Ir para conteúdo

Posts Recomendados

  • Membros

Nobres colegas, depois de ler as 46 páginas, acredito estar mais ou menos preparado p encarar a trilha de Salkantay....rsrs (ou não). ::putz::

Chego em Cusco dia 30.08 e pretendo encarar a trilha dia 02.09, depois de uma leve aclimatação.

To deixando para reservar hostel e a própria trilha lá, pois, conforme relatos quase unânimes, compensa mais.

So não decidi ainda se já compro entrada p MP e HP por aqui, já que pode esgotar.

Quem tiver por lá nessa época e quiser juntar p a trilha, será bem vindo.

 

de antemão já agradeço as várias informações prestadas, especialmente pelo LIco e Leorj.

 

valeu!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 2 semanas depois...
  • Membros

Olá pessoal, estou indo fazer a trilha salkantay agora em novembro. Pelo que já li e reli sobre, essa época é o início da temporada de chuvas. Alguém que já fez a trilha em novembro poderia me ajudar e dizer como fica o clima durante a trilha em novembro? Precisa levar muita roupa de frio? Calça impermeável?

Agradeço a atenção e quem puder me ajudar a esclarecer essas dúvidas.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Galera, antes de fazer Salkantay entre os dias 23 e 27 de agosto, li TODAS as então 46 páginas deste tópico. Ou seja, basicamente TODO o meu preparativo veio das informações que encontrei aqui. Por isso, me sinto na obrigação moral de colaborar com vocês com o máximo de informações possível. Então vamos lá, que isso aqui vai ficar enorme ::otemo::

 

ESCOLHA DA AGÊNCIA

Escolher agência é uma loteria, mas podemos evitar alguns contratempos. Como dito antes aqui, fazer a reserva em Cusco é bem mais barato. As saídas em alta temporada são diárias, então dá pra fechar tudo em cima da hora (eu fechei com mais tranquilidade, quatro dias antes). No entanto, vocês têm que ficar atentos a alguns detalhes

1) Há trajetos alternativos. No terceiro dia, por exemplo, fomos de ônibus até Santa Teresa (S/ 10, não incluídos) e no dia seguinte, outra vez busão até a Hidrelétrica (incluído). Para alguns esses trechos em transporte tiram um pouco o brilho do passeio. Eu também achava isso, mas a real é que esses dois trechos são bem sem graça em termos de visual. Além disso, meus joelhos estavam detonados depois da baixada vertiginosa da tarde do segundo dia e da manhã do terceiro. De qualquer forma, certifiquem-se com a agência se haverá trajetos em transporte alternativo. Além disso, comparem os trajetos ofertados e vejam o que parece mais interessante.

2) A volta de Machu Picchu Pueblo (Águas Calientes) pode ser feita em trem ou ônibus. O ônibus é cerca de US$ 50 mais barato, no entanto sai bem mais cedo, comprometendo o tempo de permanência em Machu Picchu. Eu recomendo a volta por trem. O preço varia de acordo com o horário. Há um que sai por volta das 19h, resultando em chegada a Cusco por volta das 21h30. Eu peguei o trem das 21h50, chegando em Cusco 1h10 - isso me saiu US$ 20 mais barato e eu tava ficando curto de grana.

3) Eu paguei US$ 200 (já tinha as entradas de Machu Picchu). Havia agências oferecendo por US$ 175. Minha decisão foi por puro instinto. Senti muita firmeza na menina da agência. Me pareceu uma pessoa séria. No final, descobri que minha decisão foi mais do que acertada. Normalmente, preços inferiores resultam em serviços inferiores, principalmente no que diz respeito a alimentação e barracas. Pagar mais significa necessariamente serviço melhor? Não! Como disse antes, é uma loteria. Eu segui meu instinto e me dei bem. Fechei com a Aita Peru (www.aitaperu.com), rua Plateros, do lado da Plaza de Armas. As barracas eram ok, a comida ótima e o guia muito gente boa (Steven).

 

ACLIMATAÇÃO

Gente, altitude não é brincadeira. Eu corro, ando de bike e faço yoga e mesmo assim senti o ar rarefeito nos primeiros dias. Tenho amigo professor de educação física que também sofreu com UM MÊS de dor de cabeça. Chegar pelo menos uns 5 dias antes é FUNDAMENTAL pra não ter problemas (na Bolívia, por onde cheguei, todos dizem que só se sabe se a pessoa vai sofrer ou não com o mal de altitude (soroche) depois do quarto dia).

