Ir para conteúdo

Carolina, Chapada das Mesas e região


andreza

Posts Recomendados

  • 1 ano depois...
  • Respostas 103
  • Criado
  • Última resposta

Usuários Mais Ativos no Tópico

Usuários Mais Ativos no Tópico

Posted Images

  • Membros

Oi Carlos, e aí? Fez a viagem para a Chapada? Bom, não sei se minha informação ainda será últil, mas vou responder assim mesmo. Sim, de Açailândia sai o trem para São Luís. De Imperatriz mesmo tem o ônibus que lhe leva até Açailândia. O trem parte praticamente ao meio dia, chegando em São Luís à noite, às 21h30.

Link para o comentário
  • 2 semanas depois...
  • 2 meses depois...
  • Membros

Em Carolina existem varias pousadas, a pousada lages e uma boa opcao, porem e das mais caras, a vantagem e que eles tambem tem uma agencia de viagens e sao super gente boa o Vilmar dono da Cia do cerrado faz todos os passeios. Imperdiveis sao a cachoeira de pedra caida, o santuario e inesquecivel (particulamente e a q mais gosto) Alem dessa exitem muitas outras, cachoeira do itapecuru etc... a cachoeira de sta barbara junto com o encanto azul e poco azul e outro passeio q vc deve fazer. Esses sao em outro municipio. De repente vale a pena fazer o pacote com hospedagem e alimentacao. O melhor restaurante para almocar e em um posto na saida da cidade, para jantar na praca tem uma pizzaria, tb do Vilmar... a noite e o melhor lugar. A desvantagem da pousada Lages e q ela fica fora da cidade. Qualquer coisa, se tiver mais duvidas me avisa. Quanto aos trens saem por volta de meio-dia de um distrito uns 20 km de acailandia chamado Piquia. Chegam em sao luis depois das 21:30. Eles saem em dias alternados. O ideal para confirmar e entrar no site da empresa de onibus aparecida, eles podem orientar sobre os precos, inclusive do trem ja q em Imperatriz sao eles que vendem.

Link para o comentário
  • Membros

Olá Marcelo,

 

O ideal é contatar antes uma agencia de turismo, recomendo a Moropoia Aventurismo. É uma empresa de São Luís, mas tem uma agencia em na cidade de Carolina. De qualquer forma você vai precisar de guia em algumas cachoeiras. Quanto a pousada, sugiro a Candeeiros (http://www.pousadadoscandeeiros.com.br), é uma pousada bem organizada e o proprietário é muito gente fina. Entre no site para mais informações sobre a Chapada das Mesas e suas cachoeiras: http://www.turismo.ma.gov.br/pt/polos/chapada/

 

Relato da última viagem que eu fiz à Carolina (ano passado em junho):

 

Fui com um grupo de 10 pessoas. Saímos de São Luís rumo a Imperatriz de avião (GOL, conseguimos uma promoção daquelas de 1 real). Já havia contratado um serviço de van (Imperatriz - Carolina) por 400 reais ida e volta. Saimos de Imperatriz por volta das 10 horas da manhã e chegamos em Pedra Caída um pouco depois de 12h. Pedra Caída e Pedra Furada, na minha opiniao, são as duas melhores cachoeiras, elas ficam antes de chegar a Carolina. Fica em uma reserva e para entrar precisa pagar uma taxa (não me lembro quanto, acho que 5,00). A jardineira (uma toyota) e o guia da Moropoia já nos esperava lá. Decidimos almoçar só quando voltar das cachoeiras. Fizemos uma caminhada de uns 2km por um percurso um pouco acidentado com vista muito bonita sobre a chapada, depois descemos e andamos por dentro de um riacho de águas bem transparente (muito legal). Chegamos a Pedra Caída, um local muito lindo, com uma queda d'agua de 50m em uma espécie de piscina ladeada por enormes paredes de rocha. Depois fomos a Pedra Furada, tão bonito quanto.

 

Almoçamos no local, tem um restaurante apenas, mas a comida é farta e boa. A jardineira nos levou para Carolina, no percurso passamos (ao longe) pelo morro do Chapeu, o motorista deu uma paradinha para vislumbrarmos a paisagem e tirar umas fotos.

