Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Pergunta

Oiii gente. Tudo bem?

Gostaria da opinião de vocês. Em maio de 2020 pretendo passar uns 20/25 dias mochilando sozinha pelos seguintes países: Itália(Não irei ficar muito, passarei por lá para pegar ônibus de Roma para Eslovênia), Eslovênia, Hungria, Eslováquia, Polônia e Alemanha). Vocês acham que R$10 mil dá para tudo? Pretendo ficar em hostel barato e fazer as minhas refeições nos hostels. Irei de um país para o outro de ônibus, vi que os preços desse roteiros são em conta. 

 

O que vocês acham?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Posts Recomendados


  • 0

Se Real não derreter até 2020, e se você não esbanjar nos gastos, também acho que dá.

  • kkkkkkk 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 0

Dá sim... Eslovênia, Hungria, Eslováquia e Polônia são países mais baratos que a média da Europa... Alemanha pode ser de custo médio (na região de Berlim) ou custo alto (na região da Bavária, em Frankfurt)...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 0

Se você for bem controlada, imagino que dê.

No final do ano vou em meu primeiro mochilão de 23 dias e meu orçamento é até 10 mil também.

De acordo com meus cálculos, minha viagem (Escócia/Inglaterra/Bélgica/Luxemburgo/França/Holanda) está em R$ 8.200, mas ainda falta incluir as roupas de inverno, uns 3 passeios e uma reserva de emergência.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

  • 0

Tudo vai depender do seu estilo de viagem...

Coloque na planilha os custos "fixos" como os de Voo, seguro viagem, translado entre cidades e estadia. Isso vai "comer" uma boa parte da sua grana.

O que sobrar, vai definir como você vai poder passar em relação a comida e passeios.

Considere uma sobra devido a variação cambial.... talvez não dê 25 dias, mas 20 eu acredito que dê sim...  só vai depender de vc. Utilize muito a questão do custo benefício. As vezes , uma hospedagem um pouco mais cara te faz economizar devido a locomoção... 

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 0

10 mil incluindo a passagem? Se for vai morrer uns 2k na passagem comprando em promoção,  mais 300 em seguro viagem, e mais uns 600 em passagens internas voando Low-Cost. Ai você tem 7k, o que dá uns 1600 Euros. Uma boa estimativa:

Mochileiro Roots>>> Hospedagem em couchsurfing ou barracas, comida de mercado todo dia, sem passeios pagos >>> até 30 Euros por dia rola.

Pra Mochileiro Econômico >>> Hospedagem em bons hostels, comida uma variante entre mercado, cozinhar, comida de rua e fast-food, alguns passeios turistões pagos, uma ou outra balada gastando pouco>>. 50/60 Euros por dia

Mochileiro esbanjador >>. variando entre hostels e hotéis, balada quase todo dia, encher a cara, passeios, comer bem todo dia, etc.. >>> 100 Euros por dia ou mais.

Valores por pessoa. Esse cálculo vale pra Europa ocidental (cara). Leste europeu pode estimar 30% a menos.

Acho que dá no modo econômico pra uma viagem de 25 dias em uns 4 ou 5 destinos relativamente pertos. Ai tudo depende de você. No modo roots tu sobrevive mais de um mês, no modo esbanjador mal dura uma semana. Então no seu caso vai rolar e tranquilo, podendo até esbanjar alguns dias.

Estranhamente no país mais caro (Reino Unido) foi o que gastei menos, acho que estava o tempo todo pilhado com gastos, em Dublin dormi na casa de colega e nos pubs tomava no máximo 3 pints de Guiness hehehhe. Fiz muita coisa, fui no London Eye, museu Britanico, fiz quase tudo a pé, pois pegava hostels bem localizados mesmo tendo que gastar um pouco mais. Todo os hostels paguei no dinheiro reservando pelo booking, o mais caro foi o de Paris, uns 25 Euros a diária, mas era bom.

Alimentação: Basicamente mercado quase todo dia, comprando comida pronta e montandoSanduiches com queijo, salame, tomate, presunto Parma (barato na Europa), comprei algumas frutas e iogurtes, senti que me alimentei bem em Paris e Londres, o mesmo não posso dizer de Budapeste e Praga. De vez em quando fast-foods, como Mcdonalds, Subway, KFC, alguns doners de rua em Berlim e Paris. Em Dublin cozinhei na casa de colega. EM praga e Budapeste me dei ao luxo de restaurantes baratos, mas comida bem esquisita, não me agradou.

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 0

Com certeza dá!

Acabei de passar 28 dias entre Lisboa, Coimbra, Porto, Salamanca, Avila, Madri, Toledo, Segovia, Paris e Barcelona, e no último dia ainda consegui uma parada perfeita de 14 horas em Roma. O dinheiro deu e sobrou para comprar alguns perfumes em Paris, algumas roupas e uma mochila nova em Barcelona.

Conseguia almoçar todo dia em Restaurante, gastava em média 15 euros por dia nesta refeição e mais uns 8 euros em mercado para um lanche a noite e ainda coisas para café do outro dia que apesar de ter na maioria dos hostels eu saia sempre muito cedo para fazer fotos com a luz do amanhecer.

Minha previsão era usar 70 euros / dia, mas contando com uma ou duas atrações pagas encostava em 50 euros e raramente passava. 

Se aproveitar as baixas do euro, vai sobrar dinheiro.

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

  • 0

Acredito que de sim! 

Quando mochilei na Europa em 2013, gastei um total em torno de R$ 13 mil. 

Incluindo tudo, passagens (Brasil + passagens locais), alimentação, hospedagem, etc.

Foram em torno de 7 países, dentre eles Alemanha, França, Bélgica, Inglaterra, etc.

Como pretende ficar em hostel e comer por lá mesmo, acho que isso que te consumiria mais dinheiro.

Obs: Pretendo fazer esse roteiro futuramente! Se possível faça um relato quando voltar! 

Boa viagem! 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 0

Na minha opinião, com o Euro a 4,30 (turismo 4,50), só dá se você contabilizar os 10.000 reais sem a passagem aérea.

Com muita sorte você acha um voo de ida e volta a R$3.000,00 (abaixo disso somente com datas extremamente flexíveis, pra quem trabalha e tem datas exatas é quase impossível). Mas o padrão mesmo é uns R$3.500,00.