 

Dica: tomem Ginkgo Biloba por uma semana antes da viagem e sigam tomando na altitude. Li essa dica aqui no fórum, mandei um e-mail pra minha médica e ela autorizou. Tudo o que senti foi um pouco de falta de ar, mas as tradicionais dores de cabeça passaram de longe.

 

O QUE LEVAR

O peso é realmente uma preocupação. Eles pesam a mochila antes da saída e enchem o saco se estourar o limite (em torno de 6 ou 7kg). Então, apostem em roupas leves, porém quentes. Na mochila de ataque, apenas o necessário. Eu estava com a minha câmera DSLR, que com sua lente extra pesava 3kg. Com outras coisas básicas, tipo água, hidrosteril, comidinhas, repelente e protetor solar, além da roupa de frio que vamos tirando à medida que o corpo e o tempo esquentam, o peso total chegou a uns 7kg. Pesado pra ca*****! Mas não tinha jeito. Não abria mão da minha câmera e tive que aguentar o fardo por 5 dias.

 

Abaixo coloco meu checklist:

1) Geral

- Sachezinho sílica gel (para a câmera)

- Garrafinha de goró (aquelas metálicas, tipo de detetive de filme americano. Levei uma cachacinha que fez bastante sucesso na confraternização que rolou na terceira noite. Ajuda também a esquentar nas noites frias, principalmente na primeira, quando dormirmos a -4°C ::Cold:: )

- Canivete

- Chapéu/boné

- Garrafa térmica (opcional. Não usei)

- Capa de chuva (FUNDAMENTAL!)

- Protetor solar

- Protetor labial

- Lanterna

- Hidrosteril (comprem no Brasil! No Peru, eles só vendem umas pastilhas que além de pouco práticas, pois servem para 20L de água, demoram 2h para surtir efeito. Com o hidrosteril, que vocês compram em qualquer farmácia, 2 gotas bastam para 1L e em 15 min a água está boa para beber).

- Lenços umedecidos (para "tomar banho" nas primeiras noites. Foi realmente uma mão na roda, pois tirou a terra do rosto, braços e pernas, além de ser um adianto na limpeza das partes íntimas :) )

- silver tape (salvou um colega argentino que teve o tênis arrebentado no rolê)

- tesoura

- linha de costura e agulha

- colírio

- hidratante de mãos

- chinelo

- mosquetões (para pendurar coisas na mochila de ataque. Ajuda)

- Protetor solar (fator 30 para cima. Não vacilem. A altura aumenta a incidência de radiação dos raios solares. O sol lá não é como nas praias do Brasil. Ele assa a sua pele em dois minutos)

- repelente (fundamental no 3o dia. Comprei um Off lá mesmo e funcionou estupendamente bem)

2) kit de primeiros socorros

- Dorflex/gelol

- Band aid

- Esparadrapo

- Floratil ("piriris" são muito mais comum do que vocês imaginam. LEVEM!)

- Gase

- Álcool em gel

3) Roupa

- 5 camisetas leves (eu transpiro muito, então tinha que ir trocando diariamente pois não aguentava o cheiro no dia seguinte)

- 5 meias

- 1 meia de esqui/lã (para dormir)

- 5 cuecas

- segunda pele de calça

- 1 calça de trekking

- 1 segunda pele térmica (paguei S/ 20 em Cusco. Salvou minha vida)

- 2 fleece (já disse, transpiro muito)

- 1 anorak LEVE (vocês irão tirá-lo no caminho e carregá-lo na mochila!)

- tênis/bota de trekking (recomendo que seja impermeável, pois o caminho é bem úmido, principalmente nos últimos dias)

 

4) Comida

- frutos secos

- bala de coca (ajuda!)

- chocolate

 

Tudo o que está aí foi usado por mim ou emprestado a alguém. O pessoal tirava uma onda comigo, dizendo que a minha mochila era de borracha, do tanto de coisinhas úteis que eu sacava dela. Brincadeiras à parte, salvei a vida de muita gente, a minha inclusive, com esse monte de bobageira que no final não pesa tanto.

