Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados


Infelizmente vc não sabia,natal,ano novo,dia do trabalhador e dia da independencia são feriados obrigatórios em Chile.Quem abrir é fechado pelos carabineiros,como beber na rua,não sei se reparou,mas ninguém bebe,pois é crime,a não ser em datas festivas ou nessas datas.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@Ana Caroline Cunha Parabéns pela coragem. Sou avesso a caminhadas e esse tipo de coisas motivo pelo qual fiz paine no que chamam full day e não gostei,afinal gosto é de cidade.Mas o que queria saber é se a natureza já se recuperou do fogo provocado por um israelense há uns 10 anos.Quando estive ai,2014,o negócio estava feio.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 13/02/2020 em 17:52, D FABIANO disse:

 

É um dos lugares mais bonitos da América só comparável a Cuba e ao Norte do México, quem sabe Alausi no Equador,maaaas....

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

27/12/2019 - DE PUERTO NATALES PARA EL CALAFATE

O meu próximo dia foi com a saída do Chile e chegada em El Calafate, na Argentina. A viagem levou 7h, pegamos bastante fila na imigração novamente, mas aproveitei para dormir e descansar o máximo possível. Fui com a BusSur e custou CLP 17.000 (com a minha cotação que eu fiz a moeda ficou cerca de R$ 92,00).

Me hospedei no FOLK HOSTEL e foi um dos meus preferidos da viagem. Cama bem espaçosa, limpo, preço bom, café da manhã simples mas com frutas, pão e geleia.

Em El Calafate eu encontrei a @carla_red, que conheci aqui no fórum! A gente conversou taaanto antes da viagem, que eu estava ansiosa para finalmente encontrar ela pessoalmente e é mais uma amiga que ficou para a vida ❤️ Ela estava fazendo o Mini Trekking, então eu fui no mercado e saí para jantar. Encontrei com o Ricardo, brasileiro que conheci lááá em Ushuaia rapidamente no hostel, lembram? Hahaha Ele que me deu as dicas de "cada passo vc está mais perto" nos trekkings dificeis. Sério, pra mim essa parte de cruzar e reencontrar as pessoas é uma das melhores partes da viagem. 

Encontrei finalmente a Carla, voltamos pro Hostel, tomamos um vinho com a Mari (outra que eu tinha conhecido no Ushuaia e quando vi estávamos todos ali na mesma hospedagem) e fomos dormir.

28/12/2019 - EL CALAFATE

Na manhã seguinte descobrimos que estourou um cano que abastece a cidade e estávamos completamente sem água. Todas as minhas roupas estavam sujas, mas deixei mesmo assim para ver se a lavanderia conseguia lavar. Passei o dia com a Carla. Visitamos a Laguna Nimez, Lago Argentino, fizemos mercado e ela foi para a próxima cidade que nos encontraríamos no futuro. El Calafate é uma cidade fofa, cheia de lojas, restaurantes e bem turística. Voltei para o Hostel e ainda estava sem água, comecei a ficar bem chateada, a Carla já tinha ido embora, então fiquei sozinha, estava sem minhas roupas (nem suja e nem limpa até esse momento) e sem banho. As 20:40h, minhas roupas chegaram e meu humor melhorou muito. Nessa hora eu já estava conversando com um brasileiro que estava hospedado em outro lugar que tinha água, ele perguntou se eu queria tomar banho lá. Eu tinha acabado de conhecer ele e novamente fiquei muito em dúvida se eu ia ou não, acabei aceitando porque no outro dia eu ia no Mini Trekking e não tinha nem previsão de voltar a água onde eu estava. No fim salvou meu dia, porquê no a água voltou só no dia seguinte, próximo da hora do meu passeio. No fim ele era bem legal também e ficamos horas conversando e trocando ideias de viagens e da vida. Tem muitas pessoas viajando sozinhas por aqui, então você se surpreende com tanta gente que encontra e se reencontra, enquanto vão dando dicas e compartilhando experiências do que está acontecendo. Nesse caso ele estava indo pra onde eu já fui e eu para onde ele já foi, os roteiros estavam inversos. É muito legal porque todos estão vivendo a mesma coisa então as conversas sempre fluem bem. 

