Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Marcelo Manente

Rumo Austral - de Curitiba a Carretera Austral de Ranger

Posts Recomendados


8º DIA – 29/12/2013 – Domingo (domingo).

 

Bariloche a El Bolson e lago Puello – 200 km (com passeios)

 

Acordei, tomei banho, tomei café e sai não muito cedo, pois o “acenso” ao cerro Oto iniciaria as 10 h apenas.

Sai em direção ao teleférico, já com muito vento, mas nem pensei no q estava por vir... O teleférico estava fechado por causa do vento..............

Que mer#@. Pensei em ir no Catedral. Não adiantou, estava fechado tbm, e a meteorologia previa chuva e mais vento por 4 dias... O que fazer então. Eu não sabia de nenhum cerro que pudesse ser subido com carro (depois eu soube que havia um). Fiquei num mato sem cachorro.

Depois de analisar pensei em ir a El bolson, onde queria ir da outra vez que vim pra Argentina e não pude ficar e nem conhecer nada.

A estrada até El Bolson é muito linda, toda entre montanhas e lagos, mas eu não curti muito pois estava desanimado e aborrecido. No centro da cidade fui ao centro de informações turísticas que me indicou um hotel, o Hielo Azul, com um preço bacana 190 pesos.

Passei também na famosa feira da praça central. Muito bicho grilo e muita coisa interessante. Pensei até em comprar uns recuerdos, mas isso só vou fazer na volta para o Brasil.

Conversei com os atendentes do hotel e resolvi ir no lago Puelo. Muitos visuais bonitos e praias interessantes, mas nada que me tirasse o gosto amargo na boca de não ter subido os cerros.

Comprei no caminho um saquinho de 1 kg de cerejas e fui comendo pelo caminho. Mal sabia eu que não se deve comer mais do que 100 a 150 g de uma vez, pois se comer demais ela causa diarreia... Isso só fui saber depois de comer. kkkkk

A meteorologia dizia que teríamos uns 4 dias de chuva. Isso fez com que eu mudasse o planejamento que a princípio era de ficar 2 dias na região conhecendo os parques.

Resolvi então seguir viagem pois as condições climáticas mais para baixo da Argentina estavam melhores. No dia seguinte fui para Perito Moreno.

 

1489297_1407980076110955_1016685629_n.jpg?oh=fd5effce2d2f529d86235283405bbf33&oe=581A8063

1535700_1407980062777623_1416269159_n.jpg?oh=e0dfb7dfee5e9907e6b9bbf35a4a0168&oe=58193C71

1486852_1407980152777614_874716089_n.jpg?oh=17b6f175369db4a6978a6fc98402e2f5&oe=582192C4

1392899_1407980306110932_1719945738_n.jpg?oh=9aa55d1d6d3f923c9dcb103f8f308fe6&oe=583149CC

544616_1407980296110933_1346908367_n.jpg?oh=f1095aa6be0c59b13b5aaa4548b0aa44&oe=5816AEA7

1530442_1407980409444255_305486554_n.jpg?oh=78296713e8a49e2a05da0415ca8935ed&oe=581641E5

1557607_1407980499444246_1853634781_n.jpg?oh=fe0b5b1ef8d5a758fb45f1115bce8125&oe=58166CDE

1557468_1407980559444240_1274880218_n.jpg?oh=f912464e21e1c17bf477932de70f0752&oe=58299DC9

1507043_1407980606110902_887081261_n.jpg?oh=afb81285b94b8eb55e4536ffd2ccc0a8&oe=5822B01D

1557487_1407980636110899_1625293122_n.jpg?oh=29632965d7c44e7c61584099b6cd297d&oe=581AC712

Frio e o cão resolveu molhar as partes...

1545903_1407980696110893_1480159215_n.jpg?oh=ee51f963132d39f326812eccb1e75b37&oe=582676F7

1546260_1407980766110886_1423117051_n.jpg?oh=34183d9d205424ef4042b6ce909755e1&oe=58106A57

1532095_1407980792777550_27988613_n.jpg?oh=21b44d84b9e7220700729505aa8493bb&oe=58282061

1534314_1407980919444204_1780563205_n.jpg?oh=95cb51ced16c062038b58c439fa3e1cc&oe=582EB32B

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Perito Moreno a Cueva de Las Manos e Cochrane (Chile) – mais ou menos 300 Km.

 

10º DIA – 31/12/2013 – Terça (viernes).

 

Em Perito Moreno fiquei no hotel Americano. Não tem estacionamento, porém tem quartos de bom tamanho, bem limpos e novos. O melhor foi o preço, o segundo mais baixo desde que cheguei na Argentina, 190 pesos. Tem um desayuno (café da manhã) razoável.

Quando cheguei aqui estava pensando em seguir até Los Antiguos e depois pegar uma estrada pouco conhecida que bordeava a divisa com o Chile até chegar ao Paso Roballos (pronuncia-se Robajos). Mas na central turística de Perito Moreno me lembraram que por outro caminho tem a Cueva de lãs Manos. Um museu pré-histórico a céu aberto, onde os homens das cavernas pintaram, a 9 ou 13 mil anos atrás, a silhueta de suas mãos nas pedras. Além disso tem muitas outras pinturas rupestres. Por isso mudei de ideia e fui pelo caminho que passaria pela cueva, por Bajo Caracoles e ai seguia para o Paso Roballos e finalmente o Chile, em Cochrane.

Segui viagem de Perito a Cueva. Cheguei lá perto das 11 da manhã, horário da Argentina (1 hora a menos). Paguei 50 pesos e segui o guia até me juntar com outro grupo e outra guia. Ai começam as explicações e as pinturas rupestres. Chega a ser desconcertante imaginar aqueles seres humanos ancestrais fazendo aquelas pinturas. Alias, o lugar se chama vale do rio Pinturas. Foi fantástico.

Saindo de lá segui viagem rumo ao Chile e acabei de me perder um pouquinho na entrada da ruta a paso Roballos. O interessante foi que tinha sol até a divisa com o Chile, depois o tempo fechou e o visual não ficou tão bonito como as fotos tiradas na Argentina. Fora que acabou a bateria da Canon e tive de tirar fotos com a Fuji que não é a mesma coisa.

O caminho é um espetáculo. Lagos, montanhas nevadas, animais selvagens, paisagens de cair o queixo. Só espero que minhas fotos possam fazer jus ao que meus olhos viram. A estrada é estreita, sinuosa e toda de pedrinhas arredondadas que fazer parecer as vezes que rodamos em cima de bolinhas de gude. Tem que ir muiiiiito de boa, 30, 40 e máximo 50, mas só em retas. Vi de tudo na estrada, guanacos, lebres (não dava tempo de fotografar), pequenas emas (esqueci o nome), tatus e condores. Entretanto estes últimos estavam bem difíceis de fotografar.

Ao entrar na Carretera Austral senti um orgulho do dever cumprido. Era uma de minhas metas já na viagem anterior. A estrada nos leva nas bordas do vale do rio Baker até a cidade de Cochrane, um povoado um pouco maior da Carretera.

Me hospedei no primeiro lugar que achei, o Hostal Central. Preço? 10000 pesos chilenos, algo como 45 reais. O lugar é um pequeno e aconchegante Bed & Breakfest (cama e café da manhã) só que com banheiros compartilhados.

Passei a virada do ano com a dona Trudi e seus outros hospedes, uma senhora e seu filho que são de Santiago. Foi divertido e muito diferente de todas as passagens de ano que tive. Apesar que me lembrou das vezes que passei a virada na chácara com meus pais. Tudo muito quieto, sem fogos e com a gente assistindo televisão na sala com alguns quitutes.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Neste trecho entre Perito Moreno e A Cueva de las Manos é bem desértico. E foi justamente ai que eu senti os efeitos do meu exagero ao comer cerejas... Um grande problema, já que não havia lugar para se esconder para "descarregar". A minha sorte foi quando eu vi uma passagem der água de degelo (neva por lá no inverno) por baixo da rodovia. Parei o carro e aliviei as dores de estomago ao abrigo. kkkkkkkk

 

Fotos do dia e noite.

 

1517420_1408349296074033_1363042780_n.jpg?oh=db33ef4d982e088920acfaa2e384597a&oe=5818BD2E

1525191_1408349479407348_1722167439_n.jpg?oh=9b1c33bafdd3e36e1283c981a9791f5f&oe=58368709

1535694_1409306979311598_2124071868_n.jpg?oh=9fe54a105ce011bd54f7e431f297ee97&oe=58366223

1514471_1409307159311580_175704793_n.jpg?oh=a125380923a45635a1318a71e6b1ee82&oe=5819B59C

1545802_1409307439311552_1488390520_n.jpg?oh=408c23ba88051eb431dd5fdb0f6788d1&oe=581E88F7

1522093_1409307722644857_496336108_n.jpg?oh=164a36f9ddada4203235bebf5a90228a&oe=58193AC4

1486748_1409307819311514_128134457_n.jpg?oh=40c538e7379723504c25b5d1c48be483&oe=583707B1

1544562_1409307939311502_2092657472_n.jpg?oh=c2aa3762dc5cb95a47561aa81d9cd7eb&oe=58109819

1546025_1409307965978166_227775138_n.jpg?oh=c57041bd30dca576bb051e278bda02a2&oe=582591CE

1535583_1408945256014437_1675125055_n.jpg?oh=9908d753bf0b129fa3bb328b7d0f2e38&oe=582D9DC6

1555544_1408945292681100_426978494_n.jpg?oh=82ea853b0b29b5a4bc1164c0a7a253e1&oe=582F0169

1549530_1409308472644782_1070288975_n.jpg?oh=da2e21dc4478311a4f0664053fd66872&oe=5826ABDF

1559722_1409308589311437_1857237714_n.jpg?oh=4b81bcbe97b90b4fbf4b30ec3d494d55&oe=5834B1EA

6 dedos

1513247_1409309299311366_1181338949_n.jpg?oh=b62d89ce408474f69b93065bebcd58e7&oe=581D9BB6

1525506_1408945342681095_124986884_n.jpg?oh=8cb1d4cdbfc12b0e757e5f837c8c9074&oe=582BF245

553442_1408945416014421_1313092558_n.jpg?oh=a4f3be018ef9cd90b19497fde4be09ed&oe=58277660

1520817_1408945059347790_140515613_n.jpg?oh=216a8000896ed9403b042c96d143bf13&oe=5819A457

1497646_1409311499311146_1444864144_n.jpg?oh=4018be12362759895cb48f06876f7390&oe=58293EB2

1522002_1409311845977778_120601825_n.jpg?oh=4477a065d65a5a18e303df3e0f5d9044&oe=582401EA

1499437_1409311985977764_1504333923_n.jpg?oh=96cb715cbc0f9546891f89b14fffb803&oe=5822A0D7

1557527_1408945076014455_2010795978_n.jpg?oh=1c0ec10f04b2646d02eada4ba8e34b3d&oe=5813EC56

1522130_1409307039311592_1668357551_n.jpg?oh=cdab6f1d5d618a11c9a5ed3ac352f9b3&oe=58141599

1527108_1409820992593530_1843634564_n.jpg?oh=c328b3669f6f8d4ae2bff4279ae1bb56&oe=5820DC71

1524753_1409821509260145_1340793147_n.jpg?oh=d5f84140f41e1a4b22bf77c7f53c1856&oe=5834B572

1517587_1409821539260142_1131695532_n.jpg?oh=f57406b772cdffca3eb50ec3ad10b03e&oe=58301966

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Cochrane (Chile) a Caleta Tortel e Villa O’Higgins – mais ou menos 280 Km

 

11º DIA – 01/01/2014 – quarta. CARRETERA AUSTRAL. Dia maravilhoso.