 

PREPARO FÍSICO

É aquela coisa: melhor ter. Eu particularmente tô muito bem, mas tinha gente que era fumante e ocioso e mesmo assim completou o trajeto. A pior parte, de longe, é a DESCIDA do segundo dia. Isso foi consenso entre todos no rolê. Os joelhos ficam moídos e a última hora de caminhada se transforma num verdadeiro calvário para quem não está tão acostumado assim com trekkings longos, como eu. Bastões de caminhada, mesmo aqueles vagabundinhos de madeira que podem ser comprados a S/ 5 ajudam BASTANTE, mas não resolvem. O que salvou meus joelhos foi o banho de águas termais em Santa Teresa no terceiro dia ::otemo::

 

SUBIDA PARA MACHU PICCHU

Gente, NÃO VÃO A PÉ! Simplesmente não vale a pena. O busão é caríssimo, mas compensa. Eu subi a pé. Saí do hotel às 4h, cheguei na checagem às 4h30. O portão que libera para as escadas abre às 5h, então fiquei fazendo fila. Uma vez liberada a passagem, subi tudo em uns 45 minutos de escadas em ritmo alucinante. Foi uma façanha épica, que comprometeu a apreciação das ruínas porque eu já estava MORTO de cansaço. Além do mais, cheguei 10 minutos mais cedo do que o pessoal que foi de ônibus. Ou seja: o custo x benefício da aventura é péssimo. Chegar mais cedo proporciona uma foto de Machu Picchu com menos turistas, mas esses 10, 15 minutos de antecedência com relação ao pessoal do primeiro ônibus me garantiu apenas uns 3 minutos a mais de paz na cidade sagrada dos Incas. Não vacilem! Gastem uma graninha a mais e vão de ônibus. Na volta, podem ir a pé tranquilos.

 

Acho que é isso. Se lembrar de algo a mais, posto depois.

 

Bom rolê pra vocês. E quem tem dúvidas sobre Salkantay, digo apenas uma coisa: FAÇAM! É lindo demais!!!

 

Abraços,

 

Flávio

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 2 semanas depois...
  • Membros

Flavio,

 

Adorei o seu post!! Sanou muitas dúvidas, porém, tenho ainda mais... hahaha!

 

Pretendo ir ali pelo dia 14 de dezembro com meu namorado e + dois amigos...

 

Estamos no impasse de comprar aqui ou comprar lá. Eles estão com medo de chegar lá e não ter vaga, e tem umas pessoas que põem um terror dizendo que não vamos conseguir entrar no MP... Mais uma milésima vez, o que vocês acham? algúem ai ja foi em dezembro?

 

Perguntas que não vi serem respondidas aqui: Nao há banheiros na trilha, OK. Levamos papel higiênico conosco? e o lixo, deixamos na trilha, cada um leva sua sacolinha...? é ridiculo, mas me pergunto muito isso (hahaha).

O saco de dormir queriamos comprar, tenho medo de nos alugarem um fedorento... porém o valor assusta. A experiência de alugar é boa? eles não são muuuito usados assim?

 

Obrigada!!

 

 

Ariadne

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Flavio,

 

Adorei o seu post!! Sanou muitas dúvidas, porém, tenho ainda mais... hahaha!

 

Pretendo ir ali pelo dia 14 de dezembro com meu namorado e + dois amigos...

 

Estamos no impasse de comprar aqui ou comprar lá. Eles estão com medo de chegar lá e não ter vaga, e tem umas pessoas que põem um terror dizendo que não vamos conseguir entrar no MP... Mais uma milésima vez, o que vocês acham? algúem ai ja foi em dezembro?

 

Perguntas que não vi serem respondidas aqui: Nao há banheiros na trilha, OK. Levamos papel higiênico conosco? e o lixo, deixamos na trilha, cada um leva sua sacolinha...? é ridiculo, mas me pergunto muito isso (hahaha).

O saco de dormir queriamos comprar, tenho medo de nos alugarem um fedorento... porém o valor assusta. A experiência de alugar é boa? eles não são muuuito usados assim?

 

Obrigada!!

