Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

Posts Recomendados

Buenas, estou organizando roteiro para mochilão de 25 dias pela Europa com minha adversária. 

Madrid- 3 dias

Barcelona- 2 dias

Paris - 3 dias

Bruxelas - 3 dias

Amsterdã - 3 dias

Frankfurt - 3 dias

Viena - 2 dias

Praga - 3 dias

Berlim - 3 dias

A idéia é entrar por Madri e voltar por Berlim. 

Dicas? Alguém que more por alguma dessas cidades pode nos ajudar? Um sofá, um rolê...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@[email protected]  brother na minha opinião seu roteiro está muito corrido. Pelo visto voce nao está levando em consideração o tempo de deslocamento entre as cidades, por exemplo, quando voce se refere que ficará 2 dias em Barcelona e 3 dias em Paris, nesse seu cronograma voce nao terá 2 dias inteiros em Barcelona, tão quanto não se teletransportará para Paris para poder ficar 3 dias inteiros lá, pois tambem terá o tempo de deslocamento até a proxima cidade.

Tenha em mente que por mais que voce faça deslocamentos proximos, na melhor das hipóteses voce perderá a metade do dia ou mais. Leva tempo pra vc fazer checkout, ir para o aeroporto ou estaçao de trem ou rodoviária, fazer o deslocamento em si, achar seu endereço no destino, fazer checkout e desfazer as malas.

Nesse seu roteiro voce estará fazendo e desfazendo as malas praticamente dia sim, dia nao. Tem algumas cidades ai que merecem mais dias como Barcelona, Paris, Berlim, etc.. Mesmo que voce fosse ficar apenas os dias citados em cada cidade, considerando como dias inteiros, seu roteiro daria bem mais que 25 dias.

Sugestão... diminua a quantidade de destinos, fique mais tempo em algumas cidades para poder aproveitar melhor e com isso economizará tempo e dinheiro.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@[email protected] O velho erro de vocês,querem fazer tudo de uma vez pensando que 2 dias conhecealgo do lugar. Só se já tivessem inventado algo para materializar pessoas nos lugares seria possível esse roteiro.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Como já disseram, seu roteiro está péssimo, mantenha seu roteiro até Amsterdam, dobrando os dias em Madrid, Barcelona e Paris.

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@lobo_solitário, já disse tudo. Realmente, quando eu ia em agencias, era assim, nem se chegava a um local, já teria que ir a outro. O que acontece ? Só passamos por várias cidades sem conhecer nada.

@[email protected], tente diminuir as cidades, se concentre nas que você achar melhor, depois de pesquisar e saber quais ficar. 

Por experiência própria, é melhor ir a 2 a 4 cidades e conhecer, que ir a várias e não conhecer nada.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Amigo, explico neste vídeo detalhadamente a problemática de deslocamentos na Europa... recomendo assistir para montar um roteiro mais fluído. Inscreva-se no canal que estou postando uma série sobre o assunto.

