      Em 9 de março de 2017, comecei a viagem por Floripa. Como usaria muitas companhias de baixo custo, precisei fazer milagre para que tudo, incluindo meu equipamento de mergulho, coubesse numa mochila média. No final da tarde, saí de Guarulhos num voo da AirChina, comprado numa promoção com vários meses de antecedência. A empresa presta um serviço razoavelmente bom em relação à alimentação e entretenimento.
       

       
      Antes de chegar em Seul, os intermináveis voos tiveram conexões em Madri e também em Pequim, onde a imigração levou um tempão. Vi 2 noites passarem dentro do avião, devido ao sol ir na direção contrária.
       
      Dia 3
       
      Nesse dia, conheci a cidade de Incheon. Como não fica no Sudeste Asiático, contarei sobre essa parte na parte 2 do relato. À noite, passei com minha mochila na pesagem da AirAsia, pra voar a Cebu, nas Filipinas. O voo custou 132 mil wons, com taxas e refeição.
       
      Dia 4
       
      Cheguei morrendo de sono às 2h da madruga, peguei um táxi branco de 250 pesos (15,65 reais), mais barato que o amarelo, até o terminal norte de ônibus de Cebu, e logo depois, por 160 pesos fui num ônibus da Ceres por 4 horas até o norte da ilha, em Maya. Cerca de 1h depois da partida ele para pra usarmos o banheiro e comprar comida. Consegui uns pãezinhos doces por 5 pesos cada!
       
      Já em Maya, embarquei pouco depois num barco até Malapascua. Como não tinha passageiros suficientes, pois eles partem a cada meia hora estando cheios ou não, o total por pessoa ficou em 220 pesos.
       
      A orla onde os barcos atracam não é muito bonita, e o tempo também estava meio feio.
       
      Almocei um pouco adentro da ilha, pagando 210 pesos num arroz frito com vegetais e camarão e mais um suco de limão. Por sorte, uma funcionária da minha hospedagem estava no mesmo local, e me ofereceu uma carona de moto até o Thresher Cove Dive Resort, um tanto distante do embarcadouro.
       
      Ali fiquei em uma cabana individual na areia de uma praia particular por menos de 1400 pesos para 3 noites. A pousada e centro de mergulho é bem bacana, o maior problema é da água ser salobra, então meu filtro foi inútil.
       

       
      Caí na água para um pouco de snorkeling no jardim de corais na praia da hospedagem. No começo há apenas pastagem aquática, mas de uns 50m em diante vários corais dispersos se apresentam, embora parte deles branqueados.
       
      Ainda assim, vi muitos seres vivos de pequeno porte diferentes, coloridos e bem interessantes. Foi a estreia da minha GoPro 5 Black - por sinal, muito melhor que minha antiga 3 Silver.
       
      Já estava satisfeito quando do nada surgiu um monstro a minha frente. Uma serpente marinha (Laticauda colubrina) de uns 1,5m! Fiquei com medo no início, mas como percebi que ela não estava nem aí com minha presença, fiquei a acompanhando enquanto ela procurava comida e voltava à superfície para respirar. Antes de regressar à terra, vi mais 2, mas menores.
       

       
      Depois disso, fiquei relaxando na pousada no resto do tempo.
       
      Dia 5
       
      Teria tido uma ótima noite se o despertador da cabana vizinha não tivesse tocado às 4 e meia da madruga, hora que sai o primeiro mergulho do dia.
       
      Acordei de verdade às 7h, para me preparar pra pegar um barco (150 pesos) e mergulhar com meu snorkel no Evo Reef. Parte recife, onde vi um peixe-leão, parte areia, onde vi muitos seres pequenos e transparentes, entre águas-vivas, ctenóforos e tunicados, como um bizarro pirossomo (isso é um animal, e não lixo).
       

       
      Almocei adobo, um prato típico filipino com carne temperada.
       
      Digestão feita, resolvi fazer um mergulho com cilindro, o primeiro desde que tirei minha certificação há meio ano. O local foi a Chocolate Island, a sudoeste de Malapascua.
       
      Fomos em um grupo grande, incluindo meu dupla, o holandês Jasper. Cerca de meia hora depois chegamos. A profundidade máxima atingida foi de 18 m, mas havia um pouco de correnteza e a visibilidade estava ruim, além de meu ar só durar 33 min. Vimos corais moles, cavalos marinhos e alguns coloridos nudibrânquios pequeninos.
       
      Ao retornar, fui novamente no jardim de corais. Vi algumas coisas novas, mas pequenas. Seria bom se eu tivesse uma lente de macro. Como dessa vez estava com um traje de neoprene, alugado baratinho na hospedagem, fiquei até o sol se pôr na água.
       
      Jantamos pizza e tomamos a cerva filipina San Miguel Pale Pilsen. Não sou muito fã de pilsen, mas estava OK.
       
      Dia 6
       
      Um grupo de brasileiros que eu conheceria no destino seguinte resolveu vir conhecer Malapascua (Ingrid, Agatha, Thalita, Camila e Rafael). Depois do meu café da manhã eles já estavam entrando no meu hotel.
       
      Com a Agatha e a Ingrid caí na água de snorkel para mostrar a praia a elas. Vi outro pirossomo e uma moreia.
       
      Em sequência, todos almoçamos no restaurante do hotel, onde pedi o kinilaw, que é o ceviche filipino. Até que não é ruim, mas ainda prefiro o peruano.
       

       
      À tarde eles voltaram à ilha de Bantayan, enquanto eu fui de moto-táxi até a praia do Farol, onde mergulhei com snorkel em um naufrágio. No caminho, ocorria uma briga de galo.
       
      O naufrágio está dividido em vários pedaços, a partir de uns 3 m de profundidade. É comum o mergulho noturno ali. Além do que estava aderido à carcaça, vi um monte de ctenóforos.
       

       
      Vi o sol se pôr e voltei pagando 50 pesos pro cara dá motoca, a tarifa máxima da ilha, por ser noite e um pouco distante.
       
      Dia 7
       
      Tive minha última refeição no variado restaurante do hotel e deixei a ilha, dessa vez por 120 pesos. No caminho, bastante lixo flutuando. De fato, os filipinos não parecem se importar muito com a limpeza, pois os próprios barqueiros jogam suas bitucas de cigarro no mar.
       
