Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
xexelo

Rumo Austral - de Curitiba a Carretera Austral de Ranger

Posts Recomendados

Continuando a postar relatos antigos e que foram sonegados aos mochileiros segue a postagem sobre a minha viagem pela Carretera Austral pelo Chile. Como minha viagem anterior, sempre tem enroscos e problemas. Desta vez por poucos quilômetros eu quase não volto mais e quase ferrei o motor.

 

Como dá outra vez não é uma relato com detalhes sobre preços e tals. Gastei sempre o mínimo possível com alimentação e hospedagem. Devo ter almoçado em restaurantes umas 4 vezes a viagem toda. Portanto não posso dar muitas dicas sobre a alimentação na Carretera. O caso é que eu sempre perdia a hora de almoço e quando lembrava já tinha passado a cidade mais próxima. Ai tinha que lanchar o que tinha no carro mesmo. Aliás esta viagem foi um belo SPA pois de 98 Kg no início eu voltei com 92 apenas :-)

Levei de novo todo o equipamento de camping que acabou indo passear apenas. A Ranger se portou muito bem na estrada e se não fosse por negligência minha não teria dado problema com o arrefecimento e queimado a junta do cabeçote no final da viagem. Pura burrice.

 

Fui sozinho porque meu tio não pode me acompanhar aquele ano e também porque a outra pessoa que tinha me garantido que ia junto deu pra trás um mês antes. Assim achei melhor seguir sozinho do que esperar mais um ano para ver se conseguia companhia para a empreitada.

 

Mas vamos aos relatos.

 

1º DIA – 22/12/2013 – DOMINGO.

De Curitiba a Quarai - RS / Artigas – Uruguai – 1150 km

 

Saí de Curitiba as 5:25 h debaixo de uma garoa fina e chata que me acompanhou até União da Vitória mais ou menos. O calor começou a chegar e por volta das 8 ou 9 horas e pegou pesado. Acho que deve ter ficado uns 30 graus ou mais.

Como estava viajando sozinho fui dando paradas a cada 2 ou 3 horas para esticar o esqueleto.

A estrada pelo interior tem muitas curvas, mas tem trechos bem tranquilos em que se pode desenvolver 100 a 110 Km/h (GPS) numa boa.

Acabei não almoçando hoje, comi pão de queijo, amendoim japonês e frutas secas. Quando parei num posto para almoçar achei muito caro (era chique) R$ 21,00 o bufet livre.

Quando cheguei a Quarai estava iniciando a hora do agito de domingo na praça central. Os carros iam parando em volta da praça e deles saiam os jovens com cadeiras de praia, coolers de cerveja e se abancavam na grama esperando a galera ficar desfilando com seus carro e com o som alto. Coisas do interior do Brasil.

Mudei roteiro inicial e vou entrar no Uruguai pra fazer umas comprinhas básicas. Depois entro na Argentina por Salto UR / Concórdia AR.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

2º DIA – 23/12/2013 – SEGUNDA.

De Quarai - RS / Artigas – Uruguai a Viale / Maria Grande - 485 km

 

Dia da lembrança (ou lambança).

Acordei tarde em Quarai, tomei um café reforçado no Hotel Fênic e fui para Artigas pensando em pegar as lojas abertas as 8 h, todavia elas só abriam as 9.

Em Artigas tem umas 4 free shops apenas e nelas eu não encontrei o q queria: bateria extra pra minha câmera, um tripé e fogareiro de camping. Eu não quis trazer o meu fogareiro porque ele é muito grande.

Sai de lá 9:30 depois de carimbar meu passaporte. Segui pela estrada que leva a Salto e ela estava bem ruinzinha como da outra vez q passei por aqui em janeiro.

Passei para o lado argentino por cima da barragem de Salto Grande. Na Argentina tem uma aduana integrada com o Uruguai e ai é q começou o problema:

A moça da aduana tinha que ter me pedido o seguro Carta Verde e não o fez... Passei batido pela fronteira e segui viagem.

Até que tinha um bando de policiais na beira da estrada parando os carros. Eu por segurança já saquei dos documentos e ai que eu lembrei... não tinha feito o seguro... GELEI... ESQUECI DE FAZER A CARTA VERDE.

Com toda aquela agitação da semana q antecedeu a viagem eu esqueci. Até tinha cotado com o cara que faz seguro para a minha família a tempos e não fui buscar nem pagar...

Na primeira cidadezinha que achei eu parei, mas tinha q esperar a maldita siesta pois era 14.30 e esperei até as 16:30 para abrirem as portas. Falei com um corretor e ele me disse q só poderia resolver amanha (24/12). Beleza, tinha solução.

O que não tinha solução era a hospedagem pq aquela titica de cidade não tinha NENHUMA hospedagem. Tive de seguir, por estrada de terra, ate Maria Grande, uns 30 km de Viale.

Fiquei no hostal El Sossego 150 pesos, algo em torno de R$ 55. Quarto pequeno, limpo e bem gostoso. Tomei meia garrafa de um vinho marca Viejas Cepas, da uva Syrah e capotei na cama. Nota sobre o vinho: Um pouco mais amargo do que eu gosto.

 

996083_1405901486318814_1358170021_n.jpg?oh=264d071a60de0c359b83a03b758b6c34&oe=58215FD4

1488247_1405900426318920_1500191030_n.jpg?oh=ddfd08f8769cd003d0ef911beba3f752&oe=581CD79F

1479299_1405901986318764_964054044_n.jpg?oh=5af913da58c92b3eff74aa13cc5dd29a&oe=581D69DB

1522144_1406769109565385_364890989_n.jpg?oh=bcff0a2443520072726ec9304af8be56&oe=581716A7

1486817_1406769506232012_1730921220_n.jpg?oh=b0bf8a284cc7fddc25802e8820ea76bd&oe=582645C1

996682_1406769882898641_360552154_n.jpg?oh=672dd94bb53fa21883ebdd8321fe3f06&oe=581B445D

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

3º DIA – 24/12/2013 – Terça (Martes).

De Viale / Maria Gorda a Villa Mercedes – km

Acordei as 7 e fiquei vendo TV. Sai do hostal e segui para Viale (30 Km) novamente por estradas de terra.

Chegando lá, fui direto a seguradora que enrolou, cobrou mais caro, mas fez o seguro inclusive com assistência de guincho para até 200 Km (oba).

Terminado este tramite, segui viagem rumo a Santa Fé. Para chegar lá tem que se passar por um túnel por baixo do rio Paraná. Muito bacana. Parece que só desce, acho que deve descer a uns 50m, sei lá.

Passando A cidade é só asfaltão... O problema é que em certos lugares parece q tem uma micro cidade a cada 10 Km. Ai tem q diminuir a velocidade até 50/60 por hora.

Entrei no centro de Rio Cuarto para pegar dinheiro no banco. Peguei 1000 pesos. Até agora só troquei 120 dolares. 20 dolares me fizeram a cotação 8,40. 100 dolares fizeram 10 pesos por dólar.