 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Jonatas Elias
      Olá pessoal! Deixo aqui o relato da viagem que fiz com minha mãe em fevereiro de 2019. É o primeiro relato de viagem que escrevo, então já peço desculpas se algo ficar repetivivo ou não tiver detalhes. Vou escrever por partes, conforme a sequência da viagem. Let's go.
      Dia 1: apresentação e embarque
      Certo dia minha mãe (mamis) me revelou que tinha vontade de conhecer Paris e Roma. Ela não sabia explicar o porquê dessas duas cidades e não outras. Com bom viajante, compreendo perfeitamente essa vontade, imagino que vocês tb já quiseram visitar um lugar sem saber por que, apenas ir e pronto! Como ela não tem condições físicas nem financeiras de ir sozinha, decidi que a levaria para sua primeira viagem internacional e longa.
      Com essas duas cidades em mente, a primeira coisa que eu fiz foi comprar a passagem aérea (não recomendo fazer isso rsrs, mas eu tenho uma enorme dificuldade em planejar uma viagem, se não tiver as passagens compradas era como se não tivesse certeza de que ia viajar, aí imagino que estaria planejando a toa, aí não planejaria nada e acabaria não viajando). Com várias dúvidas ainda, recorri ao mochileiros, blogs de viagens, youtube etc. Coisas como onde se hospedar, o que ver e fazer, como se locomover, quanto tempo ficar etc.
      Como eu queria que mamis tivesse uma boa experiência ainda no voo de ida, optei pelas cias mais tradicionais, com boa avaliação dos usuários e que não tivessem históricos de transtornos, como perda de bagagens, atrasos etc. Nesse sentido, a melhor opção seria voar AirFrance, com a vantagem do voo direto até Paris. Comprei a passagem de SP até Roma com stopover de uma semana em Paris. Pra felicidade geral da nação, a KLM faz parte do mesmo grupo da AirFrance, então na volta podemos aproveitar outro stopover, desta vez em Amsterdam. Financeiramente a passagem saiu mais cara do que se fossêmos por outra cia, mas nessa hora o emocional ganhou do racional e comprei mesmo assim. A vantagem foi que os voos internos (de Paris a Roma e de Roma a Amsterdam) estavam inclusos e com bagagem, assim não precisei me preocupar em pesquisar voos com as low cost e gastar ainda mais pra incluir bagagem (uso isso como conforto mental pra justificar pagar a mais rs). Se eu fosse sozinho provavelmente não faria isso, mas como queria que mamis tivesse uma boa experiência valeu a pena. Outra coisa que pesou na escolha da cia foi o fato de ser a primeira viagem internacional de mamis, e também a primeira viagem longa de avião. Confesso que fiquei preocupado quanto a isso, pois o máximo que ela tinha voado antes eram 3h, e pegar um voo de quase 11h assim pode assustar um pouco. Graças a Deus ela não teve nenhum medo nem receio.

      Dona Sonia (mamis) no Aeroporto de Guarulhos, momentos antes de embarcar no Boeing 777-200 da AirFrance (ao fundo), rumo a Paris.
      Também foi a primeira vez dela em um avião grande, e a primeira palavra dela ao entrar no avião: "- Que lindo!". Imaginem a minha emoção rs!
      O voo trancorreu sem problemas. Pegamos turbulência na travessia do Atlântico, mas nada que assustasse. Mamis conseguiu dormir bem.
      A AirFrance não foge do padrão da econômica (serviço de bordo, sistema de entretenimento, espaço para as pernas e reclinação das poltronas, além dos clássicos travesseiros, cobertores e fone de ouvido), mas tem alguns "mimos" que poucas cias oferecem, como máscara de dormir e lenço umedecido para higienizar a mão antes da refeição. O grande destaque fica para a cordialidade das comissárias e, claro, o champagne que é servido como welcome drink, mesmo na econômica.

      Champagne servido no voo da AirFrance. 
      Pelas passagens, paguei R$ 3.189,58 por pessoa, comprada em junho/2018 para embarque no dia 01/fevereiro/2019. Em dólares, saiu por U$ 717,00. 
      Em julho fechei o seguro viagem com a Mondial/Allianz, que custou R$ 302,24 por pessoa (era mais caro, lembro que usei um cupon de desconto). Graças a Deus não precisamos de atendimento na Europa, então não tem como avaliar o seguro.
    • Por andre spiff
      senhores,
      para quem quer morar em Barcelona e viver uma experiência com pouco dinheiro e possivelmente
      ilegal,eu recomendo...mas cada experiência e única....eu fui pra passar 3 meses em um centro de reabiltacao,
      pois tenho problemas com jogo,bem,na verdade sou um pouco ludopata,enfim,passei 8 meses no centro grátis,
      de maravilha,aprendi espanhol,conheci gente nova,comida muito boa,aprendi a cozinhar,enfim,depois fui me aventurar...
      o mais maravilhoso de BARCELONA es pra quem não tem um puto duro,eles te dao comida e dormida em albergues e há varios
      comedores sociais,centro sociais,isso e uma assistente social!! E INCRIVEL!!!Uma cidade belíssima,cosmopolita e agradável,tive a mala sorte
      de não me legalizar e agora tenho que pagar o preço de não saber se posso voltar depois de 6 meses!
      As pessoas que querem estar legal e passar 3 meses ou 6 recomendo alugar um quarto por 300-400 o mês,vale a pena!
       