1476833200_WhatsAppImage2020-02-20at11_24.29(1).thumb.jpeg.bba1ea31cde871b375ffc796f883f616.jpeg

1140179206_WhatsAppImage2020-02-20at11_24_29.thumb.jpeg.8e3d071afb1557dde8313abf1d31718d.jpeg

29/12/2019 - MINI TREKKING PERITO MORENO

 

As 12h o transfer me pegou no meu hostel para ir ao Glaciar Perito Moreno, a principal razão das pessoas pararem em El Calafate. Eu comprei no Brasil direto com a Hielo y Aventura (https://hieloyaventura.com/), a única concessionária autorizada a fazer o mini trekking. ARS 9.000 com o transfer do meu hostel até o Parque. Recomendo ficar de olho no site nas datas que vc deseja, se começar a lotar é bom comprar no Brasil para não correr o risco de ficar sem.

Ah, tem que pagar a entrada do parque, são ARS 800 extras. 

Caso não vá fazer o mini trekking, somente o passeio de barco ou as passarelas, acredito que seja tranquilo comprar quando chegar em El Calafate mesmo.

O tempo nesse dia estava muito favorável, sol o dia todo. Chegamos ao parque as 14h e pudemos visitar as passarelas com a vista para o Glaciar. Desde o caminho fiquei surpresa com o tamanho dele, chegando perto então, é inexplicável. Fui sem expectativas porque já tinha visto tanta foto na internet, além de ter já ter encontrado paisagens incríveis pelo caminho até aqui, que achei que seria sem graça. Tem coisa melhor do que estar completamente errada? Vale cada centavo dos R$ 700,00 gastos. Dei sorte que no grupo tinha uma francesa/colombiana (pai e mãe de países diferentes) que também estava sozinha e fizemos o caminho juntas e ela queria tantas fotos quanto eu. Muita querida e fofa!

Amo esses encontros, mais uma amizade que a Patagônia me deu. Ficamos o máximo de tempo apreciando a natureza, vimos alguns gelos caindo que causam um barulho estrondoso. Os famosos trovões dos relatos. É incrível. (Obs: esse Glaciar é estável, o desprendimento é natural, ele não mudou de tamanho significativamente nos últimos anos, diferente dos outros Glaciares ao redor do mundo que sofrem com as mudanças climáticas).

Depois, voltamos para o ônibus para ir ao Mini Trekking no Glaciar. Colocamos os grampos nos sapatos (já inclusos no valor) e foi a experiência mais surreal da minha vida. Me diverti muito, tomei a água direto de lá, experimentei o gelo e bati um milhão de fotos que nunca irão traduzir a sensação de estar lá. É poderosíssimo. Foi uma hora e meia que ficará marcada para sempre na minha vida. Sério, quase choro só de lembrar que fiz isso! Foi lindo. Façam!!! Já haviam falado que a Patagônia mexe de um jeito inimaginável com você e cada dia eu confirmo e concordo com isso. Queria que mais gente sentisse tudo que isso.

Com o fim do passeio por volta das 21h, saí para jantar no La Zorra (bar ótimo para happy hour e comer, achei o preço ok). 

1807111750_WhatsAppImage2020-02-20at11_24.29(2).thumb.jpeg.2bc4a8ecfa21035fe041bf98764bef78.jpeg

473127515_WhatsAppImage2020-01-13at22_57_44.thumb.jpeg.0e57b5e1439116f483c48ec84d24b877.jpeg

1298356898_WhatsAppImage2020-02-20at11_20_27.thumb.jpeg.c8aa314faac6e7ba652fb6ec87149321.jpeg1111204359_WhatsAppImage2020-02-20at11_24.29(3).thumb.jpeg.205496c1a642fca70dd80f4d0893dd3e.jpeg

1458779389_WhatsAppImage2020-02-20at11_24.29(4).thumb.jpeg.62f0606db14880092e0a129471fbd25d.jpeg

1450581526_WhatsAppImage2020-02-20at11_33_04.thumb.jpeg.d8f751bbf360e7333100f1fadb40eb94.jpeg

1972477011_WhatsAppImage2020-02-20at11_33.04(1).thumb.jpeg.412b04e55754ebf0b0d3d369b66c4b77.jpeg

30/12/2019 - DE EL CALAFATE PARA EL CHALTÉN

Após o Perito Moreno, segui para o último destino da minha viagem: El Chaltén, a cidade do trekking e do alpinismo.

