Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados


Dia 04 - 28/12 - Salta - Tilcara - AR- 250km

dia04_zps2chgilys

 

Esse dia amanheceu caindo um dilúvio na cidade de Salta, chovia tanto que a rua em frente ao hotel parecia um rio de tanta agua que descia a rua. Pretendíamos visitar a praça 9 de Julio pela manhã e depois o cerro San Bernardo antes de partir rumo a Tilcara pela Ruta 9, a famosa estrada La Cornisa, mas devido ao temporal desistimos do passeio. Esperamos diminuir a chuva, demos uma volta de carro pela praça principal e resolvemos ir para Tilcara voltando até General Guemes para ir pela estrada principal. Em várias ruas havia um enorme acumulo de água, a chuva só parou quando pegamos a autopista na saída da cidade.

 

Paramos para abastecer em um YPF Full na rotatória que vai para General Guemes e compramos mais sanduíches para comer no caminho. Ao descer do carro estava incrivelmente frio e foi assim com frio e tempo nublado por um bom caminho. Passamos rapidamente por S.S. Jujuy e depois começamos a subir lentamente pela quebrada de Humahuaca. A estrada muda completamente e começam a aparecer enormes montanhas acompanhando o rio ao lado direito da estrada.

 

Paramos no mirador de Leon para algumas fotos e encontramos um pessoal do Brasil realizando uma expedição(4x4embuscadevidas.com.br). O tempo continuou nublado e com chuviscos até poucos depois de uma serrinha, onde quase chegando na entrada para a RN 52 que vai para Purmarmaca e Chile, o sol finalmente apareceu. A temperatura voltou a ficar agradável e logo chegamos em Tilcara. Ficamos procurando o hotel que reservamos pelo booking, El Jardin, mas não conseguimos encontrá-lo. Nesse tempo a fome apertou e desistimos momentaneamente de procurará-lo e fomos até a praça procurar algo para comer.

 

Entramos em um restaurante onde o prato principal era carne de lhama. Pedimos um sanduiche de lomito, mas no meio do caminho desistimos e cancelamos o pedido. Um pessoal brasileiro nos disse que a comida do local era ruim e resolvemos desistir de almoçar lá. Pegamos o carro e voltamos até um restaurante na entrada da cidade, onde já havíamos almoçado em 2012 e pedimos duas milanesas de pollo. Uma já era suficiente para quatro pessoas, era muita comida. Acabamos deixando um prato inteiro de lado. Depois perguntando ao pessoal do restaurante, nos avisaram que o hotel ficava próximo, quase ao lado da rodoviária e na direção oposta que o gps indicava. Fomos até o hotel, que na verdade tem um grande camping junto e fizemos o check-in. Descansamos um pouco e no final da tarde fomos até a praça principal dar um passeio e comprar algumas lembrancinhas na feira, além de visitar o museu que fica na praça, sendo que naquele dia a entrada era grátis, bastando apenas dar uma colaboração qualquer caso quisesse.

 

O museu é bem interessante, tem cerâmicas e utensílios de várias civilizações tanto da Argentina, quanto do Chile e Peru. Depois disso procuramos algum local para fazer câmbio, mas a cotação de reais para pesos estava horrível: 1ARS = 0,53 BRL. Já anoitecendo compramos algo para comer e voltamos ao hotel para descansar. Durante noite esfriou bastante em Tilcara, fez em torno de uns 10ºC, estava ótimo para dormir.