      Como o ônibus levaria mais uma hora para sair, embarquei numa van com ar por 200 pesos. Mesmo na principal rodovia que corta o país, há apenas uma faixa de rodagem. Espere trânsito, especialmente de motos e de lentos tuk-tuks.
       
      Já vinha percebendo que o idioma oficial das Filipinas foi bastante influenciado pela ocupação espanhola. Tive certeza que os números são falados da mesma forma quando o cobrador do ônibus para Oslob me informou que a tarifa seria de “ciento y cuarenta y cinco”.
       
      Ao chegar, encontrei a mesma turma de brasileiros no Hotel Sebastian, e mais Caio. Ao redor da piscina, tomamos umas biras Red Horse por 60 pesos a garrafa de 500 ml.
       
      Pousei no Ocean View Lodging House, à beira-mar, por 1600 pesos a noite, um pouco caro pela localização, mas com um quarto de casal só pra mim.
       
      Dia 8
       
      Fechamos um passeio no hotel para sairmos em 6 brasileiros mais eu às 5 e meia para nadarmos com os tubarões-baleia e vermos as cachoeiras Tumalog em seguida. Isso por 1800 pesos, que poderia ter sido feito pagando menos, por conta própria.
       
      Chegando no estabelecimento dos tubarões, levamos um susto com a quantidade de turistas que já havia naquele momento. As canoas entram poucos metros na água até chegarem onde ficam os bichões, que permanecem ali enquanto são alimentados. Achei meio artificial por isso, mas mesmo assim não deixa de ser incrível observar de snorkel os maiores peixes do mundo. Ficamos por quase 30 min nadando ao redor dos bichos de cerca de 6 m (juvenis).
       

       
      Tumalog Falls é uma cachoeira que fica lá perto, onde de uma altura bem considerável escorre um bocado de água sobre um paredão verde, culminando num lago raso verde-azulado, coloração devida ao calcário.
       

       
      Kawasan Falls, por sua vez, é bem maior e bem mais distante, a mais de 1 hora e meia de Oslob, em Badian. Nos custou mais 1100 pesos para ir até lá e entrar no parque, que possui infraestrutura completa e uma série de cachoeiras, com trilhas para acessá-las. Um atrativo é uma balsa de bambu que te leva embaixo das quedas principais, dando aquele cachote na cabeça. Outra é o salto de uma das quedas superiores, com uns 10 m de altura, coisa que eu fiz (me borrando de medo, mas fiz).
       
      Na volta, ficamos bebendo no hotel dos brasileiros. Apesar de eu já ter gastado bastante por lá, ainda quiseram me cobrar pra entrar na piscina por eu não ser hóspede, uma atitude ridícula.
       
      Azar o deles, porque saímos para procurar uma festa no pequeno centrinho. Como não achamos, jantamos numa pizzaria, compramos cervejas no 7Eleven por 85 pesos o litro, e tomamos no quarto do hotel dos brasileiros.
       

       
      Dia 9
       
      Deveríamos ir à ilha Sumilon, mas como a maré estava muita alta não haveria faixa de areia, e com isso teríamos que ficar no resort da ilha. Isso faria o passeio passar de 2500 pesos por todo o barco para 1500 pesos por pessoa.
       
      Como alternativa, a moça da agência de turismo nos indicou a praia da cidade de Alcoy, e para lá fomos, pegando um ônibus qualquer em sentido norte. Pagamos 25 pesos e chegamos uns 45 min depois.
       
      A praia bonita tem uma faixa de areia modesta, mas maior que as demais da região. Ficamos relaxando nas águas cristalinas até a hora do almoço, quando subimos no restaurante caro de um resort com uma baita vista da barreira de corais que fica a 200m em frente à praia. Fui lá logo depois, nadando por conta própria. Se quisesse pegar um barco, custaria 100 pesos.
       

       
      A maioria da zona é de pasto aquático, com recifes dispersos. Há certa variedade de vida, mas não tão grande quanto Malapascua. Vi uma serpente marinha novamente. Uma coisa que me incomodou foi as várias pontadas que levei na pele no caminho, apesar de só ter visto uma água-viva.
       
      Ao retornar, me despedi da galera e segui com um casal de brasileiros num ônibus e depois táxi pra ilha do aeroporto de Cebu, onde passaria a noite antes dos voos seguintes.
       
      Dormi num simples dormitório coletivo no Mactan District Budgetel, por 450 pesos, pois ele ficava a apenas 2 km do aeroporto.
       
      Dia 10
       
      Na madruga, voei de AirAsia por 3 mil pesos pra Kuala Lumpur, onde esperaria várias horas no aeroporto até o voo seguinte para Yangon, em Mianmar. O que eu não contava era com uma tarifa de 750 pesos que deve ser paga no embarque diretamente no terminal do aeroporto de Cebu, em dólares ou pesos.
       
      Tive o azar de molhar minha papelada quando vazou água que esqueci na garrafa do filtro durante o voo. Por sorte, o moderníssimo terminal KLIA2 da AirAsia, que inclui Wi-Fi grátis, dispunha de um serviço pago de impressão, no Sama Sama Lounge.
       
      O próximo voo, no fim da tarde, saiu por 197 ringgits. Ao desembarcar, bastou entregar à imigração a carta de recomendação do pedido de eVisa, feito antecipadamente pela internet por 50 dólares, para ingressar num dos países mais exóticos que já conheci.
       
      Até a Chinatown, onde iria me hospedar, o taxista queria me cobrar 10 mil kyats (23 reais), e não havia serviço de ônibus por lá. Encontrei um casal de brasileiros (Gleice e Renan) quando fui fazer o câmbio (necessário, já que cartão de crédito é inútil por lá, pois não é aceito em quase nenhum lugar), e por sorte eles ficariam próximos a mim; dessa forma, consegui dividir o carro.
       
      Mal cheguei e já saí pra caminhar pelas ruas movimentadas e um pouco escuras da maior cidade do país. Apesar de parecer um pouco amedrontador, a criminalidade contra turistas é baixíssima. Tentei ir a tempo ao templo que supostamente guarda um pedaço do cabelo de Buda (Botahtaung Pagoda), mas ele havia acabado de fechar.
       
