Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

EOG

Bolívia - Morte no Downhill, Chacaltaya, Tiwanaku, Assalto y otras cosas más...

Posts Recomendados

Você que acompanhou meu relato sobre a trip no Paraguai reparou que não sou o cara mais sortudo do mundo, as coisas mais bizarras tendem a me perseguir. Mas... Vou começar com a parte boa do rolê na Bolívia. Vou separar este relato por dias para melhor entendimento. ::tchann::

 

Cotações médias:

1 Dólar (US$) = R$ 2,37

1 Real (R$) = 2,90 Bols (Bolivianos)

1 Dólar (US$) = 6,90 Bols (Bolivianos)

 

Sexta-Feira - 13/06 - O início da jornada

 

Por mais cabalística que a data seja, não acredito em azar (ahhh vá!).

Saí do trabalho mais cedo e com medo de não conseguir chegar a tempo no terminal Barra Funda para pegar o Bus sentido Puerto Suarez (Puerto Quijarro), afinal, o trânsito de Sampa é caótico 24hs por dia. Consegui chegar 20 minutos antes do Bus sair e ainda tinha que comprar a passagem da volta, encontrei meu amigo Roney e descemos à plataforma de embarque, o mais legal de tudo é que o Bus da Andorinha que vinha do RJ atrasou um pouco mais de 1 hr. Bem... Vamos lá.

Tenho 1,89 de altura e viajei "confortavelmente", bus limpo e motoristas prudentes. Por que na Bolívia... Vc sentirá falta disso. ::lol4::

Ficaríamos o sábado em Puerto Quijarro para ir à Santa Cruz de la Sierra via Trem da Morte no domingo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sábado - 14/06 - Puerto Quijarro

 

Chegamos na froteira BR/BO por volta das 15:30, não sei se é um padrão, mas o bus entrou direto na Bolívia, precisamos voltar a pé até a imigração do Brasil (uns 7 minutos de caminhada) e fazer a "saída", em seguida fizemos a "entrada" na Bolívia, e os funcionários fronteiriços Bolivianos sem um pingo de educação nem se esforçaram para informar a direção que ficava a estação de trem quando perguntei, um cabrón só falou: "Pega um táxi". E fui fazer isso mesmo. Fdp...

Os taxistas ao lado da fronteira queriam cobrar R$ 15,00 para nos levar até a estação ferroviária, então procuramos um pouco mais distante da fronteira que nos levaram por Bols 15,00. Ou seja, um custo praticamente 3 x menor! Na Bolívia você tem que negociar tudo e pesquisar antes de comprar um serviço ou produto, mas se você é um mochileiro rico, vai na fé.

Ficamos hospedados em frente ao terminal ferroviário, o alojamento (muquifo) chama-se Cochabamba pagamos 30 bols (uns R$ 10,00) cada por um quarto com banheiro compartilhado, la dentro é tipo a vila do chaves, tem um pátio, as portas das "casas" ficam coladas uma na outra, só faltou um chafariz no pátio de trás. ::lol4::

Ficamos em um quarto para 4 pessoas no fundo da "vila do chaves", mas peraê, se somos em 2 em um quarto para 4, então... Então que fui conversar com o pivete que estava na recepção e ele disse que o quarto só tem uma chave, então ficaríamos só nós. Blz, minha cargueira dormiu feliz em uma cama com travesseiro!

IMG_0034.JPG.17bf1ad73f3c56aaf5548449a69cc33a.JPG

Exceto pelo frio ao sair do chuveiro que ficava no meio do páteo e o medo de ser sequestrado e ter alguns órgãos retirados para venda no ebay, o lugar era calmo. Não tive problemas em deixar minha mochila com notebook, câmeras, celular e outros objetos no quarto. (Mas em La Paz... Você vai ver a merda que deu)

Atravessamos a rua e fomos retirar nossa passagem na estação, o estranho é que o custo para reservar era de 30 Bols, quem comprou na hora pagou 70 Bols, e nós 100. Enfim, nem adiantou discutir.