          um abrazo,
       
                   andre
    • Por Ju Choma
      Oi gente! 
      Tenho um voo saindo de Paris (Orly) às 6h20 da manhã. Pretendo chegar no aeroporto umas 4h20.
      Reservei um hotel ali perto, mas não perto o suficiente para ir a pé (da uns 10 min de carro). E só agora vi que os principais meios de transporte não funcionam nesse horário. Eu teria que pegar um ônibus noctilien, mas tenho que andar muito até o ponto e estarei sozinha, por isso tenho receio. 
      É fácil conseguir um uber nesse horário? Ou táxi? 
      Tem um "taxista" (não confiável) que me pegou em Orly na minha chegada a Paris, mas me cobrou uma fortuna por isso. Eu tenho o número dele e ele me pediu 50 euros pra esse trajeto, o que acho um absurdo porque cotando no uber da 9 euros... Devo pegar esse de 50 pela garantia do transporte? 
      Existe algum número 0800 pra chamar taxi? Eu só tenho Internet no meu celular, sem direito a chamadas... 
    • Por Igor Nascimento
      Olá Pessoal.
      Acabo de voltar da minha primeira Eurotrip que foi incrível - Portugal, Espanha e França e já estou programando a próxima.
      Desta vez quero conhecer a Europa central. Poderia ir a partir de Janeiro porém pensando no clima e procura turística creio que 35 dias a partir de Maio é o ideal.
      Idealizo chegar pela Alemanha e focar mais na Polônia porém terei boas possibilidades de conhecer bastante lugares.
      Meu pré-roteiro seria o seguinte:
      Berlim - 3 dias 
      Poznan - 1 dia - Não necessariamente - poderia deslocar este dia para Berlim.
      Gdansk - 4 dias
      Torum - 1 dia - Não necessariamente - poderia deslocar este dia para Munique.
      Varsóvia - 3 dias
      Cracóvia - 5 dias
      Breslavia - 2 dias
      Praga - 4 dias
      Viena - 4 dias
      Budapeste - 5 dias
      Munique - 2 dias
      Será que vocês poderiam me ajudar a afinar este roteiro? As vezes acho que está bom, as vezes acho que daria para incluir  lugares ou trocar cidades, ainda bem que tenho bastante tempo para deixa-lo redondinho.
      Saudações mochileiros!
       
       
       
       
       
    • Por alexandresfcpg
      Salve galera, mais uma vez estou aqui para compartilhar com vocês uma nova experiência mochileira, dessa vez sai da zona de conforto e me aventurei pela Ásia, mais precisamente pelo Sudeste Asiático, a bola da vez foi Cingapura, Malásia e Tailândia e ainda dois stopovers em Pequim e Frankfurt, entre 16/10/18 e 24/11/18. Por conta das correrias da vida, só estou tendo tempo de escrever agora, mas antes tarde do que nunca. Inicialmente vou colocar algumas informações que julgo mais importante e ao longo do relato vou detalhando melhor.
      [Editado]
      Fiz também um pequeno vídeo resumindo um pouco do que foi a viagem. Abaixo dele, tem o link do Youtube caso dê algum problema no arquivo que postei (já me aconteceu uma vez).
       