 

No dia anterior eu tive uma pequena noção do que é a Carretera Austral, entretanto nada poderia me preparar para tanta beleza que eu vi hoje. Simplesmente MARAVILHOSO. Faltam palavras para descrever a estrada.

Aconselhado pela Senhora Trudy, a dona do hostal em que dormi, resolvi que iria passar para O’Higgins na balsa das 18 horas. Então saindo as 10 da manhã poderia desfrutar da estrada com mais tranquilidade e ainda visitar a Caleta Tortel antes de chegar a hora de passar pelo braço de mar que separa dos últimos 100 Km até a Villa.

 

Saindo de Cochrane a estrada vai ao lado de lagos, montanhas nevadas e visuais espetaculares . Mas a medida que ela vai estreitando e subindo e descendo montanhas as coisas vão ficando cada vez melhores. O problema de se estar sozinho é que se tem de parar a cada 2 Km para bater uma foto. Sem chance de tirar foto e dirigir, a estrada é perigosíssima e qualquer vacilo de 1 segundo vc pode cair num abismo e esperar horas ou dias até te acharem.

 

Quanto mais perto de Caleta Tortel vai se chegando maiores e mais numerosas são as cascatas. Sem brincadeira, são CENTENAS de cascatas, uma mais graciosa que a outra. Eu nunca vi nada tão belo na minha vida. Eu não estava preparado para tamanha beleza. E isso que o tempo não ajudou. Estava assim: chovia, fazia sol, garoa, teve até granizo e quase, quase nevou. Esqueci-me de mencionar que na noite de Ano Novo nevou nos picos a volta de Cochrane e ai tudo ficou muito, mas muito mais bonito.

 

Sei que quase fiquei com torcicolo de tanto olhar para a minha direita e esquerda e iluminar meus olhos com a beleza de tantas cascatas. A mão de Deus é simplesmente maravilhosa.

 

Uns 40 Km antes de Puerto Yungay, onde se pega a balsa, tem a estrada de 22 Km que leva a Caleta Tortel. Novamente com centenas de cascatas e o rio Baker ao lado. Neste trecho o tempo estava fechado, chovendo e com muito vento. Pensei que não iria dar para curtir a pequena cidade. Porém à medida que fui me aproximando do lugar o tempo foi se abrindo e ao chegar lá havia até um pouco de sol. Muita sorte.

 

Caleta Tortel é uma pequena cidade a beira da foz do rio Baker no oceano Pacífico. Quase que sua totalidade é construída em cima de palafitas e por isso, não há ruas. A gente chega, estaciona o carro na entrada e segue caminhando por suas passarelas que bordejam o mar e sobem e descem as encostas. É muito pitoresco o lugar. Existem até praças em cima das palafitas com balanças, gangorras e escorregadores para as crianças. A “cidade” tem de tudo, armazéns, ginásios de esporte, prefeitura, rádio, vários atracadouros, igrejas, mirantes, restaurantes, hospedagens etc. E tudo ligado por passarelas de madeira da região. É interessantíssimo. Fiquei uma hora e meia e não andei em tudo. O lugar é um verdadeiro labirinto de passarelas que sobem, descem e as vezes dão em um beco sem saída, como eu pude experimentar.

 

Seguindo adiante, voltei os 22 Km até a estrada principal, não sem antes parar para tirar numerosas fotos de outras cascatas. Ali ao porto são 43 Km. Novamente em meio a tantas cascatas que as vezes parece que elas vão cair no meio da estrada em cima do carro. Tem de todo tamanho e tipo que vcs pensarem algumas caiam ao lado da estrada, de modo que podiamos colocar a mão nelas. Não cansava de agradecer a Deus pela oportunidade que ele estava me dando.

 

Cheguei ao porto uma hora antes da partida. A balsa tinha lugar para uns 12 carros mais ou menos. As 17 horas partimos para um trecho de apenas 45 minutos de navegação. Todos os carros desceram e eu sai por último pois iria parar muito no caminho. A uns 30 Km do porto, vi um caroneiro e resolvi parar, já que todos à minha frente não o fizeram. Era um americano de Wyoming (não sei se é assim que se escreve) que está percorrendo a região a pé e de caiaque inflável. Troquei algumas palavras em inglês com ele e vi que tenho que estudar muiiiito para conseguir conversar. Eu até entendia bem o que ele falava, mas na hora de responder as coisas travavam. Fora que acabei me confundindo com inglês, espanhol, português... KKKKK

 

Depois do porto tem mais 100 Km do mesmo tipo de estrada que já descrevi antes, ou seja, cascatas, lagos, rios, montanhas nevadas etc. Um espetáculo. A, eu já falei isso??? Bem eu acho que vou falar muito mais até o final da viajem. Não dá para destacar nada, tudo é grandioso. E a estrada em si então??? Há que se louvar esta obra da engenharia chilena. Tem horas que vc vê a estrada lá do outro lado de um lago e não imagina como vai se chegar lá. Realmente é um prodígio da força humana ante a natureza.

 

Finalmente, às 21 horas, cheguei a Villa O’Higgins O destino final de minha jornada e o começo de meu retorno. Daqui até o começo da Carretera são mais mil e tantos Km. A partir de Puerto Montt só tem asfalto, umas vinícolas e o caminho de casa.

 

Vou postar agora só as fotos das cascatas:

1526571_1409821799260116_645596124_n.jpg?oh=07b67a10c8e2f47c95f3de21f83c8add&oe=583096C7

1497671_1409821962593433_827819863_n.jpg?oh=2f4913ec730bd897d3399191bac1be36&oe=58159E2D

1528744_1409822012593428_2070755178_n.jpg?oh=97f1156bfbf5f8566d6c0fcb5877ecb6&oe=583591A3

1480527_1409822045926758_1218464801_n.jpg?oh=10df3f628a8f74cd504345a5d865cbc4&oe=5815C604

1557725_1409822072593422_1426492517_n.jpg?oh=0fd9549946c3735895e68a6241986950&oe=58322417

1479521_1409822142593415_1132461414_n.jpg?oh=266506f4f26c2e5abf04be4c7455a1d6&oe=5830FFFE

1544582_1409822155926747_532689867_n.jpg?oh=3654516710ba79cd00d628c2ae44fa64&oe=58228061

1504526_1409822255926737_2097762707_n.jpg?oh=e990479b20b091e38d1a41b7cc606cc7&oe=5816306D

1558535_1409822252593404_232109658_n.jpg?oh=d3c37382c01ba2b486b3d50558bf8ce6&oe=5834A8C8

1505309_1409822332593396_1272723865_n.jpg?oh=290bf743c655a4bf474c2273c2019774&oe=582C47F3

75200_1409822362593393_273865276_n.jpg?oh=0d39926f54a8c1d27393d3b302c00ed6&oe=582B55D1

1526294_1409822382593391_780492360_n.jpg?oh=3ee06870a2b682d4b39cad86abca7d28&oe=582B84B7

1482748_1409822442593385_1413057092_n.jpg?oh=5c852fc7df7c7862a282f28ed3789d4b&oe=582FE9CA

1551757_1409822499260046_916323714_n.jpg?oh=1921e52471e82923d080aaa94a1301cf&oe=5810CE99

1601481_1409822525926710_2132932074_n.jpg?oh=68e670036bc9e2a842fb829b63682483&oe=581E20C7

1525360_1409823889259907_1873806024_n.jpg?oh=b10e8676147da3964926a76da8fed8a6&oe=5811D271

1533807_1409823925926570_136683089_n.jpg?oh=deb996636578954a38934693da39ae38&oe=5822BF91

1557682_1409823962593233_712249918_n.jpg?oh=b623e8d812b0565a78cc735df7af7074&oe=58142117

1554581_1409823982593231_2040908227_n.jpg?oh=dc56ce98a7dd0c1e6c95f2dd932edd11&oe=58342C00

68905_1409824299259866_1643719188_n.jpg?oh=c1755c1a911019b56fc886bd4c76b425&oe=581F2E71

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
8º DIA – 29/12/2013 – Domingo (domingo).

 

Bariloche a El Bolson e lago Puello – 200 km (com passeios)

 

Acordei, tomei banho, tomei café e sai não muito cedo, pois o “acenso” ao cerro Oto iniciaria as 10 h apenas.

Sai em direção ao teleférico, já com muito vento, mas nem pensei no q estava por vir... O teleférico estava fechado por causa do vento..............

Que mer#@. Pensei em ir no Catedral. Não adiantou, estava fechado tbm, e a meteorologia previa chuva e mais vento por 4 dias... O que fazer então. Eu não sabia de nenhum cerro que pudesse ser subido com carro (depois eu soube que havia um). Fiquei num mato sem cachorro.

Dei sorte então, por que dia 01/01/14 sai de Buenos Aires rumo a Bariloche e peguei um pouco da frente fria no caminho. Em compensação no dia 02/01/14 quando chegamos em Bariloche estava um frio ::Cold:: Fomos ao Cerro Otto, mas não subimos no Cerro Catedral.