Aí sobram R$7.000, ou 1.555 euros. Isso dá um total de 62 euros/dia, que na minha opinião é muito pouco. Se fosse somente gastos do dia a dia seria razoável, mas aí tem compra de passagem entre cidades, seguro viagem, trecho interno no Brasil caso não haja voo direto da sua cidade pra Europa, etc.

Ou seja, ficaria extremamente apertado, e na minha opinião dificilmente daria. Agora, se os R$10.000 são à parte do voo Brasil - Europa, aí dá tranquilo, até menos eu acho (uns 8 a 9 mil já seriam suficientes).

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 0
2 horas atrás, Marco_AV disse:

Quando mochilei na Europa em 2013, gastei um total em torno de R$ 13 mil. 

Estas comparações com custos de vários anos atras são totalmente equivocadas e só induzem as pessoas ao erro!

Em 2013 o Euro estava custando R$ 2.50, mas hoje está custando R$ 4.30, uma alta de 72%

Fazer exatamente a mesma viagem hoje, está 72% a mais cara simplesmente por que o Euro está  bem mais caro.

Ou seja, se fosse fazer exatamente a mesma viagem, hoje você gastaria R$ 22.360 e não 13 mil

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder esta pergunta...

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Mari D'Angelo
      📷 Texto original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/guia-viagem-estocolmo/
      Estocolmo é daquelas cidades que parecem ilustração de lata de biscoito, sabe? Um skyline de prédios baixinhos preenchendo as ilhotas formadas entre os canais que cortam a capital. Pelas janelas avistam-se apartamentos aconchegantes e escritórios bem decorados.
      As ruas, seguras e limpas, são ocupadas por pessoas praticando atividade física (mesmo no frio congelante do inverno) e muitas famílias com crianças. Trânsito? Quase que só o de bicicletas na hora de saída do trabalho. Também não há superlotação de habitantes ou turistas, o que torna a cidade muito agradável de conhecer.
      A Suécia, terra de gigantes como IKEA, H&M e Spotfy, já figura há um tempo no topo da tabela do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) mundial, e não é difícil perceber o porquê. O país tem políticas muito avançadas em relação a temas como licença parental, igualdade de gênero e diversidade sexual. E embora cobre impostos altíssimos de seus habitantes, isso tudo é refletido de forma muito positiva no bem estar e na qualidade de vida dos suecos. Claro que, como em qualquer lugar do mundo, tem também seus pontos negativos. Embora o salário dos suecos seja em média muito bom, para turistas Estocolmo é uma cidade bastante cara. Além disso, o clima frio e o fato de ter poucas horas de luz nos meses de inverno (em Janeiro por exemplo o sol se põe em por voltas das 15h30) pode não agradar a muita gente

      Informações básicas
      Moeda: Coroa sueca (1€ = 10SEK aproximadamente). Prefira levar cartão de crédito ou cartões multimoedas como o Revolut pois é o meio de pagamento mais comum. Muitos estabelecimentos inclusive nem aceitam notas e moedas, estando identificados como “Cash Free Zone“.
      Língua: Sueco, mas a maioria da população fala inglês fluentemente.
      Fuso horário: A Suécia está 4 horas adiantada em relação ao horário de Brasília (+1h no horário de verão sueco) e 1 hora adiantada em relação à Portugal continental.
      Política: O regime sueco é o de monarquia constitucional. O rei Carl XVI Gustaf é o atual chefe de estado para funções cerimoniais.
       
      Como chegar do aeroporto ao centro de Estocolmo
      Para ir do Aeroporto de Arlanda ao centro da cidade há algumas opções disponíves, sendo essas as principais:
      Arlanda Express: A opção mais rápida, pois é um trem expresso que liga o aeroporto ao centro da cidade. O valor é aproximadamente 30€ e a viagem dura 20 minutos. Confira aqui o site oficial com mais informações.
      Trem Convencional: Parte dos terminais 4/5 (é possível chegar a pé, por dentro do aeroporto mesmo) e custa por volta 18€. O trajeto até a Estação Central é de aproximadamente 40 minutos. Como é um transporte convencional, os trens têm diferentes destinos, por isso é preciso ter atenção à plataforma e o horário de partida.
      Ônibus: O ônibus é a opção mais barata e também a mais demorada. O custo é de aproximadamente 9€ e o tempo em média 50 minutos.
      Taxi: A opção mais confortável mas também a mais cara. O valor é em média 60€ e o tempo aproximadamente 40 minutos.
      Para informações mais detalhadas consulte o site do Aeroporto.
       
      O que fazer em Estocolmo?
      A capital sueca é na verdade um arquipélago composto por 14 ilhas banhadas pelas águas do mar Báltico e ligadas entre si através de pontes.
      Vou deixar aqui sugestões de coisas para fazer em algumas delas e um mapa para entender melhor as divisões. Muitas empresas também oferecem passeios de barco prometendo mostrar a cidade por outro ângulo.
      Considero 3 dias um bom tempo para conhecer o principal, mas se tiver oportunidade de ficar mais um pouco, é definitivamente um daqueles lugares onde vale se perder sem pressa! Eu fiz tudo a pé, mas se o tempo for curto pode apelar pelo transporte público, que é bastante eficiente, ou alugar uma bike, já que a maior parte da cidade é plana.
      Se a ideia for entrar em muitas das atrações turísticas pode valer a pena comprar o Stockholm Pass.

       
      ▸ Norrmalm e Östermalm
      Norrmalm é o centro comercial de Estocolmo, aquela parte da cidade mais cosmopolita, com lojas de redes internacionais e a movimentação dos turistas.
      Kungsträdgården, a praça central da cidade, é rodeada por cafés, lojas, restaurantes e hotéis e é palco para eventos ao ar livre no verão e pista de patinação no gelo no inverno, além de dar um show na primavera, com a floração das cerejeiras.
      As vias próximas à Estação Central também são bastante movimentadas, como a Drottninggatan, famosa rua de pedestres cheia de lojas e restaurantes, e a praça Hötorget, onde rola uma feira bem eclética, que vende desde apetitosas frutas e legumes até flores e antiguidades. O bairro vizinho, Östermalm, já é bem mais sofisticado, destino de quem pretende fazer compras em lojas de luxo. Mas mesmo para os pobres mortais é uma área bem agradável de conhecer, e dois bons motivos são o parque Humlegården e o mercado Östermalms Saluhall, parada perfeita para quem quer experimentar os sabores locais.
       