Foram 3h de ônibus saindo de El Calafate (ARS 1.800 ida e volta) e na chegada já fiquei chocada com a visão do ônibus! O tempo estava completamente aberto, pude ver já de longe o Fitz Roy.

Me hospedei no Lo de Trivi por 1 semana, o pior hostel da viagem e o que fiquei mais tempo. El Chálten é pequena e cara as hospedagens, então acaba não abrindo muita opção. O quarto que fiquei era bem pequeno e a cozinha estava sempre suja. Não por falta de limpeza, muito pelo contrário porque eu vi eles limpando todos os dias, mas como o hostel é grande e tem muita gente, as pessoas que não mantinham a limpeza mesmo... Talvez eu teria pegado um quarto superior, mas eu me adapto fácil e no fim foi "ok". O cara da recepção também era muito arrogante, tinha dias que tava num super mal humor 🤨🤨 Outros hóspedes também tiveram problemas com ele hehehe. A Carla ficou no Hospedaje Lo de Guille, tem café da manhã incluso e é bem fofo, o pessoal da recepção muito gentil também.

Assim que cheguei, tive um problema com o dinheiro, meus pesos argentinos acabaram quando paguei o hostel porque não aceitaram uns dólares que estavam riscados. Agora sei que meu dinheiro só acabou porque né... eu estava com R$ 900,00 a menos convertidos, conforme já relatei o problema com o Banco do Aeroporto Ezeiza. Nessa hora fiquei beeeem estressada e de mal humor, mas logo resolvi tudo. Foi um dia bem pesado e eu estava chateada.

Depois, encontrei a Carla novamente e fomos até um dos mirantes que tem vista pra toda a cidade. Grande sorte que esses dias o tempo estava 100% aberto o que é raridade na Patagônia. As montanhas passaram o dia todo se exibindo e esse foi um dos poucos dias que isso aconteceu. Nas fotos também conseguem ver o tamanho de El Chalten, bem pequena e fofa. A Carla fez janta gostosa para nós e tomamos um vinho. Decidimos dormir mais cedo porque o último dia do ano seria a ida ao Fitz Roy! Quando voltei ao hostel, encontrei dois brasileiros que ficariam bastante dias por lá também. Conversamos rapidinho e eu segui meu plano de dormir para aguentar os 20km de trilha do dia seguinte.

2066763788_WhatsAppImage2020-02-20at11_24.29(9).thumb.jpeg.ee5ac98c44803cae93174b71da712902.jpeg

211674984_WhatsAppImage2020-02-20at11_24.29(6).thumb.jpeg.4bbc1726aa17cfa28186e0772cd2ef19.jpeg

655851806_WhatsAppImage2020-02-20at11_24.29(7).thumb.jpeg.9d7b3c4ca7a9554e0a1c330cfb0e49be.jpeg

577326323_WhatsAppImage2020-02-20at11_24.29(8).thumb.jpeg.078e0df4fbd7cb3cdbf4dd40283e1ef1.jpeg

  • Gostei! 4

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Você conseguiu pegar o Fritz Roy com tempo aberto e ver os 3 picos.Eu,na época em que fui,faziam uma propaganda daquelas dele,mas jamais consegui vê lo assim totalmente despejado,somente Paine.

Não sei quanto está custando a navegação dos 3 glaciares, rios de hielo,mas são as paisagens que jamais vou esquecer. 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ei  @Ana Caroline Cunha. Muito legal seu relato. Comecei a ler hoje cedo e não parei até o fim. Fui à região em 2018 e, toda vez que vejo um relato novo, paro para ler e "viajar de novo". As lembranças vêm forte. A saudades que ficou da patagônia é muito grande. O único problema da patagônia é que vc fica mal acostumado. Depois de ir lá, dá vontade de voltar e voltar e voltar. Em novembro de 2018 fiz o W de Torres Del Paine e, se Deus permitir, quero fazer o O em 2021. Estou curioso para ler seu relato sobre a ida ao Fitz Roy e laguna de los 3. Na verdade, achei mais puxado que a base das torres, mas deve ser levado em consideração que eu tinha acabado de completar o W e o big ice, então já tinha um cansaço acumulado.  Na verdade, estou consultando minhas anotações e fotos e preparando para escrever um relato também. 