 

1455841_1406770379565258_20115029_n.jpg?oh=5f2dfce31c6fcda78b1bc07e1ee1f30f&oe=58247720

1504525_1406770436231919_1543791440_n.jpg?oh=491b1b2d5437ddca19ab020eeae71364&oe=5835E4DA

1501798_1406770502898579_637184994_n.jpg?oh=5825fc3964015d493048bd50f15b9ebe&oe=581B2B46

995277_1406771022898527_1470248622_n.jpg?oh=478b1da50ece75a8209e73ddd0dcb7dd&oe=582D9B87

1453369_1406771799565116_179629345_n.jpg?oh=854e0876c4959bb0d36799d5160f6465&oe=58162C6E

 

4º DIA – 25/12/2013 – Quarta (Jueves).

De Villa Mercedes a Mendoza a Malargue – 760 km

 

O hotel que fiquei se chama Hostal Del Sol e vc percebe que ele já teve dias melhores, agora esta muito decadente, porém tem ótima estrutura se vc não ligar para as coisas serem velhas e feias da idade. A piscina como vcs perceberam é ótima.

Dia de estradão apenas. A autopista até Mendoza é um espetáculo. Quase sem falhas.

Porquê fui a Mendoza??? Pensava em trocar os dólares... só esqueci de um detalhe, é dia 25, feriado. Nada está aberto... Poderia ter diminuído 200 km. No entanto a pequena passagem pelo centro da cidade já deu para ver que esta é uma cidade a se conhecer. E olha que eu não sou muito de querer conhecer cidades. Sem comparar tamanho ela (é muiiiito maior) a cidade tem um q de Maringa muito melhorada.

Segui de Mendoza rumo a Malargue pela Ruta 40. Até pensava em seguir exclusivamente por ela, mas tinha um trecho de 116 Km de terra e eu não estava muito a fim. Optei por seguir a San Rafael e depois a Malargue somente pelo asfalto.

Até que foi bom, passei por um lugar chamado Cuesta Del Carneiro ou de La oveja (não Lembro). Um lugar com bons visuais para fotos.

As primeiras montanhas nevadas ficaram a vista. Altos visuais.

Fiquei no hotel Rioma, um pouco caro para meus planos, mas como era feriado até hotel estava difícil de achar. Um hotel muito bom, com tudo que se necessita e ainda piscina.

 

1526516_1406798316229131_340757708_n.jpg?oh=88cc17fae3cf8454aa38fac437899604&oe=57EC89C7

1456505_1406798776229085_1928412978_n.jpg?oh=f304d0b17316036dce8f163262869d38&oe=5819EE11

1510009_1406799119562384_1681482706_n.jpg?oh=4c1408b103c1cca42579bf28b0d882b5&oe=581CF548

1522230_1406799212895708_2035203188_n.jpg?oh=d5cde6864b9770b03081fc6440a9342b&oe=58275B39

1507111_1406801772895452_1112621138_n.jpg?oh=0aea06ed36afcf64c536ebbf28085848&oe=5835294B

1526798_1406802086228754_199539136_n.jpg?oh=d23df5c975902d9e509f7951f6b42cdb&oe=5823B6A0

1513273_1406802242895405_1465927317_n.jpg?oh=c07ec59a5210ea15aa6d7a363145f616&oe=582896D4

995602_1406802336228729_645952030_n.jpg?oh=e3ab0a3317eff50d8f0f6214b98b308c&oe=58189FD4

1508571_1406802449562051_561035659_n.jpg?oh=1702593f41439fdaedb77dcc516a95af&oe=5836BE10

1483381_1406802586228704_523295656_n.jpg?oh=c72f448118e6726932645da367d0a38a&oe=582F5353

1477946_1406802699562026_1017792485_n.jpg?oh=66605ef63445edcc3646540a36f9b13d&oe=58349361

1527019_1406802796228683_1023699062_n.jpg?oh=876f1462239faedf4526abc11b23c590&oe=5825536F

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

5º DIA – 26/12/2013 – Quinta (jueves).

Malargue e imediações– 200 km

Acordei meio tarde, tomei café (bommmm)no hotel Rioma e sai. Fui na secretaria de turismo para verificar se o q eu queria fazer podia dar certo. Infelizmente me cortaram o barato. Eu queria ir conhecer as termas do hotel abandonado, depois ir ao Valle Hermoso. Não dava, era muito mais longe um do outro do que eu achava. O rapaz da secretaria aconselhou a ir para o Valle Hermoso e depois a Cascada de Manquil-Malal.

 

Havia ainda os Castillos de Pincheira, uma formação rochosa muito imponente, porém não dava para ir a todos os lugares, por isso escolhi a cascada.

 

Bueno, sai da central do turista em direção a as Leñas 78 Km. No caminho temos a laguna de Lá Niña Encantada e o pozo de las animas.

A estrada para Las Leñas em seus últimos 40 Km estava um pouco esburacada. Chegando em Las Leñas é um pouco decepcionante, mas as fotos que eles tem lá do inverno são de uma beleza impressionante.

Perguntei como fazia para ir ao Valle Hermoso. Segundo o rapaz do centro de turistas, o caminho ao Valle Hermoso é somente para 4x4, mas na minha opinião os pseudo off Road que tem por ai dão conta. Mas tem que ir beeeeeeeemmmmmm devagar.

 

Saindo do centro de turistas são 27 Km de pura adrenalina. Eu simplesmente adorei e me arrependi de não ter colocado a máquina fotográfica para filmar uma parte do caminho. É simplesmente UM ESPETÁCULO. Curvas e mais curvas, zigue zagues para subir e para descer, a cominhonete tem horas que parece estar pendurada na beira de um abismo. E ESTÁ MESMO. As vezes tinham despenhadeiros de centenas de metros ao lado da roda...

 

E vc sobe, sobe, sobe, sobe e quando pensa que chegou, sobe mais um pouco. Ultrapassei todos os meus recordes de altura, seja a pé ou de carro. Cheguei a 2880 m de altura. E no meio da subida, dou de cara com um menino aparentando seus 7 anos mais ou menos, montado num cavalo e todo vestido de gaucho, sozinho no meio da montanha. Parei e pedi para tirar uma foto, ele deixou e acho que gostou pois sorriu. Fiquei impressionado. O que aquele carinha estava fazendo ali sozinho??? Nem lembrei de perguntar tão boquiaberto que estava.

 

Seguindo viagem chega-se ao mirante do Valle... :shock: É de ficar bobo com tanta beleza. As duas lagunas, a estrada serpenteando vale abaixo e aquela agulha de pedra encravada na entrada, como que colocada ali pela mão de Deus e entalhada em milhões de pedacinhos. Só faltou uma plaquinha dizendo: em obras...

 

Desci ao Valle e tirei muitas fotos, vcs não tem noção. Não coloquei tudo o q queria no face. Lanchei por lá, onde tem uma espécie de camping e depois de uns 45 minutos de descanso, segui viagem novamente em direção a Malargue novamente.