      ▸ Gamla Stan
      É o centro velho de Estocolmo, uma das partes mais interessantes da cidade. Entre as atrações estão o Palácio Real, o Museu do Prêmio Nobel e a Catedral de São Nicolau. A encantadora Praça Stortorget, um dos cartões postais de Estocolmo, é o coração da região.
      A maior delícia de Gamla Stan é se perder por suas ruelas medievais, que durante o dia são cheias de vida e à noite calmas e silenciosas. É só entrar em qualquer loja de souvenir para notar algumas figuras que fazem parte da cultura sueca e da mitologia nórdica, como o delicado Dala Horse e as réplicas de pedras rúnicas escandinavas. Tudo isso tem histórias interessantíssimas que só dão mais vontade ainda de explorar a Suécia!
      Gamla Stan também é um bom lugar para comer. Entre as muitas opções de restaurantes, minha sugestão para quem quer conhecer a culinária tradicional sueca é o Aifur, que tem todo um ar medieval ornando perfeitamente com a região!
      Para mais dicas de restaurantes em Estocolmo e comidas típicas da Suécia veja este post!
       
      ▸ Djurgården
      Essa é a ilha dos museus e parques temáticos. Para os fãs de Abba, há um museu interativo todo dedicado à banda. Já o Skansen Museum é um espaço à céu aberto que recria a vida na Suécia através de casas típicas e encenações. Um zoológico também faz parte dessa atração, por isso não visitei.
      Ainda em Djurgården fica o incrível Vasa Museum, dedicado à embarcação do século XVII que naufragou em sua primeira viagem e ficou 300 anos no fundo do mar. O navio foi resgatado, restaurado e colocado em exposição para que o público conheça em detalhes sua fascinante história.
      Quem tem crianças ou tempo de sobra, ainda pode explorar o Gröna Lund, parque de diversões mais antigo da Suécia.
       
      ▸ Södermalm
      Esse é o pedaço mais hipster de Estocolmo! Andando pela rua Götgatan e arredores dá pra sentir essa vibe nos suecos e gringos estilosos que frequentam os muitos cafés, galerias e brechós espalhados por lá (aliás, se é do time das roupas de segunda mão, Estocolmo é o paraíso!).
      Há também alguns museus interessantes como o Fotografiska, para os apaixonados por fotografia e o Stockholm City Museum, que é grátis, e conta de forma bem didática um pouco da história da cidade.
      Mas talvez o mais impactante dessa ilha seja a vista absurdamente incrível que se tem a partir do Monteliusvägen, uma trilha quase escondida com alguns mirantes espalhados pelo caminho. Pode não ser tão central ou próximo das atrações turísticas, mas garanto que vale muito a pena!
      Outros dois lugares para ver Estocolmo do alto são o terraço do Södra Teatern e o topo do Katarinahissen, um elevador que liga a parte baixa a alta da cidade e onde funciona o restaurante panorâmico Eriks Gondolen.
       
      ▸ Kungsholmen
      A maior atração dessa ilha é o Stadshus, o prédio da prefeitura, que além da sua função governamental é importante por ser o local do jantar de cerimônia dos Prêmios Nobel.
      Mesmo que não faça a visita interna, é possível conhecer sem custos a parte externa, que tem um jardim lindo e vistas interessantes para as outras ilhas.
       
      ▸ Skeppsholmen e Kastellholmen 
      A pequena Skeppsholmen é acessada pela Skeppsholmsbron, a ponte-cartão-postal de Estocolmo famosa por suas coroas douradas. Embora não tenha muitas atrações além do Museu de Arte Moderna, a ilha e sua adjacente, Kastellholmen, são lugares perfeitos para uma caminhada tranquila a beira-mar! 
       
      ▸ Bônus: Arte no metrô de Estocolmo
      Não é só na superfície que a capital sueca encanta e surpreende. Seu subterrâneo também atrai curiosos para conhecer a exposição de arte mais longa do mundo, o metrô de Estocolmo!
      As cem estações vem sendo decoradas por artistas desde 1957, seja com pinturas, esculturas ou instalações. Como não usamos o metrô para o transporte, compramos um bilhete unitário, válido por 75 minutos, só para explorar as intervenções. Apesar de ter feito um roteiro maior, houve uma interrupção por tempo indeterminado na terceira estação e acabamos não conhecendo o resto, mas destaco a T-Centralen (linha azul) e a Stadion (linha vermelha).
      O site Visit Stockholm tem informações mais completas sobre as obras. Para informações oficiais sobre os bilhetes, clique aqui.
       