Conhecemos um casal de Brasileiros super gente boa neste sábado, a Alê e o Dirceu que iam de trem e seguiriam à Machu Pichu. Fomos provar a alta gastronomia Fast Food fronteiriça e foi aí meu primeiro choque com a higiene (ou falta dela) quando nos referimos a alimentos. Um belo e oleoso hambúrguer num lugar que parecia um ferro velho (mas era uma lanchonete), paguei por um lanche e uma coca (cola) uns 12 Bols, e depois fomos ver o concurso de MISS que aconteceria no campo de futebol da cidade. Posso dizer que esta é a cidade do pó, calma... Eu digo cidade do pó pois as ruas não são asfaltadas e a cada carro que passa levanta uma nuvem de poeira deixando qualquer um sujo e com o nariz bem judiado.

IMG_0032.JPG.2c8affc0f919f88b8de57aa7ec59caaf.JPG

No fim da noite comprei uma cerveja paceña, e não gostei muito dela. Na Bolívia eu provei cervejas melhores, e piores também.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Estou muito curioso,pois quase morri no ano passado,e fiquei com um problema incurável.

Bolívia me custou a saude,nunca mais!!!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Renato e nsaniele, cheguei no final de semana e amanhã continuo a escrever o relato, preciso pedir 2ª via de documentos, comprar um celular novo, enfim... Muita coisa ainda será escrita...rs

D Fabiano, o que houve cara pra ser tão ruim assim a trip?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Renato e nsaniele, cheguei no final de semana e amanhã continuo a escrever o relato, preciso pedir 2ª via de documentos, comprar um celular novo, enfim... Muita coisa ainda será escrita...rs

D Fabiano, o que houve cara pra ser tão ruim assim a trip?

 

No Aguardo Erik hehehehehe

Nosso fiz essa mesma trip que Você e tive a sorte de nao acontecer nada de ruim comigo hehehehe

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Já postei aqui,principalmente no tópico de San Pedro.

Há exatos 1 ano estava em coma na UTI do HC-La Paz,nico hospital naquele pais de m... que tinha oxigenio disponivel.Fiquei inconsciente devido a altura da fronteira com Chile,5200m,e assim fiquei por mais de 15 dias.O que sei foi o médico que contou e o consul de Brasil,que se responsabilizou por mim,inclusive pelo pagamento da conta,se fosse necessário.Ele me disse que já havia mandado 4 mortos para o Brasil,por sorte não fui o 5,mas o péssimo atendimento gerou uma doença incurável em minha perna.Bolívia e Peru,nunca mais!!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Rapaz, conte logo dessa morte porque, antes voce tinha minha curiosidade. Agora tem minha atenção! ::sos::::mmm:

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por GIACOME
      Acabamos de regressar desta maravilhosa viagem, onde o exercício de resiliência e cuidado mútuo fez parte constante do trajeto; viajamos de carro, partindo de Cacoal, Rondônia, fazendo o já clássico caminho entre Rio Branco (Acre) e Cusco (Peru), passando pelas belas geleiras da cordilheira dos Andes. Estávamos em quatro pessoas, sendo elas duas crianças de 14 e 5 anos.
      Nestas condições o nível de aventura deve ser moderado, não podendo fazer caminhadas mais longas, ou qualquer outro passeio que demande muito esforço físico e muito menos risco à saúde ou à vida. Saímos de Cacoal junto com um grupo de Amigos até Porto Velho; já na saída um grupo que iria com a gente recebeu a notícia que outros membros da família que iriam se encontrar em Porto Velho haviam perdido o vôo. Logo, iríamos subir até Rio Branco somente em mais outro carro de amigos.
      O resumo do primeiro dia foi: Cacoal-RO – Rio Branco, Acre. 988km. Os pontos mais relevantes deste dia e que merecem uma observação:
      1. Abastecer em Porto Velho é bem vantajoso. Gasolina custando 3,36 antes do aumento de 0,40 do Temer.
      2. Comer no Assados; restaurante que fica na rua Carlos Gomes, em frente à Honda. Boa carne assada e postas de Dourado gigantes assadas.
      3. Em Abunã, resíduos históricos da passagem da ferrovia madeira Mamoré, incluindo uma locomotiva perdida.
      4. A Balsa; elemento jurássico que assola o desenvolvimento da região.
      5. O Shopping de Rio Branco, assim como toda a capital estão lindos.
      Não ficamos hospedados em Hotel. Ficamos na casa do amigo Carlos Frederico.

