Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

crysthyna

Eurotrip Econômica de 28 dias: Paris/Londres/Bruxelas/Amsterdam/Fussen/Hallstatt/Itália/Grécia/Lugano e Lisboa (Relato + Fotos + Gastos) - Junho/2018

Posts Recomendados



Em 09/10/2018 em 00:51, Karen Marcelli disse:

Nossa, que demais! 

Me adiciona! Quero viajar que nem vc!

Hahaha!

Que bom que esta curtindo o relato, estou tentando passar todas as dicas e claro que vc pode viajar assim! ;)

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi Cris, parabéns elo relato tão rico de detalhes, isso faz a diferença!!

Você trocou real por euro onde? Você levou tudo em espécie?

Os Hostels você reservou algum ou foi todos na hora ?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

47 minutos atrás, Talita Peixoto disse:

Oi Cris, parabéns elo relato tão rico de detalhes, isso faz a diferença!!

Você trocou real por euro onde? Você levou tudo em espécie?

Os Hostels você reservou algum ou foi todos na hora ?

Olá Talita, td bom? 

Então, todos hostels eu reservei antecipadamente e com isso consegui bons preços. Eu sempre focava mais na localização, pois acho essencial pra economizar com transporte. 

O dinheiro troquei em uma casa de câmbio aqui do Rio mesmo, mas troquei 2x e acho legal vc ir trocando aos poucos pra não perder muito. Muita gente falou que não era bom levar tudo em espécie, mas levei e usei doleira que comprei pelo mercado livre, da deuter, usava ela o tempo todo e levava o passaporte, cartões e dinheiro pois pra mim deixar no hostel era arriscado. Foi bem tranquilo, doleira te dá segurança e apesar de ver muitos golpes por lá, com a gente não aconteceu nada (amém) rsrs... esteja sempre ligada em tudo!

Que bom que esta gostando do relato. Qualquer dúvida só falar!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Opa, encontrei alguém como eu!!!

Sempre começo a planejar/monitorar preços com bastante antecedência.

E foco as experiências culturais, e não conforto de hospedagem e/ou ficar comendo.

Ainda não li todo o post, mas percebi que me ajudará bastante na minha próxima viagem à Europa!