      O que comer em Estocolmo?
      Provavelmente as almôndegas sejam a iguaria mais famosa do país, assim como as salsichas e carnes exóticas (para nós), como a de alce. Mas a gastronomia sueca também é muito baseada no mar, com pratos de peixe como salmão e bacalhau fresco. Os acompanhamentos costumam ser purê de batata, a típica geléia de lingonberries, legumes e vegetais.
      Talvez ainda mais importante que as refeições seja a hora do cafézinho, que tem até nome – Fika! Os pães geralmente tem versões saudáveis como integrais ou com sementes ou o knäckebröd, preferência nacional, que é bem fininho e pode ser consumido no café da manhã ou como entrada. Já os doces não são lá muito fitness, as vitrines apresentam uma enorme variedade de opções como o bolo da princesa ou o rolinho de canela com cardamomo.
      Veja aqui um post especial sobre a comida típica da Suécia e sugestões de restaurantes em Estocolmo.
      📷 Texto original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/guia-viagem-estocolmo/
    • Por michele.caetano
      Utilizo há anos esse site para pesquisar roteiros de viagens, dicas, custos e, finalmente, venho aqui dar minha contribuição. Trata-se de um relato de uma viagem de um jovem casal apaixonado, em lua de mel, que teve de enfrentar uma cotação de R$ 4,50 a R$ 5,00. Que fase! Com muito planejamento e foco conseguimos fazer uma bela viagem de 23 dias na primavera européia ❤️. 
      Fizemos uma lista virtual de presentes, então boa parte dos passeios que fizemos ganhamos de presente dos nossos queridos amigos e familiares 🥰.
      Roteiro:
      Paris - 5 dias (26/04 - 01/05)
      Praga - 3 dias (01 - 04/05)
      Viena - 2 dias (04 - 06/05)
      Budapeste - 3 dias (06 - 09/05)
      Nápoles - 1 dia (09 - 10/05)
      Sorrento - 2 dias (10 - 12/05)
      Ilha de Capri - 1 dia (12 - 13/05)
      Maiori - 1 dia (13 - 14/05)
      Roma - 5 dias (14 - 19/05)
      Primeira dica: Sempre que pensar no número de dias que quer ficar num lugar acrescente mais 1, porque o dia que você chega e sai da cidade fica bastante comprometido com os deslocamentos. E às vezes algum imprevisto também pode "atrasar" seu roteiro, como um dia inteiro de chuva no dia que tinha planejado várias coisas ao ar livre. Nesse roteiro recomendaria acrescentar pelo menos mais 1 dia em Paris, Praga e Budapeste. E mais 1 em Capri se você estiver com dinheiro sobrando ou pegar um câmbio melhor, rs. 
      Segunda dica: A primavera européia nada tem a ver com a nossa! Pegamos bastante frio, especialmente em Paris e no Leste Europeu. Importante colocar na mala uma blusa e calça térmicas e um casaco mais quentinho. Nesse lugares eu saía normalmente com uma camisa de manga curta, blusa térmica (manga comprida), uma blusa mais grossa de manga comprida, casaco e cachecol. Ah, e calça térmica por baixo da calça jeans.
      Paris
      Hospedagem: Ficamos num apartamento ótimo em Montmartre pelo Airbnb, bem equipado, com uma vista incrível da Torre Eiffel e metrô em frente (estação Pigalle). Apesar de ouvir muita gente dizer que este é um bairro mais perigoso em Paris, tenho que discordar. Havia bastante movimento nessa rua até tarde, bem iluminado, farto comércio e restaurantes na região. Nos sentimos super seguros lá, inclusive à noite. Adorei! Valor da diária c/ taxas: € 114 (casal).
      Link: https://www.airbnb.com.br/rooms/882192?guests=1&adults=1&sl_alternate_dates_exclusion=true&source_impression_id=p3_1559085549_zGi%2BIA2ncnTDvdEE&check_in=&check_out=&children=0&infants=0
       
      Saindo do aeroporto Charles de Gaulle: Pegamos um trem (€ 10,30 p/ pessoa) até a estação Gare du Nord e de lá pegamos o metrô até a estação Pigalle.
      Transporte: Compramos o combo de 10 tickets de metrô por R$ 14,90. Vale a pena porque paga mais barato no valor unitário da passagem. No total compramos 30 tickets para os 5 dias.
       
      Gastos casal - 5 dias:
      Hospedagem: €572
      Alimentação: €425 - média de €85/dia (contando mercado, restaurante, lanches etc)
      Atrações turísticas: €233 - média de €47/dia
      Transporte: €147 - média de €30/dia
      Paris é uma cidade bem cara. A gente comia no máximo 1 vez por dia em restaurante, almoço ou janta, e ainda assim gastamos bastante com alimentação. Pra economizar, vale a pena ir ao mercado caso tenha cozinha no seu ap. Queijos e vinhos são uma boa pedida. Compramos um ótimo vinho por menos de €5!
       
      Dia 1
      Chegamos antes do horário de check-in. Então, deixamos as malas no apartamento e fomos explorar as principais atrações do bairro:
      Muro Je t'aime, Sacré-Coeur e Place du Tertre
      Muro J t'aime

      Sacre Croeur

      Vista da Sacre Croeur
      Almoço: Na verdade foi um lanche. Comemos baguetes num quiosque que tinha no caminho pra Sacre Croeur: 2 baguetes e 1 coca - €12,30
      Seguimos para o Trocadero pra aproveitar que o dia ainda estava claro e bonito e ver a torre mais de pertinho. Lá comemos nosso primeiro crepe de rua parisiense (eu amo!) - €3,50 cada. Depois de curtirmos um pouco, caminhamos beirando o rio Sena e fomos até a Champs-Élysées e o Arco do Triunfo. Depois dessa bela caminhada voltamos pro ap pra tomar um  banho quentinho e sairmos para o nosso primeiro jantar romântico da viagem.

      Tracadero

      Trocadero

      Champs-Élysées


      Arco do Triunfo
       
      Jantar romântico (um dos presentes de casamento): Restaurante Bouillon pigalle - foi um achado porque jantar em Paris sem gastar uma fortuna é uma missão difícil e o restaurante ficava praticamente do lado do nosso apartamento. 2 entradas, 2 pratos principais, 1 sobremesa e uma jarra de vinho da casa saíram por 50 euros, incluindo uma pequena gorjeta. E não é um menu não, você escolhe seus pratos individualmente. Foi um ótimo custo-benefício! Recomendo a sopa de cebola de entrada e o profiterole de sobremesa. Os pratos principais estavam bons, mas nada que chamasse a atenção. Os parisienses também curtem o local, então é bom chegar cedo porque já começa a ter fila antes das 20h e eles não fazem reserva. 
      E pra finalizar uma foto da sacada do nosso apartamento com uma bela vista da Torre Eiffel. Era incrível acordar e dormir com essa vista!

       
       
       
    • Por pedro.phma
      Comecei a escrever esse relato faz uns 6 meses, mas por falta de tempo acabei deixando de lado. Aos poucos vou publicando o relato e tentarei terminar ele o mais breve possível.
       