 

Hotel e Camping El Jardin

- Excelente hotel, possui garagem e café da manhã além de camping nos fundos

- Fica próximo a rodoviária e praça da cidade

- AR$ 600,00 o quarto de casal

 

Gastos com combustível: AR$ 500,00 - 34,50 litros para completar o tanque, em General Guemes e depois em Tilcara

Pedágio: Não há pedágio nesse trajeto

 

Video com o trajeto do dia. Dêem uma curtida lá :)

 

img_1051_zpsx3jugpfd
Rua alagada em frente ao Hotel Samka em Salta

img_1052_zps3zzzxop5

img_1062_zpskqm2dtfi
Mirador de Leon

img_1058_zpsaq2xc3ei
Mirador de Leon

img_1076_zpshidpx4nu
Ruta 9 – Enfim o sol ::otemo::

img_1077_zpsggumnrni
Ruta 9

img_1072_zpsgplxgodv
Difunta Correa

img_1084_zpssvrbpppk
Rodoviária de Tilcara

img_1086_zpsjmitnaqv

Tilcara

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Opaa amigo... Pelo que estou vendo seu relato é rico em informações. Quero fazer algo parecido, no entanto a viagem será de moto.

Quanto ao seguro, minha moto não tem, logo não tenho cobertura nenhuma contra danos e até mesmo roubos. A dúvida é a seguinte, esses seguros que você citou, eles cobrem o que exatamente?

 

Outra dúvida, minha viagem tem objetivo de ir até Cusco, não pretendia passar pela Argentina nem Chile, qual seria o problema de ir direto pela Bolívia? As complicações lá são maiores? Obrigado e parabéns pelo relato.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Opaa amigo... Pelo que estou vendo seu relato é rico em informações. Quero fazer algo parecido, no entanto a viagem será de moto.

Quanto ao seguro, minha moto não tem, logo não tenho cobertura nenhuma contra danos e até mesmo roubos. A dúvida é a seguinte, esses seguros que você citou, eles cobrem o que exatamente?

 

Outra dúvida, minha viagem tem objetivo de ir até Cusco, não pretendia passar pela Argentina nem Chile, qual seria o problema de ir direto pela Bolívia? As complicações lá são maiores? Obrigado e parabéns pelo relato.

Olá Jeferson, esses seguros cobrem danos a terceiros apenas. Na Bolívia, o maior problema atualmente é conseguir comprar combustivel em determinadas regiões, principalmente próximo a La Paz. mas é possível contornar comprando combustivel em tiendas e casas a beira da estrada ou comprar combustivel com galões indo ao posto. Outra rota possível é ir pelo Acre, da fronteira do Brasil com o Peru até Cusco são dois dias de viagem. abs

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sério? Não sabia dessa dificuldade de abastecer por lá, já que vou de moto é meio difícil carregar galões. Eu moro no RJ, e descer pro sul aumentaria muito a viagem, talvez pelo Acre seria mais prático, tinha vontade de passar por Brasília antes pra visitar umas pessoas. Obrigado pela ajuda. E parabéns pelo relato.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Sério? Não sabia dessa dificuldade de abastecer por lá, já que vou de moto é meio difícil carregar galões. Eu moro no RJ, e descer pro sul aumentaria muito a viagem, talvez pelo Acre seria mais prático, tinha vontade de passar por Brasília antes pra visitar umas pessoas. Obrigado pela ajuda. E parabéns pelo relato.

Valeu ::otemo:: Você pode levar um galão desse tipo aqui, de 5l ou 10l - http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-698073578-galo-gasolina-combustivel-oleo-ferramenta-completo-_JM Vi bastante motociclistas levando galões no atacama.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá hlirajunior!

 

Fico aguardando todo dia um post novo.. ::hahaha::

 

Enfim consegui comprar o seguro do Chile, mas olha, se meu estoque de paciência não estivesse cheio... ::lol4::

 

Lendo sobre o câmbio, li em algum relato que nos postos de combustível eles aceitam reais e até tinham um câmbio bom. Você teve essa experiência?

 

Sobre o Hotel em Tilcara, não tem nenhuma foto do camping pra postar? Vamos levar barracas e onde der, vamos acampar... mais pela experiência, pois vamos optar pela barraca poucas vezes.

 

Aguardando os novos posts!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Olá hlirajunior!

 

Fico aguardando todo dia um post novo.. ::hahaha::

 

Enfim consegui comprar o seguro do Chile, mas olha, se meu estoque de paciência não estivesse cheio... ::lol4::

 

Lendo sobre o câmbio, li em algum relato que nos postos de combustível eles aceitam reais e até tinham um câmbio bom. Você teve essa experiência?