 

Chegamos à pousada pouco antes do por do sol. Eu e minha esposa ainda corremos para o rio Tocantins para tirar umas fotos do por-do-sol, que por sinal é muito bonito. Alguns de nós saímos depois para jantar (cachorro quente, hamburger e pizza) em uma praça bem agitada no centro de carolina. Demos uma volta pela cidade e tomamos um sorvete. A cidade é muito legal e organizada, bem arrumada se comparada com as outras cidades do Maranhão.

 

No dia seguinte, visitamos mais três chachoeiras no município de Riachão (130 km de Carolina). Alguns trechos só de 4x4. Saímos às 8h. As três ficam em uma reserva particular (tem que pagar pra entrar, acho q 7 reais pelas três). Santa Barbara (que é a maior queda d'agua da região - 75m), Poço azul e cachoeira de Santa Paula. Para chegar as cachoeiras faz-se uma caminhada por um percurso bem acidentado com vistas maravilhosas. Santa Barbara tem água bem escura e gelada, mas a queda é sensacional. Nesse dia recomento levarem óculos de mergulho para verem o fundo do Poço Azul. Se tiverem uma bolsa estanque para tirar foto debaixo d'aqua é melhor ainda. O Almoço é na própria reserva, comida caseira que você deve reservar antes de ir para as cachoeiras, a comida é muito boa, farta e barata (lembrando que é uma comida simples).

Levem algo para se proteger do frio, na volta faz muito frio por causa das baixadas contrastanto com o intenso calor do dia. Chegamos em Carolina por volta das 20h.

 

No terceiro dia visitamos mais quatro cachoeiras pequenas (Dodó, mansinha e outras duas que não lembro o nome), dentre elas uma fonte de água mineral, onde um amigo nosso se machucou, pulou na pequena queda d'agua (que é muito forte) e foi jogado contra a parede, por sorte só arranhou o joelho. Foi um passeio mais leve, mas as trilhas de toyota foram bem emocionantes, algumas só 4x4. Voltamos a Carolina as 16h, o almoço já tinha sido reservado pelo pessoal da Moropoia. Novamente, comida caseira, farta, barata e muito gostosa.

 

Saímos de Carolina logo após o "almoço" por volta das 18h rumo a Imperatriz. Dois amigos nossos ainda ficaram mais um dia, para fazer algo mais radical. Sugeri as cachoeiras do rio Farinha (São Romão, Itapecuruzinho, Prata etc), em algumas dá pra fazer rapel. A maioria delas deve ser feito apenas com veículo de tração. Outras atividades radicais que podem ser feitas: Balonismo, Canoagem, Canyoning, Cavalgada, Caving, Espeleologia, Mountain Bike, Off-Road, Rafting, Rapel, Tirolesa, Trekking.

 

Chegamos em Imperatriz por volta de 20h. Como o meu voo era 21:30, fiquei logo esperando. Algumas pessoas que foram de TAM, e o voo era mais tarde, ainda visitaram Imperatriz. Fim da viagem. Gastamos cada um, mais ou menos, 500 reais. O que eu achei muito barato considerando todas as belezas que vimos.

 

Desculpem-me se errei alguma informação ou esqueci algum detalhe importante, já faz mais de um ano.

Qualquer infomação a mais é só perguntar.

 

Vitor.

Link para o comentário
  • Colaboradores

Caros,

 

Obrigado pelas informações.

 

Vitor, como você programou esses esquemas de toyota? Será que eu chegando na cidade consigo reservar isso em agências locais? O grande problema é que estou indo sozinho e estou meio receoso de chegar lá e ficar muito caro para uma pessoa só.

 

Abs

Marcelo

Link para o comentário
  • 2 semanas depois...
  • Membros de Honra

Pessoal, estive em Carolina em julho último. Aqui vai a minha contribuição para quem está planejando conhecer a região:

 

A cidade-base para conhecer a Chapada das Mesas é Carolina, no sul do Maranhão. Os aeroportos mais próximos são os de Araguaína (TO) e Imperatriz (MA). Araguaína fica a 110km de Carolina e recebe vôos da Gol (www.voegol.com.br). Imperatriz fica a 222km e recebe vôos da Gol (www.voegol.com.br) e da TAM (www.tam.com.br).

 

Com este breve relato da minha viagem a Carolina quero dar uma idéia dos atrativos da região e de que formas é possível conhecê-los. Os custos também estão todos discriminados (julho de 2008). As cachoeiras ficam muito distantes da cidade e é preciso recorrer ao transporte público, um carro próprio ou alugado, um táxi, um veículo 4x4 (só em alguns casos) ou um passeio organizado pelas duas agências de ecoturismo da cidade.