      Em 2018 fiz junto com minha esposa nosso primeiro passeio pela Europa. O primeiro destino escolhido foi Portugal e Espanha, e da viagem fiz um relato que se encontra nesta seção do fórum.
      Em 2019 foi a vez de conhecer a Itália. Durante 2018 vínhamos planejando nova viagem para a Europa caso aparecesse passagem aérea com bom preço para janeiro/2019. Até que em setembro apareceu passagem para Roma com voo direto saindo de Guarulhos pela LATAM. A passagem saiu por R$ 2734,56 por pessoa, com direito a bagagem despachada e marcação de assento, algo que está cada vez mais raro de se conseguir gratuitamente. Embarcaríamos no dia 14/01 com retorno ao Brasil no dia 26/01, um total de 11 noites na Itália. Já havia mais ou menos definido quais cidades gostaria de conhecer. Só foi necessário encaixá-las de acordo com o tempo disponível.
      Uma mudança importante em relação à viagem com Portugal e Espanha é que dessa vez o deslocamento entre as cidades seria feito de trem.
       
      Roteiro
      Em suma, pernoitamos em Roma, Florença, Bologna e Verona. Não incluí Milão no roteiro, primeiro porque teria que tirar dia de alguma outra cidade para encaixá-la e segundo porque achei que não haveria tantas atrações interessantes para valer o deslocamento. Alguns bate-voltas foram feitos, como Nápoles, Pisa, Modena e Veneza.
      Nota: Em 2020 fui novamente para a Europa e acabei passando por Milão. Apesar de não ter tantos monumentos históricos como outras cidades da Itália, é uma cidade muito interessante. Mas isso fica para outro relato...

      14/01 Guarulhos/Roma
      15/01 Roma
      16/01 Roma
      17/01 Roma/Pompéia/Roma
      18/01 Roma
      19/01 Roma/Florença
      20/01 Florença/Pisa/Florença
      21/01 Florença/Bologna/Modena/Bologna
      22/01 Bologna/Verona
      23/01 Verona/Veneza/Verona
      24/01 Verona/Roma
      25/01 Roma/Fiumicino
      26/01 Fiumicino/Guarulhos
       
      Preparativos no Brasil
      Procuramos reservar hotéis que fossem próximo de estações de trem, já que esse seria nosso principal meio de transporte. E na maioria dos casos também conseguimos ficar a uma curta distância de caminhada das atrações. Quase todas as reservas foram feita pelo Hoteis.com, principalmente pela possibilidade de poder pagar no Brasil em reais, não ficando refém da variação cambial. Outras poucas foram feitas pelo Booking. A maioria dos hotéis da Itália tem cafe da manhã incluído na diária, bem diferente da Espanha, onde geralmente era necessário pagar um valor a mais.
      Passeios mais concorridos, como o Coliseu e Museu do Vaticano foram comprados no Brasil com antecedência. Dependendo da demanda há o risco de não conseguir ingresso na hora ou de pegar filas gigantes, apesar de estarmos viajando em baixa temporada.
      Os trens de longa distância também foram pagos com antecedência no Brasil. Aqui vale a lógica das passagens área: comprar com antecedência para economizar. Para os trens regionais não há essa preocupação, pois o preço das passagens não varia.
      Nota: Algo que notei para alguns trechos é que quando eu pesquisava o preço para mais pessoas (estávamos em quatro pessoas) ficava mais em conta que pesquisando para apenas uma pessoa, uma espécie de "passagem família".
      Novamente aproveitei a Black Friday e comprei os seguros de viagem. O plano EUROPA STANDARD pela Mondial Travel saiu 122,54 reais para cada pessoa.
      Preferi levar dinheiro para a viagem. Deixei o cartão de crédito para alguma emergência. Levei cerca de 10 mil reais, ou 2.190 euros.
      Decidimos também fazer o trecho até Guarulhos de carro. Seria uma viagem de quase 1mil Km a partir do oeste catarinense, mas o valor total gasto entre estacionamento, gasolina e pedágio foi estimado entre 25% e 30% do que gastaríamos para quatro pessoas com passagens áreas a partir de Chapecó (a passagem estava bem mais cara que janeiro/2018).
       
      Total de gastos com passagem aérea, carro e seguro viagem para duas pessoas:
      R$ 5.469,13 pela LATAM, ida e volta de Guarulhos a Roma.
      R$ 245,08 do seguro de viagem para duas pessoas pela Mondial Travel.
      R$ 731,27 em combustível, R$ 147,00 em pedágios e R$ 160,00 no estacionamento do aeroporto de Guarulhos, total de R$ 1038,27 reais.
       
      Clima e o que levar nas malas
      Eu e minha esposa levamos uma mala média cada. A minha foi pesando 8 quilos e a dela foi pesando 10 quilos. Levei as roupas que uso no inverno brasileiro. Para mim foi suficiente. Só reforçando que moro numa cidade com o inverno frio onde a temperatura frequentemente cai para menos de 10ºC, registrando algumas vezes temperaturas negativas. Se não tiver muita roupa de frio, deixe para comprar lá. Era época de liquidação de inverno e pelo menos o preço das roupas para o frio eram mais em conta que no Brasil. Roupas da United Colors of Benetton e GAP, marcas com qualidade descente e com bastante lojas na Itália, saiam por preços bem melhores que os brasileiros para os mesmos tipos de vestimentas.
      Também levei numa mochila uma câmera fotográfica, carregador portátil e uma extensão de tomada. Não tive problema com nossos plugs de tomada em nenhuma cidade da viagem, pelo menos não com os de dois pinos.
       
      12/01 e 13/01 – Saindo do oeste catarinense
      Longo caminho até São Paulo. Seguimos primeiro até Curitiba, onde dormimos no Curitiba Palace Hotel Inn, ao custo de 162 reais o quarto de casal. No dia seguinte fomos até São Paulo. Viagem tranquila. Chegamos lá por volta de 15hs. Hospedamo-nos no Hotel Heritage Comfort Inn, na região da Paulista e Consolação, com reserva feita pelo Booking. A diária saiu por 280 reais o quarto de casal, paga na acomodação. 
      No domingo a Avenida Paulista fecha para os carros. Estava ocorrendo um desfile celebrando o cultura boliviana no local. Bem interessante.
        