 

Sobre o Hotel em Tilcara, não tem nenhuma foto do camping pra postar? Vamos levar barracas e onde der, vamos acampar... mais pela experiência, pois vamos optar pela barraca poucas vezes.

 

Aguardando os novos posts!

Oi Roberta, o próximo relato de Tilcara até San Pedro de Atacama, devo colocar amanhã. Só falta enviar o vídeo para o Youtube ::otemo:: Que bom que deu certo a compra do SOAPEX, agora é um item a menos pra se preocupar. Quando você vai?

 

Acho que os postos Petrobrás aceitam reais, mas não cheguei a ver se realmente aceitam. O único posto Petrobrás que parei foi no Chile, perto de Iquique. Sobre o Hotel e Camping e Tilcara minha esposa comentou algo no vídeo que elas fez:

 

 

No booking tem algumas fotos: http://www.booking.com/hotel/ar/el-jardin.pt-br.html?aid=942796 Pelo que vi há bastante camping na Argentina e Chile e são bem estruturados. ::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 05 - 29/12 - Tilcara[AR] a San Pedro de Atacama[CH] - 436km

dia05_zpspi5nizol

 

Quinto dia seguido de estrada, já estávamos nos acostumando com a rotina de tirar e colocar as malas e demais coisas todo dia no carro. O dia amanheceu sem nuvens no céu e antes de sairmos de Tilcara paramos no posto na entrada da cidade para abastecer, é o último posto grande antes do posto YPF no Paso de Jama (Há dois outros locais para abastecer, um em Susques e outro no restaurante Pastos Chicos próximo a Susques). Aproveitamos para comprar mais sanduiches e água mineral, pois as garrafinhas no Chile são bem mais caras.

 

Voltamos alguns quilômetros pela Ruta 9 até o cruzamento com a Ruta RN52 que vai para o Chile. Passamos por Purmamarca, mas não paramos para tirar fotos, a estrada vai acompanhando um rio com várias montanhas coloridas ao lado até chegar na Puerta de Lipán, onde começam as primeiras curvas em U. Em alguns trechos não há asfalto devido a obras, mas é tranquilo passar. Na parte final da subida mais intensa há alguns mirantes legais para fotos, principalmente na última curva em U. Depois disso a subida se torna mais suave até chegar na Abra de Lipán, a 4172m de altitude. No local há alguns vendedores de artesanato e um marco com a altitude do local.

 

Após esse ponto, inicia-se a descida em direção as Salinas Grandes, que olhando a frente parece apenas um ponto branco no horizonte. A descida desse outro lado também é bem bonita, há uma sequência de curvas mais suaves e no final uma grande reta. No trecho inicial das salinas, removeram o asfalto para manutenção da rodovia, há um bom pedaço em estrada de rípio. Há alguns locais para estacionar o carro e venda de artesanato, além de banheiros químicos. Infelizmente dessa vez a entrada para o salar estava fechada e não conseguimos entrar de carro naquela imensidão branca. Apenas descemos a pé e tiramos algumas fotos, mas devido a claridade e calor não ficamos muito tempo. É bom ir preparado com óculos escuro e protetor solar, pois apesar da altitude e temperatura mais amena, o sol reflete no sal e pode queimar a pele e danificar a visão.

 

Continuamos viagem até o restaurante Pastos Chicos, logo após Suques, onde paramos para descansar. Haviam outros carros brasileiros no local. Nesse local há um restaurante, hotel e posto de combustível. Como estávamos com ¾ do tanque não paramos para abastecer. Depois disso seguimos viagem até a fronteira no Paso de Jama, o caminho é tranquilo e há grandes retas. A estrada passa pelo Salar de Olaroz e Salar de Jama. Paramos no posto YPF para abastecer, no local só havia a gasolina (nafta) Infinia, de maior octanagem e maior preço consequentemente. Dali seguimos até a aduana conjunta entre os dois países, mas que é super demorada.

