Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

xexelo

Rumo Austral - de Curitiba a Carretera Austral de Ranger

Posts Recomendados

Continuando a postar relatos antigos e que foram sonegados aos mochileiros segue a postagem sobre a minha viagem pela Carretera Austral pelo Chile. Como minha viagem anterior, sempre tem enroscos e problemas. Desta vez por poucos quilômetros eu quase não volto mais e quase ferrei o motor.

 

Como dá outra vez não é uma relato com detalhes sobre preços e tals. Gastei sempre o mínimo possível com alimentação e hospedagem. Devo ter almoçado em restaurantes umas 4 vezes a viagem toda. Portanto não posso dar muitas dicas sobre a alimentação na Carretera. O caso é que eu sempre perdia a hora de almoço e quando lembrava já tinha passado a cidade mais próxima. Ai tinha que lanchar o que tinha no carro mesmo. Aliás esta viagem foi um belo SPA pois de 98 Kg no início eu voltei com 92 apenas :-)

Levei de novo todo o equipamento de camping que acabou indo passear apenas. A Ranger se portou muito bem na estrada e se não fosse por negligência minha não teria dado problema com o arrefecimento e queimado a junta do cabeçote no final da viagem. Pura burrice.

 

Fui sozinho porque meu tio não pode me acompanhar aquele ano e também porque a outra pessoa que tinha me garantido que ia junto deu pra trás um mês antes. Assim achei melhor seguir sozinho do que esperar mais um ano para ver se conseguia companhia para a empreitada.

 

Mas vamos aos relatos.

 

1º DIA – 22/12/2013 – DOMINGO.

De Curitiba a Quarai - RS / Artigas – Uruguai – 1150 km

 

Saí de Curitiba as 5:25 h debaixo de uma garoa fina e chata que me acompanhou até União da Vitória mais ou menos. O calor começou a chegar e por volta das 8 ou 9 horas e pegou pesado. Acho que deve ter ficado uns 30 graus ou mais.

Como estava viajando sozinho fui dando paradas a cada 2 ou 3 horas para esticar o esqueleto.

A estrada pelo interior tem muitas curvas, mas tem trechos bem tranquilos em que se pode desenvolver 100 a 110 Km/h (GPS) numa boa.

Acabei não almoçando hoje, comi pão de queijo, amendoim japonês e frutas secas. Quando parei num posto para almoçar achei muito caro (era chique) R$ 21,00 o bufet livre.

Quando cheguei a Quarai estava iniciando a hora do agito de domingo na praça central. Os carros iam parando em volta da praça e deles saiam os jovens com cadeiras de praia, coolers de cerveja e se abancavam na grama esperando a galera ficar desfilando com seus carro e com o som alto. Coisas do interior do Brasil.

Mudei roteiro inicial e vou entrar no Uruguai pra fazer umas comprinhas básicas. Depois entro na Argentina por Salto UR / Concórdia AR.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

2º DIA – 23/12/2013 – SEGUNDA.

De Quarai - RS / Artigas – Uruguai a Viale / Maria Grande - 485 km

 

Dia da lembrança (ou lambança).

Acordei tarde em Quarai, tomei um café reforçado no Hotel Fênic e fui para Artigas pensando em pegar as lojas abertas as 8 h, todavia elas só abriam as 9.

Em Artigas tem umas 4 free shops apenas e nelas eu não encontrei o q queria: bateria extra pra minha câmera, um tripé e fogareiro de camping. Eu não quis trazer o meu fogareiro porque ele é muito grande.

Sai de lá 9:30 depois de carimbar meu passaporte. Segui pela estrada que leva a Salto e ela estava bem ruinzinha como da outra vez q passei por aqui em janeiro.

Passei para o lado argentino por cima da barragem de Salto Grande. Na Argentina tem uma aduana integrada com o Uruguai e ai é q começou o problema:

A moça da aduana tinha que ter me pedido o seguro Carta Verde e não o fez... Passei batido pela fronteira e segui viagem.

Até que tinha um bando de policiais na beira da estrada parando os carros. Eu por segurança já saquei dos documentos e ai que eu lembrei... não tinha feito o seguro... GELEI... ESQUECI DE FAZER A CARTA VERDE.

Com toda aquela agitação da semana q antecedeu a viagem eu esqueci. Até tinha cotado com o cara que faz seguro para a minha família a tempos e não fui buscar nem pagar...

Na primeira cidadezinha que achei eu parei, mas tinha q esperar a maldita siesta pois era 14.30 e esperei até as 16:30 para abrirem as portas. Falei com um corretor e ele me disse q só poderia resolver amanha (24/12). Beleza, tinha solução.

O que não tinha solução era a hospedagem pq aquela titica de cidade não tinha NENHUMA hospedagem. Tive de seguir, por estrada de terra, ate Maria Grande, uns 30 km de Viale.

Fiquei no hostal El Sossego 150 pesos, algo em torno de R$ 55. Quarto pequeno, limpo e bem gostoso. Tomei meia garrafa de um vinho marca Viejas Cepas, da uva Syrah e capotei na cama. Nota sobre o vinho: Um pouco mais amargo do que eu gosto.

 

996083_1405901486318814_1358170021_n.jpg?oh=264d071a60de0c359b83a03b758b6c34&oe=58215FD4

1488247_1405900426318920_1500191030_n.jpg?oh=ddfd08f8769cd003d0ef911beba3f752&oe=581CD79F

1479299_1405901986318764_964054044_n.jpg?oh=5af913da58c92b3eff74aa13cc5dd29a&oe=581D69DB

1522144_1406769109565385_364890989_n.jpg?oh=bcff0a2443520072726ec9304af8be56&oe=581716A7

1486817_1406769506232012_1730921220_n.jpg?oh=b0bf8a284cc7fddc25802e8820ea76bd&oe=582645C1

996682_1406769882898641_360552154_n.jpg?oh=672dd94bb53fa21883ebdd8321fe3f06&oe=581B445D

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

3º DIA – 24/12/2013 – Terça (Martes).

De Viale / Maria Gorda a Villa Mercedes – km

Acordei as 7 e fiquei vendo TV. Sai do hostal e segui para Viale (30 Km) novamente por estradas de terra.

Chegando lá, fui direto a seguradora que enrolou, cobrou mais caro, mas fez o seguro inclusive com assistência de guincho para até 200 Km (oba).

