Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

Boa noite! Busco informações para começar minha viagem de carona, saindo de São Paulo para a Argentina. Onde é melhor para conseguir carona com caminhão?  

Agradeço e deixo um abraço para todos! 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá Marcela, boa tarde.

Então, você já conseguiu suas caronas? se sim, conta pra gente como foi, onde foi e onde estás hoje.

Desde já agradeço pela sua atenção.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 09/12/2018 em 22:41, Marcela Carnier disse:

Boa noite! Busco informações para começar minha viagem de carona, saindo de São Paulo para a Argentina. Onde é melhor para conseguir carona com caminhão?  

Agradeço e deixo um abraço para todos! 

Bem...a maior parte dos produtos transportados entre SP e a região sul passa obrigatoriamente pela Rodovia Régis Bittencourt...Como o Rodoanel neste trecho já está pronto grande parte do tráfego de caminhões entra nessa rodovia a partir de lá, então eu escolheria o primeiro posto com boa infraestrutura, na Régis, logo após o Rodoanel, sentido Curitiba, o que seria o Posto Rodoanel Sul (https://goo.gl/maps/PDGqCMxiiwq)

PS: Queria poder fazer algo assim também um dia. Boa Sorte.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por gmussiluz
      ORGANIZAÇÃO/PLANEJAMENTO
      Moro em Salvador e, de férias regulares, não poderia ter melhor oportunidade para realizar essa trip. Não lembro exatamente quando pensei nesse trecho, mas já estava planejando havia um bom tempo e queria fazer pelo menos o trecho de Itacaré a Barra Grande, que não finalizei da primeira vez (https://www.mochileiros.com/topic/58177-itacaré-algodões-a-pé/). Quando defini qual seria o trecho, revisava o planejamento com frequência pra ter certeza de que nenhum ponto estava passando em branco.
      Inicialmente, o planejamento era de sair de Itacaré e ir até Morro de São Paulo, passando o réveillon em Moreré, que acabou sendo o destino final por causa de imprevisto (no dia 1 em Moreré, senti uma dor muito forte no tendão que se estendeu por alguns dias e mal conseguia andar. Não seria prudente continuar a travessia nessa condição).
      Voltei do natal no Rio e chegando em Salvador só troquei de mochila e segui para o ferry boat para iniciar a viagem. Digo iniciar a viagem, porque ainda na travessia do ferry boat encontrei um amigo e comentei sobre estar ansioso para a travessia, quando ele me falou "nem precisa, já está acontecendo", e me dei conta de que realmente eu já estava a caminho, a viagem já tinha começado.
      Estava usando uma mochila cargueira de 40 L com aproximadamente 15 Kg. Como pretendia passar o réveillon em Moreré e sairia de Itacaré no dia 27, teria que andar pelo menos 19Km por dia até o dia 31, pernoitando na praia. 
      Como já disse em outros relatos, é importante lembrar que para caminhada em praia, tem que saber a tábua de marés para os dias planejados, do contrário, por falta de planejamento pode pegar uma maré cheia para caminhar, por exemplo, e terá que ir pela areia fofa, obrigando a parar ou dobrar o esforço de caminhada e, assim, dificultando o percurso.
       
      1º DIA
      Como o ônibus de Bom Despacho (ferry boat) para Itacaré demora, cheguei em Itacaré já umas 15h, e acabei saindo tarde de lá. Não tinha mais nada pra fazer e saí da rodoviária já em direção à orla pra fazer a travessia de barco. Chegando lá, tem alguns barqueiros que fazem a travessia do Rio de Contas para a praia do Pontal por 5 reais. Cheguei do outro lado e só precisei me arrumar e iniciar a caminhada, que foi aproximadamente às 15h30. A praia do Pontal é pouco frequentada, e só tinha um grupo de umas 6 pessoas. Daí pra frente, como já esperava, só vi pessoas em frente a Piracanga.

      (travessia do Rio de Contas, Itacaré)
      Chegando em Piracanga, o rio me surpreendeu pelo nível. Tive que tirar a mochila e atravessar antes pra conferir o nível e caminho onde poderia atravessar "tranquilo". Depois de conferir, atravessei com água 5 dedos acima do umbigo, carregando a mochila na cabeça e 3 pessoas me assistindo do outro lado. Como eu queria essa cena registrada! 🤣
      Segui caminhando e parei pra descansar já com tudo escuro e aproximadamente 13 Km caminhados, onde abri a canga, deitei e fiquei deslumbrado com aquele céu inteiro numa praia deserta, tudo só pra mim, contando inúmeros satélites e estrelas cadentes e acabei dando uma cochilada. Acordei recarregado e continuei caminhando, até fechar os 19 Km desse primeiro dia.
      No meio do caminho, dei de cara com um cachorro, que só vi quando estava a uns 3 m de mim, já latindo e vindo em minha direção, era um risco que eu não tinha previsto, mas me saí bem, só acendi a lanterna na cara dele, fui pra beira do mar e virei de costas pra água garantindo que não viria nenhum outro cão surpresa junto com ele, enquanto o afastava com um pedaço de pau (um "cajado") que tinha em mãos. Ele entendeu que eu não era uma ameaça, continuou latindo, mas ficou parado, e fui andando com a lanterna ainda acesa, vendo aqueles olhos caninos brilhantes se distanciando na escuridão
      Parei em um ponto mais pra frente, armei meu acampamento e deitei pra dormir. Fui acordado em algum momento no meio da noite por dois cachorros latindo, que acredito que era o de mais cedo com um outro. Só precisei espantar eles batendo em um pedaço de pau e continuar dormindo.

      Total percorrido: 19,5 Km
       
      2º DIA

      Acordei bem cedo com um nascer do Sol que não assistia havia muito tempo. Contemplei aquele momento por um instante, tirei algumas fotos e voltei a dormir, acordando de novo já perto das 8h. Comi, tomei um banho (de mar, obviamente), arrumei as coisas e segui caminhando. Com cerca de 2 Km, cheguei a Algodões, local onde a quantidade de habitações, pessoas e barracas já chama a atenção, e foi onde passando por um caminhante na praia, ouvi um comentário sobre uma das minhas tatuagens: três diafragmas de lentes fotográficas, o bastante para reunir e dar assunto entre eu, um fotógrafo das horas vagas e amante dessa arte e ele, um estudante de cinema, que me acompanhou por uns 4 Km enquanto conversávamos sobre a minha caminhada, sobre fotografia, cinema, filmes e temas afins. Foi meu primeiro contato e interação em 24 Km, e durante a conversa eu nem vi o tempo e caminho passarem.

      (meu xará, estudante de cinema, com quem troquei algumas ideias)

      Daí pra frente segui caminhando e comecei a ficar atento ao GPS, porque tinha marcado um waypoint na entrada com menor caminho para a lagoa do Cassange, onde já tinha planejado uma parada de descanso com banho doce e talvez almoço. A lagoa é bem bonita, bem rasa (andei mais de 50 m em direção ao meio e a água não chegou nem na cintura), com água quente e cheia de peixinhos que ficaram mordiscando enquanto eu estava de molho. Após o banho, dei uma olhada no cardápio da barraca que fica na beira da lagoa para saber a possibilidade de almoçar ali, e os preços eram bem altos, mas nada surpreendente para Barra Grande em alta estação. Fiz um lanche com o que tinha na mochila, fiquei um bom tempo descansando e segui a caminhada.

      (Lagoa do Cassange)

      Essa parada na lagoa durou quase 2h, deu pra descansar bastante e passar o horário de sol a pino, além de dar o tempo de a maré secar toda, melhorando a área de caminhada na areia.
      Andei até um pouco antes de Taipus de Fora, e abri a canga pra descansar de novo, onde dei mais uma daquela cochilada revigorante e gastei mais um bom tempo observando o visual e o movimento na praia enquanto pensava sobre seguir para dormir mais a frente ou parar por ali, já que já tinha percorrido um total de 40 Km nesse ponto.
      O Sol já estava se pondo, mesmo assim resolvi pegar a mochila e ir andando devagar, mas logo que fiz a curva de Taipus de Fora já parei e fiquei olhando de longe: eram muitas casas, muita gente, festa, barraca...não seria legal dormir por ali, se é que acharia um lugar tranquilo e onde pudesse dormir. Fiquei olhando por uns cinco minutos e vi um casal, aparentemente andarilhos também, me olhando de longe, com mochilas, sentados mais acima da areia e fui falar com eles:
      -Estão vindo de lá de Barra?
      -Sim, estamos indo pra Itacaré
      -Maravilha! Estou vindo de lá, saí ontem à tarde.
      -Olha aí, mais um colega de caminhada haha
      -Pois é haha sabem me dizer se seguindo a praia a partir daqui é sempre assim com muita casa, cheio de gente? Estou procurando um lugar pra dormir na rede e virei aqui já desanimando com tanto movimento.
      -Nãão, se você apertar o passo, depois daquela ponta ali vai ter umas barracas com cobertura de palha que ficam armadas para o pessoal ficar durante o dia, mas à noite é bem tranquilo, não fica ninguém e dá pra armar a rede e dormir bem lá.
      -Ótimo, vou seguir!