 

Passei novamente pelo centro de Malargue e segui 30 Km até a Cascada Manquil-Malal. Estava quase me arrependendo quando cheguei lá e me disseram que era uma caminhada curta, porém tinha de ser feita com guia$$$... Não me arrependi nem um pouco de ter ido. A cascata é um museu de paleontologia a céu aberto. O guia foi me explicando tin tin por tin tin, o porque de haverem tantos fósseis de conchas, ostras e outros animais pré-históricos ali. O mais incrível é que apesar de ele falar solamente espanhol, eu consegui entender quase que 95 % de tudo o que ele me falou, em olhe que não eram poucas informações. Quando eu não entendia, o contexto do que ele falava completava a compreensão. Outro espetáculo da natureza, em um espaço de poucas centenas de metros tantos fósseis assim espalhados a nossos pés.

 

Voltei pro hotel cansado, sujo e maravilhado. Dormi com os anjinhos me embalando.

 

1549537_1407165759525720_2045367397_n.jpg?oh=c05816dba08cfbaa5406d924be0aa295&oe=5831D961

1489245_1407166859525610_366656590_n.jpg?oh=8fe39fd20700a2a945772b1742956adc&oe=57EBB316

1501755_1407174246191538_675369274_n.jpg?oh=3a580a03fffade70d19112fb0e479522&oe=582308C9

1482806_1407174202858209_1866115179_n.jpg?oh=9e677ea6749b0d84716527109b90f930&oe=58147088

1505269_1407174659524830_848680243_n.jpg?oh=b7d9cf18a42aa66c6657fd109985e4a7&oe=582C035A

1497513_1407174762858153_1170506699_n.jpg?oh=5d9697856ea7f59d706cd13541e20992&oe=57E9123A

1174590_1407175086191454_2102245900_n.jpg?oh=31c9b43469890f029ef9651012dd6109&oe=57EAB0D8

1525638_1407176512857978_475026478_n.jpg?oh=ade182108601bce41645a63f3d69bd3d&oe=582E130F

1546147_1407176869524609_1161299496_n.jpg?oh=d2e5036a4b6c6c050bdd3579e2c73314&oe=582B5098

1512676_1407176939524602_1362234913_n.jpg?oh=cf004651f92f9a3e63c86088c64ab889&oe=5815DD54

1551666_1407369792838650_2012638528_n.jpg?oh=10912c9b5ea018b7ddd661524babe9d0&oe=57EB0289

1549518_1407369936171969_1250131314_n.jpg?oh=4c7a226a9106205e0e69ad0e19c332c7&oe=58268365

1185546_1407370009505295_230481885_n.jpg?oh=987d9c13ca90a9bc0db69e6c0694277c&oe=5823CE65

1521955_1407370089505287_2059428560_n.jpg?oh=581f6e80d0f44432268e9833c64d50ec&oe=582F6FB3

1511280_1407370249505271_638892019_n.jpg?oh=ece42bf93821bba6f7f27111dbe9c68c&oe=5831A27E

1513279_1407370379505258_1638974318_n.jpg?oh=73948f63eb4e548b5257bb36b6de3042&oe=582FF34A

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

6º DIA – 27/12/2013 – Sexta (Viernes).

Malargue a San Martin de Los Andes– 768 km

 

Acordei meio tarde, tomei café e sai. Tinha mais um booom trecho de estrada para cumprir, 770m km. É que, para cumprir os meus planos eu resolvi que não iria mais parar em Chos Malal para dormir. Resolvi seguir direto a princípio até Junin de Los Andes e depois de lá chegar resolvi esticar mais 40 km até San Martin de Los Andes.

Então não há muito a contar. Somente que peguei os meus primeiros 70 km de rípio (terra). Não tem muita coisa pra se ver no caminho. Uma ou outra formação rochosa, um montanha que me pareceu um vulcão, um vulcão de verdade (o vulcão Lanin), Um laguinho tbm e só. Teve ainda a passagem de um “bando” de cabras na estrada.

Alem disso, para um cara que já teve uma amante russa (um Lada e não uma mulher), o Niva, vi uns russinhos em San Martin. Um estacionado, que eu tirei foto. Outro me seguiu dentro da cidade e outro estava vindo em sentido contrário ao meu por isso não tirei fotos.

Fiquei no hotel Cumelen, cuma? Isso mesmo, CUMELEN. Choveu no fim da tarde e não quis acampar ainda.

 

1524621_1407635756145387_1350600155_n.jpg?oh=622f4a825e43d125299a685b5666d4c1&oe=58187F0C

564513_1407635869478709_1781291092_n.jpg?oh=b88177cb25a43405dfb4bf07485028df&oe=58257E47

1533779_1407635842812045_1909702790_n.jpg?oh=d64d507bb52b7fafb6fa8f2dc254315e&oe=581598BD

1480574_1407636102812019_1149127409_n.jpg?oh=0bc35f5b3e6181f3948dd931a7d906fc&oe=58343A9A

1527026_1407636859478610_85534115_n.jpg?oh=9d58f7ef63d7d9dba9647235c7532c27&oe=582118F8

1535021_1407637036145259_394788919_n.jpg?oh=aa1e0e49ed5d0fd0c381f4d9e25be96d&oe=5821510B

1497545_1407637112811918_1481957527_n.jpg?oh=72074cd93a55f8ff4131ccdf3b6ea05f&oe=57EA3C45

1551606_1407637456145217_468157924_n.jpg?oh=ebfba6329f0706a677a5d68060359a05&oe=58325CB0

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

7º DIA – 28/12/2013 – Sábado (sábado).

Um problema, na hora de ir dormir ontem, as 22 h, mais ou menos, acabou a luz... Mas acabou em toda a cidade........... A Argentina esta vivendo com cortes de luz sem aviso por causa da onda de calor que está ocorrendo no país. O problema foi que não pude recarregar a bateria da Canon e ai vcs puderam ver a diferença de qualidade nas fotos deste dia que já postei. O preço da hospedagem aqui foi de $ 300 pesos.

De SM de Los Andes fui a Bariloche pela ruta dos siete lagos. A estrada até Villa La Angostura é um espetáculo, deu pra ver tudo o que eu perdi em janeiro deste ano quando decidi na última hora cortar este passeio por falta de tempo. São 120 km de florestas, montanhas e lagos de todos os tipos e tamanhos como vocês poderão ver nas fotos.

O tempo começou a virar e pela manhã tive de usar blusa. Mesmo assim fiquei com vontade de cair numa das inúmeras praias de lago que haviam. E tinha muiiita gente aproveitando pra fazer isso mesmo, cair na água, que apesar de gelada é transparente e linda.

Chegando a La Angostura resolvi fazer a minha primeira refeição direito. Fui a um restaurante e pedi um bife de chorizo e uma salada mista de tomates, alface e cebola. O bifão tinha um dedo e meio de altura. Estava muiiiiiito bom. Preço com refri: $ 140 pesos (50 reais). Por isso que eu digo q a comida aqui é cara. Com 50 reais no Brasil dá para comprar 2,5 kg de maminha na mostarda (2013).

De lá segui a Bariloche com intenção de ir ao cerro Oto de teleférico, mas veio a primeira decepção: só estava funcionando até as 15 h e já eram 16. Na hora nem lembrei do cerro Catedral, maior ainda. Depois fiquei sabendo que ele funcionava até as 19 h. Se arrependimento matasse. No dia seguinte eu iria ficar com uma raiva deste esquecimento...