 

 

Ariadne

Galera, antes de fazer Salkantay entre os dias 23 e 27 de agosto, li TODAS as então 46 páginas deste tópico. Ou seja, basicamente TODO o meu preparativo veio das informações que encontrei aqui. Por isso, me sinto na obrigação moral de colaborar com vocês com o máximo de informações possível. Então vamos lá, que isso aqui vai ficar enorme ::otemo::

 

ESCOLHA DA AGÊNCIA

Escolher agência é uma loteria, mas podemos evitar alguns contratempos. Como dito antes aqui, fazer a reserva em Cusco é bem mais barato. As saídas em alta temporada são diárias, então dá pra fechar tudo em cima da hora (eu fechei com mais tranquilidade, quatro dias antes). No entanto, vocês têm que ficar atentos a alguns detalhes

1) Há trajetos alternativos. No terceiro dia, por exemplo, fomos de ônibus até Santa Teresa (S/ 10, não incluídos) e no dia seguinte, outra vez busão até a Hidrelétrica (incluído). Para alguns esses trechos em transporte tiram um pouco o brilho do passeio. Eu também achava isso, mas a real é que esses dois trechos são bem sem graça em termos de visual. Além disso, meus joelhos estavam detonados depois da baixada vertiginosa da tarde do segundo dia e da manhã do terceiro. De qualquer forma, certifiquem-se com a agência se haverá trajetos em transporte alternativo. Além disso, comparem os trajetos ofertados e vejam o que parece mais interessante.

2) A volta de Machu Picchu Pueblo (Águas Calientes) pode ser feita em trem ou ônibus. O ônibus é cerca de US$ 50 mais barato, no entanto sai bem mais cedo, comprometendo o tempo de permanência em Machu Picchu. Eu recomendo a volta por trem. O preço varia de acordo com o horário. Há um que sai por volta das 19h, resultando em chegada a Cusco por volta das 21h30. Eu peguei o trem das 21h50, chegando em Cusco 1h10 - isso me saiu US$ 20 mais barato e eu tava ficando curto de grana.

3) Eu paguei US$ 200 (já tinha as entradas de Machu Picchu). Havia agências oferecendo por US$ 175. Minha decisão foi por puro instinto. Senti muita firmeza na menina da agência. Me pareceu uma pessoa séria. No final, descobri que minha decisão foi mais do que acertada. Normalmente, preços inferiores resultam em serviços inferiores, principalmente no que diz respeito a alimentação e barracas. Pagar mais significa necessariamente serviço melhor? Não! Como disse antes, é uma loteria. Eu segui meu instinto e me dei bem. Fechei com a Aita Peru (http://www.aitaperu.com), rua Plateros, do lado da Plaza de Armas. As barracas eram ok, a comida ótima e o guia muito gente boa (Steven).

 

ACLIMATAÇÃO

Gente, altitude não é brincadeira. Eu corro, ando de bike e faço yoga e mesmo assim senti o ar rarefeito nos primeiros dias. Tenho amigo professor de educação física que também sofreu com UM MÊS de dor de cabeça. Chegar pelo menos uns 5 dias antes é FUNDAMENTAL pra não ter problemas (na Bolívia, por onde cheguei, todos dizem que só se sabe se a pessoa vai sofrer ou não com o mal de altitude (soroche) depois do quarto dia).

 

Dica: tomem Ginkgo Biloba por uma semana antes da viagem e sigam tomando na altitude. Li essa dica aqui no fórum, mandei um e-mail pra minha médica e ela autorizou. Tudo o que senti foi um pouco de falta de ar, mas as tradicionais dores de cabeça passaram de longe.

 

O QUE LEVAR

O peso é realmente uma preocupação. Eles pesam a mochila antes da saída e enchem o saco se estourar o limite (em torno de 6 ou 7kg). Então, apostem em roupas leves, porém quentes. Na mochila de ataque, apenas o necessário. Eu estava com a minha câmera DSLR, que com sua lente extra pesava 3kg. Com outras coisas básicas, tipo água, hidrosteril, comidinhas, repelente e protetor solar, além da roupa de frio que vamos tirando à medida que o corpo e o tempo esquentam, o peso total chegou a uns 7kg. Pesado pra ca*****! Mas não tinha jeito. Não abria mão da minha câmera e tive que aguentar o fardo por 5 dias.

 

Abaixo coloco meu checklist:

1) Geral

- Sachezinho sílica gel (para a câmera)

- Garrafinha de goró (aquelas metálicas, tipo de detetive de filme americano. Levei uma cachacinha que fez bastante sucesso na confraternização que rolou na terceira noite. Ajuda também a esquentar nas noites frias, principalmente na primeira, quando dormirmos a -4°C ::Cold:: )

- Canivete

- Chapéu/boné

- Garrafa térmica (opcional. Não usei)

- Capa de chuva (FUNDAMENTAL!)