 

Na estrada há uma cancela, onde um guarda verifica a placa do carro e a quantidade de passageiros, fornecendo um papel que deverá receber um carimbo a cada etapa do trâmite e na saída deverá ser entregue a outro guarda que libera outra cancela. Só de ver a quantidade de carimbos que deverão constar no papel e a quantidade de carros e ônibus parados já deu para perceber que não iria ser rápido. O primeiro trâmite é a migração, onde é dada a saída da Argentina. No guichê ao lado é feita a saida do carro na argentina. O próximo guichê é onde é feita a entrada de cada pessoa no Chile e depois a aduana do veículo, onde a pessoa digita todas as informações do veículo no sistema. É meio demorado e ao final é entregue um papel declarando a importação temporária do veículo no país. (ps: A ordem dos guichês pode mudar, mas é basicamente essa)

 

Depois disso ainda tem que passar no guichê do Senasa, preenchendo um papel onde deve ser declarado o que está sendo levado ou não pelos passageiros. Por último um fiscal irá ao carro verificar se está tudo ok ( as vezes é necessário passar as bagagens no raio-x) para ele dar o carimbo final no papel que deverá ser apresentado na cancela ao guarda para finalmente estar livre.

 

Nessa brincadeira toda, perdemos quase 2 horas, que naquela altitude parecem uma eternidade. Andamos alguns quilômetros e chegamos na placa que indica a divisa dos dois países. Depois disso começa a parte mais alta da travessia, sempre acima de 4000m, há belas paisagens com lagunas com um azul espetacular e alguns vulcões ao fundo. Em um determinado ponto é possível visualizar os monges de la pacana ao lado direito da estrada, antes de iniciar a subida para o ponto mais alto da travessia, onde alcançamos 4830m de altitude. Nesse trecho foi necessário subir em primeira marcha por cerca de um quilômetro, o carro pesado e a altitude deixaram o motor sem força.

 

Depois o carro voltou ao normal e logo começamos a avistar o vulcão juriques em frente e a laguna blanca na bolivia do lado direito. Ao poucos ao lado do Juriques surge o vulcão Licancabur imponente e inicia-se a descida até San Pedro de Atacama. É uma descida alucinante, começa perto dos 4800m de altitude e vai até 2400m em San Pedro em pouco mais de 40km. Nesse trecho resolvemos descer em 3º marcha usando o freio motor para reduzir a velocidade, em alguns pedaços cheguei a descer em 2º marcha utilizando assim bem pouco o freio do carro. No meio da descida tinha um ônibus quebrado e os passageiros sem noção do perigo ficavam no meio da estrada. Paramos para algumas fotos durante a descida até chegar em SPA.

 

Chegando na cidade, fomos a procura do hotel e mais uma vez chegamos na rua certa, mas demoramos um pouco para encontrá-lo, pois não possuia placa com o nome, somente encontramos após olhar todas as casas da rua pela numeração. O hotel fica um pouco afastado do centrinho da cidade, em torno de 15-20 min caminhando, mas foi o mais em conta que encontramos para o periodo do reveillon. Descansamos um pouco e a noite fomos comer uma pizza.

 

Hotel Portal del Sol

- Acomodações simples, ambiente familiar.

- Fica um pouco longe do centrinho de San Pedro, mas tem garagem e café da manhã.

- US$ 65.00 o quarto de casal

 

Gastos com combustível: AR$ 360,00 - 22,29 litros para completar o tanque no posto YPF no paso de jama

Pedágio: Não há pedágio nesse trajeto

 