      Na volta, passei pela praça da independência, onde fica a Sule Pagoda, além da prefeitura e vários prédios do período colonial britânico nas quadras ao redor. Já era 9 e meia; apenas barracas de comida de rua e alguns restaurantes chiques estavam abertos.
       
      Por apenas 8 dólares, incluindo café da manhã, hospedei-me no ótimo albergue Shwe Yo Vintage Hostel. Dormir no dormitório de 8 camas com ar condicionado foi um alívio pro calor que estaria fazendo durante os dias.
       
      Dia 11
       
      O café da manhã foi um estranho prato de sopa de macarrão de arroz com peixe e temperos, chamado mohinga. Apesar de ser extremamente inusual ingerir isso de manhã cedo, até que não tava ruim.
       

       
      Junto com um sueco do albergue, peguei o trem circular por 200 kyats na estação Lanmadaw. Foi um pouco difícil saber qual o trem certo, mas algumas dezenas de minutos depois embarcamos em um dos velhos vagões britânicos ao redor da cidade.
       
      No caminho se vê bastante sujeira e pobreza; essa é a Mianmar real.
       
      A certo ponto é preciso trocar de trem, prestem atenção. Quando chega na metade, você vê agricultores e suas plantações. Num dado momento, o corredor do vagão ficou completamente cheio de vegetais a serem vendidos no centro da cidade.
       

       
      Saltamos próximo ao Lago Inya, o maior reservatório da cidade. Compramos 2 cachos de bananas por apenas 400 kyats e caminhamos ao redor. Tentamos ver a residência da filha do líder revolucionário, mas o acesso era proibido.
       
      Como o lago não era muito interessante e já fazia um calor de mais de 35 graus, tomamos um táxi por 3500 kyats até 2 templos budistas com estátuas gigantes, ambos gratuitos. No primeiro, Chaukhtatgyi, a estátua é reclinada, enquanto que no Ngahtatgyi ela está sentada. Como todo templo budista, é preciso entrar sem calçados e com ombros e joelhos cobertos.
       

       
      Pela pressa e comodidade, por 300 kyats comi uns bolinhos fritos de feijão e outros vegetais na rua.
       
      O museu Bogyoke Aung San, também próximo, conta um pouco da história do general que levou o país à independência logo após o fim da 2ª Guerra Mundial. Fica em sua última casa antes de ser assassinado, mas há tão pouco para ver que não sei se os 5 mil kyats de entrada são justos.
       
      Continuei, agora sozinho, em direção ao sul, entrando nos jardins do belo Lago Kandawgyi. Contornei ele, subindo na Utopia Tower, onde tive uma bela vista por 200 kyats. Outro ponto de interesse é o Karaweik, restaurante em formato de um barco de dragões.
       
      Corri para chegar ao pôr do sol na maior atração de Yangon, a Shwedagon Pagoda. Por 8 mil kyats se tem acesso a um complexo budista lotado de turistas, cujo maior atrativo é uma stupa de 99 metros de puro ouro. A iluminação noturna dessa stupa, bem como das outras, é incrível, então vale a pena passear de dia e à noite.
       

       
      Tirei uma foto na Maha Vizaya Pagoda já caminhando de volta, me sentindo seguro. No meio do trajeto jantei um curry de bode por apenas 1500 kyats, num local frequentado apenas por locais.
       
      Dia 12
       
      Como o mercado de souvenires (Bokyoke Aung San Market) e o National Museum fecham nas segundas, tive que me contentar com o zoológico. Por 3 mil kyats peguei um táxi até lá.
       
      Paguei 3 mil também pela entrada. Para os padrões de Mianmar, até que é um zoológico decente. Há centenas de espécies de vários grupos animais, a maioria do próprio país. No entanto, à exceção da área dos veados, as outras jaulas são pequenas demais para os pobres bichos.
       

       
      Há também um museu de história natural, incluso no ingresso, que conta com vários animais empalhados, fósseis e rochas. Duas horas e meia foram suficientes para ver tudo.
       
      Voltei pelo trânsito caótico de Yangon, que possivelmente seria menor se motos não fossem proibidas nessa cidade.
       
      Dividi um táxi e fomos pro aeroporto, onde tomei um lanche e embarquei na Golden Myanmar Airlines. O voo foi bem salgado, 110 dólares. Fiquei apreensivo quando vi que o avião era um turbo-hélice, mas apesar das chacoalhadas cheguei a salvo. O serviço de bordo incluiu uma revista e um lanche.
       
      Ainda no aeroporto, paguei os 25 mil kyats pelo passe arqueológico dos templos da Bagan antiga. Há centenas deles, construídos ao redor do século 12, num complexo quase tão grandioso quanto o de Angkor, no Camboja.
       

       
      Por mais 5 mil kyats, peguei um táxi até o centro de Nyang U, no Royal Bagan Hotel. 14 dólares com café incluído, para o quarto compartilhado. É um hotel bastante bom e bonito.
       
      Caminhei aleatoriamente até a Shwezigon Pagoda, quando começou a chover. Com isso, depois de visitar brevemente o templo, parei para jantar no restaurante San Kabar. No menu havia enguias por 4500 kyats; não pude deixar de prová-las fritas em pedaços. E não é que estavam boas?
       

       
      Por fim, tomei um chope Myanmar com os brasileiros que havia conhecido no aeroporto de Yangon.
       
      Dia 13
       
      Acordei ainda noite para ver o nascer do sol com os brasileiros. Aluguei uma moto elétrica, principal e mais recomendado meio de transporte para essa cidade. Paguei 7 mil pelo dia e segui a no máximo 40 km/h, a velocidade que o veículo consegue chegar.
       
      Sozinhos, vimos o esplendoroso nascer logo após às 6 horas do topo do complexo Sule, vendo os balões acompanharem o movimento do sol logo depois de sua ascensão.
       

       
      Voltei ao hotel pra tomar um baita café da manhã em bufê livre, antes de retomar a jornada aos muitos templos. Danificados por invasões e terremotos, mas ainda assim impressionantes. Quando fui, os maiores estavam sendo restaurados. O comércio de souvenires e comida nos arredores é tão grande que descaracteriza um pouco a importância das ruínas.
       