 

Não acredite quando lhe disserem que é necessário um veículo 4x4 para conhecer todas as cachoeiras de Carolina. A verdade é que é preciso carro desse tipo para conhecer apenas as cachoeiras do Prata, São Romão, Capelão e Caverna (e os 5km finais até o Encanto Azul).

 

Só a duas cachoeiras é possível chegar facilmente usando o transporte público: Itapecuru e Pedra Caída. A Cachoeira do Dodô fica a 1850m da rodovia, segundo a placa, mas não a conheci.

 

Como eu estava sozinho, alugar carro ou fretar um táxi obviamente estavam fora de cogitação. Precisava então encontrar outros viajantes para dividir despesas e isso só foi possível através das agências. Mesmo viajando em alta temporada (julho/08), não foi fácil encontrar turistas na cidade para formar um grupinho e diminuir os custos dos passeios.

 

As duas agências em Carolina são: Cia do Cerrado, do Vilmar (99-3531-3222, 99-8122-0017, 99-8122-0315, www.ciadocerrado.com.br, ciadocerrado@ciadocerrado.com.br) e Expedições Ecoturismo, do Marcelo e da Monique (98-9617-7773, 98-8112-4818, 99-9124-1149, www.expedicoesecotur.com.br, expedicoes@expedicoesecotur.com.br). Há também o Wagner que faz passeios e atende pelo 99-3531-3541. A agência Moropóia Aventurismo fechou.

 

Abaixo alguns preços da agência Expedições Ecoturismo (jul/08). Fique atento pois esses preços são por pessoa, o que torna essa viagem um pouco cara. Para ajudar a diminuir os custos, descrevo à frente algumas alternativas mais em conta que pude apurar.

 

1. Riachão (Cachoeiras Santa Bárbara e Santa Paula, Poço Azul, Encanto Azul)

2 pessoas - R$175

3 pessoas - R$150

4 pessoas - R$125

 

2. Cachoeiras São Romão e Prata

2 pessoas - R$175

3 pessoas - R$150

4 pessoas - R$125

 

3. Cachoeiras Capelão, Caverna, Dodô, Mansinha e Portal da Chapada

2 pessoas - R$145

3 pessoas - R$100

4 pessoas - R$90

 

03/07/08 - qui - SÃO PAULO/IMPERATRIZ

Cheguei a Imperatriz no vôo da Gol com duas horas de atraso. Não há ônibus do aeroporto à rodoviária. Como não tinha noção da distância e já era muito tarde, peguei um táxi, que me cobrou o absurdo de R$20 por uma corrida de cerca de 5 minutos. Ao lado da rodoviária há diversos dormitórios que cobram R$20 por uma noite sem café e com banheiro no corredor. Dormi num chamado Tropical.

 

04/07/08 - sex - IMPERATRIZ/CAROLINA e CACHOEIRA ITAPECURU

Ônibus na rodoviária de Imperatriz para Carolina só da empresa Transbrasiliana (R$25; 99-3523-2755, 99-3523-2662), que sai diariamente às 7h (único horário). Perdi esse ônibus por poucos minutos e tive de apelar para a cooperativa de vans atrás da rodoviária, que tem saídas a cada hora ou hora e meia (R$30). A viagem dura 3 horas, inicialmente pela Belém/Brasilia até Estreito e depois continuando pela BR010 até Carolina. Os ônibus e vans não chegam até o centro de Carolina pois a rodoviária fica 3km antes da cidade. Dali é preciso caminhar (o sol é implacável) ou pegar um moto-táxi ou táxi; este após uma regateada fica em R$5. Foi o que fiz. O motorista me deixou na pousada Morro do Chapéu (99-3531-8571), que é muito simples mas tem quartos com ar-condicionado. O quarto com banheiro, TV e ventilador custava R$20 (com café-da-manhã), mas pechinchando dá pra conseguir um preço melhor. A moça da pousada já foi logo me dando dicas de como conhecer as cachoeiras da região e me arranjou uma carona para a Cachoeira Itapecuru à tarde. Almocei no Mocotozim, uma das duas opções de restaurante na cidade (o outro se chama K-Funé). Ótimo comercial de filé mignon por R$12. Esqueci de pedir o guaraná Jesus, refrigerante exótico que só é vendido no Maranhão! A Cachoeira Itapecuru fica a 33km da cidade e também é possível chegar a ela pegando na rodoviária de Carolina a van que vai para Riachão e caminhando 800m da rodovia até a cachoeira. Porém ali tive a minha primeira decepção pois imaginava que essas cachoeiras fossem quase selvagens. Puro engano. Itapecuru é um balneário com chalés, bar, restaurante, garçons que servem as mesas junto ao poço da cachoeira. O volume de água das duas quedas é muito grande, tanto que deu origem à primeira usina hidrelétrica da Amazônia (1941), sendo reconstruída em 1966. As ruínas estão ainda lá.