       
      O segundo dia acordamos cedo, mas conseguimos sair mesmo após às oito horas. Tomamos café em um posto de gasolina e seguimos para Assis Brasil. Em Epitaciolândia paramos para sacar dinheiro na agência. Queríamos levar 90% do dinheiro em espécie. Em 2013 levamos em espécie, mas já no final da viagem o dinheiro deu a conta; e muitos locais não passavam cartão de crédito. Importante habilitar o cartão para as transações internacionais. Saímos de Epitaciolândia e seguimos para Assis Brasil, a última cidade brasileira do caminho. Cuidado com este trecho é pouco. O asfalto está destruído em parte do trajeto, necessitando reduzir a zero a velocidade para prosseguir.
      O Resumo do segundo dia ficou assim: 574km. Rio Branco, Acre. Puerto Maldonado, Peru.
      1 Deixe bastante tempo para a imigração e passagem do carro para o Peru. É demorada a saída do Brasil na Alfândega Brasileiro quando tem ônibus também atravessando. Na Aduana peruana, se tiver ônibus ferrou. Nos finais de semana o fluxo é maior. O carro só sai agora com o Suat, um seguro obrigatório. Eles inspecionam o carro e só permitem o pagamento depois da observação e análise do veículo. Demoramos mais de três horas para fazer todos os procedimentos. Aproveitem para trocar sua grana por soles já na divisa. Uma das melhores cotações. Quanto mais entramos no país, menos o real vale. Com exceção de Cusco, que recebe muito bem o real.
      2 Viajei com a ideia de cotação entre 1 real para 1 soles. Levei prejuízo. Com o aumento do dólar, consegui comprar soles perdendo 10%. 1 real vale somente 0,90 soles. Prejuízo de 300 reais na troca dos 3,000 reais que levei em espécie. (levei mais 1,000 reais para trocar em Bolivianos).
      3 O trecho entre Inapari, primeira cidade Peruana onde fazemos os trâmites, até Puerto Maldonado é de 220 km. Cuidado com o combustível. Existem poucos “grifos” postos de gasolinas no caminho. Cuidado também com os quebra-molas, que são muitos e motociclistas sem iluminação. Passamos a noite e muitos veículos não têm iluminação.
      4 Em Puerto Maldonado ficamos no Tropical Inn. Hotel de fácil localização, à 4 quadras da praça de Las Armas de Puerto Maldonado. Ficamos na ida e na volta. O valor de 114 soles. Em média 130 reais para quatro pessoas. Quarto enorme e ótimas camas e banheiro. No entanto, sem café da manhã. No dia que chegamos estava sendo comemorado o aniversário da cidade. Muita festa na praça principal, com um show de músicas locais; uma mistura de aviões do forró com calypso. Sensacional. Comemos pizza e experimentei uma coxinhas de rua, feitas de massa de mandioca, também comi as papas helenas. Deliciosas.
      5 Já tome as deliciosas Cusquenas. Cervejas maravilhosas de Cusco. Aproveite o calor da cidade para beber, pois em Cusco o clima não é tão propício. Em Cusco gostoso é a Pisco Sour, bebida com aguardente de uva e clara de ovo.
      Dormimos com a ansiedade da subida pela cordilheira, levando em conta que estávamos com crianças e não sabíamos as reações, principalmente da menor com 5 anos. Amanhã continuo com o dia D da subida à cordilheira.