Só por saudosismo (da viagem anterior) resolvi ficar novamente no hostel Marcopolo Inn, mas o preço foi o maior de todas as hospedagens até aqui $ 480,00 pesos (facada).

 

1545192_1407639646144998_516496171_n.jpg?oh=a3e8cd4e3a593c9ea53e10070fd3be2a&oe=58349788

1469745_1407639669478329_244191751_n.jpg?oh=d7e90881dd01baa1d17f5a187d6f2db3&oe=58280CB7

1528588_1407639832811646_1599661632_n.jpg?oh=22966526e781fc33996fc150181d009b&oe=582B1B0F

1489045_1407639866144976_353021296_n.jpg?oh=16e8e13266afc6494dee97f1af9a49eb&oe=58220FF2

1484157_1407639882811641_1778512975_n.jpg?oh=d4fabde299d91cd64ddafb99c9382b6a&oe=582D0CA0

1466043_1407638562811773_993642347_n.jpg?oh=5287a548816464b812716022e7d66840&oe=57E89BA4

1527085_1407638629478433_1640630215_n.jpg?oh=83eb4b6ce42cfab6a2a55c873b88c0ac&oe=581A7E1A

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por PedrãodoBrasil
      Travessia Chapada Diamantina Extreme (10 Dias, 176 km)
       

       
      (Ibicoara x Lençóis) Sul x Norte
       
      01 a 11 Setembro 2018
       
       
       
      Integrantes
       
      *Formiga (Guia)      https://www.facebook.com/formigueiro.formiga
      *Pedrão do Brasil (Idealizador do Trekking)
       
      *Luciano
       
      *Karla
       
      Saída de Vitoria no dia 30 de Agosto de 2018. Chega em Lençóis as 14:20 hs.
      Ida para o Beco Hostel. (www.obecohostel.com.br)
       
       
      Dia 31 ida para Ibicoara.
      Saímos de Lençóis cedo e fomos para Ibicoara, local onde o trekking iniciou. Nos Hospedamos no Refúgio da Família X no Campo Redondo.
       
      Dia 01 de Setembro ida a Cachoeira do Buracão.
      Liga ímpar e a melhor e mais bonita cachoeira da Chapada Diamantina.
      Inicio 10:00 hs
      Término 16:00 hs
      Ida e volta 7 km.
       
      Dia 02 Setembro. início da travessia extreme.
      Ida ao Baixão, onde se iniciou o Trekking, fizemos Cachoeira da Fumacinha por baixo
      Chegada ao entroncamento as 12:00 hs. Fumacinha as 13:00 hs.
      Acampamento entroncamento, Próximo a fenda as 16:00 hs.
       
      Inicio 09:30
      Termino as 16:00.
      12 km
      Dia 03 Setembro
      Saída do entroncamento (canyon da Fumacinha.) As 07:30 hs. Subida da fenda. Trilha da Fumacinha por cima.. Trilha da toca do vaqueiro.
      Trilha do Gerais do Macho Bomba.
      Pernoite na trilha. (Cela de descida para o Rio Mucugê)
       
      Inicio 09:00 hs
      Termino as 17 hs.
      24 km
      Dia 04 Setembro
      Saída da cela as 08 hs. Descendo até o Rio Mucugê, passando pela Matinha.
      Parada na Cachoeira da Matinha .Logo seguimos para Mucugê.
      Chegando por volta das 17:30 hs.
      Pernoitamos no (www.hostelmucuge.com.br)
      Inicio 08:30 hs
      Término 17:30 hs
      22 km
      Dia 05 Setembro.
      Saída as 09:30 hs.
      Pegando trilha para o encontro dos Rios Mucuge e paraguassu, passando pela AABB.
      Logo em seguida paramos na lapa do caboclo.
      Logo e seguimos para cachoeira do tomba cachorro. Local de nosso pernoite.
      Inicio 09:30 hs
      Término  17:00 hs.
      21 km
      Dia 06 Setembro
      Saída da  cachoeira Tomba Cachorro as 09:00 hs. Chegada no cachoeirao por cima as 12:00 hs.
      Chegada na igrejinha a tarde, triha irada e com subida bem suave, pois a trilha do Gerais do Rio Preto é muito boa.
      Inicio 09:00 hs
      Término 17:30 hs
      20 KM
      Dia 07 Setembro
      Fomos a Cachoeira do Funis já no Vale do Paty. Afinal a trip merece um bom descanso com Banho.
      Inicio 10:00 hs
      Término 15:00 hs e um merecido descanso.
      10 KM.
      Dia 08 Setembro
      Saída igrejinha as 08:30 h.
      Subida rampa. Gerais Rio Preto . Descida ladeira quebra bunda.
      Rancho.
      Gerais Vieira.
      Córrego das galinhas..
      Bomba.
      Capão
       
      Inicio 08:00 hs
      Término 19:30 hs
      28 km
       
      Dia 09 Setembro.
      Capão Dia de descanso
      Dia 10 Setembro.
      Capão
      Subida fumaça.
      Águas claras
      Poney
       
      Inicio 09:00 hs
      Termino as 16 hs
      16 km
      Dia 11 Setembro
      Poney
      Trilha lençóis x pai Inácio
      Gruta do lapão (Passando por dentro dela)
      Lençóis
      16 km
       
      176 KM
      Hard
       
       





























































      20180910_123055.mp4






      20180911_085808.mp4









    • Por danicsml
      Depois de algumas torrões de sol e algumas bolhas nos pés, sobrevivi para compartilhar (e tentar atualizar) informações sobre a nossa trip (marido e eu) nas férias.
      Bora lá: foram 14 dias de viagem pelas seguintes cidades:
      Los Angeles: 3 dias
      Las vegas:  2 dias
      Willian - Grand canyon: 02 dias 
      Page: 1 1/2 dia
      Monument Valley: 1 dia
      Moab : 1 dia
      Salina: só pernoite
      Las vegas: 1/2 periodo compras + 1 noite
      Los angeles: 1/2 periodo compras + 1 noite.
      Total gasto: 18 mil para o casal (é minha gente o dolar tá qse um rim). Segue a planilhinha em anexo. Pessoal eu vou consertar uns valores aq e já posto de novo!!!
       