- Protetor solar

- Protetor labial

- Lanterna

- Hidrosteril (comprem no Brasil! No Peru, eles só vendem umas pastilhas que além de pouco práticas, pois servem para 20L de água, demoram 2h para surtir efeito. Com o hidrosteril, que vocês compram em qualquer farmácia, 2 gotas bastam para 1L e em 15 min a água está boa para beber).

- Lenços umedecidos (para "tomar banho" nas primeiras noites. Foi realmente uma mão na roda, pois tirou a terra do rosto, braços e pernas, além de ser um adianto na limpeza das partes íntimas :) )

- silver tape (salvou um colega argentino que teve o tênis arrebentado no rolê)

- tesoura

- linha de costura e agulha

- colírio

- hidratante de mãos

- chinelo

- mosquetões (para pendurar coisas na mochila de ataque. Ajuda)

- Protetor solar (fator 30 para cima. Não vacilem. A altura aumenta a incidência de radiação dos raios solares. O sol lá não é como nas praias do Brasil. Ele assa a sua pele em dois minutos)

- repelente (fundamental no 3o dia. Comprei um Off lá mesmo e funcionou estupendamente bem)

2) kit de primeiros socorros

- Dorflex/gelol

- Band aid

- Esparadrapo

- Floratil ("piriris" são muito mais comum do que vocês imaginam. LEVEM!)

- Gase

- Álcool em gel

3) Roupa

- 5 camisetas leves (eu transpiro muito, então tinha que ir trocando diariamente pois não aguentava o cheiro no dia seguinte)

- 5 meias

- 1 meia de esqui/lã (para dormir)

- 5 cuecas

- segunda pele de calça

- 1 calça de trekking

- 1 segunda pele térmica (paguei S/ 20 em Cusco. Salvou minha vida)

- 2 fleece (já disse, transpiro muito)

- 1 anorak LEVE (vocês irão tirá-lo no caminho e carregá-lo na mochila!)

- tênis/bota de trekking (recomendo que seja impermeável, pois o caminho é bem úmido, principalmente nos últimos dias)

 

4) Comida

- frutos secos

- bala de coca (ajuda!)

- chocolate

 

Tudo o que está aí foi usado por mim ou emprestado a alguém. O pessoal tirava uma onda comigo, dizendo que a minha mochila era de borracha, do tanto de coisinhas úteis que eu sacava dela. Brincadeiras à parte, salvei a vida de muita gente, a minha inclusive, com esse monte de bobageira que no final não pesa tanto.

 

PREPARO FÍSICO

É aquela coisa: melhor ter. Eu particularmente tô muito bem, mas tinha gente que era fumante e ocioso e mesmo assim completou o trajeto. A pior parte, de longe, é a DESCIDA do segundo dia. Isso foi consenso entre todos no rolê. Os joelhos ficam moídos e a última hora de caminhada se transforma num verdadeiro calvário para quem não está tão acostumado assim com trekkings longos, como eu. Bastões de caminhada, mesmo aqueles vagabundinhos de madeira que podem ser comprados a S/ 5 ajudam BASTANTE, mas não resolvem. O que salvou meus joelhos foi o banho de águas termais em Santa Teresa no terceiro dia ::otemo::

 

SUBIDA PARA MACHU PICCHU

Gente, NÃO VÃO A PÉ! Simplesmente não vale a pena. O busão é caríssimo, mas compensa. Eu subi a pé. Saí do hotel às 4h, cheguei na checagem às 4h30. O portão que libera para as escadas abre às 5h, então fiquei fazendo fila. Uma vez liberada a passagem, subi tudo em uns 45 minutos de escadas em ritmo alucinante. Foi uma façanha épica, que comprometeu a apreciação das ruínas porque eu já estava MORTO de cansaço. Além do mais, cheguei 10 minutos mais cedo do que o pessoal que foi de ônibus. Ou seja: o custo x benefício da aventura é péssimo. Chegar mais cedo proporciona uma foto de Machu Picchu com menos turistas, mas esses 10, 15 minutos de antecedência com relação ao pessoal do primeiro ônibus me garantiu apenas uns 3 minutos a mais de paz na cidade sagrada dos Incas. Não vacilem! Gastem uma graninha a mais e vão de ônibus. Na volta, podem ir a pé tranquilos.

 

Acho que é isso. Se lembrar de algo a mais, posto depois.

 

Bom rolê pra vocês. E quem tem dúvidas sobre Salkantay, digo apenas uma coisa: FAÇAM! É lindo demais!!!