 

Alternativa mochileira para conhecer o atrativo de hoje: van de linha de Carolina a Riachão. É só pedir para descer perto da Cachoeira Itapecuru e caminhar mais 800m.

 

05/07/08 - sáb - PEDRA CAÍDA

 

Fui conhecer a outra cachoeira possível de ser alcançada por transporte público, a Pedra Caída, a 37km de Carolina. A van (R$5) sai como sempre da rodoviária (3km de Carolina) e segue em direção a Estreito. Desci em frente à propriedade que abriga a Pedra Caída. Ali tive a minha segunda decepção. O lugar não só era um balneário com bar e chalés como a entrada era bem "salgada". R$5 só para pisar lá dentro e usufruir de duas piscinas de água corrente, um riacho e o bar. Nada que me interessasse. Para conhecer o chamado santuário da Pedra Caída, o principal atrativo do lugar, era preciso desembolsar mais R$15 e ir com monitor deles. E para ir até a Cachoeira da Pedra Furada, também com monitor, nada menos que R$40, que podia ser rateado por quatro pessoas. Apesar de chegarem visitantes constantemente, ninguém queria saber de caminhar os 2km até a cachoeira da Pedra Furada. Tive de me contentar com o santuário. E valeu a pena. O percurso é belíssimo, um rio de água cristalina correndo no fundo de um cânion recoberto de samambaias e longas raízes despencando pelas paredes de quase 50m. O cânion se estreita até terminar num recinto fechado em forma de funil onde despenca uma enorme cachoeira.

Consegui carona para voltar a Carolina.

Jantei na outra alternativa que há na cidade, o K-Funé (R$12 o filé de frango). Atendimento péssimo e comida sem sabor.

Depois sorvetes regionais (murici e bacuri) na sorveteria Sabor Natural, a mais antiga da cidade, com 50 anos (R$2,40 duas bolas).

 

Alternativa mochileira para conhecer o atrativo de hoje: van de linha de Carolina a Estreito. É só pedir para descer na Cachoeira Pedra Caída e atravessar a estrada. Das altas taxas de visitação é difícil se livrar.

 

06/07/08 - dom - SANTA BÁRBARA, POÇO AZUL E ENCANTO AZUL

 

Fiz o primeiro passeio contratado com agência da cidade. Fui para o Riachão com a Cia do Cerrado. Junto comigo apenas um casal, o que elevou o custo do passeio a R$150 por cabeça.

O Zezinho passou com o jipe às 6h30 na pousada. De Carolina a Riachão são 104km, a maior parte em asfalto todo esburacado. Depois mais 30km em estrada de terra com pequenos trechos de areia, mas que não exigem carro 4x4 (pelo menos com a areia seca como estava). Após três horas de viagem, chegamos enfim ao Parque Ecológico Santa Bárbara, uma propriedade particular que cobra R$3 a entrada (exceto dos que chegam por agência). De novo as cachoeiras ficam dentro de uma propriedade, porém desta vez não me decepcionei pois o lugar é bem rústico (ou sou eu que já estou me conformando). Ali estão as cachoeiras dos Namorados, Santa Paula e Santa Bárbara, além do encantador Poço Azul, que estava verde ainda. Importante: o Poço Azul só fica azul e transparente (como nas fotos promocionais) bem depois de findadas as chuvas, o que costuma ser lá por agosto ou setembro. Consulte as agências para saber a época certa a cada ano.

A grande dica aqui é: NÃO vá de domingo. O Poço Azul pode ir de paraíso a inferno em poucos minutos. Foi o que aconteceu, para nosso azar. Uma turma enorme e barulhenta, como que saída de um estádio de futebol, invadiu e tomou conta do poço e acabou por expulsar todos os visitantes tamanha a gritaria que faziam.