       
    • Por beatrizz
      Saudações! 
      Esse relato é sobre a subida ao Monte Crista em Garuva, que fica perto de Joinville. 
      A chegada em Garuva foi na sexta dia 07 de Setembro, no fim da tarde. Optamos por passar a noite no Espaço de Vivência Monte Crista. Que não faz parte da trilha oficial pra montanha, mas fica a 2 km da recepção. 
      Sobre esse espaço tem muito a compartilhar, é um lugar místico, onde acontecem diversas vivências, como meditação, temascal, e outros. Há chalés do ladinho do Rio que você pode passar a noite ouvindo o barulho da água. A comida (3 refeições) está inclusa na diária e é vegetariana, deliciosa. Fica em torno de R$ 350 pra 2 pessoas. O espaço compartilhado tem muitos pássaros comuns da região e um local de oração e Cerimônia construído por índios nativos, ali há uma energia muito clara. 
      No sábado acordamos cedinho e tomamos um café reforçado, depois partimos até a recepção do Monte Crista. A entrada sem estacionamento é de 4 pilas. 
      Logo no início você passa por uma ponte pênsil legal. 
      A subida é pesada, porque o terreno é muito parecido em todo o percurso, subida íngreme e ganho de elevação rápido. Vários pontos com escadas de pedras construídas pelos jesuítas. É muito bonito. Diferente do Pico Paraná por exemplo, não há um grau de dificuldade tão grande com raízes e pedras, mas prepara o corpo pra resistência. 
      Enfim chegamos ao cume após 4:30, é importante seguir a trilha principal porque não há placas, e é fácil se perder. 
      No cume do monte encontramos vestígios de acampamento, porém não havia ninguém lá. Achamos estranho porque na recepção nos falaram que muitas pessoas haviam subido... 
      Arrumamos nosso acampamento e o tempo estava fechado, não dava pra ver um palmo na frente, isso também dificultou pra tentar ver onde as outras pessoas estavam. Em função do horário decidimos ficar por ali mesmo. 
      Não estava frio, nem tinha vento. Mais a noite o céu abriu e ficou maravilhoso, aí conseguimos ver as lanternas em um ponto um pouco abaixo de onde estávamos, depois descubrimos que lá encontra-se um marco do Monte Crista, que é onde deve acampar kkkk. Também é um lugar mais protegido do vento. Por sorte o tempo nos ajudou e não fomos lançados montanha a baixo. 
      A noite o bixo pegou, a temperatura caiu muuuito de uns 15 graus para cerca de 4. E não estávamos preparados, ou seja, a noite foi tensa quase não dormimos de frio..... 
      De manhã estava nublado, o sol não mostrou as caras, mas mais tarde alguns raios nos presentearam e deu pra fazer algumas pics. 
      Arrumamos as coisas e descemos a montanha, com quase metade do tempo, em menos de 3 horas chegamos a base. 
      Ps. Esqueci de levar panela, a caneca de metal de café, virou panela e chaleira, improvisos hehehe. 
      Enfim, voltamos ao Espaço de Vivência e conseguimos ainda descolar um almoço antes de pegar a estrada. 
      Ps2. Não é legal subir a montanha pelo espaço de vivência, primeiro pq há uma trilha por ali, mas pouco demarcada, a probabilidade de se perder é bem maior, segundo porque o espaço não tem controle e formulário de subida, e se algo acontecer será um transtorno para eles e para quem está na trilha. O objetivo do espaço é relaxar mesmo. Por isso sempre comece a trilha pela base. 
      No final da experiência há sempre saldo positivo, qualquer montanha 🗻 tem algo a ensinar, cada uma é diferente, especial, única. Aprendemos o que fazer e o que não fazer. Vamos captando os sinais do universo, sobre nossa missão. Aprendemos a ouvir o coração, e não a personalidade. 
      Quero voltar ao Monte Crista com objetivo de fazer a travessia do Quiriri. Mas esse é outro relato. 
      Avante, viver o que precisa ser vivido. 














    • Por PEDROMG
      Oi galera!
      Estou aqui (depois de alguns poucos meses) pra compartilhar com vocês sobre a minha primeira (de muitas kkk) solo trip.
      Se me perguntassem há uns 2 anos atrás se eu teria coragem de viajar sozinho, eu certamente responderia que não faria isso (por medo+tensão+acho que não consigo).
      Até que a vontade de romper essa barreira passou a me consumir e comecei então a trabalhar a mente e me preparar aos poucos pra que eu realizasse isso que se tornou um sonho, uma necessidade.
      Minhas férias do trabalho venceram mas decidi que só as tiraria quando definisse um destino bacana, que tivesse praias lindas (e que eu acreditasse ser capaz de me virar sem companhia rs).
      Foi aí que decidi ir em abril para #Cartagena e #SanAndrés (aquele paraíso onde fica o famoso mar de 7 cores).
      Comecei então a olhar as passagens, lugares para me hospedar, definir rotas, pesquisar sobre a moeda e preços locais e assim fui me familiarizando com cada detalhe e adquirindo a segurança necessária pra embarcar na minha #primeiraviagemsozinho.
      Comprei minhas passagens de Brasília > Panamá > Cartagena / Cartagena > San Andrés / San Andrés > Cartagena / Cartagena > Panamá > Brasília...
      E FUUUI!!!
      Ao chegar no aeroporto de Brasília, bateu aquele leve medo de: é agora!
      Embarquei e durante o voo, devido a tensão, me lembro que tive até um pesadelo.
      Cheguei ao Panamá, celular sem bateria, sem adaptador de tomada mas feliz e empolgado, confiante e pronto pra continuar.
      Lá estava eu desembarcando no aeroporto de Cartagena arrepiado e sorrindo ao mesmo tempo.
      Sem celular e sem voucher de onde eu me hospedaria, fui até o balcão de informações e pedi pra que olhassem pra mim o endereço do hostel... deu certo.
      Que cidade linda, que energia boa, cheia de pessoas felizes, contagiante!!!
      Conheci lugares incríveis, conheci pessoas legais (sou tímido pra isso, mas estar sozinho e naquele lugar maravilhoso acabou mudando isso até sem eu percebesse).
      Dica: se hospedem no Bourbon St Hostel Boutique.
      Depois de 3 dias muito bem vividos, bora pra San Andrés conhecer o Caribe...
      Chegando no aeroporto (que tumulto!!!), eu só queria ver aquele mar das fotos que me fizeram chegar até lá...
      E WOOOOOOOOOW!!! Inacreditável! "P**rra, eu realmente tô no Caribe!"
      Dica: se hospedem no El Viajero.
      Depois de uma semana, de conhecer a beleza surreal da ilha e nadar bastante, partiu voltar pra Cartagena (com todo prazer!) por mais 3 dias.
      Em San Andrés, assim como em Cartagena, conheci outros viajantes que estavam viajando sozinho pela primeira vez também e compartilhar as experiências e momentos foi fundamental.
      Talvez se eu estivesse esperado alguém pra me acompanhar, eu não teria tido essa experiência sensacional, nem conhecido tais lugares e ainda estaria me questionando: será que eu consigo viajar sozinho?
      Sobre os lugares que visitei, recomendo e recomendo de novo.
      *A única coisa que me contrariou durante a viagem foi que comprei um sombreiro (esse das fotos) de um vendedor ambulante por 20.000COP e pouco depois achei numa loja
      por 7.000COP... aff, kkk...
      Se tiverem curiosidades ou quiserem dicas, é só me contactar :)
      Estou pronto pra próxima... a dificuldade agora é escolher algum destino dentre tantos maravilhosos pelo mundo... porque meu medo, eu já venci \o/