      2018_Finalizado.mp4
       
      https://www.youtube.com/watch?v=zPDmke9-ZGU&t=1s
       
      ROTEIRO FINAL (o original foi alterado durante a viagem)
      - Guarulhos - Frankfurt  - 11h30 de vôo (conexão de 3h10)
      - Frankfurt - Pequim - 9h20 de vôo  (conexão de 3h40)
      - Pequim - Cingapura - 6h25 de vôo
      Cingapura - 4 dias
      - Cingapura - Malaca (Malásia) - 5h de ônibus
      Malaca  - 3 dias
      - Malaca - Kuala Lumpur - 2h de ônibus
      Kuala Lumpur - 5 dias
      - Kuala Lumpur - Chiang Mai (Tailândia) - 2h45 de vôo
      Chiang Mai (Tailândia) - 4 dias
      - Chiang Mai - Pai - 3h de van
      Pai - 3 dias
      - Pai - Chiang Mai - 3h de van
      Chiang Mai - 2 dias
      - Chiang Mai - Sukhothai - 6h de ônibus 
      Sukhothai - 2 dias
      - Sukhothai - Bangkoc - 7h de ônibus
      Bangkoc - 4 dias
      - Bangkoc - Ao Nang - 14h de ônibus
      Ao Nang - 4 dias
      - Ao Nang - Phi Phi Island - 1h30 de ferry boat
      Phi Phi Island - 2 dias
      - Phi Phi Island - Phuket - 1h30 de ferry boat
      - Phuket - Pequim (conexão de 20h10);
      - Pequim - Frankfurt (conexão de 16h25);
      - Frankfurt - Guarulhos.
       
      PASSAGENS AÉREAS
      Após muita pesquisa e uso de todas as ferramentas de busca possíveis (Skyscanner, Voopster, Melhores Destinos, Kayak, Kiwi) e até no site de companhias como Air China, Ethiopian, Emirates, entre outras; quase fechei a compra pelo site da Air China, o trecho GRU - Cingapura (com conexões em Frankfurt e Pequim) e Phuket - Guarulhos (as mesmas conexões na volta) estava 845 dólares, só que na hora de pagar não dava certo (pensa num site ruim e mal feito). Resolvi então comprar pelo Skyscanner, que me direcionou para a plataforma Zupper (nunca havia ouvido falar nela), fechei pro R$ 3546,63 (com taxas e tudo, e pra época estava barato, pois cheguei a ver na casa do quatro, cinco mil reais), o itinerário era o mesmo, na verdade até as companhias utilizadas eram as mesmas (GRU - FRA pela Lufthansa, FRA - PEQ pela Air China e PEQ - SIN pela Singapore; na volta PHU - PEQ e PEQ - FRA pela Air China e FRA - GRU pela Lufthansa) e com um detalhe: comprei no domingo, na segunda foi quando o dólar explodiu e achei que ia me ferrar porque apesar de aparecer em real o preço na verdade é em dólar e a minha fatura fecharia em duas semanas, mas não, mantiveram o valor e pronto. Aliás, recomendo muito o Zupper, tem boa avaliação no ReclameAqui (raridade no ramo de empresas aéreas ou de comprar de passagens) e foi muito bem, inclusive até me ligaram para comunicar uma mudança na emissão de um trecho que sairia mais tarde.
       
      TRÂMITES BUROCRÁTICOS
      Cingapura, Malásia, Tailândia e Alemanha não exigem visto de turismo para brasileiros, podendo ficar até 90 dias em cada um deles, apenas a China exige, mas para quem faz apenas conexão tem um esquema diferente, se você comprovar que está apenas de passagem e a China não é o seu destino final, você pode ficar até 144 horas (6 dias) por lá sem visto, eu explicarei mais adiante como funciona isso.
      Para a Tailândia, é exigido o Certificado Internacional de Vacinas para Febre Amarela, e ele realmente é cobrado por lá, para os demais países não foi exigido nada além do passaporte válido.
       