Aguardo ansiosamente a continuação.

 

  • Gostei! 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 21/02/2020 em 10:25, schitini disse:

Ei  @Ana Caroline Cunha. Muito legal seu relato. Comecei a ler hoje cedo e não parei até o fim. Fui à região em 2018 e, toda vez que vejo um relato novo, paro para ler e "viajar de novo". As lembranças vêm forte. A saudades que ficou da patagônia é muito grande. O único problema da patagônia é que vc fica mal acostumado. Depois de ir lá, dá vontade de voltar e voltar e voltar. Em novembro de 2018 fiz o W de Torres Del Paine e, se Deus permitir, quero fazer o O em 2021. Estou curioso para ler seu relato sobre a ida ao Fitz Roy e laguna de los 3. Na verdade, achei mais puxado que a base das torres, mas deve ser levado em consideração que eu tinha acabado de completar o W e o big ice, então já tinha um cansaço acumulado.  Na verdade, estou consultando minhas anotações e fotos e preparando para escrever um relato também. 

Aguardo ansiosamente a continuação.

 

Eu já quero voltar para lá! Infelizmente não consegui fazer o W dessa vez, mas está na minha lista 🤩 eu vivo pensando qual foi mais difícil, mas já adianto que Torres del Paine foi mais significativo pra mim hahaha o Fitz Roy não era tanto minha prioridade, mas igualmente desafiador 😊 escreve seu relato sim! É muito bom ver experiência de outras pessoas 🙏🏼

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Trip-se!
      Em setembro de 2018, fizemos uma viagem ao Chile e Peru.
      Roteiro - 24 dias
      São Paulo > Santiago > Valparaíso > San Pedro do Atacama > Tacna > Arequipa > Cusco > Ollantaytambo > Aguas Calientes > Machu Picchu > Cusco > Lima.
       
      Começamos nossa jornada no Chile, em Santiago, Valparaíso e San Pedro do Atacama, cujos relatos seguem abaixo:
       
       
      No ônibus das 20:30, deixamos San Pedro do Atacama em direção a Arica, cidade chilena fronteira com o Peru. Seriam 8 horas de viagem, que à noite tínhamos esperança de sequer vermos passar. Com o coração apertado de deixar aquele lugar que tinha acordado tanto dentro de nós, nos despedimos do céu mais estrelado do mundo prometendo, para o Universo e uma para a outra, que voltaríamos logo, em breve, a tempo de não esquecermos toda a emoção que sentimos, nem de deixarmos a brutal rotina do acordar-trabalhar-dormir nos transformar em marionetes que fazem o uso da palavra "sabático" para justificar o tempo em que resolveram ser felizes. Logo nós, que tínhamos acabado de enxergar o não tamanho do mundo.
      Chegamos em Arica ainda escuro. Claudio (amigo que fizemos no Atacama, junto com seu fiel cão Lucky, artista plástico de Valparaíso que, cansado do mesmo todo-dia da vida e do consumo sentimental das relações obrigatórias, encontrou em San Pedro um porto. Breve e temporário.) tinha nos dito que, ao chegarmos, deveríamos atravessar a rua para a outra rodoviária, a internacional, onde poderíamos pegar um ônibus para o Peru. Foi uma ótima dica, ou teríamos ficado perdidas na escuridão da falta de informação e sinalização.
      Ao chegarmos na rodoviária internacional, que mais parecia o ponto final de uma linha de ônibus bem acabada em uma cidade quase fora do mapa, uma mulher sentada numa mesa nos informou que o ônibus para Tacna só sairia a partir das 8:30 da manhã. Eram 4:30 da madrugada. A outra opção, como ela sugeriu, era atravessar a fronteira com um dos muitos motoristas de carro que faziam ofertas de assentos pelo mesmo valor dos ônibus. Não, só se fôssemos loucas de aceitar. Assistimos demais "Presos no Estrangeiro" para arriscarmos uma prisão por tráfico de drogas com um estranho que diria que era tudo nosso, das gringas. Nunca. Resolvemos dar uma volta na rodoviária para despistar a mulher que nos alucinava com essa ideia, quando ouvimos sem muita certeza, o motorista de um ônibus gritar "Tacnabus, Tacnabus" e corremos para confirmar a informação. O ônibus ia para a Bolívia, mas primeiro pararia no Peru, em Tacna, para onde estávamos indo. Com o dinheiro guardado na calcinha, entramos no ônibus e seguimos para o nosso próximo destino.
      Na fronteira: sai do ônibus, carimba passaporte de entrada no Peru, passa as mochilas no raio X, tira o vinho da mochila, mostra que é vinho, guarda a garrafa, volta as mochilas para o bagageiro, sobe no ônibus. E em 40 minutos, chegávamos em Tacna.
      *ATENÇÃO! Ao desembarcar no aeroporto em Santiago do Chile, na entrada no país, além do passaporte carimbado, também entregam um papelzinho, aparentemente sem nenhum valor e sem nenhuma explicação. GUARDE-O DENTRO DO PASSAPORTE! Na travessia da fronteira, esse papel é exigido.
       