 

Acompanhando aqui o relato, muito bom ::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dei sorte então, por que dia 01/01/14 sai de Buenos Aires rumo a Bariloche e peguei um pouco da frente fria no caminho. Em compensação no dia 02/01/14 quando chegamos em Bariloche estava um frio ::Cold:: Fomos ao Cerro Otto, mas não subimos no Cerro Catedral.

Acompanhando aqui o relato, muito bom ::otemo::

 

Pois é colega, na vez que fui tinha um vento de dar medo mesmo. Aquela trapizonga devia balançar pra caramba.

 

Abraço.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Marcelo Manente
      Após a minha última aventura quando fui sozinho para a Carretera Austral no Chile eu fiquei sem viajar nas minhas férias seguinte. Sou professor e sempre tenho férias em dezembro/janeiro. Fiquei os 45 dias de férias triste e desanimado.
       
      Eu vendi a minha Ranger pois ela estava com um problema que poderia estragar o motor. Em seguida eu comprei a minha Toyota Hilux SW4 4Runner 2.7 a gasolina em outubro. Fiz a revisão inicial, troquei os pneus e isso tudo deu uns 5 mil.
      Não poderia viajar sozinho naquelas férias. Tentei de todo modo buscar companheiros para a viagem, porém não consegui.
       
      Ainda bem que não consegui... Um mês depois das férias o motor da Toy queimou a junta do cabeçote como que por mágica. Em nenhum momento ele ferveu ou esquentou a ponto de acontecer isso. Arrumei o problema e lá se foram mais $$$$$.
       
      Em julho coloquei um anúncio no grupo de professores do Parana do facebook procurando companheiros para a viagem. Inicialmente várias pessoas se interessaram, mas uma apenas fechou que iria. Depois essa professora, a Beatriz Goes, conseguiu mais um amigo professor para ir junto, o Edmar Lucas, ambos de Ponta Grossa - PR.
       
      A coisa complicou pq em outubro a Toy deu problema de novo. Queimou a junta do cabeçote outra vez. Dai eu ga$$$tei muito mais que da primeira vez para ver se não acontecia novamente. Aproveitei e fiz a embreagem, mandei revisar e limpar o radiador etc. Até o final do ano eu praticamente zerei tudo o que pudesse dar problemas na Toyota.
       
      Em outubro coloquei um anuncio aqui no Mochileiros para achar mais um companheiro de viagem. Em novembro apareceu o santista Adriano Lizieiro e fechamos o grupo. E para melhorar mais ainda, O Glauber e a Érica com sua Chevrolet S-10 a gasolina se juntaram a nós para formarmos um grupo de duas viaturas na viagem. Muito mais seguro. Isso me ajudou muito quando tive um problema na Toy.
       
      Saímos no dia 28/12/2015. Segue o relato.
    • Por Marcelo Manente
      Pessoal vou fazer uma relato das minhas impressões sobre as estradas que eu trafeguei no caminho de ida e volta até Ushuaia e Carretera Austral em dezembro 2019 a Janeiro 2020.

    • Por Ian Gon
      Saudações mochileiros, principalmente aqueles que querem viajar de carro.
      Não tive tempo de relatar minha viagem de carro de Belo Horizonte ao Atacama realizada em setembro de 2017, mas aqui vai minha contribuição.
      Após várias pesquisas aqui no site e com a ajuda de várias pessoas para o planejamento como o grande viajante de carro HLIRAJUNIOR e sua companheira (muito conhecimento e experiência), ao Alexandre  e Rosângela do blog VIAJANDO DE CARRO (no qual baseie meu roteiro e pelas dicas providenciais por email), o João Carlos Truppel (Facebook), grande viajante de carro da América do Sul, ao Guilherme Pegoraro (que me enviou uma planilha bacana de roteiro e gastos – descobri um relato dele no blog VIAJANDO DE CARRO), ao blog www.viagensaamericadosul.blogspot.com.br onde peguei várias dicas e mapas dos passeios. Também à Marisa Belle Bertoldo (relato no blog FELIPEOPEQUENOVIAJANTE) pelas dicas e ao blog MOCHILA CRÔNICA pelas informações.
      No relato não vou me a ter a pequenos detalhes. Caso alguém tem interesse, pode entrar em contato ([email protected]).
      Agradeço a todos pela disponibilidade e me coloco também a disposição para ajudar a quem pretende realizar esta viagem espetacular.
      Para quem vai se aventurar de carro pelo NOA ARG e CHI em direção ao Atacama é sempre bom estar com as informações claras e atualizadas. Nesta viagem fomos eu e meu irmão de república da época da faculdade Rômulo. Para quem pretende, é melhor preparar o psicológico, pois a cada dia você está mais longe de casa – mas é muito longe mesmo.
      Todos os hotéis da ida foram reservados antecipadamente via Booking e a volta íamos escolhendo a cada destino (mas com algumas opções já pesquisadas).
      Qual carro nós fomos? Punto Essence 1.6 2013/14. Mas dá para ir? Tranquilamente.
      A viagem foi feita em 17 dias.
       
      DOCUMENTOS NECESSÁRIOS (ARG e CHI) – Dica: organizar pasta com documentos.
      •         Passaporte (agiliza o trâmite nas fronteiras) ou Identidade (com o RG o seu comprovante de entrada e saída dos países será um ticket estilo supermercado, logo se rasgar ou perder vai ter muita dor de cabeça. Com isso recomendo o passaporte).
      •         CNH e muito recomendado Permissão Internacional para dirigir (PID). Não me pediram mas preferi evitar problemas.
      •         CRLV do veículo.
      •         Seguro Carta Verde (Pedi via internet no site Luma Seguros - foi mais em conta do que na minha corretora).
      •         Seguro SOAPEX (comprei no site da HDI Seguros via cartão de crédito – para preencher os dados é necessário o número do motor do carro. Caso tenha dúvida, veja algum vídeo no youtube de como achar o número do motor do modelo do seu carro – lembrando: NÃO é número do Chassi)
      •         Extensão de perímetro do seguro do automóvel (Eu fiz com o corretor do meu seguro. Como o meu seguro cobria o Mercosul, estava tranquilo quanto à ARG, mas os 4 dias no CHI preferir pagar quase 400 reais, pois estaria no meio do deserto e sabe-se lá o que poderia acontecer – melhor prevenir).
       
      Dia 1 Belo Horizonte-MG a Marília-SP.
      Distância média: 880 Km
      Tempo (com paradas): 11h
      Saímos cedo de BH e fomos tranquilos até Marília – SP. O dia estava ensolarado, a pista era duplicada e em bom estado. Paramos para lanchar e almoçar no caminho.
      *No roteiro, defini que os primeiros dias da viagem seriam os mais extensos para poder curtir melhor na ARG e CHI. Com o ânimo de início de viagem e tendo alguém para conversar, ajuda a deixar o cansaço de lado.
      *Pedágios: Foram 13 pedágios entre BH e Marília com média de R$ 5 (total de R$ 65,70).
      Hotel em Marília: Almaru Flat Hotel (Muito confortável). Média R$ 150,00 a diária.
       

      Já na estrada ainda em Minas Gerais.

      Final de tarde chegando em Marília-SP.
       
      Dia 2: Marília-SP a Puerto Iguazu-ARG
      Distância média: 710 Km
      Tempo (com paradas): 11h
      Saímos cedo. O dia estava ensolarado e a estrada era pedagiada e em bom estado. Fomos para Foz do Iguaçu, onde trocamos reais/dólares por pesos argentinos em um shopping. Abastecemos e depois cruzamos a fronteira no mesmo dia para Puerto Iguazu.
      Na travessia, geralmente tem uma pequena fila de carros (depende da época e horário que você estiver atravessando). Já separe os documentos (passaportes e do veículo, abaixe os vidros e acenda as luzes internas (se for noite) pois geralmente eles dão uma olhada geral nos passageiros para ver quantos são e se condizem com os documentos. Nossa travessia foi bem tranquila e rápida.
      Puerto Iguazu é muito legal de conhecer. Preferimos deixar o carro no hotel e sair para conhecer a pé.
      A cotação estava R$ 1 = PA$ 5. (A cotação que consegui em BH foi 1 dólar = R$ 3,28).
      *Pedágios: Foram 8 pedágios entre Marília e Foz do Iguaçú com média de R$ 12 (total de R$ 97,40).
      Hotel em Puerto Iguazu: Hotel Oxum (Simples mas limpo e confortável). Média PA$ 900,00. 

      Na estrada no Paraná.

      Ainda no Paraná sentido Puerto Iguazu.

      Atravessando a fronteira em Foz para ARG
       
      Dia 3: Puerto Iguazu – ARG a Corrientes - ARG
      Distância média: 625 Km
      Tempo (com paradas): 10h
      Saímos de Puerto Iguazu e o dia estava chuvoso. Seguimos com calma por causa da pista molhada.
      Na saída, ficamos um pouco perdidos com o GPS que estava indicando a rota pelo Paraguai (estava configurado para menor distância. Mudamos para menor tempo e colocamos a cidade de Posadas como destino).
      *Dica: De preferência, no GPS coloque sempre uma cidade próxima ao invés de colocar seu destino final do dia. Com isso, você diminui a chance de ficar perdido!
      Havia algumas barreiras policiais mas apenas uma nos parou (Gerdameria) e perguntou aonde iríamos *Dica: Mesmo indo para o Atacama, sempre falávamos que iríamos para a próxima cidade do nosso destino, pois evitava a suspeita de que estávamos com muito dinheiro e bagagem. Isto funcionou durante toda a viagem sem problemas. As vezes que fomos parados na ARG era apenas para perguntar onde iríamos ou conversar por sermos brasileiros. A maioria era bem receptivo.
      Não tivemos problemas com a corrupção. Independente disso, levamos o formulário de multa anti-corrupção do governo da ARG. Neste caso, deve ser o último recurso.
      Passamos por San Ignácio Mini para almoçar e acabou que não fomos às ruínas (vai ficar para uma próxima oportunidade).
      Nosso destino neste dia foi Corrientes. É uma boa cidade para pernoite. Vale a pena visitar o cassino e a região beira-rio.
      *Pedágios: Foram 3 pedágios entre Puerto Iguazu e Corrientes: Eldorado PA$ 20,00, Santa Ana PA$ 20,00 e Ituazingo PA$ 20,00 (total de 12 reais).
      Hotel em Corrientes: Hotel Orly (Bom, limpo e confortável). Média PA$ 980,00. Hotel central com estacionamento a uma quadra).
      Em Corrientes abasteça e compre lanche reforçado e água: próximo dia de trecho sem muito atrativo para refeições.
      Observação: Nas cidades das províncias de Missiones, Chaco e Salta durante a tarde, mais ou menos a partir das 14h as cidades ficam vazias depois do almoço até às 17h, parecendo que é feriado (siesta). Após as 17h, tudo volta ao normal e o comércio (principalmente bares e restaurantes) fica aberto até tarde. Ir se acostumando com a rotina das siestas.
       