      A ponta que ele indicou ficava a aproximadamente 1 Km, e obviamente eu fui em busca das barracas com cobertura de palha para dormir, afinal, eu estava bem cansado, mas 1 Km não é tanto assim e dormir bem seria importante. Andei, passei da ponta, andei, andei, andei, andei e depois de uns 4 Km sem ver nenhuma estrutura semelhante ao que ele descreveu, decidi que qualquer estrutura que aparecesse, eu pararia, quando logo depois vi, na praia da Bombaça, ao lado da entrada de um terreno com casarões, uma armação de bambu com um tecido branco e algumas palhas de coqueiro por cima, era ali. Montei a rede, deitei e depois de observar a movimentação de algumas pessoas da casa pela praia observando o céu, apaguei, mas acordei algumas vezes durante a noite com carros, quadriciclos e motos passando, além do frio que fez na madrugada. Foi uma noite bem difícil porque eu não tinha mais recursos para me proteger do frio e fiquei lutando com ele por um bom tempo.
      Total percorrido: 45 Km

      3º DIA
      Apesar de algumas nuvens densas se aproximando pelo Norte, mais uma vez acordei com um nascer do Sol maravilhoso, mas dessa vez não dormi de novo. Fiquei observando a praia e algumas pessoas já passavam por ali quando levantei da rede pra arrumar minhas coisas e iniciar minha caminhada logo em seguida, já às 6h40. Com menos de 1 Km de caminhada, vi as estruturas que o cara me falou no dia anterior e percebi que tinha dormido no lugar "errado". 😂

      Passei a Praia dos três coqueiros, farol, Ponta do Mutá e cheguei no “centro” de Barra Grande com uma hora de caminhada.
      Logo que cheguei, fui ver como faria para atravessar para a Barra do Serinhaém, e o pessoal das empresas que operam as lanchas não tem esse trecho nos serviços deles, então é um pouco complicado. Não é tão fácil como poderia ser, mas dei sorte depois. Depois de terem me cobrado 250 (duzentos e cinquenta!!!!) reais para atravessar, resolvi tomar logo um café da manhã na padaria e voltaria pra resolver isso e, obviamente, achar outra forma (e outro valor) para atravessar.
      Caminhei até o final do píer e fiquei lá “queixando” carona para cada barco que encostava pegando ou deixando passageiros, sem sucesso em todos eles, já que a travessia era meio contramão para o caminho usual que eles costumam fazer. Depois de tentar em alguns, comecei a conversar com alguns caras que estavam no píer comigo, todos trabalhando, ajudando a carregar, coordenando ou ligados de alguma outra forma às movimentações de embarcações que aconteciam ali. Falei brevemente sobre minha viagem e para onde estava indo e um deles colou comigo e ficou conversando, quando me falou -não sei se para confortar ou para desanimar- que SE eu conseguisse a travessia, poderia ser no fim da tarde, quando alguns trabalhadores residentes de Barra do Serinhaém voltavam de Barra Grande pra lá e eu, com essa informação, ao mesmo tempo que pensei no tanto de tempo que perderia esperando até o fim da tarde, me confortei sabendo que pelo menos de uma forma eu conseguiria atravessar. Não se passaram cinco minutos e esse mesmo cara gritou:
      -Ó lá quem vai te levar pra Barra! Eeei! - gritava e acenava para um casal numa lanchinha saindo da praia - leva esse amigo nosso aqui pra Barra!
      Eu, atrás dele, pulava, balançava os braços, acenava e assobiava alto para chamar atenção do casal e não passarem direto😂. O piloto prontamente mudou a rota, encostou no píer e eu só desci a escada e embarquei, feliz da vida e agradecendo mil para o brother que arranjou a carona pra mim.
      Seguimos e eles não me cobraram nada pela travessia (afinal, ele já estava indo pra lá).
      Parei, e segui procurando a casa de uma amiga com quem já tinha falado previamente e estava à minha espera. Nessa parada, tomei banho de chuveiro com xampu e sabão, fui servido com um prato de frutas muito farto e ainda almocei uma moqueca deliciosa hahaha, não sei se ela e a família tinham noção disso, mas a recepção, cada gesto e ato de generosidade foram extremamente significantes pra mim, e agradeço demais por aquilo, saí de lá revigorado, muito bem alimentado e com disposição para continuar firme na caminhada. Depois de almoçar, descansei por uma hora e comecei a reorganizar minha mochila, para sair perto das 15h40, quando comecei a caminhada saindo da Barra do Serinhaém em direção à praia de Pratigi.

      (início da praia de Pratigi)

      Pratigi é uma praia bem extensa, toda dominada por plantações de coco, e depois de andar por uma boa extensão, logo após o pôr do Sol resolvi que iria parar porque meu saldo estava bom (tinha andado 26 Km no segundo dia, então a meta desse dia era menor, não precisava me estender tanto) e meus pés já doíam, entretanto, acabei sendo obrigado a andar mais quando subi a faixa de areia indo pegar materiais para montar um abrigo e fui surpreendido por um enxame de mutucas me rodeando. Como estava ventando, continuei andando na esperança de elas perderem meu rastro e eu poder parar logo, mas eu parava de vez em quando checando e ainda via algumas voando ao meu redor, e nessa história, tive que andar mais 4 Km com os pés doendo e no escuro até finalmente parar e não ver mais nenhuma mutuca. Parei, catei materiais, montei o abrigo e finalmente pude deitar e dormir. Estava a 2 Km da vila de Pratigi e apesar de não ter movimento na praia, as luzes da vila eram bem fortes.
      Total percorrido: 75 Km

      4º DIA

      (abrigo montado no primeiro e terceiro dia)


      Acordei umas 5h, e se não fosse o abrigo eu certamente sentiria frio, já que tive que me cobrir durante a noite. Levantei e percebi que tinha parado exatamente no local onde acontece o Universo Paralello quando reconheci a estrutura ainda resistente da cozinha comunitária (era uma estrutura de barro, por isso devem ter deixado por lá do jeito que estava). Estive no festival no ano anterior e tudo aqui estava irreconhecível sem movimento, música, luzes, pistas e estruturas montadas.
      Iniciei a caminhada planejando a parada na vila de Pratigi para poder trocar dinheiro caso precisasse pagar para a próxima travessia de barco. Parei lá e rodei em algumas barracas até conseguir trocar uma nota de 100: início da manhã de um domingo, não estava fácil trocar uma nota de valor alto, mas consegui e segui. 1 Km depois da vila tem um riozinho raso com travessia tranquila com a água pouco acima do joelho e 4 Km depois cheguei na Barra do Carvalho. Nesse ponto, tirei a mochila e acenei para alguns barcos que passavam para saber se iriam atravessar em direção a Cova da Onça ou Ponta de Castelhanos, e nada.

      (Barra do Carvalho)