muito tri!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Ismael Guimarães
      Olá mochileiros!
      Venho novamente trazer outra contribuição ao fórum, pois foi justamente aqui que consegui todas as dicas da minha viagem para Florença.
      Começo o relato da minha passagem por Florença com um desabafo: o arrependimento que eu amargo de ter reservado apenas 1 dia para essa cidade incrivelmente fofa, daquelas que dá vontade de colocar em um potinho e levar pra casa!
      Mas isso só me deixou uma certeza: a de que eu ainda voltarei com mais calma para apreciar a bela Firenze!
      Florença é o berço do Renascimento e a capital da região da Toscana. Considerada como o centro de início do humanismo europeu, a cidade é parada obrigatória para quem é amante da arte. Então tenha em mente que a cidade respira arte!
      Apenas para ilustrar o seu potencial, a cidade é a terra natal de grandes personalidades italianas, tais como Michelangelo, Leonardo da Vinci, Dante Alighieri, Nicolau Maquiavel e ninguém menos que Galileu Galilei.
      Embora a cidade mantenha essa atmosfera nostálgica, atualmente é bastante agitada, com boa comida, vinho fantástico, mercado de moda mundialmente conhecido e uma energia descontraída. E apesar de ser uma cidade pequena, há muito o que ver e fazer!
      O transporte público de Florença é bastante eficiente, mas vai por mim: você não precisará de meios de transporte para se locomover, pois o centro histórico é compacto e completamente acessível. Então só precisará de sapatos confortáveis, garrafinha de água e bastante apetite.
      Chegamos a Florença pela estação central de trens (Firenze Santa Maria Novella), em uma viagem que partiu de Roma e durou cerca de 1 hora e 20 minutos. Em outro post detalharei como é viajar de trens rápidos pela Itália. A estação não fica necessariamente no centro histórico ou ao lado do Duomo, mas fica distante cerca de 1 km que dá para ir caminhando tranquilamente.
      E Florença segue o mesmo padrão de hospedagem cara que observamos pela Itália. Ficamos hospedados praticamente ao lado do Duomo, em uma espécie de pensão chamada Prestigia Rooms (instalada em alguns andares de um prédio histórico), que reservamos pelo Booking. A hospedagem parece ter sido reformada recentemente, então a estrutura estava impecável e a anfitriã era bastante solícita (e falante!). Realizo o check-in, era hora de sair para explorar a cidade, pois tínhamos pouco tempo.
      Começamos, logicamente, pela praça central onde está localizada a igreja símbolo da cidade, que é a Catedral de Santa Maria del Fiore, conhecida como Duomo de Florença. Como no centro histórico não podem ser construídos prédios muito altos, a cúpula vermelha da catedral se destaca e pode ser avistada de diversos lugares da cidade. 
      O Duomo é uma das obras-primas da arquitetura gótica e tem capacidade para acomodar até 30 mil pessoas! Esse tamanho lhe garante a 5ª posição no ranking de maiores igrejas do mundo. A fachada da catedral é revestida em mármore de cor rosa, verde e branco, o que é a sua marca distintiva.
      Contudo, a inspiração gótica da igreja resulta em um interior bastante sóbrio, bem diferente de todo aquele ouro e esculturas que encontramos nas igrejas de Roma. Mas a famosa cúpula não deixa a desejar: nela estão lindos afrescos com uma incrível representação do Juízo Final.
      Um dos passeios mais tradicionais é subir até a cúpula da igreja para ter uma visão panorâmica da cidade, mas como o nosso tempo era escasso, e tínhamos outras prioridades, acabamos não subindo.
      Saindo da catedral, fomos caminhando até a Piazza della Repubblica, uma enorme praça fechada apenas para pedestres, que ostenta o imponente Arco da Abundância, além de contar com vários restaurantes e um tradicional carrossel. Durante a noite voltamos nessa praça e fica lotada de turistas e artistas de rua se apresentando.
      Um pouco mais a frente fica o famoso mercado ao ar livre, localizado no Mercato Porcellino, um prédio com bela arquitetura e que vende produtos de couro e souvenires. Os preços não são muito convidativos, mas é perceptível a qualidade dos produtos comercializados no local.
      Então chegou ao momento que seria o ponto alto e principal motivo da visita a Florença: conhecer a Galleria dell'Accademia (Galeria da Academia de Belas Artes de Florença), museu que abriga a estátua original do Davi, de Michelangelo!
      Chegamos na entrada pouco depois das 15h e ficamos pouco tempo na fila de ingressos. Embora a recomendação seja reservar com antecedência, acabamos arriscando, pois tinha ouvido dizer que logo na abertura ou próximo do fechamento é fácil de conseguir chegar e entrar. O ingresso custou € 12 (em 2017), que pode variar a depender de exposições temporárias, e o horário de funcionamento da Galeria é de terça a domingo, das 8h15 às 18h50.
      Começamos a visita pelo Museo degli Strumenti Musicali (Museu de Instrumentos Musicais) que também faz parte da Galeria e abriga uma preciosa coleção antiga de instrumentos datados a partir de 1568. Os instrumentos são apresentados ao lado de pinturas que descrevem cenas da vida musical dos Médici (a famosa família florentina), além de vários computadores que permitem ao visitante ouvir os sons de todos os instrumentos exibidos.
      Mas os instrumentos mais importantes do museu são violinos, violas e violoncelos do inigualável Antonio Stradivari. Seus instrumentos foram objeto de estudos por vários séculos e não houve conclusão sobre o motivo de seus violinos soarem tão bem, tanto que atualmente, por simbologia, a palavra Estradivario tornou-se associada ao nível de excelência de qualidade (apenas para ilustrar a sua importância, um autêntico Stradivari foi leiloado em 2010 pelo valor de 3,6 milhões de dólares!).
      E de acordo coma tradição, você não pode visitar Florença sem ver o Davi, de Michelangelo! A Galeria não é tão grande, mas é engraçado andar sem auxílio de mapa, virar em um corredor e do nada dar de cara com nada menos do que esse símbolo da arte ocidental. É muito emocionante você ver aquela mesma estátua que via nos livros escolares bem ali, na sua frente, em puro mármore e genialidade!