       
      Na estrada depois da saída de Puerto Iguazu.
       
      Na estrada sentido Corrientes.
         
      Na estrada sentido Corrientes.
       
      Passando por Ita Ibate sentido Corrientes.
       
       Fim de tarde sentido Corrientes.
       
      Chegando em Corrientes.
       
      Corrientes a noite.
       Dia 4: Corrientes – ARG  a Salta - ARG
      Distância média: 820 Km
      Tempo (com paradas): 11h
      Foi um dos percursos mais cansativos. Possui muitas retas e é monótono (pode dar sono). O dia estava nublado, o que ajudou por ser uma região que faz muito calor. Fique atento a animais como cabras atravessando a pista em alguns pontos próximos de cidades. A pista é simples mas boa (não possui acostamento asfaltado). Possui muitos insetos chocando contra o para-brisas (não esqueça de colocar solução de limpeza no reservatório do para-brisas para facilitar o uso).
      Apesar de ser quase tudo reto durante boa parte do trajeto, não abuse da velocidade. Vá curtindo a viagem e além disso não dê sorte para o azar (nem para a polícia).
      Saímos de Corrientes sentido Salta passando logo no início por Resistência. Andamos cerca de 700km pela RN 16 (cerca de 8h). É uma região com pouca estrutura e possui cidades pequenas na beira de estrada sem muitos atrativos para lanche (tente levar da cidade de origem).
      *Muito importante abastecer sempre que o tanque passar de ¾ cheio se seu carro tiver pouca autonomia ou metade se tiver uma boa autonomia (o meu tanque de 60L dava uma média de 750 km). Neste dia paramos em um posto YPF e tivemos que esperar cerca de 40 minutos até o caminhão abastecer o tanque. Os postos ficam mais nas proximidades de cidades, vilarejos (pueblos) e trevo de acesso ao último trecho de 45km para Salta.
      Quando chega próximo de Monte Quemado (Província de Santiago del Estero) o asfalto fica cheio de buracos e deve-se reduzir bem a velocidade. Tomar cuidado com os veículos contrários que invadem a contramão tentando desviar dos mesmos (você também terá que ir para a contramão, então cuidado ao atravessar para a outra pista e não foque apenas nos buracos).
      Antes de chegar no cruzamento com a Ruta 9 começa a ter mais curvas e no horizonte começa-se a ver as primeiras montanhas da Cordilheira dos Andes.
      Após entrar na ruta 9, a viagem já estava bem cansativa, logo redobre a atenção e tente parar um pouco mais para curtir esta região que é muito bonita. Neste momento estava próximo do pôr do sol e a paisagem ficou bem marcante.
      A chegada de Salta é bem bonita com uma descida espetacular. Chegamos cerca de 19:30.
      Durante o percurso passamos por alguns postos e blitz da polícia Caminera e Gerdameria. Não tivemos problemas em nenhum, inclusive no posto mais comentado e famoso de Pampa de Los Guanacos.
      *Pedágios: Foram 2 pedágios entre Corrientes e Salta: Resistência PA$ 15,00 e Makalle PA$ 30,00  (total 9 reais). Na chegada de Salta não havia pedágios (havia lido relatos de que tinha). Havia alguns trechos em obras, logo, no futuro podem haver outros pedágios ou pode ser algum pedágio que existia que estava em reforma.
      Salta: a cidade possui ótima estrutura turística, com diversos hotéis e restaurantes. A temperatura estava agradável. Achei a cidade tranquila e segura.
      A noite vale a pena conhecer as famosas peñas (por mais que seja pega-turista, como gosto da cultura, achei muito interessante).
      Compre folhas de coca seca para mascar ou fazer chá para tolerar melhor a altitude.
      Próximo dia: começa a melhor parte da viagem.
      Hotel: Hotel Samka (Bom, limpo e confortável). Média PA$ 920,00. Hotel central com estacionamento.
        
      Saindo de Corrientes para cruzar a ponte sentido Resistência.
       
      Saindo de Corrientes para cruzar a Ponte sentido Resistência.
                                                      
              Reta do Chaco sentido Salta. Esquece, é só reta.
       
      Reta do Chaco.
       
      Reta do Chaco. 

      Animais na pista próximo a entrada de alguma cidadezinha no norte da ARG.
       
      Começam os buracos próximo a Monte Quemado.
       
      Primeiras montanhas da Cordilheira próximo ao cruzamento com a ruta 9 sentido Salta.
         

                                                                                 Na ruta 9 sentido Salta.
       
      Fim de tarde sentido Salta.

      Em Salta.
       Dia 5: Passeio Salta Cachi Cafayate
      Distância média: 360 Km (boa parte em rípio)
      Tempo (com paradas): 8 h
      Saímos tarde de Salta (em torno de 11:30) em direção à Cafayate (rutas 68, 33 e 40), passando pela Cuesta del Obispo e Parque Nacional Los Cardones. O dia estava ensolarado e seco. A Cuesta del Obispo é muito linda, com paisagens bem diferentes das nossas (vale muito a pena). A estrada é de rípio e estava boa, com muitas subidas e curvas. Indo devagar, curtindo a paisagem e ouvindo uma boa música fica tudo tranquilo. Pegamos muitos ventos fortes que levantava muita poeira.
      Ao final do trecho de rípio pegamos um trecho de subida  asfaltado em bom estado (a esquerda tinha uma placa do Parque Los Cardones e uma estradinha mas deve-se seguir direto no asfalto (entramos a esquerda e saímos em um lugar que parecia ser de piquenique, muito legal e bonito mas acabou nos atrasando – se sair cedo de Salta vale a pena).
      Depois tem uma descida íngreme e sinuosa (nessa hora ficamos meio confusos com o GPS pois mandava sair do asfalto - pode continuar no asfalto que não tem erro) até chegar na reta del Tin Tin, onde paramos para tirar fotos dos cactos gigantes. A região também é muito bonita e diferente.
      Depois seguimos para Cachi e achamos tudo fechado por causa da siesta. Só conseguimos o restaurante de um clube que fez uns sanduiches de presunto e mussarela.  A cidade é muito tranquila.
      Seguimos para Cafayate (RN40) em estrada de rípio em estado regular. É uma região pouco habitada. Pegamos muito vento e poeira (parecia o fim do mundo, muito diferente). Atentar sempre para a direção que está seguindo no GPS pois as vezes tem alguma bifurcação e não tem placa indicando. Como saímos tarde de Salta, chegamos tarde em Quebrada las Flechas e já estava escuro e não aproveitamos (logo saia cedo de Salta e aproveite).
      Chegando em San Carlos, a estrada já é asfaltada. Log depois chega em Cafayate.
      Chegamos cansados no hostel e depois do descanso saímos para conhecer a cidade. É pequena mas muito boa e tranquila. Conhecida como a terra do bom vinho de altitude, onde as principais atrações são suas bodegas.
      Dicas
      Levar muita água, roupa corta vento, protetor solar e lanche muito reforçado. É uma região bem inóspita e a falta de água ou alimentação pode levar a uma desidratação ou hipoglicemia e o resgate pode ser muito demorado por ser uma região pouco habitada. Além disso, tem a siesta e caso chegue nestes horários, vai achar a cidade vazia e comércio em geral fechado. Parece cidade fantasma.
      Entre Cachi e Cafayate, dirija devagar.
      Não deixe de tomar o vinho Quara uva Torrontés em Cafayate.
      Ficar atento ao GPS se está configurado como menor distância, menor tempo ou fora de estrada. Quando íamos pegar estrada de rípio muitas vezes mudávamos para menor distância ou fora de estrada. Depende muito da hora, logo é importante estudar e conhecer muito bem todo o roteiro para evitar seguir o GPS e ir por um caminho não programado.
      Na saída de Salta, configure o GPS para menor distância e cidade: Cachi. Quando saímos configuramos para Cafayate e o GPS nos direcionou para a RN 68 (asfaltada e que não passaria por Cachi). Como já havia estudado o roteiro, ficou mais fácil perceber e corrigir.
      Vale a pena ficar 2 dias em Cafayate. Quando for embora, saia mais cedo para aproveitar as paisagens da Quebrada de Cafayate.
      Hotel: Hostel Andino (parece hotel mas é hostel, bem limpo e confortável). Média PA$ 900,00.
        
      Saída de Salta sentido Cuesta del Obispo. Por enquanto asfalto.
        
      Início da Cuesta del Obispo ainda asfalto.
      Ainda asfalto. 
      Início para a Cuesta del Obispo. Ainda asfalto mas depois começa o rípio.
        
      Início da Cuesta del Obispo já com rípio.
        
      Paisagem no início da Cuesta del Obispo.
       
       
      Rípio na Cuesta del Obispo.  
       
      Cuesta del Obispo. A estrada clara ao fundo é de onde viemos. 
       
      Cuesta del ObispoPercorre-se todo a estrada de rípio até em cima. Imensidão.
       
         
      Depois do rípio da Cuesta del Obispo nesta placa deve-se seguir direto no asfalto para chegar ao Parque Nacional Los Cardones. Na placa a esquerda tem uma estrada de rípio que dá em um lugar bem bonito no meio do nada - mas não é sentido Los Cardones – se sair cedo de Salta vale a pena conhecer). 
       
      Se virar a esquerda na placa vai conhecer este lugar. Ao final da estrada tem umas mesas para piquenique. 
       
      Seguindo no asfalto após a placa sentido Los Cardones.
       