      Sentei e fiquei esperando por cerca de uma hora até decidir ir para a parte de dentro da ponta de areia que se formava ali e na mesma hora que levantei e comecei a andar, surgiu um pessoal vindo andando no sentido oposto. Fui andando, dei de frente com o grupo e perguntei como tinham chegado ali, quando me responderam e apontaram os barcos parados, meus olhos quase brilharam de felicidade. Fui direto ao barqueiro perguntar se faria a travessia para Cova da Onça e o mesmo prontamente me negou com a cabeça. Fui atrás do dono do outro barco, que estava com a família já preparando um churrasco naquela prainha enquanto comiam alguns petiscos e tiravam cervejas geladas dos isopores que tinham levado, e me disse que era uma travessia pouco feita, difícil e depois de pensar e enrolar um pouco, me cobrou 50 reais, ao mesmo tempo que me perguntou se queria comer alguma coisa, “que ficasse à vontade”. Ainda era cedo, neguei.
      Depois de pagar 5 reais para atravessar o Rio de Contas, 50 reais me soava um preço altíssimo e eu tive que negar, resolvi esperar por mais tempo. Sentei já com pouca esperança e imaginando ter que dar os 50 reais mais tarde mas, passado mais um tempo, chegaram mais dois barcos dos quais tive uma negação e uma oferta de travessia por 20 reais: o preço já tinha melhorado! Ainda assim, resolvi esperar mais um pouco e uma pessoa que estava com o barqueiro que me cobrou 20 reais chegou perto de mim e começou a conversar, perguntando sobre a viagem, o que eu estava fazendo, etc., perguntas que àquela altura eu já estava acostumado, e me ofereceu um prato de almoço, que pelo tempo que já tinha passado, eu não pude negar.
      Mais um tempo de espera, já olhando pro horizonte pensando em qualquer coisa, esquecendo por um instante que eu estava à espera de uma travessia, ouço uns gritos. Era o segundo barqueiro, chamando atenção de um barco que passava e me chamando pra ir até lá. O barco, no qual embarquei prontamente, era de um primo dele que estava de passagem indo para Cova da Onça só com o filho pequeno a bordo. As 2 horas e 40 minutos de espera compensaram o custo nulo da travessia e, durante o caminho, que durou uns 20 minutos, conversei bastante com o dono do barco, que me explicou - e mostrou, enquanto “zigzagueava” - o motivo de aquela ser uma travessia tão evitada: a batimetria ali é muito ruim para navegação porque além de ser raso, tem muitas rochas, bancos de areia e recifes e nem todo mundo conhece bem o local mas ele, com muito conhecimento do local e, claro, aproveitando a maré cheia, passava com maestria pelos locais que indicava perigo e eu, enquanto conversava com ele, ia debruçado na lateral vendo nitidamente o fundo passando bem raso.

      Chegando em Cova da Onça, ele me explicou por onde eu pegaria o caminho até Ponta de Castelhanos, meu próximo destino. Pedi água numa casa com duas senhoras na frente, que encheram minha garrafa de 1,5 L sem problema e segui ansioso por esse próximo trecho, afinal, eu já estava bem próximo do fim.

      A caminhada de Cova da Onça até Ponta de Castelhanos foi, sem dúvida alguma, onde mais suei e cansei. Por ser uma estrada de areia fofa que passa por trás do mangue, acaba sendo uma área protegida de vento, pior ainda considerando o Sol escaldante do início da tarde na areia fofa. Depois de pouco mais de uma hora de caminhada, cheguei à praia de Castelhanos, um dos paraísos na Terra. Não queria perder muito tempo e fui logo ver como era a travessia para pegar a trilha do mangue e chegar em Moreré.

      Depois de conversar com dois canoeiros, me disseram que existia a travessia de barco direto para Moreré, por 40 reais, e a travessia para o início da trilha do mangue, por 10 reais, que era a que eu estava procurando. Sentei um pouco enquanto conversávamos e depois subi na canoa para atravessar, enquanto um deles me levava dando orientações sobre a trilha.


      A travessia do rio dura 5 minutos, e a trilha, que é dentro do mangue fechado, iniciou com água acima do tornozelo e, para o meu alívio, o fundo era de areia sem afundar o pé, ao invés de lama que afunda até o joelho, como é comum em manguezais, o que seria bem ruim de lidar com uma mochila pesada nas costas😅. A trilha é linda, e segui sozinho por ela, passando por mangue, apicum, coqueiros e até uma pequena plantação de cana, até chegar na praia de Bainema, e depois, finalmente, na vila de Moreré.

      (Praia de Bainema, pouco antes de chegar em Moreré)

      Total percorrido: 100 Km
      OBSERVAÇÕES:
      -Acabei usando a rede só em uma noite, dormindo nos abrigos que montei na areia nas outras duas noites, então acredito que poderia abrir mão da rede (peso e volume) e dormir no abrigo todas as noites.
      -Um ponto importante que ainda preciso melhorar é a alimentação. De forma alguma passei fome ou me alimentei muito mal, mas investir em comida liofilizada é uma prioridade urgente para reduzir o peso e volume da mochila.
      -O GPS foi uma das melhores aquisições que fiz e realmente faz muita diferença, me possibilitando acompanhar meu rendimento com dados de quilometragem percorrida e velocidade média, além de poder marcar pontos de interesse como entradas de lagoas, possíveis pontos para acampamento, pontos de apoio, etc., e, claro, gravar o tracklog para compartilhar com quem tenha interesse em realizar o mesmo percurso.
       
      TRACKLOG NO WIKILOC:
      https://www.wikiloc.com/wikiloc/view.do?pic=hiking-trails&slug=travessia-itacare-morere&id=31923513&rd=en

      EQUIPAMENTOS USADOS:
      -Curtlo Highlander 35+5L
      -Camelbak Chute 750ml
      -Garmin eTrex 30x
    • Por anselmoportes
      Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse:
      São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga.
      ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafes e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura.
      Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de ISTANBUL.
      LEGENDA
      USD - Dólar Americano
      EUR - Euro
      BRL - Real Brasileiro
      TRY - Lira Turca

      Depois de 3 noites incríveis em Goreme, na região da Capadócia, segui minha viagem até Istanbul. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada.
      4º dia de viagem: Goreme -> Kayseri -> Istanbul (11 de Setembro de 2018)
      Meu vôo chegou no aeroporto de Ataturk por volta das 13h30. Fiquei de enviar uma mensagem via WhatsApp para o Emre, meu anfitrião, assim que eu chegasse. 
      É muito difícil achar um sinal de wi-fi aberto lá no aeroporto. Aliás, fui descobrir mais tarde que é bem difícil achar em qualquer lugar de Istanbul. Sem alternativa, tique comprar um café no Mado Café do aeroporto (13TRY por um espresso, um absurdo!) para poder usar o wifi deles. Na hora de pedir a senha ao garçom que me servia, ele pediu para ele mesmo digitá-la e eu não ver qual era a senha. Ok.
      Assim que tive acesso à internet enviei uma mensagem ao Emre avisando que estava a caminho. Existe um um ônibus, o HAVABUS, que vai até o centro da cidade, na TAKSIM SQUARE e tem um preço rasoável: 12TRY (mais barato que o café que havia tomado!).
      Comprei o ISTANBULKART que é o cartão de transporte. Com ele vc tem acesso ao metrô, ônibus e trams. Custa 6TRY e a máquina não volta troco. Ou seja: se vc colocar uma nota de 10TRY vai receber o cartão com 4TRY de crédito.
      Uma forte chuva caía e fomos sair as 14h30. Depois de 10min o ônibus parou. A rodovia estava interditada por conta de uma enchente na pista. Procurei algum sinal de wifi mas o único disponível pedia um número de celular para enviar um SMS com uma senha que liberaria o sinal. Perguntei para um rapaz turco que estava no ônibus se ele poderia receber esse SMS para mim e passar a senha. Ele disse que OK e consegui acesso à internet no ônibus. Avisei meu anfitrião que iria atrasar por conta da enchente.
      Depois de uns 15 minutos o ônibus deu meia volta e seguiu por um caminho alternativo. Fui chegar à Taksim Square por volta das 16h e pouco depois o Emre chegou para me buscar.
      Fiquei hospedado no bairro de Besiktas (15min da Taksim Square, de ônibus) numa área cheia de bares e restaurantes. Esse bairro não é tão radical com relação aos costumes muçulmanos então há uma grande concentração do pessoal mais jovem que se encontram lá pra beber, fumar narguilé e conversar.
      No caminho passamos num supermercado e compramos umas cervejas. Chegando na casa conheci uma amiga do Emre, a Gökçe. Ficamos conversando e bebendo as cervejas quando por volta das 20h o Emre precisou sair para um compromisso.Deixei a casa com ele e fui até o supermercado MIGROS pra comprar o café da manhã: 4 pães, “mortadela” turca, queijo e 1 suco de Laranja - 43TRY.
      Estava morrendo de fome e comi um KEBAB e tomei uma coca no MATRAK (18TRY).
      ***Dica: As comidas de rua (street food) são muito populares em Istanbul. E podem comer sem medo que tudo (ao menos o que eu experimentei) é muito bom!
      Fui para um pub chamado AYLAK e tomei 4 Carlsberg (chopp 500ml) por 17TRY cada. Voltei pra casa às 23h15, tomei banho e fui dormir 0h.
      Distância percorrida no dia: 7,5km🚶‍♂️