    • Por tabatajac
      Conhecida como uma das travessias mais bonitas do país, a travessia Petrópolis x Teresópolis é feita dentro do Parque Nacional da Serra dos Órgãos e conta com aproximadamente 30 quilômetros de trilha, que podem ser feitos em um, dois ou três dias, além de diversos desvios.
      Antes de mais nada, é preciso comprar os ingressos no site do Parnaso e, se for fazer a trilha em mais de um dia, pagar pela sua estadia, que pode ser em camas beliche ou bivaque dentro do abrigo, ou no camping. Vale lembrar que em feriados, principalmente no inverno, a travessia fica bem cheia e os abrigos esgotam rápido. Nós demos sorte e pegamos uma desistência, conseguindo fazer no feriado de 7 de Setembro.
      Para quem fica no abrigo, é disponibilizado panelas, utensílios de cozinha, fogão e banheiro com (pasmem!) água quentinha. Já para quem fica no camping, você também vai poder usar o banheiro para tomar banho, além de outro banheiro do lado de fora do abrigo e um ponto de água, onde dá para encher as garrafas e lavar as panelinhas e utensílios que você levar.
      No total, pagamos R$ 102,00 cada um, incluindo o valor da travessia (R$ 26 da trilha e R$ 26 de adicional de fim de semana), duas noites de camping (R$ 10 cada uma) e dois banhos (R$ 15 cada um).
      O próprio site do parque oferece informações oficiais sobre a travessia, sempre vale dar uma olhada.
      DIA 1 – Petrópolis x Castelos do Açu
      Distância: 8 km
      Tempo: 7 horas
      Ganho de altitude: 1.145 metros
      Saímos do Centro de Petrópolis um pouco antes das 8:00 e chamamos um Uber para adiantar um pouco as coisas. Para quem quiser ir de ônibus, primeiro você vai ter que pegar um para o Terminal de Correias e depois outro para um pouco antes da portaria do parque. Pagamos R$ 36,00 até lá. Chegamos na portaria, assinamos o termo de responsabilidade, enchemos as garrafas de água e começamos a subir às 9:20.
      O primeiro ponto depois da portaria é o Poço do Presidente e a Cachoeira Véu da Noiva. Como saímos um pouco tarde da portaria, fomos só até o primeiro ponto, enchemos as garrafas, comemos uma barrinha de cereal e seguimos. A subida até aqui ainda não é tão íngreme, mas depois do poço comecei a sentir as pernas avisarem que a declividade tinha aumentado (e eu achando que estava bem preparada). Chegamos na Pedra do Queijo às 11:30 e paramos para beber água, comer e subir na pedra para ver o visual.

      Pedra do Queijo

       
      Pedra do Queijo 

      Visual de cima da Pedra do Queijo
      De lá, partimos para o Ajax, onde chegamos às 13:15. Essa, para mim, foi a subida mais puxada, até mais que a Isabeloca que vem depois e dizem ser a parte mais difícil do primeiro dia. Acho que o bastão de caminhada fez a diferença, já que subi essa parte sem ele, mas usei na Isabeloca. O Ajax é o próximo ponto de água depois do poço e o último antes do abrigo, além de ser também onde o pessoal costuma parar um pouco mais para almoçar (ou comer alguma coisa com mais sustância). Atenção para os períodos de seca, já que é comum o Ajax secar. Nós pegamos o ponto com pouca água, mas ainda deu para encher as garrafas. Até esse ponto, já havíamos caminhado por volta de 5 quilômetros, com mais 3 pela frente até o abrigo dos Castelos do Açu.

      Parada no Ajax
      De cara para aquele paredão que era a Isabeloca, saímos do Ajax às 13:55 e começamos a última subida do dia. Conseguíamos ver as pessoas lá em cima, com suas mochilas coloridas, já quase chegando ao topo. Depois de muito anda e para, chegamos lá em cima às 15:15 e paramos na próxima plaquinha para tirar um pouco as cargueiras, beber água, comer e tirar umas fotos. De lá, conseguíamos ver uma formação rochosa bem ao longe que parecia ser os Castelos do Açu, e que ainda estava distante para caramba.

      Subindo a Isabeloca

      Topo da Isabeloca
      Colocamos as cargueiras de volta e voltamos a seguir a trilha quando, de repente, os Castelos do Açu (agora de verdade) surgiram à nossa frente, imponentes e tão mais perto do que a gente imaginava. Ali a emoção bate de leve e você começa a fazer o balanço do que foi o primeiro dia. E se a emoção dali não bastasse, andando mais um pouquinho surgem o abrigo e a Serra dos Órgãos, que se faz ver pela primeira vez, com o Dedo de Deus em riste. Chegamos ao abrigo às 16:30, depois de aproximadamente 7 horas de caminhada. Depois de dar nossos nomes, o cara do abrigo informou que o camping poderia estar lotado e, se esse fosse o caso, poderíamos armar a barraca no próprio castelo (o que eu acho que já foi permitido um dia, mas hoje é proibido em dias normais). Subindo de volta para os castelos, encontramos um ponto perfeito, logo abaixo de outro casal que havia armado a barraca um pouco acima.

      Chegando nos Castelos do Açu

      Abrigo do Açu e a pontinha do Dedo de Deus

      Pôr do sol dos Castelos do Açu
      Barraca armada, seguimos de volta para o abrigo para um banho mais que merecido. Os banhos são de 5 minutos contados no relógio pelo responsável do abrigo, que fica do lado de fora do banheiro controlando o pessoal e batendo na porta quando o tempo acaba. Com um pouco de desorganização, conseguimos tomar banho (que no fim deu um tilt na água quente e o pobre do Marcello terminou na água congelante) e voltamos para a barraca para fazer o jantar, que seria um arroz Tio João com calabresa para ele e com tofu para mim. Alimentados, fomos aproveitar um pouco da vista dos castelos, de onde dá para ver toda a cidade do Rio de Janeiro e suas luzes cintilantes, e depois fomos dormir.
      DIA 2 – Castelos do Açu x Sino
      Distância: 7,5 km
      Tempo: 8 horas
      Tendo acordado um pouco de noite, uma das vezes com frio, acordei de vez por volta das 5:30 e comecei a ouvir as vozes murmuradas do pessoal que acordou para ver o sol nascer. Juntei todas as forças que eu tinha para encarar aquela friaca e saí da barraca. Mas caraca, como valeu a pena. O céu laranja começava a iluminar a Serra dos Órgãos à esquerda e a Baía de Guanabara à direita. Subi na pedra com a câmera preparada e os primeiros raios de sol começaram a sair de trás das nuvens. Acho que foi o momento mais mágico de toda a travessia (com direito à musiquinha do Rei Leão, cantada pelo casal da outra barraca).

      Os primeiros raios de sol iluminam a Serra dos Órgãos

      Nascer do sol dos Castelos do Açu

      A Serra dos Órgãos e a nossa barraca

      Abrigo visto de cima dos Castelos
      Com o sol já mais alto, tomamos café, desmontamos a barraca e seguimos para o abrigo, onde terminamos de nos preparar para o segundo dia. Saímos de lá às 9:00 (bem tarde!) e logo de cara vimos a primeira descida e subida do dia, que seria o Morro do Marco. Com pedras que formam uma escadinha, às vezes com degraus altos que vão precisar da ajuda das mãos, chegamos ao primeiro ponto às 9:30 depois de um quilômetro, onde só tiramos algumas fotos e seguimos em frente. De lá, já conseguíamos ver o próximo vale, bem mais profundo que o anterior, onde encontraríamos o primeiro ponto de água do dia.