    • Por Sergio De jesus
      Salve salve mochileiros
      vou contar um pouco da minha viagem a la paz no monte chacaltaya e custo dessa viagem.
      atualmente estou morando em Santa Cruz de lá Sierra (bolivia)
      peguei um ônibus de Santa Cruz a la paz ônibus esse muito confortável com Tv banheiro poltronas ótimas,a passagem custou 130 bolivianos (65,00 reais).uma viagem que dura 17 horas até la paz,chegando na rodoviária de la paz contratei um táxi que me levou até a calle (rua) Linhares aonde tem varias agência de viagem e hoteis o custo do táxi foi 20 bolivianos (10,00 reais) o taxista me indicou o hotel lion gostei muito desse hotel no próprio hotel já tem a agência que leva ao chacaltaya,hotel muito bom tudo limpinho.obs: não pense que vai encontrar um hotel com ar condicionado em la paz pq anoite é muito frio. Custo do hotel 100,00 bolivianos (50,00 reais) com café da manhã incluso e serve tbm um delicioso chá de coca,lembrando que não é droga ok.
      fui na agência que fica no próprio hotel e contratei o passeio para o chacaltaya e valle de la Luna os 2 passeios por 90,00 bolivianos (45,00 reais)
      No dia seguinte a vãn passa no hotel as 8:00 horas da manhã  recolhendo o pessoal,estávamos em 7 pessoas na vãn,chacaltaya fica uns 40 minutos de la paz assim que sai da cidade vc já sente o clima mudar e a vãn passa por um caminho que só cabe 1 carro e vai subindo vc olha pela janela e da um puta medo desse carro cair ladeira abaixo hehehe vai chegando num certo ponto vc já vê as montanhas nevadas e estrada tbm com neve,a vãn sobe e deixa vc na estação de esqui que hj se encontra desativada quando vc deçe da vãn é incrível vc afunda o pé na neve,dai o guia pergunta se vc quer subir o monte (é lógico que sim neh ) são mais ou menos 300 metros de subida mais que eu vou te contar parece “300 kilometros”
      no meu caso eu senti muito a altitude de 5.400 metros acima do nível do mar eu demorei muito pra subir mais cada um sobe no seu Ritimo quando vc chega lá em cima a vista é incrível vc vê vários montes nevados o vento frio que parece que vai congelar seu nariz e seus dedos mesmo com luvas, mas garanto é sensacional muito lindo fui numa época com bastante neve,segundo o guia a melhor época pra ver neve no chacaltaya é no verão de dezembro a março. 
      Voltamos pra cidade para poder ir pro segundo passeio valle de la luna mais eu não consegui ir realmente estava muito cansado senti muito a altitude lá no monte chacaltaya tudo que eu queria era uma cama pra deitar e fiquei no centro próximo ao hotel. 
      Se me perguntarem se eu faria denovo,é claro que sim super indico é uma sensação ímpar.
      la paz é uma cidade linda com o trânsito caótico um monte de pessoas buzinando ao mesmo tempo heheheh aquela loucura,a única coisa que não gostei e não gosto é a culinária local.
      Um abraço a todos espero ter ajudado de alguma forma e qualquer dúvidas estarei aqui pra tentar ajudar.
       











    • Por Adeilsonn
      Salve, salve galera mochileira.
       
      Então esse é o meu 1º relato de trip, espero que seja o primeiro de muitos outros.
       
      Passei o feriadão de páscoa na Bolívia e como peguei todas as dicas aqui, nada mais justo que deixar o meu relato, pois sei que poderá ajudar outros mochileiros.
      Esse foi meu 1º mochilão internacional, na verdade vou chamar de mochilinha pois foi um bate volta.
      Vou separar por dia para tentar detalhar o máximo possível, vamos a aventura por terras Bolivianas.
       
      A trip iniciou em Novembro de 2013, foi quando a Gol fez uma promoção de passagens de volta a R$ 39,00, e para nossa surpresa minha e do meu amigo, havia passagens para Santa Cruz de La Sierra.
       
      Após comprar as passagens comecei a ler os relatos e confesso que a princípio fiquei com medo e receio e ao mesmo tempo ansioso para conhecer o país e a cultura.
       
      17/04 – Quinta-feira
       
      Como moramos no RJ e o voo partiria de SP(GRU), saimos do RJ no dia 17/04 às 23:59h pela empresa Útil que faz a linha RJ X Guarulhos.
       
      Gastos
      Passagem RJ X SP – R$ 49,00 (empresa Útil)
      Lanche na Rodoviária RJ – R$ 9,00 (Rei do Matte Joelho + Guarana natural)
    • Por ta_tia_ne
      Você encontra o relato original em:
      http://viajanderia.com/2014/11/14/um-pulinho-ali-em-chacaltaya-na-mais-alta-estacao-de-esqui-do-mundo/
       
      Fizemos a subida a Chacaltaya um dia após o Downhill, confesso que eu estava destruída e fui INFORMADA do preço, horário ao ser acordada de supetão já para trocar de roupa e sair correndo … Agradecimentos aos dois Paulistas pestes da Viagem, Flor(as vezes conhecido como Felipe) e Marco ..
       