       
      Seguindo no asfalto após a placa vai começar algumas curvas e depois uma descida sinuosa (onde foi tirada a foto). A fina faixa reta na foto é a reta del Tin Tin já em Los Cardones. O embaçado é poeira levantada pela ventania.

      Los Cardones. Aqui tem um local para estacionar o carro e curtir. Cuidado com outros carros ao atravessar o asfalto. Por mais que seja uma região pouco habitada as vezes passa algum carro. 
       
      Após Los Cardones, Payogasta sentido Cachi.
       
       
       Em Cachi. Parecia cidade fantasma por causa da siesta. 

      Vilarejo após Cachi sentido Cafayate. 

      Após Cachi pegamos estrada de rípio sentido Cafayate. Muita ventania. Paisagem desoladora, parecia o fim do mundo (veja ao fundo da imagem). 

      Sentido Cafayate. Muita ventania. Paisagem desoladora.
       

       Quebrada las Flechas a noite. Uma pena não ter saído mais cedo de Salta.
       
      Dia 6: Cafayate – ARG a Tilcara
      Distância média:  200 Km (até Salta) e 173 Km (até Tilcara passando por La Cornisa)
       Tempo (com paradas e engarrafamento de acidente): 10 h
      Cerca de 09:00 seguimos em direção a Salta pela Ruta 68 - asfaltada e em ótima condição. No início tem-se as formações rochosas da Quebrada de Cafayate (Los Castillos, El Obelisco, El Fraile, El Sapo, El Anfiteatro e Garganta del Diablo - todas identificadas). Vale a pena fazer este percurso com calma e apreciar as paisagens e as diferentes formações rochosas.
      Paramos no restaurante Posta de Las Cabras (ruta 68 - Km 88) para almoçar. É um lugar gostoso para descansar e curtir a calmaria. Cuidado ao pegar o volante após o almoço por causa do sono que pode vir.
      Seguimos em direção à Salta e de lá pegamos a estreita Estrada de La Cornisa sentido San Salvador de Jujuy para chegar em Tilcara.
      Em Salta, agarramos um pouco e saímos depois de 14hs. A estrada de La Cornisa é muito bonita e diferente, mas aviso que é muito estreita, logo tem que haver muito cuidado, uma certa perícia do motorista e cautela nas curvas. Tem uns mirantes que valem a pena parar. Pegamos a parte final já escuro. Recomendo sair de Salta no máximo entre 11-12h. Vá com calma para curtir cada detalhe.
      Depois de Jujuy houve um acidente na estrada e ficamos mais de 1 hora parados com isso chegamos a noite em Tilcara.
      Tilcara é muito legal de conhecer, um lugar alternativo no norte da ARG.
      Hotel em Tilcara: Villa del Cielo (muito bom, só fica um pouco distante do centro, mas vale a muito a pena). Média PA$ 950,00.
      Bônus: O hotel já havia sido eleito um dos melhores que ficamos, mas algo nos deixou ainda mais confiantes. Meu amigo esqueceu uma bolsa com dinheiro no hotel e só constatou no meio do caminho indo para o Atacama. Como conversei muito com a gerente Marisel por email antes da viagem não preocupei muito e fiquei de mandar um email para ela quando chegássemos ao deserto uma vez que iríamos passar por Tilcara na volta. Então, quando chegamos no hotel em SPA, ela já havia enviado um email informando do ocorrido e que a bolsa estava no cofre do hotel à disposição. Combinei que na volta pegaríamos e foi isso mesmo que aconteceu. O atendimento da Marisel é muito claro e honesto. Inclusive no primeiro dia, ao pagar, o meu cartão de crédito não estava passando, então o funcionário ligou para ela (que estava em Buenos Aires) e conversamos a melhor forma de resolver o problema e foi muito tranquilo. (Dica: tente manter um contato mais próximo com os hotéis que irá ficar para facilitar numa situação como esta).
       
      Vinícola em Cafayate

      Quebrada de Cafayate. Retorno de Cafayate sentido Salta.

      Quebrada de Cafayate e formações rochosas. Retorno de Cafayate sentido Salta.

      Quebrada de Cafayate. Retorno de Cafayate sentido Salta.

      El Fraile. Quebrada de Cafayate.
       

      Quebrada de Cafayate. Retorno de Cafayate sentido Salta.

      Quebrada de Cafayate. Retorno de Cafayate sentido Salta.

      Após Salta já na Estrada de La Cornisa. Estreita e sinuosa mas uma experiência sem igual.

      Após Salta já na Estrada de La Cornisa. Estreita e sinuosa mas uma experiência sem igual.
       

      Dique - La Cornisa

      Paisagem na Estrada de La Cornisa

      Parador Posta de las Cabras sentido Salta

      Praça em Tilcara
       Dia 7: Tilcara (ARG) a San Pedro de Atacama (SPA) - CHI
      Distância média:  436 Km
      Tempo (com paradas): 8 h (considere o tempo que pode ficar na aduana, ficamos quase 1:30. Melhor é estimar em 10 horas para ir com calma.
      Esta parte é um dos lugares mais bonitos da viagem (coisa que quem só vai de avião nunca vai conhecer).
      De Tilcara até SPA:  asfalto em bom estado e não há pedágio (apenas algumas curvas da Cuesta de Lipán que estão sem asfalto).
      Tomamos café da manhã e saímos cerca de 8h. Reservamos o dia para a travessia da Cordilheira dos Andes via Paso Jama. Enchemos o tanque um dia antes no posto YPF na saída de Tilcara.
      Saímos de Tilcara e seguimos sentido Purmamarca. Subimos a Cuesta de Lipán com uma visão sem igual. Depois da subida começa uma descida também sinuosa.
      Embora o trecho do dia não seja tão longo, reserve o dia todo pois possui muitos atrativos com lugares bonitos, além disso, possui grande altitude (logo o carro perde potência e vai mais lentamente) além de trechos de subidas e descidas sinuosos. Todo o trajeto é tranquilo mas deve-se tomar cuidado (curvas, subidas, descidas e altitude).
      Quase ao chegar no topo da Cuesta de Lipán (depois de Abra de Porterillos) começa-se a descer uma região bem bonita (todas são).
      Quando acabam as descidas mais ingrímes começa-se uma parte mais reta e chega-se ao salar Salinas Grandes (não tem como não parar e ver a beleza). A RN52 corta o salar e fica bem interessante. Seguindo adiante, passa-se pelo Salar de Olaroz e de Jama, que também são magníficos (ainda na ARG).
      Depois vem Susques (um vilarejo bem diferente; na entrada tem um centro de informação ao turista com muitos mapas e catálogos de turismo grátis). Abastecemos para garantir e seguimos em direção à aduana ARG/CHI.
      Já na aduana, primeiro paramos no posto para completar o tanque e depois loja de conveniência. Depois fomos aos guichês com a documentação, onde faz-se a burocracia de saída da ARG/entrada no CHI (migração).
      Depois você continua os trâmites em várias cabines ao lado (sanitário onde declara que não leva itens proibidos como vegetais e etc. e para verificar a documentação do carro).
      Depois um agente vai vistoriar o carro. O nosso apenas pediu para abrir o porta-malas, deu uma olhada e nos liberou (mas vimos carros que tiveram que tirar a bagagem – aí demora bem mais).
      Depois que você é liberado e recebe o recibo validado, vai com o carro até uma cancela na estrada onde um agente vistoria os recibos de migração e abre a cancela para poder continuar sentido CHI. Aí é uma paisagem mais diferente e impressionante atrás da outra. Sem explicação.
      Após ver paisagens que mais parece outro planeta por um longo tempo começa-se a descida já próximo a SPA (de 4200m para 2200m em 42Km). Tem que ir com o carro sempre engrenado e não deixar embalar muito (ir freando aos poucos para os discos de freio não esquentarem e perderem o atrito). Por segurança mantenha baixa velocidade durante a descida. NÃO UTILIZE O FREIO CONSTANTEMENTE EVITANDO O SUPERAQUECIMENTO.
      Observação: *Com as altas altitudes você vai perceber o carro perdendo potência, mas é normal.  Fique atento também quanto aos sintomas da altitude.
      *Agasalhe bem pois nos pontos mais altos do percurso a temperatura pode chegar a temperaturas negativas.
      *Nos lanches que são levados, se tiver frutas e vegetais terá que jogar fora antes da fronteira; inclusive você consegue ver várias coisas jogadas antes da fronteira. Água e refrigerante fechado não tivemos problema.
      *Na parte de documentação pegamos agentes educados e prestativos mas também pegamos um sem paciência. Então sempre esteja com a sua documentação e a do carro em mãos para agilizar.
      Seguimos sentido SPA pois tínhamos que chegar antes das 16h para pagar o Tour astronômico da Space Orbs. Chegamos um pouco antes e fomos direto acertar e depois procurar o hotel. (É necessário fazer o pagamento até as 15h00 do dia para confirmar o tour, porém combinei antes por email a necessidade de um prazo um pouco maior justificando a travessia da fronteira neste dia e a agência aceitou).
       