      Depois de ver por fora e por dentro uma dezena de lugares, parei no museu arqueológico. Custa 5 mil de entrada para estrangeiros. A construção em si é incrível, um palácio antigo. Dentro, achados das ruínas, como pedras esculpidas, pinturas, joias e estátuas.
       

       
      Bati um rango esperto ali perto. Depois, me mostraram a preparação e me passaram thanaka, pasta de coloração amarelo clara que as nativas usam no rosto para proteção do sol e como cosmético, que é extraída de uma árvore e elaborada esfregando um toco numa pedra com água.
       
      Paguei mais 5 mil kyats pra entrar na Golden Pagoda, uma réplica sem graça do Mandalay Golden Palace, que eu acabei conhecendo na cidade seguinte.
       
      Rodei aleatoriamente mais um pouco, e para o pôr do sol achei o complexo Sin-byu-shin, afastado e alto, com uma baita vista de 360 graus. Escalei ele e apenas alguns jovens vieram juntos.
       
      Dia 14
       
      Peguei um dos vários micro-ônibus disponíveis diariamente para Mandalay, no meu caso o das 9h. Com ar condicionado, saiu por 9 mil kyats. No caminho, vimos basicamente a área rural. Houve uma parada para usar o banheiro e outra para almoço rápido. Quase 5 horas depois chegamos.
       
      A hospedagem compartilhada do [email protected] saiu por 21 dólares para 2 noites, incluso café. Deixei minha mochila lá e peguei um táxi com o alemão Henning que havia recém chegado também, para o Mandalay Golden Palace. Numa área de 2km por 2km, cercada por um muro e um fosso, ficam os resquícios reconstituídos do palácio bombardeado na 2ª Guerra Mundial. A maior parte da área interna pertence ao exército. Os prédios do palácio estão praticamente vazios por dentro e com falta de informação em inglês, mas a arquitetura é interessante e a vista do alto da torre só é superada pelo Mandalay Hill, logo atrás do palácio.
       

       
      Pra entrar nessa atração e em muitas outras na região de Mandalay, é preciso pagar 10 mil kyats por um passe turístico válido por 5 dias.
       
      Com o sol se pondo, adentramos os templos próximos: Kyauktawgyi, San Dar Muni e Kuthodaw. Neste último, fica o maior livro do mundo de 729 páginas, mas diferentemente do que se pensa, ele fica dividido em lápides, cada página em uma pedra.
       
      Às 20:30h, diariamente há um show de marionetes, arte típica de Mianmar, no Myanmar Marionettes, bem na esquina sudeste do palácio. Pagamos 10 mil kyats pra assistir o espetáculo de 1 hora, onde histórias são contadas com os bonecos, incluindo a complementação sonora de uma banda com instrumentos. Foi legalzinho.
       

       
      Dia 15
       
      Comecei bem o dia com o café do albergue que incluía até Nutella! De fato, as hospedagens desse país me surpreenderam de uma forma positiva.
       
      Eu e o alemão fizemos um tour organizado pro dia todo por 18 dólares, incluso guia, transporte e refeição.
       
      A primeira parada foi a oficina e loja de carpintaria e tapeçaria. A arte da carpintaria é bem desenvolvida no país.
       
      Em seguida, Mahagandhayon Kloster, onde os monges e aprendizes moram e se alimentam. Pegamos o exato momento em que eles fazem fila com suas louças, dirigindo-se ao refeitório, para a última de suas únicas 2 refeições diárias!
       

       
      Depois, a fábrica de tecelagem de seda, onde se elaboram roupas com o auxílio de máquinas manuais.
       
      Sagaing, o destino seguinte, é uma cidade destinada à meditação no budismo. Há apenas templos de todos os tipos, além do comércio básico. A vista do Sagaing Hill, onde subimos, é bem bonita, podendo se ver os santuários e o rio e pontes que cortam com Mandalay. Almoçamos por ali.
       

       
      Continuando, visitamos diversas pagodas e mosteiros importantes, como Kyaung Lain Monastery, Bagaya Monastery, Mae Nu Oak Kyaung, Lar Hat Gyi, Pahtodawgyi e Yadana Hsemee. Os últimos são construções mais antigas em ruínas.
       

       
      Por fim, o pôr do sol foi na ponte de madeira U Bein Bridge. Totalmente lotada de turistas e locais, mas ainda assim com uma vista bastante interessante, tanto por cima da ponte quanto dos barquinhos que ficam à espera.
       
      Jantamos no Shan Ma Ma, um restaurante bem barato onde você pode escolher 3 entre vários pratos típicos diferentes, pagando 1500 kyats por tudo.
       
      Aproveitei o tempo livre pra lavar minhas roupas na pia. Com o ar ligado no quarto, já estavam secas antes de eu partir.
       
      Dia 16
       
      Depois do café, dividi um táxi para o voo de Mandalay a Bangkok pela AirAsia. Como o aeroporto fica um pouco longe da cidade, custou 7500 kyats pra cada.
       
      Em seguida, encontrei o outro grupo de brasileiros com o qual havia planejado a viagem junto. Tomamos o voo a Hanói, a capital do Vietnã. Diego, Renato, Fernando, Camila, Carol, Andreia e Thais foram meus companheiros nos 12 dias seguintes.
       
      Passando a imigração com nossas cartas de aprovação processadas antes da viagem, pagamos 500 mil dongs (68,4 reais) dividido por 8 numa van do aeroporto até o See You Lily’s Hostel. Em comparação aos albergues anteriores, esse deixou a desejar, principalmente no quesito limpeza.
       
      No próprio beco do albergue há alguns estabelecimentos para se comer e beber. Foi o que fizemos em seguida.
       
      Dia 17
       
      Saímos para conhecer a pé o centro da cidade. A quantidade de motos é absurda, sendo uma tarefa árdua atravessar as ruas. Ao menos os vendedores não são insistentes, então andar pelas calçadas é tranquilo.
       
      Passamos por construções do período colonial francês e pelo lago bem ao centro, onde os nativos relaxavam no fim de semana.
       
      Do outro lado fica o Presidential Mausoleum Park, um complexo de atrações voltadas à memória de Ho Chi Minh, o líder da independência vietnamita. Lá ficam o mausoléu, a casa, o museu, o palácio e os jardins.
       

       
      Depois de almoçarmos num caro restaurante na região, pagamos 40 mil dongs pelo próximo museu da história militar. A parte mais interessante são os artefatos históricos como armas, além dos veículos grandes capturados. No mais, as informações em inglês são escassas.
       