      5º dia de viagem: Istanbul (12 de Setembro de 2018)
      Acordei as 9h, tomei café e por volta das 9h30 estava saindo. Fui caminhando até a VODAFONE ARENA, estádio do time de futebol Besiktas. O próximo tour (40TRY) no estádio era as 10h30, mas o guia só falava turco. Paguei mais 25TRY e peguei um áudio-guia. Antes do tour começar vc tira uma foto na qual eles irão fazer uma montagem e te oferecer no final do passeio.
      O problema de fazer esse tour com o audio-guia é que as informações que vc escuta nele não são tão rápidas quanto o guia turco. Então, em certos momentos, vc ainda está escutando a explicação de um determinado lugar da arena e o guia segue em frente, te obrigando a ir com ele uma vez que vc não pode ficar sozinho lá. Depois de reclamar que eu estava deixando alguns setores do estádio sem ter terminado a explicação do áudio, deixaram uma guia comigo.
      Passamos pelas arquibancadas, vestiários, sala de coletiva de imprensa e bancos de reservas à beira do gramado. No final do tour vc ganha um certificado. Também te oferecem a montagem da foto que vc tirou no início do tour. Tem vc com jogadores, segurando uma taça, etc… mas por um preço absurdo. Não lembro o valor, mas não comprei.
      Para ter acesso ao MUSEU do BESIKTAS tem que pagar mais 15TRY. Vale a visita (assim como todo o estádio) apenas para os fanáticos por futebol.
      Deixei o museu e segui caminhando até a TAKSIM SQUARE (uma subida considerável). Lá peguei um metro e um bonde até SULTANAHMET e fui até a HAGIA SOPHIA. A Hagia Sofia já foi uma igreja, uma mesquita e hoje é um museu. A entrada custa 40TRY (aceita cartão) mas vale muito a pena. Ela é muito grande e imponente. Há vários símbolos muçulmanos, escritas em árabe antigo e, incrivelmente, há também uma imagem da Virgem Maria com o Menino Jesus em seu colo (lembra que ela já tinha sido uma igreja?). Lá dentro também se encontra a COLUNA DOS DESEJOS onde dizem que se vc passar a mão nela no sentido horário, seu pedido será realizado. Deixei o museu e vi que na lateral da direita há um acesso gratuito às tumbas dos imperadores. 
      Quase em frente à mesquita há uma pequena lanchonete. Comi um KURUM TOAST (8TRY) e tomei uma coca (3,5TRY). Era um pão em forma de baguete, com uma carne não sei do quê, picles, maionese e ketchup. Claro que na foto o lanche estava BEM melhor, mas deu pra matar a fome.
      Comi o lanche num banco sob uma árvore, descansei um pouco e fui pra MESQUITA AZUL, que fica de frente com a HAGIA SOFIA. Na entrada vc tem que tirar o calçado e é dado uma sacola de plástico pra colocar eles. A mesquita estava sendo reformada então muita coisa estava coberta. Ela me pareceu bem menor que a Hagia Sofia.
      Sai da Mesquita Azul e fui para a CISTERNA DA BASÍLICA que fica ao lado esquerdo da Hagia Sofia. A entrada custa 20TRY e não aceitam cartão de crédito ou outra moeda que não seja Lira Turca.
      A cisterna da basílica consiste em 12 x 28 colunas de sustentação (fica debaixo de Sultanahmet) e foi um enorme reservatório de água que hj está vazio. Posteriormente fiquei sabendo que quando a cisterna estava ativa haviam peixes nela. Motivo: saber da qualidade da água. Se os peixes começassem a morrer é que tinha algo errado nela. Passei pela CRYING COLUMN e a MEDUSA’S HEAD que fica na base de uma das colunas.
      Por volta das 17h fui até o TOPKAPI PALACE (40TRY, aceita cartão). Lá dentro passei por uma coleção de relógios antigos, uma coleção de armas de guerra (armaduras, lanças, arcos, espadas, revólveres todos muito ornamentados, etc). O palácio tem um enorme jardim central. Ao fundo, alguns cômodos e um deles parecia uma biblioteca. Passei pela por um setor que tinha itens de cozinha: pratos, louças, porcelanas, panelas, etc. Deixei o local às 18h50 e voltei pra casa.
      Chegando lá tomei um banho e conversei um pouco com o Emre. Por volta das 21h fomos a o encontro semanal do Couchsurfing num bar chamado SYMBOL CAFE. Fica próximo a Taksim Square, em uma travessa da Istiklal Street que é cheia de lojas, bares e restaurantes.
      Conheci pessoas de vários países no encontro. Trocamos ideia até umas 23h30 e fomos para outro bar: JAMES JOYCE PUB. No terraço do bar havia uns turcos dançando umas músicas latinas. Mas o som estava muito ruim e decidimos ir embora.
      No caminho de volta compramos mais 2 cervejas EFES. Chegamos em casa, tomamos as cervejas e conversamos até 2h30 quando fui dormir.
      Distância percorrida no dia: 21km🚶‍♂️

      VODAFONE ARENA

      HAGIA SOPHIA

      HAGIA SOPHIA

      MESQUITA AZUL

      MESQUITA AZUL
       

      CISTERNA DA BASÍLICA

      TOPKAPI PALACE
       
      6º dia de viagem: Istanbul (13 de Setembro de 2018)
      Acordei às 9h25, tomei café e sai as 9h50. Voltei até SULTANAHMET e fui atrás do FREE WALKING TOUR, que começou às 11h.
      A guia falou sobre a MESQUITA AZUL, sobre os banhos turcos que alguns podem custar até 60EUR por hora. Passamos ao lado da HAGIA SOPHIA e paramos num jardim em frente ao TOPKAPI PALACE. A guia comentou que nos anos 30 foi costituída a REPÚBLICA DA TURQUIA e os sultões deixaram de existir. O Topkapi Palace hj pertence ao governo e há alguns anos uma tetraneta de um dos sultões tentou pegá-lo de volta na justiça mas não conseguiu. 
      A guia também comentou que Istanbul tem cerca de 3000 mesquitas. Deixamos o palácio e fizemos um coffee break num café ali perto. Passamos pela entrada da CISTERNAS DA BASÍLICA e nos falaram que ela foi construída para que a cidade, que era murada, tivesse acesso à água caso estivesse sendo atacada e não podendo abrir seus portões.
      De lá passamos pelo HIPÓDROMO, que hoje é uma praça mas tinha corridas de cavalos e bigas na época que foi dominada pelos romanos. Lá perto tem um monumento trazido do Egito. Mas o obelisco era muito alto então tiveram que cortar ele pela metade e pegaram só a parte de cima.
      No final do tour paramos atrás da Mesquita Azul, num restaurante que tinha um “preço especial” para quem fez o tour: 8EUR por um almoço com sopa, salada e prato principal. Não tinha muita fome então não fui ao restaurante.
      Ali perto encontrei o ARASTA BAZAR que tem só uma rua de uns 200 metros. Voltei ao ponto e peguei um trama até o GRAND BAZAR. Esse sim é GIGANTESCO, com muitas lojas e muitas pessoas. Mas é o maior “tourist trap” de Istanbul, então apenas passei olhando as lojas e não comprei nada (até mesmo pq não cabia mais nada em minha mochila). Cheio de corredores e com lojas bem semelhantes uma das outras, não é difícil se perder nele. É praticamente impossível sair pela mesma porta que vc entrou.
      A fome bateu então resolvi comer alguma coisa ali mesmo. Comi um TABKTA KEBAB (26TRY) e tomei um suco de romã (8TRY).
      Deixei o Grand Bazar e caminhei por uns 10 minutos até chegar a MESQUITA SULEYMANIYE. Ela fica no alto de um morro e tem uma vista linda lá de cima. Por dentro ela é maravilhosa e, segundo um voluntário que trabalha nela, tem capacidade para 8000 pessoas. Esse voluntário me deu uns impressos em português, entre eles um alcorão.
      Sai da bela mesquita e caminhei mais uns 10 minutos até o SPICE BAZAR, que é o Bazar das Especiarias. Ele é bem menor que o Gran Bazar uma vez que é em forma de “L”, mas achei mais bonito e conservado. Algumas lojas dão amostras grátis de seus doces e o colorido e cheiro das especiarias fazem aquele lugar ainda mais peculiar. Em uma das saídas desse bazar está a NEW MOSQUE que também estava em reforma e não tinha muito o que ver nela.
      Ali perto está a GALATA BRIDGE que tem uma vista legal do ESTREITO DE BÓSFORO. De lá peguei um tram até KABATAS, um funicular subterrâneo até a Taksim Square e um ônibus até Besiktas. Passei num mercado, comprei umas cervejas e voltei pra casa.
      Cheguei em casa e o Emre fez um macarrão com atum pra gente. Tomamos as cervejas, jantamos e ficamos conversando até umas 23h quando fui dormir.
      Distância percorrida no dia: 14km 🚶‍♂️