      O atual espaço em que a estátua está instalada foi construído no final do século XIX, mas o mais interessante é saber que o Davi foi mantido em segurança em uma caixa dentro do museu por 9 anos até que a construção fosse concluída. Atualmente, a alcova primou pela absoluta centralidade da estátua, além do banho de luz natural que lhe proporciona.
      Na sua inauguração, a escultura foi instalada em uma praça pública, em frente ao Palazzo Vecchio. Mas só em 1873 a obra foi retirada da praça, por conta do desgaste que estava sofrendo pela ação do tempo, e passou a ser exibida no interior da Galeria.
      Interessante observar que no atual local de exibição há considerável espaço no entorno, de tal forma que mesmo havendo bastante visitantes é possível apreciá-la com tranquilidade, e mesmo dar voltas ao seu redor para observar todos os seus detalhes.
      Depois de apreciar a escultura do Davi, há várias outras salas de visitação. A Galeria também abriga obras dos aprendizes dos grandes mestres, sendo muito interessante notar como algumas peças são estranhas, inacabadas e até mesmo de gosto duvidoso.
      A sala de esculturas em gesso é realmente interessante, pois os aprendizes primeiro trabalhavam em gesso para depois evoluir aos poucos para os materiais mais nobres, tal como o mármore.
      Saímos da Galeria já no fim da tarde e precisávamos acelerar o passo para ver o famoso pôr do sol da cidade, a partir de uma vista privilegiada.
      Passamos pela Ponte Vecchio, um dos pontos turísticos da cidade que atravessa o Rio Arno. Atualmente, a ponte é ocupada por joalherias, que substituíram os açougues do local na sua origem. Contudo, o seu melhor ponto de vista não é partir dela mesma, mas sim da outra ponte localizada a oeste, chamada Ponte alle Grazie.
      Depois de atravessar esta ponte, fizemos uma caminhada até o alto da cidade, para a Piazzale Michelangelo. Chegando na praça é possível entender por que é um dos melhores lugares para se visitar em Florença! A vista é de tirar o fôlego, então por isso é visitada por milhões de pessoas todos os anos, principalmente na hora do pôr do sol.
      Depois descemos da Piazzale Michelangelo para retornar ao centro histórico. Atravessamos o rio e chegamos ao prédio do museu mais famoso de Florença, que é a Galleria degli Uffizi, que infelizmente não consegui visitar durante essa rápida estadia, o que só reforça o meu desejo de voltar para a cidade com mais tempo.
      Fizemos uma parada para comer um panini no festejado All'Antico Vinaio, que é bastante rústico e tem lanche suficiente para duas pessoas custando a partir de € 5. Também há várias opções de taça de vinho, pelos mesmos preços. Na prática, é uma espécie de origem da franquia Subway que observamos em cada esquina: se escolhe um panini e o atendente vai colocando os ingredientes conforme a vontade do cliente.
      Dica: passear durante a noite por Florença é absolutamente incrível! Eu já tenho a paixão de conhecer as cidades durante a noite, então Florença foi um verdadeiro presente nesse aspecto.
      Além de artistas apresentando seus trabalhos em cada espaço disponível, mas sem necessariamente encher a paciência dos turistas, em cada esquina da cidade você se depara com uma obra de arte, seja uma escultura, um prédio ou uma pintura.
      Como estávamos cansados, voltamos ao hotel para tomar um banho e descansar. Mais tarde, saímos para conhecer alguns bares que existem no entorno da catedral e tomamos cerveja em um Pub muito bacana.
      Retornamos ao hotel para dormir, pois o dia seguinte começaria cedo, visto que seriam só mais algumas horas na cidade.
      No dia seguinte, acordamos à 7h30, tomamos café próximo ao hotel e seguimos para a monumental Piazza della Signoria, uma praça localizada em frente ao Palazzo Vecchio, que pode ser considerada um verdadeiro museu a céu aberto!
      Nessa praça há esculturas de diversos períodos, sendo que a parte mais importante fica abrigada em um espaço com arcos abertos para a rua chamado de Loggia dei Lanzi, construída com o objetivo de sediar assembleias e cerimônias públicas. O melhor dessas atrações é que elas estão em praça pública e não exigem ingresso ou atenção a eventuais horários de funcionamento, pois estão lá disponíveis até de madrugada!
      Em seguida, seguimos até a Basílica di Santa Croce, também conhecida como o Templo das Glórias Italianas. A igreja ganhou esse apelido porque é o local de sepultamento de alguns moradores ilustres da cidade, como Michelangelo, Galileu e Maquiavel. Em frente da igreja, há uma estátua do grande poeta Dante Alighieri.
      Dentro da igreja, as paredes e janelas são decoradas com afrescos que representam a história de São Francisco, aja vista que se trata de uma igreja franciscana. O famoso artista Donatello contribuiu com a elaboração do Crucifixo e a Anunciação.
      Mas os itens que mais chamam atenção dos turistas são os túmulos de grandes personalidades italianas. O túmulo de Michelangelo é ladeado por três figuras alegóricas que representam a escultura, pintura e arquitetura, além de um busto que retrata fielmente o artista, pois foi retirado da máscara fúnebre.
      No mesmo ano em que Michelangelo morreu, nascia outro gênio italiano, mas de outra área: Galileu Galilei, que por defender a ideia de que a Terra girava em torno do Sol, e não o contrário, foi condenado pela Inquisição. Mas curiosamente, ao fim e ao cabo, o gênio acabou sendo sepultado dentro de uma igreja católica, e isso porque o último grão-duque dos Médici resolveu dar a ele um túmulo digno, em frente ao túmulo de Michelangelo. Em 1992, o Papa João Paulo II lamentou o tratamento que foi dispensado a Galileu na época.
      E assim encerro o meu roteiro de apenas 1 dias na bela Florença, pois depois que saímos da Basílica de Santa Croce voltamos ao hotel para check-out e embarque de trem para Veneza.
      Então se você gosta de História da Arte, não cometa o mesmo erro que eu de reservar apenas 24 horas nessa cidade, que merece no mínimo 2 dias para ser explorada devidamente.
      Mais fotografias e outros detalhes podem ser conferidos no post que eu fiz no seguinte endereço: http://viajandosozinho.com/2020/07/02/roteiro-1-dia-florenca-toscana/
       