Terminado este tramite, segui viagem rumo a Santa Fé. Para chegar lá tem que se passar por um túnel por baixo do rio Paraná. Muito bacana. Parece que só desce, acho que deve descer a uns 50m, sei lá.

Passando A cidade é só asfaltão... O problema é que em certos lugares parece q tem uma micro cidade a cada 10 Km. Ai tem q diminuir a velocidade até 50/60 por hora.

Entrei no centro de Rio Cuarto para pegar dinheiro no banco. Peguei 1000 pesos. Até agora só troquei 120 dolares. 20 dolares me fizeram a cotação 8,40. 100 dolares fizeram 10 pesos por dólar.

 

1455841_1406770379565258_20115029_n.jpg?oh=5f2dfce31c6fcda78b1bc07e1ee1f30f&oe=58247720

1504525_1406770436231919_1543791440_n.jpg?oh=491b1b2d5437ddca19ab020eeae71364&oe=5835E4DA

1501798_1406770502898579_637184994_n.jpg?oh=5825fc3964015d493048bd50f15b9ebe&oe=581B2B46

995277_1406771022898527_1470248622_n.jpg?oh=478b1da50ece75a8209e73ddd0dcb7dd&oe=582D9B87

1453369_1406771799565116_179629345_n.jpg?oh=854e0876c4959bb0d36799d5160f6465&oe=58162C6E

 

4º DIA – 25/12/2013 – Quarta (Jueves).

De Villa Mercedes a Mendoza a Malargue – 760 km

 

O hotel que fiquei se chama Hostal Del Sol e vc percebe que ele já teve dias melhores, agora esta muito decadente, porém tem ótima estrutura se vc não ligar para as coisas serem velhas e feias da idade. A piscina como vcs perceberam é ótima.

Dia de estradão apenas. A autopista até Mendoza é um espetáculo. Quase sem falhas.

Porquê fui a Mendoza??? Pensava em trocar os dólares... só esqueci de um detalhe, é dia 25, feriado. Nada está aberto... Poderia ter diminuído 200 km. No entanto a pequena passagem pelo centro da cidade já deu para ver que esta é uma cidade a se conhecer. E olha que eu não sou muito de querer conhecer cidades. Sem comparar tamanho ela (é muiiiito maior) a cidade tem um q de Maringa muito melhorada.

Segui de Mendoza rumo a Malargue pela Ruta 40. Até pensava em seguir exclusivamente por ela, mas tinha um trecho de 116 Km de terra e eu não estava muito a fim. Optei por seguir a San Rafael e depois a Malargue somente pelo asfalto.

Até que foi bom, passei por um lugar chamado Cuesta Del Carneiro ou de La oveja (não Lembro). Um lugar com bons visuais para fotos.

As primeiras montanhas nevadas ficaram a vista. Altos visuais.

Fiquei no hotel Rioma, um pouco caro para meus planos, mas como era feriado até hotel estava difícil de achar. Um hotel muito bom, com tudo que se necessita e ainda piscina.

 

1526516_1406798316229131_340757708_n.jpg?oh=88cc17fae3cf8454aa38fac437899604&oe=57EC89C7

1456505_1406798776229085_1928412978_n.jpg?oh=f304d0b17316036dce8f163262869d38&oe=5819EE11

1510009_1406799119562384_1681482706_n.jpg?oh=4c1408b103c1cca42579bf28b0d882b5&oe=581CF548

1522230_1406799212895708_2035203188_n.jpg?oh=d5cde6864b9770b03081fc6440a9342b&oe=58275B39

1507111_1406801772895452_1112621138_n.jpg?oh=0aea06ed36afcf64c536ebbf28085848&oe=5835294B

1526798_1406802086228754_199539136_n.jpg?oh=d23df5c975902d9e509f7951f6b42cdb&oe=5823B6A0

1513273_1406802242895405_1465927317_n.jpg?oh=c07ec59a5210ea15aa6d7a363145f616&oe=582896D4

995602_1406802336228729_645952030_n.jpg?oh=e3ab0a3317eff50d8f0f6214b98b308c&oe=58189FD4

1508571_1406802449562051_561035659_n.jpg?oh=1702593f41439fdaedb77dcc516a95af&oe=5836BE10

1483381_1406802586228704_523295656_n.jpg?oh=c72f448118e6726932645da367d0a38a&oe=582F5353

1477946_1406802699562026_1017792485_n.jpg?oh=66605ef63445edcc3646540a36f9b13d&oe=58349361

1527019_1406802796228683_1023699062_n.jpg?oh=876f1462239faedf4526abc11b23c590&oe=5825536F

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

5º DIA – 26/12/2013 – Quinta (jueves).

Malargue e imediações– 200 km

Acordei meio tarde, tomei café (bommmm)no hotel Rioma e sai. Fui na secretaria de turismo para verificar se o q eu queria fazer podia dar certo. Infelizmente me cortaram o barato. Eu queria ir conhecer as termas do hotel abandonado, depois ir ao Valle Hermoso. Não dava, era muito mais longe um do outro do que eu achava. O rapaz da secretaria aconselhou a ir para o Valle Hermoso e depois a Cascada de Manquil-Malal.

 

Havia ainda os Castillos de Pincheira, uma formação rochosa muito imponente, porém não dava para ir a todos os lugares, por isso escolhi a cascada.

 

Bueno, sai da central do turista em direção a as Leñas 78 Km. No caminho temos a laguna de Lá Niña Encantada e o pozo de las animas.

A estrada para Las Leñas em seus últimos 40 Km estava um pouco esburacada. Chegando em Las Leñas é um pouco decepcionante, mas as fotos que eles tem lá do inverno são de uma beleza impressionante.

Perguntei como fazia para ir ao Valle Hermoso. Segundo o rapaz do centro de turistas, o caminho ao Valle Hermoso é somente para 4x4, mas na minha opinião os pseudo off Road que tem por ai dão conta. Mas tem que ir beeeeeeeemmmmmm devagar.

 

Saindo do centro de turistas são 27 Km de pura adrenalina. Eu simplesmente adorei e me arrependi de não ter colocado a máquina fotográfica para filmar uma parte do caminho. É simplesmente UM ESPETÁCULO. Curvas e mais curvas, zigue zagues para subir e para descer, a cominhonete tem horas que parece estar pendurada na beira de um abismo. E ESTÁ MESMO. As vezes tinham despenhadeiros de centenas de metros ao lado da roda...