      TACNA
      Não esperávamos encontrar em Tacna a cidade charmosa e acolhedora que descobrimos. De habitantes tacanhamente tímidos, que nos olhavam surpresos e alegres ao perguntarmos seus nomes, essa cidadela conquistou nossos corações, receosos de não conseguirem mais se apaixonar depois de conhecer o Atacama. Mas Tacna é leve, florida, descompromissada, como que se viesse só para provar que é possível amar depois de amar. 
      O sotaque, de tanta timidez, torna o espanhol mais difícil aos ouvidos. Os bancos das praças possuem tetos de flores para fazer sombra. Na Plaza de Armas - nome de todas as praças principais de todas as cidades do Peru - há fotógrafos velhinhos andando sob o sol, sorrindo e sugerindo um retrato para a posteridade, como um pedaço de tempo congelado entre as flores coloridas, as palmeiras altíssimas, a fonte imponente, o arco marcante da cidade e, sempre, a igreja. 
      As lojas são todas setorizadas, de forma que os supostos concorrentes são colegas vizinhos, e você jamais vai conseguir tirar uma xerox se estiver próximo dos açougues ou dos consultórios ortodônticos, uma pequena obsessão tacniana. Por toda a rua principal, há galerias como camelódromos, com cabines de câmbio, tabacaria, lojas de joça e manicures enfileiradas em carteiras escolares oferecendo seus serviços. 
      Em Tacna você vira a esquina e se depara com uma padaria a céu aberto no meio da rua! Carrinhos de pães perfumam o entardecer e nos transportam para uma imaginada infância peruana. Foi ali que também comemos o melhor hambúrguer de cordeiro da nossa vida. No "Cara Negra", uma sanduicheria especializada em cordeiro, que eles criam lá mesmo no sítio atrás do bar. É descolado e tem drinks deliciosos. Faz valer a visita na cidade.
      Por todos os lugares que passamos, sempre procuramos pelo Mercado Central, que é onde encontra-se a essência do local. O Mercado Central de Tacna é imperdível. Tem de tudo. Especiarias, ervas, carnes, queijos, farinhas, biscoitos, frutas, verduras, doces, produtos de limpeza e muitas, muitas casas de sucos. Na "Juguería Sra Rosita", uma simpática senhora de sorriso frouxo e vontade de conversar, tomamos maravilhosos sucos de melão e de morango, muitíssimo bem servidos, de ficar na memória. Conhecemos também Miguel, dono de uma barraca de remédios de plantas medicinais, que sabia a erva ideal para absolutamente todo tipo de enfermidade.
      Ao caminharmos de volta para o hotel, bem encantadas com a surpresa de Tacna, uma vendedora nos parou para oferecer azeite. Ao agradecermos e sorrirmos, ela trocou a oferta para um branqueador dental. Talvez por marketing, ou pela já citada fixação por dentes perfeitos dos habitantes da li. Tomara. 
      Por fim, antes de partirmos, passamos por uma casa roxa, um centro de, como dizia a placa, "Magia y Diversión". Sem isso, qual seria mesmo o sentido de tudo? Com a delicadeza dessa mensagem tão sutil e necessária, seguimos nossa viagem em direção a Arequipa.
       