       
      Passamos numa loja da North Face. Os preços são ótimos, já que as roupas e mochilas são fabricadas lá mesmo. Por 89 dólares comprei um agasalho, uma calça e luvas, todos de goretex, o caro tecido que ao mesmo tempo é à prova d'água e respirável. O quão originais eles são eu nunca saberei, mas pelo menos parecem funcionar.
       
      Uma coisa interessante que notei é que, diferentemente dos países ao redor, o comércio de bens é feito em pequenas lojas, e não nas calçadas, deixando-as livres para pedestres e motos.
       
      Escolhemos assistir o espetáculo teatral tradicional Four Palaces Show no Viet Theatre. Com 2 sessões diárias (18h e 19:30h), os ingressos custam a partir de 125 mil dongs, mas como estava relativamente vazio e éramos 8, ganhamos um upgrade de assentos. A banda que toca é legal e as vestimentas bem elaboradas, mas é um pouco repetitivo e monótono.
       
      Em seguida ocorreria na frente do Opera House a Hora do Planeta, evento que ocorre anualmente em todo o mundo com o apagar de luzes por 1 hora, para alertar para a proteção de nosso planeta. Em Hanói ocorreram shows musicais e danças animadas.
       
      Quando saímos de lá, encontramos diversas rodas de música e dança espalhadas pelo centro. O que achamos estranho é que ninguém bebia nas ruas.
       
      Para terminar a noite entramos na balada animada Ball Bar. Éramos os mais velhos e os únicos gringos lá dentro, mas curtimos o som globalizado, nada vietnamita, mesmo assim.
       
      Dia 18
       
      Conseguimos um baita desconto em grupo para fazermos na Ha Long Cast Away Tour por 90 dólares o cruzeiro de 2 dias e 1 noite em Ha Long Bay. Um ônibus nos levou por umas 3 horas e meia até o terminal onde pegamos o barco. Este tinha 2 andares e a cobertura, mas a aparência e limpeza não eram das melhores.
       
      O cruzeiro adentrou a baía, passando pelos montes rochosos verticais e pelas águas esverdeadas, enquanto almoçávamos um rango bom.
       

       
      Certa hora o cruzeiro parou num local onde andamos de caiaque por entre cavernas e matas com macacos.
       

       
      Infelizmente o tempo esteve nublado e ventoso por todo o período em que estivemos no cruzeiro, chegando a fazer um friozinho à noite.
       
      Assim que terminarmos de jantar começou a melhor parte, as 3 horas de chope liberado. Na festa regada a bebida e música, rolou altas interações com o grupo de filipinos e o de suecos.
       
      Dia 19
       
      Com certa ressaca fizemos as refeições e voltamos, parando brevemente em Hanói antes de voar pela Vietjet Air até Da Nang por 409 mil dongs. Hachi Hostel foi a hospedagem da vez (127 mil dongs).
       
      O safado do taxista me roubou dinheiro, dizendo que não paguei quando ele tinha sacado a grana da minha mão; fiquei sabendo depois que não fui caso único, então fiquem atentos a isso.
       
      Fomos até a orla do rio para ver a Dragon Bridge. No caminho havia um monte de despachos no chão e ratos pelas ruas.
       
      Meia noite em ponto, no exato momento em que chegamos, as luzes das pontes iluminadas se apagaram. Achar comida decente aquela hora também foi bem difícil, então acabamos num mercadinho coreano.
       

       
      Dia 20
       
      Pegamos um transfer até Hoi An com uma parada em uma das Marble Mountains, ao custo de 100 mil dongs por pessoa (800 mil no total).
       
      Uma hora foi pouco para subi-la a pé e visitar suas cavernas e templos. É necessário pagar uma taxa de entrada e ela é bastante visitada.
       

       
      Chegando em Hoi An, considerada a cidade mais bonita do Sudeste Asiático (não por mim), ficamos no Horizon Homestay, onde tivemos com 2 quartos só para nós, pagando 132,5 mil dongs cada.
       
      O melhor é que havia bicicletas para todos e de graça! Aproveitamos para pedalar aos verdejantes arrozais e à praia, essa meio sem graça.
       

       
      Almoçamos e fizemos câmbio no pequeno restaurante Mót, no centro da cidade. Ali provamos o prato mais típico da cidade, chamado cao lầu. A deliciosa e barata (30 mil) refeição é servida em uma tigela com macarrão, porco, vegetais verdes e tempero.
       

       
      Depois, assistimos um espetáculo teatral de fantoches dançando na água, o tradicional Water Puppet Show, por 80 mil dongs. Durou uns 45 min, tendo a apresentação de várias histórias de lendas e cotidiano vietnamita.
       
      Já à noite, conhecemos a pé o centro antigo de Hoi An, patrimônio histórico da UNESCO. As construções antigas ao redor do Rio Song Thu Bon ficam com lanternas iluminadas, num cenário muito bonito. Se o rio não fosse sujo de esgoto e lixo seria ainda melhor. Nas construções ao redor há uma infinidade de souvenires e comidas.
       

       
      O melhor de tudo é a cerveja mais barata que já vi na vida. Por 4 mil dongs (algo como 57 centavos de real!!) tomamos várias no bar e restaurante Chips & Fish, à beira do rio.
       
      Dia 21
       
      Voltamos ao centrinho de Hoi An, zanzando aleatoriamente por suas ruas, alguns fazendo mais compras, outros comendo.
       
      O transfer na van ao aeroporto nos custou 550 mil dongs, onde voaríamos a Ho Chi Minh City (anteriormente conhecida como Saigon) pela Vietjet Air novamente.
       
      Pegamos Uber do aeroporto até Saigon Charming Hostel, a hospedagem da vez. Custou 160 mil dongs pelo dormitório. Mas com o atraso do voo, só deu tempo de dormirmos.
       
      Dia 22
       
      Às 8 da manhã pegamos um confortável ônibus de 15 dólares a Phnom Penh no Camboja. Havia opções de até mesmo por 9 dólares em outros horários.
       
      Duas horas depois chegamos na fronteira. Ao contrário de relatos da internet, meus amigos que ainda não tinham o visto do Camboja tiveram que pagar apenas 35 dólares e não precisaram esperar tempo algum. Em uns 20 min todos cruzaram ambas fronteiras.
       