      GRAND BAZAR

      MESQUITA SULEYMANIYE

      SPICE BAZAR

      7º dia de viagem: Istanbul (14 de Setembro de 2018)
      Acordei as 8h50, tomei café e as 9h30 estava saindo. Caminhei até o DOLMABAHÇE PALACE, que fica em frente à Arena Vodafone (estádio do Besiktas). A entrada no palácio + harem custa 90TRY.
      O palácio é muito bonito! Cheio de adornos, decorações e luminárias gigantescas. Também há algumas armas e utensílios de cozinha utilizados antigamente. O harém também é igualmente bonito e nele há um acesso a um dos banheiros. Uma pena não poder tirar foto em nenhum desses dois lugares.
      Do lado de fora tem uma galeria de pintura mas para entrar tem que pagar mais 20TRY.
      Deixei o palácio, passei pela DOLMABAHÇE MOSQUE, uma mesquita ali perto. Fui até o ponto de Kabatas e peguei o T1 (tram 1) até próximo a GALATA TOWER.
      Havia uma fila de 20 minutos pra subir na torre (35TRY). Enquanto esperava pra entrar, comi um SIMIT que é um pão com gergelim em forma de argola (1,50TRY).
      ***Dica: Há carrinhos de SIMIT espalhados por toda Istanbul. Bateu uma fominha? Simit! Melhor custo-benefício que vc vai encontrar nas ruas.
      A torre foi construída em 562 e lá de cima vc tem uma vista 360º da cidade. O tempo estava nublado então as fotos não ficaram muito boas, mas vale conhecer.
      De lá eu caminhei uns 10 minutos até TUNEL que é uma linha de metrô com apenas duas estações e é uma das mais antigas da Europa. A estação da outra ponta me deixou no começo da Istiklal Street e caminhei por ela toda até a Taksim Square. Lá eu acessei o wifi do Starbucks e vi como chegar no estádio do FENERBAHÇE. Era 16h e vi que o último tour seria às 17h30
      Além dos ônibus, Istanbul também conta com um tipo de lotação chamada DOLMUSH e a tarifa varia de acordo com o ponto que vai descer: quanto mais distante, mais caro.
      O estádio fica do outro lado do estreito de Bósforo, no lado asiático da cidade. Levei 1 hora pra chegar lá. Entrei na loja do clube e perguntei a um vendedor sobre o tour. Ele foi muito grosso e ríspido dizendo “Não tem tour! Estádio fechado!”. Daí eu perguntei se havia ao menos um museu ou outra coisa que poderia visitar e ele: “Não! Tudo fechado!”. Então tá…
      Sai do estádio e não consegui nenhum sinal de wifi. Tive que achar meu caminho de volta da “forma antiga”: perguntando para as pessoas na rua.
      Primeiro pedi informação para um cara e ele pediu para eu seguir ele pq ia para a mesma direção. Pegamos o mesmo ônibus e ele me disse que ponto deveria descer pra pegar outro ônibus pra Besiktas.
      Desci num pequeno terminal com vários pontos, mas não achei informação de onde passaria o meu ônibus. Perguntei pra duas garotas e elas me mostraram onde era meu ponto.
      Chegando no ponto perguntei para um cara qual ônibus pra Besiktas e ele disse que estaria indo pra lá que poderia ir com ele. Descemos no mesmo ponto. Agradeci o rapaz e segui meu caminho
      ***Nota: Percebi uma coisa interessante sobre o povo de Instanbul: as pessoas que teoricamente deveriam ser educadas com vc (garçons, vendedores, etc) não são. Mas, por outro lado, as pessoas que não teriam obrigação nenhuma de ser educadas, são super legais! Praticamente todo mundo que pedi informação na rua foram extremamente educadas e solícitas.
      Passei no supermercado, comprei umas cervejas e voltei pra casa. Cheguei lá por volta das 19h e tomei umas cervejas com Emre e a Gökçe. Umas 20h saímos para uma ver uma exposição de arte de uma amiga do Emre.
      Passamos pela exposição e depois fomos comer num restaurante que servia só sopas. Tomei 2: uma de IOGURTE e outra de TOMATE. Estavam muito boas e paguei 14TRY em cada.
      Fomos a um apto de uma amiga da Gökçe, a Elif. No caminho compramos umas cervejas. Ficamos bebendo e conversando até umas 2h. Decidimos dormir por lá mesmo pq era muito tarde.
      Distância percorrida no dia: 17,5km 🚶‍♂️

      DOLMABAHÇE PALACE

      GALATA TOWER

      VISTA DA GALATA TOWER

      8º dia de viagem: Istanbul (15 de Setembro de 2018)

      Acordamos as 8h50 e deixamos a casa da Elif. Caminhamos até a Taksim Square e pegamos uma Dolmush de volta pra casa. Chegamos 9h30 e fui dormir mais um pouco. Acordei as 10h30, tomei café e fui para o centro.
      Através do Couchsurfing eu tinha combinado de encontrar outro couchsurfer local, o HAMZA. Por volta do meio dia encontrei com ele em Sultanahmet. Ele me apresentou um amigo (que tb é couchsurfer) chamado FATIH. Ambos são estudantes de Ciência Política e estavam muito curiosos pra saber qual era a situação política do Brasil naquele momento.
      Caminhamos pelo PARQUE GÜLHANE (ao lado do Topkapi Palace) e fui tentando explicar o turbulento período político que nosso país estava passando.
      Chegamos à beira do canal e lá decidimos fazer o BOSPHORUS TOUR (20TRY). Existem vários barcos que fazem esse tour e não deve ser muito diferente um do outro. Mas, definitivamente, foi o melhor custo-benefício de Istanbul.
      O passeio pelo Bósforo é muito lindo e dei sorte do tempo estar bom (fazia muito calor e sol) e ter 2 guias locais me explicando tudo desde onde ficava Sede Militar e Naval da Turquia até as escolas e universidades particulares, públicas e militares.
      Depois de mais ou menos 1h e meia de passeio deixamos o barco e caminhamos uns 20 minutos até um KAHVE DÜNYASI, que é uma rede de café local estilo “Starbucks”. Tomei um café turco que estava muito forte mas muito gostoso. Depois pedi 2 bolas de sorvete: 1 de nozes e 1 de damasco.
      ***Dica: Não deixem de provar esse sorvete de damasco da Kahve Dünyasi! Eu não gosto da fruta em si mas decidi experimentar por ser uma fruta tradicional local. E não me arrependi! É muito, mas MUITO bom!
      Conversamos muito sobre política, religião e futebol. Por volta das 17h decidimos ir embora. Fomos até uma estação de tram onde nos despedimos e voltei pra casa.
      No caminho encontrei vários torcedores do Besiktas indo ao estádio e fiquei sabendo que o jogo seria às 20h. Na EAGLE SQUARE (Praça da Águia) havia uma enorme aglomeração de torcedores. Passei no supermercado e comprei 4 cervejas BONMONTI (8,50TRY cada). Cheguei em casa, tomei as cervejas com o Emre e decidimos ir ver o jogo do Besiktas em algum bar ali perto.
      Todos os bares estavam lotados e depois de 10min procurando achamos umas cadeiras na calçada em frente a uma TV. Nos cobraram 15TRY para SENTAR NAS CADEIRAS e 18TRY por cerveja! Como não tínhamos escolha, aceitamos. Tomamos apenas 1 cerveja e no intervalo fui ao supermercado comprar mais pela metade do preço que estavam nos oferecendo lá.
      O jogo foi horroroso e terminou 2x1 para o Besiktas. Fomos comer um kebab no MATRAK e de lá fomos a um bar ali perto chamado ROCK N’ ROLLA. Tomei 1 Guinness e 1 Toubourg. No caminho de volta passamos no supermercado e compramos mais 4 cervejas. Chegamos em casa umas 1h e ficamos bebendo e conversando até umas 2h30 quando fui dormir.
      Distância percorrida no dia: 13,5km 🚶‍♂️
      Fim do relato de Istanbul.
      Próximo relato: BUCARESTE.

      BOSPHORUS TOUR
       
    • Por anselmoportes
      Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse:
      São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga.
      ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura.
      Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de SOFIA.
      LEGENDA
      USD - Dólar Americano
      EUR - Euro
      BRL - Real Brasileiro
      RON - Leu Romeno
      BGN - Lev Búlgaro
      Depois de 3 dias em Bucareste (Romênia) segui minha viagem até Sofia, na Bulgária. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada.