      Espero que seja bastante útil para quem planeja conhecer Florença (e desculpem eu não saber incluir imagens no meio do texto, parece que vai ficar tudo no final).
       
       
       
       
      Eurotrip 2017 122.jpg">
      Eurotrip 2017 128.jpg">
      Eurotrip 2017 149.jpg">
      Eurotrip 2017 138.jpg">
      Eurotrip 2017 215.jpg">
      Eurotrip 2017 309.jpg">
      Eurotrip 2017 332.jpg">
      Eurotrip 2017 019.jpg">
      Eurotrip 2017 046.jpg">
    • Por Ismael Guimarães
      Olá mochileiros!
      Venho compartilhar meu relato de viagem de 1 dia em Florença, na Itália. E já afirmo o meu arrependimento de ter reservado apenas 1 dia para essa cidade incrivelmente fofa, daquelas que dá vontade de colocar em um potinho e levar pra casa!
      Espero contribuir com quem estiver montando roteiros e por isso postei bastante fotos da cidade e suas atrações, o que pode ser conferido no meu blog: http://viajandosozinho.com/2020/07/02/roteiro-1-dia-florenca-toscana/


    • Por Ismael Guimarães
      Olá mochileiros!
      Venho trazer o meu relato de 6 dias de viagem em Roma e Vaticano, que realizei no ano de 2017. Foi a minha primeira viagem internacional, dentro de uma Eurotrip que planejei inteiramente com dicas aqui desse fórum maravilhoso. E após tanto tempo, venho dar a minha contribuição, pois depois dessa primeira viagem, não parei mais (exceto na data deste post em razão da pandemia do COVID-19).
      Ressalto que reservei 6 dias na cidade em razão de interesse pessoal, por querer explorar cada atração com bastante calma e sem pressa. Mas uma estadia de 4 dias é suficiente para conhecer o mais importante!
      Eu nunca tinha saído do Brasil, nem mesmo para os nossos vizinhos da América Latina. Mas com muita coragem e ansiedade, em 21 de novembro de 2017, às 14h50, lá estava eu no Aeroporto Internacional de Guarulhos embarcando no voo AZ675 da Alitalia, com destino a Roma.
      Desembarcamos no Aeroporto Fiumicino (Leonardo da Vinci) às 07h15 do dia seguinte, em um voo que foi muito confortável e engraçado (nas poltronas ao redor da que eu estava sentado tinham várias senhoras viajando em uma excursão, que eram muito fofas), o que aliviou um pouco a tensão da primeira viagem.
      Mas a tensão voltou com carga total no momento mais temido para quem realiza a primeira viagem internacional: a temida imigração!
      Que nada! Após uma fila de uns 10 minutos, cheguei no oficial de imigração que misturando inglês e italiano perguntou para onde eu iria, quantos dias ficaria na Itália e pediu apenas para ver o bilhete aéreo de retorno. Passaporte devidamente carimbado, seguido de um “Benvenuto in Itália!” e eu não acreditava: estava em Roma começando a realização de um sonho!
      O Aeroporto de Roma que recebe voos de longa distância fica bem longe do centro da cidade, exigindo deslocamento de mais de 40 km. Optei por embarcar em ônibus executivo, que custou € 5,90 e me deixou na estação central de trem Roma Termini, localizada na região em que fica a maioria dos hotéis.
      Nesse ponto, faço um alerta: a hospedagem em Roma é bastante cara, mesmo para os padrões europeus!
      No meu planejamento, optei por me hospedar no quarto privado de um hostel, que fica localizado a cerca de 800 metros da estação central Roma Termini e bem perto da Estação Cavour do metrô, chamado New Generation Hostel Santa Maria Maggiore. Além de ter sido um estabelecimento reformado recentemente, este hostel tinha na recepção o famoso Giuseppe, um senhor extremamente simpático que morou vários anos no Brasil e que dominava a língua portuguesa.
      Além disso, esse hostel também fica bem próximo do Coliseu, a uma caminhada de uns 10 minutos apenas. Então vale muito a pena!
      Roma é um verdadeiro museu a céu aberto e isso não é clichê! Em cada esquina, praça ou viela você se depara com vestígios da era imperial. Além disso, as atrações são próximas umas das outras, além de o transporte público ser bastante eficiente.
      Por isso a melhor forma de conhecer Roma é andando a pé, principalmente por ser uma cidade plana. Imagina ficar se deslocando de metrô dentro de um túnel subterrâneo enquanto acima tem esse verdadeiro museu a céu aberto? Na minha estadia na cidade eu utilizei o metrô apenas para ir até o Vaticano, que fica mais distante da região central.
      O metrô de Roma é excelente, com frequência de 3 a 5 minutos e quase sempre não estavam cheios. Para comprar os tickets, existem várias opções: máquinas automáticas, guichês ou tabacarias (aliás, outra observação: os italianos fumam muuuuuuuito!). Eu recomendo comprar nas máquinas, que além de ser mais rápido, não têm muito segredo: seleciona o seu ticket, insere as moedas e abaixo cai o ticket (e eventual troco). Existem alguns tipos de bilhetes: unitário, diário, 3 dias, semanal, mensal e anual, mas nas vezes em que utilizei acabei optando pelo ticket unitário, que custava € 1,50 o trecho e era válido por 100 minutos. Diferente de outras cidades europeias, no metrô de Roma você precisa inserir o bilhete na catraca para liberá-la, devendo guardar o bilhete até o final da viagem, porque para sair precisa inseri-lo novamente na catraca.
      Dica: para evitar constantes deslocamentos pela cidade e perca de tempo, é importante que no seu roteiro você coloque atrações próximas umas das outras, para que possa se deslocar caminhando. Então, por exemplo, se no primeiro dia de viagem você colocar Coliseu e depois Vaticano, terá que usar transporte e atravessar toda a cidade para chegar de um lugar ao outro.
      Por fim, alerto que Roma é uma cidade extremamente quente, parece que não venta naquele lugar! Realizei essa viagem no mês de setembro, que é início do outono na Europa. Mas na Itália estava um calor danado, um sol para cada um, como diz o ditado.
      Então uma dica essencial: para passear por Roma em dias quentes é fundamental levar consigo óculos de sol, protetor solar e uma garrafinha de água!
      Há um diferencial muito bacana em Roma, que são as fontes espalhadas pela cidade com água potável. Então basta levar sua garrafinha e ir enchendo nas fontes conforme a necessidade, pois por incrível que pareça a água é límpida. Você irá presenciar várias pessoas fazendo isso pela cidade.
       