      Saindo do Abrigo do Açu

      Visão do Morro do Marco com os totens que guiam o caminho
      Chegamos no ponto de água às 10:10, onde encontramos um grupo sentado descansando e comendo alguma coisa. Enchemos nossas garrafas, comemos umas castanhas e seguimos com a subida em mata fechada e bem íngreme, com raízes servindo de degraus. Nossa próxima parada era o Morro da Luva, onde chegamos às 11:25. Lá, avistamos o Garrafão pela primeira vez, que serviria de guia pelo resto do dia, virando sua cara carrancuda aos poucos até se revelar completamente na Pedra da Baleia. Mas calma que ainda faltava muito para isso (e bote muito nisso). No Morro da Luva, tiramos as cargueiras um pouco para aliviar o peso, bebemos água e tiramos fotos. Depois, seguimos atrás de um grupo com guia que disse que aquele ponto era muito fácil de se perder, já que a rocha abre muitos caminhos e não é tão bem sinalizado quanto o primeiro dia.

      Subindo o Morro da Luva

      Topo do Morro da Luva com os Castelos do Açu ao fundo

      Garrafão e o Dedo de Deus começando a ficar encoberto
      Depois de descer mais um vale, chegamos ao próximo ponto de água logo antes do Elevador, que estava seco. Descansamos um pouquinho e chegamos ao temido Elevador às 12:30. Com 67 degraus, ele é bem mais longo do que eu imaginava, e também mais cansativo. Subi usando a mochila de lastro, que nem o Corcunda de Notre Dame, para ver se ela me jogava para frente e não para trás. Contei três vergalhões faltando, mas a rocha dá um bom apoio nessas horas, e a tração da bota é essencial. Com 3,5 quilômetros caminhados (e escalaminhados) desde o Açu, chegamos ao topo do Elevador, onde tínhamos mais 4 quilômetros pela frente.
       
      Totens e Elevador visto de longe

      Elevador
      Depois do Elevador, a coisa começou a esquentar e nem tirei mais a câmera da mochila, tirando fotos só com o celular. Logo após o topo do Elevador, surge uma rocha com uma subida bastante íngreme, onde é preciso usar as mãos e confiar na bota, acompanhada como sempre de outra descida, também bem íngreme e onde me pareceu melhor descer meio de lado (as bolhas que eu ganhei depois não concordam muito com a minha teoria). Subindo mais um pouco, chegamos ao Morro do Dinossauro, onde paramos para beber água e descansar. O rosto carrancudo do Garrafão já nos observava, assim como a cabeça do elefante (indiano, e não africano, como disse um outro trilheiro também descansando por ali).

      Morro do Dinossauro

      Cara mal humorada do Garrafão
      De lá, tocamos para o Vale das Antas, onde chegamos às 14:30. Último ponto de água do dia, aproveitamos para comer e encher as garrafas. Um dos guias que encontramos lá ressaltou que essa água não é muito legal, já que muitas pessoas usam os arredores da nascente como banheiro, então não se esqueça de levar Clorin e talvez evitar esse ponto de água se sua garrafa ainda estiver cheia. Depois de dois belos pães com atum e castanhas, começamos a subida do Vale das Bromélias até a Pedra da Baleia, chegando lá às 15:10. O topo da Pedra da Baleia fica a 6 quilômetros do Açu, faltando ainda 1,5 quilômetro até o abrigo do Sino.

      Pedra da Baleia
      Quando começamos a descida em direção ao Mergulho, vimos no paredão do outro lado várias mochilas coloridas subindo a escadaria de pedra que daria no Cavalinho. Logo depois, vimos o Cavalinho. Uma rocha triangular um pouco mais clara que as demais que chegava a brilhar com o sol da tarde que começava a se pôr. Naquela hora, bateu um frio na barriga. Mas ali não tem o que fazer se não seguir em frente, e foi o que fizemos.

      Pessoal subindo em direção ao Cavalinho
      No Mergulho, tivemos a sorte de encontrar um grupo com guia que estava usando cordas para descer, que ele caridosamente nos deixou usar. Já vi vários vídeos de pessoas que fazem esse pedaço sem corda, mas com certeza seria mais difícil, sem contar que provavelmente nós teríamos que tirar a cargueira das costas. Logo antes da próxima subida, uma setinha de ferro fincada no chão (como muitas outras antes) indicava o caminho e fiz ali meu check point, no estilo Super Mario. Se caísse do Cavalinho, pelo menos eu não ia precisar voltar tudo! 😂
      Chegamos no Cavalinho às 16:05 com uma pequena fila de pessoas para subir. O espírito de camaradagem que rola lá em cima foi o que nos fez conseguir subir aquele negócio. O grupo da frente nos ajudou a içar as mochilas e um dos caras ajudou a puxar o Marcello depois dele ter montado no Cavalinho, que então me ajudou a subir. Mas o Cavalinho era brincadeira de criança perto da próxima rocha, apelidada carinhosamente de “coice”. Nela, de novo ajudaram o Marcello a subir com a cargueira nas costas, oferecendo a mão de cima dela, mas quando chegou na minha vez, tive que tirar a cargueira e a menina atrás de mim ainda teve que empurrar meu pé para que minhas pernas dessem altura para subir (malditas pernas curtas!).

      Cavalinho
      Passado o desafio, ainda foi preciso subir uma escada de ferro (obrigada pessoa que teve que carregar esse troço nas costas para colocar ela ali) e caminhar mais um pouquinho até a bifurcação do abrigo e da Pedra do Sino. Chegamos lá às 16:40 e no abrigo às 17:10. Alguns grupos seguiram direto para a Pedra do Sino para ver o pôr do sol, mas nós optamos por descer para pegar um bom lugar no camping e deixar para ver o nascer do sol do cume.

      Bifurcação Pedra do Sino, Abrigo 4 e Travessia
      Montamos nossa barraca e fomos logo para a fila do banho, muito mais organizada que no dia anterior. E que banho! A água quente não desligou dessa vez e conseguimos tomar banho em até menos que os 10 minutos totais que nós dois tínhamos. Banhados, fizemos nosso sopão de macarrão e capotamos.
      DIA 3 – Sino x Teresópolis
      Distância: 11 km até a barragem, 14 km até a portaria
      Tempo: 4 horas até a barragem
      Acordei por volta das 4:30 com o burburinho do pessoal se movimentando para ir ver o nascer do sol na Pedra do Sino. Ponderei todas as minhas escolhas de vida até aquele momento e decidi que continuaria deitada ali, no quentinho, e que veria o nascer do sol da Pedra da Baleia que tem atrás do abrigo (que não é a mesma Baleia do dia anterior). Abri a barraca por volta das 5:40 e segui a trilha que sai de trás do abrigo. Consegui pegar os primeiros raios de sol da Pedra da Baleia, de onde se vê o pessoal no topo da Pedra do Sino.