Saindo do parque ecológico, seguimos por estradas de areia por mais 5km, estes sim exigindo um carro 4x4, até uma outra propriedade onde se encontra o Encanto Azul, um estonteante poço azul e totalmente transparente, mesmo com 6m de profundidade, localizado no fundo de um pequeno cânion. Lugar de natureza muito frágil que precisa ser bem cuidado para que não se deteriore rapidamente pela ação de visitantes descuidados. A dica aqui é levar máscara e snorkel para fazer flutuação.

O Parque Santa Bárbara serve almoço, porém quando subimos para almoçar a comida havia acabado, o que nos obrigou a comer mais tarde num muquifo à beira da rodovia (R$6,50 o PF de carne), perto da cidade de Riachão.

 

Alternativa mochileira para conhecer o atrativo de hoje: é possível ir de Carolina a Riachão com van de linha e em Riachão procurar alguém (um táxi ou um carro fretado) que leve até o Parque Santa Bárbara (30km). Se for sábado é possível conseguir uma carona. Não vá de domingo, não estrague esse passeio tão bonito. Do parque até o Encanto Azul peça carona (caminhar os 5km pode ser complicado por causa das bifurcações).

Outra alternativa, mais confortável, é fretar um táxi em Carolina com outras pessoas. Negociando o preço com o taxista sai bem mais barato do que com as agências. Procure indicação de um taxista de confiança.

 

07/07/08 - seg - MORROS DA CHAPADA DAS MESAS

 

Esse foi um dia em que não apareceu mais ninguém para fazer passeio pelas agências. De manhã, andei pela cidade e tirei fotos do Rio Tocantins. A praia, do outro lado do rio (já no estado do Tocantins), é uma opção para se refrescar do calor. Vi-a de longe apenas e não me atraiu.

No meio da tarde fiz um passeio que nenhuma agência faz. Fechei com um taxista uma corrida até os morros mais bonitos da estrada que vai em direção a Estreito, com paradas onde eu quisesse para fotografar. Depois de muita negociação o preço caiu para R$40. Fomos da cidade até o Morro do Tamanduá com paradas na ida e na volta para fotos e com direito a subida ao Portal da Chapada para uma visão ainda mais bela das Mesas.

Para o jantar, dei mais uma chance ao K-Funé, mas me decepcionou de novo. O peixe (R$15) veio sem sabor e a comida em geral estava meio fria.

Detalhe para os alérgicos a insetos: a quantidade de mosquitos no quarto da pousada à noite era enorme.

 

Alternativa mochileira para conhecer o atrativo de hoje: em lugar de fretar um táxi para fotografar os morros, pode-se negociar com um moto-táxi um preço bem melhor.

 

08/07/08 - ter - PEDRA CAÍDA

 

Dia do segundo passeio com agência. Fui para as cachoeiras do Prata e de São Romão com a Cia do Cerrado. Comigo mais

oito pessoas, o que barateou um pouco o preço (R$80).

O Zezinho passou às 6h30 na pousada. Fomos numa camionete com bancos e cobertura na carroceria. Tomamos a estrada para Estreito e depois uma estrada de terra que logo se tornou um circuito off road em pleno cerrado, com muita areia, buracos, degraus, riachos sem ponte e centenas de bifurcações. Avistamos um veado-campeiro, emas e seriemas no trajeto de quase duas horas.

Próximo à Cachoeira do Prata há casebres rústicos que servem refeição mediante encomenda, mas não comemos ali. Essa cachoeira fica no Rio Farinha e na outra margem já é o município de Estreito.

Dali até a Cachoeira de São Romão foi mais um longo trajeto off road de cerca de duas horas de pulos e solavancos. Uma ponte havia caído no caminho mais curto e foi preciso dar uma volta enorme.

Na São Romão também há almoço sob encomenda, mas todos optaram por lanche de trilha. O meu, comprado no mercadinho, custou um terço do preço que a agência cobrou do resto do pessoal. A curtição aqui é a praia fluvial abaixo da cachoeira e entrar atrás da enorme queda-d'água, onde há uma grutinha toda recoberta de musgo.

Jantei nesse dia no Mocotozim (R$12 o comercial de filé mignon) e finalmente provei o guaraná Jesus. Dizem que tem sabor de canela, mas pra mim tem gosto de framboesa bem artificial.