 

E vc sobe, sobe, sobe, sobe e quando pensa que chegou, sobe mais um pouco. Ultrapassei todos os meus recordes de altura, seja a pé ou de carro. Cheguei a 2880 m de altura. E no meio da subida, dou de cara com um menino aparentando seus 7 anos mais ou menos, montado num cavalo e todo vestido de gaucho, sozinho no meio da montanha. Parei e pedi para tirar uma foto, ele deixou e acho que gostou pois sorriu. Fiquei impressionado. O que aquele carinha estava fazendo ali sozinho??? Nem lembrei de perguntar tão boquiaberto que estava.

 

Seguindo viagem chega-se ao mirante do Valle... :shock: É de ficar bobo com tanta beleza. As duas lagunas, a estrada serpenteando vale abaixo e aquela agulha de pedra encravada na entrada, como que colocada ali pela mão de Deus e entalhada em milhões de pedacinhos. Só faltou uma plaquinha dizendo: em obras...

 

Desci ao Valle e tirei muitas fotos, vcs não tem noção. Não coloquei tudo o q queria no face. Lanchei por lá, onde tem uma espécie de camping e depois de uns 45 minutos de descanso, segui viagem novamente em direção a Malargue novamente.

 

Passei novamente pelo centro de Malargue e segui 30 Km até a Cascada Manquil-Malal. Estava quase me arrependendo quando cheguei lá e me disseram que era uma caminhada curta, porém tinha de ser feita com guia$$$... Não me arrependi nem um pouco de ter ido. A cascata é um museu de paleontologia a céu aberto. O guia foi me explicando tin tin por tin tin, o porque de haverem tantos fósseis de conchas, ostras e outros animais pré-históricos ali. O mais incrível é que apesar de ele falar solamente espanhol, eu consegui entender quase que 95 % de tudo o que ele me falou, em olhe que não eram poucas informações. Quando eu não entendia, o contexto do que ele falava completava a compreensão. Outro espetáculo da natureza, em um espaço de poucas centenas de metros tantos fósseis assim espalhados a nossos pés.

 

Voltei pro hotel cansado, sujo e maravilhado. Dormi com os anjinhos me embalando.

 

1549537_1407165759525720_2045367397_n.jpg?oh=c05816dba08cfbaa5406d924be0aa295&oe=5831D961

1489245_1407166859525610_366656590_n.jpg?oh=8fe39fd20700a2a945772b1742956adc&oe=57EBB316

1501755_1407174246191538_675369274_n.jpg?oh=3a580a03fffade70d19112fb0e479522&oe=582308C9

1482806_1407174202858209_1866115179_n.jpg?oh=9e677ea6749b0d84716527109b90f930&oe=58147088

1505269_1407174659524830_848680243_n.jpg?oh=b7d9cf18a42aa66c6657fd109985e4a7&oe=582C035A

1497513_1407174762858153_1170506699_n.jpg?oh=5d9697856ea7f59d706cd13541e20992&oe=57E9123A

1174590_1407175086191454_2102245900_n.jpg?oh=31c9b43469890f029ef9651012dd6109&oe=57EAB0D8

1525638_1407176512857978_475026478_n.jpg?oh=ade182108601bce41645a63f3d69bd3d&oe=582E130F

1546147_1407176869524609_1161299496_n.jpg?oh=d2e5036a4b6c6c050bdd3579e2c73314&oe=582B5098

1512676_1407176939524602_1362234913_n.jpg?oh=cf004651f92f9a3e63c86088c64ab889&oe=5815DD54

1551666_1407369792838650_2012638528_n.jpg?oh=10912c9b5ea018b7ddd661524babe9d0&oe=57EB0289

1549518_1407369936171969_1250131314_n.jpg?oh=4c7a226a9106205e0e69ad0e19c332c7&oe=58268365

1185546_1407370009505295_230481885_n.jpg?oh=987d9c13ca90a9bc0db69e6c0694277c&oe=5823CE65

1521955_1407370089505287_2059428560_n.jpg?oh=581f6e80d0f44432268e9833c64d50ec&oe=582F6FB3

1511280_1407370249505271_638892019_n.jpg?oh=ece42bf93821bba6f7f27111dbe9c68c&oe=5831A27E

1513279_1407370379505258_1638974318_n.jpg?oh=73948f63eb4e548b5257bb36b6de3042&oe=582FF34A

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

6º DIA – 27/12/2013 – Sexta (Viernes).

Malargue a San Martin de Los Andes– 768 km

 

Acordei meio tarde, tomei café e sai. Tinha mais um booom trecho de estrada para cumprir, 770m km. É que, para cumprir os meus planos eu resolvi que não iria mais parar em Chos Malal para dormir. Resolvi seguir direto a princípio até Junin de Los Andes e depois de lá chegar resolvi esticar mais 40 km até San Martin de Los Andes.

Então não há muito a contar. Somente que peguei os meus primeiros 70 km de rípio (terra). Não tem muita coisa pra se ver no caminho. Uma ou outra formação rochosa, um montanha que me pareceu um vulcão, um vulcão de verdade (o vulcão Lanin), Um laguinho tbm e só. Teve ainda a passagem de um “bando” de cabras na estrada.

Alem disso, para um cara que já teve uma amante russa (um Lada e não uma mulher), o Niva, vi uns russinhos em San Martin. Um estacionado, que eu tirei foto. Outro me seguiu dentro da cidade e outro estava vindo em sentido contrário ao meu por isso não tirei fotos.

Fiquei no hotel Cumelen, cuma? Isso mesmo, CUMELEN. Choveu no fim da tarde e não quis acampar ainda.

 

1524621_1407635756145387_1350600155_n.jpg?oh=622f4a825e43d125299a685b5666d4c1&oe=58187F0C

564513_1407635869478709_1781291092_n.jpg?oh=b88177cb25a43405dfb4bf07485028df&oe=58257E47

1533779_1407635842812045_1909702790_n.jpg?oh=d64d507bb52b7fafb6fa8f2dc254315e&oe=581598BD

1480574_1407636102812019_1149127409_n.jpg?oh=0bc35f5b3e6181f3948dd931a7d906fc&oe=58343A9A

1527026_1407636859478610_85534115_n.jpg?oh=9d58f7ef63d7d9dba9647235c7532c27&oe=582118F8

1535021_1407637036145259_394788919_n.jpg?oh=aa1e0e49ed5d0fd0c381f4d9e25be96d&oe=5821510B

1497545_1407637112811918_1481957527_n.jpg?oh=72074cd93a55f8ff4131ccdf3b6ea05f&oe=57EA3C45

1551606_1407637456145217_468157924_n.jpg?oh=ebfba6329f0706a677a5d68060359a05&oe=58325CB0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

7º DIA – 28/12/2013 – Sábado (sábado).