      Dia 1 - Basílica de Santa Maria Maggiore, Fontana di Trevi, Panteão, Templo de Adriano, Praça Navona
      Após realizar o check-in no hostel e tomar um banho, já era hora de sair para começar a explorar a cidade. Como iria sair por volta das 14h30, decidi colocar no roteiro os locais mais próximos do hostel porque sabia que retornaria bem tarde, pois eu AMO conhecer as cidades durante a noite!
      Saindo do hostel fomos para a Basílica de Santa Maria Maggiore, que é uma das quatro grandes basílicas da cidade (também chamadas de Igrejas Patriarcais). Construída no século V, essa igreja mistura os estilos renascentista e barroco. No seu interior, a basílica conta com lindos mosaicos, o arco central e o chão em cosmatesco, além do seu teto incrível projetado por Giuliano San Gallo em caixotes de madeira dourada. Além disso, na Basílica de Santa Maria Maggiore que foi realizado o funeral e está enterrado o famoso escultor Gian Lorenzo Bernini, ou simplesmente Bernini.
      Saindo da igreja, caminhamos até a Fontana di Trevi. Uma visita a Roma não seria completa sem conhecer a sua fonte mais majestosa. Mas não vá achando que é só chegar na Fontana, se acomodar e tirar boas fotos a partir de vários ângulos. Nada disso! O entorno da fonte é abarrotado de gente a maior parte do dia, além dos guardinhas que ficam apitando para quem senta nas beiradas da fonte, o que é proibido.
      Conseguir um bom ângulo para fotos exige paciência, sem esquecer-se de jogar a moeda na fonte para que possa retornar a Roma (e a segunda moeda traz o amor eterno, dizem). Ficamos na Fontana até o fim da tarde, pois aproveitamos para comer pizza no local.
      Já de noite, fomos até o Panteão. Para quem não sabe, o Panteão romano também é uma igreja católica, embora tenha sido construído para ser um templo dedicado aos deuses romanos. Como era de noite, estava fechado, mas pudemos apreciar o seu lado externo e a bela Piazza della Rotonda que fica em frente. Voltaria durante o dia para visitar o seu interior.
      Caminhamos uns 5 minutos e chegamos ao Templo de Adriano, construído no ano 138 e que atualmente ostenta a sua fachada com 11 das 38 colunas originais. Nas colunas ainda é possível observar os orifícios de fixação do revestimento em mármore que ornava a estrutura original.
      Por fim, caminhamos até a famosa Praça Navona, que é bastante movimentada de noite. Visitar as suas incríveis fontes durante a noite realça a sua beleza, principalmente a Fonte dos Quatro Rios. A “Fontana dei Quattro Fiumi” foi esculpida em estilo barroco por Bernini e representa os rios mais importantes daquela época: Nilo (com a cabeça coberta por um tecido), Danúbio (com os braços para cima), Ganges (com o remo) e Rio da Prata (com a moringa).
      Retornamos ao hostel, comemos pizza novamente no trajeto e precisávamos descansar porque o dia seguinte seria bastante corrido.
       