Video com o trajeto de Tilcara a San Pedro de Atacama pelo Paso de Jama

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por guccixxx
      Olá mochileiros! Eu e minha família (9 pessoas) compramos passagens de avião ida e volta Frankfurt. Como estamos em um grupo grande, decidimos fazer o nosso itinerário de carro, para que possamos ter maior flexibilidade de tempo e menores custos. Porém, precisamos de ajuda em relação ao nosso roteiro, lembrando que a ida e volta é por Frankfurt e que não temos muito interesse em conhecer essa cidade e, que os homens querem obrigatoriamente ir a 2 cidades específicas por causa dos museus de carro. Este é o roteiro inicial que havíamos pensado:
      Dia 1 - Frankfurt
      Dia 2 - Mulhouse (parada obrigatória)
      Dia 3 - Stuttgart (parada obrigatória)
      Dia 4 - Munique
      Dia 5 - Munique
      Dia 6 - Salzburgo
      Dia 7 - Cesky Krumlov
      Dia 8 - Praga
      Dia 9 - Praga
      Dia 10 - Praga
      Dia 11 - Berlim
      Dia 12 - Berlim
      Dia 13 - Berlim
      Dia 14 - Frankfurt
       
      Uma outra opção que pensamos é diminuir 1 dia em Berlim e 1 dia em Praga e acrescentar Viena em 2 dias. 
      Enfim, sabemos que será um roteiro meio corrido, mas qual a sugestão de vocês? Deveríamos tirar/acrescentar alguma outra cidade? Vocês acham esse roteiro inicial um roteiro viável para ser feito de carro?
    • Por Leandro Freire
      Prefácio.
      Segue meu relato desta viagem incrível que finalmente consegui realizar com minha Esposa Josi e nossos dois filhos, Ana Clara 9, Vitor Hugo 12, em Janeiro de 2019.
      Já vou avisando que sou um pouco detalhista demais, acabo me empolgando e escrevendo muito. Então se você não tem paciência, paciência, OK ? 
      Infelizmente eu fui anotando algumas informações, como gastos, nomes de alguns lugares onde comemos ou dormimos, tudo em um aplicativo de notas do celular, e por alguma cagada minha, acabei apagando o arquivo, portanto algumas dessas informações serão baseados nas minhas lembranças que, vou confessar, já não está mais aquelas coisas...
      Tudo começou a muitos anos atrás, quando eu passava de bicicleta por uma Rodovia que cruzava a cidade, e vi um cara parado no semáforo com roupas de Couro, uma moto grande com vários adesivos colados de bandeira dos países vizinhos, cheio de malas na garupa, bandeirinha do Brasil balançando ao vento atrás,  etc.
      A Moto estava toda suja, do tipo que rodou o mundo. Ele tirou o capacete por uns segundos talvez pelo calor que fazia no dia, e percebi que era um senhor já de idade, com barba fina e longa, cabelos compridos atrás mas careca em cima.
      Ele percebeu que eu o olhava com curiosidade e então acenou me comprimentando com a cabeça e com um Joinha. Eu retribuí o cumprimento, o semáforo abriu, ele seguiu seu rumo, eu o meu, e esqueci.
      Algumas semanas depois, assistindo TV tarde da noite, o cara tava lá dando entrevista no antigo programa Jô 11 e Meia. Eu quase caí do sofá. Caraca, conhecia ele, aquela barba fina e esticada,  até me cumprimentou, era meu amigo. E foi aí que conheci sua história.
      Ele se chamava Miragaia Renê Angelino. Um advogado que morava em São Paulo e que já tinha feito viagens incríveis de Moto. Procurem no youtube que tem várias entrevistas dele. Nessa entrevista ele havia recém lançado um Livro chamado ‘Minha Moto eu e a América’ onde ele contava sua viagem por 45.000 KM rodados em 90 dias pela América do Sul com uma moto. E eu ali, nem piscava. Minha cabeça anos 90 pensava que essas coisas mirabolantes só existiam na Europa.