Um problema, na hora de ir dormir ontem, as 22 h, mais ou menos, acabou a luz... Mas acabou em toda a cidade........... A Argentina esta vivendo com cortes de luz sem aviso por causa da onda de calor que está ocorrendo no país. O problema foi que não pude recarregar a bateria da Canon e ai vcs puderam ver a diferença de qualidade nas fotos deste dia que já postei. O preço da hospedagem aqui foi de $ 300 pesos.

De SM de Los Andes fui a Bariloche pela ruta dos siete lagos. A estrada até Villa La Angostura é um espetáculo, deu pra ver tudo o que eu perdi em janeiro deste ano quando decidi na última hora cortar este passeio por falta de tempo. São 120 km de florestas, montanhas e lagos de todos os tipos e tamanhos como vocês poderão ver nas fotos.

O tempo começou a virar e pela manhã tive de usar blusa. Mesmo assim fiquei com vontade de cair numa das inúmeras praias de lago que haviam. E tinha muiiita gente aproveitando pra fazer isso mesmo, cair na água, que apesar de gelada é transparente e linda.

Chegando a La Angostura resolvi fazer a minha primeira refeição direito. Fui a um restaurante e pedi um bife de chorizo e uma salada mista de tomates, alface e cebola. O bifão tinha um dedo e meio de altura. Estava muiiiiiito bom. Preço com refri: $ 140 pesos (50 reais). Por isso que eu digo q a comida aqui é cara. Com 50 reais no Brasil dá para comprar 2,5 kg de maminha na mostarda (2013).

De lá segui a Bariloche com intenção de ir ao cerro Oto de teleférico, mas veio a primeira decepção: só estava funcionando até as 15 h e já eram 16. Na hora nem lembrei do cerro Catedral, maior ainda. Depois fiquei sabendo que ele funcionava até as 19 h. Se arrependimento matasse. No dia seguinte eu iria ficar com uma raiva deste esquecimento...

Só por saudosismo (da viagem anterior) resolvi ficar novamente no hostel Marcopolo Inn, mas o preço foi o maior de todas as hospedagens até aqui $ 480,00 pesos (facada).

 

1545192_1407639646144998_516496171_n.jpg?oh=a3e8cd4e3a593c9ea53e10070fd3be2a&oe=58349788

1469745_1407639669478329_244191751_n.jpg?oh=d7e90881dd01baa1d17f5a187d6f2db3&oe=58280CB7

1528588_1407639832811646_1599661632_n.jpg?oh=22966526e781fc33996fc150181d009b&oe=582B1B0F

1489045_1407639866144976_353021296_n.jpg?oh=16e8e13266afc6494dee97f1af9a49eb&oe=58220FF2

1484157_1407639882811641_1778512975_n.jpg?oh=d4fabde299d91cd64ddafb99c9382b6a&oe=582D0CA0

1466043_1407638562811773_993642347_n.jpg?oh=5287a548816464b812716022e7d66840&oe=57E89BA4

1527085_1407638629478433_1640630215_n.jpg?oh=83eb4b6ce42cfab6a2a55c873b88c0ac&oe=581A7E1A

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por casal100
      Esse relato é dividido em cinco partes:
      .da página 1 até a 7 refere-se a viagem realizada entre dez/2007 e fevereiro/2008 de carro;
      .a partir do final da página 7 refere-se a viagem que começa no final de dez/2008 até final de fevereiro/2009 de carro.
      .a partir da pag. 15 - viagem a Torres del paine, carretera austral ..........viagem realizada de dez/2009 a fevereiro/2010.
      .a partir da pag.19 - viagem ao Perú e Equador ....vigem realizada de dez/2010 a fevereiro/2011.
      .a partir da pag.23 - viagem venezuela, amazonas, caminho da fé.... realizada entre dez/11 a fev/12.
    • Por MarisaBrugnara
      Destino: Deserto do Atacama. Vontade: dirigir por várias das estradas mais bonitas e inóspitas da nossa América do Sul.  Além disso, a gente só sabia que ia passar pela fronteira por Dionísio Cerqueira e ir seguindo o caminho mais curto que o GPS nos deu até lá. Não reservamos hostel, muito menos passeios. A pesquisa sobre documentação do carro, itens obrigatórios, clima e alguns destinos foi suficiente. O resto, o destino deu conta: uma rota sem roteiro.

      Antes de atravessar a fronteira, decidimos dormir em Francisco Beltrão que fica a 470 km de Curitiba, só pra descansar. Atravessamos a fronteira entre Dionísio Cerqueira e Bernardo de Irigoyen pra fazer o câmbio de reais para pesos e a Carta Verde já no lado argentino. Só é necessário preencher uma ficha de imigração na aduana informando seus dados pessoais e destino. GUARDE ESSA FICHA! Não cobram nenhuma taxa e não revistam o carro. O câmbio paralelo vale muito mais a pena do que o câmbio das casas de câmbio.
      1 real = 12 pesos – paralelo
      1 real = 8,5 pesos – casas de câmbio
      Carta verde: só existem 2 opções: 15 ou 30 dias. Pagamos (em reais mesmo) 100 reais pra 30 dias. Pedem o documento do carro, do motorista e tiram uma foto do carro.
      Os postos de gasolina ali aceitam reais ou pesos (enchemos o tanque em reais, pois valeu mais a pena).
      As estradas são ótimas na Argentina, e os pedágios quase inexistentes são baratos. Foram 4 ao todo, o mais barato 10 pesos e o mais caro 60 pesos.
      Recomendo parar em Ituzaingó pra dormir e abastecer o porta-malas com macarrão e empanadas, pois os mercados e lanchonetes são bem baratos. Além disso, é uma cidadezinha quente e “praiana” no meio do continente. O Rio Paraná passa por lá dividindo a Argentina e o Paraguai, e é usado como praia, muitos gaúchos preferem ir pra lá no verão ao invés de subir pras praias de Santa Catarina.
      Depois de Ituzaingó a viagem realmente começou. Assim que saímos da RN 12 e entramos na reta infinita da RN 16 a cor da bandeira da Argentina começa a fazer sentido. Um céu de azul imenso onde não se consegue enxergar o fim daquela terra encharcada pelos Chacos, tudo ainda a 200m do nível do mar. Vários povoados, algumas cidades grandes, muitas fazendas e várias opções de postos de combustível, ainda. As estradas são lisas e pouco movimentadas. Tivemos que ultrapassar caminhões pouquíssimas vezes, o cuidado maior é com animais atravessando a pista. Ambulantes vendem morangos gigantes e suculentos na estrada por apenas 80 pesos o kg.