      Nascer do sol da Pedra da Baleia, atrás do Abrigo 4

      Pessoal vendo o nascer do sol da Pedra do Sino
      De lá, voltei para a barraca, sacudi o Marcello, tomamos café e seguimos para a Pedra do Sino enquanto muitos grupos já começavam sua descida. Saímos do abrigo às 8:40 e chegamos no topo da Pedra do Sino às 9:10. A subida não é muito íngreme e a rocha é bem sinalizada, com totens de pedra que indicam o caminho. E o que se pode dizer da diferença que é andar sem a cargueira? Ali eu consegui entender como um ser humano faz essa travessia em um dia só.

      Pedra do Sino com os Castelos do Açu ao fundo

      Visão da Pedra do Sino com Teresópolis ao fundo
      A Pedra do Sino é o ponto culminante da Serra dos Órgãos, com 2.263 metros de altitude e de onde se pode ver os três picos de Friburgo, a ponta do Garrafão, os Castelos do Açu e a Baía de Guanabara. Depois de muitas fotos, descemos para o abrigo, onde desmontamos a barraca e seguimos para Teresópolis.

      Começando a descida para Teresópolis
      O terceiro dia é praticamente só descida, quase toda ela em zigue zague e com a trilha muito bem marcada. Tendo saído do abrigo às 10:45, chegamos às ruínas do Abrigo 3 e ao Mirante de Teresópolis às 11:50 e na Cachoeira Véu da Noiva, já na parte baixa do parque, às 13:45. Lá, era como se a gente já tivesse chegado, mesmo faltando ainda 2 quilômetros até a Barragem e mais 3 até a portaria do Parque.

      Mirante de Teresópolis ao lado do antigo Abrigo 3
      Quando vimos a porteira que dá para a Barragem, bateu a emoção de novo. Concluímos nossa primeira travessia. Quase 30 quilômetros de muita subida, descida, rochas e pirambeiras. O casal que desceu com a gente do Véu da Noiva até ofereceu carona, mas agradecemos e dissemos que queríamos fazer portaria a portaria. Orgulho besta. 😄

      Chegamos!
      DICAS
      Se você pretende fazer a travessia durante um feriado, compre os ingressos com bastante antecedência. Os abrigos lotam rápido e não ter que carregar a barraca com certeza ajuda bastante.
      Uma boa bota (já amaciada!) ou tênis de trekking são essenciais, já que em muitos momentos você vai depender da tração dela para subir ou descer as rochas com segurança. Não aconselho fazer com tênis de academia ou de corrida, já que eles tendem a escorregar.
      Lembre-se que você vai ter que carregar sua mochila durante três dias, e que o peso dela vai se multiplicar com as subidas e o seu cansaço. Leve apenas o essencial.
      Com isso em mente, não subestime o frio. No inverno, as temperaturas podem ser negativas lá em cima e ninguém merece dormir com frio. Leve isolante, um bom saco de dormir, e roupas térmicas (tipo ceroula) se for acampar.
      Há diversos pontos de água no caminho, mas alguns deles podem secar no inverno. Nós levamos duas garrafas de Gatorade (totalizando um litro) e mais uma de 750 ml e foi suficiente, mas pegamos apenas o ponto do Elevador seco. O Ajax também pode secar, então leve isso em consideração.
      Mesmo com previsão do tempo boa, leve capa de chuva. O clima na serra pode ser imprevisível e bem diferente da situação na portaria.
      Leve um GPS ou celular com aplicativo de trilhas já instalado e o mapa e tracklog já baixados. Nós usamos o Wikiloc e seguimos esta trilha.
      Sobre a sinalização, ela é muito boa no primeiro e terceiro dia, e razoável no segundo, com pontos onde é possível se perder, principalmente se o tempo estiver fechado e com serração. Os totens de pedra ajudam bastante, já que são visíveis de longe, e há também setas pregadas na rocha e pegadas pintadas no chão. Mas mesmo assim, não deixe de levar algum tipo de GPS, já que no segundo dia há trechos em que essa sinalização fica devendo.
      Lembre-se que todo o lixo deve voltar com você e não pode ser deixado nos abrigos (e muito menos durante a trilha!), inclusive restos de comida. Então, não esqueça de levar saquinhos para o lixo.
      Já sobre as cordas, nós não levamos nenhuma, mas tivemos a sorte de sempre estar perto de grupos com guia que levaram e usamos as deles. Eu não diria que são totalmente indispensáveis, já o Marcello acha que seria quase impossível fazer sem elas, principalmente na hora de descer o Mergulho e içar as mochilas no Cavalinho.
      EQUIPAMENTO
      Mochilas: Quechua de 40l e Trilhas e Rumos de 48l
      Barraca: Quechua Arpenaz 2XL
      Sacos de dormir: Trilhas e Rumos Super Pluma (conforto +6°C e extremo 0°C)
      Isolante: Conquista 9mm
      Travesseiro: Quechua Air Basic
      Fogareiro: Guepardo Mini Fogareiro Compact
      Panelinha e utensílios: Quechua
      Cartucho de gás: Nautika 230g (de acordo com o que pesquisamos, dura por volta de 120 minutos)
      Lanterna de cabeça: Forclaz ONNIGHT 50 (30 lúmens)
      Bastão de trilha: Quechua Arpenaz 200
      ALIMENTAÇÃO
      Para a principal refeição, que seria o jantar, levamos um arroz Tio João da linha Cozinha Fácil, Sopão Maggi de macarrão com legumes, uma calabresa e uma lata de atum (para o Marcello) e tofu defumado (para mim).
      Para o café da manhã, levamos pão integral, Polenguinho, Toddynho e o tofu.
      Durante o dia, comemos amendoim, castanhas, avelã, Club Social, torradinhas Equilibri, barras de cereal, salaminho, chocolate e pão com Polenguinho e atum. Levei também um pacote de cookies Jasmine que voltou fechado.
      DESVIOS
      Há diversas outras trilhas para se fazer dentro do Parque, mas eu diria que o principal desvio dentro da travessia é para os Portais do Hércules. Nós chegamos a ponderar se faríamos ou não, mas os relatos variavam de 40 minutos a 1h30 de trilha para ir e depois o mesmo para voltar, tempo esse que nós não tínhamos. Sem contar que disseram que é uma trilha de difícil navegação, muito fácil de se perder. Mas se você realmente quiser encarar, o que o pessoal normalmente faz é sair muito, muito cedo do abrigo (às vezes antes do nascer do sol) e esconder as cargueiras na mata perto da bifurcação para fazer a trilha sem elas. Só não vale esquecer onde escondeu a mochila. Ouvimos a história de um cara que não conseguia encontrar sua cargueira de jeito nenhum e, depois de uma hora procurando achando que havia sido roubado, desistiu e seguiu a trilha. Ele só conseguiu reavê-la esse ano, dois anos depois de ter feito a travessia, quando alguém fazendo a trilha a encontrou junto com sua carteira e documentos.
       
  • Seja [email protected] ao Mochileiros.com

    Faça parte da maior comunidade de mochileiros e viajantes independentes do Brasil! O cadastro é fácil e rápido! 😉 

×