       
      Me empolguei tanto com a entrevista que comprei o livro do meu novo amigo que me cumprimentou no semáforo e que era escritor e aventureiro..
      Eu, que até então estava acostumado a ler apenas Agatha Christie ou Os Sertões (mentira, só Agatha Cristie), fiquei tão fascinado com o livro que quando terminei de ler, disse pra mim mesmo ‘One Day I will do something similar´.
      Na verdaade, na verdaaade, eu disse ‘One Day, farei algo parecido’, pois só One Day que sabia falar em Inglês. O resto falei em Português mesmo. Aliás não sei falar inglês até hoje, usei o Google Tradutor na frase acima. 🙈
      Só que essa vontade de ganhar o mundo, na época soava mais ou menos como aquela vontade do garoto que sai do cinema querendo ser o Batman, ou da menina querendo virar a Cinderela... Soavam como coisas inalcançáveis.
      Quem nasceu na mesma época que eu, (façam as contas, não vou falar a década, ok?) sabe que as facilidades de hoje, com essa infinidade de informações, tecnologias, GPS e nichos de pessoas que compartilham os mesmos gostos, hobbies e principalmente valiosas informações e experiências, praticamente não existiam.
      Então tudo parecia ser algo distante ou até impossível, e a minha realidade era a de um garoto sem dinheiro, sem o Canal Discovery, sem informações, e que não tinha nem um gato pra puxar pelo rabo. Eu só tinha uma Bicicleta velha que ganhei de um tio, que só funcionava o freio traseiro e ainda tinha uma solda horrorosa no meio do quadro.
      Então, entre os estudos e espinhas, o tempo foi passando e aquele livro se perdeu no fundo do guarda-roupa.
      As responsabilidades, boletos, namoro, boletos, noivado, contas, casamento, móveis, faturas, filhos, carnês... vão chegando e tomando conta da sua vida. Alguns deles em proporções cavalares inclusive.
      De repente, eu tava chegando nos 40renta.
      Vira e meche, eu reencontrava o livro, pensava na vida, guardava o livro, e vida que segue.
      As vezes me pegava pensando: “Meu Deus, to aqui preocupado com o vencimento dos boletos, mas quem tá vencendo é minha vida, e vida não dá pra prorrogar, parceiro”.   E quem entra na casa dos ´enta´ , não sai mais... Quarenta,  cinquenta ...
      Quero deixar um parêntese aqui, antes que alguém tenha a impressão que eu não estava feliz com minha vida atual, ou infeliz com meu casamento, filhos etc... Muito pelo contrário, Sou eternamente grato a Deus pela família maravilhosa que tenho. Mas faltava pra mim, aquela cerejinha do bolo. Aquela conquista de fazer algo diferente.
      Um dia procurando qualquer coisa no guarda-roupas, achei o tal livro de novo. Fiquei olhando pra ele, pensando, remoendo... e então veio o estalo, decidi. Finalmente firmei um Contrato comigo mesmo, vamos conhecer San Pedro do Atacama. Isso foi a mais de 3 anos atrás.
      Hoje tenho 42 anos, Moramos em Maringá, interior do Paraná e temos um Renault Logan 1.0 ano 2012, batizado carinhosamente pelas crianças de BARTOLOMEU. É nosso pau pra toda obra, escola, trabalho, mercado, passeio, etc. Comprei ele já bastante rodado no final de Dezembro de 2017, mas estava bem conservado. 15 dias depois, Janeiro de 2018, já saímos para uma viagem com ele, e fomos conhecer o Uruguai.
      A ideia na época já era ir para o Deserto do Atacama, pois eu já tinha assinado aquele contrato comigo mesmo, só que adiamos porque uns amigos iam para o Uruguai de carro, já tinham tudo certo, roteiro etc,  e eu não me achava ainda tão maduro o suficiente para encarar as cordilheiras, e então resolvemos ir juntos para o Uruguai. País lindo, maravilhoso e tudo mais. Nossa primeira viagem longa de Carro.
      Na verdade o meu contrato já almejava o Atacama ainda em Janeiro de 2017, um ano antes do Uruguai, mas uns amigos iam para o Rio de Janeiro de carro e mudamos os planos, resolvemos ir juntos também.