      Decidimos parar para dormir em Monte Quemado, ponto de parada quase obrigatória para os motoqueiros. Tem apenas um hotel na beira da estrada que serve almoço e jantar, mas preferimos cozinhar macarrão com nosso fogareiro portátil. Economizamos muitos pesos com isso. A única parte ruim e esburacada da estrada dura uns 20km na saída de Monte Quemado. A partir daqui, já é possível enxergar a silhueta das montanhas que escondem as tão esperadas curvas.
      Depois da ferradura do mapa, começa o trecho mais surreal da viagem. Entramos na RN 9 – sem dúvidas, a rodovia mais bonita do norte da Argentina - e só o que se vê são montanhas. Por todos os lados. Secas, rochosas, com cactos, nevadas, de pedras, coloridas, rachadas, de todos os tipos possíveis. Alpacas, Vicunhas, Lhamas e Guanacos atravessam a rodovia e uma paisagem totalmente diferente aparece a cada km. Foto nenhuma é capaz de registrar essa imensidão.

      San Salvador de Jujuy é uma cidade enorme e barata. Perto dali ficam Purmamarca, Tilcara e Humahuaca: os passeios turísticos oferecidos por eles. Fique esperto com o horário de funcionamento do comércio: tudo fecha antes das 13 e reabre depois das 17.
      Encha o tanque em San Salvador de Jujuy. Depois dali, não há sinal de celular e o próximo posto fica a 200 km, em Susques. Mas não conte com isso! Um posto que fica a 3896 m de altitude nem sempre tem combustível. Não confie em todos os postos que aparecem no gps. Meu gps mostrou um numa cidade a 20 km de Jujuy. Chegamos lá, e era um posto desativado. Decidimos voltar a Jujuy para encher o tanque e garantir a viagem, foi a melhor decisão que tomamos. Dali pra frente, quase não há civilização.
      Então, conte com o trecho Jujuy > Paso de Jama  = 330 km. Não é necessário levar combustível extra.
      No hostel em Jujuy, fizemos o seguro de carro obrigatório para entrar no Chile: o Soapex. É feito pelo site mesmo, custou 12 dólares para 10 dias. Aqui, foi a primeira vez que reservamos um hostel, queríamos garantir pelo menos a primeira noite no Atacama pra decidir o que fazer nos outros dias. Encontramos 3 mineiros que estavam voltando do Atacama de moto. 1 deles, passou por algum objeto na pista e isso quebrou o cárter da moto, ele estava esperando o guincho pra voltar ao Brasil.

      (Não é preciso ir até Humahuaca pra ver montanhas coloridas, elas estão por toda parte. Essa é a estrada entre San Salvador de Jujuy e Purmamarca)
      Perguntamos a eles quanto tempo levaria nesse trecho Jujuy/ Atacama. Eles disseram que não faziam ideia, pois pararam tanto pra tirar foto de estrada, pedrinha verde, pedrinha amarela, plantinhas, nuvem, salares, curvas... que perderam as contas. E é fato, tambem não fazemos ideia de quanto tempo levamos. A cada km, a cada fim de curva, uma surpresa.  Pra esse trecho, saia cedo e aproveite o dia todo. Tínhamos pensado em parar em Susques pra dormir, mas conversando com eles vimos que não valia a pena, é um vilarejo com pouquíssimos hotéis caros e faz muito, muito frio.
      Depois de 2.000m de altitude, pisar no acelerador não é a mesma coisa. O carro vai perder potência, a luz do motor vai acender, o aviso de neve na pista vai aparecer. Mas quem fizer essa viagem vai entender que andar acima de 60km/h não é necessário – e nem é possível com tantas curvas de 180 graus.

      Lagunas e montanhas de cores inexplicáveis por todo caminho. 
       
      Atenção para a fronteira da Argentina com o Chile, o Paso de Jama: como fica a 4800m de altitude, às vezes fecha por condições meteorológicas. Conferir antes de sair nesse site:
      https://pasosfronterizos.com/paso-jama.php
      Ali em Jama, deixamos o carro estacionado e fomos fazer os trâmites aduaneiros. O frio, o vento e a altitude aceleram o coração e nos dão uma falta de ar repentina. Na aduana, pedem apenas nossas identidades, documento do carro, carteira de motorista do condutor e AQUELA FICHA que preenchemos na fronteira do Brasil com a Argentina. Isso acontece várias vezes em vários guichês diferentes. Carros particulares tem preferência na fila J (escapamos das filas enormes dos ônibus de turistas e do raio-x das malas). GUARDE TODOS OS PAPÉIS QUE A ADUANA TE ENTREGAR, eles serão devolvidos na volta. Depois, tivemos que parar o carro debaixo de uma parte coberta no meio da pista na saída da aduana, tirar tudo de dentro e colocar sobre uma mesa para o guarda abrir e apalpar todas as mochilas/sacolas/sacos de dormir e ver se não estávamos levando nada perecível – o controle deles é muito rígido com frutas e legumes, por isso levamos apenas macarrão, molho e enlatados para passar a fronteira. Se precisar, ali tem um posto de combustível, mas tocamos direto até o Atacama ainda com a gasolina de Jujuy.
      Depois de Jama, há uma declive imenso de uns 2500m de altitude durante 150 km até o Atacama, sempre vigiados pelo imponente vulcão Licancabur. Do lado direito, fica a Bolívia, e por todos os lados, cadeias de montanhas e vulcões. O vento forte dificulta a direção e quase tira o carro do chão quando carros passam do outro lado da pista.