       
      Conhecemos duas irmãs brasileiras na noite anterior bem elétricas e elas fariam o passeio conosco.
       
      O guia nos pegou as 9:30 no Loki Hostel e fomos aos poucos saindo de La Paz e indo em direção a uma montanha nevada lindíssima que depois fui saber se tratar de Huayna Potosi. Que deslumbre.
       


       
      Para nossa sorte, o pneu de nossa Van furou e foi possível ter uma parada na estrada para tirar uma fotos lindíssimas.
       

       
      2 dias na Bolívia e estávamos indo para nossa segunda aventura. Chegar aos 5395m acima do nível do mar na estação de esqui mais alta do mundo. Alguns dizem 5421m. Não sei qual o certo, sei que é alto pra caceta! De verdade.
       
      Vamos as dicas que agora eu considero importantes:
       
      Se você tem uma torneira enguiçada no lugar da bexiga faça xixi logo na base. (As minhas principais preocupações e melhores dicas sempre tem a ver com xixi, não tem jeito). Lá em cima é complicado!
      Faça uma aclimatação de 2 ou 3 dias PELO MENOS antes de encarar a subida. Filhão, o oxigênio fugiu de lá, nunca se esqueça disso.
      Não esqueça as folhinhas de coca, a muña ou sei lá que parada você esteja usando para o mal da altitude (o tal do soroche pega feio e pode estragar sua tentativa de subir).
      Não esqueça de levar um corta vento. Faz frio e venta muito mesmo. Eu também usei uma scarf para proteger o rosto, mesmo assim, meus lábios ficaram todos queimados.
      Suba devagar.Eu andava 8 ou 9 passos e parava. Eu sou sedentária, precisei respeitar os meus limites.
      Dito isso .. vamos ao que aconteceu.
       
      Chegamos a base depois de passar, segundo nosso guia pela VERDADEIRA estrada da morte. Mas de boa, a estrada da morte do Downhill era bem mais sinistra e alta .. Isso não quer dizer que você não passe por uns desfiladeiros sinistros.
       
      E gente .. quem foi que disse aos motoristas bolivianos que eles podem dirigir como se não houvesse amanhã?? Como diz a minha vó Ruth : “Jesus, Maria José!”
      Eles vão tirando fininho e você vendo as pedrinhas escorregarem lá embaixo.
       
      Chegamos a base da estação ( parada pro XIXI ) e aqui já tivemos duas desistências. Uma das brasileiras entoou um mantra durante todo o caminho até Chacaltaya: “Estou passando mal .. não consigo respirar, estou passando mal , não consigo respirar…” E assim foi, adivinhem, ela chegou na base passando bem mal e com muita dificuldade de respirar. A irmã foi solidária, apesar de brava, e ficou fazendo companhia para ela.
       
      É, o negócio não é mole não e se você não estiver, ao menos com o psicológico, bem preparado, é realmente difícil segurar a onda de começar a sentir o ar tão rarefeito.
       
      Subimos em três .. eram mais ou menos uns 200m de distância e mais uns 150m na segunda parte. Tranquilão né? O que são 200m não é mesmo?
       
      AMIGÃO, o que foi aquilo????? Eu andava um tantinho parava .. andava outro tantinho e parecia que meu coração ia pular fora do meu peito e descer a estrada da morte sozinho a procura de oxigênio.
       
      Os meus dois amigos já estavam a frente e eu MAIS UMA VEZ era a última. Mas vamos que vamos. Descobri que não vim a esse mundo a passeio e que não estou na merda de uma corrida de ratos e ainda bem que descobri isso antes de Chacaltaya. Fui no meu ritmo .. mas ao chegar na primeira parada, muita coisa no peito apertou, o psicológico tava gritando comigo e eu chorei pra caramba .. nossa, que conquista, que superação. Eu não podia acreditar que estava ali e que estava tendo a oportunidade de viver aquele momento. Lágrimas e mais lágrimas.
       
      Eu já estava seriamente pensando se subiria os outros 150m ou não. Bem, fui perguntar aos meus amigos se eles subiriam até o topo. Aí veio aquele momento em que você sente novamente que uma amizade muito maneira e bonita está sendo construída, a resposta que eu ouvi foi (e deixarei em caixa alta pois foi assim que ouvi!): SIM, VAMOS SUBIR SIM, TODOS, VOCÊ VAI COM A GENTE E NESTE ÚLTIMO PEDAÇO VAMOS SUBIR JUNTOS.
       