      Já viram que sou muito influenciável né?! Preciso trabalhar mais isso. 🙈
      Mas o Rio de Janeiro é outra História, o Uruguai também e já estou me desviando muito do assunto. Foco Leandro, foco...
      No fundo, a gente camuflava a insegurança de ir pro Atacama sozinhos trocando de planos aos 45 do segundo tempo. Não que as viagens com os amigos eram menos interessante. Foram igualmente ótimas. Mas não era aquela conquista que eu queria, sabe? Atacama soava como algo épico, sei lá.
      Eu tinha um certo receio de atravessar as Cordilheiras e chegar ao Atacama com o Bartolomeu. É um carro baixo, pesado e com motor de carro popular.
      Ainda mais pelos seus Cento e tantos mil KM que ele já tinha na bagagem. Ele já tava ficando banguela. E as subidas que encontraríamos nas cordilheiras talvez precisasse de um carro mais jovem, bombadão.
      Vez ou outra eu lia alguns relatos de uns malucos que fizeram viagens parecidas com carro baixo, mas quase sempre são carros menores, mais leves, mais novos ou com motores mais potentes. O Bartolo era o contrário de tudo isso.
      Outro detalhe que me fazia esquentar a cuca é que eu estaria com filhos e tudo fica mais complicado caso dê algum problema na estrada, ou talvez alguém passe mau com alguma comida diferente, ou com a Altitude.
      Já pensou dar algum problema no Carro num lugar deserto, num país pouco conhecido e ainda com crianças? Não rola.
      Mas também, se eu fosse esperar o Momento Ideal, ter dinheiro suficiente para poder ir de avião, com o preço que pagaria nas passagens ida e volta, depois contratar agências de Viagens para os passeios, tudo multiplicado por 4? Não to podendo.
      Outra opção seria então esperar conseguir dinheiro para comprar um Veículo maior, mais novo, mais potente, quem sabe até algum com tração 4x4 né?
      Só que essas opções acima me fariam entrar numa hibernação do tipo ‘A Espera de Um Milagre’. E vocês com certeza conhecem muitas pessoas que vivem assim, esperando o Momento Certo para dar o primeiro passo.
      Só pra ilustrar melhor, minha mãe que também mora em Maringá, tem 64 anos e um sonho de vida, conhecer Foz do Iguaçu. Só que ela ainda não foi porque as condições ideais que ela imagina que precisa, ainda não surgiram. E são só 400KM daqui até lá.
      Então Leandro, toma Jeito. 
      Depois que voltamos do Uruguai, eu já tava deitando em viagens internacionais. Experiente e tudo. Então um dia olhei pro Bartolo, olhei pra Josi, fechei os olhos, estufei o peito, e falei:
      - Atacama 2019?
      - Bora!
      - Fechô!
      E então os preparativos começaram.
      Dai em diante minha vida meio que virou de cabeça.
      Agora eu só pensava nisso. Bitolado o tempo todo.
      Pesquisas e mais pesquisas, muitos cálculos de quanto preciso de dinheiro, quantos dias, rotas, curiosidades sobre os lugares que iriamos passar, vídeos no youtube etc etc etc...
      Se eu ouvia um Bom dia, eu já tava respondendo Buenos Dias.
      A vantagem de fazer uma viagem como esta viagem de carro, é que além de ficar bem mais barato, eu não ficaria preso à somente San Pedro de Atacama, pois teria todo o trajeto até chegar lá, e vi que tem lugares incríveis pelo caminho que valem a pena conhecer. E dá-lhe Google..
      Seguro Carta verde, Cambão, Salinas Grandes, Mau de Altitude, Laguna Miscanti, Pesos Argentinos, Seguro Soapex, Cartão de Crédito Internacional, Costa de Lipan, Filhos, Kit de Primeiros Socorros, roupas, folha de Coca, Seguro viagem, Humahuaca, Protetor Solar, Paso Jama... Meu Deus, era uma infinidade de informações pra assimilar e organizar.