      SEGURO DE VIAGEM
      Pela primeira vez decidi fazer um seguro de viagem, pois ouvi dizer que na Ásia atendimento médico é caro, aproveitei que teve uma feira de turismo em Santos e fechei um pacote com a Travel Ace, o plano para 39 dias cobrindo todo o meu roteiro e com cobertura de 40.000 dólares por evento saiu por 900 reais em 6x, saiu mais barato que a média de preços que vi. Graças a deus não posso opinar se a seguradora é boa ou não porque não precisei usar (foi o dinheiro mais bem “jogado de fora” da minha vida kkk)
       
      HOSPEDAGENS
      Cingapura - The InnCrowd Backpackers' Hostel (4 diárias): S$ 70,00
      Um bom hostel, ótima localização, perto de duas estações de metrô (Little India e Jalan Besar) e de um terminal de onde partem ônibus para a Malásia; muitos restaurantes baratos e do famoso Tekka Center; comércio abundante e casas de câmbio. O hostel tem geladeira para guardar suas coisas, um bom café da manhã (ovo cozido, pão, geléia, manteiga, café, chá, você mesmo faz o seu, os itens ficam no balcão), tem aquecedor de água, vendem água e refrigerante na recepção, um área comum grande e os quartos são espaçosos, porém não tem locker para guardar as mochilas. Atendimento bom, o acesso a ele é por cartão. Possui ar condicionado mas só é ligado à noite.
      Malaca - Victors Guest House (3 diárias): MYR 36,00
      Ótima localização, fica em Chinatown e próximo de lugares baratos pra comer. Tem água gelada e quente, café disponível à vontade. Tem apenas ventiladores, mas são bem fortes; as camas são boas e tem lockers grandes para guardar a cargueira. O Wi-Fi é horrível e fiquei muitas vezes sem conexão. O acesso é por chave na porta de baixo (à noite fica trancado) e senha numérica na porta de cima. Dica: pegue a cama mais próxima da porta, fiquei na da janela e avenida em frente é muito movimentada, eu consigo dormir de boa, mas pra quem é sensível a barulho é zoado.
      Kuala Lumpur - Submarine Guest House Central Market (5 diárias): MYR 60,00
      Ótima localização, quase ao lado do Central Market, fica próximo à Chinatown, portanto muitas opções de comida boa e barata próximo; casas de câmbio, estação de metrô (Pasar Seni) e das linhas do GoKL. O Max, que é quem cuida de lá, é o melhor que encontrei até hoje: atencioso, educado, sempre disposto a ajudar. As camas são boas, possui ar condicionado, tem máquina de água quente. A única coisa estranha é o chão do andar que quando você anda parece que é de madeira, sei lá, faz um barulho estranho e se move; e as paredes são finas, você ouve tudo do quarto ao lado. Mas recomendo muito!
      Chiang Mai - Chiangmai Shunlin Hostel (4 diárias): THB 520,00
      Ótima localização; boa estrutura; tem ar condicionado (funciona a partir das 17h e desliga de manhã, mas não lembro que horas); embora no Booking informe que não tem café da manhã, mas eles colocam café, chá, bananas e bolachas para os hóspedes. Os donos, um casal com uma criança pequena, são extremamente simpáticos e o Peter sempre que você precisa de algo ele informa ou liga para algum número e arruma o que você precisa. As camas são confortáveis e tem cortinas nos beliches. Um dos melhores hostels que fiquei, tanto que quando voltei de Pai fiz questão de ficar nele.
      Pai - Baan Aomsin Resort (3 diárias): THB 360,00