      O ATACAMA
      O destino viajante veio a nosso favor mais uma vez. O hostel que havíamos reservado – Valle del Desierto - ficava retirado do centro da cidade (escolhemos assim pra ter um lugar seguro para deixar o carro, pois no centro é tudo muito apertado e não tem estacionamento) e era cuidado por um casal de brasileiros, o Gabriel e a Carol. Foi o melhor lugar que podíamos ter achado, com direito a churrasco brasileiro, fogueira nas noites mais frias e uma vista do Licancabur, que ficava em tons rosados todos os dias na hora do pôr do sol. Haviam várias kombis viajantes estacionadas e gente do mundo todo, pois era véspera do feriado das festas pátrias – do dia 14 ao dia 19 – e vários intercambistas de Santiago sobem para o deserto.
                 
      Ficamos cerca de 10 dias ali, na primeira semana aproveitamos o sossego, nos últimos 2 dias os banhos que eram ótimos já começaram a ficar frios devido ao feriado (o hostel  e a cidade ficaram lotados!).
      A cidade é bem pequena, e só há comércio voltado para o turismo.
      Há várias vendinhas, quitandas e sorveterias espalhadas pela cidade. Usamos várias, pois cozinhamos bastante no hostel. Nas vendinhas não há bebidas alcoólicas, pois elas só podem ser compradas em Botillerías por motivos de legislação. É seguro tomar água da torneira quando a cidade está vazia, quando está cheia, prefira água engarrafada.
      Como nem só de macarrão vive o viajante, comemos muitas empanadas, que são bem grandes, tem quase em todas as vendinhas e custam sempre cerca de 1500 pesos. Também tomamos muito chá de coca, que é um ótimo digestivo. Nem procure restaurantes, vá direto ao Los Carritos. A comida é MUITO boa e é o melhor custo benefício da cidade. Peça os nomes mais esquisitos e se surpreenda com o que vai vir. Pra quem está com fome: 2500 pesos. Pra quem está com muita fome: 3800 pesos. Tem opções vegetarianas também.
      Os sorvetes, a Chicha Cocida (que é uma bebida alcoólica) e o Mote com Huesilhos têm sabores muito diferentes de qualquer coisa que você já tenha comido. As pêras são mais suculentas, os cactos tem frutos e aquelas árvores com florzinhas amarelas deixam cair ao chão castanhas duras e doces. Guarde esses nomes e se surpreenda com os sabores: ayrampo, chañar, rica rica, algarrobo, pomelo rosado, llucuma.
      Como em setembro é o final do inverno, pegamos vários tipos de clima. O sol é a única certeza. Os narizes sangraram nos dias de 4% de umidade e nuvens apareceram no céu quando uma frente fria se aproximou. Nesses dias, já não era possível colocar shorts e camiseta durante o dia sem um corta-vento e as noites eram salvas pelas segundas peles e o saco de dormir usado sob as cobertas. Importante: leve pelo menos um conjunto de segunda pele, 1 par de meias de inverno e um saco de dormir simples, mesmo que seja no verão. Eles salvaram a minha vida. Durante algumas madrugadas, fizeram temperaturas negativas – mesmo não sendo típico da época do ano – e tive que dormir de segunda pele, dentro do saco de dormir, debaixo das cobertas do hostel! Quando esfriava assim durante a madrugada, dava pra perceber quando saíamos de manhã que os vulcões estavam mais brancos de neve que no dia anterior.
      Ir de carro traz liberdade, economia e a certeza de que é o caminho que faz a viagem valer a pena. Os passeios oferecidos pelas agências são bem caros e engessados. Como não tínhamos horário para sair e chegar, íamos pegando dicas com quem conversávamos pra decidir o próximo destino. San Pedro fica no centro do Atacama, e é impressionante como a paisagem muda ao redor, mesmo num raio de poucos quilômetros.

      (Onde está o Uno?)
      Sal encrustado em rochas que parecem lunares e dunas gigantescas brilhando ao pôr do sol no Valle de la Luna, lugares jamais pisados pelo homem no Valle de Marte, uma vista surreal de montanhas intercaladas por outras montanhas na Piedra del Coyote, uma estrada com vento salgado e quente que termina na Laguna Tebinquinche, onde a vida parece não existir, mas existe. De repente, numa estrada que corta uma laguna seca, duas crateras cheias de água não tão salgada assim formam os Ojos del Salar. A surpresa maior fica com Toconao, a cidade vizinha que abriga o Valle de Jere - desconhecido até mesmo por alguns moradores de San Pedro – um oásis em meio ao nada, que foi habitado por alguns dos povos que deram origem a bandeira Wiphala e deixaram suas marcas nas rochas. Esses são os destinos mais bonitos e de estradas mais alucinantes de até 3000 pesos por pessoa para serem visitados ao redor de San Pedro.
        
      Há quem prefira mergulhar literalmente nas atrações naturais desse lugar. Para esses, existe a laguna Cejar por exemplo, onde é possível boiar em suas águas mais salgadas do que as do mar morto, por um preço que é tão salgado quanto ela (apenas a entrada é 15.000 pesos). Dispensamos também o passeio das Lagunas Altiplânicas - que custaria uns 80.000 pesos sem incluir as entradas – pois no caminho passamos por lagunas por toda parte e em todas as altitudes.
      Ah, o céu: não é preciso andar mais do que 2 metros na rua – ou no quintal do hostel mesmo -para conseguir enxergar todas as constelações, planetas, galáxias, estrelas cadentes. Ele faz valer a pena boca e nariz ressecados da baixa umidade, do sal, do sol e do frio. No hostel, um hóspede tinha um telescópio. Conseguimos ver a Lua e vênus em questão de segundos.
      ___________________________________________________
      Voltar pelo mesmo caminho da ida dá uma perspectiva totalmente diferente de todos os lugares que havíamos passado. Leve tudo que quiser, pois na fronteira por Jama do Chile pra Argentina não fazem revista no carro. Pegamos um clima tão diferente que a estrada parecia outra. Mais vento, mais neve. Tivemos o prazer de ver uma raposa chilena e um tatu atravessando a rua. Só ficamos devendo a Vizcacha, que com certeza passamos por várias, mas não conseguimos enxergar nenhuma.
      Na Argentina, há muita polícia rodoviária. Éramos parados em quase todas as saídas das cidades. Em uma das únicas duas vezes que pediram nossos documentos, demos carona a um policial – é bem normal pedirem carona nas estradas argentinas. Procuramos evitar por segurança, mas como era um policial, e íamos tocar direto até perto da fronteira, aceitamos.  Na outra que fomos parados, estava acontecendo um protesto de caminhoneiros: o policial pediu pra verificar os 2 triângulos e o extintor. Não é mito, levem!
      Há muitos relatos de polícia corrupta na Argentina, mas é mais ao sul da RN 14 onde o país se aproxima com o Uruguai. Antes de ir, havia conversado com um amigo Argentino e evitamos a fronteira por Uruguaiana exatamente por causa disso. Como queríamos entrar mais ao sul do Brasil do que na ida, passamos por São Borja. Eles pedem apenas os documentos, não revistam o carro, e cobram uma taxa de 450 pesos ou 57 reais por pessoa.