 

Alternativa mochileira para conhecer o atrativo de hoje: a alternativa mochileira para hoje é bem complicada. Para os mais radicais, que não suportam a idéia de sair com agência, pode-se tentar uma maneira bem precária de conhecer a Cachoeira São Romão: há uma Toyota de linha (pau-de-arara mesmo) que sai de Estreito e vai até a São Romão, onde pernoita. Pode ser uma opção se for permitido acampar por lá. Como não fiz dessa forma, é melhor confirmar tudo isso antes de arriscar.

Tive notícia de que a estrada de Estreito para essas duas cachoeiras está sendo melhorada, o que pode facilitar o acesso através dessa cidade e diminuir o custo do passeio. Porém para a preservação dessas cachoeiras essa pode não ser uma boa notícia.

 

09/07/08 - qua - CACHOEIRAS CAPELÃO E CAVERNA

 

Meu terceiro e último passeio com agência. Dessa vez com a Expedições Ecoturismo, para as cachoeiras Capelão e Caverna.

O Marcelo me apanhou na pousada às 8h30. Fui com mais quatro pessoas e o custo desta vez foi de R$75. Seguimos de novo pela rodovia que leva a Estreito e entramos numa estrada de terra à esquerda, que logo se tornou um off road pesado mas não tão longo quanto o de ontem. Primeiro a Cachoeira do Capelão, bastante selvagem, sem nenhuma estrutura turística próximo. Depois a Cachoeira da Caverna, ainda mais bonita e igualmente selvagem com direito a revoada de morcegos na chegada.

 

Alternativa mochileira para conhecer o atrativo de hoje: hoje a alternativa está bem complicada também. Seria preciso ter as coordenadas das cachoeiras num GPS para poder chegar a elas a pé. Carro comum não resolve nesse caso.

 

À tarde, deixei Carolina com destino a São Luís. As opções eram:

1. ir para Imperatriz com van (R$30) e de lá seguir em ônibus para São Luís, com a passagem Imperatriz-São Luís da Transbrasiliana (R$67) e da Açailândia podendo ser comprada ali mesmo em Carolina (passagens das outras empresas - Progresso e Aparecida - só poderiam ser compradas na chegada a Imperatriz pois não têm guichê na rodoviária de Carolina).

2. ir para Balsas com ônibus da Transbrasiliana e depois outro da mesma empresa para São Luís. Essa opção deve ser boa pois havia lotado fazia alguns dias.

 

Um problema a ser considerado no trecho Imperatriz-São Luís são os assaltos aos ônibus. A Açailândia é a única empresa que tem escolta durante a viagem. Segundo me contaram, isso não impediu a ação de um assaltante que se fez passar por passageiro para cometer o assalto. Uma pessoa me disse que no trecho Balsas-São Luís os assaltos são menos freqüentes do que no trajeto Imperatriz-São Luís.

 

Há ainda a opção de pegar o trem da Vale do Rio Doce em Açailândia (a 70km de Imperatriz e 293km de Carolina). Preços e horários em julho/2008:

Açailândia-São Luís: terças, sextas e domingos às 12h20 (com chegada às 22h)

São Luís-Açailândia: segundas, quintas e sábados às 8h (com chegada às 17h30)

Preço da passagem: R$51 na classe executiva (ar-condicionado) e R$22,50 na classe econômica.

Para informações: 0800-2857000

Editado por Visitante
Link para o comentário
  • 6 meses depois...
  • Membros

Estou planejando uma viajem pra Chapada das Mesas para Julho/09. O objetivo principal será um festival de e-music na ilha dos Botes (que desaparecerá após uma inundação para a construção de uma hidrelédrica), mas pretendo chegar antes do evento para conhecer alguns encantos da Chapada das Mesas. Gostaria de saber se Carolina é realmente a melhor opção pra conhecer essas cachoeiras? E quais são as atrações imperdíveis, vendo que terei apenas 3 1/2 dia para esse ecoturismo na região?

 

Ahhh será que alguém daqui tb estará entre (18/07 e 22/07) em Carolina??? É mais provavél que farei esse passei sozinha.... cia???

 

Obrigada! Bjão!

Link para o comentário
  • 3 semanas depois...
  • Silnei changed the title to Carolina, Chapada das Mesas e região

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


×
×
  • Criar Novo...