      12º dia de viagem: Bucareste -> Sofia (Terça-feira, 18 de Setembro de 2018)
      Por volta das 23h30 meu ônibus Flixbus (USD 12,70) estava deixando Bucareste com destino à Sofia, capital da Bulgária.
      O ônibus não é NADA confortável e foi muito difícil dormir nele. Ao menos o wifi funcionava razoavelmente bem. Por volta das 2h o ônibus parou na fronteira mas nem precisamos descer: pegaram nossos passaportes, deram saída da Romênia e entrada na Bulgária e depois nos devolveram.
      Distância percorrida no dia: 20km 🚶‍♂️
       
      13º dia de viagem: Sofia (Quarta-feira, 20 de Setembro de 2018)
      Por volta das 6h30 estava chegando em Sofia. A estação principal fica ao lado da estação de chegada do ônibus da Flixbus. Entre as duas estações há um banheiro (BGN 0,6) e uma casa de câmbio. Dentro da estação central há também uma casa de câmbio, mas a cotação estava pior do que a do lado de fora. Fui no câmbio de fora e troquei RON 40 (peguei BGN 16,50) e EUR 50(BGN 95).
      Comi na estação central um salgado (BGN 1,30) e tomei 1 capuccino e 1 mocaccino numa máquina automática (BGN 0,6 cada). No subsolo da estação há um LEFT LUGGAGE e deixei minha mochila lá por BGN 2.
      Deixei a estação às 8h15 e fui caminhando até o centro. Depois de uns 30 minutos de caminhada passei pela estátua de SAINT SOFIA. Pouco á frente cheguei até o PALÁCIO DA JUSTIÇA. Ao lado fica a CATEDRAL DE SVETA-NEDELYA. Entrei nela e estava tendo uma missa com um canto gregoriano (?) muito bonito. Tirei umas fotos e saí. Segui caminhando pelo centro e passei pela IGREJA DE SÃO NICOLAS. Andei mais um  pouco e voltei para o Palácio da Justiça, onde iria começar o FREE WALKING TOUR.
      Quem conduziu o tour foi o KRIS e ele foi um dos melhores guias que eu encontrei em toda a minha viagem. Passamos por umas ruínas romanas encontradas na escavação da estação de metro SERDIKA. Ali perto está também a PRAÇA DA TOLERÂNCIA, que tem esse nome pq fica próxima a 1 igreja ortodoxa, 1 igreja católica, 1 sinagoga e 1 mesquita. Passamos por vários outros lugares históricos.Terminamos o tour da Igreja de SANTA SOFIA que dá o nome a cidade.
      Depois do tour fui até o Centro de Informação Turística que fica passagem subterrânea da estação SOFIA UNIVERSITY. Peguei uns mapas da cidade e o rapaz que me atendeu escreveu um bilhete em búlgaro para me auxiliar a comprar o SOFIA CARD, que é o cartão de transporte. O guichê de compra do cartão fica ao lado do centro de informação turística. Comprei o cartão válido por 3 dias e paguei BGN 12.
      Ali perto da estação fica o KNYAZHESKA GARDEN onde tem o MONUMENTO AO EXÉRCITO SOVIÉTICO. Do outro lado do parque está o ESTÁDIO NACIONAL VASIL LEVSKI. Não há nenhum tour, museu ou centro de informação. Pedi para alguns guardas para entrar e tirar umas fotos mas nenhum deles deixou.
      Voltei para a estação Sofia University e peguei o metrô até Serdika. Fui até um supermercado chamado BILLA e comprei 1 sanduíche de salame e verduras, 1 pacote com 3 chocolates Mars e 1 cerveja DAMBURGER (BGN 5,20). Fiz meu almoço num banco em frente ao supermercado e por volta das 14h fui até o MUSEU DE HISTÓRIA REGIONAL. Para entrar custa BGN 8 e se quiser tirar foto tem que pagar mais BGN 15. Só paguei a entrada e deixei minha mochila num armário de lá. O museu fala como a cidade de Sofia foi formada e tem algumas peças da civilização que viveu lá há muitos anos. 
      Deixei esse museu e fui para outro: o MUSEU DE ARQUEOLOGIA. Lá tem várias peças de quando a Bulgária fazia parte do Império Romano e de até muito antes disso. Vi jarros, estátuas, potes, jóias, espadas, esculturas, etc.  Saí do museu e fui descansar um pouco no CITY GARDEN, que é um parque que fica em frente ao TEATRO IVAN VASOV.
      Fui para a estação central e peguei a minha mochila. Voltei para o Palácio da Justiça e atrás dele fica um ponto de bondes. Peguei o tram 5 que ia para a casa do Slavi, meu anfitrião em Sofia. Fui acompanhando o caminho do tram no Google Maps do celular. Um rapaz ao meu lado percebeu que eu não era de lá e disse que me avisaria quando chegasse a estação que eu deveria descer. Desci na estação certa e agradeci o rapaz. Fui chegar no apto do Slavi por volta das 19h. Ele me apresentou sua esposa, a Maria que nos serviu um delicioso jantar: feijão branco, almôndegas, pão, antepasto de pimentão, azeitonas e queijo branco. Depois de comer fomos num bar ali perto. Tomamos umas cervejas, conversamos bastante e voltamos. Tomei banho e fui dormir por volta das 23h.
      Distância percorrida no dia: 27km 🚶‍♂️

      SAINT SOFIA

      CATEDRAL DE SVETA-NEDELYA
       

      MONUMENTO AO EXÉRCITO SOVIÉTICO

      14º dia de viagem: Sofia (Quinta-feira, 20 de Setembro de 2018)
      Acordei 8h50 e por volta das 9h estava saindo em direção ao centro. Resolvi visitar com calma os lugares que eu havia passado com o Free Walking Tour do dia anterior.
      Primeiro fui até a MESQUITA BANYA BASHI, que é bonita mas como havia passado por várias outras em Istanbul não me chamou muito a atenção. Depois fui SINAGOGA DE SOFIA. Para entrar há um guarda que faz uma revista nas bolsas e mochilas e é cobrado BGN 4. A sinagoga é muito bonita mas estava em reforma então tinha muita coisa coberta.
      Saí da sinagoga e fui para a ST. GEORGI ROTUNDA CHURCH que é a igreja católica mais antiga de Sofia. Depois fui até o teatro Ivan Vasov mas estava fechado.
      Caminhei até a CATEDRAL DE ST. ALEXANDER, que é a 2ª maior catedral ortodoxa dos Balcãs e uma das 5 maiores do mundo. Nela cabem até 10.000 durante a missa. A entrada é gratuita, porém tem que pagar BGN 10 para tirar foto. A catedral é muito bonita e imponente.
      Ali perto está a Igreja de Santa Sofia que não é tão grande, mas é bonita. Sob a igreja há um museu arqueológico.
      Depois fui até um supermercado BILLA que fica na passagem subterrânea da estação Sofia University e comprei 1 salgado de salsicha, 2 waffles tipo “bis” e 1 cerveja ASTIKA. A conta toda ficou em apenas BGN 1,78! Fiz meu lanche numa mesa do McDonald’s que tem ao lado do supermercado.
      Peguei o metrô até a estação DIMITROV e fui até o MUSEU DE ARTE SOCIALISTA. Caminhei uns 10 minutos e o museu fica meio escondido, ao lado de um prédio comercial com um café no térreo. O museu (entrada é BGN 6) tem 3 partes: um jardim com estátuas de líderes socialistas ao céu aberto, uma pequena sala de exibição que passa 2 filmes (aprox. 15 min. cada) sobre as conquistas e desenvolvimento do socialismo na Bulgária. A 3ª parte é uma sala que exibe vários pôsteres de propaganda socialista e outros eventos ligados como: A queda do muro de Berlin, Primavera de Praga, fim da I Guerra Mundial, etc. Eu gostei muito desse museu e recomendo a visita!
      Voltei ao centro e fui até o Palácio da Justiça pegar o COMMUNIST TOUR que saiu às 16h. Nosso guia foi o VASIL (ou VASCO) e ele foi muito bom! Explicou muita coisa sobre a era comunista da Bulgária, desde a arquitetura dos prédios e as manobras que o governo fazia para manter a população longe das igrejas. Os principais líderes comunistas foram GEORGI DIMITROV e THEODORE JIVKOV. O tour terminou por volta das 19h30 no belíssimo PARQUE  PALÁCIO NACIONAL DA CULTURA.
      ***Nota: Como o nome diz, os Free Walking Tours são gratuitos e vc não tem obrigação nenhuma de dar a gorjeta no final. No entanto, a maioria dos guias depende exclusivamente dessa atividade para viver. Eu costumo dar de gorjeta algo em torno de EUR 10 (ou esse valor convertido na moeda local). Mas isso, claro, vai de cada um.
      Caminhei pela VITOSHA BULEVARD até o ponto de tram atrás do Palácio da Justiça. No caminho peguei uma fatia de pizza de pepperoni no GRAB N’ GO (BGN 2,20).
      Cheguei em casa e conversei um pouco com o Slavi. Saí para comprar umas cervejas e uns salgadinhos para assistirmos o jogo entre LUDOGORETZ (time da Bulgária e tem vários jogadores brasileiros) x Bayern Leverkusen. Assistimos ao jogo que terminou Ludogoretz 2 x 3 B. Leverkusen. 
      Antes de dormir me despedi do Slavi pois eu iria partir no dia seguinte e não iria mais ver ele.
      Distância percorrida no dia: 21km 🚶‍♂️