      Bem localizado, fica numa estrada há uns 10 ou 15 minutos de caminhada do centro, parece uma chácara, é muito gostoso o lugar, tem redes, uma geladeira para guardar suas coisas, bastante verde, e como é lugar montanhoso faz até um frio gostoso de noite, tanto que nem usávamos o ar condicionado, só os ventiladores durante o dia. O dono é muito simpático assim como sua família, é sabendo que eu era brasileiro sempre falava de futebol, é fã do Zico. Tem café da manhã mas é pago a parte, porém recomendo muito, custa só 70 baths e vem com ovo (você escolhe mexido, frito ou omelete), salsicha de frango, duas bananas, pão (2 ou 3), geléia, manteiga, um potinho de salada e café ou chá a vonts, é bem gostoso e sustenta bem. Não possui locker nos quartos.
      Chiang Mai - Chiangmai Shunlin Hostel (2 diárias): THB 260,00
      Vide avaliação anterior.
      Sukhothai - RuengsriSiri Guesthouse (2 diárias): THB 240,00
      Fica exatamente na frente do terminal de ônibus da cidade, basta atravessar a rua. As camas tem uma cortina pequena, o meu quarto não tinha ar, só ventilador, mas de noite dava conta, não era tão quente. Tem um terraço, mesa de ping pong e alvo para jogar dardos, mesinhas do lado de fora e vendem bebidas, quando você se hospeda ganha uma garrafinha de água, mas depois só comprando, não tem onde encher. Os funcionários são simpáticos. O café da manhã é comprado, mas sinceramente não curti muito. Outra coisa ruim é que apesar de ficar na frente do terminal, fica longe da cidade e de tudo, tem uns pequenos restaurantes na rua mas que fecham cedo, se quiser jantar tem que ser antes das 19h, depois a única coisa na região é um 7-Eleven. Tem aluguel de bikes. Sinceramente, só recomendo pra quem vai ficar um ou dois dias pela comodidade de pegar o ônibus na porta. 
      Bangkoc - Feel Like Home Dormitory & cafe (4 diárias): THB 480,00
      Fica há uns 15 minutos andando da Kao San Road, não tem metrô próximo mas tem muitos ônibus que atendem à região e vão para muitos lugares. As camas são um pouco duras, tem ar condicionado, tem locker apenas para coisas pequenas, o café da manhã é razoável (café ou chá, um copo de suco de laranja, dois fatias de pão torrados, geléia, manteiga e uma banana) e é o funcionário que prepara pra você. Tem uam agência anexa ao hostel onde você pode fechar passeios e transportes para outros lugares. Os funcionários são simpáticos e tem uma geladeira onde vendem água e refrigerantes.
      Ao Nang - Sleeper Hostel (4 diárias): THB 1040,40
      Fica localizado na avenida principal, funcionários muito bons e simpáticos, quarto grande, camas boas e com cortinas, o ar condicionado é apenas suficiente (não gela tanto). Os lockers são naquele esquema que fica embaixo da cama. O café da manhã é pago mas não cheguei a consumir; o acesso é feito por cartão, se perder paga (relatarei o que houve comigo); e tem tudo próximo, inclusive a praia não é muito longe. Ah, se puder ficar no quarto de frente pra rua, a vista é espetacular (postarei a foto que tirei da varanda no momento que relatar sobre lá).
      PHI PHI Island - Paradise Dorm Room (2 diárias): THB 378,00
      Localização boa é relativo porque a ilha é pequena, mas esse hostel fica mais próximo do pier de onde sai o ferry que outros, fica atrás do famoso Reggae Bar. A recepção fica na calçada e assim que entra já é o quarto, são dois ao todo, e no final deles tem uma porta que dá acesso a um corredor com 4 banheiros, que, aliás, foram os melhores que encontrei durante a viagem: grandes, com bastante lugar pra por roupa, prateleiras e até espelho. As camas são confortáveis, não tem locker, o ar condicionado fica ligado direto e tem galão de água com opção de gelada ou quente. É extremamente simples mas bem ajeitado e limpo. A senhora que toma conta de lá é muçulmana, é bem calada mas muito boazinha. Recomendo!
       