      Dia 2 - Igreja de San Pietro in Vincoli, Coliseu, Arco de Constantino, Foro Romano, Prisão Mamertina e Monumento a Vittorio Emanuele II
      O segundo dia em Roma começou bem cedo. Levantamos às 07h30, tomamos o café da manhã em uma cafeteria próxima ao hostel e arrumamos a mochila pra sair, porque o dia seria bem longo.
      Caminhando em direção ao Coliseu passamos na Igreja de San Pietro in Vincoli (São Pedro Acorrentado), que fica a poucos metros de distância da estação Cavour do metrô. Essa igreja tem uma fachada bem discreta, que mal parece ter uma basílica no local. O seu teto, do século XVIII, é decorado com um afresco chamado Milagre das Correntes. Mas por que será esse nome? O interior dessa igreja guarda duas grandes surpresas: a intenção de visitá-la era conhecer o famoso Moisés de Michelangelo, que é a estátua que decora o túmulo de um Papa. Mas para minha surpresa no seu interior também estão as supostas correntes que prenderam o Apóstolo Pedro em Jerusalém e em Roma.
      Mas a grande atração dessa igreja é o Moisés esculpido por Michelangelo, considerado como uma das obras-primas do artista. Michelangelo trabalhou nessa obra entre os anos de 1513 e 1515, para abrigar o túmulo do Papa Júlio II. A obra foi idealizada pelo artista para ter efeitos mais claros ou escuros ao longo do dia, a depender da iluminação natural que entrava na igreja e destacava os seus efeitos de profundidade, coisa de gênio! O dito popular em Roma diz que o próprio Michelangelo ao terminar a obra ficou tão impressionado com a sua perfeição que teria batido o martelo nela e falado “parla Moisés”!
      Essa igreja tem a entrada gratuita, e de abril a setembro funciona das 8h às 12h30 e das 15h às 19h, enquanto de outubro a março permanece aberta das 8h às 12h30 e das 15h às 18h.
      Deixamos essa igreja incrível e seguimos em direção ao grandioso Coliseu! Talvez não seja exagero dizer que o Coliseu é o maior símbolo do país, pois é o primeiro monumento que vem à cabeça quando pensamos em Itália. Por esta razão que nenhuma visita a Roma será completa sem se conhecer o Coliseu, que é parada obrigatória para os turistas. Além disso, é um dos monumentos mais bem conservados da cidade.
      Não dá pra descrever aqui toda a importância história do Coliseu, senão o post ficaria enorme. Mas ir caminhando pela rua e de repente dar de cara com essa imensa construção histórica é uma sensação surreal! Sem contar a sua altura, pois é muito mais alto do que eu imaginava pelas fotos. A imaginação vai longe recriando todos os jogos que aconteceram naquele lugar, aja vista que até batalha naval e animais selvagens eram levados para o seu interior (por mais que seja uma memória da barbárie humana, pois o público se deliciava em assistir pessoas se digladiando, literalmente, não ofusca a grandeza que foi o Império Romano no seu auge). Dentro do Coliseu existe um pequeno museu com itens históricos encontrados nas suas obras de conservação, maquetes, vídeos e fotografias. Separe, no mínimo, 1 hora e meia de visita só para o Coliseu.
      Dica: gente, essa dica é praticamente obrigatória! O Coliseu certamente deve ser a atração mais visitada em Roma, e por isso tem filas gigantescas, que demoram horas! Imagina ficar plantado numa fila, queimando no sol e perdendo seu precioso tempo de férias? Então ainda no Brasil, entre no site oficial da Sociedade Cooperativa de Cultura e compre seu ingresso online, leve impresso (eles tem app, mas sempre é bom levar uma segunda alternativa para imprevistos), vá direto para as catracas que leem o seu QR Code e pronto, estará dentro do Coliseu.
      E o melhor de tudo: esse ingresso é valido tanto para o Coliseu quanto para o Foro Romano e Palatino! Tendo em vista que o Foro Romano fica em frente ao Coliseu e a visita provavelmente incluirá ambos no mesmo dia, essa modalidade de ingresso é perfeita. Mas também vale lembrar que no primeiro domingo do mês o acesso ao Coliseu é gratuito, o que pode gerar filas inevitáveis.