      CATEDRAL DE ST. ALEXANDER

      CATEDRAL DE ST. ALEXANDER

      MUSEU DE ARTE SOCIALISTA
       
      15º dia de viagem: Sofia -> Belgrado (Sexta-feira, 21 de Setembro de 2018)
      Acordei as 8h50 e as 9h30 estava deixando a casa do Slavi e da Maria. Como meu vôo para Belgrado era só às 16h, fui até a estação central e deixei minha mochila mais uma vez no guarda-volumes.
      Peguei o metrô até o PALÁCIO NACIONAL DA CULTURA (a estação se chama NDK). A entrada é pelo lado esquerdo do prédio mas só tem acesso à bilheteria. Até pedi para ver como era o prédio por dentro mas não deixaram.
      Caminhei pela parque em frente (onde terminou o Communist tour do dia anterior) e voltei à Vitosha Bulevard. Peguei uma fatia de pizza (BGN 2,20) e comprei uma cerveja num supermercado na rua paralela (BGN 1,20). Enquanto fazia meu almoço um bêbado veio falar comigo. Apesar de não falar coisa com coisa, ele mandava muito bem inglês.
      Por volta das 13h voltei para a estação, passei no supermercado BILLA e comprei uns chocolates (BGN 2,50) e às 13h30 estava pegando o metrô para o aeroporto. A viagem do centro ao aeroporto leva uns 45 minutos e fui chegar lá 14h15.
      Fiz check-in e 16h10 estava decolando sentido Belgrado.
      FIM DE SOFIA
      Próximo relato: Belgrado

      PALÁCIO NACIONAL DA CULTURA
    • Por anselmoportes
      Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse:
      São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga.
      ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura.
      Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de BELGRADO.
      LEGENDA
      USD - Dólar Americano
      EUR - Euro
      BRL - Real Brasileiro
      BGN - Lev Búlgaro
      RSD - Dinar Sérvio
      Depois de 3 dias em Sofia (Bulgária) segui minha viagem até Belgrado, na Sérvia. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada.
      15º dia de viagem: Sofia -> Belgrado (Sexta-feira, 21 de Setembro de 2018)
      Peguei um vôo de Sofia para Belgrado. Como o vôo levou 1h e a diferença de fuso também era de 1h, então cheguei no mesmo horário que sai: 16h10.
      Saquei RSD 6.000 num caixa eletrônico e fui para o ponto de ônibus que fica logo do lado de fora do aeroporto, do lado esquerdo. O ônibus que vai para o centro é o 72 e é possível pagar a passagem direto com o motorista. Não anotei o preço, mas deve ter sido algo em torno de RSD 150. Nesse site é possível consultar as rotas de ônibus em Belgrado: www.eway.rs/en/cities/beograd
      O casal que iria me hospedar morava no bairro de Nova Belgrado e a viagem durou uns 30 minutos. Cheguei no apto e o Madlen estava me esperando. Ele e a esposa Andjela tinham um compromisso naquela noite e ela já estava lá. Tomamos uma cerveja e logo em seguida o Madlen teve que ir. 
      Tomei um banho e fui até o supermercado MAXI. Comprei o café da manhã, o jantar (1 lasanha de microondas) e 4 garrafas de cerveja 500ml. A caixa me avisou que iria cobrar pelo vasilhame das cervejas (eu tinha que ter trazido 4 garrafas vazias) mas se eu trouxesse eles de volta ela devolveria o valor cobrado.
      Voltei para o apto, comi a lasanha. Depois fiquei bebendo as cervejas e reorganizando minha mochila que estava uma bagunça. Fui dormir 0h30.
      Distância percorrida no dia: 15km 🚶‍♂️

      16º dia de viagem: Belgrado (Sábado, 22 de Setembro de 2018)
      Acordei 8h50, tomei café e saí. Passei no supermercado para devolver o vasilhame das cervejas e a caixa me devolveu RSD 75. 
      Peguei o ônibus 65 (RSD 150) para o centro e fui até a REPUBLIC SQUARE, onde às 10h começou o CITY CENTER FREE WALKING TOUR e nossa guia foi a Natália. Passamos por vários locais históricos das cidade e lugares mais turísticos como o BOHEMIAN QUARTER. Quando estávamos próximos ao Zoológico da cidade a guia nos contou a história do chimpanzé SAMY que conseguiu escapar de lá DUAS VEZES. Depois passamos pela BELGRADE FORTRESS e vimos quando o Rio Sava encontra com o Rio Danúbio. Terminamos o tour por volta das 12h30 na HOLY ARCHANGEL MICHAEL CATHEDRAL.
      Segui para o centro e comi um lanche que tinha feito no café da manhã e tomei 1 coca (RSD 75). Tinha feito contato via o APP do Couchsurfing com a Brianna, uma americana que estava morando na Macedônia e estaria em Belgrado nos mesmos dias que eu. Ela visitava a capital sérvia com mais 2 amigos americanos e eles queriam ir a um estádio ver um jogo do campeonato local. Combinei de encontrar com eles nessa mesma tarde. Mas antes, fui ao MUSEU NACIONAL.
      O Museu Nacional fica na Republic Square, onde começou o free walking tour. Ele tem várias coisas sobre a Sérvia. Há uma “linha do tempo” que mostra o início das primeiras civilizações que habitaram o país. Há também quadros do MATISSE e MONDRIAN. Vale muito a visita!
      Saí do museu e fui encontrar a Brianna e seus amigos. Encontrei eles num bar no Boehmian Quarter. A Brianna, o Sam e o Andrew trabalham dando aulas de inglês na Macedônia e tiraram o final de semana pra conhecer a Sérvia. Eles tinham comprado ingressos para o jogo entre Partizan x Estrela Vermelha no dia seguinte. Resolvi ir com eles mas só compraria o ingresso quando chegássemos ao estádio.
      Conversamos e tomamos algumas cervejas até umas 19h, quando voltei pra casa. Cheguei por volta das 19h50 e a Andjela tinha feito com arroz com frango muito bom. Fiquei conversando com ela e com o Madlen até quase meia-noite, quando fui dormir.
      Distância percorrida no dia: 20km 🚶‍♂️