      SEGURANÇA
      Posso dizer com propriedade que aquela região é bastante segura para viajar, inclusive para mulheres sozinhas. Claro que crimes de oportunidade (batedores de carteira, pequenos furtos) podem ocorrer em qualquer lugar, mas basta ficar atento com seus pertences que tudo dará certo. Não me senti ameaçado ou com medo em nenhum momento. Outra coisa para se ficar atento, sobretudo na Tailândia, são tentativas de golpes, eu não passei por nenhuma tentativa mas li muito a respeito, basta ficar esperto também.
       
      TRANSPORTE
      Em Cingapura, o metrô é muito bom, seguro, limpo, silencioso e eficiente e liga grande parte da cidade, você paga conforme a distância percorrida. Possui também sistema de ônibus mas não cheguei a usar, porém ouvi dizer que é bom também. O aeroporto é ligado pelo metrô.
      Na Malásia, Malaca é pequena e dá pra fazer tudo a pé; já Kuala Lumpur é uma cidade enorme e tem um bom sistema de transporte público: KTM (trem), MRT (monorail), LRT (metrô), é um pouco confuso no começo mas dá pra entender logo. Tem também os ônibus e um serviço de ônibus gratuito chamado GoKL, são quatro linhas que fazem vários pontos da cidade, são ônibus novos com ar condicionado. O aeroporto de KL é muito longe, tem um trem expresso que vai pra lá mas custava 55 ringgits, tem um ônibus que vai pra lá por apenas 12 ringgits, leva uma hora.
      Na Tailândia, em Chiang Mai tem as linhas de ônibus que servem bem à cidade, inclusive dá acesso ao aeroporto, e tem o famoso songthrew, um carrinho vermelho que faz as vezes de lotação, é bem barato também e vai pra todo lado, além dos tradicionais tuk-tuks; em Pai só andei a pé; em Sukhothai usei uma caminhonete velha que faz o transporte da nova para a Old City, tem a opção de alugar uma bike também; em Bangkoc tem o MRT (metrô), que atende uma parte da cidade, o Skytrain, além dos tuk-tuks, táxis e sistema de ônibus, que utilizei muito, pois onde fiquei hospedado não tinha metrô nem Skytrain próximo; em Ao Nang tem uma linha de ônibus que liga até o aeroporto, mas não usei, e os barcos usados para ir até outras praias, como Railay Beach, Tonsai Beach; em Phi Phi tem os taxiboats que levam você a outras praias.
       
      LEMBRANCINHAS
      Cingapura: algumas lojas da People's Park Complex (Chinatown), próximo à Mesquita no bairro árabe, várias lojas e barracas de rua na Little India.
      Malásia: em Malaca uma galeria próxima à A Famosa, uma grande galeria próxima ao Museu Marítimo; em Kuala Lumpur o Central Market tem várias lojas de souvenires e o preço é mais em conta, tem também o bairro Little India e o seu comércio de tudo.
      Tailândia: em Chiang Mai o Night Bazar é de longe o melhor lugar; em Pai a Walking Street; em Sukhothai o entorno do Parque Histórico tem várias lojinhas; em Bangkoc o Chatuchak Market, que só abre finais de semana, o MBK Center, na Kao San Road e na Rambutri tem bastante lojinhas também ou então nos mercados flutuantes; em Ao Nang tem um Night Bazar que fica em Krabi (não cheguei a ir lá) e algumas lojinhas espalhadas pela cidade; em Phi Phi as lojinhas espalhadas pela ilha.
       
      JET LAG
      Sim, eu venci o jet lag, só na volta que deu uma cansada maior, mas na ida foi de boaça, mas precisei fazer uma preparação maluca, que irei contando conforme o relato for seguindo. O fato é que não tive problema nenhum, só no primeiro dia em Cingapura dormi um pouco mais cedo, mas talvez fosse mais pelo cansaço da viagem do que pelo jet leg.
       
       
      Continua...


×
×
  • Criar Novo...