      Fui alimentando um Check-List de tudo que precisaria providenciar. Entre tantos itens para me preocupar teve um que eu não abriria mão, um Pneu estepe Extra. Pois seriam centenas de quilômetros sem estrutura nas cordilheiras, sem posto de gasolina, sem civilização. Seria só nós, o vovô Bartolo e Deus. E já dizia o ditado: Quem tem dois tem Um. Quem tem um não tem Nenhum...
      -Preciso de um estepe extra!
      Mas eu também iria fazer a troca dos pneus atuais. Eles estavam menos de meia vida, e para uso na cidade ou viagens curtas até daria. Mas para o Deserto com certeza seria arriscado.
      Fiz um orçamento e os 4 pneus passavam dos Mil Reais. Era o preço. Pneus bons não são baratos.
      Dai, fui pesquisar no OLX para comprar um estepe Extra, poderia ser usado sem problemas. Dai que encontrei um anúncio de um Cara que estavam vendendo 4 pneus novos com rodas e tudo. O valor era metade do preço que eu iria pagar só nos pneus em uma loja. E Vinha com as Rodas já. Que LUCK hein Leandro. Já resolvia 2 Problemas, ficava com 4 Pneus Novos e usava um dos que já tinha como Estepe Extra.
       Lá dizia que as medidas da furação das rodas que vinham era 4x100. Até então eu nem sabia o que significava isso, só sabia que alguns carros usam rodas com 4 parafusos, outros com 5 e assim por diante. Pesquisei então as medidas das rodas do meu carro e eram exatamente 4x100 também. Que sorte de novo, hein Leandro. Liguei pro cara, e em menos de 1 hora eu já tava com as rodas e pneus novos em casa.
      Coloquei um pneu no porta-malas para ver o espaço que ocupava. Minha esposa não gostou nem um pouco, pois um pneu extra ocupava um espaço enorme. Mas fazer o que ? A nossa segurança falava mais alto. Então, com o bico deste tamanho, ela desistiu de levar o guarda-roupa todo.
      Fui até um borracheiro, e pedi que ele passasse os pneus novos para as rodas que ja estavam no carro, e consequentemente os pneus velhos nas rodas que vieram pois elas eram de Ferro e mais feias.  
      Uma outra coisa que eu queria muito, mas tava naquela indecisão, era de atravessar as Cordilheiras por um Caminho e Voltar por outro. A opção mais Curta, Sensata, econômica e Segura seria ir e voltar pelo Paso Jama, pois a pista é toda pavimentada desde a Argentina até o Chile e Relativamente mais movimentada. Outra opção seria o Paso Sico, que dizem ter paisagens incríveis, mas a pista não tem pavimentação em um longo trecho na parte da Argentina, e bem mais deserta. Bem mais arriscado com certeza.
      Mas descidi sim ir por uma via e voltar por outra. Meio Loucura com as crianças eu sei. Mas eu tinha 1 Estepe extra, né?
      Desculpe, mas percebi que esse prefácio já tá grande demais, eu falo demais, e vocês já estão tendo paciência demais. Então sem mais delongas... vou pular pro dia da partida.
      >>FF>>
      Dia 06/01/2019 - 4hs – Madrugada de Domingo.
      .........
    • Por Tatiana Lordello
      Boa tarde amiguinhos, gostaria de saber qual a melhor rota RJ x Foz pra quem utiliza gnv como principal combustível.  E qual o gasto aproximado com pedagiopedágio? Grata.
    • Por Victor Ed
      Bom dia gente, 

      organizo trips e estou precisando pra ontem de uma pessoa que tenha carro para ir para São Thomé dia 15/03 as 23:00 e voltar dia 17/03 as 14:00.

      um dos meus motoristas bateu o carro e não vai poder ir, o problema que eu já tenho 19 pessoas pagantes, e agora só tenho 3 carros disponíveis, e preciso de 4.

      Se alguém aceitar, vai totalmente de graça, gasolina, pedágios, café da manhã, os passeios, camping, tudo por minha conta, unica coisa que não estaria incluso é o almoço, mais também não é problema porque tenho uma promoção pra quem viaja comigo, que no restaurante da cidade, sai por 25 reais o almoço. 

      Se interessar e tiverem duvida, me mandem um whats urgente (11) 993351991.


×
×
  • Criar Novo...