       
       
      - Onde ficamos:
      Ficamos no Nice Inn Tacna, no centro da cidade, com atendimento muito cordial. As pessoas são super simpáticas, o quarto era confortável, chuveiro quente e café da manhã bem simples. 
      Nice Inn Tacna - Av Hipólito Unanue 147, Tacna 23001, Peru / Telefone: +51 52 280152 / booking.com/hotel/pe/nice-inn-tacna.es.html - Onde comemos:
      Cara Negra - Cnel. Bustios 298 / Telefone: +51 952 657 540 / @caranegraoficialtacna / facebook.com/caranegraranchosanantonio/ - Onde fomos:
      Mercado Central de Tacna - Calle Francisco Cornejo Cuadra 809, Tacna 23003, Peru Plaza de Armas - Paseo Cívico de Tacna, Tacna 23001, Peru  
       Seguimos para Arequipa, Cuzco, Ollantaytambo, Aguas Calientes, Machu Picchu e Lima, que detalharemos em post separados. 
      https://www.instagram.com/trip_se_/
    • Por Jackie Erat
      Fala galera!
      Estamos em lockdown no Peru por mais de 2 meses e as coisas por aqui não estão melhorando. O isolamento obrigatório e total fica sendo extendido indeterminadamente a cada duas semanas.
      Assim, organizamos nossas fotos e vídeos de viagem, como um lazer terapêutico. Uma viagem pelas telas, uma fuga temporária da realidade.
      Meu marido e eu estamos viajando as Américas por mais de dois anos, quando a pandemia chegou sorrateiramente e suspendeu nossos planos.
      Mas foram dois anos muito bem vividos e eu gostaria de trazer nossos locais favoritos pra vocês. Temos o sonho e poder retomar a viagem no futuro e assim sabemos que tem muitos mochileiros por aí desenhando seus sonhos também, até como forma de manter a sanidade nesse momento tão difícil. Espero que esse relato lhe ajude a continuar sonhando!
       
      Imagens inspiram mais do que palavras, então para mostrar a vibe dos melhores locais, compilamos um vídeo
       
       
       
      E por escrito aqui vamos mandar os detalhes necessários para você poder fazer acontecer  
       
      Brasil, destinos mais irados:
      Lençois Maranhenses (ir no período em que as lagoas estão cheias). Valeu muito a pena cruzar o parque a pé e fazer o passeio aéreo também https://vidaitinerante.wordpress.com/2018/08/06/logistica-para-a-travessia-dos-lencois-maranhenses-a-pe/
      Chapada Diamantina - Outro parque nacional que vale a pena cruzar a pé. Indicamos o Guia Cid +55 (75) 99229-0256
      Costa dos Corais (Pernambuco à Alagoas), gostamos bastante de São Miguel dos Milagres. É menor, menos turistas, melhor qualidade da água do mar. Para quem estiver de passagem, gostamos de visitar o Canyon do Xingó. Não recomendo dirigir até lá só para isso, mas quem estiver dirigindo pelo litoral Brasileiro, vale muito a pena a parada.
      Canoa Quebrada, CE
      Jalapão: fervedouros (nosso favorito foi o fervedouro encontro das águas pois é o mais forte), cachoeira da formiga, lagoa do japonês, nascer do sol Serra do Espírito Santos
      Fernando de Noronha (caro, porém vale muito a pena)
      Cânions na divisa de SC e RS. Recomendo a trilha do Rio do Boi
      *Não conseguimos ir para a Amazônia ainda
      Vídeo para ajudar no planejamento de quem quer conhecer todo o litoral Brasileiro de carro: 
      Uruguai:
      Ver o carnaval deles, principalmente os encenarios populares no Teatro de Verano
      Colonia del Sacramento
      Cabo Polônio
       