 

Abraços,

 

Flávio

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros
Flavio,

 

Adorei o seu post!! Sanou muitas dúvidas, porém, tenho ainda mais... hahaha!

 

Pretendo ir ali pelo dia 14 de dezembro com meu namorado e + dois amigos...

 

Estamos no impasse de comprar aqui ou comprar lá. Eles estão com medo de chegar lá e não ter vaga, e tem umas pessoas que põem um terror dizendo que não vamos conseguir entrar no MP... Mais uma milésima vez, o que vocês acham? algúem ai ja foi em dezembro?

 

Perguntas que não vi serem respondidas aqui: Nao há banheiros na trilha, OK. Levamos papel higiênico conosco? e o lixo, deixamos na trilha, cada um leva sua sacolinha...? é ridiculo, mas me pergunto muito isso (hahaha).

O saco de dormir queriamos comprar, tenho medo de nos alugarem um fedorento... porém o valor assusta. A experiência de alugar é boa? eles não são muuuito usados assim?

 

Obrigada!!

 

 

Ariadne

 

Oi, Ariadne.

 

Desculpa a demora, não costumo entrar muito aqui no fórum.

 

São duas coisas distintas: Salkantay e a entrada pra Machu Picchu. Com relação a Salkantay, há saídas diárias em alta temporada, então dá pra comprar lá tranquilamente, sem reserva prévia. Já Machu Picchu depende. Dá pra comprar em cima da hora, tipo na noite anterior, só que você terá acesso apenas às ruínas. Caso você queira subir em Huayna Picchu ou na Montaña (estamos falando de duas montanhas altíssimas que te dão visão panorâmica da cidade), tem que comprar antecipado, já que o número de visitações diárias é limitado. Eu comprei Huayna Picchu com um mês de antecedência em alta temporada e mesmo assim quase não consegui pro dia que eu queria.

 

Lixo e banheiro: durante o caminho, fazemos algumas paradas para comer e/ou descansar onde tem uma infraestrutura honesta de banheiro e lixo. Dá também pra encher as garrafinhas de água, sempre usando o hidrosteril! Claro, no meio do caminho não tem nada e a gente acaba recorrendo ao matinho mesmo :) Leve papel higiênico, lenços umedecidos e álcool em gel. Vão salvar a sua vida.

 

Saco de dormir: meu, eu aluguei e achei ótimo. Era quente, espaçoso (e olha que tenho 1,85m) e cheirava bem melhor do que eu no final do dia haha Sério, achei bem higienizado e aguentou o frio de -4 que pegamos na primeira noite. Como eu não acampo muito, menos ainda num frio desses, não valia a pena comprar. Então o aluguel acabou sendo um excelente negócio.

 

Um abraço,

 

Flávio

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Olá Pessoal,

Farei a trilha Salkantay em dezembro deste ano, provavelmente no dia 29.

Estou pensando em contratar a empresa aqui, pois tenho medo de não encontrar na hora, já que será alta temporada.

Li indicações de algumas empresas aqui no forum, mas estou quase fechando a trilha com a Willka Travel. Alguém conhece ou recomenda esta empresa?

Ou tem alguma outra boa indicação que talvez valha mais a pena?

 

Uma ajudinha de vocês seria ótimo! :D

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Fiz a trilha e concordo com praticamente tudo que o Flavio falou.

 

 

DIFICULDADE

 

Primeiro e segundo dia: BEM cansativos

Outros dias: tranquilo

 

A travessia não tem desafios técnicos, é SÓ caminhada.

Depois que você começa a descer (na metade do segundo dia), tudo fica mais agradável, pois a vegetação alta aparece e o ar fica MUITO mais fresco e úmido, é realmente MUITO bom.

 

O grande desafio é mesmo a altitude dos 2 primeiros dias, pois você começa a 3300 metros e chega a 4600.

A chance de se sentir soroche é bem alta, eu tive no segundo dia e isso dificultou MUITO, mas muito mesmo, é uma sensação desgraçada.

 

*Eu perdi 5kg nessa travessia

 

DICAS

 

-Leve apenas 1 litro de água e PASTILHAS purificadoras, pois haverão várias bicas d'água para reabastecer. Eu levei 2 litros na mochila e me arrependi por causa do peso.