       
      14/01 – Saindo do Brasil
      Nosso voo tinha previsão de partida às 16hs em Guarulhos. Saímos de São Paulo por volta de 12hs e quando chegamos ao aeroporto deixamos o carro num estacionamento ao lado do terminal 3. Havia uma promoção de 12 diárias por R$ 140,00 especificamente para esse estacionamento, bem o prazo que precisávamos. Os R$ 20,00 a mais foi pelo dia excedente.
      O avião saiu no horário previsto. A aeronave era um Boeing 767-300. As poltronas na classe econômica eram dispostas no padrão 2-3-2, excelente para quem viaja em par. O conforto e atendimento a bordo foram bons. O único porém é que já não tinha opção de escolha para o café da manhã ao chegar na nossa vez (estávamos na antepenúltima fileira da aeronave).
       
      15/01 – Chegada em Roma
      O avião chegou em Fiumicino pouco antes do horário previsto, que era 07:05h. Seguimos direto para a migração, que foi bem tranquila. O policial não fez nenhuma pergunta. Simplesmente carimbou o passaporte e nos entregou. Mas caso fosse solicitado, eu estava com uma pasta contendo as reservas de hotéis, trens e passeios, além do seguro de viagem obrigatório para o espaço Schengen. 
      Após pegar as malas, a ideia era comprar um chip de celular. Ainda dentro do terminal comprei um chip da TIM com foco em internet por 25 euros. Como o que aprendi de italiano era insuficiente para qualquer comunicação mais complexa, a comunicação com o atendente se deu em inglês. 
      Do aeroporto fomos para Roma de táxi, saindo por 50 euros para todos os passageiros e as malas. O valor do táxi era tabelado. Cerca de 40 minutos depois estávamos na porta do hotel.
      A hospedagem reservada foi o Hotel Lirico, cerca de 5 minutos de caminhada da Estação Roma Termini e não muito longe de algumas atrações turísticas, como a Fontana de Trevi e a Basílica de Santa Maria Maggiore. A reserva de 4 diárias foi feita pelo Hoteis.com e paga ainda no Brasil, saindo por R$ 907,74 o quarto de casal. Havia ainda uma taxa turística total de 32 euros (16 euros por pessoa) paga no check-in.
      Chegamos ao hotel bem cedo, muito antes do horário do check in. Mas mesmo assim fomos prontamente atendidos. Como havíamos reservado dois quartos (viajamos em quatro pessoas) e apenas um deles estava pronto, deixamos todas as malas em um dos quartos e saímos para tomar café da manhã. Fomos no Morganti Cafè, pertinho do hotel. Refeição para duas pessoas saiu por 6 euros.
      Após, resolvemos dar uma volta pela cidade até que os dois quartos estivessem prontos. Fomos até a Fontana de Trevi, que estava lotada de turistas. Depois, vencidos pelo cansaço da viagem, retornamos ao hotel para descansar.
      Acordamos próximo da hora do jantar. Resolvi procurar uma loja próxima para comprar algumas roupas de frio. Fomos na Coin da Roma Termini, uma loja de departamento comum na Itália. Os preços de um modo geral eram mais caros que a El Corte Ingles da Espanha e tinha bem menos variedade de roupas, mas consegui uma boa jaqueta por 30 euros.
      Jantamos no Restaurante Doveralù, próximo do hotel. A refeição para o casal mais bebida saiu por 27 euros. Em seguida fomos ao The Gelatist experimentar um sorvete italiano. Voltei nessa sorveteria outras vezes. Tinha várias delas por Roma. Foi um dos melhores gelatos que tomei e o preço era excelente. Depois fomos a um Carrefour do lado do hotel em que estávamos para comprar água e outros mantimentos. Por fim, voltamos ao hotel para descansar.

      Total de gastos no dia:
      R$ 907,74 por quatro diárias do Hotel Lirico (pago no Brasil pelo Hoteis.com)
      32 euros de taxa turística para quatro dias paga no hotel
      50 euros de táxi do aeroporto até o hotel em Roma
      25 euros por chip da Tim
      6 euros em café da manhã no Morganti Cafè
      27 euros em jantar no Restaurante Doveralù
      5 euros em dois gelatos no The Gelatist
      1,70 euros no Carrefour para água e outros mantimentos
      Nota: não vou incluir gastos com compras supérfluas tais como roupas, calçados ou lembrancinhas. Todos os preços das refeições que eu colocar já inclui a gorjeta, quando era o caso, e que normalmente eu dava 10% do valor total.
       
      16/01 – Passeio no Vaticano
      Hoje seria dia de visitar o Museu do Vaticano, um dos passeios mais aguardados por mim. Mas primeiro tomamos café da manhã no hotel, com o valor já incluído na diária. Café justo pelo valor da diária, com uma variedade razoável de comida.
      Saímos do hotel em direção à estação Roma Termini para pegar o metrô até a estação Ottaviano, onde descemos e fomos caminhando até o Vaticano. O custo do metrô é de 1,5 euros por pessoa e, em minha opinião, a qualidade do serviço prestado é pior que o de São Paulo, mas pelo menos te leva para quase qualquer canto da cidade.
      Compramos o ingresso para o Museu antecipado, pagando 21 euros por pessoa. O horário marcado para entrar era 09:30h. Minha sogra e sua irmã não quiseram ir ao Museu. Elas foram assistir a Missa do Papa, que ocorre todas as quarta feiras. Para assistir a Missa é necessário solicitar o ingresso gratuito antecipadamente, mas por ser baixa temporada é possível conseguir um lugar se chegar com antecedência.
      Sobre o Museu, a visita foi um misto de fascínio e decepção. As coleções egípcias, romanas, etruscas e de civilizações da Mesopotâmia são incríveis. Mas senti certa decepção com a Capela Sistina. Ela é bonita, os afrescos são incríveis, mas não tem a mesma imponência de outros templos religiosos. Praticamente toda ornamentação da Capela é feita com as pinturas, não contando com tantos detalhes esculpidos em pedra ou talhados em madeira. 



       
      Saindo do Museu fomos visitar a Basílica de São Pedro. É incrível a grandiosidade do local. A entrada é gratuita e mesma na baixa temporada tinha uma fila considerável para passar pelo esquema de segurança. Dentro da Basílica se encontra a Pietà de Michelangelo. Que obra de arte!


      Pagando 10 euros por pessoa é possível fazer uma visita na cúpula e ter uma visão panorâmica do Vaticano e de Roma. Recomendo fortemente.