      SPA é uma cidadezinha diferente, parecendo o velho oeste moderno em outro planeta. Não vou me ater aos detalhes pois aqui nos mochileiros já tem muitos relatos e informações sobre a cidade. Acho importante dizer que no início você fica meio perdido sem saber como funciona o trânsito. Então, antes de entrar em alguma rua, veja se já tem carros e qual o sentido que eles estão para evitar maiores problemas com os Carabineros do Chile. Sempre via carros da polícia na cidade e região.
      Depois achamos o hotel que havia reservado (Geisers del Tatio). Arranjamos as coisas para cerca de 20h encontrar a van da agência para irmos ao Tour. Vale muito a pena. O céu é muito diferente lá no Atacama. Experiência única estar lá no meio do nada e ver o firmamento. (Fizemos a opção em espanhol).
      Hotel em SPA: Geisers del Tatio (muito bom, cerca de 8 minutos andando do centro de SPA. Boa estrutura. Valeu a pena, embora queria ter reservado o Pueblo de Tierra - melhor custo benefício). Média R$ 1500 as 4 diárias.
      Tour Astronômico: Agência PC$ 20000 (cerca de R$ 105,00 cada).
      Dicas
      *Para o dia da travessia do Passo Jama saia com o tanque cheio pois o consumo de combustível aumenta devido a altitude. De preferência abasteça em Susques e complete o tanque na fronteira.
      *Conselho: NÃO LEVAR NADA REFERENTE A ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL OU VEGETAL pois pode atrasar e muito! Além disso podem revistar o carro todo ou multar.
      *Pesquise ao menos 3 lugares de câmbio na Calle Toconao e faça o câmbio de pesos chilenos (calcule a  necessidade média para alimentação, passeios e gasolina de acordo com os dias que vai ficar em SPA).
      *Importante atentar que o pagamento do hotel em moeda forte (dólar ou euro) pois isenta os turistas estrangeiros (menos de 60 dias no país) do pagamento do imposto IVA, que tem alíquota de 19% no CHI. Paguei no cartão de crédito e obtive o desconto.(Apesar do IOF, é muito mais tranquilo e seguro do que ficar viajando com uma grande quantidade de dinheiro em espécie, uma vez que o hotel tende a ser o seu maior gasto em SPA).
      Para a isenção tem que apresentar o passaporte ou cartão de entrada no CHI (tarjeta migratória). Veja no site do hotel ou confirme se ele está registrado ano Serviço de Impuestos Internos (SII).
      *Antes dos passeios em altas altitudes: bastante líquido, refeição leve e evitar excesso de bebida alcoólica.
      *Pagamento da entrada dos passeios deve ser em pesos chilenos. De preferência, o de restaurantes também, pois com a conversão que eles aplicam  você pode ficar em desvantagem.
      *Recuse troco de notas de dólares velhas ou rasgadas.
      Tente reservar hotéis ou hostels que possuam estacionamento (algumas ruas não é permitido estacionar).
      Leve no mínimo 2 L de água por pessoa a cada passeio.
      *Restaurantes: por volta das 22h00 já começam a fechar as portas. Adição de 10% de propina (gorjeta).
      *Leve lanche para café da manhã/tarde para os passeios independentes  e para os mais longos levar um lanche mais reforçado ou programe um almoço em algum ponto de apoio (Toconao ou Socaire por exemplo).
      O nosso cronograma básico foi este (a parte de descanso ficou entre descanso e conhecer a cidade):
      Cronograma Atacama
      Manhã
      Tarde
      Noite
      Tilcara
      SPA
      Tour astronômico
      Descanso
      Laguna Chaxa/Ojos del Salar/ Laguna Tebinquiche
      Descanso
      Geisers del Tatio
      Almoço/ Vale de la Luna
      Descanso
      Piedras Rojas/Lagunas Altiplânicas
      Altiplânicas/Socaire
      Descanso
      SPA
      Tilcara
      Descanso
       

      Saída de Pumamarca sentido Cuesta del Lipán.

      Saída de Pumamarca sentido Cuesta del Lipán.

      Saída de Pumamarca sentido Cuesta del Lipán.

       Cuesta del Lipán.

      No alto da Cuesta del Lipán em Abra de Porterillos.

      Após Abra de Porterillos. Este local também é muito bonito.

      Sentido Paso Jama.

      Faixa branca ao fundo - Salinas Grandes

      Susques

      Susques

      Atravessando a Cordilheira dos Andes

      Atravessando a Cordilheira dos Andes

      Fronteira ARG/CHI Paso Jama.

      Atravessando a Cordilheira dos Andes

      Gelo na beira da estrada.

      Vulcão Licancabur. Quando avistar está próximo de SPA.

      Descida de 42 Km sentido SPA

      SPA

      SPA

      Hotel Geisers del Tatio
      Dia 8: SPA (CHI)
      A cotação em SPA estava US$ 1 = PC$ 620 (Como comprei o dólar a R$3,28, R$ 1 = PC$ 189).
      De manhã resolvemos descansar, conhecer a cidade, fazer o câmbio (Calle Toconao), almoçar e fechar o passeio de Geisers del Tatio para a manhã do próximo dia.
      À tarde pegamos o carro e fomos para Toconao, Laguna Chaxa, Ojos de Salar e por último ver o pôr do sol na Laguna Tebinquiche. É tranquilo de ir seguindo as orientações (www.viagensaamericadosul.blogspot.com.br) e placas indicativas. Não fomos à Laguna Cejar pois achei que não justificava o preço absurdo que estão cobrando.
      Para chegar na Laguna Chaxa é bem tranquilo (cerca de 30 min de SPA). Passa se por Toconao e depois tem a placa indicativa para virar à direita numa estrada de rípio e sal em bom estado.
      Da Chaxa, também é simples ir aos Ojos del Salar que já é caminho para Tebinquiche, onde o pôr do sol é um espetáculo.
      De Tebinquiche, volta-se já escurecendo mas fica fácil ao seguir os carros das agências.
      Os passeios valeram muito a pena e é inesquecível o pôr do sol na Laguna Tebinquiche.
      A noite descasamos para o outro dia de manhã (para os Geisers tem que acordar bem cedo, a van passou no hotel cerca de 05:00).
      Ingresso Laguna Chaxa: PC$ 5000 (cerca de R$ 27,00). Ingresso Laguna Tebinquiche: $4000,00 (cerca R$ 21,00).  Em nenhuma da lagunas pode entrar na água.
       

      Toconao

      Rípio sentido Laguna Chaxa

      Placa indicativa. Muito bem sinalizado.
       
      Laguna Chaxa

      Laguna Chaxa

      Placa indicativa. Muito bem sinalizado.

      Ojos del Salar

      Laguna Tebinquiche

      Mudança das cores na Laguna Tebinquiche com o pôr do Sol
       
      Dia 9: SPA Geisers del Tatio e Valle de la Luna
      Resumo do dia: a manhã toda: passeio Geisers del Tatio/povoado Machuca. Almoço em SPA. A tarde: descanso e saída cerca de 15:00 para Valle de la Luna.
      O horário que a agência agendou para a van nos pegar foi próximo de 05:00.
      No dia anterior avisamos no hotel que precisaríamos do café com antecedência e eles deixaram tudo pronto e um funcionário inclusive levantou para nos atender no que pedíssemos. Tomamos pouco café no hotel e levamos um lanche (não deixe de levar água também - ao longo do dia vai fazendo muito calor).
      Estava bem frio e o deslocamento foi um pouco mais de 1 hora até o parque. Leve muita roupa de frio inclusive luvas boas pois as mãos quase congelam e é muito ruim (fui com calça térmica e outra calça por cima além de blusa térmica, uma normal e uma corta vento, duas meias para trilha e luvas - mesmo assim sente um pouco de frio. O pior mesmo foram as mãos). De qualquer forma você faz um sacrifício mas vale muito a pena.
      O lugar é diferente do que estamos acostumados e te faz lembrar os desenhos animados de infância. Foi muito bom conhecer este lugar.
      O frio incomoda mesmo só até o sol aparecer (naquele dia foi cerca de 06:40). Depois ficou muito tranquilo (depende da época que você vai).
      Tomamos um café da agência quando chegamos lá cerca de 06:10 e a temperatura era cerca de 7 graus negativos.
      Na volta, passamos pelo povoado de Machuca que tinha muitos turistas.
      *Cuidados: Os poços são demarcados mas evite chegar muito perto. Nunca coloque a mão diretamente nos poços e nem chegue muito perto. Segundo informações do guia já aconteceram acidentes fatais.  A temperatura da água pode chegar a 85°C.
      Geisers del tatio: Agência PC$ 19000 (cerca de R$ 100,00 cada) e ingresso para entrada: PC$ 5000 (cerca de R$ 27,00 cada).
      Chegamos cerca de 12:00 em SPA e fomos almoçar em algum restaurante. Depois descansamos um pouco no hotel e pegamos o carro e fomos ao Valle de la Luna.
      .
      Valle de la Luna
      É bem perto de SPA. Cerca de 15-20 minutos de carro.
      Para este passeio leve boné, passe protetor solar, óculos de sol, algo para comer, muita água, roupa leve, bota de trilha ou tênis.
      Antes passamos na entrada do Valle de la Muerte mas não entramos pois este dia foi cansativo e não daria para fazer os 3 passeios.
      Seguindo pelo GPS e as placas é bem fácil. O acesso é muito próximo de SPA - cerca de 3km. Depois pega-se uma estrada de rípio.
      Chega-se na entrada do parque e paga-se o ingresso. Eles dão um mapa e explicam o tempo médio entre cada ponto. Depois de pagar a entrada, com o carro, anda-se uma parte de rípio até ter a parada para as Cuevas de sal.
      Estacionamos o carro e seguimos um grupo de turistas com guia nas cavernas. É bem legal mas quem não gosta de lugar fechado não vale muito a pena. Eu não tenho problema com isso, mas como tem gente na frente e atrás, você fica um pouco apreensivo.
      Depois de visitar as Cuevas , pegamos o carro e seguimos até as Tres Marias (cerca de 8 minutos), mas é bem bonito o caminho então paramos muito. Antes de chegar às Tres Marias, do lado direito tem o Anfiteatro. Depois voltamos e paramos em um estacionamento e subimos a pé para a Grande Duna. É uma caminhada de cerca de 10 minutos. Lá em cima cuidado ao ficar nas beiradas dos paredões. Subimos antes do pôr do sol para aproveitar bem a paisagem. Vale muito a pena este passeio. Retornamos para o Hotel antes do escurecer e a cor do ceu é indescritível.
      Valle de la Luna: Ingresso $3000,00 (cerca R$ 15,00 por pessoa).
       