      Em 2017, eu paguei o valor de € 14 e o ticket era válido por 2 dias, para uma entrada no Coliseu e uma entrada no Foro Romano. Na data deste post, consultando o site oficial percebi que houve uma alteração na política de acesso, que agora é de 24 horas para acessar o Coliseu e o Foro Romano, pelo valor de € 16. Mas também percebi outra novidade: um ticket reduzido para acesso apenas de tarde, a partir das 14h até o horário de fechamento, pelo valor de € 9,50, o que vale muito a pena!
      Em frente ao Coliseu está o Arco de Constantino, que foi construído no ano de 315, três anos após a vitória de Constantino sobre o imperador Maxêncio, conquista que fez extinguir o regime de quatro governantes imperiais, passando Constantino a governar os vastos territórios romanos como único imperador.
      Aproveitamos um pouco de sombra em frente do Coliseu e sentamos em uma pequena área verde para descansar, tomar água e comprar algo para comer. Renovado o protetor solar, seguimos para o Foro Romano e Palatino.
      Usamos o mesmo ingresso do Coliseu. Havia uma pequena fila, mais por conta dos procedimentos de segurança (há máquinas de raio-x praticamente em todas as atrações turísticas, então é bom evitar equipamentos metálicos nas mochilas). E se prepare: uma visita bem feita ao Foro Romano demora cerca de 3 horas!
      O Foro Romano era o centro de poder do Império Romano. Nas ruínas que hoje encontramos estão os vestígios de uma poderosa civilização que influenciou o mundo ocidental. No local estavam instalados o Fórum de César, de Augusto e de Trajano, conhecidos em seu conjunto como “Fori Imperiali”, o Templo de Vênus, a Basílica de Maxêncio, dentre várias outras importantes instalações.
      Logo na saída do Foro Romano, em um prédio bem discreto que até tive certa dificuldade em localizar pelo GPS, está a denominada Prisão Mamertina. Segundo a tradição, foi nesse local que os Apóstolos Pedro e Paulo ficaram presos durante 9 meses, oportunidade na qual Pedro conseguiu converter seus carcereiros ao Cristianismo. É um lugar muito emocionante de se conhecer e que impõe reflexão, principalmente porque a visita relembra os tempos de perseguição romana aos cristãos.
      As instalações são bastante conservadas e antes da prisão em si, que fica no subterrâneo, há um pequeno museu no início da visita. A entrada não está incluída no ticket do Foro Romano, devendo ser comprado outro ticket exclusivo para a prisão, que em 2017 eu paguei € 10. A visita não demora mais do que 30 minutos, porque o espaço é pequeno. O horário de funcionamento é de segunda a domingo, das 8h30 às 16h30.
      Já partindo para o final da tarde, seguimos andando até o grandioso Monumento a Vittorio Emanuele II, outra instalação clássica quando nos lembramos de Roma e que também é conhecida como Altar da Pátria. Localizado na Praça Veneza, precisa tomar muito cuidado ao atravessar as ruas porque o trânsito é bastante confuso, típico dos italianos.
      Esse imponente monumento foi construído em 1878 em homenagem a Vittorio Emanuelle II, o primeiro rei da Itália. A sua estrutura é linda, com uma grande escadaria e estátuas enormes, dentre elas a estátua equestre em comemoração aos 50 anos de unificação da Itália. Há um museu no local, mas não entramos porque já estávamos cansados depois de enfrentar o Foro Romano embaixo de sol quente.
      Voltamos ao hostel para tomar um merecido banho, descansar e de noite sair para jantar e conhecer a noite romana. Como o Coliseu era muito próximo do hostel, jantamos por perto e fomos visita-lo de noite. E como era um sábado, havia uma rua bem movimentada próxima ao Coliseu, em que paramos para tomar uma cerveja e conhecer alguns bares.
       