      IR DE AVIÃO NÃO TERIA A MENOR GRAÇA. VÁ DE CARRO!
       
      Resumo de infos mais importantes:
      Dinheiro na Argentina
      - Trocar reais por pesos na fronteira com a Argentina vale bem mais a pena do que no Brasil;
      - Não troque dinheiro em Jujuy, a cotação é péssima;
      Dinheiro no Chile
      - Em San Pedro de Atacama a cotação de reais para chilenos é ótima (para setembro desse ano: 1 real = 150 pesos chilenos, sendo que em Santiago estavam pagando 1 real = 158 pesos chilenos);
      - Não tem como indicar uma casa de câmbio, tem uma rua só pra elas e todo dia os valores mudam. O jeito é sair perguntando de uma em uma e negociar;
      - Deixar para trocar reais para pesos argentinos (para gastar na volta) no Atacama não é uma boa opção, a cotação é bem ruim;
      Carro
      - Evite estacionar o carro perto das esquinas das ruas. Escapamos de um acidente que teria dado PT no carro por pouco. Como o hostel não tinha estacionamento, deixamos o carro parado na rua ao lado na vaga perto da esquina. Um motorista argentino foi fazer a curva e perdeu o controle, passou raspando por nós e bateu no carro estacionado do outro lado da rua, que ficou com o eixo dianteiro totalmente quebrado e teve que ser guinchado.
      - Os itens obrigatórios são: extintor de incêndio e 2 triângulos. Cambão rígido, mortalha e etc é MITO.
      - A gasolina tanto na Argentina quanto no Chile custa praticamente o mesmo que pagamos no Brasil, as vezes até um pouco mais caro. Mas como é bem mais pura que a daqui rende MUITO mais. Na Argentina, usamos sempre a Super e no Chile, sempre a 93. Essas são as mais baratas.
      Documentos
      - Identidade com menos de 10 anos de expedição ou passaporte, ou um ou outro, tanto faz
      - Se o carro estiver no nome do motorista, apenas o documento do carro.
      - Fizemos a PID (permissão internacional para dirigir), mas em nenhum momento foi solicitada
      - Carta Verde: seguro obrigatório para o carro na Argentina. Não foi solicitada em nenhum momento também, nem na aduana.
      - Soapex: seguro obrigatório para o carro no Chile. Não foi solicitada em nenhum momento também, nem na aduana.
      Água
      - É tirada de poços. Tomamos direto da torneira sem problemas, só recomendamos comprar engarrafada se a cidade estiver cheia – muita gente polui a água -. Custa cerca de 1800 pesos o garrafão de 6l.
       

      Carro: Fiat Uno 1.0 2016/2017
      Km rodados: 5.500
      270 litros de gasolina: R$1.300,00
      Autonomia: 20km/l
      Pneus Furados: 0
      Troca de óleo feita antes da viagem
      Gps usado: Sygic
      Pouso mais caro/barato: 600 pesos por pessoa (Argentina) / 250 pesos por pessoa (Argentina)
      Gasolina mais cara/barata: 862 pesos (Chile) / 38 pesos (Argentina)
      Frase mais dita: “Olha essa estrada!”
      Gasto: aproximadamente R$2200,00 por pessoa. Levamos apenas reais em dinheiro vivo. Usamos cartão de crédito Nubank apenas para reservar hostel e fazer o Soapex.
      Duração: 20 dias

    • Por anabaccarinxp
      Buscando o sonho da Carretera Austral estilo Thelma & Louise num Ford Ka 1.0
      Em 24 dias de andança, 03 países, 13 cidades distintas com pernoite, 9603 km percorridos, 576 litros de gasolina, 01 objeto perdido, 100 dólares "roubados", 01 pneu furado, 02 consertos no carro, inúmeras cidades, comidas/pessoas das mais distintas possíveis e paisagens com clima, vegetação e relevo diversificados e fascinantes.
      Hoje escrevo esse relato para guardar, além das lembranças, as histórias para contar.
       
      O início
      A proposta de fazer uma viagem de tal magnitude nem me lembro como surgiu, só sei que aconteceu e o destino sempre foi percorrer a Carretera Austral. Planejei a viagem por dois anos para a Carretera, uma das estradas mais belas do mundo, o caminho para chegar até lá foi só uma consequência. Com o destino traçado, só restava juntar dinheiro e arrumar uma companhia, no caso, minha mãe.
      A princípio o planejamento foi feito com intuito de se chegar ao ponto inicial de avião, mas conforme as idéias surgem, os loucos abraçam e o tempo passa oficializou-se que o trajeto seria feito de carro e o pior, com o meu carro, hahahaha. Só para atualizar um Ford Ka, 1.0, ano/modelo 2010.
      A ideia de se fazer um relato da história sempre existiu, aliás, diariamente escrevia sobre os acontecidos, mas virou uma certeza no dia (25/12/16) quando atravessamos a fronteira entre Argentina e Chile onde recebemos a noticia de um forte terremoto no nosso destino, a ilha de Chiloé, que registrou um tremor de 7,6˚ na escala Richter. Com a preocupação de familiares comecei a dar cara para esse relato e compartilho aqui as informações que podem ser úteis para mais alguém.
       
      21/12/2016
      Saída de Jaboticabal com destino a Foz do Iguaçu.
      Saímos da monocultura canavieira, perpassando brevemente sobre a pecuária extensiva e atingimos uma monótona produção de soja no Paraná. Tais culturas são praticadas nos planaltos Ocidental Paulista e de Guarapuava (bacia do Paraná), que são quebrados com os braços dos grandes rios, como o Tietê, Paranapanema, Ivaí e Iguaçu e marcados pelo solo de origem vulcânica (basáltica), a famosa “Terra Roxa”.
      O inicio do caminho estava chuvoso e escuro mas ao longo do dia o tempo se abriu e nos contemplou no final do dia com um belo pôr-do-sol no solstício de verão.