      Fomos almoçar no restaurante Tre Pupazzi, que fica próximo do Vaticano. A refeição para o casal saiu por 40 euros. Nesse dia percebemos que o gasto com alimentação dificilmente ficaria na meta dos 50 euros diários para o casal (acabou ficando em 70 euros diários em média).
      Nota: Óbvio que há locais e formas mais baratas de alimentação na Itália, mas para mim a culinária é provavelmente a atração mais importante em uma viagem e não abro mão de comer minimamente bem. Também não tenho dinheiro para comer só em restaurante galático, então sempre procuro o custo benefício, pesquisando avaliações no Google Maps e no Tripadvisor.
      Depois do almoço fomos caminhando até o Castelo Sant'Angelo, onde admiramos apenas por fora. Após algumas fotos cruzamos o Rio Tibre pela ponte em frente ao Castelo. Como minhas companheiras estavam cansadas de caminhar, propus voltarmos para o hotel de ônibus. Queria evitar a todo custo usar táxi em Roma por conta de alguns relatos de malandragem. Compramos as passagens por 1,5 euros por pessoa em uma loja com um símbolo “T” bem grande na fachada. Esses são os pontos de venda de passagens, conhecidos como "tabacchi". Importante lembrar que toda passagem, seja de metrô, trem ou ônibus, tem que ser validada no local específico. O ônibus estava lotado. Depois de uns 20 minutos chegamos a um ponto perto o hotel.




      Após descansar um pouco saímos para jantar. O restaurante escolhido foi o Alessio, perto do hotel. A refeição do casal saiu por 30 euros. Antes de encerrar o dia aproveitamos para mais uma passada no Carrefour ao lado do hotel para comprar água e outras coisas.
      Total de gastos no dia:
      3 euros para duas passagens no metrô
      3 euros para duas passagens de ônibus
      42 euros para dois ingressos no Museu do Vaticano (pago no Brasil)
      20 euros para dois ingressos na Cúpula do Vaticano
      40 euros em almoço no Tre Pupazzi
      30 euros em jantar no Ristorante Alessio
      2,70 euros no Carrefour para água e outros mantimentos
       
      17/01 – Bate-volta para Pompeia
      Após tomar café da manhã no hotel, seguimos para a estação Roma Termini. Iríamos pegar o trem até Nápoles. Compramos a passagem antecipadamente no Brasil, pagando 14,90 euros pela Italo Treno. Saímos de Roma 09h11 e chegamos pontualmente em Nápoles às 10h20, desembarcando na estação Napoli Centrale. Seguimos então as placas que indicavam o trem Circunvesuviano. Compramos a passagem no guichê, ao custo de 2,80 euros por pessoa. Ao comprar a passagem, informei que iria até a estação Pompéia Scavi Villa Misteri, que é a mais próxima da entrada do sítio arqueológico. Atenção aqui, pois também há uma outra estação chamada apenas de Pompei.
      A estação Pompéia Scavi Villa Misteri fica a uma curta caminhada de uma das entradas do sítio arqueológico de Pompéia. O ingresso, comprado na hora, saiu por 15 euros por pessoa.
      Pompéia é grande, mas com cerca de 3~4 horas no local dá para conhecer as principais atrações. Começamos o passeio pela Porta Marina, passando pelo Fórum, Terme Stabiane, Casa della Venere in Conchiglia e Praedia Di Giulia Felice, até chegar ao Anfiteatro de Pompeia, que se encontra num belo estado de conservação. Seguimos para o Orto dei Fuggiaschi, onde é possível ver os corpos carbonizados dos antigos habitantes da cidade. Fomos até o Teatro Grande e Teatro Piccolo e depois voltamos ao Fórum.

       





      Perto do Fórum há um restaurante. Não é grande coisa, mas dá pra matar a fome. O almoço para duas pessoas saiu por 17,40 euros.
      Com a barriga cheia, seguimos caminhando ao ponto mais isolado do sítio, a Villa dos Mistérios. Por fim, visitamos a Casa del Fauno e o Lupanar.

       

      Andar por Pompéia é um espetáculo. Provavelmente será a melhor amostra de como era uma cidade na época do antigo Império Romano. Posso afirmar sem sombra de dúvida que, sob a temática histórica, é o melhor passeio que fiz na Itália.
      Saímos do sítio arqueológico por onde entramos e seguimos até a estação para comprar a passagem de volta para Nápoles pelo Circunvesuviana.
      Inicialmente tínhamos planejado fazer um passeio por Nápoles e comer uma pizza enquanto aguardávamos o trem de volta para Roma. Mas estávamos tão cansados e de barriga cheia pelo almoço tardio que acabamos desistindo e aguardamos na estação Napoli Centrale. O trem de retorno saiu 17h36, com horário previsto de chegada às 19h30 em Roma Termini. Compramos a passagem antecipada no Brasil, pagando 9,90 euros por pessoa pela Trenitalia. Foi um trem mais lento que o de ida. Em relação ao conforto, não vi muita diferença entre as duas empresas que operam na Itália.
      Já em Roma, fomos jantar no Ristorante del Giglio, ao custo de 35 euros o casal. Após, retornamos ao hotel para descansar.
      Total de gastos no dia:
      29,80 euros duas passagens no trem de Roma a Nápoles pela ITALO (pago no Brasil)
      19,80 euros duas passagens no trem de Nápoles a Roma pela TRENITALIA (pago no Brasil)
      11,20 euros para quatro passagens no Circunvesuviano (ida e volta)
      30 euros para dois ingressos no sítio arqueológico de Pompéia.
      17,40 euros em almoço no restaurante do sítio arqueológico de Pompéia
      35 euros em jantar no Ristorante del Giglio
       
      18/01 – Dia do Coliseu
      Novamente tomamos café no hotel e rumamos para mais uma atração imperdível de Roma: o Coliseu. O ingresso foi comprado com antecedência no Brasil, ao custo de 14 euros por pessoa, com entrada marcada para 08h35. Mesmo comprando com cerca de um mês de antecedência e em época de baixa temporada, já não consegui mais ingresso para visita ao subterrâneo, apenas o ingresso padrão. Então fica a dica: reserve com bastante antecedência.
      Pegamos o metrô até a estação Colosseo. Saindo da estação nos deparamos com aquele monumento imenso. E é realmente muito grande. Enquanto esperávamos na fila, começou a cair uma chuvinha chata que nos acompanhou durante quase todo o dia. O passeio no Coliseu não é muito demorado, podendo ser feito em pouco mais de uma hora.