      Caraca … arrepiei. Tentei me recuperar o mais rápido possível e encaramos novamente. Devagar .. anda 5 passos e para … 5 passos e para.
      Não só eu, mas a emoção começou a tomar conta de todos nós. É filhão, é o tal do psicológico batendo na nossa porta.
       

       
      Foi uma chegada EMOCIONANTE em meio a lágrimas, sorrisos, contemplação e a certeza de que aquele momento marcaria muito e seria muito especial para cada um de nós.
       
      Fizemos nosso agradecimento, uma oração … relembramos algumas coisas importantes das nossas vidas, agradecemos mais um pouco e #partiudescer que estava todo mundo congelando lá em cima. Fotos, registros e vídeos e depois de 1:30 para andar 350m voltamos a base em um ritmo melhor que o da subida. Acho que não demoramos 30min para descer.
       
      O guia estava animadíssimo com nossa demora. #sqn ))
      A felicidade foi muito grande em atingir mais essa conquista que, inicialmente, nem estava nos meus planos.
       
      Como assim não estava nos seus planos? Pois é, eu nem ia à Bolívia nesta viagem e de repente eu estava ali, conquistando Chacaltaya em meio a novos amigos. Fantástico, fenomenal, incrível e emocionante.
       

       
      Na volta já a caminho de La Paz , na van, hora de almoçar!!! Quer dizer, de comer aquela tralha de biscoitos, chocolates e água que tínhamos nas mochilas.
       
      Eu fui tentar fazer um agrado ao guia, e dei a ele um de nossos pacotes de biscoitos, ao voltar pro meu lugar bati a cabeça no teto da Van e PASMEM, o vidro lateral da Van caiu e morreu no meio da estrada da morte despedaçado. Como assim? Coisas que só acontecem comigo.
       
      Eu continuo afirmando que a minha cabeça bateu no teto .. aquele vidro cometeu suicídio #prontofalei
       
      As palavras que ficam para Chacaltaya são Fantástico, fenomenal, incrível e emocionante. Sem mais.
       
      Fiz 3 vídeos curtos da subida, para que vocês pudessem entender a vibe do momento. O surto ao tentar acertar o nome do lugar e a altura certa eu atribuo a altitude que fez eu ficar um tantinho confusa
       

       
      E se você gosta de acompanhar estas aventuras ou encontrou informações relevantes, não deixe de compartilhar com seus amigos Minhas impressões sobre Peru e Bolívia foram muito ricas e eu contei um resuminho básico neste outro post.
       
      E se você quiser ver mais sobre a preparação e as curiosidades das minhas viagens, você encontra tudinho no Viajanderia.
      Você encontra o relato original em:
      http://viajanderia.com/2014/11/14/um-pulinho-ali-em-chacaltaya-na-mais-alta-estacao-de-esqui-do-mundo/
       
      Tati Batista
    • Por macatao
      Deniscaroll!!!
       
      Chacaltaya é um "monte" nevado... vc vai de taxi ou van até o mesmo... sai, vai deixando La Paz (parte alta), numa estrada de terra e o Chacaltaya aos poucos vai mostrando sua "imponência". Vc pode sair de La Paz numa temperatura agradável e no caminho vai esfriando, esfriando e esfria muito cara....Quando o carro começa "escalar" a montanha a estrada se afunila e passa um veículo só...tem uns trechos que vc olha pela janela e vê o abismão ao teu lado...aos pouquinhos vai aparecendo neve... e quando vc está la em cima dá para ver neve legal...a paisagem também é interessante...(vc estará as 5000 e tra lá lá de altura...). Lá em cima vc pode subir a pé mais um bom trecho... eu o fiz e na volta: sorochei legal he he he...(mal da altitude)... daí não pude fazer Tiwanaku com a turma...voltei para o albergue... Eles foram lá... gostaram, tratam-se de umas ruínas... encontraram muito artesanato e roupas com preço muito bom... El Alto não tenho idéia de como seja....


×
×
  • Criar Novo...