      Logo depois paramos para almoçar num restaurante estilo de caminhoneiro. Um prato com arroz, alguma carne e alguma salada saiu por 2 dólares. O gosto não tava ruim.
       
      4 horas depois já estávamos na capital do país. Nos hospedamos num hotel de verdade, o Orussey One Hotel & Apartment (14 dólares por cada noite).
       
      Caminhamos no final da tarde pela alameda que contém os prédios do governo e monumentos, como o da independência da França. É uma zona bonita e conservada, onde os locais praticam atividades como caminhadas, futebol e peteca.
       

       
      Na frente do colorido templo Wat Botum, o qual adentramos, achamos umas barracas de rua com comidas diferentes, como sapos e patas de galinha. Eu e Andreia comemos lulas, cogumelos e camarões.
       
      Nos reencontramos com o português Gonçalo, que estava com minha turma antes de eu conhecê-los. Para terminar o dia fomos à cobertura do hotel, onde fica uma piscina show de bola. Lá tomamos uma e jantamos, já que o tempo estava chuvoso para sair.
       
      Enquanto a maioria da turma pediu lok lak, um dos pratos carnívoros mais típicos do país, fiquei com grilos fritos. A hora que os bichinhos chegaram eu quase joguei a toalha, mas resolvi experimentar. E não é que temperados eles eram deliciosos? Tanto que os pedi novamente na noite seguinte.
       

       
      Dia 23
       
      O dia foi de tristeza. Primeiro, por 4 dólares por pessoa saímos os 9 de tuk-tuks até os campos de extermínio (Choeung Ek), resquício dos tempos do comunismo sanguinário do ditador Pol Pot.
       
      Pagamos 6 dólares para entrar nos Killing Fields. Esse local, um antigo cemitério chinês, serviu para a tortura, assassinato e desova de centenas de milhares de cidadãos cambojanos durante o regime comunista utópico de 1975 a 1979. Somando os outros campos de extermínio, foram quase 3 milhões de pessoas massacradas. Portar óculos era o suficiente para ter a pena de morte decretada, pois o regime visava abolir qualquer intelecto. Bebês e mulheres não sofreram qualquer distinção na hora de enfrentar suas penas.
       
      O passeio consiste em um caminho audio-guiado pelo antigo campo, onde se aprende sobre a triste história e se vê restos do que já esteve ali. Há também um memorial com os ossos das vítimas. Por fim, um pequeno museu com exibição de vídeo.
       

       
      Antes de continuarmos o passeio a pé, ficamos num mercado de souvenires e comidas, um tanto caro, assim como o restaurante que escolhemos em volta.
       
      Dali fomos ao passo anterior, a ex-escola que virou uma prisão, onde ocorria a triagem dos suspeitos. Mais 6 dólares para o caminho guiado por áudio no S21 Tuol Sleng Museum. Nesse local os edifícios continuam de pé, e há uma série de retratos e textos.
       
      O que me deixou mais indignado foi que Pol Pot, o fdp que fez tudo isso, viveu uma vida tranquila até os 82 anos, nunca tendo sido julgado, ao contrário de seu braço direito Duch, o responsável por essa cadeia, que está em prisão perpétua.
       
      Como estava tarde demais para ir ao Royal Palace e Silver Pagoda (10 dólares), pegamos um transporte até o templo erguido no monte artificial ao norte da cidade. Pagamos 1 dólar para entrar no Wat Phnom, achando que teríamos uma boa vista do pôr do sol. Ledo engano; olhamos a construção brevemente e descemos até a orla em direção sul, parando na sorveteria Gelatofix, que estava com uma promoção de compre um leve outro. Ali passamos o pôr olhando o Rio Tonle Sap, que se une ao famoso Mekong.
       
      Na volta, quebramos nosso recorde de pessoas num tuk-tuk, 7+motorista!
      À noite a galera foi pros bares, enquanto eu fiquei pela academia do hotel, já que meu voo seguinte seria bem antes do deles.
       
      Dia 24
       
      Não se deixem enganar pelos 10 a 11 km do centro da cidade até o aeroporto. Graças à chuva e ao trânsito intenso, levei uma hora, chegando no momento em que o check-in deveria encerrar. O tuk-tuk ate lá custou 8 dólares só para mim.
       
      O voo até Siem Reap pela Bassaka Air levou apenas 45 min e 24 dólares.
       
      Ao desembarcar o transfer gratuito do hotel me aguardava. Como aqui seria a metade da viagem de 7 semanas e a hospedagem era barata, resolvi esbanjar um pouco, escolhendo o hotel 5 estrelas Damrei, cuja diária custou 150 reais o quarto.
       
      O ambiente espaçoso e luxuoso incluía banheira, cama gigante e TV a cabo. Como chovia, tive que almoçar ali mesmo.
       

       
      Com o tempo melhorando, encontrei-me com a galera no hostel deles, que seria o meu também no próximo dia (Siem Reap Pub Hostel). Saímos à noite para o Night Market, um agrupado de pequenos camelôs que vendem todo tipo de souvenir a preços justos, ainda que mais caros que no Vietnã (mas mais baratos que em Phnom Penh). Trate de negociar bem para chegar num preço bom.
      Na janta experimentei o amok, outro dos pratos típicos que custa cerca de 3 dólares e inclui uma preparação de frango ou peixe com curry. Eu e metade do pessoal curtimos.
       
      Por fim, eu e minha companheira dividimos um vinho no nosso quarto de luxo.
       
      Dia 25
       
      Café da manhã incrível no hotel, com direito a pitaia, Nutella, granola e vários pratos quentes.
       
      Por 9 dólares por pessoa, negociamos um tour em Angkor com guia e van para 10 pessoas. No caminho, passamos na bilheteria para comprar o ingresso que recém havia inflacionado: 64 dólares para a entrada de 3 dias, que ao menos foi totalmente aproveitada. Há também opções de 1 ou 7 dias.
       
      O primeiro templo foi Angkor Thom, a capital murada do império Khmer, cercada também por um fosso de 3 por 3 km. No portão ficam as representativas cabeças de quatro faces.
       