      Pessoal, para não ficar muito longo, encerro aqui essa primeira parte do relato. E pela dificuldade de juntar muitas FOTOS, alerto que todas as fotografias referentes a essas atrações estão no meu blog, no seguinte endereço: http://viajandosozinho.com/2020/06/25/roteiro-6-dias-roma/
      Espero que esse relato ajude aos colegas no planejamento de suas viagens, pois Roma é uma cidade espetacular que respira história!
       

       
       
    • Por lavidaesmara
      Viaja connosco até uma das mais deslumbrantes cidades de Itália. Descobre o que visitar e o que fazer em Veneza em 1 dia:
      https://lavidaesmara.com/2020/06/28/dia-veneza-que-fazer/
    • Por michele.caetano
      Utilizo há anos esse site para pesquisar roteiros de viagens, dicas, custos e, finalmente, venho aqui dar minha contribuição. Trata-se de um relato de uma viagem de um jovem casal apaixonado, em lua de mel, que teve de enfrentar uma cotação de R$ 4,50 a R$ 5,00. Que fase! Com muito planejamento e foco conseguimos fazer uma bela viagem de 23 dias na primavera européia ❤️. 
      Fizemos uma lista virtual de presentes, então boa parte dos passeios que fizemos ganhamos de presente dos nossos queridos amigos e familiares 🥰.
      Roteiro:
      Paris - 5 dias (26/04 - 01/05)
      Praga - 3 dias (01 - 04/05)
      Viena - 2 dias (04 - 06/05)
      Budapeste - 3 dias (06 - 09/05)
      Nápoles - 1 dia (09 - 10/05)
      Sorrento - 2 dias (10 - 12/05)
      Ilha de Capri - 1 dia (12 - 13/05)
      Maiori - 1 dia (13 - 14/05)
      Roma - 5 dias (14 - 19/05)
      Primeira dica: Sempre que pensar no número de dias que quer ficar num lugar acrescente mais 1, porque o dia que você chega e sai da cidade fica bastante comprometido com os deslocamentos. E às vezes algum imprevisto também pode "atrasar" seu roteiro, como um dia inteiro de chuva no dia que tinha planejado várias coisas ao ar livre. Nesse roteiro recomendaria acrescentar pelo menos mais 1 dia em Paris, Praga e Budapeste. E mais 1 em Capri se você estiver com dinheiro sobrando ou pegar um câmbio melhor, rs. 
      Segunda dica: A primavera européia nada tem a ver com a nossa! Pegamos bastante frio, especialmente em Paris e no Leste Europeu. Importante colocar na mala uma blusa e calça térmicas e um casaco mais quentinho. Nesse lugares eu saía normalmente com uma camisa de manga curta, blusa térmica (manga comprida), uma blusa mais grossa de manga comprida, casaco e cachecol. Ah, e calça térmica por baixo da calça jeans.
      Paris
      Hospedagem: Ficamos num apartamento ótimo em Montmartre pelo Airbnb, bem equipado, com uma vista incrível da Torre Eiffel e metrô em frente (estação Pigalle). Única ressalva é pro banheiro que era beeem petite. Mas pra gente isso não incomodou. Foi um bom custo-benefício.
      Apesar de ouvir muita gente dizer que este é um bairro mais perigoso em Paris, tenho que discordar. Havia bastante movimento na rua até tarde, bem iluminado, farto comércio e restaurantes na região. Nos sentimos super seguros lá, inclusive à noite. Adorei! Valor da diária c/ taxas: € 114 (casal).
      Link: https://www.airbnb.com.br/rooms/882192?guests=1&adults=1&sl_alternate_dates_exclusion=true&source_impression_id=p3_1559085549_zGi%2BIA2ncnTDvdEE&check_in=&check_out=&children=0&infants=0
       
      Saindo do aeroporto Charles de Gaulle: Pegamos um trem (€ 10,30 p/ pessoa) até a estação Gare du Nord e de lá pegamos o metrô até a estação Pigalle.
      Transporte: Compramos o combo de 10 tickets de metrô por R$ 14,90. Vale a pena porque paga mais barato no valor unitário da passagem. No total compramos 30 tickets para os 5 dias.
       
      Gastos casal - 5 dias:
      Hospedagem: €572
      Alimentação: €425 - média de €85/dia (contando mercado, restaurante, lanches etc)
      Atrações turísticas: €233 - média de €47/dia
      Transporte: €147 - média de €30/dia
      Paris é uma cidade bem cara. A gente comia no máximo 1 vez por dia em restaurante, almoço ou janta, e ainda assim gastamos bastante com alimentação. Pra economizar, vale a pena ir ao mercado caso tenha cozinha no seu ap. Queijos e vinhos são uma boa pedida. Compramos um ótimo vinho por menos de €5!
       
      Dia 1
      Chegamos antes do horário de check-in. Então, deixamos as malas no apartamento e fomos explorar as principais atrações do bairro:
      Muro Je t'aime, Sacré-Coeur e Place du Tertre
      Muro J t'aime

      Sacre Croeur

      Vista da Sacre Croeur
      Almoço: Na verdade foi um lanche. Comemos baguetes num quiosque que tinha no caminho pra Sacre Croeur: 2 baguetes e 1 coca - €12,30
      Seguimos para o Trocadero pra aproveitar que o dia ainda estava claro e bonito e ver a torre mais de pertinho. Lá comemos nosso primeiro crepe de rua parisiense (eu amo!) - €3,50 cada. Depois de curtirmos um pouco, caminhamos beirando o rio Sena e fomos até a Champs-Élysées e o Arco do Triunfo. Depois dessa bela caminhada voltamos pro ap pra tomar um  banho quentinho e sairmos para o nosso primeiro jantar romântico da viagem.

      Tracadero

      Trocadero

      Champs-Élysées


      Arco do Triunfo
       
      Jantar romântico (um dos presentes de casamento): Restaurante Bouillon pigalle - foi um achado porque jantar em Paris sem gastar uma fortuna é uma missão difícil e o restaurante ficava praticamente do lado do nosso apartamento. 2 entradas, 2 pratos principais, 1 sobremesa e uma jarra de vinho da casa saíram por 50 euros, incluindo uma pequena gorjeta. E não é um menu não, você escolhe seus pratos individualmente. Foi um ótimo custo-benefício! Recomendo a sopa de cebola de entrada e o profiterole de sobremesa. Os pratos principais estavam bons, mas nada que chamasse a atenção. Os parisienses também curtem o local, então é bom chegar cedo porque já começa a ter fila antes das 20h e eles não fazem reserva. 
      E pra finalizar uma foto da sacada do nosso apartamento com uma bela vista da Torre Eiffel. Era incrível acordar e dormir com essa vista!

       
       
       


×
×
  • Criar Novo...