      BOHEMIAN QUARTER
       

      BELGRADE FORTRESS

      BELGRADE FORTRESS

      17º dia de viagem: Belgrado (Domingo, 23 de Setembro de 2018)
      Acordei 8h50, me arrumei e deixei o apto. Fui ao supermercado MAXI e comprei meu café da manhã: 1 iogurte, 2 croissants “Seven Days” e 1 chocolate MARS. Comi esperando o ônibus no ponto. Cheguei ao centro e fui até o PARLAMENTO SÉRVIO. É um prédio muito bonito mas não pode entrar nele. Voltei para a Republic Square e acessei o wifi do Museu Nacional. Vi uma mensagem da Brianna falando que ela ia ao MUSEU NIKOLAS TESLA. Vi na internet que o ônibus 27 ia pra lá. Peguei ele e por volta das 11h30 estava na porta do museu. 
      O museu só tem visita guiada e a próxima em inglês seria 12h. Por volta das 11h45 Brianna e seus amigos chegaram e fomos para o tour (RSD 500). Primeiro vimos um filme de aproximadamente 15 minutos sobre a vida de Nikolas Tesla, que foi um defensor do uso da corrente alternada. Ele também criou o motor elétrico por indução.
      Depois do filme nos mostraram um exemplo de transmissão de energia sem fio. Alguns voluntários seguravam umas lâmpadas fluorescentes e quando ligavam um aparelho as lâmpadas se acendiam rapidamente.
      Na sequência mostram um experimento com um barco de controle remoto, mas tinha muita gente na minha frente que não consegui ver nada!
      Após o término desse experimento nos deixaram ver o restante museu. Mas ele é muito pequeno e dá pra ver tudo em 20 minutos. Confesso que fiquei um pouco decepcionado com o museu e esperava mais. Mas como não tem muito o que ver em Belgrado, acho que vale a visita sim.
      Deixamos o museu por volta das 13h e caminhamos até a Fortaleza de Belgrado. Demos umas voltas por lá e fomos a uma sorveteria chamada CRNA OVCA que fica ali perto. Tomei 1 bola de limão com manjericão e 1 bola de café (RSD 270).
      ***Dica: Quando forem à Belgrado, não deixem de experimentar o sorvete da CRNA OVCA ("Ovelha Negra", em português). É delicioso!
      Seguimos caminhando pela cidade até voltar ao Boehmian Quarter onde fomos almoçar. Paramos num restaurante na simpática SKADARSKA STREET. Comi um cheeseburger e tomei 2 chopps (RSD 1100). De lá pegamos um taxi até o albergue que os americanos estavam ficando. Passei num mercado e comprei uma cerveja de 2 litros (RSD 180) e ficamos tomando no quintal dos fundos do albergue.
      Por volta das 17h pegamos um táxi para o PARTIZAN STADIUM ver o clássico local. Havia um bloqueio policial impedindo o acesso às bilheterias. Esperamos uns 10 minutos e liberaram o acesso. Fiquei uns 5 minutos na fila e já consegui comprar meu ingresso (RSD 1500). Tomamos mais uma cerveja e seguimos para ver o jogo. 
      ***Dica: Havia uma severa revista nos torcedores antes de entrar no estádio. Os policiais  estavam confiscando TUDO que poderia ser arremessado no gramado: de isqueiros até moedas. Portanto se for ver algum jogo de futebol em Belgrado certifique-se que não tenha nada de valor nos bolsos que, dependendo do que for, pode ser confiscado. Não levei a minha máquina fotográfica e tirei as fotos do meu celular.
      Sentamos na arquibancada lateral e as torcidas organizadas (tanto do Partizan quanto do Estrela Vermelha) estavam atrás dos gols. As torcidas acendiam sinalizadores e por alguns momentos era impossível enxergar o campo devido à fumaça. O jogo terminou 1x1 e foi muito legal sentir o clima de um clássico do futebol sérvio. Apesar da rivalidade entre as duas equipes, foi bem tranquila a chegada e saída do estádio. 
      Depois do jogo paramos num bar nos arredores. Tomei um chopp (RSD 210) e usei o wifi do bar para achar um ônibus que me levasse de volta pra casa. Me despedi dos americanos e segui até o ponto de ônibus. Esperei uns 20 minutos e o ônibus me deixou à umas 5 quadras do meu apto. 
      Cheguei por volta das 22h e conversei com o Madlen e a Andjela até umas 0h30, quando fui dormir.
      Distância percorrida no dia: 23km 🚶‍♂️

      PARLAMENTO SÉRVIO

      MUSEU NIKOLAS TESLA
       

      PARTIZAN STADIUM

      18º dia de viagem: Belgrado -> Budapeste (Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018)
      Meu ônibus para Budapeste sairia da Estação Central às 8h. Acordei 6h30, tomei café e arrumei minhas coisas. Me despedi do Madlen, Andjela e Irina (linda filha de 2 anos do casal) e deixei o apto às 7h. Fiquei no ponto de ônibus esperando o 65 (ônibus que me deixaria próximo a rodoviária) até 7h30 quando decidi pegar um taxi.
      Assim que eu parei o taxi uma mulher que também estava no ponto pediu para ir junto. Disse OK e entramos. Depois de uns 5 quarteirões a mulher pediu pra descer e não deixou sequer uma parte da corrida paga! Filha da p****!!! 
      Cheguei na rodoviária às 7h45 e a corrida deu RSD 500. Só tinha RSD 150, que era o dinheiro que tinha reservado pra pagar a passagem de ônibus até a rodoviária já que eu estava deixando o país. Perguntei se eu podia pagar com EUROS e o motorista disse que sim. Dei EUR 10 (aproximadamente RSD 1200) e o motorista me devolveu RSD 500 de troco.
      Assim que entrei na rodoviária fui informado que teria que pagar RSD 180 de TAXA DE EMBARQUE e ter acesso à plataforma do ônibus. Depois tive que pagar mais RSD 100 pela minha bagagem.
      ***Dica: Eu sei que é ruim deixar um país com um valor considerável de sua moeda, mas sempre deixe uma quantia para eventuais imprevistos. Não fosse o troco do taxista eu não sei o que faria para pagar as taxas de embarque e de bagagem…
      O ônibus saiu às 8h em ponto e se eu não tivesse pegado o táxi, teria perdido.
      Por volta das 10h40 chegamos à fronteira com a Hungria. Um oficial entrou no ônibus e pegou os passaportes. Depois ele nos devolveu carimbados com a saída da Sérvia. O ônibus andou um pouco e dessa vez tivemos que sair para passar pelo controle de entrada da Hungria. Por volta das 11h40 seguimos viagem.
      Ao meio-dia paramos num restaurante na beira da estrada. As refeições eram cobradas em EURO e um omelete custava EUR 4. Para usar o banheiro cobravam RSD 50. Comi uns chocolates que tinha comprado durante a viagem e tomei um suco de caixinha que nos deram no ônibus. Voltamos pra estrada umas 12h30.
      Cheguei em Budapeste por volta das 14h.
      FIM DE BELGRADO
      Próximo relato: Budapeste

    • Por Diego Minatel
      "No século XII, o geógrafo oficial do reino da Sicília, Al-Idrisi, traçou o mapa do mundo, o mundo que a Europa conhecia, com o sul na parte de cima e o norte na parte de baixo. Isso era habitual na cartografia daquele tempo. E assim, com o sul acima, desenhou o mapa sul-americano, oito séculos depois, o pintor uruguaio Joaquín Torres-García. “Nosso norte é o sul”, disse. “Para ir ao norte, nossos navios não sobem, descem.”
      Se o mundo está, como agora está, de pernas pro ar, não seria bom invertê-lo para que pudesse equilibrar-se em seus pés?"
      De pernas pro ar, Eduardo Galeano
       
       
       O nosso norte é o sul, Joaquín Torres-García
      Cheguei ontem pela madrugada em casa. Agora sentado na frente do computador sinto uma necessidade, quase insuportável, de contar sobre meu caminhar até o fim do mundo. Foram 50 dias de viagem e mais de 14.000km percorridos por terra. Entre ônibus e caronas percorremos o sul do Brasil e a Patagônia Argentina até Ushuaia, parando em muitos lugares nos dois países. O dinheiro era pouco, mas a vontade era muita. A necessidade que tenho de escrever deve-se as pessoas que de alguma forma nos ajudaram a realizar esta viagem ao extremo sul da América do Sul. Tanta gente boa pelo caminho. Tanta solidariedade. Tanta gratidão.

      Pela primeira vez, antes de uma mochilada, eu não estava completamente bem e seguro. Nos meses que antecederam a viagem estava escrevendo a dissertação do meu mestrado (isso, por si só, já era muita tensão) e nesse intervalo de tempo perdi meu pai, a mulher que aprendi a amar resolveu seguir sem minha companhia e quase antes de embarcar perdi minha vó. Como é de se imaginar, meu estado de espírito não era nada bom, na verdade era o pior possível. Com isso tinha muito medo de atrair coisas ruins pelo caminho, como por exemplo ser vítima de violência. Assim, resolvi mudar a ideia de mochilar sozinho e decidi ter uma companhia nessa viagem. Meu amigo/irmão Matheus embarcou comigo nessa jornada. 

      Enfim, tenho como intuito neste relato contar a história dos lugares por onde passei, minha histórias nesses mesmos lugares e, principalmente, falar sobre as muitas pessoas (leia-se anjos) que nos ajudaram nesta viagem. Quero contar de maneira honesta os acontecimentos e os sentimentos que me permearam nesses dias, e de alguma forma quero deixar esse texto como agradecimento a cada pessoa que tornou essa viagem algo possível.
      Agora vamos ao que interessa, bora comigo reconstruir essa viagem por meio de fotos e palavras!
      Parte 1 - De Rio Claro até Timbó: o mesmo início de outra vez Parte 2 - A Serra Catarinense vista por Urubici Parte 3 - O casal das ruínas de São Miguel das Missões Parte 4 - Do Brasil para a Argentina Parte 5 - Buenos Aires, la capital Parte 6 - O começo da Ruta 3 e o mar de Claromecó Parte 7 - Frustrações na estrada e a beleza de Puerto Madryn Parte 8 - O anjo do carro vermelho Parte 9 - Cruzando o Estreito de Magalhães com San Martin  Parte 10 - Enfim, o fim do mundo Parte 11 - Algumas das belezas de Ushuaia  Parte 12 - El Calafate, Glaciar Perito Moreno e Lago Argentino  Parte 13 - O paraíso tem nome, El Chaltén Parte 14 - A janela do ônibus Parte 15 - O caminho de volta e os reencontros Parte 16 - Reflexões


×