       
      Dentro, prédios religiosos hindu-budistas construídos ao redor do século 12, como Bayon e Baphuon. Nas matas, macacos ficam à vontade.
       
      O almoço foi no caro restaurante Palmboo. Melhor levar uma marmita na próxima vez. Menções especiais: o inglês do Camboja é uma bosta e cartões de crédito raramente são aceitos, mesmo em restaurantes caros.
       
      Seguindo, paramos no mais famoso de todos, Angkor Wat. O maior monumento religioso do mundo é parecido em seu formato com Angkor Thom, mas apresenta 5 torres centrais que representam os picos do Monte Meru, montanha indiana sagrada no hinduísmo. Assim como nos demais templos, os artefatos religiosos foram retirados e parte das estruturas estão em reparação, mas isso não tira a beleza imponente da edificação sempre lotada de chineses, principalmente em frente ao espelho d'água ao nascer do sol.
       

       
      Já quanto ao pôr do sol, esse é mais interessante visto no morro próximo onde ficam as ruínas do século 10 de Phnom Bakheng, um dos primeiros da era Angkor. Ficamos uma hora e meia na fila até conseguirmos chegar ao topo e ver o final do pôr numa tonalidade incrível.
       
      Jantar no Khmer Taste, entre o Night Market e a Pub Street, com uma infinidade de refeições a 3 dólares, chope a 50 cents e coquetéis a 1 dólar. Voltamos lá algumas vezes, de tanto que gostamos.
       
      Por fim, conhecemos a tal Pub Street. É bastante agitada à noite com luzes, bebidas e música nas ruas. Assemelha-se à turística Khao San Road de Bangkok, mas ao contrário dela, há muitas crianças moradoras de rua pedindo dinheiro.
       

       
      Comidas exóticas também fazem parte da rua. Além do carrinho da fruta fedida durian, havia um com grilos, baratas d'água, aranhas, escorpiões e cobras. Fiquei com um espetinho da última, que tem o gosto de frango, mas é muito mais dura.
       
      Dia 26
       
      Eu e as garotas tomamos um brunch e dividimos tuk-tuks para os templos Banteay Kdei, Ta Prohm, Pre Rup e Angkor Wat durante a tarde.
       
      O segundo desses é o utilizado no filme Tomb Raider. O mais legal é a vegetação e as árvores invadindo as construções de pedra, o que ocorre nos dois primeiros desses templos. Ainda assim, achei os templos um tanto mal conservados, se considerada toda a grana arrecadada.
       

       
      Pre Rup tem uma forma diferente que o torna atraente para o pôr do sol de seu topo. Já Angkor Wat fecha antes do pôr do sol, além do astro estar no lado oposto.
       
      No Siem Reap Pub Hostel provamos fatias da “Happy” Pizza, feita com orégano de maconha. Aguardamos o tempo necessário, mas não teve efeito em ninguém.
       
      Dia 27
       
      Eu e Carol alugamos bicicletas por 2 dólares o dia cada. Durante a tarde atravessamos os cerca de 40 km do circuito grand tour. Apesar do calor de mais de 30 graus, a abundância de árvores altas ameniza o sofrimento.
       
      Paramos em Preah Khan, depois passamos por Krol Ko e Neak Pean, entramos também em Ta Som e por fim em East Mebon. Depois de tantos templos, as diferenças entre eles se tornam muito sutis para justificar a visita a outros.
       
      Para relaxar, aproveitamos outro dos atrativos bem baratos de Siem Reap, as massagens. Escolhemos a de corpo inteiro durante 30 min por 2,5 dólares. Minha massagista foi ótima, mas Carol não teve tanta sorte.
       
      Dia 28
       
      Tive que me despedir da galera bacana. Sozinho novamente, fui ao Angkor National Museum de tuk-tuk (1 dólar). A entrada no grande prédio custou 12 dólares, um pouco caro. Lá dentro há uma série de galerias de exposição, focadas nos temas civilização Khmer, religiões, grandes reis Khmer, Angkor Wat, Angkor Thom, vestimentas, etc. Descrições, maquetes, estátuas, quadros e vídeos compõem o arsenal. É interessante como um complemento do que é visto nos templos, mas desconsidere a visita se lhe faltar tempo e dinheiro.
       
      À tarde peguei um tuk-tuk ao aeroporto (5 dólares), onde embarquei em seguida ao Laos, com a Vietnam Airlines. O custo do voo foi 135 dólares até Luang Prabang num turbo-hélice.
       
      Ao chegar fiz o visto. O preço varia entre 20 e 42 dólares dependendo do país, e fica pronto rapidinho. No caso do Brasil são 30 dólares + 1 de taxa e, caso não tenha foto, acrescente outro dólar.
       
      Como o táxi até a cidade custava 50 mil kip (19 reais), decidi ir caminhando os 4,5 km até o Downtown Backpackers Hostel. Só não contava com a falta de iluminação na rua, já que o sol havia ido embora.
       
      O albergue fica bem no meio do mercado de comidas de rua, que à noite continua aberto. Sem saber qual o preço normal, paguei 15 mil kip pra encher uma tigela grande de comida variada + 10 mil pra uma carne e 10 mil pra uma cerveja.
       
      A cidade é mais tranquila e limpa do que suas correspondentes da Indochina, e suas atrações estão concentradas numa área suficientemente pequena para ser percorrida a pé.
       
      Fiquei conversando um pouco com Liam, um japa de Singapura da hospedagem, e depois fui dormir no quarto refrigerado.
       
      Dia 29
       
      Tomei um café da manhã reforçado e fui ao jardim botânico Pha Tad Ke, o primeiro do Laos. Como fica do outro lado do Rio Mekong, é necessário pegar um barco (incluso no ingresso). Esse, por sinal, é caro para os padrões do Sudeste Asiático, além do jardim ter apenas alguns meses de funcionamento e não estar completo. Ainda assim, achei bastante interessante. O paisagismo, a quantidade de informações e de espécies é suficientemente boa, e ainda inclui atividades como aula de artesanato com palmeiras, degustação de chás e caminhada até uma caverna de calcário.
       

       
      Apesar de ser recomendado com guia, escolhi fazer a caminhada sozinho, já que o trajeto é sinalizado e acessível. Só é um pouco cansativo pela subidas e descidas constantes. A caverna simples possui uns cristais de calcita e contém uma estátua de Buda dentro. No caminho vi apenas aves, lagartos e borboletas.
       