      A paisagem do interior de SP é sempre a mesma, cana, laranja, boi, e só muda chegando em Assis onde já chamava a atenção as plantações de soja que foram proeminentes até Foz do Iguaçu.
      Chegamos em Foz por volta das 17:00, erramos um acesso e seguimos via ponte da Amizade (fila enorme de caminhões), acabamos entrando na avenida JK, onde se encontrava o hostel (Che Lagarto Hostel - hostel com cara de hotel).
      Chegamos, abastecemos, estacionamos o carro e trocamos dinheiro (0,21 reais - 1 peso argentino). No momento que estava escrevendo já era 20:47 e ainda não havia escurecido, mas vale ressaltar que era solstício de verão.
      Piores trechos: próximo a Marília, divisas dos estados SP e PR e anel viário Maringá.
      Gasto diário: R$ 452,94
      Distância: 921 Km
       
      22/12/2016
      Saída de Foz do Iguaçu com destino a Concordia (Entre Ríos)
      Hoje era dia de embrenharmos na Argentina e foi super tranquilo a passagem na Aduana, mas já percebemos que o espanhol seria uma dificuldadizinha que iríamos enfrentar adelante.
      Pra começar minha mãe perdeu a carteira de motorista ainda dentro do parque Iguazu, hahahaha. Depois de um pequeno momento de desespero descobrimos que estava embaixo do porta treco, por sorte tínhamos uma chave de fenda no carro.
      Passamos pelas províncias de Missiones, área com indígenas, pinheiros, a grande empresa arauco e plantações de mate; a de Corrientes marcada por planície, boi, muita erva mate e com altitude em torno de 80 metros.
      O solo de terra roxa também existe na Argentina, onde é conhecida como tierra colorada(terra vermelha). Está bastante presente nas províncias de Misiones e Corrientes.
      Na província de Entre Rios até a de Buenos Aires, a paisagem se torna única com vastas planícies, ora com gramíneas e ora com arbustos, ora inundada e ora seca.
      A polícia nos parou depois de 700 Km em solo hermano e foi super tranquila conosco, álias em toda a viagem não tivemos nenhum problema com propina.
      Chegamos no fim da tarde ao posto YPF Km 248 de qualidade excelente.

      Gasto diário: R$ 424,14
      Distância: 890 Km
       
      23/12/2016
      Saída de Concordia (Entre Ríos) com destino a Trenque Lauquen (Buenos Aires)
      Acordamos cedo e no próprio posto comemos medialunas e café oferecidos pelo hotel. Calibramos o pneu e acredite, essa não é uma informação desnecessária. Durante o caminho que percorremos pela Argentina e Chile era difícil encontrarmos calibradores nos postos, a maioria dos que encontrávamos não funcionavam ou tínhamos que pagar pelo uso.
      Quanto a produção agrícola começam a surgir cilos, arroz, milho, grãos, presença de gás nas propriedades rurais, granjas e muito gado.

      Próximo a foz do rio Paraná a área é conhecida como Mesopotâmia, com altitude em torno dos 20 metros.
      No fim do dia chegamos ao nosso destino Trenque Lauquen, cidade linda. Indescritível. Todas as ruas são avenidas arborizadas. E a gastronomia? Simplesmente maravilhosa, o melhor chorizo da viagem. Outro fato que nos chamou a atenção é que a cidade, com metade da população da nossa, possuía muitas livrarias de qualidade.
      Hospedagem no hotel Pailla Hue, modesto mas bom.


      Gasto diário: R$ 564,95
      Distância: 786 Km
    • Por Netuno
      Esta foi nossa 2ª viagem para a patagônia. Não repetimos nada. Visitamos apenas lugares diferentes. O relato da 1ª viagem pode ser acessado no link na assinatura.
      Desta vez viajamos de carro. Saímos de Floripa em direção a Mendoza. De lá atravessamos a cordilheira para o Chile, descendo até os lagos chilenos. Cruzamos novamente a fronteira para conhecer o lado argentino da região dos lagos e continuamos para o sul pela Carretera Austral. Retornamos para a Argentina e descemos até El Chalten. De lá iniciamos o retorno pela patagônia atlântica.
      Partimos no final de dezembro de 2013 e retornamos a Floripa 30 dias depois. Eu, minha esposa e meus 2 filhos adolescentes (na época com 15 anos) fizemos a viagem completa. Minha filha viajou conosco até Bariloche de onde seguiu para seu mochilão com amigas pelo Uruguay. A viagem foi feita em uma Grand Vitara 2011. Foi uma grande vantagem fazer a viagem em um carro bem preparado para estrada de chão, mas em nenhum momento precisamos usar o 4x4.
      Fizemos reservas prévias apenas para o Reveillon em Uspallata (aconcagua) e El Chalten. Este último, pois ficaríamos mais dias e li sobre a dificuldade de hospedagem por lá na alta temporada. Ao chegar em cada cidade / vila procurávamos hospedagem. Isto nos rendeu ótimas escolhas. Tivemos dificuldade de hospedagem apenas na região dos lagos argentinos (Bariloche e San Martin). Em Bajo Caracoles, na ruta 40, existe apenas uma hospedagem funcionando e pegamos o último quarto. Ufa! E não existe sinal de civilização por dezenas de kms.
      Levamos um galão de 20 litros para gasolina extra, mas não precisamos enchê-lo em nenhum momento. Não faltou gasolina em nenhum local. Nos lagos argentinos as filas eram muito grandes. No dia em que estávamos saindo de El Chalten tinha combustível, mas as bombas estavam com problema, mas abastecemos em 3 Lagos sem dificuldade.
      A viagem foi fantástica! A patagônia realmente merece várias visitas. Não dá para conhecer tudo em uma única viagem. Nem mesmo em duas.
      Para facilitar a leitura de quem fará apenas parte do roteiro parecida, estou dividindo o relato por regiões, da seguinte forma:
      - viagem de ida
      - Aconcagua (Uspallata / Mendoza)
      - Lagos Chilenos (região de Puerto Varas)
      - Lagos Argentinos (San Martin de los Andes e Bariloche)
      - Carretera Austral
      - Ruta 40 e El Chalten
      - Patagônia Atlântica e viagem de volta
       
      Espero que seja útil.


×
×
  • Criar Novo...