      Do Coliseu partimos para o Foro Romano, ou o que sobrou dele. Confesso que depois de ter visto Pompéia, o Foro Romano não me chamou tanta atenção, mas há algumas construções legais. E dele também se tem uma vista privilegiada do Coliseu. Depois de cerca de 2 horas no local, partimos novamente para a estação Colesseo e pegamos o metrô até a estação Spagna.



      Na região compramos algumas coisas e depois seguimos para o Ristorante Pizzeria La Francescana, onde o almoço saiu por 35 euros para o casal. Deixo aqui um comentário em relação às refeições na Itália. Elas consistem em um primeiro prato, essencialmente carboidrato, e um segundo prato, essencialmente proteína. Quando dizem que a Itália é a terra da massa, não é exagero. 90% dos primeiros pratos são algum tipo de massa. Chega um ponto que enjoa. Palavra de quem gosta bastante de comida italiana. Então o que eu e a esposa fizemos em vários restaurantes era pedir uma massa e uma carne para racharmos entre nós. Assim conseguíamos variar o cardápio na maioria das vezes. A conta saía mais cara, pois o prato com proteína sempre era mais caro, mas se comia melhor. Outra opção é procurar restaurantes com o menu do dia, que possibilita comer pratos diversos a um preço mais camarada que pegando cada prato separadamente, mas não vi tantos desse tipo como tinha na Espanha.
      Depois de comer, caminhamos novamente em direção ao Vaticano. Iríamos fazer o passeio na Necrópole do Vaticano. Não confundir com sala onde estão as tumbas de diversos papas, acessível por dentro da Basílica de São Pedro através de uma escada para o subsolo. A Necrópole fica ainda mais embaixo. Reservamos o passeio ao custo de 13 euros por pessoa com antecedência de dois meses, tudo através de troca de e-mails seguindo passo-a-passo disponíveis na internet. Nos foi agendado a visita guiada em português as 14h30. Por conta desse passeio tive que ajustar os demais passeios em Roma nos dias que sobraram.
      Não sigo nenhuma religião e também não tenho uma crença em qualquer divindade, mas sou apaixonado por história. E esse passeio foi uma aula nesse ponto. Você terá a oportunidade de visitar a cripta mais antiga do Vaticano, anterior à construção da primeira basílica, onde eram enterrados os primeiros cristãos. No local há tumbas de quase 2 mil anos de idade e claro, a cereja do bolo, que é a tumba de São Pedro. Passeio imperdível. A visita termina em uma capela bem pequena, mas muito bonita, e depois saímos no interior da Basílica de São Pedro. Infelizmente não era possível tirar fotos na necrópole.


      Fomos fazer um lanche no 200 Gradi, local que serve diversos tipos de sanduíches dos mais variados recheios. Minha parte e da esposa saiu por 15 euros, com três sanduíches e bebidas.
      Pegamos novamente o metrô e descemos na estação Barberini. Enquanto minhas companheiras faziam compras fui bater pé por algumas atrações da cidade. Visitei a Fontana de Trevi, Panteão, Templo de Adriano e Piazza Navona. Antes de voltar para o hotel, nós paramos para um jantar em uma cafeteria que não recordo o nome.

       
       

      Total de gastos no dia:
      9 euros de metrô para a aquisição de seis bilhetes.
      28 euros para dois ingressos para o Coliseu (pago no Brasil).
      35 euros em almoço no restaurante Ristorante Pizzeria La Francescana.
      26 euros para dois ingressos para a Necrópole do Vaticano (pago no Brasil).
      15 euros em lanche no 200 Grandi.
      8,90 euros em jantar numa cafeteria/lanchonete.
       
    • Por Kassiano Severino
      Oi galera!!
       Sempre peguei dicas aqui do fórum, agora é minha vez de retribuir rsrsrs. Em Setembro de 2019 estava realizando meu intercâmbio em Londres (Minha primeira experiência no exterior), aí decidi passar um final de semana em Edimburgo, na Escócia.
      1° Comprei uma passagem de ida pela Ryanair por 15 euros, gostei do preço, saindo do Stansted Airport. 
      2° Como estava em Bethnal Green precisava ir para o aeroporto, então comprei um transfer para o aeroporto por 4 libras. Meu vôo era por volta das 08:00 da manhã. Então sairia de Londres por volta das 05:00 e estaria em Stansted às 06:00. Só que teve um acidente no começo da via, eu e outras pessoas ficamos esperando o ônibus e nada até uma senhora passar e nos avisar 😲😲😲😲. Isso já era por volta das 05:45, sai correndo para a Central Line rumo a Liverpool Street, chegando lá compro uma passagem de trem (Stansted Express) por 19 libras. Nessa altura estava com medo de perder o vôo, até pq eu sabia que precisava passar no balcão da Ryanair para conferência de visto. Chegando no aeroporto já por volta de 07:20 vejo a fila GIGANTESCA para o balcão da Ryanair. Penso comigo, ferrou, perdi meu vôo. Aí nessa hora vejo um funcionário da companhia aérea, ele estava atendendo pessoas sem bagagens e conferindo os passaportes, fui até lá e bingo visto conferido!!! 😃😃😃😃😃😃
      3° Hora da segurança e outra fila quilométrica, após uma espera grande chego na área de embarque faltando 20 minutos para o horário limite. 
      Isso foi uma grande aula de como se adaptar, contornar uma adversidade e que compensou bastante. Pois, foi o melhor fim de semana da minha estadia no Reino Unido.
      __________14 de Setembro________
      Edimburgo - Cheguei no aeroporto e já sinto uma diferença enorme na temperatura, sou de Recife, então 8 graus é frio!!! 🥶🥶🥶🥶, Mas gosto dessa temperatura rsrsrs. 
      Vou até o terminal e pego um ônibus até o centro da cidade, no caminho sinto como estivesse entrando no mundo medieval, prédios, ruas, praças e claro o castelo de Edimburgo!!




×
×
  • Criar Novo...