      Na volta do jardim passei num restaurante aleatório e provei da culinária do Laos: 15 mil kip no khao soy, uma sopa de miojo com pedaços de carne de porco e uma tigela de vegetais verde-folhosos.
       
      À tarde tomei um susto grande quando percebi que meu cartão de crédito não estava na carteira; provavelmente havia esquecido na máquina de sacar dinheiro do aeroporto! Fui correndo pra lá e tive a felicidade de eles o terem guardado!
       
      Caminhei em seguida pelas margens do Rio Mekong e o Old French Quarter, que fica entre. Essa porção apresenta arquitetura colonial francesa, além de vários templos budistas, restaurantes, hotéis, lojas e agências de turismo. A maioria dos templos da cidade são pagos, ainda que em valores simbólicos.
       

       
      No meio da rua abundam barraquinhas de suco natural e algumas de crepe a 10 mil kip - o de Nutella com banana é uma delícia!
       
      Com o pôr do sol chegando, subi a Phousi Mountain, morro cravado bem no centro de Luang Prabang, que inclui um santuário religioso e a melhor vista da cidade em todas as direções e principalmente para o pôr, hora em que os turistas se aglomeram em busca do melhor posto. Custa 20 mil kip o ingresso.
       

       
      Para o jantar, descobri um local ainda mais barato, mas ainda assim saboroso. Por apenas 10 mil kip (4 reais!) você pode encher um prato escolhendo vários tipos diferentes de comidas vegetarianas, incluso cogumelos. Fica num beco bem no meio do Night Market, mercado montado a partir do fim do dia na Sisavangvong Road.
       

      Dia 30
       
      Ao sair do albergue, dei de cara com o mercado matutino e suas carnes expostas às moscas. Fui ao museu nacional, localizado dentro do Royal Palace. A entrada vale 30 mil kip. O museu nada mais é do que os aposentos da família real, incluindo as mobílias e artefatos. Uma hora é mais que suficiente pra ver tudo.
       
      No terreno do palácio também ficam outros prédios, inclusive o templo que guarda a estátua de Buda mais sagrada do Laos, que deu nome ao município.
       
      De lá, fui a outro museu, o Traditional Arts and Ethnology Centre. Custa 25 mil kip, e é uma pequena antiga construção francesa, que atualmente comporta informações, vestimentas e objetos das diversas etnias do Laos. Aqui também não é necessário mais que uma hora para a visita.
       
      Almocei em algum lugar no meio do caminho e em seguida fui ao último museu, o UXO Visitor’s Center, situado ao lado da praça do monumento do ex-presidente Souphanouvong. Aqui fiquei outra hora.
       
      O centro de visitantes é gratuito, mostrando de forma didática através de filmes, pôsteres e artefatos reais a tragédia causada pelas milhões de bombas lançadas principalmente pelos EUA durante a Guerra do Vietnã, apesar do Laos ser um país neutro. Isso fez com que seja a nação mais bombeada do mundo e ainda hoje tenha quase uma fatalidade por dia devido ao armamento não desarmado que continua no solo, impedindo um dos países mais pobres da Ásia de se desenvolver. A UXO LAO, detentora desse museu, é a organização que atua na educação, identificação, remoção e detonação dos explosivos, principalmente bombas de fragmentos.
       

       
      Continuei a caminhada pela cidade sob “agradáveis” 35 graus, fechando numa agência um passeio com elefantes e cachoeiras para o dia seguinte por 30 dólares. Foi a única vez que consegui usar cartão de crédito para pagar algo no país.
       
      Depois disso jantei e fui com o singapurense Liam ao bar Utopia, o preferido dos mochileiros. Havia bastante gente lá interagindo em um ambiente agradável, com música boa e cerveja, à beira do rio.
       

      Por lei o local tem que ser fechado quando está em seu melhor momento, às 23:30h. De lá, a galera vai em peso pro boliche (Bowling Alley), aparentemente o único lugar que fica aberto depois dessa hora. Nessa fuga em massa foi a primeira vez que vi os exageradamente grandes tuk-tuks de Luang Prabang ficarem cheios. Como tinha que acordar cedo, acabei indo embora.
       
      Dia 31
       
      Às 8 e meia parti com a Treasure Travel para o Luang Prabang Elephant Camp, um dos sítios com elefantes, onde alimentei, passeei e banhei os bichões de pele dura. O triste é que eles ficam acorrentados boa parte do tempo. Uma vez conhecida como a terra dos milhões de elefantes, Laos perdeu quase todos durante os bombardeios das guerras recentes, quando estes fugiram para a Tailândia, ou morreram. A maior parte dos restantes está em campos como esse.
       

       
      Continuando, fomos até a Kuang Si Falls, um dos principais atrativos de Luang Prabang.
       
      Há alguns restaurantes no lado da portaria do parque, onde almoçamos. Um prato padrão custa 30 mil kip.
       
      Kuang Si é uma série de quedas d'água e piscinas turquesas naturais de calcário. A água geladíssima ao menos refresca o calor infernal fora das sombras. Dentro do parque fica também um centro de resgate de ursos-lua, o relativamente pequeno urso negro asiático, ameaçado devido a extração de sua bile para fins medicinais.
       

       
      Pelas 15h já estávamos de volta, mas não fiz nada de diferente no resto do dia quente.
       
      Dia 32
       
      Peguei um tuk-tuk até o aeroporto por 35 mil kip. Meu voo seguinte pela AirAsia saiu às 10 e meia da noite rumo a Osaka, no Japão. No entanto, precisei fazer uma conexão interminável em Kuala Lumpur até a noite. Aproveitei para botar a leitura em dia, lendo o livro Vagabonding.
       
      Continua em filipinas-mianmar-vietna-camboja-laos-japao-e-coreia-do-sul-50-dias-em-marco-abril-de-2017-parte-2-2-t143952.html
       
      Curtiram? Então não deixem de conferir outros relatos mais detalhados no meu blog: http://rediscoveringtheworld.com
       
       
       
  • Seja [email protected] ao Mochileiros.com

    Faça parte da maior comunidade de mochileiros e viajantes independentes do Brasil! O cadastro é fácil e rápido! 😉 

×