       
      Geisers del Tatio

      Geisers del Tatio

      Geisers del Tatio

      Geisers del Tatio

      SentidoMachuca

      Povoado de Machuca

      Entrada do Valle de la Muerte

      Valle de la Luna

      Cuevas de sal

      Anfiteatro

      Três Marias

      Valle de la Luna no topo da Grande Duna - a esquerda o Anfiteatro sentido Três Marias

      Pôr do sol no Valle de la Luna

      Retorno do passeio do Valle de la Luna
      Dia 10: Piedras Rojas (PR) / Lagunas Altiplânicas (Lagunas Miscanti y Miñiques) e Socaire (nesta ordem).
       Distância média: 300 Km ida e volta
      Tempo (com paradas): 9h.
       Piedras Rojas (PR): Acordamos cerca de 05:00, tomamos café no hotel (avisamos um dia antes o horário) e pegamos estrada. Ainda escuro e frio fomos tranquilo sentido Toconao, Socaire. Após Socaire seguimos sentido Lagunas Altiplânicas. Passamos pela entrada das Aliplânicas (bem sinalizado) e seguimos a estrada direto, sentido Paso Sico. Após a entrada das Lagunas, a estrada de asfalto, após um tempo,  vira uma estrada de rípio. Toda a paisagem da região é também indescritível.
      Não tinha nenhum carro ou van de agência então ficou um pouco estranho, mas uma hora passou uma van de agência e vimos que estávamos no caminho certo. A estrada de rípio estava transitável e não era ruim. Apenas vá com calma e aprecie.
      Após a entrada das Altiplânicas foi cerca de 35 Km até chegar em Piedras Rojas (GPS -23.91180, -67.69249).
      Antes da entrada das PR havia umas curvas sinuosas e até passei direto (não vi nenhuma placa, apesar de falarem que tem uma placa a direita com o dizer Salar de Águas Calientes). Então fiquei sem saber onde era, mas como uma van havia nos passado, com o zoom da câmera ficamos procurando e a vimos bem de longe (da entrada até o local é cerca de 1,5Km). O caminho até lá é um pouco ruim mas nada demais, só ir devagar. Não conseguimos parar onde a van estava, então paramos antes e fomos andando até o local.
      Obs: A entrada para as PR é gratuita. Não tem banheiros.
      O local estava tão frio que o computador do carro acusou “9 graus negativos. Possível gelo na estrada”!
       
      Após curtir e comtemplar muito aquele local magnífico (não faça como muitos que vi por lá, chegam, tiram fotos e saem – sente e curta por muito tempo aquele local inesquecível).
      Antes de sair, conversei com um guia para saber se as Lagunas Altiplânicas estavam abertas (por causa do gelo, no dia que chegamos houve relatos que estava fechado – logo o local que mais queria conhecer), mas aí o guia falou que estava liberado o acesso.
       Dica: se for em época de muito frio tem grande chance de não conhecer as Altiplânicas por causa da neve, pois o acesso é de subida até chegar no guarda parque e descida mais íngreme para chegar às lagunas).
      Lagunas Altiplânicas
      Voltamos das PR pelo mesmo caminho e viramos à direita no acesso às  Altiplânicas.
      Depois de sair da estrada principal, a estrada de acesso até o guarda parque é muito tranquila (cerca de 8 minutos). Chegando lá, pagamos a entrada e recebemos as instruções. Depois descemos até as lagunas (lá tem estacionamentos e banheiros).
      A descida estava um pouco molhada e com barro por causa do derretimento do gelo, com isso tinha que ir com mais cuidado.
      O local é magnífico. Se Deus quiser eu vou voltar (de carro).
      Depois de parar na Miscanti e contemplar, seguimos para Miñiques (parece um quadro)!
      Acabei perdendo algumas fotos, mas na minha memória ainda estão as paisagens.
      Saímos cerca de 13:00 e fomos em direção a Socaire para almoçar. Não me lembro muito bem o nome do restaurante mas fica na estrada que corta a cidade.
      Lagunas Altiplânicas: Ingresso $3000,00 (cerca R$ 15,00 por pessoa).
      Dica: este dia você vai para um lugar que não tem estrutura, então leve muita água, protetor solar, protetor labial, casaco corta vento, luvas, gorro, chapéu, óculos de sol e muito lanche. Faz bastante frio (e venta muito).
      Saia cedo para aproveitar melhor o local pois a medida que o tempo vai passando vai chegando mais turistas e fica difícil de aproveitar (como fomos bem cedo teve momentos bem tranquilos sem turistas).
      Como saí bem cedo ainda está escuro, então tome cuidado na estrada pois acaba sendo mais perigoso.
      De preferência, leve folhas de coca para mastigar pois o passeio está a quase 5000 metros de altitude.
      Não ultrapasse as demarcações das trilhas. Respeite a cultura e a preservação do local.
       
      Socaire: cidadezinha interessante, povoado pré-colombiano. Paramos na volta para almoçar uma comida típica atacamenha.
      Depois voltamos para SPA (mais uns 45 minutos). É um dia cansativo mas que vale muito a pena.
      Piedras Rojas: recomendo colocar as coordenadas no GPS antes de sair para garantir que vai achar.
      Sobre os Carabineros de Chile
      Os Carabineros de Chile são muito honestos. Relato duas experiências com eles.
      Uma foi no dia da volta da Laguna Chaxa, já a noite e na chegada, já dentro da cidade encostei o carro para verificar o GPS para ver qual caminho seguir. Como estávamos vindo da estrada, o farol estava alto e esqueci de abaixar o farol. Logo, vem um carro no sentido contrário e quando fui ver uma caminhonete verde dos Carabineros e o policial já foi logo falando em tom forte: Baja la luz! Baja la luz! Um pequeno detalhe, mas que para eles pode influenciar na segurança dos demais motoristas. Só fiquei com certo medo de querer multar, mas abaixei a luz e disse que tinha abaixado e eles foram embora.
      Em outro episódio, voltando das Lagunas Altiplânicas, iria parar em Socaire para almoçar e havia uma blitz na estrada principal que corta a cidadela. O policial veio e solicitou a documentação do veículo e motorista. Entreguei logo a PID (Permissão Internacional para Dirigir) para não ter problema e o CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo). Ele verificou e começou a anotar algumas coisas num caderninho dele (aí eu fiquei pensando: será que ele vai me multar?). Já fui perguntando: ¿Que eres esto? Aí ele falou que era apenas para controle deles (me pareceu mais alguma coisa sobre estatística - talvez sobre veículos estrangeiros - ou evitar parar um carro mais de uma vez, pois quando fui embora ele já acenou para passar direto). Nesta abordagem, pedi para tirar uma foto do carro dos Carabineros e ele autorizou (é bem diferente), mas acabei perdendo a foto mas não a memória. Se tiver interesse veja no google como são.
       
       Estrada asfaltada para Piedras Rojas/Altiplânicas

      Estrada de rípio após a entrada das Altiplânicas sentido Piedras Rojas

      Piedras Rojas. Lá na frente fica a estrada de rípio sentido Paso Sico

      Piedras Rojas

      Piedras Rojas

      Piedras Rojas

      Piedras Rojas

      Piedras Rojas

      Piedras Rojas

      Lagunas Altiplânicas

      Lagunas Altiplânicas (perdi muitas fotos da Lagunas)
       
      Retorno das Lagunas Altiplânicas sentido Socaire
      Dia 11: SPA (CHI) a Maimará (ARG)
      Aqui termina nossa estadia no deserto, mas não a aventura.
      Retornamos de SPA para Maimará apreciando as paisagens. Foram muitas paisagens diferentes .
      No caminho demos carona para um casal de mochileiros argentinos. Foi muito legal a troca de experiência e poder treinar um pouco o espanhol.
      Paramos muito pois na ida paramos menos por causa que tínhamos que chegar em SPA a tempo de pagar o Tour Astronômico.
      Na fronteira foi bem tranquilo. Inclusive meu amigo foi atendido e tomou oxigênio no centro médico. Atendimento bem rápido e prestativo.
      Chegamos em Maimará e fomos ao hospital da cidade pois meu amigo estava sentindo um pouco de mal por causa da altitude. Embora tínhamos o seguro viagem, resolvemos ir no hospital da cidade (público). O atendimento também foi bem prestativo e mediram a oxigenação dele que estava um pouco baixa.
      A noite fomos a Tilcara para distrair pois Maimará não tem opção a noite.
      Hotel em Maimará: Posta de Gherard (simples mas o quarto que ficamos estava com um pouco de cheiro de mofo, o que para mim é muito ruim por causa de rinite).
      No mais atendimento muito atencioso. Sem café da manhã. Média PA$ 600,00. Estacionamento na frente do hotel.

      Retorno de SPA para ARG

      Retorno de SPA para ARG

      Retorno de SPA para ARG
       
      Paletas del Pintor – Maimará

      Cierro Siete Colores - Pumamarca

      Pumamarca

      Tilcara
      Dia 12: Maimará (ARG) a Joaquín Victor Gonzales (ARG) 490 km 08h-17h
      Distância média:  490 Km
      Tempo (com paradas): 8 h
      Saímos cedo de Maimará para conhecer as Paletas del Pintor e depois fomos para Pumamarca conhecer o Cierro Siete Colores e passamos a manhã por lá e almoçamos. Possui muitas feiras de artesanato e é bem diferente.
      Havia decidido que não iríamos em Humahuaca e Iruya desta vez por falta de tempo (vai ficar apara a proxima). Em Humahuaca tem o Cierro Cuatorze Colores que parece valer muito a pena.
      Depois do almoço seguimos sentido joaquín Vicotr Gonzales (JVG) onde havíamos decidido que seria nossa pernoite. Na volta da viagem não reservamos nenhumlocal para ficar e achamos uma pousada de um português na beira da estrada principal que corta a cidade.
      JVG não tem muito atrativo, acho que vale mais como ponto de apoio para pernoite.
       Sem fotos. 
      Dia 13: Joaquín Victor Gonzales a Resistência
      Continuação do retorno da viagem. Reta do Chaco sem muito atrativo. Manter autonomia de gasolina e comprar lanche.
      Resistência é uma cidade melhor estruturada do que Corrientes. Gostei muito de conhecer. Lá vale a pena tomar um chope na Choperia Mosto e tomar café da manhã na lanchonete Cascanueces.
        Sem fotos. 
      Dia 14: Resistência a Foz do Iguaçu
      Retorno ao BRA por Foz do Iguaçu.
      Dia também cansativo mas tudo tranquilo. Demos carona para um venezuelano mochileiro que mora em Bariloche e estava indo para o Rio de Janeiro e nos ensinou muito o espanhol.
      Antes da travessia da fronteira passamos em Puerto Iguazu para comprar uns vinhos pode vale a pena.
      Jogar fora qualquer vestígio de folhas de coca antes de atravessar a fronteira pois é proibido no Brasil. A travessia da fronteira foi tranquila.
      A noite no Brasil te traz uma certa tranquilidade de saber que está em casa. A noite o venezuelano saiu para tomar uma cerveja gelada conosco.
      Hotel em Foz: Hotel Coroados (simples e preço justo). Média de 135,00 a diária.
        Sem fotos. 
      Dia 15: Foz do Iguaçu (Cataratas do Iguaçu)
      Resolvi deixar mais um dia em Foz no roteiro devido a previsão do cansaço acumulado da viagem. É uma boa opção tendo em vista que você pode conhecer as Cataratas do Iguaçú. Já conhecia mas vale muito a pena o passeio.
      Neste dia também fomos no Free Shop na ARG pois vale a pena para muitos produtos (tente ter uma noção dos preços no BRA mas as promoções de bebidas estavam com preço bom).
      Ingressos Cataratas: R$ 37,00 mais R$ 20,00 de estacionamento.
      Próximo dia preparar para pegar estrada.