      Argentina:
      Buenos Aires: Palermo Soho, Recoleta, Caminito
      Bariloche: é possível subir o bondinho até o topo da montanha de ski (Cerro Catedral) sem saber esquiar, caminhando. Melhor mês para curtir a neve é Agosto. Visitar a Colonia Suiza também, um charme
      Circuito Cafayate, Salta, Purmamarca, Salinas Grandes https://vidaitinerante.wordpress.com/2020/03/05/salta-preciosidade-ainda-nao-descoberta/
      *Não adentramos no coração da Patagonia pois não havía boas condições de internet e trabalhamos remoto (somos nômades digitais). Então nossas dicas não estão levando em consideração locais que não fomos
       
      Chile:
      Circuito São Pedro de Atacama à Uyuni (tentar ir em Fev ou Mar para pegar o efeito espelhado)
      Deserto do Atacama: conhecer as várias lagunas (ex: Baltinache), Valle de la Luna, Valle de Marte/Muerte, Geiser (se não foi no trajeto para Uyuni, se foi, dá para pular)
      Iquique: duna gigante junto à cidade, sandboarding
       
      Paraguai - não achamos nada de especial que valha a pena os problemas estruturais (ex: corrupção policial)
       
      Peru (não conseguimos visitar todo o país, fomos interrompidos pelo coronga)
      Arequipa (com certeza a cidade mais bonita do Peru). Sillar, Misty, centro histórico
      Puno: fiesta de la candelaria e Ilhas de Uros
      Colca Canyon
      Macchu Pichu (ir na período de seca)
       
      Quem quiser saber todas as paradas que fizemos nesses dois anos, mapeamos no tripline:
      https://www.tripline.net/trip/Trecho_j%C3%A1_percorrido-7160000020541014A251C736C09EF5CD
       
      Cada estrelinha nesse mapa foram locais que conhecemos. Não apenas de passagem, locais que ficamos um tempo, visitamos.

      O sonho continua vivo e é isso que nos mantém fortes para superar momentos difíceis. Sigam firme galera! Se cuidem e cuide do próximo, vamos sair dessa juntos!
      Abraços
    • Por MatheusMTH
      Gente quando acabar esse infeliz episódio do coronavirus eu pretendo ir a Argentina, porém planejei ir de Fortaleza até Foz do Iguaçu e de Foz até Puerto Iguazu e me hospedar por lá, porém reparei agora que não existem linhas de ônibus direto de Fortaleza pra Foz, alguém com mais experiência pode me dar uma força? Uma ideia
    • Por Adriana Araújo1502435418
      Salve galerinha do bem ! 
      Satisfação em compartilhar com vcs minha viagem de final de ano no Chile. Eu como uma boa geógrafa e louca por viagens tinha obrigação de ir conhecer o deserto, que afinal tá do lado da nossa casa por assim dizer 🤓.
      Eu passei Natal e Réveillon por lá, vou fazer um resumo dos assuntos relevantes mas se alguém quiser alguma informação só me contatar.
      Bom, eu planejei tudo em 4 meses, comecei com as passagens, hospedagens e pacotes dos passeios. Fechei tudo no Brasil. Embarquei 23/12/19 e fui direto pro Atacama ''c/ escala em Santiago pq n tem vôo direto p lá." Vc tem que chegar a Calama e de lá pegar um transporte para San Pedro " cidade base para quem vai ao deserto". 
      Eu fechei o transfer pelo decolar e deu tudo certo, a propósito fechei os passeios de Atacama com eles tbm. 
      A cidade de San Pedro é bem movimentada e fornece o básico para os viajantes, eu notei muita coisa de indústria brasileira lá nos mercadinhos, os preços em Atacama é BEM salgadinho, principalmente alimentação, as coisas ficam um pouco mais amenas fora de alta temporada, mas segundo o pessoal de lá não é muito diferente. Mas vale estar por lá...
      Existem restaurantes para todos os gostos!! Confesso que não sou apaixonada pela culinária chilena, mas uma coisa que eu ameiss foi o pão de lá... E o chopp, p/ os apreciadores não deixem de experimentar 😋