 

-Lembre seu guia de visitar o Lago Humantay ou pelo menos o lago que tem na frente do Salkantay. São lagos de degelo lindos que eu NÃO VI ao vivo pois meu guia nem tocou no assunto. Agora eu quero fazer a travessia de novo, só para ver os lagos.

 

-VISITEM as águas termais no terceiro dia, vai te renovar 100%, e aproveite para levar shampoo, pois tem banheiros com chuveiro no local e é uma grande chance de tomar um banho.

 

-COMPREM os ingressos para a Montaña Machu Picchu (Machu Picchu mountain), é uma trilha bacana e MUITO MUITO MUITO bonita, ver Machu Picchu ali de cima é sensacional.

Existem poucas informações sobres esta trilha na internet, mas ela é MUITO legal e vai te propiciar a vista mais alta de Machu Picchu.

O ingresso custa 10 dólares e pode ser adquirido no momento da compra da trilha Salkantay (na agência).

A trilha leva 2 horas, boa parte subindo escadas incas à beira de precipícios e a vista é indescritivelmente fabulosa.

 

-PEGUE um ônibus para subir Machu Picchu, você vai estar exausto, dormir pouco e precisa ter energia extra se for fazer a trilha do Huayna Picchu ou Montaña Machu Picchu. Aproveite esse dia o máximo que puder!

 

-LEVE DINHEIRO EXTRA na trilha, pois se você estiver MAL no primeiro dia, você DEVE (DEVE MESMO!) alugar um cavalo para fazer a subida do segundo dia, e o cavalo custa 80 soles. Muita gente vai de cavalo, não se sinta envergonhado, respeite seus limitess.

 

-A tirolesa do quarto dia custa 90 soles, eu não fiz pois achava que seria mais barato, e não levei dinheiro suficiente.

É caro, mas é um lugar bem bacana e a tirolesa é MUITO comprida (não me lembro exatamente o comprimento)

 

 

PREPARO FÍSICO

 

Eu fiz algumas caminhadas de 25 km no mês anterior â viagem e estava correndo em torno de 40 minutos no parque da minha cidade.

Isso garantiu que eu não tivesse nenhuma dor muscular nas pernas.

 

Eu tive soroche (mal de altitude), e isso já estava me matando, imagine se eu ainda estivesse dores musculares.

Você não quer se arrastar 9h por dia né? Então se prepare.

Se você faz musculação, foque nos treinos de perna, principalmente os músculos superiores.

 

CUIDADOS

 

Funcionários do meu hostel disseram que já houveram casos de pessoas com problemas de coração passarem por problemas sérios.

Não banque o idiota se metendo nessa trilha se você não tem um mínimo de preparo, a travessia é SENSACIONAL, mas montanhismo não é brincadeira.

O soroche não é só "um barato", o negócio SÉRIO, como falei anteriormente, leve dinheiro para alugar um cavalo, caso sinta necessidade, não seja burro!

 

Repelente não funciona ali, se quiser prevenir picadas, use calça.

Leve boas meias de trekking, pode ser bom utilizar 2 meias para não fazer bolhas nas descidas do segundo dia.

 

Não leve excesso de agasalhos, pois essas coisas ocupam muito espaço e acrescentam muito peso. É mais válido levar poucos e BONS.

 

CONCLUSÃO

 

A travessia vale MUITO a pena, é uma experiência inesquecível que ainda vou repetir com outras pessoas.

Siga as dicas e não haverá imprevistos.

Editado por Visitante
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 2 semanas depois...
  • Membros

Excelentes dicas Marcelo.

 

Eu passei por maus bocados quando fiz a trilha pois comprei parte do meu equipamento/roupa em Cuzco, quando fui experimentar a calça (excelente por sinal da Columbia) eu fui após o almoço. Ela serviu como uma luva e ficou muito bem ajustada.

 

Durante a trilha porém como o corpo perde muita água ela acabou ficando um pouco folgada e precisei do uso do cinto (que eu não tinha). Como eu levava vários objetos nos bolsos e não tinha mochila eu tive que passar os 4 dias de caminhada segurando as calças!!! Imagine!

 

Optei por fazer a trilha sem mochila pois tinhamos a opção de ter 1 mochila por pessoa sendo carregada com a equipe de cozinheiros/barracas. Vi ai uma oportunidade de não carregar peso, então deixava a maquina fotográfica e o cantil presos na cintura ou pescoço, dai o problema com as calças.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Silnei changed the title to Trilha Salkantay

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

×
×
  • Criar Novo...