      Cataratas do iguaçú. Por mais que seja apenas uma foto vale muito a pena conhecer.
      Dia 16: Foz do Iguaçu a Marília
      Neste dia na saída de Foz a Polícia Rodoviária Federal nos parou e deu uma revistada básica no carro, inclusive pedindo para abrir bagagem. Como há um grande contrabando de mercadorias do Paraguai para o Brasil é normal eles pararem neste posto. Não é proibido levar bebida só não vá levar todo o bagageiro de bebidas.
      O retorno fica mais cansativo com o passar dos dias da viagem. Logo tem que descansar bem e distrair relembrando cada detalhe de uma aventura e experiência que você vai poder contar para as pessoas mais próximas e se Deus quiser para os filhos e netos!
        Sem fotos. 
      Dia 17: Marília a BH
      Este percurso foi bem longo e cansativo mas chegamos bem em BH, quase 22:00. Fica aqui o nosso relato e que possa ajudar muito mochileiros que desejam fazer uma aventura dessas.
      Abraço a todos.

      Último registro da viagem
       
      Dicas gerais  da viagem
      *A média do preço da gasolina na  ARG e CHI não estavam muito diferentes do Brasil, porém a gasolina lá é mais pura e rendia mais, logo acho que estava valendo o preço.
      *De preferência  para roupas fáceis de lavar, pois uma viagem longa requer que você constantemente lave algumas peças de roupa para economizar espaço no carro.
      *Conhça bem o carro que vai e mantenha sempre revisado.
      *Na nossa saída de Belo Horizonte levamos 2 fardos de 12 garrafas de 500 mL e 1 fardo de 6 garrafas de 1L. Vale muito mais a pena você comprar antes da viagem e levar. Durante toda a viagem no carro há um grande consumo de água. Se for comprar toda essa água no caminho fica no mínimo 4 vezes mais caro. Essa água deu até o segundo dia em SPA sendo que em alguns hotéis a gente reabastecia. Se coubesse tinha levado no mínimo mais um fardo de 6 de 1 L. Logo, tente levar mais.
      *Segundo a legislação não pode levar bagagem no banco de trás do carro, então tente se programar com um carro que caiba toda a bagagem no porta malas de acordo com o número de pessoas. Algumas coisas levávamos embaixo e atrás dos bancos (motorista e passageiro – cuidado para não rolar para os pés do motorista podendo causar acidentes). Evitávamos colocar mochilas no banco de trás para não ter problemas com a polícia.
      *Tente prever uma média de gastos em cada país com alimentação, hospedagem e combustível para facilitar a média de dinheiro que será convertido em outra moeda. Caso tenha maior interesse entre em contato.
      *O carro fica todo empoeirado se for na época de seca, então tem que parar um dia para tentar passar uma pano úmido por dentro para facilitar a viagem (lavar não adianta muito).
      *Viajei de carro próprio então se for de veículo financiado procure maiores informações.
      *Na ARG, veículo não pode ter engate traseiro.
      *De preferência todos os passageiros adultos devem ter uma noção do roteiro e outros detalhes importantes da viagem.
      *Ande sempre com um galão de água no carro.
      *Tente reduzir o custo da viagem pegando promoção em sites de reserva de hoteís, levando água e lanches já da sua cidade de origem ou comprando em supermercados.
      *O preço médio das refeições não estavam muito diferentes do Brasil (embora a maioria dos lugares que comemos você pedia um prato e dava para duas pessoas.
      *Agende e/ou pague as contas/compromissos (Cemig, Condomínio, Net e outros) do período antes da viagem.
       
      Site pesquisados:
      www.viagensaamericadosul.blogspot.com.br
      http://mydestinationanywhere.com/
      http://www.fragatasurprise.com/2016/03/San-Ignacio-Mini.html
      http://www.meumapamundi.com.br
      https://www.viagemdigital.com.br
      http://www.phototravel360.com/
      http://www.estrangeira.com.br/
      http://www.maiorviagem.net/
      http://www.portao02.comi
      http://viajarintenso.com.br
      http://estradaseuvou.com.br/
      http://queimandoasfalto.com.br/
      http://www.abrainternacional.com.br/servicos/paises-signatarios/
      https://weather.comHYPERLINK "https://weather.com/"/
      https://weatherspark.com/
      http://maladeaventuras.com/
      www.viaggiando.com.br
      http://apureguria.com/tag/atacama/
      https://viajento.com/
      https://omochileiro.wordpress.com/2014/12/24/deserto-do-atacama-para-mochileiros-tudo-qHYPERLINK "https://omochileiro.wordpress.com/2014/12/24/deserto-do-atacama-para-mochileiros-tudo-que-voce-precisa-saber/"ue-voce-precisa-saber/
      http://www.ruta0.com/
      http://www.guiaviagem.org/argentina-clima/
      https://www.welcomeargentina.com/purmamarca/caminata_cerroscolorados.html
      http://viajandodecarro.com.br/
      http://www.360meridianos.com/2015/02/purmamarca-e-o-cerro-de-los-siete-colores.html
      http://mundosemfim.com
      http://HYPERLINK "http://www.cabostral.com/clima-argentina.php"www.cabostral.com/clima-argentina.php#
      http://www.pasosfronterizos.gov.cl/complejos_pais.html
      http://chile.travel/donde-ir/norte-desierto-atacama/san-pedro-atacama/
      http://roteirosemais.com/dicas-de-viagem/frases-basicas-em-espanhol-para-viagHYPERLINK "http://roteirosemais.com/dicas-de-viagem/frases-basicas-em-espanhol-para-viagem/"em/
      http://aurelio.net/viagem/atacama/
      http://www.viajologoexisto.com.br/dicas-vle/dicas/deserto-do-atHYPERLINK "http://www.viajologoexisto.com.br/dicas-vle/dicas/deserto-do-atacama/"acama/
      http://www.terraadentro.com/2015/02/21/deserto-do-atacama-de-carro/
      https://atacamadecarro.wordpress.com/2015/06/14/trajeto-de-san-pedro-de-atacama-as-lagunas-antiplanicas-e-laguna-chaxa/
      Tem muitos mais sites que pesquisei não salvei.
      http://www.viajologoexisto.com.br/dicas-vle/dicas/sete-motivos-para-voce-conhecer-o-deserto-no-atacama/
      http://www.vidavivida.com.br/2010/12/24/deserto-do-atacama-cidades-e-passeios/comment-page-1/ (Cidades norte ARG)
      http://viajandodeHYPERLINK "http://viajandodecarro.com.br/como-planejar-sua-viagem/combustivel/"carro.com.br/como-planejar-sua-viagem/combustivel/ COMBUSTÍVEL
      http://www.brasileirosnomundo.itamaraty.gov.br/assuntos-consulares/organizacoesHYPERLINK "http://www.brasileirosnomundo.itamaraty.gov.br/assuntos-consulares/organizacoes-de-assistencia"-de-assistencia CENTROS DE AJUDA AO TURISTA EM CASO DE NECESSIDADE
      MAPAS DE COMO CHEGAR EM ALGUNS LUGARES NO ATACAMA
      http://viagensaamericadosul.blogspot.com.br/2013/08/deserto-do-atacama-mapas-e-gps-viajando.html
      http://www.viajenaviagem.com/2013/01/roteiro-atacama-50-dicHYPERLINK "http://www.viajenaviagem.com/2013/01/roteiro-atacama-50-dicas"as
      http://www.rbbv.com.br/americas/america-do-sul/chile/
      Postos YPF
      http://www.ypf.com/guia/mapa/paginas/mapa.aspx?entidad=EstacionServicioHYPERLINK "http://www.ypf.com/guia/mapa/paginas/mapa.aspx?entidad=EstacionServicio&filtro=ProvinciaES"&HYPERLINK "http://www.ypf.com/guia/mapa/paginas/mapa.aspx?entidad=EstacionServicio&filtro=ProvinciaES"filtro=ProvinciaES
      COTAÇÕES
      http://brl.pt.fxexchangerate.com/ars/
      http://www.oanda.com/lang/pt/currency/HYPERLINK "http://www.oanda.com/lang/pt/currency/historical-rates/"historical-rates/
      http://www.exchangemoney.com.br/novosite/?ref=HYPERLINK "http://www.exchangemoney.com.br/novosite/?ref=mundodeviajante"mundodeviajante
      http://www.cambiosantiago.cl/?page_id=17
      http://g1.globo.com/economia/mercados/cotacoes/moedas/index.html
      http://blogdescalada.com/saiba-quais-sao-as-vacinas-necessarias-para-viajar-pela-america-do-sul/ (VACINAS)
      Pesquisa de notas falsas: Blog Viajeibonito e Descortinando horizontes
       













    • Por Marcelo Manente
      Em breve iniciarei o relato da aventura que está acontecendo neste momento.
      Estou hoje em Chile Chico, Chile. Seguindo para a Carretera Austral.
      Muitos perrengues, problemas da viatura, mas lugares maravilhosos para compensar tudo isso.
      Vou tentar fazer um relato com os custos de quase tudo que eu lembrar.

    • Por casal100
      Esse relato é dividido em cinco partes:
      .da página 1 até a 7 refere-se a viagem realizada entre dez/2007 e fevereiro/2008 de carro;
      .a partir do final da página 7 refere-se a viagem que começa no final de dez/2008 até final de fevereiro/2009 de carro.
      .a partir da pag. 15 - viagem a Torres del paine, carretera austral ..........viagem realizada de dez/2009 a fevereiro/2010.
      .a partir da pag.19 - viagem ao Perú e Equador ....vigem realizada de dez/2010 a fevereiro/2011.
      .a partir da pag.23 - viagem venezuela, amazonas, caminho da fé.... realizada entre dez/11 a fev/12.


×
×
  • Criar Novo...