      Agora falemos então do magnífico deserto 😍
      São diversos passeios que vc pode fazer por lá, o bom do deserto é que a beleza de lá se encontra com todas as estações e tem atrações diversificadas. Eu vou citar os passeios mais marcantes p mim, mas se pretende ir, pesquise os que vc deseja conhecer de acordo com tempo e dinheiro que vc terá. 
      Sem dúvida o que eu mais gostei foi... 
      Ternas de Puritama 
      Olha a vista desse lugar e lá embaixo tem as piscinas termais. É muito interessante porque o sol tá rachando, aí vc pensa que vai tá muito quente p entrar em água com temperatura de 28-30 ° e aí que se encanta... Porque lá embaixo a temperatura cai e fica perfeito.

      O segundo eu destaco...
      Laguna Cejar
      Esse passeio é ideal para ser feito no verão porque a água é bem gelada. Com 40% a mais de sal do que a água do mar, seu corpo não afunda, porém não se recomenda molhar o rosto e tão pouco mergulhar e vc sai coberta de sal.

      E por fim vou destacar...
      Lagunas Altiplânicas e Piedras Rojas
      O lugar e lindo, lindo, o vento, o ar pela altitude, tive que mascar folha de coca p não sentir o ar  rarefeito. Vimos muitas Lhamas por lá foi bem legal, e apropósito a noite acabei indo comer carne de Lhama super tradicional por lá.
      Enfim o deserto é um lugar surpreendente de muitas aventuras e diferentes paisagens, se viagens pra curtir a natureza é teu forte então vc tem que fazer Atacama um dia!
      Agora vamos para  o posto de tudo isso hahaha... Santiago 
      Minha viagem aconteceu quando os protestos no Chile em 2019 já estavam controlados então foi sussa viajar por lá.
      É sabido que estamos falando sobre a capital neoliberal da América do Sul então... Empreendedorismo e modernismo e o foco de lá.
      Cidade agitada com muita comida e balada pra quem gosta. No verão Santiago perde sua maior atração que é o Valle Nevado, porém ele ainda oferece passeios. 
      Tire um dia pra dar um rolê no centro "tipo 25 de Março aqui em Sampa". Vale a pena pra fazer comprar e trazer presentes inclusive o Pisco "bebida típica" de lá rsrs. Vá ao Cerro de Santa Lucía e Mercado Municipal, eu fiz isso tudo no msm dia e o bom que dá pra ir a pé, e confesso que foi o dia mais agradável que eu tive, no final da tarde tomamos chopp e comemos no Mercado ao som de música típica e do zunzunzun de muitas conversas! 

      Depois de ficar ligeramente alegre e rindo a toa 🙈 pegamos Uber que por sinal até o momento não é legalizado mas funciona muito bem por lá, e fomos pro hotel. Falando nisso, o setor hoteleiro de Santiago é muito bom e o melhor é que, se vc procurar bem pode achar preços incríveis. Eu fiquei nesse hotel Maravilhento rs, por um preço ótimo.
      Para finalizar vou resumir os passeios clássico de
      Valparaíso e Viña del Mar
      Cidades costaneiras, na minha modesta opinião... Pura propaganda, não há nada a se perder em visitar, Valparaíso é uma favela antiga, que as imagens falem por si.
      Em Viña del Mar, tem o famoso relógio de flores, restaurantes de frutos do mar em abundância, mas para mim o que valeu foi passear pela orla e por o pé nas águas do pacífico Sul que é gelada demais, isso me fez valorizar nosso litoral top ❤️ e tivemos a sorte de ver leões marinhos  a 1mt. de distância.
      Bom enfim termino por aqui, esse foi meu primeiro relato, e peguei a  minha viagem mais recente, da um trabalho danado escrever sobre isso, então aproveitei o tempo de quarentena pra fazer isso. Esperamos o fim da pandemia para voltarmos a fazer nossas viagens com segurança pelo mundo! 
      Abraços e boa sorte 🙏 
       


×
×
  • Criar Novo...